EM 2014 CARTÃO AMARELO. O setor saúde está preparado para os grandes eventos? pág. 9

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EM 2014 CARTÃO AMARELO. O setor saúde está preparado para os grandes eventos? pág. 9"

Transcrição

1 Ano XXXI ed. 346 Jan 2014 CARTÃO AMARELO EM 2014 Embora existam boas perspectivas, líderes da saúde veem com receio o baixo crescimento da economia e algumas decisões políticas que impactaram diretamente o setor no ano passado. Confira as opiniões. Páginas centrais O setor saúde está preparado para os grandes eventos? pág. 9 Assistência domiciliar precisa de legislação específica. págs. 10 e 11

2 Editorial SAÚDE O ANO TODO A firula, no futebol, pode ser bonita, enganar o adversário, e levar ao gol. Quando se governa um país de mais de 200 milhões de habitantes, no entanto, iludir é um verdadeiro desastre. Em especial quando o jeitinho diz respeito a áreas prioritárias como saúde, educação e desenvolvimento. Infelizmente, temo que 2014 será o ano da ilusão. Muito se fala nos 30 dias de Copa do Mundo, que pela segunda vez se realiza no Brasil. Vemos o Ministério da Saúde envolvido de forma intensa nos projetos do mundial, traçando planos e estratégias. A meu ver, há uma preocupação excessiva com um evento que irá durar 30 dias, enquanto pouco se fala nos outros 335. Basta olhar para os números. A saúde, em 2014, terá orçamento de R$ 106 bilhões. No entanto, os recursos para ações e serviços específicos são de apenas R$ 95,7 bi. Média e Alta Complexidades que incluem UTI, cirurgias, tomografias, mamografias e pagamentos de médicos e enfermeiros terão apenas R$ 38 bi, o mesmo valor de 2013, o que me parece um descalabro, já que um dos maiores gargalos do SUS está no atendimento em hospitais de média e alta complexidades. Quanto ao Programa Mais Médicos, espero sinceramente que não seja mais uma ação midiática. A dobradinha Copa do Mundo + Eleições pode comprometer ainda o encaminhamento de debates fundamentais para o setor, como a aprovação do projeto de lei 4.330/2004. O texto, que trata da questão da terceirização, é considerado o mais bem-sucedido em termos de flexibilização nas formas de contratação. Mas há sérias perspectivas de que ele fique na gaveta em Num contexto mais amplo, os resultados do ano passado nos preocupam muito. Foi manchete do jornal O Estado de S. Paulo, no dia 14 de janeiro, o resultado desastroso da balança comercial brasileira de produtos industrializados: um rombo histórico de US$ 105 bilhões, segundo dados do próprio governo. A falta sistemática de investimento tem levado a perda da competividade da nossa indústria. No terceiro trimestre de 2013, registramos a maior queda do Produto Interno Bruto (PIB) entre os países do G-20. E as projeções para 2014 são de crescimento de apenas 2,1%. Levando em conta que a saúde é um setor que depende fortemente do crescimento da economia para se alavancar, não me resta alternativa a não ser arriscar que teremos um ano pouco promissor. Tomara que eu erre!. presidente Yussif Ali Mere Jr Foto: NEUZA NAKAHARA SINDHOSP - Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas e Demais Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de São Paulo Diretoria Efetivos Yussif Ali Mere Jr (presidente) Luiz Fernando Ferrari Neto (1 o vice-presidente) George Schahin (2 o vice-presidente) José Carlos Barbério (1 o tesoureiro) Antonio Carlos de Carvalho (2 o tesoureiro) Luiza Watanabe Dal Bem (1 a secretária) Ricardo Nascimento Teixeira Mendes (2 o secretário) / Suplentes Sergio Paes de Melo Carlos Henrique Assef Danilo Ther Vieira das Neves Simão Raskin Marcelo Luis Gratão Irineu Francisco Debastiani Conselho Fiscal Efetivos Roberto Nascimento Teixeira Mendes Gilberto Ulson Pizarro Marina do Nascimento Teixeira Mendes / Suplentes Maria Jandira Loconto Paulo Roberto Rogich Lucinda do Rosário Trigo Delegados representantes Efetivos Yussif Ali Mere Jr Luiz Fernando Ferrari Neto Suplentes José Carlos Barbério Antonio Carlos de Carvalho Escritórios regionais BAURU (14) , CAMPINAS (19) , RIBEIRÃO PRETO (16) , SANTO ANDRÉ (11) , SANTOS (13) , SÃO JOSÉ DO RIO PRETO (17) , SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (12) , SOROCABA (15) , BRASÍLIA (61) / JORNAL DO SINDHOSP Editora Ana Paula Barbulho (MTB 22170) Reportagens Ana Paula Barbulho Aline Moura Fabiane de Sá Rebeca Salgado Produção gráfica Ergon Ediitora (11) Periodicidade Mensal Tiragem exemplares Circulação entre diretores e administradores hospitalares, estabelecimentos de saúde, órgãos de imprensa e autoridades. Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal Correspondência para Assessoria de Imprensa SINDHOSP R. 24 de Maio, 208, 9 o andar, São Paulo, SP, CEP Fone (11) , ramais 245 e Jornal do SINDHOSP Jan 2014

3 Em dia NOVO MANUAL ONA TEM PADRÃO INTERNACIONAL DE ACREDITAÇÃO A ONA - Organização Nacional de Acreditação lançou a nova versão do Manual Brasileiro de Acreditação para as Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde. A sétima edição do manual, que passou a vigorar em 1 o de janeiro, vem com a chancela da ISQua - The International Society for Quality in Health Care (Sociedade Internacional para a Qualidade do Cuidado de Saúde). Com a certificação, a metodologia e os padrões de qualidade da acreditação ONA passam a ser reconhecidos internacionalmente. O novo manual foi revisado por um Comitê Técnico, antes de ser submetido à aprovação da mais importante organização mundial de certificação na área de saúde e a única instituição que acredita os acreditadores. Para isso, alguns conceitos e diretrizes foram alinhados aos padrões internacionais, trabalho que contou com a participação de vários representantes do Sistema Brasileiro de Acreditação - ONA e de especialistas convidados. Entre as principais mudanças do novo manual está o alinhamento de conceitos à taxonomia da Organização Mundial de Saúde aplicando a Classificação Internacional para a Segurança do Paciente da OMS, para facilitar a comparação, mediação, análise e interpretação de informações sobre os cuidados em saúde. Outro critério apregoado pela ISQua - o paciente como centro do tratamento - também fica mais evidente no manual, com a participação do paciente ou familiar nas decisões relacionadas ao seu tratamento. A publicação está dividida em cinco seções: Gestão e Liderança; Atenção ao Paciente/Cliente; Diagnóstico e Terapêutica; Apoio Técnico; e Abastecimento e Apoio Logístico que, por sua vez, estão distribuídas em subseções. Algumas, como é o caso das subseções Liderança, Gestão de Pessoas, Gestão Administrativa, Gestão de Suprimentos, Gestão da Segurança Patrimonial e Gestão da Estrutura Físico-Funcional possuem um impacto sistêmico e devem ser analisadas na organização como um todo. Outras, como a Gestão do Acesso, da Assistência Farmacêutica e da Assistência Nutricional devem ser avaliadas juntamente com outros processos, pois têm impacto direto na assistência. Segundo os organizadores do manual, cada subseção deve ser entendida como processo e jamais como setor ou unidade. Para isso é importante entender que os processos não ocorrem somente dentro dos setores, como é o caso da assistência farmacêutica, que possui um processo muito maior do que as atividades desenvolvidas dentro do setor da farmácia, exemplificam. Essa é a razão da subseção gestão da qualidade, presente na versão de 2010, ser excluída na nova versão, pois existia uma interpretação errônea de que devia ser desenvolvida por um setor ou grupo de pessoas encarregadas de executar as atividades nesse sentido. Muitos desses setores ou grupo de pessoas acabavam atuando de forma separada da gestão e liderança, enquanto os outros setores entendiam que as responsabilidades dos aspectos relacionados à qualidade cabiam apenas à área específica, justificam os organizadores. Com a mudança, a ONA enfatiza e reforça que a responsabilidade pela gestão da qualidade não acontece em um setor ou unidade exclusivamente, mas através da interação e do comprometimento de todos os envolvidos. O Manual Brasileiro de Acreditação para Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde - versão 2014 está à venda no site PROJETO BÚSSOLA Em fevereiro serão retomados os seminários de sensibilização que fazem parte da primeira fase do Projeto Bússola, parceria do SINDHOSP, FEHOESP, ONA e IBESS (Instituto Brasileiro para Excelência em Saúde) que tem como objetivo facilitar a obtenção da acreditação por parte das clínicas médicas. Os seminários serão realizados em São Paulo, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto. O projeto pretende angariar dez clínicas no Estado que estejam dispostas a investir na gestão da qualidade para participar do piloto. As empresas que queiram aderir ao Projeto Bússola devem obedecer alguns critérios. São eles: serem sócias e/ou contribuintes dos sindicatos filiados à Fehoesp; serem pessoas jurídicas legalmente constituídas há mais de um ano, com CNPJ, CNES, alvará sanitário e licença de funcionamento; atuarem nas especialidades de clínica médica geral, alergologia, angiologia, cardiologia, vascular, cirúrgica, dermatologia, endocrinologia, gastroenterologia, ginecologia, infectologia, oncologia, ortopedia, otorrinolaringologia, pediatria, pneumologia, urologia e vacinação; a estrutura da clínica não ser classificada como consultório; terem máximo de 45 a 50 funcionários; e preencherem e enviarem o Questionário Preliminar do Perfil da Clínica, com a ficha de inscrição, que são entregues durante os eventos. Mais informações pelo tel (11) , ramal 258. Jan 2014 Jornal do SINDHOSP 3

4 Em dia SAÚDE DO ESTADO APRESENTA Dando continuidade à matéria veiculada na edição passada do Jornal do SINDHOSP (dezembro/2013, n o 345), a publicação traz programas de sucesso implantados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) de São Paulo e apresentados em fórum, que aconteceu no final de novembro, na Capital paulista. Muitas iniciativas ainda não foram amplamente divulgadas, por isso, é importante que os gestores privados da saúde conheçam o que o Governo do Estado vem desenvolvendo no intuito de sanar os problemas do setor, afirma o presidente do SINDHOSP, Yussif Ali Mere Jr. Na edição passada foram relatados programas da SES nas áreas de distribuição de medicamentos, atendimento ao câncer e gestão da assistência. O conteúdo da edição está disponível no site do SINDHOSP página Publicações. Confira, a seguir, outras iniciativas. PREVENÇÃO Na área da prevenção, o Estado também tem se destacado com ações mobilizadoras, e inovadoras. Como nas linhas de cuidado à gestante e ao idoso, que conseguiram melhoria em diversos indicadores após a promoção de cursos de capacitação via sistema de telessaúde. Lançado em 2010, o curso tem oportunizado que profissionais de regiões distantes, e distintas, passem por treinamento adequado, ao mesmo tempo. Não fosse o telessaúde, não conseguiríamos reunir 600 pessoas, para um curso de 18 semanas, com tutores médicos, com este nível de qualidade, contou uma das responsáveis pelos cursos, a médica Claudia Fló. Segundo a professora Marisa Ferreira Lima, o profissional brasileiro ainda não está acostumado a frequentar a capacitação a distância, daí a desistência ainda ser alta. Mas foi o primeiro da área no Brasil. Temos que trabalhar isso, disse. Na região de Jundiaí, a palavra tem sido a intersetorialidade. Segundo a socióloga Lígia Maria de Almeida, o programa Primeiríssima Infância, da SES, já atinge nove cidades, promovendo ações de promoção de saúde e de prevenção de doenças para gestante e crianças até 3 anos. Atuam juntos os serviços de saúde, a área da educação e a assistência social. E eu confesso: é a primeira vez que vejo a intersetorialidade sair do papel, contou Ligia. O projeto, assim como os de telessaúde, é baseado na capacitação. Mas antes de promover qualquer tipo de treinamento, especialistas visitam os serviços de saúde, conversam com os profissionais e com os usuários, traçam os indicadores, e preparam os treinamentos. Os capacitados se tornam multiplicadores, e são supervisionados após o treinamento. Até agora foram profissionais treinados, o que resultou em maior participação dos pais no atendimento pré-natal, criação de espaços lúdicos nas Unidades Básicas de Saúde, Equipamento que transmite eletrocardiograma pelo celular nasceu em SP Eduardo Ribeiro Adriano é coordenador do SEDI e na criação do Índice Paulista de Atenção à Primeira Infância (IAPI). REGULAÇÃO DE VAGAS O problema de vagas, para um sistema responsável por milhões de pessoas, também é um entrave ao melhor gerenciamento da saúde pública. Por isso, em 2010, a SES criou a Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (CROSS). Antes, funcionavam 19 centrais, com cerca de 15 médicos cada uma, somando 300 médicos no total. A CROSS é uma das grandes experiências da Secretaria. Conseguimos unificar isso tudo, e hoje toda a central funciona com 300 funcionários, incluindo médicos, afirmou Domingos Guilherme Napoli, coordenador do serviço. Segundo ele, a CROSS funciona em tempo real, 24 horas, e é o ponto de contato de todos os hospitais e serviços de saúde que atendem pelo SUS no Estado. Cada região distrital, por sua vez, possui a sua rede de regulação, que responde à Central. Criada através de uma Organização Social de Saúde, a CROSS não regula apenas vagas, mas também consultas e exames. Sua implantação diminuiu as interferências pessoais, além de possibilitar a visualização de todos os recursos disponíveis, e a obtenção de dados estatísticos, conta Napoli. O portal da CROSS pode ser acessado pelo endereço eletrônico CUIDADOS PROLONGADOS Com o envelhecimento da população, maior resolutividade de enfermidades graves e o aumento das doenças crônicas, o problema dos cuidados prolongados tem sido alvo de algumas ações da SES. Em Ribeirão Preto, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, uma autuação da vigilância sanitária local disparou uma série de ações para desafogar os leitos. Fomos autuados por alta taxa de ocupação, conta Antônio Pazin Filho, chefe da unidade de emergência do hospital. A ideia foi pactuar o encaminhamento de pacientes que precisavam de cuidados prolongados para instituições primárias com baixa taxa de ocupação. Elas passaram a atuar como retaguarda. Foi preciso promover treinamento às equipes desses serviços, principalmente nos cuidados com traqueostomia, mas conseguimos resultados muito bons. Além de atingir o objetivo de baixar a taxa de ocupação do HC, estamos promovendo assistência adequada à população. 4 Jornal do SINDHOSP Jan 2014

5 Em dia INICIATIVAS DE SUCESSO Para o médico Paulo Carrara de Castro, os hospitais grandes e mais tradicionais têm papel muito relevante para tratar a fase aguda. Passado esse momento, as pessoas precisam de outro tipo de abordagem. Segundo ele, hospitais com menos de 50 leitos no Brasil possuem média de taxa de ocupação de 32%, e é preciso otimizar esses leitos. Não é para criar desespero em ninguém, mas temos que tomar providências, alertou. Em Franca, a experiência de transformar hospitais menores em instituições de retaguarda foi inspirada no trabalho da Rede de Cuidados Continuados com a União das Misericórdias de Portugal. Visitamos o modelo, e realmente vimos que as pessoas voltam para casa após os cuidados certos, afirmou Carrara. As santas casas da região, portanto, têm servido como retaguarda. O projeto começou em agosto, não sem antes seis meses de treinamento com profissionais de Portugal e Espanha. Até agora temos 33 pacientes transferidos. São 33 leitos livres nos grandes hospitais. E se levarmos em conta que muitos desse pacientes crônicos chegam a ficar até um ano internados, dá para se ter ideia do impacto. Na cidade de São Paulo, o Hospital São José também assumiu o papel de serviço de retaguarda, conseguindo desafogar importantes conglomerados. O Mandaqui foi o mais beneficiado, conta o médico Antonio Jorge Martins. Com 35 leitos, e funcionando 24 horas, o São José recebe pacientes que precisam fazer algum tipo de preparo para cirurgias, que estão em tratamento de pneumonia, bronquite, asma, DPOC, entre outras enfermidades que não estão em sua fase aguda, mas que pedem acompanhamento médico e hospitalização. DIAGNÓSTICO Na área diagnóstica, um dos maiores cases é a implantação do Serviço Estadual de Serviços por Imagem (SEDI). Até 2009, o Estado possuía parques radiológicos não integrados, 100% dos exames sendo revelados e descrição manual dos laudos. A digitalização era feita pelas equipes administrativas. Tínhamos alto índice de repetição de exames e prazo alto para a entrega dos laudos, conta Eduardo Ribeiro Adriano, coordenador do serviço. Com a implantação do SEDI, foram criadas três centrais de laudos, que atendem 64 unidades hospitalares que encaminham mais de dois milhões de exames por mês. Médicos radiologistas ficam disponíveis nessas centrais, 24 horas, sete dias por semana, laudando os exames e enviando o resultado de volta às unidades hospitalares, num prazo máximo de 4 horas. Levava até 15 dias para um laudo, contou Adriano. Através de rede de internet de altíssima velocidade as centrais recebem as imagens dos exames (radiografia, mamografia, tomografia, densitometria óssea), que estão disponíveis em dez minutos aos médicos radiologistas. O sistema permite agilidade, alta especialização dos profissionais e ainda a emissão de uma segunda opinião. Uma nova tecnologia revolucionária, denominada teleeletrocardiograma (tele-ecg), também nasceu em São Paulo, dentro de uma instituição pública. O aparelho, que transmite eletrocardiograma pelo celular e permite que qualquer unidade de saúde diagnostique precocemente problemas cardíacos, foi desenvolvido pelo Dante Pazzanese em parceria com a Fundação Adib Jatene. O dispositivo requer basicamente sinais de celular para funcionar. O eletrocardiograma é realizado numa Unidade Básica de Saúde, serviço de emergência ou pequeno hospital e enviado, por telefonia celular, até o servidor (computador central que administra e fornece informações a outros computadores) do Dante Pazzanese. Na instituição, médicos autorizados acessam, via Internet, o exame enviado, interpretam os traçados e encaminham os resultados ao local de origem. Do envio ao recebimento do resultado, o processo não dura mais do que cinco minutos. O laudo, por fim, pode ser impresso pelo próprio tele-ecg e entregue ao paciente. Segundo Amanda Souza, diretora-geral do Dante Pazzanese, cada unidade do equipamento custa R$ por mês, sem limites de envio de eletrocardiogramas. O fluxo é contínuo, funciona 24 horas e a projeção era que fossem realizados, em 2013, eletros. Em setembro, uma ideia do próprio professor Adib Jatene começou a ser implantada, que é levar o aparelho para os municípios com menos de 20 mil habitantes. São 372 no Estado de São Paulo. O procedimento tem funcionado, e quando o paciente apresenta alterações importantes, é encaminhado para o centro de referência mais próximo, contou Amanda. SUSTENTABILIDADE Economizar energia e água também é importante para a redução dos custos hospitalares. Daí a importância do programa Desperdício Zero, implantado pela SES em suas 40 unidades de saúde de administração direta. Segundo o arquiteto Adhemar Dizioli Fernandes, ações tecnológicas estão sendo implantadas, alinhadas a uma reeducação pelo uso racional dos recursos. Esperamos redução de até 30% no consumo de água, por exemplo, afirmou. A economia anual, segundo ele, já atingiu R$ 900 mil com o programa Água Pura, da Sabesp. A repactuação dos contratos de energia elétrica, e medidas técnicas, também já diminuíram em mais de R$ 1 milhão as contas de luz dos hospitais, ao ano. Somente a troca de lâmpadas reduziu em 20% o consumo, afirmou o arquiteto. Médica trabalha em uma das unidades de diagnóstico por imagem da SES Jan 2014 Jornal do SINDHOSP 5

6 Manchete O QUE SERÁ DO SETOR DA SAÚ O FUROR DO MAIS POPULAR EVENTO ESPORTIVO DO MUNDO NÃO PARECE CONTAMINAR CORAÇÕES E MENTES DA MAIORIA DOS EMP COM A GERAÇÃO DE EMPREGOS QUE DESACELERA E COM O CERCO REGULATÓRIO SOBRE O SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR, QUE C JORNAL DO SINDHOSP, QUE SAIU EM BUSCA DE AVALIAÇÕES SOBRE AS PERSPECTIVAS DA SAÚDE. ELEIÇÕES E COPA DO MUNDO DARÃO P CRESCIMENTO DO SETOR DEPENDERÁ MESMO É DO DESENVOLVIMENTO ESTRUTURAL DO BRASIL, SOBRE O QUAL PAIRAM MUITAS DÚV Nossa expectativa para a saúde pública brasileira para 2014 não é das melhores, se pensarmos em qualidade. O acesso poderá ser ampliado, mas sem qualidade a população vai sofrer muito, especialmente a mais pobre e carente, que depende exclusivamente do SUS. Necessário se faz investir mais em pesquisa e desenvolvimento, retirando as amarras existentes, para que o Brasil seja competitivo a nível mundial. Não vislumbramos melhorias se não acontecer aumento do financiamento, melhorias da gestão e sério combate à corrupção. Na saúde suplementar, a ANS precisa exercer melhor seu papel e entender que o Brasil precisa conviver bem com os dois sistemas. O governo precisa focar em sua verdadeira vocação de agência reguladora. Precisamos cada vez mais trabalhar com diretrizes e saúde baseada em evidências. FLORENTINO CARDOSO, presidente da Associação Médica Brasileira (AMB) O ano de 2013 foi um período de fortalecimento da ANS como a principal fonte de informações sobre o setor e de reconhecimento da sociedade de que é também o principal canal de mediação de conflitos entre os consumidores e as operadoras de planos de saúde. Já somos o órgão mais procurado para esclarecimento de dúvidas e para registro de reclamações sobre os planos. Atingimos o índice de 82,6% de solução de conflitos, solucionando com agilidade quatro em cada cinco demandas recebidas sem a necessidade de abertura de processos. O programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento teve seu escopo ampliado, passando a proteger um número ainda maior de beneficiários com a medida preventiva de suspensão da comercialização dos planos mais reclamados. Para 2014, temos projetos muito importantes, como a implementação do novo modelo de fiscalização e de análise coletiva de processos, que tem o objetivo de aprimorar a eficiência na aplicação e na cobrança de multas. Vamos investir também no incentivo à qualificação dos prestadores de serviços de saúde e na divulgação dos atributos que diferenciam um hospital, uma clínica ou um profissional de outros. A ANS reforça, ainda, seu compromisso com a agenda regulatória em curso, com a regulação do mercado e o equilíbrio das relações entre consumidores, operadoras de planos de saúde e prestadores de serviço. ANDRÉ LONGO, diretor-presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) O ano de 2013 foi marcado por intenso debate sobre a saúde pública, encerrando com a aprovação de uma lei que interferiu fortemente no setor. Foram modificados os processos de formação de médicos e o de especialização profissional, permitindo o ingresso de formados no exterior sem passar por revalidação de seus diplomas. Também desrespeitou-se a legislação trabalhista, ao contratá-los sem a garantia de seus direitos. Para agravar ainda mais a situação, a mesma lei permite a abertura de um grande número de escolas médicas, apesar da falta de corpo docente e de hospitais apropriados para ensino de medicina. Na área da saúde suplementar também o cenário demonstrou problemas. Pesquisa feita pela APM através do Instituto Datafolha revelou enormes dificuldades enfrentadas pelos usuários de planos de saúde, notadamente quanto a marcação de consultas com especialistas, falta de leitos hospitalares e sérios problemas no atendimento de emergências. As eleições em nível federal e estadual vão acirrar os debates sobre quais os melhores caminhos para se garantir o acesso a serviços de saúde de qualidade a toda a população. Os médicos, por sua posição estratégica no sistema de saúde, têm a possibilidade de contribuir de maneira significativa para tanto e a APM, juntamente com as demais entidades médicas, tem o dever de se envolver decisivamente neste debate FLORISVAL MEINÃO, presidente da Associação Paulista de Medicina (APM) Espero para 2014 o que acompanhamos em 2013 na saúde brasileira: investimento e crescimento da indústria, incentivo de pesquisa, ampliação dos serviços e a busca pela melhoria na qualidade dos equipamentos e infraestrutura dos atendimentos pelo SUS, maior abrangência nas coberturas dos planos de saúde, e o esforço governamental para estimular os recursos destinados à saúde, como o orçamento recorde de R$ 100,3 bilhões previstos para este ano, o que oportuniza o fomento de toda a cadeia produtiva do setor, impactando na melhoria da assistência à população. Todos estes elementos positivos ao desenvolvimento da saúde estão alinhados também com as transformações do cenário social do país, como aumento de renda da classe C, crescimento da população idosa e a criação de novas oportunidades de emprego através não somente da indústria segmentada, mas devido a realização da Copa do Mundo. Este vínculo de empregabilidade impulsionou o aumento de beneficiários de planos de saúde, que atualmente está em torno de 50 milhões de usuários. Estes fatores potencializaram o cenário econômico do país, e estimularam uma política de saúde mais democrática, eficaz e atuante. WALESKA SANTOS, fundadora e presidente da Hospitalar Feira + Fórum 6 Jornal do SINDHOSP Jan 2014

7 Manchete DE EM 2014 RESÁRIOS DA SAÚDE. ELES ESTÃO MAIS PREOCUPADOS COM O CRESCIMENTO PÍFIO DA ECONOMIA NO ANO PASSADO, ADA VEZ APERTA MAIS. PARA 2014, ESTAS SÃO AS PRINCIPAIS INQUIETAÇÕES DAS AUTORIDADES OUVIDAS PELO ROJEÇÃO INTERNACIONAL AO PAÍS, DEVEM MOVIMENTAR A ECONOMIA E O CAMPO POLÍTICO, MAS O IDAS. CONFIRA AS OPINIÕES: Esperamos, sinceramente, que 2014 seja um ano melhor do que 2013, tanto na saúde pública quanto na medicina privada. O brasileiro está enfrentando grandes dificuldades no SUS e na saúde suplementar, especialmente os idosos e as pessoas que não têm benefício saúde concedido pelo empregador. O ano já iniciará com mais 87 procedimentos obrigatórios no Rol da ANS, o que ampliará a cobertura oferecida aos clientes dos planos. Mas também há um inegável processo de concentração do mercado e de deterioração financeira das operadoras, que ameaça a continuidade de suas atividades, que deve ser discutido e solucionado. Não há respostas prontas, porque esta área é complexa, vital e demanda grandes investimentos. Os atendimentos público e privado têm de melhorar. A população brasileira está envelhecendo e somente com saúde de qualidade a longevidade será acompanhada de mais qualidade de vida. MARIA INÊS DOLCI, coordenadora institucional da Proteste Associação de Consumidores Os planos de saúde ocuparam, por mais de 10 anos consecutivos, o nefasto primeiro lugar no ranking de atendimentos realizados pelo Idec aos cidadãos que procuraram o Instituto. Os temas mais problemáticos para os consumidores são negativa de cobertura, reajustes abusivos e descredenciamento de rede assistencial. Essas questões que já se encontram disciplinadas tanto pela Lei n o 9.656/98 quanto pelo Código de Defesa do Consumidor. Porém ainda persistem normativas da ANS em sentido contrário aos direitos previstos e que endossam o descumprimento de obrigações por operadoras de planos de saúde. Diante desse cenário, não resta ao consumidor outra saída para a aplicação de seus direitos se não recorrer ao Poder Judiciário, que, felizmente, tem aplicado os direitos dos consumidores. Entretanto direito constitucional à saúde não pode depender somente da provocação, caso a caso, dos poucos consumidores que acionam a justiça para ser aplicado. É necessário uma mudança na regulação do setor e na prática das operadoras de forma a aplicar direitos que existem há mais de 20 anos. JOANA INDJAIAN CRUZ, advogada e pesquisadora do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) Há uma infinidade de temas relacionados à saúde em pauta no Congresso, como projetos de lei sobre a destinação de recursos federais para o setor, jornada de trabalho da enfermagem, obrigatoriedade de avaliação e certificação de qualidade dos serviços hospitalares, capital estrangeiro, entre outros. Além disso, não podemos nos esquecer de iniciativas essenciais no âmbito da agência reguladora, envolvendo os principais atores do setor privado, como a discussão sobre os novos modelos de remuneração e o programa de qualificação dos prestadores na saúde suplementar. Essas demandas certamente terão grande destaque em 2014 e mudarão o patamar do sistema de saúde no Brasil. Esperamos que boa parte dessas iniciativas tenha desdobramento positivo, contribuindo com o crescimento e evolução do sistema de saúde brasileiro. A Anahp e o SINDHOSP certamente continuarão contribuindo com as discussões, assim como as demais entidades representativas do setor, liderando processos fundamentais para a sustentabilidade da saúde. FRANCISCO BALESTRIN, presidente do Conselho de Administração da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) Em 2014, deve-se repetir o desempenho da saúde suplementar do ano de 2013, quando se registrou um crescimento de no máximo 2%. Os planos de saúde estão ficando muito caros devido à introdução de novo Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, especialmente por conta da obrigatoriedade de fornecimento de medicamento contra o câncer por via oral. E, tendo em vista o envelhecimento da população, é de se esperar um número de casos de câncer cada vez maior. A grande preocupação é o fato de haver cada vez mais uma elitização dos planos de saúde devido aos custos dos procedimentos - e esse aumento pode não ser alcançado por grande parte da população. O que se prevê é uma participação cada vez maior do próprio usuário por meio de coparticipação. Também se torna cada vez mais premente a educação da população quanto aos custos e a vigilância sobre o desperdício. ARLINDO DE ALMEIDA, presidente da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge) O sistema de saúde suplementar é importante e fundamental para o setor. É responsável por 50 milhões de brasileiros e continua em crescimento, proporcionando atendimento de qualidade para seus usuários. Precisamos continuar com disposição para dialogar diariamente a fim de proporcionar uma atenção à saúde com mais qualidade e segurança, sem perder o foco na humanização. Eu sou uma pessoa que pensa positivo e acredito que não podemos parar, nem retroceder. Às lideranças cabe o papel de estimular o desenvolvimento do setor. JOSÉ CARLOS ABRAHÃO, presidente da Confederação Nacional da Saúde (CNS) Jan 2014 Jornal do SINDHOSP 7

8 Manchete Preocupante é a forte tendência ao aumento das despesas com saúde que vem da ampliação de coberturas do Rol da ANS, da incorporação acrítica de tecnologia e do aumento continuado da frequência de utilização. Esses fatores aumentam a distância entre os custos assistenciais das operadoras de saúde e a inflação geral de preços, que servem de referência para o reajuste dos salários e, portanto, do orçamento de famílias e empresas. Em 2014, esse cenário deve ensejar debates sobre a necessidade de revisão da regulamentação de coberturas, introdução mais crítica de tecnologias médicas, maior eficiência e controle de custos e desperdícios. Por isso, o próximo ano será de muito diálogo entre operadoras e prestadores, na busca por soluções que garantam a sustentabilidade do setor e mantenham a demanda potencial atendida. Economicamente e financeiramente, o crescimento do segmento dependerá do desempenho da economia, particularmente dos indicadores de emprego, renda nacional e massa salarial. MARCIO SERÔA DE ARAUJO CORIOLANO, presidente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) As tendências apontadas para a economia brasileira e o aumento da formalização do emprego são determinantes para o crescimento da saúde suplementar. Diante da realidade atual do sistema público de saúde, que apresenta problemas de financiamento e na qualidade dos serviços prestados, grande parte da sociedade brasileira deseja pertencer à parcela da população assistida pela saúde suplementar. Por isso, a expectativa é de crescimento para Para a UNIDAS, especialmente, expandir as autogestões e mostrar que esse modelo é o que apresenta a melhor relação de custo e benefícios são alguns dos principais focos para os próximos anos. Hoje temos mais de 20% de nossos beneficiários com idade acima de 60 anos, enquanto o mercado de saúde lucrativo apresenta cerca de 9%, e a população brasileira pouco mais de 12%. Portanto, as autogestões já trabalharam, em 2013, com um perfil etário e epidemiológico com o qual o Brasil só deverá conviver efetivamente em DENISE RODRIGUES ELOI DE BRITO, presidente da União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde (Unidas) Esperamos um ano de muitos embates. Eleição estará na ordem do dia, e certamente a saúde será um dos destaques dos debates eleitorais, já que é uma das maiores preocupações dos brasileiros. No Rio de Janeiro, assim como em São Paulo, há muitas dificuldades para a saúde pública, principalmente na questão do acesso. Acredito que será um ano decisivo para a consolidação, ou não, do Programa Mais Médicos, e para que os aspirantes a gestores apresentem propostas inovadoras. No setor privado, os problemas continuam os mesmos: seremos cobrados cada vez mais em relação aos programas de qualificação e teremos de nos adaptar a um novo modelo de pagamentos. Isso para citar apenas algumas das exigências que virão. Diante de tantas mudanças, e sendo o setor privado de saúde tão importante para a assistência dos brasileiros, continuaremos na luta para que o governo nos conceda a contrapartida da desoneração tributária. Precisamos de estímulo para, inclusive, enfrentar a concorrência, que se molda em um cenário formado por grandes grupos consolidados. Levaremos em frente nossos projetos de capacitação, e permaneceremos na busca por uma relação mais harmoniosa com as fontes pagadoras. FERNANDO ANTONIO BOIGUES, presidente do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Casas de Saúde do Município do Rio de Janeiro (SINDHRio) O ano de 2014 deverá ser decisivo para o sistema de saúde. As eleições em nível federal e estadual vão acirrar os debates sobre quais os melhores caminhos para se garantir o acesso a serviços de saúde de qualidade para toda a população. A SBPC/ML, por sua posição estratégica no setor laboratorial, tem a possibilidade de contribuir de maneira significativa para agir e interagir junto às demais entidades envolvidas na medicina diagnóstica, colocando com clareza críticas e propostas para a defesa dos interesses da classe laboratorial, como remuneração, inovação tecnológica e melhoria da assistência complementar. Pretendemos trabalhar junto ao Ministério da Educação e Cultura e às instituições de ensino públicas e privadas aperfeiçoando a formação e graduação dos futuros médicos, pois identificamos uma fragilidade nos programas de ensino, que não incluem a disciplina ou módulo da especialidade Patologia Clínica na grade curricular. Há médicos que se formam com um conhecimento superficial sobre exames de laboratório, como interpretá-los e como decidir condutas terapêuticas fundamentadas nesses exames complementares à clinica, que é sempre soberana. Precisamos atuar fortemente na atualização de outras especialidades médicas em relação às inovações tecnológicas importantes que vêm ocorrendo no setor laboratorial. PAULA TÁVORA, presidente da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML) A intervenção do governo no setor da saúde com a criação do Programa Mais Médicos deve instigar as entidades médicas a ter atitudes propositivas em relação ao novo cenário para Uma delas é a retomada do diálogo para que o governo federal passe a incluir os representantes dos médicos nos projetos ligados à saúde, como a reformulação do currículo dos cursos de Medicina e a outra, reaver a cadeira que tínhamos junto a algumas comissões na ANS para acompanhar a devida regulamentação das operadoras de saúde. Aliás, tivemos alguns avanços nas negociações com as operadoras, mas ainda falta conquistar a implantação da CBHPM como parâmetro mínimo de remuneração dos honorários médicos, a contratualização, o reajuste anual dos contratos e o estabelecimento de índices de reajuste. Da mesma forma, gostaríamos de contribuir para que o Exame do Cremesp - que teve sua 9 a edição em 2014, a segunda com participação obrigatória para o recebimento de registro de médico no Estado de São Paulo - servisse de inspiração para uma avaliação indispensável e eliminatória de sextanistas de Medicina de todo o país. JOÃO LADISLAU ROSA, presidente do Cremesp 8 Jornal do SINDHOSP Jan 2014

9 Em dia A SAÚDE NOS GRANDES EVENTOS: ESTAMOS PREPARADOS? Em junho o mundo inteiro estará de olho no Brasil para assistir a Copa do Mundo da Fifa. Já em 2016, os olhos se concentrarão no Rio de Janeiro, cidade sede dos Jogos Olímpicos. Mas a dúvida é: estamos preparados? Entre os meses de setembro e novembro de 2013 diversas reuniões foram realizadas, com participação de representantes estrangeiros, para montagem de um plano de ação com o objetivo de fazer da Copa um exemplo na questão saúde. Também estaria aberta, até 3 de fevereiro, uma Consulta Pública da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para definir os requisitos mínimos de serviços de saúde para o atendimento ao público. A expectativa da Agência é utilizar os modelos realizados durante o carnaval do Recife, Copa das Confederações, Jornada Mundial da Juventude e o Rock in Rio, no ano passado. Em sua passagem pelo CISS - Congresso Internacional de Serviços de Saúde na Feira e Fórum Hospitalar 2013, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, explicou que os gastos para atender a demanda dos grandes eventos de massa deverão chegar a R$ 1,9 bilhão. Durante seminário realizado em novembro no Hospital Sírio Libanês, Paulo de Tarso Monteiro Abrahão, coordenador geral de urgência e emergência do Ministério da Saúde e da Força Nacional do SUS, explicou como atuam os órgãos governamentais em casos de catástrofes, epidemias e episódios de grande porte. Montamos o nosso QG em um local próximo. Nos unimos às Secretarias Estadual e Municipal da Saúde, bombeiros, defesa civil e ao Governo. Desta forma elegemos o porta-voz das notícias e começamos a pensar em uma estratégia de divulgação do que se passa. É claro que não é uma tarefa fácil, mas fazemos o máximo para sermos o mais ágil e fiel aos acontecimentos. Nossa prioridade obviamente é o atendimento ao público. Na 5 a reunião da Câmara Temática de Saúde, a representante da Organização Mundial da Saúde (OMS), Roberta Andraghetti, concluiu que, mesmo com as deficiências já existentes num país, a chegada de mais turistas para acompanhar os jogos não afeta o atendimento em saúde da população. O acompanhamento começou na Copa da França, com o uso de monitores que forneciam informações sobre as ocorrências, e não foi notado nenhum grande impacto na comunidade local. Em 2002, na Coreia, um sistema de vigilância foi montado nos departamentos de saúde e emergências. No Japão, também sem grandes impactos, o sistema ganhou uma versão online para o compartilhamento de informações, lembra. Ainda de acordo com Abdraghetti, na Alemanha, houve um reforço no número de relatórios, que passaram a tratar também de ocorrências menores, e, na África do Sul, um aprimoramento dividiu a avaliação de riscos em duas áreas: laboratorial e clínica, com postos avançados em locais específicos das cidadessede e em pontos de entrada. Nas duas ultimas edições, nenhum incidente foi relatado. O legado positivo para o país que sedia o evento vem do esforço de planejamento, que aumenta a capacidade de atendimento dos sistemas de saúde pública, concluiu. Em janeiro de 2013, o governo canadense ministrou um treinamento, aqui no Brasil, contra potenciais ameaças químicas, biológicas, radiológicas, nucleares e de explosivos que talvez pudessem aparecer durante a realização dos eventos. Agências de segurança treinaram representantes da polícia, exército e força de segurança para identificar e avaliar cenas de crime, coletar provas, desarmar dispositivos de dispersão e lidar com outros perigos potenciais relacionados. As sessões tiveram como base o Programa Canadense de Treinamento para Socorristas, que foi utilizado nos preparativos para os Jogos Olímpicos de Inverno, em Vancouver, em 2010,e para as Cúpulas do G8 e do G20. O país deve pensar desde ocorrências menores que geralmente acontecem em aglomerações, tais como náuseas, desmaios, vômitos e pequenas indisposições, como também em acidentes mais complexos, por exemplo, problemas cardíacos. É por isso que profissionais da rede hoteleira, gastronômica e motoristas de transporte público (táxis e ônibus) se candidataram a um curso de primeiros socorros. A proposta foi feita pelo Escritório Municipal da Copa do Mundo em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) para qualificar os profissionais a atuarem dentro do Programa Saúde na Copa. Em construção desde janeiro, o programa tem como objetivo garantir a saúde para as pessoas que irão trabalhar no evento, para os residentes e também para os turistas que visitarão o país. Com início em Brasília, o projeto foi dividido em quatro ações que vão desde a certificação dos estabelecimentos comerciais que aderirem ao programa, a distribuição de cartilhas com orientações de saúde, vacinação para proteger 95% dos trabalhadores que terão contato direto com os turistas e intensificação das ações de saúde nos lugares de maior circulação de pessoas como shoppings, cinemas e teatros. SENSIBILIZAÇÃO No que diz respeito a campanhas, o governo espera oportunizar a grande concentração de pessoas para sensibilizar a população. Planeja, por exemplo, realizar testagem rápida e aconselhamento sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) espalhando trailers pelas 12 cidades-sede da Copa do Mundo. Futebol é uma paixão nacional, e usá-lo como veículo de informações sobre prevenção para a juventude, um dos grupos mais vulneráveis à epidemia da Aids, faz com que esse projeto seja promessa de um grande sucesso afirmou o diretor do departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, durante o lançamento do projeto em Salvador, em dezembro passado. A expectativa da OMS é que os eventos de grande porte também promovam um ambiente livre de tabagismo e ajudem a disseminar a prática de atividade física. Princípios de igualdade, solidariedade, paz, harmonia, amizade, tolerância, vida saudável e excelência na saúde, segundo as entidades organizadoras, vêm a reboque dos eventos esportivos. Jan 2014 Jornal do SINDHOSP 9

10 Em dia ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PRECISA DE LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA IMPACTO FINANCEIRO COM A CONTRATAÇÃO VIA CLT PODE LEVAR EMPRESAS A FECHAREM AS PORTAS O serviço de assistência domiciliar no Brasil é algo ainda recente, quando analisado no contexto do sistema de saúde. É uma atividade que vem ganhando projeção nos últimos 20 anos e vem conseguindo superar o paradigma de que a internação hospitalar é sempre o melhor caminho, mostrando a facilidade e resolutividade da modalidade. Com a conscientização tanto dos familiares como dos próprios pacientes, que estão compreendendo que esta forma de gerenciar o cuidado é uma maneira mais humanizada, aliada a outros fatores, como o envelhecimento populacional e o aumento da expectativa de vida, os serviços prestados pelas empresas de home care estão em evidência e podem representar economia com gastos hospitalares e benefícios na qualidade do atendimento. De acordo com um senso específico divulgado pelo portal Home Care, estas empresas atendiam, em 2011, uma média mensal de 25 mil pacientes, logo 300 mil pacientes/ ano; possuíam cerca de 30 mil profissionais atuando no atendimento aos pacientes domiciliares e vinham mostrando, ao longo dos anos, um crescimento promissor. Segundo o site especializado, entre 2010 e 2012 a modalidade registrou um crescimento de 18%, com a melhora no reconhecimento da atividade no país e maior profissionalização do segmento, com o aumento das equipes multidisciplinares. O momento era para ser de comemoração, mas as empresas especializadas em atendimento domiciliar estão enfrentando um período delicado. A questão quanto ao regime de contratação da mão de obra dos profissionais de enfermagem para atuar na residência dos pacientes tem deixado os empresários do setor apreensivos e levado prestadoras a fecharem as portas. As peculiaridades do setor, como sazonalidade dos pacientes, diferentes planos assistenciais para o mesmo usuário, entre outros, fazem da terceirização o modelo que mais se adequa a essas particularidades. Entretanto, o Tribunal Superior do Trabalho (TST), por meio da súmula 331, considera que a contratação de mão de obra terceirizada para a prestação de serviços relacionados à atividade-fim de uma tomadora de serviços é ilegal, ressalvados os casos de trabalho temporário. Somente colaboradores para as atividades-meio (como área administrativa, segurança e limpeza) poderão ser objeto de terceirização, via cooperativa de trabalho ou empresa de prestação de serviços. Presidente da FEHOESP e do SINDHOSP, Yussif Ali Mere Jr Dessa forma, as empresas de assistência domiciliar, por terem como atividade econômica principal a prestação de serviços de enfermagem, não podem contratar profissionais sob outro tipo de regime que não seja por meio da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Mas as clínicas declaram não ter como contratar auxiliares e técnicos de enfermagem sob este regime. São empresas de pequeno porte e que registram demanda sazonal. Além disso, a escolha do profissional deve atender às preferências da família e do paciente, é um entendimento cultural. Uma empresa com essas características não tem como manter um alto número de funcionários contratados, explicou a diretora do SINDHOSP, Luiza Dal Ben, que representa o segmento de assistência domiciliar. O problema despertou a atenção da Justiça do Trabalho, que vem se posicionando contrária à utilização do sistema de cooperativas para locação de mão de obra. O Ministério Público do Trabalho (MPT) intensificou a fiscalização e tem considerado outra forma de contratação que não seja a celetista como fraudulenta. Em vários casos, a Justiça tem reconhecido o vínculo empregatício entre o profissional e o tomador de serviços pelos direitos trabalhistas. Desde 2007, a fiscalização vem ocorrendo em São Paulo e houve uma intensificação nos últimos anos. Essa ação teve início nas cooperativas de trabalho e também atingiu os tomadores de serviços, contou Luiza. Ela disse que a Procuradoria do Trabalho entende como precarização a contratação de profissionais de saúde pelas empresas de assistência domiciliar por meio dessas cooperativas e determinou a proibição expressa de mão de obra cooperada. Com esse entendimento, a única forma de contratação de colaboradores é por meio da CLT. A determinação é o registro na carteira de trabalho dos profissionais que atuam em domicílio a fim de eliminar a informalidade da contratação e a intermediação da mão de obra. No entanto, as empresas alegam que o impacto financeiro é muito alto e a atividade pode ficar inviável sob essas condições. Segundo especialistas da área trabalhista, o capital humano, em todos os segmentos, representa um alto custo. Cada trabalhador contratado em regime celetista custa aproximadamente 102% do salário a mais em impostos. Para as empresas de saúde que já arcam com despesas consideráveis, a obrigação de contratar tantos profissionais pode dificultar o acesso da população a um serviço de necessidade básica. Segundo a diretora do SINDHOSP, as empresas de assistência domiciliar não têm mesmo como suportar esse impacto por vários motivos. Não se consegue ter um número suficiente de profissionais aptos para o atendimento ao paciente que acompanhe a mudança repentina que pode acontecer no quadro clínico dele, tanto para melhor quanto para pior (reinternação hospitalar); nem que se adeque às alterações de humor e satisfação do paciente e da família que, muitas vezes, solicita a troca dos profissionais; além da questão da locomoção desses colaboradores que dão preferência para atuarem próximo à região onde residem. Haveria também outros fatores, como as dificuldades com as fontes pagadoras (planos de saúde) dessas empresas. Infelizmente, o olhar do MPT não é o mesmo para as operadoras que contratam esses serviços, mas que estão somente preocupadas em preservar suas margens de rentabilidade à custa de quem presta serviços em seu nome. O mercado é também muito competitivo, pois há muitas empresas de atenção domiciliar atuando e sendo credenciadas pelos planos de saúde. Faltam profissionais qualificados e preparados para atuar nesse segmento. A dificuldade de se conseguir recrutar e selecionar novos técnicos e auxiliares de enfermagem é enorme. O setor enfrenta hoje um apagão de mão de obra. Ainda falta um longo caminho a percorrer para a profissionalização da assistência domiciliar, afirmou Luiza. Para a superintendente Jurídica do SINDHOSP, Eriete Teixeira, a atividade de home care é nova 10 Jornal do SINDHOSP Jan 2014

11 Em dia e muito diferente das demais empresas de saúde. Quando a CLT foi criada, em 1943, o foco era a indústria, e as legislações foram adequadas paras as questões trabalhistas da época. Passados 70 anos, as atividades mudaram e para as prestadoras de serviços de assistência domiciliar, o negócio tornar-se inviável economicamente sem a possibilidade de mão de obra terceirizada. O regime celetista de contratação acaba engessando a atividade, devido às suas várias peculiaridades. Isso tem feito com que as empresas de home care acabem fechando as portas. A celetização desses profissionais que o MPT vem exigindo está inviabilizando o negócio. A solução seria uma legislação específica para o segmento. Uma lei que autorizasse a terceirização da mão de obra para essa atividade, afirmou Eriete. De acordo com o presidente da FEHOESP e do Sindicato, Yussif Ali Mere Jr., é louvável que governo e entidades busquem alternativas para recuperar perdas salariais, assegurar benefícios trabalhistas e sociais dos trabalhadores, mas é imprescindível a avaliação dos efeitos que qualquer proposta possa causar em todo um ramo da economia, a ponto de extingui-lo. Não há receita de bolo. Enquanto a CLT não flexibilizar o modo de contratação dos profissionais da saúde, contemplando, por exemplo, situações de remuneração por hora/dia efetivamente trabalhados, empresas do setor continuarão adotando a postura de hoje. E não há dúvida que todos perdem, lamentou. Essa rigidez e inflexibilidade das leis também vêm trazendo outros problemas e instabilidade para o serviço de atendimento domiciliar. A advogada Angélica Carlini, especialista em seguro privado, disse no XI Simpósio Brasileiro de Atenção Domiciliar (Sibrad), promovido pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), no primeiro semestre de 2012, que a judicialização na saúde suplementar afetou a atenção domiciliar devido à falta de especialização dos juízes em economia e saúde. A lei trabalhista não acompanhou a evolução. O serviço de home care precisa criar um planejamento estratégico para sair da estagnação, criar parcerias e mostrar o quanto cada membro da cadeia produtiva em saúde é importante. Opinião apoiada pela diretora do SINDHOSP. Para Luiza Dal Ben, a solução passa, primeiramente, pela necessidade de união das empresas de assistência domiciliar para demonstrar ao MPT que a modalidade precisa de uma legislação específica, por se tratar de profissionais que entram no domicílio das pessoas. Nessa intimidade há outras regras que somente a CLT não atende, por não se tratar apenas de questões legais e sim de regras humanas que prevalecem nessa relação. Ela cita como exemplo o Programa Melhor em Casa, do governo federal, em parceria com estados e municípios, que oferece atenção domiciliar pelo SUS, com a visita periódica de equipe multidisciplinar às casas de pessoas com necessidade de reabilitação motora, idosos, pacientes crônicos sem agravamento ou em situação pós-cirúrgica. O governo teria a intenção, por meio de uma portaria, de implementar a internação domiciliar, exigindo a permanência do técnico de enfermagem na casa do paciente de 6 até 24 horas de assistência, com a flexibilidade da carga horária dos profissionais. TERCEIRIZAÇÃO NA SAÚDE A terceirização seria, segundo a superintendente Jurídica do SINDHOSP, a possibilidade de se iniciar uma discussão com a Justiça do Trabalho. Hoje não tem acordo: é CLT ou CLT para contratação de profissionais de enfermagem pelas clínicas de home care. Isso tem deixado esses empresários em desespero. Não se tem recurso cabível. O projeto de lei (PL) 4.330/2004, que trata do contrato de prestação de serviços a terceiros e as relações de trabalho delas decorrentes, embora não atenda totalmente às especificidades da atenção domiciliar, se aprovado, vai permitir que essas empresas possam pelo menos discutir o assunto na Justiça, explicou. Ela ainda comentou que hoje o que as empresas de assistência domiciliar no máximo estão conseguindo é a fixação, pela Procuradoria do Trabalho, de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que proíbe expressamente a contratação de mão de obra cooperada e exige o registro imediato dos profissionais de enfermagem no regime celetista e todos os diretos garantidos aos trabalhadores de um modo geral. E as penalidades são severas caso não haja o cumprimento do acordo. O PL 4.330, de autoria do deputado federal Sandro Mabel (PMDB-GO), atualmente tramita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, e é considerado o texto mais Superintendente Jurídica da Fehoesp e do SINDHOSP, Eriete Teixeira Diretora do SINDHOSP, Luiza Dal Ben bem-sucedido em termos de flexibilização nas formas de contratação, pois propõe a terceirização das atividades especializadas (caso da contratação de médicos), deixa de lado a polêmica da atividade-meio e atividade-fim e determina que uma empresa contratada por outra deve assegurar os direitos trabalhistas ao profissional que efetivamente prestará o serviço. Enquanto não há a possibilidade de discutir a terceirização com a Justiça do Trabalho, a desoneração da folha de pagamento para o setor da saúde pode ajudar. A questão da folha de pagamento é um tema que atinge e aflige qualquer ramo da economia. No caso da saúde, a desoneração é uma mudança necessária, já que ao mesmo tempo em que diminui a carga tributária incidente sobre as empresas, possibilita que os serviços se tornem mais efetivos, que haja maior estimulação na formalização do mercado de trabalho e mais investimento no setor. É lamentável que a saúde seja renegada a segundo plano e ainda não tenha sido contemplada, afirmou Yussif, lembrando que a contratação celetizada no segmento de home care tem levado as margens de rentabilidade das empresas a níveis cada vez menores. As fórmulas hoje utilizadas por todo o setor passa pela mão de obra cooperada, terceirizada e contratações de pessoas jurídicas. É isso que ainda mantém viável a continuidade dos serviços de atenção domiciliar no Brasil. Não podemos esquecer que a saúde é o setor econômico que tem a maior carga tributária, quando comparado aos demais, apesar do seu relevante papel social. Outra solução para o segmento seria o aumento na demanda. Fato este que vem ocorrendo devido ao aumento da expectativa de vida e o número de idosos, e, por consequência, a incidência de doenças crônicas. Esses fatores acarretam uma demanda de pacientes com necessidades de tratamento constante, mas que não precisam de internação e podem ser tratados em domicílio. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), as estimativas para os próximos 20 anos indicam que a população idosa poderá exceder 30 milhões de pessoas, chegando a representar quase 15% da população brasileira, com expectativa de vida entre 77 e 80 anos. Mas, segundo Luiza Dal Ben, o aumento na procura pelos serviços de assistência domiciliar não necessariamente reflete num crescimento de receita o suficiente para suportar o impacto financeiro causado pela contratação de tantos funcionários. Outro aspecto lembrado pela superintendente Jurídica do SINDHOSP que poderia, no futuro, colaborar para que seja permitida a contratação de mão de obra cooperada pelas home care, seria a legitimação das cooperativas de trabalho. Jan 2014 Jornal do SINDHOSP 11

12 Perfil SOBRE EDUCAR E SONHAR INSTITUTO IT MÍDIA INVESTE EM JOVENS CARENTES Semestralmente, alunos se reúnem na IT Mídia Presidente da IT Mídia, Adelson de Souza O prédio, na região da Berrini, é imponente. A estrutura física da empresa é moderna e igualmente grandiosa, com uma vista privilegiada da cidade, que se revela através de uma imensa parede de vidro. Ao ser recepcionado, o visitante vê o seu nome ao lado dos dizeres Bem-vindo surgirem na TV de LCD, posicionada bem à entrada. A reunião é com o presidente, Adelson de Souza. O que se espera é encontrar um executivo emoldurado por terno e gravata, que terá apenas vinte minutos para um bate-papo, segundo sua secretária. Afinal, era início de dezembro, época de fechamento e planejamento nas empresas. E Adelson lidera um dos maiores grupos de produção de conteúdo em saúde e tecnologia do país, responsável pela realização de eventos de grande porte. O castelo de expectativas se desfaz com a forma despojada com que Adelson se apresenta, se veste e se comporta. Ele é jovem, possui o pensamento rápido e não usa gravata. Nem terno. Lembra um pouco os meninos do Vale do Silício, geniais no conteúdo, desencanados na forma. E conta a história de seu projeto social o real motivo do encontro, uma entrevista sobre o Instituto IT Mídia de maneira surpreendente. Tudo começou, segundo ele, com uma espécie de gincana. A IT Mídia realiza, todos os anos, grandes eventos corporativos, como o Saúde Business Fórum, que chega a ter quatro dias de duração. Neles, são oferecidas inúmeras atividades aos participantes. Como forma de estímulo, a organização resolveu distribuir um passaporte no início do evento, com uma série de campos que devem ser preenchidos com selos. A cada reunião, palestra ou visita realizada pelo participante, ele recebia um selo. Ao completar a cartela, ganhava o direito a participar de sorteios concorridos, que distribuíam de viagens de primeira classe a Paris a motos Harley Davidson. Até que, em 2008 tomamos a decisão de virar o jogo e não dar mais presentes. Pegamos esse dinheiro para investir em bolsas de faculdade para jovens em situação de exclusão. Só que os passaportes foram mantidos. E a cada 25% dos passaportes completos, entregávamos uma bolsa de estudo, detalha Adelson. A metodologia fez com que aumentasse o comprometimento dos participantes em completar seus passaportes. Num evento de 200 pessoas, se 199 entregassem o passaporte completo e apenas uma não entregasse, somente três quartos estariam completos, e a quarta bolsa não era dada. Daí a adesão maciça, revela o idealizador do jogo. Segundo ele, as pessoas deixaram de ganhar o bem para fazer o bem. E esta foi a origem de tudo. Naquele ano, 12 bolsas foram distribuídas através desta metodologia. E, a cada ano, o número aumentava. Aos poucos a iniciativa foi ganhando nome Instituto IT Mídia -, virou uma organização social e desenvolveu o projeto Profissional do Futuro, com o objetivo de não apenas promover a capacitação de jovens nas áreas de saúde e tecnologia da informação, mas também de oferecer networking e oportunidades de emprego imediatas aos bolsistas. Hoje, todos os jovens encaminhados para o programa são provenientes da Fundação Bradesco. Há um processo de seleção entre os interessados, e são oferecidas bolsas em diversas instituições reconhecidas pelo mercado, como a Universidade São Camilo, em cursos como Nutrição, Administração Hospitalar, Psicologia. Na área de tecnologia, há bolsas em instituições como a Fiap e a Impacta Bandtech, em São Paulo. Há ainda a parceria com o Grupo Ser Educacional, no Nordeste. A parceria com a Fundação Bradesco, para nós, é fundamental. São 100 mil alunos no Brasil todo que estão sendo mobilizados para a formação na área da saúde, especialmente, que tanto precisa de gente capacitada para atuar, comenta Adelson. O projeto, que começou pequeno distribuiu 12 bolsas em 2008 deve chegar em 2014 com 500 vagas distribuídas em universidades, para cursos técnicos profissionalizantes, de bacharelado e de pós-graduação. Para garantir que esses alunos concluam os cursos, há uma série de exigências, como envio de notas semestrais aos tutores. A Fundação Dom Cabral está por trás da gestão do projeto, auxiliando na elaboração do plano de metas. Encontros semestrais também são promovidos na sede da própria IT Mídia, a fim de conectar e motivar os alunos. Adelson faz questão de mencionar que todos os recursos do projeto são provenientes da IT Mídia. Já investimos cerca de R$ 1 milhão desde o início. Bancamos os cursos integralmente e não aceitamos doações. Exemplos vivos dão a prova de que o projeto está fadado ao sucesso. No ano passado, os três melhores alunos da Fiap, eleita a melhor escola de tecnologia do Brasil, foram alunos do Instituto. E a própria IT Mídia abre as portas para os seus meninos. Caso de Marco José da Silva, 25 anos, um dos primeiros alunos beneficiados com bolsas de estudo do Instituto IT Mídia. De origem humilde, morador de uma região carente da zona Sul de São Paulo, Marco teve a oportunidade de cursar Gestão de Projetos. Terminou os estudos e foi convidado a trabalhar na própria IT Mídia. Hoje, é um dos bolsistas da pós-graduação e faz planos para o futuro: acabo de receber a notícia de que serei promovido daqui a seis meses, se atingir todas as metas propostas. É um estímulo para concluir minha pós e assumir o novo cargo, comemora. Quem fez o convite ao colaborador foi o próprio Adelson. Ninguém melhor que ele, afinal, para saber o valor da educação. Nosso entrevistado, ao final da conversa, nos faz uma revelação: Para mim os resultados do Instituto têm muito significado. Eu não tenho educação formal, estudei apenas até a 8 a serie e tive que trabalhar muito cedo. Portanto sei de todos os desafios que um jovem sem educação formal enfrenta e quero modificar esta realidade. 12 Jornal do SINDHOSP Jan 2014

As perspectivas do mercado para os hospitais

As perspectivas do mercado para os hospitais As perspectivas do mercado para os hospitais Yussif Ali Mere Jr Presidente da Federação e do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP e SINDHOSP) 1. CONTEXTO 2.

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares freeimages.com CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares A adesão dos profissionais de saúde e o envolvimento de pacientes e familiares nas medidas de prevenção reduzem o

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Fortalecer o Direito à Saúde, a Garantia de Acesso e a Atenção de Qualidade

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

Abrangência da terceirização

Abrangência da terceirização Reportagem especial explica os pontos polêmicos do projeto da terceirização A proposta que regulamenta a terceirização no Brasil e derrubou a reunião da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Ciclo de Debates SUS O Cenário do Fornecimento de Órteses e Próteses Uma visão das Operadoras de Planos Privados 07 de

Leia mais

Conselho protesta contra prefeitura

Conselho protesta contra prefeitura Informativo Eletrônico da SE/CNS para os conselheiros nacionais Ano VI, Brasília, 08/04/2009. Prezado (a) conselheiro (a), Estamos encaminhando um clipping de notícias do CNS na mídia. A intenção é socializar

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

TEM QUE MELHORAR MUITO

TEM QUE MELHORAR MUITO Confira gráficos, tabelas, críticas e sugestões sobre o convênio médico na ZF revelados em levantamento feito pelo Sindicato Comprovado: convênio médico na ZF TEM QUE MELHORAR MUITO Um levantamento feito

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo Artigo original Avaliação dos pl de saúde no estado de São Paulo Jorge Carlos Machado-Curi I, Tomás Patricio Smith-Howard II, Jarbas Simas III, Marcos Eurípedes Pimenta IV, Paulo Manuel Pêgo-Fernandes

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 A saúde suplementar no Brasil cresceu consistentemente nos últimos anos e o país ocupa lugar de destaque no cenário mundial.

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais

Experiência: Comitês Coordenadores de Auditorias por Especialidades Médicas

Experiência: Comitês Coordenadores de Auditorias por Especialidades Médicas Experiência: Comitês Coordenadores de Auditorias por Especialidades Médicas Nome da instituição: Departamento Nacional de Auditoria do SUS DENASUS Nome do responsável: Maria Aparecida Orsini Carvalho Fernandes

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS

PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS PLANOS DE SAÚDE: CONHEÇA SEUS DIREITOS CONTRA ABUSOS E ARMADILHAS Direito de todos e dever do Estado! Como determina a Constituição Federal

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Ciclo de Debates GV Saúde 18.outubro.2006 João Alceu Amoroso Lima Vice Presidente SulAmérica Saúde 1. Panorama de Mercado 2. Ações A SulAmérica - Curto/Médio/Longo

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

O mercado de serviços de Saúde no Brasil

O mercado de serviços de Saúde no Brasil www.pwc.com.br O mercado de serviços de Saúde no Brasil O mercado brasileiro de serviços de saúde: um dos mais promissores e atraentes do mundo Contexto Quinto país em termos de área e população, com 8,51

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CADASTRAMENTO DE PROJETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CADASTRAMENTO DE PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CADASTRAMENTO DE PROJETO Código: 01. Título do Projeto Liga Acadêmica de Cardiovascular 02. Unidade Proponente Universidade Federal de Alagoas 03.

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Apresentação do Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde (CIOCS)

Apresentação do Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde (CIOCS) Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 Apresentação do Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde (CIOCS) Arthur Chioro Ministro da Saúde Preparação conjunta com as cidades-sede Brasília DF Cuiabá MT Curitiba

Leia mais

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO 1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO Os registros sobre a origem da acreditação nos Estados Unidos identificam como seu principal precursor, em 1910, o Doutor e Professor Ernest Amony Codman, proeminente cirurgião

Leia mais

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde Experiência Bradesco Saúde Pontos O Mercado de Saúde Suplementar O Contexto da Bradesco Saúde A Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde 2 Despesas Totais

Leia mais

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Mais de um terço dos intercambistas do Programa Mais Médicos ou 35,7% deles - nunca teve contato com seu tutor,

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber?

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber? PLANOS DE SAÚDE O que é preciso saber? Queridos amigos, Estamos muito felizes por concluir a nossa segunda cartilha sobre direitos atrelados à saúde. Este trabalho nasceu com o propósito de levar informações

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007)

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) Médico Pesquisador do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia.Ex-Coordenador

Leia mais

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA

CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDENAÇÃO DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA CARTA ABERTA DE INTENÇÕES DO II ENCONTRO DOS MUNICÍPIOS PARA COORDEN DO ATENDIMENTO SOCIOEDUCATIVO AO ADOLESCENTE EM CASA Aos trinta dias do mês de novembro do ano de dois mil e sete, reuniram-se no município

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Medicina Preventiva na Central Nacional Unimed

Medicina Preventiva na Central Nacional Unimed Medicina Preventiva na Central Nacional Unimed A Central Nacional Unimed é a operadora nacional dos planos de saúde Unimed. Comercializa planos para empresas que tenham filiais em três ou mais estados

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

para cobrir suas despesas de utilização. Resultado: para manter em dia o pagamento aos tem sido coberta pelas reservas do Plano Pleno,

para cobrir suas despesas de utilização. Resultado: para manter em dia o pagamento aos tem sido coberta pelas reservas do Plano Pleno, A Fundação tem sempre alertado sobre o crescente déficit dos planos Especial e Básico: mais de R$ 3 milhões em 2003. Administrar planos de autogestão como os da Sabesprev, sem fins lucrativos mas sujeitos

Leia mais

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria Rio de Janeiro, Maio de 2008 Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras ANS Boa Tarde!

Leia mais

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ Origem A preocupação com as questões sociais fez com que o professor e sacerdote italiano D. Luigi Maria Verzé chegasse ao Brasil, em 1974, através do Monte

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED Cuidamos de quem é importante para você plano individual ou familiar Unimed Atenção, respeito e e ciência são pré-requisitos indispensáveis quando se pensa em uma operadora

Leia mais

O SR. RAUL CUTAIT - Ministro Gilmar Mendes, estimado. caro Ministro Gilmar Mendes que seu convite, para mim, foi

O SR. RAUL CUTAIT - Ministro Gilmar Mendes, estimado. caro Ministro Gilmar Mendes que seu convite, para mim, foi O SR. RAUL CUTAIT - Ministro Gilmar Mendes, estimado Ministro Cezar Peluso, senhoras e senhores. Inicialmente, quero dizer ao meu caro Ministro Gilmar Mendes que seu convite, para mim, foi uma convocação.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA PARA PREVENÇÃO, TRATAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012.

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012. PROJETO: 13 - VOLUNTÁRIOS PARA A COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar junto ao COL/FIFA (Comitê Organizador Local da FIFA) a seleção e recrutamento dos voluntários para atuarem na Copa do Mundo 2014.

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Instrução Normativa sobre a divulgação da qualificação Primeira reunião do GT de Divulgação 07/02/2012 Quem divulgar? Todos

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS)

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Debates GVSaúde Acreditação Operadoras de Planos de Saúde Helton Marcondes Coordenação de Processos e Qualidade - GEPP Roteiro Unimed-BH em Números;

Leia mais

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames

As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames As 6 Práticas Essenciais de Marketing para Clínicas de Exames Introdução Fique atento aos padrões do CFM ÍNDICE As 6 práticas essenciais de marketing para clínicas de exames Aposte em uma consultoria de

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Conjunto de ações estabiliza o Plano

Conjunto de ações estabiliza o Plano AGO SET 2009 Editado pela Assessoria de Comunicação Institucional Conjunto de ações estabiliza o Plano Desde o final do ano passado, a Superintendência de Saúde da Fachesf (PSS) tem desenvolvido um Plano

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CAXAMBU DO SUL ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CAXAMBU DO SUL ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS OPERADOR DE MÁQUINAS Providenciar a lavação, o abastecimento e a lubrificação da máquina; efetuar pequenos reparos na máquina sob sua responsabilidade; dirigir máquinas

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil

A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil A CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho no Brasil Pesquisa revela que a CIPA é uma ferramenta indispensável para a prevenção de acidentes e doenças do trabalho e melhorias nas condições

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

Gestão da Qualidade. Conheça as vantagens de processos como a Acreditação para os serviços de saúde. nº3. julho/agosto de 2013. págs.

Gestão da Qualidade. Conheça as vantagens de processos como a Acreditação para os serviços de saúde. nº3. julho/agosto de 2013. págs. Publicação da Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo julho/agosto de 2013 nº3 Gestão da Qualidade Conheça as vantagens de processos como a Acreditação para os serviços

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Artigo 1º - O Centro de Pesquisas Clínicas (CPC)

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Decreto 8.573/15 e Consumidor.gov.br Fonte: Unimed do Estado do Paraná

Decreto 8.573/15 e Consumidor.gov.br Fonte: Unimed do Estado do Paraná Decreto 8.573/15 e Consumidor.gov.br Fonte: Unimed do Estado do Paraná É com satisfação que informamos que em 20 de novembro do corrente ano, tendo em vista o tendo em vista o disposto no art. 4º, caput,

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo.

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo. REGIÃO SUL Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Realizar campanhas articuladas entre as políticas para prevenção do turismo sexual (agentes de saúde, professores

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2011 FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (FIA) REGULAMENTO

PROCESSO SELETIVO 2011 FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (FIA) REGULAMENTO - 1 - PROCESSO SELETIVO 2011 FUNDO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (FIA) REGULAMENTO Prezado Gestor, Criado em 2006, o Instituto HSBC Solidariedade é responsável por gerenciar o investimento social

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade

Contrata Consultor na modalidade. Contrata Consultor na modalidade Contrata Consultor na modalidade PROJETO 914/BRZ/1138 EDITAL Nº 19/2014 Publicação de perfil(is) para contratação de profissional(is) na(s) área(s), cuja(s) vaga(s) está(ão) disponível (is) na página da

Leia mais

Os Rumos da Dermatologia no Brasil:

Os Rumos da Dermatologia no Brasil: Fóruns SBD RELATÓRIO FINAL Relator: Gabriel Gontijo, Vice-Presidente e Presidente Eleito da SBD São Paulo - 5 de abril de 2014 São Paulo - 5 de abril de 2014 Promoção Diretoria da Sociedade Brasileira

Leia mais

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt Sustentabilidade em saúde Dr. Reynaldo A. Brandt Definição Sustentabilidade é prover o melhor para as pessoas e para o ambiente tanto agora como para um futuro indefinido. É suprir as necessidades da geração

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 3.055, de 2004 (Apensos os PLs 4.555, de 2004; 7.216, de 2006; 2.458, de 2007; 3.322, de 2012 e 3.786, de 2012)

PROJETO DE LEI N o 3.055, de 2004 (Apensos os PLs 4.555, de 2004; 7.216, de 2006; 2.458, de 2007; 3.322, de 2012 e 3.786, de 2012) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 3.055, de 2004 (Apensos os PLs 4.555, de 2004; 7.216, de 2006; 2.458, de 2007; 3.322, de 2012 e 3.786, de 2012) Cria o Programa Nacional de Coleta,

Leia mais

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos Assistência Farmacêutica, Qualificação de Prestadores, Ouvidoria, CNS e Pagamento por Pacotes Erimar Carlos Brehme de Abreu Águas de Lindóia 13/09/2012

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês AÇÕES SUSTENTÁVEIS DO HOSPITAL GERAL DO GRAJAÚ Autores: Raphaella Rodrigues de Oliveira Gerente de Hotelaria; Rafael Saad Coordenador Administrativo.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ORTOPEDIA MULTIDISCIPLINAR Unidade Dias

Leia mais

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico

Modelo Domiciliar de. Assistência ao Doente. Crônico Modelo Domiciliar de Modelos Assistenciais Assistência ao Doente Alternativos Crônico Panorama da Saúde no Brasil Aumento do poder aquisitivo Mudanças no Estilo de Vida Crescimento da População com Planos

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO Nº 017/2014 ENFERMEIRO DO TRABALHO

EDITAL DE ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO Nº 017/2014 ENFERMEIRO DO TRABALHO EDITAL DE ABERTURA DE PROCESSO SELETIVO Nº 017/2014 ENFERMEIRO DO TRABALHO De acordo com o disposto no Regulamento de Processo Seletivo, devidamente registrado no 1º OFICIAL DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS

Leia mais

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ O contexto Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio Libanês (2005) Assistencialismo Hospital Municipal Infantil Menino Jesus (2005) Responsabilidade

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais

Rogerio Carlos Lamim Braz. Coordenador da CTNPAS da ABRAPP Superintendente Eletros-Saúde

Rogerio Carlos Lamim Braz. Coordenador da CTNPAS da ABRAPP Superintendente Eletros-Saúde Rogerio Carlos Lamim Braz Coordenador da CTNPAS da ABRAPP Superintendente Eletros-Saúde OS DESAFIOS DAS OPERADORAS DE AUTOGESTÃO EM SAÚDE AGENDA Cenário Econômico Envelhecimento Populacional Saúde Suplementar

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais