AUTONOMIA DO ENFERMEIRO NO HOME-CARE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTONOMIA DO ENFERMEIRO NO HOME-CARE"

Transcrição

1 AUTONOMIA DO ENFERMEIRO NO HOME-CARE Cristiane Karla Silva Nilvo Retka Andréia Centenaro RESUMO: O presente estudo teve por finalidade desenvolver uma breve revisão da literatura, sobre a autonomia do enfermeiro no home-care. Devido ao desconhecimento sobre as atividades do enfermeiro no atendimento domiciliar, identificamos a necessidade de verificarmos opiniões positivas e as atividades de domínio do sistema de saúde em relação ao gerenciamento e mediação, tanto nos níveis secundário e terciário. Atividades descritas circunscrevem um campo limitado, característico da área hospitalar, sendo necessário o resgate das experiências baseadas em modelos extrahospitalares, holísticos e plurais para o enfermeiro em home-care como sua inserção no mercado de trabalho, como profissional autônomo. O cuidado domiciliar está surgindo como um novo campo de conhecimentos e habilidades do enfermeiro. No sentido de ampliar e regulamentar este campo, fugindo às representações do senso comum sobre a prática profissional do enfermeiro no domicílio do cliente, entidades como a Sociedade Brasileira de Enfermagem em home-care têm mantido reuniões constantes com outros órgãos normativos da classe de enfermagem; isto porque o cenário da atenção à saúde está mudando, do espaço público tradicional (hospital, posto de saúde) a atenção à saúde da clientela está passando para o espaço privado (domicílio, lar) de uma forma tão rápida que as instituições ainda não foram capazes de compreender e regulamentar este processo. O estudo permitiu conhecer as atividades desenvolvidas pelo enfermeiro no home-care, comprometendo o processo de regulamentação da atividade, assim como o desenvolvimento da autonomia do profissional. PALAVRAS CHAVE: Enfermeiro; autonomia; home-care. INTRODUÇÃO Por mais de um século, o home-care tem sido considerado algo muito natural nos EUA, algo pertencente à família e associado à noção de conforto, compaixão e segurança. Famílias têm aceitado a grande responsabilidade de cuidar daqueles entes queridos que se encontram enfermos, nos ambientes de suas residências. Com isto, os

2 familiares e amigos procuraram cada vez mais os serviços de home-care, para obterem o apoio necessário. No Brasil, por mais de uma década, o serviço de home-care vem tentado se estabelecer, mesmo enfrentando muitas das barreiras anteriormente colocadas contra colegas profissionais de saúde em outros países. O home-care no Brasil encontra-se em sua adolescência. Catalisados por profissionais de saúde que se tornaram pioneiros nesta área, sendo eles: médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, farmacêuticos, nutricionistas e assistentes sociais, os quais se dispuseram a introduzir um atendimento inovador e revolucionário na área de saúde, contando, com boa intenção. Porém, muitas vezes, o profissional possui pouco aprofundamento na complexidade em que o home-care significa. O home-care pode ser apresentado de forma simples e breve, o qual tem como objetivo dar uma noção clara da cronologia dos eventos que marcaram o progresso desta modalidade no Brasil e em outros países. Home-care é uma denominação para uma empresa que oferece todos os serviços acima citados e muitos outros. Após uma análise cuidadosa da aplicação da terminologia em alguns países, como, por exemplo, no Brasil, constatamos que os termos: home-care, internamento domiciliar de saúde, atendimento domiciliar de saúde, "Case", assistência domiciliar de saúde, "deshospitalização", assim como outros termos, que há muito tempo vêm sendo utilizados pelos usuários desse serviço, causaram uma confusão de entendimento, a ponto de ser comum ouvir críticas que o home-care não funciona, por ser sinônimo de assistencialismo, ou que um determinado paciente não esteja qualificado para os serviços de home-care, quando na verdade, o que se quer realmente dizer, é que a fonte pagadora não dá cobertura para um serviço ou um produto específico oferecido pela empresa de home-care, por não ter este tipo de benefício previsto em contrato com o usuário. O presente estudo é centrado na autonomia do enfermeiro no atendimento domiciliar no home-care. Essa autonomia deve ser considerada dentro de um quadro em que os problemas de saúde da população são uma realidade dinâmica, para a qual o profissional de saúde deve estar atento, bem como exige constantemente uma busca

3 por adequações, conforme as necessidades encontradas no domicílio. Considerando o usuário nos aspectos biopsicossocial, há um consenso sobre um atendimento que valorize o usuário de forma global e humanizada, necessariamente incluindo a família como alvo da assistência. No entanto, se o futuro do mundo aponta para novos espaços e novas relações de trabalho, o futuro da enfermagem em atendimento domiciliar passa necessariamente por uma revisão do método de trabalho empregado na prestação do cuidado e das formas contratuais exercidas até o momento. Também existe a necessidade de haver ainda a superação das práticas do modelo curativo, mobilizando os cursos da área de saúde com a busca de novas estruturas que permitam uma conquista pela população, bem como o aumento de qualidade de vida e de saúde. Para tanto, ocorre a operacionalização da assistência conforme a organização do sistema de saúde em seus diversos níveis, no qual o hospital consiste no nível terciário ou quaternário, sendo de importância singular na assistência curativa ou durante a reabilitação. Muito se tem trabalhado no sentido de dinamizar o espaço de atenção à saúde, de forma que possamos expandir os limites para a comunidade, maximizando o uso dos recursos no alcance dos resultados. Nessa perspectiva, a valorização do domicílio como espaço de atenção profissional à saúde, de forma integrada, pode ser considerada como um modo avançado de atenção à saúde no âmbito social. A prática assistencial de atenção no domicílio é tão antiga quanto à própria sociedade, e pode ser considerada uma alternativa valiosa na redução da demanda hospitalar, redução de custos, humanização da assistência, diminuição de riscos e ainda um novo espaço de atuação, especialmente para a enfermagem. Faz-se necessário esclarecer que a internação domiciliar é uma modalidade de assistência diferente, mas não substitutiva da internação hospitalar quando esta for absolutamente necessária. O hospital pode ser considerado um espaço de recuperação que concentra recursos tecnológicos em saúde, especialmente equipamentos avançados de manutenção da vida e serviço de apoio-diagnóstico conforme seu nível de complexidade. A importância de um centro dotado de infra-estrutura capaz de tratar

4 com eficácia e/ou estabilizar problemas de saúde ocupa posição estratégica para o sistema de saúde. Percebe-se uma demanda superior à capacidade máxima do serviço, devido à organização do sistema de saúde, além da obrigação de atribuições que lhe são exclusivas costuma assumir demandas extras, como resultado da organização do sistema. Vários são os fatores que contribuem para a grande demanda por leitos hospitalares, mas alguns são reconhecidamente decorrentes da nãoresolutividade de níveis anteriores de assistência, especialmente o nível primário. O hospital deve ser considerado um importante símbolo da tecnologia em saúde, dotado de grande prestígio pela população, mas claramente deve assumir demanda que lhe seja exclusiva. Ao hospital não cabe assumir demanda de nível primário ou secundário ou mesmo problemas acumulativos decorrentes da deficiência de níveis assistenciais anteriores que obriguem a atuar como modelo de assistencial. Isso porque esse sistema hospitalar é altamente custoso, escasso, organizado em função da assistência curativa ou de recuperação e de curto alcance de tempo. Portanto, devem ser usados com racionalização, bem como a demanda com critérios reais de indicação e a demanda não solucionada por outros níveis. Um dos atuais desafios encontrados consiste na estruturação de modelos alternativos que possam gerir problemas de saúde, os quais não exclusivamente dependentes a todo o tempo dos recursos hospitalares. Sendo uma das alternativas mais promissoras, já testado com sucesso, é a internação domiciliar, também conhecida como home-care. Sendo que é imperativo que haja uma integração da assistência a nível domiciliar de forma coordenada com outros diferentes níveis de assistência sociossanitários. Fato que se propõe, consiste em um modelo integrado com os diversos níveis assistenciais, com os quais o paciente possa interagir sempre que necessitar. Machado (2005) considera que boa parte dos pacientes em condições clínicas estáveis, quando necessitam de hospitalização, podem optar pelo conforto do lar e a companhia de seus familiares ao mesmo tempo em que se recuperam de um problema de saúde. Portanto é necessário que seja atendido por um sistema que garanta a continuidade da assistência durante a sua recuperação domiciliar, e, quando necessitar fazer uso de um nível de assistência de maior tecnologia, isso pode ser perfeitamente atendido por meio

5 de um sistema de cuidados domiciliares ou home-care. Fuente et al. (1998), em estudo coordenado pelo Instituto de Investigación en Servicios de Salud (IISS) - Espanha, comparou a internação domiciliar com a internação hospitalar, considerando os aspectos da necessidade de cuidados e tempo despendido, bem como concluíram não haver diferenças significativas entre ambos. Entretanto, quantificaram como menor volume de cuidados a domicílio, porém superando o hospital em sua duração. Os autores atribuem a redução no número basicamente à participação dos familiares no cuidado do paciente, principalmente nos cuidados básicos. Já o aumento da duração foi correlacionado com maior necessidade de comunicação empregado na educação em saúde e capacitação ao auto-cuidado de modo a identificar diariamente sinais e sintomas de risco. Além destas vantagens, outro estudo apresentado por Roubice et al. (1998), sobre um programa de internação domiciliar vinculado a um hospital privado de grande porte, por um período de 26 meses de atividade, demonstrou uma redução de custos em torno de 70%, quando comparado à internação convencional em clínica médica, incluindo honorários da equipe multiprofissional, medicamentos e materiais. Os autores apontam, ainda que, o custo poderia ser ainda menor caso houvesse maior ocupação do serviço que ficou em torno de 63%. Pressupomos que o processo de enfermagem é o método de trabalho do enfermeiro especialista em home-care em relação ao cliente. Para a finalidade deste estudo, definimos a enfermagem domiciliar como o diagnóstico e o tratamento das respostas do cliente/família aos problemas de saúde ou processos vitais, em seu espaço territorial, seja ele o domicílio, seja ele o próprio hospital. Assim, o método de trabalho do enfermeiro em home-care consiste do histórico, diagnóstico, prescrição e evolução, sendo estas atividades orientadas por um referencial teórico de enfermagem, preferencialmente. O histórico em home-care refere-se a um roteiro sistematizado para entrevista e exame físico do cliente, permitindo ainda a avaliação da família e do domicílio. Com base no histórico, o diagnóstico de enfermagem define os fenômenos do cliente/família que são da competência do enfermeiro tratar, propiciando uma linguagem única intra e

6 interprofissional, necessária inclusive para fins de valorização monetária do trabalho do enfermeiro. As prescrições de enfermagem, em home-care, corrigem os diagnósticos identificados e definem a essência do cuidado prestado, constituindo uma das bases, junto com o diagnóstico, para a valorização monetária do trabalho e conseqüente formulação de honorários. Por fim, a importância da evolução de enfermagem compreendida como um resultado esperado reside na possibilidade de avaliação da resolutividade do cuidado de enfermagem em home-care. Estas atividades diferem do que se compreende até o momento por metodologia da assistência por representarem comportamentos, ações e habilidades do enfermeiro que são realizados segundo um referencial teórico ou filosófico. Ainda que o modelo de assistência de enfermagem na maioria dos hospitais brasileiros não contemple o cuidado direto enfermeiro-cliente e, portanto, o processo de enfermagem, é fundamental que este modelo seja utilizado na casa do cliente no período da internação domiciliar, garantindo, as ações cuidativas na privacidade e segurança da casa do cliente. A Sociedade Brasileira de Enfermagem em home-care está atenta não só às instituições privadas de prestação de cuidados de saúde, prevalentes ainda na atual conjuntura, mas também ao mercado profissional existente para o atendimento domiciliar dentro do SUS público. Portanto, independente da fonte de recursos ser privada ou pública, temos como pressuposto que o atendimento domiciliar acontece nos níveis primário, secundário e terciário de atenção à saúde (CRUZ, BARROS, ALVES, 2002). OBJETIVO Realizar uma revisão da literatura sobre a autonomia do enfermeiro no atendimento domiciliar em home-care. METODOLOGIA

7 Foi realizada uma revisão da literatura, revisão que segundo POLIT et al. (2004) tem por objetivo geral reunir conhecimentos sobre um determinado assunto entendendo que a utilização desse conhecimento poderá ser aplicada de diversas formas. Em nosso estudo, esta revisão teve como propósito orientação sobre o que é, e o que não é conhecido em uma área de investigação, para confirmar que a pesquisa pode trazer melhor contribuição para o conhecimento. Para Santos (2000. p. 29), a revisão da literatura consiste num conjunto de materiais escritos/gravados, mecânica ou eletronicamente, que contém informações já elaboradas e publicadas por outros autores. Segundo LoBiondo-Wood, Haber, (2001), a revisão da literatura tem como propósito criar uma forte base de conhecimento para realizar pesquisa e outras atividades especializadas nos cenários da prática clínica e educacional, mantendo uma revisão sistemática e crítica das literaturas especializadas mais importantes publicadas a respeito de um tópico específico. Manzo citado por Markoni e Lakatos (1996, p. 66), nos expõe que a bibliografia pertinente [...] oferece meios para definir, resolver não somente problemas já conhecidos, como também explorar novas áreas. Dessa forma, a pesquisa bibliográfica [...] não é mera repetição do que já foi dito ou escrito sobre certo assunto, mas propicia a visão do mesmo sobre um novo enfoque ou abordagem, chegando a conclusões inovadoras. Nesta pesquisa, buscou-se pesquisar na literatura sobre autonomia do profissional enfermeiro no atendimento domiciliar através do homecare. RESULTADOS Home-care é o termo que, em língua inglesa, significa "cuidados no lar ou cuidados domiciliares", utilizado também, erroneamente, com o significado global de atendimento, internamento, assistência, atenção domiciliária de saúde. Deve ser substituído pelo termo SEIS ou Serviço Extra-institucional de Saúde por não representar claramente a essência deste serviço. Um dos serviços mais importantes de uma empresa de home-care é o internamento domiciliar de saúde. Esse internamento visa atender às necessidades dos pacientes

8 que precisam de internamento hospitalar, mas que apresentam um quadro clínico estável, suficiente para permanecer em ambiente extra-hospitalar. Para ser mais bem compreendido, o serviço de internamento domiciliar de saúde pode ser visto como um hospital no lar. O paciente que tem necessidade de internamento hospitalar, também pode ser "hospitalizado" (internado) em casa, dependendo do seu quadro clínico. Devemos compreender que esse conceito é fundamental, tanto para a fonte pagadora, quanto para o cuidador, bem como para o paciente, pois ajuda a evitar os aborrecimentos relativos a questionamentos sobre a cobertura de benefícios e à expectativa de cuidados de longo prazo. Ao considerarmos o serviço de internamento domiciliar de saúde como um "internamento hospitalar", os critérios de inclusão e de alta são, em sua maioria, os mesmos. Porém, com algumas diferenças, as quais são basicamente técnicas e dizem respeito à estabilidade ou gravidade do quadro clínico do paciente. No decorrer do estudo, por meio da revisão da literatura encontrada, verificamos que a atuação do profissional enfermeiro no atendimento domiciliar por meio do home-care é de fundamental importância, porém esta é uma área de atuação nova, que possui muitas limitações no dia-a-dia, pois, além de termos pouca bibliografia acerca do tema, poucas universidades abordam este assunto, bem como a população está acostumada com o modelo de saúde hospitalocêntrico. Os cuidados de saúde domiciliário organizado iniciaram-se nos EUA, em um momento da história em que o ser humano enfermo tinha como seu ambiente de tratamento, o lar. Sendo que os profissionais de enfermagem procuravam prestar os cuidados necessários, muitas vezes, devido ao nível de pobreza da época, sob condições precárias de trabalho. Este foi um momento dominado por doenças infecto-contagiosas e por altas taxas de mortalidade, porém também consiste numa época de grandes avanços na área de ciências, da medicina e da saúde pública. Embora as origens do hospital possam ser traçadas muito antes dessa época, a doença sempre foi um infortúnio para a maioria dos lares. Com a chegada do profissional treinado, facilitou-se o cotidiano dos familiares que possuíam papel de cuidadores informais. Nesta época, o home-care já possuía um papel importante na

9 educação de novas e futuras mães que passaram a contar com a ajuda dos profissionais visitantes para ensiná-las a gerenciar suas novas situações. O estudo demonstrou que a internação domiciliar foi capaz de assumir com eficácia a maioria dos problemas crônico-degenerativos e cuidados paliativos. Isto confirma a importância da hospitalização domiciliar, sua eficácia e contribuição para a humanização da assistência e participação familiar, estimulando-os ao auto-cuidado e a prevenção de risco. Várias pesquisas realizadas no Brasil, já comprovaram os benefícios da internação domiciliar. Também observamos que a mesma propicia uma posição de destaque profissional para a qual deve haver uma preparação sólida e continuada, em nível de pós-graduação, tendo em vista que a maior parte das decisões sobre os cuidados é tomada por sua iniciativa, com autonomia e sob sua responsabilidade técnica e legal. Porém, o não-desenvolvimento das atividades potenciais da profissão, nos diversos níveis de atenção à saúde, poderá nos alijar deste mercado que exige um modelo de assistência de enfermagem diferente do atual modelo hospitalar de assistência, tanto para a atenção ao cliente quanto para a remuneração dos serviços prestados; serviço este que lança uma luz sobre o atendimento domiciliar pela ótica do enfermeiro que atua no cuidado do cliente e da família em domicílio. Segundo Machado (2005), o home-care deve ser compreendido como uma modalidade de emprego contínuo de serviços na área de saúde, cujas atividades são dedicadas aos pacientes/clientes e a seus familiares em um ambiente extra-hospitalar. O propósito do home-care é promover, manter e/ou restaurar a saúde, maximizando o nível de independência do cliente/paciente, enquanto minimiza os efeitos debilitantes das várias patologias e condições que gerencia. Este tipo de serviço é direcionado não somente aos pacientes, como também, de forma diferenciada, aos seus familiares em qualquer fase de suas vidas; seja para aqueles que aguardam seu restabelecimento e retorno às suas atividades normais, ou para os que necessitam de gerenciamento constante de suas atividades como também, para pacientes que necessitam de acompanhamento em sua fase terminal. No gerenciamento desses serviços devem ser usados critérios técnico-científicos e as

10 decisões devem ser baseadas no melhor nível de evidência clínica possível, para cada procedimento. Esta prática é necessária em função da complexidade do meio ambiente do paciente, dos tipos de cuidados médicos exigidos, dos recursos, das condições psicofísicas do cliente/paciente e das patologias a serem gerenciadas. O internamento domiciliar de saúde, portanto, não pode ser visto apenas como um serviço de longa permanência, assim como a hospitalização, também não o é. Quando o paciente encontra-se estabilizado em sua condição de saúde, os cuidados de longa permanência podem ser ministrados por meio de serviços especializados, pelos próprios cuidadores informais (familiares, amigos) ou, ainda, por profissionais de saúde capacitados. Contudo, a meta principal de uma hospitalização ou internamento domiciliar é estabilizar e, quando possível, curar o paciente da enfermidade ou condição patológica em que se apresenta. Sabemos que, em medicina, nem todas as enfermidades ou condições de saúde são passíveis de cura. Muitas condições ou enfermidades jamais obterão cura. Quando isso acontece, muda-se então a meta da gestão do caso, que passa a ter enfoque nos cuidados de manutenção. Esses cuidados visam à sustentação da melhor condição de vida possível. Entretanto, apesar dos obstáculos está provado que as inúmeras vantagens da hospitalização domiciliar, além da humanização e da mudança do modelo assistencial é apontado como um projeto viável do ponto de visa econômico, bem como mais eficaz no aspecto da prevenção e educação em saúde. Fuente, et. al, (1998), em estudo coordenado pelo Instituto de Investigación en Servicios de Salud (IISS) - Espanha, comparou a internação domiciliar com a internação hospitalar sobre aspectos da necessidade de cuidados e tempo despendido e concluíram não haver diferenças significativas. Entretanto quantificaram como menor o volume de cuidados a domicílio, porém superando o hospital em sua duração. Os autores atribuem a redução no número basicamente a participação dos familiares no cuidado do paciente, principalmente nos cuidados básicos. Já o aumento da duração correlacionaram com maior necessidade de comunicação empregado na educação em saúde e capacitação ao auto-cuidado de modo a identificar sinais e sintomas de risco.

11 Silva, et. al (2005), disserta sobre a internação domiciliar no âmbito do SUS, e aponta conclusão semelhante no sentido de mudança no modelo assistencial rumo a dês-hospitalização e humanização da assistência; descreve a internação domiciliar como uma estratégia na reversão da atenção centralizada nos hospitais para a construção de nova lógica com enfoque em promoção e prevenção à saúde, diminuição de riscos e humanização da atenção e, como tal, devem ser engendradas estratégias para permitir sua implantação na rede pública. Esperamos que novas e mais extensas pesquisas sejam feitas para que tanto o COREN/COFEN quanto a Sociedade Brasileira de Enfermagem em home-care possam ter subsídios para regulamentação do exercício profissional, no que diz respeito à autonomia do enfermeiro e à atuação deste no home-care. CONCLUSÕES Em síntese, verificamos, neste estudo, que as atividades descritas circunscrevem um campo muito limitado de atuação profissional no Brasil, bem como de sua autonomia. Visando à ampliação deste campo, devemos resgatar as nossas experiências com pesquisa e assistência de enfermagem baseada em modelos não convencional, isto é, modelos extra-hospitalares, holísticos e plurais, úteis para o estabelecimento de protocolos e instrumentos voltados para a especialidade de enfermagem em homecare. O home-care existe no mundo há mais de 120 anos. Nos EUA, desde 1798, e no Brasil, aproximadamente, há 16 anos, sendo que o sistema de internamento domiciliar, é um serviço do home-care, que ainda está na adolescência, enfrentando inúmeras barreiras e desafios, muitos dos quais originados pela falta de uma melhor compreensão sobre o uso desse serviço. A noção errônea de que o home-care é somente internamento domiciliar, leva certos pacientes e cuidadores a pensar que o plano de saúde é obrigado a custear todos os serviços de home-care, inclusive após a alta do internamento. Muitas dessas incompreensões às vezes são alimentadas pelos próprios profissionais

12 da área que, pelo emprego indevido da terminologia, geram, não intencionalmente, expectativas falsas aos beneficiários. Existem ainda aqueles que prestam serviços de "saúde em casa" e, enganosamente, se apresentam como empresa de home-care. Esses serviços prejudicam o melhor conhecimento da modalidade, por não ter e não aplicar a metodologia correta, inerente à verdadeira prática deste sistema de tratamento domiciliar. Trabalham sem nenhuma preocupação com o risco que estão transferindo à fonte pagadora e sem ter um plano de alta específico, visando apenas explorar indevidamente as fontes pagadoras, que, muitas vezes, não possuem profissionais encarregados pelos serviços de home-care devidamente habilitados e que possam ter uma noção real de como o paciente deve ser gerenciado em um ambiente extra-institucional. Estas empresas, conscientes ou inconscientemente, exploram planos de saúde por intermédio de internamentos meramente sociais, induzindo as fontes pagadoras a subsidiar serviços de saúde que deveriam ser custeados de forma particular. Ora, este serviço em particular, visa apenas a dar repouso e minimizar o custo dos cuidadores. Entretanto, embora as barreiras criadas pela má interpretação, pelo uso indevido da terminologia, pela falta de adoção de um critério rígido de credenciamento de empresas de home-care, e pela invasão de serviços ilegítimos sejam prejudiciais, não chegam a ser tão danosas, quanto certas interpretações judiciais distorcidas. Algumas decisões judiciais estão facilitando a prática de pacientes que, após terem sido notificados da alta do internamento domiciliar, recorrem ao Poder Judiciário (infelizmente, com êxito na obtenção de liminares), para obrigar a fonte pagadora a custear os serviços por tempo indeterminado, mesmo após terem legalmente recebido alta do internamento domiciliar. Entendemos que, se tais situações não forem urgentemente revistas, e que se todos os pacientes resolverem recorrer ao que pensam ser o seu direito, o futuro do home-care no Brasil está ameaçado. Isto porque algumas autoridades obrigam liminarmente a fonte pagadora a custear os cuidados de enfermagem particular para pacientes estáveis. Esta prática tem levado os planos de saúde a uma "fobia justificada" quanto à utilização do home-care, o que, inevitavelmente, reduz a utilização desses serviços.

13 Cabe ao profissional,de forma multidisciplinar, avaliar e gerenciar as necessidades individuais dos pacientes e cuidadores. Deve investir tempo e recursos significativos, bem como dar atenção ao desenvolvimento de relações duradouras com a família, para a qual deve dispensar cuidados e tratamentos. Também é de responsabilidade do profissional, compreender os fatores que estressam e sobrecarregam o cuidador. Estes devem reconhecer que esta prática, embora demande tempo, é indispensável ao bom tratamento do paciente e do cuidador no sistema home-care. Direta ou indiretamente, o profissional de saúde provê treinamentos para o cuidador, particularmente na área de gerenciamento de comportamentos dificultosos, para tanto realiza a validação do papel do cuidador e, por intermédio do home-care, age como um gerenciador de tratamento. Os membros da família e os cuidadores, desempenham uma função essencial nos cuidados de saúde e gerenciamento do tratamento daqueles que, por motivo de doenças crônicas e degenerativas devem ser submetidos a um tratamento domiciliar, proporcionado a humanização da assistência, maior interação cliente-família estimulando o auto-cuidado e conseqüente melhorando a qualidade de vida. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CRUZ, I. C. F; BARROS, S. R. T. P.; ALVES, P. C. Atendimento domiciliar na ótica do enfermeiro especialista. Revista de enfermagem da UERJ. v. 10, n. 1, p Rio de Janeiro: 2002 FUENTE, D. O.; PEIRÓ, S. M.; MARCHAN, C. R.; RIDAO, M. L. Cuidados de enfermería en hospitalización a domicilio y hospitalización convencional. Revista Española de Salud Publica. V. 72, n. 6, Madrid: nov./dez., MACHADO, W. C. A. Reabilitação domiciliar: uma questão de saúde pública. In FIGUEIREDO, N.M.A.. Ensinando a cuidar em saúde pública. São Caetano do Sul, SP:

14 Yendis, Cap. 16, MARCONI, M. A.; LAKATUS, E. M.. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 3. ed. São Paulo: Atlas, POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, ROUBICE, J. K; SALVATORE, A.; KAVKA, G. Y; WIERSB, C. Servicio de internación domiciliaria para pacientes con enfermedades agudas. Revista Panamericana de Salud Publica. V 6, n. 3, Washington: set., SANTOS, A. R. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 5 ed. Rio de Janeiro: DPEA, SILVA, K. L.; SENA, R.; CARVALHO, J. A. L.; TERENZI, C. S.; MARTINS, A. G. Internação domiciliar no Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Pública. v. 39, n. 3. São Paulo: jun., 2005 WOOD, G. L.; HABER, J. Pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação crítica e utilização. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., 2001.

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH DIRETRIZES PEDAGÓGICAS DO PROGRAMA ESTÃO BASEADAS NAS AÇÕES QUE COMPORTAM ATIVIDADES Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade:

Leia mais

FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA

FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA FPB FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA SAE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM MARTA CRECÊNCIO DA COSTA JOÃO PESSOA, 2015 SUMÁRIO 1. Processo de Enfermagem... 3 1ª Etapa Historico de Enfermagem...

Leia mais

Introdução. Importante: O Programa não inclui atendimento de urgência/emergência. Nestes casos deverão ser procurados os serviços específicos.

Introdução. Importante: O Programa não inclui atendimento de urgência/emergência. Nestes casos deverão ser procurados os serviços específicos. Introdução A Assistência Domiciliar surge para responder à demanda de individualização da assistência, realizando cuidados na privacidade do domicílio do paciente, possibilitando ao mesmo e à família participarem

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE Elaborado por: Ana Paula de Menezes Assistente Social da CASSIND APRESENTAÇÃO A internação domiciliar ou home care é compreendida como a instalação de uma estrutura

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

PELOTAS /RS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES

PELOTAS /RS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PELOTAS /RS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES Coordenação geral: Julieta Carriconde Fripp Coordenação técnica: Isabel Arrieira Coordenação Administrativa: Airton Oliveira 1 - ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja!

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja! GESTÃO EM SAÚDE cuidando de você, onde quer que você esteja! Editorial Royal Life É com muito orgulho que a Royal Life apresenta ao mercado de emergências médicas a sua frota. São ambulâncias montadas

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 16.627, DE 19 DE AGOSTO DE 2013. Define os exemplos de atribuições dos cargos de Arquiteto, Assistente Social, Contador, Enfermeiro, Fonoaudiólogo e Odontólogo, criado pela Lei Complementar

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

ÉTICA NO ATENDIMENTO PROFISSIONAL: RELATO DE VIVÊNCIA NO PROGRAMA PRÁTICAS INTEGRADAS EM SAÚDE COLETIVA (PISC)

ÉTICA NO ATENDIMENTO PROFISSIONAL: RELATO DE VIVÊNCIA NO PROGRAMA PRÁTICAS INTEGRADAS EM SAÚDE COLETIVA (PISC) ÉTICA NO ATENDIMENTO PROFISSIONAL: RELATO DE VIVÊNCIA NO PROGRAMA PRÁTICAS INTEGRADAS EM SAÚDE COLETIVA (PISC) Solange Pinheiro Moura 1, Denise Maia Leão 2, Bruna Cristiane Furtado Gomes 3, Ana Paula Castro

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Registro de reuniões setoriais Setor: Serviço Social Unidade Dom Bosco Data: 29.05.2009

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 A Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas 3ª Região, no uso de suas atribuições legais, que lhe conferem a Lei Federal nº 6583/78 e o Decreto Federal nº 84444/80 e,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe na Unidade de Terapia Intensiva

Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe na Unidade de Terapia Intensiva Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe na Unidade de Terapia Intensiva Myrian Karla Ayres Veronez PEIXOTO Lizete Malagoni de Almeida Cavalcante OLIVEIRA Denize Bouttelet MUNARI Programa

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Alves Oliveira, Naiana; Ferreira Gomes, Sabrina Reseña de "A equipe multiprofissional

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais GERENCIAMENTO de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais.indd 1 19/10/2015 15:32:28 Gerenciamento de Casos Especiais Objetivo: Facilitar o atendimento aos clientes que apresentam dificuldades

Leia mais

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Ana Rita Marinho Machado. UFG/ Campus Goiânia. anaritamachado.doutorado@yahoo.com.br Denize Bouttelet MUNARI.

Leia mais

Gerenciamento de Casos Especiais

Gerenciamento de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais Cuidados especiais pra Quem É especial. QUEM ama cuida. 2 o programa Gerenciamento de casos especiais, oferecido pelo departamento de Qualidade de vida e saúde, da unimed

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul CARTA DE PORTO ALEGRE A crise nas Emergências agrava-se a cada ano e hoje constitui um dos grandes problemas de saúde no Estado. Os enfermos que acorrem às Emergências aumentam progressivamente; em contrapartida,

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA RESUMO

INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA RESUMO TÍTULO: O ATENDIMENTO NUTRICIONAL EM "HOME CARE": UMA ATIVIDADE VINCULADA AO PROGRAMA GILBERTO MELO DA UFV. AUTORES: Maria Teresa Fialho de Sousa Campos; Ana Cristina Rodrigues Ferreira; Carlos Mário Martins

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO Disciplina: Saúde da Criança e do Adolescente Código: 106209 Crédito: 04.07.00

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

PARECER COREN-DF Nº 004/2011

PARECER COREN-DF Nº 004/2011 PARECER COREN-DF Nº 004/2011 SOLICITANTE: Dr. Obedes de Souza Vasco, Coren-DF nº 191085-ENF, Sra. Margarida de Souza Queiroz, Dra. Luciana Simionatto e Silva, Coren-DF nº 58827-ENF, e Dra. Christiane Gigante,

Leia mais

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas.

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Carlos Justo Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Isto não é fácil Os serviços de saúde devem

Leia mais

Processo de enfermagem: características essenciais da prescrição e evolução de enfermagem

Processo de enfermagem: características essenciais da prescrição e evolução de enfermagem Processo de enfermagem: características essenciais da prescrição e evolução de enfermagem Cleo Chinaia Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem. Isabel Cristina Kowal Olm Cunha Doutora em Enfermagem.

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Entendendo a Assistência Domiciliar

Entendendo a Assistência Domiciliar 1 Entendendo a Assistência Domiciliar Copyright 2003 para Home Health Care Doctor Serviços Médicos Domiciliares Av. Hélio Pellegrino, 420 - Moema São Paulo - SP - CEP 04513-100 Telefone: (0xx11) 3897-2300

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva CASO COMPLEXO 9 Família Lima : Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva Eliana Campos Leite Saparolli A consulta de enfermagem é uma atividade privativa do enfermeiro respaldada pela atual legislação do

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO Sistematização da Assistência de Enfermagem = Processo de Enfermagem Na década de 50, iniciou-se o foco na assistência holística da

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional ATENÇÃO ESTE MATERIAL É UMA TRADUÇÃO DO ORIGINAL EM INGLÊS DISPONIBILIZADO PELA FIRST ESTADOS UNIDOS. SOMENTE AS REGRAS CONTIDAS NESSE ARQUIVO E NO PORTAL

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS)

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS) 7.5. Disciplina Clínica Médica 4: Atenção Primária (Atual Medicina Geral de Adultos II (CLM006)) CÓDIGO DA DISCIPLINA ATUAL: CLM006 NOME ATUAL: Medicina Geral de Adultos II NOVO NOME: Clínica Médica 4:

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 REVISÃO VACINAS 1. Conforme a Lei Federal n o 7.498/86, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, são atividades privativas do enfermeiro: a) administrar medicamentos e prestar consultoria de b) observar

Leia mais

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br

I ANÁLISE: Rua Barão de São Borja, 243 Boa Vista CEP 50.070-325 Fone: 3412-4100 www.coren-pe.gov.br Parecer Técnico Coren-PE nº 003/2015 Protocolo Coren-PE nº 930/2015 Solicitantes: Kátia Maria Sales Santos Cunha Unidade de Enfermagem do HEMOPE Assunto: No transporte, o profissional de enfermagem deverá

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dra. Daiane da Silva Oliveira

PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dra. Daiane da Silva Oliveira PROPOSTA DE UM MODELO DE IMPLANTAÇÃO DA REGULAÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Dra. Daiane da Silva Oliveira INTRODUÇÃO Publicação da Lei 12.732; Com a Publicação da Lei 12.732, que fixa o prazo máximo

Leia mais

A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO HOSPITAL E DA HOSPITALIZAÇÃO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J )

A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO HOSPITAL E DA HOSPITALIZAÇÃO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J ) A HISTÓRIA DA CRIAÇÃO DO HOSPITAL E DA HOSPITALIZAÇÃO MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J ) A palavra hospital origina-se do latim hospitalis, que significa "ser

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 Assunto: Responsabilidade pelo Controle, Guarda e Dispensação de Medicamentos de Pesquisa Clínica. 1. Do fato Solicitado parecer sobre o controle, guarda e dispensação

Leia mais

Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar

Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar Organizado e escrito pelo Grupo de Trabalho das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da UFSCar em Setembro de 2010 sendo baseado no Guia para Construção

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MINAS GERAIS

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MINAS GERAIS CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MINAS GERAIS CÂMARA TÉCNICA DA ATENÇÃO BÁSICA COREN MG 2006, 2007, 2008 e 2009 PROTOCOLOS ASSISTENCIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DEFINIÇÕES Protocolo, do grego protókollon, primeira

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Home Care: Serviço Domiciliar em Saúde

Home Care: Serviço Domiciliar em Saúde Home Care: Serviço Domiciliar em Saúde Jaqueline Barth Camargo Lucena (FSG) jbarthc@hotmail.com Prof. Ms. Júlio César Ferro de Guimarães (FSG) Julio.guimaraes@ftsg.edu.br Profa. Ms. Eliana Andrea Severo

Leia mais

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes de saúde

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

A PSICOLOGIA E A MULTIDISCIPLINARIDADE NA SAÚDE

A PSICOLOGIA E A MULTIDISCIPLINARIDADE NA SAÚDE A PSICOLOGIA E A MULTIDISCIPLINARIDADE NA SAÚDE Artigo apresentado aos docentes de graduação em Psicologia da Universidade do estado de Minas Gerais na Fundação Educacional de Divinópolis, referente a

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Flávia Gomes Silva (1); Ádylla Maria Alves de Carvalho (2); Cleanne Rayssa Paulino Vasconcelos (3); Dandara Medeiros

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais