NutriBem - Sistema Inteligente de Apoio Nutricional Parametrização de Base de Conhecimento em SE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NutriBem - Sistema Inteligente de Apoio Nutricional Parametrização de Base de Conhecimento em SE"

Transcrição

1 NutriBem - Sistema Inteligente de Apoio Nutricional Parametrização de Base de Conhecimento em SE Mario Gusmão, Sidnei Renato Silveira Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Faculdade de Informática UniRitter Centro Universitário Ritter dos Reis Resumo. Este artigo apresenta a proposta de um sistema inteligente para a área de Nutrição. O sistema atua na avaliação e acompanhamento clínico de pacientes, composição e orientações dietéticas, registro de receitas, relatórios e gráficos estatísticos. A inteligência do sistema acontece pelo armazenamento de perguntas e conclusões encadeadas em múltiplos níveis, representando o conhecimento do especialista da área, constituindo-se em uma ferramenta de apoio não substituindo o especialista. Palavras-chaves: Inteligência Artificial, Nutrição, Sistemas Especialistas Abstract. This paper presents a proposal of an intelligent system for the area of Nutrition. The system operates in the evaluation and clinical monitoring of patients, composition and dietary guidelines, record receipts, reports and statistical graphs. The intelligence system held by the storage of questions and conclusions linked on multiple levels, representing the expert knowledge of the area. It will be a tool to support not replaces the expert. Keywords: Artificial Intelligence, Nutrition, Expert System 1. Introdução O presente trabalho apresenta o desenvolvimento de um protótipo de sistema inteligente para a área de Nutrição - Nutribem, aplicando técnicas de Inteligência Artificial, mais especificamente, técnicas para o desenvolvimento de Sistemas Especialistas. Para o desenvolvimento do Nutribem foram utilizadas referências específicas da área de nutrição, com embasamento nas informações do Ministério da Saúde, para garantir que as orientações estejam adequadas para a realidade brasileira, e que cumpra a proposta de auxílio profissional. Para tanto, houve a participação e orientação da nutricionista Renata Castro Gusmão, que foi a especialista do domínio. O sistema atua na avaliação e acompanhamento clínico de pacientes, composição e prescrição de dietas, registro de receitas, fotos digitais, relatórios e gráficos estatísticos. A parte da Inteligência do sistema acontece pelo armazenamento de perguntas e conclusões encadeadas em múltiplos níveis, representando o conhecimento do especialista da área. Estas informações podem ser acrescidas, alteradas ou retiradas pelo especialista que estiver utilizando o sistema. Estas perguntas, organizadas em uma árvore de decisões, juntamente com os indicativos de exames laboratoriais, os dados de anamnese e exames das consultas inseridos no sistema

2 formam argumentos que, uma vez processados, sugerem indicativos e/ou conclusões que servem para o aconselhamento de fatos importantes para as dietas. O protótipo foi desenvolvido utilizando-se a linguagem de programação PHP, com banco de dados PostgreSQL e interface Web. Foram empregadas técnicas de Inteligência Artificial, para a construção da base de conhecimento e geração dos diagnósticos e/ou conclusões. A modelagem de dados, procedimentos e base de conhecimentos foram projetados utilizando diagrama UML (Unified Modeling Language) e modelo ER. Neste contexto, este artigo apresenta as fases que propiciaram o desenvolvimento de um sistema inteligente voltado à Nutrição Nutribem, envolvendo um breve referencial teórico sobre Inteligência Artificial, Sistemas Especialistas e Nutrição (seção 2). A seção 3 apresenta o Estado da Arte, apresentando algumas ferramentas informatizadas utilizadas na área de Nutrição. A seção 4 apresenta a solução proposta. Finalizando o artigo, apresentam-se as considerações finais e as referências bibliográficas utilizadas. 2. Inteligência Artificial A Inteligência Artificial (IA) começou como um campo experimental nos anos 50 com pioneiros como Allen Newell e Herbert Simon, que fundaram o primeiro laboratório de inteligência artificial na Universidade Carnegie Mellon, e McCarty que juntamente com Marchem Minsky, que fundaram o MIT AI Lab em Foram eles alguns dos participantes na famosa conferência de verão de 1956 em Darthmouth College (FERAUCHE, 2006). Barr & Feigenbaum (1981), definem Inteligência Artificial como a parte da Ciência da Computação que compreende o projeto de sistemas computacionais que exibam características associadas, quando presentes no comportamento humano, à inteligência. Lucena (1987), de forma semelhante a define como a área da computação interessada no uso de computadores em tarefas que, normalmente, exigem conhecimento, percepção, raciocínio, aprendizado, entendimento e habilidades cognitivas similares. Já Luger & Stubblefield (1993), sintetizaram como sendo o um ramo da ciência da computação que se dedica à automação de comportamento inteligente. Os estudos em IA atualmente dividem-se em quatro ramos fundamentais: um ligado ao estudo das redes neurais e ao conexionismo que se relaciona também com a capacidade dos computadores aprenderem e reconhecerem padrões; um outro ramo ligado à biologia molecular, na tentativa de construir vida artificial; um terceiro relacionado com a robótica, ligada à biologia e procurando construir máquinas que alojem vida artificial. E, finalmente, o ramo clássico da IA que se liga desde o início à Psicologia, desde os anos 70 à Epistemologia e desde os anos 80 à Sociologia, e que tenta representar na máquina os mecanismos de raciocínio e de procura (CAEIRO, 2005). O trabalho aqui apresentado envolve a construção de um Sistema Especialista para a área de Nutrição, compreendendo o ramo clássico da IA. Neste sentido, serão apresentados alguns conceitos importantes sobre estes sistemas. 2.1 Sistemas Especialistas Um sistema especialista (SE) pode ser visto como uma subárea da IA, desenvolvido a partir da necessidade de se processar informações não numéricas. Um

3 sistema especialista é capaz de apresentar conclusões sobre um determinado tema, desde que devidamente orientado e alimentado (PY, 2010). Segundo Flores (2003), um SE é uma forma de sistema baseado no conhecimento especialmente projetado para emular a especialização humana de algum domínio específico. Um SE possui uma base de conhecimento (BC) formada de fatos, regras e heurísticas sobre o domínio, tal como um especialista humano faria, e deve ser capaz de oferecer sugestões e conselhos aos usuários e, também, adquirir novos conhecimentos e heurísticas com essa interação. O objetivo de um sistema especialista é bastante restrito, se considerar o objetivo dos modelos psicológicos: os SE são concebidos para reproduzir o comportamento de especialistas humanos na resolução de problemas do mundo real, mas o domínio destes problemas é altamente restrito (BARR & FEIGENBAUM, 1981). Um dos primeiros sistemas especialistas que obteve sucesso em seus objetivos foi o DENDRAL, projeto desenvolvido a partir de 1965 na Universidade de Standford (USA). O objetivo do projeto foi de desenvolver programas capazes de determinar automaticamente o conjunto de estruturas moleculares, constituídas de átomos conhecidos, capazes de explicar dados provenientes da análise espectrográfica de uma molécula desconhecida. Uma abordagem algorítmica havia sido tentada anteriormente e se mostrou impraticável devido ao enorme número de estruturas possíveis. O primeiro programa do projeto, o Heuristic DENDRAL, fazendo uso de regras obtidas junto a especialistas humanos em espectroscopia que impõem restrições aos tipos possíveis de estrutura, foi capaz de reduzir o espaço de busca para um tamanho tratável, mantendo os mesmos resultados (FEIGENBAUM; BUCHANAN; LEDERBERG, 1971). O sistema DENDRAL, a partir de 1968 até o presente, foi utilizado em diversas pesquisas sobre química orgânica. Alguns resultados de análises realizadas pelos sistemas foram considerados melhores do que os obtidos por especialistas humanos e publicados em revistas especializadas. A partir dessa época, vários sistemas foram desenvolvidos visando resolver diversos problemas, em diferentes domínios, como por exemplo, agricultura, química, sistemas de computadores, eletrônica, engenharia, geologia, gerenciamento de informações, direito, matemática, medicina, aplicações militares, física, controle de processos e tecnologia espacial. Definir a forma de representação do conhecimento a respeito do domínio escolhido de maneira completa e eficiente é um ponto importante de um sistema especialista. As formas mais usadas são: - Lógica: é a base para a maioria dos formalismos de representação de conhecimento, seja de forma explícita, como nos sistemas especialistas baseados na linguagem Prolog, seja mascarada na forma de representações específicas que podem facilmente ser interpretadas como proposições ou predicados lógicos (BITTENCOURT, 2010); - Redes semânticas: consistem em um conjunto de nodos conectados por um conjunto de arcos. Os nodos em geral representam objetos e os arcos, relações binárias entre esses objetos. Mas os nodos podem também ser utilizados para representar predicados, classes, palavras de uma linguagem, entre outras possíveis interpretações, dependendo do sistema de redes semânticas em questão (BITTENCOURT, 2010); - Quadros (frames): sua variação, os roteiros (scripts), foram introduzidos para permitir a expressão das estruturas internas dos objetos, mantendo a possibilidade de representar herança de propriedades como as redes

4 semânticas. As idéias fundamentais destes métodos foram introduzidas por Marvin Minsky (MINSKY, 1975). Existem várias arquiteturas de sistemas especialistas. A Figura 1 apresenta um diagrama da arquitetura de um Sistema Especialista. Dentre elas a mais simples de compreender e a mais difundida compõe-se de 3 elementos básicos: Base de Conhecimento, Mecanismo de Inferência e Quadro Negro (Flores, 2003): - A base de conhecimento armazena as informações de um sistema especialista, ou seja, os fatos e as regras. As informações armazenadas de um determinado domínio fazem do sistema um especialista neste domínio; - A comunicação das informações entre os sistemas especialistas é feita por um mecanismo chamado quadro-negro: é um lugar dentro da memória do computador no qual as informações armazenadas em um sistema especialista são "afixadas" para que qualquer outro sistema especialista possa usá-lo se precisar das informações lá contidas para alcançar seus objetivos. O quadronegro é uma estrutura que contém informações que podem ser examinadas por sistemas especialistas cooperativos; - Mecanismo de inferência ou motor de inferência é um elemento permanente, que pode ser inclusive reutilizado por vários sistemas especialistas. É a parte responsável pela busca das regras da base de conhecimento para serem avaliadas, direcionando o processo de inferência. O conhecimento deve estar preparado para uma boa interpretação e os objetos devem estar em uma determinada ordem, representados por uma árvore de contexto. Figura 1: Estrutura Básica de um Sistema Especialista

5 2.2 Nutrição A vida é nutrida por alimentos e as substâncias nos alimentos, das quais a vida depende, são nutrientes, que fornecem a energia e os materiais constituintes para as substâncias que são essenciais para o crescimento e sobrevivência dos seres vivos (MAHAN, 2010). A importância da nutrição para a saúde humana é incontestável. De acordo com o Relatório Mundial de Saúde publicado em 2002 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), seis dos vinte fatores de risco para morbi-mortalidade avaliados globalmente foram nutricionais: desnutrição infantil, sobrepeso e obesidade, baixo consumo de frutas e verduras; deficiência de zinco anemia ferropriva e deficiência de vitamina A (OMS, 2002). O desmame precoce não foi avaliado nessa revisão, mas sem dúvida também seria incluído entre os principais fatores de risco analisados (KAC et al, 2007). A alimentação saudável pressupõe o enfoque prioritário de resgate de hábitos e práticas alimentares regionais inerentes ao consumo de alimentos locais, minimamente processados, culturalmente referenciados (e respeitados), e de elevado valor nutritivo, bem como de padrões alimentares mais variados, em todas as fases do ciclo de vida, preservadas as dimensões de cor, sabor e acesso. Esta iniciativa, além de estimular o consumo de alimentos saudáveis regionais, pode auxiliar na geração de emprego e renda em comunidades com tradição agrícola ou agricultura familiar, no âmbito da Segurança Alimentar e Nutricional (BRASIL, 2005). A promoção da alimentação saudável é uma ação efetiva para reduzir substancialmente as mortes e doenças em todo o mundo, devendo ser considerada parte de um grande esforço em prol da saúde pública (BRASIL, 2005). O Brasil encontra-se em um período de transição nutricional, fato considerado marcante na esfera mundial, deve-se à urbanização e à globalização, que resultaram em mudanças substanciais na alimentação, com a crescente oferta de alimentos industrializados (muito ricos em gorduras, açúcares e sódio), facilidade de acesso a alimentos caloricamente densos e baratos (o que afeta, em especial, as famílias de baixa renda) e redução generalizada da atividade física. Mesmo sem haver resolvido o problema da fome, em termos nutricionais, ocorreu a redução das prevalências de desnutrição e aconteceu o aumento do sobrepeso e da obesidade (BRASIL, 2008). A obesidade, atualmente, é um problema de todas as classes sociais. Pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde mostra que a obesidade aumentou nos brasileiros. Atualmente, 13% dos adultos são obesos, sendo o índice maior entre as mulheres (13,6%) do que entre os homens (12,4%). Das 27 cidades pesquisadas, Porto Alegre é a que apresenta maior freqüência de excesso de peso em adultos: quase metade da população adulta (49%) está acima do peso. O excesso de peso é diagnosticado a partir do Índice de Massa Corporal (IMC), obtido pela razão entre o peso e o quadrado da altura. Atualmente, o grande desafio no Brasil é o combate às doenças crônicas nãotransmissíveis (DCNT), que comprometem a qualidade de vida do adulto e do idoso e implicam altos custos para o país (VITOLO, 2008). Seguindo a tendência dos países do primeiro mundo, o impacto das DCNT em muitos países em desenvolvimento cresce continuamente e aumenta as dificuldades socioeconômicas. As DCNT e a pobreza criam um círculo vicioso nos países de renda média e baixa, uma vez que impactam negativamente em seu desenvolvimento macroeconômico (SAÚDE, 2005), As DCNT são responsáveis pelo maior custo econômico para as famílias, o sistema de saúde e a sociedade. Tais custos ocorrem tanto de forma direta (custos relacionados a internações, medicamentos, tratamentos ambulatoriais) como indireta (perda de produção associada a essas doenças, aposentadorias precoces, entre outras questões). Esses custos serão aumentados na próxima década se não forem

6 implementadas intervenções efetivas. Intervenções para a redução do crescimento das DCNT trarão benefícios econômicos. As estimativas da OMS apontam para uma redução entre 0,5% e 1% do produto interno bruto de países como Brasil, Índia, Canadá, China, Inglaterra, Paquistão e Nigéria, entre 2005 e 2015, se não forem adotadas medidas de cuidado integral dessas doenças (SAÚDE, 2005). Essas mudanças observadas nos padrões de ocorrência das doenças têm colocado constantemente novos desafios, não só para os gestores e tomadores de decisão do setor de saúde, como também por outros setores governamentais. Neste contexto coloca-se o desafio do financiamento das ações. Doenças crônicas custam caro para o Sistema Único de Saúde, se não adequadamente prevenidas e gerenciadas. O enfretamento dessas novas epidemias de doenças crônicas não transmissíveis necessita muito investimento em pesquisa, vigilância, prevenção, promoção da saúde e defesa da vida saudável (BRASIL, 2005). A Hipertensão Arterial (HA) e o Diabetes Mellitus (DM) são DCNT, de alta prevalência. São responsáveis pelas maiores taxas de morbimortalidade da população brasileira e de todo o mundo, gerando sofrimento pessoal e familiar, com alto custo financeiro e social. Dentre as doenças cardiovasculares, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e a Doença Coronariana Aguda (DCA), são responsáveis 65% dos óbitos na população adulta; 40% das aposentadorias precoces segundo o Instituto de Seguridade Social e por 14% das internações na faixa etária de anos (BRASIL, 2004). A prevenção e o controle da hipertensão arterial e do diabetes são ações prioritárias na Atenção Básica. Para a hipertensão estão previstas: ações educativas para controle de condições de risco (obesidade, sedentarismo, tabagismo) e prevenção de complicações, diagnóstico de casos, cadastramento de portadores, busca ativa de casos, tratamento dos doentes, diagnóstico precoce de complicações e primeiro atendimento de urgência. Para o diabetes estão previstas medidas preventivas e de promoção da saúde (ações educativas sobre condições de risco (obesidade, sedentarismo); ações educativas e de apoio para prevenção de complicações (cuidados com os pés; orientação nutricional; cessação do tabagismo e alcoolismo; controle de PA e das dilispidemias); ações educativas para auto aplicação de insulina), diagnóstico de casos, cadastramento de Portadores, busca ativa de casos, tratamento dos doentes, monitorização dos níveis de glicose sanguínea e diagnóstico precoce de complicações, primeiro atendimento de urgência, encaminhamento de casos. Essas ações são desenvolvidas na rede de atenção básica do SUS (BRASIL, 2005). 3. Estado da Arte Como referência a trabalhos semelhantes, apresenta-se um estudo comparativo das funcionalidades dos principais sistemas de informação na área de nutrição clínica, buscando orientar o nutricionista quanto a sua rotina de atendimento no consultório. O estudo avaliou os seguintes sistemas: DietWin Clínico 2008, DietWin Professional 2008, Avanutri 3.0.9, MED-FAT 8.0 e Diet PRO 4.0 (COELHO, 2008). De acordo com os resultados da avaliação, os sistemas de informação comparados têm condições de atender as necessidades do nutricionista na prática clínica, porque conseguem reunir tabelas e fórmulas, as quais são utilizadas diariamente, bem como facilitar os cálculos e reduzir riscos de erro já que o software está preparado para a execução destes. Destaca-se a necessidade de se conhecer detalhadamente estes

7 sistemas de informação antes de adquiri-los, tendo em vista inúmeros itens e algumas particularidades quanto aos métodos utilizados para avaliação nutricional, bem como tabelas utilizadas para cálculos, devendo ser escolhidos conforme as características do paciente (COELHO, 2008). Dentre os sistemas de informação avaliados, seguindo os critérios acima apresentados, o DietWin Professional 2008 apresentou um número maior de características necessárias para atender as necessidades do nutricionista na sua rotina de atendimento no consultório, sendo seguido pelo Diet PRO 4.0 Concluiu-se que ambos contêm os requisitos necessários para a avaliação clínica e dietética do paciente (fórmulas para cálculo de gasto energético e avaliação nutricional, dados antropométricos, tabelas de composição química de alimentos cadastrados, exames bioquímicos, entre outros) que serão utilizados diariamente pelo nutricionista. Com isso, há redução do espaço gasto para armazenar materiais e, principalmente quando está integrado ao prontuário do paciente, há maior facilidade no momento de sua utilização, além de redução do tempo gasto com cálculos durante a consulta. Os sistemas anteriormente relacionados foram estudados individualmente utilizando as documentações constantes nos respectivos sites e utilizando versões de demonstrações quando disponíveis. A seguir alguns quadros que resumem a comparação entre os sistemas estudados, incluindo o sistema desenvolvido Nutribem. Análise da Composição Química da Dieta DietWin Professional Avanutri MED-FAT NutWin DietPro NutriBem Composição de Alimentos Informado Informado Importado da Informado Informado Informado TACO 1 Receitas Sim Sim não sim sim não Implicações Nutricionais (interações) Sim Não não não não sim Registro Fotográfico Sim Não não não não sim Medidas Caseiras Sim Não não não não sim Recomendações Dietéticas Sim Não não sim sim sim Relatórios Sim Sim sim sim sim sim Gráficos Sim Sim não sim sim sim Quadro 1 Comparação entre os Sistemas Estudados: Análise da Composição Química da Dieta 1 Tabela Brasileira de Composição de Alimentos Q Avaliação Clínica do Paciente DietWin Professional Avanutri MED-FAT NutWin DietPro NutriBem Condutas sim sim sim sim sim sim Patologias sim sim sim sim sim sim Sintomas sim sim não sim sim sim Sinais Clínicos sim sim não sim sim sim Exames Laboratoriais sim sim não sim sim sim Medicamentos sim sim não sim sim sim Quadro 2 Comparação entre os Sistemas Estudados: Avaliação Clínica do Paciente

8 Avaliação do Estado Nutricional do Paciente Medidas Antropométricas Cálculo do Peso Teórico Classificação do Estado Nutricional pelo IMC Gasto da Energia na Atividade Física Protocolo de Composição Corporal DietWin Professional Avanutri MED-FAT NutWin DietPro NutriBem sim sim sim sim sim sim predefinido predefinido predefinido predefinido predefinido parametrizável predefinido predefinido predefinido predefinido predefinido parametrizável predefinido predefinido predefinido predefinido predefinido parametrizável não predefinido predefinido predefinido predefinido parametrizável Diagnóstico Nutricional predefinido predefinido predefinido predefinido predefinido parametrizável Padrões para Avaliação de predefinido não não predefinido predefinido parametrizável Gestantes Padrões para Avaliação de não predefinido não predefinido predefinido parametrizável Crianças Criação de Novos Padrões para Qualquer não não não não não parametrizável Necessidade Gráfico da Evolução de Qualquer não não não não não parametrizável Componente da Consulta Quadro 3 Comparação entre os Sistemas Estudados: Avaliação do Estado Nutricional do Paciente Prescrições Dietéticas Equivalentes de Nutrientes Gráfico de Distribuição Calórica Gráfico de Qualquer Componente Químico DietWin Professional Avanutri MED-FAT NutWin DietPro NutriBem sim sim não sim sim não sim sim sim sim sim sim não não não não não sim Modelo de Dietas sim sim não sim sim sim Quadro 4 Comparação entre os Sistemas Estudados: Prescrições Dietéticas

9 Aspectos Técnicos DietWin Professional Avanutri MED-FAT NutWin DietPro NutriBem Edição da Base de Conhecimento não não não não não sim Plataforma DeskTop web DeskTop DeskTop web web Forma de Comercialização Sistema Operacional Shareware/Pagt o Licença Win98/Xp/Vista Pagamento anual do Direito de Uso cfe número de Licenças Qualquer Pg Cfe Orçamento Solicitado Win98/Xp/ Vista 30 Free/Pgto Licença Win98/Xp/ Vista Pgto Licença Windows 2000/XP/ Vista/7 Quadro 5 Comparação entre os Sistemas Estudados: Aspectos Técnicos de Implementação Será SoftwareLivre Qualquer Analisando-se os quadros apresentados anteriormente, verifica-se que, os principais diferenciais do sistema implementado, além da forma de distribuição, como software livre, envolvem a inclusão da TACO (Tabela Brasileira de Composição de Alimentos), que foi desenvolvida para a realidade brasileira, pelo Ministério da Saúde, uma vez que os demais sistemas estudados, apesar de relatarem um logo trabalho de pesquisa para obter os valores apresentados na análise da composição química dos alimentos, macros e micro nutrientes, transferem esta responsabilidade para os profissionais que os utilizam. O NutriBem também propõe uma interface simples. Pelo fato de ser baseado em modelos de consultas e dietas, não tem a necessidade de manter uma interface com uma enorme quantidade de campos, que na maioria das vezes não são utilizados. Outro aspecto que o diferencia dos demais é o de não esgotar as possibilidades de diagnósticos e fórmulas, uma vez que é o profissional quem os cria de forma dinâmica. 4. Solução Implementada O sistema apresentado neste trabalho NutriBem - não tem pretensão, e mesmo porque a ética não permitiria, que por si só, chegue a diagnósticos e prescrição de dietas. Ele visa apenas auxiliar o especialista da área, baseado nas formulações e instruções fornecidas por este. O protótipo do sistema foi desenvolvido utilizando-se a linguagem de programação PHP, com banco de dados PostGreSql e interface Web. Foram empregadas técnicas de Inteligência Artificial, para a construção da base de conhecimento e geração dos diagnósticos e/ou conclusões. A modelagem de dados, procedimentos e base de conhecimento foi projetada através de diagramas UML. Ele atua na avaliação e acompanhamento clínico de pacientes, auxílio para a composição de dietas, registro de dados históricos, fotos digitais, relatórios e gráficos estatísticos. Começa pela implantação de uma base de conhecimentos, gerada, em parte, pela importação da TACO (Tabela Brasileira de Composição de Alimentos) e pela construção de um dicionário de termos que servem para a composição das consultas. Os campos do dicionário podem ser apenas armazenadores de informações das consultas, valores ou fotos, bem como fórmulas e regras que levem a algum diagnóstico.

10 Cada campo da Base de Conhecimento é composto por: - Identificador (pelo qual pode ser referenciado em fórmulas); - Descrição (Legenda, Pergunta ou Conclusão); - Nível (consulta ou dieta); - Indicador se é um campo de armazenamento ou uma fórmula; - Tipo (Caracter, número, Data, Foto, simples ou valorados); - Fórmula (usado quando for campo Fórmula, ou para expressar os valores possíveis de campos valorados); - Encadeamento (usado para encadear uma série de perguntas que leve a algum diagnóstico); - Um indicador de permanência (Campo Histórico ou renovado a cada Consulta) Por exemplo: o nome, a data de nascimento, o sexo, são campos de armazenamento que são históricos, ou seja, prevalecerão para as próximas consultas. Outros serão renovados, como peso altura e resultados de exames; - Um indicador de visível ou não (Para aparecer ou não no relatório da Consulta); - Todos os campos da TACO fazem parte deste dicionário, implicitamente, podendo serem referenciados por fórmulas. Os campos fórmulas podem conter expressões aritméticas, operações lógicas ou funções agregadas de somatório ou contagem. Após a confecção desta base de conhecimento o nutricionista define a sequência em que estes dados serão obtidos, criando um modelo de consulta. Pode ser criado vários modelos, adequados para situações específicas, como: criança, adulto intolerância à lactose, diabético, alimentação por sonda, etc. Considerando-se que esta base de conhecimento é dinâmica, sempre poderá receber novas informações. A sequência obedece a uma ordem que leva a diagnósticos. Após, vem o segundo nível, que serão os alimentos que compõem a dieta, com suas quantidades. A terceira parte contem totalizadores, como de calorias, lipídios, colesterol ou qualquer outro dado que faça parte da composição do alimento, contido na TACO. Quando o nutricionista seleciona Nova Consulta, o sistema cria uma nova consulta baseado na última consulta do paciente. Quando for a primeira consulta o sistema oferece os modelos existentes para ser selecionado o que servirá de base para a consulta. As novas informações aplicadas ao modelo regram novos diagnósticos, e a dieta será ajustada para a nova situação, não automaticamente e, sim, pela interferência do especialista. Com o apoio dos somatórios o nutricionista pode ir ajustando a dieta até o obter o resultado desejado. Com a sequência de consultas, o nutricionista pode se valer, a qualquer momento dos dados acumulados para fazer comparativos, demonstrados de forma quantitativa, gráficos ou imagens.

11 4.1 Diagrama de Casos de Usos Figura 2: Diagrama de Casos de Uso A seguir são apresentadas as descrições dos principais casos de uso do sistema: Criação da Base de Conhecimento: Este caso de uso é responsável pelo cadastro de todas as informações que o especialista julgue relevante para compor uma consulta, incluindo perguntas ou legendas que serão inquiridas durante a consulta. Uma pergunta pode gerar uma resposta em forma de texto, número ou foto. Como todas as informações podem ser utilizadas para fórmula, como sexo, peso, Data de Nascimento, e até mesmo o um nome pode ser utilizado para uma regra, por exemplo: se for fulano tem alguma amputação,

12 tem que ser feito uma composição por estimativa conforme tabela a seguir: mão 0,8%, antebraço 2,3%, braço até o ombro 6,6%, Pé 1,7%, perna abaixo do joelho 7,0%, perna acima do joelho 11,0%, perna inteira 18,6%. Como pode haver combinações de partes, fica mais fácil inserir na fórmula que calcula o IMC que se for fulano aplique um acréscimo de x%, se Beltrano de y% caso contrário nenhum acréscimo. Então, todos os dados que virão a fazer parte de uma consulta são formatados aqui. Nesse lugar não são armazenados os dados, apenas a formatação de como o dado será solicitado, e fórmulas que utilizem este dado, nesse caso, podendo ter algumas constantes que serão mensagens de retorno caso a ela seja do tipo diagnóstico. As perguntas podem encadear, sucessivamente, uma nova pergunta de acordo com alguma relação que seja montada. Criação de Consultas Modelos Deve ser informada uma descrição para servir na seleção quando esta for solicitada, como modelo de uma consulta efetiva. São criadas perguntas, fórmulas e diagnósticos, oriundos da Base de Conhecimento, na ordem desejada pelo Nutricionista, para atender a necessidade da consulta em questão. Poderão ser criados vários modelos, por exemplo: um para uma pessoa normal, para diabéticos, para alimentação por sonda, para obesos, para hipertensos, etc. Isto se deve ao fato de que, além das perguntas que comporão a anamnese, também será gerada uma dieta modelo. Criação de Dietas Modelos São selecionados alimentos constantes na TACO, estipulando-se quantidades e refeições. O detalhamento (dia a dia, por quanto tempo, etc.), fica a critério do especialista. Receber Dados da Consulta É selecionada a consulta anterior como modelo. Caso seja a primeira consulta, então o Nutricionista terá que selecionar uma consulta modelo. Como na formatação da base de conhecimento deve-se indicar, para cada atributo, objeto de uma pergunta, se ele é histórico ou não, após a consulta que está servindo de modelo ser carregada, os campos que não o forem são esvaziados e devem ser preenchidos com novos valores, no decorrer da consulta. Ajustar Dieta Pode ser excluídos alimentos ou incluídos, bem como pode ser feito mudanças nas quantidades. Examinar Diagnóstico A interface da consulta é como se o Nutricionista estivesse escrevendo em uma folha, que já vem pré-preenchida em função do modelo em que se baseou. Porém existe duas outras abas, uma para a dieta, e outra para somatórios. Como a inferência do Sistema Especialista se dará a cada preenchimento de campo, ele já irá resolvendo as fórmulas e criando diagnósticos, examinar diagnóstico significa apenas visualizar os

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características...5 Configuração necessária para instalação...6 Conteúdo do CD de Instalação...7 Instruções para Instalação...8 Solicitação da Chave de Acesso...22 Funcionamento em Rede...26

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características... 5 Configuração necessária para instalação... 6 Conteúdo do CD de Instalação... 7 Instruções para Instalação... 8 Solicitação da Chave de Acesso... 22 Funcionamento

Leia mais

Ambiental Web: Sistema Especialista para Apoio à Avaliação de Processos de Licenciamento Ambiental

Ambiental Web: Sistema Especialista para Apoio à Avaliação de Processos de Licenciamento Ambiental 13 Ambiental Web: Sistema Especialista para Apoio à Avaliação de Processos de Licenciamento Ambiental Luciano Rosa de Almeida, Sidnei Renato Silveira, Guilherme Bernardino Cunha Universidade Federal de

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: NUTRIÇÃO APLICADA AO PROCESSO SAÚDE DOENÇA Código: ENF 306 Pré-requisito:

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Estrutura de um Sistema Especialista

Estrutura de um Sistema Especialista Sistemas Especialistas Difusos Estrutura de um Sistema Especialista Prof. Max Pereira http://paginas.unisul.br/max.pereira Áreas de Aplicação da IA SISTEMAS Sistemas Especialistas (Baseados em Conhecimento)

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II

AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA II 1. Objetivos das aulas práticas 1.1 Gerais Ser capaz de, através do cadastramento, detectar problemas, pensar nas causas destes problemas e propor soluções

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco Inteligência Artificial

Universidade Federal do Vale do São Francisco Inteligência Artificial Universidade Federal do Vale do São Francisco Inteligência Artificial Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Página: www.univasf.edu.br/~marcelo.linder Ementa Introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC)

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC) GLOSSÁRIO Quando a operadora desejar a aprovação do programa, deverá efetuar o cadastramento do programa para Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças. A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na RELEMBRANDO... Perspectiva de RAS A RAS é definida como arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes

Leia mais

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus SERGIO DE CARVALHO E SILVA Laboratório de Pesquisa em Ciências de Serviços (LaPCiS), Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS),

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil

A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil A Política Nacional de Alimentação e Nutrição e as Iniciativas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças as no Brasil Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição (CGPAN/ DAB/ SAS/ MS)

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor -

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor - Gestão de Pessoas - Saúde do Servidor - Promoção de Saúde e Bem-Estar Desenvolve programas destinados à prevenção de doenças, à promoção de saúde e de qualidade de vida. Realiza campanhas, palestras e

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

NUTRIMOBILE: UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

NUTRIMOBILE: UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS NUTRIMOBILE: UM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Rodolfo Dias Correia 1,3, Natália Santana Chiari 2,3, Domingos Alves 3 e Anderson Merliere

Leia mais

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:70750.543

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO

SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO SISTEMAS INTELIGENTES DE APOIO À DECISÃO As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO CREPALDI JÚNIOR, Luís Carlos 1 ; BARBOSA, Camila Caetano de Almeida 1 ; BERNARDES, Guilherme Falcão 1 ; GODOY NETO, Ubiratan

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 TABUS ALIMENTARES DESCRITOS POR PACIENTES DIABÉTICOS DE LAVRAS MG DALILA PEREIRA DE MENDONÇA 1 ; JULIANA DE BRITO MIAMOTO 2 ; ROSEANE MARIA EVANGELISTA OLIVEIRA 3 ; ANDREA RESENDE COSTA DE OLIVEIRA 4 ;

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Proposta de Modelagem para um Sistema de Acompanhamento Nutricional através do Telefone Celular

Proposta de Modelagem para um Sistema de Acompanhamento Nutricional através do Telefone Celular Proposta de Modelagem para um Sistema de Acompanhamento Nutricional através do Telefone Celular Eduardo Flávio Cruz 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rodovia MG

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

A Alimentação e a Saúde Humana

A Alimentação e a Saúde Humana 10 A Alimentação e a Saúde Humana Christianne de Vasconcelos Affonso Nutricionista, PUC Campinas Especialista em Qualidade de Vida e Atividade Física, UNICAMP Mestre em Ciência dos Alimentos, USP Doutor

Leia mais

Módulo 6: Inteligência Artificial

Módulo 6: Inteligência Artificial Módulo 6: Inteligência Artificial Assuntos: 6.1. Aplicações da IA 6.2. Sistemas Especialistas 6.1. Aplicações da Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: MARKETING Políticas de supply chain management e logística reversa Planejamento estratégico de marketing Marketing de serviço Pesquisa de marketing Marketing

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA MÓVEL DE COMPRAS POR QR CODE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

E-book - NutriOnline

E-book - NutriOnline E-book - NutriOnline A tecnologia associada à internet traz novos desafios ao Nutricionista. Com inserção da internet em nossa sociedade, o nutricionista se depara com funções que vai além do atendimento

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS... 4 04 TEORIA

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

Colaboração interdiciplinar na avaliação da saúde e do adoecimento de idosos

Colaboração interdiciplinar na avaliação da saúde e do adoecimento de idosos Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Faculdade de Medicina - Departamento de Medicina Social Faculdade de Enfermagem e Obstetrícia Departamento de Enfermagem Colaboração

Leia mais

Sistema de anamnese alimentar

Sistema de anamnese alimentar Sistema de anamnese alimentar Versão 1.0 23/09/2011 Equipe de projeto: Bernardo D Orey Gaivao Plum Daniel Fonseca de Castilho Diego Heitzmann Quintale Fernando Villas Boas Alves Marcel Popolin de Araujo

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Sistema Gerenciador de Unidades de Saúde. Descritivo

Sistema Gerenciador de Unidades de Saúde. Descritivo Sistema Gerenciador de Unidades de Saúde Descritivo SIGUS Sistema Gerenciador de Unidades de Saúde Visando atender as demandas de informatização dos estabelecimentos das redes públicas de saúde, a Attiva

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento Carlos

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I Lorenna Martins da Silva 1 ; José Gerley Díaz Castro 2 ; Renata Junqueira

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Considerando a utilização da IDR durante o acompanhamento nutricional de uma gestante, responda, em até 15 linhas, às questões a seguir.

Considerando a utilização da IDR durante o acompanhamento nutricional de uma gestante, responda, em até 15 linhas, às questões a seguir. QUESTÃO 38 A Ingestão Dietética de Referência (IDR) é composta por 4 valores de referência correspondentes às estimativas quantitativas da ingestão de nutrientes e estabelecidos para serem utilizados na

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 Obriga a divulgação de advertência sobre obesidade em embalagens de produtos altamente calóricos. Autor: Deputado LINCOLN PORTELA

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2015 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 1 Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP 10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP Políticas e Ambiente Escolar Padronização dos ambientes físicos de todas as escolas, procurando proporcionar espaços saudáveis

Leia mais