COMITÊ DE MANUTENÇÃO Renovação e expansão da frota de trens da CPTM Tecnologia embarcada e conforto aos usuários em mais 65 Trens (520 carros)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMITÊ DE MANUTENÇÃO Renovação e expansão da frota de trens da CPTM Tecnologia embarcada e conforto aos usuários em mais 65 Trens (520 carros)"

Transcrição

1 COMITÊ DE MANUTENÇÃO Renovação e expansão da frota de trens da CPTM Tecnologia embarcada e conforto aos usuários em mais 65 Trens (520 carros) HENRY MUNHOZ Gerente de Engenharia de Manutenção da CPTM

2 DADOS GERAIS DA CPTM Atende 22 municípios, sendo 19 na Região Metropolitana de São Paulo 6 Linhas operacionais - 252,1 Km (Malha total de 260,8 Km) 89 Estações Operacionais Média Dia Útil MDU atual: 2,8 Milhões Viagens realizadas por dia útil: Frota operacional 2012: 188 Trens Carros Quantidade de empregados 2012: Passageiros transportados 2012: Carro.km em 2012: Viagens realizadas em 2012: 764,2 Milhões 192 Milhões Km 845 Mil

3

4 (PREVISÃO) ó é é PASSAGEIROS TRANSPORTADOS / ANO Ano Passageiros Transportados

5 EXEMPLO DE CONDIÇÕES OPERACIONAIS DA CPTM Acesso Sul 06h30 Acesso às plataformas 18h00

6 Renovação e expansão da frota de trens da CPTM tecnologia embarcada e conforto aos usuários em mais 65 trens, 520 carros. Apresentação resumida da nova aquisição de Material Rodante da CPTM, composta de 65 trens 520 carros em Concorrência Internacional lançada no mês de março de Descrição das especificações de equipamentos e sistemas com exigências de alta performance para atender aos níveis de confiabilidade operacional e manutenção com vistas ao atendimento de intervalos entre trens de até 3 minutos nos próximos anos. Destaque para as exigências referentes aos softwares embarcados, com foco na manutenção e nas adequações operacionais necessárias.

7 SÉRIE IDADE FORMAÇÃO FROTA DE TRENS DA CPTM QTDE DE CARROS POR TUE TUEs / Trens FROTA TOTAL (PATRIMONIAL) CARROS FROTA OPERACIONAL FROTA OPERACIONAL FORMADOS AVULSOS TUEs CARROS TRENS CARROS MRR MR e MRR 2 e MR e MRR MRRM MRRM MRRM MRR MRRM RMR MRRM MR MR MRRM MRRM MRRMMRRM MRRMMRRM TOTAIS

8 FROTA DE TRENS DA CPTM AQUISIÇÕES MAIS RECENTES (DESDE 2008) TRENS COM TRAÇÃO AC SÉRIE 2070 (ANO 2008) 06 TRENS DE 8 CARROS SÉRIE 7000 (ANO 2009) 40 TRENS DE 8 CARROS SÉRIE 7500 (ANO 2010) 08 TRENS DE 8 CARROS SÉRIE 8000 (ANO 2012) 36 TRENS DE 8 CARROS SÉRIE 9000 (ANO 2013) 09 TRENS DE 8 CARROS TOTAL = 99 TRENS DE 8 CARROS (TOTALIZANDO 792 CARROS) NOVA AQUISIÇÃO DE 65 TRENS SÉRIE TRENS DE 8 CARROS SÉRIE TRENS DE 8 CARROS TOTAL = 65 TRENS DE 8 CARROS (TOTALIZANDO 520 CARROS)

9 CONCEITOS IMPORTANTES NA AQUISIÇÃO DE NOVOS TRENS SEGURANÇA CONFIABILIDADE CONFORTO PADRONIZAÇÃO DISPONIBILIDADE

10 SEGURANÇA Sistema lubrificador de frisos das rodas; Sistema Detector de Descarrilamento; Sistema de antideslizamento e antipatinagem; Estudo do Comportamento Dinâmicos (Carros, Via Permanente, Modelamento Matemático, Testes em via perturbada e comprovação e validação do Projeto); Engates do tipo regenerativo com possibilidade de acoplamento até 10 Km/h; Freio de Estacionamento com capacidade para rampas de até 4% (carregado); Sistema de reboque trem com trem para diferentes séries de trens; Sistema detector de avaria em pantógrafo com abaixamento automático dos demais. Sistema de Detecção e Extinção de incêndio para o Salão de Passageiros; Materiais do interiorismo com materiais com baixíssima propagação de fogo e fumaça; Policarbonato com espessura de 9 mm cor bronze, para todas as janelas; Vidro de Segurança para o para-brisa frontal. Identificador de acesso para os condutores no console das cabines; Vídeo Vigilância Interior dos carros, cabines, frontal e para pantógrafos.

11 CONFIABILIDADE Detalhamento da Especificação Técnica dos vários Sistemas, Equipamentos e materiais à serem utilizados e comprovação na fase do Projeto (Exemplos): Graus de Proteção de Proteção (IP Index of protection); Níveis de isolação do Sistema elétrico e motores; Exigências de soldadores qualificados e testes de soldas (corpos de prova). CDMS Confiabilidade, Disponibilidade, Mantenabilidade e Segurança (Fases): Plano de CDM; Predição de Confiabilidade; Plano de Monitoramento e Demonstração de CDM; Relatório de Monitoramento de CDM observada; Relatório de Demonstração de CDM. Plano de Segurança; Análise preliminar dos Perigos (PHA); Análise de Modos de Falhas e Criticidade dos Efeitos (FMECA); Análise de Árvore de Falhas; Lista de testes relacionados com a segurança; Relatório de Demonstração de Segurança; Carta de Liberação para a Operação.

12 CONFORTO Climatização para o Salão de Passageiros; Climatização independente para o Condutor (Cabine de Condução); Comunicação com passageiros e sonorização; Sistema de Retrovisão com Câmeras; Sistema Multimídia no salão de passageiros; Sistema de Gangways entre carros; Acessibilidade de acordo com a Norma ABNT NBR 14021; Mapa de linha eletrônico; Janelas basculantes de emergência com controle de abertura remoto.

13 Dimensional dos carros; Fechaduras e Chaves; Sistema de acoplamento Engates Tipo Scharfenberg 10; Espessura dos Para-brisas; PADRONIZAÇÃO Manuais: Definição dos itens do Conteúdo e abrangência; Manual de Preventiva por sistema ou equipamento; Manual de Preventiva por periodicidade; Manual de Revisão Geral. Treinamentos: Divisão por atividades (Preventiva, corretiva e manutenção de componentes); Definição dos itens do Conteúdo e abrangência; Fornecimento do Simulador de Trens para os Treinamentos de Operação.

14 SIMULADOR DE TRENS Início das atividades em 2011

15 DISPONIBILIDADE Exigências de modularidade; Utilização mais abrangente de conectores; Exigências de vida útil mínima de componentes sujeitos a desgaste; Intervenções de Manutenção com periodicidade mínima de Km; Sistema de Tração e Freio com controle por truque; Redundância dos principais sistemas (Suprimento de Ar, Pantógrafo, Climatização, Sinalização de Bordo e etc.); Sistema de Sinalização de Bordo (ATC-ATO e CBTC); Compressor Principal e auxiliar isentos de óleo; Luminárias e iluminação com tecnologia de led s; Operação assistida e garantia estendida; Informação via data-bus ao condutor e à Manutenção via sistema 3G (Telemetria); Registrador de Eventos; Softwares e diagnoses;

16 SOFTWARES E DIAGNOSES EXIGÊNCIAS: Arquivos dos programas executáveis, instalada nos equipamentos do trem, de modo a permitir a manutenção, quando da necessidade de substituição e consequente reprogramação dos dispositivos programáveis, como EEPROMs, microcontroladores, etc.; Descrição dos softwares de forma a permitir o conhecimento detalhado da lógica implementada no programa, para o desenvolvimento do treinamento, manutenção e pesquisas de falhas. Os softwares devem auxiliar as atividades de manutenção, auxiliar a retirada de informações contidas nos equipamentos relativos a diagnose ou armazenagem de falhas ocorridas no período (pesquisas e análises de falhas); Os softwares devem auxiliar na execução dos testes, tanto para testes estáticos como dinâmicos para levantamentos de funcionalidade ou performance; Os softwares devem auxiliar na alteração de condições inicialmente definidas, propiciando alterações (ajustes de parâmetros) ou expansões futuras por parte da CPTM.

17 INTERFACES HOMEM MÁQUINA (IHM) / SOFTWARES Todas as informações relevantes para a adequada operação do veículo são mostradas nos monitores dos consoles. Caso o operador necessite de mais detalhes sobre algum equipamento específico ou algum diagnóstico, ele poderá acessar os menus INCIDÊNCIAS e COMANDOS. A manutenção ainda poderá acessar o menu MANUTENÇÃO.

18 INTERFACES HOMEM MÁQUINA (IHM) / SOFTWARES Ícone Sistema Cor Significado Pantógrafo Disjuntor Equipamento de Tração Conversor Auxiliar Carregador de Bateria Compressor Ar Condcionado Freio Freio de Estacionamento Portas Freio de Emergência Bypass Ativado Preto Um dos pantógrafos levantado, por carro. Vermelho Nenhum pantógrafo levantado. Preto Todos os disjuntores fechados. Vermelho Algum disjuntor aberto. Preto Todos os equipamentos acionados e prontos para tracionar. Vermelho Algum equipamento não acionado corretamente. Preto Todos os conversores acionados corretamente. Vermelho Algum conversor não acionado corretamente. Preto Todos os carregadores funcionando corretamente. Vermelho Algum carregador não funciona corretamente. Preto Todos os compressores funcionando corretamente. Vermelho Algum compressor não funcionando corretamente. Preto Todos os equipamentos funcionando corretamente. Vermelho Algum equipamento não funcionando corretamente. Preto Todos os equipamentos funcionando corretamente. Vermelho Algum equipamento não funcionando corretamente. Preto Todos os freios de estacionamento liberados. Vermelho Algum freio de estacionamento aplicado. Preto Portas fechadas. Vermelho Alguma porta aberta. Preto Laço de emergência fechado. Vermelho Laço de emergência aberto. Preto Nenhuma derivação ativa na cabine. Vermelho Alguma derivação ativa na na cabine.

19 INTERFACES HOMEM MÁQUINA (IHM) / SOFTWARES O sistema de diagnóstico é capaz, inclusive, de realizar diversos auto testes. Nesta imagem o exemplo de auto teste do laço de emergência.

20 INTERFACES HOMEM MÁQUINA (IHM) / SOFTWARES O sistema também permite diversos comandos através de chaves virtuais. O condutor pode testar, acionar, isolar e desconectar sistemas (conforme a imagem abaixo).

21 INTERFACES HOMEM MÁQUINA (IHM) / SOFTWARES A manutenção também é capaz de alterar diversos parâmetros do veículo diretamente pelo sistema de diagnóstico (Tela abaixo).

22 INTERFACES HOMEM MÁQUINA (IHM) / SOFTWARES Podemos monitorar o valor de cada variável individualmente. Esta possibilidade é de extrema importância para a manutenção e para investigação de falhas.

23 INTERFACES HOMEM MÁQUINA (IHM) / SOFTWARES Abaixo exemplos das telas do software específico do registrador de eventos. Dados extraídos do registrador por meio de software específico.

24 INTERFACES HOMEM MÁQUINA (IHM) / SOFTWARES O sistema de diagnóstico é capaz de mostrar detalhadamente o status de cada porta e também uma visão geral das portas do veículo. O condutor pode atuar de diversas formas para restabelecer a falha diretamente da cabine.

25 INTERFACES HOMEM MÁQUINA (IHM) / SOFTWARES Em caso de detecção de incêndio, o software do sistema de diagnóstico irá imediatamente mostrar a imagem da câmera mais próxima ao sensor que detectou o incêndio. O acionamento do sistema se dá manualmente. O equipamento tem seu funcionamento monitorado por software específico, conforme exemplo abaixo.

26 GRACIAS POR SU ATENCIÓN GRATO PELA ATENÇÃO HENRY MUNHOZ

1) DESCRIÇAÕ DO NEGÓCIO

1) DESCRIÇAÕ DO NEGÓCIO A Agrologis hoje opera através do consórcio entre as empresas Daiken Automação e JR Consult (Consultoria, treinamento e desenvolvimento de software logísticos para o setor agrícola). Daiken Automação Possui

Leia mais

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ObjETIVOS A ThyssenKrupp Elevadores, em sintonia com as tendências mundiais em transporte vertical, está focada em sua responsabilidade socioambiental. Por isso, desenvolve produtos

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica )

Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica ) Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica ) Simulação de Manutenção de Material Rodante e Via Permanente Simulação de CCO e Condução de Trens e Locomotivas

Leia mais

Kit de Robótica Modelix - Programa Mais Educação 2015

Kit de Robótica Modelix - Programa Mais Educação 2015 CNPJ 56.233.497/0001-42 1 CNPJ 56.233.497/0001-42 O que é Robótica Educacional? É uma metodologia de ensino que tem como objetivo fomentar no aluno a investigação e materialização dos conceitos aprendidos

Leia mais

Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de. Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica,

Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de. Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica, Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica Prof. Dr. Lineu Belico dos Reis EPUSP Resumo: O informe técnico apresenta a

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 PAINEL... 4 FUNÇÕES DO PAINEL... 4 FUNÇÕES INTERNAS PLACA DE CONTROLE... 6 FUNÇÕES INTERNAS

Leia mais

Artigo Técnico: Startup de Elevadores

Artigo Técnico: Startup de Elevadores Artigo Técnico: Startup de Elevadores Problemas enfrentados no início de operação de elevadores instalados em edifícios existentes modernização ou substituição dos equipamentos em edificações habitadas.

Leia mais

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail:

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: Texto Proposto Comentário Nossa Proposta Justificativa Técnica Dobradeiras

Leia mais

Prefeitura Municipal de Águas Lindas de Goiás GO ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA

Prefeitura Municipal de Águas Lindas de Goiás GO ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ANEXO IV CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA ANEXO IV. CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL E SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRONICA CENTRO DE CONTROLE OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO - CCO

Leia mais

Case - Soluções Integrais

Case - Soluções Integrais PÁ CARREGADEIRA Case - Soluções Integrais Equipamentos Financiamento Peças e Serviços PÁ CARREGADEIRA Nova versão, com maior versatilidade e menor custo operacional. A pá carregadeira Case W20E Turbo é

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS Márcio José Camargo Rosalia Naomi Oyakawa 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS Categoria 3

Leia mais

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL.

