Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013"

Transcrição

1 Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL Abril

2 MERCADO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL EM 2012 De acordo com as piores previsões da ANECRA, registou-se no ano de 2012 uma quebra de 40,7% nas vendas de veículos novos face ao ano de O cenário macroeconómico e às medidas de austeridade impostas pelo Governo contribuíram de forma decisiva para este desfecho desastroso. Para os dirigentes da ANECRA, o Setor Automóvel em Portugal atravessa uma situação dramática, em consequência da considerável diminuição do rendimento disponível das famílias, da acentuada quebra do Índice de Confianças dos Consumidores, da quase nula concessão de crédito por parte das instituições financeiras e do crescimento da carga fiscal incidente sobre o automóvel, fatores que originam significativos efeitos recessivos no consumo e no investimento que se irão acentuar em termos absolutos no ano de S E T O R A U T O M Ó V E L / P O R T U G A L - V E N D A S E M J A N E IR O - D E Z E M B R O U N ID A D E S D IF E R E N Ç A S U N ID. % * L IG E IR O S P A S S A G E IR O S ,9 C O M E R C IA IS L IG E IR O S ,2 P E S A D O S M E R C A D O R IA S ,1 P E S A D O S P A S S A G E IR O S ,4 T O T A L D E P E S A D O S ,5 T O T A IS ,7 F o n te : G a b in e te d e E stu d o s E conóm icos d a A N E C R A * In clu i o s ve ículo s d e to d o o te rre n o Vendas de veículos novos no ano de Ligeiros de Passageiros Pior registo dos últimos 27 anos: unidades vendidas, equivalendo a um decréscimo de 37,9% ( unidades), face a igual período do ano anterior. VENDAS LIGEIROS DE PASSAGEIROS* - JAN.-DEZ FONTE: ANECRA-GEE * Inclui os veículos todo o terreno a partir de 1999 Fonte: ANECRA 2

3 2. Comerciais Ligeiros Pior registo dos últimos 36 anos: veículos vendidos, ou seja, menos unidades comercializadas face ao ano antecedente (-54.2%). Note-se que estamos perante veículos que se assumem como bens de equipamento/trabalho. VENDAS COMERCIAIS LIGEIROS - JAN.-DEZ FONTE: ANECRA-GEE Fonte: ANECRA 3. Pesados Pior registo desde que há informação estatística setorial: veículos transacionados, menos 883 unidades face ao ano de 2011, correspondendo a um decréscimo de 29,5%. VENDAS PESADOS - JAN.-DEZ FONTE: ANECRA-GEE Fonte: ANECRA 4. Mercado Total Pior registo dos últimos 28 anos: verificou-se uma contração de 40,7%, face ao período homólogo do ano anterior, totalizando viaturas comercializadas. Assim, no ano de 2012 venderam-se menos veículos em Portugal, em comparação com o mesmo período do ano de

4 VENDAS MERCADO TOTAL - JAN.-DEZ FONTE: ANECRA-GEE Fonte: ANECRA Nota: As 24 marcas que mais veículos Ligeiros de Passageiros venderam em Portugal no ano de 2012 registaram taxas de crescimento negativas, face a igual período do ano de Acresce finalmente que os efeitos profundamente negativos no universo das empresas não se registaram apenas em termos dos indicadores setoriais relativos ao bem automóvel, tanto em termos de vendas de produtos como de fornecimento dos respetivos serviços. Receita do Estado De facto e da mesma forma, também em termos nacionais, ao nível da arrecadação das receitas públicas, se fez sentir a hecatombe registada em todos os segmentos da atividade do Setor Automóvel durante Assim, no que aos impostos incidentes direta ou indiretamente sobre o automóvel diz respeito, sublinhamos que em 2012: - A receita cobrada em sede de Impostos Sobre Veículos (ISV) caiu 42,2%, ou seja, menos 264,6 milhões de euros face a Do total de impostos diretos e indiretos, o ISV foi de longe o que mais caiu. - A subida de 13,7% verificada na receita de IUC em 2012, ou seja, mais 23,7 milhões de euros face ao ano de 2011, não compensou a quebra registada ao nível da receita do ISV. - A receita do ISP caiu 8,2% face ao ano de 2011, correspondendo a uma perda 190 milhões de euros. - Em relação ao IVA verificou-se uma quebra de 2% face a 2011, ou seja, menos 257,2 milhões de euros para os cofres do Estado. Veículos Usados Como se não bastasse o péssimo registo da venda de veículos novos, a crise que Portugal atravessa está a impor uma travagem a fundo também nas vendas de veículos usados, que não resistem à descida do consumo e do crédito, tendo apresentado no ano de 2012 quebras na ordem dos 40%. Ou 4

5 seja, o mercado dos veículos usados não está a aguentar o impacto que a diminuição do rendimento das famílias, a subida do desemprego e a queda no crédito ao consumo estão a ter na economia. Quando baixam as vendas de automóveis novos, as vendas de veículos usados tendem a crescer. Esta é uma dedução que o tempo se encarregou de tornar regra, mas que a atual crise arrisca deixar cair em desuso. Nos stands, estão a entrar menos pessoas à procura de veículos usados e os vendedores notam uma tendência: praticamente já só bate à porta quem tem condições para comprar sem recorrer a um empréstimo. Veículos rebocados da via pública e abandonados nas oficinas Em 2012 a ANECRA elaborou um estudo relativo aos veículos rebocados da via pública pelas autarquias / Polícia Municipal e aos veículos abandonados nas oficinas de manutenção e reparação automóvel e concluiu o seguinte: Veículos rebocados pelas autarquias/polícia municipal: Em 83% dos casos, as viaturas não são reclamadas pelos respetivos proprietários e são declaradas abandonadas a favor das autarquias, que as entregam a um operador de gestão de veículos em fim de vida devidamente licenciado que lhes dará o destino adequado. Note-se que, há casos em que as viaturas ficam ao serviço das autarquias ou vendidas por estas. N.º de veículos rebocados devido a abandono na via pública: +40% no 1º semestre de 2012, face a igual período do ano passado. Nos grandes municípios, como Lisboa, para além de muitos casos não serem denunciados, os parques de recolha de veículos abandonados na via pública estão cheios. Caso houvesse mais espaço nos parques de recolha, o número de veículos rebocados duplicaria. No Norte do país o número de veículos abandonados é bem inferior aos municípios de Lisboa e zonas circundantes (< 50%). Principais consequências: Redução da qualidade de vida da população Ocupação abusiva de espaço urbano/público. Provoca falta de estacionamento. Redução da mobilidade urbana Problemas ambientais com insalubridade Insegurança Veículos abandonados nas oficinas: Aumento de 50% no 1º semestre de 2012, face ao período homólogo de Nº médio de veículos abandonados nas oficinas no 1º semestre: , ,1 87% - Veículos abandonados antes de serem reparados. 13% - Veículos abandonados depois de serem reparados. Idade média dos veículos abandonados nas oficinas: anos. 5

6 Vendas na Europa O Setor Automóvel europeu sobre uma das maiores crises das últimas duas décadas. Em 2012 as vendas recuaram para valores de 1995 e no total foram vendidas unidades. Este valor representa uma quebra nas vendas anuais de 8,2%, a mais grave desde o saldo negativo de 16,9% ocorrido em No ano de 2012, apenas na Grécia (-40,1%) a venda de automóveis caiu mais que em Portugal (- 37,9%), em comparação com o ano anterior. VENDAS NA EUROPA - LIGEIROS DE PASSAGEIROS TOP TEN (12/11 VAR.% JAN.-DEZ.) ISLÂNDIA HUNGRIA ESTÓNIA REINO UNIDO SUIÇA ESLOVÁQUIA BULGÁRIA LUXEMBURGO DINAMARCA REPÚBLICA CHECA PORTUGAL UE (27) 5,3 2,9 1,6 1,6 1,0 0,4 0,4-37,9-8,2 12,5 17,6 56, * Portugal ocupa a penúltima posição, à frente da Grécia. FONTE: ANECRA / ACEA Em 2012 Portugal ficou na 16ª posição no que toca ao número de carros vendidos em toda a Europa ( unidades). VENDAS NA EUROPA - LIGEIROS DE PASSAGEIROS TOP TEN - Nº VEÍCULOS JAN.-DEZ ALEMANHA REINO UNIDO FRANÇA ITÁLIA ESPANHA HOLANDA BÉLGICA ÁUSTRIA SUIÇA SUÉCIA PORTUGAL* * Portugal ocupa a 16ª posição. FONTE: ANECRA/ACEA 6

7 PAÍSES DEZEMBRO DEZEMBRO Tx.Var. JAN - DEZ JAN - DEZ Tx.Var (%) (%) ÁUSTRIA , ,7 BÉLGICA , ,9 BULGÁRIA , ,6 CHIPRE , ,6 REPÚBLICA CHECA , ,4 DINAMARCA , ,4 ESTÓNIA , ,5 FINLÂNDIA , ,8 FRANÇA , ,9 ALEMANHA , ,9 GRÉCIA , ,1 HUNGRIA , ,6 IRLANDA , ,5 ITÁLIA , ,9 LETÓNIA , ,9 LITUÂNIA , ,0 LUXEMBURGO , ,0 HOLANDA , ,6 POLÓNIA , ,4 PORTUGAL , ,9 ROMÉNIA , ,7 ESLOVÁQUIA , ,6 ESLOVÉNIA , ,7 ESPANHA , ,4 SUÉCIA , ,2 REINO UNIDO , ,3 UNIÃO EUROPEIA (UE27)* , ,2 UE , ,5 UE11* , ,8 ISLÂNDIA , ,4 NORUEGA , ,3 SUIÇA , ,9 EFTA , ,5 UE27*+EFTA , ,8 UE15+EFTA , ,1 Fonte: ACEA / ANECRA * Os dados para Malta não estão disponíveis. VENDAS DE VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS NA EUROPA (Valores Provisórios) 7

8 MERCADO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL EM 2013 VENDAS EM PORTUGAL UNIDADES MARÇO DIFERENÇAS UNIDADES JANEIRO - MARÇO DIFERENÇAS UNID. % UNID. % * LIGEIROS PASSAGEIROS , ,7 COMERCIAIS LIGEIROS , ,6 PESADOS MERCADORIAS , ,4 PESADOS PASSAGEIROS , ,2 TOTAL DE PESADOS , ,1 TOTAIS , ,4 Fonte: Gabinete de Estudos Económicos da ANECRA * Inclui os veículos de todo o terreno VENDAS LIGEIROS DE PASSAGEIROS* - JAN.-MAR FONTE: ANECRA-GEE * Inclui os veículos todo o terreno a partir de 1999 Fonte: ANECRA 8

9 VENDAS COMERCIAIS LIGEIROS - JAN.-MAR FONTE: ANECRA-GEE Fonte: ANECRA VENDAS PESADOS - JAN.-MAR FONTE: ANECRA-GEE Fonte: ANECRA VENDAS MERCADO TOTAL - JAN.-MAR FONTE: ANECRA-GEE Fonte: ANECRA 9

10 Receita do Estado RECEITA DE IMPOSTO SOBRE VEÍCULOS (ISV): 23 MESES CONSECUTIVOS A CAIR Abr. 11 / 10 Mai. 11 / 10 Jun. 11 / 10 Jul. 11 / 10 Ago. 11 / 10 Set. 11 / 10 Out. 11 / 10 Nov. 11 / 10 Dez. 11 / 10 Jan. 12 / 11 Fev. 12 / 11 Mar. 12 / 11 Abr. 12 / 11 Mai. 12 / 11 Jun. 12 / 11 Jul. 12 / 11 Ago. 12 / 11 Set. 12 / 11 Out. 12 / 11 Nov. 12 / 11 Dez. 12 / 11 Jan. 13 / 12 Fev. 13 / 12-24,2% -21,2% -26,9% -29,7%-30,0% -23,3% -25,1% -38,2% -33,3% -37,2% -39,4% -36,6% -39,2%-39,1% -40,3% -33,9% -44,6% -45,9% -46,0% -49,6% -54,5% -54,8% -51,5% Fonte: ANECRA / DGO RECEITA DE ISV EM MILHÕES DE EUROS JAN.-FEV , , , , , , , , , , , , , FONTE: ANECRA / DGO 10

11 Vendas na Europa VENDAS NA EUROPA - LIGEIROS DE PASSAGEIROS TOP TEN - Nº VEÍCULOS JAN.-FEV ALEMANHA FRANÇA ITÁLIA REINO UNIDO ESPANHA BÉLGICA HOLANDA POLÓNIA ÁUSTRIA SUIÇA PORTUGAL* * Portugal ocupa a 17ª posição. FONTE: ANECRA/ACEA VENDAS NA EUROPA - LIGEIROS DE PASSAGEIROS TOP TEN (13/12 VAR.% JAN.-FEV.) ISLÂNDIA ESTÓNIA REINO UNIDO BÉLGICA NORUEGA POLÓNIA PORTUGAL DINAMARCA ÁUSTRIA LETÓNIA UE (27) 10,3 8,6 5,5 4,9 4,7 2,4-3,7-3,7-9,5 24,6 30, FONTE: ANECRA / ACEA 11

12 12

13 CONJUNTURA DA REPARAÇÃO AUTOMÓVEL EM 2012 SÍNTESE DE RESULTADOS À semelhança dos anos anteriores, a ANECRA lançou o INQUÉRITO DE CONJUNTURA 2012, respeitante à actividade de prestação de serviços, junto das empresas suas associadas. Foram validados 158 inquéritos, o que se considera uma boa amostra quando se pretende conhecer a situação da reparação automóvel em Portugal. Os dados aqui indicados, referem-se ao exercício da actividade de reparação durante o ano de 2012, e reflectem uma síntese de resultados, apurados a partir das respostas que as empresas deram a este inquérito. 1- Facturação Média Segue-se a distribuição de empresas de acordo com a facturação mensal média de Os valores não incluem IVA. Empresas 100% 75% 50% 25% 0% 29% 34% 40% 15% 23% 28% 3% 6% 12% 10% < > VALOR (EUR) Independentes Marca As empresas foram divididas em 5 intervalos, de acordo com a sua facturação mensal média: até ; entre e ; entre e ; entre e ; e mais de Ao contrário do ano anterior, onde os reparadores independentes se encontravam com maior incidência no 3.º grupo (entre os e os ), em 2012 encontram-se na sua maioria nos 2.º e 3.º grupos. Os reparadores de marca ocupam na quase totalidade os dois últimos intervalos, o que se mantém desde No entanto, no caso destes reparadores, menos 28% de empresas ocupam agora os dois últimos intervalos, relativamente ao ano anterior, em beneficio dos 3 primeiros intervalos. 13

14 2- Actividade Segue-se a distribuição de empresas de acordo com o número médio de obras abertas por semana, em As empresas foram divididas em quatro grupos, por número de obras abertas semanalmente: até 10 obras; entre 10 e 25; entre 25 e 75; e mais de 75 obras abertas. Empresas 100% 75% 50% 25% 0% 34% 44% 15% 30% 19% 34% 21% 3% Até a a 75 Mais de 75 NÚMERO DE OBRAS Independentes Marca Os independentes ocupam principalmente os dois primeiros intervalos, ao passo que os reparadores de marca ocupam predominantemente o terceiro. Ambas as situações, acontecem já desde No entanto, assistiu-se a um aumento de empresas nos primeiros grupos. Os reparadores independentes baixaram no terceiro grupo e aumentaram no primeiro. Os reparadores de marca aumentaram nos dois primeiros grupos e baixaram nos dois últimos. Os reparadores independentes apresentaram uma média global de 1120 obras em 2012 (menos 8% em relação ao ano anterior). Os reparadores de marca apresentaram uma média global de 3707 obras em 2012 (também menos 8% em relação ao ano anterior). No gráfico seguinte é apresentada a distribuição de empresas de acordo com a taxa média de ocupação da oficina, em Também aqui as empresas foram divididas em 4 grupos, conforme o valor percentual de taxa de ocupação da oficina: menos de 25%; entre 25% e 50%; entre 50% e 75%; e entre 75% e 100%. Empresas 100% 75% 50% 25% 0% 38% 30% 38% 34% 13% 15% 21% 11% < 25% 25% - 50% 50% - 75% > 75% Independentes Marca Os reparadores independentes situam-se tipicamente no 2.º e no 3.º intervalo. Os reparadores de marca estão em maior número no 3.º. Os reparadores de marca subiram nos dois primeiros grupos de uma forma muito significativa, baixando nos dois últimos, isto em relação ao ano anterior. Os reparadores independentes subiram 3.º grupo, em prejuízo do último. 14

15 De assinalar que 51% dos reparadores independentes, e 45% dos reparadores de marca, têm taxas de ocupação inferiores a 50%. Quando se gostariam de ter taxas de ocupação próximas dos 100%, estes valores são extremamente baixos e preocupantes. 3- Dificuldades Neste inquérito foram colocados 11 temas, pedindo-se aos inquiridos que atribuíssem uma nota de 1 a 3, como dificuldade para a actividade. Apresentam-se nos quadros seguintes, um para reparadores de marca e outro para reparadores independentes, as percentagens de empresas que votaram com a nota 3 (grande dificuldade) cada um dos 11 temas MARCA Reparação clandestina 83% 1ª Atrasos recebimentos 62% 2ª Falta de clientes 62% 3ª Excesso empresas 32% 4ª Custos gest. Amb. 26% 5ª Garantias longas 24% 6ª Custos operação 23% 7ª Falta informação técnica 6% 8ª Viaturas evoluídas 3% 9ª Falta pessoal habilitado 3% 10ª Dificuldade abastecimento peças 0% 11ª INDEPENDENTES Reparação clandestina 75% 1ª Atrasos recebimentos 66% 2ª Custos gest. Amb. 53% 3ª Garantias longas 42% 4ª Custos operação 37% 5ª Excesso empresas 36% 6ª Falta de clientes 31% 7ª Viaturas evoluídas 11% 8ª Falta pessoal habilitado 9% 9ª Dificuldade abastecimento peças 9% 10ª Falta informação técnica 8% 11ª Mais de metade dos reparadores de marca e dos reparadores independentes assinalaram os atrasos nos recebimentos e a reparação clandestina como as duas maiores dificuldades. Os reparadores de marca assinalam também muito a falta de clientes, ao passo que os reparadores independentes demonstram preocupação com os custos da gestão ambiental. 15

16 De realçar que, desde que este inquérito é feito nos moldes atuais (desde 2004), pela primeira vez a dificuldade reparação clandestina ocupa os primeiros lugares para reparadores de marca e reparadores independentes. A RETER Baixaram as facturações, em particular as dos reparadores de marca; O número de obras diminuiu; As taxas de ocupação baixaram, e de uma forma drástica para os reparadores de marca; A reparação clandestina passou a ser agora encarada como grande dificuldade para a maior parte das empresas. 16

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego

O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego NOTA INFORMATIVA O regresso desigual da Europa ao crescimento do emprego Previsões até 2025 apontam para diferenças significativas na oferta e procura de competências nos Estados-Membros Boas notícias.

Leia mais

O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA

O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA Eugénio Rosa Como consequência de uma política de transportes

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2010 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 24 7 46

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2010 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 24 7 46 Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal 21 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 21 5 12 83 Empresas de seguros de direito português 15 24 7 46 Empresas de seguros

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Atividade dos Transportes

Atividade dos Transportes 28 de maio de 213 Atividade dos Transportes I. Transporte marítimo, fluvial, aéreo e ferroviário de passageiros e mercadorias (212 - dados provisórios) II. Transporte rodoviário de mercadorias no Continente

Leia mais

BARÓMETRO 2005-2015. Evolução da gestão de frotas nos últimos 10 anos

BARÓMETRO 2005-2015. Evolução da gestão de frotas nos últimos 10 anos BARÓMETRO 2005-2015. Evolução da gestão de frotas nos últimos 10 anos O Corporate Vehicle Observatory (CVO) tem por missão a produção e divulgação de informação relevante e neutra sobre as tendências da

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Informação diagnóstico

Informação diagnóstico Informação diagnóstico O declínio demográfico da cidade de Lisboa e a periferização da área metropolitana Evolução Comparada das Populações de Portugal, da Área Metropolitana de Lisboa e do Concelho de

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2009 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 16 25 6 47

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2009 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 16 25 6 47 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 29 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 22 52 3 87 Empresas de seguros de direito português 6 25 6 47 Empresas de seguros 6

Leia mais

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 73 Novembro

Leia mais

DESAFIOS EMERGENTES E TENDÊNCIAS NA FISCALIDADE AUTOMÓVEL

DESAFIOS EMERGENTES E TENDÊNCIAS NA FISCALIDADE AUTOMÓVEL DESAFIOS EMERGENTES E TENDÊNCIAS NA FISCALIDADE AUTOMÓVEL A Política Ambiental na Fiscalidade sobre os Transportes Ciclo de Seminários A Política Ambiental no Sistema Fiscal Português Auditório do Metropolitano

Leia mais

Os transportes e atividades auxiliares no contexto da internacionalização da economia portuguesa

Os transportes e atividades auxiliares no contexto da internacionalização da economia portuguesa João Cadete de Matos Diretor Departamento de Estatística Os Transportes e a Logística: Factores de Competitividade e de Criação de Valor para a Economia Portugusa Lisboa, Internacionalização da economia

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor do Departamento de Estatística 23 fevereiro 2016 Coimbra Conferências da Central de Balanços (2010 2016) Porto Lisboa

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO DO TURISMO DE LISBOA DADOS DE AGOSTO ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO Os dados contidos nesta

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 30-11 a 06-12-2015

Newsletter Informação Semanal 30-11 a 06-12-2015 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 30-11 a 06-12- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 215 14 de janeiro de 216 Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Movimento de passageiros nos aeroportos continua a crescer mas com ligeira

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 08-02 a 14-02-2016

Newsletter Informação Semanal 08-02 a 14-02-2016 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 08-02 a 14-02- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA

Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA Preçário SONAE FINANCIAL SERVICES, SA INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Sonae Financial Services,

Leia mais

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos DO TURISMO DE LISBOA DADOS Março PERFORMANCE POSITIVA No primeiro trimestre de, a capital portuguesa continuou a demonstrar uma boa pectivas são igualmente positivas para o futuro vindo a verificar nos

Leia mais

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007 Conferência Reforma da Fiscalidade Automóvel 1 Lisboa, 6 de Junho de 2007 2 Proposta de Directiva da União Europeia Aponta para a transferência global da carga fiscal, nos automóveis, do momento da compra

Leia mais

ESPIRAL RECESSIVA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO

ESPIRAL RECESSIVA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO ESPIRAL RECESSIVA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO O setor da Construção vive num contexto de espiral recessiva, com uma queda prolongada da produção nos últimos 10 anos, que abrange o conjunto dos segmentos de

Leia mais

Síntese ExecuçãoOrçamental

Síntese ExecuçãoOrçamental Síntese ExecuçãoOrçamental 2014 agosto MinistériodasFinanças Síntese de Execução Orçamental Publicação mensal 24 de setembro de 2014 Elaborado com Informação disponível até 23 de setembro Internet: http://www.dgo.pt

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 Entrada e Permanência I. FONTES OFICIAIS NACIONAIS... 3 Vistos de Estada Temporária (VET) e de Residência (VR), emitidos em 2009, por Tipo de Visto... 4 Vistos de Estada

Leia mais

A evolução do Mercado Imobiliário português

A evolução do Mercado Imobiliário português A evolução do Mercado Imobiliário português Introdução Neste artigo será feita uma leitura da evolução do mercado imobiliário português desde 2008, altura em que ocorreu a crise da dívida subprime, período

Leia mais

CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15. ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15. ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15 ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014 Exmos. Senhores, Junto se envia a Conjuntura Económica, elaborada pelo Gabinete de Estudos e Projectos, relativa

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ADENE Agência para a Energia Maio de 2010 0 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 1 Programas do Portugal Eficiência 2015 Transportes Residencial e Serviços

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1. Anuidades 1.º Titular Outros titulares Comissões (Euros) 2. Emissão de 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Pagamento devolvido NB Verde --

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27

Leia mais

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015 Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 215 14 de julho de 215 Transporte de mercadorias mantém crescimento por via marítima e aérea. Continua a diminuir no modo rodoviário Transporte de passageiros

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Este inquérito, realizado pela EU-OSHA a empresas de toda a Europa, visa contribuir

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO Disciplina: D 2.2 Economia Internacional (16h) (Aula 2 - Crise internacional: medidas de políticas de países selecionados) Professora: Luciana Acioly da Silva 21 e 22

Leia mais

PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO Exame Nacional de 2006 (1.ª Fase, versão 1) 1. B 16. C 11. C 16. B 2. C 17. D 12. D 17. D 3. A 18. D 13. C 18. B 4. B 19. A 14. D 19. A 5. B 10. A 15. A 20. C I II 1. A recuperação

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros Transportes aéreos e atividade turística 2013 10 de setembro de 2014 Movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 4,9% O tráfego comercial nas infraestruturas aeroportuárias nacionais em

Leia mais

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Escola de EngenhariaUniversidade do Minho Departamento de Sistemas de Informação»«MERCADOS E NEGÓCIOS: DINÂMICAS E ESTRATÉGIAS Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Eduardo Beira WP

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007

A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 A taxa de câmbio na economia brasileira está fora de equilíbrio? 31/05/2007 Preliminares Paridade do Poder de Compra (PPC) Equilíbrio de longo prazo Bens comercializáveis (PPC) e não-comercializáveis Câmbio

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

Condições SMQVU Ambientais

Condições SMQVU Ambientais Condições SMQVU Ambientais O estado do ambiente condiciona decisivamente a qualidade de vida das pessoas. No inquérito realizado à população residente no Porto, em 23, foi pedido aos entrevistados que

Leia mais

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2014 09 de julho de 2014 Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional. Estatísticas de Investigação e Desenvolvimento (I&D)

Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional. Estatísticas de Investigação e Desenvolvimento (I&D) Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional Estatísticas de Investigação e Desenvolvimento (I&D) ÍNDICE Enquadramento P Estrutura População-alvo Fases da inquirição Resultados ENQUADRAMENTO

Leia mais

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA SGPS SA Sociedade Aberta Capital Social Eur 84.000.000 Rua Ribeiro Sanches, 65 Número Fiscal 502 437 464 Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Lisboa,

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Apresentação de. resultados

Apresentação de. resultados Apresentação de resultados Apresentação de resultados 01 Metro, o melhor desempenho das últimas décadas O Metropolitano de Lisboa conseguiu fechar o ano de 2011 com um desempenho sem paralelo nas últimas

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 (Cotações: 6 x 1,0 = 6 valores) GRUPO A1 1- O sector de atividade que agrupa as atividades relacionadas com o aproveitamento

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016

Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016 Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016 Na análise dos dados do comércio internacional importa ter presentes dois factores: o primeiro, que estes estão sujeitos a revisões consideráveis ao

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) 11.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Designação do Redes onde o é aceite NB Business Silver NB Business Gold NB Corporate Gold NB Corporate Gold Negócios 1. Anuidades 1.º Titular Outros titulares

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Relatório Tipo Dezembro de 20XX

Relatório Tipo Dezembro de 20XX Relatório Tipo Dezembro de 20XX Alvim & Rocha Consultoria de Gestão, Lda. Tel.: 22 831 70 05; Fax: 22 833 12 34 Rua do Monte dos Burgos, 848 Email: mail@alvimrocha.com 4250-313 Porto www.alvimrocha.com

Leia mais

Desalavancagem do Setor Privado em Portugal

Desalavancagem do Setor Privado em Portugal Em Análise Desalavancagem do Setor Privado em Portugal Por Clara Synek* I - Introdução Num momento em que foi iniciada a correção de um dos desequilíbrios da economia portuguesa excessivo endividamento

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens Janeiro a agosto de 2013 Direção de Informação, outubro de 2013 CIP bens 2013 (janeiro a agosto) - principais resultados Em 2013 (janeiro

Leia mais

ENERGIA em Portugal. maio de 2015

ENERGIA em Portugal. maio de 2015 213 ENERGIA em Portugal maio de 215 [página em branco] Índice 1. Sumário Executivo 1 2. Principais Indicadores Energéticos 2 2.1 Dependência Energética 2 2.2 Intensidade Energética 3 2.3 Indicadores per

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 3.º Trimestre de 2012

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 3.º Trimestre de 2012 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 3.º TRIMESTRE DE 2012 Serviço de Acesso à Internet 3.º Trimestre de 2012 Índice SUMÁRIO... 5 1. Evolução do número de prestadores habilitados para

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 782/XII/2.ª. Medidas urgentes para o sector automóvel

Projeto de Resolução n.º 782/XII/2.ª. Medidas urgentes para o sector automóvel PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 782/XII/2.ª Medidas urgentes para o sector automóvel 1.O sector automóvel está mergulhado numa profunda crise. É uma crise dentro

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

Unidade Técnica de Apoio Orçamental. dezembro de 2013

Unidade Técnica de Apoio Orçamental. dezembro de 2013 Unidade Técnica de Apoio Orçamental Orçamental em Contabilidade Pública dezembro de 2013 30 de janeiro de 2014 O défice das administrações públicas, relevante para efeitos dos critérios quantitativos de

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais