ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO PORTUGAL FASHION

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO PORTUGAL FASHION"

Transcrição

1 ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO PORTUGAL FASHION

2 Portugal Fashion - uma Marca afirmada, que está convidada a entrar num novo ciclo: criar um verdadeiro Sistema de Moda em Portugal no único espaço possível, o Mundo, assente numa competência central, o Conhecimento, com um saber próprio, Ligar Pessoas, Projetos, Organizações e com a linguagem certa, a Digital, constituindo-se como nó na Rede da Criatividade e da Inovação. 2

3 Portugal Fashion - uma Marca com poder para ultrapassar a sua origem mono produto, centrada em desfiles e no têxtil e vestuário, devendo ambicionar um lugar na fileira criativa mais ampla, atraindo e gerando Talento para um Portugal aberto ao Mundo. PF, marca de Nova Geração que potencia o viver na Cidade e que vive em compatibilidade permanente com outras grandes marcas de outros sectores de atividade, de onde resultam valiosas parcerias.

4 Índice 1. Análise Qualitativa Objetivos...6 Metodologia...7 Moda: Actores...8 Moda: Processos...25 Moda: Eventos e Comunidade...37 Zoom PF Análise Económica O Sector Moda Análise do Sistema Moda e o seu futuro. Visão Professor Augusto Mateus...69

5 1. ANÁLISE QUALITATIVA 5

6 Conhecer a opinião dos stakeholders do sector da Moda acerca do Portugal Fashion e do seu lugar perante os distintos actores Enquadrar a Opinião numa visão estratégica do Sistema de Moda, em Portugal revisão de conceitos, mapa de oportunidades Identificar campos de intervenção acionável, que cruzem dinâmicas da Procura com competências PF, no plano nacional e internacional 6

7 Com o objectivo de mapear o conjunto de actores e de representações que se articulam em torno de uma marca/instituição como o PF, recorreu-se a um conjunto de ferramentas metodológicas da área das ciências sociais e humanas, numa perpectiva interdisciplinar: 1.Observação de ambiente: permitiu uma incursão qualitativa e narrativa, in loco, para estabelecimento de directrizes e posterior teorização sobre a realidade estudada. Duração: de Outubro, Porto, certame Portugal Fashion Equipa: 4 pessoas 2. Inquéritos: foram realizados com o objectivo de mapear as representações dos diversos participantes no evento, recolher informação quantitativa e obter uma amostra com alguma representatividade. O inquérito era composto por conjunto de 21 afirmações. A primeira parte contemplava uma caracterização sócio-profissional dos inquiridos, enquanto que na segunda lhes era pedido que respondessem, de acordo com uma escala de medição estipulada que oscilava entre o concordo totalmente e discurso totalmente. O inquérito encontrava-se ainda sectorializado por áreas de discussão que contemplam os percursos da produção da moda em Portugal, no geral, e o conjunto de valências do PF enquanto marca e instituição, em particular. Foram aplicados um total de 320 inquéritos, a um conjunto de 175 mulheres e 165 homens, com idades compreendidas entre os 18 e os 70 anos de idade. 3. Entrevistas: com o objectivo de reunir informação qualitativa, no sentido de alargar e aprofundar o escopo da discussão, foram realizadas 23 entrevistas a actores-chave envolvidos no sistema moda português, entre os quais criadores/as, manequins, professores de design de moda, fotógrafos e jornalistas. As entrevistas, com cerca de uma hora de duração, foram estruturadas sob a forma semi-dirigida com o objectivo de estabelecer linhas directoras específicas, mas que permitissem a flexibilização da conversa, de acordo com o contexto específico e com os interesses dos entrevistados e as mutações próprias a estes contextos. A partir das suas transcrições foi possível proceder a uma análise de conteúdo, cujos resultados se reflectem no estudo final e no conjunto de recomendações apresentadas neste Relatório. Duração e local: Novembro de 2012, Lisboa e Porto Equipa: 3 pessoas 7

8 JORNALISTAS No que se refere à Moda, o jornalismo praticado em Portugal tende a ser visto como impreparado e pouco competente, sem tradição crítica. A esta perceção junta-se o agravar da crise nas empresas de media, com redução de profissionais e maior pressão sobre os efetivos que estão nas redações. Apesar disto, as iniciativas PF são vistas como fornecedoras de bons conteúdos, seja no plano do Social, seja nos temas e personagens que compõem o sistema de Moda e toda a sua criatividade e glamour. Tópicos como novos talentos e internacionalização revelam-se com bom potencial de publicação. A experiência e marca PF tem condições para atuar como fornecedor de saberes e linguagens para uma classe disponível para saber mais, se houver elevada conveniência na entrega desses saberes Faltam mais pessoas, faltam mais pessoas, também.. faltam mais pessoas. Mas eu acho que o que está a acontecer neste momento é que eles andam a despedir pessoas porque não têm dinheiro para lhes pagar, a nível de imprensa e tudo. Tenho amigas minhas que eram jornalistas e estão a ficar desempregadas. Retalhista E acho que temos um grande carinho a nível de imprensa, porque as pessoas ligam-nos e pedem-nos coisas e etc. Era isso que eu lhe estava a dizer, eu também tento fazer um bocado; ainda no sábado cheguei de Lisboa e tive que ir para um festa na Casa da Música porque estava lá toda a gente que nos interessava, percebe? Designer É um país pequeno e com muito pouca cultura de, de.. A imprensa é preguiçosa, nós temos muito pouca cultura de trabalho. A nossa imprensa, geralmente, é muito preguiçosa. E eu vejo isso até pelo meu contacto com a imprensa, daquilo que é feito. Olhe, muitas vezes, comigo, não há o mínimo cuidado de perceber o que é que a pessoa faz de facto: fazer alguma pesquisa e contextualizar a pessoa. Há muita preguiça, muita malandrice na área da imprensa; e isso reflecte-se muito no trabalho. Fotógrafo 8

