ANUAL DE OAS RÁTICAS PARA PACIENTES COM RISCO PARA LONGA PERMANÊNCIA HOSPITALAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANUAL DE OAS RÁTICAS PARA PACIENTES COM RISCO PARA LONGA PERMANÊNCIA HOSPITALAR"

Transcrição

1 ANUAL DE OAS RÁTICAS PARA PACIENTES COM RISCO PARA LONGA PERMANÊNCIA HOSPITALAR

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO SERVIÇOS DE TRANSIÇÃO Trasferêcia para Uidade de Reabiitação do 13º adar da Uidade Morumbi Trasferêcia para Uidade Hospitaar Via Mariaa OPÇÕES DE ALTA HOSPITALAR Ata para o domicíio Ata com home care Home Care do Hospita Israeita Abert Eistei Ata com home care iberado peas operadoras de pao de saúde Ata para istituições de oga permaêcia (ILP) PROCESSO DE APOIO À DESOSPITALIZAÇÃO SEGURA Avaiação da codição cíica Abordagem socia Área Comercia Permaêcia proogada decorrete de situação socia CONTATOS

3 As codições crôicas são resposáveis por cerca de 60% das mortes por doeças ão comuicáveis o mudo (OMS). As codições crôicas se sobrepõem os cietes a partir de certa faixa etária e aquees com mais de 70 aos podem apresetar de 5 a 7, ou mais, codições crôicas como comorbidades (OMS). Por isso, os pacietes idosos caracterizam-se com essas comorbidades, o que está reacioado com ato risco de reiterações e ato grau de istabiidade cíica durate as iterações, decíio fucioa e oga permaêcia hospitaar. Pesquisas reaizadas a cidade de São Pauo sugerem que os idosos utiizam os serviços de saúde de maeira mais itesa do que os outros grupos etários, seja pea maior duração média das suas iterações, seja pea maior frequêcia de reiterações a que estão sujeitos (Rafai e coaboradores). Iformações obtidas pea Cassificação Iteracioa de Doeças (CID) mostram que as razões mais prevaetes das reiterações são as doeças do apareho digestivo, apareho respiratório e pricipamete do apareho circuatório. Rafai e coaboradores afirmam também que as iterações hospitaares apresetam beefícios e riscos, como o desevovimeto de iatrogeia, de deirium e de decíio fucioa, o que pode trazer como resutado a piora do estado gera e da quaidade de vida do idoso durate e após o período de hospitaização. Esses autores aertam para o fato de que, quado da iteração, o idoso é retirado de seu meio, do covívio famiiar e socia para permaecer em um ambiete hosti. Outrossim, períodos de ma-estar, expectativa de diagóstico, medo, preparo e reaização de exames, mometos de descoforto, dor, preocupação e asiedade, sem mecioar saudade dos famiiares costituem esse ceário agressivo. O idoso que se ecotra sob restrição ao eito experimeta aterações do humor, déficit de coordeação motora, dimiuição da força muscuar, da fexibiidade e da toerâcia aos esforços, aumeto da icidêcia de quedas e perdas a participação em atividades de autocuidado e cotidiaas. Outro importate e grave risco das iterações é a perda fucioa, perda esta que se acetua a cada iteração e dificimete retora ao patamar aterior à iteração. Nessa codição, a atuação precoce do fisiatra, orgaizado e itegrado as várias atividades de reabiitação, tem pape reevate a preveção da ata prevaêcia e a redução da depedêcia fucioa. Etedemos que esta codição requer um equiíbrio otáve e por isso queremos oferecer ossas possibiidades de apoio e de ajuda para a desospitaização segura. O Hospita Israeita Abert Eistei - HIAE caracteriza-se pea sua ata compexidade e, por essa razão, etede que o íve de serviço oferecido deve ser coerete com as ecessidades dos seus pacietes: àquees que ecessitam de ata compexidade, a mesma deve ser oferecida, reduzido-se, pois, esta oferta de compexidade coforme o paciete se estabiiza ciicamete e pode percorrer com seguraça e quaidade as diversas modaidades de ata, seja direto para o domicíio, através das diversas formas de home care, ecamihado para um hospita de pacietes com codições crôicas, para uma estrutura de oga permaêcia, ou um residecia, ou outras estruturas do gêero, ou através das combiações destas opções. A esta coerêcia etre o íve de serviço e as ecessidades do paciete, uma forma de justiça, deomiamos de equidade dos serviços. 1

4 SERVIÇOS DE TRANSIÇÃO Em seguida apresetamos os diversos serviços de trasição a partir daquees de maior compexidade, com a fiaidade de acaçar a ata domiciiar de forma segura e com quaidade. Trasferêcia para Uidade de Reabiitação do 13º adar da Uidade Morumbi Para garatir o fuxo adequado do processo de desospitaização, o HIAE oferece uma uidade de pacietes iterados aida com riscos de istabiidade cíica, com o objetivo de estabiizar e direcioar pacietes crôicos e/ou de oga permaêcia, ocaizada o 13º adar Boco D. Esta é uma uidade de trasição, com uma proposta de ateção iterdiscipiar composta por efermeiros especiaizados, fisioterapeutas, farmacêuticos, fooaudióogo, terapeutas ocupacioais, psicóogos, utricioista e equipe fisiátrica. O objetivo é preparar o paciete, a famíia e os cuidadores para tarefas de autogestão da saúde, auxiiado-os e apoiado-os o desevovimeto de habiidades para moitorar sua saúde detro do cotexto de seu próprio estio de vida, a fim de prepará-os para o mometo da ata ou trasferêcia para a Uidade Via Mariaa. Trasferêcia para Uidade Hospitaar Via Mariaa O Hospita Via Mariaa atede pacietes crôicos de baixa e média compexidades, que teham idicação de reabiitação. A equipe iterdiscipiar é composta por médicos, efermeiros, farmacêuticos, utricioistas, terapeutas ocupacioais, psicóogos, fisioterapeutas e fooaudióogos. Esta equipe recebe e garate a operação do pao assistecia, que evove os pricipais objetivos da atua iteração e que e é vaidado, desde o iício da trasferêcia, peo médico tituar com o fisiatra do hospita. Aém da equipe iterdiscipiar, os pacietes podem ser assistidos por cuidadores, que têm o pape de estimuar os papéis biográficos dos pacietes durate a iteração, auxiiado o processo de desospitaização. 2

5 OPÇÕES DE ALTA HOSPITALAR A ata hospitaar poderá ser: Ata para o domicíio Trata-se da ata mais simpes e mais frequete, que permite o retoro do paciete ao coforto do ambiete famiiar e o retira do ambiete de riscos que um hospita de ata compexidade pode oferecer. Ata com home care Home care ou assistêcia domiciiar é uma modaidade cotiuada de prestação de serviços a área da saúde, que visa a cotiuidade do tratameto hospitaar o domicíio. Esta modaidade foi reguametada pea ANVISA por meio da RDC º 11 em e objetiva a estabiidade cíica e a superação do grau de depedêcia do paciete, reuido o coforto domiciiar os cuidados e a ateção especiaizados. Desta forma a equipe iterdiscipiar vai até a residêcia do ciete e presta toda a assistêcia ecessária. O atedimeto domiciiar evita a permaêcia proogada o hospita e a iterrupção do cuidado ao paciete. Etre seus beefícios está a dimiuição dos riscos de ifecção em ambietes hospitaares, a humaização do atedimeto o ambiete domiciiar, a redução de compicações cíicas e reiterações desecessárias e a otimização do tempo de recuperação do paciete. 3

6 Home Care do Hospita Israeita Abert Eistei O Home Care do Hospita Israeita Abert Eistei foi criado para oferecer aos pacietes a cotiuidade da assistêcia em seu domicíio. Desta forma, a assistêcia prestada ao paciete se faz através da trasferêcia de todos os protocoos istitucioais de forma adaptada e humaizada a cada caso. A avaiação do paciete é reaizada aida o período de iteração para idetificar todas as particuaridades e as ecessidades do atedimeto. A equipe assistecia do Home Care reaiza um pao de ateção e pactua as metas assisteciais domiciiares com a equipe médica tituar, pacietes e famiiares, a fim de traçar objetivos e metas atigíveis para que ocorra a trasição desta modaidade de forma segura. Existem diversos produtos oferecidos detro desta modaidade. São ees: INTERNAÇÃO DOMICILIAR: cosiste da prestação de assistêcia ao paciete com permaêcia de profissioa da efermagem a residêcia, de acordo com a ecessidade de cada caso; PROCEDIMENTO DOMICILIAR: cosiste a reaização potua de procedimetos ifusioais, curativos, terapias de reabiitação, orietações de saúde e avaiações específicas, que garatam a cotiuidade do pao assistecia proposto; PROGRAMA HOME CARE PÓS-OPERATÓRIO: cosiste o respado dado aos pacietes com ata precoce após cirurgias gástricas, cirurgias ortopédicas e também partos. Cosiste a reaização de duas visitas domiciiares para avaiações, orietações e iterveções ecessárias a cada caso; PROGRAMA FAMILY CARE: tem como objetivo proporcioar assistêcia goba à saúde de pacietes idosos em seus domicíios. Busca-se oferecer seguraça e quaidade de cuidados, sem abdicar do coforto da residêcia do paciete. O púbico-avo costitui-se de pacietes com 60 aos ou mais, do mais idepedete ao mais depedete de cuidados. São reaizadas avaiações domiciiares mutiprofissioais, icuido acessibiidade e riscos ambietais, aém de eaboração de um pao terapêutico idividuaizado sob a coordeação da equipe médica tituar. O pao terapêutico é estruturado de acordo com as ecessidades do paciete e pode ser votado para aspectos que vão desde a preveção de quedas e orietações mutiprofissioais até a iteração domiciiar. PROGRAMA BABY CARE: visa promover cuidados à criaça em seu domicíio, oferecedo mútipos procedimetos orietados para preveção, tratameto e reabiitação. Muitos recursos terapêuticos iiciados em ambiete hospitaar podem ser cotiuados o domicíio com seguraça e coforto. Em parceria com o pediatra do paciete, uma equipe especiaizada avaia e atede em ambiete domiciiar a diferetes ecessidades de saúde ifati, do recémascido ao adoescete. 4

7 Ata com home care iberado peas operadoras de pao de saúde Todas as soicitações de home care emitidas peos médicos tituares são ecamihadas às operadoras de paos de saúde através do Grupo de Gereciameto de Pacietes com Risco de Ata Permaêcia Hospitaar para uterior aáise. Este processo visa assegurar a avaiação do paciete iterado o HIAE e maior cotroe das empresas que têm acesso ao HIAE para reaização de avaiação técica. A operadora de pao de saúde aaisa admiistrativamete a soicitação do pedido de home care o prazo médio de 72 horas em dias úteis. Caso haja cocessão para avaiação, ea ecamiha uma ou mais empresas de home care para a avaiação técica do paciete. O HIAE ão possui quaquer resposabiidade quato ao ideferimeto ou iberação do beefício e as empresas prestadoras da assistêcia domiciiar são idicadas peo covêio. Os pedidos de home care eviados para as operadoras de pao de saúde devem coter as seguites iformações: ETIQUETA DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE; DIAGNÓSTICO DE INTERNAÇÃO; ANTECEDENTES PESSOAIS; INDICAÇÃO DO TEMPO PREVISTO QUE O PACIENTE NECESSITARÁ DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR; DATA, CARIMBO E ASSINATURA DO MÉDICO (OS CONVÊNIOS NÃO ACEITAM PEDIDOS COM NOME ILEGÍVEL E SEM O NÚMERO DO CRM).!! Efatizamos que frada, cama hospitaar, oxigêio, dieta e materiais de higiee pessoa são ites que dificimete são autorizados ou cobertos peas operadoras. Iformamos que soicitações de home care para pacietes com ecessidade de cuidador frequetemete são egadas peos covêios. 5

8 Ata para istituições de oga permaêcia (ILP) Famiiares e/ou resposáveis por pacietes em codição cíica estáve, em diferetes íveis de compexidade e depedêcia para atividades de vida diária, que recebem ata hospitaar e optem peo seu ecamihameto para ILP deverão verificar as opções dispoíveis a região de sua preferêcia, bem como sua proposta orçametária e/ou cobertura pea operadora de pao de saúde. No caso da cobertura pea operadora do pao de saúde, o médico deverá emitir reatório com os dados abaixo: ETIQUETA DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE; DIAGNÓSTICO DE INTERNAÇÃO; ANTECEDENTES PESSOAIS; CONDIÇÃO CLÍNICA DO PACIENTE; ESTRUTURA NECESSÁRIA E QUANDO POSSÍVEL, ESTIMATIVA DO TEMPO DE PERMANÊNCIA; DATA, CARIMBO E ASSINATURA DO MÉDICO (OS CONVÊNIOS NÃO ACEITAM RELATÓRIOS COM NOME ILEGÍVEL E SEM O NÚMERO DO CRM).! Cabe ressatar que existem istituições de oga permaêcia que atedem pacietes de baixa, média e ata compexidades, compatíveis com a demada técica pertiete, ou seja, com equidade. E aida há istituições com perfi de moradia para pacietes que ecessitam deste recurso. Tato a assistêcia domiciiar quato a iteração em uidades de oga permaêcia ão são procedimetos icuídos o ROL da ANS, portato depedem do iteresse da operadora de pao de saúde em ecamihar o paciete para estas aterativas. Desde que haja, pois, uma codição a ser egociada com as operadoras, idicação precisa e reatórios detahados com justificativas caras aceeram e faciitam a egociação. 6

9 PROCESSO DE APOIO À DESOSPITALIZAÇÃO SEGURA O HIAE, istituição pioeira o tratameto oferecido aos pacietes com risco para oga permaêcia hospitaar, formou um grupo mutidiscipiar com a fiaidade de gereciar e auxiiar estes pacietes, suas famíias, a equipe médica tituar e as operadoras de pao de saúde o processo de desospitaização segura e com quaidade. O Grupo de Gereciameto de Pacietes com Risco para Loga Permaêcia Hospitaar é a equipe resposáve pea gestão dos pacietes com iteração superior a 15 dias e tem como objetivo avaiar as codições e cotribuir para uma maior adequação e racioaização do tempo de permaêcia, do paejameto de ata e dos ecamihametos. Trata-se de um úceo composto por um efermeiro sêior, um assistete socia sêior, um assistete socia peo e um médico resposáve. Como estratégia para o paejameto da desospitaização segura dos pacietes iseridos o programa de moitorameto, o grupo cota com o suporte de um Comitê Gereciador dos Casos de Pacietes Crôicos e de Loga Permaêcia, que se reúe semaamete e é composto por represetates das uidades de iteração do Morumbi e da Uidade Via Mariaa, do Home Care, da Reabiitação, membros da Gerêcia Médica, da Diretoria e da Prática Médica, da Gerêcia Comercia e do Departameto Jurídico. Como istrumetos de paejameto para desospitaização, o grupo cota com avaiações cíicas, abordagem socia, reuiões com as equipes de auditoria e membros de gestão das operadoras de paos de saúde, em parceria com o setor comercia e com a auditoria itera. N o s s a m e t a é a t u a r c o m o cosutores para eaborar o mehor formato da ata hospitaar. 7

10 Avaiação da codição cíica A avaiação da codição cíica é reaizada as uidades de pacietes iterados peo efermeiro do GRC em parceria com equipe médica e efermeiros ocais resposáveis, com o ituito de cohecer as metas terapêuticas dos pacietes em oga permaêcia e idetificar suporte ecessário para a estabiidade cíica e para a ata hospitaar. Abordagem socia A abordagem socia é uma das ferrametas utiizadas visado assegurar o processo de desospitaização segura, paejada, sistematizada e com miimização da iterferêcia da doeça a vida pessoa, famiiar e socia do paciete. A abordagem, assim como a itermediação socia, ocorre em dois mometos: a icorporação do paciete ao escopo de gestão do Grupo de Gereciameto de Pacietes com Risco de Ata Permaêcia a partir do 15º dia de iteração, para evatameto de dados de rede famiiar e de suporte socia, quado são feitos registros de iformações reevates para o acompahameto do serviço socia. Após a avaiação do cotexto do caso e a defiição reativa aos ecamihametos pertietes, iicia-se o processo de iterveção, com ações de avaiação e abordagem socia detahada e efetiva juto aos famiiares, aos resposáveis, à equipe técica assistecia e à operadora de pao de saúde. De acordo com a evoução deste processo, as ações são compartihadas o comitê para discussão e outros ecamihametos; sempre com foco a mauteção do fuxo de desospitaização segura. Área Comercia É resposáve pea reaização de reuiões mesais com as pricipais operadoras de pao de saúde para discussão de casos de pacietes de oga permaêcia e para idetificar possibiidades de suporte e oportuidades, quado ecessário, para desospitaização segura. Aém disso, matém cotato costate com as operadoras 8

11 Permaêcia proogada decorrete de situação socia A permaêcia hospitaar proogada pode ser devida a dificudades sociais e/ou ecoômicas de famiiares ou do paciete, que ecessitam dar cotiuidade à permaêcia e ão possuem rede de suporte socia, ou ea é escassa. Muitas vezes esta codição está associada à icompreesão do processo de corresposabiidade a assistêcia, que pode até justificar a fata de estrutura e que eva a uma permaêcia hospitaar proogada, desecessária e com riscos. Está cosoidada a ideia de que as codições de saúde e doeça de um membro da famíia e da famíia como um todo devem ser observadas como uma uidade de ifuêcia mútua. Diate deste ceário, a proposta istitucioa visa a mauteção do vícuo famiiar e da coparticipação o processo de tratameto, matedo ou reiserido este membro (paciete) em seu úceo famiiar. Na estrutura da Sociedade Brasieira Israeita Beeficete Abert Eistei existe também o Residecia Israeita Abert Eistei, que abriga 170 idosos, com média etária 86 aos, cassificados de acordo com a depedêcia fucioa e cogitiva.! Cabe ressatar que ão há ehuma resposabiidade de ecamihameto ou trasferêcia dos pacietes moitorados peo Grupo de Gereciameto de Loga Permaêcia Hospitaar da Uidade Morumbi para o RIAE, pois esta atividade foge ao escopo de trabaho do grupo, e as operadoras de pao de saúde ão cobrem os custos de moradia destes idosos. Portato, pacietes ou famiiares que maifestarem o desejo por esta aterativa de moradia, devem seguir os critérios de eegibiidade específicos desta uidade, de maeira particuar, bem como aguardar a ordem da ista de espera. 9

12 CONTATOS Efª. Patrícia Siveira - Assistete Socia: Key Sá Mote - Assistete Socia: Sadra S. Carvaho - Rama: Teefoe: (11) Locaização: 3º adar Boco D Saa Home Care Membros do Comitê de Gereciameto dos Pacietes com Risco para Loga Permaêcia Hospitaar Cara Berardes Ledo (Gerete Pacietes Iterados) Caros Aberto Cagucu Fraga Burgo (Médico Auditor) Cesar Cuha (Gerete Comercia) Christia Aparecida Ribeiro (Gerete Médico Home Care) Costatio Jose Ferades Jr. (Médico) Fabio Gazeato de Meo Fraco (Coordeador Médico Uidade Via Mariaa) Fatima Araci Tahira (Gerete Pacietes Iterados) José Atoio Mauf de Carvaho (Gerete dos Pacietes com Codições Crôicas e Idosos) Key Nascimeto de Sa Mote (Assistete Socia Sêior - GGPC) Luciaa Reis Guastei (Coordeadora de Efermagem Semi-itesiva 7º Adar) Marcia Bueo de Gouvea Motta (Coordeador Efermagem - 13º Adar) Maria Teresa Aparecida Siva Odiera (Gerete Pacietes Graves) Miriam Ikeda Ribeiro (Gerete da Uidade Via Mariaa) Murio Aves Moreira (Gerete Comercia) Patricia Siveira Rodrigues (Efermeira Sêior GGPC) Pryscia Berardo (Coordeadora de Efermagem Home Care) Sadra Rodrigues da Siva Carvaho (Assistete Socia Peo) Soia Teresa G. Akopia (Médica Fisiatra) Vaessa Maria da Siva de Poi Correa (Coordeadora de Efermagem Uidade Via Mariaa) 10

Mauá Prev Regime de tributação do Pao de Aposetadoria Mauá Prev será escohido peos próprios participates A Lei º 11.053, de 29/12/2004, dá aos participates de paos de previdêcia compemetar do tipo cotribuição

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA MARIANO YOSHITAKE Adelmo Ferado Ribeiro Schidler Júior Adriao Moitiho Pito Iracema Raimuda Brito das Neves Aselmo Teixeira Motes Resumo: O objetivo

Leia mais

A MAIOR FEIRA DE ATIVIDADE FÍSICA DO NORTE (91) 3246-6546 3246-1665 98394-5829 NO HANGAR - CENTRO DE CONVENÇÃO DA AMAZÔNIA

A MAIOR FEIRA DE ATIVIDADE FÍSICA DO NORTE (91) 3246-6546 3246-1665 98394-5829 NO HANGAR - CENTRO DE CONVENÇÃO DA AMAZÔNIA 11 CURSOS 01 CURSO 01 CURSO 01 CURSO Foto: Reiado Siva Jr. GESTÃO ACQUA ESPORTE 04 CURSOS 02 CURSOs 02 CURSOS 02 CURSOS NUTRIÇÃO APOIO CHACELA: FISIOTERAPIA ESCOLA Aberta ao púbico BEM ESTAR EXPOFEIRA

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA RESUMO

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA RESUMO EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA 9 ORIGINAL EDUCAÇÃO EM SAÚDE E NUTRIÇÃO EM JOÃO PESSOA, PARAÍBA HEALTH AND NUTRITION EDUCATION IN JOÃO PESSOA,, PAR ARAÍBA AÍBA,, BRAZIL Roberto Teixeira LIMA

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização Gestão Itegrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regioalização Ceará 2011 Apoio Istitucioal Covêio SRHU/MMA/ º 003/2008 - Projeto Regioalização da Gestão Itegrada de Resíduos Sólidos do Estado do

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES Bem-vido ao Almeat, um espaço ode tudo foi projetado especialmete para realizar desde pequeas reuiões e evetos até grades coveções, com coforto, praticidade e eficiêcia,

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DE GINÁSTICA LABORAL PELOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DE GINÁSTICA LABORAL PELOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DE GINÁSTICA LABORAL PELOS FUNCIONÁRIOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO EVALUATION OF THE PRACTICAL OF LABOR GYMNASTICS FOR THE EMPLOYEES OF A PUBLIC HOSPITAL EVALUACIÓN DE LA PRÁCTICA DE GIMNASIA

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

SEGUIMENTO DO ENFERMEIRO GRADUADO NA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP: SUA INSERÇÃO EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA

SEGUIMENTO DO ENFERMEIRO GRADUADO NA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP: SUA INSERÇÃO EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA SEGUIMENTO DO ENFERMEIRO GRADUADO NA ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP: SUA INSERÇÃO EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA FOLLOWING UP OF THE NURSES GRADUATED AT THE SCHOOL OF NURSING OF THE UNIVERSITY OF SAO PAULO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA ANDREIA DOS SANTOS GOMES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA ANDREIA DOS SANTOS GOMES http://www.foxitsoftware.com For evauatio oy. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRNÁ CURSO DE ESPECILIZÇÃO PR PROFESSORES DE MTEMÁTIC NDREI DOS SNTOS GOMES MOTIVÇÃO DO ESTUDO DE ÁRES E PERÍMETROS DE FIGURS GEOMÉTRICS

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL CHARLES THIBES SARMENTO RESUMO Tecioa-se aalisar a regressão múltipla como auxílio às políticas istitucioais as pesquisas

Leia mais

Universalização do Saneamento: Avanços e Desafios

Universalização do Saneamento: Avanços e Desafios Latiosa 2010 Coferêcia Latioamericaa de Saeameto Uiversalização do Saeameto: Avaços e Desafios Atoio da Costa Mirada Neto Membro do UNSGAB Coselho de Assessorameto ao Secretário-Geral da ONU, para Assutos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais ovacao revista iformativa trimestral da Eutectic Castoli º 1-213 aotecologia a ossa vida e a soldagem de revestimeto E mais: Ecoomia de Eergia Automação Aplicativos Adroid Aplicações Idustriais editorial

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Motivos de abandono do tratamento antirrábico humano pós-exposição em Porto Alegre (RS, Brasil)

Motivos de abandono do tratamento antirrábico humano pós-exposição em Porto Alegre (RS, Brasil) 57 Motivos de abadoo do tratameto atirrábico humao pós-exposição em Porto Alegre (RS, Brasil) Abado reasos of post-exposure huma ati-rabies treatmet i Porto Alegre (RS, Brazil) ARTIGO ARTICLE Rejae Dias

Leia mais

Questionário sobre o clima ESCOLAR. Um questionário para pais e guardiãos sobre: Igualdade e Educação Inclusiva Intimidação/Assédio

Questionário sobre o clima ESCOLAR. Um questionário para pais e guardiãos sobre: Igualdade e Educação Inclusiva Intimidação/Assédio Questioário sobre o cima ESCOLAR Um questioário para pais e guardiãos sobre: Iguadade e Educação Icusiva Itimidação/Assédio Nome da escoa: Idetificação da escoa: Nome da juta escoar/autoridade: Idetificação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/2014 -

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/2014 - CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICÍPIO DE TAIOBEIRAS/MG - EDITAL 1/014 - ESTE CADERNO DE PROVAS DESTINA-SE AOS CANDIDATOS AOS SEGUINTES CARGOS: Auxiliar de Saúde Soldador

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório Um armazeameto de amostra completo e rastreável para o seu laboratório LIVRETO Armazeameto de Amostra, Mauseio e Gestão PRODUÇÃO NA HOLANDA E NOS ESTADOS UNIDOS MOLDE POR INJEÇÃO E MONTAGEM EM SALA LIMPA

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSAL FOR AN INFORMATION MANAGEMENT MODEL: CASE STUDY IN THE MARKETING RESEARCH FIELD RESUMO O propósito

Leia mais

Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Dr. Sebastião de Moraes - nº 155 - novembro 2014 - www.cosemssp.org.

Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Dr. Sebastião de Moraes - nº 155 - novembro 2014 - www.cosemssp.org. Joral do cosems sp Coselho de Secretários Muicipais de Saúde do Estado de São Paulo Dr. Sebastião de Moraes - º 155 - ovembro 2014 - www.cosemssp.org.br IMPRESSO Fechado. Pode ser aberto pelo ECT Fotos

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

LogWeb. Fulguris: Liderança de mercado em baterias industriais. www.fulguris.com.br e-mail: gt@fulguris.com.br Tels.: 11 6412-1922 6413-5605

LogWeb. Fulguris: Liderança de mercado em baterias industriais. www.fulguris.com.br e-mail: gt@fulguris.com.br Tels.: 11 6412-1922 6413-5605 J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 4 J U N H O 2 0 0 7 R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A Iforme

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE DE DADOS

PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE DE DADOS FRANCISCO LOUZADA-NETO / CARLOS A. RIBEIRO DINIZ / CLOVIS CORREA DA COSTA / PAULO HENRIQUE F. DA SILVA / CAMILA R. DESTEFANI / ANA PAULA O. TEMPONI PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE

Leia mais

Consolidando a Caminhada

Consolidando a Caminhada Pe. João Cecoello Silvae V. Cecato Erestia B. Flores Cosolidado a Camihada O Ã Ç I EDIÇÃO ED 2ª O ED I Ç Ã Pastoral da Sobriedade CNBB - Coordeação Nacioal Pastoral da Sobriedade um orgaismo da CNBB Sobriedade

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística. Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística i Sumário 1 Estatística Descritiva 1 1.1 Coceitos Básicos.................................... 1 1.1.1 Defiições importates............................. 1 1.2 Tabelas Estatísticas...................................

Leia mais

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa Mais de 100 filiais e 800 profissioais a Europa e América www.ifos.com 214 143 334 Catálogo de Servicios Cosultoría Edição Portuguesa Catálogo de Serviços Área de Cosultoria Edição Portuguesa Catálogo

Leia mais

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência

Análise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Universidade Federa do Rio de Janeiro Escoa Poitécnica Departamento de Engenharia Eétrica NOTAS DE AULA Anáise de Segurança Estática em Sistemas de Potência Prof. Carmen Lucia Tancredo Borges, D.Sc Juiana

Leia mais

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução

METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas de Minas Gerais. Introdução GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA SOCIAL SUPERINTENDÊNCIA DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE DIRETORIA DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL METODOLOGIA PROGRAMA CEAPA/MG Centra de Apoio e Acompanhamento

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Direito Humao à Educação Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Orgaização: Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Coordeação Editorial: Deise Carreira, Laura Bregeski Schühli e Salomão Ximees Autores:

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Kit de ferramentas de Advocacy

Kit de ferramentas de Advocacy ROOTS 1+2 ROOTS Kit de ferrametas de Advocacy SEGUNDA EDIÇÃO ROOTS: Recursos para Orgaizações com Oportuidades de Trasformação e Socialização ROOTS 1 E 2 Kit de ferrametas de Advocacy Seguda edição De

Leia mais

INFORMATIVO GERAL ÍNDICE MATRÍCULAS

INFORMATIVO GERAL ÍNDICE MATRÍCULAS INFORMATIVO GERAL MATRÍCULAS ÓRGÃO OFICIAL DE COMUNICAÇÃO INTERNA DO COLÉGIO CURSO MARTINS ÍNDICE 2015 1)Caledário de Matrículas/2015 ----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes a 5 de Agosto de 006 Belo Horizote - MG Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo as Redes de Distribuição Atedidas por Subestações de Diferetes Fotes M.Sc. Daiel P. Berardo AES

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

Prova Específica para o Curso de Administração e Ciências Contábeis

Prova Específica para o Curso de Administração e Ciências Contábeis Prova Específica para o Curso de Admiistração e Ciêcias Cotábeis 06 de dezembro de 011 INSTRUÇÕES 1. Verifique se este cadero cotém 30 questões.. Ao costatar qualquer irregularidade com relação ao total

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

www.partnervision.com.br

www.partnervision.com.br www.partervisio.com.br SERVIÇOS E SUPORTE PROCESSOS E INICIATIVAS PRODUTOS DE SOFTWARE SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA Software para o Desevolvimeto de Coteúdo e Processos Para Otimizar o Desevolvimeto de Produtos

Leia mais

Suporte e Consultoria. KuboIC. Suporte Avançado

Suporte e Consultoria. KuboIC. Suporte Avançado Suporte e Cosultoria A KuboIT é uma empresa de serviços que atua o mercado acioal e iteracioal de seguraça da iformação. A KuboIT foi formada com base as ecessidades das pequeas, médias e grades empresas

Leia mais

SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO

SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO XPS - POLIESTIRENO EXTRUDADO SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO RESISTÊNCIA TÉRMICA ECONOMIA DE ENERGIA DURABILIDADE RESISTÊNCIA MECÂNICA SUSTENTABILIDADE SPUMAPAC INOVAÇÃO SEMPRE Fudada em 1970, a Spumapac

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 braca 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 Curitiba, outubro 214 Bachma & Associados e 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

Educação integral e(m) tempo integral: Espaços no Programa Bairro-Escola, Nova Iguaçu RJ

Educação integral e(m) tempo integral: Espaços no Programa Bairro-Escola, Nova Iguaçu RJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Cetro de Ciêcias Humaas e Sociais CCH Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação Educação itegral e(m) tempo itegral: Espaços o Programa Bairro-Escola,

Leia mais

Confidencial. informativo exclusivo para os cooperados da unimed-rio MArço de 2009

Confidencial. informativo exclusivo para os cooperados da unimed-rio MArço de 2009 Mesmo em ao difícil, cooperativa tem resultados positivos págia 3 Portabilidade dos plaos de saúde é aprovada pela ANS e passa a valer a partir de abril págia 4 37 Cofidecial iformativo exclusivo para

Leia mais

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas S W IFT-DUO SWIFT Sistemas de medição por vídeo para medição e ispeção precisas S W IFT-DUO Sistemas de medição por vídeo 2 eixos, ideais para medir recursos em 2D de peças pequeas e itricadas Variação

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 28 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS CONTRIBUTION OF MARKETING RESEARCH

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP n.º 032/2010 Processo n.º 01300.001447/2010-6

PREGÃO ELETRÔNICO - SRP n.º 032/2010 Processo n.º 01300.001447/2010-6 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DAD COORDENAÇÃO GERAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS CGADM SERVIÇO DE LICITAÇÃO - SELIC PREGÃO ELETRÔNICO -

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais