PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN"

Transcrição

1 PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN PONENTE: D. EDUARD RIUS - DIRECTOR DE SERVICIOS HOSPITALARIOS ACCIONA INSTITUTO ESPAÑOL DE COMERCIO EXTERIOR DIVISIÓN DE PRODUCTOS INDUSTRIALES Y TECNOLOGÍA

2 Parcerias Público-Privadas Infra-estruturas públicas Madrid, 2011

3 Quem somos A ACCIONA é uma multinacional espanhola, que cotiza no IBEX- 35, com presença nos cinco continentes, comprometida com o bem-estar social e o desenvolvimento sustentável em todas as suas atividades. pioneiros em desenvolvimento e sustentabilidade A sustentabilidade impregna a tomada de decisões e a forma de atuar da empresa para tornar realidade um futuro sustentável.

4 PPP Diferentes formas de cooperação entre as autoridades públicas e o mundo empresarial, cujo objetivo é garantir o financiamento, construção, renovação, gestão e manutenção de uma infra-estrutura ou a prestação de um serviço. LIBRO VERDE SOBRE LA COLABORACIÓN PÚBLICO- PRIVADA Y EL DERECHO COMUNITARIO EN MATERIA DE CONTRATACIÓN PÚBLICA Y CONCESIONES PFI Private Finance Initiatives (UK) PPP Public-Private Partnerships (Portugal, Canadá...) PPP Parceria Público-Privada (Brasil) PPS Projeto para a Prestação de Serviços (México) APP Associação Público Privada (Perú) Concessão de Obra Pública ou Gestão de Serviço Público (Espanha) Concessão de Infra-estrutura Hospitalaria (Chile) PPP Parcerias Público-Privadas (Portugal)

5 porquê um modelo PPP? Um modo diferente de financiar as infra-estruturas públicas Modelo tradicional Novos modelos Sobrecusto Custo Estimado do capital Sobrecustos de exploração Custos estimados de exploração Não há pagamentos até à conclusão das obras Pagamento por uso Pagamento por disponibilidade Anos Anos Necessidade de endividamento Assume risco perante possíveis sobrecustos de exploração ligados ao desenho e construção da infra-estrutura Assume risco perante possíveis sobrecustos de construção por tempo e preço Sector público só paga desde o momento em que faz uso das instalações E só se estiverem em perfeitas condições de uso: disponibilidade

6 Fatores clave do modelo PPP (I) Transferência do risco Desenho e construção da Obra Civil Reposição e manutenção de ativos Dotação e manutenção de equipamento básico Dotação e manutenção de equipamento tecnológico Serviços Básicos associados à instalação (Facility Services) Serviços Avançados (prestação de serviços públicos) Inclusão do projeto arquitetônico Projeto desenhado para ser administrado com eficiência Adaptável e flexível a futuros câmbios e necessidades Hospital sustentável

7 Fatores clave modelo PPP (II) Processos de oferta Que possibilitem um diálogo cliente-licitador Projetos financiáveis Preço fechado Prazo de construção definido e limitado Que inclua sólidas garantias de pago Estrutura societária que possibilite transferência de risco Pagamento por uso e disponibilidade: a Administração recebe um serviço em lugar de reter um ativo Clausulas de atualização e revisão dos custos de prestação de serviços ( market test )

8 Fatores clave modelo PPP (III) Procura de benefícios para o setor público, Value for Money Maior eficácia na gestão Maior disponibilidade de recursos para o cliente (custo de oportunidade) Maior concentração no core da gestão sanitária: a prestação dos serviços assistenciais Solidariedade inter-geracional Reversão da obra pública em perfeito estado de conservação e sem direito à contraprestação Relação de colaboração a longo prazo entre as Administrações Públicas e as entidades privadas

9 Modelos PPP en España 1. Equipamiento Tecnológico Consumos Financiación Construcción Facility Management 4. Diseño Equipamiento (Mobiliario)

10 Proceso de oferta De la licitación al inicio de la construcción del Hospital Infanta Sofía 02/05 03/05 04/05 05/05 06/05 07/05 08/05 09/05 10/05 11/05 09/02 01/04 12/04 13/06 28/06 28/07 12/09 12/10 27/10 11/11 Publicación pliegos Presentación ofertas Apertura ofertas económicas Propuesta adjudicación mesa cont. Adjudicación contrato concesión Formalización contrato (inicio plazo de concesión de 30 años) Presentación proyecto de construcción+información pública Fin información pública Aprobación proyecto construcción Acta de comprobación de replanteo+inicio de construcción Tiempo en meses

11 Mercado na Espanha Nº hospitales: 20 Total camas: Total m2 construídos: Hospitales sin bata blanca: 11 hospitales Hospitales con bata blanca: 9 hospitales

12 Modelos PPP na Espanha Outros serviços básicos(restaurante, estacionamento, etc.) + Facility Services + Equipamento Básico + Manutenção e Reposição + Obra Modelo Hospitais de Madrid Concessão de Obra Pública Consumos Equipamento Médico Tecnológico + Outros serviços básicos(restaurante, estacionamento, etc.) + Facility Services + Equipamento Básico + Manutenção e Reposição + Obra Novo Hospital de Burgos/Vigo Concessão de Obra Pública Serviços Médicos + Equipamento Médico Tecnológico + Outros serviços básicos(restaurante, estacionamento, etc.) + Facility Services + Equipamento Básico + Manutenção e Reposição + Obra Modelo Comunidade Valenciana Gestão de Serviço Público

13 Serviços não sanitários externalizados Conservação de Ruas e Jardins Manutenção integral do edifício Serviço de Desinsectização e Desratização Serviço de Gestão de Pessoal Administrativo de Recepção/Informação e Central Telefónica Transporte externo e interno e gestão Auxiliar Gestão de Armazéns e Distribuição Serviço Integral de Segurança Gestão de Restauração Gestão de Resíduos Urbanos e Sanitários Serviço Integral de Lavandaria Serviço de Limpeza Serviço Integral de Esterilização

14 Estrutura contratual

15 Sistema de retribuição (I) Conceitos incluídos Cânon anual Fixo Variável - Deduções + Obra Equipamento Reposição Facility Management Despesas financeiras - Receitas de terceiros

16 Sistema de retribuição (II) Cânon anual Fixo 80% de la obra, equipamento y reposiçao Variável Conceptos incluidos + Obra Equipamento Reposiçao Facility Management Despesas financeiras Consumos - Receitas de terceiros - Deduções

17 Sistemas de pago (III) Cápita Saldo Facturación intercentros + Ingresos de explotaciones comerciales Facturación asistencia sanitaria a terceros Conceptos incluidos Obra Equipamiento Reposición Facility Management Gastos financieros Consumos Asistencia sanitaria

18 Sistema de retribuição (II) Pagamentos anuais pelo uso do activo e a prestação dos serviços não sanitários Pagamento vinculado ao cumprimento dos rácios de efectividade predeterminados (disponibilidade + qualidade) e intensidade do uso Actualização ordinária de tarifas (anual com IPC) Actualização extraordinária de tarifas todos os 5 anos, para compensar diferenças provadas entre incremento/diminuição dos custos dos serviços, devido à variação de preços de mercado face ao IPC

19 Sistema de deduções Definição de alguns indicadores para objectivar o nível de serviço alcançado 3 parâmetros aplicados a cada um dos indicadores de rendimento: Categoria da avaria A. Avarias dos serviços que afectam a operatividade e uso de áreas funcionais B. Avarias de qualidade ou disponibilidade Tempo de resposta Tempo de correcção Adicionalmente define-se para cada indicador: Frequência de controlo Método de supervisão

20 Sistema de deducciones Servicio de Explotación Indicadores LIMPIEZA 25 SEGURIDAD 28 RESTAURACIÓN 27 RESIDUOS 25 MANTENIMIENTO 30 VIALESY JARDINES 21 LAVANDERIA 15 ARCHIVO DE HHCC 19 ESTERILIZACIÓN 17 DD 23 TIGAs 28 ALMACENES 16 PERSONAL ADM. 21 TOTAL 295

21 Nossos Projetos PPP no Setor Hospitalar Royal Jubilee Hospital, Victoria, Canadá Hospital Fort Sant John, BC, Canadá Hospital Infanta Sofía, Madrid Nuevo Hospital de Vigo Hospital Can Misses, Ibiza Hospital Regional de Alta Especialidad del Bajío y Unidad de Apoyo, León, México Primeiro Hospital PPP da América Latina

22 Hospital Infanta Sofía (Comunidade de Madrid) Enquadra-se no âmbito do Plano de Construção de Hospitais de Proximidade na Comunidade de Madrid com o objetivo estratégico de: Desconcentração da assistência especializada e aproximá-la às populações com fortes perspectivas de crescimento e que estejam afastadas dos serviços hospitalares existentes O Plano contemplava a construção de 8 novos hospitais gerais num prazo inferior aos 24 meses Colocada em funcionamento em 2008 A construção do Hospital tem prevista uma área reservada para futuro crescimento, cuja ocupação está prevista para o ano A prestação do serviço sanitário é pública (com exceção do Hospital Infanta Elena, que inclui a prestação de serviços médicos).

23 Hospital Infanta Sofía, Madrid, España Concessão a 30 anos 522 milhões de euros Projeto, construção, financiamento, manutenção do prédio e instalações e provisão de todos os serviços não sanitários do hospital m (população de referência) 250 camas (ampliáveis a 350) 115 M investimento (construção e equipamento) 32 M investimento de reposição

24 HIS: serviços não sanitários externalizados Conservação de Ruas e Jardins Manutenção integral do edifício Serviço de Desinsectização e Desratização Serviço de Gestão de Pessoal Administrativo de Recepção/Informação e Central Telefónica Transporte externo e interno e gestão Auxiliar Gestão de Armazéns e Distribuição Serviço Integral de Segurança Gestão de Restauração Gestão de Resíduos Urbanos e Sanitários Serviço Integral de Lavandaria Serviço de Limpeza Serviço Integral de Esterilização

25 Hospital Infanta Sofía, Madrid, España

26 Hospital Infanta Sofía, Madrid, España

27 Hospital del Bajío, México 25 anos para a prestação dos serviços Contrato por valor de mais de 800 milhões de pesos Implica o desenho, construção, equipamento, financiamento e gestão dos serviços não assistenciais m (população de referência) 184 camas 500 M pesos de investimento (construção e equipamento) 130 milhões de pesos de cânon anual

28 Hospital del Bajío, México

29 Hospital del Bajío, México

30 Royal Jubilee Hospital, Victoria, Canadá 25 anos para a prestação dos serviços Implica o desenho, construção, equipamento, financiamento e gestão do serviço de manutenção integral do edifício 2008/ camas 40,000 m2 construídos $ 248,19 MM investimento em obra $ 22,81 MM canon anual

31 Fort St. John Hospital, BC, Canadá Implica o desenho, construção, equipamento, financiamento e gestão do serviço de manutenção integral do edifício Concessão 30 anos 55 camas hospitalarias, 123 camas residenciais m2 2009/ MM

32 Nuevo Hospital Can Misses, Ibiza, España Construção, financiamento e operação Concessão 32 anos 157 camas hospitalarias, 2 centros de saúde m2 Inicio construção abril MM

33 Nuevo Hospital Can Misses, Ibiza, España Serviços: limpeza e higiene manutenção instalações desinfecção jardinheria e cuidados exteriores Logística gestão telefônica segurança alimentação a pacientes lavanderia y lenceria Esterilização gestão de residuos archivo de Historias Clínicas cafeteria y comedor externo

34 Nuevo Hospital de Vigo, España Construção, financiamento e gestão de serviços Concessão 20 anos, 33 meses de construção m2, 303 M de investimento, inicio abril camas hospitalarias, 2 centros de saúde 35 salas de cirurgia 160 gabinetes de CCEE 62 salas de diagnóstico por imágem

35 Nuevo Hospital de Vigo, España Serviços externalizados: restaurantes lavanderia e lenceria limpeza e gestão do lixo manutenção electromedicina manutenção geral Desinfecção transporte interno externo e gestão auxiliar Segurança Suministro e gestão energética Central de abastecimento e tratamento de agua (CATA) reprografia e imprenta Jardinheria e manutenção de exteriores

36 Reglas de oro del modelo concesional (I) Fe y firme convencimiento en el modelo Afrontar el debate político sin complejos: No estamos privatizando la sanidad Oportunidad para un cambio cultural en la manera de hacer las cosas /cambios en la gestión Plan funcional de excelencia/participación de los profesionales sanitarios Anteproyecto/Proyecto ejecutivo: si/no??? Fomentar proyectos innovadores y sostenibles El diseño debe fomentar una mayor eficiencia en la operación y mantenimiento Externalización de servicios: valorar y analizar las oportunidades y las desventajas Servicios optimizables (que la gestión privada aporte valor) Transferencia de riesgos: razonables y controlables

37 Reglas de oro del modelo concesional (II) Bases y contrato deben facilitar la financiación de este tipo de proyectos Hay que contemplar el contrato más allá de la construcción de una infraestructura: es un contrato basado en la prestación de un servicio Hacer flexible un contrato rígido Fomentar las sinergias Adjudicaciones que primen la valoración técnica sobre la valoración económica Cultura de partnership : estamos en el mismo barco Estandarización de los concursos???? Compromiso con la transparencia y la evaluación independiente y objetiva Informar, informar, informar

38 Paradigmas del modelo concesional El modelo concesional es más caro Existe un coste asociado a la transferencia de riesgo Costes financieros más altos Costes altos en la modelización y elaboración de estos proyectos (mercado anglosajón) due diligence previa al contrato de financiación Conlleva la privatización de la sanidad Existe descoordinación entre dos modelos de gestión Disminución de la calidad en la prestación de los servicios Modelo no contempla en el largo plazo y por lo tanto las necesidades y cambios tecnológicos...

39 muito obrigado

Projetos compartilhados

Projetos compartilhados espaço ibero-americano espacio iberoamericano Projetos compartilhados OEI inicia o Programa Arte-educação, Cultura e Cidadania e o Projeto Ibero-americano de Teatro Infantojuvenil A aprendizagem da arte

Leia mais

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico espaço ibero-americano espacio iberoamericano Planejamento estratégico Quem somos, onde queremos ir e como chegaremos lá são indagações necessárias em todas as escolas Como qualquer empresa, instituições

Leia mais

5 / LAS ASOCIACIONES PÚBLICO-PRIVADAS

5 / LAS ASOCIACIONES PÚBLICO-PRIVADAS 5 / LAS ASOCIACIONES PÚBLICO-PRIVADAS LAS ASOCIACIONES PÚBLICO-PRIVADAS - Globalización - Neoliberalismo - Plan Estratégico - APP - El Estado asume la mayoría del riesgo, el sector privado toma la mayoría

Leia mais

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público Bruno Alexander Vieira Soares Promotor de Justiça de Defesa da Saúde/BH Coordenador da Coordenadoria de Defesa das Pessoas

Leia mais

TRABALHANDO JUNTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA TRABAJANDO JUNTOS PARA EL DESENVOLVIMIENTO DE LA INDUSTRIA

TRABALHANDO JUNTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA TRABAJANDO JUNTOS PARA EL DESENVOLVIMIENTO DE LA INDUSTRIA TRABALHANDO JUNTOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INDÚSTRIA TRABAJANDO JUNTOS PARA EL DESENVOLVIMIENTO DE LA INDUSTRIA AS SOLUÇÕES ARTICULADAS DO SISTEMA FIERO, POR MEIO DO SESI E SENAI, FORAM ESPECIALMENTE

Leia mais

Informação. Sistema de Ensacamento em Big Bags Sistema de Ensacado en Big Bags HAVER

Informação. Sistema de Ensacamento em Big Bags Sistema de Ensacado en Big Bags HAVER Informação Sistema de Ensacamento em Big Bags Sistema de Ensacado en Big Bags HAVER Ensacadeira HAVER para Big Bag tipo - GWH Ensacador HAVER para Big Bag tipo - GWH A Ensacadeira HAVER para Big Bag tipo

Leia mais

El transporte de mercancías por carretera

El transporte de mercancías por carretera El transporte de mercancías por carretera El transporte de mercancías por carretera regresaba a la normalidad tras dos días de paro. Anoche, la Confederación Nacional de Transporte de Mercancías (CNTM)

Leia mais

Sistema de Pagamentos em Moedas Locais Sistema de Pagos en Monedas Locales S M L

Sistema de Pagamentos em Moedas Locais Sistema de Pagos en Monedas Locales S M L BANCO CENTRAL DE LA REPUBLICA ARGENTINA BANCO CENTRAL DO BRASIL Sistema de Pagamentos em Moedas Locais Sistema de Pagos en Monedas Locales S M L 1 Panorama Atual Panorama Actual Não há instrumentos financeiros

Leia mais

PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN TELEFONICA

PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN TELEFONICA PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN PONENTE: D. OSCAR GÓMEZ TELEFONICA ehealth INSTITUTO Vertical ESPAÑOL DE COMERCIO EXTERIOR

Leia mais

ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y

ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y La CASA DA AMÉRICA LATINA, es una institución de derecho privado sin ánimo de lucro, con sede en la Avenida 24 de Julho, número 1188, en Lisboa, Portugal, representada

Leia mais

Testemunho Empresa Certificada

Testemunho Empresa Certificada Testemunho Empresa Certificada GERTAL - COMPANHIA GERAL DE RESTAURANTES E ALIMENTAÇÃO, S.A. 1 A NOSSA VISÃO Assegurar permanentemente as soluções de alimentação que levem os nossos Clientes a optarem pela

Leia mais

La República Argentina y la República Federativa del Brasil, en adelante, las Partes;

La República Argentina y la República Federativa del Brasil, en adelante, las Partes; Protocolo Adicional al Acuerdo de Cooperación para el Desarrollo y la Aplicación de los Usos Pacíficos de la Energía Nuclear en Materia de Reactores, Combustibles Nucleares, Suministro de Radioisótopos

Leia mais

Abril/2016. Perspectivas para o setor de infraestrutura no Estado do Rio de Janeiro

Abril/2016. Perspectivas para o setor de infraestrutura no Estado do Rio de Janeiro Abril/2016 Perspectivas para o setor de infraestrutura no Estado do Rio de Janeiro Sumário Quem somos Cenário PPPs e Concessões Desafios do atual modelo Proposta da AEERJ Projetos do ERJ : pontos críticos

Leia mais

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco)

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco) (Página intencionalmente deixada em branco) 2 Conteúdo A Saúde Quem Somos... O programa Enfermeiros de Família... O Enfermeiro de Família Saúde... O desafio de carreira... Principais competências e responsabilidades...

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

ORGÂNICA ECONÓMICA D E S I G N A Ç Ã O ORGÂNICA ECONÓMICA

ORGÂNICA ECONÓMICA D E S I G N A Ç Ã O ORGÂNICA ECONÓMICA ENTIDADE MUNICIPIO DE MOGADOURO ORÇAMENTO DA DESPESA ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DOTAÇÕES INICIAIS DO ANO 2009 PÁGINA : 1 01 01.01 ADMINISTRACAO MUNICIPAL OPERACOES FINANCEIRAS 5.094.863,00

Leia mais

SETA PROYECTOS INTERNACIONALES. Projectos integrais de água no mundo

SETA PROYECTOS INTERNACIONALES. Projectos integrais de água no mundo SETA PROYECTOS INTERNACIONALES Projectos integrais de água no mundo INOVAÇÃO. GARANTIA. COMPETIVIDADE SOLUÇÕES INTEGRAIS SUSTENTÁVEIS A SETA Proyectos Internacionales está presente na Europa, América,

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

40º ENCONTRO TELE.SÍNTESE

40º ENCONTRO TELE.SÍNTESE 40º ENCONTRO TELE.SÍNTESE CONCENTRAÇÃO NO MERCADO DE TELECOM: MOVIMENTO SEM VOLTA? Bruno Ramos Diretor Regional para as Américas UIT ABOUT ITU ABOUT ITU introdução ao IDI O Índice de Desenvolvimento das

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

O QUE FAZEMOS QUEM SOMOS: MARCA DA SOTECNISOL PARA O MERCADO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA:

O QUE FAZEMOS QUEM SOMOS: MARCA DA SOTECNISOL PARA O MERCADO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA: O QUE FAZEMOS QUEM SOMOS: MARCA DA SOTECNISOL PARA O MERCADO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA: 45 anos de mercado, presença activa em 3 continentes Missão comum de ser a mais competente empresa

Leia mais

Parcerias Público Privadas em Moçambique

Parcerias Público Privadas em Moçambique Parcerias Público Privadas em Moçambique Ronald Fischer CEA-DII, Universidad de Chile V. Nhabinde Universidade Eduardo Mondlane Dezembro, 2012 Maputo, Moçambique Estrutura da Apresentação Princípios para

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS terça-feira, 10 de novembro de 2015 Objetivo Apresentar os alguns dos tipos de relacionamento estabelecidos entre a

Leia mais

ANO 2007 ENTIDADE C.M.L. MUNICÍPIO DE LAGOA Pág. 1

ANO 2007 ENTIDADE C.M.L. MUNICÍPIO DE LAGOA Pág. 1 ENTIDADE C.M.L. MUNICÍPIO DE LAGOA Pág. 1 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 383.685,64 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 161.920,09 OPERAÇÕES DE TESOURARIA... 221.765,55 RECEITAS ORÇAMENTAIS...

Leia mais

ESP/POR COCCIÓN / CONFECÇÃO. Gama 600

ESP/POR COCCIÓN / CONFECÇÃO. Gama 600 ESP/POR COCCIÓN / CONFECÇÃO Gama 600 Gama 600 Trabajar con una marca de prestigio internacional Trabalhar com uma marca de prestigio internacional Fagor Industrial es una empresa que desde hace 50 años

Leia mais

Turbo-trituradores TRX-21 / TRX-22

Turbo-trituradores TRX-21 / TRX-22 Turbo-trituradores TRX-21 / TRX-22 TRX-21 / TRX-22 La gama de turbo-trituradores TRX de Sammic, diseñada para trabajar en calderos de hasta 800 litros de capacidad, permite mezclar y triturar directamente

Leia mais

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma

Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Inovação, Tecnologia e Operações Receituário eletrônico: uma mudança de paradigma Experiência publica e empresarial em Espanha Eduardo Figueiredo Pensar Global e Agir Local para a Excelência do Varejo

Leia mais

Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI

Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI JESSICA KICK-OFF MEETING PORTUGAL Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 Implementação de JESSICA: os Fundos de Desenvolvimento Urbano e o papel do BEI Mateu Turró, Director Associado Assessor especial JESSICA

Leia mais

IX CONGRESSO MUNDIAL DE GANADEROS DE TOIROS DE LIDE IX CONGRESO MUNDIAL DE GANADEROS DE TOROS DE LIDIA

IX CONGRESSO MUNDIAL DE GANADEROS DE TOIROS DE LIDE IX CONGRESO MUNDIAL DE GANADEROS DE TOROS DE LIDIA IX CONGRESSO MUNDIAL DE GANADEROS DE TOIROS DE LIDE IX CONGRESO MUNDIAL DE GANADEROS DE TOROS DE LIDIA ILHA TERCEIRA / AÇORES - DE 20 A 24 DE OUTUBRO O DE 2010 ISLA TERCEIRA / AZORES DEL 20 AL 24 DE OCTUBRE

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Ficha sistematización experiencias en Educación Teológica Virtual Facultad EST, Brasil

Ficha sistematización experiencias en Educación Teológica Virtual Facultad EST, Brasil Ficha sistematización experiencias en Educación Teológica Virtual Facultad EST, Brasil 1.1.Nombre, país, sitio web 1.DATOS INSTITUCIONALES Faculdades EST, Brasil, http://www.est.edu.br 1.2.Relaciones con

Leia mais

14ª Conferência Internacional da Latin American Real Estate Society LARES

14ª Conferência Internacional da Latin American Real Estate Society LARES 14ª Conferência Internacional da Latin American Real Estate Society LARES 18 a 20 de setembro Teatro Adolfo bloch Edifício Manchete Praia do Flamengo Rio de Janeiro - RJ Prof.Dr. Claudio Tavares de Alencar

Leia mais

2.2. Podem, ainda, candidatar-se entidades agrupadas num projecto comum, devendo ser indicado o líder do mesmo.

2.2. Podem, ainda, candidatar-se entidades agrupadas num projecto comum, devendo ser indicado o líder do mesmo. 1. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1.1. A Fundação EDP, adiante designada por FEDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e da inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

PPP O que são e quais as suas consequências para o SNS e para os portugueses Pág. 2

PPP O que são e quais as suas consequências para o SNS e para os portugueses Pág. 2 PPP O que são e quais as suas consequências para o SNS e para os portugueses Pág. 1 PARCERIAS PUBLICO-PRIVADAS (PPP) NA SAÚDE :- O que são, e quais são as suas consequências para o Serviço Nacional de

Leia mais

Tabela das Despesas Contabilizáveis para as Ações e Serviços Públicos de Saúde - ASPS. Assist. Social

Tabela das Despesas Contabilizáveis para as Ações e Serviços Públicos de Saúde - ASPS. Assist. Social Descrição da Despesa ASPS Assist. Social Outros Base Legal Subsídio do Secretário da Saúde, Assistência e Meio Ambiente. X 1 1 Casos em que a Secretaria da Saúde abranja outras áreas de atuação, deverá

Leia mais

ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ( 10 = 7-9 ) (11=4+5-6-7) (12)a

ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ( 10 = 7-9 ) (11=4+5-6-7) (12)a MAPA DO CONTROLO ORÇAMENTAL DA RECEITA ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1 CLA SIFICAÇÃO ECONÓMICA PREVISÕES RECEITAS POR RECEITAS LIQUIDAÇÕES RECEITAS REEMBOLSOS/RESTITUIÇÕES

Leia mais

MEDIADORES TECNOLÓGICOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. CARTOGRAFIA DE UM CASO FRENTE AOS DESAFIOS NO CONTEXTO AMAZÔNICO

MEDIADORES TECNOLÓGICOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. CARTOGRAFIA DE UM CASO FRENTE AOS DESAFIOS NO CONTEXTO AMAZÔNICO MEDIADORES TECNOLÓGICOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. CARTOGRAFIA DE UM CASO FRENTE AOS DESAFIOS NO CONTEXTO AMAZÔNICO Jucimara Canto Gomes, Zeina Rebouças Corrêa Thomé Universidade Federal do Amazonas jucimaracanto@hotmail.com

Leia mais

Freguesia. Foz do Arelho. Município de Caldas da Rainha ORÇAMENTO RECEITA E DESPESA PARA O ANO FINANCEIRO DE 2003 APROVADO

Freguesia. Foz do Arelho. Município de Caldas da Rainha ORÇAMENTO RECEITA E DESPESA PARA O ANO FINANCEIRO DE 2003 APROVADO Freguesia de Foz do Arelho Município de Caldas da Rainha ORÇAMENTO DA RECEITA E DESPESA PARA O ANO FINANCEIRO DE 2003 APROVADO PELA JUNTA DE FREGUESIA Em reunião de PELA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA Em sessão

Leia mais

A New Payment System s Facility to Improve Brazil-Argentina Trade. Leonardo Borba Neira- BCB Luis Alberto D Orio - BCRA

A New Payment System s Facility to Improve Brazil-Argentina Trade. Leonardo Borba Neira- BCB Luis Alberto D Orio - BCRA . A New Payment System s Facility to Improve Brazil-Argentina Trade Leonardo Borba Neira- BCB Luis Alberto D Orio - BCRA Annual Payments Week, 2007 - Costa do Sauipe 1 Agenda 1. Internacionalização da

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS III Fórum Brasileiro sobre a Reforma do Estado Carlos Ari Sundfeld SITUANDO O TEMA DA PPP escassez de recursos orçamentários para projetos de alto custo déficit de projetos

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA Subsecretaria de Política Fiscal Órgão da SEFAZ PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS Breves reflexões sobre o tema. George Santoro BREVE HISTÓRICO: DO ESTADO BUROCRÁTICO

Leia mais

Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público?

Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público? Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público? Cual es período de retorno de una inversión en geoprocesamento por parte de una administración pública? Xavier

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 351/XI

PROJECTO DE LEI N.º 351/XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 351/XI ALTERA A FORMA DE DESIGNAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DA RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL, S.A. E ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA ESTRATÉGICO

Leia mais

Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa.

Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa. Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa. 17 de Março de 2011, Salão Nobre da Reitoria da Universidade dos Açores Magnífico

Leia mais

IRINEU OZIRES CUNHA JORGE COSTA FILHO LUIZ RODRIGO LARSON CARSTENS O CONTROLE EXTERNO DA POLÍCIA ESTADUAL DE CICLO COMPLETO : PERSPECTIVAS FUTURAS

IRINEU OZIRES CUNHA JORGE COSTA FILHO LUIZ RODRIGO LARSON CARSTENS O CONTROLE EXTERNO DA POLÍCIA ESTADUAL DE CICLO COMPLETO : PERSPECTIVAS FUTURAS IRINEU OZIRES CUNHA JORGE COSTA FILHO LUIZ RODRIGO LARSON CARSTENS O CONTROLE EXTERNO DA POLÍCIA ESTADUAL DE CICLO COMPLETO : PERSPECTIVAS FUTURAS Trabalho Técnico-Científico, apresentado por exigência

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE SOUZA ABRAHÃO

JOSÉ CARLOS DE SOUZA ABRAHÃO JOSÉ CARLOS DE SOUZA ABRAHÃO FORMAÇÃO PROFISSIONAL: Formado em Medicina pela Faculdade Souza Marques 1972/1977; Pós Graduado em Administração Hospitalar pela Fundação Thomas Father 1987/1988; MBA Executivo

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Fórum Social Mundial 2006: Desafios e possibilidades de um fórum mundial policêntrico I. Justificativa

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO. MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO MINISTRO, Dr. Pascoal Mocumbi, POR OCASIÃO DO LANÇAMENTO OFICIAL DA PESQUISA NACIONAL DE BASE SOBRE GOVERNAÇÃO E CORRUPÇÃO Maputo, 27 de Novembro

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00 5 - LOCALIZAÇÃO DO PROJECTO Ilha Concelho i) % Concelho % Concelho % i) Sempre que o Projecto abranja mais do que um Concelho, indicar qual o respectivo benefício (%). 6 - CARACTERIZAÇÃO DO PROJECTO (Descrição

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA X RESULTADOS. IV CURSO DE GESTÃO DE QUALIDADE BOS SOROCABA 25 de Outubro de 2013

GESTÃO ESTRATÉGICA X RESULTADOS. IV CURSO DE GESTÃO DE QUALIDADE BOS SOROCABA 25 de Outubro de 2013 GESTÃO ESTRATÉGICA X RESULTADOS IV CURSO DE GESTÃO DE QUALIDADE BOS SOROCABA 25 de Outubro de 2013 Pode dizer-me que caminho devo tomar? Isto depende do lugar para onde você quer ir. (Respondeu com muito

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL MADEIRA-AÇORES-CANÁRIAS 2014-2020 Angra do Heroísmo, 29 janeiro 2016 ASPECTOS PRÁTICOS DA EXECUÇÃO DE PROJETOS (REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º 481/2014 ) NORMAS DE ELEGIBILIDADE

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Auditório SIBS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS 27 de Outubro DIOGO XAVIER DA CUNHA ÍNDICE Enquadramento Lei n.º 15/2011 Âmbito

Leia mais

A contabilização das PPP pelo Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP), publicado pela STN. Henrique Ferreira Souza Carneiro

A contabilização das PPP pelo Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP), publicado pela STN. Henrique Ferreira Souza Carneiro A contabilização das PPP pelo Manual Contabilida Aplicada ao Setor Público (MCASP), publicado pela STN Henrique Ferreira Souza Carneiro Contexto: Padronização Contábil - MCASP 1. Procedimentos Contábeis

Leia mais

SONAE IMOBILIÁRIA. Contas Consolidadas do 1º Trimestre de 2000

SONAE IMOBILIÁRIA. Contas Consolidadas do 1º Trimestre de 2000 010 SONAE IMOBILIÁRIA Contas Consolidadas do 1º Trimestre de 2000 INTRODUÇÃO O Resultado Líquido Consolidado após Interesses Minoritários (não auditado) do 1º Trimestre de 2001 da Sonae Imobiliária cresceu

Leia mais

( TRADUCCIÓN EN CASTELLANO EN LA PÁGINA 9 )

( TRADUCCIÓN EN CASTELLANO EN LA PÁGINA 9 ) ( TRADUCCIÓN EN CASTELLANO EN LA PÁGINA 9 ) 1. Título do Projeto: Criando espaços de inclusão e reconhecimento. 2. Identificação da Entidade. 2.1. Nome: GRUPO COMUNITÁRIO DONA BUBU 2.2. Endereço Rua Safira,

Leia mais

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011 A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

Ccent. 25/2011 VIANA*PROA*CAIXA/SABA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 25/2011 VIANA*PROA*CAIXA/SABA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 25/2011 VIANA*PROA*CAIXA/SABA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 28/07/2011 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

Índice Orçamental ISEG. Dez Princípios de Responsabilidade Orçamental

Índice Orçamental ISEG. Dez Princípios de Responsabilidade Orçamental Índice Orçamental ISEG Dez Princípios de Responsabilidade Orçamental 1 - Transparência, rigor e análise de sensibilidade. 2 - Responsabilidade política. 3 - Saldos orçamentais consistentes com nível sustentável

Leia mais

LIMITES. Sin. Sem. Revista Digital - Gratuita. idiomas Español - Português. Web. Mercobeauty Importadora e Exportadora de Produtos de Beleza Ltda.

LIMITES. Sin. Sem. Revista Digital - Gratuita. idiomas Español - Português. Web. Mercobeauty Importadora e Exportadora de Produtos de Beleza Ltda. Sin LIMITES Sem Revista Digital - Gratuita idiomas Español - Português Mercobeauty Importadora e Exportadora de Produtos de Beleza Ltda. - Desde 1997 online (+ de 18). - En idiomas español y portugués.

Leia mais

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos;

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos; 1. Medida 3.5.: Apoio ao Desenvolvimento do Sistema Ambiental e do Ordenamento 2. Descrição Esta medida contempla o apoio aos investimentos a realizar nos domínios do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento

Leia mais

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO

LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO LEI 31/2009, DE 3 DE JULHO, NA REDACÇÃO DA LEI 40/2015, DE 1 DE JUNHO COORDENADOR DE PROJECTO, DIRECTOR DE OBRA E DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA, ELABORAÇÃO DE PROJECTOS DE ENGENHARIA ESPECIFÍCOS, E

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

ABERTIS LOGÍSTICA INICIA A CONSTRUÇÃO DO ABERTIS LOGISTICSPARK LISBOA

ABERTIS LOGÍSTICA INICIA A CONSTRUÇÃO DO ABERTIS LOGISTICSPARK LISBOA Dossier de imprensa Comunicação Tel. +34 93 230 50 94 / +34 93 230 51 85 Tel. +34 91 563 66 26 comunicacion@abertislogistica.com ABERTIS LOGÍSTICA INICIA A CONSTRUÇÃO DO ABERTIS LOGISTICSPARK LISBOA O

Leia mais

A atuação da EBP no desenvolvimento da infraestrutura

A atuação da EBP no desenvolvimento da infraestrutura A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

Prof. Dr. Emilio Merino

Prof. Dr. Emilio Merino Prof. Dr. Emilio Merino INDICE 1. Objetivo MOVIMAN-POA 2. Aspectos Institucionales 3. Aspectos Funcionales 4. Proceso de la elección de la área de estudio 5. Proceso de difusión y formación de parcerias

Leia mais

Tendo em vista: Que as Partes desejam criar uma nova estrutura de cooperação, mais ampla, em benefício dos Países Beneficiários;

Tendo em vista: Que as Partes desejam criar uma nova estrutura de cooperação, mais ampla, em benefício dos Países Beneficiários; Decreto n.º 13/99 Convénio entre o Governo de Portugal e o Banco Interamericano de Desenvolvimento com o Propósito de Estabelecer Um Fundo Português de Cooperação Técnica, assinado em Washington, em 5

Leia mais

Impacto dos projetos de sustentabilidade

Impacto dos projetos de sustentabilidade Impacto dos projetos de sustentabilidade Angelica Blanco 24 de Maio, 2010 0 CONTEÚDO Parte 1: Sustentabilidade Direcionando investimentos Parte 2: Retornos em Sustentabilidade 1 QUEM SOMOS Estudos e rankings

Leia mais

Anexo I: Termos de Referencia

Anexo I: Termos de Referencia Anexo I: Termos de Referencia República de Angola Governo Provincial de Luanda Administração Municipal de Viana Repartição Municipal de Saúde de Viana TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO FINAL EXTERNA

Leia mais

I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento. III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar

I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento. III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar Índice I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento II Estratégia Nacional para a Energia 2020 III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar IV - Potencialidades

Leia mais

MIG-MAG EVO 350/450 - SYNERGIC

MIG-MAG EVO 350/450 - SYNERGIC MIG-MAG EVO 350/450 - SYNERGIC MIG-MAG EVO 350 TC SYNERGIC 2 EVO 350 TC - SYNERGIC Art. 641 230-400V 50/60 Hz ± 10% 40 A 25 A (230V) (400V) 15,9 kva 40% 10,7 kva 60% 7,6 kva 100% 35A 400A 350A 40% 290A

Leia mais

Home Collection. Metamorfose COLEÇÃO

Home Collection. Metamorfose COLEÇÃO Home Collection COLEÇÃO 2015/2016 A nova coleção 2015/2016 de tecidos para decoração traz referências para instigar transformação. Esta renovação também está presente nos bons momentos de decorar e reformular

Leia mais

Parcerias Público Privadas PPP

Parcerias Público Privadas PPP Parcerias Público Privadas PPP um modelo estruturante de investimento em infraestruturas públicas AICCOPN, 12 de Março de 2009 Projecção das necessidades de infra-estruturas no Mundo: Como é que o Mundo

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA

REGULAMENTO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA REGULAMENTO DO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA INTRODUÇÃO O levantamento socioeconómico da população residente nas zonas antigas evidencia um significativo número

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria -PPP Premissas: Modelos apresentados são meramente exemplificativos; Não há comprometimento do BB na concessão de crédito ou prestação de garantia; Trata-se

Leia mais

CONSUMO SOSTENIBLE Lo hacemos nosotros Plan de Acción para Producción y Consumo Sostenibles

CONSUMO SOSTENIBLE Lo hacemos nosotros Plan de Acción para Producción y Consumo Sostenibles CONSUMO SOSTENIBLE Lo hacemos nosotros Plan de Acción para Producción y Consumo Sostenibles hotsite.mma.gov.br/ppcs Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental

Leia mais

de Direito que oferecem.

de Direito que oferecem. In-Lex O RETRATO DO ANUÁRIO ADVOCACIA SOCIETÁRIA PORTUGUESA JÁ está representada EM 60 PAÍSES São 152 sociedades, maioritariamente de pequena e média dimensão, integram mais de 3.400 advogados, prestam

Leia mais

Financiamento de projectos de interesse local

Financiamento de projectos de interesse local Financiamento de projectos de interesse local Financiamento de Infra-estruturas Parcerias Público P Privadas / Project Finance Porto 12 de Março o de 2008 Nuno Ferreira da Cruz Rui Cunha Marques Que financiamento

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Letras - Fale

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Letras - Fale Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Letras - Fale REGIMENTO DA CÂMARA DE EXTENSÃO FACULDADE DE LETRAS Aprovado em Sessão Plenária realizada em outubro de 2009. Outubro de 2009. SUMÁRIO PREÂMBULO...3

Leia mais

Síntese da Conferência

Síntese da Conferência Síntese da Conferência Sob o lema Saneamento para Todos, Responsabilidade de Todos realizou-se de 14 a 16 de Maio de 2014, a Conferência Nacional de Saneamento, no Centro de Conferências Joaquim Chissano,

Leia mais

DESARROLLO DE EXPERIENCIAS DE REFERENCIA FICHA FINAL

DESARROLLO DE EXPERIENCIAS DE REFERENCIA FICHA FINAL DESARROLLO DE EXPERIENCIAS DE REFERENCIA FICHA FINAL SOCIO TÍTULO DE LA EXPERIENCIA DE REFERENCIA Recuperação do antigo sistema hídrico de águas naturais para o abastecimento de água para os jardins da

Leia mais

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS 9 PROJETO DE LEI Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada, no âmbito da administração pública. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

distribuidores adubo

distribuidores adubo distribuidores adubo distribuidores>produtos abonadoras>productos centrífugos centrifugos Genericamente designado por Distribuidor de Adubos, este equipamento permite fazer adubações de fundo, de cobertura

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema Assuntos abordados nesta apresentação Visão geral sobre

Leia mais

PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN EVERIS

PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN EVERIS PRESENTACIÓN MESA REDONDA SOBRE INFRAESTRUCTURAS SANITARIAS E-HEALTH EN BRASIL MADRID, 14 DICIEMBRE 2011 PRESENTACIÓN PONENTE: D. VICENTE OLMOS EVERIS INSTITUTO ESPAÑOL DE COMERCIO EXTERIOR DIVISIÓN DE

Leia mais

Desafios à modernização das empresas de transportes

Desafios à modernização das empresas de transportes Desafios à modernização das empresas de transportes Seminário Os Transportes: privatização, financiamento e sustentabilidade Rui Gidro, 4 de Abril de 2013 Perspectivamos que a Modernização do sector dos

Leia mais

Prof. Murillo Sapia Gutier. www.murillogutier.com.br

Prof. Murillo Sapia Gutier. www.murillogutier.com.br Prof. Murillo Sapia Gutier www.murillogutier.com.br é acordo firmado entre Administração Pública e pessoa do setor privado; Objetivo: implantação ou gestão de serviços públicos, com eventual execução de

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

INOVAÇÃO E FINANCIAMENTO SUSTENTÁVEIS VISÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Ricardo Gonçalves

INOVAÇÃO E FINANCIAMENTO SUSTENTÁVEIS VISÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS. Ricardo Gonçalves INOVAÇÃO E FINANCIAMENTO SUSTENTÁVEIS VISÃO E PERSPECTIVAS FUTURAS Ricardo Gonçalves Conferência APIFARMA Financiar a Saúde Investir em Portugal 24 de Junho de 2015 1. Contexto O sector da Saúde em Portugal

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DA GERÊNCIA 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DA GERÊNCIA 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DA GERÊNCIA 2010 Introdução A Conta de Gerência (CG) da ESEQ, relativa ao ano 2010 está de acordo com a lei e os regulamentos em vigor, pelo que foi aprovada pelo Conselho Administrativo

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

APRESENTAÇÃO ICP - INVESTOR CONFIDENCE PROJECT EUROPE A PERSPECTIVA DAS ENTIDADES FINANCIADORAS

APRESENTAÇÃO ICP - INVESTOR CONFIDENCE PROJECT EUROPE A PERSPECTIVA DAS ENTIDADES FINANCIADORAS APRESENTAÇÃO ICP - INVESTOR CONFIDENCE PROJECT EUROPE A PERSPECTIVA DAS ENTIDADES FINANCIADORAS Lisboa, 20 de Maio de 2015 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRINCIPAIS INTERROGAÇÕES Eficiência Energética Porquê? Quanto

Leia mais

Relógios de Ponto. Pág.2

Relógios de Ponto. Pág.2 Relógios de Ponto Sistemas de controle de frequência são utilizados para manter sua gestão sempre ativa perante seu público. Pensando nisso a Metadados Equipamentos dispõe dos melhores produtos do mercado

Leia mais

Hospitales seguros frente a los desastres HOSPITAIS SEGUROS. Introdução à estratégia

Hospitales seguros frente a los desastres HOSPITAIS SEGUROS. Introdução à estratégia Hospitales seguros frente a los desastres HOSPITAIS SEGUROS Introdução à estratégia O que é um Hospital Seguro? Hospitales seguros frente a los desastres Estabelecimento de saúde (grande, pequeno, rural,

Leia mais

e Visualização Uma Contribuição do Nordeste para o País no Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Formação e Capacitação de RH para o Setor

e Visualização Uma Contribuição do Nordeste para o País no Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Formação e Capacitação de RH para o Setor Laboratório rio de Computação Científica e Visualização Uma Contribuição do Nordeste para o País no Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Formação e Capacitação de RH para o Setor Prof. Eduardo Setton

Leia mais