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. PAINEL DE CONTROLE Responsável pelo processamento, interfaceamento e monitoração de todos

Leia mais

Gestão de Desempenho da Pósitron transforma informação em inteligência na administração de frotas

Gestão de Desempenho da Pósitron transforma informação em inteligência na administração de frotas Gestão de Desempenho da Pósitron transforma informação em inteligência na administração de frotas Serviço efetua a análise dos dados gerados durante a condução do veículo e, se necessário, capacita o motorista

Leia mais

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais.

Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO RESUMO: A modernização do vagão Hopper de brita do sistema de Metrô englobou a mudança de sua estrutura

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

Descritivo do Sistema de Medição de Comprimento para Garras Traçadoras

Descritivo do Sistema de Medição de Comprimento para Garras Traçadoras Descritivo do Sistema de Medição de Comprimento para Garras Traçadoras Descrição Geral O sistema de medição de comprimento é destinado para garras traçadoras florestais sem para mensurar o comprimento

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO COM GUINDASTE VEICULAR SIGLA: COGV

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO COM GUINDASTE VEICULAR SIGLA: COGV MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO COM GUINDASTE VEICULAR SIGLA: COGV 2012 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL

Leia mais

Inspiro a nova geração de metrôs da Siemens para o trânsito de massa

Inspiro a nova geração de metrôs da Siemens para o trânsito de massa Papel de fundo Inspiro a nova geração de metrôs da Siemens para o trânsito de massa Os desafios do futuro são claros: fluxos de tráfego nas áreas metropolitanas devem ser otimizados, sistemas de transporte

Leia mais

Perfil Profissional de Conclusão do Curso Técnico de Instrumentação

Perfil Profissional de Conclusão do Curso Técnico de Instrumentação Perfil Profissional de Conclusão do Curso Técnico de Instrumentação Área Profissional: Indústria Segmento Tecnológico: Eletroeletrônica Qualificação ou Habilitação Profissional: Técnico em Instrumentação

Leia mais

programa técnico Centrífugas de bateladas - Série-E A nova geração de centrífugas de bateladas reúne vários anos de experiência e

programa técnico Centrífugas de bateladas - Série-E A nova geração de centrífugas de bateladas reúne vários anos de experiência e programa técnico Centrífugas de bateladas - Série-E A nova geração de centrífugas de bateladas reúne vários anos de experiência e novos desenvolvimentos para a eficiente fabricação de açúcar. A nova geração

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

GRUPO PERMANENTE DE AUTOAJUDA NA ÁREA DE MANUTENÇÃO METROFERROVIÁRIA

GRUPO PERMANENTE DE AUTOAJUDA NA ÁREA DE MANUTENÇÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO PERMANENTE DE AUTOAJUDA NA ÁREA DE MANUTENÇÃO METROFERROVIÁRIA 36ª REUNIÃO GPAA METRÔ BH LOCAL: Hotel San Francisco Flat Av. Álvares Cabral, 967, Lourdes Belo Horizonte/MG 31. 3330-5600 PERÍODO:

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

SILISE SISTEMA LIMITE SEGURO

SILISE SISTEMA LIMITE SEGURO SILISE SISTEMA LIMITE SEGURO Resumo 2 Nós, alunos dos cursos Técnico em Sistemas Eletroeletrônicos de Transportes sobre Trilhos e Técnico em Sistemas Mecânicos de Transporte sobre Trilhos do Centro de

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES SOBRE LOCOMOTIVAS E VIA PERMANENTE Adilson A. Andrade. Foto nº 1: Loco MX620 nº 2702 da Ferroeste

NOÇÕES ELEMENTARES SOBRE LOCOMOTIVAS E VIA PERMANENTE Adilson A. Andrade. Foto nº 1: Loco MX620 nº 2702 da Ferroeste NOÇÕES ELEMENTARES SOBRE LOCOMOTIVAS E VIA PERMANENTE Adilson A. Andrade Foto nº 1: Loco MX620 nº 2702 da Ferroeste 1 APRESENTAÇÃO O objetivo deste pequeno texto é fornecer alguma informação sobre locomotivas

Leia mais

COMITÊ DE MANUTENÇÃO

COMITÊ DE MANUTENÇÃO ASOCIACIÓN LATINOAMERICANA DE METROS Y SUBTERRÁNEOS XXV ASSEMBLÉIA GERAL DA ALAMYS GUADALAJARA, 20 24 DE NOVEMBRO 2011 COMITÊ DE MANUTENÇÃO JOSÉ LUIZ LAVORENTE Coordenador do Comitê de Manutenção APRESENTAÇÕES

Leia mais

Trilateral MTC. Empilhadeiras para opera sentado ou em pé. Capacidade de Carga de 1.000, 1.300 e 1.500 kg. Pantógrafo integrado reduz corredor de ope

Trilateral MTC. Empilhadeiras para opera sentado ou em pé. Capacidade de Carga de 1.000, 1.300 e 1.500 kg. Pantógrafo integrado reduz corredor de ope Trilateral MTC Capacidade de Carga de 1.000, 1.300 e 1.500 kg Empilhadeiras para opera sentado ou em pé Pantógrafo integrado reduz corredor de ope Quatro motores de corrente alternada Console de controle

Leia mais

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL PARA SER INSTALADO NO EDÍFICIO DO ESCRITÓRIO REGIONAL DA ANATEL EM FORTALEZA-CE.

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Carregadeiras sobre rodas CSR/Instruções de inspeção para Técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre

Leia mais

Building Technologies

Building Technologies Building Technologies Detecção de Incêndio Catálogo de Produtos BC80 Índice Página 1. Central de Detecção e Alarme de Incêndio Série BC8001... 4 BC8001/e Central de Detecção e Alarme de Incêndio BC8001

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação RADAR DUO 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento... 4 3.1

Leia mais

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO

ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO ANEXO III DIRETRIZES BÁSICAS DO PROJETO VOLUME IV - PROJETO DE ENGENHARIA E MATERIAL RODANTE PROJETOS ARQUITETÔNICOS E DEMAIS PROJETOS TÉCNICOS PREDIAIS PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS 1 3.2.6.10.

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Sumário CONVENÇÕES UTILIZADAS...3 DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS...4 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...5 LED DE STATUS

Leia mais

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 -

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - T e c n o l o g i a Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Kit de Máquinas Elétricas Rotativas -

Leia mais

Medidor Powersave V2 USB

Medidor Powersave V2 USB Medidor Powersave V2 USB O medidor é formado por uma caixa plástica contendo uma placa eletrônica, uma tomada macho, uma tomada fêmea, um conector H, um barramento lateral, um conector USB e leds indicativos.

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. GARFO (Comprimento X Largura X Bitola) (mm): 100D7: 1.200 X 200 X 70 / 1.500 X 200 X 75 / 1.650 X 200 X 75 1.800 X 200 X 75 / 2.100 X 200 X 75 / 2.400 X 200 X 75 120D7: 1.200 X 200 X 75 / 1.500 X 200 X

Leia mais

Soluções Energéticas

Soluções Energéticas Soluções Energéticas A EMPRESA DE ENERGIA QUE O BRASIL CONFIA Utilizar a energia de forma eficiente é um desafio mundial. E onde tem desafio, tem Petrobras, realizando grandes investimentos em tecnologia

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a operação em regime de monocondução pelas Concessionárias de Transporte Público Ferroviário de Cargas e Passageiros. A Diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, no uso

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2 N de Homologação: 1702-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS MOTO V2 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server André Luiz Silva de Moraes chameandre@gmail.com Faculdade Senac http://www.senacrs.com.br Feira das Oportunidades 04 de Maio de 2011 1 / 11 1 Conceitos Básicos Definições

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

SUB-TÍTULO TRENSURB HOJE CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA

SUB-TÍTULO TRENSURB HOJE CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA 1 TRENSURB SUB-TÍTULO HOJE CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA Extensão da Linha: 38,8 km em operação e 4,8 km em construção; Número de Estações: 19 em operação e 3 em construção; Demanda Atual: 180.000pass/dia

Leia mais

GengScann Automação Comercial e Industrial. Soluções Inteligentes para Empilhadeiras

GengScann Automação Comercial e Industrial. Soluções Inteligentes para Empilhadeiras GengScann Automação Comercial e Industrial Soluções Inteligentes para Empilhadeiras Nosso Objetivo A biilog tem como objetivo: reduzir custos de manutenção; diminuir riscos com acidentes de trabalho; disponibilizar

Leia mais

ESCAVADEIRA HIDRÁULICA

ESCAVADEIRA HIDRÁULICA Case - Soluções Integradas Equipamentos Financiamento Peças e Serviços Tecnologia de precisão para alta performance. É o que você vai encontrar na escavadeira hidráulica. Motor com três modos de trabalho,

Leia mais

Novos sistemas mecatrônicos embarcados

Novos sistemas mecatrônicos embarcados CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Engenharia Mecatrônica - 1º período Novos sistemas mecatrônicos embarcados Prof.: Renato de Souza Dâmaso Henrique Reis João Henrique Luiz Gustavo

Leia mais

Ajustes e Regulagem de TUEs com foco na Redução do Consumo de Energia

Ajustes e Regulagem de TUEs com foco na Redução do Consumo de Energia Ajustes e Regulagem de TUEs com foco na Redução do Consumo de Energia 2 de 9 Resumo do Trabalho O principal insumo (e o principal custo) para a operação do transporte ferroviário de passageiros é a energia

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA FEIRA INTERMODAL SOUTH AMERICA PERSPECTIVAS DO PAÍS NO SETOR FERROVIÁRIO

COLETIVA DE IMPRENSA FEIRA INTERMODAL SOUTH AMERICA PERSPECTIVAS DO PAÍS NO SETOR FERROVIÁRIO COLETIVA DE IMPRENSA FEIRA INTERMODAL SOUTH AMERICA PERSPECTIVAS DO PAÍS NO SETOR FERROVIÁRIO Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 4 de abril de 2013 ABIFER, há 35 anos ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para automatizar a distribuição de energia elétrica realizada por um total de 35 subestações da Companhia

Leia mais

SMR - Sistema de Medição Remota

SMR - Sistema de Medição Remota Data da 1 / 12 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI S 6. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA 7. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DOS HIDROMÊTROS 8. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTOS EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTOS EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTOS EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA SUA EMPRESA A Empresa Ao longo dos 19 anos de sua existência, a PRIMEIRA LINHA COMERCIAL DE ROLAMENTOS

Leia mais

TÍTULO: SIMULADOR DE SUSPENSÃO AUTOMOTIVA - SSA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SIMULADOR DE SUSPENSÃO AUTOMOTIVA - SSA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULADOR DE SUSPENSÃO AUTOMOTIVA - SSA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Sistema Integrado de Administração de Materiais e Serviços - SIAD Catálogo de Materiais e Serviços - CATMAS SISTEMA ANTIFURTOS

Sistema Integrado de Administração de Materiais e Serviços - SIAD Catálogo de Materiais e Serviços - CATMAS SISTEMA ANTIFURTOS SISTEMA ANTIFURTOS SISTEMA DE DETECÇÃO E IDENTIFICAÇÃO RFID Conjunto composto por 2 antenas com altura mínima de 1,75m, com acabamento transparente e várias configurações de cores do sinal luminoso do

Leia mais

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD 1 XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD Juliana Adabo Atizani Siemens LTDA. Brasil Paulo Roberto Antunes de

Leia mais

845B 865B 885B PERFECT IN EVERY MISSION

845B 865B 885B PERFECT IN EVERY MISSION motoniveladoras 845B 865B 885B PERFECT IN EVERY MISSION casece.com.br experts for the real world since 1842. Inovação tecnológica para um alto desempenho e excelentes resultados. MOTOR. Mais potência com

Leia mais

Automação Interfaces Homem-Máquina. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Interfaces Homem-Máquina. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Linha HMI - Multidrive As interfaces modelos HMI foram desenvolvidas para facilitar a interface do usuário aos inversores

Leia mais

USINA DE ASFALTO CONTRAFLUXO Série KOMPAKT

USINA DE ASFALTO CONTRAFLUXO Série KOMPAKT USINA DE ASFALTO CONTRAFLUXO Série Todas as fotos, ilustrações e especificações estão baseadas em informações vigentes na data da aprovação desta publicação. A Ciber Equipamentos Rodoviários Ltda. se reserva

Leia mais

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²)

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) 1. Esta Especificação destina-se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e de cada

Leia mais

Console Bimanual CBM-W

Console Bimanual CBM-W Fabricado por Sensores Eletrônicos Instrutech 11 5031-5188 CBM CONSOLE BIMANUAL PULSO AJUSTE POWER S1 OUTPUT S2 MANUAL DO USUÁRIO Console Bimanual CBM-W Console Bimanual para acionamento em máquinas operatrizes

Leia mais

MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS

MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS MODELIX SYSTEM SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO DE ROBÔS A Modelix Robotics é pioneira dentre as empresas nacionais no segmento de robótica educacional (uso acadêmico e educação tecnológica) e robótica para usuário

Leia mais

SUMÁRIO. Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento. Aplicação Discussão Conclusão Perguntas. Hardware Software

SUMÁRIO. Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento. Aplicação Discussão Conclusão Perguntas. Hardware Software SUMÁRIO Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento Etapas de preparação Hardware Software Aplicação Discussão Conclusão Perguntas MOTIVAÇÃO Interesse em novas tecnologias Interesse no desenvolvimento

Leia mais

GRUPO PERMANENTE DE AUTO-AJUDA NA ÁREA DE MANUTENÇÃO METROFERROVIÁRIA

GRUPO PERMANENTE DE AUTO-AJUDA NA ÁREA DE MANUTENÇÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO PERMANENTE DE AUTO-AJUDA NA ÁREA DE MANUTENÇÃO METROFERROVIÁRIA 34ª REUNIÃO GPAA METRÔ RIO LOCAL: CBTU-STU/BELO HORIZONTE LOCAL: METRÔ FOR LOCAL: METRÔ RIO PERÍODO: 03, 04 e 05 de Abril. OBJETO Bilhetagem

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo <everson@por.com.br>

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo <everson@por.com.br> Auditoria de Sistemas de Informação Everson Santos Araujo 2 Abordagens Ao redor do computador Através do computador Com o computador 3 Ao redor do computador Auditoria de documento-fonte

Leia mais

Todos os produtos são desenvolvidos e produzidos no Brasil!

Todos os produtos são desenvolvidos e produzidos no Brasil! CATÁLOGO DE PRODUTOS 01/2014 A MBTech é uma empresa focada em soluções tecnológicas e desenvolvimento de produtos que aliam a inovação tecnológica ao perfil da indústria brasileira. Com equipe de desenvolvimento

Leia mais

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 4 BARREIRAS ÓTICAS

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 4 BARREIRAS ÓTICAS MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA SISTEMAS DE SEGURANÇA 4 BARREIRAS ÓTICAS INTRODUÇÃO Este trabalho é uma compilação de informações sobre várias formas de proteções em máquinas e equipamentos. A Norma Regulamentadora

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SENSOR MATRIX

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SENSOR MATRIX ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SENSOR MATRIX 1. DEFINIÇÃO O Sensor Matrix é uma nova geração de sensores de contagem automática de pessoas que utiliza o processamento de imagens 3D pelo método TOF (Time of Flight,

Leia mais

MECÂNICA PREVENTIVA E CORRETIVA EM VEÍCULOS PESADOS

MECÂNICA PREVENTIVA E CORRETIVA EM VEÍCULOS PESADOS Seleção Competitiva Interna 2013 MECÂNICA PREVENTIVA E CORRETIVA EM VEÍCULOS PESADOS Fabrício De Souza Alves MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DE VEÍCULOS PESADOS. O que é manutenção preventiva? Trata-se

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ATIVOS APLICADO À MANUTENÇÃO DE SISTEMAS INDUSTRIAIS

GERENCIAMENTO DE ATIVOS APLICADO À MANUTENÇÃO DE SISTEMAS INDUSTRIAIS GERENCIAMENTO DE ATIVOS APLICADO À MANUTENÇÃO DE SISTEMAS INDUSTRIAIS Moisés do Nascimento Carvalho, Josué Silva de Morais, Aniel Silva de Morais, Marcio José da Cunha, Fábio Vincenzi Romualdo da Silva,

Leia mais

GEAPS EXCHANGE 99 Sessão Educacional. O que há de novo: Watchdog Elite da 4B Elevator Components Ltd. Monitor de Elevador de Caçamba para o Século 21

GEAPS EXCHANGE 99 Sessão Educacional. O que há de novo: Watchdog Elite da 4B Elevator Components Ltd. Monitor de Elevador de Caçamba para o Século 21 GEAPS EXCHANGE 99 Sessão Educacional Visita 4B no Stand # 500 O que há de novo: Watchdog Elite da 4B Elevator Components Ltd. Monitor de Elevador de Caçamba para o Século 21 Uma apresentação por Johnny

Leia mais

Disjuntor a Vácuo uso Interno

Disjuntor a Vácuo uso Interno Disjuntor a Vácuo uso Interno D27 - U 1 Sumário 1. Aplicação... 3 2. Condições Normais de Serviço... 4 3. Principais Parâmetros Técnicos... 4 4. Estrutura e Operação do Disjuntor... 5 4.1. Estrutura Geral:...

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas

Avaliação de Desempenho de Sistemas Avaliação de Desempenho de Sistemas Introdução a Avaliação de Desempenho de Sistemas Prof. Othon M. N. Batista othonb@yahoo.com Roteiro Definição de Sistema Exemplo de Sistema: Agência Bancária Questões

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA MANUAL DO ALUNO CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES

Leia mais

laser cutting efficiency in BySprint Fiber

laser cutting efficiency in BySprint Fiber efficiency in laser cutting BySprint Fiber Equipamento rápido para corte a laser com laser de fibra de alta tecnologia para o processamento econômico de chapas finas 2 BySprint Fiber rápida, simples, lucrativa

Leia mais

SISTEMA SUPERVISÓRIO PARA SALAS DE AULA

SISTEMA SUPERVISÓRIO PARA SALAS DE AULA SISTEMA SUPERVISÓRIO PARA SALAS DE AULA Arthur Mayer 1 ; Carolina Adam 2 ; Felipe Serpa 3 ; Wesley Lopes 4 ; Raul Eduardo Fernandez Sales 5 ; Pablo Andrés Reyes 6 ; Tiago Possato 7 INTRODUÇÃO Atualmente

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO ] CONVERSOR DE SINAL PARA CÉLULA DE CARGA (Versão 1.2 Out./10) 1 INDÍCE PÁG. 1 Garantia 3 2 Introdução 3 3 Instalação 3 4 Dados Técnicos 4 5 Alimentação Elétrica 4 6 Disposição

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento 02 REVISÃO MAR/13 01 REVISÃO JAN/13 00 EMISSÃO INICIAL SET/12 Rev. Modificação Data Autor Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica 1 - Arquitetura 2 - Estruturas 3 - Hidrossanitárias 4 - Elétrica 5 - Eletrônica

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO OPÇÕES DE PIVÔ PIVÔS ZIMMATIC BY LINDSAY ADEQUADOS PARA QUALQUER ÁREA Você pode acoplar componentes e acessórios para construir seu próprio sistema. Com Zimmatic, você escolhe seu

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

Controle de Acesso. Controle Remoto GS CAR CT. gigasecurity.com.br. Santa Rita do Sapucaí - MG Tel: 55 35 3473 4300

Controle de Acesso. Controle Remoto GS CAR CT. gigasecurity.com.br. Santa Rita do Sapucaí - MG Tel: 55 35 3473 4300 gigasecurity.com.br Controle de Acesso Controle Remoto Estacionamentos corporativos Garagens Residenciais GS CAR CT Rua José Pinto Vilela, 156 -Centro CEP: 37540-000 Santa Rita do Sapucaí - MG Tel: 55

Leia mais

92% DE COBERTuRA, EM ESTOQuE DE PEÇAS, PARA TODAS AS LINHAS QuE DISTRIBuI

92% DE COBERTuRA, EM ESTOQuE DE PEÇAS, PARA TODAS AS LINHAS QuE DISTRIBuI Conheça a Maxter Máquinas 2 Maxter é uma empresa especializada na distribuição de máquinas e Aimplementos para os setores da construção, mineração, indústria e agrícola, com produtos de alta qualidade

Leia mais

Caminhões para longas distâncias

Caminhões para longas distâncias Caminhões para longas distâncias 2 SCANIA CAMINHÕES PARA LONGAS DISTÂNCIAS Veículos Rodoviários Scania, incomparáveis em todos os sentidos. Um caminhão Scania é, em muitos aspectos, o sonho de qualquer

Leia mais

ER900 & ES900 ESCADAS ROLANTES & ESTEIRAS

ER900 & ES900 ESCADAS ROLANTES & ESTEIRAS ER900 & ES900 ESCADAS ROLANTES & ESTEIRAS www.grupojmms.com A solução perfeita para sua demanda e necessidade. Nossas soluções buscam trazer benefícios e segurança para seu empreendimento. Uma escolha

Leia mais

Manual. MOVITRAC B Desligamento seguro Aplicações. Edição 06/2007 11468793 / BP

Manual. MOVITRAC B Desligamento seguro Aplicações. Edição 06/2007 11468793 / BP Motoredutores \ Redutores Industriais \ Conversores de freqüência \ Automação \ Service Desligamento seguro Aplicações Edição 06/007 6879 / BP Manual SEW-EURODRIVE Driving the world Índice Indicações importantes...

Leia mais

100% electricity. Correção automática do fator de potência

100% electricity. Correção automática do fator de potência 100% electricity Correção automática do fator de potência Correção Automática do Fator de Potência Controladores automáticos do fator de potência DCRK DCRJ Programação digital Configuração com 5 ou 7 estágios,

Leia mais

Métodos de Apreciação de Riscos de Máquinas e Equipamentos Usados no Brasil

Métodos de Apreciação de Riscos de Máquinas e Equipamentos Usados no Brasil Métodos de Apreciação de Riscos de Máquinas e Equipamentos Usados no Brasil 30 de outubro de 2014 Brasília - DF Eng João Baptista Beck Pinto Metodologias de Apreciação de Riscos ELEMENTOS DO RISCO Risco

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS

ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO III REQUISITOS MÍNIMOS PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS 1 1. Estrutura Física / Equipamentos de Garagens e Pátios de Estacionamento 1.1. Especificação do Padrão das Garagens e Pátios de Estacionamento

Leia mais

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE ENQUALAB-2008 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo REMESP 09 a 12 de junho de 2008, São Paulo, Brasil DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE Alex

Leia mais

ESCAVADEIRA HIDRÁULICA

ESCAVADEIRA HIDRÁULICA Case Soluções Integradas Equipamentos Financiamento Peças e Serviços A escavadeira inteligente da Case ficou ainda mais potente. A tem um novo motor de 6 cilindros, que proporciona uma potência líquida

Leia mais

KPF08 e KPF-12. Controladores de Fator de Potência. [1] Introdução. [4] Grandezas medidas. [2] Princípio de funcionamento.

KPF08 e KPF-12. Controladores de Fator de Potência. [1] Introdução. [4] Grandezas medidas. [2] Princípio de funcionamento. [1] Introdução Controladores de fator de potência são instrumentos utilizados para medição e compensação de potência reativa em instalações elétricas. O fator de potência, definido pela razão entre potência

Leia mais

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos Engenharia de Software Fase de Análise de Requisitos Engenharia de Sistemas de Computador ANÁLISE DE REQUISITOS ANÁLISE DE REQUISITOS Projeto de Software 1 2 Tipos de Requisitos 3 4 Tipos de requisitos

Leia mais

Ligação da rede elétrica 19. Visão lateral fonte. Rede (100 ~240 Vac) 60 Hz. Neutro (Azul Claro 1,5 mm 2 ) Fase (Preto 1,5 mm 2 ) Visão frontal

Ligação da rede elétrica 19. Visão lateral fonte. Rede (100 ~240 Vac) 60 Hz. Neutro (Azul Claro 1,5 mm 2 ) Fase (Preto 1,5 mm 2 ) Visão frontal Ligação da rede elétrica A ligação com a rede elétrica é feita diretamente no módulo placa do carregador e conexões INC 2000, conforme a figura a seguir: Visão lateral fonte Terra (Verde 1,5 mm 2 ) Visão

Leia mais