DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ MARCOS EDUARDO DA SILVA SANTOS* DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL FORTALEZA - CEARÁ 2010

2 MARCOS EDUARDO DA SILVA SANTOS* DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL Dissertação apresentada no Curso de Mestrado Profissional em Computação Aplicada do Centro de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual do Ceará, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Computação Aplicada. Orientador: Antônio Mauro B. de Oliveira FORTALEZA - CEARÁ 2010

3 C824p Santos, Marcos Eduardo da Silva. Diga Saúde - Um Sistema de apoio a serviços de Home Care Baseado no Modelo Brasileiro de TV Digital / Marcos Eduardo da Silva Santos*. Fortaleza, p.;il. Orientador: Prof. Dr. Antônio Mauro B. de Oliveira Dissertação (Mestrado Profissional em Computação Aplicada) - Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências e Tecnologia. 1. TV Digital 2. Middleware 3. Ginga 4. Atendimento Domociliar 5. Saúde I. Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências e Tecnologia. CDD:001.6

4 MARCOS EDUARDO DA SILVA SANTOS* DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL Aprovada em: 15/04/2010 Dissertação apresentada no Curso de Mestrado Profissional em Computação Aplicada do Centro de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual do Ceará, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre. BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Antônio Mauro B. de Oliveira Universidade Estadual do Ceará UECE Orientador Prof. Dr. Marcos Negreiros Universidade Estadual do Ceará UECE Prof. Dra. Verônica Instituto Federal de Educação do Ceará IFCE

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, meu orientador, Mauro Oliveira, pelo apoio e incentivo, professores do MPCOMP, pais, esposa, irmãos, demais familiares e amigos companheiros de mestrado pela ajuda na produção trabalhos.

6 So many beautiful women and so little time. John Barrymore

7 RESUMO O projeto DIGA GINGA destina-se a desenvolver aplicações para o GINGA, o middleware da TV Digital Brasileira. A idéia principal do projeto é, portanto, compartilhar a estrutura computacional do set-top-box, adicionando serviços para o cidadão em sua residência, tais como o monitoramento do ambiente físico (segurança residencial), o monitoramento pessoal (sinais vitais) e outras aplicações para automação residencial. Este estudo agrega ao GINGA um ambiente de aplicações para home care. Nele apresentaremos a implementação do protótipo Diga Doctor, o qual tem como premissa prover a monitoração e apoio às pessoas que se encontram em seu estado saudável, ou às portadoras de patologias, que requerem vigilância médica intensiva. Palavras-Chave: TV Digital. Middleware. Ginga. Atendimento Domociliar. Saúde.

8 ABSTRACT The project DIGA GINGA is intended to develop applications for GINGA, the Brazilian Digital TV middleware. The main idea of the project is, therefore, share the computational structure of the set-top box and adding services for the citizen at home, such as monitoring the physical environment (home security), personal monitoring (vital signs) and other applications for home automation. This study adds to the GINGA an application environment for home care. In it we present the prototype implementation Say Doctor, which has as a premise to provide monitoring and support to people who are in their healthy state, or the carriers of diseases that require intensive medical supervision. Keywords: Digital TV. Middleware. Ginga. Home Care. Health.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Produtos dedicados usados em Home Care a Unidade do Paciente b Unidade Central Figura 2 Serviços auxiliados pelo Diga Saúde Figura 3 Componentes do Módulo Web Figura 4 Componentes do Módulo TV Figura 5 Cenário do Diga Saúde Figura 6 Requisitos funcionais Figura 7 Visualizador de Posologias de Receitas Médicas na TVi

10 LISTA DE TABELAS

11 LISTA DE SIGLAS TVD TVDI AD SBTVD API TV Digital TV Digital Interativa Atendimento Domiciliar Sistema Brasileiro de TV Digital Application Programming Interface

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema Motivação Problemas e Desafios Solução Metodologia Organização da Dissertação REFERENCIAL TEÓRICO TV Digital Brasileira Tipos de Serviços dos Aplicativos Interativos Atendimento Domiciliar de Saúde Introdução Cuidadores Formais e Informais O Cuidador Formal O Cuidador Informal (leigo ou familiar) Características do cuidador informal Impacto das atividades sobre o Cuidado informal Trabalhos Relacionados ESTUDO DE CASO Introdução Principais Funcionalidades do Diga Saúde Monitoramento de sinais vitais Acompanhamento de consumo de medicamentos na TV Exibição de Vídeos motivacionais Módulos do Sistema Cenários de Uso Primeiro Acesso N-ésimo Acesso

13 3.5 Arquitetura do Sistema Especificação Requisitos Funcionais do módulo DigaSaúde-TV Casos de Uso Diagrama de Classe CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA APÊNDICE APÊNDICE A -- REQUISITOS LEVANTADOS PARA O SISTEMA A.1 Requisitos Funcionais A.1.1 Requisitos não Funcionais

14 13 1 INTRODUÇÃO 1.1 Tema A TVD (TV Digital) é uma nova tecnologia que vem substituindo a atual televisão analógica. É por meio dela que ocorre a geração e transmissão sinal perfeito, hoje, recebidos em aparelhos de TVD de 70% das 27 capitais brasileiras (GONÇALVES, 2009). Esssa nova tecnologia é considerada um grande avanço tecnológico para os pesquisadores de todos o país e do mundo. Contudo, a grande novidade tecnológica da TVD não está apenas na exibição de imagens e sons de alta definição, o grande diferencial está na interatividade. Como o sinal da TV Digital é composto por dados em forma de dígitos binários (bits), ele passa a transmitir junto com essas imagens e sons, os aplicativos (softwares) para proporcionar a interação entre o telespectador e o programa assistido no televisor (JUNOT, 2007). Os dados podem ser, por exemplo, informações enviadas e recebidas por aplicativos interativos dos mais variados tipos, os quais podem ser classificados de acordo com o serviço oferecido, como: serviços de saúde, informação, comunicação, entretenimento, comerciais, governamentais, educacionais etc. No caso da saúde, os serviços podem ser do tipo T-Health ou T-Care. O primeiro cobre todos os serviços de informação, relacionados com a saúde e o bem-estar, entregues e executados na tela da TV. O segundo, uma variante especial de T-Health, abrange os serviços de comunicação que unem os pacientes a profissionais de saúde por meio de aplicações baseada em TVD (ou TVDI - TV Digital Interativa) para prestar serviços de Atendimento Domiciliar (KNOWLEDGE, 2006). O Atendimento Domiciliar (AD), também conhecido como home care, é uma modalidade de assistência de saúde que pode ser definido como um conjunto de procedimentos hospitalares possíveis de serem realizados na casa do paciente (FABRÍCIO; WEHBE; NAS- SUR; ANDRADE, 2004). O movimento de AD surgiu nos Estados Unidos, em 1947, na era do pós-guerra. Neste período várias enfermeiras uniram esforços e passaram a atender e cuidar dos pacientes em suas próprias residências. Somente na década de 1960 é que este movimento se tornou mais evidente e a idéia do AD começou a ser levada mais a sério (FALCÃO, 1999). Atualmente, já existem várias empresas e instituições, no mundo, que prestam o serviço de atendimento domiciliar aos mais variados perfis de paciente (LOPES et al., 2003). No Brasil, essa atividade tem progredido muito, principalmente, no sentido da criação de uma regulamentação nacional, que possibilitou a geração normas e padrões técnicos que norteiem o mercado da prestação desse tipo de serviço (NEADSAUDE, 2010).

15 Motivação Os serviços de atendimento domiciliar podem ser prestados a qualquer tipo de enfermo, sejam crianças, adultos ou idosos. Geralmente, os pacientes com problemas de locomoção que possuem mais dificuldade para ter acesso a um atendimento contínuo, em hospitais ou unidades de saúde, são os que mais necessitam do atendimento domiciliar de saúde. Ao implantá-lo, devem-se priorizar grupos, com estado de saúde mais vulneráveis, que possuem uma série de características em comum, como: idade avançada, doenças crônicas e evolutivas, dependência física ou psíquica e outras (LOPES et al., 2003). Em uma pesquisa realizada, durante 12 meses de atividades, no Hospital São Francisco (HSF), em Ribeirão Preto, foi verificado que a primeira dessas características, idade avançada, é a mais identificada nos pacientes que fazem uso do AD. Dos 65 pacientes que fizeram parte da pesquisa, 73% tinham idade predominantemente acima dos 60 anos (FABRÍCIO; WEHBE; NASSUR; ANDRADE, 2004). O AD é uma atividade complexa que envolve parentes e profissionais da saúde, como gestores, médicos, enfermeiro, auxiliar de enfermagem, agente comunitário de saúde, dentista recepcionista e outros, incumbidos das mais variadas atribuições. Entre as atribuições, existem algumas que passíveis de auxílio de instrumentos tecnológicos, como: o monitoramento contínuo de sinais vitais; a administração de medicamentos, conforme prescrição realizada pelo médico; e o apoio psicológico que incentive a prática de hábitos saudáveis (LOPES et al., 2003). No caso do apoio psicológico, podem ser utilizados vídeos e softwares para seleção e exibição de filmes motivacionais. A utilização desses vídeos é uma prática já utilizada em várias áreas do conhecimento. Na área da saúde, entre exemplos de sua utilização, temos os o Philips Motiva (EUA) e o Sistema para Campanha de Dengue (Brasil) proposta por (BORGES; BARBOSA; VARELLA; ROESLER, 2008), ambos apresentados como sistemas interativos de TV Digital. O Philips Motiva, em um estudo realizado durante um ano, no hospital Trias i Pujol da Catalunha, na Espanha, demostrou resultados positivos para os pacientes e profissionias integrantes do corpo clínico do hospital. Segundo o Dr. Mar Domingo, um dos principais pesquisadores, os resultados do estudo demostraram as vantagens que esse tipo de sistemas de telemedicina provoca, gerando, assim, um maior controle da doença e um atendimento mais rápido para os casos de urgência médica". Os 68 pacientes cardíacos, que fizeram parte do estudo, apresentaram uma significativa melhora na percepção da sua qualidade de vida e as hospitalizações por Infarto Cardíaco (IC) foram reduzidas em 68% durante o período da pesquisa (DEURSEN; BARRIOS, 2010). À administração de medicamentos é um serviço atribuído a um cuidador, que pode ser um enfermeiro, um auxiliar de enfermagem ou, até mesmo, o próprio familiar do paciente. No Brasil, 70% dos idosos possuem pelo menos uma patologia crônica, ou seja, necessitam de tratamento medicamentoso e uso regular de medicamentos (SILVA, 2010). Porém, estudos

16 15 demonstram que cerca de 40% a 75% dos idosos não tomam seus medicamentos nos horários e quantidades certas. (OLIVEIRA, 2003). Logo, grande parte dos idosos necessitam e não consomem seus medicamenos corretamente. O que nos leva a concluir que a maioria deles necessitam de uma auxílio para cunsumir corretamente seus medicamenteos, seja esse acompanhamento realizado por um cuidador ou um sitema tecnológico destinado a automatizar parte desse pocesso. Algumas experiências desse tipo de sistema informático já foi registrado na literatura e no mercado. Porém, ambos sem fazer uso dos recursos de aplicativos interativos de TVD. É, portanto, um desafio, para área de home care, utilizar recursos computacionais que possam vir a apoiar esse tipo de serviço, o qual, confome já informado anteriormente, é prestado, em sua maioria, a pessoas idosas, público alvo da nossa proposta. Para realizar o monitoramento contínuo de sinais vitais, pressão arterial, pulso, respiração e temperatura (CARRARO, 2009), já existem no mercado e na literatura (em faze de estudos, em desenvolvimento e já desenvolvidos) dispositivos (sensores) e sistemas para realizar esse monitoramento (DIGITAL TELEHEALTH, 2010; PHILIPS MOTIVA, 2010; ANGIUS et al, 2008). Porém, conforme descrito Angius et al (2008), a maior parte das tecnologias utilizadas em serviços de home care é baseada em um Personal Computer (PC) com ligação à Internet ou em dispositivos dedicados caros. O PC, em alguns casos, para alguns pacientes, como os idosos, dificulta a utilização da tecnologia e os dispositivos dedicados, conforme informado por Angius et al (2008), possui custos elevados. 1.3 Problemas e Desafios Os trabalhos supracitados possuem relevância no contexto de atendimento domiciliar de saúde em plataformas de Tv Digital. O Philips Motiva e o MHPhomecare, assim como Diga Saúde, também são exemplos de T-Care. Porém nenhum deles faz uso de aplicativos interativos especificamente implementados para o Sistema Brasileiro de TV Digital (SBTVD). Alguns de suas idéias estão sendo abordadas como funcionalidades do Diga Saúde, como o serviços de exibição de vídeos educacionais e motivacionais que, também, são abordados em Borges (2008). Um desafio para desafio para o projeto é a sua implantação. A tv Digital, como já comentada anteriormente está presente em 40% dos lares brasileiros. Contudo, A utilização da TV Digital Interativa ainda não está bem difundida entre as pessoas. Logo, é um desafio para esse projeto procuarar meios de convencer as pessoas, entre essas pacientes e puidadores, sobre a vivalidade e os benefíuc que um projeto dessa natureza pode trazer para os paceintes brasileiros. Para esse projeto o que mais interessa é a interativodade e, atualmente, nem todas os STBS vendidos possuem o middleware Ginga intalado. O nos leva a acreditar. O público alvo desse prjeto são os idosos, pois eles são os que mais fazem uso dos

17 16 serviços de home care. Logo, é um desafio para esse projeto convecer familiares, pacientes e profissionais de saúde de que uso desse projeto trará, assim como aconteceu com o Philips motiva, trazer benefícios para o público brasileiro. 1.4 Solução Para auxiliar os serviços de atendimentos domiciliares, propomos, com este trabalho, a automatização de algumas atividades de home care por meio de um sistema, baseado em TV Digital Interativa (TVDi), denominado Diga Saúde. Além da importância no contexto do home care, descrito anteriormente, há de se destacar a utilização da plataforma Ginga, middleware do modelo brasileiro de TV digital. A interatividade, característica maior do Ginga, agrega ao Diga Saúde uma particularidade única e bastante vantajosa ao sistema home care no Brasil. Nesse contexto, o Diga Saúde apresenta-se como um sistema composto por dois módulos que serão utilizados por médicos e pacientes para apoiar algumas atividades utilizadas nos serviços de home care. O primeiro será concebido como um sistema web que irá para fornecer (ou receber) dados do segundo módulo. Este representado por um aplicativo de TVDi que será embarcado no Set Top Box (STB) conectado a TV do paciente. Suas principais funcionalidades são: acompanhamento de consumo de medicamentos na TV, consulta remota de sinais vitais de paciente e fornecimento de vídeos motivacionais. 1.5 Metodologia A metodologia adotada foi baseada em uma pesquisa aplicada, com uma abordagem exploratória, dividida em quatro etapas. Na primeira, foi realizado um levantamento bibliográfico que versa sobre serviços de saúde e aplicativos para Tv Digital interativa, bem como foram realizadas reuniões e entrevistas com o pessoal envolvido com o projeto Ginga CDN. Na segunda, foi realizada a identificação de trabalhos relacionados e elaboração de um estudo comparativo entre os trabalhos relacionados com as áreas de interesse. Na terceira, foi realizada a especicicação, arquitetura e tecnologias utilizadas no sistema. Na quarta, e última fase, realizada a implementação do estudo de caso. 1.6 Organização da Dissertação Este trabalho está dividido em 6 (Seis) capítulos. Após esta introdução, o Capítulo 2 (dois) apresenta o estado da arte de televisão digital e Atendimento Domiciliar, procurando relacionar as duas áreas. Ainda neste capítulo, serão apresentados os trabalhos relacionados ao objeto de estudo desta dissertação. O Capítulo 3 (três) apresenta o Diga Saúde. Neste capítulo

18 17 são apresentadas as funcionalidades, bem com especificação do sistema, contendo diagramas e modelo utilizados para facilitar o entendimento das partes que compões o sistema. O Capítulo 4 (quatro) aborda o desenvolvimento do sistema e discute os desafios da implementação do mesmo. É, neste capítulo, que são descritas definições dos frameworks, bibliotecas e padrões arquiteturais utilizados, bem como as justificativas que acercam a escolha das dessas tecnologias e padrões. Os experimentos realizados a caracterizar a viabilidade do sistema Diga Saúde são apresentados no Capítulo 5 (cinco). Por fim, as conclusões e os sugestões para trabalhos futuros são discutidos no Capítulo 6 (seis).

19 18 2 REFERENCIAL TEÓRICO Este Capítulo apresenta o estado da arte das áreas envolvidas nesta dissertação, Televisão Digital Interativa e Atendimento Domiciliar de Saúde, bem como os trabalhos relacionados ao objeto de estudo deste trabalho, o sistema DigaSaúde. 2.1 TV Digital Brasileira A TV digital é a nova tecnologia de televisão que, ao longo dos últimos anos, vem substituindo a atual televisão analógica. O termo digital é derivado da palavra dígito, que é sinônimo de algarismo. A tecnologia digital é baseada na linguagem binária, formada por seqüências de algarismos binários ou bits (0 e 1). No cenário da TV Digital, as imagens e sons, transmitidos por uma emissora de TV, são convertidos em fluxos de bits que, por sua vez, são transformados em sinais elétricos e transportados, pelo do ar, por meio de ondas eletromagnéticas. Os sinais elétricos chegam ao receptor, são novamente transformados em fluxos de bits e convertidos em dados, imagens e sons. (JUNOT, 2007). A transmissão e a recepção do sinal perfeito já podem ser consideradas um grande avanço tecnológico para os pesquisadores desse novo modelo de televisão brasileiro. Hoje 77,7% da população, dividida em 32 cidades já recebem o sinal digital (TAVARES, 2010). Contudo, o impacto da nova geração de televisão é muito mais significativo do que uma simples troca de um sistema analógico de transmissão para a televisão digital e muito mais do que o uso de dispositivos receptores (STB Set Top Box) para melhorar a qualidade de imagem e som. Como o sinal da TV digital é composto por dados em forma de dígitos binários (bits), será possível transmitir junto com imagens e sons de alta definição, dados e aplicativos (software) para proporcionar a interação do telespectador com o programa assistido no televisor. Com o auxílio do controle remoto da TV, o telespectador, caso queira e o aplicativo em uso possibilite, poderá fazer uso de serviços que viabilizam, por exemplo, o envio/retorno de dados, via canal de retorno (ou canal de interatividade), a computadores/servidores conectados a internet. Esses aplicativos contribuem para o surgimento da grande novidade tecnológica da TV digital, a interatividade 1. A seção descreve alguns tipos serviços que podem ser oferecidos por aplicativos interativos que podem ser implementados para essa nova plataforma de televisão. Para que seja possível viabilizar a recepção dessas imagens e sons de alta qualidade, bem como a interatividade em TVDi (TV Digital interativa), alguns esforços da comunidade 1 A interatividade, na área da informática, é a faculdade de troca entre o usuário de um sistema informático e a máquina, por meio de um terminal dotado de tela de visualização (Ferreira, 2010, p. 01). No contexto da TVDi (TV Digital Interativa) essa tela é o televisor do usuário e o sistema informático é o aplicativo interativo que será executado na máquina (ou Set Top Box) conectado ou integrado a esse televisor.

20 19 científica e tecnológica mundial foram realizados para definir diferentes modelos, sistemas e padrões de TV Digital no mundo. Esses esforços tiveram como resultado a idealização de uma camada um software, denominada middleware, criada para ser embarcado em conversores com objetivo de facilitar o desenvolvimento de aplicativos para TV Digital. No modelo brasileiro de televisão digital, o middleware como padrão de referência para o desenvolvimento de aplicativos interativos o SBTVD é o middleware aberto GINGA (LAVID; TELEMÍDIA, 2009). Ele é subdividido em dois subsistemas: ambiente de apresentação declarativo 2, baseado em NCL (Nested Context Language), denominado Ginga-NCL (ITU-T J201, 2004) 3, e o ambiente de execução procedural 4, denominado Ginga-j (ITU-T J202, 2004), baseado em Java. Esses dois subsistemas são interligados por outro importante subsistema, denominado o Ginga-CC (Common Core) ou núcleo comum (ITU-T J200, 2001), os quais, juntos, são responsáveis por promover a interatividade do Ginga que está sendo desenvolvido e aprimorados no Projeto Ginga CDN (Ginga Code Development Network) liderado pelas universidades UFPB e PUC-RIO (GINGA CDN, 2009) Tipos de Serviços dos Aplicativos Interativos De acordo com Knowledge (2006.) os aplicativos interativos podem ser classificados de acordo com o tipo de serviço, por exemplo: serviços de informação (EPG, notícia, previsão do tempo, serviços de tráfego, Informações, etc); comunicação (T-mail, T-Chat, etc); entretenimento (T-games, vídeo sob demanda), serviços de comerciais (T-Banking, aplicações de promoção, etc); T-Government (portais de informação); T-Learning (games educacionais, educação profissional, etc); T-Health; e T-Care. Estes dois últimos, por serem os tipos de serviços oferecidos pelo objeto de estudo desse trabalho, encontram-se de descritos nos tópicos a seguir: T-Health (ou T-Saúde): cobre todos os tipos de serviços de informação relacionados com a saúde e o bem-estar que são entregues e executados na tela da TV; T-Care (uma variante especial de T-Health): abrange todos os tipos de serviços de comunicação (bi-direcional) que unem os pacientes a profissionais de saúde através de aplicações baseada em TVDI para prestar serviços de atendimento domiciliar. O Capítulo descreve algumas informações a área de atendimento domiciliar, que, hoje, é bastante difundida e conhecida pelo termo, em inglês, Home care. 2 Um ambiente declarativo possibilita a criação de aplicativos representados por documentos de hipermídia a serem apresentados no Terminal de Acesso, com intuito principalmente informativo, e que possibilitam o encadeamento de diversos documentos (LEITE, 2005). 3 Maiores informações: 4 Um ambiente procedural possibilita a criação de programas formados por comandos ou instruções a serem interpretados ou executados (LEITE, 2005).

21 Atendimento Domiciliar de Saúde Introdução O Atendimento Domiciliar constitui-se como uma atividade da atenção básica que se apresenta como um dos atendimentos da Assistência Domiciliar presentes na Atenção Primária de Saúde. Essa modalidade de assistência preconiza o cuidado no domicílio para pessoas que necessitam de contatos freqüentes e programáveis com os profissionais da área de saúde (LOPES et al, 2003). O envelhecimento populacional brasileiro vem se acentuando consideravelmente, gerando impactos nas diversas formas de se prestar cuidados ao grupo idoso. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), entre 1950 e 2025, a população de idosos no país crescerá 16 vezes contra 5 vezes o crescimento populacional total, colocando nosso país como a sexta população em contingente de idosos no mundo. Um fenômeno a se destacar é o crescimento da população "mais idosa", considerada acima de 80 anos, trazendo como conseqüência alterações na própria composição etária dentro do grupo de idosos. Este fato nos permite observar pessoas na faixa de 60 anos "em pleno vigor físico e mental, bem como pessoas na faixa de 90 anos, que devem se encontrar em maior vulnerabilidade" Cuidadores Formais e Informais No atendimento domiciliar existem dois tipos de cuidadores: o Formal e o Informal O Cuidador Formal Provê cuidados de saúde ou serviços sociais para outros, em função de sua profissão, e usa as habilidades, a competência e a introspecção originadas em treinamentos específicos. O grau de instrução e treinamento para se obter certificados em várias profissões é muito variado. Pessoas que ocupam posições administrativas ou acadêmicas, e que têm sido treinadas na profissão de cuidar de outras pessoas, são também denominadas cuidadores formais, porque suas atividades têm um impacto significativo sobre a saúde dos pacientes. Geralmente, os cuidadores formais recebem compensação financeira pelos seus serviços, mas, algumas vezes não a recebem quando na condição de voluntários de organizações, grupos ou particulares. Os cuidadores formais atendem às necessidades de cuidados de saúde pela provisão efetiva de serviços, competência e aconselhamento, (bem) como apoio social

22 O Cuidador Informal (leigo ou familiar) Provê cuidados e assistência para outros, mas sem remuneração. Geralmente, este serviço é prestado em um contexto de relacionamento já em andamento. É uma expressão de amor e carinho por um membro da família, amigo ou simplesmente por um outro ser humano em necessidade. Cuidadores, no sistema informal, auxiliam a pessoa que é parte ou totalmente dependente de auxílio em seu cotidiano, como: para se vestir, se alimentar, se higienizar, dependa de transporte, administração de medicamento, preparação de alimentos e gerenciamento de finanças Características do cuidador informal Levantamentos e pesquisas efetuados em vários países permitem reconhecer a importância dos cuidadores. Nos Estados Unidos, por exemplo, mais de dois milhões e duzentos mil membros de famílias e amigos provêm cuidados e tratamentos para mais de um milhão e trezentos mil enfermos ou debilitados. Cerca de dois terços dos cuidadores são mulheres. Aproximadamente, três quartos desses doentes recebem cuidados ou tratamentos por intermédio de membros da família e vivem com as próprias famílias. Embora a atividade empregatícia dos cuidadores tenha provado não reduzir o cuidado dedicado ao paciente, existe um certo impacto na qualidade desse cuidado e/ou tratamento. Esse impacto é relativo ao número de horas disponíveis para esta atividade. Pesquisas indicam que, em média, o cuidador trabalha de 4 a 8 horas/dia. Para muitos, a atividade de prover cuidados estende-se de um até quatro anos, mas com o aumento da expectativa de vida nos Estados Unidos e no Brasil, pode-se esperar um aumento no número de anos dedicados a esta atividade Impacto das atividades sobre o Cuidado informal O envolvimento prolongado na atividade de prover cuidados parece ter um efeito negativo sobre a saúde física e emocional do cuidador, embora, geralmente, ele assuma este papel com grande satisfação e carinho. Diferentemente da experiência do cuidador parente de uma criança, que normalmente resulta na reabilitação, os cuidadores de pessoas debilitadas ou enfermas encaram uma situação estressante, em função da deterioração gradual do doente, sua eventual transferência para um tratamento institucional ou, lamentavelmente, a sua morte. Estudos mostram problemas de sobrecarga do cuidador, altos índices de depressão, sintomas de estresse, uso de psicotrópicos, redução no nível de imunidade e aumento da susceptibilidade a enfermidades. Homens e mulheres parecem ser afetados similarmente, embora as mulheres pareçam desenvolver mais estresse. Estes efeitos negativos parecem persistir em alguns cuidadores, até mesmo após a internação ou a morte do paciente.

23 22 Atualmente, assim como acontece em outras áreas do conhecimento, a se tecnologia da informação vem se tornando uma excelente aliada dos profissionais que praticam a assistência domiciliar. Um levantamento bibliográfico realizado por Assaf (2009), abrangendo as principais bases de dados científicas, entre os anos de 2004 a 2008, demonstrou que a utilização de tecnologias para apoiar o atendimento remoto de saúde, prática também conhecida pelo termo tele homecare, traz diversas vantagens para o paciente e para o sistema de saúde, mostrando-se uma poderosa e versátil ferramenta no monitoramento e tratamento de pacientes com doenças crônicas, como Insuficiência Cardíaca Congestiva Diabetes Mellitus. Vários produtos já foram criados e utilizados para acompanhar os pacientes. As Figuras 1a e 1b ilustram e exemplificam dois desses equipamentos dedicados que juntos compõe um exemplo de um produto de home care. A Unidade Central (Figura1a) concede a um enfermeiro a possibilidade de receber dados do paciente remoto, ver e falar com um doente de sua casa. O outro dispositivo, Unidade do Paciente (Figura 1b), pode ser usado para capturar e transmitir informações (sinais vitais, os sons do coração, eletrocardiograma) de saúde do paciente para Unidade Central (DIGITAL TELEHEALTH, 2010). (a) Unidade do Paciente (b) Unidade Central Figura 1: Produtos dedicados usados em Home Care 2.3 Trabalhos Relacionados Esta seção apresenta trabalhos relacionados à utilização de aplicações interativas na área de saúde, ou seja, as que possuem maior relação com o objeto de estudo deste trabalho. Philips Motiva: Implementado e testado, nos E.U.A., em 2005, ele é um sistema interativo de saúde que une os pacientes, com doenças crônicas, a seus provedores de cuidados de saúde (médicos, enfermeiros e outros). Isso através da televisão, em casa, e uma conexão de internet banda larga. O sistema, implementado sobre plataforma do middleware europeu MHP (Multimedia Home Platform), além de monitorar os sinais vitais automatizados, faz com que os pacientes sejam apoiados por: Material educativo; Feedback de

24 23 recurso sobre medições de sinais vitais; Mensagens motivacionais de cuidadores para ajudar a incentivar um estilo de vida saudável com dietas e exercícios. (PHILIPS MOTIVA, 2010). MHPhomecare: sistema de atendimento domiciliar de tele-monitoramento de baixo custo e fácil de usar que pode ser utilizado pessoas não treinadas que poderão, com uma confirmação visual imediata, visualizar a qualidade do sinal que está sendo verificado. Para isso, foi desenvolvida um aplicativo de TVDi, também, baseado no middleware europeu MHP (Multimedia Home Platform), bidirecional, que pode ser enviada por uma emissora de DVB-T (Digital Video Broadcasting Terrestrial) no fluxo de transmissão broadcast e armazenados no STB do usuário, sem qualquer intervenção na casa do paciente. Além do sistema, foi criada uma estação base prototípica de baixo custo para a aquisição dos sinais do paciente que foi desenvolvida para ser se conectar com STB (através de uma conexão com infravermelhos) e enviar os dados obtidos pelos sensores fixados junto ao corpo do paciente (ANGIUS et al, 2008).

25 24 3 ESTUDO DE CASO Este capítulo introduz o Diga Saúde, apresentando as funcionalidades e os múdulos que compõe o sitema, bem como é apresentado um cenário hipotético de utização das funcionalidades do sistema. A partir deste cenário são evidenciados os requisitos que servirão de base para especificação do sistema, arquitetura, a distribuição, os principais desafios do sistema e as decisões de projeto e paralelos com soluções relacionadas ou similares. 3.1 Introdução O Diga Saúde é um sistema aberto de apoio a serviços de Atendimento Domiciliar de saúde. Ele está sendo concebido para ser totalmente integrado ao Ginga. O que faz do Diga Saúde um sistema pioneiro, pois ele usa esse recente e inovador middleware crido para o SBTVD instituído pelo Decreto 4901(CETIC.BR, 2009). Ele tem como objetivo integrar dispositivos para apoiar 1 alguns serviços realizados por profissionais de saúde, como agentes de saúde, enferemeiros, médicos e outros (ver seção 2.2.2). Possibilitando, assim, uma possível amplição do número de pessoas que podem ser atenidas pelos serviços de Home Care. Pois, com o uso do sistema os profissionais tendem a ter mais tempo para acompanhar um número maior de pacientes que, assim como aconteceu com outros sistemas (ver seção 2.3), ficam menos expostos a riscos de adquirirem uma infecção hospitalar. 3.2 Principais Funcionalidades do Diga Saúde O Diga Saúde faz uso da tecnologia da informação para melhorar a qualidade de vida das pessoas no âmbito do seu lar. Isso por meio das funcionalidades, descritas nas seções 3.2.1, e 3.2.3, baseados em três serviços, ilustrados na Figura 2, realizados no âmbito da assistência domiciliar: Admisnitração de medicamentos, monitoramento de sinais vitais e apoio motivacional Monitoramento de sinais vitais Integração de dispositivos para apoiar o serviço de monitoramento de Sinais Vitais de pacientes. Esta funcionalidade do Diga Saùde integra sensores e STB para realizar o acompanhamento de pacientes, incluídos na modalidade de internação domiciliar, que possuem um quadro clínico mais complexo e, portanto, necessitam de tecnologia especializada para realizar 1 O Diga Sáude não sustitui os profissionais de saúse. Trata-se de uma ferramenta que pode vir a auxíliar os serviços prestados por esses profissionais que, no contexto do Diga Saúde, são responsáveis por acompanhar a evolução dos pacientes por meio da utilização ou adminstração do sistema.

26 25 Figura 2: Serviços auxiliados pelo Diga Saúde o monitoramento dos seus sinais vitais. Evitando, assim, o uso de dispositivos caros, bastantando apenas o paciente ter, em sua casa, um aparelho de TV Digital e sensores compatíveis com o sistema Acompanhamento de consumo de medicamentos na TV Exibição de avisos, na TV, contendo a hora exata consumir medicamentos. Facilitando, assim, a vida de pacientes com problemas para tomar remédios prescritos em posologias de receitas médicas Exibição de Vídeos motivacionais Geração de material educativo entregues, como vídeos educacionais e motivacionais, com temas relevantes para as necessidades de saúde dos pacientes. Incentivando esses pacientes a ter um estilo de vida mais saudável. Isso por meio de filmes de curta duração que os estimulem, por exemplo, a praticar exercícios físicos e a seguir dietas adequadas ao perfil da sua doença Módulos do Sistema O Diga Saúde é um sistema composto por dois módulos que serão utilizados por médicos e pacientes para apoiar algumas atividades utilizadas nos serviços de home care: Diga Saúde Web: Um sistem WEB idealizado para fornecer (ou receber) dados que serão utilizados pelo segundo módulo. A Figura 3 ilustra os componentes dessse módulo.

27 26 Figura 3: Componentes do Módulo Web Diga Saúde TV: Um aplicativo de TVDi (TV Digital Interativa) que será embarcado no Set-Top-Box conectado a TV do paciente. A Figura 4 ilustra os componentes dessse módulo. Figura 4: Componentes do Módulo TV 3.4 Cenários de Uso O Diga Saúde é um sistema que atende aos interesses tanto do usuário final (telespectador/paciente), como de quem provê o serviço (profissionais de saúde e/ou adminsitradores do sistema). Esta afirmação pode ser claramente atestada nos cenários descritos nas seções e Primeiro Acesso Médico: sdsdsd paciente: sdsd Cuidadores: sdsdsd

28 N-ésimo Acesso Médico: sdsdsd paciente: sdsd Cuidadores: sdsds Complementando o cenário descritos, nas seções e 3.4.2, a Figura 5 ilustra a integração entres os módulos que compõe o sistema. Neste sentido, observamos o monitoramento de Sinais Vitais de pessoas portadoras de patologias que requerem vigilância médica intensiva e, além disso, permitir a exibição de avisos, na TV, informando a hora exata para a tomada de medicamentos, facilitando, assim, a vida dos idosos com problemas para tomar remédios prescritos em posologias de receitas médicas. Figura 5: Cenário do Diga Saúde 3.5 Arquitetura do Sistema O primeiro módulo, Visualizador de Posologias de Receitas Médicas na TV, doravante denominado apenas por Visualizador de Posologias, é destinado a informar, pelo televisor do paciente, as posologias contidas em receita(s) prescrita(s) por seu(s) médico(s). Com isso,

29 28 será possível avisar, na hora exata, o nome do remédio, a quantidade e o modo com o qual o medicamento será consumido pelo paciente. Eliminando, assim, a necessidade do paciente ler receitas manuscritas que, infelizmente, algumas vezes são praticamente impossíveis de serem lidas. Um paciente idoso, por exemplo, seria bastante beneficiado ao fazer uso do Visualizador de Posologias. De acordo com Marin (2008), a complexidade dos esquemas medicamentosos, juntamente com a falta de entendimento, esquecimento, diminuição da acuidade visual e destreza manual que ocorrem no idoso, contribui para que haja grande quantidade de erros na administração de medicamentos pelos idosos. Deste modo, vemos que esses erros somados com a dificuldade de ler algumas receitas manuscritas dificultariam ainda mais esse processo de administração, portanto vemos que a funcionalidade denominada Visualizador de Posologias ajudará a minimizar esses problemas e fará com que os idosos tenham mais facilidade para realizar a tarefa de tomar os medicamentos certos na hora prescrita. 3.6 Especificação Requisitos Funcionais do módulo DigaSaúde-TV A Figura 6 ilustra os Requisitos Funcionais que definem as funcionalidades do sitema, ou seja, funções que o sistema deve realizar para tender os objetivos do usuário, que neste caso são telespectadores/pacientes que usam o sistema. Figura 6: Requisitos funcionais

DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL

DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ MARCOS EDUARDO DA SILVA SANTOS DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL FORTALEZA - CEARÁ 2010 MARCOS EDUARDO DA

Leia mais

DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL

DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ MARCOS EDUARDO DA SILVA SANTOS DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL FORTALEZA - CEARÁ 2010 MARCOS EDUARDO DA

Leia mais

DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL

DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ MARCOS EDUARDO DA SILVA SANTOS DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL FORTALEZA - CEARÁ 2010 MARCOS EDUARDO DA

Leia mais

DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL

DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ MARCOS EDUARDO DA SILVA SANTOS DIGA SAÚDE - UM SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE HOME CARE BASEADO NO MODELO BRASILEIRO DE TV DIGITAL FORTALEZA - CEARÁ 2011 MARCOS EDUARDO DA

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT)

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Instituto Federal de Educacao do Ceara (IFCE) Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPPG) MESTRADO INTEGRADO PROFISSIONAL EM

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT)

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Instituto Federal de Educacao do Ceara (IFCE) Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPPG) MESTRADO INTEGRADO PROFISSIONAL EM

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT)

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Instituto Federal de Educacao do Ceara (IFCE) Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPPG) MESTRADO INTEGRADO PROFISSIONAL EM

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT)

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Instituto Federal de Educacao do Ceara (IFCE) Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPPG) MESTRADO INTEGRADO PROFISSIONAL EM

Leia mais

DIGA SAÚDE - UMA PROPOSTA DE SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE ATENDIMENTO DOMICILIAR DE SAÚDE

DIGA SAÚDE - UMA PROPOSTA DE SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE ATENDIMENTO DOMICILIAR DE SAÚDE DIGA SAÚDE - UMA PROPOSTA DE SISTEMA DE APOIO A SERVIÇOS DE ATENDIMENTO DOMICILIAR DE SAÚDE Marcos Eduardo da Silva Santos 1, Mauro Oliveira 1, Luiz Odorico Monteiro de Andrade 2, Veronica Pimentel de

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Bruno de Sousa Monteiro Orientação: Prof. Dr. Fernando da Fonseca de Souza Prof. Dr. Alex Sandro Gomes 1 Roteiro

Leia mais

Serviço de Controle e Programação para Dispositivos Remotos para Aplicações Interativas e Imersivas na TV Digital

Serviço de Controle e Programação para Dispositivos Remotos para Aplicações Interativas e Imersivas na TV Digital Serviço de Controle e Programação para Dispositivos Remotos para Aplicações Interativas e Imersivas na TV Digital Eduardo Agostinho¹, Victor Nogueira³, Samuel Azevedo³, Luiz Marcos Gonçalves³, Anelisa

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE 1 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE Bauru, 05/2011 Valquiria Santos Segurado UNESP - valquiria.segurado@mstech.com.br Profª Drª Vânia Cristina Pires Nogueira

Leia mais

Explorando a interatividade com entrada de dados textuais em ambiente de TV Digital

Explorando a interatividade com entrada de dados textuais em ambiente de TV Digital Explorando a interatividade com entrada de dados textuais em ambiente de TV Digital Herlon Silva Santos¹, Samuel Azevedo², Aquiles Medeiros Filgueira Burlamaqui¹, Luiz Marcos Garcia Gonçalves², Luiz Eduardo

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa

Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Desenvolvendo Aplicações para TV Digital Interativa Sávio Luiz de Oliveira Almeida 1, Frederico Coelho 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Barbacena MG Brasil 2 Departamento de Ciência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA TV DIGITAL U- TILIZANDO A PLATAFORMA GINGA J

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA TV DIGITAL U- TILIZANDO A PLATAFORMA GINGA J DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA TV DIGITAL U- TILIZANDO A PLATAFORMA GINGA J Angélica de Oliveira Faculdade de Engenharia de Computação CEATEC angelica.o@puccampinas.edu.br Prof. Dr. David Bianchini

Leia mais

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados

Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados 317 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Proposta de uma técnica de controle para o Monitoramento Remoto de Sinais vitais em sistemas embarcados Poliana Francibele de Oliveira Pereira, Alexandre

Leia mais

1. StickerCenter... 3. 2. Menu Broadcast Stickers... 4. 3. Menu MyStickers... 9

1. StickerCenter... 3. 2. Menu Broadcast Stickers... 4. 3. Menu MyStickers... 9 1. StickerCenter... 3 1.1. O que é?... 3 1.2. O que são Stickers?... 3 1.3. Como acessar o StickerCenter?... 3 1.4. Como atualizar o StickerCenter?... 3 2. Menu Broadcast Stickers... 4 2.1. O que é?...

Leia mais

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas

1.1. Aplicações de TVD dinâmicas 1 Introdução Uma aplicação de TV Digital (TVD) comumente é composta por um vídeo principal associado a outros objetos (aplicações, imagens, vídeos, textos etc.), que são transmitidos em conjunto possibilitando

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira

GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira 1 of 6 23/6/2010 22:40 GINGA - Software Livre para TV Digital Brasileira Autor: Paulo Roberto Junior - WoLF Data: 13/04/2009 O que é GINGA Posso falar com minhas próprias indagações

Leia mais

Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital

Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital 1 Metodologia de Integração entre Aplicações Web e Aplicações para TV Digital Eduardo Barrére Universidade Federal de Juiz de Fora eduardo.barrere@ice.ufjf.br Paula Marin Leite Universidade Federal de

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga Luiz Eduardo Cunha Leite 1 Sistema de TV Digital no Brasil 3G 1 Seg 2 PTSN, Internet, etc. Nível de Transporte TCP / IP -SI -Carrossel de Dados e Objetos -MPE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PROPÓTIPO DE UM SET TOP BOX COM O MIDDLEWARE GINGA, NO RASPBERRY PI COM UM SISTEMA EMBARCADO LINUX

DESENVOLVIMENTO DE UM PROPÓTIPO DE UM SET TOP BOX COM O MIDDLEWARE GINGA, NO RASPBERRY PI COM UM SISTEMA EMBARCADO LINUX DESENVOLVIMENTO DE UM PROPÓTIPO DE UM SET TOP BOX COM O MIDDLEWARE GINGA, NO RASPBERRY PI COM UM SISTEMA EMBARCADO LINUX A. B. Nunes (IC) ¹ ; N. Freitas (IC)¹; R. Alcântara (IC)²; V. Silveira (IC)²; Jessé

Leia mais

Manual do Usuário. TVA Digital

Manual do Usuário. TVA Digital Manual do Usuário TVA Digital AF_Manual_TV_SD_8.indd 1 AF_Manual_TV_SD_8.indd 2 Parabéns por escolher a TVA Digital! Além de optar por uma excelente programação, você terá uma série de recursos e interatividade.

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Programação Gráfica de Robôs na TV e no PC

Programação Gráfica de Robôs na TV e no PC Programação Gráfica de Robôs na TV e no PC Anelisa Diógenes Freitas², Carla da Costa Fernandes¹, Samuel Oliveira de Azevedo¹, Aquiles Medeiros Filgueira Burlamaqui², Renata Pitta Barros¹, Luiz Eduardo

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT)

Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Universidade Estadual do Ceará (UECE) Centro de Ciências e Tecnologia (CCT) Instituto Federal de Educacao do Ceara (IFCE) Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação (DIPPG) MESTRADO INTEGRADO PROFISSIONAL EM

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

Permissão de Usuários

Permissão de Usuários Permissão de Usuários 1 Conteúdo 1. Propósito 3 2. Permissão de Usuários PrefGest 4 3. Permissão de Usuário para PrefCad 10 2 1. Propósito Este documento destina-se a explicar a ação para liberar permissões

Leia mais

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante:

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante: Módulo A Introdutório - Bases legais, ao Curso políticas, e ao conceituais Ambiente Virtual e históricas da educação Apresentação Este módulo tem por objetivo promover o conhecimento do Ambiente Virtual

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital

Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Protocolo de Aplicação para Jogos de Tabuleiro para Ambiente de TV Digital Felipe Martins de Lima Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. ACESSO AO SISTEMA... 1 1.2. TELA INICIAL

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Centro das Ciências Exatas e Tecnologia Faculdade de Matemática, Física e Tecnologia 1.00.00.00-3 - CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.03.00.00-7 - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Leia mais

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL *

PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * PESPECTVIAS DO PROJETO DE PESQUISA DESENVOLVIMENTO DE MIDDLEWARE PARA DIVULGAÇÃO DE SABERES POPULARES NO CANAL DE INTERATIVIDADE DA TV DIGITAL * Wellington Garcia PEREIRA 1 ; Hudson Henrique de Sousa LOPES

Leia mais

MONITORAMENTO E CRIAÇÃO DE HISTORICOS DENSOS DE PACIENTES CLINICOS ATRAVÉS DE UMA APLICAÇÃO NAS NUVENS

MONITORAMENTO E CRIAÇÃO DE HISTORICOS DENSOS DE PACIENTES CLINICOS ATRAVÉS DE UMA APLICAÇÃO NAS NUVENS Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM MONITORAMENTO E CRIAÇÃO DE HISTORICOS DENSOS DE PACIENTES CLINICOS ATRAVÉS

Leia mais

4. A FERRAMENTA ITVNEWS

4. A FERRAMENTA ITVNEWS 57 4. A FERRAMENTA ITVNEWS Este capítulo apresenta a ferramenta itvnews. A seção 4.1 apresenta uma visão geral sobre a ferramenta e seu funcionamento. A seção 4.2 apresenta a análise da ferramenta, em

Leia mais

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Nesta aula vamos ver o conceito de informática e comunicação de dados, conhecer noções teleprocessamento e de rede de computadores e obter

Leia mais

Entretenimento e Interatividade para TV Digital

Entretenimento e Interatividade para TV Digital Entretenimento e Interatividade para TV Digital Desenvolvimento de Aplicativos para TV Digital Interativa Rodrigo Cascão Araújo Diretor Comercial Apresentação da Empresa A EITV desenvolve software e provê

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital

Proposta para Grupo de Trabalho. GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Proposta para Grupo de Trabalho GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital Guido Lemos de Souza Filho 10/09/2005 1. Título GT TV Grupo de Trabalho de TV Digital 2. Coordenador Guido Lemos de Souza Filho guido@lavid.ufpb.br

Leia mais

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br

Jornalismo Multiplataforma. Tecnologias Redes e Convergência. eduardo.barrere@ice.ufjf.br Jornalismo Multiplataforma Tecnologias Redes e Convergência eduardo.barrere@ice.ufjf.br Panorama Em 2011, a TV atingiu 96,9% (http://www.teleco.com.br/nrtv.asp) TV Digital Uma novidade???? TV Digital Resolve

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2

APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2 APLICAÇÃO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA UTILIZANDO A API JAVATV Eli CANDIDO JUNIOR 1 Francisco Assis da SILVA 2 RESUMO: A televisão é uma das principais fontes de informação, entretenimento e cultura. A

Leia mais

B ringing Al l U sers to the Television

B ringing Al l U sers to the Television PUC Minas Campus de Poços de Caldas Departamento de Ciência da Computação Laboratório de Televisão Digital Interativa B ringing Al l U sers to the Television Prof. Dr. João Benedito dos Santos Junior Coordenador

Leia mais

A interatividade como complemento ao conteúdo telejornalístico na TV Digital

A interatividade como complemento ao conteúdo telejornalístico na TV Digital A interatividade como complemento ao conteúdo telejornalístico na TV Digital Giovana Sanches, Tadeu Araújo, Tiago Porangaba, Eduardo Morgado Laboratório de Tecnologia da Informação Aplicada Universidade

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

4 Plano de Recuperação

4 Plano de Recuperação 4 Plano de Recuperação Como pode ser observado na Seção 3.2, um projeto de um middleware para TVD deve considerar o fato que ele será embarcado em plataformas diversas e, portanto, que fará uso de diversas

Leia mais

A Internet facilitando tratamentos médicos

A Internet facilitando tratamentos médicos VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 A Internet facilitando tratamentos

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

Bem-vindo ao melhor do entretenimento.

Bem-vindo ao melhor do entretenimento. Manual do usuário Bem-vindo ao melhor do entretenimento. Agora, com a Vivo TV, você tem alta qualidade de som e imagem para assistir a uma programação completa com canais infantis, seriados, programas

Leia mais

play Guia de uso Decodificador

play Guia de uso Decodificador play Guia de uso Decodificador Bem-vindo Agora com seu Vivo Play você se diverte na hora que der vontade. São milhares de filmes, séries e shows só esperando você dar um play. Você pausa, volta, avança,

Leia mais

Manual. V e r s ã o i P a d

Manual. V e r s ã o i P a d Manual V e r s ã o i P a d índice I. Introdução II. Procedimentos básicos III. A agenda IV. Clientes V. Prontuário VI. Configurações VII. Medicamentos VIII. Tags IX. Receitas X. Contato I Introdução O

Leia mais

TV Digital e Educação a Distância: Discutindo Alguns Pontos e Propondo um Protótipo de Sistema

TV Digital e Educação a Distância: Discutindo Alguns Pontos e Propondo um Protótipo de Sistema TV Digital e Educação a Distância: Discutindo Alguns Pontos e Propondo um Protótipo de Sistema Felipe Stutz de Matos, Wilhelm Santanna Julião, Neide Santos Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Anais do XXII SBIE - XVII WIE Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011

Anais do XXII SBIE - XVII WIE Aracaju, 21 a 25 de novembro de 2011 Cyberbullying, Conscientização Ambiental, Memória Matemática e Genius Inglês: aplicações e jogos educacionais para crianças no Sistema Brasileiro de TV Digital Natália de M. Lopes 1, Carlos V. C. do Nascimento

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital. Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves

Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital. Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves Desenvolvimento de Sistemas para TV Digital Prof. Fabrício J. Barth fbarth@tancredo.br Faculdades Tancredo Neves Objetivo Apresentar os conceitos básicos para o desenvolvimento de sistemas para TV Digital.

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento

Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital. Desenvolvimento de Aplicações Interativas. Trabalhos em andamento Introdução Padrão Brasileiro de TV Digital Middleware GINGA Desenvolvimento de Aplicações Interativas Linguagem NCL (Nested Context Language) Trabalhos em andamento 1 2 3 4 Maior resolução de imagem Melhor

Leia mais

PLATAFORMA DE UM PERSONAL HEALTH RECORD - PHR

PLATAFORMA DE UM PERSONAL HEALTH RECORD - PHR PLATAFORMA DE UM PERSONAL HEALTH RECORD - PHR Saulo Soares de TOLEDO 1, Misael Elias de MORAIS 2, Adson Diego Dionisio da SILVA 3, Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO 4, Valderí Medeiros da SILVA 5 1 Departamento

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: SERVIÇOS HTTP COM GEOPOSICIONAMENTO DE FROTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS AUTOR(ES):

Leia mais

APOSTILA MICROSOFT OUTLOOK 2000

APOSTILA MICROSOFT OUTLOOK 2000 APOSTILA MICROSOFT OUTLOOK 2000 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO II. INICIANDO O OUTLOOK 2000 III. OUTLOOK HOJE IV. ATALHOS DO OUTLOOK V. CONFIGURAR CONTA DE CORREIO ELETRÔNICO VI. RECEBER E-MAIL VII. FILTRAR MENSAGENS

Leia mais

Guia Rápido TV Fibra

Guia Rápido TV Fibra Guia Rápido TV Fibra Sua nova Vivo TV Fibra chegou. Agora você terá mais diversão e entretenimento em sua casa. Além do melhor conteúdo da TV por assinatura, com sua Vivo TV Fibra você vai vivenciar novas

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD

TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras. Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 - T-Commerce e T-Banking- Aplicações Seguras Julho de 2011 Aguinaldo Boquimpani Gerente Senior de Produtos TOTVS TQTVD TDC 2011 AGENDA I. Cadeia de valor da TV Digital Interativa II. O Ginga e

Leia mais

Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital

Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital Um framework para o desenvolvimento de aplicações interativas para a Televisão Digital Adriano Simioni, Valter Roesler Departamento de Informática Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Av. Unisinos,

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Secretaria Municipal de Educação SME Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação CTIC Núcleo de Tecnologia Municipal NTM CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Amauri Soares de Brito Mário Ângelo

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis Gabriel Galvão da Gama 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este artigo descreve um projeto

Leia mais

Manual do sistema SMARsa WEB

Manual do sistema SMARsa WEB Manual do sistema SMARsa WEB Módulo Solicitação/Ouvidoria SMARsa WEB Solicitação/Ouvidoria Versão 2.7 1 Sumário INTRODUÇÃO...4 OBJETIVOS...4 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo solicitação/ouvidoria...5

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Tiago A. Gameleira 1, Raimundo Santos Moura 2, Luiz Affonso Guedes 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

www.cespe.unb.br/avaliacao/senai_15_2

www.cespe.unb.br/avaliacao/senai_15_2 ANTES DA APLICAÇÃO, O TÉCNICO EM TI DEVERÁ PREPARAR OS LABORATÓRIOS DE ACORDO COM AS SEGUINTES ESPECIFICAÇÕES: a. CRIAR UM LINK DE ACESSO À INTERNET DE, NO MÍNIMO, 2 (DOIS) MB/S (MEGABYTES POR SEGUNDO)

Leia mais

4 Arquitetura para aplicações NCL dinâmicas

4 Arquitetura para aplicações NCL dinâmicas 4 Arquitetura para aplicações NCL dinâmicas Além de ser composta por objetos de mídia com conteúdo audiovisual, uma aplicação NCL dinâmica precisa ter objetos NCLua geradores de conteúdo em sua composição.

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais