República de Moçambique Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO"

Transcrição

1 República de Moçambique Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial de Maputo nos termos da alínea a) do artigo 23 da Lei nº 8/2003, de 19 de Maio, conjugado com alínea a) do artigo 27 do Decreto 11/2005, de 10 de Junho e à luz do artigo 1 do Estatuto Orgânico da Secretaria Provincial aprovado pela Resolução Nº 003/2006, da extinta Autoridade Nacional da Função Pública de 18 de Outubro, é aprovado o regulamento interno da Secretaria Provincial de Maputo, abrangendo as seguintes disposições: CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1 (Âmbito) 1. Com as necessárias remissões, o presente regulamento interno estabelece princípios e normas de organização, competências e funcionamento da Secretaria Provincial. 2. O presente regulamento interno aplica-se a todos os funcionários e agentes do Estado afectos na Secretaria Provincial de Maputo. ARTIGO 2 (Missão) 1. A Secretaria Provincial é um órgão do Aparelho Provincial do Estado que tem por missão assegurar o funcionamento permanente e regular dos serviços técnicoadministrativos nomeadamente, os de gestão dos recursos humanos, materiais e financeiros da área da Função Pública e Administração Local do Estado, através da realização das seguintes funções: a) Prestar a assistência técnica e administrativa ao Governo Provincial; b) Assegurar o acompanhamento e controlo da execução das decisões do Governo Provincial; c) Realizar as demais funções de gestão dos recursos humanos do quadro de pessoal provincial, bem como da gestão dos recursos humanos, materiais e financeiros da área da função pública e administração local do Estado; 1

2 d) Assistir o Governo Provincial na elaboração de relatórios de análise de actividades do Governo Provincial e da situação política, económica e social da província; e) Propor formas de aplicação de normas legais relativas à organização e funcionamento, estilo e métodos de trabalho dos órgãos locais do Aparelho de Estado na província e verificar a sua implementação; f) Acompanhar a planificação da formação, distribuição e aproveitamento dos técnicos e funcionários pelas direcções provinciais, serviços distritais e pelas unidades económicas e sociais subordinadas; g) Controlar, com base em planos, o cumprimento das decisões dos órgãos superiores do Estado; h) Dinamizar o processo de treinamento em administração pública para elevar o nível de conhecimentos técnicos profissionais das direcções provinciais e dos serviços distritais; i) Garantir maior capacidade de assistência técnica e administrativa aos distritos. ARTIGO 3 (Objectivo) A Secretaria Provincial tem por objectivo tornar mais célere a acção administrativa do Estado na Província, visando a satisfação das necessidades básicas dos cidadãos através do fornecimento de serviços de qualidade em tempo útil. ARTIGO 4 (Visão) A Secretaria Provincial tem em vista a construção de uma administração pública virada para o desenvolvimento. ARTIGO 5 (Valores) No exercício das suas funções os funcionários e agentes do Estado afectos à Secretaria Provincial, pautam pela observância dos valores profissionais, baseados na ética e respeito pelos cidadãos, nomeadamente: Servir o público com eficiência, eficácia, efectividade, objectividade e imparcialidade; Respeitar a ordem jurídica vigente; Utilizar racionalmente os recursos do Estado; Melhorar constantemente a qualidade dos serviços públicos, inovando para adaptarse às novas necessidades e exigências; Actuar com transparência, sem prejuízo de carácter restrito, confidencial e secreto dos documentos classificados como tal, nos termos da Lei; Apoiar os órgãos e outros funcionários de Estado de modo a que possam estar à altura de prestar trabalho de excelente qualidade ao público e, pôr à sua disposição 2

3 as informações pertinentes para a tomada de decisões, sem prejuízo da legalidade administrativa. Valores Éticos Os funcionários e técnicos da Secretaria Provincial devem: Exercer as suas funções dentro do espírito de servir o interesse público; Fazer sempre prevalecer o interesse público do interesse pessoal em casos de conflitos. Valores da pessoa humana Os funcionários e agentes do Estado na Secretaria Provincial devem: Respeitar a dignidade da pessoa humana; Tratar as pessoas com equidade e cortesia; Atender o público com urbanidade, zelo e diligência. CAPÍTULO II CONSTITUIÇÃO DOS ÓRGÃOS ARTIGO 6 (Direcção da secretaria provincial) A Direcção da Secretaria Provincial tem a Seguinte Composição: a) Secretário Permanente Provincial; b) Chefes de Departamento; c) Secretário do Governo Provincial; d) Chefes de Repartições; e) Inspector Chefe Provincial. ARTIGO 7 (Áreas de actividade) A Secretaria Provincial tem as seguintes áreas de actividade: a) Administração Territorial e Autárquica; b) Planificação e Apoio Institucional; c) Função Pública; d) Fiscalização e inspecção. 3

4 ARTIGO 8 (Estrutura) A Secretaria Provincial tem a seguinte estrutura: a) Departamento de Administração Territorial e Autárquica; b) Departamento de Planificação e Apoio Institucional; c) Departamento da Função Pública; d) Departamento de Administração e Recursos Humanos; e) Secretariado do Governo Provincial; f) Inspecção Administrativa Provincial; CAPITULO III COMPETÊNCIAS ARTIGO 9 (Secretário Permanente Provincial) Compete ao Secretário Permanente Provincial 1. No âmbito da administração em geral: Assegurar a coordenação da execução e controlo das decisões do Governo Provincial; a) Garantir a organização, planificação e controlo das actividades do Governo Provincial, em geral, e das áreas da função pública e da administração local do Estado, em particular; b) Assegurar o funcionamento permanente e regular dos serviços técnicoadministrativos, nomeadamente, os da gestão dos recursos humanos do quadro do pessoal provincial e a gestão dos recursos humanos, materiais e financeiros da área da função pública e da administração local do Estado; c) Garantir a fiscalização dos actos administrativos dos órgãos da administração Local do Estado, Autarquias, instituições tuteladas e subordinadas; d) Garantir que as petições, reclamações e sugestões dos cidadãos sejam devidamente tratadas e respondidas; e) Realizar os actos executivos de gestão dos recursos humanos; f) Manter o dirigente informado sobre as questões de administração interna, de gestão dos recursos humanos, materiais e financeiros e apresentar propostas pertinentes à decisão; g) Emitir ordens e instruções de serviço no âmbito das suas competências; 4

5 2. No âmbito da coordenação de actividades: a) Coordenar a elaboração, execução e o controlo dos planos e orçamentos das actividades do Governo Provincial; b) Assegurar a gestão adequada dos recursos materiais e financeiros; c) Promover a aplicação das normas e medidas de segurança e protecção no trabalho e no tratamento de informação classificada; d) Garantir a observância das normas relativas ao acesso e circulação de pessoas nas instalações do Governo Provincial, assim como os procedimentos protocolares e de circulação de expediente; e) Coordenar a preparação das reuniões do Governo Provincial e controlar a implementação das respectivas decisões; f) Assegurar a coordenação dos grupos de trabalho criados pelo Governo Provincial; g) Assegurar a realização de funções locais que não caibam especificamente na área de uma direcção ou serviço provincial; h) Coordenar a elaboração e implementação do regulamento interno do Governo Provincial. 3. No âmbito da gestão dos recursos humanos: a) Zelar pela implementação do Estatuto Geral dos Funcionários do Estado e legislação complementar; b) Assinar despachos, contratos e outros actos executivos de gestão de pessoal nacional ou estrangeiro, cuja nomeação ou contratação, tenham sido autorizadas pelo Governador Provincial; c) Autorizar a abertura de concursos de ingresso e promoção, nos termos regulamentares; d) Autorizar a desistência dos candidatos aprovados em concurso público para provimento de cargos públicos; e) Assegurar que os candidatos aprovados em concursos públicos, tenham oportunidade de desistir se assim o desejar e manifestar por escrito. 4. No âmbito da planificação e orçamentação: a) Garantir a elaboração de propostas do plano do orçamento corrente e de investimento; b) Garantir o controlo da execução do plano e do orçamento e assegurar a realização de inspecção; c) Autorizar despesas variáveis do orçamento dentro dos limites e parâmetros fixados. 5

6 5. No âmbito do património: a) Inspeccionar o cumprimento das normas sobre inventários e contas anuais, de acordo com o regulamento de Gestão dos Bens do Estado; b) Garantir a aplicação rigorosa da regulamentação sobre a utilização dos bens do Estado; c) Organizar o processo do abate dos bens classificados de incapazes para o serviço do Estado em coordenação com os serviços competentes; d) Garantir a organização e planificação do processo de aquisição, inventário, manutenção, uso e controlo de bens materiais. ARTIGO 10 (Competências do Inspector Chefe Provincial) 1. Compete ao Inspector Chefe Provincial: a) Dirigir e coordenar toda a acção da Inspecção Administrativa Provincial (IAP) b) Presidir as sessões do Colectivo de Inspectores; c) Reportar periodicamente ao Governador Provincial, ao Inspector-geral da Administração Local o relatório das actividades e missões incumbidas, bem como ao Secretário Permanente Provincial após autorização do Governador; d) Coordenar com a Secretaria Provincial todas as actividades da IAP, sobretudo as relacionadas com a administração, recursos humanos e logística; e) Apresentar e submeter para apreciação do Governador Provincial os relatórios de inspecção; f) Responder perante o Governador e Inspector-geral da Administração Local sobre todos os actos administrativos e de gestão da Inspecção Provincial; g) Prestar assistência ao Governador Provincial na verificação do cumprimento das normas legais pelos Órgãos do Estado a nível Provincial e Distrital, pelas Autarquias Locais e outras Instituições Tuteladas e pelas Instituições Subordinadas quando não se encontrar na situação de assessor ou assistente; h) Deslocar-se ou fazer deslocar brigadas de inspecção quando mandatado pelo Governador da Província as instituições subordinadas e tuteladas, bem como nas Autarquias Locais, para verificar, controlar a implementação, o cumprimento atempado das decisões e orientações do Presidente da República, do Conselho de Ministros, do Governo Provincial, bem como de outros dirigentes superiores do Estado; i) Indicar inspectores para integrar as equipas centrais da Inspecção Administrativa Local(IAL) sempre que for solicitado; j) Distribuir pelos técnicos tarefas de inspecção e, designar os Chefes de Brigada para as missões inspectivas tendo em conta a complexidade da missão e especificidade de cada técnico ou inspector; 6

7 k) Propor ao Governador Provincial as providências que julgar convenientes para a regularidade e eficiência dos serviços de inspecção ao nível da província; l) Articular, sempre que for necessário, com outras inspecções sectoriais ao nível das diferentes direcções provinciais e outros sectores de actividades; m) Monitorar ao nível local as principais decisões emanadas pelo governador no concernente aos planos, programas de actividades dos Governos Distritais; n) Avaliar o desempenho dos inspectores, Técnicos e funcionários afectos a IAP. 2. Ao que não se mostrar específico, os Inspectores Chefes Provinciais guiam-se pelo regulamento interno da IAL. ARTIGO 11 (Competências do Chefe de Departamento) Compete ao Chefe de Departamento: a) Coordenar as actividades do departamento que chefia, garantindo a implementação das respectivas funções; b) Zelar pelo cumprimento dos actos normativos e regulamentares no âmbito das suas funções; c) Distribuir tarefas pelos funcionários do departamento e zelar pela disciplina e rendimento na prestação de serviços; d) Emitir pareceres sobre diversos assuntos da sua competência; e) Elaborar relatórios de actividades realizadas no departamento. ARTIGO 12 (Secretário do Governo Provincial) Compete ao Secretário do Governo Provincial: 1. Garantir o secretariado das sessões, lavrar e subscrever as respectivas actas, que serão também assinadas pelo Secretário Permanente Provincial; 2. Garantir o arquivo e conservação da documentação das sessões do governo provincial; 3. Apoiar o Governador Provincial e demais membros do governo provincial no acesso a documentação para as sessões do governo provincial; 4. Assegurar a elaboração e execução do calendário do programa anual das sessões, bem como do programa de cada sessão do governo provincial; 5. Garantir o apoio logístico e protocolar das sessões do governo provincial; 6. Elaborar as convocatórias e participar na preparação da documentação necessária para as sessões do governo provincial; 7

8 7. Assistir o Secretário Permanente Provincial na preparação das sessões do governo provincial; 8. Exercer o seu trabalho sob orientação do Secretário Permanente Provincial; Realizar outras tarefas da mesma natureza e complexidade que lhe sejam determinadas. CAPÍTULO IV FUNÇÃO DAS ESTRUTURAS ARTIGO 13 (Departamento de Administração Territorial e Autárquica) São funções do Departamento de Administração Territorial e Autárquica: a) Assistir o Governo Provincial na análise de relatórios de actividade dos governos distritais e das autarquias locais, bem como da situação política, económica e social da província; b) Controlar com base em planos o cumprimento das decisões dos órgãos centrais do Estado; c) Garantir a capacitação, assistência técnica e administrativa aos órgãos locais do Estado do nível distrital, de posto administrativo, de localidade e de povoação; d) Assegurar a coordenação e apoio técnico para a elaboração do plano e do orçamento de investimento na área da administração local do Estado; e) Garantir a organização, planeamento e controlo das actividades dos governos distritais, instituições e órgãos a eles subordinados; f) Propor a delimitação das unidades territoriais da província; g) Analisar e encaminhar as propostas de transferências, alteração, rectificação dos limites das unidades territoriais para os órgãos competentes; h) Promover acções de formação para técnicos de cadastro dos distritos e das autarquias locais; i) Assistir ao funcionamento das autarquias dentro dos limites fixados pela lei. ARTIGO 14 (Departamento de Planificação e Apoio Institucional) São funções do Departamento de Planificação e Apoio Institucional: a) Assegurar a elaboração de plano e orçamentos da Secretaria Provincial; b) Assegurar a monitoria e a avaliação da execução de planos e orçamentos; c) Assegurar a gestão de sistemas e tecnologias de informação e comunicação; d) Emitir pareceres sobre as propostas de decisão submetidas ao Governador Provincial e ao Governo Provincial e controlar a implementação das decisões correntes; 8

9 e) Assegurar a assessoria e assistência técnica na área jurídica e eleitoral; f) Assegurar a coordenação e fiscalização das actividades das ONG S nacionais e a execução dos projectos de financiamento externo; g) Assegurar a realização de tarefas cujas áreas não estejam atribuídas a nenhuma outra instituição do Aparelho de Estado Provincial; h) Gerir a rede de rádios de comunicação da Administração do Estado. ARTIGO 15 (Departamento da Função Pública) São funções do Departamento da Função Pública: a) Garantir a aplicação de normas legais relativas à organização, funcionamento, propor métodos de trabalho aos órgãos locais do aparelho do Estado na província e verificar a sua implementação; b) Assegurar que as petições, reclamações e sugestões dos cidadãos sejam devidamente tratadas e respondidas dentro dos prazos previstos; c) Coordenar a gestão e implementação de programa e projectos da Reforma do Sector Público e da modernização da Administração Pública; d) Gerir os recursos humanos da função pública na província; e) Planificar a formação, distribuição e aproveitamento dos técnicos e funcionários pelas direcções provinciais e serviços distritais, bem como pelas unidades económicas e sociais subordinadas; f) Dinamizar o processo de treinamento e formação dos funcionários para elevar o nível de conhecimentos técnicos profissionais; g) Gerir e manter actualizado o Sistema de Informação de Pessoal (SIP); h) Controlar a planificação das normas e técnicas de documentação e arquivo aplicáveis à Administração Pública; i) Organizar e manter actualizado um sistema de informação sobre a Administração Pública, em particular sobre as áreas de intervenção da administração local do Estado e função pública. ARTIGO 16 (Inspecção Administrativa Provincial) 1. São funções da Inspecção Administrativa Provincial: a) Fiscalizar a organização e funcionamento das instituições do aparelho do Estado, bem como a legalidade dos actos e processos administrativos nos órgãos do aparelho do Estado, da administração local do Estado, subordinadas, tuteladas e nas Autarquias Locais; 9

10 b) Avaliar a qualidade dos serviços prestados ao público, pelos órgãos do aparelho do Estado, da administração local do Estado, subordinadas, tuteladas e Autarquias Locais; c) Recomendar aos órgãos competentes, as medidas que julgar convenientes para aperfeiçoar a legislação, melhorar a organização, funcionamento das instituições do Estado e a qualidade dos serviços prestados ao cidadão; d) Divulgar as normas e regras de procedimentos administrativos que regulam a actividade de gestão pública; e) Recomendar a promoção de acções de responsabilidade disciplinar, civil ou criminal, nos termos da Lei. 2. A Inspecção Administrativa Provincial subordina-se ao Governador da Província. ARTIGO 17 (Departamento de Administração e Recursos Humanos) São funções do Departamento de Administração e Recursos Humanos: a) Elaborar o orçamento e assegurar a sua execução e controlo; b) Gerir o património adstrito à Secretaria Provincial; c) Gerir os recursos humanos financeiros e patrimoniais da Secretaria Provincial; d) Manter actualizado o cadastro de pessoal afecto à Secretaria Provincial; e) Administrar o sistema de recepção, circulação e expedição da correspondência da Secretaria Provincial; f) Elaborar e executar o orçamento da Secretaria Provincial; g) Gerir os recursos financeiros da Secretaria Provincial; h) Elaborar os relatórios de prestação de contas das actividades e dos recursos financeiros e patrimoniais; i) Preparar os actos administrativos de gestão dos recursos humanos e materiais; j) Providenciar o apoio técnico e organizativo ao Secretário Permanente Provincial; k) Prestar o apoio técnico e logístico necessário ao normal funcionamento da Secretaria Provincial; ARTIGO 18 (Secretariado do Governo Provincial) São funções do Secretariado do Governo Provincial: a) Garantir a organização, planeamento e controlo das actividades do Governo Provincial; b) Preparar as sessões do Governo Provincial; 10

11 c) Assegurar o acompanhamento e controlo da execução das decisões do Governo Provincial. ARTIGO 19 (Repartição de Administração Local e Autárquica) a) Controlar, com base nos planos o cumprimento das decisões dos órgãos centrais e locais do Estado; b) Assegurar a coordenação e apoio técnico para a elaboração do plano e do orçamento de investimento na área da administração local do Estado; c) Assistir o Governo Provincial na análise de relatórios de actividades dos governos distritais e das autarquias locais, bem como da situação política, económica e social da província; d) Elaborar e actualizar periodicamente a informação política e socio-económico da Província; e) Garantir a capacitação, assistência técnica e administrativa aos órgãos locais do Estado do nível distrital, de posto administrativo, de localidade e de povoação; f) Assegurar a coordenação e apoio técnico para a elaboração do plano e do orçamento de investimento na área da administração local de Estado; g) Assistir os Órgãos Locais do Estado na promoção do desenvolvimento local; h) Assistir ao funcionamento das autarquias dentro dos limites fixados pela lei; i) Elaborar os relatórios e emitir pareceres sobre os relatórios de actividades e outras informações dos governos distritais e comunicar as decisões sobre os mesmos, aos respectivos governos; j) Fazer o acompanhamento, sistematização e actualização das acções de reabilitação, construção e apetrechamento das infra-estruturas em mobiliário e equipamento, bem como dos meios de transporte nos governos distritais; k) Promover um sistema de informação e relacionamento entre os governos provincial e distrital com os municípios; l) Criar e manter uma base de dados sobre as autarquias locais; m) Colaborar nas acções de elaboração dos planos de desenvolvimento das autarquias, dos planos de ordenamento territorial e dos quadros de pessoal; n) Participar nas acções para a implementação de novas autarquias, através da avaliação do desenvolvimento das cidades ou vilas; o) Acompanhar as autarquias locais na execução das tarefas que lhes estão cometidas; p) Proceder à análise de toda a correspondência proveniente de questões colocadas aos órgãos provincial e distrital; q) Apoiar a elaboração de acordos de cooperação a serem celebrados pelas autarquias locais e fazer o seu acompanhamento. 11

12 ARTIGO 20 (Repartição de Divisão Administrativa e Gestão Comunitária) a) Garantir a organização, planeamento e controlo das actividades dos governos distritais, instituições e órgãos a eles subordinados; b) Promover acções de formação para técnicos de cadastro dos distritos e autarquias locais; c) Assegurar a participação das comunidades, através dos seus líderes, na realização das acções dos governos distritais; d) Analisar e encaminhar as propostas de transferências, alteração, rectificação dos limites das unidades territoriais para os órgãos competentes; e) Promover a criação de fundos de desenvolvimento comunitário; f) Compatibilizar as contribuições dos diferentes sectores do Aparelho do Estado à nível provincial e distrital, que directa e indirectamente contribuem para criação de normas e critérios relacionados com divisão territorial e toponímia; g) Criar um banco de dados de toda a toponímia provincial; h) Propor em coordenação com as instituições que lidam com a matéria os planos de expansão e urbanização das sedes das circunscrições territoriais; i) Promover medidas que visem concretizar o apoio material, moral e técnico às autoridades comunitárias; j) Manter actualizada a informação estatística referente aos processos de reconhecimento, legitimação, substituição por morte das autoridades comunitárias; k) Elaborar a lista de necessidades de fardamentos, calçados, insígnias e símbolos nacionais usados pelas autoridades comunitárias; l) Assegurar e garantir o uso de livros de ocorrências das autoridades tradicionais e comunitárias; m) Divulgar conhecimentos resultantes de troca de experiência entre os líderes comunitárias; n) Analisar e encaminhar propostas de actualização da divisão territorial e administrativa; o) Recolher informações sobre as fontes cartográficas, literárias e descritivas com vista a criação de cartas temáticas; p) Revitalizar o endereçamento e desenvolver o sistema de informação geográfica com base nos dados a recolher em todos os Distritos; q) Elaborar mapas temáticas relativas as propostas de transferência, alteração, rectificação dos limites das unidades territoriais para os órgãos competentes; r) Manter actualizado os dados estatísticos e o registo dos membros dos conselhos consultivos. 12

13 ARTIGO 21 (Repartição de Estudo, Planificação, Cooperação, Assuntos Jurídicos e Eleitorais) a) Assegurar a elaboração de planos e orçamentos da Secretaria Provincial; b) Assegurar a monitoria e a avaliação da execução de planos e orçamentos; c) Assegurar a coordenação e fiscalização das actividades das ONG s nacionais e estrangeiras e a execução dos projectos de financiamento externo; d) Emitir pareceres sobre as propostas de decisão submetidas à Governadora Provincial e ao Governo e controlar a implementação das decisões correntes; e) Assegurar a assessoria e assistência técnica na área jurídica e eleitoral; f) Assegurar a realização de tarefas cujas áreas não estejam atribuídas a nenhuma outra instituição do Aparelho de Estado Provincial. ARTIGO 22 (Repartição de Documentação e Tecnologias de Informação) a) Assegurar a gestão de sistemas e tecnologias de informação; b) Assegurar a consolidação do Governo Electrónico a nível da Província; c) Garantir a instalação, manutenção e o pleno funcionamento da rede Internet da Secretária Provincial e dos Governos Distritais; d) Planificar e garantir a formação de utilizadores dos sistemas e tecnologias de informação; e) Assessorar os Governos Distritais e Autarquias locais em sistemas e tecnologias de informação; f) Garantir a manutenção dos equipamentos informáticos; g) Garantir a instalação de equipamentos informáticos nas reuniões/sessões organizadas pelo Governo Provincial; ARTIGO 23 (Repartição de Cifras e Comunicações) a) Gerir a rede de rádios de comunicação da Administração do Estado na Província; b) Superintender todos os órgãos de Cifras dependentes do Governo Provincial; c) Dirigir e controlar a comunicação cifrada do Governo Provincial; d) Garantir a segurança das informações classificadas transmitidas através dos meios técnicos; e) Assegurar a distribuição de cifras aos órgãos subordinados; f) Organizar e realizar a comunicação cifrada do Governo Provincial com os Governos Distritais; 13

14 g) Realizar inspecções periódicas e visitas de apoio e controlo aos órgãos de cifras subordinados; h) Garantir a manutenção e reposição do equipamento de comunicações; i) Solicitar ao órgão competente o material criptográfico a ser distribuído aos distritos; j) Elaborar programas de capacitação em função de novas tecnologias de informação; k) Elaborar os relatórios Semestrais e Anuais para o MAE/RCC. ARTIGO 24 (Repartição de Formação e Administração de Pessoal) a) Planificar a formação, distribuição e aproveitamento dos técnicos e funcionários pelas direcções provinciais e serviços distritais bem como pelas unidades económicas e sociais subordinadas; b) Dinamizar o processo de treinamento e formação dos funcionários para elevar o nível de conhecimentos técnico profissionais; c) Gerir e manter actualizado o Sistema de Informação de Pessoal (SIP); d) Garantir a implementação do programa do Sector Público no âmbito do Decreto nº 30/2001 de 15 de Outubro e demais legislação; e) Gerir a formação dos funcionários da Província e o processo de atribuição de Bolsas de Estudo; f) Coordenar a preparação e a realização de Seminários de Capacitação dos funcionários dos Governos Provincial e Distritais bem como das Delegações Provinciais; g) Coordenar e Supervisionar a formação dos funcionários no âmbito do SIFAP-Sistema de Formação em Administração Pública; h) Garantir a existência, o uso e conservação dos módulos e outros materiais referentes a formação modular e a distância; i) Emitir pareceres relativos aos pedidos de autorização para continuação de estudo; j) Realizar outras tarefas por indicação do Secretário Permanente Provincial e do chefe de Departamento da Função Pública. ARTIGO 25 (Repartição de Gestão de Recursos Humanos, Reforma e Modernização da Função Pública) a) Garantir a aplicação de normas legais relativas à organização, funcionamento e propor métodos de trabalho aos órgãos locais do aparelho do Estado na província e verificar a sua implementação; b) Assegurar que as petições, reclamações e sugestões dos cidadãos sejam devidamente tratadas e respeitadas dentro dos prazos previstos; 14

15 c) Coordenar a gestão e implementação de programas e projectos da Reforma do Sector Público. ARTIGO 26 (Repartição de Administração Interna) a) Assegurar a realização de estudos, análise e divulgação da legislação, políticas públicas, projectos e programas; b) Garantir a administração e gestão de expediente e de recursos disponíveis do sector; c) Garantir a elaboração do plano de actividades do sector da inspecção; d) Monitorar a implementação do plano de actividades do sector; e) Assegurar a identificação de possíveis irregularidades na implementação do plano e alertar o sector atempadamente. ARTIGO 27 (Repartição de Inspecção) a) Assegurar a avaliação e verificação dos actos administrativos nos órgãos locais do Estado, a diversos escalões, incluindo as Autarquias locais e instituições subordinadas ao Estado; b) Realizar missões inspectivas ordinárias e extraordinárias; Elaborar relatórios das actividades decorrentes das inspecções de modo a serem remetidos à apreciação e decisão de Sua Excelência o Governador da Província; c) Emitir pareceres e recomendações relacionadas com as medidas e procedimentos conducentes a resolução de problemas identificados no decurso da actividade inspectiva; d) Garantir a definição correcta dos tipos de inspecção a realizar em função dos casos apresentados. ARTIGO 28 (Repartição de Administração de Pessoal e Atendimento aos dirigentes cessantes) a) Gerir os recursos humanos, financeiros e patrimoniais da Secretaria Provincial; b) Manter actualizado o cadastro de pessoal afecto à Secretaria Provincial; ARTIGO 29 (Repartição de Contabilidade e Património) a) Elaborar o orçamento e assegurar a sua execução e controlo; b) Gerir o património adstrito à Secretaria Provincial; c) Gerir os recursos financeiros da Secretaria Provincial; 15

16 d) Elaborar os relatórios de prestação de contas das actividades e dos recursos financeiros e patrimoniais; e) Prestar o apoio técnico e logístico necessário ao normal funcionamento da Secretaria Provincial; ARTIGO 30 (Secretaria Geral) a) Administrar o sistema de recepção, circulação e expedição da correspondência da Secretaria Provincial; b) Preparar os actos administrativos de gestão dos recursos humanos e materiais; c) Providenciar o apoio técnico e organizativo ao Secretário Permanente Provincial; CAPÍTULO V NORMAS DE FUNCIONAMENTO ARTIGO 31 (Substituição) 1. Na sua ausência, o Secretário Permanente Provincial é substituído por um Director Provincial mediante proposta autorizada pelo Governador da Província. 2. O Inspector Chefe Provincial na sua ausência é substituído por um Inspector que reúne os requisitos constantes do qualificador profissional, mediante uma informação proposta aprovada pelo Governador da Província. 3. Na sua ausência, os chefes de departamento e o Secretário do Governo provincial são substituídos por um técnico que reúna os requisitos constantes do qualificador profissional, de acordo com o EGFE. ARTIGO 32 (Autorização de saídas) 1. Os funcionários e agentes do Estado na Secretaria Provincial obrigam-se a solicitar ao superior hierárquico uma autorização para saída da sede dos serviços, no decurso das horas normais de expediente. 2. As saídas em missão de serviço, da sede para os distritos da província e/ou outras províncias do país devem ser deduzidas a escrita e autorizadas pelo Secretário Permanente Provincial ou pelo Governador Provincial conforme os casos. Artigo 33 (Absentismo) 1. Qualquer ausência do posto de trabalho sem autorização prévia do superior hierárquico é deduzida a falta injustificada, salvo nas condições previstas nos termos do artigo 135 do EGFE. 16

17 ARTIGO 34 (Uso dos meios/equipamento) 1. Os funcionários e agentes do Estado na Secretaria Provincial obrigam-se a usar os meios e equipamento com elevado grau de responsabilidade e espírito de austeridade, devendo comunicar ao seu superior hierárquico qualquer avaria, acidente ou dano que se verificar com vista à sua reparação e/ou reposição. 2. Os funcionários e agentes do Estado na Secretaria Provincial sujeitam-se a uma responsabilização pela danificação ou uso indevido dos meios e equipamento da instituição ao seu dispor. ARTIGO 35 (Movimentação do equipamento) A movimentação de equipamento de um sector para outro só poderá ocorrer mediante prévia autorização escrita do Chefe de Departamento de Administração e Recursos Humanos. CAPÍTULO VI COLECTIVOS ARTIGO 36 (Conselho consultivo) 1. O Conselho Consultivo da Secretaria Provincial é convocado e dirigido pelo Secretário Permanente Provincial e tem por funções: a) Analisar e emitir parecer sobre a organização e programação da realização das atribuições e competências da Secretaria Provincial; b) Estudar as decisões dos órgãos superiores do Estado e do Governo relativas à direcção central da Função Pública e da Administração Pública; c) Analisar e emitir pareceres sobre projectos do plano e orçamento das actividades da Secretaria Provincial; d) Apreciar e emitir pareceres sobre projectos de relatórios e balanço de execução do plano e orçamento da Secretaria Provincial. 2. O Conselho Consultivo integra: O Secretário Permanente Provincial; a) Os Chefes de Departamento; b) O Secretário do Governo. 3. Pode o Secretário Permanente Provincial, convidar a título permanente ou ocasional, em função da agenda, o Inspector Chefe Provincial, o Chefe do Gabinete do Governador, quadros e técnicos da Secretaria Provincial ou outras entidades para participar nas sessões do Conselho Consultivo. 17

18 4. O Conselho Consultivo reúne-se ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre que conveniente. ARTIGO 37 (Conselho Técnico) 1. O Conselho Técnico é o colectivo de consulta do Secretário Permanente Provincial e tem a seguinte função: a) Harmonizar as propostas do plano e orçamentos a serem submetidos ao Governo Provincial; b) Harmonizar as propostas dos relatórios de balanço, periódicos e do PES; c) Coordenar a elaboração e monitorar a execução dos planos Estratégicos de desenvolvimento da Província e dos Distritos. 2. O Conselho Técnico é convocado e dirigido pelo Secretário Permanente Provincial, coadjuvado pelo Director Provincial do Plano e Finanças, e tem a seguinte composição: a) O Secretário Permanente Provincial; b) Os Directores Provinciais designados pelo Governador da Província; c) Os responsáveis dos sectores de planificação das Direcções Provinciais; d) Outros quadros e técnicos sempre que se julgue conveniente. 3. O Conselho Técnico reúne-se ordinariamente de três em três meses e extraordinariamente sempre que conveniente. ARTIGO 38 (Colectivos de Direcção) Nos diversos escalões de direcção e chefia, funcionam os colectivos de direcção que integram o respectivo dirigente e seus colaboradores directos, com objectivo de coordenar e harmonizar as acções do sector. 18

19 CAPÍTULO VII ALTERAÇÕES ARTIGO 39 (Disposições Finais) 1. As alterações do presente regulamento só podem ser feitas por decisão do Governador Provincial, mediante a proposta do Secretário Permanente Provincial. 2. O presente regulamento entra, imediatamente, em vigor a partir da data da sua aprovação. 3. A estrutura orgânica em (anexo 1) faz parte integrante do Regulamento Interno. Matola, de Janeiro de 2009 A GOVERNADORA PROVINCIAL Dra. Telmina Manuel Paixão Pinho Pereira 19

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro

Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Decreto n.º 94/03, de 14 de Outubro Página 1 de 30 Na sequência da aprovação do estatuto orgânico do Ministério do Urbanismo e Ambiente, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 4/03, de 9 de Maio, no qual se prevê

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA 3780 DIÁRIO DA REPÚBLICA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 298/10 de3dedezembro Convindo adequar o sistema de contratação pública à nova realidade constitucional, bem como uniformizar a

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social DECRETO EXECUTIVO Nº 69 /2007 De 22 de Junho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete Jurídico do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo do

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE COMISSÃO DA FUNÇÃO PÚBLICA. Decisão nº 1331/2015/CFP

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE COMISSÃO DA FUNÇÃO PÚBLICA. Decisão nº 1331/2015/CFP REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE COMISSÃO DA FUNÇÃO PÚBLICA Secretariado da Comissão da Função Pública Rua Jacinto Cândido Díli, Timor-Leste Tel +670 (333 9090) Fax +670 (3317201) Decisão nº 1331/2015/CFP

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN)

Regulamento Interno do Secretariado Técnico de Segurança Alimentar e Nutricional (SETSAN) 670 I SÉRIE NÚMERO 76 do artigo 25 da Lei n.º 14/2002, de 26 de Junho, Lei de Minas, o Conselho de Ministros determina: Artigo 1. São aprovados os termos do Contrato Mineiro, para a mina de carvão do Projecto

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Maputo, Maio de 2014 Regulamento do Conselho Pedagógico 2 REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Capítulo I Disposições

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

para o Ministro da Ciência e da Tecnologia esteja prevista na lei. Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997

para o Ministro da Ciência e da Tecnologia esteja prevista na lei. Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997 Decreto-Lei 188/97 DR nº 172, I-A Série,de 28 de Julho de 1997 A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e da Tecnologia, aprovada pelo Decreto-Lei Nº 144/96, de 26 de Agosto, estabeleceu o quadro orgânico

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO)

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) PRAIA, 17 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA Sendo globalmente

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Lei n.º 5/06 de 8 de Abril A Lei n. º 3/9, de 6 de Setembro Lei de Revisão Constitucional, consagra no seu artigo 9. º o princípio segundo o qual enquanto não for designado o Provedor

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

Regulamento da AFA/ESTMA (Portaria n.º 11/91, de 04JAN, Rectificada pela Declaração de Rectificação n.º 47/91)

Regulamento da AFA/ESTMA (Portaria n.º 11/91, de 04JAN, Rectificada pela Declaração de Rectificação n.º 47/91) No seguimento do artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 48/86, de 13 de Março, que definiu o quadro legal regulador da inserção dos estabelecimentos militares de ensino superior no sistema universitário português,

Leia mais

Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril

Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril O Decreto-Lei n.º 165/85, de 16 de Maio, instituiu o novo regime de formação profissional em cooperação entre o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSCODECHA

ESTATUTO DA ASSCODECHA ESTATUTO DA ASSCODECHA ASSCODECHA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO CHAMANCULO ESTATUTO DA ASSCODECHA CAPITULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTIVOS E ACTIVIDADES ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO (Aprovado na 8ª Reunião Extraordinária de Câmara Municipal realizada em 17 de Dezembro de 1999 e na 1ª Reunião Extraordinária de Assembleia

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA PSIANIMAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TERAPIA DO COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL

REGULAMENTO INTERNO DA PSIANIMAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TERAPIA DO COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL REGULAMENTO INTERNO DA PSIANIMAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TERAPIA DO COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL CAP. I Denominação e Princípios Artigo 1.º Denominação e Princípios 1. A PSIANIMAL Associação Portuguesa

Leia mais

Província de Cabinda

Província de Cabinda Província de Cabinda Conselho de Ministros Decreto-Lei n.º 1/07 De 2 de Janeiro Considerando a necessidade da aprovação do Estatuto Especial para a Província de Cabinda estabelecido nos termos do Memorando

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º 1. O Centro Social das Antas é uma associação pública de fiéis, também constituída em Instituição Particular de

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proponentes: André Caldas, Francisco Rodrigues dos Santos, Gonçalo Carrilho TÍTULO I Disposições Gerais CAPÍTULO

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. SECÇÃO I Princípios Fundamentais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. SECÇÃO I Princípios Fundamentais INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais SECÇÃO I Princípios Fundamentais Artigo 1.º Missão A Escola Superior de Educação de Portalegre, adiante

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA. Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Diploma Ministerial Nº 5/2009, De 30 de Abril Estatuto Orgânico da Direcção de Eficácia da Assistência Externa O Estatuto

Leia mais

Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho

Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho Decreto-Lei nº 24/2007 De 30 de Julho A estratégia de desenvolvimento sustentável e harmonioso do país, tendo por paradigma a melhoria contínua das condições de vida dos cabo-verdianos, só pode ser bem

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins)

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) Artigo 1º. - A Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social, designada

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1. A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS Capítulo I Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.º 1. A.F.S.D. - Associação de Famílias Solidárias com a Deficiência,

Leia mais

Série I, N. 1 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 2.00

Série I, N. 1 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 2.00 Quarta-Feira, de 9 de Janeiro 2013 Série I, N. 1 $ 2.00 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE SUMÁRIO PRESIDENTE DA REPÚBLICA : Decreto Presidente Nº 01/2013 de 9 de Janeiro... 6362

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45

BOLETIM DA REPÚBLICA 5.º SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 I SÉRIE Número 45 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 5.º SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. Ministério das Obras Públicas

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO JUNTA DE FREGUESIA DE SALVATERRA DE MAGOS REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO INTRODUÇÃO I O Plano oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2.

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2. Quarta-Feira, 27 de Julho de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 13 $ 2.00 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação e Natureza 1. A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO

REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO REGULAMENTO ORGÂNICO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE PREÂMBULO Com a aprovação e publicação do novo quadro de atribuições e competências das Comunidades Intermunicipais, aprovado pela Lei nº 45/2008,

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

VIII CONFERÊNCIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA VIII CONFERÊNCIA DE CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA XV REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE MINISTROS Luanda, 22 de Julho de 2010 Resolução sobre a Aprovação dos

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DE SOFALA

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DE SOFALA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DE SOFALA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I ARTIGO 1 (Natureza do Governo Provincial) 1. O Governo Provincial é o órgão encarregado de garantir a execução,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 2/2016/M Fixa o Valor do Metro Quadrado

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008

COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008 REPÚBLICA DE ANGOLA COMITÉ ORGANIZADOR DOS CAMPEONATOS AFRICANOS DAS NAÇÕES DE ANDEBOL SENIORES MASCULINO E FEMININO MASCULINO COCAN/2008 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO INTERNO CAPITULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS)

Leia mais

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra CAPÍTULO I Da natureza e missão da Faculdade de Medicina Artigo 1.º Natureza jurídica A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 --------------------------------------------------------------------------------

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 -------------------------------------------------------------------------------- REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE DECRETO DO GOVERNO 10/2008 -------------------------------------------------------------------------------- Aprova a Estrutura da Inspecção-Geral de Jogos Considerando

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho

Diploma. Os critérios de fixação do numero de adjuntos do director. Despacho Regime Jurídico de Autonomia e Administração e Gestão dos Estabelecimentos de Ensino, aprovado pelo DL 75/2008, de 22 de Abril. Norma a regulamentar. Norma a regulamentar Objecto da regulamentação Forma

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 ESTATUTOS Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, OBJECTO, NATUREZA E SEDE Artº 1º - Denominação e Objecto Artº 2º - Âmbito e Duração Artº 3º -

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins Artigo 1º A Associação Grãos de Gente Creche e Jardim-de-Infância do Campus da Quinta do Marquês é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 014, DE 29 DE ABRIL DE 2015. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNÇÕES DO ARQUIVO MUNICIPAL Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Braga (C.M.B.) compreende e unifica numa só estrutura o âmbito,

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira)

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Assembleia de Freguesia de Ferreira (Paços de Ferreira) PROJECTO DE REGIMENTO DA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Regimento da Assembleia de Freguesia De FERREIRA (Paços de Ferreira)

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito da acção e fins Artigo Primeiro A Associação para o Desenvolvimento de Miragaia, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede na Rua do Clube,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 244 22 de Dezembro de 2011 5373 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 64/2011 de 22 de Dezembro Modifica os procedimentos de recrutamento, selecção e provimento nos cargos

Leia mais

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Conselho Económico e Social A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164., alínea d), 168. n. 1, alínea m) e 169., n. 3 da Constituição, para valer como lei

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

Estatutos da Petróleo, Gás e Energia de Timor-Leste PETROTIL E.P.

Estatutos da Petróleo, Gás e Energia de Timor-Leste PETROTIL E.P. Estatutos da Petróleo, Gás e Energia de Timor-Leste PETROTIL E.P. Minuta de Projecto de Decreto-Lei Este documento pode ser transferido a partir de www.timor-leste.gov.tl/emrd/index.asp ou www.transparency.gov.tl/.

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos

Estatutos da FDUNL. Artigo 5.º Órgãos Estatutos da FDUNL Artigo 1.º Natureza 1. A Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, adiante designada por Faculdade, é uma unidade orgânica da Universidade Nova de Lisboa. 2. A Faculdade é

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais