Ideias empreendedoras que deram certo: área de Assistência Domiciliar ( Home Care)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ideias empreendedoras que deram certo: área de Assistência Domiciliar ( Home Care)"

Transcrição

1 Ideias empreendedoras que deram certo: área de Assistência Domiciliar ( Home Care) Luiza Watanabe Dal Ben* Nascimento da idéia Em março de 1978 iniciei minha carreira profissional como enfermeira de cuidados intensivos (UTI) no Hospital 9 de Julho. Em 1982 casei-me e para continuar lecionando para técnicos de enfermagem solicitei à minha chefia, que me transferisse da UTI pela redução de plantões, apesar da diminuição do salário. Fora da UTI, atuei na pediatria e em todas as outras unidades de internação do hospital. A partir de 1985 fui alocada no setor de educação continuada do hospital, atuei na elaboração e implementação de estratégias para o desenvolvimento das lideranças de todos os setores da instituição, incluindo a enfermagem. Para tanto preparei-me para exercer com competência as minhas atividades. Em 1980 conclui licenciatura em Enfermagem pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo; participei de associações de recursos humanos da cidade de São Paulo e da Sociedade Brasileira de Educação Continuada em Enfermagem SOBRECEn; em 1991 conclui o curso de especialização em administração de serviços de saúde e hospitalar pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSPUSP). Neste curso, estudei como eram os sistemas de saúde de outros países americanos e europeus e a tendência de que os hospitais seriam grandes centros de tecnologia, os pacientes seriam monitorados em suas próprias casas e se submeteriam a cirurgias em ambulatórios 1. Apesar do reconhecimento do meu trabalho no hospital, o único que eu vivenciei, o meu desejo era de estar mais próxima aos pacientes para habilitá-los ao seu autocuidado, após a alta hospitalar. Esses eram momentos privilegiados sem paralelo com muito significado para a minha existência humana: a chance de aliviar o sofrimento, potencializar os recursos do paciente e seus familiares, de resgatar seres para a vida e a oportunidade também de conduzi-los para uma morte com dignidade, sempre eram imbuídos de um novo significado e integração de valores ao meu cuidado e de toda a equipe de enfermagem 1. O valor ao paciente na prestação dos serviços, só pode ser compreendido no nível de condições de saúde. O valor é determinado por quão bem um prestador atende a cada condição de saúde, não pela amplitude dos seus serviços. O valor entregue em uma condição de saúde é decorrente de um conjunto completo de atividades e especialidades envolvidas. Não são os papéis, as habilidades ou as funções, isoladamente, que importam, mas o resultado em geral 2. Em setembro de 1991, abracei a oportunidade de montar o meu consultório de enfermagem, ao lado do hospital onde eu trabalhava, em um prédio centro médico. Escrevi todo o plano de negócio do empreendimento 1

2 (estrutura, processos e resultados, abrangência) com previsão do retorno financeiro após 3 anos. Em relação aos meus conhecimentos eu tinha convicção de minhas competências gerenciais e confiança de minha prática cuidativa, consegui assumir uma posição como agente positivo, com crescimento do negócio de forma sustentável e lucrativa. Sempre estive atenta ao fato de que o maior patrimônio era eu mesma. Tinha convicção sobre o tema Cuidado de enfermagem eu entendo 1! Este processo de mudança envolveu conviver com perdas, abandono, desistência das histórias das quais eu estava confortável. Ancorei muito nos professores do curso da FSPUSP, venci as resistências ao expor minhas convicções, reciclei novos aprendizados, compreendi o que podia ser integrado à minha vida e muitas vezes com novo significado 1. Em janeiro de o consultório de enfermagem transformou-se em empresa com o status de pessoa jurídica, sendo possível celebrar contratos de credenciamento, de acordo com as exigências das organizações, para prestar a assistência domiciliar hoje consagrada na sigla AD ou para conduzir procedimentos de enfermagem em domicílio 1,3. A aceitação como enfermeira nessa prestação de serviços começou a tornar-se mais fácil a partir do momento em que eram entregues aos administradores o Código de Ética de Enfermagem e a legislação sobre o exercício profissional da enfermagem, respectivamente a Lei n 7.498, de 25 de junho de 1986, e sua regulamentação, o Decreto n , de 8 de junho de Com efeito, na carta de apresentação das nossas atividades às empresas, era destacado o art. 13 desse documento onde estava estabelecido: Todas as atividades dos auxiliares de enfermagem e técnicos de enfermagem deveriam ter a supervisão, orientação e direção do enfermeiro,3. Assim é que, entre 1992 e 1994, significativa parcela das empresas que procuravam nossos serviços e com as quais mantivemos os primeiros contatos, manifestava insatisfação com os seus clientes da área da saúde por terem eles contratado diretamente auxiliares de enfermagem e enfrentarem problemas de caráter ético-legal ou trabalhista, relacionados, em sua maioria, com a inadequada postura profissional. Era indubitável tratar-se de uma situação que punha a descoberta a ausência da supervisão do enfermeiro 1,3. Nesse ritmo, em março de 1994 pedi demissão do hospital onde trabalhava. A partir de então, dediquei-me exclusivamente às atividades da empresa que tinha sido instituída com a finalidade de prestar serviços especializados de enfermagem em domicílio, com supervisão de enfermeiro 24 horas contínuas 1,3. Tudo indicava que o ideal de ser enfermeira com independência estava se concretizando, fato que me fazia sentir realizada e satisfeita. Por sua vez, os enfermeiros da equipe do consultório de enfermagem, reconhecidos profissionalmente pela assistência personalizada que prestavam aos doentes e 2

3 aos seus familiares, eles também se sentiam responsáveis e autônomos e deixavam transparecer uma satisfação sem medidas. Busca do conhecimento cientifico Desde quando comecei as tarefas da prestação de serviços nos períodos em que os compromissos com o emprego no hospital me permitiam dediquei-me à modalidade de internação domiciliar. O desafio era demonstrar a necessidade de horas diárias de assistência de enfermagem domiciliar para cada paciente aos responsáveis financeiros, pois os custos envolvidos precisavam ser bem utilizados. As necessidades exigiam a permanência de profissionais auxiliares e técnicos de enfermagem por um período de seis a vinte quatro horas para cumprir os procedimentos da enfermagem, como sendo a extensão do tratamento hospitalar. Os tipos de modalidades de assistência domiciliar são visitas, atendimentos/procedimentos, gerenciamento de doenças crônicas/monitoramento e internação domiciliar. O que as diferencia é a necessidade da permanência do profissional técnico de enfermagem (TE) e do auxiliar de enfermagem (AE), no domicílio do paciente 3. A realidade dos fatos é que o bom desempenho da equipe de enfermagem se reflete de imediato na satisfação dos pacientes e de seus familiares, por sermos os profissionais da linha de frente, contato direto com o cliente/paciente. É o que tem demonstrado a minha experiência que constatou ainda que esse bom desempenho está diretamente relacionado com o somatório das seguintes condicionantes: uma justa adequação da permanência do profissional de enfermagem às necessidades do paciente; a conformidade do perfil pessoal e profissional aos desejos desse paciente (a empatia entre a pessoa que cuida e a pessoa que está sendo cuidada); a viabilidade dos custos; a provisão adequada de medicamentos, materiais e equipamentos, a eficiente supervisão exercida pela enfermeira e uma estrutura de comunicação rápida e precisa 4. A prática de enfermagem em assistência domiciliar e a responsabilidade pelas questões ético-legais levaram-me à busca de caminhos que me sinalizassem mais segurança na empreitada, principalmente no que dizia respeito à tomada de decisão para fixar as horas diárias a serem debitadas na assistência e que fossem, a um só tempo, não só adequadas às necessidades dos pacientes e justas em relação às exigências dos provedores financeiros, como também estivessem de acordo com o sistema de medicina suplementar. Todas essas questões motivaram-me a estudar com afinco o tema específico que envolvia o modo mais correto de calcular o pessoal que deveria intervir na assistência em domicílio 4. Então, no ano de 2000, na oportunidade da minha dissertação de mestrado, havia traduzido para o português, com algumas adaptações, o sistema de pontuação TISS Intermediário: Sistema de Pontuação para Intervenção Terapêutica em Pacientes sem UTI, publicado por David J. Cullen junto com outros colaboradores. Este estudo resultou um instrumento para 3

4 também calcular as horas diárias necessárias ao bom desempenho dos profissionais 3,5. A gestão da qualidade envolve os problemas com pessoal, produtividade e custos, sendo que a manutenção da qualidade do atendimento e a contenção dos custos não podem ser separadas. Quantificar corretamente as horas dedicadas à assistência domiciliar foi uma inquietação que sempre me acompanhou ao longo da minha trajetória profissional. Na assistência domiciliar os contextos de atuação são sempre únicos, o que demandará do Enfermeiro contínua reflexão sobre a sua atuação junto à família não apenas de maneira pontual, mas ao longo do tempo, considerando as mudanças que sofrem estes mesmos contextos. O profissional precisa compreender e conhecer o cenário mercadológico em que atua, discutir as principais tendências que estão transformando a economia, a tecnologia, os mercados, estruturas familiares e o ambiente político-social para melhor orientar os rumos da organização do seu trabalho. Desfazer mitos e reconhecer o seu potencial a fim de executar ações de enfermagem que intervenham positivamente na assistência ao paciente e seus familiares 1,3,4. No doutorado da Escola de Enfermagem da Universidade de São Pulo (EEUSP) concluído em 2005, versou sobre a percepção de gerentes e enfermeiras especificamente quanto ao cálculo do pessoal de enfermagem em assistência domiciliar. Propusemos um modelo para calcular com exatidão o pessoal de enfermagem, que divulgamos em 2005 na forma de livro 3,4. Sistemática operacional de uma empresa de assistência domiciliar No domicílio as relações humanas se tornam muito mais transparentes, revelando fragilidades e particularidades tanto de assistidos quanto da equipe que os assiste. Cabe ao enfermeiro monitorar a dinâmica das relações humanas no contexto da assistência domiciliar, para que o equilíbrio entre as relações profissionais e pessoais seja assegurado. Na minha prática assistencial o sucesso da assistência domiciliar relaciona-se diretamente ao processo da implantação, cujo processo inclui: a consulta de enfermagem, a avaliação das condições do domicílio, a estrutura necessária para receber o paciente e o preparo da equipe interdisciplinar para atender o paciente. Cabe ao enfermeiro ser o elo de toda a equipe, esclarecer os papéis de todos os membros, de forma escrita e verbal (Manual de Orientações ao paciente contendo seus direitos e deveres e de todos os profissionais que o atenderão) 6. A empresa deve encurtar as distancias, pois cada domicílio, constitui em um hospital virtual, como também, proporcionar condições para viabilizar uma assistência segura ao paciente, familiares e profissionais 3,6. As diretrizes da Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente-REBRAENSP-Polo São Paulo têm subsidiado as equipes de enfermagem nesse sentido. A enfermagem é a equipe da linha de frente em assistência domiciliar, o preparo dos enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem é fundamental, principalmente no desenvolvimento de suas competências humanas, que hoje 4

5 constituem o ponto número um em seleção. Aprender a lidar com os pares contraditórios entre impotência e onipotência, sofrimento e prazer, frustração e satisfação diariamente exige uma maturidade emocional e muita vontade de lidar com o novo. Cada paciente, seus cuidadores e familiares estão inseridos em dinâmicas únicas, próprias e diferentes exigindo olhares específicos com intervenções adequadas, a fim de superar as suas expectativas e alcançarmos os nossos objetivos de promoção de qualidade de vida segundo a ótica do cliente. Acreditamos que esse é o poder invisível da enfermagem que muitas vezes esquecemos, e que somados à execução de um marketing da profissão se faz urgentemente necessário. O avanço de tecnologia digital possibilita tratar o paciente no espaço domiciliário que não são os hospitalares, proporcionando monitoramento seguro e confiável em relação aos dados clínicos do paciente. Para a Dal Ben Home Care, entendemos que a tecnologia deve estar sempre a favor do cuidado. Um dos critérios de elegibilidade do paciente para a internação domiciliar é ter um sistema de comunicação eficaz. Acompanhamos a evolução da telefonia, inicialmente telefone fixo e depois a móvel. Em 2004 implantamos um sistema via WEB e atualmente realizamos a comunicação por netbook em todas as residências para a comunicação on line, evolução da equipe interdisciplinar, registro no prontuário eletrônico, registro de uma ficha de alerta clínicos para os técnicos e auxiliares de enfermagem o que fomenta um raciocínio clínico e subsidia ações para educação permanente da equipe de enfermagem 1;6. A gestão da qualidade envolve os problemas com pessoal, produtividade e custos, sendo que a manutenção da qualidade do atendimento e a contenção dos custos não podem ser separadas. São necessárias múltiplas habilidades e especialidades em todos os estágios do ciclo de atendimento de uma condição de saúde 2. O home care implica que no dia-a-dia é preciso tomar decisões e resolver problemas com o paciente, ou em seu nome, em relação às intervenções médicas, internação hospitalar, rotinas diárias, controle da dor e outros sintomas, além de decidir sobre o local onde a pessoa deve viver e até morrer. Nessa circunstância, é necessário analisar os riscos e garantias, as despesas decorrentes, proteção contra eventuais descuidos ou maus tratos, procurando equilibrar os recursos existentes, as preferências e capacidades, tanto do paciente como do cuidador 7. Elegibilidade do paciente para ser assistido em seu domicílio O objetivo da prática de assistência no domicílio é desenvolver e integrar um plano de trabalho, o qual é implementado junto ao paciente e sua família no seu lar, proporcionando a adaptação, independência e melhor qualidade de vida a eles. A consulta de enfermagem subsidia a necessidade de horas diárias de assistência de enfermagem ao paciente e os seus familiares. Por se tratar de a maioria serem pacientes portadores de condições crônicas saliento que o 5

6 alcance dos objetivos da assistência de enfermagem domiciliar inclui sempre a reabilitação. A sistematização da assistência de enfermagem é composta de: realização do exame físico, composição do desenho genograma e ecomapa do paciente baseado no Modelo de Calgary de Avaliação da Família 8, avaliação da estrutura do ambiente para receber o paciente, avaliação da dinâmica familiar, previsão e provisão de medicamentos, gerenciamento dos fornecedores dos materiais e equipamentos e da relação com a organização de suporte como exames de análises clínicas, radiológicos, eletrocardiogramas, serviço de remoção, entre outros. A previsão de materiais indispensáveis para um atendimento seguro e rápido, quando houver agravos e também a previsão de estrutura como a falta de energia elétrica para o funcionamento de equipamentos de uso contínuo ou daqueles que comprometem diretamente a assistência como aspiradores de secreção, ventiladores mecânicos e ventiladores não invasivos são imprescindíveis em assistência domiciliária 3. Cuidar de um paciente com segurança em seu domicílio e a implementação do plano terapêutico com o objetivo de proporcionar-lhe uma melhor qualidade de vida, requer do enfermeiro uma reflexão contínua para a construção desse conhecimento. Atender às expectativas do paciente e de sua família são fundamentais porque esses estão imbuídos de valores sócioculturais que sempre precisam ser desvelados pelo enfermeiro e a sua equipe. A equipe constituída de enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem necessita ter clareza de seus papéis enquanto equipe de enfermagem inserida em uma equipe interdisciplinar possibilitando a soma do conhecimento e a prestação da assistência. A competência gerencial do enfermeiro se destaca principalmente pela responsabilidade e comprometimento com que assume a causa do cliente 9. Concordamos com Backes 9, pois, o enfermeiro é o membro da equipe interdisciplinar que tem uma habilidade proativa por analisar os riscos, as garantias, a proteção contra eventuais descuidos ou maus tratos, procurando equilibrar os recursos existentes, as preferências e capacidades do paciente e do cuidador formal e informal. O enfermeiro é profissional imprescindível a esse processo, sendo seu posicionamento singular dentre outros profissionais da saúde, pois embora seja reconhecido principalmente pelos processos de trabalho voltados para assistilo, a ele cabe o desenvolvimento concomitantemente do administrar, em graus de abrangência e profundidade variáveis, conforme seu contexto de atuação. Tenho convicção de que a obediência aos aspectos éticos e legais da nossa profissão favoreceram o trilhar com sucesso e formar o alicerce para o desenvolvimento da organização, que hoje é referência em qualidade em Home Care pelos prêmios recebidos em nível nacional. O dispensário sob a gerência do farmacêutico está localizado na sede, e sua planta física possui entrada e saída distintas, para evitar cruzamento dos produtos e área blindada, para guarda de material inflamável (álcool). Pelas 6

7 características da clientela da Dal Ben, os produtos do dispensário são de uso hospitalar. O fluxo está adequado para efetuar a etiquetagem, armazenagem e transporte de medicamentos, materiais e equipamentos médico-hospitalares. O sistema permite a rastreabilidade dos produtos existentes em cada domicílio, e a logística empregada assegura que o transporte dos medicamentos e materiais da sede ao domicílio sejam protegidos das variações bruscas de temperatura do ambiente. É necessário que a empresa tenha critérios de seleção de empresas terceirizadas com certificação de qualidade e tradição no mercado, uma logística em relação aos equipamentos como bomba de infusão, oxímetros, estetoscópio, venoscópio, aspiradores elétricos, nebulizadores, termômetros, glicosímetros, ventilador (LTV), berço para fototerapia, suporte de soro. O mesmo deve ser com os equipamentos de oxigenioterapia e mobiliários tais como: cadeira para higiene, de rodas, andadores, cama, poltronas e outros. O gerenciamento de resíduos sólidos de saúde é realizado de acordo com as normas da vigilância sanitária. A identificação dos pacientes de forma correta é assegurada pela apresentação de todos os TE/AE que irão atuar na residência do paciente pelo enfermeiro referência do paciente. A efetividade da comunicação entre os profissionais da assistência de cada modalidade da empresa Dal Ben Home Care: gerenciamento de condições crônicas, acompanhamento hospitalar, atendimento, internação domiciliar e cuidados paliativos é coordenada pelo enfermeiro. Nas especialidades de enfermagem há um coordenador para cada área. O enfermeiro referência fica responsável por até 10 pacientes de alta dependência, o que vem ao encontro dos dados encontrados na pesquisa de doutorado de Dal Ben 4. Operacionalmente os enfermeiros conhecem todos os pacientes e suas famílias. Esta comunicação é possível mediante um sistema de informação desenvolvido inicialmente para atender as nossas necessidades internas, atualmente o acesso é via web, utilizando a internet, permitindo mobilidade e agilidade a todos os profissionais da equipe interdisciplinar. A uniformização da comunicação e convergência das informações é realizada por reuniões presenciais com freqüência regular com a equipe de enfermagem e a interdisciplinar utilizando-se telefones fixos, telefones celulares, computadores via web e comunicação eletrônica. Para todas as modalidades de atenção domiciliar há um prontuário específico para o registro das atividades, além do prontuário eletrônico. O enfermeiro referência é responsável por todas as etapas que compõem o ciclo de serviços, desde o momento da indicação, avaliação pré-admissional, admissão, permanência e alta do paciente na empresa. Entendemos que dessa 7

8 forma consegue-se oferecer uma assistência integral ao paciente e seus familiares. Empreendedorismo e o Enfermeiro O caminho do sucesso é árduo porém compensador. A responsabilidade de dizer: este é o meu paciente, é acompanhada de muito prazer. Ter uma organização que atende pacientes localizados em um raio de 80 km na cidade de São Paulo, por uma equipe interdisciplinar, com estrutura de comunicação on line, atendendo todos os requisitos da RDC 11- Anvisa 10, e ser reconhecida com prêmios (Hospital Best)) pelo mercado, como melhor empresa de Home Care no Brasil e ser referência em mídia impressa para matérias de assistência domiciliar nos incentiva a continuar nessa caminhada. Seguir todas as Resoluções COFEN nº 270/ e 267/ é fundamental para o alcance desse sucesso. Desde o início, nosso foco sempre foi exercer uma assistência de enfermagem com supervisão 24 horas do enfermeiro, aplicando a legislação do exercício profissional com visão clara do objetivo da assistência para cada paciente e sua família, com muita dedicação, visando o sucesso, pois, o retorno financeiro é sempre conseqüência da qualidade da prestação do serviço. Desde 2007 faço parte da diretoria do SINDHOSP Sindicato dos hospitais, clínicas, casas de saúde, laboratórios de pesquisas e análises clínicas e demais estabelecimentos de serviços de saúde do Estado de São Paulo, responsável pelo Departamento de Assistência Contínua, atuando em atividades extra hospitalares, principalmente a de assistência domiciliar. A partir de dezembro de 2009 a convite da Prof Dra Silvia Cassiani e da Prof Dra Maria Angélica Peterlini coordeno o Núcleo de Assistência Domiciliar da REBRAENSP - Polo São Paulo, realizamos encontros para discutir, ampliar, pesquisar e divulgar o tema segurança da assistência domiciliar com os profissionais desta área. Em 2010, tivemos a grata satisfação de receber a visita do diretor Executivo do ICN - International Council of Nurses, David Benton, a quem tivemos a oportunidade de mostrar a essa liderança internacional nossos valores e missão da Dal Ben Home Care. Neste ano, 2011 o COREN-SP e o COREN-PE publicaram livros sobre gestão e empreendedorismo respectivamente com capítulos de minha autoria sobre gestão de cuidados domiciliares e a independência da enfermagem na assistência domiciliar. Atualmente a Dal Ben Home Care busca a certificação internacional pela JCI Joint Commission International. Referências 8

9 (1) ARRIBAS, CM; BACKES, DS; SOUZA, JGC; PIVA, MG. As multifaces do Empreendedorismo da Enfermagem Brasileira. UNIFRA, 2011 (2) PORTER,ME;TEISBERG, EO. Repensando a saúde: estratégias para melhorar a qualidade e reduzir os custos. Trad. Cristina Bazan- Porto Alegre: Bookman, (3)DAL BEN LW; GAIDZINSKI RR. Home Care Planejamento e Administração da Equipe de Enfermagem.São Paulo:Andreoli;2007. p.159. (4)DAL BEN LW, GAIDZINSKI RR. Proposta de modelo para dimensionamento do pessoal de enfermagem em assistência domiciliária. Rev. esc. enferm. USP v.41 n.1 São Paulo mar Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=s &lng=pt>. Acesso em: 06/2011. (5) DAL BEN, LW, SOUSA RMC. Adaptação de instrumento para dimensionar horas diárias de assistência de enfermagem residencial. Rev Esc Enf/ USP 2004; 38(1): (6) DAL BEN, LW. Gestão em Cuidado Domiciliar. In: COREN SP Conselho Regional de Enfermagem. Gestão em enfermagem: ferramenta para prática segura. São Paulo. Yendis. 2011, cap. 40. p (7) HIERSCHFELD, MIRIAM J. E OGUISSO, TAKA. Visão panorâmica da saúde no mundo e a inserção do home care. Rev Bras Enferm 2002; 55(4): (8) Wright LM, Leahey M. Enfermeiras e famílias um guia para avaliação e intervenção na família. [tradução de Silvia M. Spada]. 3 ed. São Paulo:Roca, 2002.p.327. (9) BACKES,D.S. Vislumbrando o cuidado de enfermagem como prática social empreendedora.[tese]. Santa Catarina (SC): Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina, (10) BRASIL. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA. Resolução Diretoria Colegiada n. 11, de 26 de janeiro de Dispõe sobre o regulamento técnico para o funcionamento de serviços que prestam atenção domiciliar. Diário oficial da União, Brasília 30 jan Seção1 p. 78. (11) CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução n 270, de 18 de abril de Aprova a regulamentação das empresas que prestam serviços de Enfermagem Domiciliar Home Care. [on-line]. Foz do Iguaçu; Disponível em: Acesso em 5 jan (12) CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução n 267, de 5 de outubro de Aprova atividades de enfermagem em domicílio-home care. [on-line]. Rio de Janeiro; Disponível em: Acesso em : 5 jan

10 CURRÍCULO RESUMIDO DA AUTORA * Luiza Watanabe Dal Ben Doutora em Enfermagem e Mestre pela Escola de Enfermagem da USP, Presidente da Dal Ben Home Care, responsável pelo Departamento de Assistência Contínua do SINDHOSP e do Núcleo de Assistência Domiciliar da Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente - REBRAENSP-Polo São Paulo. Membro do GEPAV-SE e do GEPAG UNIFESP. Correspondência: Alameda Santos, 211 cj 1906 a 1910 CEP: São Paulo- SP -Fone: (11)

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 006/2009 Dispõe sobre as normatizações para o exercício do profissional Enfermeiro em relação à constituição e funcionamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs).

Leia mais

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão?

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão? Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: Formação e Qualificação, há h risco de apagão? Serviços de Atenção Domiciliar Einstein Perfil da Assistência Domiciliar Hoje Aumento das condições crônicas

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO Objetivou-se neste estudo discutir a utilização do processo de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Produtos Unimed Grande Florianópolis

Produtos Unimed Grande Florianópolis Produtos Unimed Grande Florianópolis A Unimed é o plano de saúde que oferece os melhores médicos do Brasil. Vamos além para que sua saúde seja plena e de qualidade. Para nós, o importante é ver você bem

Leia mais

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000)

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000) Faculdade de Enfermagem - Departamento de Enfermagem Básica Disciplina: Administração em Enfermagem I Docente: Bernadete Marinho Bara De Martin Gama Assunto: As dimensões do Cuidar e as Competências da

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar.

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. 09/02/2006 Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. Os pacientes que recebem atendimento médico em casa têm agora um regulamento para esses serviços. A Anvisa publicou, nesta segunda-feira

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO OUTONOS DA VIDA Instituição sem fins lucrativos, candidata a IPSS da área da Saúde com interacção com a Segurança

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br Parecer Técnico Coren-PE nº 003/2015 Protocolo Coren-PE nº 930/2015 Solicitantes: Kátia Maria Sales Santos Cunha Unidade de Enfermagem do HEMOPE Assunto: No transporte, o profissional de enfermagem deverá

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ Origem A preocupação com as questões sociais fez com que o professor e sacerdote italiano D. Luigi Maria Verzé chegasse ao Brasil, em 1974, através do Monte

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006.

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Página 1 de 6 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção

Leia mais

Coordenação Geral das Câmaras Técnicas. Câmara Técnica de Legislação e Normas - CTLN. serviço de enfermagem domiciliar. SUMÁRIO

Coordenação Geral das Câmaras Técnicas. Câmara Técnica de Legislação e Normas - CTLN. serviço de enfermagem domiciliar. SUMÁRIO Coordenação Geral das Câmaras Técnicas Câmara Técnica de Legislação e Normas - CTLN Parecer CTLN nº 002/2013 EMENTA: Exercício profissional nas empresas prestadoras de serviço de enfermagem domiciliar.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição.

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. TURMA 3 Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu GESTÃO ESTRATÉGICA DA PRODUÇÃO E QUALIDADE GESTÃO FARMACEUTICA EMPRESARIAL

Leia mais

Técnico Auxiliar de Saúde

Técnico Auxiliar de Saúde Técnico Auxiliar de Saúde Trabalho elaborado por: Luís Damas Índice Introdução... 3 Técnico Auxiliar de Saúde... 4 O que faz o Técnico Auxiliar de Saúde?... 4 As atividades principais a desempenhar por

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer 31 de Agosto de 2010 Centro de Combate ao Câncer QUEM SOMOS Centro de Combate ao Câncer NOSSAS DIRETRIZES Nossa Visão - O que buscamos

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores.

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Joyce Santiago Ferreira Orientador: Profa. Dra. Claci Fátima Weirich Faculdade de Enfermagem, Goiânia-GO,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 014/2012 CT PRCI n 99.072/2012 e Ticket nº 279.315

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 014/2012 CT PRCI n 99.072/2012 e Ticket nº 279.315 PARECER COREN-SP 014/2012 CT PRCI n 99.072/2012 e Ticket nº 279.315 Assunto: Administração de Oxigênio medicinal, sem prescrição médica, por meio de cateter nasal em situação de emergência. 1. Do fato

Leia mais

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH Helton Freitas Diretor-presidente Agenda P P P P A Unimed-BH no mercado Qualificação da Rede Prestadora DRG Certificação e acreditação da Operadora A

Leia mais

XI SIBRAD Sustentabilidade Política, Administrativa, Técnica T Financeira

XI SIBRAD Sustentabilidade Política, Administrativa, Técnica T Financeira XI SIBRAD Sustentabilidade Política, Administrativa, Técnica T e Financeira Modelos de contratação de serviços de atena tenção domiciliar Dra. Maura Selvaggi Soares Gerente da Área de Gestão de Saúde AGENDA

Leia mais

Entendendo a Assistência Domiciliar

Entendendo a Assistência Domiciliar 1 Entendendo a Assistência Domiciliar Copyright 2003 para Home Health Care Doctor Serviços Médicos Domiciliares Av. Hélio Pellegrino, 420 - Moema São Paulo - SP - CEP 04513-100 Telefone: (0xx11) 3897-2300

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

PARECER COREN-DF Nº 004/2011

PARECER COREN-DF Nº 004/2011 PARECER COREN-DF Nº 004/2011 SOLICITANTE: Dr. Obedes de Souza Vasco, Coren-DF nº 191085-ENF, Sra. Margarida de Souza Queiroz, Dra. Luciana Simionatto e Silva, Coren-DF nº 58827-ENF, e Dra. Christiane Gigante,

Leia mais

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR MANUAL 1 E L A B O R A Ç Ã O HGWA: Fernanda Azevedo de Souza: Coordenação, UCE Adulto (UCE I e AVC Subagudo) e Cuidados Paliativos Isabelle de Freitas Luz - Clínica Pediátrica, UCE Pediátrica e PAD Pediátrico

Leia mais

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo AVISO DE SESSÃO PÚBLICA Nº 001/2015 Processo Administrativo nº 5199/2014 Recebimento de Propostas e Orçamentos para Produção de Pesquisa decorrente da Concorrência Pública nº 001/2012 Serviços de Publicidade

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Etimologia Termo Auditoria deriva: Palavra inglesa audit que significa examinar, corrigir, certificar. Do latim auditore O que ouve; ouvinte. Definição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

NOTA TÉCNICA No 1/2011

NOTA TÉCNICA No 1/2011 Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA No 1/2011 Esclarecimentos e orientações sobre o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes

Leia mais

Índice. Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach

Índice. Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach Índice Porque fazer um curso de Coaching? Metodologia Comprovada. Resultados sem precedentes As maiores razões para escolher um coach Tendências do Mercado de Coaching Oportunidades da Carreira de Coaching

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

Gerenciamento de leitos

Gerenciamento de leitos CAPA Gerenciamento de leitos O DESAFIO DE MAPEAR OS NÓS QUE EMPERRAM O FLUXO DA ASSISTÊNCIA E DE RECONSTRUIR PROCESSOS COM APOIO TECNOLÓGICO E INTERDISCIPLINAR Por Inês Pereira 24 Melh res Práticas Nunca

Leia mais

I - DO CONCEITO DO INTERNATO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA, DE SUA LOCALIZAÇÃO, DA SUA DURAÇÃO E DE SUA ORGANIZAÇÃO.

I - DO CONCEITO DO INTERNATO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA, DE SUA LOCALIZAÇÃO, DA SUA DURAÇÃO E DE SUA ORGANIZAÇÃO. RESOLUÇÃO NORMATIVA N 20/CGRAD, de 14 de março de 2014. Ementa: Estabelecer Normas pra realização do internato do Curso de Graduação em Medicina. Esta Resolução passa a vigorar a partir do 2º semestre

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO 1. A comunicação durante o processo de enfermagem nem sempre é efetiva como deveria ser para melhorar isto, o enfermeiro precisa desenvolver estratégias de

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA Este manual tem por finalidade orientar os alunos do curso de fisioterapia, sobre a sistemática e os procedimentos para a execução do Estagio Supervisionado

Leia mais

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança 2012 Programa de Acreditação Internacional Gestão da Qualidade e Segurança Responda rapidamente: Os serviços prestados pela sua instituição têm qualidade e segurança satisfatórias??? Por Quê???? QUALIDADE?

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Área: Estágio de Enfermagem em Saúde do Adulto I e II Campo de Atuação: Santa Casa de Tupã; Instituto de Psiquiatria de Tupã e Hospital São

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 3. SEGURANÇA E CONTRA-INDICAÇÕES...7 4. CONSIDERAÇÕES...9 5. CRITICIDADE DE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MINAS GERAIS

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MINAS GERAIS CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MINAS GERAIS CÂMARA TÉCNICA DA ATENÇÃO BÁSICA COREN MG 2006, 2007, 2008 e 2009 PROTOCOLOS ASSISTENCIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DEFINIÇÕES Protocolo, do grego protókollon, primeira

Leia mais

AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA REDUÇÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS 1 RESUMO

AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA REDUÇÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS 1 RESUMO AUDITORIA EM ATENÇÃO DOMICILIAR: O IMPACTO DO GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS NA S ASSISTENCIAIS 1 Quartiero,L. 2 1 Monografia de conclusão de Especialização em Auditoria em Saúde - FACISA 2 Enfermeira,

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. Institui o programa de incentivo à qualificação de prestadores de serviços na saúde suplementar. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço Gerenciamento de Custos Profª Karina Gomes Lourenço A EXPANSÃO DOS GASTOS NA SAÚDE (Nível Macroeconômico) Aumento da Demanda Incorporação de direitos universais de cobertura Mudanças na estrutura etária

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO ANEXO II NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO/HABILITAÇÃO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE NO TRATAMENTO REPARADOR DA LIPODISTROFIA E LIPOATROFIA FACIAL DO PORTADOR DE HIV/AIDS 1 NORMAS

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

O SUS que nos queremos...alocação de Recursos Humanos de Enfermagem.

O SUS que nos queremos...alocação de Recursos Humanos de Enfermagem. O SUS que nos queremos...alocação de Recursos Humanos de Enfermagem. Os profissionais enfermeiros nas instituições públicas de saúde têm importante papel sobre as decisões relacionadas à assistência aos

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE NUTRIÇÃO - Estágio Supervisionado em Coletividade Sadia - Estágio Supervisionado em Nutrição Clínica - Estágio Supervisionado em Saúde Pública Rua Dom Bosco, 1308

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL Plano de Ensino. Prof. Me. Carlos Guimarães

PESQUISA OPERACIONAL Plano de Ensino. Prof. Me. Carlos Guimarães PESQUISA OPERACIONAL Plano de Ensino Prof. Me. Carlos Guimarães Agenda de Hoje Apresentação do Professor Missão da UNIP Objetivo do curso Perfil do Egresso Plano de Ensino Detalhado Regras do Jogo Aula

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Gerência em Enfermagem 1 Dutra, Herica Silva 2 Todo trabalho diretamente

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais