17/05/2011. SMA = Agentes + Interação Social. Interação Social = Comunicação + Coordenação. 9ª Aula Negociação. Teoria dos Jogos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "17/05/2011. SMA = Agentes + Interação Social. Interação Social = Comunicação + Coordenação. 9ª Aula Negociação. Teoria dos Jogos"

Transcrição

1 SMA = Agentes + Interação Social 9ª Aula Negociação Interação Social = Comunicação + Coordenação Coordenação entre agentes benevolentes ou com interesses comuns Coordenação entre agentes competitivos ou com interesses conflitantes Luciano Reis Coutinho, Prof. 2 Teoria dos Jogos Teoria dos Jogos ( Parsons e Wooldridge 2000 ): IAD/RDP - Quadro Negro - CNET 1986 Jeffrey Rosenschein Cooperation without communication 2009 Shoham and Leyton- Brown Livro MAS, fundamentos: - Algorithmic - Game-Theoretic - Logical Game theory is a close relative of decision theory, which studies interactions between self-interested agents. In Game theory study of multi-agent interactions, particularly those involving negotiation and coordination. John Nash 1947 Equilibrium Morgenstern e von Neumann SMAs Cooperativos Introdução da Teoria Jogos Em SMAs. Questão Básica sobre encontros entre agentes: What is the best most rational thing an agent can do? 3 4 Respostas em termos de : Estratégias Dominantes; Estratégias Dominantes Diz-se que uma estratégia s i é dominante para o agente i se - não importando que estratégia s j o agente j escolha-, i se dará no mínimo tão bem escolhendo s i quanto escolhendo qualquer outra. Equilibrium Nash; Pareto optimalidade; Maximização do bem-estar social. Equilíbrio NASH Em geral, diz-se que duas estratégias s i e s j estão em equilíbrio Nash se: 1) Supondo de que o agente i escolhe si, o agente j não pode fazer melhor do que realizar sj; 2) Supondo de que o agente j escolhe sj, o agente i não pode fazer melhor do que realizar si; 5 6 1

2 Pareto Optimalidade Um resultado da ação conjunta de agentes é dito Pareto ótimo (ou Pareto eficiente) se não existe nenhum outro resultado possível que faça um dos agentes mais feliz sem tornar um outro agente menos feliz. Exemplo: Dilema do Prisioneiro Equilíbrio NASH Maximização do Bem-Estar Social O bem-estar social de um resultado é definido como a soma das utilidades de cada agente a partir do resultado: 7 8 Exemplo: Dilema do Prisioneiro Exemplo: Dilema do Prisioneiro PARETO Ótimo Bem Estar Social Max: ui(c,c) +uj(c,c)= Exemplo: Jogo do Covarde (Chicken Game) Exemplo: Jogo do Covarde (Chicken Game) Equilíbrios NASH PARETO Ótimo

3 Exemplo: Jogo do Covarde (Chicken Game) Exemplo: Caça ao Cervo (Stag Hunt) Equilíbrio(s) NASH??? PARETO Ótimos??? Bem Estar Social Max: ui(c,c) +uj(c,c)=4 ui(c,d) +uj(c,d)=4 ui(d,c) +uj(d,c)=4 Bem Estar Social Max:??? Exemplo: Jogo do Atraso Equilíbrio(s) NASH??? Em suma, A Teoria dos Jogos oferece um formalismo matemático para analisar ou projetar situações protocolos de interação entre agentes com interesses próprios, em geral conflitantes (competição, negociação, etc). PARETO Ótimos??? Como Por exemplo: Bem Estar Social Max:??? Situações de decisão conjunta Protocolos de votação Situações de alocação de recursos Protocolos de leilões Limitações críticas, Baseada em hipóteses simplificadoras, nem sempre realistas Os agentes são 100% racionais As possíveis ações/estados formam um conjunto fixo e previamente conhecido Cada agente sabe das preferências dos outros Cada agente sabe das potencialidades/limites dos outros Negociação Barganha Domínios de Tarefas Protocolo de Concessão Monotônica A Estratégia Zeutehn Algoritmo BarSSA Argumentação Modos de Argumentação Argumentação Abstrata Argumentação para SOA Leituras Recomendadas

4 Em casos extremos, para um agente ganhar algo em uma interação, SEMPRE um ou mais agentes têm de perder na mesma proporção Encontros Puramente Competitivos Caso especial, encontros SOMA ZERO! Resposta : NEGOCIAÇÃO No entato, em vários casos reais, há um meio termo mais produtivo para as partes envolvidas Vide Dilema do Prisioneiro mas que só pode ser explorado se os agentes tiverem a possibilidade de SE COMUNICAR, e CONFIAR MUTUAMENTE na palavra do outro! Questão Central Como chegar a um acordo, i.e., um resultado agradável para todos os participantes, quando for possível? Via BARGANHA Via ARGUMENTAÇÃO Negociação Barganha Domínios de Tarefas Protocolo de Concessão Monotônica A Estratégia Zeutehn Tipo de negociação que se desenrola em rodadas (rounds) de... Proposta (Contra-)Proposta... Algoritmo BarSSA Argumentação Modos de Argumentação Argumentação Abstrata Argumentação para SOA Leituras Recomendadas Quando proposta e contra-proposta são iguais ou melhor do que o esperado a negociação termina e tem-se um ACORDO! Quando a negociação termina em proposta e contra-proposta diferentes ou abaixo do esperado NÃO HÁ ACORDO! A partir desta definição pode-se dizer que leilões são um tipo particular de Barganha Dedicada à alocação de Bens e Recursos Nesta aula iremos enfatizar Barganha em Domínio de TAREFAS Formalmente, um domínio de tarefas é uma tripla T, Ag, c onde T é o conjunto (finito) de Tarefas; Ag = {1,..., n} é o conjunto de agentes; c : (T) R + é uma função que define do custo de executar cada subconjunto de tarefas. Uma alocação é uma sequência T 1, T 2,..., T n onde T i T para cada i Ag

5 Considere um domínio de tarefa no qual interagem dois agentes 1 e 2; O conjunto de acordos sobre o qual os agentes irão negociar são aqueles: Dada uma alocação T 1, T 2, um acordo consiste em uma (re)alocação = D 1, D 2 das tarefas em T 1 T 2 aos agentes 1 e 2; Individualmente racionais: i.e., os agentes não estarão interessados em acordos com utilidade negativa; melhor fazer as tarefas originalmente alocadas. A utilidade de um acordo para um agente i é dado por utility i ( ) = c(t i ) c(d i ) Pareto eficientes: i.e., os agentes podem sempre transformar um acordo Pareto não-eficiente em um Pareto eficiente fazendo um dos agentes mais feliz sem prejudicar os outros Regras do Protocolos... No 1o. round, agentes propõem simultaneamente acordos dentro do conjunto de negociação; Chega-se a um entendimento, se um agente acha que o acordo proposto pelo outro é pelo menos tão bom ou melhor que sua proposta; Se não há entendimento, a negociação prossegue ao próximo round de propostas simultâneas; No round u + 1, não é permitido a nenhum agente fazer uma proposta que seja pior do que a feita no round anterior; Se nenhum agente cede um pouco mais em um dado round u > 0, então a negociação termina sem sucesso Como os agentes devem proceder usando o protocolo de concessões monotônicas? Três pontos chave: Qual a primeira proposta a fazer? A mais desejada pelo agente (óbvio)! Em um dado round, quem deve ceder? Quem tem mais utilidade a perder! Dando empate, joga uma moeda Se um agente deve ceder, então quanto ele deve ceder? Apenas o suficiente para mudar o cenário de perda. O protocolo não garante sucesso, mas garante um fim para toda negociação; Complexidade : O ( 2 T ) Não garante maximização do bem-estar social, mas garante a racionalidade individual e a Pareto optimalidade; Com relação à estabilidade, o uso da estratégia Zeuthen leva a um equilíbrio NASH. Assim, dado que um agentes esteja usando Zeuthen, um outro agente não pode fazer melhor que usar Zeuthen

6 Nas palavras de (Rosenschein and Zlotkin, 1994, p. 46): This is of particular interest to the designer of automated agents. It does away with any need for secrecy on the part of the programmer. An agent s strategy can be publicly known, and no other agent designer can exploit the information by choosing a different strategy. In fact, it is desirable that the strategy be known, to avoid inadvertent conflicts Negociação Barganha Domínios de Tarefas Protocolo de Concessão Monotônica A Estratégia Zeutehn De modo geral, argumentação em um contexto multiagente consiste em um processo pelo qual um dos agentes tenta convencer um ou mais outros da verdade (ou falsidade) de algum estado de coisas. Algoritmo BarSSA Argumentação Modos de Argumentação Argumentação Abstrata Argumentação para SOA Leituras Recomendadas É um processo de tentar chegar a um acordo conjunto sobre em quê acreditar. É um problema apenas quando as várias crenças são contraditórias Segundo (Gilbert 1994): Lógico Baseado em raciocínio dedutivo, provas lógicoformais; Emocional Apelo a emoções, sentimentos, etc. Visceral Apelo aos aspectos físicos, biológicos ou sociais. Kisceral Apelo aos aspectos místicos, religiosos, etc. Referência Dung, P. M. (1995) On the acceptability of arguments and its fundamental role in non-monotonic reasoning, logic programming and n-person games. AI, 77, Seja a notação x y, significando: Argumento x ataca argumento y; Ou, x é um contra-exemplo para y. Um sistema de argumentação abstrata é um par A = X, onde X é um conjunto de argumentos X X, é uma relação binária representando a noção de ataque entre argumentos;

