CADÊ MEU AJEUM? A COMIDA E SEUS VÁRIOS SIGNIFICADOS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE ARACAJU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADÊ MEU AJEUM? A COMIDA E SEUS VÁRIOS SIGNIFICADOS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE ARACAJU"

Transcrição

1 CADÊ MEU AJEUM? A COMIDA E SEUS VÁRIOS SIGNIFICADOS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE ARACAJU Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar Universidade Federal da Bahia GT 04 - O Alimento como Memória e Identidade nos Territórios Resumo Este artigo apresenta uma análise sobre o papel da alimentação e seus vários significados nos terreiros de candomblé de Aracaju. A partir da observação de diversos rituais realizados nestes espaços de culto, é possível encontrarmos a presença constante da comida, intermediando a relação entre homens e orixás. O alimento também é um elemento importante na construção das relações de sociabilidade entre os adeptos desta religião e a comunidade, principalmente durante as festas. Assim, a partir deste trabalho apresentamos os resultados iniciais de um estudo sobre a festa de Iansã em Aracaju, num terreiro de tradição Angola/Ijexá, destacando suas particularidades durante o processo de elaboração das oferendas e de todo o trabalho realizado na cozinha do santo. Trata-se de uma pesquisa centrada na observação e registro etnográfico de todo o processo de construção da festa neste terreiro, associando a este processo o uso da fotografia enquanto parte da construção do texto etnográfico. Palavra-chave: Comida, Candomblé, Sociabilidade, Festa. Introdução A comida nas religiões afro-brasileiras está presente em todos os momentos, fazendo parte dos diversos rituais que compões estas religiões. Assim, desde o momento em que o indivíduo adentra a este campo religioso, até o momento em que ele morre, a presença da alimentação é uma constante. Em momentos de grande felicidade assim como principalmente nas dificuldades, os iniciados procuram, através das oferendas alimentares, manter uma relação de proximidade com as divindades africanas, fazer seus pedidos ou agradecer através do alimento oferecido. 1

2 Nos terreiros de Candomblé, observa-se que mesmo sem uma relação direta com a religião, quando uma pessoa procura este espaço somente para a cura de determinadas enfermidades, os rituais realizados também envolve determinados alimentos que em contato com o indivíduo pode contribuir para a recuperação da saúde. Concluindo os rituais, é organizado uma dieta alimentar onde os alimentos que fizeram parte do ritual não podem ser consumidos durante um determinado período. Assim, é perceptível como a comida apresenta um caráter mágico religioso também enquanto elemento que pode levar a cura a uma pessoa enferma. Os estudos sobre a alimentação nos terreiros destacam o processo de recriação do universo religioso africano no país pelos negros urbanos, como o trabalho de Vivaldo da Costa Lima (1999). Ao analisar a presença das dietas africanas no sistema alimentar brasileiro, ele ressalta a substituição de ingredientes de muitas comidas cotidianas dos homens e dos santos. Os Orixás nagôs, os Voduns gege, os Inquices congos e angolas puderam, outra vez, comer suas comidas no Brasil. Elaboradas, requintadas na forma, no ordenamento do preparo, ou na simplicidade aparente de um despojamento prescrito pelo mito, vez que atrás de cada oferenda alimentar, está o mito, que a prescreve pelas práticas divinatórias. (1999; p.23) A Importância da Cozinha do Santo O espaço da cozinha, durante os rituais no candomblé, transforma-se num espaço marcado pela presença constante do sagrado, seja com relação aos alimentos que serão transformados nas oferendas, ou mesmo como espaço de transmissão de conhecimentos, onde todos os objetos utilizados no preparo das oferendas são específicos para esta finalidade, não podem ser usados na cozinha da casa da Ialorixá. Lima (1999) destaca o cuidado que existe nos terreiros com relação ao processo de preparação das comidas que serão ofertadas às divindades africanas. Cada divindade tem a sua comida ritual, que deve ser feita seguindo a interdição de alguns temperos, que estão relacionados aos mitos, sendo proibidos a sua utilização em determinadas comidas. 2

3 Toda a elaboração das comidas para os Orixás segue as orientações presentes em suas histórias míticas, o que diferencia da sua preparação cotidiana. Este aspecto também é discutido por Souza Júnior (1999), que ressalta o processo de recriação existente na cozinha de santo, onde este espaço assume uma característica mágica, fazendo com que ingredientes usados no dia-a-dia sejam utilizados através de um ritual onde nada é por acaso. A cozinha é dirigida pela Iabassê, a senhora da cozinha, que é a responsável pela elaboração das comidas dos orixás. É ela quem assume toda a responsabilidade no preparo e organização de cada prato a ser ofertados às divindades, tendo todo o cuidado com os preceitos alimentares. A ida ao mercado efetuar a compra dos alimentos até a elaboração da oferenda, esta iniciada assume toda a responsabilidade pela comida dedicada aos orixás. Ela é auxiliada por outros iniciados, porém, nos momentos essenciais na elaboração das iguarias sagradas, a Iabassé está à frente. É importante ressaltar que os Orixás comem o que os homens comem; porém, os primeiros recebem a seus pés, nos terreiros, comidas onde os modos de preparar, ao lado dos saberes, palavras de encantamentos, rezas, evocações e cantigas ligadas às estórias sagradas, apresentam elementos essenciais e vitais para a transmissão do axé. (SOUZA JUNIOR, 1999,341). Entretanto, a sacralização da comida não está somente relacionada ao preparo, mas também durante todo processo de compra de ingredientes, envolvendo as pessoas que estão ligadas à sua preparação. No estudo sobre a festa de Acossi e o Arrambã, realizados no Tambor de Mina do Maranhão, Sérgio Ferretti (1995) destaca que existem vários significados que envolvem a preparação das festas, desde as compras de ingredientes até as pessoas que se dedicam a preparação, que na sua maioria são mulheres. Como tudo no campo da religião, nas religiões afro-brasileiras e na casa das Minas, a comida é ritualizada ao extremo. Representa um sacrifício e uma obrigação, uma benção e um pedido de proteção. A presença de certas pessoas destinadas a cuidar da cozinha demonstra os tabus que existem em torno da preparação dos rituais. Deve ser uma pessoa que esteja ligada ao culto, de toda a confiança e que não entra em transe. (1995, P.63-64) 3

4 Outro aspecto importante destacado pelo autor está relacionado à forma com que as pessoas se alimentam, ou seja, a etiqueta. [...] Comida de obrigação só se come com as mãos, sem usar talheres, não se pode comer na panela que vai ao fogo, nem colocar panela na mesa em que se vai comer. Não se pode comer com a mesa descoberta, mas com toalha, também não se come segurando o prato na mão, mas sobre a mesa. (Ferretti, 1995, p.64) A comida também pode ser analisada a partir do momento em que ela vai servir como elemento de sociabilidade entre os homens e os Orixás. Na realização das festas religiosas a alimentação é inicialmente ofertada para as divindades e, depois socializada com todos os iniciados e demais presentes na cerimônia. Ao estudar a importância da cozinha enquanto a base da religião no Batuque do Rio Grande do Sul, Norton Corrêa (1995) destaca que o alimento é considerado como fator mediador por excelência das relações entre o mundo dos homens e o sobrenatural. Isto pode ser observado a partir do processo iniciático, onde a comida está presente em todos os momentos em que ocorre o pacto entre o homem e o Orixá. Outro aspecto importante está relacionado a questões ligadas à saúde, onde o descaso com relação às oferendas dos Orixás é considerado uma das causas. Neste caso a doença passa a ser considerada enquanto um castigo da divindade. Para o restabelecimento da saúde, é indispensável à limpeza mística, o passar no doente os alimentos sagrados dos Orixás, cujo poder afastará o egum e permitirá o restabelecimento da saúde de sua vítima. (CORRÊA, 1995, P54) É em busca desta cura espiritual que as pessoas procuram as casas de culto, mesmo sem ter nenhum vínculo religioso. Estas se submetem aos rituais de limpeza onde a comida assume a função de reestruturar a sua vida espiritual. Outro ritual importante no Candomblé, e onde é possível encontrarmos também a comida é o ritual fúnebre, o axexê. Neste, a comida é inserida em todas as suas fases, inclusive fora do espaço sagrado, pois, para aqueles que estão presentes na cerimônia, é servida a comida que o morto mais gostava. Norton Corrêa também analisa este fato, ressaltando que nos rituais dedicados aos mortos existe uma infinidade de cuidados com os detalhes, onde encontramos muitas semelhanças 4

