Daniela Vieira de Oliveira 1. Eduiges Romanatto 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Daniela Vieira de Oliveira 1. Eduiges Romanatto 2"

Transcrição

1 Desafios para o Desenvolvimento Econômico Goiano Daniela Vieira de Oliveira 1 Eduiges Romanatto 2 Resumo: Apesar da expansão da economia goiana observada nos últimos anos, vários indicadores sociais e infraestruturais estão abaixo do almejado para que o Estado seja mais atrativo, que os demais, aos investimentos privados. Este artigo reúne e discorre sobre os determinantes da competitividade sistêmica de Goiás capazes de ampliar a competitividade das empresas. Dentre estes determinantes estão a educação, para uma maior capacitação de mão de obra; a saúde, com melhoria da qualidade de vida da população; e a infraestrutura, com melhoria do transporte, maior oferta de energia, telecomunicações e infraestrutura urbana. A principal conclusão é que a maioria dos indicadores sociais e infraestruturais mostram que são necessários maiores investimentos para que o Estado possa proporcionar uma maior competitividade sistêmica às empresas tornando-se mais atrativo aos investimentos privados Palavras chave: Competitividade sistêmica, educação, saúde, transporte, energia, telecomunicações, infraestrutura urbana. Introdução A expansão do Produto Interno Bruto PIB goiano nos últimos anos mostrou a pujança de uma economia regional competitiva e com taxas crescentes de crescimento econômico. O PIB em 1998 era de R$ 21,120 bilhões colocando o Estado em 10º colocação no ranking nacional com 2,16% de participação. Em 2008, o PIB de Goiás atingiu o valor de R$ 75,275 bilhões e aumentou sua participação no PIB nacional para 2,48% fazendo com que o Estado de Goiás alcançasse a 9ª posição no ranking nacional. O crescimento real da economia goiana atingiu 8% em 2008, o 3º maior crescimento nacional e seu maior da história, ante 1,19% em Dentre os grandes setores de atividades econômicas, a agropecuária e serviços apresentaram queda de participação no valor adicionado em 2008 com relação a 1998, enquanto a indústria apresentou ganhos. A agropecuária tinha uma participação de 13,05% em 1998 e o setor de serviços, 66,34%. Em 2008, estes percentuais caíram para 12,84% e 60,95%, respectivamente. A indústria, que tinha 20,61% de participação na economia em 1998, em 2008 apresentou 26,21%. Dentro destes grandes setores o maior ganho em participação é da Indústria de Transformação, que ganhou 3,2%. e o Comércio, com ganho de 3,6%. Mesmo com todos os resultados positivos do cenário econômico em Goiás, os indicadores sociais e infraestruturais ainda se encontram distantes dos desejados. É preciso realizar investimentos significativos para melhorar sua posição em áreas como educação, saúde, transportes, energia, telecomunicações, água e saneamento. É necessária a ampliação da competitividade com relação aos demais Estados, sobretudo em relação às variáveis sistêmicas como os setores de infraestrutura e sociais, que são capazes de interferir na produtividade e a qualidade dos bens e serviços produzidos no Estado. Este trabalho relaciona alguns pontos importantes relativos aos determinantes de competitividade de natureza sistêmica para o Estado de Goiás de caráter infraestrutural - como a disponibilidade, qualidade e custo de energia, 1 Economista pela UFG ( 2 Mestre em Desenvolvimento Econômico pela UFPR e servidor da Segplan ( 16

2 transportes e telecomunicações - e social - como a situação da qualificação da mão de obra e formação de recursos humanos, políticas de educação e saúde. 2. Competitividade Sistêmica Segundo Siqueira (2009), O termo competitividade é relacionado aos ganhos de produtividade e qualidade decorrentes de uma interação de fatores, internos e externos à empresa, que tornam a produção econômica mais eficiente, tais como infraestrutura, educação, saúde, inovação e política macroeconômica. Assim, a competitividade pode ser vista como o somatório de ganhos de produtividade e qualidade relacionados a fatores importantes para construção das vantagens competitivas das empresas e que, por consequência, contribuem para o próprio desenvolvimento dos países. Para Coutinho e Ferraz (1994), a competitividade pode ser vista como a produtividade das empresas ligada à capacidade dos governos, transcendendo o nível da firma, sendo também relacionadaà estrutura da indústria e do mercado e ainda ao sistema produtivo como um todo. Este modelo de classificação pode ser dividido em três categorias distintas: Fatores internos à empresa, fatores estruturais e os fatores de natureza sistêmica. Os determinantes internos à empresa são aqueles que estão sob sua esfera de decisão, como a capacitação tecnológica e produtiva, a qualidade e a produtividade dos recursos humanos, o conhecimento do mercado e a capacidade de se adequar às suas especificidades e as relações privilegiadas com fornecedores e usuários. Fatores estruturais são aqueles sobre os quais a capacidade de intervenção da empresa é limitada pela mediação do processo de concorrência, estando por isso apenas parcialmente sob sua área de influência. Eles estão relacionados a características dos mercados como o grau e o tamanho, o grau de sofisticação, configuração da indústria em que a empresa atua, a concorrência e o acesso a mercados internacionais. Os fatores de natureza sistêmica são aqueles sobre os quais a empresa tem escasso ou nenhum poder de intervenção. Estes fatores podem ser macroeconômicos, políticoinstitucionais, regulatórios, infraestruturais, sociais, referentes à dimensão regional e internacionais. O conceito da competitividade sistêmica coloca o Estado e os atores sociais como condicionantes para o sucesso do desenvolvimento industrial. O sucesso no desenvolvimento industrial não está ancorado apenas dos fatores no nível micro de empresas e no nível macro das condições macroeconômicas em geral, mas também, depende de medidas específicas por parte do governo e de instituições não governamentais, para o fortalecimento da competitividade de empresas que relacione as estruturas fundamentais políticas e econômicas (ALTENBURG, HILLEBRAND E MEYER-STAMER,1998). Segundo relatório do Banco Mundial sobre crescimento econômico, países com rápido crescimento estão associados a políticas eficazes nas áreas de educação, saúde, inovação tecnológica, infraestrutura, governança e reformas institucionais, áreas que fazem parte dos determinantes da competitividade sistêmica. Estes fatores influenciam a tomada de decisões sobre investimentos das empresas pois é necessária a análise das variáveis que afetam os custos de implantação, tais como a disponibilidade e a qualidade da infraestrutura e os indicadores relativos ao capital humano e ao sistema de inovação. Se uma região apresentar desempenhos melhores do que outra em um número elevado dessas variáveis, demonstrando, assim, uma nítida superioridade em termos de competitividade sistêmica, provocará diferenças na atração de investimentos e no próprio ritmo de crescimento econômico, que se traduzirão em disparidades espaciais de renda. 3. Aspectos sociais Educação As condições sociais vigentes em uma economia têm importantes efeitos sobre a competitividade das empresas que nela operam e por esse motivo são fatores de atração de novos investimentos. O acesso à educação, a quantidade e qualificação da mão de obra, o padrão de vida dos consumidores e melhores condições para que as pessoas alcancem boa formação profissional e desfrutem de boa saúde, permitindo-lhes produzir mais e por mais 17

3 tempo, são diferenciais para que um estado seja mais atrativo que outro. Apesar dos avanços observados nas últimas décadas, Goiás ainda defronta-se com grandes entraves para elevar a qualidade da educação e do sistema de saúde para um padrão mais competitivo nacionalmente. É necessário superar grandes desafios para alcançar a universalização e a qualidade do atendimento, obter melhores resultados nas avaliações nacionais e na qualidade de vida da população. Entre 1981 e 2009, a taxa de analfabetismo no país apresentou declínio, caindo de 22,89% para 9,7%, tendência que se repetiu na região Centro-Oeste e no Brasil. A taxa no Centro-Oeste caiu de 22,39% para 7,99% no mesmo período. Em Goiás, a taxa de 1981 era de 24,41% e em 2009 este percentual foi para 8,58% (ver Gráfico 1). Gráfico 1 - Evolução da Taxa de Analfabetismo no País, Região Centro Oeste e Goiás Fonte: IPEA. * Dados de 2008 e Fonte PNAD Em 2009, a taxa de analfabetismo goiana se situa abaixo da média do país, porém acima da região Centro- Oeste, que é puxada pelo Distrito Federal. No entanto, tal resultado ainda é distante dos melhores desempenhos nacionais, pois o Estado ocupa o 12º lugar no ranking nacional, atrás de vários estados com o PIB menor que o goiano, como o Amapá, Roraima, Amazonas e Espírito Santo. A situação também é crítica quando se observa que a taxa de analfabetismo funcional (porcentagem de pessoas de uma determinada faixa etária que tem escolaridade de até 3 anos de estudo em relação ao total de pessoas na mesma faixa) é de 20,3% no Brasil, 18,5% no Centro-Oeste e 19,7% em Goiás, enquanto 10 estados possuem um índice menor desse tipo de analfabetismo, a saber: Distrito Federal, São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Roraima, Amapá, Amazonas, Paraná e Minas Gerais. Apesar dos esforços realizados no Estado para melhorar o desempenho com iniciativas para alavancar o desempenho do ensino fundamental, como a criação de programas como Bolsa Escola e Bolsa Família e a constituição do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), alguns números não são tão positivos. O número de matrículas apresentou acréscimo em todos os níveis de ensino de 1998 a 2009 exceto no nível fundamental que houve redução. Na pré-escola, o número de matrículas subiu de , em 1998, para , em 2009, um aumento de 25,8%. No fundamental, as matrículas diminuíram de 1,136 milhão para , um decréscimo de 17,14%. No ensino médio, saltou de para , um incremento de 23,26%. Uma observação quanto às matriculas no ensino fundamental deve ser feita, qual seja, a de que a taxa de natalidade vem caindo nos últimos 18

4 anos e isso deve ter algum efeito na queda de matrículas nesse nível educacional. Contudo essa queda deve ser relativizada já que se observa aumento de matrículas na pré-escola. Os indicadores de produtividade do Ministério da Educação para o ensino básico retratam os grandes desafios que ainda precisam ser superados para melhorar a qualidade do sistema educacional goiano. Em 2005, por exemplo, o tempo médio esperado para concluir as oito séries do ensino fundamental era de 9,7 anos, o número médio de séries concluídas era de apenas 6,5 e a taxa média esperada para conclusão desse nível de ensino era de apenas 57%. No ensino médio, a situação não era diferente: o tempo médio para concluir as três séries alcançava 3,7 anos, o número médio de séries concluídas atingia apenas 2,4 e a taxa média esperada para conclusão desse nível de ensino era de 67,3%. A oferta de cursos superiores, centros de formação tecnológica e de capacitação profissional apresentou crescimentos significativos nos últimos anos. O número de matrículas na educação profissional em 2001 era de alunos e em 2009 este número cresceu para , aumentando 268,03%. O número de estabelecimentos subiu de 33 para 64 neste mesmo período, ou seja, crescimento de 193,94%. No ensino superior, as matrículas saltaram de em 1998 para em 2009, número 299,80% maior. A quantidade de estabelecimentos de ensino superior subiu de 38 unidades em 2001 para 78 em Saúde Os indicadores de mortalidade infantil e de esperança de vida também apresentam tendências de melhorias significativas nas condições de saúde e de qualidade de vida da população goiana no período recente, que igualmente contribuíram para a elevação da competitividade sistêmica de Goiás. Em Goiás, segundo o Ministério da Saúde, a taxa de mortalidade infantil apresentou redução saindo de 23,3 em 1998 para 17 óbitos infantis (menores de 1 ano) por nascidos vivos em Todavia, o Estado ainda está distante da taxa aceitável pela Organização Mundial de Saúde (OMS) de dez óbitos por mil nascimentos. Tal taxa coloca o Estado na nona posição no ranking nacional atrás de Distrito Federal, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Roraima. A esperança de vida ao nascer em Goiás saltou de 70,83 para 73,66 anos entre 1998 e 2008, segundo o IBGE. Tal desempenho coloca o Estado na 9ª posições do ranking nacional, atrás do Distrito Federal, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul. Gráfico 2 - Evolução dos índices de mortalidade infantil e esperança de vida ao nascer em Goiás a 2008 Fontes: Ministério da Saúde Indicadores e Dados Básicos - Brasil 2009 Dados de mortalidade infantil não disponíveis para o ano de

5 Todos estes indicadores indicam a evolução dos setores de educação e saúde em Goiás e que ainda é necessária uma política nacional e estadual para ampliar o acesso a estes serviços melhorando a qualidade de vida da população, ampliando a competitividade sistêmica oferecida pelo Estado. 5. Aspectos Infraestruturais Transportes, Energia, Telecomunicações e Infraestrutura Urbana Segundo Hirschman (1961), o investimento público em infraestrutura é de fundamental importância, uma vez que propicia um quadro atrativo para os investimentos privados, tornando-os mais baratos e mais rentáveis, estimulando o desenvolvimento do país. A infraestrutura é essencial para o desenvolvimento social e econômico de uma região dando suporte às demais atividades econômicas, servindo como indutora do crescimento econômico. Os determinantes infraestruturais de maior influência sobre competitividade sistêmica das empresas referem-se à oferta de energia, transporte e telecomunicações. A oferta destes determinantes funciona como diferencial para os estados que os oferecem de forma eficiente, regular e confiável a custos reduzidos. No setor de transporte, é necessária uma ampliação e modernização da malha viária estadual, com um sistema de transportes multimodal de alta competitividade integrando rodovias, ferrovias, portos, aeroportos e hidrovias com um sistema logístico com maior capacidade de operação, mais eficiente no consumo de combustíveis e de menor custo com redução dos fretes, tempos de viagens e perdas. Em Goiás a precariedade do sistema ainda é uma característica marcante em todos os modais, mas grandes investimentos estão sendo realizados. Grande parte das rodovias encontra-se desgastada ou não-pavimentada. Segundo a ANTT, são km de rodovias federais, estaduais transitórias (estaduais coincidentes), estaduais ou municipais, e apenas 13,35% desta malha são pavimentados. Segundo pesquisa da Confederação Nacional de Transportes, apenas 34,3% da malha encontravam-se em ótimo/bom estado, 35,5% em estado regular e 30,2% foram classificados como ruim ou péssimo. No transporte ferroviário, segundo a ANTT, em 2008 havia 637 km de extensão de linhas principais e ramais de rede ferroviária concedida, ou seja, apenas 2,25% do total estavam na Ferrovia Centro-Atlântica em Goiás. No final de 2010 serão concluídos cerca de km da Ferrovia Norte-Sul que liga Aguiarnópolis, na divisa do Tocantins com o Maranhão, a Anápolis (GO) e serão iniciadas as obras do Tramo Sul da Ferrovia Norte-sul, que sairá de Ouro Verde (GO) e irá até Estrela D'Oeste (SP), com extensão de 670 quilômetros, dos quais cerca de 450 km em território goiano. Ainda será construída a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico), que terá km e vai ligar a Ferrovia Norte-Sul, em Uruaçu, a Vilhena, em Rondônia. Todas essas obras fazem parte do PAC. Até 2010 os investimentos em infraestrutura logística, para os empreendimentos exclusivos previstos para Goiás, foram de R$ 2,99 bilhões até O PAC 2 (pós 2010) contemplará investimentos que somarão R$ 269,0 milhões em logística. A intenção do programa é ampliar a infraestrutura logística existente para integrar o território do Estado e melhorar as condições da interligação de Goiás com os demais estados do Centro-Oeste e Sudeste por meio da BR-070, BR-060, BR-153, ampliar a integração com o Mercosul, aumentando a competitividade no escoamento da produção agrícola e industrial pela Ferrovia Norte-sul, BR-070, BR-080, BR-060 e BR-153 e apoiar o turismo e os negócios com novo terminal de passageiros no Aeroporto de Goiânia. A disponibilidade de um abastecimento de energia farto, regular e confiável a custos reduzidos também afeta fortemente os custos de todo sistema industrial e, portanto, do mesmo modo afeta a competitividade externa das empresas locais. Seria necessária uma maior diversificação da matriz energética diminuindo a dependência de uma única fonte de energia, diminuindo os riscos de não suficiência de 20

6 oferta, apagões, e consequentes aumentos de preços e perda de competitividade. Segundo o Balanço Energético Nacional, em 2009 Goiás produzia GWh de geração elétrica e mil m³ de produção de álcool. A geração elétrica vem caindo desde 2007, e na relação 2009/2008 apresentou queda de 20,5%. Já a produção de álcool é crescente aumentando 21,7% em Goiás tem 42,07% da geração elétrica da região Centro-Oeste e 4,46% da nacional sendo o 8º maior em geração elétrica e possui 49,78% da produção de álcool da região e 8,13% da nacional sendo o 3º em produção de álcool. Até 2010 os investimentos com recursos do PAC 1 em infraestrutura energética para os empreendimentos exclusivos previstos para Goiás foram de R$ 8,317 bilhões. De acordo com os dados disponíveis, o PAC 2 (pós 2010) contemplará os investimentos que somarão R$ 1,3 bilhões para o setor energético. Estes investimentos visam garantir a segurança energética e modicidade tarifária para Goiás e região Centro-Oeste e ampliar a infraestrutura para escoamento da produção de álcool para os mercados interno e externo Alcoolduto. Das ações previstas em Goiás na infraestrutura energética de para empreendimentos exclusivos, já foram concluídas as obras que somam um investimento de R$ 2,7 bilhões, equivalente ao percentual de 33% do total previsto de R$ 8,317 bilhões. Estes investimentos envolvem desde a construção de usinas de geração e transmissão até a produção de combustíveis renováveis como o etanol e o biodiesel. A ampla disponibilidade, o baixo custo e principalmente a qualidade da rede de telecomunicações é também fator estratégico para a competitividade da indústria tanto como condição necessária para o acesso aos mercados externos mais dinâmicos quanto no que diz respeito à integração do mercado interno e seus impactos sobre o nível geral de eficiência do sistema industrial. O número total de linhas telefônicas saltou de , em 2000, para em Nesse período, o número de telefones fixos em serviço caiu de 1,11 milhões para 952,480 mil. A telefonia móvel, por sua vez, apresentou um aumento: o número de linhas saltou de 467,480 mil em 2000 para 5,702 milhões, em Segundo a PNAD, em ,92% dos domicílios tinham acesso a telefone. Em 2009 este percentual aumentou para 89,71%. Em 2003, 65,10% tinham telefone celular e em 2009, 96,18% dos domicílios possuíam este tipo de telefone. Já o percentual de telefones fixos caiu de 76,36% para 38,99% neste mesmo período. Em 2003, 9,67% dos domicílios possuíam microcomputador no domicílio e só 6,93% tinham acesso à internet. No entanto, em 2009, os domicílios com microcomputadores e acesso à internet apresentaram crescimento expressivo, saltando de e para e , respectivamente, ou seja, aumentos de 29,22% e 21,62%. Apesar do crescimento rápido dos números do setor, faz-se necessária uma constante modernização com novos investimentos permitindo que o país e o Estado alcancem níveis de integração, universalização, com elevado padrão de qualidade, alta velocidade e de baixo custo, assim como é ofertado nos demais países com desenvolvimento semelhante ao do Brasil. Entre 2001 e 2009, o número de domicílios em Goiás saltou de 1,484 para 1,858 milhão, um incremento de 25,23%. Esse crescimento do número de habitações foi acompanhado pelo aumento da demanda por infraestrutura urbana em áreas como abastecimento de água, saneamento, coleta de lixo, iluminação elétrica, telefonia e transporte público. Em 2001, 92,10% dos domicílios contavam com abastecimento de água, porém apenas 71,25% tinham canalização em rede; 95,08% tinham esgoto sanitário, mas 30,67% possuíam rede coletora; 78,38% eram atendidos por serviço de coleta de lixo; e 97,33% possuíam iluminação elétrica. Em 2009 estes percentuais aumentaram: 97,97% dos domicílios goianos contavam com abastecimento de água e 81,52% podiam contar com canalização em rede, 99,13% tinham esgoto sanitário, mas apenas 36,33% possuíam rede coletora; 88,14% possuíam coleta de lixo e 99,66% tinham iluminação elétrica. 21

7 Até 2010 os investimentos do PAC 1 em infraestrutura urbana e social, para os empreendimentos exclusivos previstos para Goiás, foram de R$ 6,2 bilhões e para o PAC 2, não estão previstos investimentos no setor. A estratégia do PAC 1 é a distribuição equilibrada de água com priorização das regiões mais críticas e o aumento da oferta de água para o consumo humano e para a produção. Estes recursos estão destinados para universalização do acesso à energia elétrica, para a adutora João Leite, irrigação, saneamento e habitação. 6. Considerações finais Os valores do Produto Interno Bruto goiano mostram que o estado apresentou crescimento significativo nos últimos anos, porém alguns indicadores sociais e infraestruturais mostram que são necessários maiores investimentos para que o Estado possa proporcionar uma maior competitividade sistêmica às empresas se tornando mais atrativo para os investimentos privados por conta das condições sociais vigentes e seu desenvolvimento infraestrutural. Na educação apesar da redução dos índices de analfabetismo, do aumento no número de matrículas inclusive no ensino superior e das políticas públicas adotadas para o setor, os indicadores de produtividade revelam que ainda existem grandes desafios para se melhorar o desempenho. Na saúde é aparente a melhora nos índices de mortalidade infantil e na esperança de vida ao nascer, entretanto Goiás ainda está abaixo dos níveis de mortalidade infantil aceitáveis pela ONS e abaixo de diversos estados com um Produto Interno Bruto inferior, indicando que são indispensáveis políticas para ampliar o acesso a estes serviços melhorando a qualidade de vida da população. A análise dos determinantes infraestruturais de competitividade sistêmica mostra a fragilidade do Estado principalmente quanto a infraestrutura logística, energética e urbana, porém amplos investimentos estão sendo realizados e programados. Nas telecomunicações, é grande a ampliação da oferta e a disponibilização de acesso, entretanto devido ao dinamismo do setor, é necessária uma constante modernização e uma maior regulação para a garantia de um serviço de qualidade. 22

8 Referências Bibliográficas ALTENBURG, T.; HILLEBRAND, W.; MEYER-STAMER, J. Policies for Building Systemic Competitiveness. Conceptual Framework and Case Studies of Mexico, Brazil, Paraguay, Korea and Thailand. Berlin: German Development Institute, ANTT - Agência Nacional de Transportes Terrestres. Anuário Estatístico dos Transportes Terrestres AETT/2009. Disponível em: < 9/principal.asp>. Acesso em: Nov/2010. CNT - Confederação Nacional do Transporte. Pesquisa CNT de Rodovias Disponível em: < Acesso em: Nov/2010. COUTINHO, L., e FERRAZ, J.C. [coord.] (1994), Estudo da Competitividade da Indústria Brasileira, 2ª edição, Campinas, Papirus/Editora da Unicamp. EPE - Empresa de pesquisa energética. Balanço Energético Nacional 2010 Ano base Disponível em: < Acesso em: Nov/2010. HIRSCHMAN, Albert O. Estratégia do desenvolvimento econômico. 1. ed. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), Rio de Janeiro, INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse estatística do ensino superior IPEADATA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Disponível em: < Acesso em nov MINISTÉRIO DA SAÚDE. Indicadores e Dados Básicos - Brasil 2009 / IDB Disponível em: < Acesso em nov PAC - Programa de Aceleração do Crescimento. 10º Balanço - Janeiro a abril de Disponível em: < 1/goias-10o-balanco-janeiro-a-abril-de-2010>. Acesso em nov SEPLAN/SEPIN. Goiás em dados Disponível em: < Acesso em nov SIQUEIRA, TAGORE VILLARIM DE. Competitividade sistêmica: Desafios para o desenvolvimento econômico brasileiro. Revista do BNDES. Rio de Janeiro. v. 16, n. 31, p (jun. 2009). THE WORLD BANK. The growth report: strategies for sustained growth and inclusive development. Washington, DC: The World Bank, INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar - Sinopse Estatística da Educação Básica

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

MINAS GERAIS. Projeto Situação dos Estados Fundação Perseu Abramo 2014

MINAS GERAIS. Projeto Situação dos Estados Fundação Perseu Abramo 2014 MINAS GERAIS Projeto Situação dos Estados Fundação Perseu Abramo 2014 O TERRITÓRIO A fisionomia territorial de Minas Gerais é elemento decisivo para se compreender seus traços atuais que resultam de sua

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GRUPO PERMANENTE DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO CADERNO DE SUBSÍDIOS BRASÍLIA Outubro, 2003 2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...5

Leia mais

A GERAÇÃO DE ENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE

A GERAÇÃO DE ENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE A GERAÇÃO DE ENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE MISSÃO DO IPEA: "Aprimorar as políticas públicas essenciais ao desenvolvimento brasileiro, por meio da produção e disseminação

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Barreiros / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,40% ao ano, passando de 39.151 para 40.732 habitantes.

Leia mais

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB :

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : per capita R$ 7.701,00 9º Lugar Principais distâncias: Goiânia: 154 km Brasília:

Leia mais

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total Dimensão Demografia Cidadania Saúde Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Diferença CADÊ Posição Nacional Estadual 2010 para 2011 Nacional 45.886.531-711.009 - - 19º População Infanto Juvenil por Faixa

Leia mais

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática CAPÍTULO 9 Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Apresentação Com base em metodologia desenvolvida pelo Observatório SOFTEX, busca-se conhecer o Sistema de Educação

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Problemas e prioridades para 2016 28 Corrupção é o principal problema do país Saúde continua sendo a prioridade para as ações do governo A corrupção e a

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA Fernando S. Marcato 23.03.2015 Três pontos principais... Gargalos da infraestrutura constituem um dos maiores entraves ao crescimento sustentado

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Cabo de Santo Agostinho / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 1,93% ao ano, passando de 152.836

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Análise das Contribuições do PAC para Reduzir os Gargalos de Infraestrutura em Goiás

Análise das Contribuições do PAC para Reduzir os Gargalos de Infraestrutura em Goiás Análise das Contribuições do PAC para Reduzir os Gargalos de Infraestrutura em Goiás Edson Roberto Vieira 1 Antonio Marcos de Queiroz 2 Flávia Rezende Campos 3 Virgínia Maria Bezerra dos Santos 4 Resumo:

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Quando analisamos de perto os investimentos do BNDES nos itens de infraestrutura, logística e energia, fica evidente que há uma

Leia mais

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 217 218 A partir da escolha do melhor cenário Um Pacto pelo Mais RN o Mais RN definiu

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

Inovar para Sustentar o Crescimento

Inovar para Sustentar o Crescimento Café & Debate Escola Nacional de Administração Pública ENAP Inovar para Sustentar o Crescimento Glauco Depto. de Sociologia USP Brasília, 19 de abril de 2007 2007 China: volta ao patamar natural? Data

Leia mais

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil RELATÓRIO FINAL Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil Preparado pelo Instituto Reos JUNHO 2015 CONVOCADORES FINANCIADORES Capítulo 2 CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA C2 17 CAPÍTULO 2

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social LUIZ FELIPE LAMPREIA OPRESENTE RELATÓRIO sobre desenvolvimento social foi elaborado pelo Governo Brasileiro no âmbito do processo preparatório da Cúpula

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Autores Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig

Leia mais

Conheça as 20 metas aprovadas para o Plano Nacional da Educação _PNE. Decênio 2011 a 2021. Aprovado 29/05/2014

Conheça as 20 metas aprovadas para o Plano Nacional da Educação _PNE. Decênio 2011 a 2021. Aprovado 29/05/2014 Conheça as 20 metas aprovadas para o Plano Nacional da Educação _PNE Decênio 2011 a 2021. Aprovado 29/05/2014 Meta 1 Educação Infantil Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 4 e

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 O Brasil no século XXI Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 Construir o Brasil do século XXI Reduzir as Vulnerabilidades Externas; Enfrentar as desigualdades; Realizar as potencialidades; Construir

Leia mais

Dados e Indicadores DADOS E INDICADORES SOBRE EDUCAÇÃO NO BRASIL, NO CENTRO-OESTE E EM GOIÁS

Dados e Indicadores DADOS E INDICADORES SOBRE EDUCAÇÃO NO BRASIL, NO CENTRO-OESTE E EM GOIÁS Dados e Indicadores DADOS E INDICADORES SOBRE EDUCAÇÃO NO BRASIL, NO CENTRO-OESTE E EM GOIÁS GOIÂNIA AGOSTO DE 2012 MEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RENAPI REDE DE PESQUISA E INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS DIGITAIS

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: UMA NOVA LEITURA DO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES DA 8ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: UMA NOVA LEITURA DO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES DA 8ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: UMA NOVA LEITURA DO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES DA 8ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Brasília Dezembro de 2003 2 SUMÁRIO Apresentação...5 Importância de avaliar as políticas públicas...5

Leia mais

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI Os nós da infraestrutura OS CENÁRIOS CONSIDERADOS Patinando na infraestrutura deficitária Atingindo a velocidade de cruzeiro Para

Leia mais

2. CONCEITO DE MIGRAÇÃO

2. CONCEITO DE MIGRAÇÃO ANÁLISE DO CRESCIMENTO/DECRÉSCIMO POPULACIONAL DOS MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE E SEUS IMPACTOS SOBRE O DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Yume Aparecida Pereira Paiva, (IC), UNESPAR/FECILCAM,

Leia mais

ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM

ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM CURITIBA 2010 2 1 ÍNDICE IPARDES DE DESEMPENHO MUNICIPAL - IPDM O Índice Ipardes de Desempenho Municipal (IPDM) procura avaliar a situação dos municípios paranaenses,

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MARÇO/96 N 8 Serviços de Saneamento Básico - Níveis de Atendimento O presente trabalho informa sobre o nível de atendimento em serviços de saneamento

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.)

ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.) ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.) Artigo sumário Introdução: recorte metodológico (Ensino Fundamental) e bases

Leia mais

Dimensão institucional. Quadro institucional

Dimensão institucional. Quadro institucional Dimensão institucional Quadro institucional Dimensão institucional 54 Ratificação de acordos globais Expressa o envolvimento do País com a implementação de acordos firmados pela comunidade internacional,

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Brasília, 27 de agosto de 2013 O setor de transporte no Brasil Agente indutor de desenvolvimento e integração; Histórico de baixos investimentos em

Leia mais

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades Metrô de Salvador Linha 1 Trecho Lapa - Acesso Norte Salvador BA apresentação O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) completa

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT20

Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT20 Plano de Desenvolvimento do Estado de Mato Grosso - MT20 1ª oficina de prospecção de cenários (parte 2) Cuiabá, fevereiro, 2006 Condicionantes de futuro exógenos (nacionais) Condicionantes de futuro exógenos

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás A 6ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio da parceria

Leia mais

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais:

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais: Sumário 1 A pirâmide social brasileira: uma mudança à vista?...4 Renda familiar e renda disponível: as classes DE chegam ao ponto de equilíbrio...10 3 As aspirações e os desejos de consumo do brasileiro...18

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

Educação do Campo: Um olhar panorâmico

Educação do Campo: Um olhar panorâmico Educação do Campo: Um olhar panorâmico Eliene Novaes Rocha (1) Joana Célia dos Passos ( 2) Raquel Alves de Carvalho (3) 1) Contextualização histórica do debate da Educação do Campo Embora o Brasil sendo

Leia mais

Políticas de Educação de Jovens e

Políticas de Educação de Jovens e Ministério da Educação Políticas de Educação de Jovens e Adultos Junho de 2011 Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Documentos de Referência Legislação Constituição

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA O ENSINO SUPERIOR EM RONDÔNIA

CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA O ENSINO SUPERIOR EM RONDÔNIA CONTRIBUIÇÕES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PARA O ENSINO SUPERIOR EM RONDÔNIA Ivanete Saskoski Caminha, Adriana Leônidas de Oliveira 2 Universidade de Taubaté/Programa de Mestrado em Gestão e Desenvolvimento

Leia mais

Amapá 0 0 4 2 6. Amazonas 2 0 2 0 4. Bahia 15 10 9 16 50. Ceará 0 0 0 1 1. Distrito Federal 3 11 11 3 28. Espírito Santo 6 2 7 2 17

Amapá 0 0 4 2 6. Amazonas 2 0 2 0 4. Bahia 15 10 9 16 50. Ceará 0 0 0 1 1. Distrito Federal 3 11 11 3 28. Espírito Santo 6 2 7 2 17 Information about forced child labor, child labor, and government efforts (November 4, 2010) 1. Quantas inspeções foram feitas nos últimos 2 a 3 anos na produção de carvão vegetal, para verificar se ocorreram

Leia mais

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE CADERNOS REGIONAIS SUDESTE 2015 Apresentação Neste ano de 2015 se realiza o 12º CONCUT Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores -, momento de suma importância para não só eleger a nova direção

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 17 UMA COMPARAÇÃO DA COBERTURA PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

Felipe Jens Odebrecht Investimentos em Infraestrutura 29 de novembro de 2009

Felipe Jens Odebrecht Investimentos em Infraestrutura 29 de novembro de 2009 Inovações nas infraestruturas de transporte Felipe Jens Odebrecht Investimentos em Infraestrutura 29 de novembro de 2009 Agenda Organização ODEBRECHT Desafios para o Crescimento Sustentável da América

Leia mais

entretanto, perquirir sobre o destino dos territórios e regiões que recebem em ou vinculam a seu espaço a fixação das obras rodoferroviárias do PAC

entretanto, perquirir sobre o destino dos territórios e regiões que recebem em ou vinculam a seu espaço a fixação das obras rodoferroviárias do PAC SL-78. Novas determinações produtivas, regionais e urbanas na área dos cerrados brasileiro: uma avaliação sobre os efeitos das obras de infraestrutura rodoferroviárias na integração regional. Coordenador:

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA É importante conhecer as características da população brasileira para o seu vestibular. Inicialmente vamos conhecer dois conceitos básicos para esse estudo: *População absoluta refere-se

Leia mais

Atendência de forte ex

Atendência de forte ex ARTIGO Estudo traça o novo perfil do desemprego no Brasil A abertura comercial sem critérios, aliada ao contexto competitivo interno de altas taxas de juros e ausência de financiamento de médio e longo

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Estatísticas dos Professores no Brasil

Estatísticas dos Professores no Brasil EDUCAÇÃO E Estatísticas dos Professores no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS 274 ESPELHO DE AUTOR DA Evandro Gussi 30940001 Adequação da capacidade do Aeroporto de Presidente Prudente 2017 - Aviação Civil 0083 - Adequar a capacidade

Leia mais

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

Artigo publicado. na edição 30. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outubro de 2012

Artigo publicado. na edição 30. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outubro de 2012 Artigo publicado na edição 30 Assine a revista através do nosso site setembro e outubro de 2012 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião LOGÍSTICA A Logística como instrumento estratégico

Leia mais

CORRUPÇÃO: RETROCESSO NO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO

CORRUPÇÃO: RETROCESSO NO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO Gabriela Barbosa Simplicio CORRUPÇÃO: RETROCESSO NO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO São Paulo 2013 Dedico este ensaio aos brasileiros que assim como eu acreditam que um dia seremos uma nação estruturada,

Leia mais

As Hidrovias como fator de desenvolvimento brasileiro

As Hidrovias como fator de desenvolvimento brasileiro As Hidrovias como fator de desenvolvimento brasileiro Guilherme Almeida Diretor da Área de Revitalização das Bacias Hidrográficas 2 Forum sobre Hidrovias Congresso Nacional - 24 de agosto de 2011 CODEVASF

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Autor(a): Alessandra Barbara Santos de Almeida Coautor(es): Alessandra Barbara Santos de Almeida, Gliner Dias Alencar,

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Rio de Janeiro, 19 / 06 / 2013 1 - Introdução 2 - Objetivos 3 - Coleta dos Dados 4 - Instrumentos de Coleta 5 - Temas abordados 6 - Universo da Pesquisa 7 - Análise

Leia mais

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN NOTA TÉCNICA 31 Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional

Leia mais

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL Um estudo de perfil sócio-econômico para subsidiar ações estratégicas na categoria MARÇO DE 2010 ALOISIO LEÃO DA COSTA

Leia mais

Melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários. Ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira

Melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários. Ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira Objetivos Melhorar a qualidade dos serviços e a infraestrutura aeroportuária para os usuários Ampliar a oferta de transporte aéreo à população brasileira Reconstruir a rede de aviação regional Medidas

Leia mais

REQUERIMENTO Nº /2015 - CDR

REQUERIMENTO Nº /2015 - CDR REQUERIMENTO Nº /2015 - CDR Requeremos, nos termos do art. 93, Inciso II, do Regimento Interno do Senado Federal, ouvido o Plenário, a realização de Audiência Pública Conjunta das Comissões de Desenvolvimento

Leia mais