7 Dado um sistema de argumentação abstrata, o que interessa é a estrutura geral de uma argumentação Não interessa o conteúdo de cada argumento em X Nem a natureza da relação de ataque. Por exemplo: Por exemplo: Questão Básica: Em que acreditar??? Critérios de (Vreeswijk and Prakken, 2000, p. 242) Um outro exemplo: Dado um sistema de argumentação abstrata <X,>, definem-se: Um argumento x X é atacado por um conjunto de argumentos Y X se y: y Y y x (i.e., pelo menos um membro de Y ataca x); Um argumento x X é aceitável (ou IN )com respeito a um conjunto de argumentos Y X se cada atacante de x em Y é também atacado; Um conjunto de argumentos Y é livre de conflito se nenhum argumento em Y ataca algum outro argumento em Y; Um conjunto de argumentos livre de conflito Y é admissível se cada argumento em Y é aceitável com respeito a Y Sobre Negociação ROSENSCHEIN and ZLOTKIN (1994) Rules of Ecounter: Designing Conventions for Automated Negotiation among Computers. MIT Press, Cambridge. Sobre Barganha Cap. 15 de WOOLDRIDGE, M. (2009) An Introduction to MultiAgent Systems. John Wiley & Sons Ltd. Sobre Argumentação Cap. 16 de WOOLDRIDGE, M. (2009) An Introduction to MultiAgent Systems. John Wiley & Sons Ltd. Dung, P. M. (1995) On the acceptability of arguments and its fundamental role in non-monotonic reasoning, logic programming and n-person games. AI, 77,

Cap17 - Tomada de Decisões Complexas

Cap17 - Tomada de Decisões Complexas Cap17 - Tomada de Decisões Complexas Processos de Decisão de Markov Algoritmo de Iteração de Valor Algoritmo de Iteração de Política Processos de Decisão de Markov Parcialmente Observáveis Teoria de Jogos

Leia mais

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores

Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Tópicos Especiais em Redes: Introdução a Teoria dos Jogos com Aplicações a Redes de Computadores Aula passada: Discussão sobre situações de conflito Exemplos de jogos Jogo em aula Aula de hoje: Introdução

Leia mais

Teoria dos Jogos: As origens e os fundamentos da Teoria dos Jogos. Sinopse: A teoria dos jogos é a aplicação da lógica matemática no processo de

Teoria dos Jogos: As origens e os fundamentos da Teoria dos Jogos. Sinopse: A teoria dos jogos é a aplicação da lógica matemática no processo de Teoria dos Jogos: As origens e os fundamentos da Teoria dos Jogos Alecsandra Neri de Almeida UNIMESP - Centro Universitário Metropolitano de São Paulo Novembro/2006 Sinopse: A teoria dos jogos é a aplicação

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial

Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial Docente: Prof. Humberto Ribeiro Trabalho elaborado por: Luís Gonçalves nº 7366 Alícia Prada nº 17580 Ana Gonçalves nº 15412 Mestrado em Gestão das Organizações

Leia mais

Fátima Barros Organização Industrial

Fátima Barros Organização Industrial Teoria de Jogos Organização Industrial 1 Sumário Introdução: o que é a Teoria de Jogos Concorrência como um Jogo O jogo da negociação Organização Industrial 2 Os gestores tomam decisões estratégicas a

Leia mais

O DILEMA DA NEGOCIAÇÃO

O DILEMA DA NEGOCIAÇÃO O DILEMA DA NEGOCIAÇÃO Baseado em A Model of Cooperation and the Production of Social Norms, Cap. 2 de Law and Social Norms de Eric A. Posner Harvard University Press - 2000 Por Raul Marinho Gregorin e

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO DE MÁQUINA Estudos Iniciais André Filipe de Moraes Batista Disciplina de Aprendizagem de Máquina UFABC 2010 TEORIA DOS JOGOS Ramo da matemática aplicada estuda situações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA TEORIA DOS JOGOS E NEGOCIAÇÃO Amanda Laurie Manocchio RIBEIRÃO PRETO 2007 2 AMANDA

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

El Farol Bar Problem e Jogo Minoritário: uma introdução à econofísica

El Farol Bar Problem e Jogo Minoritário: uma introdução à econofísica El Farol Bar Problem e Jogo Minoritário: uma introdução à econofísica (El Farol Bar Problem and Minority Game: An introduction to econophysics) Diogo de Toledo Bertulino 1, Diego O. Nolasco 1,2 1 Curso

Leia mais

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos 1 MATERIAL DE APOIO MATEMÁTICA Turmas 1º AS e 1º PD Profº Carlos Roberto da Silva A Matemática apresenta invenções tão sutis que poderão servir não só para satisfazer os curiosos como, também para auxiliar

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 1.2 Conceitos de Equilíbrio em jogos não-cooperativos na forma normal Isabel Mendes 2007-2008 Na aula teórica 1.1 mostrámos

Leia mais

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1 Faculdades Pitágoras de Uberlândia Sistemas de Informação Disciplina: Matemática Básica 1 Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2010 Professor Walteno

Leia mais

Teoria dos Jogos 1. Economia e Estratégia para Empreendedores Paulo Coelho Vieira

Teoria dos Jogos 1. Economia e Estratégia para Empreendedores Paulo Coelho Vieira Teoria dos Jogos 1 Economia e Estratégia para Empreendedores Paulo Coelho Vieira Definição Um jogo tem 3 elementos: Um conjunto de jogadores N = (1,,n) Um Espaço de Estratégias S i para cada jogador i

Leia mais

Uma Estrutura Formal Normativa para Sistemas Computacionais

Uma Estrutura Formal Normativa para Sistemas Computacionais Uma Estrutura Formal Normativa para Sistemas Computacionais Antônio Carlos da Rocha Costa 1 Graçaliz Pereira Dimuro 1 1 ESIN/UCPel Escola de Informática Universidade Católica de Pelotas {rocha,liz}@atlas.ucpel.tche.br

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS E A RELAÇÃO ENTRE O TEOREMA MINIMAX DE JOHN VON NEUMANN E O EQUILÍBRIO DE NASH DE JOHN NASH

TEORIA DOS JOGOS E A RELAÇÃO ENTRE O TEOREMA MINIMAX DE JOHN VON NEUMANN E O EQUILÍBRIO DE NASH DE JOHN NASH TEORIA DOS JOGOS E A RELAÇÃO ENTRE O TEOREMA MINIMAX DE JOHN VON NEUMANN E O EQUILÍBRIO DE NASH DE JOHN NASH RESUMO Cristiene dos Santos Costa 1 Orientador: Prof. Dr. Ailton Paulo de Oliveira Júnior Este

Leia mais

Jogos Equilíbrio de Nash

Jogos Equilíbrio de Nash Jogos Equilíbrio de Nash Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Aula Passada Definição de Jogos Jogos do tipo Dilema do Prisioneiro Estratégias dominantes fácil entender o resultado do jogo Exemplos

Leia mais

Silvio Barros Pereira. Introdução à Teoria dos Jogos e a Matemática no Ensino Médio. Dissertação de Mestrado

Silvio Barros Pereira. Introdução à Teoria dos Jogos e a Matemática no Ensino Médio. Dissertação de Mestrado Silvio Barros Pereira Introdução à Teoria dos Jogos e a Matemática no Ensino Médio Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Matemática da PUC-Rio como requisito parcial

Leia mais

A JORNADA DE TRABALHO NA PERSPECTIVA DA TEORIA DOS JOGOS

A JORNADA DE TRABALHO NA PERSPECTIVA DA TEORIA DOS JOGOS A JORNADA DE TRABALHO NA PERSPECTIV ERSPECTIVA DA T EORIA DOS JOGOS SIMONE BARBOSA DE MARTINS MELLO Analista Judiciária do Tribunal Regional da 2ª Região. Professora Convidada do MBA em Direito e Processo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA VANESSA M. BERNY, DIANA F. ADAMATTI, DANIELA FERREIRA GOMES, ANTONIO C. DA ROCHA COSTA RESUMO Este artigo

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

quinta-feira, 16 de maio de 13

quinta-feira, 16 de maio de 13 POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 08 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS A Teoria dos Múltiplos Fluxos e Teoria do Equilíbrio Pontuado análise da política pública como um processo

Leia mais

1º Lista de Exercícios. 1. Encontre os equilíbrios de Nash dos jogos abaixo e dê uma interpretação para o resultado.

1º Lista de Exercícios. 1. Encontre os equilíbrios de Nash dos jogos abaixo e dê uma interpretação para o resultado. Fundação Getulio Vargas (FGV-RJ) - Graduação Microeconomia II 1º semestre de 2007 Prof. Paulo C. Coimbra 1º Lista de Exercícios 1. Encontre os equilíbrios de Nash dos jogos abaixo e dê uma interpretação

Leia mais

Mercados de Emparelhamento

Mercados de Emparelhamento Mercados de Emparelhamento Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Aula Passada 1. Definições: grafos bipartidos e emparelhamentos perfeitos 2. Mercados com opções binárias (aceita ou não) Extensão

Leia mais

1.1.1 Instituições: o que são? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem?

1.1.1 Instituições: o que são? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? Aula 2 Instituições: o que são e para que servem? PARTE I A análise económica das instituições. 1. Dos dilemas sociais e das instituições para os resolver 1.1 Instituições 1.1.1 O que são? 1.1.3 Como avaliá-las?

Leia mais

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários...

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários... NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX No Renascimento de uma Nova Era... IX Índice PREÂMBULO... XIII Organização do livro... xiii Destinatários... xiv Utilização do livro... xiv Agradecimentos... xiv

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS UMA INTERFACE GRÁFICA EM JAVA

TEORIA DOS JOGOS UMA INTERFACE GRÁFICA EM JAVA TEORIA DOS JOGOS UMA INTERFACE GRÁFICA EM JAVA Rosane Caldeira 1 Sérgio Azevedo de Oliveira 2 RESUMO Na resolução de problemas de engenharia elétrica existem diversas metodologias que podem ser aplicadas,

Leia mais

Aula 17. B) Teoria Do Valor: Mercados Equilibrados 1. Concorrência Perfeita Samuelson 8 Sousa V.1

Aula 17. B) Teoria Do Valor: Mercados Equilibrados 1. Concorrência Perfeita Samuelson 8 Sousa V.1 Aula 17 B) Teoria Do Valor: Mercados Equilibrados 1. Concorrência Perfeita Samuelson 8 Sousa V.1 Concorrência perfeita Condições para a concorrência perfeita Grande número de produtores Produto homogéneo

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 13, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página 1 de 14 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS Página de 4 Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Teoria dos Jogos :: EXERCÍCIOS. Em muitos setores oligopolísticos, as mesmas empresas concorrem

Leia mais

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA 1 MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA MATEMÁTICA DISCRETA Profa. Marcia Mahon Grupo de Pesquisas em Comunicações - CODEC Departamento de Eletrônica e Sistemas - UFPE Outubro 2003 2 CONTEÚDO 1 - Introdução

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES (MRE) INSTITUTO RIO BRANCO (IRBr) PROPOSTA DE PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Economia Aplicada à Tomada de Decisão e à Estratégia de Negociação PROFESSOR: Flávio

Leia mais

1 Máquina URM, comandos e programas URM

1 Máquina URM, comandos e programas URM 1 Máquina URM, comandos e programas URM Definição 1 : Máquina URM (Unlimited Register Machine) Uma máquina URM é constituída por uma sucessão de registos 2 < R i > i IN. Cada registo pode conter um valor

Leia mais

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha Negociação e Vendas Marketing e vendas Quais são as relações entre marketing e vendas casos e causos de negociação

Leia mais

ESTUDO DE PERFORMANCE: INDICADORES GERENCIAIS

ESTUDO DE PERFORMANCE: INDICADORES GERENCIAIS ESTUDO DE PERFORMANCE: INDICADORES GERENCIAIS Hamilton Bezerra Fraga da Silva Fund. João Goulart Instituto de Estudos de Administração Pública da Cidade do Rio de Janeiro; Rua Gal. Barbosa Lima 57/ 401,

Leia mais

Microeconomia Parte 9. Jogos e Assimetria Informacional. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia Parte 9. Jogos e Assimetria Informacional. Prof. Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Parte 9 Jogos e Assimetria Informacional Prof. Antonio Carlos Assumpção Observações sobre jogos, assimetria Informacional Teoria dos Jogos Supondo que meus concorrentes sejam racionais e

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0. Introdução Por método numérico entende-se um método para calcular a solução de um problema realizando apenas uma sequência finita de operações aritméticas. A obtenção

Leia mais

Introdução as Opções Reais

Introdução as Opções Reais Introdução as Opções Reais Capitulo 1 - Uma nova visão de investimento A economia define investimento como ato de incorrer em custo imediato na expectativa de recompensas futuras. Firmas que constroem

Leia mais

Autómatos finitos não determinísticos (AFND)

Autómatos finitos não determinísticos (AFND) Autómatos finitos não determinísticos (AFND) [HMU00](Cap 2.3) Computações não determinísticas: o estado seguinte não é univocamente determinado pelo estado actual.num autómato finito (não-determínistico):

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO E DOUTORADO Disciplina: ECN/899 - Microeconomia II Carga Horária:/Créditos: 60/04 Período: 2º semestre de 2009 Profas.: Mônica Viegas (Primeira e Segunda

Leia mais

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Jogos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Jogos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Jogos Neste curso, queremos olhar para redes a partir de duas perspectivas: 1) uma estrutura subjacente dos links de conexão 2) o comportamentos

Leia mais

Política Monetária Monetarismo Marco II

Política Monetária Monetarismo Marco II Política Monetária Monetarismo Marco II SE 506 Economia Monetária e Financeira - UFPR Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Referências: CARVALHO, F. J. C. et. alli. Economia Monetária e Financeira:

Leia mais

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA 1. INTRODUÇÃO No fluxo de caixa esquemático mostrado na Figura 1, como se sabe na data zero, normalmente se tem o investimento necessário para

Leia mais

Pelotas, novembro 2014. SIMULADO DE ADM APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL Disciplina: Economia. Professor Alejandro Martins. SERÃO 5 QUESTÕES NA AVALIAÇÃO;

Pelotas, novembro 2014. SIMULADO DE ADM APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL Disciplina: Economia. Professor Alejandro Martins. SERÃO 5 QUESTÕES NA AVALIAÇÃO; Pelotas, novembro 2014. SIMULADO DE ADM APLICADA À GESTÃO AMBIENTAL Disciplina: Economia. Professor Alejandro Martins. SERÃO 5 QUESTÕES NA AVALIAÇÃO; 1 Teoria de Jogos Estratégias Dominantes... 1 2 Teoria

Leia mais

MS777 : Projeto Supervionado I

MS777 : Projeto Supervionado I MS777 : Projeto Supervionado I Aluno: Orientador: Bruno Luís Hönigmann Cereser RA:072864 Prof. Dr. Laércio Luis Vendite 1 Objetivos do Trabalho O objetivo desse trabalho é um estudo da lógica fuzzy para

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO

GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO VAL- 1 GESTÃO FINANCEIRA II INTRODUÇÃO FINANÇAS EMPRESARIAIS VAL- 2! Objectivos do curso! Programa! Material de estudo / Grupos! Avaliação! Bibliografia! Contactos OBJECTIVOS VAL- 3 " Fornecer aos alunos

Leia mais

Sinopse da Teoria da Escolha

Sinopse da Teoria da Escolha 14.126 Teoria dos Jogos Sergei Izmalkov e Muhamet Yildiz Outono de 2001 Sinopse da Teoria da Escolha Esta nota resume os elementos da teoria da utilidade esperada. Para uma exposição em detalhes dos quatro

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE SOFTWARE

CONSTRUÇÃO DE SOFTWARE CONSTRUÇÃO DE SOFTWARE Náthilla Tavares Fagundes, Pablo Galvão, Wytor Venancio Rodrigues Faculdade de Tecnologia SENAC Goiânia/GO (SENAC/GO) Av. Independência número 1002 - CEP 74645-010 Setor Leste Vila

Leia mais

Jogos simultâneos. Roberto Guena. 19 de agosto de 2011 USP. Roberto Guena (USP) Jogos simultâneos 19 de agosto de 2011 1 / 34

Jogos simultâneos. Roberto Guena. 19 de agosto de 2011 USP. Roberto Guena (USP) Jogos simultâneos 19 de agosto de 2011 1 / 34 Jogos simultâneos Roberto Guena USP 19 de agosto de 2011 Roberto Guena (USP) Jogos simultâneos 19 de agosto de 2011 1 / 34 Representando um jogo com lances simultâneos Exemplo: Pedra, papel, tesoura Jogador

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco

Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Teoria do Consumidor: Escolha Envolvendo Risco Excedente do consumidor e equação de Slutsky Roberto Guena de Oliveira USP 1 de julho de 2015 Estrutura da aula 1 Consumo contingente 2 Utilidade esperada

Leia mais

Introdução ao Gerenciamento de Projetos Quando planejar é preciso...

Introdução ao Gerenciamento de Projetos Quando planejar é preciso... Quando planejar é preciso... Resumo Embora pareça não ser importante para o desenvolvimento de um projeto, conhecer e ter sob domínio os conceitos sobre Gerenciamento de Projetos é fundamental. Este documento

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Figura: Capa do Livro Russell, S., Norvig, P. Artificial Intelligence A Modern Approach, Pearson, 2009. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

1) Eficiência e Equilíbrio Walrasiano: Uma Empresa

1) Eficiência e Equilíbrio Walrasiano: Uma Empresa 1) Eficiência e Equilíbrio Walrasiano: Uma Empresa Suponha que há dois consumidores, Roberto e Tomás, dois bens abóbora (bem 1) e bananas (bem ), e uma empresa. Suponha que a empresa 1 transforme 1 abóbora

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

SINDICATO DOS FISCAIS DA FAZENDA DO ESTADO DE SANTA CATARINA SINDIFISCO 1º CONCURSO DE MONOGRAFIAS DO SINDIFISCO. Leandro Luiz Daros

SINDICATO DOS FISCAIS DA FAZENDA DO ESTADO DE SANTA CATARINA SINDIFISCO 1º CONCURSO DE MONOGRAFIAS DO SINDIFISCO. Leandro Luiz Daros SINDICATO DOS FISCAIS DA FAZENDA DO ESTADO DE SANTA CATARINA SINDIFISCO 1º CONCURSO DE MONOGRAFIAS DO SINDIFISCO Leandro Luiz Daros JOGOS NÃO COOPERATIVOS E A POLÍTICA DE INCENTIVOS FISCAIS À IMPORTAÇÃO

Leia mais

Estratégias de Negociação

Estratégias de Negociação Métodos e Técnicas de Negociação Entrance Quiz Estratégias de Negociação ou Gerenciamento de Conflitos? Você decide! Maura Mazzeo Zurdo 1 Estratégias de Negociação Alta Acomodação Colaborativa Perde-Ganha

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Computação Disciplina de Verão: Algoritmos e Programação II

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Computação Disciplina de Verão: Algoritmos e Programação II Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Faculdade de Computação Disciplina de Verão: Algoritmos e Programação II Professores: Liana Duenha 10 de março de 2014 Professores: Liana Duenha () Universidade

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

(1). Este indivíduo é indiferente entre a loteria B e receber R$ 1,21 com certeza.

(1). Este indivíduo é indiferente entre a loteria B e receber R$ 1,21 com certeza. AVESSO E PROPENSO Questão 2/97. Um indivíduo tem função de utilidade esperada definida por u( w )= w(onde w é a sua riqueza). Seja: - A: a loteria que paga R$ 36 com probabilidade 1/6 e zero com probabilidade

Leia mais

O matemático israelense, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2005, usa a Teoria dos Jogos para analisar o Conflito no Oriente Médio.

O matemático israelense, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2005, usa a Teoria dos Jogos para analisar o Conflito no Oriente Médio. Entrevista Robert Aumann "O IRÃ NÃO NOS ATACARIA" O matemático israelense, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2005, usa a Teoria dos Jogos para analisar o Conflito no Oriente Médio. "Fazer concessões

Leia mais

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA TEORIA GERAL DE SISTEMAS TGS Fundamentos Prof. Reginaldo Brito Egípcios e Babilônios (3000 a. C) Jacó e Labão (4000 a.c.) Frederick Taylor (1856-1915) 1890 - Modelo de Administração científica (taylorismo)

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 Comportamento estratégico Fernando ranco Ano lectivo 2003-2004 Trimestre de Inverno As questões estratégicas são relevantes em muitos casos para além do oligopólio. Interacção entre partidos; negociações

Leia mais

Modelagem de uma Vending Machine utilizando um Autômato Finito com Saída

Modelagem de uma Vending Machine utilizando um Autômato Finito com Saída Modelagem de uma Vending Machine utilizando um Autômato Finito com Saída Ailton Sérgio Bonifácio Yandre Maldonado e Gomes da Costa Mestrado em Ciência da Computação - FACCAR/UFRGS ailton@uel.br, yandre@din.uem.br

Leia mais

IA364 MÉTODOS DE PESQUISA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E COMUPTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

IA364 MÉTODOS DE PESQUISA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E COMUPTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS IA364 MÉTODOS DE PESQUISA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E COMUPTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS ATIVIDADE 07 REVISÃO DE LITERATURA A OBRA COMPLETA Felipe Perez de Oliveira Dias - RA 043423 Prof.

Leia mais

Demanda de Moeda por Precaução. Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE

Demanda de Moeda por Precaução. Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE Demanda de Moeda por Precaução Prof. Giácomo Balbinotto Neto Análise Macroeconômica UFRGS/FCE Principais Modelos *Whalen (1966), QJE *Miller & Orr (1966), QJE Weinrobe (1972) SEJ Tsiang, S. C. (1969).

Leia mais

2. O Domínio da Aplicação

2. O Domínio da Aplicação ARTEMIS - Raciocínio e emoção na tomada de decisão de um agente em um cenário específico Aline A. Soares, Júlio C. Ho Kelly C. C. Silva, Claudia Ferlin Abstract. This work aims to construct a cognitive

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 1: Introdução Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013 Antes de

Leia mais

Aplicação de Sistemas MultiAgentes em Mobile Social Games

Aplicação de Sistemas MultiAgentes em Mobile Social Games Universidade de Brasília FGA Engenharia de Software Aplicação de Sistemas MultiAgentes em Mobile Social Games Autor: Levino Moises Paiva Magalhaes Rufino Porto Orientadora: Profa. Dra. Milene Serrano Coorientador:

Leia mais

X.0 Sucessões de números reais 1

X.0 Sucessões de números reais 1 «Tal como a tecnologia requer as tøcnicas da matemætica aplicada, tambøm a matemætica aplicada requer as teorias do nœcleo central da matemætica pura. Da l gica matemætica topologia algøbrica, da teoria

Leia mais

Aumentando a segurança do MD6 em relação aos ataques diferenciais

Aumentando a segurança do MD6 em relação aos ataques diferenciais Aumentando a segurança do MD6 em relação aos ataques diferenciais Valdson S. Cleto 1, Routo Terada 1 1 Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo (USP) São Paulo SP Brazil vcleto@gmail.com,

Leia mais

INTELIGÊNCIA OPERATÓRIA CONCRETA E OPERATÓRIA FORMAL

INTELIGÊNCIA OPERATÓRIA CONCRETA E OPERATÓRIA FORMAL INTELIGÊNCIA OPERATÓRIA CONCRETA E OPERATÓRIA FORMAL Prof. Dr. Wilson da Silva 1 A INTELIGÊNCIA OPERATÓRIA CONCRETA (± de 7 a 11/12 anos) Por volta dos sete anos ocorre um fato decisivo no desenvolvimento

Leia mais

Mestrado em Economia Monetária e

Mestrado em Economia Monetária e Mestrado em Economia Monetária e Financeira Ficha de Unidade Curricular Nome da Unidade Curricular (NUC) Departamento Área Científica Activa nos Planos Curriculares Estado Código da disciplina Nome (pt)

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

Psicologia Social 1 Cláudio V. Torres

Psicologia Social 1 Cláudio V. Torres Preconceito: Causas e Curas Psicologia Social 1 Cláudio V. Torres 1 Estereótipo, Preconceito e Discriminação Esquemas: Rede organizada de informações (estrutura cognitiva) base para as categorizações Categorização

Leia mais

Algoritmos Genéticos

Algoritmos Genéticos UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Laboratório de Computação Natural LCoN I ESCOLA DE COMPUTAÇÃO NATURAL Algoritmos Genéticos Rafael Xavier e Willyan Abilhoa Outubro/2012 www.computacaonatural.com.br

Leia mais

EA 044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Introdução

EA 044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Introdução EA 044 Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Introdução ProfFernandoGomide Pesquisa Operacional O que é estudo de como formular e construir modelos matemáticos de decisão problemas de engenharia

Leia mais

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias Capítulo 2 Álgebra e imagens binárias Em Análise de Imagens, os objetos mais simples que manipulamos são as imagens binárias. Estas imagens são representadas matematicamente por subconjuntos ou, de maneira

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.6 Concorrência Monopolística: Modelo Espacial e Concorrência pela Variedade Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel

Leia mais

UM AMBIENTE MULTI-AGENTE ADAPTÁVEL PARA NEGOCIAÇÕES NO E-COMMERCE

UM AMBIENTE MULTI-AGENTE ADAPTÁVEL PARA NEGOCIAÇÕES NO E-COMMERCE UM AMBIENTE MULTI-AGENTE ADAPTÁVEL PARA NEGOCIAÇÕES NO E-COMMERCE Alan Pedro da Silva 1, Rômulo Nunes de Oliveira 2, Ig Bitencourt 1, Evandro B. Costa 1 1 Departamento de Tecnologia da Informação Universidade

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial INF 1771 Inteligência Artificial Aula 02 Agentes Inteligentes Edirlei Soares de Lima Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de

Leia mais

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que:

Vamos denominar 1/µ o tempo médio de atendimento de um cliente. Tem-se, então que: Vamos admitir que o tempo de atendimento (tempo de serviço) de clientes diferentes são variáveis aleatórias independentes e que o atendimento de cada consumidor é dado por uma variável S tendo função densidade

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Agentes Inteligentes Agenda O que é um Agente Como Definir Agentes Arquitectura dos Agentes 1 O que é um agente Em geral um agente é qualquer entidade que: Percebe seu ambiente

Leia mais

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta.

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 4 Contagem I De quantos modos podemos nos vestir? Quantos números menores que 1000 possuem todos os algarismos pares?

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR Mario Rodrigues Pinto de Sousa Filho FUNCEME Fortaleza mario.rodrigues@funceme.br

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 O que é a Análise Numérica? Ramo da Matemática dedicado ao estudo e desenvolvimento de métodos (métodos

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Identificação Disciplina: TEORIA ECONÔMICA I Corpo Docente: ÁLVARO EDUARDO

Leia mais

Teoria dos Jogos e Neuroeconomia: De que maneira tomamos decisões.

Teoria dos Jogos e Neuroeconomia: De que maneira tomamos decisões. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA Teoria dos Jogos e Neuroeconomia: De que maneira tomamos decisões. JULIANO ANTONIO FERNANDES DE

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais