Boletimj. Manual de Procedimentos. Imposto de Renda e Legislação Societária. Tributos e Contribuições Federais. IOB Setorial.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletimj. Manual de Procedimentos. Imposto de Renda e Legislação Societária. Tributos e Contribuições Federais. IOB Setorial."

Transcrição

1 Boletimj Manual de Procedimentos Imposto de Renda e Legislação Societária Fascículo N o 19/2014 // Tributos e Contribuições Federais Simples Nacional Microempreendedor individual (MEI) S/A Regime das publicações legais // IOB Setorial Saúde IRPJ/CSL - Serviços home care e laboratoriais // IOB Comenta Dimob Entrega da declaração pelas pessoas jurídicas que promovem o loteamento, a construção e a incorporação de imóveis Veja nos Próximos Fascículos a IRPJ/CSL - Compensação fiscal pela divulgação gratuita de propaganda partidária ou eleitoral a DIPJ - Instruções básicas relativas ao ano-calendário de 2013, exercício de 2014 a DIPJ - Entidades imunes ou isentas (sem finalidade lucrativa) - Instruções básicas relativas ao ano-calendário de 2013, exercício de 2014 // IOB Perguntas e Respostas IRPJ/CSL Entidades sem fins lucrativos - Suspensão do gozo da imunidade ou isenção Estabelecimentos de ensino - Isenção Processo administrativo-fiscal - Indeferimento do crédito objeto - Incidência de multa Responsabilidade dos sócios Responsabilidade tributária - Limites

2 2014 by IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Capa: Marketing IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Editoração Eletrônica e Revisão: Editorial IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Telefone: (11) (São Paulo) (Outras Localidades) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Imposto de renda e legislação societária : simples nacional : Microempreendedor Invidual : MEI ed. -- São Paulo : IOB Folhamatic, (Coleção manual de procedimentos) ISBN Falência - Leis e legislação - Brasil 2. Imposto de renda - Leis e legislação - Brasil 3. Pessoa jurídica - Brasil 4. SIMPLES - Leis e legislação - Brasil I. Série CDU-34:336.2:347.72(81) Índices para catálogo sistemático: 1. Brasil : Tributação : Empresas : Direito tributário 34:336.2:347.72(81) Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer meio ou processo, sem prévia autorização do autor (Lei n o 9.610, de , DOU de ). Impresso no Brasil Printed in Brazil Boletim IOB

3 Boletimj Manual de Procedimentos a Tributos e Contribuições Federais Simples Nacional Microempreendedor individual (MEI) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Opção 3. Vedação à opção 4. Desenquadramento 5. Emissão do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) 6. Contratação de empregado 7. Empresa contratante de serviços executados pelo MEI 8. DASN-Simei 9. Comprovação da receita bruta 10. Emissão de documentos fiscais 11. Livros contábeis e fiscais 1. Introdução Com o objetivo de tirar da informalidade diversos trabalhadores, o Governo federal instituiu a figura do microempreendedor individual (MEI) por meio de alterações promovidas pela Lei Complementar nº 128/2008 na Lei Complementar nº 123/2006. Com essa providência, tornou-se possível a legalização da pessoa que trabalha por conta própria como pequeno empresário. O pagamento mensal dos tributos devidos, apurados na forma deste procedimento, deverá ser efetuado até o dia 20 do mês subsequente àquele em que houver sido auferida a receita bruta Entre as vantagens oferecidas dentro do sistema do MEI, destaca-se o registro no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), que facilitará a abertura de conta bancária, o pedido de empréstimos e a emissão de notas fiscais para esses pequenos empresários, inclusive quanto à preferência nas aquisições de bens e serviços pelos Poderes Públicos, à tecnologia, ao associativismo e às regras de inclusão. Além disso, para efeitos tributários, o MEI é enquadrado nas normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido dispensado às microempresas no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, pelo Simples Nacional, e paga um valor fixo mensal atualizado anualmente, de acordo com o salário-mínimo. Com o pagamento dessas contribuições, o MEI terá ainda o acesso a benefícios como auxílio-maternidade, auxílio- -doença, aposentadoria, entre outros, que, na informalidade, seriam impossíveis. O MEI produz seus efeitos desde 1º e, atualmente, as regras aplicáveis a esse regime são as constantes na Resolução CGSN nº 94/2011 e as alterações posteriores. Assim, para se enquadrar na condição de MEI é necessário faturar no máximo até R$ ,00 por ano, não ter participação em outra empresa como sócio ou titular e ter um único empregado contratado que receba o salário-mínimo previsto em lei federal ou estadual ou o piso salarial da categoria profissional, definido em lei federal ou por convenção coletiva da categoria. (Lei Complementar nº 123/2006, arts. 18-A, 18-B e 18-C; Lei Complementar nº 128/2008, art. 14; Lei Complementar nº 139/2011; Resolução CGSN nº 94/2011, arts. 91 a 108; Resolução CGSN nº 104/2012; Resolução CGSN nº 113/2014) 2. Opção O MEI poderá optar pelo Sistema de Recolhimento em Valores Fixos Mensais dos Tributos abrangidos Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 IR/LS19-01

4 pelo Simples Nacional (Simei), independentemente da receita bruta por ele auferida no mês. Para esse efeito, considera-se MEI o empresário que exerça profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou para a circulação de bens ou serviços (Lei nº / Código Civil, art. 966) e que atenda cumulativamente às seguintes condições: a) tenha auferido receita bruta acumulada no ano-calendário anterior de até R$ ,00, observando-se que, no caso de início de atividade, esse limite será de R$ 5.000,00 multiplicados pelo número de meses compreendidos entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário, consideradas as frações de meses como um mês inteiro; Nota Até , o limite de receita bruta acumulada no ano-calendário era de R$ ,00 e, no caso de início de atividades, o limite era de R$ 3.000,00 multiplicados pelo número de meses compreendido entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário, consideradas as frações de meses como um mês inteiro. b) seja optante pelo Simples Nacional; c) exerça tão somente atividades constantes do Anexo XIII da Resolução CGSN nº 94/2011, observadas as inclusões e as alterações das ocupações constantes da Resolução CGSN nº 104/2012 e da Resolução CGSN nº 111/2013; d) possua um único estabelecimento; e) não participe de outra empresa como titular, sócio ou administrador; e f) não contrate mais de um empregado, o qual deve receber exclusivamente 1 salário-mínimo previsto em lei federal ou estadual ou o piso salarial da categoria profissional, definido em lei federal ou por convenção coletiva da categoria. Observadas as demais condições, e para efeito do disposto na letra c, poderá enquadrar-se como MEI o empresário individual que exerça atividade de comercialização e processamento de produtos de natureza extrativista. O tratamento diferenciado e favorecido previsto para o MEI aplica-se exclusivamente na vigência do período de enquadramento no sistema de recolhimento de valores fixos mensais de que trata o tópico 2.3, exceto na hipótese de ter extrapolado o referido limite em mais de 20%. (Resolução CGSN nº 94/2011, arts. 91, 96 e 103, parágrafo único, II; Resolução CGSN nº 98/2012; Resolução CGSN nº 104/2012) 2.1 Início de atividades - Limite proporcional da receita bruta Desde 1º , no caso de início de atividades, o limite da receita bruta mencionada no tópico 2 será de R$ 5.000,00 multiplicados pelo número de meses compreendido entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário, consideradas as frações de meses como um mês inteiro. Nota Até , no caso de início de atividades, o limite da receita bruta era de R$ 3.000,00 multiplicados pelo número de meses compreendido entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário, consideradas as frações de meses como um mês Inteiro. (Lei Complementar nº 123/2006, art. 18-A; Lei Complementar nº 139/2011, art. 2º; Resolução CGSN nº 94/2011, art. 91, 1º) 2.2 Recolhimento da contribuição relativa à pessoa do empresário A opção pelo Simei importa opção simultânea pelo recolhimento da Contribuição para a Seguridade Social, relativa à pessoa do empresário, na qualidade de contribuinte individual, calculada com base em: a) 11%, até a competência abril/2011; b) 5%, a contar da competência maio/2011. (Lei nº 8.212/1991, art. 21, 2º, II, a ; Lei nº /2011, art. 1º; Resolução CGSN nº 94/2011, art. 92, I) 2.3 Recolhimento fixo mensal A partir do ano-calendário de 2014, o MEI optante pelo Simei deve recolher, por meio do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), gerado pelo Programa Gerador do DAS para o MEI (PGMEI), independente do valor da sua receita bruta auferida no mês, valor fixo mensal correspondente à soma das seguintes parcelas: a) R$ 36,20, a título da contribuição prevista no subtópico 2.2; IR/LS Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

5 Notas (1) O valor referido na letra a será reajustado, na forma prevista em lei ordinária, na mesma data de reajustamento dos benefícios de que trata a Lei nº 8.213/1991, de forma a manter equivalência com a contribuição tratada na Lei nº 8.212/1991, art. 21, 2º. (2) Os valores devidos pelo MEI, a título da Contribuição para a Seguridade Social: a) nos anos-calendário de 2011 e 2012: a.1) janeiro e fevereiro/2011: de R$ 59,40; a.2) março e abril de 2011: de R$ 59,95; a.3) maio a dezembro/2011: R$ 27,25; a.4) janeiro a dezembro/2012: R$ 31,10; b) no ano-calendário de 2013: R$ 33,90. b) R$ 1,00, a título de ICMS, caso seja contribuinte deste tributo; c) R$ 5,00, a título de ISS, caso seja contribuinte deste tributo; Notas (1) Sem prejuízo da sujeição aos demais tributos e contribuições não abrangidos pelo Simples Nacional, do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), e da dispensa das contribuições ao sistema S, os MEI optantes pelo Simei não estão sujeitos ao IRPJ, ao IPI, à CSL, à Cofins, à Contribuição ao PIS-Pasep e à CPP para a seguridade social. (2) O valor a ser pago a título de ICMS ou de ISS será determinado de acordo com os códigos de atividades econômicas previstos na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) registrados no CNPJ, observando-se: a) o enquadramento previsto no Anexo XIII da Resolução CGSN nº 94/2011; b) as atividades econômicas constantes do CNPJ na 1ª geração do Documento de Arrecadação relativo ao mês de início do enquadramento no Simei ou ao 1º mês de cada ano-calendário. (Lei Complementar nº 123/2006, art. 18-A, 3º, V, e 11; Resolução CGSN nº 94/2011, art. 92) Geração e envio do DAS A Resolução CGSN nº 112/2014 alterou os arts. 39 e 40 da Resolução CGSN nº 94/2011 para estabelecer o seguinte: a) a ME ou a EPP recolherá os tributos devidos no Simples Nacional por meio do DAS, conforme modelo reproduzido a seguir, observado o disposto na letra b.2 ; b) o DAS será gerado exclusivamente para o MEI, por meio do Programa Gerador do DAS para o MEI (PGMEI), que observará: b.1) o modelo do Anexo IX, caso emitido pelo Portal do Simples Nacional; e b.2) o DAS gerado para o MEI poderá ser enviado via postal para o domicílio do contribuinte, caso em que conterá, em uma mesma folha de impressão, guias para pagamento de mais de uma competência, com identificação dos respectivos vencimentos e do valor devido em cada mês. Nesse sentido, a Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República iniciou a remessa pelos Correios dos carnês de pagamento contendo os DAS para os MEI, relativos ao ano de O cronograma de envio dos carnês para os contribuintes nos Estados será o seguinte: a) março/2014: Acre, Amazonas, Amapá, Pará e Roraima, contendo as guias com vencimento entre março/2014 a janeiro/2015 (referente às competências fevereiro/2014 a dezembro/2014); b) abril/2014: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Rondônia, Tocantins, Espírito Santo e Minas Gerais, contendo as guias com vencimento entre abril/2014 a janeiro/2015 (referente às competências março/2014 a dezembro/2014); c) maio/2014: Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro, contendo as guias com vencimento entre maio/2014 a janeiro/2015 (referente às competências abril/2014 a dezembro/2014); d) junho/2014: São Paulo, contendo as guias com vencimento entre junho/2014 a janeiro/2015 (referente às competências maio/2014 a dezembro/2014). Notas (1) O MEI que recebeu benefício previdenciário de salário-maternidade, auxílio doença ou auxílio reclusão, durante todo o mês, deve gerar novo DAS para cada mês abrangido pelo benefício no aplicativo no Portal do Simples Nacional. Ao gerar o DAS, o contribuinte deve informar que está usufruindo benefício previdenciário para que o valor do INSS não seja incluído no DAS. (2) Caso o MEI perder o prazo para pagamento, poderá gerar novo DAS no aplicativo PGMEI. (3) O contribuinte que deixar de ser MEI durante o ano, seja por ter dado baixa no CNPJ, seja por ter sido desenquadrado do regime, não deverá pagar os DAS relativos às competências seguintes ao mês da baixa ou do desenquadramento. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 IR/LS19-03

6 MODELO - DAS-MEI (Lei Complementar nº 123/2006, art. 18-A, 3º, V e VI, e art. 21, I; Resolução CGSN nº 94/2011, art. 40; Resolução CGSN nº 112/2014, art. 1º) Prazo de recolhimento O pagamento mensal dos tributos devidos, apurados na forma deste procedimento, deverá ser efetuado até o dia 20 do mês subsequente àquele em que houver sido auferida a receita bruta, observado o disposto no subtópico 2.2. Salienta-se que, quando não houver expediente bancário no prazo estabelecido para o recolhimento, os tributos deverão ser pagos até o dia útil imediatamente posterior. Notas (1) A Resolução CGSN nº 96/2012 prorrogou o pagamento dos tributos devidos mensalmente, excepcionalmente, para os fatos geradores ocorridos em janeiro de 2012, para até (2) A Resolução CGSN nº 97/2012 prorrogou as datas de vencimento de tributos apurados no Simples Nacional, devidos pelos sujeitos passivos com sede nos municípios abrangidos por decreto estadual que tenha reconhecido estado de calamidade pública, os quais ficam prorrogadas para o último dia útil do 6º mês subsequente ao do vencimento original. A prorrogação do prazo aplica-se ao mês da ocorrência do evento que ensejou a decretação do estado de calamidade pública e aos 2 meses subsequentes. (Resolução CGSN nº 94/2011, arts. 38 e 95, 2º) Aspectos inaplicáveis ao Simei Não se aplicam aos optantes do regime do Simei: a) o disposto da Lei Complementar nº 123/2006, art. 18, 18, que estabelece que os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no âmbito de suas respectivas competências, poderão estabelecer, na forma definida pelo Comitê Gestor, independentemente da receita bruta recebida no mês pelo contribuinte, valores fixos mensais para o recolhimento do ICMS e do ISS devido por microempresa que aufira receita bruta, no ano-calendário anterior, de até R$ ,00; b) as reduções previstas na Lei Complementar nº 123/2006, art. 18, 20, segundo o qual, na hipótese em que o Estado, o Município ou o Distrito Federal concedam isenção ou redução do ICMS ou do ISS devido por ME ou EPP ou, ainda, determinem recolhimento de valor fixo para esses tributos, na forma do 18 do mesmo artigo (veja letra a ), será realizada redução IR/LS Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

7 proporcional ou ajuste do valor a ser recolhido, na forma definida em resolução do CGSN, ou qualquer dedução na base de cálculo; c) as isenções específicas para as ME e EPP concedidas pelo Estado, Município ou Distrito Federal que abranjam integralmente a faixa de receita bruta anual de até R$ ,00; d) retenções de ISS sobre os serviços prestados; e e) atribuições da qualidade de substituto tributário. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 94) 2.4 Efeitos A opção pelo Simei: a) será irretratável para todo o ano-calendário; b) deve ser formalizada por meio de aplicativo disponibilizado no Portal do Simples Nacional (www8.receita.fazenda.gov.br/simplesnacional); c) para as empresas já constituídas, deverá ser formalizada no mês de janeiro, até seu último dia útil, produzindo efeitos a partir do 1º dia do ano-calendário da opção; d) para as empresas em início de atividade, a realização da opção pelo Simples Nacional e enquadramento no Simei será simultânea à inscrição no CNPJ, quando utilizado o registro simplificado de que trata o 1º do art. 4º da Lei Complementar nº 123/2006. Notas (1) Na opção pelo Simei, o MEI deverá declarar: a) que não se enquadra nas vedações para ingresso no Simei; e b) que se enquadra nos limites e condições mencionados no tópico 2. (2) Enquanto não estiver vencido o prazo para solicitação da opção pelo Simei, de que trata a letra c, o contribuinte poderá: a) regularizar eventuais pendências impeditivas ao ingresso no Simei, sujeitando-se à rejeição da solicitação de opção caso não as regularize até o término desse prazo; b) efetuar o cancelamento da solicitação de opção, salvo se já houver sido confirmada. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 93) 3. Vedação à opção Não poderá optar pela sistemática do Simei o MEI: a) cuja atividade que seja tributada pelos Anexos IV ou V (prestação de serviços) da Lei Complementar nº 123/2006, salvo autorização relativa a exercício de atividade isolada na forma regulamentada pelo Comitê Gestor; b) possua mais de um estabelecimento; c) que participe de outra empresa como titular, sócio ou administrador; ou d) que contrate empregado, excetuada a hipótese mencionada no tópico 6 adiante. (Lei Complementar nº 123/2006, art. 18-A, 4º) 4. Desenquadramento O desenquadramento do Simei será realizado de ofício ou mediante comunicação do MEI. O desenquadramento mediante comunicação do MEI à RFB dar-se-á, mediante a utilização de aplicativo disponibilizado no Portal do Simples Nacional: a) por opção, produzindo efeitos: a.1) a partir de 1º de janeiro do ano-calendário, se comunicada no próprio mês de janeiro; a.2) a partir de 1º de janeiro do ano-calendário subsequente, se comunicada nos demais meses; b) obrigatoriamente, quando: b.1) exceder, no ano-calendário, o limite de receita bruta de R$ ,00, devendo a comunicação ser efetuada até o último dia útil do mês subsequente àquele em que tenha ocorrido o excesso, produzindo efeitos: b.1.1) a partir de 1º de janeiro do ano- -calendário subsequente ao da ocorrência do excesso, na hipótese de não ter ultrapassado o referido limite em mais de 20%; b.1.2) retroativamente a 1º de janeiro do ano-calendário da ocorrência do excesso, na hipótese de ter ultrapassado o referido limite em mais de 20%; b.2) deixar de atender a qualquer das demais condições previstas nas letras c a f do tópico 2, devendo a comunicação ser efetuada até o último dia útil do mês subsequente àquele em que tenha ocorrido a situação de vedação, produzindo efeitos a partir do mês subsequente ao da ocorrência da situação impeditiva. O desenquadramento de ofício dar-se-á quando: a) for verificada a falta da comunicação obrigatória nas hipóteses mencionadas na letra b supra, contando-se seus efeitos a partir da data prevista nas letras b.1 ou b.2, conforme o caso; Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 IR/LS19-05

8 b) for constatado, quando do ingresso no Simei, que o empresário individual não atendia às condições referidas no item 2 ou prestou declaração inverídica na hipótese referida na Nota ao subitem 2.4, sendo os efeitos deste desenquadramento contados da data de ingresso no regime. Ressalta-se que, na hipótese de exclusão do Simples Nacional, o desenquadramento do Simei: a) será promovido automaticamente, quando da apresentação, pelo contribuinte, da comunicação obrigatória de exclusão do Simples Nacional ou do registro, no sistema, pelo ente federado, da exclusão de ofício; b) produzirá efeitos a contar da data de efeitos da exclusão do Simples Nacional. Notas (1) O desenquadramento do Simei não implica necessariamente exclusão do Simples Nacional. (2) A falta de comunicação, quando obrigatória, do desenquadramento do MEI do Simei nos prazos mencionados neste subitem sujeitará o contribuinte à multa de R$ 50,00, insusceptível de redução. (3) O MEI não será desenquadrado de ofício do Simei, pelo exercício de atividade não permitida, caso a ocupação estiver permitida quando do enquadramento no regime. Nesse caso, o valor a ser pago a título de ICMS ou de ISS será determinado de acordo com a última tabela de atividades permitidas na qual conste a referida ocupação. (4) A alteração de dados no CNPJ informada pelo empresário à RFB equivalerá à comunicação obrigatória de desenquadramento da condição de MEI nas seguintes hipóteses: a) houver alteração para natureza jurídica distinta de empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº /2002 (Código Civil); b) incluir atividade não constante do Anexo XIII da Resolução CGSN nº 94/2011; c) abrir filial. (Resolução CGSN nº 94/2011, arts. 73, 92, 4º, 105, caput e 1º a 5º e 106; Resolução CGSN nº 107/2013, art. 1º) 4.1 Efeitos do desenquadramento O MEI desenquadrado do Simei passará a recolher os tributos devidos pela regra geral do Simples Nacional a partir da data de início dos efeitos do desenquadramento, ressalvado o disposto nos subtópicos e a seguir. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 105, 5º) Desenquadramento do Simei e exclusão do Simples Nacional O MEI desenquadrado do Simei e excluído do Simples Nacional passará a recolher os tributos devidos de acordo com as respectivas legislações de regência. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 105, 6º) Excesso de receita bruta inferior a 20% Se a receita bruta auferida pelo MEI no ano- -calendário anterior não ultrapassar R$ ,00, ou, em caso de início de atividade, em mais de 20% o limite correspondente a R$ 5.000,00 multiplicados pelo número de meses compreendido entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário, consideradas as frações de meses como um mês inteiro, o contribuinte deverá recolher a diferença, sem acréscimos, no vencimento estipulado para o pagamento dos tributos abrangidos pelo Simples Nacional relativo ao mês de janeiro do ano-calendário subsequente, aplicando-se as alíquotas previstas nos Anexos I a V da Lei Complementar nº 123/2006, observando-se, em relação à inclusão dos percentuais relativos ao ICMS e ISS, a tabela constante do Anexo XIII da Resolução CGSN nº 94/2011 e, com relação à inclusão dos percentuais relativos ao ICMS e ao ISS, a tabela constante do Anexo XIII da mencionada resolução. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 105, 7º) Excesso de receita bruta superior a 20% Se a receita bruta auferida pelo MEI no ano-calendário anterior ultrapassar R$ ,00, ou, em caso de início de atividade, em mais de 20% o limite correspondente a R$ 5.000,00 multiplicados pelo número de meses compreendido entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário, consideradas as frações de meses como um mês inteiro, este deverá informar no Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (PGDAS) as receitas efetivas mensais, devendo ser recolhidas as diferenças relativas aos tributos com os acréscimos legais na forma prevista na legislação do Imposto de Renda, sem prejuízo do disposto no subtópico (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 105, 8º) 5. Emissão do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) Para o MEI optante pelo Simei, o aplicativo para a emissão dos DAS possibilitará a emissão dos documentos para todos os meses do ano-calendário e estará disponível a partir do início do ano-calendário ou do início das atividades. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 95, caput e 1º) IR/LS Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

9 5.1 Programa Gerador de DAS do Microempreendedor (PGMEI) PGMEI - TELA 1 PGMEI - TELA 2 Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 IR/LS19-07

10 PGMEI - TELA 3 6. Contratação de empregado O MEI optante pelo Simei poderá contratar um único empregado que receba exclusivamente 1 salário-mínimo previsto em lei federal ou estadual ou o piso salarial da categoria profissional, definido em lei federal ou por convenção coletiva da categoria, observando-se que, nesse caso: a) deverá reter e recolher a contribuição previdenciária relativa ao segurado a seu serviço na forma da lei, observados o prazo e as condições estabelecidos pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB); b) fica obrigado a prestar informações relativas ao segurado a seu serviço, devendo cumprir o disposto na Lei nº 8.212/1991, art. 32, inciso IV, ou seja, a declarar à RFB e ao Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), na forma, prazo e condições estabelecidos por esses órgãos, dados relacionados a fatos geradores, base de cálculo e valores devidos da contribuição previdenciária e outras informações de interesse do INSS ou do Conselho Curador do FGTS; c) está sujeito ao recolhimento da Contribuição Patronal Previdenciária (CPP) para a Seguridade Social, a cargo da pessoa jurídica, de que trata a Lei nº 8.212/1991, art. 22, calculada à alíquota de 3% sobre o salário-de-contribuição. Notas (1) No caso de afastamento legal do único empregado do MEI, este poderá efetuar a contratação de outro empregado, inclusive por prazo determinado, até que cessem as condições do afastamento, na forma estabelecida pelo Ministério do Trabalho e Emprego. (2) Não se incluem no limite de que trata este tópico os valores recebidos a título de horas extras e adicionais de insalubridade, periculosidade e trabalho noturno, bem como os relacionados aos demais direitos constitucionais do trabalhador decorrentes da atividade laboral, inerentes à jornada ou a condições do trabalho, e que incidem sobre o salário. (3) A percepção de valores a título de gratificações, gorjetas, percentagens, abonos e demais remunerações de caráter variável implica o descumprimento do limite. (Lei Complementar nº 123/2006, art. 18-C; Resolução CGSN nº 94/2011, art. 96; Resolução CGSN nº 98/2012, art. 1º) 7. Empresa contratante de serviços executados pelo MEI A empresa contratante de serviços executados por intermédio do MEI mantém, em relação a essa contratação, a obrigatoriedade apenas de recolhimento da Contribuição Previdenciária Patronal (CPP) nos termos do inciso III do caput e do 1º do art. 22 da Lei nº 8.212/1991 e do cumprimento das obrigações acessórias relativas à contratação de contribuinte individual, na forma disciplinada pela Secretaria da RFB, observando-se que não se aplicam, quando presentes, os elementos da: a) relação de emprego, hipótese em que a contratante do MEI ou de trabalhador a serviço deste fica sujeita a todas as obrigações decorrentes dessa relação, inclusive trabalhistas, tributárias e previdenciárias; e b) relação de emprego doméstico, hipótese em que o empregador doméstico contratante do MEI ou de trabalhador a serviço deste, fica sujeito a todas as obrigações decorrentes dessa relação, inclusive trabalhistas, tributárias e previdenciárias. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 104-A; Resolução CGSN nº 113/2014) 7.1 Prestação de serviços de hidráulica, eletricidade, pintura, alvenaria, carpintaria e de manutenção ou reparo de veículos Conforme mencionado, a empresa contratante de serviços executados por intermédio do MEI mantém, IR/LS Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

11 em relação a esta contratação, a obrigatoriedade de recolhimento da CPP e o cumprimento das obrigações acessórias relativas à contratação de contribuinte individual. O mesmo se aplica, inclusive, em relação ao MEI que for contratado para prestar serviços de hidráulica, eletricidade, pintura, alvenaria, carpintaria e de manutenção ou reparo de veículos, exceto quando presentes os elementos da relação de emprego, ficando a contratante sujeita a todas as obrigações dela decorrentes, inclusive trabalhistas, tributárias e previdenciárias. (Lei Complementar nº 123/2006, art. 18-B) 8. DASN-SIMEI Caso o MEI seja optante pelo Simei no ano-calendário anterior, este deverá apresentar, até o último dia do mês de maio de cada ano, à RFB, a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-Simei), em formato especial, a qual conterá tão somente: a) a receita bruta total auferida relativa ao ano- -calendário anterior; b) a receita bruta total auferida relativa ao ano- -calendário anterior, referente às atividades sujeitas ao ICMS; c) informação referente à contratação de empregado, quando houver. Os dados informados na DASN-Simei relativos à letra c poderão ser encaminhados pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) ao Ministério do Trabalho e Emprego, observados os procedimentos estabelecidos entre as partes, com vistas à exoneração da obrigação da apresentação da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) por parte do MEI. Notas (1) As informações prestadas pelo contribuinte na DASN-Simei serão compartilhadas entre a RFB e os órgãos de fiscalização tributária dos Estados, Distrito Federal e Municípios. (2) A exigência da DASN-Simei não desobriga a prestação de informações relativas a terceiros. (3) A Resolução CGSN nº 97/2012 prorrogou para até os prazos para entrega da Declaração Anual para o MEI (DASN-Simei) relativa ao ano-calendário de 2011, para o MEI com sede nos municípios abrangidos pelo referido decreto estadual com o reconhecimento de estado de calamidade pública, caso o evento tenha ocorrido antes do fim do prazo de entrega da declaração a que estejam obrigados. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 100, caput e 4º a 6º; Resolução CGSN nº 98/2012) 8.1 Situações especiais Nas hipóteses em que o empresário individual tenha sido extinto, a DASN-Simei relativa à situação especial deverá ser entregue até: a) o último dia do mês de junho, quando o evento ocorrer no primeiro quadrimestre do ano-calendário; b) o último dia do mês subsequente ao do evento, nos demais casos. Em relação ao ano-calendário de desenquadramento do empresário individual do Simei, inclusive no caso de o desenquadramento ter decorrido da exclusão do Simples Nacional, o contribuinte deverá entregar a DASN-Simei abrangendo os fatos geradores ocorridos no período em que esteve na condição de enquadrado, no prazo estabelecido no tópico 8. Nota A Resolução CGSN nº 100/2012 prorrogou para o dia o prazo de entrega da Declaração referente ao encerramento de atividades ocorridos no primeiro semestre de (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 100, 1º e 2º; Resolução CGSN nº 104/2012, art. 2º) 8.2 Retificação A DASN-Simei poderá ser retificada independentemente de prévia autorização da administração tributária e terá a mesma natureza da declaração originariamente apresentada, observado o disposto no parágrafo único do art. 138 da Lei nº 5.172/1966 (Código Tributário Nacional - CTN) (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 100, 3º) 8.3 Entrega fora do prazo ou com incorreções O MEI que deixar de apresentar a DASN-Simei ou que a apresentar com incorreções ou omissões ou, ainda, que a apresentar fora do prazo fixado será intimado a apresentá-la ou a prestar esclarecimentos, conforme o caso, no prazo estipulado pela autoridade fiscal e sujeitar-se-á à multa: a) de 2% ao mês-calendário ou fração, incidentes sobre o montante dos tributos decorrentes das informações prestadas na DASN-Simei, ainda que integralmente pago, no caso de falta de entrega da declaração ou entrega após o prazo, limitada a 20%; b) de R$ 100,00 para cada grupo de 10 informações incorretas ou omitidas. Para efeito de aplicação da multa referida na letra a, será considerado como termo inicial o dia seguinte ao término do prazo fixado para a entrega da declaração e, como termo final, a data da efetiva entrega ou, no caso de não apresentação, da lavratura do auto de infração. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 IR/LS19-09

12 Observada a multa mínima aplicável, a qual é de R$ 50,00, as multas serão reduzidas: a) à metade, quando a declaração for apresentada após o prazo, mas antes de qualquer procedimento de ofício; b) a 75%, se houver a apresentação da declaração no prazo fixado em intimação. Será considerada não entregue a declaração que não atender às especificações técnicas estabelecidas pelo CGSN, observando-se que o MEI: a) será intimado a apresentar nova declaração, no prazo de 10 dias, contados da ciência da intimação; b) sujeitar-se-á à multa de 2% ao mês-calendário ou fração, incidentes sobre o montante dos tributos decorrentes das informações prestadas na DASN-Simei, ainda que integralmente pago, limitada a 20%. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 107) 8.4 Dumei A partir da instituição, em ato próprio do Comitê Gestor do Simples Nacional, da Declaração Única do MEI (Dumei), de que trata o 3º do art. 18-C da Lei Complementar nº 123/2006, o MEI ficará dispensado da apresentação da DASN-Simei. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 101) 8.5 Dispensa de certificação digital O MEI não estará obrigado ao uso da certificação digital para cumprimento de obrigações principais ou acessórias, bem como para recolhimento do FGTS. Porém, poderá ser exigida a utilização de códigos de acesso para cumprimento das referidas obrigações. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 102) 9. Comprovação da receita bruta O MEI fará a comprovação da receita bruta, mediante apresentação do Relatório Mensal de Receitas Brutas de que trata o Anexo XII da Resolução CGSN nº 94/2011, que deverá ser preenchido até o dia 20 do mês subsequente àquele em que houver sido auferida a receita bruta. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 97, caput, I) 9.1 Relatório mensal das receitas brutas Segue o modelo do relatório mensal das receitas brutas, mencionado no tópico 9. RELATÓRIO MENSAL DAS RECEITAS BRUTAS CNPJ: Empreendedor individual: Período de apuração: RECEITA BRUTA MENSAL - REVENDA DE MERCADORIAS (COMÉRCIO) I - Revenda de mercadorias com dispensa de emissão de documento fiscal R$ II - Revenda de mercadorias com documento fiscal emitido R$ III - Total das receitas com revenda de mercadorias (I + II) R$ RECEITA BRUTA MENSAL - VENDA DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS (INDÚSTRIA) IV - Venda de produtos industrializados com dispensa de emissão de documento fiscal R$ V - Venda de produtos industrializados com documento fiscal emitido R$ VI - Total das receitas com venda de produtos industrializados (IV + V) R$ RECEITA BRUTA MENSAL - PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VII - Receita com prestação de serviços com dispensa de emissão de documento fiscal R$ VIII - Receita com prestação de serviços com documento fiscal emitido R$ IX - Total das receitas com prestação de serviços (VII + VIII) R$ X - Total geral das receitas brutas no mês (III + VI + IX) R$ LOCAL E DATA: ASSINATURA DO EMPRESÁRIO: ENCONTRAM-SE ANEXADOS A ESTE RELATÓRIO: - Os documentos fiscais comprobatórios das entradas de mercadorias e serviços tomados referentes ao período; - As notas fiscais relativas às operações ou prestações realizadas eventualmente emitidas. (Resolução CGSN nº 94/2011, Anexo XII) IR/LS Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

13 10. Emissão de documentos fiscais Em relação à emissão de notas fiscais, o MEI ficará: a) dispensado da emissão: a.1) nas operações com venda de mercadorias ou prestações de serviços para consumidor final pessoa física; e a.2) nas operações com mercadorias para destinatário inscrito no CNPJ, quando o destinatário emitir nota fiscal de entrada; b) obrigado à sua emissão: b.1) nas prestações de serviços para tomador inscrito no CNPJ; e b.2) nas operações com mercadorias para destinatário inscrito no CNPJ quando o destinatário não emitir nota fiscal de entrada. Vale destacar que o documento fiscal deverá atender aos requisitos da Nota Fiscal Avulsa, quando prevista na legislação do ente federado ou da autorização para impressão de documentos fiscais do ente federado da circunscrição do contribuinte. Atente-se que a simplificação ou postergação da exigência referente ao cadastro fiscal estadual ou municipal do MEI não prejudica a emissão de documentos fiscais de compra, venda ou prestação de serviços, vedada, em qualquer hipótese, a imposição de custos pela autorização para emissão, inclusive na modalidade avulsa. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 97, caput, II, e 2º, II, e art. 98) 11. Livros contábeis e fiscais O MEI fica dispensado da obrigação de escriturar os livros fiscais e contábeis, da Declaração Eletrônica de Serviços e da emissão da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), ressalvada a possibilidade de emissão facultativa disponibilizada pelo ente federado. (Resolução CGSN nº 94/2011, art. 97, 1º) S/A Regime das publicações legais SUMÁRIO 1. Normas aplicáveis às companhias em geral 2. Normas específicas aplicáveis às instituições financeiras 3. Normas aplicáveis às companhias abertas 4. Dispensa de publicação para as companhias fechadas 5. Arquivamento das publicações 6. Dispensa da apresentação da publicação para arquivamento de ata no registro do comércio N 1. Normas aplicáveis às companhias em geral 1.1 Publicação na imprensa oficial e em outro jornal As publicações ordenadas por lei às sociedades por ações (Relatório da Administração, Demonstrações Financeiras, Convocação de Assembleias, Atas de Assembleias etc.) deverão ser feitas no órgão oficial da União, do Estado ou do Distrito Federal, conforme o lugar em que esteja situada a sede da companhia, e em outro jornal de grande circulação editado regularmente na mesma localidade. Se no lugar em que estiver situada a sede da companhia não for editado jornal, a publicação será feita em órgão de grande circulação local (Lei nº 6.404/1976, art. 289, com as alterações introduzidas pela Lei nº 9.457/1997, e Decreto nº 1.800/1996, art. 76). 1.2 Mudança de jornal A companhia deve fazer as publicações previstas em lei sempre no mesmo jornal, e qualquer mudança deverá ser precedida de aviso aos acionistas no extrato da ata da Assembleia Geral Ordinária, publicada no jornal costumeiramente utilizado pela companhia, ressalvada eventual publicação de atas ou balanços em outros jornais (Lei nº 6.404/1976, art. 289, 3º). 1.3 Publicação de demonstrações financeiras expressas em milhar de reais A Lei nº 6.404/1976, art. 289, 6º, com as alterações introduzidas pela Lei nº 9.457/1997, autoriza as publicações do balanço e da demonstração de lucros e perdas adotando-se como expressão monetária o milhar de reais. 2. Normas específicas aplicáveis às instituições financeiras As instituições financeiras e demais entidades autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para publicação de suas demonstrações financeiras, deverão observar as normas específicas expedidas por esse órgão, além das normas gerais aqui examinadas, aplicáveis às companhias em geral. 3. Normas aplicáveis às companhias abertas 3.1 Publicações adicionais às ordenadas em lei A Comissão de Valores Mobiliários pode determinar que as publicações ordenadas em lei sejam Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 IR/LS19-11

14 feitas, também, em jornal de grande circulação nas localidades em que os valores mobiliários da companhia sejam negociados em bolsa ou em mercado de balcão, ou disseminadas por algum outro meio que assegure sua ampla divulgação e imediato acesso às informações (Lei nº 6.404/1976, art. 289, 1º, com as alterações introduzidas pela Lei nº 9.457/1997). 3.2 Não obrigatoriedade de demonstrações em moeda de capacidade aquisitiva constante Por ter sido revogada, a contar de 1º , a correção monetária das demonstrações financeiras, inclusive para fins societários (Lei nº 9.249/1995, arts. 4º, 5º e 36), a Instrução CVM nº 248/1996 definiu que as demonstrações financeiras das companhias abertas, exigidas nos atos da CVM (em especial na Instrução Instrução CVM nº 516/2011), relativas a períodos trimestrais e a exercícios sociais encerrados a partir de março/1996, devem ser elaboradas e divulgadas na forma da legislação societária, passando a ser facultativas a sua elaboração e a sua divulgação em moeda de capacidade aquisitiva constante. 3.3 Divulgação dos efeitos decorrentes da adesão ao Refis As companhias abertas que aderiram ao Programa de Recuperação Fiscal (Refis) devem divulgar, relativamente aos exercícios sociais em que permaneçam no programa, em nota explicativa às suas demonstrações contábeis, as seguintes informações (Instrução CVM nº 346/2000): I - o montante das dívidas incluídas no Refis, segregado por tipo de tributo e natureza (principal, multas e juros); II - o valor presente das dívidas sujeitas à liquidação com base na receita bruta, bem como os valores, prazos, taxas e demais premissas utilizadas para determinação desse valor presente; III - o montante dos créditos fiscais, incluindo aqueles decorrentes de prejuízos fiscais e de bases negativas de contribuição social, utilizado para liquidação de juros e multas; IV - o montante pago no período para amortização das dívidas sujeitas à liquidação com base na receita bruta; V - o detalhamento dos seguintes itens: a) os ajustes decorrentes das diferenças de alíquotas adotadas para determinação do montante dos prejuízos fiscais e da base negativa de contribuição social utilizado para liquidação de juros ou multas; b) os montantes decorrentes de créditos tributários anteriormente não reconhecidos; c) as diferenças entre o valor pago e o de utilização dos créditos adquiridos de terceiros e as diferenças entre o valor contábil e o de venda dos créditos a terceiros; e d) os ajustes decorrentes da consolidação e do reconhecimento dos débitos, inclusive em razão da desistência de processos judiciais em curso; VI - as garantias prestadas ou bens arrolados e respectivos montantes; VII - a menção sobre a obrigatoriedade do pagamento regular de impostos, contribuições e demais obrigações como condição essencial para a manutenção das condições de pagamento previstas no Refis; e VIII - todo e qualquer risco iminente associado à perda do regime especial de pagamento. 3.4 Obrigatoriedade de divulgar, no País, demonstrações ou informações adicionais divulgadas no exterior As companhias abertas que divulgarem, no exterior, demonstrações ou informações adicionais às requeridas pela legislação societária e pelas normas da CVM deverão, simultaneamente, divulgá-las também no Brasil (Instrução CVM nº 248/1996). 4. Dispensa de publicação para as companhias fechadas A companhia fechada que tiver menos de vinte acionistas e patrimônio líquido inferior a R$ ,00 poderá deixar de publicar o relatório dos administradores, as demonstrações financeiras, o parecer dos auditores independentes, se houver, o parecer do conselho fiscal, inclusive votos dissidentes, se houver, e demais documentos pertinentes à ordem do dia, desde que cópias autenticadas desses documentos sejam arquivadas na Junta Comercial, com a ata da assembleia geral que sobre eles deliberar (Lei nº 6.404/1976, art. 294, com a alteração da Lei nº /2001, art. 2º, e Lei nº /2001, art. 2º). Nota Esse procedimento não se aplica à companhia controladora de grupo de sociedade, bem como às sociedades a ela filiadas (Lei nº 6.404/1976, art. 294, 3º). 5. Arquivamento das publicações Todas as publicações ordenadas na Lei nº 6.404/1976 devem ser arquivadas no Registro do Comércio (Lei nº 6.404/1976, art. 289, 5º) IR/LS Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

15 A prova da publicidade de atos societários, quando legalmente exigida, será feita mediante anotação nos registros da Junta Comercial, à vista da apresentação da folha do Diário Oficial e, quando for o caso, do jornal particular em que foi feita a publicação, dispensada a juntada da mencionada folha (Decreto nº 1.800/1996, art. 77). 6. Dispensa da apresentação da publicação para arquivamento de ata no registro do comércio É facultado às sociedades por ações mencionar, na ata apresentada para arquivamento, a data e o número da folha ou da página do órgão oficial e do jornal particular em que foram feitas as publicações preliminares à realização da assembleia a que se referem, dispensada a sua apresentação (Decreto nº 1.800/1996, art. 77, parágrafo único). A Junta Comercial do Estado de São Paulo, tendo em vista o expressivo número de sociedades por ações que não vinham promovendo as publicações ordenadas pela Lei nº 6.404/1976, baixou a Deliberação JUCESP nº 6/1995, que estabelece para essas sociedades a obrigatoriedade de comprovação da publicação dos balanços, das demonstrações financeiras e, quando for o caso, dos avisos e convocações no Diário Oficial do Estado de São Paulo e em jornal de grande circulação, para efeito de arquivamento da respectiva ata de aprovação das contas na JUCESP Ṅ a IOB Setorial Saúde IRPJ/CSL - Serviços home care e laboratoriais 1. Introdução Para fins tributários, o termo serviços hospitalares é de suma importância, já que a legislação tributária federal estabelece que o percentual de presunção na determinação da base de cálculo do lucro presumido é de 8% e de 12%, respectivamente, para o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e para a Contribuição Social sobre o Lucro (CSL), conforme definido no art. 3º da Instrução Normativa SRF nº 93/1997 e nos arts. 88 e 89 da Instrução Normativa SRF nº 390/2004. De acordo com o que prescreve a legislação vigente (Lei nº 9.249/1995, art. 15, 1º, III, e art. 20), caso a atividade exercida pela pessoa jurídica não se enquadre em nenhuma outra atividade com percentual de presunção específico, deve ser aplicado o percentual de 32% tanto para o IRPJ quanto para a CSL. 2. Base de cálculo O lucro presumido será o montante determinado pela soma das seguintes parcelas auferidas no período de apuração trimestral: a) o valor resultante da aplicação dos percentuais mencionados no art. 15 da Lei nº 9.249/1995, sobre a receita bruta das vendas e serviços, que compreende o produto da venda de bens nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado auferido nas operações de conta alheia. Na receita bruta, não se incluem as vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos e os impos- Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 IR/LS19-13

16 tos não cumulativos cobrados destacadamente do comprador ou contratante dos quais o vendedor dos bens ou o prestador dos serviços seja mero depositário; e b) os ganhos de capital, os rendimentos e ganhos líquidos auferidos em aplicações financeiras, as demais receitas e os resultados positivos decorrentes de receitas não abrangidas anteriormente e demais valores auferidos no mesmo período. Notas (1) A partir 1º , ou a partir de 1º , no caso de adoção antecipada das disposições constantes da Medida Provisória nº 627/2013, o lucro presumido será o montante determinado pela soma das seguintes parcelas: a) o valor resultante da aplicação dos percentuais mencionados no art. 15 da Lei nº 9.249/1995, sobre a receita bruta definida na nota 2, auferida no período de apuração, deduzida das devoluções e vendas canceladas e dos descontos incondicionais concedidos; e b) os ganhos de capital, os rendimentos e ganhos líquidos auferidos em aplicações financeiras, as demais receitas, os resultados positivos decorrentes de receitas não abrangidas na letra a, com os seus respectivos valores decorrentes do ajuste a valor presente de que trata o inciso VIII do caput do art. 183 da Lei nº 6.404/1976, e demais valores determinados na Lei nº 9.430/1996, auferidos naquele mesmo período, observando-se que: b.1) o ganho de capital nas alienações de investimentos, imobilizados e intangíveis corresponderá à diferença positiva entre o valor da alienação e o respectivo valor contábil; b.2) poderão ser considerados no valor contábil, e na proporção deste, os respectivos valores decorrentes dos efeitos do ajuste a valor presente de que trata o inciso III do caput do art. 184 da Lei nº 6.404/1976; b.3) os ganhos decorrentes de avaliação de ativo ou passivo com base no valor justo não integrarão a base de cálculo do imposto no momento em que forem apurados; b.4) os ganhos e perdas decorrentes de avaliação do ativo com base em valor justo não serão considerados como parte integrante do valor contábil; b.5) para efeito da letra b.4, não se aplica aos ganhos que tenham sido anteriormente computados na base de cálculo do imposto. (2) A partir de 1º , ressalvada a hipótese de opção para o ano-calendário de 2014, na forma mencionada na nota 1, para efeito da apuração da receita bruta, será aquela definida pelo art. 12 do Decreto-lei nº 1.598/1977, auferida no período de apuração, deduzida das devoluções e vendas canceladas e dos descontos incondicionais concedidos e os ganhos de capital, os rendimentos e ganhos líquidos auferidos em aplicações financeiras, as demais receitas, os resultados positivos decorrentes de receitas não abrangidas anteriormente, com os seus respectivos valores decorrentes do ajuste a valor presente de que trata o inciso VIII do caput do art. 183 da Lei nº 6.404/1976, e demais valores determinados pela norma referida, auferidos naquele mesmo período (Lei nº 9.430/1996, art. 25; Decreto-lei nº 1.598/1977, art. 12; Medida Provisória nº 627/2013, arts. 2º, 5º, 71 e 98). Assim, a receita bruta passa a compreender (art. 1º da Medida Provisória nº 627/2013; art. 12 do Decreto-lei nº 1.598/1977): a) o produto da venda de bens nas operações de conta própria; b) o preço da prestação de serviços em geral; c) o resultado auferido nas operações de conta alheia; e d) as receitas da atividade ou objeto principal da pessoa jurídica, não compreendidas nas letras a a c. Observa-se, ainda, que, nessa hipótese, na receita bruta: a) não se incluem os tributos não cumulativos cobrados, destacadamente, do comprador ou contratante, pelo vendedor dos bens ou pelo prestador dos serviços na condição de mero depositário; b) incluem-se os tributos sobre ela incidentes e os valores decorrentes do ajuste a valor presente, de que trata o inciso VIII do caput do art. 183 da Lei nº 6.404/1976, das operações mencionadas anteriormente, observado o disposto na letra a. (Medida Provisória nº 627/2013; Lei nº 9.249/1995, art. 15; Lei nº 8.981/1995, art. 31) 2.1 Serviços hospitalares No caso de serviços médicos hospitalares enquadrados como atividades de atendimento hospitalar, exceto pronto-socorro e unidades para atendimento a urgências inscritas na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) /01, compreendem os serviços de internação de curta ou longa duração prestados a pacientes realizados em hospitais gerais e especializados, hospitais universitários, maternidades, hospitais psiquiátricos, centros de medicina preventiva e outras instituições de saúde com internação, incluindo-se os hospitais militares e os hospitais de centros penitenciários. Tais atividades são realizadas sob a supervisão direta de médicos e incluem serviços de médicos, serviços de laboratório, radiológicos e anestesiológicos e serviços de centros cirúrgicos, serviços farmacêuticos, de alimentação e outros serviços prestados em hospitais; os serviços prestados pelas unidades mistas de saúde, que são compostas por um centro de saúde e uma unidade de internação com características de hospital local de pequeno porte, sob administração única as atividades dos navios-hospital e as atividades de centros de parto. De acordo com a Instrução Normativa RFB nº 1.234/2012, art. 30, são considerados serviços hospitalares aqueles prestados por estabelecimentos assistenciais de saúde que dispõem de estrutura material e de pessoal destinados a atender à internação de pacientes, a garantir atendimento básico de diagnóstico e tratamento, com equipe clínica organizada e com prova de admissão e assistência permanente prestada por médicos, que possuam serviços de enfermagem e atendimento terapêutico direto ao paciente, durante 24 horas, com disponibilidade de serviços de laboratório e radiologia, serviços de cirurgia e/ou parto, bem como registros médicos organizados para a rápida observação e o acompanhamento dos casos. São também considerados serviços hospitalares, para os fins dessa Instrução Normativa, aqueles efetuados pelas pessoas jurídicas: a) prestadoras de serviços pré-hospitalares, na área de urgência, realizados por meio de UTI móvel, instaladas em ambulâncias de suporte avançado (tipo D ) ou em aeronave de suporte médico (tipo E ); e b) prestadoras de serviços de emergências médicas realizados por meio de UTI móvel, instaladas em ambulâncias classificadas nos Tipos A, B, C e F, que possuam médicos e equipamentos que possibilitem oferecer ao paciente suporte avançado de vida IR/LS Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

17 Nessas hipóteses, a base de cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Sobre o Lucro (CSL) no lucro presumido será determinada mediante a aplicação dos percentuais de 8% e de 12%, respectivamente, sobre a receita bruta auferida. Nota Desde 1º , o percentual de 8% aplica-se também aos serviços de auxílio diagnóstico e terapia, patologia clínica, imagenologia, anatomia patológica e citopatologia, medicina nuclear e análises e patologias clínicas, desde que a prestadora desses serviços seja organizada sob a forma de sociedade empresária e atenda às normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). (Lei nº 9.249/1995, art. 15, 1º, III, a, alterado pela Lei nº /2008, arts. 29 e 41, VI; Instrução Normativa RFB nº 1.234/2012, art. 30) 2.2 Serviços home care Os serviços prestados na área médica vinculada às atividades de fornecimento de infraestrutura de apoio e assistência a paciente no domicílio (CNAE /00), mais conhecida como serviços home care, compreende o fornecimento de infraestrutura ou de equipamentos hospitalares (camas hospitalares, aparelhos de oxigênio, suportes, cadeiras de rodas etc.) a pacientes em suas casas. Frequentemente, esses equipamentos são acompanhados de pessoas especializadas para operá-los. Conforme a Solução de Consulta Cosit nº 57/2013, a pessoa jurídica prestadora de serviço médico ambulatorial com recursos para realização de exames complementares e serviços médicos prestados em residência, sejam eles coletivos ou particulares (home care), para fins de apuração da base de cálculo do IRPJ e da CSL, não se aplicam os percentuais de 8% e de 12%, respectivamente, sobre a receita bruta auferida mensalmente, uma vez que aqueles serviços não são tipificados legalmente como serviços hospitalares. A Solução de Divergência Cosit nº 38/2013 esclareceu que se aplicam os coeficientes de 8% e de 12% sobre a receita bruta, para fins de determinação do lucro presumido e da CSL, respectivamente, na atividade de prestação de serviços de reabilitação e atendimento, por meio de fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia e hidroterapia, visto que constituem subatividades referentes à atribuição dos estabelecimentos assistenciais de saúde consistente na prestação de atendimento de apoio ao diagnóstico e terapia, desde que, cumulativamente, a prestadora desses serviços seja organizada, de fato e de direito, sob a forma de sociedade empresária, registrada na Junta Comercial, nos termos do Código Civil, e possua infraestrutura física conforme a Resolução de Diretoria Colegiada Anvisa nº 50/2002, cuja comprovação deve ser feita mediante alvará expedido pelo órgão de vigilância sanitária competente. Por outro lado, se os mencionados serviços forem executados por meio de assistência e/ou internação domiciliar (home care), o referido fator de presunção do lucro será de 32% para o IRPJ e para a CSL, por falta de amparo legal para utilização dos coeficientes de 8% e de 12%, respectivamente. 2.3 Serviços laboratoriais Os laboratórios de anatomia patológica e citológica compreendem, segundo o CNAE /01, os exames citológicos, citopatológicos e histopatológicos. Porém, ressalta-se que essa atividade não compreende as atividades dos laboratórios de análises clínicas (CNAE /02). De acordo com a Solução de Consulta Cosit nº 7/2014, se admite, desde 1º , que, para fins de determinação da base de cálculo do IRPJ e da CSL da pessoa jurídica organizada sob a forma de sociedade empresária e cumpridora das normas da Anvisa, do lucro presumido proveniente da prestação de serviços laboratoriais voltados para a anatomia patológica e citológica e de serviços de diagnóstico por imagem, todos listados na Unidade Funcional: 4 - Apoio ao Diagnóstico e Terapia da Resolução RDC nº 50/2002, da Anvisa, seja determinado mediante a aplicação dos percentuais de 8% e de 12%, respectivamente, sobre a receita da atividade. 3. Alíquotas 3.1 IRPJ No lucro presumido, o imposto trimestral será calculado mediante a aplicação sobre a base de cálculo: a) da alíquota de 15% sobre a totalidade do lucro presumido apurado no trimestre; b) da alíquota adicional de 10% sobre a parcela do lucro presumido trimestral que exceder a R$ ,00 ou, no caso de início ou encerramento de atividades no trimestre, sobre o limite equivalente ao resultado da multiplicação de R$ ,00 pelo número de meses do período de apuração. (RIR/1999, arts. 518, 519, parágrafo único, 541 e 542; Instrução Normativa SRF nº 93/1997, art. 3º, 1º e 2º, e art. 36, I) 3.2 CSL Desde 1º , a alíquota da CSL é de 9%. (Lei nº 9.249/1995, art. 19; Medida Provisória nº /2001, art. 6º, II; Lei nº /2002, art. 37) N Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 IR/LS19-15

18 a IOB Comenta Dimob Entrega da declaração pelas pessoas jurídicas que promovem o loteamento, a construção e a incorporação de imóveis Estabelece a Instrução Normativa RFB nº 1.115/2010, art. 1º, que devem apresentar a Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias (Dimob) as pessoas jurídicas e equiparadas que: a) comercializam imóveis que houverem construído, loteado ou incorporado para esse fim (devem ser apresentadas as informações relativas a todos os imóveis comercializados, ainda que tenha havido a intermediação de terceiros); b) intermedeiam aquisição, alienação ou aluguel de imóveis; c) realizam sublocação de imóveis; ou d) são constituídas para a construção, administração, locação ou alienação do patrimônio próprio, de seus condôminos ou sócios. Segundo o art. 2º da referida instrução, a Dimob deve ser apresentada pelo estabelecimento matriz, em relação a todos os estabelecimentos da pessoa jurídica, com informações sobre: a) as operações de construção, incorporação, loteamento e intermediação de aquisições/alienações, no ano em que foram contratadas; b) os pagamentos efetuados no ano, discriminados mensalmente, decorrentes de locação, sublocação e intermediação de locação, independentemente do ano em que essa operação foi contratada. A fim de esclarecer dúvidas que pairavam acerca da obrigatoriedade de entrega da Dimob, a Coordenação-Geral de Tributação (Cosit), por meio da Solução de Consulta nº 88, publicada no DOU 1 de , esclareceu que as pessoas jurídicas ou equiparadas que promovem o loteamento, assim como as que constroem ou que incorporam imóveis, devem apresentar a Dimob informando todas as unidades imobiliárias comercializadas diretamente ou com a intermediação de outra pessoa jurídica, a qual também deverá apresentar Dimob informando os imóveis cuja venda intermediou. Esclarece, ainda, que, para fins de apresentação da declaração, são determinantes as condições contratuais pactuadas entre a pessoa jurídica ou equiparada e o adquirente do imóvel. Para tanto, a definição dos valores a serem informados, na hipótese de existirem dois ou mais vendedores identificados no instrumento que formaliza o negócio celebrado, cada um dos vendedores (seja por venda direta, seja por meio de intermediação) deverá informar, na Dimob (em relação ao valor da operação e ao valor pago no ano ), os valores que lhe cabem no imóvel vendido, considerando os respectivos percentuais de participação na comercialização, conforme definição contratual. N a IOB Perguntas e Respostas IRPJ/CSL Entidades sem fins lucrativos - Suspensão do gozo da imunidade ou isenção 1) As entidades sem fins lucrativos podem remunerar seus dirigentes? Não. A instituição que atribuir remuneração de qualquer título, a seus dirigentes, por qualquer espécie de serviços prestados, inclusive quando não relacionados com a função ou cargo de direção, está sujeita à suspensão do gozo da imunidade ou isenção. Todavia, desde 1º , essa vedação não alcança a hipótese de remuneração de dirigente, em decorrência de vínculo empregatício, pelas organizações da sociedade civil de interesse público (Oscip), qualificadas segundo as normas estabelecidas na Lei nº 9.790/1999, e pelas organizações sociais (OS), qualificadas consoante os dispositivos da Lei nº IR/LS Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

19 9.637/1998, salientando-se que essa disposição se aplica somente a remuneração não superior, em seu valor bruto, ao limite estabelecido para a remuneração de servidores do Poder Executivo Federal. (Lei nº 9.532/1997, art. 12, 2º, a ; Lei nº /2002, arts. 34 e 68, III) Estabelecimentos de ensino - Isenção 2) Os estabelecimentos de ensino, constituídos como entidades sem fins lucrativos, estão isentos do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro (CSL)? Sim. Os estabelecimentos de ensino sem fins lucrativos estão isentos do IRPJ e da CSL. Porém, não estão abrangidos pela isenção os rendimentos e ganhos de capital auferidos por essas entidades em aplicações financeiras de renda fixa ou de renda variável. Considera-se entidade sem fins lucrativos aquela que não apresenta superávit em suas contas ou, caso o apresente em determinado exercício, destine o referido resultado, integralmente, à manutenção e ao desenvolvimento dos seus objetivos sociais. Para fins de gozo da isenção, tais entidades devem atender aos seguintes requisitos: a) não remunerar, por qualquer forma, seus dirigentes pelos serviços prestados; b) aplicar integralmente seus recursos na manutenção e no desenvolvimento dos seus objetivos sociais; c) manter escrituração completa de suas receitas e despesas em livros revestidos das formalidades que assegurem a respectiva exatidão; d) conservar em boa ordem, pelo prazo de 5 anos, contados da data da emissão, os documentos que comprovem a origem de suas receitas e a efetivação de suas despesas, bem como a realização de quaisquer outros atos ou operações que venham a modificar sua situação patrimonial; e) apresentar, anualmente, Declaração de Rendimentos, em conformidade com o disposto em ato da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB). (Lei nº 9.532/1997, art. 15) Processo administrativo-fiscal - Indeferimento do crédito objeto - Incidência de multa 3) Na hipótese do valor do crédito objeto de pedido de ressarcimento indeferido ou indevido, ou objeto de declaração de compensação não homologada, haverá a incidência de multa isolada? Sim. Será aplicada multa isolada de 50% sobre o valor do crédito objeto de pedido de ressarcimento indeferido ou indevido. O percentual da multa de que trata o pedido de ressarcimento indeferido ou indevido será de 100% na hipótese de ressarcimento obtido com falsidade no pedido apresentado pelo sujeito passivo. Aplica-se a multa de 50% também sobre o valor do crédito objeto de declaração de compensação não homologada, salvo no caso de falsidade da declaração apresentada pelo sujeito passivo. (Lei nº 9.430/1996, art. 74, 15 a 17, incluídos pelo art. 62 da Lei nº /2010) Responsabilidade dos sócios 4) Em quais situações, no âmbito do Código Civil, a responsabilidade dos sócios poderá ser requerida? Sob o ponto de vista cível, conforme dispõe a Lei nº /2002 (Código Civil), os sócios serão responsabilizados nas seguintes hipóteses: a) quando não houver a integralização do capital social e o patrimônio da sociedade for insuficiente para o pagamento dos credores sociais (art ); b) quando houver a incorreta estimação dos aportes (art , 1º); c) quando o sócio não administrador fizer incorreta utilização de firma ou denominação social (art ); d) até 2 anos após a morte, retirada ou exclusão do sócio pelas dívidas sociais (art ); e) até 2 anos em caso de cessão de quotas (art ); f) quando houver conflito de interesse pessoal com o da sociedade (art , 3º); g) quando o sócio aprovar deliberação ilícita (art ); h) pela ausência de bens de uma sociedade fictícia (art ). Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 IR/LS19-17

20 O administrador da sociedade limitada será responsabilizado com base nos arts , 1.011, 2º, 1.012, 1.013, 2º, 1.014, e parágrafo único, 1.016, e parágrafo único, 1.018, 1.020, 1.151, 2º, e 1.158, 3º, todos do Código Civil, e ao administrador da sociedade anônima será aplicado o disposto nos arts. 153 a 159 da Lei nº 6.404/1976. (Lei nº 6.404/1976; Lei nº /2002) Responsabilidade tributária - Limites 5) Até que limite a pessoa física ou pessoa jurídica que adquirir um estabelecimento responderá pelo Imposto de Renda devido? A pessoa física ou pessoa jurídica que adquirir, por qualquer título, fundo de comércio ou estabelecimento comercial, industrial ou profissional, e continuar a respectiva exploração, sob a mesma ou outra razão social, responderá pelo imposto, relativo ao fundo ou estabelecimento adquirido, devido até a data da aquisição: a) integralmente, se o alienante cessar a exploração do comércio, indústria ou atividade; b) subsidiariamente com o alienante, se este prosseguir na exploração ou iniciar dentro de 6 meses, a contar da data da alienação, nova atividade no mesmo ou em outro ramo de comércio, indústria ou profissão. (RIR/1999, art. 208, I e II) IR/LS Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 20/08/2014. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Opção

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

Lei Complementar 123/2006

Lei Complementar 123/2006 Lei Complementar 123/2006 Art. 18-A. O Microempreendedor Individual - MEI poderá optar pelo recolhimento dos impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais, independentemente

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 38 - Data 16 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Imposto sobre a Renda de Pessoa Jurídica - IRPJ Lucro presumido.

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*)

Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) Instrução Normativa SRF nº 543, de 20 de maio de 2005 (*) DOU de 24.5.2005 Dispõe sobre o Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (Dacon) relativo a fatos geradores ocorridos no ano-calendário

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

Simples Nacional: Histórico e Perspectivas

Simples Nacional: Histórico e Perspectivas Simples Nacional: Histórico e Perspectivas Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional SIMPLES NACIONAL GESTÃO COMPARTILHADA Comitê Gestor do Simples Nacional, órgão colegiado

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 Até dia Obrigação 3 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.11.2014,

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

Simples Nacional - Obrigações fiscais acessórias - Roteiro de Procedimentos

Simples Nacional - Obrigações fiscais acessórias - Roteiro de Procedimentos Simples Nacional - Obrigações fiscais acessórias - Roteiro de Procedimentos O Simples Nacional prevê, além da unificação de procedimentos em relação à apuração e recolhimento de impostos e contribuições,

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Lei Complementar n o 139, sancionada em 10 de novembro de 2011 (PLC 77/2011, do Poder Executivo) Entre os principais avanços do projeto está

Leia mais

Art. 1º O art. 1º da Resolução CGSN nº 3, de 28 de maio de 2007, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º O art. 1º da Resolução CGSN nº 3, de 28 de maio de 2007, passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO CGSN Nº 115, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 DOU de 08/09/2014 Publicação: 08/09/2014 Altera a Resolução CGSN nº 3, de 28 de maio de 2007, que dispõe sobre a composição da Secretaria Executiva do Comitê

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI

GUIA PRÁTICO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI GUIA PRÁTICO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI 2009 APRESENTAÇÃO O Guia Prático do Microempreendedor Individual MEI - é uma publicação da FENACON e dos sindicatos que fazem parte do Sistema SESCAP/SESCON.

Leia mais

PALAVRA DO PRESIDENTE. Prezados(as) Colegas,

PALAVRA DO PRESIDENTE. Prezados(as) Colegas, PALAVRA DO PRESIDENTE Prezados(as) Colegas, Após anos de batalhas junto aos poderes constituídos conquistamos, em 2014, uma das mais relevantes vitórias: A INCLUSÃO DOS CORRETORES DE IMÓVEIS NO SIMPLES

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

ANO XXVI - 2015-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2015

ANO XXVI - 2015-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2015 ANO XXVI - 2015-2ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 02/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA JANEIRO/2015... Pág. 49 ASSUNTOS TRABALHISTAS MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal?

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? Nas operações de vendas a contribuinte, a Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A ou a Nota Fiscal

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008 PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Maio/2008 1 CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional. (LC123/2006,

Leia mais

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Manual Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Sumário DASN-SIMEI 1. Definições...2 2. Acesso à Declaração...3 3. Apresentação do Programa...3 4. Requisitos Tecnológicos...4

Leia mais

MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016

MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016 MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016 PGMEI Pág. 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 3 1.2 OBJETIVO DO PROGRAMA... 3 1.3 A QUEM SE DESTINA... 3 1.4 TRIBUTOS ABRANGIDOS PELO SIMEI...

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

IN RFB 1.015/10 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 1.015 de 05.03.2010

IN RFB 1.015/10 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 1.015 de 05.03.2010 IN RFB 1.015/10 - IN - Instrução Normativa RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB nº 1.015 de 05.03.2010 O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUBSTITUTO, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

Simples Nacional e MEI: Alterações para 2012

Simples Nacional e MEI: Alterações para 2012 Simples Nacional e MEI: Alterações para 2012 10/02/2012 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) aprovou a Resolução nº 94, de 29/11/2011, que consolida todas as resoluções do Simples Nacional voltadas

Leia mais

CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012. Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI.

CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012. Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI. CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012 Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI. Senhor Inspetor, Em reunião da qual participei hoje e onde estavam

Leia mais

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped.

O arquivo da EFD-Contribuições deverá ser validado, assinado digitalmente e transmitido, via Internet, ao ambiente Sped. 001 O que é a EFD-Contribuições? A EFD-Contribuições é a Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 14 DE AGOSTO DE 2007 Mensagem de veto Altera a Lei Complementar n o 123, de 14 de dezembro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições 26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições A norma em referência, entre outras providências, dispôs sobre a determinação e o

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

CURSO SIMPLES NACIONAL

CURSO SIMPLES NACIONAL CURSO SIMPLES NACIONAL Instrutor: Orlando Silveira Alterações recentes no Simples Nacional Foram publicadas no Diário Oficial da União, no dia 15 de setembro de 2010, três Resoluções: A Resolução nº 76

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAMBUÍ Praça Mozart Torres, 68 Bairro Centro Cep.: 38.900-000 BAMBUÍ - MG CNPJ: 20.920.567/0001-93 . DECRETO Nº 1.763 DE 18 DE MARÇO DE 2014. PREFEITO MUNICIPAL DE BAMBUÍ, em vigor, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: CAPÍTULO I DO SISTEMA ELETRÔNICO DE GESTÃO DO ISSQN

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS 1º/08/2014 Pergunte à CPA Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS Apresentação: José A. Fogaça Neto Simples Nacional Criado pela Lei Complementar 123/06, reúne oito tributos em um recolhimento unificado

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Informativo Agosto/2014 edição 12

Informativo Agosto/2014 edição 12 Informativo Agosto/2014 edição 12 Resolução nº 4.346, de 25 de Junho de 2014 -DOU de 26.06.2014 Define a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) para o terceiro trimestre de 2014. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

Receita.fazenda.gov.br (05/01/2009)

Receita.fazenda.gov.br (05/01/2009) Instrução Normativa RFB nº 903, de 30 de dezembro de 2008 Dispõe sobre a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF). O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUBSTITUTO, no uso da atribuição

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido Aline de Melo Silva Discente do 4 ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Karen Cássia de Souza Discente

Leia mais

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012

EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 PIS/COFINS EFD Contribuições (PIS/COFINS) Atualizado com a Instrução Normativa RFB nº 1.280/2012 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. CERTIFICADO DIGITAL 3. OBRIGATORIEDADE 3.a Dispensa de Apresentação da EFD-Contribuições

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

Assunto: Simples Nacional - Alterada a legislação das microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo regime tributário simplificado

Assunto: Simples Nacional - Alterada a legislação das microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo regime tributário simplificado Rio de Janeiro, 11 de novembro de 2011. Of. Circ. N 351/11 Assunto: Simples Nacional - Alterada a legislação das microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo regime tributário simplificado Senhor

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1.

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1. 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO Segundo o art. 16 da Instrução Normativa DNRC em tela, ao final dos nomes dos empresários e das sociedades empresárias que estiverem em processo de liquidação, após a anotação

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010 SIMPLES NACIONAL Panorama para 2010 SILAS SANTIAGO Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 2010. Fundamentação legal Histórico: Fundamentação legal Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF 05/05/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Time da Eficiência Comercial... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Comparativo

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 3 IRRF Salário de Agosto de 2015 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.08.2015, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra

Leia mais

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014

DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 DECRETO Nº 4.252 DE 13 DE MARÇO DE 2014 (Dispõe sobre a instituição e obrigatoriedade da nota fiscal eletrônica de serviços, da declaração eletrônica de prestadores e tomadores de serviços, com pertinência

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS APRESENTAÇÃO: SESCON BLUMENAU Leila P. Franke SESCON BLUMENAU Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou resoluções que prorrogam o prazo da competência

Leia mais

SIMPLES NACIONAL O que muda a partir de 2012. alterações da Lei Complementar 139/2011

SIMPLES NACIONAL O que muda a partir de 2012. alterações da Lei Complementar 139/2011 SIMPLES NACIONAL O que muda a partir de 2012 alterações da Lei Complementar 139/2011 SIMPLES NACIONAL O que muda a partir de 2012 alterações da Lei Complementar 139/2011 2011. Serviço de Apoio às Micro

Leia mais

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL Décimo Terceiro Salário Nesta orientação, vamos apresentar como deve ser preenchida a declaração do SEFIP Sistema

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2010 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA - ASPECTOS TRIBUTÁRIOS Conceito - Procedimentos Fiscais na Extinção

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 DECRETO Nº 28.576, DE 14 DE SETEMBRO DE 2007. PUBLICADO NO

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 02/2015

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 02/2015 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 02/2015 (27 de Fevereiro de 2015) 01. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 669, DE 26.02.2015 - DOU DE 27.02.2015 Ementa: Previdenciária - Aumentadas as alíquotas de contribuição

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APOSTILA 5 LIVRO V DO RICMS-RJ. Atualizada até o Decreto 44.200 de 13/05/2013

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APOSTILA 5 LIVRO V DO RICMS-RJ. Atualizada até o Decreto 44.200 de 13/05/2013 DECRETO 27.427/00 - RICMS RJ LIVRO V PROF. CLÁUDIO BORBA 1 LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APOSTILA 5 LIVRO V DO RICMS-RJ Atualizada até o Decreto 44.200 de 13/05/2013 PROF. CLÁUDIO BORBA

Leia mais

001 O que é o Simples?

001 O que é o Simples? 001 O que é o Simples? O Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte (Simples) é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido,

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte Definição 1. O SIMPLES está em vigor desde 1.º de janeiro de 1997. Consiste no pagamento

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais