O mercado de trab ENFERMAGEM ILUSTRAÇÕES WALTER VASCONCELOS. [ 30 ] setembro/outubro 2003 diga lá nº 33

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O mercado de trab ENFERMAGEM ILUSTRAÇÕES WALTER VASCONCELOS. [ 30 ] setembro/outubro 2003 diga lá nº 33"

Transcrição

1 O mercado de trab ENFERMAGEM ILUSTRAÇÕES WALTER VASCONCELOS [ 30 ] setembro/outubro 2003 diga lá nº 33

2 alho na área de Cuidar ter cuidado, tratar. Nenhum outro verbo traduz com tanta perfeição a atividade de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem. Zelando pela vida onde quer que bata um coração, a atuação dos profissionais de enfermagem corresponde a nada menos que 65% da força de trabalho na área de saúde um percentual expressivo. Tradicionalmente, com base no modelo ARMANDO FREITAS médico-assistencial vigente no país, a atividade de cuidar de pacientes é desenvolvida em hospitais públicos e privados. Mas, de uns tempos para cá, o panorama vem se alterando. diga lá nº 33 setembro/outubro 2003 [ 31 ]

3 A partir de uma reflexão mais ampla sobre o papel social da enfermagem, do surgimento de novas especializações, da necessidade de abertura do mercado e de ações concretas nas políticas governamentais de saúde, abrem-se aos poucos novas possibilidades para a atuação dos profissionais da área fora dos hospitais, tanto em trabalhos de prevenção quanto em atendimentos domiciliares que podem ser realizados de forma autônoma, por instituições, ou por meio de cooperativas. Mas, se hoje o emprego formal deixa de ser a única alternativa para o exercício da atividade, por outro lado, é importante ter plena consciência da atual estrutura do mercado de trabalho, em defesa da valorização da categoria e do trabalho de extrema importância que ela exerce. Para retratar com a maior transparência possível esse cenário, a Diga Lá ouviu profissionais de enfermagem ligados a hospitais públicos, privados e a cooperativas. Novas frentes Atualmente, há três principais frentes de trabalho para enfermeiros (curso superior), técnicos e auxiliares de enfermagem: hospitais públicos e privados, cooperativas e serviços de home care. O preferido, pelas garantias que oferece, é o emprego formal na rede hospitalar pública ou privada. No serviço público, há ainda a opção de trabalhar em postos de saúde e em programas de saúde de família, que vêm recebendo grande incentivo do Governo Federal. Muitas vezes, especialmente nos casos de plantões de 12 por 36 horas, o emprego formal permite a acumulação com um segundo emprego ou uma atividade autônoma nas horas vagas. Aqui, a maioria do pessoal de enfermagem tem outro emprego ou atividade, afirma Maria Christina Estolano da Silveira, supervisora de Enfermagem da Casa de Saúde São José, um dos hospitais mais tradicionais da Zona Sul do Rio de Janeiro. Nas horas vagas, quem não está trabalhando está fazendo faculdade de Enfermagem, no caso dos técnicos, ou cursos de especialização, concorda Márcia Cristina Quevedo, enfermeira do Serviço de Educação Continuada do Hospital Samaritano, também no Rio. A necessidade de um segundo emprego se justifica pela realidade salarial da categoria. Mesmo em hospitais de excelência como a Casa de Saúde São José e o Samaritano, os salários dos enfermeiros ficam na faixa de R$ a R$ Entre técnicos, verifica-se uma queda de cerca de 40% desses valores. Mesmo assim, a procura é grande e a seleção rigorosa. Não é só o salário que deve ser levado em conta. O lugar onde se trabalha também conta muito. No Samaritano, temos ótimas condições materiais e de estrutura para exercer a nossa atividade e os salários nunca atrasam. Há ainda os benefícios indiretos, como plano de saúde. Por tudo isso, tem muita gente querendo trabalhar aqui. O recrutamento inclui currículo, entrevista, prova técnica e avaliação psicológica. Os cursos devem ser reconhecidos pelo COREn (Conselho Regional de Enfermagem) e os candidatos com alguma experiência têm mais chances, mas a prova técnica e a análise comportamental têm muita importância, explica Márcia, que coordena ao lado de outra Márcia, a Ramos, e de Ana Cláudia Póvoa o Serviço de Educação Continuada, que além de responder pelo recrutamento e treinamento de pessoal, zelando pela manutenção da qualidade do atendimento, promove encontros, cursos de atualização e faz pareceres sobre novos medicamentos e materiais para o Departamento de Compras do hospital. Maria Christina Estolano, formada há 20 anos e há oito na Casa de Saúde São José, concorda com a importância da infra-estrutura para a atividade de enfermagem: Os hospitais privados costumam ter um padrão de qualidade de assistência. Investem mais em estrutura e isso nos dá maior tranqüilidade e satisfação. Talvez este seja um dos motivos da baixa rotatividade na São José. Quem entra não quer sair. E não é fácil entrar. A procura é grande e na hora da contratação, pesa muito a qualidade do curso e o desempenho durante o treinamento. A disputa por um emprego formal na rede pública, mesmo com os constantes problemas de falta de material para curativos, exames e cirurgias, superlotação, sobrecarga de trabalho e atrasos nos pagamentos, também é acirrada. E, com o emprego garantido, ninguém se arrisca a criticar publicamente a inexistência de uma estrutura adequada para o trabalho de enfermagem. Entra governo, sai governo, a falta de dinheiro e o des- [ 32 ] setembro/outubro 2003 diga lá nº 33

4 caso com as populações de baixa renda continuam comprometendo o atendimento na maioria dos hospitais da rede pública. Mas há exceções: casos em que instituições públicas, além de cumprirem com eficiência seu objetivo social, são ilhas de excelência. Um exemplo é o Inca - Instituto do Câncer, que supera um momento de crise para se afirmar novamente como um hospital de referência na sua especialidade. Com 243 enfermeiros, 231 técnicos de enfermagem e 456 auxiliares de enfermagem, o hospital tem tecnologia de ponta, corpo clínico de alto nível e uma preocupação constante com a atualização. Os salários seguem a média do mercado. Como não poderia deixar de ser, a procura de vagas também é grande: Nós aqui levamos em conta o conhecimento na área oncológica, que tem suas especificidades. Os tratamentos de quimioterapia e radioterapia são duas delas. Mas tumores de pescoço e cabeça também exigem cuidados especiais do pessoal da enfermagem. Por isso nos preocupamos com a formação de mão-de-obra, com cursos de especialização, afirma José Luiz Lopes de Oliveira, coordenador de Recursos Humanos do Inca. Cooperativas As cooperativas existem desde no século XIX, mas no Brasil, a partir da década de 1990, as cooperativas da área de saúde tiveram um grande crescimento nas regiões urbanas como Rio de Janeiro e São Paulo, sobretudo em função das crises financeiras e da retração no mercado de trabalho formal. Para Jacqueline Coelho de Oliveira Calçado, presidente da Nursing Care Cooperativa de Enfermagem, é importante reforçar a tradição das cooperativas e a crença nos valores éticos de honestidade, transparência, responsabilidade social e preocupação com os demais. Jacqueline Calçado explica que a busca de autonomia é facilitada pelo caráter de sociedade cooperativista uniprofissional, já que profissionais de uma determinada categoria têm em comum objetivos que podem ser facilmente alcançados através dessa união de forças. O cooperativismo vem gradativamente ocupando espaço e contribui de forma significativa para o desenvolvimento econômico da nação. Na avaliação da presidente da Nursing Care Cooperativa de Enfermagem, as cooperativas de trabalho possibilitaram ao trabalhador e ao tomador de serviços vantagens como atendimento personalizado, seleção de cooperados de acordo com o perfil requerido, substituição de cooperados sem ônus em curto espaço de tempo, flexibilidade de quadro segundo a taxa de ocupação, redução dos custos operacionais com pessoal administrativo e melhor qualidade do serviço executado. Para os cooperados, ela enumera vantagens como rendimentos acima do mercado, gestão da própria renda, oportunidades atrativas de trabalho segundo a sua disponibilidade, além de todos os benefícios diretos e indiretos de participar de uma sociedade cooperativista. Jacqueline Calçado defende ainda um novo modelo de ensino voltado para a preparação, o desenvolvimento e a consolidação de uma cultura empreendedora para os profissionais de enfermagem, pois a transição do modelo antigo para um modelo de enfermagem empreendedor, competitivo, focado na sobrevivência e no sucesso profissional requer a formação de uma nova mentalidade. diga lá nº 33 setembro/outubro 2003 [ 33 ]

5 Garantias Apesar das vantagens apontadas por Jacqueline, o sistema de trabalho cooperativo não agrada a todos. Enfrenta alguma oposição do Ministério do Trabalho, que defende por princípio os direitos constitucionais conquistados pelos trabalhadores. José Luiz Lopes de Oliveira, do Inca, é um dos que criticam o cooperativismo na área de saúde: O profissional cooperado perde seus direitos trabalhistas, benefícios que levaram décadas para serem conquistados. Na área de enfermagem do Inca, por tratar-se de atividade fim, não praticamos essa forma de contratação. Uma instituição que tenha um compromisso social, uma responsabilidade social, não pode adotar esse tipo de sistema. Aqui no Inca, não trabalhamos atualmente com cooperativa, afirma ele. Na teoria, perfeito. Mas, na prática, será que o mercado tem mesmo capacidade de absorver tantos profissionais de enfermagem com carteira assinada? Esta é uma questão que bota lenha numa polêmica de grande alcance. O mercado informal é uma necessidade de sobrevivência dos que não conseguem um emprego formal ou é uma imposição de empresas mais preocupadas com o lucro do que com o bem-estar do funcionário ou do paciente? A resposta vai depender do ponto de vista do entrevistado. Na área de saúde, as cooperativas só têm espaço em instituições que só visam ao lucro, afirma José Luiz Lopes de Oliveira. O vínculo cooperativo é um bom vínculo, pois os interesses são comuns. Só não funciona para quem é individualista, rebate Jacqueline Calçado. A presidente da Nursing Care naturalmente admite que o trabalho assalariado oferece mais garantias para o empregado, mas ressalta a crescente preocupação das empresas cooperativas em relação a esse problema. E garante que começam a surgir algumas ações concretas para combatê-lo. Aqui na Nursing Care, por exemplo, negociamos com grandes empresas e oferecemos ótimos planos de saúde e odontológico para os cooperados. Quanto maior o número de associados, mais vantajoso é o acordo que fazemos. Oferecemos ainda um plano de vida e de acidentes pessoais com grande desconto. Os cooperados pagam diretamente às empresas contratadas. Temos também o FAC, que é um fundo de assistência ao cooperado. A adesão é voluntária e o cooperado escolhe o valor a ser descontado. Esse fundo pode garantir o descanso remunerado, o abono natalino ou um seguro para calamidades como enchentes etc. Se o cooperado não precisar desse dinheiro, pode sacar o saldo no fim do ano, explica Jacqueline. Mercado promissor Divergências à parte, todos os entrevistados concordam que é promissor o futuro da enfermagem. Muita gente já percebeu que o mercado está em expansão. E uma prova disso é o fato de o curso de Técnico de Enfermagem, que tem horas (sendo 600 horas de estágio), ser o mais concorrido do Senac. O primeiro módulo, de abrangência geral, é pré-requisito para o segundo, que forma auxiliares de enfermagem. Para conseguir o diploma de técnico, é preciso fazer os dois primeiros módulos e finalizar o terceiro. Para Mercilda Bartmann, enfermeira com larga experiência formada pela UFRS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul e atualmente trabalhando como assessora técnica da área de saúde do Senac, vale a pena o esforço: Apesar de o nível salarial ainda estar abaixo do desejável, existe mercado. Especialmente para os que optam por fugir dos grande centros. No Norte, por exemplo, o mercado é superaquecido, pois os programas federais e estaduais absorvem um grande número de profissionais. Outro fator positivo é o aumento da expectativa de vida do brasileiro, que saltou de 52,7 anos em 1970 para 68,55 em 2000, segundo dados do Censo. Nos países mais desenvolvidos, já se observa uma tendência para a especialização no atendimento domiciliar a idosos. O acompanhante de idosos deve ter uma formação específica, multidisciplinar. Além de dominar os procedimentos básicos da enfermagem como cuidados de higiene, pequenos curativos, administração de remédios e alimentação especial, é preciso desenvolver a parte lúdica do idoso e saber conviver com seus parentes. O ideal é que esse profissional seja um [ 34 ] setembro/outubro 2003 diga lá nº 33

6 auxiliar de enfermagem, e essa tendência deve chegar ao Brasil, prevê Mercilda, que também atesta um grande crescimento na área de home care. A expansão do mercado nessa direção é irreversível, já que os hospitais descobriram quão elevado é o custo de manter internados pacientes crônicos. Além disso, é preciso levar em consideração que os pacientes sentem-se muito melhor em suas próprias residências. Os profissionais de enfermagem podem atuar como assalariados ou como autônomos, a serviço de cooperativas ou trabalhando de forma independente, contratados diretamente pela família do paciente. Os parentes quase sempre precisam trabalhar fora e não têm tempo nem os conhecimentos necessários para cuidar de uma pessoa doente. Mercilda Bartmann defende a tese de que, para obter reconhecimento como categoria, é fundamental que os profissionais de enfermagem se organizem e mantenham sempre uma postura de reflexão em relação ao papel social do trabalho que desenvolvem e ao tipo de vínculo estabelecido com o empregador ou a sociedade cooperativista. Assim como Mercilda, José Luiz Lopes de Oliveira, coordenador de Recursos Humanos do Inca, é outro que aposta no crescimento do mercado para a área de enfermagem: Doença vai existir sempre. E como os enfermeiros têm a visão do paciente como um todo, o mercado será sempre favorável. Além disso, cada vez mais os enfermeiros assumem funções administrativas e gerenciais dentro do hospital. E há ainda o constante surgimento de novas especializações, avalia José Luiz. Simultaneamente ao crescimento do mercado, vai mudando também a imagem dos profissionais de enfermagem. O mercado exige profissionais cada vez mais qualificados, o que estimula a busca de atualização ou cursos de especialização, e aos poucos esses profissionais vão conquistando o respeito da população em geral. Espaço, a gente conquista com competência. Quando o médico percebe que o enfermeiro é atualizado, é eficaz, ele respeita e até se mostra aberto a receber uma sugestão em relação a determinado paciente. Curiosamente, isso acontece mais entre médicos com grande experiência. Os mais novos muitas vezes subestimam a importância do trabalho de enfermagem, analisa Márcia Quevedo, do Hospital Samaritano, onde trabalham 75 enfermeiros, 225 técnicos e 58 auxiliares de enfermagem. Há 17 anos no hospital, Márcia só lamenta a queda de qualidade na formação de profissionais de enfermagem, o que é constatado freqüentemente nos testes de recrutamento que ela coordena. Segundo a enfermeira, muitas faculdades e cursos despejam anualmente centenas de profissionais sem qualificação no mercado. No caso dos enfermeiros, os formados teoricamente estão aptos a comandar equipes de técnicos e auxiliares. Mas, com pouco conhecimento técnico e nenhuma prática, isso se transforma num grande risco para os pacientes, adverte Márcia, que aponta UFRJ, UERJ, UNIRIO, Gama Filho e Luiza de Marilac como as melhores faculdades de Enfermagem do Rio. Nos testes para a função de técnico de enfermagem, destacam-se os que fizeram os cursos do Senac, Hilton Gama e Cruz Vermelha, finaliza a enfermeira. diga lá nº 33 setembro/outubro 2003 [ 35 ]

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão?

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão? Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: Formação e Qualificação, há h risco de apagão? Serviços de Atenção Domiciliar Einstein Perfil da Assistência Domiciliar Hoje Aumento das condições crônicas

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

Auxiliar de enfermagem

Auxiliar de enfermagem Auxiliar de enfermagem Nome da instituição: Biocoop, Cooperativa dos profissionais da área da saúde. CNPJ: 09.087.152/0001-48, grande São Paulo e ABC. Quantidade de vagas: 25 Jornada semanal /escala: plantões

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

IX CONOPARH Recrutamento e Seleção de Líderes

IX CONOPARH Recrutamento e Seleção de Líderes IX CONOPARH Recrutamento e Seleção de Líderes Fabiana Azevedo - Headhunter Londrina, 23 de Agosto de 2012 De Bernt Entschev Início das atividades em Setembro de 1986 Escritórios em São Paulo (SP), Rio

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

inovadoras recrutamento

inovadoras recrutamento Avaliações inovadoras para recrutamento em grande volume Encontre agulhas no palheiro Nos processos de recrutamento em grande volume, você pode perder as pessoas certas por haver tantos candidatos menos

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Associação Recifense de Educação e Cultura Faculdade de Ciências Humanas ESUDA Centro de Treinamento Especializado - CETE

Associação Recifense de Educação e Cultura Faculdade de Ciências Humanas ESUDA Centro de Treinamento Especializado - CETE Associação Recifense de Educação e Cultura Faculdade de Ciências Humanas ESUDA Centro de Treinamento Especializado - CETE I N F O R M A T I V O PSICOLOGIA 2015 / 1º Prezado(a) aluno(a), Bem-vindo ao CETE

Leia mais

EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DOCENTE IMED

EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DOCENTE IMED EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DOCENTE IMED Com objetivo de consolidar sua missão de proporcionar um centro de excelência acadêmica para formação de sujeitos capazes de compreender e transformar a realidade

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015.

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015. EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO MULTIPROFISSIONAL SEGUNDO SEMESTRE DE 2015. O torna público o Edital para os cursos de Aperfeiçoamento Multiprofissional, segundo semestre

Leia mais

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas.

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Carlos Justo Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Isto não é fácil Os serviços de saúde devem

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

Ensino. Principais realizações

Ensino. Principais realizações Principais realizações Reestruturação dos Programas de ; Início do Projeto de Educação à Distância/EAD do INCA, por meio da parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ; Três novos Programas

Leia mais

Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas. Professora: Sonia Regina Campos

Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas. Professora: Sonia Regina Campos Módulo: Seleção e Dinâmicas de Grupo Aula 1 Técnicas de Recrutamento e Seleção de Pessoas Professora: Sonia Regina Campos Recrutamento Pontos Importantes que Antecedem R&S Planejamento junto às competências

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL TITO BIANCHINI PAMTB SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LAGES

PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL TITO BIANCHINI PAMTB SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LAGES PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL TITO BIANCHINI PAMTB SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LAGES EDITAL DE Nº 01/2015 DO PROCESSO SELETIVO PARA SERVIÇO VOLUNTÁRIO EXTRACURRICULAR SUPERVISIONADO DE ACADÊMICOS DE

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA I -FINALIDADE. Este Regulamento tem por finalidade apresentar os princípios básicos de pessoal que devem

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 14: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E RELAÇÕES SINDICAIS 14.1 O processo de segurança e qualidade de vida O processo de segurança é o que visa estabelecer disciplina e segurança,

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Como contratar de forma eficaz

Como contratar de forma eficaz Como contratar de forma eficaz Todos nós, de uma forma ou de outra, somos imperfeitos. Mesmo assim, procuramos contratar as pessoas perfeitas. A Robert Half fornece profissionais altamente qualificados

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA Este manual tem por finalidade orientar os alunos do curso de fisioterapia, sobre a sistemática e os procedimentos para a execução do Estagio Supervisionado

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0462 62 IDENTIFICAÇÃO: Título: A IMPORTÂNCIA DO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA O FUTURO DA EMPRESA. Atributo: COMPATIBILIDADE DO PERFIL. Processo: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE

Leia mais

Apresenta: O que pensam os pacientes como clientes. 1 Edição

Apresenta: O que pensam os pacientes como clientes. 1 Edição Apresenta: O que pensam os pacientes como clientes O que pensam os pacientes como clientes 1 Edição AGENDA Metodologia Sinopse A Pesquisa METODOLOGIA TÉCNICA Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel

seu dinheiro Consórcio ou financiamento? #103 Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel #103 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Saiba qual é a melhor opção na hora de comprar um automóvel Consórcio ou financiamento? Poupança com ganho real Investimento volta a superar a inflação

Leia mais

Diagnóstico da realidade médica no país

Diagnóstico da realidade médica no país Diagnóstico da realidade médica no país Médicos por mil habitantes Peru 0,9 Chile 1,0 Paraguai 1,1* Bolívia 1,2* Colômbia 1,4* Equador 1,7 Brasil 1,8 Venezuela 1,9* México 2,0 Canadá 2,0 Estados Unidos

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA - CURITIBA Unidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 15/09/2015 www.palestramos.com.br 1

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 15/09/2015 www.palestramos.com.br 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 15/09/2015 www.palestramos.com.br 1 EMPRESA A PalestRamos está pronta para atender todas as suas necessidades na gestão de profissionais e equipes. Com mais de 5 anos de atuação

Leia mais

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38

ESTRUTURA DOS HOSPITAIS PRIVADOS...38 APRESENTAÇÃO...13 INTRODUÇÃO...15 Breve perfil do sistema de saúde... 15 Características do SUS e da saúde suplementar... 16 Modelo de financiamento... 17 O papel central dos hospitais... 18 A necessidade

Leia mais

Saúde em risco: realizar exame desnecessário pode ser prejudicial

Saúde em risco: realizar exame desnecessário pode ser prejudicial Dezembro/2011 Nº 13 Saúde em risco: realizar exame desnecessário pode ser prejudicial Presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família diz que problema diminui quando um médico generalista é a

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL?

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? Em épocas de vestibular, cerca de 1,8 milhão de jovens vão escolher uma profissão e dar arrepios no mercado, ou ficarem arrepiados, dando assim o primeiro empurrão

Leia mais

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores.

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Joyce Santiago Ferreira Orientador: Profa. Dra. Claci Fátima Weirich Faculdade de Enfermagem, Goiânia-GO,

Leia mais

Como integrar R&S com treinamento em call center

Como integrar R&S com treinamento em call center 1 Como integrar R&S com treinamento em call center Já abordamos em outros artigos temas complexos em call center como a formação de cultura organizacional, o perfil do profissional de call center, sistemas

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 024/2015 19/04/2015

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 024/2015 19/04/2015 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 024/2015 19/04/2015 O SESI Serviço Social da Indústria torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas, observados os requisitos mínimos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA

Pré-Vestibular Social PSICOLOGIA PSICOLOGIA Quem nunca pensou em procurar ajuda de um psicólogo naqueles momentos mais difíceis? Ele com certeza é nossa principal referência nessas horas, pois é o profissional que cuida da nossa mente,

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

M.Sc Angela Abdo Campos Ferreira

M.Sc Angela Abdo Campos Ferreira Nossa Missão Atrair o Talento certo para a Empresa M.Sc Angela Abdo Campos Ferreira GESTÃO DE PESSOAS Gestão Liderança + Administrativo Para se tornar um excelente gestor Para se tornar um excelente gestor

Leia mais

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência de Pesquisa Mensal PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PME 1.0 QUESTIONÁRIO DE MÃO-DE-OBRA

Leia mais

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Simpósio de Cuidados Paliativos para os Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro Cuidados Paliativos - construindo uma rede Agosto 2012 Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Cláudia Naylor

Leia mais

Longo Prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento

Longo Prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento Longo Prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento Longo prazo, Poupança das Famílias e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de

Leia mais

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Consultoria - Gestão de Capital Humano Pesquisa de Remuneração A Deloitte conta com importantes métodos e parâmetros para ajudá-lo a definir mais adequadamente as estratégias

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

Unidades de Negócios

Unidades de Negócios Grupo Clivale Como surgiu? História Tudo começou com a iniciativa de Raphael Serravalle ao perceber a carência de um serviço médico especializado na cidade do Salvador, calçada, induziu dois de seus filhos:

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

15ª Edição 2014 Exercício 2013

15ª Edição 2014 Exercício 2013 Pesquisa de Indicadores de Gestão de Pessoas Apresentação 15ª EDIÇÃO REFERENTE A DADOS DE DEZEMBRO/2013 Primeira vez que a pesquisa é realizada com a Universidade Metodista, por meio do Grupo de Estudos

Leia mais

IV. EQUIPES DA SAÚDE DA FAMÍLIA: ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO E PRÁTICAS ASSISTENCIAIS

IV. EQUIPES DA SAÚDE DA FAMÍLIA: ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO E PRÁTICAS ASSISTENCIAIS CAMARAGIBE (PE) EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA IV. EQUIPES DA SAÚDE DA FAMÍLIA: ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO E PRÁTICAS ASSISTENCIAIS Os recursos humanos têm se constituído numa questão fundamental no processo

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro Mestrado em Gestão de Negócios Universidade

Leia mais

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida.

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida. CONSIDERANDO a necessidade de conferir transparência e eficiência nos processos de contratações no âmbito dos serviços e gerenciamento de unidades públicas do Estado do Rio de Janeiro, pelo HOSPITAL E

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

Programa de Atenção Integrada ao Idoso

Programa de Atenção Integrada ao Idoso Programa de Atenção Integrada ao Idoso Valéria Terra¹, Maria Carolina Carmignani¹, Tereza Barczinski² ¹ Metrus Instituto de Seguridade Social ² Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED Cuidamos de quem é importante para você plano individual ou familiar Unimed Atenção, respeito e e ciência são pré-requisitos indispensáveis quando se pensa em uma operadora

Leia mais

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Auditoria do Processo de Contas Hospitalares Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Declaração de potencial conflito de interesses Não possuo vínculo ou

Leia mais

6 Conclusões e Considerações Finais

6 Conclusões e Considerações Finais 6 Conclusões e Considerações Finais O relacionamento indivíduo-organização sempre foi motivo de investigações e relatos na literatura administrativa, nos quais a questão mais freqüentemente levantada diz

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional ATENÇÃO ESTE MATERIAL É UMA TRADUÇÃO DO ORIGINAL EM INGLÊS DISPONIBILIZADO PELA FIRST ESTADOS UNIDOS. SOMENTE AS REGRAS CONTIDAS NESSE ARQUIVO E NO PORTAL

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

Mão de obra técnica; Treinamento e desenvolvimento; Manutenção frota ônibus; Manutenção frota caminhões; Retenção de talentos.

Mão de obra técnica; Treinamento e desenvolvimento; Manutenção frota ônibus; Manutenção frota caminhões; Retenção de talentos. TÍTULO: Projeto manutenção na mão certa. AUTOR: Pedro Diogo Neto MobiBrasil Pernambuco - www.mobibrasil.com - (081) 3525-7500 - pedroneto@mobibrasil.com RESENHA Este trabalho apresenta o projeto manutenção

Leia mais

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas

Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Responsabilidade social empresarial na região de Campinas, Estado de São Paulo: características e expectativas Cândido Ferreira da Silva Filho (UNISAL) candido.silva@am.unisal.br Gideon Carvalho de Benedicto

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

XI SIBRAD Sustentabilidade Política, Administrativa, Técnica T Financeira

XI SIBRAD Sustentabilidade Política, Administrativa, Técnica T Financeira XI SIBRAD Sustentabilidade Política, Administrativa, Técnica T e Financeira Modelos de contratação de serviços de atena tenção domiciliar Dra. Maura Selvaggi Soares Gerente da Área de Gestão de Saúde AGENDA

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA NA CIDADE DE SÃO PAULO MARIA LUISA SANDOVAL SCHMIDT Universidade de São Paulo As relações entre saúde mental e atenção básica em saúde tornam-se objeto de elaboração teórica

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais