SYSTEM302V7 STUDIO SYSTEM302 SYSTEM302 ARQUITETURA. O System302 é a solução da SMAR para Sistemas de Automação em industrias de transformação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SYSTEM302V7 STUDIO SYSTEM302 SYSTEM302 ARQUITETURA. O System302 é a solução da SMAR para Sistemas de Automação em industrias de transformação."

Transcrição

1 SYSTEM302V7 STUDIO ARQUITETURA 1 SYSTEM302 O System302 é a solução da SMAR para Sistemas de Automação em industrias de transformação. 2 SYSTEM302 O System302 é o pioneiro em Sistema de Controle Distribuído a ser concebido com base em uma plataforma de múltiplos Controladores e com tecnologia aberta incorporada. 3 1

2 SYSTEM302 TECNOLOGIA ABERTA O SYSTEM302 possui tecnologia aberta porque... sua concepção é baseada na tecnologia Foundation Fieldbus : que é aberta desde sua origem, sendo administrada pela Fieldbus Foundation cujos membros pertencem à comunidade de fornecedores, desenvolvedores, usuários e especialistas em Automação Industrial de todo o planeta; Protocolo normalizado e disponível para todo o mercado desde que atendam aos requisitos de padronização e certificação estabelecidos. 4 SYSTEM302 ARQUITETURA Estação Operação 1 Estação Operação Estação Manutenção 2 Estação Engenharia Estação Engenharia OPC Gateway 5 SYSTEM302 FOUNDATION FIELDBUS Características inerentes à tecnologia Foundation Fieldbus : Utilização de Blocos Funcionais para elaboração das estratégias de controle, aplicável também para as lógicas seqüencias e de intertravamento, o Bloco FFB Flexible Function Block; Inteligência no campo com capacidade dos devices de fecharem malhas de controle entre sí, sem a necessidade de um controlador central; Fechamento malhas de controle entre devices da mesma rede, entre redes distintas na mesma Bridge e entre redes em bridge distintas através da rede HSE; 6 2

3 SYSTEM302 ARQUITETURA Estação Operação 1 Estação Operação Estação Manutenção 2 Estação Engenharia Estação Engenharia OPC Gateway 7 SYSTEM302 FOUNDATION FIELDBUS Características inerentes à tecnologia Foundation Fieldbus : Comunicação horizontal através do HSE High Speed Ethernet, para troca de dados entre Controllers, Gateways e Linking Devices (Bridges) utilizando a media Ethernet. 8 SYSTEM302 FOUNDATION FIELDBUS Características inerentes à tecnologia Foundation Fieldbus : HSE Linking Device (ou Bridge) processador destinado a integrar a media (devices de campo) com a media HSE; HSE I/O Gateway processador destinado a integrar outras redes de automação (PROFIBUS DP/PA, DeviceNet, AS-i) com a HSE; HSE Controller processador destinado a integrar a tecnologia convencional ( entradas e saídas de sinal analógico, entradas e saídas discretas, entradas de pulso, entrada de termosensores,..) com a HSE. 9 3

4 O SYSTEM302 possui tecnologia aberta porque... é integrado a outras tecnologias de rede abertas: HSE Gateway para PROFIBUS DP/PA; HSE Gateway para DeviceNet; HSE Gateway para AS-i. SYSTEM302 TECNOLOGIA ABERTA 10 SYSTEM302 ARQUITETURA Estação Operação 1 Estação Operação Estação Manutenção 2 Estação Engenharia Estação Engenharia OPC Gateway HSE Linking Device HSE Gateway HSE Gateway HSE Gateway HSE Controller DF62 DF63 DF73 DF79 DF81 DF75 11 SYSTEM302 TECNOLOGIA ABERTA O SYSTEM302 possui tecnologia aberta porque... é integrado a outras tecnologias de comunicação abertas: OPC OLE for Process Control; Modbus; HART Highway Addressable Remote Transducer; FTD/DTM. 12 4

5 SYSTEM302 ARQUITETURA Estação Operação Estação Operação 1 2 Estação Manutenção Estação Engenharia Estação Engenharia OPC Gateway HSE Linking Device HSE Gateway HSE Gateway HSE Gateway HSE Controller DF62/DF63 DF73 DF79 DF81 DF75 HI SYSTEM302 MÚLTIPLOS CONTROLADORES A filosofia do SYSTEM302 é de múltiplos controladores porque... Adota a verdadeira arquitetura de rede em toda a planta: cada um dos devices Foundation Fieldbus pertencentes a uma malha de controle pode ser responsavel por processar parte deste controle, divindo o esforço e tornando desnecessária a presença de um processador centralizado e dedicado; Para tanto cada device possui um conjunto de blocos funcionais com a finalidade de executar diversas funções internas e publicar estes dados ou consumir dados de outro device; 14 SYSTEM302 TECNOLOGIA ABERTA A filosofia do System302 é de múltiplos controladores porque... Adota a verdadeira arquitetura distribuída fisicamente na planta: Cada um dos Controller, Linking Device ou Gateway HSE têm capacidade para processar uma estratégia de controle individualmente utilizando também os Blocos Funcionais disponíveis em sua memória como também pode publicar e consumir dados entre sí através da rede HSE ou com os devices de campo local; 15 5

6 SYSTEM302 HSE HIGH SPEED ETHERNET O SYSTEM302 é integrável porque... Adotando a rede HSE Foundation Fieldbus como backbone do sistema é possível integrar qualquer outra tecnologia aberta. Outros Protocolo Proprietário Proprietário Proprietário Proprietário Proprietário User Application HSE Linking Device HSE Gateway I/O TCP/UDP IP Ethernet Modelo OSI TCP/UDP IP Ethernet DF62 DF63 DF73 16 SYSTEM302 HSE HIGH SPEED ETHERNET É o protocolo de rede nível H2 Foundation Fieldbus : Media Ethernet IP e TCP/UDP (100 Mbits/s); Desenvolvido para funções de controle e de supervisão; Provê comunicação horizontal Integrando em seus nós: Linking Device, Gateway, Controller e Device; Estações de Supervisão, Engenharia e Manutenção; es. 17 SYSTEM302 HSE E SUPERV. (ESTRELA) Estação Operação Estação Operação 1 2 Estação Manutenção Estação Engenharia Estação Engenharia OPC Gateway HSE Linking Device HSE Gateway HSE Gateway HSE Gateway HSE Controller DF62/DF63 DF73 DF79 DF81 DF

7 SYSTEM302 HSE (ANEL) - SUPERV. (ESTRELA) Estação Operação Estação Operação 1 2 Estação Manutenção Estação Engenharia Estação Engenharia OPC Gateway HSE Linking Device HSE Gateway HSE Gateway HSE Gateway HSE Controller DF62/DF63 DF73 DF79 DF81 DF75 19 SYSTEM302 HSE E SUPERV. (ANEL) Estação Operação Estação Operação 1 2 Estação Manutenção Estação Engenharia Estação Engenharia OPC Gateway HSE Linking Device HSE Gateway HSE Gateway HSE Gateway HSE Controller DF62/DF63 DF73 DF79 DF81 DF75 20 SYSTEM302 HSE (ANEL/RED) SUPERV. (ESTRELA/RED) Estação Operação Estação Operação 1 2 Estação Manutenção Estação Engenharia Estação Engenharia OPC Gateway 1 2 OPC Gateway HSE Linking Device HSE Gateway HSE Gateway HSE Gateway HSE Controller DF63 DF73 DF79 DF81 DF

8 SYSTEM302 HSE E SUPERV. (ANEL/RED) Estação Operação Estação Operação 1 2 Estação Manutenção Estação Engenharia Estação Engenharia OPC Gateway 1 2 OPC Gateway HSE Linking Device HSE Gateway HSE Gateway HSE Gateway HSE Controller DF63 DF73 DF79 DF81 DF75 22 SYSTEM302 DFI302 O SYSTEM302 utiliza a a tecnologia de processadores DFI302 para desempenhar as funções de HSE Linking Device (Bridge), HSE Gateway e HSE Controller. 23 Família DFI302 de processsadores HSE: DFI302 HSE LINKING DEVICE HSE Linking Device DF62 Foundation Fieldbus HSE Linking Device DF63 Foundation Fieldbus 24 8

9 DFI302 HSE GATEWAY Família DFI302 de processsadores HSE: HSE Gateway DF73 PROFIBUS DP/PA HSE Gateway DF79 DeviceNet HSE Gateway DF81 AS-i 25 Família DFI302 de processsadores HSE: DFI302 HSE CONTROLLER HSE Controller DF75 E/S Convencionais 26 DFI302 HSE LINKING DEVICE DF62 / DF63 O DF63 é um HSE Linking Device da família DFI302 que permite integrar devices Foundation Fieldbus : 2 portas (1 porta DF62) Ethernet 10/100MB (FF HSE / Modbus TCP); 1 porta RS232 (Modbus RTU / Diagnóstico Local); 4 portas Foundation Fieldbus (até 64 devices); 1 porta de sincronismo da redundância; Barramento para acesso aos módulos E/S; Capacidade para até 15 racks (4 slots); Capacidade de E/S: 256 pontos; Redundância de E/S e/ou rede : DF78/DF82; Barreira Segurança íntríseca : DF47; 27 9

10 HSE LINKING DEVICE DFI302 LINKING DEVICE DF62 / DF63 LAS - Linking Active Schedule por rede ; Modbus Mestre/Escravo configurável; Gateway para Modbus (RTU / TCP); Capacidade de até 100 blocos Funcionais; (na CPU); Até 2 GB de memória para Data Logger (MMC e SD Card); Web Server incorporado para informação e parametrização. 28 DFI302 HSE LINKING DEVICE DF62 / DF63 1 DF BS DF DF62 / DF63 ARQUITETURA REDUNDANTE DF78 2 x DF50 2 x (DF62) DF

11 Principal Redundante DF62 / DF63 ARQUITETURA REDUNDANTE 1 DF63 Redundância de Rede e E/S: Cabo de sincronismo DF82; Rack DF BS DF Principal ARQUITETURA REDUNDANTE Redundante DF62 / DF63 1 DF63 Redundância de Rede : Cabo de sincronismo DF BS DF DFI302 HSE GATEWAY DF73 O DF73 é um HSE Gateway da família DFI302 que permite integrar devices e dispositivos PROFIBUS DP e PA: 2 portas Ethernet 10/100MB (FF HSE / Modbus TCP); 1 porta RS232 (Modbus RTU / Diagnóstico Local); 1 PROFIBUS DP Mestre (até 125 Devices); 1 porta de sincronismo da redundância; Barramento para acesso aos módulos E/S; Capacidade para até 15 racks (4 slots); Capacidade de E/S: 256 pontos; Redundância de E/S; Barreira Segurança íntríseca PA: DF47; 33 11

12 DFI302 HSE GATEWAY DF73 Modbus Mestre/Escravo configurável; Gateway para Modbus (RTU / TCP); Capacidade de até 250 blocos Funcionais; (na CPU); Até 2 GB de memória para Data Logger (MMC e SD Card); Web Server incorporado para informação e parametrização. 34 DF73 ARQUITETURA DF BS DF DF73 ARQUITETURA REDUNDANTE DF78 2 x DF50 2 x DF

13 Principal Redundante DF73 ARQUITETURA REDUNDANTE DF73 Redundância de E/S: Cabo de sincronismo DF82; Rack DF BS DF DFI302 HSE GATEWAY DF81 O DF81 é um HSE Gateway da família DFI302 que permite integrar dispositivos AS-i : 2 portas Ethernet 10/100MB (FF HSE / Modbus TCP); 1 porta RS232 (Modbus RTU / Diagnóstico Local); 1 AS-i Mestre (até 62 Dispositivos); 1 porta de sincronismo da redundância; Barramento para acesso aos módulos E/S; Capacidade para até 15 racks (4 slots); Capacidade de E/S: 256 pontos; Redundância de E/S; 38 DFI302 HSE GATEWAY DF81 Modbus Mestre/Escravo configurável; Gateway para Modbus (RTU / TCP); Capacidade de até 250 blocos Funcionais; (na CPU); Até 2 GB de memória para Data Logger (MMC e SD Card); Web Server incorporado para informação e parametrização

14 DF81 ARQUITETURA DF81 40 DF81 ARQUITETURA REDUNDANTE DF78 2 x DF50 2 x DF81 41 Principal Redundante DF81 ARQUITETURA REDUNDANTE DF81 Redundância de E/S: Cabo de sincronismo DF82; Rack DF

15 AS-I CARACTERÍSTICAS Projetado para sinais binários; Até 62 dispositivos escravos; 248 entradas e 186 saídas; 156 Kbit/s; Tempo Max Ciclo: 5ms; Cabos e conectores especiais; 100m cabos (500m com repetidores); Topologias múltiplas; Comunicação mestre/escravo. 43 AS-I TOPOLOGIA TÍPICA 44 AS-I REDE TÍPICA AS-i Fonte de alimentação DF81 Módulos I/O 45 15

16 DFI302 HSE GATEWAY DF79 O DF79 é um HSE Linking Device da família DFI302 que permite integrar dispositivos DeviceNet : 2 portas Ethernet 10/100MB (FF HSE / Modbus TCP); 1 porta RS232 (Modbus RTU / Diagnóstico Local); 1 porta DeviceNet Mestre (até 640 pontos de E/S); 1 porta de sincronismo da redundância; Barramento para acesso aos módulos E/S; Capacidade para até 15 racks (4 slots); Capacidade de E/S: 256 pontos; Redundância de E/S e/ou rede DeviceNet: DF78/DF82; 46 DFI302 HSE GATEWAY DF79 Modbus Mestre/Escravo configurável; Gateway para Modbus (RTU / TCP); Capacidade de até 250 blocos Funcionais; (na CPU); Até 2 GB de memória para Data Logger (MMC e SD Card); Web Server incorporado para infromação e parametrização. 47 DF79 ARQUITETURA DF

17 DF79 ARQUITETURA REDUNDANTE DF78 2 x DF50 2 x DF79 49 Principal Redundante DF79 ARQUITETURA REDUNDANTE DF79 Redundância de E/S e rede DeviceNet: Cabo de sincronismo DF82; Rack DF Principal Redundante DF79 ARQUITETURA REDUNDANTE DF79 DF79 Redundância de Rede DeviceNet: Cabo de sincronismo DF

18 DEVICENET CARACTERÍSTICAS Desenvolvido para sinais não-complexos; Suporta até 63 dispositivos; Suporta até 640 sinais; Barramento: Par trançado ou fibra ótica; Distância máxima de barramento: 500 metros (c/ repetidor); Topologia de Barramento com derivação; Cabos e conectores dedicados. 52 DEVICENET REDE TÍPICA 53 HSE CONTROLLER DF75 O DF75 é um HSE Controller da família DFI302 que permite integrar E/S Convencionais: DFI302 2 portas Ethernet 10/100MB (FF HSE / Modbus TCP); 1 porta RS232 (Modbus RTU / Diagnóstico Local); 1 porta de sincronismo da redundância; Barramento para acesso aos módulos E/S; Capacidade para até 15 racks (4 slots); Capacidade de E/S: 1024 pontos; Redundância de E/S: DF78/DF82; 54 18

19 DFI302 HSE CONTROLLER DF75 Modbus Mestre/Escravo configurável; Gateway para Modbus (RTU / TCP); Capacidade de 100 blocos Funcionais; (na CPU); Até 2 GB de memória para Data Logger (MMC e SD Card); Web Server incorporado para infromação e parametrização. 55 DF75 ARQUITETURA BS BS 56 DF75 ARQUITETURA REDUNDANTE DF78 2 x DF50 2 x DF

20 Principal Redundante DF75 ARQUITETURA REDUNDANTE Redundância de E/S: Cabo de sincronismo DF82; Rack DF78. BS BS 58 SYSTEM302V7 STUDIO FERRAMENTAS DO SOFTWARE 59 CONCEITOS É uma ferramenta de software para o System302 com os recursos e funcionalidades necessárias para elaboração, alteração e manutenção de um sistema de automação, de forma ágil, segura e confiável; Compatível para plataformas Windows 2000/2003/XP Pro; Possui Database nativo MSDE Microsoft SQL Server Desktop Engine para registros Database Manager e FFB Manager. Para aplicações de maior escala o pacote SQL Server (full) deve ser adquirido; Topologia em modo Beginner, ou /Server, com permissão para acessos simultâneos, multi-usuário; 60 20

21 CONCEITOS Integra em uma única ferramenta as mais diversas tecnologias: convencional, Foundation Fieldbus, Profibus DP/PA, DeviceNet e AS-i. Elaborado visando conforto visual e estético, acompanhando as tendências dos softwares de mercado. Intuitivo para os usuários habituados com a plataforma Windows ; Contém um tutorial com explicação passo a passo para utilização dos aplicativos através de textos e animações em Flash. 61 Modo Beginner: TOPOLOGIA: MODO BEGINNER Integra as base de dados Database Manager e o FFB Manager do Studio302 e acesso dos usuários apenas por esta estação; Aplicado quando se deseja centralizar todos os acessos e registros das ferramentas de engenharia em um único PC, seja conectado a apenas uma AREA ou a um grupo delas. 62 Uma estação de Engenharia, várias AREAS: TOPOLOGIA: MODO BEGINNER Estação de Engenharia Beginner Moagem Caldeira Cozedor Destilaria 63 21

22 Uma estação de Engenharia, várias AREAS: TOPOLOGIA: MODO BEGINNER Estação de Engenharia Beginner Moagem Caldeira Cozedor Destilaria 64 Uma estação por AREA: TOPOLOGIA: MODO BEGINNER Estação de Engenharia Estação de Engenharia Estação de Engenharia Estação de Engenharia Beginner Beginner Beginner Beginner Moagem Caldeira Cozedor Destilaria 65 Modo : TOPOLOGIA: MODO CLIENT O Database Manager e o FFB Manager são alocados em servidor único ou em servidores distintos. Não é permitido acesso de usuários nos servidores; O acesso de usuários só pode ser efetuado a partir de estações s

23 único: TOPOLOGIA: MODO CLIENT Database Manager Estação de Engenharia Estação de Engenharia FFB Manager Estação de Engenharia Server Moagem Caldeira Cozedor Destilaria 67 distribuído: TOPOLOGIA: MODO CLIENT Estação de Engenharia Estação de Engenharia Database Manager Server FFB Manager Server Estação de Engenharia Moagem Caldeira Cozedor Destilaria 68 Modo /Server: TOPOLOGIA: MODO CLIENT/SERVER O Database Manager e o FFB Manager podem ser instalados em servidor único ou em servidores distintos. É permitido o acesso de usuários nos servidores; O acesso de usuários também pode ser efetuado a partir de estações s

24 único: Estação de Engenharia TOPOLOGIA: MODO CLIENT/SERVER Estação de Engenharia Database Manager FFB Manager Server Estação de Engenharia Moagem Caldeira Cozedor Destilaria 70 distribuído: TOPOLOGIA: MODO CLIENT/SERVER Estação de Engenharia Estação de Engenharia Database Manager Server FFB Manager Server Estação de Engenharia Moagem Caldeira Cozedor Destilaria 71 TOPOLOGIA: MIGRAÇÃO Estação de Engenharia Beginner Estação de Engenharia Database Manager FFB Manager Server Beginner Estação de Engenharia Beginner Estação de Engenharia Database Manager FFB Manager Server Beginner /Server 72 24

25 TOPOLOGIA: MIGRAÇÃO Estação de Engenharia Beginner Estação de Engenharia Database Manager FFB Manager Server Beginner Estação de Engenharia Beginner Estação de Engenharia Database Manager FFB Manager Server Beginner /Server 73 TOPOLOGIA: MIGRAÇÃO Estação de Engenharia Database Manager FFB Manager Server Estação de Engenharia Database Manager FFB Manager Server /Server 74 TOPOLOGY Areas Applications Devices Equipment Database Tasks Área de Trabalho 75 25

26 Podemos dividir uma planta industrial em AREAS; AREAS Cada AREA compreende uma topologia em rede independente que integra controladores, devices, servidores e estações; Em uma única Estação de Engenharia podemos acessar todas os setores de uma planta e promover a Revisão e a Manutenção no sistema. 76 AREAS 77 APPLICATIONS Disponibiliza ao usuário uma lista contendo todos as estratégias de controle contida nos arquivos do Control Module do Syscon, e as lógicas contidas nos arquivos logics do FFB Flexible Function Block; funciona como um shortcut, pois permite ao usuário abrir o arquivo automaticamente; Esta funcionalidade é permitida tanto para os arquivos do Control Module quanto para o Logic; 78 26

27 APPLICATIONS Auxilia na manutenção, pois torna mais rapido a procura das estratégias e lógicas de controle quanto na abertura dos arquivos para análise; toda a funcionalidade é mantida, possibilitando monitorar on line, modificar e parametrizar a estratégica e a lógica. 79 APPLICATIONS 80 DEVICES Disponibiliza ao usuário uma lista completa de todos os devices disponíveis nas AREAS; por device é possível verificar na lista: tag, protocol, bridge, port, status, commissioned e network; Quando o recurso on line é ativado, um botão refresh permite atualizar todas a informações instantaneamente; Auxilia na manutenção, pois torna mais rápido a procura do device, seu status no sistema e permite acessá-lo diretamente através do shortcut; 81 27

28 DEVICES O shortcut pode abrir a tela do syscon na tela de topologia sendo possível configurar e parametrizar os blocos a ele pertencente; O shortcut também pode abrir a tela do Asset View através do Web Browser na página do device. Toda a funcionalidade de ajuste é permitido. 82 DEVICES 83 EQUIPMENT DATABASE Permite ao usuário uma edição de detalhes a respeito da planta, sendo permitido alocar os devices e processadores classificando-os por área da planta, setor, processo e loop de controle; Cria atalhos de acesso imediato aos devices e controles. Permite armazenar arquivos textos, figuras, planilhas, manuais, procedimentos, imagens, etc. relativo a cada device ou equipamento da planta

29 EQUIPMENT DATABASE 85 TASKS: DFI DIVER 86 TASKS: FBTOOLS Ferramenta de manutenção para troca de firmware em devices e processadores DFI

30 TASKS: FBTOOLS 88 TASKS: FBVIEW Monitora e registra um log de eventos do comportamento da comunicação na rede, rede HSE e Ethernet TCP/IP. 89 TASKS: FBVIEW 90 30

31 TASKS: GET LICENSE Habilita com permissão de utilização os softwares do Studio302 que requerem licença. 91 TASKS: GET LICENSE 92 TASKS: LOGICVIEW Ferramenta de engenharia e de manutenção para elaboração das lógicas de controle no bloco FFB Flexible Function Block: Funções; seqüencial; Intertravamento; Controle contínuo

32 TASKS: LOGICVIEW 94 TASKS: SYSCON Ferramenta de engenharia e de manutenção para elaboração de estratégias de controle. 95 TASKS: SYSCON 96 32

33 TASKS: SYSCON 97 TASKS: SYSCON 98 TASKS: SYSCON 99 33

34 Syscon & FFB - Bloco Flexível 1131 Via menu do bloco FFB se pode atuar na lógica para definir os parâmetros, ou editar a ladder, etc. 100 Syscon & FFB - Bloco Flexível 1131 Definindo entradas e saídas de um FFB. 101 Syscon & FFB - Bloco Flexível 1131 Logic View para editar o algorítmo

35 Syscon & FFB - Bloco Flexível 1131 Na barra de ferramentas do LogicView, o item View disponibiliza no seu menu a opção de Hardware Configuration. 103 Syscon & FFB - Bloco Flexível 1131 Disponibiliza visualização on-line e simulação Lógica ladder é executada por linhas: da esquerda para a direita, de cima para baixo. 104 Syscon & FFB - Bloco Flexível 1131 Entradas e saídas do FFB são conectadas com as entradas e saídas dos demais blocos

36 TASKS: PROFIBUS VIEW Ferramenta de engenharia e de manutenção para parametrização dos blocos dos devices PA e DP. 106 TASKS: PROFIBUS VIEW 107 TASKS: PROFIBUS VIEW

37 TASKS: PROFIBUS VIEW 109 DEVICE PROFIBUS 110 TOPOLOGIA PROFIBUS

38 NETCONF - NETWORK CONFIGURATOR 112 NETCONF - NETWORK CONFIGURATOR 113 TASKS: TAGVIEW Ferramenta para monitoração dos valores e status de variáveis OPC

39 TASKS: TAGVIEW 115 TASKS: SERVER MANAGER Seleciona e configura os Server OPC. 116 TASKS: SERVER MANAGER

40 TASKS: DOCUMENTATION Link para acesso a biblioteca de documentos dos produtos System302 : catálogo, manual, etc. 118 DEVICE DETECT No modo on line o Studio302 informa ao usuário da presença de um novo device no sistema. Todo o procedimento de comissionamento e download pode ser efetuado a partir deste recurso e de forma automática. 119 DEVICE DETECT

41 NEW DATABASE Uma base de dados é criada na instalação do Studio302, mas é permitido criar outras base de dados conforme necessidade do usuário. 121 STUDIO REPORTS São documentos em formato de relatório com registros das características do sistema contemplando: Field Information contém a lista de todos os devices e processadores existentes no sistema com as respectivas Device ID, DD Revision e Device Revision; Firmwares Information contém a lista de todos os firmwares disponíveis para da tipo de device e de processadores; 122 STUDIO REPORTS System302 Structure Lista as características do hardware local e da versão do System302 e a lista dos arquivos pertencentes a cada ferramenta do Studio302 ; Tasks Information Lista todas as ferramentas disponíveis no Studio302, onde estão instaladas e a versão, e também o nível das licenças pertinentes ao AssetView, Syscon e Equipment Database

42 PACK & GO Ferramenta para geração do backup da base de dados do Studio UNPACK Ferramenta para importação da base de dados proveniente do backup. 125 UPDATE ALL Recurso de atualização de todos registros do System

43 ON/OFF LINE MODE Recurso modos off line / on line. A seleção depende dos recursos a serem utilizados no Studio ASSET VIEW Ferramenta de gerenciamento da manutenção do System ASSETVIEW FERRAMENTA DE MANUTENÇÃO É a ferramenta de Web para diagnótico contínuo de equipamentos campo com protocolo Foundation Fieldbus, Profibus e HART

44 ASSETVIEW GERENCIAMENTO DO PATRIMÔNIO Proativa Evolução das Manutenções Preditiva Preventiva Reativa e Corretiva 130 REATIVA Manutenção ASSETVIEW MANUTENÇÃO PREVENTIVA PREDITIVA PROATIVA Depois da Falha Alto Custo Períodos de Tempo Alto Custo Base de Conhecimento Estatísticas Alto Custo Base de Conhecimento Monitoração On-line Baixo Custo 131 ASSETVIEW FERRAMENTA WEB O AssetView é uma ferramenta Web, que pode ser acessada de qualquer lugar, dependendo da arquitetura de rede desejada

45 Estação Manutenção AssetView Server Estação Manutenção Web Server (ASP) IIS Banco de Dados MSDE / SQL Server ASSETVIEW ARQUITETURA OPC Gateway Internet Firewall HSE Gateway DF62/DF63 HSE Linking Device DF ASSETVIEW CARACTERÍTICAS Principais Características: Monitoração Online; Diagnóstico; Cronograma de Manutenção; Calibração de Dispositivos; Configuração de Sensores; Especificação de Dispositivos - Data Sheet; Armazenamento de Dados; Auditoria (Audit( Trail). 134 F I M

System302-7. 1 2008-2010 Copyright Smar

System302-7. 1 2008-2010 Copyright Smar System302-7 Ferramentas Studio302 1 2008-2010 Copyright Smar Ferramentas Gerenciamento da Planta Studio302 - Aplicativo que visualiza a estrutura de todas as ferramentas integradas no sistema. Sistema

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Studio302 JAN / 13 STUDIO302. Versão 1.11 FOUNDATION S Y S 3 2 S T D M P

MANUAL DO USUÁRIO. Studio302 JAN / 13 STUDIO302. Versão 1.11 FOUNDATION S Y S 3 2 S T D M P MANUAL DO USUÁRIO Studio302 JAN / 13 STUDIO302 Versão 1.11 FOUNDATION S Y S 3 2 S T D M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. AssetView FDT. AssetView FDT

MANUAL DO USUÁRIO. AssetView FDT. AssetView FDT MANUAL DO USUÁRIO AssetView FDT AssetView FDT A S T V W F D T M P www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão

Leia mais

AGO / 14 FOUNDATION D F I 3 0 2 M P

AGO / 14 FOUNDATION D F I 3 0 2 M P AGO / 14 FOUNDATION D F I 3 0 2 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso

Leia mais

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus )

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) Disciplina: Redes de Alta Velocidade Jean Willian de Moraes 782 Odemil Camargo 971 PAUTA DA APRESENTAÇÃO Evolução dos

Leia mais

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação Bem-vindo à geração Nextoo evolução em automação Série Nexto A nova geração de controladores A Altus apresenta a nova geração de Controladores Programáveis. A Série Nexto foi desenvolvida com o conceito

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser configurados e instalados em modo redundante Disponibilidade

Leia mais

smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta.

smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site. web: www.smar.com/brasil2/faleconosco.asp

Leia mais

smar ESPECIFICAÇÕES Fabricante do Sistema Acomodam todas as borneiras para conexão da fiação. Especificações Gerais dos Painéis

smar ESPECIFICAÇÕES Fabricante do Sistema Acomodam todas as borneiras para conexão da fiação. Especificações Gerais dos Painéis smar ESPECIFICAÇÕES 1 2 2.1 3 3.1 Fabricante do Sistema Modelo do Sistema Versão Estações de Trabalho Tipos de Estações de Trabalho SMAR SYSTEM302 7 7.6 7.7 7. 7..1 7..2.1 Estação de Operação, Estação

Leia mais

1 Gerenciamento de Ativos

1 Gerenciamento de Ativos 1 Gerenciamento de Ativos 1 - OBJETIVO Esse documento tem por objetivo a especificação do sistema de gerência de ativos para um sistema de automação. 2 - CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS Esse documento foi baseado

Leia mais

Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas. Alexandre M. Carneiro

Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas. Alexandre M. Carneiro Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas Alexandre M. Carneiro Liderando aplicações Ex Experiência comprovada e de longo termo Certificação Internacional Grande variedade de produtos

Leia mais

SYSCON FOUNDATION S Y S C O N M P

SYSCON FOUNDATION S Y S C O N M P SYSCON FOUNDATION S Y S C O N M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site.

Leia mais

SYSCON FOUNDATION S Y S C O N M P

SYSCON FOUNDATION S Y S C O N M P SYSCON FOUNDATION S Y S C O N M P www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site.

Leia mais

TREINAMENTOS SMAR CTS_2011 FUNCIONÁRIOS Smar TREINAMENTOS EM PRODUTOS SMAR: 4 20MA, HART & CONVENCIONAIS

TREINAMENTOS SMAR CTS_2011 FUNCIONÁRIOS Smar TREINAMENTOS EM PRODUTOS SMAR: 4 20MA, HART & CONVENCIONAIS TREINAMENTOS SMAR CTS_2011 FUNCIONÁRIOS Smar TREINAMENTOS EM PRODUTOS SMAR: 4 20MA, HART & CONVENCIONAIS TC 100 Treinamento em Transmissores de Pressão HART + 4 20mA Os transmissores de pressão Smar HART

Leia mais

SYSCON FOUNDATION S Y S C O N M P

SYSCON FOUNDATION S Y S C O N M P SYSCON FOUNDATION S Y S C O N M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site.

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Redes Sem Fio. Em termos de benefícios podemos citar, entre outros:

Redes Sem Fio. Em termos de benefícios podemos citar, entre outros: Wireless Line Redes Sem Fio Nos últimos anos, a tecnologia de redes sem fio sofreu grandes avanços tecnológicos, o que hoje pode proporcionar: segurança, confiabilidade, estabilidade, auto-organização

Leia mais

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO OUT / 11 VERSÃO 4.2 A S E T V I E W M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços

Leia mais

Profibus View - Software de Parametrização de Equipamentos Profibus PA

Profibus View - Software de Parametrização de Equipamentos Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO Profibus View - Software de Parametrização de Equipamentos Profibus PA Profibus View P R V I E W P A M P www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface Rede Profibus OS OS Internet PLC Manufacturing IPC PROFINET Process RS-485/FO PROFIBUS-DP IEC 61158-2 PROFIBUS-PA AS-Interface Rede Profibus PROFIBUS desenvolvido na Alemanha, inicialmente pela Siemens

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais

Permite visualização em campo de até 8 variáveis recebidas ciclicamente via mestre PROFIBUS-DP

Permite visualização em campo de até 8 variáveis recebidas ciclicamente via mestre PROFIBUS-DP Permite visualização em campo de até 8 variáveis recebidas ciclicamente via mestre PROFIBUS-DP Ideal para aplicações com qualquer dispositivo PROFIBUS-PA Trabalha com qualquer mestre classe 1 PROFIBUS-DP

Leia mais

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Grupo Lincoln Junqueira Grupo Alto Alegre Unidade Central Presidente Prudente/SP Unidade Floresta

Leia mais

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução O PROFIBUS é um padrão aberto de rede de comunicação industrial, utilizado em

Leia mais

smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta.

smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site. web: www.smar.com/brasil2/faleconosco.asp

Leia mais

Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D. (Firmware 1.50)

Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D. (Firmware 1.50) Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D (Firmware 1.50) PRECAUÇÕES 1. O usuário assume total responsabilidade pela atualização. 2. Atualize o Firmware de uma unidade por vez.

Leia mais

1 2008 Copyright Smar

1 2008 Copyright Smar Instalação, Configuração - System302-7 Studio 1 2008 Copyright Smar 2 Arquitetura do SYSTEM302 Smar Est. Operação Est. Operação Servidor Est. Manutenção Servidor Estação Engenharia Estação Engenharia Servidor

Leia mais

Foundation Fieldbus HSE

Foundation Fieldbus HSE Foundation Fieldbus HSE Diego Silva Eduardo Coelho Plínio Altoé Professor Luiz Affonso Introdução HSE: High Speed Ethernet Conjunto de especificações criado pela Fieldbus Foundation Especificações Foundation

Leia mais

JUL / 07 VERSÃO 3.2 A S E T V I E W M P

JUL / 07 VERSÃO 3.2 A S E T V I E W M P JUL / 07 VERSÃO 3.2 ASETVI EWMP smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. System302 Studio OUT / 05 SYSTEM302 STUDIO FOUNDATION SYS32STDMP

MANUAL DO USUÁRIO. System302 Studio OUT / 05 SYSTEM302 STUDIO FOUNDATION SYS32STDMP SYSTEM302 STUDIO MANUAL DO USUÁRIO System302 Studio OUT / 05 SYSTEM302 STUDIO FOUNDATION SYS32STDMP smar web: www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta.

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

TCM Informática Rua Senador Ivo D'Aquino, 121 Bairro: Lagoa da Conceição 88062-050 Florianópolis, SC Brasil Fone +55 48 3334-8877 Fax +55 48

TCM Informática Rua Senador Ivo D'Aquino, 121 Bairro: Lagoa da Conceição 88062-050 Florianópolis, SC Brasil Fone +55 48 3334-8877 Fax +55 48 1.1 Roteiro para Instalação do Software 1.1.1 Servidor 1.1.1.1 Requisitos de Hardware Servidor de pequeno porte Servidor dedicado: Processador: 500Mhz Memória RAM: 256MB Hard Disk: 20 ou 40GB (7.500rpm)

Leia mais

Micro Controladores Programáveis

Micro Controladores Programáveis Micro Controladores Programáveis Transformando energia em soluções Compacto, fácil de programar e com excelente custo benefício, o ganha mais recursos de software e hardware, podendo assim atender a uma

Leia mais

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 25 CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 O Protocolo PROFIBUS O PROFIBUS (acrônimo de Process Field Bus) é o segundo tipo mais popular de sistema de comunicação em rede Fieldbus, ficando atrás somente

Leia mais

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto

Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Nota de Aplicação NAP100 Rede PROFIBUS DP com mestre Rockwell/ControLogix e remota Série Ponto Sumário Descrição...1 1. Introdução...2 2. Instalação...3 3. Configuração...4 3.1 Projeto de Rede PROFIBUS...4

Leia mais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de

Leia mais

Interfaces Online e Opcionais

Interfaces Online e Opcionais Interfaces Online e Opcionais O AMS Device Manager fornece diagnósticos preditivos para aumentar a disponibilidade da planta e reduzir os custos de manutenção Implemente diagnósticos preditivos para aumentar

Leia mais

O sistema de controle Ovation. Tecnologia avançada para operações seguras e o melhor desempenho do setor

O sistema de controle Ovation. Tecnologia avançada para operações seguras e o melhor desempenho do setor O sistema de controle Ovation Tecnologia avançada para operações seguras e o melhor desempenho do setor Ovation Controle preciso Componente chave da arquitetura digital PlantWeb da Emerson, o sistema de

Leia mais

Seção 21 CRIANDO UMA CONFIGURAÇÃO DEVICENET USANDO O DF79

Seção 21 CRIANDO UMA CONFIGURAÇÃO DEVICENET USANDO O DF79 Seção 21 CRIANDO UMA CONFIGURAÇÃO DEVICENET USANDO O DF79 Introdução Neste capítulo, será mostrada a configuração de uma estratégia utilizando como Controller o controlador DF79. Para ilustrar a configuração

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Asset Inventory Service (AIS)

Asset Inventory Service (AIS) Asset Inventory Service (AIS) Última revisão feita em 02 de Setembro de 2008. Objetivo Neste artigo veremos detalhes sobre o Asset Inventory Service (AIS), um serviço disponível através do System Center

Leia mais

Redes Industriais - DeviceNet. REDES INDUSTRIAIS PROFIBUS DP/PA e FieldBus Foundation PARCERIA ISA SEÇÃO BELO HORIZONTE E SENAI

Redes Industriais - DeviceNet. REDES INDUSTRIAIS PROFIBUS DP/PA e FieldBus Foundation PARCERIA ISA SEÇÃO BELO HORIZONTE E SENAI Redes Industriais - DeviceNet REDES INDUSTRIAIS PROFIBUS DP/PA e FieldBus Foundation PARCERIA ISA SEÇÃO BELO HORIZONTE E SENAI Foundation FieldBus é um protocolo que oferece comunicação digital entre

Leia mais

Tecnologias de Automação na ALUNORTE. Apresentadora: Márcia Ribeiro Empresa: Alunorte/Hydro

Tecnologias de Automação na ALUNORTE. Apresentadora: Márcia Ribeiro Empresa: Alunorte/Hydro Tecnologias de Automação na ALUNORTE Apresentadora: Márcia Ribeiro Empresa: Alunorte/Hydro Sumário A Alunorte; Processo de Obtenção da Alumina; Automação na Alunorte; Sistemas Interligados; Projetos Futuros.

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL

ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL Antônio Pereira de Araújo Júnior, Christiano Vasconcelos das Chagas Raphaela Galhardo Fernandes DCA-CT-UFRN Natal - RN Resumo Este artigo mostra um

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br Fundamentos e tecnologia do protocolo PROFIBUS Infra-estrutura de comunicação em Indústrias WORKSTATIONS Workstations Rede Industrial Fieldbus Ethernet Ethernet corporativa Rede corporativa LAN LAN Linking

Leia mais

Guia de informações sobre os pré-requisitos para implantação do sistema Varuna

Guia de informações sobre os pré-requisitos para implantação do sistema Varuna Guia de informações sobre os pré-requisitos para implantação do sistema Varuna Varuna Tecnologia Ltda. Av. Antônio Olímpio de Morais, 545 - Sala 1305. Centro. Divinópolis, MG. suporte@varuna.com.br 37

Leia mais

SYSTEM302. Solução empresarial. Escalabilidade

SYSTEM302. Solução empresarial. Escalabilidade smar SYSTEM302 A Smar, empresa líder e pioneira em tecnologia fieldbus desde os anos 90, apresenta o mais moderno sistema de automação de controle distribuído - SYSTEM302. Desenvolvido de forma inovadora

Leia mais

Freelance Sistema de controlo distribuído para aplicações de processo. 91.3 m3/h 92.0 m3/h 81.6 % 7.23 MW 44.6 % 45.0 % 50.7 m3/h 50.0 m3/h 7.

Freelance Sistema de controlo distribuído para aplicações de processo. 91.3 m3/h 92.0 m3/h 81.6 % 7.23 MW 44.6 % 45.0 % 50.7 m3/h 50.0 m3/h 7. No Filter 81.6 % Auto 249.1 m3/h 250.0 m3/h Auto 91.3 m3/h 92.0 m3/h Auto Auto 99.7 m3/h 100.0 m3/h 40.0 m3/h 7.23 MW Auto 50.7 m3/h 50.0 m3/h 7.2 % Auto 44.6 % 45.0 % Freelance Sistema de controlo distribuído

Leia mais

Protocolos de Comunicação: Conceitos

Protocolos de Comunicação: Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF custo Protocolos de Comunicação: Conceitos Prof a Ninoska Bojorge Introdução competitividade desenvolvimento das empresas complexidade dos processos

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Notas de Aplicação. Configurando o ezap900/901 para acesso via Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Configurando o ezap900/901 para acesso via Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Configurando o ezap900/901 para acesso via Ethernet HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00053 Versão 1.02 abril-2009 HI Tecnologia Configurando o ezap900/901 para acesso via

Leia mais

Manual do Usuário. Tag List. Tag List Generator. smar FIRST IN FIELDBUS JUL / 02. Tag-List VERSÃO 1.0 TAGLSTC3MP

Manual do Usuário. Tag List. Tag List Generator. smar FIRST IN FIELDBUS JUL / 02. Tag-List VERSÃO 1.0 TAGLSTC3MP Tag List Tag List Generator Manual do Usuário smar FIRST IN FIELDBUS JUL / 02 Tag-List VERSÃO 1.0 TAGLSTC3MP www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta.

Leia mais

E/S discretas conectadas diretamente ao barramento Profibus-PA. Blocos Funcionais discretos no campo. E/S integrados em um mesmo hardware

E/S discretas conectadas diretamente ao barramento Profibus-PA. Blocos Funcionais discretos no campo. E/S integrados em um mesmo hardware E/S discretas conectadas diretamente ao barramento Profibus-PA Blocos Funcionais discretos no campo E/S integrados em um mesmo hardware 2 saídas em coletor aberto 2 entradas isoladas oticamente Projetado

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

... Estrutura da automação industrial. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Industriais. Supervisor. Gerência de Informação.

... Estrutura da automação industrial. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Industriais. Supervisor. Gerência de Informação. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Estrutura da automação industrial Supervisor Base de Dados Gerência de Informação Rede de Comunicação de Dados Local Controlador Local 1 Condicionamento de sinais...

Leia mais

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO o PROTOCOLO FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO Sup. Eng. de Aplicação de Sistemas da YokogawaAmérica do Sul Neste trabalho discorre-se sobre a rede foundation fieldbus, situando-a dentro do universo

Leia mais

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Flexibilidade, confiabilidade e segurança na detecção de incêndios. Sistemas Endereçáveis Analógicos Módulos e Cartões de Comunicação Dispositivo de Análise de Laço

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Redes Fieldbus: Visão Geral

Redes Fieldbus: Visão Geral Redes Fieldbus: Visão Geral LOCAL AREA NETWORK I/O 4-20 ma CAMPO DPT101 PT101 FCV101 DPT102 PT102 FCV102 2 SISTEMA SUPERVISÓRIO L A N GATEWAY CAMPO DPT101 PT101 FCV101 DPT102 PT102 FCV102 3 CONCEITO FIELDBUS

Leia mais

Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais

Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais Interfaces Homem-Máquina Universais (IHM) Aplicações e Características Principais A grande versatilidade da nossa família deinterfaces Homem-Máquina (IHM)permite que a mesma seja utilizada nas mais diversas

Leia mais

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e registro de eventos Intertravamentos de segurança Série

Leia mais

CPs Altus PROFIBUS-DP

CPs Altus PROFIBUS-DP CPs Altus PROFIBUS-DP Programa do Workshop 1 - Redes de Campo 2 - PROFIBUS 3 - PROFIBUS-DP 4 - PROFIBUS-DP Redundante 5 - CPs Altus PROFIBUS - DP 6 - Série AL-2000 PROFIBUS-DP 7 - Série Quark PROFIBUS-DP

Leia mais

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015

Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Rede Industrial e Tecnologias de Controle Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Sistema de Controle Baseado e PC versus Controladores Industriais Formas de apresentação:

Leia mais

NOV/05 S Y S T E M 3 2 M P

NOV/05 S Y S T E M 3 2 M P NOV/05 SYSTEM32MP www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site. web: www.smar.com/brasil2/faleconosco.asp

Leia mais

Série Hadron Xtorm Unidades Terminais Remotas

Série Hadron Xtorm Unidades Terminais Remotas Série Hadron Xtorm Unidades Terminais Remotas www.altus.com.br Superando seus desafios Rápido: processamento superior e protocolos de alto desempenho Robusto: design para operação em ambientes críticos

Leia mais

INTERFACE USB PARA PROFIBUS PA

INTERFACE USB PARA PROFIBUS PA MANUAL DO USUÁRIO INTERFACE USB PARA PROFIBUS PA OUT / 12 PBI-PLUS P B I P L U S M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas

Leia mais

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition São sistemas que utilizam software para monitorar e supervisionar as variáveis e os dispositivos de sistemas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Automação. Fieldbus - Visão da Indústria. Augusto Passos Pereira

ABINEE TEC 2005. Automação. Fieldbus - Visão da Indústria. Augusto Passos Pereira Automação Fieldbus - Visão da Indústria Augusto Passos Pereira Gerente de Engenharia de Aplicações e Marketing Yokogawa América do Sul Ltda. 1 Subtítulo Adequação da escolha dos protocolos digitais de

Leia mais

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt Sistemas e Planeamento Industrial DOMÓTICA REDES DE CAMPO Eng.º Domingos Salvador dos Santos email:dss@isep.ipp.pt Outubro de 2010 Outubro de 2010 2/20 REDES DE CAMPO Fieldbus Fieldbus Estrutura da Apresentação

Leia mais

PARA TREINAMENTOS E ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM MALHAS DE CONTROLE PARA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS

PARA TREINAMENTOS E ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM MALHAS DE CONTROLE PARA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS Disponível nas mais modernas tecnologias, protocolos: HART, FOUNDATION fieldbus e PROFIBUS PA PARA TREINAMENTOS E ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM MALHAS DE CONTROLE PARA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS INDUSTRIAIS Fácil

Leia mais

Base Interface Ethernet Industrial 10/100 Mbps

Base Interface Ethernet Industrial 10/100 Mbps Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma interface Ethernet Industrial para as UCP s PO3242, PO3342 e PO3X47. A interface liga-se às redes Ethernet Industrial 10 ou 100 Mbps, estando

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Versão 4.10 PDF-SERVER-D-Rev1_PT Copyright 2011 Avigilon. Todos os direitos reservados. As informações apresentadas estão sujeitas a modificação sem aviso

Leia mais

CRIANDO UMA ESTRATÉGIA FOUNDATION FIELDBUS USANDO O DF100

CRIANDO UMA ESTRATÉGIA FOUNDATION FIELDBUS USANDO O DF100 Seção 24 Introdução CRIANDO UMA ESTRATÉGIA FOUNDATION FIELDBUS USANDO O DF100 Nesta seção será mostrada a configuração de uma estratégia Fieldbus utilizando o controlador DF100. A figura abaixo mostra

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

É uma interface Homem-Máquina em vários idiomas e trabalha em MS Windows 95, MS Windows NT4.0 e MS Windows 2000.

É uma interface Homem-Máquina em vários idiomas e trabalha em MS Windows 95, MS Windows NT4.0 e MS Windows 2000. Profibus PA PROFIBU-PA é a solução PROFIBU para automação de processos. Este protocolo conecta sistemas de automação e de controle de processos com instrumentos de campo, tais como transmissores de pressão,

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

3. O cliente da IHM que visualiza informações para o usuário e pode aceitar entradas do usuário a ser enviadas ao controlador. SLC.

3. O cliente da IHM que visualiza informações para o usuário e pode aceitar entradas do usuário a ser enviadas ao controlador. SLC. N_ISIMP-QR00-PT-P:Layout 8/9/007 5:5 PM Page Cada sistema FactoryTalk View Site Edition tem 5 componentes. Neste exemplo todos os 5 componentes estão sendo executados no mesmo computador, o computador..

Leia mais

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse.

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. 1) Introdução Firewalls são barreiras interpostas entre a rede privada e a rede externa com a finalidade de evitar ataques ou invasões;

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse.

Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. Configurações de Firewall e DCOM no Windows 7 para aplicações Elipse. 1) Introdução Firewalls são barreiras interpostas entre a rede privada e a rede externa com a finalidade de evitar ataques ou invasões;

Leia mais

Aplicação de Redes Industriais em Equipamentos de Campo para Monitoração de Processos

Aplicação de Redes Industriais em Equipamentos de Campo para Monitoração de Processos Aplicação de Redes Industriais em Equipamentos de Campo para Monitoração de Processos Cléverson Leandro de Souza 1, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

CRIANDO UMA CONFIGURAÇÃO AS-i USANDO O DF81

CRIANDO UMA CONFIGURAÇÃO AS-i USANDO O DF81 Seção 22 Introdução CRIANDO UMA CONFIGURAÇÃO AS-i USANDO O DF81 Neste capítulo, será mostrada a configuração de uma estratégia utilizando o controlador DF81. O objetivo desta aplicação industrial é encher

Leia mais

Allen-Bradley Logix para interface Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO

Allen-Bradley Logix para interface Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO Allen-Bradley Logix para interface Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO Rev 503 Agosto de 2007 1788HP-EN2PA Manual do Usuário Rev 503 Índice Capítulo 1 Introdução3 Capítulo 2 Operação e Instalação do Módulo4

Leia mais

PlantStruxure. Sistema de Automação de Processos. Tadeu Oliveira Di Fiori Consultor Técnico em Soluções de Automação

PlantStruxure. Sistema de Automação de Processos. Tadeu Oliveira Di Fiori Consultor Técnico em Soluções de Automação PlantStruxure Sistema de Automação de Processos Tadeu Oliveira Di Fiori Consultor Técnico em Soluções de Automação Andre Luiz de Moraes Consultor de negócios filial RJ Marcas da Schneider Electric Tour

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Christian Marcatto Fabio Elias Fluxograma geral do processo produtivo

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

Aula III Redes Industriais

Aula III Redes Industriais Aula III Redes Industriais Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) 1 Introdução Muitas

Leia mais

CONFIGURANDO OS OLE SERVERS

CONFIGURANDO OS OLE SERVERS Seção 4 Introdução CONFIGURANDO OS OLE SERVERS Utilizando todos os benefícios do OLE (Object Linking and Embedding) e OPC (OLE for Process Control), o usuário pode estabelecer aplicações Fieldbus client

Leia mais