1. Título/Tema: PROJETO DE PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Título/Tema: PROJETO DE PESQUISA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO 1. Título/Tema: PROJETO DE PESQUISA JUVENTUDE: ESCOLA E TRABALHO Sentidos e significados atribuídos à experiência escolar por jovens que buscam a educação profissional técnica de nível médio 2. Instituição executora: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Responsável: Profª Drª Mônica Ribeiro da Silva - Curitiba 2010

2 2 3. COORDENADOR E EQUIPE RESPONSÁVEL: (Pesquisadores, alunos e técnicos; outros colaboradores) Drª Monica Ribeiro da Silva (UFPR PPGE) Coordenadora Drª Astrid Baecker Ávila (UFPR PPGE) Pesquisadora Ms. Joaquim Jorge Monteiro Morais (Professor Educação Superior UFPR pesquisador-colaborador) MS. Maria das Graças Ferreira (Universidade Estadual de Londrina pesquisadora colaboradora) Céuli Mariano Jorge (Doutoranda UFPR-PPGE) Wilson João Marcionílio (Doutorando UFPR-PPGE) Márcio Luiz Bernardim (Doutorando UFPR-PPGE) Maria Aparecida Bremmer (Doutoranda UFPR-PPGE) Lucas Barbosa Pelissari (Mestrando UFPR-PPGE) Allan Andrei Steimback (Mestrando UFPR-PPGE) Luzia de Fátima Gonçalves (Professora Educação Básica) Ângela Maria Corso (Professora Educação Básica) Adriana de Almeida (Professora Educação Básica) Rosângela de Oliveira Gonçalves (Professora Educação Básica) Elaine Nascimento (Professora Educação Básica) William Simões (Professor Educação Básica) Eloise Médice Colontonio (Professora Educação Básica) Andréa de Paula Cecatto (Professora Educação Básica) Darci Terezinha Preuss Tissi (UFPR técnico-administrativo bolsista de apoio técnico CNPq) Leila Corra (Iniciação Científica UFPR Programa PIBIC CNPq) Adriano Telman (Iniciação Científica Voluntária 4º ano do Curso de Pedagogia) Seis alunos de graduação em processo de seleção para bolsas de Iniciação Científica 4. Fone: (41) Endereço: Rua Dr. Petrônio Romero de Souza, 611 sb 45 Cajuru Curitiba-PR CEP Docente responsável pela Coordenação: Monica Ribeiro da Silva

3 7. Detalhamento do Projeto: Eixo Temático: Educação Profissional 3 Linha de Pesquisa Juventude escola e trabalho: Temática relacionada à diversidade e aos desafios contemporâneos da educação brasileira, incluindo a relação entre educação e pobreza. Justificativa A investigação de que trata a presente proposta constitui-se em desdobramento de outra pesquisa, em fase conclusiva, intitulada Educação geral e profissional: percursos da institucionalização do ensino médio integrado. Dentre as constatações oriundas da análise da implantação do Ensino Médio Integrado na rede estadual do Paraná identificou-se um quadro severo de evasão. Conforme verificado junto a coordenadores de curso, entre os anos de 2007 e 2008 a média de abandono chegava a 50% em alguns cursos, sendo a mais expressiva incidência a que ocorre no período noturno (Silva, 2008). Essa mesma situação se repete quando da investigação da implantação do PROEJA Programa de Integração da Educação Profissional Técnica de Nível Médio à Educação de Jovens e Adultos nesse estado. Dentre os dados coligidos em pesquisa que acompanhou o processo de implantação dessa política, identificou-se um abandono próximo a 47% quando da primeira oferta de cursos do PROEJA no estado 1. Dentre as escolas da rede estadual de ensino de Curitiba que ofertam o Ensino Médio observa-se uma média do índice de reprovação na primeira série em torno de 20% e de abandono em torno de 11%. A soma da média dos índices de reprovação e abandono perfaz um total de 32%. As maiores taxas de abandono da primeira série estão no período noturno (Gonçalves, 2010). Observa-se, no entanto, uma discrepância acentuada em relação aos índices (reprovação e abandono) na primeira série do ensino médio entre as escolas. No caso específico da reprovação, os índices variam de 2,63% a 40,69%. No que tange ao abandono, o resultado é ainda mais discrepante: 0,07% a 40,47%. A soma das taxas de 1 Conforme apurou a pesquisa interinstitucional, com financiamento pela CAPES Edital CAPES/PROEJA intitulada Demandas e Potencialidades do PROEJA no Paraná, realizada entre 2007 e 2010, coordenada por Domingos Leite Lima Filho e com a participação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Universidade Federal do Paraná e Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

4 reprovação e abandono das instituições de ensino varia entre 11,37% a 54,83% (Gonçalves, 2010). Em relação à taxa de abandono, constata-se que há colégios situados na periferia de Curitiba que apresentam índices muito baixos e outros localizados em área nobre, que têm taxas preocupantes. Por exemplo, o Colégio Estadual Júlia Wanderlei, localizado, no Bairro Batel evidenciou 34,28% de abandono, bem como o Colégio Barão do Rio Branco, situado na área central, 40,47%. Por outro lado, o Colégio Estadual Pio Lanteri, do Bairro Uberaba, teve 0,57% e o Colégio Estadual Eurides Brandão, situado na Cidade Industrial, teve 0,37% de abandono (Gonçalves, 2010). O que poderia explicar esse quadro? O que se poderia afirmar, diante desse quadro, da propalada expansão do ensino médio? No que se refere à oferta de Educação Profissional Técnica de Nível Médio 2, a cidade de Curitiba/PR, contou no ano de 2008 com 29 escolas públicas estaduais, as quais ofertaram educação profissional nas modalidades Integrada, Subseqüente e Proeja, totalizando 47 cursos técnicos, oferecidos em 16 opções, a saber: Administração, Secretariado, Turismo, Informática, Enfermagem, Formação Docente, Meio Ambiente, Nutrição, Comunicação e Artes, Hospitalidade, Produção Audiovisual, Edificações, Construção Civil, Eletrônica, Eletromecânica e Química. Os cursos com maior oferta são o de Administração com 26%, seguido pelos de Secretariado (23%), Informática e Meio Ambiente (9%) e Turismo e Formação Docente (6%). No que tange ainda aos cursos oferecidos, observa-se que dentre as modalidades de oferta, as escolas que possuem tanto a modalidade integrada como subseqüente são em maioria (38%), seguidas pelas que ofertam exclusivamente a forma integrada (26%); exclusivamente a forma subseqüente (17%); e tanto as formas integrada como subseqüente e Proeja (13%). Esses dados mostram uma oferta bastante expressiva na rede estadual do Paraná, que já em 2004 retomara a oferta da educação profissional técnica de nível médio, dando início a uma política de reconstrução de escolas, retomada dos cursos que haviam sido extintos; estabelecendo a forma integrada como prioridade. Com relação à educação profissional técnica de nível médio, em que pose a iniciativa de ampliação da oferta, identifica-se igualmente um quadro expressivo de evasão, presente de forma acentuada em 73% das escolas. Há um alto grau de abandono especialmente nos primeiros anos, chegando a 50% em algumas escolas. 2 Dados do Censo Escolar apontam para expressiva e progressiva elevação da oferta da educação profissional técnica de nível médio no Brasil. A matrícula no ano de 2005 era de 749 mil alunos, em 20 áreas profissionais, com oferta em escolas. O crescimento dessa oferta foi de aproximadamente 26,9% no período compreendido entre 2003 e 2005 (Brasil, INEP, Educação Profissional Técnica de Nível Médio no Censo Escolar Relatório, 2006). 4

5 5 Outras análises sobre o ensino médio na atualidade (Abramovay, 2003; Sposito, 2002; Dayrell, 2009) têm apontado, igualmente, um quadro de abandono da escola, especialmente a situada na última etapa da educação básica. Esse estado de coisas impõe alguns questionamentos: Por que os jovens vêem abandonando a escola? Que respostas podemos encontrar para as questões suscitadas por esse quadro severo de evasão, e, ainda, o que os levaria a permanecer? Que sentidos e significados os jovens estão atribuindo à escola de modo geral, e à educação profissional, em particular, e que se constituem em fatores que podem levá-los a abandonar ou a permanecer na escola? Estaria havendo uma perda de sentido da escola para juventude, ou seria mais adequado nos referirmos a um deslocamento de significado do processo de escolarização, em direção à questões postas pelo universo juvenil na atualidade. As indagações acima conduzem à identificação de uma necessidade no campo das pesquisas circunscritas ao ensino médio, qual seja, a necessidade de reforço de uma perspectiva analítica que, aliada às investigações com foco nas instituições (seus textos, discursos, políticas e práticas) se volte para os sujeitos desse processo. Essa necessidade deriva da identificação de um contexto de crise da escola, especificamente a relativa ao Ensino Médio. Tal crise tem sido explicada de diferentes maneiras por pesquisadores da área: crise de legitimidade da escola (Stoer, 2001; Correia e Matos, 2001; Krawczyk, 2009); como reflexo das profundas mutações que vêm afetando as sociedades ocidentais (Dayrell, 2007); como um momento de mutação na educação (Canário, 2005) ou ainda como uma etapa não apenas de estancamento, mas de regressão no campo educativo (Gadotti, 1992, p. 75). Seja qual for a tese utilizada para caracterizar o momento vivido atualmente pela instituição escolar e pela educação, o que se tem tentado denunciar é a situação de incongruência entre o que a sociedade espera da escola e o que a escola tem sido capaz de oferecer à sociedade. (Dayrell, 2009). Revisão Bibliográfica Souza (2003) alerta para a necessidade de conceituar juventude a partir de uma dada perspectiva. Para a autora, juventude é uma categoria histórica e social e para ser compreendida se faz necessário considerar todas as dimensões que a envolvem, ou seja, o jovem não deve ser visto como figura abstrata, desvinculada do universo econômico e sociocultural em que se encontra. A mesma autora indica que a discussão conceitual sobre essa categoria é ampla e complexa. Assim, observa que nos dias atuais assiste-se um alargamento da idade juvenil, pelo menos em determinados setores da sociedade. Que há uma tendência dos

6 6 jovens de protelar a entrada na vida adulta, conforme a tradição apontada na literatura, ou seja, conclusão dos estudos, residência em novo local, o matrimônio, o ingresso no mercado de trabalho e o nascimento dos filhos. Neste sentido o que se vê é um processo de juvenilização ou de teenagização. Zibas (2005) assevera que a ampliação do acesso ao ensino médio nos últimos 15 anos não veio acompanhada de políticas capazes de dar sustentação com qualidade a essa ampliação. De qualquer modo, estamos diante de um fato, o de que mais jovens procuraram a escola: Entre 1995 e 2005, chegaram aos sistemas de ensino estaduais mais 4 milhões de jovens no Ensino Médio (totalizando uma população escolar de 9 milhões) (Zibas, 2005, p. 12). Cabe, desse modo, perguntar: que escola esses jovens encontraram? Como essa escola os recebeu? É diante de um público juvenil extremamente diverso, que traz para dentro da escola as contradições de uma sociedade que avança na inclusão educacional sem transformar a estrutura social desigual mantendo acesso precário à saúde, ao transporte, à cultura e lazer e ao trabalho que o novo Ensino Médio se forja. As desigualdades sociais passam a tensionar a instituição escolar e a produzir novos conflitos (Zibas, 2005, p. 13). Segundo Dayrell (2009), o censo de 2000 informa que 47,6% dos jovens da Região Sudeste, de 15 a 17 anos, frequentavam o Ensino Médio; no Nordeste apenas 19,9%; a média nacional era de 35,7%. O mesmo autor assinala, com base em dados do IPEA (2008) há uma frequência líquida no Sul/Sudeste de 58%, contra 33,3% no Norte/Nordeste. Em que pese a frequência ser expressivamente maior na região sul do país, observa-se um quadro reiterado de desistência da escola também nessa região. Diante desse quadro, um conjunto de estudos busca compreender o porquê da recusa ao modelo de socialização e de conhecimento presente na escola hoje (Zibas, 2009, p.14). Esse quadro parece se intensificar particularmente, no Ensino Médio, devido à existência de forte tensão na relação dos jovens com a escola (Correia e Matos, 2001; Dayrell, 2007; Krawczyk, 2009 apud Dayrell, 2009). Buscar-se-á, com a presente pesquisa, em face do quadro delineado, uma aproximação dos aspectos que têm causado tal tensionamento. Para esse fim, o contato com os sujeitos desse processo, jovens alunos de escola pública de uma capital do sul do país, mostra-se condição privilegiada para que tal aproximação se viabilize. Souza (2003) identifica um comportamento de adaptação por parte dos jovens e estabelece como pressuposto para explicar tal fenômeno aceitação da realidade e

7 7 necessidade de autopreservação diante dessa mesma realidade; a autora assevera que este comportamento encontra amparo no interior da escola, formadora não de cidadãos conscientes. Diante desse pressuposto, reforça a necessidade de ouvir os sujeitos jovens. Com base em dados de pesquisa realizada na cidade de São Paulo, conclui que investigar a vida juvenil pode contribuir para a interpretação das mudanças socioculturais em curso na sociedade e conclui que a alienação juvenil é apenas aparente, pois, os jovens têm consciência do seu papel de cidadão, embora, às vezes, não bem compreendidos pelos adultos diante das novas formas de ação. Dentre os fatores relevantes a se considerar na análise pretendida se privilegiará, nesta pesquisa, a relação entre juventude, escola e trabalho. Ainda que não se parta, a priori, de uma suposta linearidade entre permanência na escola e inserção no emprego, as relações entre escolarização, formação profissional e geração de independência financeira por meio do ingresso no mundo do trabalho vêm sendo tensionadas e reconfiguradas conforme sinalizam estudos acerca do emprego e desemprego juvenil. Um a cada três jovens em média encontram-se na faixa atingida pelo desemprego, conforme a Pesquisa Emprego e Desemprego da Fundação Seade e do Dieese (Abramovay, 2003). Com base em Pochmann (2000), a autora salienta que a deterioração do mercado de trabalho afeta em particular os jovens. No segmento de 15 a 24 anos o índice de desemprego era, em 198, de 6, passando a quase 18% ao final da década de 90. Ao lado da década na inserção no emprego, verifica-se uma precarização das alternativas ocupacionais. Em estudo que visava analisar a situação dos jovens no contexto da heterogeneidade do problema do desemprego no Brasil, Pochmann (2000) demonstra que a desestruturação do mercado de trabalho brasileiro começa no início dos anos 1990, coincidindo com a opção macroeconômica de inserção internacional competitiva. Os principais sintomas dessa desestruturação são o crescimento do desemprego, o desassalariamento e a precarização dos postos de trabalho, com impacto maior sobre a população jovem. Assim, verifica-se a partir desse momento a ruptura do padrão de inserção ocupacional dos jovens, que embora já afetados pelo desemprego, tinha características de temporariedade e determinações conjunturais. Com a instabilidade no padrão ocupacional, decorrente da baixa dinâmica econômica, os jovens, mesmo mais escolarizados, passam a enfrentar um mercado de trabalho restrito e competitivo, ocasionando uma inserção laboral em ocupações de setores marcados pela baixa produtividade e alta precariedade.

8 8 Em resumo, os dados apresentados por Pochmann salientam o expressivo contingente de jovens em situação de fragilização econômica e social, haja vista a piora das condições de acesso ao mercado de trabalho e a precariedade das ocupações que lhe são destinadas, sendo sintomática, inclusive, a dificuldade que os mesmos encontram para reproduzir o padrão dos pais. O autor alerta, ainda, para o problema da ampliação da escolaridade e em que medida ela tem se constituído em fator determinante para ampliar o acesso dos jovens ao emprego. A afirmação de Abramovay (2003) de que ao desencanto dos jovens em relação ao seu futuro profissional corresponderia uma marginalização objetiva, advinda da redução das oportunidades ocupacionais sinaliza, nesta pesquisa, para uma hipótese de trabalho. Em que medida as dificuldades oriundas das relações entre escola e inserção no mundo do trabalho estaria contribuindo para uma perda ou deslocamento de sentido da escola? Que outros aspectos poderiam estar presentes nesse processo? Por exemplo, em que medida a imersão no universo midiático e as possibilidades que ele oferece quanto à constituição de novas subjetivadas mediadas pelas informações advindas desse universo e de seu potencial interativo também não estariam contribuindo para isso? Que relações os jovens atribuem entre escola e culturas juvenis que possuem vínculos mais ou menos explícitos com as condições de inserção no mundo do trabalho? Essas indagações conduzem ao enunciado do problema da pesquisa nos termos a seguir explicitados. PROBLEMA DE PESQUISA: Que sentidos e significados são atribuídos à experiência escolar por jovens que freqüentam escolas públicas que ofertam ensino técnico profissional de nível médio? Em que medida esses sentidos e significados se articulam com a opção de abandonar ou permanecer na escola? Perguntas norteadoras que compõem desdobramentos da problemática da pesquisa: Que características sócio-econômico-culturais possuem os jovens que frequentam as escolas de Ensino Médio (ensino médio integrado ou proeja) na cidade de Curitiba/PR? Que representações a escola, seus professores e dirigentes fazem dos alunos? A escola conhece seus alunos? Quais os pontos de proximidade e distanciamento entre os sujeitos das escolas (alunos e professores particularmente)?

9 9 Quais sentidos e significados esses os jovens têm atribuído à experiência escolar? Que relações se pode observar entre jovens, escola e sociabilidade? Quais experiências os jovens constroem fora do espaço escolar? Como os jovens interagem com a diversidade? Que representações fazem diante de situações que têm sido alvo de preconceito? Em que medida a cultura escolar instituída compõe uma referência simbólica que se distancia/aproxima das expectativas juvenis? Que elementos da cultura juvenil são derivados da experiência escolar e contribuem para conferir identidade(s) ao jovem da contemporaneidade? Que articulações existem entre seus interesses pessoais, projetos de vida e experiência escolar? Que relações se estabelecem entre esses planos e as experiências vividas na escola? Em que medida os sentidos atribuídos à experiência escolar motivam os jovens a elaborar projetos de futuro? Que expectativas são explicitadas pelos jovens diante da relação escola e trabalho? Que aspectos precisariam mudar na escola tendo em vista oferecer condições de incentivo à permanência para os que a abandonaram? 3 Com vistas a produzir respostas para essas indagações parte-se do pressuposto de que a aproximação com espaços e práticas de sociabilidade dos jovens, como é o caso da escola, pode se constituir em referência privilegiada (Dubet e Martucelli, 1996; Bourdieu, 2003) no sentido de produzir alguma compreensão acerca da relação juventude-sociedade na contemporaneidade. Para o objeto particularmente definido nesta proposta, qual seja, a análise das inter-relações que se estabelecem na contemporaneidade entre juventude, escola e trabalho a pesquisa desenvolver-se-á a partir de um duplo movimento: o que privilegia uma perspectiva quantitativa, recorrendo a bases de dados que forneçam elementos capazes de potencializar o alcance dos objetivos delineados; e uma abordagem qualitativa, desenvolvida a partir da inserção dos pesquisadores em campo empírico composto por três escolas: duas da rede estadual de 3 Essas indagações compõem o universo da problemática da pesquisa e se constituem em objeto de estudo da presente proposta bem como dos projetos individuais de mestrandos, doutorandos e alunos de iniciação científica que compõem o grupo.

10 ensino do Paraná e uma da rede federal de educação tecnológica, que ofertem Ensino Médio Integrado no período noturno. 10 Objetivos: - levantar e analisar os dados de matrícula, conclusão, permanência e evasão da educação profissional técnica de nível médio, modalidade integrada, na cidade de Curitiba-PR e região metropolitana, no período ; - elaborar caracterização sócio-econômico-cultural dos jovens que buscam concluir a última etapa da educação básica na modalidade educação profissional técnica de nível média integrada; - analisar os sentidos e significados atribuídos por jovens do ensino médio à escola e ao processo de escolarização considerando-os enquanto sujeitos da experiência escolar com vistas a identificar as razões da permanência ou abandono da escola; - explicitar indicativos presentes nas falas dos jovens pesquisados acerca das razões do abandono escolar, das prováveis razões atribuídas à perda ou deslocamento do sentido da escola e do que os leva(ria) a permanecer; - analisar a efetividade das políticas públicas de escolarização da juventude, em particular as que tratam da educação profissional técnica de nível médio. Ações previstas - Procedimentos de pesquisa Levantamento e análise dos dados nas Bases de Dados do INEP Censo Escolar; IDEB; ENEM com vistas a caracterizar o perfil da oferta e atendimento da educação profissional técnica de nível médio no estado do Paraná; Levantamento e análise dos dados sobre escolarização da juventude e relações com o trabalho nas Bases de Dados do IPARDES (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social); Levantamento e análise dos dados sobre escolarização e inserção no trabalho nas bases de dados do Dieese e do IBGE Levantamento e análise dos dados sobre oferta, matrícula, conclusão e evasão junto ao Departamento de Educação e Trabalho da Secretaria de Estado da Educação do Paraná (DET/SEED/PR); Levantamento e análise da bibliografia que envolve o tema juventude e educação;

11 11 Observação sistemática em três escolas definidas como campo para a pesquisa (duas escolas estaduais e um federal) atendendo ao critério de oferta de educação profissional técnica de nível médio nas modalidades ensino médio integrado e PROEJA; Realização de Questionário com vistas a pesquisa exploratória sobre o perfil do aluno atendido pela educação profissional técnica de nível médio; Realização de Entrevistas alunos; professores; equipe pedagógicoadministrativa; Composição de um banco de dados sobre o perfil da oferta da educação profissional técnica de nível médio com ênfase para o aluno atendido nos cursos; Mapeamento e análise dos dados coligidos; Elaboração de Relatórios (Relatório de Pesquisa; Teses; Dissertações) Publicação de livro, artigos e trabalhos em Congressos nacionais e internacionais

12 Cronograma Levantamento e análise da bibliografia especializada Pesquisas nas bases de dados do INEP e outras Obtenção de dados nas escolas Análise do material coligido Elaboração de Dissertações de Mestrado Elaboração de Teses de Doutorado Defesas de Dissertação de Mestrado (6) Realização do I Colóquio JUVENTUDE, ESCOLA E TRABALHO Realização do II Colóquio JUVENTUDE, ESCOLA E TRABALHO Defesa de Tese de Doutorado (3) Realização do III Colóquio JUVENTUDE, ESCOLA E TRABALHO Divulgação dos Resultados parciais e final em Congressos Elaboração de Relatórios 1ºsem 2ºsem 1ºsem 2ºsem X x x x 1º Sem º sem 2013 x x x x x x x x x X x x x 1ºseme 2014 x x x x x X x x x x x x x x x x x x x x x x X x x x x x x X x X x 2ºsem 2014 x X 12

13 Duração do Projeto 4 anos 13 Resultados esperados Produção de conhecimento acerca das relações postas na atualidade sobre juventude, escola e trabalho; Elaboração de Relatórios (Relatórios de Pesquisa; 3 Teses de Doutorado; 6 Dissertações de Mestrado) Publicação de 2 livros, 10 artigos e 10 trabalhos em Congressos nacionais e internacionais Produção de um Documentário em formato áudio-visual. Referências ABRAMOVAY, Miriam; CASTRO, Mary Garcia. Ensino Médio: múltiplas vozes. Brasília: UNESCO/MEC, BOURDIEU, P. A miséria do mundo. Petrópolis, TJ: Vozes, BRASIL, INEP, Educação Profissional Técnica de Nível Médio no Censo Escolar Relatório, DAYRELL, J. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, nº 24, Set /Out /Nov /Dez DAYRELL, Juarez. Juventude e escolarização: os sentidos do Ensino Médio. In: Salto Para o Futuro. Brasília: MEC, Ano XIX, boletim 18 - Novembro/2009. DUBET, F.; MARTUCELLI, D. Théories de La socialisation et définitions sociologiques de lécole. Revue Française de Sociologie, XXXVII, GONÇALVES, Luzia. F. Ensino Médio por Blocos. Artigo apresentado ao PDE. Paraná: SEED, POCHMANN, Marcio. In: Revista Movimento, nº 01 Temático. Revista da Universidade Federal Fluminense, SILVA, Monica Ribeiro. Relatório de Pesquisa. Ensino Médio Integrado. Curitiba, UFPR: ZIBAS, Dagmar. A reforma do Ensino Médio nos anos de 1990: o parto da montanha e as novas perspectivas. In: Revista Brasileira de Educação, n. 28, Fontes e Bases de dados especificação: Censo da Educação Básica; IDEB; ENEM; IPARDES; IBGE; DIEESE.

14 14 5. Estratégias de disseminação dos resultados da pesquisa: A pesquisa contará com professores e gestores de escolas da educação básica. Os resultados obtidos serão disponibilizados às escolas participantes, bem como à secretaria de Estado da Educação do Paraná com vistas a propiciar elementos que contribuam para a gestão e definição de políticas públicas para a educação da juventude. Além disso, o grupo de pesquisa promoverá divulgação dos resultados parciais e final da pesquisa em congressos da área, além da publicação dos resultados na forma de artigos em periódico de circulação nacional, livros e documentário. 6. Número de Bolsas solicitadas e critérios para seleção de bolsistas 1 bolsa de doutorado; 3 bolsas de mestrado; 6 bolsas de iniciação científica; 6 bolsas para professores da educação básica em efetivo exercício Critérios de indicação dos bolsistas: Para os alunos regularmente matriculados no Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná mestrado e doutorado, possuir projeto de pesquisa vinculado à temática da proposta; Para alunos de graduação, mediante seleção (entrevista; desempenho acadêmico) Para professores da rede pública da educação básica, ser docente ou coordenador de curso técnico de nível médio (a seleção far-se-á por meio de entrevista considerando tempo de inserção no campo da pesquisa; disponibilidade; interesse pela problemática enunciada; conhecimento na área da educação profissional técnica de nível médio) 6.1 Projetos de pesquisa individuais Proponente: Márcio Luiz Bernardim 2. Eixo temático: Juventude, escola e trabalho 3. Linha de Pesquisa: Educação, cultura e tecnologia 4. Justificativa A educação escolar básica no Brasil, um direito assegurado constitucionalmente, ficou historicamente relegada a um segundo plano, de modo que apenas uma parcela da população teve acesso e conseguiu minimamente concluir

15 15 estudos relativos à 1ª etapa dessa escolarização formal, sem conseguir avançar para além do ensino fundamental ou ensino médio. Só mais recentemente, o embate entre forças progressistas e conservadoras, numa frente, e de grupos de intelectuais orgânicos aos trabalhadores e ao capital, em outra, determinou alguns avanços nos investimentos em políticas públicas voltadas a melhorar essa situação. Nesse contexto, milhões de brasileiros, historicamente marginalizados de melhores oportunidades de escolarização formal, passam a desfrutar de alternativas de inclusão educacional básica, contando para isso com a opção da educação profissional integrada ao ensino médio. No contexto de uma lógica mercantil e sob pressão do mercado de trabalho, e como resultado de políticas públicas indutoras de melhorias no padrão educacional a partir de ampliação dos indicadores de escolarização formal, vislumbrava-se que esse movimento deveria contribuir para melhorar a imagem externa do estado brasileiro e possibilitar maior inserção no mercado internacional e na divisão social do trabalho. Quanto às demandas do coletivo social, é de se esperar que as políticas de educação profissional destinadas aos jovens proporcionem a conclusão da formação geral básica, ao mesmo tempo em que contribuam para a sua introdução no mundo do trabalho, em condições dignas de ocupação e renda. Sabe-se, todavia, que no lapso que vai da proposição à execução da política pública, constitui-se uma lacuna que resulta, por vezes, da ineficiência, da ineficácia ou da própria não factibilidade das propostas. Desse modo, uma hipótese que norteia esta pesquisa é a de que apesar de acenar para o enriquecimento da experiência escolar, com ampliação das possibilidades de inserção no mundo do trabalho, a educação profissional consorciada ao ensino médio não tem conseguido nem dar conta da formação geral e sequer oferecido condições de reduzir a vulnerabilidade socioeconômica da população jovem. Logo, para diagnosticar o funcionamento e os resultados das políticas relacionadas à educação profissional, pretende-se buscar respostas para diversas perguntas, dentre as quais: (i) O que revelam os números a respeito dos postos de trabalho de natureza técnica destinados aos egressos do ensino médio profissionalizante e sobre as oportunidades de trabalho e renda não atendidas por falta de trabalhadores técnicos qualificados? (ii) Que motivações levam os jovens ao ensino médio profissionalizante e influenciam sua decisão de integrar a educação formal aos seus projetos pessoais para o futuro? (iii) A escola tem dado respostas satisfatórias e convergentes com as demandas do sistema produtivo, ofertando cursos que atendam às expectativas dos estudantes no

16 16 que se refere à inserção em condições dignas de trabalho e renda? (iv) Que vantagens comparativas (em relação ao ensino médio regular) a educação profissional proporciona aos estudantes no que se refere à formação geral e à formação para o trabalho? 5. Objetivo Este estudo tem como objetivo principal a investigação e análise das alternativas de formação e de inserção dos jovens no mundo do trabalho, mediante diagnóstico das suas expectativas, demandas do sistema produtivo e possibilidades reais de ocupação e renda que decorrem da prática social. 6. Metodologia Pretende-se desenvolver a investigação a partir as categorias de método modo de produção, mediação e práxis e categorias de análise educação profissional, juventude, trabalho (assalariado formal e informal) e inclusão socioeconômica. Serão pesquisadas, por amostragem intencional não aleatória, três escolas de grande porte da região metropolitana de Curitiba, que observem o critério de ofertar educação profissional em nível nas suas diversas modalidades (Ensino Médio Integrado à Educação Profissional, Educação Profissional Integrada à Educação de Jovens e Adultos, Continuação dos Estudos na modalidade Subseqüente). A investigação empírica compreenderá: elaboração e realização de pré-teste dos instrumentos de pesquisa; realização de entrevistas com alunos e empresários; pesquisa documental mediante coleta, compilação, tratamento estatístico, análise e crítica de dados primários junto às escolas selecionadas, SEED-PR, FIEP, IPARDES, INEP/MEC; elaboração de relatórios e disseminação dos resultados obtidos. 7. Ações previstas Preliminarmente as ações estão relacionadas às visitas de campo às escolas, para coleta de dados documentais, aplicação de questionários e realização de entrevistas. Também serão realizadas pesquisas a bancos de dados de órgãos oficiais ou institucionais, para coleta e organização de dados com vistas à consolidação de informações úteis à análise prevista na investigação. Consolidada a pesquisa, vislumbra-se divulgar os resultados, mediante a elaboração e disseminação de trabalhos escritos e comunicações orais em eventos relacionados à área.

17 8. Cronograma Atividade 2010/2 2011/1 2011/2 2012/1 2012/2 2013/1 Contatos e definição escolas x Pesquisa teórica para constituição do estado da arte x x x Elaboração instrumentos de pesquisa x Aplicação dos instrumentos de pesquisa x x x Coleta, compilação e tratamento estatístico de dados x x x Análise dos dados e articulação com o quadro teórico x x x Elaboração da versão da tese para qualificação x x x Revisão contemplando contribuições obtidas na qualificação x Redação final para defesa da tese x x Elaboração de relatórios e artigos/comunicações para disseminação x x Duração do projeto Estima-se uma duração de quatro anos. 10. Resultados esperados Além da preocupação genuína de aproximação com a realidade concreta das modalidades de educação profissional associadas ao ensino médio, espera-se constituir um banco de dados para análise quantitativa e qualitativa, visando apresentar pistas de reflexão sobre as limitações possibilidades dessa política pública. Como este projeto está integrado a um projeto mais amplo relacionado à juventude, trabalho e tecnologia, espera-se contribuir, mediante uma discussão coletiva ampliada, para um fórum permanente de discussões no âmbito do Grupo de Pesquisa e do meio educacional em geral, podendo gerar seminários, colóquios, dossiês e outras publicações Proponente: Céuli Mariano Jorge 2. Eixo temático: Juventude, escola e trabalho 3. Linha de Pesquisa: Educação, cultura e tecnologia 4. JUSTIFICATIVA O objeto de estudo dessa tese de doutorado é a Educação de Jovens e Adultos na forma como está posta na educação profissional, tomando como referência empírica o novo impulso que a modalidade de ensino ganhou a partir da implantação do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA).

18 18 Esse Programa foi instituído nas Instituições Federais de Ensino pelo Decreto nº 5.478/05, o qual foi revogado pelo Decreto nº 5.840/06, que estende o PROEJA para as esferas municipais, estaduais e Sistema S, possibilitando a oferta como Formação inicial e continuada e em nível técnico. Trata-se de um Programa direcionado para atender aos excluídos pela sociedade e pela escola ao longo do tempo e que, pelos mais variados motivos, não obtiveram a escolarização básica na idade considerada apropriada. Parte-se da hipótese de que existe uma contradição entre o que esses sujeitos jovens e adultos buscam e o que a escola oferece. Isso porque, os alunos desses cursos estudam e trabalham e tem uma forma já estruturada de pensar, sentir e viver as experiências na escola, no trabalho e na relação entre ambos. As práticas pedagógicas fragmentadas, sem sentido, desvinculadas da realidade e muitas vezes infantilizadas e aligeiradas descrevem a precária qualidade da educação oferecida aos jovens e adultos trabalhadores, além da incompatibilidade entre a escola, na sua forma de organização da atividade pedagógica, e o trabalho. Esse fato evidencia que a tal democratização do acesso não veio acompanhada de um ensino que atendesse aos interesses e necessidades desses alunos, o que reflete nos dados de fracasso escolar, manifestos na evasão e repetência de estudantes trabalhadores. Porém, há poucos trabalhos que têm como referência esses sujeitos, sua história de vida, sua experiência na EJA e suas expectativas sobre o futuro. Analisando dissertações e teses realizadas e defendidas nos programas de pós graduação em Educação, que tiveram como tema norteador Educação de Jovens e Adultos no Brasil, entre 1986 e 1998, Haddad (2000) afirma que esses estudos representaram apenas 3% da produção discente nacional deste período na área da Educação. Nessa perspectiva, a investigação proposta neste trabalho parte do seguinte problema: Que sentidos e significados são atribuídos à experiência escolar por jovens e adultos que freqüentam os cursos da Educação Profissional integrada à Educação de Jovens e Adultos em escolas estaduais de Curitiba e região metropolitana e em que medida se articulam com a opção de abandonar ou permanecer na escola? Essa problemática se articula com outras importantes indagações tais como: Que relações se estabelecem na particularidade dos cursos que visam à profissionalização? Como o PROEJA está se estabelecendo como Programa de formação e acesso ao mundo do trabalho? Em que aspecto o PROEJA poderá se constituir em uma alternativa concreta para a formação dos trabalhadores? Que expectativas são explicitadas pelos jovens e adultos diante da relação escola e trabalho? Em que medida a cultura escolar

19 19 instituída compõe uma referência simbólica que se distancia/aproxima das expectativas dos jovens e adultos? Que relações fazem com a educação escolar, o conhecimento e a construção do seu projeto de vida? Para obter respostas a essas indagações considera-se que a aproximação com o público jovem e adulto no espaço escolar, em práticas de intervenção direta e indireta, bem como a observação do ambiente escolar como um todo e o auxílio bibliográfico fornecerão os elementos para chegar aos objetivos propostos. 5. OBJETIVO Este estudo tem como objetivo analisar a partir dos sentidos e significados atribuídos pelos jovens e adultos à Educação Profissional Integrada à Educação de Jovens e Adultos - PROEJA e ao processo de escolarização considerando-os enquanto sujeitos da experiência escolar com vistas a identificar as razões da permanência ou abandono da escola. 6. METODOLOGIA A investigação terá como suporte as categorias de método totalidade, contradição, mediação e práxis e categorias de análise jovens e adultos, educação profissional, trabalho, sentidos e significados. Serão utilizadas nesta pesquisa: entrevistas semi-estruturadas com alunos, professores e equipe pedagógica da escola; observações do cotidiano da escola registradas em diário de campo; análise dos documentos legais; revisão de bibliografia e consulta aos dados apresentados por órgãos de pesquisa como INEP, IPARDES e outros. O campo empírico compreende 11 escolas de Curitiba e região metropolitana que ofertam a Educação Profissional Integrada à Educação de Jovens e Adultos PROEJA, com cursos nas áreas de Eletromecânica, Edificações, Administração, Informática, Segurança do Trabalho, Secretariado, Nutrição e Enfermagem. 7. AÇÕES PREVISTAS Serão realizadas visitas periódicas às escolas para observação, registro e entrevistas; revisão bibliográfica; consulta aos documentos legais e órgãos de pesquisa de dados; análise dos dados obtidos; elaboração da tese; qualificação e defesa. Além disso, se fará a divulgação dos resultados obtidos na forma de artigos científicos e participações em eventos educacionais.

20 20 8. CRONOGRAMA Atividade 2010/2 2011/1 2011/2 2012/1 2012/2 2013/1 Contatos e definição escolas x Pesquisa teórica para constituição do estado da arte x x x Elaboração instrumentos de pesquisa x Aplicação dos instrumentos de pesquisa x x x Coleta, compilação e tratamento estatístico de dados x x x Análise dos dados e articulação com o quadro teórico x x x Elaboração da versão da tese para qualificação x x x Revisão contemplando contribuições obtidas na qualificação x Redação final para defesa da tese x x Elaboração de relatórios e artigos/comunicações para disseminação x x 9. Duração do projeto Quatro anos 10. Resultados esperados Espera-se obter dados qualitativos e quantitativos que possibilitem a reflexão das questões e conflitos relacionados à educação e trabalho e ao jovem e adulto trabalhador na compreensão dos reais sentidos e significados da escola. Espera-se, ainda, que os capítulos elaborados para a tese se constituam em artigos para uma divulgação mais ampla dos resultados obtidos Proponente: Wilson João Marcionilio 2. Eixo temático: Juventude, escola e trabalho 3. Linha de Pesquisa: Mudanças no mundo do trabalho e educação 4. APRESENTAÇÃO DO TEMA A proposta de estudo pretende-se versar sobre a proposição da política de ensino médio integrado à educação profissional pelo estado do Paraná e o alcance desta política pública educacional ante a realidade da educação da juventude em uma sociedade de grandes desigualdades sociais com profundas mudanças no mundo do trabalho que facilita a exclusão de muitos do acesso e da permanência na educação escolarizada, a baixa qualidade educacional e a difícil inserção social do sujeito como cidadão produtivo. No âmbito educacional e formativo, sob a base da reestruturação produtiva e do avanço tecnológico, muda-se a perspectiva da educação básica e educação profissional de uma perspectiva integradora (emprego e mobilidade social) para uma visão ultraindividualista e desintegradora (FRIGOTTO, 2007, p. 07).

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza

Marilia Pontes Sposito Raquel Souza 33 Desafios da reflexão sociológica PARA análise Do ensino médio no BRASil* Marilia Pontes Sposito Raquel Souza O ensino médio se constitui em uma etapa da educação básica brasileira que tem mobilizado

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Realização. Estados Vizinhos Convidados

Realização. Estados Vizinhos Convidados Relatório-síntese do III Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Sul Centro Administrativo Porto Alegre - RS 6 e 7 de março de 2006

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - CÂMPUS FRANCISCO BELTRÃO

A PROBLEMÁTICA DA EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - CÂMPUS FRANCISCO BELTRÃO A PROBLEMÁTICA DA EVASÃO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR - CÂMPUS FRANCISCO BELTRÃO Adriana Regina Ramos Kleber Rodrigo Durat 1 Lizandra Felippi Czerniaski Paula

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais 1394 Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais X Salão de Iniciação Científica PUCRS Jonas Tarcisio Reis, Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES

OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES OS JOVENS NO ENSINO MÉDIO E SUAS TRAJETÓRIAS ESCOLARES Cristina Ferreira Assis 1 Rosa Maria da Exaltação Coutrim 2 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO A pesquisa ora apresentada refere-se ao ser

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Reforma no Ensino Médio completa 3 anos sem grandes mudanças nos indicadores educacionais

Reforma no Ensino Médio completa 3 anos sem grandes mudanças nos indicadores educacionais Diretoria de Comunicação Clipping Veículo: Jornal Gazeta RS Data: 02 de setembro de 2014 Editoria/Coluna: Educação Página ou link: http://www.gazeta-rs.com.br/33/educacao/n:1638/reforma-no-ensino- Medio-completa-3-anos-sem-grandes-mudancas-nos-indicadores-educacionais

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO

MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO MAPAS CONCEITUAIS NAS PESQUISAS DO NÚCLEO DE ETNOGRAFIA EM EDUCAÇÃO Autor: Riselda Maria de França Oliveira Universidade Estadual do Rio de Janeiro - riseldaf@hotmail.com Co-autor: Marcelo Alex de Oliveira

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO TÍTULO DO PROJETO: Consolidação da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior.

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA,

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA, A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ. PAULA, Willian Silva de. UFMT CEFET-Cbá - willdepaula@yahoo.com.br Orientadora: Profª Drª Maria Lúcia R. Muller

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Cenpec Coordenação de Desenvolvimento de Pesquisas. Projeto Equidade e políticas de melhoria da qualidade da educação: os casos do Acre e Ceará

Cenpec Coordenação de Desenvolvimento de Pesquisas. Projeto Equidade e políticas de melhoria da qualidade da educação: os casos do Acre e Ceará Cenpec Coordenação de Desenvolvimento de Pesquisas Projeto Equidade e políticas de melhoria da qualidade da educação: os casos do Acre e Ceará Introdução Estudos desenvolvidos pelo Cenpec a partir do exame

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação

PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação PROFISSIONALIZAÇÃO E ESCOLARIZAÇÃO: A EXPERIÊNCIA DE ARTICULAÇÃO DO SENAI-PA CARNEIRO, Verônica Lima UFPA GT-09: Trabalho e Educação Introdução A investigação e análise contidas neste trabalho tomam por

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

REALIDADE DAS ESCOLAS MULTISSERIADAS FRENTE

REALIDADE DAS ESCOLAS MULTISSERIADAS FRENTE A REALIDADE DAS ESCOLAS MULTISSERIADAS FRENTE ÀS CONQUISTAS NA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL HAGE, Salomão Mufarrej UFPA GT: Educação Fundamental/ n.13 Agência Financiadora: CNPq Introdução Este texto apresenta

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS.

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. COLLING, Janete 1 ; ZIEGLER, Mariani 1 ; KRUM, Myrian 2. Centro Universitário franciscano - UNIFRA E-mails: janetecolling@hotmail.com;

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp. Ana Cristina Pereira Diniz 2 Diálogos Abertos sobre a Educação Básica. Relato de experiência.

Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp. Ana Cristina Pereira Diniz 2 Diálogos Abertos sobre a Educação Básica. Relato de experiência. PROEJA FIC/PRONATEC: RELATO DO DIAGNÓSTICO DO PERFIL SÓCIO- CULTURAL DO EDUCANDO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE DUAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE GOIÂNIA Profª Ms. Ana Paula de Aguiar 1 Profª Esp.

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR"

Mostra de Projetos 2011 UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR" Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 OS SENTIDOS DO PIBID PARA A FORMAÇÃO DOCENTE PARA LICENCIANDOS DOS CURSOS DE LETRAS/PORTUGUÊS E CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DO IFAL/POLO MACEIÓ APROXIMAÇÕES INICIAIS Leonara Evangelista de Figueiroa Leonara100@gmail.com

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A POLÍTICA DA INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NO PARANÁ. Introdução

APONTAMENTOS SOBRE A POLÍTICA DA INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NO PARANÁ. Introdução 1 APONTAMENTOS SOBRE A POLÍTICA DA INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NO PARANÁ Eliane Cleide da Silva Czernisz - UEL 1 Isabel Francisco de Oliveira Barion - UEL/SME-LD 2 Marci Batistão

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação PROJETO DE PESQUISA: Condições de Acesso das Pessoas com Deficiência às Universidades do RS Responsável: Profa Dra Idília Fernandes Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ Mauricio Pastor dos Santos 1 PUCPR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12).

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12). ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO CONTEXTO DA LEI DE COTAS PARA O ENSINO SUPERIOR (LEI Nº 12.711/12). Geórgia Dantas Macedo Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) georgiacg@gmail.com INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 7º semestre

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 7º semestre EIXO TECNOLÓGICO: Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( )integrado( )subsequente( )concomitante ( ) bacharelado (x)licenciatura( )tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto).

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). O TRABALHO DOCENTE E A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO Uma análise de sua historicidade Maria Ciavatta* A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). SEMINÁRIO

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO-GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES PARA

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA ISSN 2177-9139 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CURSO DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Gerusa Camargo Rodrigues gerusa.cr@gmail.com Ana Maria Zornitta de Alencar ana.zornitta@gmail.com

Leia mais

O aluno de EJA: jovem ou adolescente?

O aluno de EJA: jovem ou adolescente? 1 O aluno de EJA: jovem ou adolescente? Shirley Costa Ferrari Coord. Curso de Pedagogia. das Faculdades Oswaldo Cruz e Profa. da Faculdade Diadema. Email shifer@ig.com.br Suely Amaral Coord. Curso de Letras

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO ARCO OCUPACIONAL SAÚDE DO PROJOVEM TRABALHADOR

TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO ARCO OCUPACIONAL SAÚDE DO PROJOVEM TRABALHADOR CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL

EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL 1 EDUCAÇÃO E PROTAGONISMO JUVENIL Fabio Barbosa Ribas Jr. 1 Novembro 2004 A juventude sempre foi considerada um período delicado e decisivo da vida humana. No entanto, no mundo atual os conflitos e desafios

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO IFSUL CAMPUS PASSO FUNDO

INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO IFSUL CAMPUS PASSO FUNDO INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS EGRESSOS DO IFSUL CAMPUS PASSO FUNDO Resumo Juliana Favretto 1 - IFSul Campus Passo Fundo Ionara Soveral Scalabrin 2 - IFSul Campus Passo Fundo Grupo de Trabalho - Políticas Públicas,

Leia mais

EDUCAÇÃO DOS TRABALHADORES POLÍTICAS E PROJETOS EM DISPUTA

EDUCAÇÃO DOS TRABALHADORES POLÍTICAS E PROJETOS EM DISPUTA EDUCAÇÃO DOS TRABALHADORES POLÍTICAS E PROJETOS EM DISPUTA ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS-CON- SUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS NOSSO

Leia mais