5 entre os pratos e as oferendas aos deuses modificando somente por causa da troca de certos elementos. Prepara-se tudo que a boca come, o que inclui as mais variadas comidas brasileiras, especialmente aquelas de que o morto mais gostava (1995,P.59) Também nestes rituais os vivos comem, porém, estas comidas são colocadas em outros recipientes que se deve ter para não comer nada do que foi oferecido aos mortos. As Festas e a Socialização da Comida entre Homens, Mulheres e Orixás O momento em que a alimentação encontra o seu apogeu nos terreiros é quando acontecem as festas religiosas. Estas são marcadas por dois momentos importantes: os rituais internos de preparação, onde somente os iniciados podem participar, e a festa pública, importante momento sócio-religioso. Ao estudar a comida nos terreiros, Raul Lody ressalta a importância das festas públicas enquanto momento de socialização. A fartura dos alimentos e a variedade de pratos convidam todos os adeptos e visitantes a consumir os assados das carnes dos animais que foram sacrificados em honra dos Orixás, frituras em azeite de dendê e muitas outras comidas. (1979, P.27) O ajeum, termo africano usado para designar a comida, é considerado pelo autor como motivação para que as pessoas participem das festas. O culto doméstico e a alimentação ritual dos santos têm as funções de perpetuar a crença popular e que, de acordo com Lody, cada vez mais está se transformando, adequando seus valores, dinamizando seus conceitos e procurando, no que é funcional e necessário, os motivos aliados à tradição e aos sentidos de fé e culto devocional doméstico. (1979, P.117) A comida enquanto elo de renovação da relação entre os iniciados e suas divindades é um aspecto importante no candomblé. É através da alimentação que o axé, a força vital que é a base do culto, é renovada a cada ritual. Elemento importante no desenvolvimento dos rituais e na construção das oferendas, a comida é parte fundamental nas relações de troca com os orixás, pois estamos nos referindo a rituais onde a dádiva entre homens e divindades é mediada pela comida. Os rituais que envolvem a comida apresentam um caráter mágico entre as divindades e os adeptos, caracterizando-se por uma relação de troca, em que as oferendas são realizadas com o objetivo de receber uma dádiva dos Orixás. É uma relação que envolve uma 5

6 obrigação de dar, receber e retribuir, pois o adepto é obrigado realizar uma oferenda para que possa receber as bênçãos dos seus Orixás protetores. Neste sentido, Marcel Mauss (1974) ao tratar sobre a relação entre homens e deuses, ressalta que [...] as relações desses contratos e trocas entre homens e desses contratos entre homens e deuses esclarecem todo um lado da teoria do sacrifício. [...] Acredita-se que é aos deuses que é preciso comprar, e que os deuses sabem retribuir o preço das coisas. (MAUSS, 1974, P.63) A todo o momento, a alimentação é a forma de troca necessária para o bom relacionamento entre os homens e seus deuses. E este relacionamento assegurado é a garantia de desempenho nos processos ritualísticos, onde a presença mágica dos Orixás é parte fundamental para o sucesso. Um Banquete para Iansã Entender a presença da comida no candomblé é vivenciar o cotidiano nos terreiros, sempre mantendo um olhar com base no respeito e, principalmente, no que é permitido ver. Assim, acompanhar a construção de uma festa dedicada a um orixá, é vivenciar todo um processo marcado por rituais, músicas, tabus, interdições, dança, e, principalmente a comida. E esta é presente durante o Ciclo festivo dedicado a Iansã, que acontece todos os anos durante o mês de dezembro, num terreiro de tradição Angola/Ijexá. O Abaçá São Jorge, terreiro centenário de tradição Angola/Ijexá, realiza esta festa em quatro dias, porém, tem o seu momento mais representativo no dia 4 de dezembro, dia dedicado a Iansã. Deste ritual participam além dos filhos de santo da cidade e municípios vizinhos, também os filhos de santo de várias partes do país e até do exterior, que passam o ano se preparando para se dirigir à Capital sergipana. Participam adeptos de outros terreiros da cidade e regiões circunvizinhas, além da própria comunidade onde o espaço sagrado está inserido. Desta forma, nesta festa, diversos elementos sagrados e profanos convivem constantemente, caracterizando o espaço do terreiro enquanto um espaço de socialização entre divindades, adeptos e comunidade em geral. A organização deste grande banquete acontece durante os rituais internos da casa, quando várias oferendas são organizadas pelos responsáveis pela cozinha. Neste terreiro, não 6

7 existe uma pessoa com o cargo de Iabassé, mas quatro iniciados que possuem ocupam cargos importantes no terreiro, além de pertencerem aos orixás Oxum, Oxossi e Logum edé, divindades associadas à fartura, fertilidade, riqueza. Esta é a justificativa apresentada pela Ialorixá para que um espaço apresentado enquanto de domínio de mulheres, possa ser ocupado ou mesmo dirigido por homens e mulheres. As oferendas são preparadas para vários orixás, porém, a comida principal é voltada para Iansã, o orixá da Mãe Marizete. Estas comidas são colocadas em um espaço no terreiro que poucos tem acesso, somente aqueles que possuem cargos importantes. Depois de concluídos os rituais para Iansã e as demais divindades, parte dos alimentos preparado é socializado entre os iniciados. É o primeiro momento em que é possível observar esta relação de mediação entre a comida, os orixás e os demais iniciados. Durante a festa pública esta relação se amplia, envolvendo também a comunidade que vem prestigiar a festa e também receber as bênçãos de Iansã através do acarajé, alimento servido a todos os presentes. A festa Oiá Matamba ocorre em dois momentos: o início dos toques para os orixás: Exu, Ogum entre outros, até quando iniciam os cânticos para Iansã. Neste momento todos param de dançar e somente a mãe de santo, acompanhada por adeptos que possuem cargos importantes no terreiro, dançam ao som dos atabaques. O momento da chegada de Iansã é aplaudido por todos. Assim, a mãe de santo, agora incorporada com Iansã, é levada para vestir a roupa do orixá e retornar ao centro do barracão, para dançar e ser prestigiada por todos os presentes. Percebe-se como todos se colocam para ver o Orixá, aplaudir sua dança, e principalmente, chegar próximo para cumprimentá-la e receber sua benção. Isto é algo que não fica restrito aos adeptos do Candomblé, mas também pessoas da comunidade procuram se aproximar para conseguir tocá-la e receber sua proteção. Depois que os filhos de santo do terreiro assim como alguns pais e mães de santo convidados cumprimentam Iansã, algumas pessoas que não pertencem à religião se aproximam, recebendo os cumprimentos. Estas pessoas são consideradas pela comunidade enquanto figuras importantes para o terreiro. 7

8 À medida que a Iansã da Yalorixá vai dançando no barracão, outra Yansã, de uma das filhas de santo acompanha com um enorme tabuleiro repleto de acarajé dança e distribui entre os presentes. Neste caso o acarajé distribuído é apenas o bolo fechado, sem possuir recheio, como vatapá, molho de camarão, pimenta etc. O momento final desta festa é marcado pela despedida de Iansã, que retorna ao orun, dando espaço para que a mãe de santo assuma novamente seu posto, enquanto uma líder religiosa que possui o carisma e o poder dentro do espaço sagrado do terreiro. Este momento é marcado pela aproximação de todos, filhos de santo e demais visitantes que desejam as bênçãos de Iansã. Entretanto, a festa não acaba. Após a dança litúrgica de Iansã, é servido o acarajé, comida típica associada a este orixá, só que agora na parte externa do terreiro, sendo o acarajé aberto e com todo o recheio. É o momento da socialização com a comunidade. Considerações Sobre as festas religiosas nos terreiros não podemos dizer que estas finalizam no momento em que os cânticos para Oxalá são entoados. Isto porque, para aquele grupo religioso já é tempo de pensar nos preparativos para a próxima festa, pois, outros deverão ser iniciados, tornando-se iaôs, ou teremos mais uma mãe de santo na cidade, já que uma filha de santo receberá o deká. Assim, a cada conclusão de uma cerimônia, outra já está sendo planejada. Segundo Amaral, as festas são momentos de glória e sendo constante a produção da festa, o candomblé é a constante produção de horas de glória. As horas de danças e brilhar no barracão. Desta forma, para as religiões afro-brasileiras a festa é um elemento fundamental na sua estrutura ritualística, momento em que todas as relações necessárias para o desenvolvimento e manutenção da religião acontecem. Assim, o ciclo festivo de Iansã é encerrado da mesma maneira que começou, ou seja, com um grande banquete voltado a socialização do alimento, uma renovação dos laços entre os 8

9 iniciados e toda a comunidade presente na festa. É um momento de confraternização entre as pessoas. O ciclo festivo de Iansã iniciou com um grande banquete aos Orixás, e encerra também com um banquete aos homens e mulheres que durante os dias de rituais, internos e públicos, dedicaram-se à todo o processo de organização dos ritos festivos às divindades. Referências Bibliográficas AMARAL, Rita. Xirê! O modo de crer e viver no Candomblé. Rio de Janeiro: Pallas: São Paulo: EDUC, 2002, P.47. CARNEIRO, Henrique. Comida e sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Campus, CORRÊA, Norton F. A cozinha é a base da religião: a culinária ritual no batuque o Rio Grande do Sul. IN: Revista Horizontes Antropológicos. Ano I, n 1, 1995 FERNÁNDEZ-ARMESTO, Felipe. Comida uma história. Rio de Janeiro, Ed. Recorde, FERRETTI, Sérgio Figueiredo. Festa de Acossi e o Arrambã: elementos do simbolismo da comida no tambor de Mina. IN: Revista Horizontes Antropológicos. Ano I, n 1, 1995,63-4. LIMA, Vivaldo da Costa. As dietas africanas no sistema alimentar brasileiro. IN: CAROSO, Carlos, BACELAR, Jéferson (org). Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade, sincretismo, anti-sincretismo, reafricanização, práticas terapeutas, etnobotânica e comida. Rio de Janeiro/Salvador: Pallas /CEAO, LODY, Raul. Santo também come: estudo sócio-cultural da alimentação cerimonial em terreiros afro- brasileiros. Recife: MAIA, Janaina Couvo Teixeira. Umbanda em Aracaju: entre a história e a etnografia. Monografia de Graduação em História. UFS, 1998, mimeo. 9

10 MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas In: Sociologia e Antropologia. Vol. II. São Paulo: Edusp, SOUZA JÚNIOR, Vilson Caetano de. A cozinha e os truques: usos e abusos das mulheres de saia e do povo do azeite. IN: CAROSO, Carlos, BACELAR, Jéferson (org.). Faces da tradição afro-brasileira: religiosidade, sincretismo, anti-sincretismo, reafricanização, práticas terapeutas, etnobotânica e comida. Rio de Janeiro/Salvador: Pallas/CEAO,

COMIDA E RELIGIOSIDADE: DOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS PARA A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO BRASILEIRA.

COMIDA E RELIGIOSIDADE: DOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS PARA A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO BRASILEIRA. COMIDA E RELIGIOSIDADE: DOS CULTOS AFRO-BRASILEIROS PARA A HISTÓRIA DA ALIMENTAÇÃO BRASILEIRA. Pedro Henrique Mendes Ribeiro Departamento de História UFRN Resumo: O trabalho trata de uma análise dos elementos

Leia mais

OS ORIXÁS, O IMAGINÁRIO E A COMIDA NO CANDOMBLÉ

OS ORIXÁS, O IMAGINÁRIO E A COMIDA NO CANDOMBLÉ OS ORIXÁS, O IMAGINÁRIO E A COMIDA NO CANDOMBLÉ Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar 1 RESUMO Este artigo apresenta uma análise sobre os mitos dos orixás e sua relação com as comidas que são oferecidas

Leia mais

AS DIMENSÕES DO CUIDADO EM UMA COMUNIDADE AFROBRASILEIRA DE MATRIZ AFRICANA: UM TERREIRO DE CANDOMBLÉ DA NAÇÃO IJEXÁ

AS DIMENSÕES DO CUIDADO EM UMA COMUNIDADE AFROBRASILEIRA DE MATRIZ AFRICANA: UM TERREIRO DE CANDOMBLÉ DA NAÇÃO IJEXÁ AS DIMENSÕES DO CUIDADO EM UMA COMUNIDADE AFROBRASILEIRA DE MATRIZ AFRICANA: UM TERREIRO DE CANDOMBLÉ DA NAÇÃO IJEXÁ Maria Aparecida S. de Aguiar Universidade Estadual de Santa Cruz aaguiar56@yahoo.es

Leia mais

CONTEÚDOS. Candomblé Umbanda Xamanismo

CONTEÚDOS. Candomblé Umbanda Xamanismo CONTEÚDOS Candomblé Umbanda Xamanismo HABILIDADES Conhecer as religiões afrodescendentes e anímicas PAUTA DO DIA Acolhida Problematização Entrevista Exibição do Vídeo Leitura de Imagem Aprofundando o tema-

Leia mais

DO OBI AO AXEXÊ : A PRESENÇA DA COMIDA NOS RITUAIS DO CANDOMBLÉ "OBI OF THE AXEXÊ": THE PRESENCE OF FOOD IN THE RITUALS CANDOMBLÉ

DO OBI AO AXEXÊ : A PRESENÇA DA COMIDA NOS RITUAIS DO CANDOMBLÉ OBI OF THE AXEXÊ: THE PRESENCE OF FOOD IN THE RITUALS CANDOMBLÉ DO OBI AO AXEXÊ : A PRESENÇA DA COMIDA NOS RITUAIS DO CANDOMBLÉ "OBI OF THE AXEXÊ": THE PRESENCE OF FOOD IN THE RITUALS CANDOMBLÉ Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar - Universidade Federal da Bahia janainacouvo@gmail.com

Leia mais

Perfil dos terreiros

Perfil dos terreiros O perfil dos terreiros de joão pessoa Ivana Silva Bastos Universidade Federal da Paraíba Graduanda em Ciências Sociais ivanna_bastos@yahoo.com.br Religiões Afro-brasileiras e Kardecismo O universo religioso

Leia mais

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1

SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 SINCRETISMO RELIGIOSO, NATAL FESTEJA IEMANJÁ 1 Antônio da Silva PINTO Netto 2 Joabson Bruno de Araújo COSTA 3 Giovana Alves ARQUELINO 4 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 5 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

AS FESTAS NOS TERREIROS DE ARACAJU O SAGRADO, A SOCIABILIDADE E AS RELAÇÕES ENTRE HOMENS E DIVINDADES. Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar 1

AS FESTAS NOS TERREIROS DE ARACAJU O SAGRADO, A SOCIABILIDADE E AS RELAÇÕES ENTRE HOMENS E DIVINDADES. Janaina Couvo Teixeira Maia de Aguiar 1 IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. AS FESTAS NOS TERREIROS DE ARACAJU O SAGRADO, A SOCIABILIDADE

Leia mais

Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde: história e desafios

Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde: história e desafios Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde: história e desafios José Marmo da Silva Ogan, dentista e Coordenador da RENAFRO/Rede Nacional de Religiões Afro- Brasileiras e Saúde Rede Nacional de

Leia mais

CULTURA E IDENTIDADES: AS BAIANAS QUE VENDEM ACARAJÉ, EM SALVADOR

CULTURA E IDENTIDADES: AS BAIANAS QUE VENDEM ACARAJÉ, EM SALVADOR CULTURA E IDENTIDADES: AS BAIANAS QUE VENDEM ACARAJÉ, EM SALVADOR Maria Cleyber Negreiros Barbosa da Cunha (Universidade de Coimbra. Faculdade de Economia) INTRODUÇÃO Este artigo tem como objetivo sensibilizar

Leia mais

AS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA PARA ALÉM DOS CULTOS E RITUAIS

AS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA PARA ALÉM DOS CULTOS E RITUAIS AS RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA PARA ALÉM DOS CULTOS E RITUAIS LUCIVAL FRAGA DOS SANTOS RESUMO O presente texto tem como problemática a discussão das religiões de matriz africana para além dos cultos e

Leia mais

Ogãs Mão de Couro e Ogãs Tambozeiros: duas categorias importantes na compreensão da dinâmica das tradições umbandistas no Brasil

Ogãs Mão de Couro e Ogãs Tambozeiros: duas categorias importantes na compreensão da dinâmica das tradições umbandistas no Brasil Ogãs Mão de Couro e Ogãs Tambozeiros: duas categorias importantes na compreensão da dinâmica das tradições umbandistas no Brasil Resumo Avance de investigación en curso GT 21- Sociología de la religión

Leia mais

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito

por Brígida Carla Malandrino * [brigidamalandrino por Ênio José da Costa Brito ** [brbrito PEREIRA, Edimilson de Almeida Os tambores estão frios: herança cultural e sincretismo religioso de Candombe. Juiz de Fora Belo Horizonte: Funalfa Edições Mazza Edições, 2005, ISBN 85-7160- 323-5. por Brígida

Leia mais

Os Candomblés Angola Ngoma e as sonoridades sagradas de matriz Banto no Brasil

Os Candomblés Angola Ngoma e as sonoridades sagradas de matriz Banto no Brasil Blucher Social Sciences Proceedings Dezembro de 2014, Volume 1, Número 1 Os Candomblés Angola Ngoma e as sonoridades sagradas de matriz Banto no Brasil Luna Borges Berruezo 1 Resumo Este trabalho pretende

Leia mais

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva 1 SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva Mulheres, crianças, jovens e homens xukurus, muitas pessoas curiosas se concentram por volta da três horas da tarde do dia

Leia mais

SALA DE AULA: RELIGIOSIDADE AFRO-BRASILEIRA

SALA DE AULA: RELIGIOSIDADE AFRO-BRASILEIRA SALA DE AULA: RELIGIOSIDADE AFRO-BRASILEIRA Maryane Meneses Silveira 1 maryanesilveira@hotmail.com Resumo O estudo é fruto de uma atividade de sala de aula que despertou para a pesquisa de informações

Leia mais

1. Com base na leitura do texto, escreva Certo (C) ou Errado (E) para as afirmações a seguir.

1. Com base na leitura do texto, escreva Certo (C) ou Errado (E) para as afirmações a seguir. Salvador da Bahia Leitura: atividades A festa é do povo 1. Com base na leitura do texto, escreva Certo (C) ou Errado (E) para as afirmações a seguir. A) O casamento na roça faz parte dos festejos juninos

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE

Candomblé: Fé e Cultura 1. Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE Candomblé: Fé e Cultura 1 Priscilla LIRA 2 Bira NUNES 3 Tenaflae LORDÊLO 4 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE RESUMO O presente trabalho apresenta, por meio de um ensaio fotográfico, a cultura do

Leia mais

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma

Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma Cultura Negra Cultura Negra Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade de aspectos: dança, música, religião, culinária e idioma. Essa influência se faz notar em grande parte

Leia mais

Cultura Afro-Indígena Brasileira. Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho

Cultura Afro-Indígena Brasileira. Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho Cultura Afro-Indígena Brasileira Prof. Ms. Celso Ramos Figueiredo Filho Religiões Afro-Brasileiras Introdução - Escravidão miscigenação e sincretismo (Angola, Moçambique, Congo) - 3 a 5 milhões de africanos

Leia mais

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Patrícia Cristina de Aragão Araújo 1 Thaís de Oliveira e Silva 2 A escola existe

Leia mais

Olubajé ritual de ações terapêuticas e de comensalidades no Candomblé

Olubajé ritual de ações terapêuticas e de comensalidades no Candomblé Olubajé ritual de ações terapêuticas e de comensalidades no Candomblé Ana Cristina de Souza Mandarino Estélio Gomberg Reginaldo Daniel Flores SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros FREITAS, MCS.,

Leia mais

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura. Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura Organização: Borres Guilouski Diná Raquel D. da Costa CANÇÃO Borres Guilouski Somos diversos E somos plurais Somos diferentes E somos iguais Respeito

Leia mais

Salvador da Bahia Leitura: atividades RESPOSTAS. A festa é do povo

Salvador da Bahia Leitura: atividades RESPOSTAS. A festa é do povo Salvador da Bahia Leitura: atividades RESPOSTAS A festa é do povo 1. 2. A) O casamento na roça faz parte dos festejos juninos e antigamente era considerado um sacramento, já que em muitos locais isolados

Leia mais

AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL. META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural.

AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL. META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural. AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: ser capaz de abordar a religião

Leia mais

Boletim Didáctico e Informativo II Volume Propriedade e distribuição Tupomi

Boletim Didáctico e Informativo II Volume Propriedade e distribuição Tupomi Boletim Didáctico e Informativo II Volume Propriedade e distribuição Tupomi Templo de Umbanda Pai Oxalá e Mamãe Iansã ESPERANÇA Todos os anos, por esta altura, começamos a fazer um balanço do ano que finda,

Leia mais

TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES

TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TERREIROS E QUILOMBOS: ESPACIALIDADES E ARTICULAÇÕES Caio

Leia mais

BANQUETE DOS ORIXÁS Agnes Mariano

BANQUETE DOS ORIXÁS Agnes Mariano BANQUETE DOS ORIXÁS Agnes Mariano Foto: Ricardo Fraga Dona Nidinha é uma das responsáveis pela cozinha do Ilê Axé Opô Aganju. Olhando para o oceano Atlântico à sua frente, misterioso e intransponível,

Leia mais

O CANTO ÀS ORIXÁS: A PRESENÇA FEMININA DA RELIGIOSIDADE AFROBRASILEIRA NAS CANÇÕES

O CANTO ÀS ORIXÁS: A PRESENÇA FEMININA DA RELIGIOSIDADE AFROBRASILEIRA NAS CANÇÕES O CANTO ÀS ORIXÁS: A PRESENÇA FEMININA DA RELIGIOSIDADE AFROBRASILEIRA NAS CANÇÕES Daniel Torquato Fonseca de Lima Casa Brasil Paula Maria Fernandes da Silva Ire Resumo Este estudo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

PLANTAS DO AXÉ: SUA FUNDAMENTAÇÃO RELIGIOSA NOS TERREIROS DE UMBANDA DA CIDADE DE POÇÕES BAHIA

PLANTAS DO AXÉ: SUA FUNDAMENTAÇÃO RELIGIOSA NOS TERREIROS DE UMBANDA DA CIDADE DE POÇÕES BAHIA PLANTAS DO AXÉ: SUA FUNDAMENTAÇÃO RELIGIOSA NOS TERREIROS DE UMBANDA DA CIDADE DE POÇÕES BAHIA Celio Silva Meira (Aluno do Mestrado em Ciências Ambientais da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/

Leia mais

CATOLICISMO POPULAR NUMA COMUNIDADE NEGRA RURAL NO SERTÃO NORTE MINEIRO.

CATOLICISMO POPULAR NUMA COMUNIDADE NEGRA RURAL NO SERTÃO NORTE MINEIRO. CATOLICISMO POPULAR NUMA COMUNIDADE NEGRA RURAL NO SERTÃO NORTE MINEIRO. Resumo Francy Eide Nunes Leal Esse trabalho tem como objetivo apresentar a discussão sobre catolicismo popular no Brasil e promover

Leia mais

APOSTILA DO DOUTRINADOR INTRODUÇÃO

APOSTILA DO DOUTRINADOR INTRODUÇÃO APOSTILA DO DOUTRINADOR INTRODUÇÃO PROJETO AXÉ-MIRIM Chegou a hora de fazermos a diferença. É momento de se criar uma nova consciência sobre o que é a religião de Umbanda. Assim sendo, o Projeto Axé -Mirim

Leia mais

O SENTIDO SUBJETIVO DA EXPERIÊNCIA DO TRANSE NO CONTEXTO DO CANDOMBLÉ

O SENTIDO SUBJETIVO DA EXPERIÊNCIA DO TRANSE NO CONTEXTO DO CANDOMBLÉ FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E EDUCAÇÃO-FACES CURSO DE PSICOLOGIA O SENTIDO SUBJETIVO DA EXPERIÊNCIA DO TRANSE NO CONTEXTO DO CANDOMBLÉ PATRÍCIA PESSOA BORGES BRASÍLIA-DF DEZEMBRO/2008 PATRÍCIA PESSOA

Leia mais

PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO. Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima

PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO. Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima PARÓQUIA DE SÃO PEDRO DO PRIOR VELHO Procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima PRIOR VELHO 12-05-2007 Cântico de Entrada: 1. A treze de Maio, na Cova da Iria, apareceu brilhando a Virgem Maria. Ave,

Leia mais

Curso de Umbanda EWÁ

Curso de Umbanda EWÁ Curso de Umbanda EWÁ Também conhecida como Ìyá Wa. Assim como Iemanjá e Oxum, também é uma divindade feminina das águas e, às vezes, associada à fecundidade. É reverenciada como a dona do mundo e dona

Leia mais

UMBANDA: PRÁTICA CULTURAL E RELIGIOSA AFRO-BRASILEIRA, UM PATRIMÔNIO PERMANENTE NAS RELAÇÕES HUMANAS UBERLANDENSES.

UMBANDA: PRÁTICA CULTURAL E RELIGIOSA AFRO-BRASILEIRA, UM PATRIMÔNIO PERMANENTE NAS RELAÇÕES HUMANAS UBERLANDENSES. 1 UMBANDA: PRÁTICA CULTURAL E RELIGIOSA AFRO-BRASILEIRA, UM PATRIMÔNIO PERMANENTE NAS RELAÇÕES HUMANAS UBERLANDENSES. Gláucia Domingues Silvério 1 Amanda Lourenço Silva 2 Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

A CURA DE UM MENINO Lição 31

A CURA DE UM MENINO Lição 31 A CURA DE UM MENINO Lição 31 1 1. Objetivos: Mostrar o poder da fé. Mostrar que Deus tem todo o poder. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.14-21; Marcos 9.14-29; Lucas 9.37-43 (Leitura bíblica para o professor)

Leia mais

A água poderá concentrar uma vibração positiva ou negativa, dependendo do seu emprego.

A água poderá concentrar uma vibração positiva ou negativa, dependendo do seu emprego. Sua utilidade é variada. Serve para os banhos de amacis, para cozinhar, para lavar as guias, para descarregar os maus fluídos, para o batismo. Dependendo de sua procedência (mares, rios, chuvas e poços),

Leia mais

RIF Ensaio Fotográfico

RIF Ensaio Fotográfico RIF Ensaio Fotográfico Salve Jorge! Devoção popular em vermelho e branco... Em reza e samba Diego Dionísio 1 1 Graduado em Comunicação Social. Técnico de inventário do Patrimônio Imaterial na América Latina

Leia mais

DEPOIS DO TRABALHO A FESTA: O XIRÊ COMO EXPRESSÃO DE SOCIALIZAÇÃO NO CANDOMBLÉ 1

DEPOIS DO TRABALHO A FESTA: O XIRÊ COMO EXPRESSÃO DE SOCIALIZAÇÃO NO CANDOMBLÉ 1 DEPOIS DO TRABALHO A FESTA: O XIRÊ COMO EXPRESSÃO DE SOCIALIZAÇÃO NO CANDOMBLÉ 1 Mary Anne Vieira Silva 2 maryannevs@ig.com.br Herta Camila Cordeiro Morato 3 hertacamila_@hotmail.com. RESUMO: O presente

Leia mais

A CULTURA DO ACARAJÉ EM ARACAJU Leovaldo Garcia Universidade Federal de Sergipe garcilleos@gmail.com

A CULTURA DO ACARAJÉ EM ARACAJU Leovaldo Garcia Universidade Federal de Sergipe garcilleos@gmail.com A CULTURA DO ACARAJÉ EM ARACAJU Leovaldo Garcia Universidade Federal de Sergipe garcilleos@gmail.com GT 01: A Produção de Alimentos Tradicionais nos Territórios Rurais e Urbanos Resumo Este trabalho se

Leia mais

Xirê: uma performance corporal de restauração da energia vital

Xirê: uma performance corporal de restauração da energia vital Xirê: uma performance corporal de restauração da energia vital Tatiana Maria Damasceno Universidade Federal do Rio de Janeiro Professora assistente do Departamento de Arte Corporal Resumo: Axé, energia

Leia mais

1. TÍTULO DO PROJETO Comunidade negra no Brasil Religiões afro-brasileiras.

1. TÍTULO DO PROJETO Comunidade negra no Brasil Religiões afro-brasileiras. 1. TÍTULO DO PROJETO Comunidade negra no Brasil Religiões afro-brasileiras. 2. SÉRIE/CICLO II Ciclo 4ª série 3. AUTORA Tamy Mara Berardi. Curso: Pedagogia 6º período noturno. E-mail: tamyberardi@bol.com.br

Leia mais

O FEMINIL NOS TERREIROS DE XANGÔ: UM ESTUDO DE GÊNERO.

O FEMINIL NOS TERREIROS DE XANGÔ: UM ESTUDO DE GÊNERO. O FEMINIL NOS TERREIROS DE XANGÔ: UM ESTUDO DE GÊNERO. Nadijja Carmo Domingos da Silva 1 Profª Drª Zuleica Dantas Pereira Campos 2 RESUMO A organização básica de um terreiro de Xangô se estrutura em torno

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

Tabuleiro da Baiana de Acarajé: as Práticas Sociais e os Elementos Simbólicos

Tabuleiro da Baiana de Acarajé: as Práticas Sociais e os Elementos Simbólicos VI Encontro Nacional de Estudos do Consumo II Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo Vida Sustentável: práticas cotidianas de consumo 12,13 e 14 de setembro de 2012 Rio de Janeiro/RJ Tabuleiro

Leia mais

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí, / / 14 6º ANO A e B "Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho."

Leia mais

Ogum Guerreiro no canto da Guerreira Clara Nunes. 1

Ogum Guerreiro no canto da Guerreira Clara Nunes. 1 Ogum Guerreiro no canto da Guerreira Clara Nunes. 1 Como quem por talento, para cantar às heranças africanas a cultura brasileira, Clara Nunes (1942-1983), fez do seu canto louvação e saudação aos Orixás

Leia mais

Resistência e afirmação cultural: um olhar fotográfico e etnográfico sobre a comemoração à Iemanjá em Maceió AL 1

Resistência e afirmação cultural: um olhar fotográfico e etnográfico sobre a comemoração à Iemanjá em Maceió AL 1 Resistência e afirmação cultural: um olhar fotográfico e etnográfico sobre a comemoração à Iemanjá em Maceió AL 1 Larissa Fontes 2 Marcelo Góes Tavares 3 Faculdade Integrada Tiradentes, Maceió, AL RESUMO

Leia mais

VIVA O POVO BRASILEIRO: SOCIEDADE EGUNGUN

VIVA O POVO BRASILEIRO: SOCIEDADE EGUNGUN VIVA O POVO BRASILEIRO: SOCIEDADE EGUNGUN Rosângela Santos Silva (UEFS) 1 1 Mestranda do Curso em Estudos Literários na Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS BA Pesquisadora no Grupo de Estudos

Leia mais

1 de Março de 2015. Domingo da Seicho-No-Ie Cerimônia Comemorativa da fundação da SNI "O modo feliz de viver em harmonia com a natureza"

1 de Março de 2015. Domingo da Seicho-No-Ie Cerimônia Comemorativa da fundação da SNI O modo feliz de viver em harmonia com a natureza 1 2 1 de Março de 2015 Domingo da Seicho-No-Ie Cerimônia Comemorativa da fundação da SNI "O modo feliz de viver em harmonia com a natureza" 09:00 Hino Sagrado Canto da Vida Imortal 5 09:05 Cerimônia de

Leia mais

PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO!

PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO! PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO! FERNANDA ZARA NICOLAS MOREIRA ?? VOCÊ SABIA?? Que existe um preconceito em relação

Leia mais

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS 6 a 09 de dezembro de 2011, Laboratório de Estudos da Violência, UFC, Fortaleza-CE Grupo de Trabalho: 06 - Cidade,

Leia mais

MATRIARCADO EM TERREIROS DE MINA DO MARANHÃO - REALIDADE OU ILUSÃO? 1

MATRIARCADO EM TERREIROS DE MINA DO MARANHÃO - REALIDADE OU ILUSÃO? 1 1 MATRIARCADO EM TERREIROS DE MINA DO MARANHÃO - REALIDADE OU ILUSÃO? 1 Mundicarmo Ferretti 2 RESUMO O trabalho versa sobre as relações entre gênero, religião e poder nas religiões afro-brasileiras, tomando

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO 1. IDENTIDADE DO COMPONENTE CURRICULAR O Ensino Religioso deve buscar

Leia mais

A linguagem metafórica no candomblé

A linguagem metafórica no candomblé A linguagem metafórica no candomblé Guilherme Augusto Rezende Lemos Metáfora quer dizer simplesmente transferência de significado, para Aristóteles consiste em dar a uma coisa o nome que pertence a outra

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS ESPIRITUAIS MATA VERDE. Desenvolvimento mediúnico maio/2014 7ªaula

NÚCLEO DE ESTUDOS ESPIRITUAIS MATA VERDE. Desenvolvimento mediúnico maio/2014 7ªaula NÚCLEO DE ESTUDOS ESPIRITUAIS MATA VERDE Desenvolvimento mediúnico maio/2014 7ªaula VENDAS ATÉ DIA 14/05/2014 Doutrina dos Sete Reinos Sagrados A doutrina dos sete reinos, seguida pelo Núcleo Mata Verde,

Leia mais

TÍTULO: A JUVENTUDE CRISTÃ: SUBSÍDIOS PARA UM ESTUDO COMPARADO ENTRE OS MOVIMENTOS RELIGIOSOS METODISTAS E CATÓLICOS EM MINAS GERAIS

TÍTULO: A JUVENTUDE CRISTÃ: SUBSÍDIOS PARA UM ESTUDO COMPARADO ENTRE OS MOVIMENTOS RELIGIOSOS METODISTAS E CATÓLICOS EM MINAS GERAIS TÍTULO: A JUVENTUDE CRISTÃ: SUBSÍDIOS PARA UM ESTUDO COMPARADO ENTRE OS MOVIMENTOS RELIGIOSOS METODISTAS E CATÓLICOS EM MINAS GERAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO

Leia mais

II SEMINÁRIO DE ESTUDOS CULTURAIS, IDENTIDADES E RELAÇÕES INTERÉTNICAS GT 4 - Espaços religiosos, formas de expressão e linguagem

II SEMINÁRIO DE ESTUDOS CULTURAIS, IDENTIDADES E RELAÇÕES INTERÉTNICAS GT 4 - Espaços religiosos, formas de expressão e linguagem A MUSEALIZAÇÃO DO ILÊ AXÉ ALEKETU OYÁ BALÉ CABOCLO GONGOMBIRA: UMA POSSIBILIDADE DE SE PENSAR A PRESERVAÇÃO E VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL AFRO-BRASILEIRO EM TERREIROS DE CANDOMBLÉ DE SERGIPE Cláudio

Leia mais

Como Funciona e o Que Você Precisa Saber Para Entender o Fator da Perda de Peso? Capítulo 9: Mantendo Um Corpo Livre De Celulite Para o Resto Da Vida

Como Funciona e o Que Você Precisa Saber Para Entender o Fator da Perda de Peso? Capítulo 9: Mantendo Um Corpo Livre De Celulite Para o Resto Da Vida Aviso Legal Qualquer aplicação das recomendações apresentadas neste livro está a critério e único risco (do leitor). Qualquer pessoa com problemas médicos de qualquer natureza deve buscar e consultar um

Leia mais

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NO UNIVERSO AFRO RELIGIOSO MARANHENSE Cultura Mística e Viva a Oxalá

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NO UNIVERSO AFRO RELIGIOSO MARANHENSE Cultura Mística e Viva a Oxalá OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NO UNIVERSO AFRO RELIGIOSO MARANHENSE Cultura Mística e Viva a Oxalá Gerson Carlos Pereira Lindoso¹ Prof Dr. Sérgio Figueiredo Ferretti² (Orientador) Depto. de Comunicação Social

Leia mais

OS LIMITES ESPIRITUAIS

OS LIMITES ESPIRITUAIS EGRÉGORA OS LIMITES ESPIRITUAIS É um campo de força criado no Plano Espiritual a partir da energia emitida por um grupo de pessoas através dos seus padrões mentais e emocionais. É gerado pelo somatório

Leia mais

A Cozinha da Bruxinha

A Cozinha da Bruxinha 1 A Cozinha da Bruxinha Anne Glauce Freire Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. O Autora gostaria imensamente de receber um e-mail

Leia mais

Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de. Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal

Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de. Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal Juliana Santilli Congresso Internacional de Valorização de Produtos Tradicionais Ponte de Lima-Portugal 1 Grande avanço no conceito jurídico de patrimônio cultural O Decreto-Lei 25/37 ( Lei do Tombamento

Leia mais

Acordos e desacordos entre orixás, entidades e médiuns na construção da pessoa de religião 1.

Acordos e desacordos entre orixás, entidades e médiuns na construção da pessoa de religião 1. Acordos e desacordos entre orixás, entidades e médiuns na construção da pessoa de religião 1. Bianca Ferreira Oliveira Bacharel em Ciências Sociais RESUMO: Esta investigação busca relacionar as dimensões

Leia mais

Eu sou o ogã confirmado dessa casa : Dilemas da profissionalização e consagração religiosa de ogãs em terreiros de umbanda em Fortaleza 1

Eu sou o ogã confirmado dessa casa : Dilemas da profissionalização e consagração religiosa de ogãs em terreiros de umbanda em Fortaleza 1 Eu sou o ogã confirmado dessa casa : Dilemas da profissionalização e consagração religiosa de ogãs em terreiros de umbanda em Fortaleza 1 Resumo Leonardo Oliveira de Almeida, mestrando em Sociologia UFC,

Leia mais

A baiana Ciça tem ponto na Praça XV de Novembro, na cidade do Rio de Janeiro 36 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 299

A baiana Ciça tem ponto na Praça XV de Novembro, na cidade do Rio de Janeiro 36 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 299 A baiana Ciça tem ponto na Praça XV de Novembro, na cidade do Rio de Janeiro 36 CIÊNCIAHOJE VOL. 50 299 ANTROPOLOGIA Baianas de acarajé: patrimônio, comida e dádiva O ofício das baianas de acarajé foi

Leia mais

Práticas da Antiguidade para a Espiritualidade Contemporânea. Campos dos Sonhos

Práticas da Antiguidade para a Espiritualidade Contemporânea. Campos dos Sonhos Campos dos Sonhos Mateus 6.5-13 A Prática da Adoração ou da Contemplação Consiste no exercício de nos colocar na presença de Deus, deixando que nossas mentes e corações sejam envolvidos por tudo quanto

Leia mais

A mina maranhense, seu desenvolvimento e suas relações com outras tradições afro-brasileiras 1. Mundicarmo Ferretti Universidade Estadual do Maranhão

A mina maranhense, seu desenvolvimento e suas relações com outras tradições afro-brasileiras 1. Mundicarmo Ferretti Universidade Estadual do Maranhão A mina maranhense, seu desenvolvimento e suas relações com outras tradições afro-brasileiras 1 Mundicarmo Ferretti Universidade Estadual do Maranhão Introdução: a religião afro-brasileira no Maranhão O

Leia mais

Troféu Abebé de Prata Mãe Dadá

Troféu Abebé de Prata Mãe Dadá Troféu Abebé de Prata Mãe Dadá O Troféu Abebé de Prata Mãe Dadá tem o objetivo de promover a confraternização entre pessoas ligadas as religiões afrodescendentes, assim como também, é uma forma de premiar

Leia mais

CUIDAR DA NATUREZA RESPEITANDO OS ORIXÁS E ENTIDADES

CUIDAR DA NATUREZA RESPEITANDO OS ORIXÁS E ENTIDADES Ambiente em Ação CUIDAR DA NATUREZA RESPEITANDO OS ORIXÁS E ENTIDADES Orientações para práticas culturais/religiosas em unidades de conservação e áreas naturais protegidas por lei. Bem vindo(a)! componente

Leia mais

Neri C. (2005). Balbino s Interview

Neri C. (2005). Balbino s Interview Neri C. (2005). Balbino s Interview Claudio: Nós não temos um tema em especial, mas talvez possamos iniciar com minhas idéias, as idéias que me ocorreram quando eu te encontrei pela última vez. Me ocorreram

Leia mais

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares.

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares. O mestre morreu. Viva o novo mestre. Jorge das Graças Veloso Programa de Pós-Graduação em Artes VIS/IdA UnB. Professor Adjunto Doutor em Artes Cênicas UFBA. Ator, diretor, dramaturgo, professor/unb. Resumo:

Leia mais

Práticas da Antiguidade para a Espiritualidade Contemporânea

Práticas da Antiguidade para a Espiritualidade Contemporânea A Prática da Adoração ou Contemplação Mateus 6:5-13 Consiste no exercício de nos colocar na presença de Deus, deixando que nossas mentes e corações sejam envolvidos por tudo quanto Ele é e por tudo quanto

Leia mais

25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil PAISAGEM E UMBANDA : ANÁLISE DA FESTA DE LARGO.

25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil PAISAGEM E UMBANDA : ANÁLISE DA FESTA DE LARGO. 25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil PAISAGEM E UMBANDA : ANÁLISE DA FESTA DE LARGO. Eduardo Oliveira Miranda 1 Hellen Mabel Santana Silva 2 A Geografia Cultural possui um diferencial

Leia mais

SENHORAS E SENHORES RERESENTANTES DOS DIFERENTES ÓRGAOS E ENTIDADES. SENHORAS E SENHORES TRABALHADORES DE EDUCAÇÃO DESTE CENTRO.

SENHORAS E SENHORES RERESENTANTES DOS DIFERENTES ÓRGAOS E ENTIDADES. SENHORAS E SENHORES TRABALHADORES DE EDUCAÇÃO DESTE CENTRO. SENHORAS AUTORIDADES PRESENTES NESTE ATO DE POSSE. SENHORAS E SENHORES RERESENTANTES DOS DIFERENTES ÓRGAOS E ENTIDADES. SENHORAS E SENHORES TRABALHADORES DE EDUCAÇÃO DESTE CENTRO. CAROS ESTUDANTES E DEMAIS

Leia mais

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 Maria e José levaram Jesus a Jerusalém a fim de apresentá-lo ao Senhor Leituras: Genesis 15, 1-6; 21,1-3; Salmo 104 (105), 1b-2, 3.4-5.6.8-9 (R/ 7a.8a); Carta aos

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

MULHERES DO AXÉ: A liderança feminina nos terreiros de candomblé

MULHERES DO AXÉ: A liderança feminina nos terreiros de candomblé MULHERES DO AXÉ: A liderança feminina nos terreiros de candomblé Élida Regina Silva de Lima* 1 RESUMO Diante da opressão histórica sofrida pelas mulheres, as mulheres negras sofrem uma opressão ainda maior

Leia mais

A FESTA DO CANDOMBLÉ COMO RESISTÊNCIA CULTURAL NO ESPAÇO DIASPÓRICO

A FESTA DO CANDOMBLÉ COMO RESISTÊNCIA CULTURAL NO ESPAÇO DIASPÓRICO A FESTA DO CANDOMBLÉ COMO RESISTÊNCIA CULTURAL NO ESPAÇO DIASPÓRICO Mary Anne Vieira Silva 1 Universidade Estadual de Goiás/ Universidade Federal de Goiás Marymel2006@hotmail.com Introdução A expansão

Leia mais

Candomblé de Angola: a reinvenção da África no Brasil 1. Défani MOREIRA 2 João MARCELO 3 Universidade de Taubaté, Taubaté, SP

Candomblé de Angola: a reinvenção da África no Brasil 1. Défani MOREIRA 2 João MARCELO 3 Universidade de Taubaté, Taubaté, SP Candomblé de Angola: a reinvenção da África no Brasil 1 Défani MOREIRA 2 João MARCELO 3 Universidade de Taubaté, Taubaté, SP RESUMO O ensaio fotográfico Candomblé de Angola A reinvenção da África no Brasil

Leia mais

Aspectos dos rituais religiosos no teatro negro brasileiro contemporâneo

Aspectos dos rituais religiosos no teatro negro brasileiro contemporâneo Aspectos dos rituais religiosos no teatro negro brasileiro contemporâneo Marcos Antônio Alexandre Programa de Pós Graduação em Estudos Literários UFMG. Professor Adjunto. Doutor em Literatura Comparada

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO ANA ELIZABETH CAVALCANTI DA COSTA 3 ÍNDICE Introdução... 13 1ª Parte - O Universo Mágico Os Ciclos

Leia mais

O Espírito de Religiosidade

O Espírito de Religiosidade O Espírito de Religiosidade Pr. Alcione Emerich Como vive um Cristão Salvo contaminado ou infectado pelo Espírito de Religiosidade Hoje será um Culto de Libertação, vamos quebrar esta maldição em nossas

Leia mais

A Coleção Perseverança do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas e a Memória da Devassa

A Coleção Perseverança do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas e a Memória da Devassa A Coleção Perseverança do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas e a Memória da Devassa Ulisses Neves Rafael* Na noite do dia 1º de fevereiro de 1912, nas ruas de Maceió, pequena capital voltada ainda

Leia mais

E a família... como vai?

E a família... como vai? 1. A crise na família Perigos atuais para família 2. A consciência para família 3. O chamado da família 4. Um caso na família Princípio espiritual para família Prática espiritual da família Papel do batismo

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no encontro com a delegação de atletas das Paraolimpíadas de Atenas-2004

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no encontro com a delegação de atletas das Paraolimpíadas de Atenas-2004 , Luiz Inácio Lula da Silva, no encontro com a delegação de atletas das Paraolimpíadas de Atenas-2004 Palácio do Planalto, 14 de outubro de 2004 Meu querido companheiro Agnelo Queiroz, ministro de Estado

Leia mais

A imigração judaica para a Amazônia. Dawdson Soares Cangussu * Danilson J. Coelho Cordovil ** Maurício S. Silva ***

A imigração judaica para a Amazônia. Dawdson Soares Cangussu * Danilson J. Coelho Cordovil ** Maurício S. Silva *** A imigração judaica para a Amazônia Dawdson Soares Cangussu * Danilson J. Coelho Cordovil ** Maurício S. Silva *** Estudar o povo judeu é, acima de tudo, estudar o processo migratório desse povo. Este

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina ANO I EDIÇÃO DE AGOSTO DE 2014 Nº 01 EDITORIAL Mudança. Uma palavra que poucas pessoas gostam de ouvir e muito menos de realizar. Por que nós

Leia mais

Palavras-chave: Ibeji. Erê. São Cosme e São Damião. Sincretismo. Keywords:. Religion. Ibeji. Ere. Cosme and St. Damião. Syncretism.

Palavras-chave: Ibeji. Erê. São Cosme e São Damião. Sincretismo. Keywords:. Religion. Ibeji. Ere. Cosme and St. Damião. Syncretism. Era uma vez Erês... 1 Emilena Sousa dos Santos Mestranda em Estudos Étnicos e Africanos (UFBA) Resumo Este trabalho apresenta uma análise qualitativa das informações produzidas pela imprensa escrita sobre

Leia mais

MOTIVAÇÕES DA MIGRAÇÃO DE OUTRAS RELIGIÕES PARA O CANDOMBLÉ: UM ESTUDO EM VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA.

MOTIVAÇÕES DA MIGRAÇÃO DE OUTRAS RELIGIÕES PARA O CANDOMBLÉ: UM ESTUDO EM VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA. MOTIVAÇÕES DA MIGRAÇÃO DE OUTRAS RELIGIÕES PARA O CANDOMBLÉ: UM ESTUDO EM VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA. Daniel Marinho Drummond Faculdade Juvêncio Terra (orientador) dmd1234@gmail.com Geralda Alves Faria

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA ESCOLA: COMO O LIXO VIRA BRINQUEDO NA REDE PÚBLICA EM JUAZEIRO DO NORTE, NO SEMIÁRIDO CEARENSE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA ESCOLA: COMO O LIXO VIRA BRINQUEDO NA REDE PÚBLICA EM JUAZEIRO DO NORTE, NO SEMIÁRIDO CEARENSE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA ESCOLA: COMO O LIXO VIRA BRINQUEDO NA REDE PÚBLICA EM JUAZEIRO DO NORTE, NO SEMIÁRIDO CEARENSE Emmanuelle Monike Silva Feitosa 1 Celme Torres Ferreira da Costa 2 Niraldo Muniz

Leia mais

A DIVISÃO DO TRABALHO NOS TEMPLOS DAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

A DIVISÃO DO TRABALHO NOS TEMPLOS DAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS EM PORTO VELHO, RONDÔNIA A DIVISÃO DO TRABALHO NOS TEMPLOS DAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Nilza Menezes * Resumo: Este trabalho faz algumas abordagens sobre a divisão do trabalho nos chamados terreiros

Leia mais

AS FUNÇÕES E OS SIGNIFICADOS DAS FESTAS NAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS[1]

AS FUNÇÕES E OS SIGNIFICADOS DAS FESTAS NAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS[1] AS FUNÇÕES E OS SIGNIFICADOS DAS FESTAS NAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS[1] Eduardo P. de Aquino Fonseca* 1. Introdução A análise da literatura clássica sobre as relações entre religiões e festas nos remete

Leia mais

MURAL DEZEMBRO 2015. Compromisso NATAL SOLIDÁRIO. O Natal está chegando e nessa data não podemos esquecer de ajudar quem precisa!!

MURAL DEZEMBRO 2015. Compromisso NATAL SOLIDÁRIO. O Natal está chegando e nessa data não podemos esquecer de ajudar quem precisa!! Compromisso NATAL SOLIDÁRIO O Natal está chegando e nessa data não podemos esquecer de ajudar quem precisa!! Todos os anos os Correios fazem uma ação muito bacana para que as crianças carentes possam ter

Leia mais

AUTORA: DANIELA DE AQUINO Curso de Comunicação das Artes do Corpo Faculdade de Comunicação e Filosofia.

AUTORA: DANIELA DE AQUINO Curso de Comunicação das Artes do Corpo Faculdade de Comunicação e Filosofia. 8.00.00.00 2 Linguística, Letras e Artes 8.03.00.00 6 Artes PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE COMUNICAÇÃO E FILOSOFIA DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO DAS ARTES DO CORPO MULTIPLEX CODE

Leia mais

A RELAÇÃO DO PAI DE SANTO COM O ALTAR DA CABOCLA MARIANA

A RELAÇÃO DO PAI DE SANTO COM O ALTAR DA CABOCLA MARIANA 1 A RELAÇÃO DO PAI DE SANTO COM O ALTAR DA CABOCLA MARIANA RESUMO Anderson Lucas da Costa Pereira 1 Como são produzidas, sentidas e compreendidas as relações entre o Pai de Santo do Terreiro de Mina Santa

Leia mais