9 CONSUMIDORES O estudo revela um consumidor português que se liga com a Moda a partir das grandes marcas retalhistas. No quadro de uma experiência globalmente muito positiva quanto à relação com lojas e centros comerciais, que tem caracterizado a sociedade de consumo em Portugal, as pessoas identificam lojas de marca com tendências de moda Este é um consumidor interessado no tema, nas suas manifestações mais mass market, com baixa literacia e consequentes dificuldades de valorização do trabalho de estilistas. Complementarmente registe-se a ideia de que haverá uma elite mais exigente e disponível para responder a outro tipo de proposta de valor, mas pautada por uma cultura de moda conservadora. Haverá um importante trabalho a fazer pela Marca PF no sentido de levar até ao consumidor comum a notícia de que há um sector da Moda em Portugal que cria, inova e que não se reduz à exportação industrial. E há muita mais gente com tendência para comprar coisas da Dolce & Gabbana, e daquelas marcas assim mais corriqueiras, mas que têm nome e é internacional, do que propriamente o criador português, não é? Retalhista Sim, em determinados casos era demasiado conservador. Porquê? Porque temos.. porque, hoje em dia, continuamos a ter um público, ou seja, um público que tem capacidade para consumir, digamos um produto alto, médio alto. É, de facto, um público conservador, na sua maioria. Hmmm, isto se quisermos falar em termos gerais, se calhar há 1 a 3% desse público que são arquitectos, designers, pronto.. Designer Eu acho que para além de ter de haver uma divulgação maior e mais acessível ao público de outras classes, classes mais baixas, o próprio público tem de ter sensibilidade para conseguir analisar o trabalho dos estilistas. Isto é claro que é complicado, para o mundo da moda, estar a tentar implementar isso no público. Mulher, FG Porto 9

10 ESCOLAS O tema Escolas de Moda não reúne consenso na amostra entrevistada, mas pode-se falar num contributo positivo de Portugal Fashion no sentido de criar um poder de atração para a área Moda, pela abordagem aspiracional que transporta consigo. A antinomia escolas mais profissionais vs cursos superiores surge no discurso de profissionais do sector com claras vantagens para as primeiras, até pelo maior realismo com que podem perspetivar o futuro dos alunos no período pós formação. Acompanhando outras áreas do conhecimento e da formação, o tema do horizonte de desemprego surge nas entrevistas, refletindo deficits de articulação entre ensino e empresas. A PF é pedido, ao longo do estudo no seu conjunto, que intensifique a aposta na revelação de novos valores, permitindo lhes testar formas de ver e criar com públicos da fileira profissional, de modo a ajustar curricula. Eu acho que temos excelentes escolas em Portugal. Citex chegou a ser um modelo de escola para toda a Europa, há uns anos atrás. É uma escola maravilhosa. Esta coisa dos cursos superiores de Design de Moda; a maior parte das vezes são um flop. Designer da Indústria É uma questão de estruturação. Eu acho que a culpa também é das escolas. Quando estão a formar estes activos, não lhes explicam como é que isto vai funcionar um dia. Jornalista de Moda...hoje em dia há escolas de mais por isso há muito mais desemprego. (...) já não é Citex. E essa é a melhor escola de Moda. É de onde saem os melhores. Mas as escolas de Moda são.. Eu não sei como é que elas estão a funcionar, mas deviam ter.. eu acho que elas funcionam com estágios e não sei quê, mas pronto, acho que nós estamos a criar.. vem gente.. Eu acho que, no fundo, as escolas funcionam melhor hoje em dia do que há uns tempos atrás, quando nem sequer haviam. Produtora 10

11 ESCOLAS As Escolas revelam-se, ainda, pouco consistentes no equilibrar das dimensões teórica e prática, revelando fraquezas no domínio da experiência concreta em sede de criação de peças, da sua aproximação ao mundo da produção. Esta menor ligação com a realidade do processo, sobrevalorizando-se o estético implica em frustrações graves para alunos e docentes há um sentido de facilidade e de rapidez que não corresponde ao real. Refletindo a heterogeneidade da oferta educativa, há quem refira, pelo contrário, que aprendeu acerca do que poderia esperar, depois de completar a escola, no lado da indústria, marcando as diferenças entre tempo de atelier, de conceção e tempo de fábrica, de produção, com toda o seu enquadramento de negócio, de produtividade para o mercado. É reconhecido por todos, a este propósito, que a relação entre Estilismo e Indústria faz parte do código genético de PF, enquanto Marca, pelo que se poderia esperar que essa experiência acumulada fosse comunicada, pedagogicamente, ao universo de alunos. Tirei o curso na Academia de Moda do Porto, que já não existe. E que, a nível conceptual e de.. foi incrível, a nível técnico acho que não havia docentes suficientes para a coisa funcionar: não era o melhor possível. Mas acho que dentro daquilo que se pode fazer, fez-se o melhor possível. Jovem Designer Requer muita dedicação, muito tempo. Hoje em dia, acho que os jovens designers não têm muito essa noção. Eu percebo isso pelos estagiários que nós temos, acham que é tudo imediato e que as coisas acontecem no fim do curso, em 6 meses ou 1 ano. Designer Não sei se haverá essa disciplina de gestão de carreira. Mas sim, há uma preocupação da parte dos cursos, pelo menos no meu houve, de nos prepararem para as dificuldades em termos de indústrias; o que é que é mais possível fazer; o que é que se pode fazer em atelier, o que é que se pode fazer numa indústria. Jornalista de Moda 11

12 ESCOLAS Há, também, testemunhos de quem apostou na sua formação a partir de uma vocação na grande área do Design, procurando criteriosamente formas de satisfazer essa inclinação, investindo no processo de aprendizagem e sabendo juntar aproveitamento escolar com possibilidade de entrada em estágio de âmbito profissional fora do país, mas com suficiente nível de conveniência espacial e temporal para viabilizar o projeto. O tópico do irrealismo ou desajuste entre tema e condições de trabalho, de enquadramento nos limites do país é, entretanto, recorrente nas entrevistas aos profissionais, quando se referem aos seus mais jovens colaboradores. Eu sempre gostei de design, mas não ligava a calçado, então preferi entrar pela roupa. Olhe, tirei o curso de Design e Moda na escola profissional Cenatex, em Guimarães. (...) Sim, sim, toda cá de cima. Tirei em Guimarães. Depois, como tinha boas notas e fazia um bom trabalho fui estagiar para Sevilha, na altura do Natal. Designer Eles vêm cheios de sonhos, mas dá-me a sensação que as aulas são muito teóricas e quando cá chegam eles não sabem fazer nada. É preciso trabalhar no terreno para perceber as dificuldades que nós temos. Um editor em França telefona para um showroom e manda vir o look 13 da Louis Vuitton. Aqui, não manda vir o número 13 porque o número 13 nunca cá chega. As peças não vêm dos showrooms internacionais, não chegam ao mercado nacional, pelo menos para as revistas portuguesas; obviamente que as revistas internacionais têm outras facilidades, mas é óbvio que os miúdos vêm cheios de sonhos e acham que todas as revistas são aspiracionais. Editora de Moda É notória a relação que o PF mantém com escolas/cursos de moda e design Como vimos em estudos anteriores, o sentimento das escolas face ao PF é de gratidão, no essencial, pelo facto de manterem vivo o tema Moda através dos eventos anuais, possibilitando acesso físico a este mundo de grande produção. Uma autoridade PF que legitimaria uma maior aproximação da Marca ao universo escolar aportando realismo e adequação de expectativas. Concordo Muito Não concordo nem discordo Concordo em Parte Discordo em Parte Discordo Totalmente 2% 60% 22% 16% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 1% 12

13 INDÚSTRIA Tal como sucede com o universo das escolas, também no modo como a Indústria é percebida se encontram olhares muito diferenciados, refletindo um universo instável, em que a informação circula de forma irregular, penalizando uma visão minimamente harmoniosa, segura sobre o que está a acontecer no terreno. Nestes três depoimentos de outros tantos entrevistados podemos observar o entusiasmo perante o nascimento de um projeto de marca, em que juventude, criatividade e indústria estavam juntas. Mas, também se pode ler uma afirmação que vai no sentido da avaliação positiva da pouca indústria que resiste, ao lado de outra que aponta para sérias dificuldades desta mesma pouca indústria, que existe em Portugal. Enquanto Marca de convergência do sector, PF poderia atuar como editor sereno e seguro do que realmente se passa no mercado, dando coerência e algum sentido de sustentabilidade ao mundo da Moda em Portugal. Então apostei mais na ideia de indústria, de começar a aprender para indústria. Então surgiu a ideia de ir para a Red Oak, que era uma marca que estava começar na altura, com muita gente nova, e eu também achei interessante a ideia de começar um projecto de início, uma marca interessante. E fui para lá e estagiei lá. Jovem Designer A nível de empresas eu acho que somos pouquíssimas empresas. Acho não, tenho a certeza: somos cada vez menos. Mas as que estão cá eu acho que estão a fazer um bom trabalho. Designer da Indústria Eu muitas vezes abria o leque para tentar que eles se formassem noutros sentidos. Porque eu, com os anos de experiência que tenho, se for daqui embora, não tenho para onde ir. Tenho porque as escolas continuam abertas e com o currículo que eu tenho de ter dado aulas, entro em qualquer uma. Mas na indústria não há, não há mais. Há a Lion of Porches, há a Dielmar, a Lanidor, a Salsa, a Tiffosi, a QuebraMar e... (...) Há a Globe, que pertence à Throttleman, que está falida. A Red Oak está falida, que também é do mesmo grupo. A Lanidor também está toda trémula. Designer da Indústria 13

14 INDÚSTRIA Os designers de moda, que não têm relação orgânica com a Indústria olham para esta de forma crítica. Uma das abordagens menos positiva assenta numa alegada falta de vontade ou capacidade de investir em verdadeiras marcas, com escala, em enquadramentos competitivos superiores. Noutra via crítica, registe-se a ideia de uma indústria insensível às necessidades (necessariamente modestas, em quantidade) de designers, que precisam de materializar as suas criações, sem conseguir reunir argumentos válidos para convencer os industriais Quanto aos designers inseridos em organizações industriais, a queixa vem de um desajuste entre tendências de vanguarda e capacidade de absorção do mercado, aqui representado por comerciais, cujos padrões estéticos seriam discutíveis desajustes de tempo, pelo menos, com disfunções perturbadoras no fluir do sistema. Da parte do industrial, que acaba sempre por não acreditar. Há uma falta de confiança - continua a haver - e uma falta de taxa de esforço ou de poder financeiro para fazer com que uma marca, com muito investimento, chegasse a um patamar que uma marca... Designer Se você disser: quero 20 peças destas, a indústria não nos faz. Portanto, a indústria também esteve sempre desligada do autor. Eles que não se queixem agora, porque eles estiveram sempre de costas voltadas para os designers. Designer Temos que fazer um bocadinho o que os comerciais querem, e nem sempre são as pessoas que nós respeitamos mais em termos estéticos. Temos que perceber que o mercado que nós vendemos nem sempre é uma mercado de topo e, portanto, anda uma estação atrasada, pelo menos. E eu estou a fazer xadrez azul e vermelho, mas isso só se vai usar para o meu mercado na próxima estação. Portanto, estou adiantado e tenho que recuar: tenho muita pena, mas faço uma para mim. Designer da Indústria 14

15 INDÚSTRIA A imagem e reputação da indústria portuguesa junto de profissionais da comunidade Moda entrevistada tem, ainda, outras dimensões críticas, como se percebe nestes extratos de entrevista. Uma acusação tem a ver com o predomínio do curto prazo nos processos de decisão algo que impediria o investimento em projetos de risco, no sentido da incerteza de resultados da criatividade nacional, levando à mais segura adoção de modelos de subcontratação. A noção de que teremos, em Portugal, do lado da indústria uma mentalidade e uma prática assente na cópia está, entretanto, muito disseminada. Questões de ordem económica, de poupança de custos, mas também de cultura de algum facilitismo, porventura de pragmatismo de correspondência entre Oferta e probabilidade de acertar no que a Procura precisa estariam na base desta opção consciente pelo modelo de cópia. Ou seja, eu acho que houve um período.. hoje em dia menos, mas continuo a ver um bocadinho de falta visão, de falta de investimento por parte pare dos industriais. Porque se.. Assumindo que todos são ou têm uma postura séria. Se eles conseguirem apoiar esse criador, se esse criador conseguir crescer no mercado nacional ou internacional, logicamente que vai querer manter esse vínculo e, por aí, poderá ganhar.. poderá não ganhar nos primeiros dois ou três anos, mas quem sabe no final do terceiro, do quarto, do quinto ano.. essa marca poderá estar a vender milhares. Ou seja, há esta falta de visão e.. pronto.. e que aqui, o facto de esta indústria de confecção, que existia em Portugal, ter falido, ter fechado, está um bocado relacionado com isto, ou seja: basicamente nós produzíamos para marcas estrangeiras que, quando surgiram mercados mais competitivos, mudaram-se e as fábricas ficaram sem trabalho. Designer Sim, seriam menos desfiles. E acho que eu também passaria, por exemplo, a parte da indústria para uma feira paralela, tipo a feira Modtissimo. Acho que a indústria não tem sentido estar ali, porque tem colecções mesmo muito desinteressantes. Designer É a mentalidade dos industriais e dos designers. Porque os industriais vêem que é mais barato viajarem, irem às marcas que eles copiam. Compram as peças, chegam cá e mandam copiar. Eles fazem todos isso, todos: Lanidor, Decenios... todos. São meus clientes, mas eu sei como é que eles trabalham, todos. É mais fácil e mais barato comprar.. Já está lá o molde feito, é só copiar.. Produtor Não, isso não é assim noutros países. As marcas contratam os criadores. Aqui, a indústria funcionava de outra forma. Iam ao Prêt-àporter, compravam dois ou três modelos e copiavam em série. Nunca houve essa abertura, dá-me a sensação, da parte da indústria; nunca teve muito a ver com os criadores nacionais.. nunca houve essa abertura de contratar um profissional para fazer uma colecção. Editora de Moda 15

16 INDÚSTRIA Uma evidente atitude de alheamento pelo (mesmo que pequeno) mundo de criadores portugueses completa o quadro de baixa ligação entre os dois mundos, tal como é entendida pelos profissionais mais ligados à criatividade. O consumidor final, pelo seu lado, procura guiar-se pelas marcas de retalho, atribuindo-lhes um duplo papel: domínio da produção (tecido, corte, tamanhos) e referência de estilo ( apesar da moda ). Dito de outro modo, as marcas comerciais operam, com sucesso, inspirando confiança pela constância dos seus comportamentos, a transição entre a plataforma de inovação e criatividade representada pelos desfiles e a acessibilidade ao consumidor comum. Uma missão bem recebida, conciliando os dois níveis em que se materializa a moda para uso quotidiano. Não, isso não é assim noutros países. As marcas contratam os criadores. Aqui, a indústria funcionava de outra forma. Iam ao Prêt-à-porter, compravam dois ou três modelos e copiavam em série. Nunca houve essa abertura, dá-me a sensação, da parte da indústria; nunca teve muito a ver com os criadores nacionais.. nunca houve essa abertura de contratar um profissional para fazer uma colecção. Editora de Moda Há certas marcas que nos deixam andar confortáveis, já sabemos qual é o corte das peças, qual é o tipo de tecido que utiliza, se a gente preferir malhas, sedas há sempre aquelas marcas que a gente sabe que seguem aquele padrão, apesar da moda. Mulher, FG Porto Vi uma vez numa reportagem que nos desfiles, as roupas que são usadas são sempre exageradas, seja em corte, dimensões, o que é comercializado depois pela marca, é menos Mulher, FG Porto 16

17 INDÚSTRIA Para quem conseguiu um trabalho numa fábrica com nome no mercado o balanço é positivo. A estabilidade conquistada contrasta claramente com as tentativas feitas por conta própria, em que a insegurança de recebimentos, por exemplo, ou os custos de abordagem e negociação com a indústria se revelavam muito altos. Surge, entretanto, uma valorização muito intensa das empresas industriais que investiram e conseguiram criar verdadeiras marcas símbolo de uma geração, que sabe e gosta de se reconhecer no seu nome, linguagem, iconografia. O tópico da pouca divulgação da atividade de moda em Portugal ganha aqui particular acuidade, deixando entender que se essa divulgação existisse outro clima pró moda poderia ser criado, recompensando os que vivem e trabalham neste universo e trazendo outro valor para o negócio. Trabalhava na indústria. Eu ainda agora estou na indústria, mas gosto porque comecei primeiro como fardas, por conta própria. Depois houve faltas de pagamentos e tudo, e descartei. Não dava, porque era muito incerto E depois consegui um trabalho na C.R.S.. Consegui esse trabalho com a Modtissimo, com um stand que nós tínhamos na altura, que eu achava que era muito boa ideia. Também continuam a ter, aqueles que ganham os prémio têm direito a um stand na Alfandega. Foi por aí que arranjei esse trabalho. (...) Então, nós depois íamos às fábricas. Na altura eu vi-me um bocado aflita porque as peças eram muito complicadas e as fábricas, realmente, não gostam de sair da linha de peças que costumam fazer, porque têm que parar tudo e é complicado. Mas consegui arranjar uma empresa com a qual eu ainda trabalho. Jovem Designer Não há grande divulgação. Em termos de marcas, indústria, eu reparo que agora, com algumas modelos que vêm para fazer trabalhos cá - como editoriais de Moda - muitas adoram a Salsa. Jornalista de Moda 17

18 DESIGNERS Existe nos designers uma convicção de seriedade, de que trabalharam para lá chegar e de que estão em posse dos conhecimentos necessários. É um orgulho sereno, que afirma a profissionalidade dos seus trabalhos. Aponte-se o envolvimento com o espaço do trabalho, os ateliers, os bastidores. Sentem-se dedicados ao universo da moda. Este trabalho de criação e dedicação parece ser visto como a ideia de fazer moda. Nesta última citação temos uma acção criadora perante um estado menos apetecível da moda. A moda não estava bem, tinham de intervir. Destaque ainda para a importância da formação, da aprendizagem. A existência de um trabalho de crescimento, de etapas, justifica uma posição: esta é uma profissão séria. E o que eu lhe posso dizer é que acho que sim, acho que com um certo êxito, na medida em que nós estivemos sempre vinculados a uma ideia de trabalhar honestamente na Moda, com muito profissionalismo, privilegiarmos muito, portanto, o trabalho, de bastidores, de atelier. É o nosso mundo, gostamos de estar com ateleistas, no terreno, mesmo a trabalhar. Temos uma escola, estudamos muito de moda, temos um conhecimento muito profundo da escola clássica de Moda, de toda a maneira de trabalhar que envolve o atelier, em termos da construção, em termos da criação de volumes, em termos das estruturas, como é que se faz; os segredos. Designer Tendo sido iniciado quase ainda 2 anos antes, ou seja, em 2003, 2001, pronto, e, pronto, este projecto surgiu ainda durante a faculdade. Foi, no fundo, um resumo, um balanço do que foi a nossa aprendizagem na faculdade, no nosso curso de 5 anos. Fez-se uma análise daquilo que seria, ou era, a Moda portuguesa, na altura, e achámos que havia um certo cinzentismo, e achámos que, achámos que devíamos trazer um pouco mais de cor à Moda portuguesa. E.. esta cor é no sentido metafórico, não é só em relação à própria cor das peças. Designer 18

19 DESIGNERS Apesar da confiança em si próprios, há muitos desafios que se põem aos designers. Primeiro há que lidar com a crítica. Se por um lado muitas pessoas falam da qualidade dos nossos designers, outros dizem que só alguns realmente fazem a diferença. Parece faltar ainda uma verdadeira afirmação da classe. Segue-se a difícil tarefa de vender o seu trabalho, visto que os designers não são retalhistas, nem comerciais, nem tão pouco têm a devida formação. Este desfasamento entre a criação e a sua distribuição atravessa todo o estudo e permanece um verdadeiro desafio para todos os envolvidos. No caso da relação entre designers e indústrias mantém-se a aparente incompreensão das últimas para com a criatividade natural dos primeiros. Para os designers, os limites realistas das indústrias são ainda obstáculos significativos. Os casos de sucesso de colaboração são escassos, ou pouco conhecidos, aumentando o intervalo entre estes dois campos. Chegou a trabalha aqui comigo, a desenhar a colecção de senhora, mas também não se adaptou à indústria. Portanto, se mesmo essas pessoas que são muito especiais, que têm uma forma de mostrar as coisas e de fazer as coisas com muito valor, não conseguem sobreviver, estar a criar.. Designer da Indústria Dos criadores com nome próprio, acho que temos imensos valores. Designer da Indústria É, e a nível de criadores portugueses também não é fácil: só há 2 ou 3 que.. Retalhista Ver se a pessoa está a trabalhar como deve ser toda a parte de logística, produção, distribuição etc. etc. porque abrir uma loja por abrir uma loja não vale a pena. Ou temos uma máquina que alimenta todo o processo da loja a nível de fornecimento de produto, da questão das montras, da imagem, do trabalhar também isso com os clientes.. Acho que não se pode pegar num designer e "vamos lá abrir uma loja e ver o que é que acontece Designer Agora eu posso dar esse meu know how que já o fiz, por acaso já o dei no passado, durante 3 anos ou 2 anos, 3 anos na grande indústria e fi-lo muito bem. Mas isso não se pode imiscuir, não se pode.. são realidades completamente diferentes, são discursos completamente diferentes e cada um tem o seu terreno, o seu campo de trabalho, pronto. Designer 19

20 DESIGNERS Para os outros actores do sistema, a imagem dos designers portugueses corresponde a um caminho que, ainda que esforçado, resulta numa posição semi-elitista (porque não vendem para as massas) e semiprofissional (porque não se submetem às regras da indústria/retalho). Se para uns é a questão da construção da marca que está em causa, para a maioria dos entrevistados o sucesso real parece ser medido em termos de negócios. Não havendo um crescimento, ou um salto significativo dos designers, forma-se a ideia de estagnação de afunilamento. Na prática, a falta de contacto no dia-a-dia com o trabalho destes players, ou seja, a impossibilidade de nos cruzarmos com uma loja, com uma montra, com uma proposta de compra, torna mais difícil imaginar que estes profissionais existam para além dos desfiles. O criador, fora o Felipe que é uma coisa que se passa lá fora.. nós temos uns criadores cá que, fora o Luís Buchinho e talvez o Miguel Vieira, gastam aquele dinheiro, fazem aquela colecção, vendem aquela colecção aos amigos, voltam a fazer colecção. Portanto, o negócio não passa dali, é um afunilar.. não é um afunilar, nunca conseguiram ter.. Produtora Que era o que eu via o Buchinho a ter que ir passar, porque não havia dinheiro para ir a lado nenhum. E eles esforçaram-se imenso, eles merecem o lugar que têm neste momento, que foram 20 anos ali a dar no duro - todos eles. E merecem mesmo, e merecem estas ajudas. (...) Eles mereciam é que estas ajudas fossem de facto ajudas mesmo. Os 20 anos que eles têm, de colecções, muitas delas tão bem desenvolvidas, tão bem feitas, com tanto esforço, não era para eles ainda continuarem a ser uma classe média. Designer da Indústria Agora, nós vemos aquelas duas edições, por causa das colecções e, durante anos, pensamos: "Mas esta gente vive como? Faz colecções para os amigos. Onde é que as pessoas compram?". Meia dúzia de pessoas sabe onde é que eles têm os ateliers, porque eles não fazem para as massas. Mesmo que quisessem fazer para as massas.. Jornalista de Moda São irregulares, não são profissionais. Isto é um negócio.. É evidente que quando se trabalho com novos designers há sempre um risco, mas esse risco é normal.. Mas quando há muita falta de profissionalismo.. E para eles fazer roupa é fazer a passagem e acabou; e isso é o início do trabalho, isso é o início do trabalho. Não é só desenhar a roupa e ir à costureira e fazê-la, é mais do que isso. Ter uma marca.. Retalhista 20

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia.

Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. Q1. Na sua opinião, quais são as principais motivações que podem

Leia mais

Protocolo da Entrevista a Maria

Protocolo da Entrevista a Maria Protocolo da Entrevista a Maria 1 O que lhe vou pedir é que me conte o que é que aconteceu de importante desde que acabou o curso até agora. Eu... ah!... em 94 fui fazer um estágio, que faz parte do segundo

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 4

Transcrição de Entrevista nº 4 Transcrição de Entrevista nº 4 E Entrevistador E4 Entrevistado 4 Sexo Masculino Idade 43 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s

I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s 1) Encontra-se actualmente a trabalhar? 20% 80% Sim Não 2) Se respondeu sim, como descreveria a sua estabilidade profissional? 22% 17% 28% 33% Excelente

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Entrevista 2.21- Vera

Entrevista 2.21- Vera Entrevista 2.21- Vera (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

Modos de agir na interacção Conteúdos. Aprendizagem dos alunos

Modos de agir na interacção Conteúdos. Aprendizagem dos alunos Modos de agir na interacção Conteúdos Aprendizagem dos alunos Conteúdos a trabalhar 1. [Nas reuniões mensais] Aproveito para fazer uma análise dos conhecimentos que estamos a fazer, dos conteúdos que estão

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Entrevista com FTM Holding. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso. Francisco Tavares Machado. Presidente

Entrevista com FTM Holding. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso. Francisco Tavares Machado. Presidente Entrevista com FTM Holding Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso Francisco Tavares Machado Presidente Quality Media Press quais os principais sectores de actividade do Grupo FTM? R. O Grupo

Leia mais

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas?

Entrevistado: Data da Entrevista: Entrevista: 1- Como você percebe o processo de criação de marcas? Entrevistado: Guto Lacaz Data da Entrevista: 19 de Julho de 2011 Entrevista: Pessoalmente Formado em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura de São José dos Campos, faculdade onde também realizou cursos

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

a seguir? 1 Gosto de sair de Portu- no final dos projectos, mas sempre com \gal os telemóveis ligados, porque se surgir uma proposta volto

a seguir? 1 Gosto de sair de Portu- no final dos projectos, mas sempre com \gal os telemóveis ligados, porque se surgir uma proposta volto a 'Gracinha' na novela 'Anjo Meu' (TVI). Sendo uma personagem cómica, sente que tem conquistado o público? Pela primeira vez sinto que há Interpreta mesmo um grande carinho do público, porque a 'Gracinha'

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online.

Este documento provê informação atualizada, e simples de entender, para o empreendedor que precisa iniciar ou avaliar suas operações online. Os segredos dos negócios online A Internet comercial está no Brasil há menos de 14 anos. É muito pouco tempo. Nesses poucos anos ela já mudou nossas vidas de muitas maneiras. Do programa de televisão que

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

www.dinheiroganharja.com

www.dinheiroganharja.com Sumário Introdução...3 Empreendedorismo Digital...4 Trabalhar em casa ou da Onde quiser...5 Liberdade financeira...5 Como criar um blog...7 Domínio...7 Hospedagem...8 WordPress...9 Instalando a Plataforma

Leia mais

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução Esta segunda sequência respeita a estrutura da sequência do Eben que analisamos.o template é adequado aos profissionais que podem (e querem) trabalhar com os três mosqueteiros, ou seja, apresentar uma

Leia mais

Guião para a elaboração do. Plano de Negócios

Guião para a elaboração do. Plano de Negócios Guião para a elaboração do Plano de Negócios Não podes prever o futuro, mas podes escolher a direcção certa Guião Plano Negócios - Página: 1 / 23 INTRODUÇÃO O Plano de Negócios é um instrumento indispensável

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 14

Transcrição de Entrevista nº 14 Transcrição de Entrevista nº 14 E Entrevistador E14 Entrevistado 14 Sexo Feminino Idade 50anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e dos Computadores Professor Ensino Superior - Investigação E -

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

A educação é mais abrangente do que as escolas

A educação é mais abrangente do que as escolas a Página da Educação www.apagina.pt A educação é mais abrangente do que as escolas Alan Rogers é professor honorário na School of Education and Professional Studies da Universidade de East Anglia (Inglaterra).

Leia mais

Conclusões Fórum Portugal Sou Eu

Conclusões Fórum Portugal Sou Eu Conclusões Fórum Portugal Sou Eu Ministro da Economia lança desafio aos empresários para que façam do Portugal Sou Eu um catalisador da economia Lanço um apelo aos empresários e produtores aqui presentes,

Leia mais

ANEXO I - Transcrição das entrevistas

ANEXO I - Transcrição das entrevistas 147 ANEXO I - Transcrição das entrevistas ENTREVISTA 1 Nome: L.C. Idade: 58 anos. Formação: Pedagogia. Tempo de experiência em cursos de Licenciatura: 7 anos. Pq - A pesquisa em questão trata da ação docente

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Índice. 2 Plano de Marketing [Escreva o nome da empresa]

Índice. 2 Plano de Marketing [Escreva o nome da empresa] Índice Introdução... 3 1. Análise e contexto... 4 1.1. Análise de Mercado... 4 1.1.1. Indústria... 4 1.1.2. Público-alvo... 5 1.2. Análise da Concorrência... 7 1.3. Análise da Empresa... 8 1.4. Contexto...

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

Midas. Toque de. [entrevista]

Midas. Toque de. [entrevista] [entrevista] Toque de Midas Tem 29 anos, nasceu no Porto e é apostador profissional. Pelo menos, para o Estado inglês onde está colectado, porque para as finanças nacionais não passa de um indivíduo com

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

«A Sociedade tem todas as hipóteses de ser mais solidária!»

«A Sociedade tem todas as hipóteses de ser mais solidária!» «A Sociedade tem todas as hipóteses de ser mais solidária!» Entrevista com Idália Moniz, Secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação 1 Num momento em que a situação económica exige uma maior atenção

Leia mais

Museus como plataformas para a inovação social:

Museus como plataformas para a inovação social: Museus como plataformas para a inovação social: Projecto-piloto educativo em espaços culturais Um projecto-piloto para jovens em situação de vulnerabilidade e exclusão social a desenvolver em colaboração

Leia mais

Como fazer seu blog se destacar dos outros

Como fazer seu blog se destacar dos outros Como fazer seu blog se destacar dos outros Fama. Tráfego. Reconhecimento. Muito dinheiro no bolso. Esses itens certamente estão presentes na lista de desejos de quase todos os blogueiros. Afinal, ninguém

Leia mais

Em conversa com Rita Maia. Celorico de Basto é o meu porto de refúgio, onde me sinto bem (Rita Maia,

Em conversa com Rita Maia. Celorico de Basto é o meu porto de refúgio, onde me sinto bem (Rita Maia, Celoricenses de Sucesso Em conversa com Rita Maia Celorico de Basto é o meu porto de refúgio, onde me sinto bem (Rita Maia, 21 de fevereiro de 2015) Nascida e criada em Celorico de Basto, Rita Maia é uma

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Teste sua empregabilidade

Teste sua empregabilidade Teste sua empregabilidade 1) Você tem noção absoluta do seu diferencial de competência para facilitar sua contratação por uma empresa? a) Não, definitivamente me vejo como um título de cargo (contador,

Leia mais

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY A Rock Content ajuda você a montar uma estratégia matadora de marketing de conteúdo para sua empresa. Nós possuimos uma rede de escritores altamente

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

5 Conversas à volta da Motivação

5 Conversas à volta da Motivação 5 Conversas à volta da Motivação SOFRE DA SÍNDROME DO CACHORRINHO? 2 Que limites impõe a si próprio? 1 Um#dos#problemas#que#mais#encontro#nas#vendas#de#hoje#em#dia#quando#trabalho#com# as#equipas#em#termos#de#formação#e#coaching#comercial#tem#a#ver#com#a#síndrome#do#

Leia mais

SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES

SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES DOSSIER SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES 23 DOSSIER SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES PROMOÇÃO DO DEBATE SOBRE ASSUNTO ESTÁ ENTRE AS MEDIDAS ESTRATÉGICAS DA NERLEI Em Portugal, estima-se que entre 70 a 80

Leia mais

Uma lição de vida? Nos meus últimos anos tenho aprendido muitas lições de vida mesmo. A que eu acho mais importante de transmitir são "os Resultados"

Uma lição de vida? Nos meus últimos anos tenho aprendido muitas lições de vida mesmo. A que eu acho mais importante de transmitir são os Resultados Gonçalo Carvalho Em entrevista exclusiva à Federação Equestre Portuguesa, meses antes do início dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, Gonçalo Carvalho fala da sua paixão pelo desporto equestre, da trajetória

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

QUESTÃO 4. Legenda da análise: De que forma vêem.

QUESTÃO 4. Legenda da análise: De que forma vêem. QUESTÃO 4 Reportando-nos ao seu círculo de relacionamentos sociais (colegas, amigos, familiares), de que forma pensa que o (a) vêm agora? Têm novas expectativas sobre si? (pode usar uma ou duas frases

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Diagnosticando os problemas da sua empresa

Diagnosticando os problemas da sua empresa Diagnosticando os problemas da sua empresa O artigo que você vai começar a ler agora é a continuação da matéria de capa da edição de agosto de 2014 da revista VendaMais. O acesso é restrito a assinantes

Leia mais

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas - Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas curiosidades. Se quiseres, depois deixo-te ler. - Tu sabes

Leia mais

APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL

APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL APÊNDICES APÊNDICE A instrumento PARA COLETA DE DADOS - ROTEIRO PARA O DESIGN POSSÍVEL - Questionário Dados pessoais - Nome: Profissional - O que o fez escolher essa profissão de designer? - Caracterize

Leia mais

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1 Direitos Reservados - Pg 1 Aviso aos que se acham malandros, ou que querem ser processados ou parar na cadeia. Este livro é registrado com todos os direitos reservados pela Biblioteca Nacional. A cópia,

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

1. Faça as perguntas sobre as partes sublinhadas.

1. Faça as perguntas sobre as partes sublinhadas. C O N H E C E R P E S S O A S U n i d a d e 1 5 U N I D A D E 1 1. Faça as perguntas sobre as partes sublinhadas. 1. Os meus colegas estão insatisfeitos com o trabalho. 2. Fui com um amigo à agência de

Leia mais

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz Gung Ho! Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz GUNG HO Gung Ho é a expressão chinesa

Leia mais

O andebol oferece-me coisas que a faculdade não tem é a demonstração de carácter

O andebol oferece-me coisas que a faculdade não tem é a demonstração de carácter O andebol oferece-me coisas que a faculdade não tem é a demonstração de carácter Aos 24 anos Ricardo Pesqueira tem já um longo percurso andebolístico. Cresceu para o desporto no Águas Santas, mas no currículo

Leia mais

para tornar sua viagem mais Barata

para tornar sua viagem mais Barata 8 Passos para tornar sua viagem mais Barata Este E-book foi escrito para você, que gosta de viajar, mas sempre vê o dinheiro como um problema. Bruna Buhatem TERMINAL 00:00 DEPATURE TERMINAL ZONE DESTINATION

Leia mais

Entrevista à artista plástica Sofia Areal: "Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito"

Entrevista à artista plástica Sofia Areal: Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito lazer // Entrevista à artista plástica Sofia Areal: "Faz-se muito, erra-se muito, aprende-se muito" A pintora vai inaugurar uma exposição, em Setembro. O pretexto ideal para nos lançarmos à conversa com

Leia mais

GRANDE ENTREVISTA HENRIQUES GASPAR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

GRANDE ENTREVISTA HENRIQUES GASPAR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GRANDE ENTREVISTA 18 HENRIQUES GASPAR PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 19 20 Presidente do Supremo Tribunal de Justiça desde Setembro de 2013, Henriques Gaspar aceitou sem reservas a entrevista

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

O presidente falou ontem aos alunos da América

O presidente falou ontem aos alunos da América Publicado em 09 de Setembro de 2009 O presidente falou ontem aos alunos da América Sei que para muitos de vocês hoje é o primeiro dia de aulas, e para os que entraram para o jardim infantil, para a escola

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

GESTAO DE PEQUENOS NEGÓCIOS

GESTAO DE PEQUENOS NEGÓCIOS COLECÇÃO DE HABILIDADES PARA A VIDA - GESTAO DE PEQUENOS NEGÓCIOS Alberto da Barca Alberto da Barca Colecção de Habilidades para a Vida GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS Livro adoptado pelo Ministério da Educação

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores das dos tratamentos sobre a Imagem o que me incomodou foi a perda do cabelo quando me começou a cair o cabelo, eu tive 2 ou 3 dias que não me quis ver ao espelho (M1); e custou-me muito, quando o médico

Leia mais

Todos nós temos momentos altos, no alto da roda, no cume da montanha. Mas também temos momentos difíceis

Todos nós temos momentos altos, no alto da roda, no cume da montanha. Mas também temos momentos difíceis ta da Autora Olá, Todos nós temos momentos altos, no alto da roda, no cume da montanha. Mas também temos momentos difíceis passados em verdadeiros vales e dias de deserto. Todos os nossos planos se desvanecem

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, após encerramento do seminário empresarial Brasil-Chile

Leia mais

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5 As Redes Sociais e as Vendas www.clubedasvendas.com 1 CDV (Clube das Vendas) Podíamos abordar um pouco a questão do recrutamento, pois há muitos ouvintes

Leia mais

Eu sei o que quero! Eu compro o que quero!

Eu sei o que quero! Eu compro o que quero! Eu sei o que quero! Eu compro o que quero! As pessoas com dificuldades de aprendizagem têm o poder para escolher os seus serviços de apoio. Este folheto está escrito em linguagem fácil. O que é um consumidor?

Leia mais

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil!

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Implemente esses 3 passos para obter resultados fantásticos no Inglês! The Meridian, 4 Copthall House, Station Square, Coventry, Este material pode ser redistribuído,

Leia mais

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4 APRENDA A SER INOVADOR PARA FICAR À FRENTE DA CONCORRÊNCIA QUAIS OS PASSOS NECESSÁRIOS PARA PLANEAR E REALIZAR UMA CONFERÊNCIA ONLINE DE SUCESSO! COMO DAR AULAS NUMA SALA DE AULA VIRTUAL! CONTEÚDOS Como

Leia mais

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita!

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Hum, essa não é uma novidade. As outras também eram de certa forma inéditas, uma vez que o layout era baseado na estrutura dos Gurus, mas vamos lá,

Leia mais

Ana Maria Be encourt 1

Ana Maria Be encourt 1 ABERTURA Ana Maria Be encourt 1 Senhor Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Senhor Embaixador Presidente da Comissão Nacional da UNESCO, Senhora Secretária Regional da Educação

Leia mais

R U I P E D R O R E I S

R U I P E D R O R E I S Quem: Rui Pedro Reis Idade: 30 anos Pretexto: É coordenador da SIC Notícias e editor do programa Música do Mundo Outros trabalhos: Foi uma das figuras de uma rádio nacional Imagem: Fanático pelos media

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU. e a si mesma!

5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU. e a si mesma! 5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU GUARDA-ROUPA e a si mesma! E S T I L O É A SUA ALMA V I S T A P E L O lado de fora. I N T R O D U Ç Ã O Qual é a mulher nesse mundo QUE NUNCA RECLAMOU EM FRENTE AO ESPELHO

Leia mais

Estratégias 16-12-2007. Venda Média. A forma mais óbvia de aumentar o seu número de venda média é subindo os preços.

Estratégias 16-12-2007. Venda Média. A forma mais óbvia de aumentar o seu número de venda média é subindo os preços. Venda Média 1 - Aumente os preços A forma mais óbvia de aumentar o seu número de venda média é subindo os preços. 2 - Up selling Encoraje as pessoas a comprar a versão mais avançada do que inicialmente

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 5 Data: 21/10/2010 Hora: 11h00 Duração: 40:46 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE Por que se importar 3 O melhor representante de atendimento 4 SUMÁRIO Escrevendo um anúncio de vaga de emprego Carta de apresentação

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Opening Remarks. Roadshow Portugal Global. Lisboa. Lisboa. Julho 15, 2015. Miguel Frasquilho

Opening Remarks. Roadshow Portugal Global. Lisboa. Lisboa. Julho 15, 2015. Miguel Frasquilho Roadshow Portugal Global Lisboa Opening Remarks Julho 15, 2015 Lisboa Miguel Frasquilho Presidente do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Senhores Empresários, Distintas Entidades aqui presentes,

Leia mais