Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa MBA em Administração Financeira Trabalho de Conclusão de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa MBA em Administração Financeira Trabalho de Conclusão de Curso"

Transcrição

1 1 1 Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa MBA em Administração Financeira Trabalho de Conclusão de Curso A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NAS RETENÇÕES DOS TRIBUTOS NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE HOME CARE Autor: Fábio Fernandes da Silva Orientador: Josias Barreto Autor: Fábio Fernandes da Silva Orientador: Josias Barreto Brasília - DF 2013

2 2 FÁBIO FERNANDES DA SILVA A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NAS RETENÇÕES DOS TRIBUTOS NA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE HOME CARE Artigo apresentado ao Programa de Pós- Graduação MBA em Administração Financeira da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do certificado de Especialista em Administração Financeira. Orientador: Prof. MSC. Josias Barreto Brasília 2013

3 3 TERMO DE APROVAÇÃO Artigo de autoria de Fábio Fernandes da Silva, intitulado A responsabilidade tributária nas retenções dos tributos na contratação de serviços: Um estudo de caso em uma empresa de home care, apresentado como requisito parcial para a obtenção do certificado de Especialista em Administração Financeira da Universidade Católica de Brasília, em 03/02/2014, aprovado pela banca examinadora abaixo assinada: Professor MSC. Josias Barreto Orientador Programa de Pós-Graduação em Administração - UCB Professor Dr. Alberto S. Matsumoto Examinador Programa de Pós-Graduação em Administração - UCB Brasília 2013

4 4 AGRADECIMENTO A Deus, por tudo que tem me proporcionado, pela vida, saúde e garra para atingir meus objetivos. Aos meus familiares, que estiveram sempre presentes. À minha mãe, Célia Fernandes, pelo exemplo de vida e pela minha formação. À minha esposa Klésia e filha Keysla pelo amor, carinho e compreensão em todos os momentos. Ao meu orientador, Josias Barreto, por ter se disponibilizado a colaborar na orientação deste trabalho, pela transmissão do conhecimento científico, experiências e sugestões. À minha colega, Thais Barbosa, que sempre me ajudou nessa caminhada. Por fim, agradeço a todos que acreditaram em mim, e a todos que porventura não foram aqui mencionados, mas que de alguma forma me ajudaram nessa gratificante jornada.

5 5 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar o processo de retenção na fonte nos serviços contratados em uma empresa de Home Care. No estudo de caso em pauta, a retenção na fonte pagadora serviu como ponto de partida para realização da pesquisa. Os serviços analisados referem-se aos contratos de prestação de serviços contratados pela empresa de Home Care. A empresa tomadora do serviço tem a responsabilidade pela retenção, recolhimento e informações a declarar a cada órgão competente. A sistemática de retenção na fonte dos tributos federais para o segmento de prestação de serviços é um dos instrumentos cada vez mais utilizados para otimizar a arrecadação tributária, pois melhora o fluxo de caixa do governo, facilita a fiscalização e combate à sonegação fiscal. Assim, a retenção na fonte é uma obrigatoriedade que ocorre como uma forma de garantir o pagamento do imposto e diminuir a sonegação, tanto pelo tomador do serviço, quanto pelo prestador. As retenções desses tributos ocorrem nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, pelo fornecimento de prestação de serviços. Palavras-chave: Prestação de Serviços. Retenções de Tributos. Obrigações Tributárias. 1 INTRODUÇÃO As pessoas jurídicas ou físicas que auferirem receitas, independentemente de sua denominação, são consideradas contribuintes. O Código Tributário Nacional (CTN), Lei 5.172/66 atribui à fonte pagadora da renda ou provento tributário a condição de responsável pelo tributo cuja retenção e recolhimento lhe caibam. O Código Tributário Nacional em seu artigo 121 prevê: Sujeito Passivo da obrigação principal é a pessoa obrigada ao pagamento do tributo ou penalidade pecuniária. Parágrafo único - O sujeito passivo da obrigação principal diz-se: I Contribuinte, quando tenha relação pessoal e direta com a situação que se constitua o respectivo fator gerador; II Responsável quando sem revestir a condição de contribuinte sua obrigação decorra de disposição expressa de lei. Os tributos que incidem sobre os serviços prestados pelas pessoas jurídicas são os seguintes: Imposto Sobre Serviço (ISS), Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (COFINS), Programas de Integração Social (PIS) Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A Secretaria da Receita Federal, para evitar a inadimplência e a sonegação dos impostos nas empresas de prestação de serviços, adotou a sistemática de retenção na fonte dos tributos federais para o segmento de prestação de serviços. Sobre esse assunto, Neves, Viceconti e Silva Jr (2009) colocam que a retenção do imposto de renda na fonte evita a sonegação e aumenta a arrecadação

6 tributária do Governo Federal através da Secretaria de Receita Federal que obteve a aprovação de leis que transformaram o recolhimento de tributos por meio de retenção pela fonte pagadora. O Governo Federal visa garantir um fluxo de arrecadação, por isso, instituiu normas específicas para a arrecadação antecipada de tributos. Ao fazer a contratação de serviços, as empresas, por lei, realizam a retenção dos impostos e contribuições previstos na legislação que será vista no decorrer deste estudo. A Gestão Financeira ao efetuar o pagamento dos prestadores de serviços da empresa, realizam a retenção de alguns tributos, deduzindo-as do valor total dos seus fornecedores, pagando apenas o valor líquido das notas fiscais (NFs) e repassam esses valores aos órgãos competentes, tais como: Receita Federal e Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Atualmente, com o crescimento das organizações, observamos a necessidade de contratar novos profissionais, capacitados e conhecedores da importância da devida retenção e recolhimentos, bem como da maneira de adequar e viver de acordo com as normas e legislações que regulam os tributos. Nesse sentido, o não recolhimento do devido imposto na fonte pagadora para os cofres públicos acarretará o pagamento de juros e multa. A apropriação indébita e a omissão da retenção e do recolhimento do tributo trazem sérios problemas fiscais para as empresas, visto que elas são obrigadas a reter e recolher os impostos junto à Secretaria da Receita Federal e Instituto Nacional de Seguridade Social. Partindo dessa premissa, as organizações devem observar melhor seu procedimento, adotar um estudo mais aprofundado na área tributária, principalmente no que se refere aos tributos envolvidos nas retenções das contratações de serviços prestados. A área fiscal da empresa, portanto, deve estar bem estruturada, exercendo o planejamento tributário, promovendo treinamentos e cursos específicos, exigindo cada vez mais profissionais especializados e competentes de forma a evitar omissões ou fraudes quanto às responsabilidades fiscais. Portanto, para o devido crescimento, a empresa precisa buscar profissionais preparados para evitar desperdícios tributários. Dessa forma, a presente pesquisa justifica-se, visto que o conhecimento quanto à retenção e o recolhimento dos impostos retidos constituem-se numa resposta aos dispositivos legais que defendem e disciplinam a transparência na utilização dos recursos públicos, e é de extrema importância para a empresa, porque é obrigação, perante a lei reter e recolher os impostos nas notas fiscais de prestação de serviços, e ainda, evitar prejuízos financeiros ao erário. Diante desse contexto, o tema do trabalho versa sobre as retenções dos impostos e contribuições dos serviços sujeitos à retenção na fonte dos prestadores de serviços contratados por uma empresa de Home Care. O problema da pesquisa é: Como a empresa pode evitar a apropriação indébita e a omissão da retenção e do recolhimento dos Impostos na prestação de serviços? Para responder a esta pergunta, têm-se a seguinte hipótese: havendo planejamento, controle e conhecimento nas empresas quanto à retenção e recolhimento dos impostos nas prestações de serviços, esta evitará irregularidades fiscais. Este artigo tem como objetivo geral analisar o processo de retenção na fonte nos serviços contratados em uma empresa de Home Care. O estudo está dividido em cinco capítulos: o primeiro refere-se a esta introdução. O segundo que consolida o embasamento teórico do tema. O terceiro capítulo apresenta o método de realização da pesquisa. O quarto mostra a realização da pesquisa com a 6

7 7 apresentação da empresa, objeto deste estudo e o último capítulo apresenta a conclusão da pesquisa. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 CONCEITOS GERAIS SOBRE RETENÇÕES NA FONTE SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS. Algumas definições relevantes serão apresentadas, a seguir, para o entendimento do processo de retenção na fonte sobre serviços prestados. A definição de sujeitos ativo e passivo é encontrada nos arts. 119 e 121 do Código Tributário Nacional: Art. 119 Sujeito ativo da obrigação é a pessoa jurídica de direito público, titular da competência para exigir o seu cumprimento. Art. 121 Sujeito passivo da obrigação principal é a pessoa obrigada ao pagamento de tributo ou penalidade pecuniária. Parágrafo único O sujeito passivo da obrigação principal diz-se: I Contribuinte, quando tenha relação pessoal e direta com a situação que constitua o respectivo fato gerador; II Responsável quando, sem revestir a condição de contribuinte, sua obrigação decorra de disposição expressa de lei. As definições de contribuinte e responsável também são encontradas no art. 121 do Código Tributário Nacional: Contribuinte é o devedor direto, que tem relação pessoal e direta com o fato gerador. (CTN, Lei nº 5172/66, art. 121, I). Responsável é o devedor indireto que, embora não sendo contribuinte, deve responder pela obrigação tributária, por força de lei. (CTN, Lei nº. 5172/66, art. 121, II). Higuchi (2000, p. 489) assim explica a figura do responsável: A regra geral é a de que a responsabilidade pela retenção e recolhimento do imposto de renda é da fonte pagadora dos rendimentos ou ganhos de capital (art. 717 do RIR/99). Dessa forma,... a retenção por antecipação é atribuída à fonte pagadora a responsabilidade pela retenção e recolhimento do imposto de renda na fonte. A apuração definitiva do Imposto de Renda será efetuada pelo contribuinte, pessoa física, na declaração de ajuste anual, e, pessoa jurídica, na data prevista para o encerramento do período de apuração em que o rendimento for tributado, seja trimestral, mensal estimado ou anual. (DAS NEVES; VICECONTI; SILVA JR. 2009). O Imposto de Renda descontado na fonte será considerado antecipação do devido pela beneficiária e será compensado com o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) devido pela pessoa jurídica que sofreu a retenção. Com o advento da Lei de 29 de dezembro de 2003, foi instituída a retenção de Tributos e Contribuições Federais, os quais deverão ser retidos diretamente pelo tomador dos serviços, no momento do pagamento ou da emissão da nota fiscal ou do recibo do prestador de serviços. 2.2 RETENÇÃO EXCLUSIVA NA FONTE E POR ANTECIPAÇÃO Neves, Viceconti e Silva Jr (2009) colocam que, no caso do imposto de renda, há de se fazer distinção entre os dois regimes de retenção na fonte: o de retenção

8 8 exclusiva e o de retenção por antecipação do imposto que será ajustado na Declaração de Rendimentos preparado pelo contribuinte. Na retenção exclusiva na fonte, o imposto devido é retido pela fonte pagadora que entrega o valor já líquido ao beneficiário. Nesse regime, a fonte pagadora substitui o contribuinte desde logo, no momento em que surge a obrigação tributária. A sujeição passiva é exclusiva da fonte pagadora, embora quem arque economicamente com o ônus do imposto seja o contribuinte. Na retenção por antecipação a responsabilidade é atribuída à fonte pagadora para a retenção e recolhimento do imposto de renda na fonte. A apuração definitiva do Imposto de Renda será efetuada pelo contribuinte, pessoa física, na declaração de ajuste anual, e, pessoa jurídica, na data prevista para o encerramento do período de apuração em que o rendimento for tributado, seja trimestral, mensal estimado ou anual. 2.3 RETENÇÃO DE INSS NA FONTE O recolhimento das contribuições previdenciárias é de total responsabilidade da fonte pagadora contratante do serviço prestado. Os serviços sujeitos a tal recolhimento estão listados na Instrução Normativa nº 971/2009, artigos 112, 117 e 118 da Receita Federal do Brasil. De acordo com art. 140 da Instrução Normativa da Secretaria da Receita Previdenciária nº. 3/2005, a obrigação principal da retenção e alíquota: A empresa contratante de serviços prestados mediante cessão de mãode-obra ou empreitada, inclusive em regime de trabalho temporário, a partir da competência fevereiro de 1999, deverá reter 11% do valor bruto da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços e recolher à Previdência Social a importância retida, em documento de arrecadação identificado com a denominação social e o CNPJ da empresa contratada. A Lei nº 9.711, de 20 de novembro de 1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro de 1999, introduziu a obrigatoriedade da retenção pela empresa contratante de serviço mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, de 11% (onze por cento) sobre o valor total dos serviços contidos na nota fiscal, fatura ou recibo emitido pelo prestador (contratada). 2.4 RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE O Imposto de Renda é retido e recolhido de toda pessoa jurídica prestadora de serviço, conforme prescrito no Decreto nº 3.000/99, artigos 647 a 653. O imposto de renda é espécie de tributo que, como seu próprio nome já define, é imposto sobre rendas e proventos de qualquer natureza auferida por pessoas físicas e jurídicas. No que diz respeito ao Imposto de Renda Retido na Fonte (IRPF) em relação à prestação de serviços: Art Estão sujeitos à incidência do imposto na fonte à alíquota de um por cento os rendimentos pagos ou creditados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas civis ou mercantis pela prestação de serviços de limpeza, conservação segurança, vigilância e por locação de mão-de-obra (Decreto nº 3.000, art. 649, Livro3). 2.5 RETENÇÃO DO PIS COFINS E CSLL NA FONTE Com a Instrução Normativa nº 459/2004, a partir de 1º de fevereiro de 2004, tornaram-se obrigatórias às retenções sobre pagamentos efetuados de pessoa

9 9 jurídica para pessoa jurídica de direito privado, por prestação de serviços de limpeza, manutenção, conservação, vigilância, segurança, transporte de valores e locação de mão de obra, pela prestação de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e risco, administração de contas a pagar e a receber, bem como pela remuneração por serviços profissionais. As contribuições federais têm como fato gerador o pagamento pelo serviço prestado. O desconto ocorre no ato do pagamento, e, se for feito em parcelas, o desconto ocorrerá no ato do pagamento de cada parcela. De acordo com o art. 30 da Lei nº /03, estão sujeitos à retenção na fonte da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição para o PIS, os pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas de direito privado, pela prestação de: Serviços de limpeza; Conservação; Manutenção; Segurança; vigilância; Transporte de valores e locação de mão-de-obra; Pela prestação de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber. 1º O disposto neste artigo aplica-se inclusive aos pagamentos efetuados por: I associações, inclusive entidades sindicais, federações, confederações, centrais sindicais e serviços sociais autônomos; II sociedades simples, inclusive sociedades cooperativas; III fundações de direito privado; ou IV condomínios edilícios. Não estão obrigadas a efetuar a retenção a que se refere o caput, as pessoas jurídicas optantes pelo sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte (SIMPLES). (Lei nº /03, Art. 30, 1º e 2º). 2.6 RETENÇÃO DO ISS NA FONTE O Imposto Sobre Serviço (ISS) é um imposto municipal atribuído a todas as pessoas que prestam serviços, ou seja, pessoas físicas e jurídicas, cabendo ao contribuinte observar as normas e legislações de sua região, para, assim, agir de acordo com as práticas e procedimentos específicos. Os aspectos legais vigentes sobre o Imposto Sobre Serviços (ISS), inclusive os relacionados à retenção na fonte, estão consubstanciados na Lei Complementar nº. 116/03. De acordo com art. 1º dessa Lei, o imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), de competência dos Municípios e do Distrito Federal, tem como fato gerador a prestação de serviços constantes em uma lista, ainda que esses não se constituam como atividade preponderante do prestador. Considera-se estabelecimento prestador o local onde o contribuinte desenvolva a atividade de prestar serviços, de modo permanente ou temporário, e que configure unidade econômica ou profissional, sendo irrelevante para caracterizá-lo as denominações de sede, filial, agência, posto de atendimento, sucursal, escritório de representação ou contato ou quaisquer outras que venham a ser utilizadas. (Lei Complementar nº. 116/03, art. 4º). O contribuinte é o prestador de serviço. (Lei Complementar nº. 116/03, art. 5º).

10 RETENÇÕES SOBRE SERVIÇOS TOMADOS DE PESSOA FÍSICA Pessoa jurídica pode contratar serviços de pessoa física, no momento do contrato, porém, é de fundamental importância que seja firmado acordo entre as partes, ficando devidamente esclarecidos os tipos de retenção incidentes na prestação do serviço A falta desse esclarecimento acarretará, para a fonte pagadora, despesa maior que a prevista. A fonte pagadora é responsável por reter e recolher os impostos devidos, que são: INSS, ISSQN e IR. Quanto ao INSS, a contribuição, em razão da dedução prevista no 4º do art. 30 da Lei nº 8.212/91, corresponde a 11% (onze por cento) do total da remuneração paga, devida ou creditada, a qualquer título, no decorrer do mês, ao segurado contribuinte individual, observado o limite máximo do salário-de-contribuição. 2.8 EMPRESAS OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL DISPENSAS TRIBUTÁRIAS DE RETENÇÕES NA FONTE DISPENSA DE RETENÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conforme dispõe a Instrução Normativa da Receita Federal nº 971/09, art. 191 as Micro Empresas e Empresas de Pequeno Porte pelo Simples Nacional que prestarem serviços não estão sujeitas à retenção de INSS sobre o valor bruto da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços emitidos, de que trata o art. 31 da lei nº 8.212, de DISPENSA DE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA As empresas enquadradas no antigo Simples Federal, nos termos da Lei nº9317/96 já estavam dispensadas da retenção do IRRF, nos termos da Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal nº 250/02, art. 31, relativamente as importâncias pagas ou creditadas por pessoa jurídica inscrita no Simples, pela prestação de serviços de natureza profissional DISPENSA DE RETENÇÃO DO PIS/COFINS/CSLL Com o advento da Lei nº 10833/03 (conversão em Lei da MP nº 135/03), explicitada pela IN-SRF nº 381/03, a partir de teve inicio a retenção de 4,65% a título de PIS, COFINS E CSLL, incidente sobre o total da Nota Fiscal, Fatura das empresas prestadoras de serviços. As pessoas jurídicas optantes pelo SIMPLES não podem, ainda, sofrer retenção, nos exatos termos da Lei nº /03, art OMISSÕES DE TRIBUTOS As penalidades previstas para o contribuinte em casos de atos de omissão ou fraude no cumprimento de suas obrigações fiscais estão explícitas na Lei nº 8.137/1990, em seus artigos1º e 2º, a seguir: Art. 1º Constitui crime contra a ordem tributária suprimir ou reduzir tributos, ou contribuição social e qualquer acessório, mediante as seguintes condutas: I omitir informação, ou prestar declaração falsa às autoridades fazendárias; II - fraudar a fiscalização tributária, inserindo elementos

11 11 inexatos, ou omitindo operação de qualquer natureza, em documento ou livro exigido pela lei fiscal; III falsificar ou alterar nota fiscal, fatura, duplicata, nota de venda, ou qualquer outro documento relativo à operação tributável; IV elaborar, distribuir, fornecer, emitir ou utilizar documento que saiba ou deva saber falso ou inexato; V negar ou deixar de fornecer, quando obrigatório, nota fiscal ou documento equivalente, relativa à venda de mercadoria ou prestação de serviço, efetivamente realizada, ou fornecê-la em desacordo com a legislação. Pena reclusão de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa. Art. 2º Constitui crime da mesma natureza: I fazer declaração falsa ou omitir declaração sobre rendas, bens ou fatos, ou empregar outra fraude, para eximir-se, total ou parcialmente, de pagamento de tributo; II deixar de recolher, no prazo legal, valor de tributo ou de contribuição social, descontado ou cobrado, na qualidade de sujeito passivo de obrigação e que deveria recolher aos cofres públicos; III exigir, pagar ou receber, para si ou para o contribuinte beneficiário, qualquer percentagem sobre a parcela dedutível ou deduzida de imposto ou de contribuição como incentivo fiscal; IV deixar de aplicar, ou aplicar em desacordo com o estatuído, incentivo fiscal ou parcelas de imposto liberadas por órgão ou entidade de desenvolvimento; V utilizar ou divulgar programa de processamento de dados que permita ao sujeito passivo da obrigação tributária possuir informação contábil diversa daquela que é, por lei, fornecida à Fazenda Pública. Pena detenção de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa. De acordo com o art. 944 do RIR/99, as multas e penas disciplinares serão aplicadas pelas autoridades competentes da Secretaria da Receita Federal aos infratores das disposições do RIR/99, sem prejuízo das sanções das leis criminais violadas. As multas proporcionais, segundo o art. 945 do RIR/99, serão calculadas em função do imposto atualizado monetariamente, quando for o caso. Qualquer infração que não a decorrente da simples mora no pagamento do imposto, nos termos do art. 946 do RIR/99, será punida nos termos dos dispositivos específicos do RIR/99. Ademais, os créditos da Fazenda Nacional decorrentes de multas ou penalidades pecuniárias aplicadas até a data da decretação da falência constituem encargos da massa falida. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3.1 DESCRIÇÃO DO MÉTODO O presente estudo tem como finalidade analisar o processo de retenção na fonte dos tributos sobre os serviços contratados em uma empresa de Home Care situada em Brasília. Para tal, foi utilizada a leitura de livros específicos ao tema, apostilas, leis específicas para retenção dos impostos. Diante disto, pode-se dizer que a pesquisa tem caráter descritivo, por meio de um estudo de caso desenvolvido de forma exploratória, através de fontes documentais, coletadas na empresa pelo próprio pesquisador. Dos documentos coletados, foram separados e analisados os que apresentam os dados da empresa, as notas fiscais que identificam os valores retidos, os pagamentos das guias e documentos de arrecadação dos impostos federais e municipais e suas declarações a cada ente público.

12 12 4 ESTUDO DE CASO: RETENÇÃO DE TRIBUTOS EM SERVIÇOS PRESTADOS A UMA EMPRESA DE HOME CARE Nesta seção serão apresentadas as características da empresa, objeto do estudo de caso, e sua metodologia empregada para a análise da retenção dos tributos federais, municipais e contribuições sobre os serviços prestados. 4.1 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA O estudo de caso em questão foi aplicado em uma empresa de Home Care, que presta assistência a paciente em domicilio, fundada em Brasília-DF, no ano de A empresa é pioneira e líder no segmento de Home Care no Distrito Federal, reconhecida pela alta complexidade no tratamento de doenças crônicas e degenerativas em regime domiciliar. A empresa presta serviço de Internação Domiciliar a um grande número de pacientes das mais diversas patologias. Adotou desde o início uma postura inovadora aliando tecnologia e atendimento especializado, desenvolvendo um novo conceito de se fazer medicina. Desde então, continua empregando os recursos mais modernos somados ao conhecimento de profissionais altamente especializados. O diferencial envolve o tratamento intensivo de pacientes em regime de internação domiciliar, pacientes na maior parte das vezes provenientes diretamente de Unidades de Tratamento Intensivo e de longa permanência hospitalar. Possui uma equipe formada para promover e valorizar ao máximo a humanização do atendimento. Possui uma infra-estrutura que tem como objetivo garantir a excelência do atendimento e a satisfação de todos os envolvidos nos processos. A cultura e os valores humanitários da empresa se somam à seriedade dos profissionais. Home Care é definido como: O Home Care deve ser compreendido como uma modalidade contínua de serviços na área de saúde, cujas atividades são dedicadas aos pacientes/clientes e a seus familiares em um ambiente extra-hospitalar. O propósito do Home Care é promover, manter e/ou restaurar a saúde, maximizando o nível de independência do cliente/paciente, enquanto minimiza os efeitos debilitantes das várias patologias e condições que gerência. Este tipo de serviço é direcionado não somente aos pacientes, como também, de forma diferenciada, aos seus familiares em qualquer fase de suas vidas; seja para aqueles que aguardam seu restabelecimento e retorno às suas atividades normais, ou para os que necessitam de gerenciamento constante de suas atividades como também, para pacientes que necessitam de acompanhamento em sua fase terminal. No gerenciamento desses serviços devem ser usados critérios técnicocientíficos e as decisões devem ser baseadas no melhor nível de evidência clínica possível, para cada procedimento. Essa prática é necessária em função da complexidade do meio ambiente do paciente, dos tipos de cuidados médicos exigidos, dos recursos, das condições psicofísicas do cliente/paciente e das patologias a serem gerenciadas.(leme, 2013). 4.2 APRESENTAÇÃO DOS DADOS As informações coletadas para esta pesquisa foram retiradas das notas fiscais, documentos coletados através de um levantamento junto à Coordenação Financeira da empresa.

13 13 Além das atividades administradas pela própria empresa, possui contrato de prestação de serviços terceirizados com as empresas: Afinko Organização Contábil & Associados Ltda-ME, Ákila Cooperativa de Trabalhadores em Gestão de Saúde, Apliq Home Care Armazenagem e Distribuição de Produtos e Equipamentos Médicos Hospitalares Ltda-ME, Fisiofam Reabilitação Ltda-ME, Elizabeth Dias dos Santos Fisioterapia - ME, Iberwan do Brasil Informática Ltda e Immunitá Clínica de Infectologia e Reumatologia Ltda. A empresa estudada contrata as empresas supracitadas, como prestadoras de serviços, com 07 (sete) tipos de contratos firmados de acordo com as funções apresentadas no quadro 1: Quadro 1 Contratos Firmados Empresa Contratada Afinko Organização Contábil Ákila Cooperativa de Trabalhadores Apliq Home Care Armazenagem Fisiofam Reabilitação Elizabeth Dias Dos Santos Iberwan do Brasil Informática Ltda. Immunitá Clínica de Infectologia Fonte: elaborado pelo autor. Serviço Contratado Honorários Contábeis Atos Cooperativos Locação de Equipamento Médico Fonoaudiologia Domiciliar Fisioterapia Domiciliar Licença de Uso IW-Care Honorários Médicos Infectologia O pagamento ocorre mensalmente, por meio de 07 (sete) notas fiscais emitidas pela contratada, cada uma delas discriminando o serviço fornecido, os dados do contratado, os valores e tributos retidos, o valor total da nota, o total da retenção e o valor líquido a ser pago. O quadro 02 discrimina os valores, alíquotas e retenções realizadas em cada serviço fornecido, em um mês típico: Quadro 2 Valores dos Serviços e Retenções Serviços Valor Total da Nota PIS (0,65%) COFINS (3%) CSLL (1%) IRRF (1,5%) ISS (5%) INSS (11%) Valor Líquido da Nota Honorários Contábeis Atos Cooperativos Locação de Equipamentos Fonoaudiologia Domiciliar Fisioterapia Domiciliar Sistema Licença de Uso Honorários Médicos R$ 7.500, R$ 7.500,00 R$ , R$ ,92 R$ , R$ ,00 R$ ,00 154,24 711,90 237,30 355, R$ ,60 R$ ,50 152,46 703,67 234,56 351, R$ ,98 R$ 6.026,54 39,17 180,80 60,27 90, R$ 5.655,91 R$ 5.327,65 34,63 159,83 53,28 79, R$ 5.000,00 Fonte: elaborado pelo autor. A partir desse momento a empresa se torna substituto tributário, sendo obrigada a reter e a recolher todos os impostos destacados e pagará à empresa contratada o valor líquido da nota fiscal, deduzidos os valores das retenções discriminadas acima. As alíquotas elencadas foram retiradas dos percentuais estabelecidos na legislação.

14 14 No corpo das Notas Fiscais emitidas pelas prestadoras de serviços, devem estar especificados os percentuais e valores de cada contribuição, bem como o total da retenção. Quando os serviços ultrapassam R$ 5.000,00 (cinco mil reais), deve ser efetuada a retenção do PIS, COFINS, CSLL no total de 4,65% a serem distribuídos da seguinte maneira: Quadro 3 Percentual de Retenção Lei nº /03 Contribuições sociais federais % 1 COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social 3% 2 CSLL Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido 1% 2 PIS Programa de Integração Social 0,65% Total: 4,65% Fonte: elaborado pelo autor. O quadro 04 discrimina os valores, alíquotas e retenções dos contribuintes individuais: Quadro 4 Retenção de Contribuintes Individuais Segurado Autônomo Valor do Serviço R$ 3.714,75 Alíquota (INSS) 11% Alíquota (ISS) 5 % Valor Retenção R$ 594,36 Valor Líquido R$ 3.120,39 Fonte: elaborado pelo autor. 4.3 ANÁLISE DOS DADOS RETENÇÃO DO PIS/COFINS/CSLL Dentre as atividades sujeitas à retenção, as atividades de fonoaudiologia domiciliar, fisioterapia domiciliar, licença de uso IW Care e fonoaudiologia, fisioterapia, sistema operacional e honorários médicos de infectologia, são atividades prestadas na empresa. O valor da retenção e do recolhimento das contribuições tem como alíquota de PIS 0,65% (sessenta e cinco centésimos por cento); de COFINS, 3% (três por cento); de CSLL, 1% (um por cento); totalizando um percentual de 4,65% (quatro inteiros e sessenta e cinco centésimo por cento); que será aplicado sobre o valor bruto da nota ou documento fiscal e recolhido pelo código de arrecadação 5952 da Receita Federal, não se permite nenhuma dedução, ou seja, a base de cálculo do tributo é o valor total do serviço prestado. Os valores dessas contribuições são recolhidos quinzenalmente e repassados ao tesouro nacional pela fonte pagadora. A fonte pagadora está dispensada da retenção das devidas contribuições se o valor total do documento fiscal for inferior ou igual a R$ 5.000,00 (cinco mil reais), mas está obrigada a fazê-lo se o serviço contratado for igual ou superior a R$ 5.000,01 (cinco mil reais e um centavo). Segue uma demonstração de nota fiscal emitida pela Immunitá Clínica de Infectologia e Reumatologia Ltda., prestadora de serviços referente a honorários médicos de infectologia:

15 15 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS IMUNNITÁ CLÍNICA DE INFECTOLOGIA E REUMATOLOGIA LTDA. NOME/RAZAO SOCIAL/TOMADOR DO SERVIÇO Home Care CNPJ/CPF / DATA DA EMISSÃO 03/02/2012 CÓD. QTD DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS ALÍQ. % PREÇOS UNITÁRIO TOTAL HONORÁRIOS MÉDICOS Retenção 4,65% Retenções Sofridas IRPJ 1,5% PIS/COFINS/CSLL 75,00 PIS/COFINS/CSLL 4,65 % 232, , ,65 Valor Líquido a Pagar: R$ 5.000,00 BASE DE CÁLCULO DO ISS VALOR DO ISS TOTAL: 5.327,65 Quadro 05 Nota Fiscal Exemplo Retenção PIS/COFINS/CSLL 4,65% - Honorários Médicos. Fonte: Elaborado pelo pesquisador Os valores retidos demonstrados no Quadro 03 são recolhidos e preenchidos no DARF emitido pela própria empresa em nome do tomador de serviço com a descrição do número da nota fiscal retida e o número de série, sendo encaminhadas à tomadora de serviço, como o modelo abaixo: Figura 1 Modelo de Documento de Arrecadação de Receita Federal DARF Fonte: Receita Federal do Brasil (http://www.receita.fazenda.gov.br) O código a ser preenchido no DARF é o código Lembrando que a falta de retenção ou recolhimento, dentro do prazo fixado, deve ser aplicada multa de 0,33% por dia de atraso, limitada a 20% do valor original da retenção. À multa de mora soma-se a taxa Selic desde a do mês seguinte ao do vencimento do tributo ou contribuição até a do mês anterior ao do pagamento, e acrescenta-se a esta soma 1% referente ao mês de pagamento.

16 RETENÇÃO DO IRRF A retenção e o pagamento do Imposto Retido na Fonte são de total responsabilidade da pessoa jurídica, que é a fonte pagadora, tomadora do serviço. O recolhimento é feito pela matriz, por meio de Documento de Arrecadação Fiscal da Receita Federal (DARF), que tem como obrigação repassá-lo para as instituições financeiras autorizadas, situadas no local onde se encontra o estabelecimento responsável pela retenção. Cabe à fonte pagadora analisar e observar a legislação vigente, para que se cumpram todas as determinações. A alíquota do IRRF, conforme artigos 647, 648, 651 e 652 do Decreto nº 3.000, de 26 de março de 1999, é de 1,5%, e sua base de cálculo é o rendimento total, sem deduções, A Tomadora do Serviço realiza a retenção e recolhimentos do imposto de renda na prestação de serviços de atos cooperativos, fonoaudiologia domiciliar, fisioterapia domiciliar, licença de uso IW Care, honorários médicos infectologia e gerenciamento de documentos, conforme o Quadro 1. Segue uma demonstração de cálculo de uma nota fiscal emitida pela Fisiofam Reabilitação, referente a serviços de fonoaudiologia. NOTA FISCAL DE SERVIÇOS FISIOFAM REABLITAÇÃO LTDA-ME NOME/RAZAO SOCIAL/TOMADOR DO SERVIÇO Home Care CNPJ/CPF / DATA DA EMISSÃO 03/02/2012 CÓD. QTD DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS ALÍQ. % UNITÁRIO PREÇOS TOTAL SERVIÇOS PRESTADOS DE FONOAUDIOLOGIA DOMICILIAR Retenções Sofridas IRRF 1,5 % 355,95 PIS/COFINS/CSLL 1.103,44 Valor Líquido a Pagar: R$ ,60 Retenção 1,5% IRRF , ,0 0 BASE DE CÁLCULO DO ISS VALOR DO ISS TOTAL: ,00 Quadro 06 Nota Fiscal Exemplo Retenção IRRF 1,5% - Prestação de Serviços de Fonoaudiologia. Fonte: Elaborado pelo pesquisador Na emissão do documento fiscal não é obrigatório destacar o IRRF no corpo da nota fiscal, o que pode ocorrer para facilitar e alertar quanto ao recolhimento e retenção. Entretanto, caso essa retenção não seja informada no corpo do documento fiscal, isso não desobriga a fonte pagadora de reter e recolher o devido imposto. Conforme a Instrução Normativa da Receita Federal nº 765/2007: art. 1º, Fica dispensada a retenção do imposto de renda na fonte sobre as importâncias pagas ou creditadas a pessoa jurídica inscrita no Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Micro-empresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional).

17 17 As empresas prestadoras de serviços, Afinko Organização Contábil e Apliq Home Care Armazenagem são optantes pelo Simples Nacional, estão dispensadas da devida retenção e recolhimento. É importante ressaltar que, quando o valor do imposto retido na fonte for inferior a R$ 10,00 (dez) reais, a fonte pagadora está dispensada de reter e recolher o imposto, limite que se aplica a cada importância paga ou creditada, sem levar em consideração os pagamentos ou créditos anteriores, inferiores a R$ 10,00. A fonte pagadora responsável pela retenção e pagamento do tributo deve observar a legislação vigente e ficar atenta às suas mudanças, para que possa cumprir com suas obrigações fiscais de acordo com a lei RETENÇÃO DO ISS - PESSOA JURÍDICA Nota-se que as empresas contratadas, conforme quadro 01, não realizam a retenção do ISS, pois não estão enquadradas no Art. 8º do decreto abaixo. De acordo com o Decreto de 19 de janeiro de 2005, Art. 8º Fica atribuída a responsabilidade pela retenção e recolhimento do imposto, quando vinculados ao fato gerador, na condição de contratante, fonte pagadora ou intermediário, e cujo local de prestação do serviço situe-se no Distrito Federal: I - às empresas de transporte aéreo; II - às empresas seguradoras; III - às administradoras de planos de saúde, de medicina de grupo, de títulos de capitalização e de previdência privada; IV - aos bancos, instituições financeiras e caixas econômicas, bem assim à Caixa Econômica Federal, inclusive pelo imposto relativo à comissão paga aos agentes lotéricos; V - às agremiações e clubes esportivos ou sociais; VI - aos produtores e promotores de eventos, inclusive de jogos e diversões públicas; VII - à concessionária de serviço de telecomunicação, inclusive do imposto relativo aos serviços de valor adicionado prestados por intermédio de linha telefônica; VIII - aos órgãos e entidades da Administração Pública Direta e Indireta; IX - aos hospitais e clínicas privados; X - às empresas da indústria automobilística; XI - ao subcontratante ou empreiteiro; XII - aos condomínios comerciais e residenciais; XIII - aos serviços sociais autônomos; XIV - aos estabelecimentos industriais; XV - aos concessionários, permissionários e autorizatários de serviço público regulado por órgão ou entidade federal, estadual, distrital ou municipal RETENÇÃO DO INSS PESSOA JURÍDICA DISPENSA DA RETENÇÃO A empresa de Home Care está dispensada de efetuar a retenção do INSS, conforme quadro 01, porque as empresas contratadas não possuem empregados e os serviços são prestados pessoalmente pelo titular ou sócio.

18 EMPRESAS CONTRATADAS OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL As empresas Afinko Organização Contábil & Associados Ltda-ME e Apliq Home Care Armazenagem estão dispensadas da retenção, pois são optantes pelo Simples nacional, conforme dispositivos previstos nas Instruções Normativas nº 08 de 21/01/2002, nº 71 de 10/05/2002, e nº 80 de 27/08/ EMPRESA CONTRATADA COOPERATIVA DE TRABALHO A empresa contrata serviços de cooperados intermediados pela Ákila Cooperativa de Saúde, por isso ficará compelida ao recolhimento da cota patronal de 15%, conforme estabelece o inciso III do artigo 201 do Decreto 3.048/1999, verbis: Das contribuições da empresa Art. 201 a contribuição a cargo da empresa, destinada à seguridade social, é de 15% sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços, relativamente a serviços que lhes são prestados por cooperados por intermédio de cooperativas de trabalho. As cooperativas de trabalho estão sujeitas à retenção em decorrência de contrato de serviços com pessoas jurídicas, no período de fevereiro de 1999 a fevereiro de A partir de março de 2000 passa a vigorar a lei n 9.876/99 que altera a forma de contribuição sobre esta prestação específica, ou seja, a empresa contratante deverá a seu cargo, contribuir com 15% sobre o valor bruto da nota fiscal, fatura ou recibo emitida pela cooperativa, relativamente aos serviços prestados por cooperados. Permite-se também a dedução de valores correspondentes a material e/ou equipamentos. Ressalta-se, por importante, que a alíquota de 15% não será retida em Nota Fiscal, muito menos descontada da Cooperativa de trabalho. Ao contrário, a contribuição em questão é um encargo da empresa contratante do serviço e será recolhida na Guia da Previdência Social (GPS) empresarial. 4.4 RETENÇÃO DO INSS DE PESSOAS FÍSICAS A empresa também é obrigada a arrecadar a contribuição previdenciária dos contribuintes individuais que tenham prestado serviço naquele estabelecimento mediante desconto na remuneração paga, devida ou creditada a este segurado. O código a ser utilizado na guia é o 2100 da contribuição retida da Nota Fiscal ou recibo do contribuinte individual. O fato que gera a obrigação para empresa efetuar a retenção e recolhimento da contribuição previdenciária é o pagamento ou crédito da remuneração ao contribuinte individual, no decorrer do mês, pelos serviços prestados. No quadro 4 foram demonstradas as retenções dos contribuintes individuais (autônomos). A empresa contratante deverá elaborar mensalmente a Guia de Recolhimento de Fundo de Garantia e Informações à Previdência Social GFIP, com informações sobre os serviços prestados por contribuinte individual, consignando os dados pessoais, o valor bruto dos serviços, o valor do salário-decontribuição, o valor retido e o valor líquido pago.

19 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS DIRF A empresa anualmente deverá informar à Receita Federal, através da DIRF (Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte), os impostos que foram retidos no ano anterior. Os dados contidos na DIRF são separados por código de retenção contendo o nome do declarante, CNPJ E CPF do responsável. Caso haja retenção de IRPF de algum funcionário ou da própria empresa, deverá ser informado o nome, CPF o total de rendimentos, as deduções e o imposto retido. No caso das retenções efetuadas de pessoas jurídicas, será informado o nome empresarial, o código da retenção, o CNPJ do prestador de serviço, o mês de referência com os rendimentos, o valor do imposto retido e o total. Em seguida são apresentados os relatórios: o comprovante de rendimentos pagos e de Retenção de Imposto de Renda na Fonte, caso haja, o comprovante anual de rendimentos pagos ou creditados e de retenção de imposto de renda na fonte PJ, caso haja e por último o comprovante anual de retenção de CSLL, COFINS e PIS (Lei nº , art. 30) e as informações do contabilista que declarou. O prazo de entrega é até o final de fevereiro e a falta de entrega ou declaração incorreta pode acarretar elevada multa. Deverá também fornecer comprovante anual das retenções, conforme modelo previsto no Anexo II da IN SRF nº 459/04, a qual poderá ser disponibilizada por meio da Internet OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS SEFIP A SEFIP é a sigla para Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informação à Previdência Social. É um aplicativo desenvolvido pela CAIXA por meio do qual o empregador/contribuinte consolida os dados cadastrais e financeiros da empresa e trabalhadores a serem repassados ao FGTS e à Previdência Social. O arquivo gerado pelo SEFIP deverá ser transmitido por meio da Internet, utilizando-se o aplicativo Conectividade Social, disponível para captura no site da CAIXA (www.caixa.gov.br). É através deste aplicativo que se transmite o conjunto de informações destinadas ao FGTS e à Previdência Social. O documento a ser utilizado para prestar estas informações é a GFIP. Destina-se a todas as pessoas físicas ou jurídicas e contribuintes equiparados à empresa. São declaradas as informações do trabalhador contratado pela Tomadora do Serviço, contendo o número do PIS e o valor da retenção de cada um deles, constando na relação dos trabalhadores no arquivo SEFIP. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS A retenção e o recolhimento dos impostos pela pessoa jurídica tomadora de serviços se reveste de fundamental importância, visto que todo contribuinte deve agir de acordo com as leis que regem o recolhimento de impostos ao erário. A complexidade deste tema demonstra porque grande parte das empresas brasileiras tem irregularidades no pagamento de tributos junto aos Órgãos do Governo. Isto acontece porque muitas dessas empresas não organizam um setor ou departamento fiscal para fazer esses controles. Recomenda-se que os responsáveis ao receberem as notas fiscais de prestação de serviços realizem o repasse em

20 20 tempo hábil à contabilidade, da documentação necessária para preparação das guias para pagamentos dos tributos retidos. Sabe-se que o desconhecimento legal por parte dos profissionais que atuam na área fiscal, financeira e outros gestores encarregados de autorizar pagamentos pode causar sérios prejuízos financeiros em seus planejamentos financeiro-tributários. Este estudo constitui uma pesquisa de auxilio aos administradores e contadores que trabalham nesta área, servindo de vital importância no acompanhamento das retenções nos serviços contratados e na comunicação dos riscos que correm pela desobediência das normas legais, e permitiu aferir, também, que a administração das empresas deve investir constantemente em treinamento de seus colaboradores para atender às contínuas exigências da prestação de seus serviços com qualidade, evitando assim, omissões ou fraudes quanto às responsabilidades fiscais. O objetivo geral deste estudo foi analisar o processo de retenção na fonte nos serviços contratados em uma empresa de Home Care. A pesquisa buscou mostrar a resposta para a seguinte problemática: Como a empresa tomadora de serviço pode evitar a apropriação indébita e a omissão da retenção e do recolhimento dos impostos na prestação de serviços? Evidenciou-se todos os tributos e a demonstração de cálculos retidos por meio de um estudo de caso. Apresentou-se a relação dos tributos presentes no processo de retenção das esferas federais (PIS, COFINS, CSLL) e municipais (ISS), seus recolhimentos por intermédio do DARF e da contribuição ao INSS através da GPS, tanto para pessoas jurídicas como para pessoas físicas. Foram demonstrados os cálculos pertinentes às retenções, com suas alíquotas e valores cobrados dos prestadores de serviços de Honorários Contábeis, Atos Cooperativos, Locação de Equipamentos, Fonoaudiologia Domiciliar, Fisioterapia Domiciliar, Sistema - Licença de Uso, Honorários Médicos de Infectologia e dos contribuintes individuais envolvidos no estudo de caso. Por meio dos dados coletados e analisados em uma empresa de Home Care, percebeu-se quais valores são retidos e pagos aos fornecedores após as retenções. E terceiro e último objetivo específico foi a análise de cada retenção em suas devidas esferas e as informações declaradas a cada ente público, a identificação das obrigações tributárias em que a empresa de Home Care deve cumprir ao contratar os seus prestadores de serviços. É importante ressaltar que a Receita Federal do Brasil, entre outras atribuições, pode proceder ao exame da contabilidade da empresa por Auditores- Fiscais, ficando a mesma obrigada a prestar todos os esclarecimentos e informações solicitados. Desta forma, é de se alertar que as empresas devem ter sua contabilidade em dia e seus apontamentos registrados de forma a prestar informações aos órgãos do governo. Entende-se que é possível obter êxito no processo de gerenciamento na retenção e recolhimento dos tributos a partir do conhecimento das leis e no processo de organização da empresa. 6 REFERÊNCIAS BRASIL. Código Tributário Nacional, Lei nº 5.172, de 25 de outubro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5172.htm> Acesso em 02 Out 2013.

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

http://www.merchant.com.br

http://www.merchant.com.br DOU de 29.10.2004 Dispõe sobre a retenção de tributos e contribuições nos pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas de direito privado a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços. O SECRETÁRIO

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA, CONSERVAÇÃO E LOCAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA PROCEDIMENTO SUMÁRIO: 1. Serviços Prestados por Pessoas Jurídicas 1.1. Incidência 1.2. Serviços de Limpeza e Conservação

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica 19/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 6 - Data 6 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF IRPJ. RETENÇÃO NA FONTE.

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Treinamento. Uniodonto Maceió

Treinamento. Uniodonto Maceió Treinamento Uniodonto Maceió Contabilidade Contabilidade é a ciência que tem como objeto de estudo o patrimônio das entidades, seus fenômenos e variações, tanto no aspecto quantitativo quanto no qualitativo,

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA Aos Administradores da Associação

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5. 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) 5

3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5. 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado) 5 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 5 2 INTRODUÇÃO 5 3 ORIENTAÇÃO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE RETENÇÃO 5 4 CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 5 4.1 IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 5 4.1.1 ALÍQUOTA E DEDUÇÕES (Item alterado)

Leia mais

Apresentação. Objetivo. Público-alvo

Apresentação. Objetivo. Público-alvo Apresentação Com a nova in RFB 1.234/12 que revoga a in SRF 480/04 alteração da in RFB 971/09 pela in RFB 1.238/12 as inovações da retenção de tributos e contribuições socias Como calcular e reter tributos

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I.

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I. 1 CONTAJURIS ASSESSORIA EMPRESARIAL S/C LTDA Rua Sady de Marco, 52-D Bairro Jardim Itália Chapecó SC www.contajuris.com.br - Fone: 49 3323-1573 / 3323-0388 A partir de Fevereiro/2004 as empresas de serviços

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 Até dia Obrigação 3 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.11.2014,

Leia mais

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE?

O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? SUMÁRIO I O QUE É A RETENÇÃO NA FONTE? I.1 - RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA... 23 II SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS II.1 - IRRF - SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS... 29 II.1.1 - Hipóteses

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA 1- Examinamos os Balanços Patrimoniais

Leia mais

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS

RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS OUTUBRO / 2015 RETENÇÕES TRIBUTÁRIAS ISS PIS / COFINS CSLL / IRRF IRF OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS DEFINIÇÕES BÁSICAS Quem é contribuinte do imposto: É sempre o que pratica o fato gerador.

Leia mais

CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA LEI Nº 2.182, DE 24 DE MAIO DE 2011. Institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços no Município de Louveira, define forma, prazo e declarações de recolhimento do ISSQN pelo Sistema Eletrônico e dá outras

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA LEGISLAÇÃO Lei 8.212 de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e 11.941/2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires DECRETO Nº 5.204, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 Regulamenta a Lei Municipal nº 2533/1998 Código Tributário Municipal e Leis que a complementam, no que diz respeito à escrituração fiscal e ao registro de serviços

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1

LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 306 1 Institui hipótese de responsabilidade pelo pagamento do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO Nº 027, DE 19 DE MARÇO DE 2015.

DECRETO EXECUTIVO Nº 027, DE 19 DE MARÇO DE 2015. DECRETO EXECUTIVO Nº 027, DE 19 DE MARÇO DE 2015. Regulamenta os dispositivos da Lei Complementar nº002, de 28 de dezembro de 2001 - Código Tributário Municipal, dispondo sobre a Nota Fiscal de Serviços

Leia mais

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped.

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped. 001 O que é a EFD-Contribuições? A EFD-Contribuições é a Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LUCRO PRESUMIDO (COM RESTRIÇÕES) LUCRO REAL SIMPLES NACIONAL (COM RESTRIÇÕES) LEI nº 9.716/98 Artigo 5º As pessoas jurídicas que tenham como objeto

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS

EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS EMBASAMENTO LEGAL SOBRE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS PRESTADOS POR PESSOAS JURÍDICAS Art. 647. Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte, à alíquota de um e meio por cento,

Leia mais

NFTS (NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO TOMADOR/INTERMEDIÁRIO DE SERVIÇOS)

NFTS (NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO TOMADOR/INTERMEDIÁRIO DE SERVIÇOS) NFTS (NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO TOMADOR/INTERMEDIÁRIO DE SERVIÇOS) A Nota Fiscal Eletrônica do Tomador/Intermediário de Serviços NFTS foi instituída pela Lei Nº 15.406, de 8 de julho de 2011, e se destina

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 Até dia Obrigação 4 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2015,

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no 2º do artigo 10, do Código Tributário do Município de Caucaia,

CONSIDERANDO o disposto no 2º do artigo 10, do Código Tributário do Município de Caucaia, DECRETO Nº 319, DE 04 DE OUTUBRO DE 2011 Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica, dispõe sobre a escrituração eletrônica de serviços, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CAUCAIA, no

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014:

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014 03/Abril. 5ª Feira. IOF - Imposto sobre Operações Financeiras. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: - Operações

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 Referência : Correio eletrônico de 13/3/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 453/2014.

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Compensação de Títulos com Retenção de PIS e COFINS

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Compensação de Títulos com Retenção de PIS e COFINS Compensação de Títulos com 04/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 A Compensação como Forma de Extinção da Obrigação...

Leia mais

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT Fl. 11 Fls. 1 nfls txtfls Solução de Consulta Interna nº MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO GERAL DE TRIBUTAÇÃO 27 Data 13 de setembro de 2013 Origem SRRF06/DISIT

Leia mais

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Cadeia tributária nacional Exemplo prático. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Cadeia tributária nacional Exemplo prático Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo demonstra de forma clara e objetiva as varias fases da cadeia tributária nacional, criando um exemplo

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 38 - Data 2 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias Ementa: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP MEDIANTE ALÍQUOTA DE 1% (UM POR CENTO) INCIDENTE SOBRE A FOLHA DE SALÁRIO

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo DECRETO N.º 501, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta a instituição do gerenciamento eletrônico do ISSQN- Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a escrituração econômico-fiscal e a emissão de documento

Leia mais

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS!

QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O. São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! QSM NEWS B O L E T I M I N F O R M A T I V O São Paulo, 02 de janeiro de 2012 - Ano 8 - nº 01 www.qsm.com.br ANO NOVO, NOVAS MUDANÇAS! O fato de mudarmos de ano nos faz revigorados e prontos para novos

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016 033 18/12/2015 1 de 14 DIA 04 1.ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Recolhimento do ICMS/ Substituição Tributária correspondente a fatos geradores ocorridos no mês de outubro/2015 pelas empresas cujas autopeças,

Leia mais

DECRETO Nº 29.080, DE 09 DE SETEMBRO DE 2009

DECRETO Nº 29.080, DE 09 DE SETEMBRO DE 2009 DECRETO Nº 29.080, DE 09 DE SETEMBRO DE 2009 Regulamenta os artigos 94, 116, 118, 120 e 122 além de outros dispositivos correlacionados da Lei Complementar n.º 136, de 29 de dezembro de 2006, disciplinando

Leia mais

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 (Dispõe sobre a instituição e obrigatoriedade da nota fiscal eletrônica de serviços, da declaração eletrônica de prestadores e tomadores de serviços, com pertinência

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA NOVEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 5 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.10.2015,

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E CLÍNICAS IR? COFINS?? INSS? PIS SUMÁRIO 1 Introdução 3 2 Planejamento 5 3 Simples Nacional com a inclusão de novas categorias desde 01-2015 8 4 Lucro

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 3 IRRF Salário de Agosto de 2015 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.08.2015, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL Décimo Terceiro Salário Nesta orientação, vamos apresentar como deve ser preenchida a declaração do SEFIP Sistema

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

DECRETO Nº 15.206, DE 29 DE SETEMBRO DE 2006.

DECRETO Nº 15.206, DE 29 DE SETEMBRO DE 2006. DECRETO Nº 15.206, DE 29 DE SETEMBRO DE 2006. REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI Nº 4.994/1995 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS VITOR LIPPI, Prefeito do Município de Sorocaba, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA

Quadro Demonstrativo dos Impostos e Contribuições a serem retidos: CONFORME TABELA PROGRESSIVA PESSOA JURIDICA Prezado Credenciado, A Postal Saúde Caixa de Assistência e Saúde dos Empregados dos Correios, pessoa jurídica de direito privado, associação sem fins lucrativos, operadora de plano de saúde na modalidade

Leia mais

MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE

MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE 1 MANUAL DE IMPOSTOS RETIDOS NA FONTE 2 3 1. INTRODUÇÃO 4 2. IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF 4 2.1. Dispensa de efetuar a retenção 5 2.2. Prazo de recolhimento 6 2.3. Situações específicas para

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE COTIA Estado de São Paulo

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE COTIA Estado de São Paulo LEI COMPLEMENTAR Nº 98, DE 23 DE JULHO DE 2008. INSTITUI O GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA ISSQN, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOAQUIM H. PEDROSO NETO, Prefeito do

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Valor Mínimo para Retenção do IRRF e a Cumulatividade

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Valor Mínimo para Retenção do IRRF e a Cumulatividade 07/08/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 7 4. Conclusão... 10 5. Informações Complementares... 11 6. Referências... 12

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015

RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS. Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 RETENÇÕES NA FONTE - ISSQN, IRRF, PIS/COFINS/CSLL E INSS Katia de Angelo Terriaga Agosto/2015 Programa Retenções na Fonte ISSQN, IRRF, - Fato Gerador; - Tipos de Serviços; - Responsável Tributário; - Apuração

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal Dedução de dependentes da base de cálculo do IRRF - Federal 03/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão...

Leia mais

Palestra. Aspectos Relevantes das Retenções na Fonte de PIS/PASEP, COFINS, CSLL e IRRF. agosto 2012. Apoio: Elaborado por:

Palestra. Aspectos Relevantes das Retenções na Fonte de PIS/PASEP, COFINS, CSLL e IRRF. agosto 2012. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 255 - Data 15 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA. EMPRESAS

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 14 Data Tributos Descrição 03 03 IOF COMPROVANTE MENSAL DE RETENÇÃO DA PARA O PIS/PASEP E DA COFINS - AUTOPEÇAS 03 IR/FONTE 06 SALÁRIOS

Leia mais

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes :

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes : Retenção de Tributos e Contribuições Federais nos pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e pela prestação de serviços Dr. Fabiano Gama Ricci* 1.Considerações

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Até: Segunda-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de março/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/DIR/2013 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO DE ORIENTAÇÕES SOBRE ENCARGOS INCIDENTES SOBRE PESSOAL E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS PELO P1MC/P1+2

MANUAL SIMPLIFICADO DE ORIENTAÇÕES SOBRE ENCARGOS INCIDENTES SOBRE PESSOAL E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS PELO P1MC/P1+2 MANUAL SIMPLIFICADO DE ORIENTAÇÕES SOBRE ENCARGOS INCIDENTES SOBRE PESSOAL E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS PELO P1MC/P1+2 Facilitadores: Equipe Auditoria da AP1MC auditoria@asabrasil.org.br Abril/2011 Rua Nicarágua,

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES SETEMBRO/2015

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES SETEMBRO/2015 CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES SETEMBRO/2015 03.09 (5ª feira) - IRRF Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte, correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.08.2015, incidente sobre

Leia mais

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties ALUGUÉIS Retenção do Imposto Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties A legislação tributária prevê que constituem rendimento bruto sujeito ao Imposto de Renda

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 Até dia Obrigação Histórico 3 IRRF Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2011,

Leia mais

Edicarlos Lima Silva RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

Edicarlos Lima Silva RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA RETENÇÕES DE TRIBUTOS NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E OBRIGATORIEDADE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Edicarlos Lima Silva Auditor Público Externo Consultor de Estudos e Normas CONSIDERAÇÕES INICIAIS Objetivo -

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO N. 134/2010, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. Institui o gerenciamento eletrônico do ISS - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - e a emissão de Documento de Arrecadação Municipal - DAM - por meios

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais