MATERIAL CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA DISCIPLINA DE RADIOLOGIA E IMAGENS DIGITAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATERIAL CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA DISCIPLINA DE RADIOLOGIA E IMAGENS DIGITAIS"

Transcrição

1 MATERIAL CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA DISCIPLINA DE RADIOLOGIA E IMAGENS DIGITAIS TEMA : SISTEMAS DE INFORMAÇÃO HIS/RIS/PACS E DICOM Prof.: Luiz Cláudio de Souza MATERIAL 1 INTRODUÇÃO AO PACS E O DICOM Introdução O grande avanço do desenvolvimento do PACS (Picture Arbiving and Communication System), baseado em padrões como DICOM (Digital Imaging and Communications in Medicine), tornou o PACS a última tecnologia nos serviços de radiologia e hospitais. O PACS quando devidamente implementado permite agilidade no tráfego da informação, redução de custos, aumento da produtividade e da qualidade diagnóstica, e com isso, melhora a qualidade do atendimento ao paciente. Para fazer a conexão entre diversas tecnologias geradoras de imagens médicas, workstations, impressoras e servidores utiliza-se o protocolo padrão de comunicação DICOM. Introdução do PACS O PACS é um conjunto de sistemas computadorizados e a infra-estrutura de rede responsável pelo armazenamento e a distribuição eletrônica de imagens médicas de uma instituição. O PACS se integra com as modalidades geradoras de imagens digitais e com os sistemas de informações da radiologia e hospitalar (RIS-Radiology Information System e HIS-Hospital Information System). O PACS, quando integrado ao RIS, pode trafegar imagens associadas às informações, como dados demográficos, resultados de exames anteriores, história clínica, estatísticas e contabilidade, além de um gerenciamento e otimização do fluxo de trabalho. Os primeiros PACS foram desenhados para centralizar e arquivar imagens e dados, e então distribuí-las quando solicitadas pelas workstations periféricas. Com o desenvolvimento de redes e sistemas de comunicações intercomputadores, tornou-se possível o desenho de uma arquitetura descentralizada de arquivos, em que imagens e dados podem ser armazenados em diferentes localizações da rede e podem ser acessados de qualquer parte, criando-se uma redundância e redução do tráfego na rede. Outro sinal de evolução do PACS foi a criação de um protocolo padrão de comunicação que permite a integração entre equipamentos de imagens de diversas empresas e também como outros componentes do PACS. O protocolo padrão atual é o DICOM 3.0. Atualmente todas as modalidades de diagnóstico por imagem da radiologia estão disponíveis para o formato digital DICOM, dentre elas ressonância magnética, tomografia computadorizada, ultra-son, PET-CT, raios-x, fluoroscopia e mamografia. Os primeiros projetos de implementação de PACS tinham como objetivo a eliminação da impressão de filmes e conseqüentes redução de custos; porém, com a rápida evolução tecnológica o PACS agregou muitas outras funcionalidades que melhoram o departamento de radiologia. Diversos trabalhos têm demonstrado os ganhos com a implementação do PACS, os principais benefícios são: Melhoria no fluxo de trabalhos Aumento da produtividade médica e dos tecnólogos Redução dos custos em filmes Preparação para ambiente de trabalho sem papel e sem filmes Telerradiologia Supervisão e orientação de exames à distancia Consulta de exames em locais distintos e simultâneos.

2 Cobertura de emergência à distancia Entrega de exames em CD, internet e Ganho de tempo entre o exame e o resultado Melhora a educação continuada da equipe médica (arquivo científico eletrônico) Melhoria da acuracidade diagnóstica Diagnóstico em workstations (janelamento, medidas, zoom, cine, reformatações, etc.). Possibilidade de consulta a segunda opinião (teleconferência) Consulta e comparação com exames anteriores Dupla leitura de exames em locais e momentos distintos Aumento da satisfação no trabalho. Introdução ao DICOM DICOM é o protocolo de comunicação padrão que permite a transmissão da imagem e suas informações associadas entre equipamentos de imagens médicas. O desenvolvimento do padrão DICOM foi decorrente da união de esforços da comunidade acadêmica, American College of Radiology (ACR), com os fabricantes de computadores, a National Electrical Manufacturers Association (NEMA). Antes da criação do DICOM, a maioria dos equipamentos guardava sua imagens em formatos proprietários, limitando sua transferência entre equipamentos do mesmo fabricante. Os objetivos do DICOM são conseguir a compatibilidade e melhorar a eficiência do fluxo de trabalho entre equipamentos e sistemas de informações médicas. O DICOM é um padrão cooperativo. Há várias demonstrações em congressos em que os vendedores cooperam em testar seus equipamentos em conexão com outros. A maioria das sociedades radiológicas de todo o mundo está participando no incentivo ao padrão. Com a adoção do DICOM pelas empresas, surgiu o conceito PACS Building Blocks onde é possível montar o PACS com componentes de diversas empresas visando uma redução do custo de implementação inflexibilidade de escolha de componentes que melhor atenda as necessidades do serviço. História do DICOM Iniciou-se em 1983 com a fundação de um comitê para padronizar a Imagem digital e sua comunicação. Em1985 foi publicada a primeira versão do padrão, batizada de ACR-NEMA , também chamada de ACR-NEMA versão 1.0, foi distribuída no congresso do RSNA de 1985 e publicada pela NEMA. Esta versão foi sucedida pela versão 2.0 publicada em Em 1993 foi publicado o DICOM versão incorporou o protocolo de comunicação de rede TCP/IP para ficar independente de soluções proprietárias. Com a ampla adoção do DICOM e a evolução do PACS o padrão teve que incorporar outros padrões utilizados na tecnologia da informação, como o HL7 e o JPEG2000; com isso, deixou de ser um simples protocolo de conectividade para assumir funções operacionais que melhoram o fluxo de trabalho. O DICOM 3.0 transcendeu a radiologia e está cada vez mais sendo adotado por outros campos médicos. Para estabelecer uma transação DICOM, são necessários dois equipamentos, um deles é o usuário do serviço ( SCU Service Class User) e o outro o provedor do serviço ( SCP Service Class Provider). Existem sete classes de serviços relevantes para modalidades de imagens médicas: Verification Serviço para verificar uma comunicação DICOM MWM Modality Worklist Management Tráfego de informações (Ex.: nome do paciente, tipo de estudo, data do exame, número de imagens, número de registro, etc.) com o servidor Worklist. PPS Performed Procedure Step Monitora os passos do exame e do paciente (Ex.:exame agendado, exame realizado, exame impresso, exame assinado, etc.). Store Envio do exame para outro local (Ex.: armazenamento no DICOM Server e envio para Workstation). Storage Commitment Confirma se todas as imagens do exame foram transferidas para o destino. Print Impressão das imagens em impressora DICOM. Query/Retrive Pesquisa no banco de dados e transferência do arquivo. Para estabelecer com sucesso uma comunicação entre sistemas heterogêneos, o DICOM prescreve a preparação de um documento de instrução para cada componente DICOM (hardware e Software) chamado de DICOM Conformance Statement. Este documento

3 descreve os serviços suportados e sua codificação. É possível prever as possíveis funcionalidades entre dois componentes DICOM confrontando seus respectivos DICOM Conformance Statement. Compressão de Imagens Algoritmos de compressão podem ser utilizados para reduzir o tamanho do arquivo de imagens DICOM. A compressão do arquivo acelera a sua transmissão pela rede e reduz os custos de armazenamento; porém, dependendo do fator de compressão pode haver degradação significativa da qualidade da imagem. Os algoritmos mais utilizados são o DICOM JPEG e o JPEG2000 (derivado do wavelet), podem ser comprimidos sem perda de informações (losless), em torno de 2:1, e com perda irreversível das informações (lossy) acima de 2:1. O American College of Radiology (ACR) preconiza que se a imagem disponibilizada no monitor tem a finalidade de interpretação oficial do exame, esta não deve ter perda de dados clinicamente significativos, e se a imagem tem finalidade apenas ilustrativa, consulta ou não-diagnótica, esta deve ter qualidade suficiente para satisfazer a circunstância clínica no momento. Diversos trabalhos têm sido realizados para determinar o fator de compressão que pode ser aplicado a uma imagem, para que esta não tenha perda de dados clinicamente significativos. O fator de compressão ideal varia com o tipo e a finalidade do exame. Os resultados ainda não estão estabelecidos para a prática clínica, porém os resultados preliminares preconizam fatores de compressões que variam entre 10:1 e 20:1. Ref.: Dr. Carlos Matsumoto é membro do Departamento de Informática em Radiologia (DIR) da SPR. MATERIAL 2 MATERIAL INFORMATIVO SOBRE DICOM DICOM, abreviação de Digital Imaging Communications in Medicine (ou comunicação de imagens digitais em medicina), é conjunto de normas para tratamento, armazenamento e transmissão de informação médica (imagens médicas) num formato eletrônico, estruturando um protocolo. Foi criado, com a finalidade de padronizar a formatação das imagens diagnósticas como Tomografias, Ressonâncias Magnéticas, Radiografias, Ultrassonografias etc. O padrão DICOM é uma série de regras que permite que imagens médicas e informações associadas sejam trocadas entre equipamentos de diagnóstico geradores de imagens, computadores e hospitais. O padrão estabelece uma linguagem comum entre os equipamentos de marcas diferentes, que geralmente não são compatíveis, e entre equipamentos de imagem e computadores, estejam esses em hospitais, clínicas ou laboratórios.

4 Serviços DICOM Store (Armazenamento) Storage Commitment (Confirmação de Armazenamento) Query/Retrieve (Busca/Recuperação) Modality Worklist (Lista de Tarefas) Modality Performed Procedure Step (Procedimento Realizado por Equipamento) Printing (Impressão) Off-line Media (DICOM Files) DESCRIÇÃO: Serviços DICOM É um engano comum as pessoas pensarem em DICOM como um formato de arquivo, apenas. No entanto, o arquivo é apenas um dos SERVIÇOS padronizados pelo documento. Os serviços são (trecho traduzido da página correspondente em inglês): Store (Armazenamento) DICOM Store é usado para enviar imagens ou outros outras informações, como relatórios, informações do paciente, para um sistema de PACS. Storage Commitment (Confirmação de Armazenamento) DICOM storage commitment é o serviço usado para confirmar que uma imagem foi armazenada permanentemente (como em um sistema de servidores redundantes ou um meio qualquer de backup). É como um protocolo que segurança, que avisa o usuário quando ele pode, com segurança deletar os arquivos em sua estação de trabalho local. Query/Retrieve (Busca/Recuperação) Permite a uma estação de trabalho localizar listas de imagens, entre outros, e recuperá-lo a partir do PACS em que estão armazenados. Modality Worklist (Lista de Tarefas) Habilita um equipamento de imageamento médico (chamado, no padrão, de modality) a obter detalhes de pacientes e exames agendados eletronicamente, evitando a necessidade de digitar estas informações várias vezes e os erros que esta repetida intervenção humana pode causar. Modality Performed Procedure Step (Procedimento Realizado por Equipamento) Um serviço complementar ao worklist, habilita um equipamento a enviar relatórios sobre um exame realizado, incluindo dados de aquisição das imagens, horários de início e fim e duração do exame, assim como doses de contrastes, por exemplo. Ajuda a fornecer ao departamento de radiologia um controle mais preciso sobre o uso dos equipamentos. Também conhecido como MPPS, este serviço permite melhor compatibilidade com o sistema de armazenamento, já que, junto com os objetos, envia uma lista de objetos (informações) que estão sendo enviados. Printing (Impressão) Usado para enviar imagens para um DICOM printer (impressora de DICOM), normalmente para imprimir um filme de Raios-X. Há um padrão de calibração para ajudar a manter a consistência entre os vários equipamentos de visualização, incluindo a impressão de cópias físicas. Off-line Media (DICOM Files) Este serviço é definido na parte 10 do padrão. Ele descreve como armazenar informações e imagens médicas em uma mídia removível qualquer. Com exceção do conjunto de dados contendo, por exemplo, uma imagem e demografia, é obrigatória a inclusão

5 da "File Meta Information". DICOM restringe os nomes de arquivos a 8 caracteres (muitas pessoas usam, erradamente, 8.3, mas isto é incorreto. Nenhuma informação deve ser extraída destes nomes (PS10: ). Esta é uma fonte de problemas comum em mídias criadas por desenvolvedores que não lêem as especificações com atenção. Este é um requerimento histórico, para manter compatibilidade com sistemas legados. O padrão também exige a presença de um índice de mídia, o "DICOMDIR file", que fornece um índice de todos os arquivos DICOM presentes na mídia (um CD, por exemplo). O DICONDIR fornece muito mais informação do que qualquer nome de arquivo poderia, por isso, por isso não há necessidade de nomes com forte significado. DICOM files tipicamente têm a extensão.dcm. Modalidades Dicom Exemplos de Modalidades (Equipamentos) Suportadas: CR = Computed Radiography CS = Cystoscopy CT = Computed Tomography DF = Digital Fluoroscopy (retired) DM = Digital Microscopy DS = Digital Subtraction Angiography DX = Digital Radiography ES = Endoscopy FA = Fluorescein Angiography LP = Laparoscopy LS = Laser Surface Scan MG = Mammography MR = Magnetic Resonance NM = Nuclear Medicine OT = Other PT = Positron Emission Tomography (PET) RF = Radio Fluoroscopy RTDOSE = Radiotherapy Dose RTIMAGE = Radiotherapy Image RTPLAN = Radiotherapy Plan RTSTRUCT = Radiotherapy Structure Set US = Ultrasound XA = X-Ray Angiography ECG = Electrocardiograms BMD = Bone Mineral Densitometry BDUS = Ultrasound Bone Densitometr Ref.: American College of Radiology (ACR), National Electrical Manufacturers Association (NEMA).

6 MATERIAL 3 GERENCIAMENTO DE IMAGENS E INFORMAÇÃO No manejo de informação dentro do hospital por meio de uma rede de computadores, surgiu inicialmente o conceito de Sistemas de Informação Radiológica - RIS (Radiology Information Systems) e que demonstraram que é possível utilizar sistemas computadorizados para melhorar o gerenciamento dos pacientes, a geração e distribuição de relatórios, as facilidades de utilização dos recursos disponíveis, a localização dos filmes, e as rotinas de funcionamento do setor de radiologia. Freqüentemente eles são integrados ao Sistema de Informação Hospitalar (HIS - Hospital Information Systems). Como o RIS faz tudo menos trabalhar com as próprias imagens, na década dos 80 este conceito foi ampliado para incluir o que chamamos de PACS (Picture Archiving and Communication System, ou sistemas de arquivamento e comunicação de imagens). É um sistema que permite, como o nome diz, a armazenagem e recuperação das imagens em uma rede de computadores. Estação de trabalho de visualização múltipla de imagens em rede PACS. Atualmente, a maior parte das imagens são registradas e armazenadas em filme. Igualmente imagens como CT e MRI, as quais são inerentemente digitais, são transferidas para o filme depois que os técnicos a tenham otimizado para a visualização. Ocasionalmente como no caso de estudos ultrasonográficos, as imagens são transferidas para videotapes para posterior revisão e interpretação. O armazenamento de filmes requer um grande espaço no departamento de radiologia. Os departamentos tem a capacidade de armazenar filmes somente para pacientes que tenham sido estudados nos últimos 6 a 12 meses. Estudos antigos, são retidos por no mínimo 7 anos e estocados em um porão por exemplo. A aquisição digital de todas as imagens dentro de um hospital oferece um excitante panorama de redução do espaço físico requerido, custo de material, redução do trabalho manual tradicional de manuseio de filmes, rápida recuperação de imagens via pedido de informação á base de dados, e alta velocidade de transmissão de imagens através de redes. O desenvolvimento dos sistemas PACS é uma área ativa de pesquisa em informática médica. Um número de complexos problemas tiveram que ser resolvidos antes de por em prática, incluindo padronização de transmissão de imagens e formatos de armazenagem. Armazenar todos os dados de imagens médicas digitais pode criar um grande problema de gerenciamento, que não pode ser resolvidos por métodos que não envolvam computação. Por exemplo, um hospital de 600 leitos que realiza procedimentos de imagens médicas por ano pode gerar centenas ou até milhares de gigabytes de dados de imagens por ano. Afortunadamente, a eletrônica digital permite o manejo de tão grande soma de dados, e existem técnicas de computação que podem comprimir informações, como a compressão de dados, que geralmente aproveita a a redundância na informação. A máxima compressão para imagens é geralmente na faixa de 2 ou 3 para 1. Algumas técnicas de alta compressão de dados, conhecidas como "com perda", conseguem proporções de até 10 para 1, mas podem desfocar e alterar a imagem e prejudicar o diagnóstico em caso de estruturas muito pequenas na imagem (bordas, microcalcificações, etc.) A tecnologia de discos óticos é o meio mais utilizado para armazenamento on-line de dados de imagens. Cada disco armazena cerca de 2,5 gigabytes, e são disponibilizados através de um equipamento robótico de manipulação e leitura, chamado de "jukebox".

7 Existem equipamentos deste tipo com capacidade de 100 discos ou mais, o que permite o armazenamento on-line de um ano inteiro de dados de um hospital de grande porte. Os discos óticos são baratos e os preços continuam em queda. Além disso os novos discos permitem que sejam gravados e regravados várias vezes. Existem vários outros meios para armazenagem a longo prazo (sem disponibilidade on-line), incluindo fita magnética, discos óticos e cartões a laser. Redes Gerenciamento de informação em um hospital envolve a transmissão de imagens em redes. A integração de estações de visualização distribuídas, bases de dados on-line, sistemas de gerenciamento de imagens, e redes locais de larga escala permitem que os dados de imagens sejam partilhados entre profissionais de saúde e que seja feita a visualização local e remota. Além disso, os dados podem ser vistos em múltiplos locais simultaneamente. Os principais meios de transmissão em redes são os cabos coaxiais e fibras óticas. Cabos coaxiais são usados em TV a cabo, e suportam uma variedade de topologias de redes. Redes coaxiais são relativamente baratas e confiáveis, apesarem de serem susceptíveis a interferência elétrica e de radiofreqüência. Redes de fibra ótica oferecem um alto grau de confiança sem problemas com interferência. A capacidade máxima de transmissão de dados deve ser suficiente para suportar as necessidades do departamento ou clínica. O hardware necessário para o trabalho em redes deve estar de acordo com o sistema PACS desenvolvido e com o protocolo de comunicação de redes. O National Equipament Manufacturers Association (NEMA) e o American College of Radiology (ACR) cooperaram para criar um formato padrão de dados de imagens, chamado ACR-NEMA e foi o primeiro passo para conseguir a adesão dos fabricantes de equipamentos de imagem digital, facilitando a sua interconexão direta em rede. Atualmente o ACR-NEMA evoluiu para um novo padrão, amplamente adotado, chamado DICOM. Atualmente, existem diversas superposições de funções entre o HIS, o RIS e o PACS. Um dos mais significativos desenvolvimentos no futuro será a integração desses sistemas, o que exigirá esforços de padronização e de desenvolvimento paralelo em outras áreas da ciência da computação. Dirigindo muitos destes esforços sempre estão a crescente demanda do administrador hospitalar e dos médicos por informações. Níveis de Informatização em Saúde A utilização da computação na área da saúde data do fim do século XIX com a criação de sistemas de cartão perfurado que analisavam dados epidemiológicos. Desde este começo rudimentar, a tecnologia na área da informática evoluiu de com grande rapidez, incluindo modernização de equipamentos, popularização de hardwares e refinamento dos aplicativos. Nos dias de hoje dificilmente encontramos alguma área de atividade humana totalmente desvinculada dos processos informatizados. A utilização da informática na área da saúde compreende vários aspectos. Desde a modernização de equipamentos, métodos diagnósticos, procedimentos cirúrgicos etc., até na agilidade de atendimento, na coleta de informação, no gerenciamento de recursos e organizações. Por exemplo, no que diz respeito às informações de cada paciente, a utilização da informática pode abranger, desde um nível básico como um banco de dados de exames laboratoriais, até níveis mais complexos de intercâmbio e armazenamento de informações de diferentes departamentos ou em diferentes organizações. Desta forma as informações relativas a um paciente dentro de uma mesma organização estariam interligadas ( histórico - exames laboratoriais - exames de imagem - dados terapêuticos - dados burocráticos - seguro - etc. ). Alem disso estes dados estariam disponíveis em qualquer lugar do país e do mundo permitindo acesso imediato a informações determinantes de conduta, comunicação entre profissionais, consultas à distância etc. Em última estância, o nível mais completo de informatização dependeria de total informatização das instituições, intercompatibilidade de dados, segurança, privacidade, confiabilidade, entre outras. TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE NO AMBIENTE HOSPITALAR Os sistemas de informação em saúde no ambiente hospitalar têm por objetivo suprir às necessidades operacionais dos diversos setores ou serviços existentes em uma unidade hospitalar, bem como proporcionar uma integração e uma interação entre os mesmos. Assim, dentro de um sistema operacional que rege um hospital teremos módulos (subsistemas) como por exemplo os módulos do laboratório central, da admissão, da radiologia, do centro cirúrgico entre outros, o que possibilita: total acesso às

8 informações produzidas em cada setor do hospital, maior facilidade e agilidade em pedidos de exames, localização rápida e fácil do histórico clínico do paciente, possibilitando a recuperação de diagnósticos pregressos, internações, consultas ambulatoriais, exames antigos ou cirurgias realizadas. No módulo do centro cirúrgico são feitas a marcação de cirurgias e emissão dos mapas cirúrgicos, identificando os profissionais envolvidos e os recursos utilizados, bem como eventuais cancelamentos. Do ponto de vista administrativo, pode-se através de um sistema de informação em saúde, obter-se um controle total sobre os leitos hospitalares, evitando a sub-utilização e possibilitando uma noção mais precisa das necessidades de cada enfermaria em um dado momento (remédios, refeições, aparelhos e instrumentos, etc.). As cobranças também serão otimizadas, já que o preparo automático do faturamento evitará os casos de sub-faturamento. Há também um benefício importante na área da epidemiologia e medicina preventiva, uma vez que dados mais concretos e acessíveis estarão disponíveis, pois as chamadas sub-notificações, em caso de doenças notificáveis, estarão eliminadas. No laboratório o módulo irá gerenciar funções referentes à requisição de exames, coleta de material, entrada de resultados, emissão de etiquetas, mapas de trabalho e resultados. Assim, permite-se a possibilidade de o laboratório ser ou não independente ou localizado fisicamente dentro do hospital. O módulo na emergência irá cadastrar todos os atendimentos ocorridos nos setores de emergência ou pronto atendimento. Assim, evita-se o alto índice de perda de documentos que ocorre nas emergências; Possibilita visualização "em tempo real" dos horários de maior demanda, permitindo otimizar o aproveitamento dos profissionais e prestar informações ao público, bastando informar o nome ou descrever o biótipo de quem se deseja encontrar. Com estes dados é feita a pesquisa no banco de dados. Caso a pessoa pesquisada, já tiver saído (por Alta, Remoção ou Óbito), ou seja internada na unidade, o sistema mostra, a data e a hora da chegada e o local onde se encontra em caso de transferência para algum leito. Se tiver sido removida para outra unidade, será informado o destino. Um sistema PACS com computador, scanner para filmes e jukebox (equipamento com discos magnéticos e óticos para armazenamento) pode ser utilizado para explicar ao paciente o diagnóstico. Existem inúmeras possibilidades oriundas da implantação de um sistema de informação em saúde no ambiente hospitalar. Desta forma existem vários tipos de software e de hardware disponíveis no mercado, que vão desde os mais simples até sistemas bastante sofisticados. A REALIDADE DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO APLICADOS A RADIOLOGIA Como Funciona no Dia-a-Dia e a realidade atual Dias, horas,minutos. A banda larga que faz toda a diferença naquele download que você está louco para estrear também já abrevia distâncias nos hospitais brasileiros. Pouco importa se o paciente está em São Paulo, no Rio ou numa pequena cidade no interior de Rondônia. Por meio de conexões de alta velocidade, médicos de vários hospitais estão realizando videoconferências, com direito de transmissão de imagens de exames como tomografia e ressonância magnética. Eles discutem casos clínicos, definem diagnósticos e tratamentos e até participam de cirurgias a distância. A videoconferência em banda larga também virou um recurso de capacitação e atualização profissionais na medicina algo geralmente inacessível para quem está longe das grandes cidades. Nos casos mais complexos, ainda dá a oportunidade de ouvir a segunda opinião de especialistas de hospitais em outros países.

9 EXPERIÊNCIAS HOSPITALARES O Hospital Sírio Libanês, de São Paulo, começou sua experiência em telemedicina em 1998 e pela área de oncologia. Na época, investiu 500 mil reais na montagem de uma sala de videoconferência, a princípio voltada para o ensino a distância. Ao mesmo tempo, criou um grupo de segunda opinião em diagnósticos de câncer e passou a discutir casos com especialistas de outros hospitais entre eles, o Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, de Nova York, usando recursos de videoconferência inclusive para transmitir imagens de exames de radiologia e patologia. Assim, os pacientes não precisavam mais viajar para ter uma segunda opinião ou receber o tratamento adequado, diz o doutor Frederico Perego Costa, diretor do programa de telemedicina do Centro de Oncologia do Sírio Libanês. As conexões eram feitas por meio de linhas digitais ISDN, com velocidade de 512 Kbps. Só que o projeto de telemedicina do Sírio Libanês previa também o suporte a outros hospitais do Brasil. tanto na avaliação de casos de pacientes com câncer como no treinamento de médicos a distância. Além disso, havia uma limitação de oferta e de custo de linhas ISDN no país. Por isso, o hospital acabou fechando parceria com a Conexão Médica, que funciona como emissora de TV IP dedicada à transmissão de conteúdo médico, via satélite. Entre o início de 2002 e o final de 2003, o Sírio Libanês realizou 160 reuniões clinicas, num total de 275 horas de programação ao vivo. que foram transmitidas para as 130 instituições (hospitais, universidades e associações) que assinam o serviço da Conexão Médica. Neste ano, o hospital pretende expandir o programa de telemedicina para as áreas de cardiologia, para o pronto-socorro e para a UTI. A banda larga permitiu criar uma comunidade médica e democratizou a informação. Um médico de Rondônia ou do Pará, por exemplo, podem assistir às reuniões e até fazer perguntas aos especialistas daqui, afirma Costa. Raul Cruz Lima, presidente da Conexão Médica, afirma que 40% dos programas transmitidos pela emissora são interativos. Para fazer perguntas ou comentários, os médicos que estão assistindo ao programa que pode ser um curso, palestra, congresso, discussão clínica ou até uma cirurgia usam telefone, fax, e, principalmente (99% dos casos), celular. Isso porque, para não elevar os custos, a Conexão adotou o sistema unidirecional de transmissão por satélite. A velocidade atinge 750Kbps. Todo o conteúdo produzido pelos parceiros além do Sírio Libanês, os hospitais das Clínicas de São Paulo e de Porto Alegre, Samaritano, Albert Einstein e Santa Casa de São Paulo, entre outros é vídeo, antes de ser enviado para o satélite. Nos pontos de recepção, um roteador, ligado à antena parabólica de satélite, decodifica os sinais e os envia para o computa-dor ou para a rede do hospital. A Conexão usa dois canais alugados do satélite holandês New Skies, que cobre toda a América Latina e parte da Europa. Um deles fica 24 horas no ar; o outro é usado na transmissão de eventos especiais. Nosso objetivo é fazer uma TV de custo baixo, para facilitar a atualização permanente dos médicos e outros profissionais da área, afirma Lima. Segundo ele, o serviço hoje atinge de 35 mil a 40 mil médicos em todo o país, nas 130 instituições assinantes que pagam uma taxa de 1500 reais por mês. Para o Centro de Medicina Diagnostica Fleury, uma das principais vantagens da banda larga está em permitir o acesso remoto dos médicos e também de clientes a imagens de exames que exigem altíssima resolução e, por isso, geram arquivos que podem chegar a até 500 MB (para um único exame). O laboratório dispõe, atual-mente, de equipamentos de ressonância magnética, de tomografia e de raio X digital ligados diretamente ao seu sistema de arquivamento e comunicação de imagens médicas em formato digital Picture Archiving and Communication System (Pacs). Todas as imagens de exames feitos nesses equipamentos são enviadas para o Pacs, onde ficam armazenadas e disponíveis para consulta, em alta resolução, de qualquer terminal do Fleury ou da intranet. "Esse sistema facilita o diagnóstico e uma eventual segunda opinião e evita o deslocamento dos especialistas entre as unidades, afirma Teresa Sacchetta, gerente de projetos do Fleury. "Também permite melhorar o diagnóstico, uma vez que fornece maior quantidade de imagens do que o filme e facilita a recuperação de exames anteriores, para comparar com o novo. diz. Para dar rapidez de acesso a essas imagens, o Fleury instalou uma rede de fibra óptica na unidade onde está o servidor do Pacs. As outras lé unidades do laboratório (13 no estado de São Paulo, duas em Brasília e uma no Rio de Janeiro comunicam-se com esse servidor por meio de links de fibra óptica, rádio ou Frame Relay, em velocidades que variam de 2 Mbps a 30 Mbps. Essas conexões também são usadas em outras aplicações de banda larga, como videoconferências e transmissão de aulas multimídia. No Incor, o Instituto do Coração do Hospital das Clínicas de São Paulo (ligado à Faculdade de Medicina da USP), o volume de imagens médicas geradas por equipamentos de tomografia, ressonância magnética, ultra-sonografia e medicina nuclear também é grande. Como no Fleury, esses equipamentos têm saída (digital) direta para a rede do hospital, que envia as imagens para as unidades de armazenamento atual mente, com capacidade de 3,5 TB no sistema de storage e outros 3,5 TB em fitas magnéticas.

10 As imagens de exames são integradas aos dados do paciente e a outras informações clínicas, como medicação e resultados de tratamentos, e ficam disponíveis para o médico, no prontuário eletrônico. explica Marco Antonio Gutierrez, diretor de Tl do Incor. Para facilitar o acesso a esses prontuários, o hospital investiu em uma rede local padrão Gigabit Ethernet (Banda de Alta Velocidade), cujo backbone (Espinha Dorsal / Cabeamento principal) de fibra óptica atinge 2 Gbps. No Hospital Israelita Albert Einstein, o principal investimento em telemedicina em 2004 destina-se à substituição do atual sistema Pacs por um novo, de última geração. Hoje, as imagens de exames geradas pelos equipamentos de tomografia, ressonância magnética, medicina nuclear e raio X, que ficam armazenadas no servidor Pacs, têm o acesso limitado a alguns médicos. A interligação entre esses equipamentos, o servidor Pacs e as estações de trabalho (o hospital tem micros no total) é feita por uma rede local de 1 Gbps. Com a nova geração, as imagens ficarão disponíveis para todo o corpo clínico e também para médicos de fora cujos pacientes vêm fazer exames no Einstein. O hospital também vai implantar um novo sistema de informações radiológicas (Radiology Information System, ou RIS) para integrar as imagens de exames com outros dados, clínicos e pessoais, sobre o paciente, em um prontuário eletrônico único. Outros projetos na área de telemedicina em desenvolvimento no Brasil mostram que a banda larga será cada vez mais usada para melhorar o atendimento de pacientes em todo o país especialmente das regiões mais carentes. E isso tanto pelo uso da videoconferência para discussão de diagnósticos e tratamentos entre especialistas como para a capacitação profissional dos médicos. O Ministério da Saúde, por exemplo, está financiando o projeto da Rede de Telesaúde, que hoje interliga quatro municípios do estado de Pernambuco Recife, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e Igarassu -, por meio de linhas ISDN, com velocidade média de 384 Kbps, instaladas pela Telemar. O objetivo é melhorar a capacidade de decisão das equipes de saúde desses núcleos, evitando o encaminhamento de casos sem muita complexidade para os grandes centros médicos, diz Magdala de Araújo Novaes, coordenadora do Núcleo de Telesaúde da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), responsável pelo projeto. A meta do ministério, que pretende expandir o projeto para todo o pais, é atingir o índice de 85%o de solução dos casos na cidade do paciente. Magdala coordena ainda o grupo de telesaúde do Infravida, outro projeto de segunda opinião em diagnóstico porém, de casos mais complexos, que exigem a participação de especialistas que vem sendo desenvolvido pelo Centro de Informática da UFPE, em colaboração com universidades da Bahia. Rio Grande do Norte e Paraíba. O Infravida deverá usar a infraestrutura da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP, a rede de internet em alta velocidade) nas videoconferências. O Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI) da Escola Politécnica da USP também pretende usar a rede RNP, combinada com outros recursos oferecidos pelas operadoras, para tornar viável o projeto de telemedicina no tratamento de câncer infantil, que começou a desenvolver no ano passado em parceria com a Escola Paulista de Medicina, o Instituto Edumed (Educação a Distância em Medicina) e a Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica. Segundo Adilson Yuuji Hira. gerente de projetos do núcleo de telemedicina do LSI, a intenção é evitar deslocamentos para tratamento em outras cidades e aumentar os índices de cura que em São Paulo chegam a até 80%, mas em regiões mais distantes do pais são bem menores. O projeto deve começar até o fim do ano, com seis hospitais, localizados em Rondônia, Ama-zonas, Piauí, Espírito Santo, Santa Catarina e no Distrito Federal. O objetivo é chegar a 58 hospitais em todo o pais. "Haverá transmissão de videoconferências e de informações multimídia, como imagens de tomografias e exames de ressonância magnética". diz Hira. Bibliografia Consultada Enciclopédia Microsoft Encarta Microsoft Corporation. Todos os direitos reservados. Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Biomédica Renato M.E. Sabbatini. 1.1 Outras Referências Bibliográficas Horii. Steven. C. Computer applications in diagnostic imaging. Clinics in Chest Medicine, 1991, Mar, 12(1):1-17. Shortliffe, E. H.; Perreault, L. E; Wiederholt G.; Fagan, L. M. Medical lnformatics. Computer Applications in Health Care. Addison Wesley, Reading, Mass.; USA, Abad, O. M.; Blanco, A. N.; Somonte, E. E.; Procesamiento de imágenes por computadora. Su aplicación en la medicina. Rev. Ata Médica 3(2): , Dawan, A. P. A review on biomedical image processing and future trends. Comput Methods Programs Bíomed 1990 mar-apr, 31(3-4) Wells. W A.; Rainer. R., Menoli. U.A. Equipment, standardization, and applications of image processing. AM J Clln Pathol jan;99(1):4a-56 Basic Principles of Image Processing. AM J Clin Pathol nov, 98(5) Gillespie, T. 3rd.; Rowberg, A. N. Displaying radiologic images on personal computer: image storage and compression. Part 2. Digital Imaging, 1994, Feb;7(1):1-12. Revista InfoExame Abril Editor.

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Vágner Nepumuceno Guimarães Orient.: Paulo Eduardo Ambrósio Introdução O avanço tecnológico vem influenciando cada vez mais na área médica.

Leia mais

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Integração do Sistema de Informações Hospitalares(HIS) com o Sistema de Transmissão, Distribuição e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Instituto tuto do Coração de São

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Halley Johanston Unysis Corporation, EUA Revista Informédica, 1 (2): 5-9, 1993. A utilização da Informática na gestão hospitalar evoluiu, nos últimos

Leia mais

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Informações em Saúde Clínicas Administrativas Operacionais Financeiras Os Focos

Leia mais

Relatório da prática/proposta

Relatório da prática/proposta Relatório da prática/proposta 1.Nome da pratica/ proposta inovadora: Projeto de Digitalização de Imagens Radiológicas na Rede Pública de Saúde de Naviraí 2.Caracterização da situação anterior: O município

Leia mais

MEDWARE Sistemas Médicos Ltda

MEDWARE Sistemas Médicos Ltda A Empresa MEDWARE Sistemas Médicos Ltda A Medware Sistemas Médicos é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltada para a criação de soluções de informática para a área médica. Criada em meados da

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Picture, Archiving and Communication System. Ramon A. Moreno

Picture, Archiving and Communication System. Ramon A. Moreno Picture, Archiving and Communication System Ramon A. Moreno Introdução O que é PACS? O que é RIS? O que é HIS? Como esses sistemas se integram? O que é HL7? O que é DICOM? O que é IHE? O que é PACS PACS

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009, Seção 1, p. 94-5p

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Soluções Completas. Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de:

Soluções Completas. Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de: Soluções Completas Fundada em 1991, a.compos é pioneira na área de soluções em tecnologia, atuando nas áreas de: - Conexões compartilhada (.IP) e dedicada (.LINK); - Data Center com servidores virtuais

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology Vue PACS Radiology UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Já está aqui: acesso rápido e fácil a todas as ferramentas e aplicações clínicas dos quais os radiologistas

Leia mais

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes

Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes Atualmente, as organizações de saúde estão reavaliando seus modelos de negócios tendo em vista as regulamentações governamentais, pressões das fontes pagadoras e a exigência dos pacientes por serviços

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging Aplicações de GED Processamento, arquivamento e recuperação de documentos (Document Imaging) Gerenciamento de documentos (Document Management) Sistema de Gerenciamento de documentos técnicos (engineering

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Evolução na comunicação Comunicação sempre foi uma necessidade humana, buscando aproximar comunidades distantes Sinais de fumaça Pombo-Correio Telégrafo (século XIX)

Leia mais

A ESCOLHA CERTA. UM PARCEIRO QUE SE IMPORTA COM VOCÊ. Serviços Inteligentes

A ESCOLHA CERTA. UM PARCEIRO QUE SE IMPORTA COM VOCÊ. Serviços Inteligentes Serviços Inteligentes UM PARCEIRO QUE SE IMPORTA COM VOCÊ. Oferecemos 100 anos de liderança na inovação de imagens e em TI na área de saúde. Nossa equipe de serviços em todo o mundo trabalha junto com

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Medware Clínicas Sistema de Gerenciamento de Clínicas e Consultórios

Medware Clínicas Sistema de Gerenciamento de Clínicas e Consultórios Medware Clínicas Sistema de Gerenciamento de Clínicas e Consultórios A Empresa MEDWARE Sistemas Médicos Ltda A Medware Sistemas Médicos é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltada para a criação

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS HOSPITAIS, AMBULATÓRIOS E CENTROS PÚBLICOS DE SAÚDE DO ESTADO COM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS MÉDICAS

INTEGRAÇÃO DOS HOSPITAIS, AMBULATÓRIOS E CENTROS PÚBLICOS DE SAÚDE DO ESTADO COM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS MÉDICAS INTEGRAÇÃO DOS HOSPITAIS, AMBULATÓRIOS E CENTROS PÚBLICOS DE SAÚDE DO ESTADO COM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE IMAGENS MÉDICAS Introdução O objetivo deste trabalho é apresentar um modelo de central de laudos

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO 01. O QUE É? O Curso de Desenvolvimento de Websites é um curso de graduação tecnológica de nível superior com duração de dois anos e meio. Este curso permite a continuidade dos estudos em nível de bacharelado

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

Unidade 1. Conceitos Básicos

Unidade 1. Conceitos Básicos Unidade 1 Conceitos Básicos 11 U1 - Conceitos Básicos Comunicação Protocolo Definição de rede Rede Internet 12 Comunicação de dados Comunicação de dados comunicação de informação em estado binário entre

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA. Curso: Redes de Computadores e Telecomunicações UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA Curso: Redes de Computadores Módulo 2 - Conceitos e Fundamentos Evolução das Redes d LAN, MAN e WAN Material de Apoio 2011 / sem2 Prof. Luiz Shigueru Seo CONCEITOS e FUNDAMENTOS

Leia mais

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas

RADIOLOGIA DIGITAL. Conceitos Básicos. Eizo Soluções Médicas Eizo Soluções Médicas Conceitos Básicos RADIOLOGIA DIGITAL Entenda os conceitos, termos e a história da radiologia ; os benefícios, desafios e o futuro da radiologia digital INTRODUÇÃO Para profissionais

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed Boas práticas em gestão da saúde Eficiência Qualidade Segurança Ética Humanização Sustentabilidade

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML DICOM - XML Introdução aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML Introdução Até a década de 70, maioria dos dispositivos armazenava imagens em formatos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II 1. Descrição da rede INFOSUS II A Rede INFOSUS II, Infovia Integrada do Sistema Único de Saúde (SUS), consistirá em infra-estrutura de telecomunicações, a ser utilizada

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são

Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são fundamentais no processo de um laboratório, levando até cada

Leia mais

Projeto de Ensino Via Satélite

Projeto de Ensino Via Satélite Projeto de Ensino Via Satélite O Instituto Edumed Associação de pesquisa, desenvolvimento e educação, sem fins lucrativos, estabelecida em Campinas, junho de 2000 Formada por pesquisadores e professores

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Administração e Desenvolvimento de Soluções em TI

Administração e Desenvolvimento de Soluções em TI Administração e Desenvolvimento de Soluções em TI Projeto Corporativo Missão: Oferecer soluções corporativas em Tecnologia da Informação, fornecendo e integrando produtos e serviços profissionais de alta

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA Vue Connect Enterprise Workflow MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Para empresas que possuem diversas unidades, uma ampla gama de instalações, fluxo de trabalho departamental

Leia mais

INFORMAÇÕES SISTEMAS DE CAPTURAS DE VÍDEO

INFORMAÇÕES SISTEMAS DE CAPTURAS DE VÍDEO INFORMAÇÕES SISTEMAS DE CAPTURAS DE VÍDEO MODALIDADES : US, ECO, ENDO E COLO. CAPTURA DE IMAGENS. Criamos uma linha de produtos denominado PROCapVG para a utilização em serviços de captura de imagens analógicas

Leia mais

Introdução ao GED Simone de Abreu

Introdução ao GED Simone de Abreu Introdução ao GED Simone de Abreu GED O que é isso? O conhecimento teve, ao longo da história, diferentes significados e funções. No tempo das cavernas nossos antepassados transmitiam aos seus descendentes

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

HEALTHNET : um Sistema Integrado de Telediagnóstico e Segunda Opinião Médica

HEALTHNET : um Sistema Integrado de Telediagnóstico e Segunda Opinião Médica HEALTHNET : um Sistema Integrado de Telediagnóstico e Segunda Opinião Médica Profa. Magdala de Araújo Novaes, PhD Grupo de Tecnologias da Informação em Saúde (TIS), UFPE Email : magdala@telesaude.com.br

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO A COMUNICAÇÃO NA INTERNET PROTOCOLO TCP/IP Para tentar facilitar o entendimento de como se dá a comunicação na Internet, vamos começar contando uma história para fazer uma analogia. Era uma vez, um estrangeiro

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

Perguntas e Respostas. Relatórios

Perguntas e Respostas. Relatórios Perguntas e Respostas 1. Por que o @ Work mudou? R: Pensando na satisfação dos nossos clientes para com os serviços via Web, foi realizado uma reformulação de toda estrutura do site otimizando a disponibilidade

Leia mais

A INTERNET 2 NA TELEMEDICINA

A INTERNET 2 NA TELEMEDICINA A INTERNET 2 NA TELEMEDICINA Marco Antonio Gutierrez, Sérgio Shiguemi Furuie, Júlio Figueiredo, Marcos Yamaguti, InCor Instituto do Coração-HC FMUSP, São Paulo, Brasil 1. Introdução A distribuição dos

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Informática Redes de Computadores e Internet. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Redes de Computadores e Internet. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Redes de Computadores e Internet Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Descrever a importância das redes de computadores. Explicar a importância da Internet. Redes de Computadores Rede:

Leia mais

DICOM Grid Brasil www.dicomgrid.com.br

DICOM Grid Brasil www.dicomgrid.com.br DICOM Grid Brasil Imagens médicas na nuvem Compartilhamento, visualização e armazenamento na nuvem www.dicomgrid.com.br Situação atual do mercado de imagens e laudos médicos na América Latina Alto custo

Leia mais

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Publicado no DO em 19 dez 2013 Dispõe sobre as atribuições do biomédico habilitado na área de imagenologia, radiologia, biofísica, instrumentação médica que compõe o

Leia mais

esaúde Medigraf - Sistema de Telemedicina e Telediagnóstico BEYOND INNOVATION

esaúde Medigraf - Sistema de Telemedicina e Telediagnóstico BEYOND INNOVATION esaúde Medigraf - Sistema de Telemedicina e Telediagnóstico BEYOND INNOVATION PRÉMIOS AfricaCom 2013 - Categoria Changing Lives Reconhece uma iniciativa com um impacto significativo nas telecomunicações

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

PACS - Um Conceito Obsoleto?

PACS - Um Conceito Obsoleto? Cyclops LAPIX - INE - UFSC PACS - Um Conceito Obsoleto? Dr rer nat Aldo von Wangenheim Projeto Cyclops Laboratório rio de Telemedicina Hospital Universitário rio Ernani de São Thiago Universidade Federal

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA PARA O ARQUIVAMENTO DE DOCUMENTOS EM AMBIENTE DE REDE NA FCM

INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA PARA O ARQUIVAMENTO DE DOCUMENTOS EM AMBIENTE DE REDE NA FCM INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA PARA O ARQUIVAMENTO DE DOCUMENTOS EM AMBIENTE DE REDE NA FCM Wagner J. Silva Núcleo de Tecnologia da Informação CADCC - FCM - UNICAMP AGENDA Arquivos corporativos Locais

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

O Que é Videoconferência e Como Funciona

O Que é Videoconferência e Como Funciona O Que é Videoconferência e Como Funciona Renato M.E. Sabbatini, PhD O objetivo da videoconferência é colocar em contato, através de um sistema de vídeo e áudio, duas ou mais pessoas separadas geograficamente.

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

TCM. Inicie uma nova era no seu Laboratório: a era da tranquilidade.

TCM. Inicie uma nova era no seu Laboratório: a era da tranquilidade. TCM Inicie uma nova era no seu Laboratório: a era da tranquilidade. tranquilidade Esqueça tudo o que você já ouviu falar sobre sistemas para gestão de Laboratórios Clínicos. Abandone limites, fronteiras

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais