Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade."

Transcrição

1 AIDS É UMA DOENÇA DE JOVENS : VULNERABILIDADE AO HIV/AIDS EM PESSOAS NA MATURIDADE E VELHICE Josevânia da Silva; Katharine Silva Fontes; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa PB, Brasil. Introdução: A vulnerabilidade ao HIV/AIDS varia em função das crenças pessoais sobre a doença e suas formas de contágio, bem como está relacionada com os recursos e medidas de proteção que os atores sociais dispõem. Objetivo: Identificar as crenças sobre a AIDS e sobre a AIDS na velhice em pessoas acima de 50 anos e sua relação com a vulnerabilidade ao HIV/AIDS. Método: Participaram 80 pessoas da população em geral da cidade de João Pessoa-PB, Brasil, com idades variando entre 50 a 78 anos, com faixa etária predominante entre anos (41%), sendo a maioria homens (76%). Para a coleta dos dados, foram utilizados os seguintes instrumentos: 1) Escala de crenças acerca da AIDS; 2) Questionário de Crenças acerca da AIDS na velhice 3) Questionário sóciodemográfico. Os dados foram analisados através de estatísticas descritivas e bivariadas. Resultados: Os participantes concordaram quanto ao uso de preservativo nas relações sexuais, sendo enfatizada a importância da informação. Todavia, verificou-se uma média de 72,84 (DP=12) no Fator Preconceito, indicativos de crenças equivocadas sobre a AIDS na velhice, estando tais crenças correlacionadas (r=-0,32; p<0,05) com nível de escolaridade. No tocante ao Fator Percepção de vulnerabilidade, verificou-se que os participantes, em comparação com os amigos, se percebem menos vulneráveis ao HIV/AIDS. Conclusão: A subestimação do risco pessoal de contágio e as crenças equivocadas sobre a AIDS na velhice apresentaramse como aspectos que potencializam a vulnerabilidade, principalmente quando tal percepção é associada ao preconceito, ao baixo nível de escolaridade e pouca informação/discussão dessa temática entre os idosos. Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade. Na maturidade e na velhice, a AIDS apresenta-se através de visões estigmatizadas e equivocadas, estando o impacto da doença nesse grupo etário não apenas no diagnóstico, mas, também, no fato de desvelar os hábitos, até então não revelados, como a sexualidade, na qual a manifestação do desejo sexual é traduzido, muitas vezes, pelo preconceito. Segundo Lieberman (2000), a possibilidade de uma pessoa idosa ser infectada pelo HIV parece ser invisível para a sociedade e para os próprios idosos, uma vez que a sexualidade nesta faixa etária, ainda, é tratada como tabu (Vieira, 2004). Assim, na perspectiva de Saldanha, Figueiredo e Coutinho (2005), a adoção de uma abordagem ampla da AIDS, enquanto fenômeno social, parte

2 da premissa de que tal fenômeno é perpassado por várias questões: princípios morais e religiosos, comportamentos individuais e questões relativas à sexualidade, gênero, entre outras. Durante as duas primeiras décadas de enfrentamento da doença, as propagandas de prevenção às DST`s (Doenças Sexualmente Transmissíveis) enfatizavam jovens e pessoas em idade reprodutiva, contribuindo para a formação de crenças equivocadas entre os idosos, como a crença de que não são vulneráveis ao HIV (Oliveira, Lima & Saldanha, 2008). No entanto, em 2009, ocorreu um avanço neste sentido, uma vez que as campanhas de prevenção à AIDS promovidas pelo Ministério da Saúde do Brasil tiveram por foco as pessoas acima de 50 anos, dado o aumento dos casos diagnosticados nessa população. A ampliação na contaminação pelo HIV entre os idosos, de acordo com Oliveira et al. (2008), acontece, em parte, devido à resistência em utilizar o preservativo, seja por receio de perder a ereção, seja por não saberem utilizar o preservativo ou mesmo por acreditarem que a proteção só é necessária nas relações extraconjugais. Há que se considerar, ainda, que essas pessoas acima de 50 anos, na atualidade, não iniciaram sua vivência sexual, quando mais jovem, com o uso da camisinha, o que dificulta o uso contínuo do preservativo, deixado-os mais vulneráveis a adquirir DST`s. Considerando uma abordagem preventiva, todas as pessoas são vulneráveis e, portanto, a garantia do direito às políticas públicas de saúde é imprescindível, principalmente em se tratando de populações estigmatizadas mulheres, crianças, profissionais do sexo, idosos, entre outras. Assim, a vulnerabilidade pode ser entendida como diferentes graus e naturezas de suscetibilidade de indivíduos e coletividades à infecção, adoecimento e morte pelo HIV, segundo particularidades formadas pelo conjunto dos aspectos sociais, programáticos e individuais (Ayres, 1997, p.3). Saldanha et al. (2005) acrescentam, ainda, que o indivíduo vulnerável não tem meios para se proteger, nem acesso aos cuidados com sua saúde, acesso à educação, nem ao trabalho, à fonte de renda ou à moradia, além de não ser alguém livre para escolher ou propor. Não significa, entretanto, discriminar os indivíduos com a determinação de características individuais e sociais importantes na exposição ao

3 vírus, mas o termo vulnerabilidade está relacionado ao campo de análise da saúde das populações e a busca por estratégias de prevenção (Ayres, França Junior, Calazan e Saletti, 1999). A noção de vulnerabilidade compreenderia a inter-relação entre as práxis sociais, político-institucionais e comportamentais, as quais estariam associadas às diferentes suscetibilidades de indivíduos e grupos populacionais, bem como às conseqüências do HIV/AIDS. Ainda sobre a vulnerabilidade na maturidade e velhice, verifica-se uma percepção de invulnerabilidade ao HIV/AIDS, tendo por base as crenças equivocadas e o desconhecimento do fenômeno e seus determinantes. Assim, muitas pessoas possuem a crença de que apenas o outro é vulnerável. Nesse sentido, este estudo teve por objetivo identificar as crenças sobre a AIDS e sobre a AIDS na velhice em pessoas acima de 50 anos e sua relação com a vulnerabilidade ao HIV/AIDS. Para tanto, participaram 80 pessoas da população em geral da cidade de João Pessoa-PB, Brasil, sendo a maioria do sexo masculino (76%), com idades variando entre 50 a 78 anos, distribuídos na faixa-etária de anos (31%), de anos (41%) e de (28%), respectivamente, apresentando, a maioria (52,6%), escolaridade variando de sem grau de escolaridade ao ensino fundamental completo.. Para a coleta dos dados, foram utilizados os seguintes instrumentos: 1) Escala de crenças acerca da AIDS, possuindo 21 itens; 2) Questionário de Crenças acerca da AIDS na velhice, a qual apresenta as dimensões Preconceito (9 itens) e Percepção de Vulnerabilidade (3 itens); e 3) Questionário sóciodemográfico. Ambas as escalas foram respondidas através de uma escala tipo Likert, variando de 1 (discordo plenamente) a 5 (concordo plenamente). Os escores do questionário foram transformados em índices com ponderação de 0 a 100, considerando-se como ponto de corte para grau de concordância as médias superiores a 50 pontos. Os dados foram analisados através de estatísticas descritivas e bivariadas. Os participantes concordaram quanto ao uso de preservativo nas relações sexuais, sendo enfatizada a importância da informação. Todavia, verificou-se uma média de 72,84 (DP=12) no Fator Preconceito, indicativos de crenças equivocadas sobre a AIDS na velhice. Desse modo, dentre outros aspectos, os participantes

4 concordaram que a AIDS na velhice é conseqüência da libertinagem e promiscuidade e que O idoso soropositivo sofre mais preconceito do que o jovem. A variável é vergonhoso ter AIDS na velhice foi a afirmativa de maior concordância entre os participantes, seguido da crença A AIDS na velhice é uma decepção. Nesse sentido, Figueiredo (2004) afirmou que a AIDS no contexto da velhice é considerada como doença contagiosa e sinônimo de morte, associada às minorias, prevalecendo a crença acerca da responsabilidade individual das pessoas contaminadas. A AIDS, então, é apresentada como responsabilidade e culpa de determinados grupos de riscos que, embora ratificados socialmente, ainda são elucidados. Verificou-se, ainda que fraca (r= -0,32; p < 0,05), uma correlação inversa entre o nível de escolaridade e o Fator Preconceito, indicando a necessidade da formação/informação como aspectos essenciais para a redução de crenças equivocadas e do preconceito sobre a AIDS na velhice. Nessa perspectiva, dentre as diretrizes internacionais propostas pelo UNAIDS (2000) e IPU, a Diretriz IX postula que Os Estados devem promover uma distribuição ampla e contínua de educação criativa, treinamento e programas de mídia, especialmente elaborada para mudar as atitudes de discriminação e estigma associadas ao HIV/AIDS (p.90). Desse modo, busca-se, por meio da educação, a mudança de atitudes preconceituosas frente a AIDS, uma vez que tais medidas são necessárias para, inclusive, evitar o diagnóstico e o tratamento tardio. O desconhecimento sobre o fenômeno, além de contribuir para a formação de crenças equivocadas, contribui para a vulnerabilidade individual desse segmento populacional, uma vez que, segundo Ayres, França Junior, Calazan e Saletti (2003) a vulnerabilidade individual está relacionada, ainda, ao nível e à qualidade da informação disponíveis aos indivíduos acerca do problema, bem como à capacidade dos mesmos para elaborar tais informações e integrá-los à sua vivência cotidiana. No tocante ao Fator Percepção de vulnerabilidade, verificou-se que os participantes, em comparação com os amigos, se percebem menos vulneráveis ao HIV/AIDS. Corroborando tal resultado, estudo realizado por Saldanha e Araújo (2006), ao comparar as representações sociais acerca da AIDS entre idosos soropositivos para o HIV e idosos da população geral, demonstrou, neste último

5 grupo, a existência de uma vulnerabilidade não percebida. Já os idosos com AIDS representaram-na como uma doença fatal, vivenciada com constrangimento e associada à promiscuidade, sendo os indivíduos responsáveis por sua própria enfermidade (Saldanha e & Araújo, 2006), fato também verificado entre os participantes da presente pesquisa. A subestimação do risco pessoal de contágio e as crenças equivocadas sobre a AIDS na velhice apresentaram-se como aspectos que potencializam a vulnerabilidade, principalmente quando tal percepção é associada ao preconceito, ao baixo nível de escolaridade e pouca informação/discussão dessa temática entre os idosos. Além disso, a percepção de vulnerabilidade e o preconceito, decorrentes de crenças equivocadas, apontam para o papel das esferas sociais e político-institucionais junto diferentes suscetibilidades dos indivíduos, demandando a necessidade de ações em saúde pública específicas para essa categoria social. Referências Ayres, J. R. C. M.; França, Jr.; Calazans, G.; Saletti Filho, H. C. (1999). AIDS, Vulnerabilidade e prevenção em tempos de AIDS. In: Barbosa, R. M., Parker, R. (Orgs.). Sexualidades pelo avesso: direitos, identidades e poder (pp.49-72). IMS, UERJ: Rio de Janeiro. Ayres, J. R. C. M. (1997). Vulnerabilidade e AIDS: para uma resposta social à epidemia. Boletim Epidemiológico/DST-AIDS, v.15, n.3, p Ayres, J. R. C. M.; França, Jr.; Calazans, G.; Saletti Filho, H. C. (2003). O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: Czeresnia D., Freitas C. M. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp ). Rio de Janeiro: Fiocruz. Figueiredo, M. A. C. (2004). Um estudo de crenças e representações em cuidadores domésticos de pessoas com AIDS e acompanhantes de ambulatório de crianças soropositivas para o HIV. Subsídios para programas de orientação e suporte psicológico do atendimento domiciliar. Recuperado em 13 julho, 2008, de

6 Lieberman, R. (2000). HIV in older Americans: an epidemiologic Perspective. Journal of Midwifery & Women s Health, v.45, n.2, p Oliveira, J. S. C.; Lima, F. L. A.; Saldanha, A. A. W. (2008). Qualidade de Vida em pessoas com mais de 50 anos HIV+: um estudo comparativo com a população geral. Jornal brasileiro de doenças sexualmente transmissíveis, no Prelo, p Saldanha, A. A. W.; Figueiredo, M. A. C.; Coutinho, M. P. L. (2005). AIDS: trajetória e tendências da Epidemia a legitimação de um universo simbólico. In: Coutinho, M. P. L.; Saldanha, A. A. W. Representação Social e Práticas de Pesquisa (pp ). João Pessoa: Ed. UFPB. Saldanha, A. A. W.; Araújo, L. F. (2006). A AIDS na Terceira Idade na Perspectiva dos Idosos, Cuidadores e Profissionais de saúde. VII Congresso Virtual HIV/AIDS - O VIH/SIDA na Criança e no Idoso, v.1, n.1, p UNAIDS; Inter Parlamentary Union. (2000). Compêndio para legisladores sobre HIV/AIDS, legislação e Direitos Humano: ação para combater o HIV/AIDS em virtude do seu impacto devastador sobre os aspectos humano, econômico e social (Trad. Célia Leal da Costa Genovez). Brasília: UNESCO. Vieira, E. B. (2004). Manual de Gerontologia - Um Guia Teórico-Prático para Profissionais, Cuidadores e Familiares (2ª ed.). Rio de Janeiro: Revinter.

7 Josevânia da Silva Psicóloga, Mestre em Psicologia Social/UFPB; Doutoranda em Psicologia/UFPB. Katharine Silva Fontes Psicóloga. Ana Alayde Werba Saldanha Professora/Pesquisadora do Programa de Pós- Graduação em Psicologia Social da UFPB. Doutora em Psicologia pela FFCLRP- USP.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso. ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DO COTIDIANDO DE PESSOAS SOROPOSITIVAS AO HIV/AIDS NA MATURIDADE E NA VELHICE Josevânia da Silva; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa PB, Brasil.

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A AIDS NA VELHICE NA PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Ana Alayde Werba Saldanha*; Isabel Cristina V. Oliveira**; Ludgleydson Fernandes de. Araújo***; Josevânia Silva* *Universidade Federal da Paraíba,

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). CRENÇAS ACERCA DO CONTROLE SOBRE A SAÚDE EM PESSOAS SOROPOSITIVAS AO HIV/AIDS NA MATURIDADE E VELHICE Josevânia da Silva; Valdileia Carvalho de Sousa; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da

Leia mais

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS Nayara Ferreira da Costa¹; Maria Luisa de Almeida Nunes ²; Larissa Hosana Paiva de Castro³; Alex Pereira de Almeida 4

Leia mais

HIV/AIDS, Envelhecimento e Transtornos Mentais Comuns: um estudo exploratório

HIV/AIDS, Envelhecimento e Transtornos Mentais Comuns: um estudo exploratório HIV/AIDS, Envelhecimento e Transtornos Mentais Comuns: um estudo exploratório Josevânia da Silva UNIPE josevaniasco@gmail.com Jéssica Oliveira Galvão UFPB Jessica92.og@hotmail.com Ana Alayde Werba Saldanha

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS Regina Lígia Wanderlei de Azevedo FIP regina.azevedo@gmail.com Josevânia da Silva UNIPÊ josevaniasco@gmail.com

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes.

Mostra de Projetos 2011. Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes. Mostra de Projetos 2011 Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes. Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO

TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO Nelise Coelho 1 ; Janete Lane Amadei 2 ; Eliane Aparecida Tortola 3 ; Marta Evelyn Giasante Storti 3 ; Edilson

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante 22 Entrevista Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante Texto: Guilherme Salgado Rocha Fotos: Denise Vida O psicólogo Nilo Martinez Fernandes, pesquisador da Fundação

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública Por Guilherme Wendt, Equipe SIS.Saúde INTRODUÇÃO Devido aos avanços técnico-científicos observados no mundo, consequentes transformações foram percebidas,

Leia mais

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS DALILA CASTELLIANO DE VASCONCELOS YANA THAMIRES MENDES FELIX Universidade Federal da Paraíba (UFPB),

Leia mais

A ENFERMAGEM E A VULNERABILIDADE DOS ADOLESCENTES FRENTE ÀS IST/HIV/AIDS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

A ENFERMAGEM E A VULNERABILIDADE DOS ADOLESCENTES FRENTE ÀS IST/HIV/AIDS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA A ENFERMAGEM E A VULNERABILIDADE DOS ADOLESCENTES FRENTE ÀS IST/HIV/AIDS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Mariélisson Urbano dos Santos 1 Heloane Medeiros do Nascimento 2 Luciana Dantas Farias de Andrade 3 Maria

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

AIDS EM PESSOAS IDOSAS: ASPECTOS DA VULNERABILIDADE

AIDS EM PESSOAS IDOSAS: ASPECTOS DA VULNERABILIDADE AIDS EM PESSOAS IDOSAS: ASPECTOS DA VULNERABILIDADE Lais Vasconcelos Santos (1); Maria Inês Borges Coutinho (2); Keiliane Ribeiro de Souza (3); Ádylla Maria Alves de Carvalho (4); Sheila Milena Pessoa

Leia mais

REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS

REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS Manuela Estolano Coordenadora Nacional Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo com HIV/Aids REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO

Leia mais

Manual do facilitador

Manual do facilitador Manual do facilitador Introdução Este manual faz parte do esforço para institucionalizar o sistema de informação de uma maneira coordenada a fim de que as informações possam ser de acesso de todos que

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 A enfermagem atuando na prevenção da saúde do adolescente propondo a redução das DST Doenças Sexualmente Transmissíveis e Minimizando os números de Gravidez na Adolescência. Mostra

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI

HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI 1 HISTÓRIAS DA EDUCAÇÃO DA TEMÁTICA SIDA/AIDS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE PARNAÍBA/PI Roberto Kennedy Gomes Franco, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB, e-mail: robertokennedy@unilab.edu.br

Leia mais

O uso do preservativo entre jovens homens que fazem sexo com homens, frequentadores de boates gays, no Município do Rio de Janeiro, Brasil.

O uso do preservativo entre jovens homens que fazem sexo com homens, frequentadores de boates gays, no Município do Rio de Janeiro, Brasil. Universidade Veiga de Almeida Centro de Ciências Biológicas da Saúde Curso de Graduação em Enfermagem Campus Tijuca O uso do preservativo entre jovens homens que fazem sexo com homens, frequentadores de

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS CRONOGRAMA (PRAZO) Realizar reuniões com Conselhos de Saúde,

Leia mais

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde O que é a PEP sexual? O emprego de antirretrovirais vem sendo discutido em todo mundo como estratégia

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM O USO DE UM BRINQUEDO ARTESANAL NA CONSCIENTIZAÇÃO AO PRECONCEITO COM PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM O USO DE UM BRINQUEDO ARTESANAL NA CONSCIENTIZAÇÃO AO PRECONCEITO COM PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM O USO DE UM BRINQUEDO ARTESANAL NA CONSCIENTIZAÇÃO AO PRECONCEITO COM PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS Cleverson José Bezerra Guedes 1 Aurea Regina Telles Pupulin 2 Paula

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO OBJETIVO GERAL DO PLANO ESTADUAL Enfrentar a epidemia do HIV/aids e das DST entre gays, outros HSH

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

SINALIZANDO A SAÚDE PARA TODOS: HIV/AIDS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SINALIZANDO A SAÚDE PARA TODOS: HIV/AIDS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SINALIZANDO A SAÚDE PARA TODOS: HIV/AIDS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Marta Gil e Sérgio Meresman (*) Uma epidemia que não cessa Quase cinco milhões de pessoas contraíram o vírus da Aids, o HIV, ao longo

Leia mais

Prevenção. Alianças. Direitos. Assistência. HIV/AIDS + TRABALHO Diretrizes para. os sindicatos. www.oit.org/aids OIT/AIDS

Prevenção. Alianças. Direitos. Assistência. HIV/AIDS + TRABALHO Diretrizes para. os sindicatos. www.oit.org/aids OIT/AIDS HIV/AIDS + TRABALHO Diretrizes para os sindicatos Prevenção Assistência Direitos Alianças Como utilizar o Repertório de Recomendações Práticas da OIT sobre o HIV/Aids e o Mundo do Trabalho e seu Manual

Leia mais

AIDS, Estigma e Preconceito: a percepção da Terceira Idade

AIDS, Estigma e Preconceito: a percepção da Terceira Idade AIDS, Estigma e Preconceito: a percepção da Terceira Idade Josevânia da Silva 1 ; Katharine Silva Fontes 2 ; Ana Alayde Werba Saldanha 3 ; Ludgleydson Fernandes Araújo 4 Introdução: O estigma e o preconceito

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS CRENÇAS MASCULINAS DE GÊNERO NOS CUIDADOS EM SAÚDE E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A VULNERABILIDADE A AIDS

A INFLUÊNCIA DAS CRENÇAS MASCULINAS DE GÊNERO NOS CUIDADOS EM SAÚDE E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A VULNERABILIDADE A AIDS A INFLUÊNCIA DAS CRENÇAS MASCULINAS DE GÊNERO NOS CUIDADOS EM SAÚDE E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A VULNERABILIDADE A AIDS Michael Augusto Souza de Lima 1 Jéssica Oliveira Galvão² Ana Alayde Werba Saldanha³

Leia mais

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL

USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL USO DO PRESERVATIVO POR CASAIS HETEROSSEXUAIS EM UNIÃO ESTÁVEL INTRODUÇÃO: Ítala Mônica de Sales Santos Joelma Barros de Sousa Ana Izabel Oliveira Nicolau As Doenças sexualmente transmissíveis, principalmente

Leia mais

ÍNDICE GERAL. 2.1. VIH/sida no Mundo... 40 2.2. VIH/sida em Portugal... 42

ÍNDICE GERAL. 2.1. VIH/sida no Mundo... 40 2.2. VIH/sida em Portugal... 42 ÍNDICE GERAL PREFÁCIO... 9 APRESENTAÇÃO... 11 1ª PARTE: ENQUADRAMENTO TEÓRICO INTRODUÇÃO... 15 CAPÍTULO 1 OS ADOLESCENTES E OS JOVENS ADULTOS... 19 1.1. Limites temporais da adolescência... 20 1.2. Puberdade

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento sexual de risco; Psicologia da Saúde; Universitários; Prevenção.

Palavras-chave: Comportamento sexual de risco; Psicologia da Saúde; Universitários; Prevenção. COMPORTAMENTO SEXUAL DE RISCO EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Ellidja Evelyn de Sousa Barbalho Lúcia Maria de Oliveira Santos Departamento de Psicologia GEPS

Leia mais

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA Bernadette Waldvogel 1 Lilian Cristina Correia Morais 1 1 INTRODUÇÃO O primeiro caso brasileiro conhecido de morte por Aids ocorreu em 1980,

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSÉ GOMES, PATOS, PARAÍBA, BRASIL Kelvy Fellipe Gomes de Lima 1 ; Lucas Silva Leite 1 ; Anna Fernanda Beatriz Amorim

Leia mais

Palavras-chave: Adolescência; crenças religiosas; vulnerabilidade.

Palavras-chave: Adolescência; crenças religiosas; vulnerabilidade. CRENÇAS RELIGIOSAS E VULNERABILIDADE AS DSTS, HIV E GRAVIDEZ EM ADOLESCENTES FEMININAS Karla Carolina Silveira Ribeiro 1 Francisca Marina De Souza Freire 2 Ana Alayde Werba Saldanha 3 Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

SAÚDE, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO ESCOLAR: CONCEPÇÕES DE PAIS DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

SAÚDE, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO ESCOLAR: CONCEPÇÕES DE PAIS DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO SAÚDE, SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO ESCOLAR: CONCEPÇÕES DE PAIS DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Edenilse Batista Lima i (SEED/SE) João Rogério de Menezes ii RESUMO Uma medida promissora para a promoção da saúde do

Leia mais

Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo

Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo Minorias sexuais Historial: O conselho do Fundo Mundial de Luta contra

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE Marília Viana Berzins Secretaria Municipal da Saúde /Cidade de São Paulo mariliaa@prefeitura.sp.gov.br

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Prevenção Total

Mostra de Projetos 2011. Prevenção Total Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos finalizados. Cidade: Marmeleiro Contato: lucianiberti@yahoo.com.br Autor (es): Luciani Aparecida Berti Mostra de Projetos 2011 Prevenção Total

Leia mais

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo

Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Contracepção de Emergência entre Estudantes de Ensino Médio e Público do Município de S. Paulo Regina Figueiredo Instituto de Saúde SES/SP reginafigueiredo@uol.com.br Equipe de Pesquisa: Regina Figueiredo,

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA POSSIBILIDADE REAL DE COMBATE AO PRECONCEITO DE IDENTIDADE DE GÊNERO

A EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA POSSIBILIDADE REAL DE COMBATE AO PRECONCEITO DE IDENTIDADE DE GÊNERO A EDUCAÇÃO ESCOLAR: UMA POSSIBILIDADE REAL DE COMBATE AO PRECONCEITO DE IDENTIDADE DE GÊNERO Luciana do Carmo Ferreira UFMS lu_dcf@hotmail.com Drª. Inara Barbosa Leão UFMS inarableao@hotmail.com Lívia

Leia mais

Educação Integral em Sexualidade. Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012

Educação Integral em Sexualidade. Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012 Educação Integral em Sexualidade Edison de Almeida Silvani Arruda Guarulhos, setembro 2012 Prevenção Também se Ensina Princípio Básico Contribuir para a promoção de um comportamento ético e responsável,

Leia mais

AÇÕES EM PROL DA VIDA - PRÁTICAS EDUCATIVAS NA PREVENÇÃO DA AIDS NO VALE DO JEQUITINHONHA Eyleen Nabyla Alvarenga 1 Roberta Barroso 2

AÇÕES EM PROL DA VIDA - PRÁTICAS EDUCATIVAS NA PREVENÇÃO DA AIDS NO VALE DO JEQUITINHONHA Eyleen Nabyla Alvarenga 1 Roberta Barroso 2 AÇÕES EM PROL DA VIDA - PRÁTICAS EDUCATIVAS NA PREVENÇÃO DA AIDS NO VALE DO JEQUITINHONHA Eyleen Nabyla Alvarenga 1 Roberta Barroso 2 INTRODUÇÃO Atualmente, as atividades educativas têm se articulado nas

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS

VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS VARIÁVEIS PREDITORAS DA AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS COM HIV/AIDS Josevania da Silva UNIPÊ/UEPB josevaniasco@gmail.com Renata Pires Mendes da Nóbrega UNIPÊ - renata_pmn@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES,

EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES, EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES, Penélope Bueno 1 ; MORAES, Paula Ávila 1 SANTOS, Paulie

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

Joyce das Flores 1 1 Mestra em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/ UFRJ).

Joyce das Flores 1 1 Mestra em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/ UFRJ). As práticas do cuidado em saúde num serviço hospitalar de doenças infecciosas e parasitárias do Rio de Janeiro como principal destino do itinerário terapêutico das pessoas que vivem com HIV/aids. Joyce

Leia mais

Pesquisa de opinião Profissional de comunicação e sustentabilidade

Pesquisa de opinião Profissional de comunicação e sustentabilidade Pesquisa de opinião Profissional de comunicação e sustentabilidade O Instituto ABERJE de Pesquisas (DATABERJE) realizou uma pesquisa de opinião sobre sustentabilidade com mulheres da área de comunicação,

Leia mais

Roteiro para consolidação do Plano de Ação / Rio de Janeiro. Metas Atividades Parceria s. fóruns e

Roteiro para consolidação do Plano de Ação / Rio de Janeiro. Metas Atividades Parceria s. fóruns e Roteiro para consolidação do Plano de Ação / Rio de Janeiro Contexto de vulnerabilidade -Complexidade da vivência da sexualidade (subjetividades); -Fragilidade da gestão do sistema de saúde (descontinuidade

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIABC

TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIABC Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS

Leia mais

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Gabriela Calazans FCMSCSP, FMUSP II Seminário Nacional sobre Vacinas e novas Tecnologias de Prevenção

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS DISTRITO FEDERAL

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS DISTRITO FEDERAL PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS DISTRITO FEDERAL Objetivo 1: Contribuir para a redução das vulnerabilidades às DST, hepatites e HIV/aids,

Leia mais

Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo.

Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo. Influências no comportamento sexual dos universitários: o uso do preservativo. CUNHA, E. V. & SILVA, L. L. 1 Resumo A influência de campanhas da AIDS sobre o comportamento sexual dos jovens é algo ainda

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Anexo II - Termo de Referência I IDENTIFICAÇÃO Contratação de pessoa jurídida para realizar estudo sobre O acesso e efeito dos programas de proteção social, em homens e mulheres trabalhadores na economia

Leia mais

NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS

NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS Vanessa Prado dos Santos¹ Maria Thereza Ávila Dantas Coelho²

Leia mais

Histórias de vida de mulheres HIV + ativistas: mudanças e permanências

Histórias de vida de mulheres HIV + ativistas: mudanças e permanências Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 2. Gênero e movimentos sociais Coord. Renata Gonçalves Histórias

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL Criar dados sobre a população de gays, HSH e das travestis. Encaminhamentos (SINAN x campos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Programa Nacional de DST e Aids Prevenção PositHIVa junho 2007 Contexto 25 anos de epidemia; 10 anos de acesso universal à terapia anti-retroviral; Exames e insumos de

Leia mais

BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE

BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE Jarlson Carneiro Amorim da Silva(1); Iraquitan De Oliveira Caminha (Orientador)(2); Tatiane Dos Santos Silva(3); Jéssica Leite Serrano(4) (1)Mestrando

Leia mais

GRUPO DE ADESÃO AO TRATAMENTO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV E AIDS (PVHA): RELATO DE EXPERIÊNCIA

GRUPO DE ADESÃO AO TRATAMENTO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV E AIDS (PVHA): RELATO DE EXPERIÊNCIA GRUPO DE ADESÃO AO TRATAMENTO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV E AIDS (PVHA): RELATO DE EXPERIÊNCIA GIL, kelli Ariel da Silva; CAVALCANTI, Pacífica Pinheiro; FLORES, Cezar Augusto da Silva; LIMA, Denise Lúcia

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!*

Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!* Educação Sexual: Quem ama cuida. Cuide-se!* SANTOS, Jessica Suriano dos 1 ; ANJOS, Antônio Carlos dos 2 ; RIBEIRO, Álvaro Sebastião Teixeira 3 Palavras-chave: Educação Sexual; Doenças Sexualmente Transmissíveis;

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO.

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS CARNAVAL 2011 AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE

Leia mais

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS Campanha DST 1 Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS RESUMO: Este trabalho foi realizado na disciplina de Criação II do curso de Comunicação Social

Leia mais

Educação Sexual e Metodologia

Educação Sexual e Metodologia Educação Sexual Marcos Ribeiro Educação Sexual e Metodologia...Não saco nada de Física Literatura ou Gramática Só gosto de Educação Sexual E eu odeio Química... Legião Urbana Essa discussão não é recente.

Leia mais

MULHERES UNIVERSITÁRIAS: SEXO (IN)SEGURO?

MULHERES UNIVERSITÁRIAS: SEXO (IN)SEGURO? MULHERES UNIVERSITÁRIAS: SEXO (IN)SEGURO? Simone Andrade Teixeira NEIM/UFBA A motivação para a realização desse estudo deu-se a partir dos resultados de uma pesquisa que buscou identificar se as mulheres

Leia mais

ÍNDICE DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA - SESI/SC

ÍNDICE DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA - SESI/SC ÍNDICE DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR DA INDÚSTRIA - SESI/SC SUMÁRIO EXECUTIVO 2015 Apresentação Integrando a agenda mundial para a promoção da saúde e produtividade, o SESI Santa Catarina realizou

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

GÊNERO, ENVELHECIMENTO E DENGUE

GÊNERO, ENVELHECIMENTO E DENGUE GÊNERO, ENVELHECIMENTO E DENGUE Ms. SANDRA MARIA DE CARVALHO BRITO 1 DENISE DE SENA ABINTES COBELLO 2 RESUMO O presente artigo terá como objetivo discutir a dengue e a velhice, a partir da identificação

Leia mais

TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ

TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ TRAJETÓRIAS DE MULHERES SOROPOSITIVAS NO ATIVISMO POLÍTICO DE HIV- AIDS NO ESTADO DO PARANÁ Carolina Branco de Castro Ferreira 1 - PPG-UEL A Aids se apresenta como uma epidemia dinâmica, complexa e multifatorial,

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO ÀS DST E HIV/AIDS NA TERCEIRA IDADE MARIA BEATRIZ DREYER PACHECO Membro do MOVIMENTO NACIONAL DAS CIDADÃS POSITHIVAS Membro do MOVIMENTO LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE MULHERES

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

Mulheres e vulnerabilidades ao HIV/AIDS. Women and their vulnerability to HIV/AIDS

Mulheres e vulnerabilidades ao HIV/AIDS. Women and their vulnerability to HIV/AIDS Mulheres e vulnerabilidades ao HIV/AIDS Claudete Moreschi*, Daiana Foggiato de Siqueira**, Hilda Maria Barbosa de Freitas***, Diego Schaurich****, Camila Dalcin Biazus*****, Paula Hubner Freitas******

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A SEXUALIDADE FEMININA ANÁLISE DAS CAMPANHAS DE PREVENÇÃO À AIDS E DST

UM ESTUDO SOBRE A SEXUALIDADE FEMININA ANÁLISE DAS CAMPANHAS DE PREVENÇÃO À AIDS E DST UM ESTUDO SOBRE A SEXUALIDADE FEMININA ANÁLISE DAS CAMPANHAS DE PREVENÇÃO À AIDS E DST Helena Godoy Brito 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo fazer uma análise crítica sobre as campanhas educativas

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000

Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi, 2911, Urbanova Fone: +55 (12) 39471000 PRINCIPAIS TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER EM UMA INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO NO VALE DO PARAÍBA Cruz RASC 1, Galvão RDS 2, Lancia MCF 3 Instituição: Universidade do Vale do Paraíba Av. Shishima Hifumi,

Leia mais

CAPÍTULO 12 BIOLOGIA SOCIAL DA DOENÇA FALCIFORME

CAPÍTULO 12 BIOLOGIA SOCIAL DA DOENÇA FALCIFORME CAPÍTULO 12 343 BIOLOGIA SOCIAL DA DOENÇA FALCIFORME INTRODUÇÃO A biologia social agrupa uma série de situações vivenciadas pelo falcêmico no âmbito social que inclui qualidade de vida e relacionamento.

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Saúde Pública e Sexualidade: Fatores de risco, prevenção e enfrentamento contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Saúde Pública e Sexualidade: Fatores de risco, prevenção e enfrentamento contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis. Saúde Pública e Sexualidade: Fatores de risco, prevenção e enfrentamento contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis. ARRUDA NETO, Orlando de Paula CAMARGO, Cristina Bianca CANO, Ana Patrícia Fleitas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE. Relatório de atividades

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE. Relatório de atividades ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA COMITÊ DEFICIÊNCIA E ACESSIBILIDADE Relatório de atividades Criado em março de 2012, o Comitê participou da Organização da 28ª RBA, tornando o evento acessível por

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE 624 QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE RACHEL SHIMBA CARNEIRO é Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: rachelshimba@yahoo.com.br

Leia mais