TYPODONT. 1 - Partes Constituintes: Bases Plataformas de Suporte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TYPODONT. 1 - Partes Constituintes: 1.1 - Bases 1.2 - Plataformas de Suporte"

Transcrição

1 TYPODONT 1 - Partes Constituintes: 2 - Preparo: 3 - Finalidade: 4 - Dentes: Bases Plataformas de Suporte Hastes Parafusos de Fixação das Bases Parafusos de Fixação dos Guias 1.6 Molas Da Moldina (argila) Da Cera Preparo Porção Coronária (anatomia) Porção Radicular 5 - Técnica de Montagem dos Dentes: 6 - Bandas: 7 - Acessórios: 8 - Cimentação: 9 - Acabamento: Para os Dentes Superiores Para os Dentes Inferiores Histórico Material Instrumental Técnica de Confecção Para Confeccionar Bandas de Molares e Pré-Molares Para Confeccionar Bandas de Incisivos e Caninos Brackets Tubos (Simples e Duplos) Ganchos (Hooks) Eyelets Fase de Pré Cimentação Fase de Cimentação propriamente dita Com relação aos Dentes Com relação à Cera 1

2 1 - Partes Constituintes: O Typodont é um aparelho constituído das seguintes peças a saber: BASES: Estas peças são em número de 2 (duas), superior e inferior, que tem como finalidade receber a cera PLATAFORMA DE SUPORTE: Estas peças são em número de 2 (duas), superior e inferior, tendo a finalidade de suportar as bases HASTES: São em número de 2 (duas), esquerda e direita, por onde deslizarão os guias PARAFUSOS DE FIXAÇÃO DAS BASES: São, em número de 2 (dois), superior e inferior, com os quais fixamos as bases nas plataformas de suporte PARAFUSOS DE FIXAÇÃO DOS GUIAS: São em número de 2 (dois), direito e esquerdo, com finalidade de fixar os guias às hastes e nos possibilita controlar a altura desejada para a base superior MOLAS: São em número de 2 (duas), esquerda e direita, estão presas à plataforma de suporte superior aos guias. Estas molas nos possibilitam os movimentos da base superior no sentido vertical da oclusão. 2 - Preparo: Para o preparo do Typodont seguimos a seguinte sequência: 1 - Removemos as bases superior e inferior de suas plataformas de suporte. 2 - Tomamos moldina (argila), manipulamos esta, de forma que tenha um formato de rolo e um comprimento igual ao contorno da canaleta da base. Em seguida damos ao rolo de moldina (argila) um formato retangular. Esta moldina (argila) será colocada contorneando toda a canaleta e deve ter uma altura de 1,5 cm. a 2,0 cm. 3 - Após a colocação da moldina (argila), e de posse de cera de boa qualidade número nº 7, iremos dissolver 9 (nove) lâminas de cera para cada base em um recipiente que ofereça facilidade para vertermos esta cera nas bases. Devemos tomar cuidado para que a cera não atinja uma temperatura superior a 60º C e não inferior a 50º C. Despeja-se nas bases e deixa-se esfriar na temperatura ambiente. Quando observarmos que a superfície da cera começa a endurecer, iremos com um instrumental (espátula nº 7) e fazemos dois orifícios nas extremidades da cera. Estes orifícios tem como finalidade escorrer parte da cera do interior da base. Quando termina o esfriamento da cera iremos com uma espátula 2

3 confeccionar um sulco mediano na cera de 1 cm. de largura por 1,5 cm. de profundidade. Terminada esta etapa fixamos as bases superior e inferior em suas plataformas correspondentes por intermédio dos parafusos de fixação. 3 - Finalidade: O Typodont é um aparelho utilizado em Ortodontia, e tem a finalidade de reproduzir os diferentes tipos de maloclusões dentárias, e com isto permitir aos praticantes, correções durante os exercícios de mecânica de laboratório. Possibilita por conseguinte verificar os diferentes passos de um tratamento ortodôntico em todas as suas minúcias. 4 - Dentes: Preparo da Porção Coronária: Todos os dentes devem ser contorneados e dado melhor formato, com uma pedra montada. Particularmente acentuando os sulcos marginais e reduzindo o plano oclusal dos dentes posteriores. Especial atenção deve ser dada a altura vertical dos sulcos marginais mesiais e distais. Os primeiros pré-molares inferiores, por exemplo tem um sulco marginal mesial muito mais alto do que o sulco encontrado na porção distal, de forma que um posicionamento de uma banda, perfeitamente se torna impossível, os detalhes anatômicos podem ser aprofundados com broca redonda (nº 6) e os sulcos molares de uma certa forma suavisados com um disco. De uma maneira geral os dentes são contorneados e dado melhor forma para melhorar a anatomia dental aproximada. Isto parece dar maior interdigitação quando posicionamos os dentes em oclusão. Os dentes após estes passos podem ser niquelados ou platinados Preparo da Porção Radicular: Faz-se ranhuras nas raízes dos dentes com disco de carborundum para dar maior aderência à cera pegajosa. Em um pote derretemos uns 5 (cinco) bastões de cera pegajosa. Preso o dente por intermédio de uma pinça, mergulha-se a porção radicular na cera. Este banho deve deixar uma camada de cera pegajosa mínima e uniforme, porque esta cera descolora a cera nº 7 e também será suficiente para manter os dentes posicionados. 5 - Técnica de Montagem dos Dentes: Para os Dentes Superiores: A colocação destes dentes deve ser feita de tal forma que a distância entre a plataforma de suporte inferior e a junção da cera com a base superior seja de 1 (uma) polegada (25,4 mm.). Após certificada esta medida fixamos os guias (esquerdo e direito) por intermédio dos parafusos de fixação, o que impedirá que o deslocamento da base superior se dê no sentido vertical. Em seguida demarcamos a linha média na cera, e os dentes são montados como se segue: 3

4 a) I.C.S.: Deve ter uma inclinação ligeiramente mesial e uma inclinação axial labial. Deve tocar com sua borda incisal na plataforma de suporte inferior. b) I.L.S.: Deve ter uma inclinação ligeiramente mesial e uma inclinação axial menor que o I.C.S. Deve sua borda incisal ficar 1 (um) mm. distante da plataforma de suporte inferior. c) Canino Superior: Deve ser posicionado vertical (no sentido mésio-distal) e sua inclinação axial labial. O bordo do canino deve tocar a plataforma de suporte inferior. d) O 1º pré-molar: Deve ser posicionado vertical no sentido mésio-distal e com uma inclinação axial ligeiramente bucal. Deve ter o vértice de sua cúspide vestibular tocando a plataforma de suporte inferior e sua cúspide lingual deve ficar distanciada da plataforma de suporte inferior de 1 mm. e) O 2º pré-molar: Deve se posicionado vertical (no sentido mésio-distal) com uma inclinação axial ligeiramente bucal. Deve ter os vértices das cúspides vestibular e lingual tocando a plataforma de suporte inferior. f) O 1º molar: Deve ser posicionado vertical no sentido mésio-distal, com uma inclinação axial bucal. Deve ter o vértice de sua cúspide mesio-lingual tocando a plataforma de suporte inferior. As demais cúspides devem ficar equidistantes da plataforma de suporte inferior cerca de 1 mm. g) O 2 molar: Deve ser posicionado vertical no sentido mésio-distal com uma inclinação axial bucal. Deve distanciar suas cúspides da plataforma de suporte inferior cerca de 1,5 mm., ficando em infra-oclusão em relação ao 1º molar. Estes procedimentos dever ser seguidos da seguinte forma: (sequência) 1) Monta-se o I. C. S. E. em seguida o I. C. S. D. 2) Monta-se o I. L. S. E. em seguida o I. L. S. D. 3) Monta-se o Canino S. E. em seguida o Canino S. D. 4) Monta-se o 1º Pré-Molar S. E. em seguida o 1º Pré-Molar S. D. 5) Monta-se o 2º Pré-Molar S. E. em seguida o 2º Pré-Molar S. D. 6) Monta-se o 1º Molar S. E. em seguida o 1º Molar S. D. 7) Monta-se o 2º Molar S. E. em seguida o 2º Molar S. D Para os Dentes Inferiores: Em primeiro lugar posicionamos a base inferior, sendo que esta deve ficar paralela em relação à base superior, pela face posterior e façamos corresponder às linhas medianas das bases superior e inferior. Em seguida fixamos a base inferior por intermédio de parafuso. Começa-se a montagem dos dentes de forma que a distância entre o bordo incisal superior à junção: cera e base inferior seja de 7/8 de polegada (22,2 mm.). Marca-se a linha mediana na cera e passamos para a montagem dos dentes propriamente dita: 1) Monta-se o 1º Molar em chave de oclusão normal. Este deve ter uma ligeira inclinação mesial (no sentido mésio-distal), e uma inclinação axial lingual. 2) Passamos agora para a área de incisivos. O Incisivo Central Inferior deve ser posicionado com uma inclinação ligeira mesial (no sentido mésio-distal) e 4

5 uma inclinação axial vertical, variando um pouco para lingual ou labial +5º ou -5º. O cuidado que se deve tomar é para que este dente toque o 1º terço coronário palatino do incisivo central superior, para que assim guarde um transpasse normal. 3) O Incisivo Lateral Inferior, deve ter uma posição semelhante ao incisivo central inferior. 4) O Canino tem uma ligeira inclinação mesial (no sentido mésio-distal) e uma inclinação axial ligeiramente bucal. Nesta área devemos observar a chave de canino superior que deve estar posicionado entre o canino inferior e o 1º prémolar inferior. 5) O 1º Pré-Molar deve ter uma ligeira inclinação mesial (no sentido mésiodistal) e uma inclinação axial bucal. 6) O 2º Pré-Molar deve ter uma inclinação mesial e bucal semelhante ao 1º Pré- Molar. 7) O 2º Molar deve ter uma inclinação mesial e bucal semelhante ao 1º Molar. Estes procedimentos devem ser seguidos na seguinte sequência: 1) Monta-se o 1º Molar I. E. em seguida o 1º Molar I. D.. 2) Monta-se o I. C. I. E. em seguida o I. C. I. D. 3) Monta-se o I. L. I. E. em seguida o I. L. I. D. 4) Monta-se o Canino I. E. em seguida o Canino I. D. 5) Monta-se o 1º Pré-Molar I. E. em seguida o 1º Pré-Molar I. D. 6) Monta-se o 2º Pré-Molar I. E. em seguida o 2º Pré-Molar I. D. 7) Monta-se o 2º Molar I. E. em seguida o 2º Molar I. D. 6 - Bandas: Histórico:- A primeira forma de fixar aparelhos aos dentes de acordo com a história da Ortodontia, foi usada por Pierre Fouchard em forma de arco de expansão, no qual usava um aparelho regulável, isto em 1.826, na França. As primeiras bandas ajustáveis, tipo grampo, ficavam em posição através de grampos ou parafusos com os quais eram firmemente apertados aos dentes. Este processo foi evoluindo até chegar aos nossos dias onde encontramos fitas de lâminas, com uma composição à base de aço inoxidável. Podemos também encontrar no comércio bandas pré-fabricadas Material: Primeiramente para a prática de confecção de bandas em Typodont usamos lâminas de Latão. A lâmina de Aço possui as seguintes especificações relacionadas com suas espessuras e larguras: 1).003 x para incisivos inferiores. 2).004 x para incisivos superiores, caninos e pré-molares. 3).005 x para molares superiores e inferiores. 5

6 6.3 - Instrumental: a) Alicates de Angle : R; S; RS e LS. b) Alicate de Angle : 139 c) Alicate de How : 110 e 111 d) Alicate : 114 e) Alicate : 115 f) Tesouras Reta e Curva g) Pinça para soldagem h) Brunidores i) Máquina de Solda em pontos j) Calcadores k) Blowpipe (maçarico) l) Torno m) Pedras Montadas n) Fluxo o) Solda de Prata p) Polisher q) Alicate :156 r) Jig nº : 300 e 301 (Rocky Mountain) s) Estrela de Boone Em primeiro lugar cortamos as fitas de lâminas nos comprimentos: a) Para Incisivos Inferiores: 1 1/2 polegadas b) Para Caninos e Prés-Molares: 1 1/3 polegadas c) Para Molares: 2 ¼ polegadas Posicionamos os brackets na porção central da lâmina por intermédio do jig e soldamos estes à lâmina. Unimos as extremidades e levamos à máquina de solda em pontos, dando 2 ou 3 pontos de solda. Com o alicate nº 155, posicionamos a extremidade da lâmina, dobrando em ângulo reto. De posse do alicate nº 155, adequado para cada dente, vamos colocar a parte dobrada em ângulo reto na ranhura, prendendo em seguida com o parafuso de fixação. A outra porção da lâmina, deve passar pelo outro mordente do alicate. Já com a banda presa ao alicate, daremos uma forma aproximada à lâmina da coroa do dente, para o qual iremos confeccionar o anel propriamente dito. Colocamos a lâmina sobre o dente, de forma que o slot do bracket fique na direção da face incisal ou vértice das cúspides vestibulares de prémolares e molares, quando medidas com a Estrela de Boone, e guarde uma medida igual a 4,0 mm., para todos os dentes com exceção dos incisivos laterais superiores, que devem ser posicionados de uma maneira tal, que siga o longo eixo dos dentes e não interfira na oclusão do paciente. Nos primeiros molares superiores e inferiores os brackets mesiais devem estar posicionados distalmente 1,0 mm., do longo eixo da cúspide mésio-bucal, e o bracket distal deste mesmo dente deve ser colocado a 2,0 mm. distal ao bracket mesial. Nos segundos Molares superiores e inferiores soldamos tubos simples e duplos que devem ser 6

7 posicionados distalmente 1,0 mm., ao longo eixo da cúspide mésio-bucal e a face oclusal de sua luz interna deve estar a 4,0 mm., dos vértices das cúspides mesial e distal. Os brackets usados nos Incisivos Centrais Superiores são A2 (verificar catálogo Morelli). Há ortodontistas que preferem colocar 2 brackets nestes dentes. Nos demais dentes empregamos brackets A1. Posicionamos o alicate de encontro à face lingual ou palatina do dente de tal forma que a união da lâmina se dê no longo eixo do dente, exceto nos Primeiros e Segundos Molares Superiores, que esta união deve se dar no longo eixo da cúspide mésio-palatina. Em seguida faremos os seguintes movimentos: Para Molares e Pré-Molares: a) Alivia-se o alicate, leva-se para mesial dando uma inclinação no sentido cervical e pressiona-se o alicate novamente. b) Alivia-se o alicate, desloca-o em direção oclusal e pressiona-se. c) Alivia-se o alicate, desloca-o em direção distal, dá-se uma inclinação no mesmo sentido cervical e pressiona-se o alicate novamente. d) Alivia-se o alicate, desloca-o em direção oclusal e pressiona-se. e) Alivia-se o alicate, volta à posição inicial, dá-se uma inclinação cervical e pressiona-se. f) Alivia-se o alicate, inclina-se em direção oclusal e pressiona-se. NOTA: à medida que executamos estes diversos passos da pinçagem, iremos brunindo a lâmina em sua face bucal, nas margens cervicais e oclusais para uma perfeita adaptação da lâmina ao dente. Finalmente, afrouxamos o alicate, e retiramos a lâmina do dente. Levamos à máquina de solda, soldando, dando uns 3 pontos de solda. Afrouxamos o parafuso, retiramos a lâmina do alicate. As extremidades livres são cortadas, deixando-se apenas um excesso de 2,0 mm. Este excesso será então rebatido sobre a banda, no manequim e soldado novamente. Para nossa orientação devemos rebater este excesso sempre para um mesmo lado (mesial). Faremos um alívio nas faces proximais em forma de meia lua com tesoura curva. Isto pode deixar pontos de irritação gengival, o que será eliminado polindo-se esta área com uma pedra montada. Para maior aderência da banda ao dente, nas superfícies oclusais e cervicais, daremos um pequeno abaulamento de retenção com os alicates nº 442, 114 ou 139. Em seguida com uma pedra montada, eliminaremos o bordo irritante da porção rebatida da lâmina, e damos um perfeito polimento nesta área. A Banda já confeccionada, levamos-a novamente ao dente para examinarmos sua adaptação e posicionamento correto do bracket no sentido do longo eixo e altura, slot e face incisal ou vértice de cúspides Para Incisivos e Caninos: a) Pressiona-se o alicate de forma que a união da lâmina se dê no longo eixo do dente, somente na porção cervical. b) Alivia-se o alicate, damos uma rotação no mesmo no sentido distal e pressionamos novamente. c) Alivia-se o alicate, volta-se à posição inicial e pressionamos novamente. 7

8 d) Alivia-se o alicate, damos uma rotação no mesmo no sentido mesial e pressionamos novamente. e) Alivia-se o alicate, volta-se a posição inicial e pressiona-se novamente na porção cervical. f) Deixa-se o alicate deslizar no sentido oclusal (tomando o cuidado para que o alicate não solte da lâmina, porque isto ocasiona-se ruptura da lâmina) inclinando-o no sentido labial, sempre pressionando o alicate. NOTA: À medida que executamos estes diversos passos da pinçagem, iremos brunindo a lâmina em sua face vestibular, nas margens cervicais e oclusais para uma perfeita adaptação da lâmina ao dente. g) Finalmente afrouxamos o alicate e retiramos a banda do dente. h) Os passos seguintes correspondem aos itens finais descritos na confecção dos anéis de molares e pré-molares. Com uma diferença, é que os incisivos superiores e inferiores, não necessitam o alívio das faces proximais na região cervical. 7 - Acessórios: Brackets: A1 e A2: São acessórios constituídos das seguintes partes: a) Duas asas, oclusal e cervical por onde passará o fio de amarrilho. b) Uma base horizontal com extensões, mesial e distal, onde levará os pontos de solda. c) Uma canaleta (slot), com superfícies: oclusal, cervical e palatina por onde passará o arco vestibular Tubos: a) Simples: É um acessório que possui uma luz retangular com superfície interna, oclusal, cervical, bucal e palatina. Uma base horizontal com extensões oclusais (mesial e distal), onde levará os pontos de solda. A porção posterior do tubo não se continua com a base horizontal, servindo para a retenção do fio de amarrilho. b) Duplos: É um acessório que possui duas luzes: 1. Retangular: De.022 pol., por onde passará o arco vestibular interno. 2. Redonda: De.045 ou.0,51 pol., por onde vai se prender o arco interno do Aparelho Extra-Oral. 3. Uma Base Horizontal: Com extensões oclusal (mesial e distal) e cervical (mesial e distal) onde levará os pontos de solda. Os tubos são acessórios colocados nos segundos molares superiores e inferiores Ganchos: São acessórios de fio de latão ou aço. Os ganchos (hooks) superiores são soldados no centro das bandas pela face palatina para os 8

9 Primeiros e Segundos Molares. Seu tamanho estará condicionado com a forma da abóbada palatina de cada paciente. Os ganchos inferiores, são soldados em cima do tubo molar a uma distância de 1 mm., distal da face mesial deste tubo. Deve ser dobrado em ângulo reto e seu comprimento deve ter o tamanho do tubo. Quando soldamos estes ganchos devemos ter o cuidado de preencher a luz do tubo com uma substância anti-fluxo (lápis cera) para evitar que a solda ao correr não oblitere a luz do tubo Eyellets: É um acessório em forma de um semicírculo, com duas asas laterais. É muito empregado na técnica de arco de canto, destinado a amarrações dos anéis ao arco de trabalho, com finalidades de produzir ou impedir rotações dos dentes. São soldados paralelos à superfície oclusal da base horizontal do bracket, na porção mesial e distal. Devemos ter o cuidado quando vamos soldá-los para não invadir os pontos de contato dos dentes. No acabamento destes acessórios usamos uma pedra montada para desgastar em bisel as asas livres (mesial e distal). São colocados em todos os dentes exceto nos molares superiores e inferiores. Alguns ortodontistas substituem estes acessórios por um tipo de brackets denominados de Paul Lewis. BRACKETS E TUBOS - SOLDAGEM - SLOT.022 x.030 Catálogo Dental Morelli TIPO DENTE CÓDIGO ALTURA Bracket Incisivo Central Superior ,0 mm. Bracket Incisivo Lateral Superior ,5 mm. Bracket Caninos Superiores e Inferiores ,5 mm. Bracket Prés-Molares Superiores e Inferiores ,0 mm. Bracket Incisivos Centrais e Laterais Inferiores ,0 mm. Bracket Primeiros Molares Inferiores ,5 mm. Tubo Duplo.045 Primeiros Molares Inferiores ,5 mm. Tubo Duplo.051 Primeiros Molares Inferiores ,5 mm. Tubo Duplo.045 Primeiros Molares Superiores ,5 mm. Tubo Duplo.051 Primeiros Molares Superiores ,5 mm. Tubo Simples Segundo Molares Superiores ,5 mm. Tubo Simples Segundos Molares Inferiores ,5 mm. Tubo Lingual Primeiros Molares Superiores ,5 mm. Tubo Lingual Primeiros Molares Inferiores ,5 mm. 9

10 Comprimento das Lâminas para confecção dos anéis ortodônticos: 1).004 x para incisivos inferiores - 4,5 cm. 2).004 x para incisivos superiores, caninos e pré-molares - 5,0 cm. 3).005 x para molares superiores e inferiores - 6,0 cm. 8 - Cimentação Fase de Pré-Cimentação: a) De posse de todas as bandas confeccionadas e com os seus respectivos acessórios, daremos o polimento das mesmas no Polisher anodizador. b) Preenchemos os slots dos brackets e eyellets e luzes dos tubos com uma cera pegajosa, para impedir que o cimento preencha estes espaços, dificultando posteriormente a colocação do arco vestibular e fios de amarrilhos. c) Conferimos a altura do bracket, o seu posicionamento com relação ao longo eixo, e se não existe nenhum eyellet ou bracket solto Fase de Cimentação Propriamente Dita: Usamos para este trabalho os seguintes instrumentais e materiais: 01) Placa de Vidro 02) Espátula nº 24 03) Cimento: Pó e Líquido (de boa qualidade) 04) Calcadores 05) Sonda 06) Espelho Bucal 07) Hollemback 08) Estrela de Boone 09) Pinça 10) Algodão 11) Seringa de Ar 12) Sugador de Saliva 13) Água Bicarbonatada 14) Bom Brill A Técnica da manipulação do cimento é a descrita pela American Dental Association. O cimento então manipulado, é colocado na superfície interna do anel por intermédio do Hollemback e também na superfície coronária do dente onde ficará posicionada a banda. Logo após a colocação da banda mo dente, verifica-se a altura do bracket e sua correta posição em relação ao longo eixo do dente. As bandas devem ser individualmente cimentadas. Quando o cimento tomar presa, removemos o excesso com cuidado. 10

11 9 - Acabamento: Com Relação aos Dentes: Este acabamento é feito em primeiro lugar nos dentes, removendo a cera colocada nos slots dos brackets, eyellets e luzes dos tubos. Em seguida removemos os excessos de cimentos, e com uma substância detergente (amônia), retiramos todas as impurezas que por acaso possa existir Com Relação à Cera: Em segundo lugar daremos um acabamento na cera, contorneando a área do osso basal o mais naturalmente possível, o que é conseguido flambando a cera por intermédio de uma chama fraca do maçarico e polindo-a com álcool e água de sabão de choco. Lavamos todo o conjunto em água corrente, portanto, este Typodont estará pronto para os diversos trabalhos a serem executados Referência Bibliográfica: Trabalho Digitado por:- Hélio Almeida de Moraes. Elaboração da Apostila:- Valmir Vicente Giacon Professores Responsáveis pela Disciplina:- Valmir Vicente Giacon Antonio Celso S. Aranha Campinas, 06 de Abril de

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

Kit de Teste GrandTEC

Kit de Teste GrandTEC Kit de Teste GrandTEC Cara Utilizadora, Caro Utilizador, Este Kit de Teste foi criado para que possa experimentar num modelo a aplicação das tiras GrandTEC, confeccionadas em fibra de vidro impregnadas

Leia mais

RECUPERADORES DE ESPAÇO

RECUPERADORES DE ESPAÇO RECUPERADORES DE ESPAÇO Conceito Recuperadores de espaço são usados para recuperar o espaço perdido nas arcadas dentárias. Eles verticalizam os dentes que inclinaram, depois que outros foram perdidos.

Leia mais

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho BRÁQUETES Aparelho Arco E-1886E Partes do aparelho Aparelho Arco E -1886 APARELHO PINO E TUBO - 1912 Arco Cinta -1915 Aparelho Edgewise - 1925 Braquete original Os primeiros bráquetes eram.022 de uma liga

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina Série Aparelhos Ortodônticos barra transpalatina INTRODUÇÃO A barra transpalatina (BTP) tem sido aplicada na mecânica ortodôntica de forma crescente e em muitas situações clínicas. Isto pela característica

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos

Série Aparelhos Ortodônticos Série Aparelhos Ortodônticos Em geral, o protocolo de tratamento nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, tem sido a disjunção, seguida pela protração da ma-xila. De acordo

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci Protócolo Wax-up Dr Christian Coachman Dr Guilherme Cabral Dr Braulio Paolucci Volume 3D / Posicão 3D Centrais 1. Encerar sobre a linha mediana antiga!! 2. Encerar os 2 centrais em um bloco de cera 3.

Leia mais

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS INCISIVOS Os incisivos permanentes são o primeiro e segundo dente a contar da linha média; Juntamente com os caninos constituem os dentes anteriores; Os incisivos superiores são geralmente maiores que

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

LISTA DE MATERIAIS E INSTRUMENTAIS

LISTA DE MATERIAIS E INSTRUMENTAIS UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE - UNIVALE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACS CURSO DE ODONTOLOGIA LISTA DE MATERIAIS E INSTRUMENTAIS 3º Período Obs: O jaleco deve ser na cor branca, longo (na altura dos

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title

Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Extensômetro de Alto Alongamento AHX800 Manual Title Additional Manual do Information Produto be certain. 100-238-343 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada Informação

Leia mais

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO Prof. Dr. Alfredo Júlio Fernandes Neto - 2005 A obtenção do molde e posterior modelo de estudo em gesso é um procedimento crítico e, como em qualquer outro trabalho

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

Enceramento. Enceramento. Técnica de coroas e pontes. Friedrich Jetter Christian Pilz. Conceitos para a prótese dentária

Enceramento. Enceramento. Técnica de coroas e pontes. Friedrich Jetter Christian Pilz. Conceitos para a prótese dentária Enceramento Enceramento Técnica de coroas e pontes Friedrich Jetter Christian Pilz Conceitos para a prótese dentária Aparelhos para enceramentos Aparelhos para enceramentos Waxlectric II O Waxlectric é

Leia mais

PARÂMETROS ESTÉTICOS DENTES ANTERIORES E FUNCIONAIS DOS CAPÍTULO

PARÂMETROS ESTÉTICOS DENTES ANTERIORES E FUNCIONAIS DOS CAPÍTULO PARÂMETROS ESTÉTICOS E FUNCIONAIS DOS DENTES ANTERIORES 12 CAPÍTULO ANATOMIA E ESCULTURA DENTAL COLEÇÃO APDESPBR VOLUME I CONCEITOS 299 ANATOMIA E ESCULTURA DENTAL SENSAÇÕES ALINHAMENTO AXIAL BILATERAL

Leia mais

LISTA DE MATERIAIS E INSTRUMENTAIS 2010. 3º Período

LISTA DE MATERIAIS E INSTRUMENTAIS 2010. 3º Período UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE - UNIVALE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACS CURSO DE ODONTOLOGIA LISTA DE MATERIAIS E INSTRUMENTAIS 2010 3º Período Curso de Odontologia FACS/UNIVALE Governador Valadares/MG

Leia mais

Viseu, 6 de Novembro de 2008. Dentição Decidua. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro

Viseu, 6 de Novembro de 2008. Dentição Decidua. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Viseu, 6 de Novembro de 2008 Dentição Decidua UBM IV 2ºano Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Dentição Decidua Funções Fisiológicas Funções Fisiológicas Mastigação Formação de um plano

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Página 1 de 9 Informativo nº 9 VENTILADOR DE MESA 30cm VENTNK1200 ASSUNTO: Lançamento. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Alimentação: Cor: Potência do aparelho: Consumo de energia: Característica diferencial: Período

Leia mais

MONTAGEM DE MODELOS DE ESTUDO EM ATICULADOR CLASSE III SEMI-AJUSTÁVEL - ASA

MONTAGEM DE MODELOS DE ESTUDO EM ATICULADOR CLASSE III SEMI-AJUSTÁVEL - ASA MONTAGEM DE MODELOS DE ESTUDO EM ATICULADOR CLASSE III SEMI-AJUSTÁVEL - ASA Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2005 A montagem de modelos de estudo em articulador classe III, semi-ajustável

Leia mais

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Dica Clínica O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Hallissa Simplício*, Ary dos Santos-Pinto**, Marcus Vinicius Almeida de Araújo***, Sergei Godeiro Fernandes Rabelo Caldas****,

Leia mais

A PESQUISA DE PLASMÓDIO

A PESQUISA DE PLASMÓDIO Capítulo 3 A PESQUISA DE PLASMÓDIO PELA MICROSCOPIA A pesquisa de plasmódio pela microscopia pode ser feita tanto na gota espessa de sangue como em esfregaço delgado. Dependendo do objetivo do trabalho,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

CURSOS ICMDS INICIAÇÃO Á ORTODONTIA COM APARELHOS AUTOLIGÁVEIS

CURSOS ICMDS INICIAÇÃO Á ORTODONTIA COM APARELHOS AUTOLIGÁVEIS CURSOS ICMDS INICIAÇÃO Á ORTODONTIA COM APARELHOS AUTOLIGÁVEIS OBJECTIVOS O curso básico de ortodontia tem por objetivo possibilitar o médico dentista, por meio de conhecimento e treinamento técnico científico,

Leia mais

Estudo dirigido sobre premolares

Estudo dirigido sobre premolares Estudo dirigido sobre premolares 1 Miguel Carlos Madeira e Roelf Cruz Rizzolo http://www.anatomiafacial.com Material para ser impresso, com a autorização dos autores, exclusivamente para os alunos do primeiro

Leia mais

Régua graduada. metro e trena

Régua graduada. metro e trena A U A UL LA Régua graduada, metro e trena Um problema Silva verificou, contrariado, que os instrumentos de medição, há pouco adquiridos pela empresa, não estavam sendo bem cuidados pelos funcionários.

Leia mais

MÁQUINA DE COSTURA PONTO FIXO

MÁQUINA DE COSTURA PONTO FIXO MÁQUINA DE COSTURA PONTO FIXO Máquina Ponto fixo: 1 agulha 2 agulhas zig-zag (simples ou 3 pontadas). Toda máquina com carretilha ou carrinho é máquina de ponto fixo. Estas máquinas são usadas para costura

Leia mais

TÁGIDES Saúde e Bem-Estar

TÁGIDES Saúde e Bem-Estar TÁGIDES Saúde e Bem-Estar Estrada Nacional 1,Urbanização Quinta do Cabo, lojas 8 e 9, Povos 2600-009, Vila Franca de Xira Tel; 263209176 914376214 924376162 Email: tagides.sbe@gmail.com Ortodontia- Bases

Leia mais

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente.

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente. PRÉ-MOLARES PRÉ-MOLARES Pré-Molares são conhecidos como pequenos molares bicuspidados, em número de quatro para cada arco, dois de cada lado da linha mediana chamados de primeiros e segundos prémolares;

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

20 172,00 Und 161,0000. 21 170,00 Und 120,0000. 22 230,00 Und 240,0000 74,0900. 23 520,00 Und. 24 136,00 Und 680,0000. 25 100,00 Und 1.

20 172,00 Und 161,0000. 21 170,00 Und 120,0000. 22 230,00 Und 240,0000 74,0900. 23 520,00 Und. 24 136,00 Und 680,0000. 25 100,00 Und 1. Ata: 316 11484 C.K.YOKOTA MÓVEIS (42) 36245754 Armário de escritório multiuso nas medidas aproximadas 2,39m x 0,80m x 0,55m composto por 10 prateleiras e coluna central. Tampo 2 215,00 Und confeccionado

Leia mais

Instruções complementares. Centragem. para VEGAFLEX Série 80. Document ID: 44967

Instruções complementares. Centragem. para VEGAFLEX Série 80. Document ID: 44967 Instruções complementares Centragem para VEGAFLEX Série 80 Document ID: 44967 Índice Índice 1 Descrição do produto 1.1 Vista geral... 3 1.2 Centragens... 3 2 Montagem 2.1 Informações gerais... 10 2.2 Estrelas

Leia mais

Ca C t a álo t g álo o g de Pr de P o r du o t du o t s o

Ca C t a álo t g álo o g de Pr de P o r du o t du o t s o Catálogo de Produtos Unimatrix Sistema de matrizes seccionais pré-formadas, para restaurações de Classe II. Maior facilidade na reconstrução do ponto de contato; A convexidade das matrizes foi especialmente

Leia mais

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d Definição Fresas São ferramentas rotativas para usinagem de materiais, constituídas por uma série de dentes e gumes, geralmente dispostos simetricamente em torno de um eixo. Os dentes e gumes removem o

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Técnica 1: Faceta I.Dente vital e preparo protético pronto. 1. Medir a altura e a largura do dente homológo do

Leia mais

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa

Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Fundamentos de Prótese Parcial Fixa Roteiro de estudo - Preparo do Dente: 1. Técnica da silhueta modificada. 2. Desgaste do dente com ponta diamantada (PD) 1,4 mm na região cervical e terço médio respeitando

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro

Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Relógio de Bolinhas Montagem de Flávio Machado Desenhos de Alex Sandro Construir este relógio foi um desafio, pois não dispunha de nenhum projeto e o que tinha eram apenas fotos, por isso relutava em entrar

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Portaria 029/2015 EMENTA: Normatiza a padronização do mobiliário existente do CRF-ES e dá outras providências. O Presidente do CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - CRF/ES, no uso

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

POLIAS DE CORRENTE PARA OPERAÇÃO DE VÁLVULAS ELEVADAS. Ferro dúctil Aço inox Alumínio Aço carbono

POLIAS DE CORRENTE PARA OPERAÇÃO DE VÁLVULAS ELEVADAS. Ferro dúctil Aço inox Alumínio Aço carbono POLIAS DE CORRENTE E ACESSÓRIOS PARA OPERAÇÃO DE VÁLVULAS ELEVADAS Ferro dúctil Aço inox Alumínio Aço carbono Industries, Inc. POLIAS DE CORRENTE AJUSTÁVEIS DE FERRO DÚCTIL USADAS PARA OPERAR VÁLVULAS

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

Mesa de centro com tabuleiro integrado

Mesa de centro com tabuleiro integrado Mesa de centro com tabuleiro integrado Vamos para a mesa Mesa de centro com tabuleiro integrado Esta mesa de centro é genial: ela dispõe de um tabuleiro para que possa mimar as suas vistas com todo o tipo

Leia mais

MANUAL DE PRÓTESE FIXA

MANUAL DE PRÓTESE FIXA MANUAL DE PRÓTESE FIXA INDICE Materiais e Equipamentos 05 Materiais e Técnicas de Moldagem 07 Vazamento de Modelos 08 Montagem em Articulador 17 Enceramento 20 Preparo de Troquel 23 Inclusão 25 Fundição

Leia mais

Úmero Proximal. Sistema de Placa Úmero Proximal

Úmero Proximal. Sistema de Placa Úmero Proximal Indicações Fraturas de 2, 3 e 4 fragmentos. Fraturas reconstituíveis da cabeça do úmero. Fraturas Patológicas. Indicações especiais tais como Pseudo-artroses e Osteotomias de correção. 1 Propriedades do

Leia mais

Disciplina: Dentística Pré-clínica APARELHO FOTOPOLIMERIZADOR - LED 1 APLICADOR DE CIMENTO DE HIDRÓXIDO DE CÁLCIO DUPLO 1

Disciplina: Dentística Pré-clínica APARELHO FOTOPOLIMERIZADOR - LED 1 APLICADOR DE CIMENTO DE HIDRÓXIDO DE CÁLCIO DUPLO 1 Disciplina: Dentística Pré-clínica LISTA DE MATERIAIS E INSTRUMENTAIS PARA DICIPLINA DE DENTÍSTICA PRÉ-CLÍNICA APARELHO FOTOPOLIMERIZADOR - LED APLICADOR DE CIMENTO DE HIDRÓXIDO DE CÁLCIO DUPLO APLICADOR

Leia mais

USP - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE DENTÍSTICA OPERATÓRIA DIRETA. - Lista de Materiais -

USP - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE DENTÍSTICA OPERATÓRIA DIRETA. - Lista de Materiais - USP - FACULDADE DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE DENTÍSTICA OPERATÓRIA DIRETA - Lista de Materiais - GERAIS Avental branco Máscara descartável Óculos de proteção Gorro descartável Luvas de procedimentos descartáveis

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Seção 12 Conjunto do motor

Seção 12 Conjunto do motor Seção 12 Conjunto do motor Página CONJUNTO DO MOTOR... 164 Instalação do virabrequim... 164 Instale o pistão e a biela... 164 Instalação do eixo de cames... 164 Instalação da bomba de óleo... 165 Instalação

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para eventual fornecimento, montagem e instalação de mobiliário, para a Procuradoria Regional do Trabalho da 2a Região

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL (PARA ADULTOS) Adaptado para utilização de escova dental + boneca de gaze Versão 1.6 Dr. Eduardo Esber Odontologista CROMG 16393 CNI 16495 "O que acontece na boca não

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA DE COSTURA INDUSTRIAL RETA ELETRÔNICA DIRECT-DRIVE SSTC7810M-D3. www.sunspecial.net.br

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA DE COSTURA INDUSTRIAL RETA ELETRÔNICA DIRECT-DRIVE SSTC7810M-D3. www.sunspecial.net.br MNUL DE INSTRUÇÕES MÁQUIN DE COSTUR INDUSTRIL RET ELETRÔNIC DIRECT-DRIVE SSTC780M-D www.sunspecial.net.br Índice Informe de segurança Operações de Segurança Descrição do Produto e Especificações da Máquina

Leia mais

Instrução de Uso. Tubos. Tubo Simples Indicado para primeiros e segundos molares. Possui um único slot para alojar o arco intraoral.

Instrução de Uso. Tubos. Tubo Simples Indicado para primeiros e segundos molares. Possui um único slot para alojar o arco intraoral. Instrução de Uso Tubos Os Tubos tem por finalidade transferir os esforços de: Arcos Intra e extra orais; Molas e Elásticos; Distalizadores; Barras transpalatinas e Quad Helix ; Placas Lábioativas. Promovem

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

Viseu, 20 de Outubro de 2009. Molares Inferiores. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro

Viseu, 20 de Outubro de 2009. Molares Inferiores. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Viseu, 20 de Outubro de 2009 Molares Inferiores UBM IV 2ºano Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Molares Permanentes Mandibulares 1º Molar Inferior Calcificação- inicio aos 25 semanas

Leia mais

Corte lateral para fios e arames. Código A134006 A134008. 6-160mm. 8-200mm

Corte lateral para fios e arames. Código A134006 A134008. 6-160mm. 8-200mm Alicates isolados Isolação 1000V Alicate universal Corte lateral para fios e arames A134006 A134008 6-160mm 8-200mm 6/72 6/48 Função: Prender, Puxar e Cortar com mandíbula dentada. Cortador lateral de

Leia mais

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DO MOBILIÁRIO PARA INSPETORIA REGIONAL DE MOSSORÓ

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DO MOBILIÁRIO PARA INSPETORIA REGIONAL DE MOSSORÓ ANEXO VII Item Descrição Pedido mínimo por fornecimento 01 Tampo em formatos retangular, medindo 90 x 60 cm, em chapa de madeira aglomerada de alta densidade revestida em ambas as faces em laminado plástico

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos

Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos Fresando engrenagens cilíndricas com dentes retos A UU L AL A Na aula passada você viu como furar na fresadora, utilizando a mesa divisora. Nesta aula você vai aprender a fresar engrenagens, utilizando

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO

ATA DE REGISTRO DE PREÇO ATA DE REGISTRO DE PREÇO DADOS DO PREGÃO NÚMERO DO PREGÃO: 20/2014 NÚMERO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS: 20/2014 ÓRGÃO GESTOR: HOSPITAL GERAL DO RIO DE JANEIRO UASG: 160323 CONTATO NO ÓRGÃO PARA ADESÃO:

Leia mais

1 Introdução. Elementos de fixação. Elementos de fixação constitui uma unidade. de 13 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas.

1 Introdução. Elementos de fixação. Elementos de fixação constitui uma unidade. de 13 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas. A U A UL LA Introdução aos elementos de fixação Introdução Elementos de fixação constitui uma unidade de 3 aulas que faz parte do módulo Elementos de Máquinas. Nessa unidade, você vai estudar os principais

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS TESTE SELETIVO TÉCNICO EM PRÓTESE DENTÁRIA Edital n o 096/2009-PRH CADERNO DE PROVA CONHECIMENTO ESPECÍFICO - 38

Leia mais

Bráquetesq. metálicos cerâmicos plásticos. corpo; base (superfície de contato). fio). aletas; fixação.

Bráquetesq. metálicos cerâmicos plásticos. corpo; base (superfície de contato). fio). aletas; fixação. Bráquetesq metálicos cerâmicos plásticos Composição i ã : corpo; encaixe ou slot (abriga o fio). aletas; fixação. base (superfície de contato). Bráquetes á t simples e duplo. Bráquetes á t para colagem

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES:

LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - CGIC Concurso Público (Aplicação: 20/05/2012) Cargo: Técnico em Prótese Dentária/Classe D-101 LEIA ATENTAMENTE AS SEGUINTES INSTRUÇÕES: Verifique,

Leia mais

Telha GraviColor. Sofisticação acima de tudo.

Telha GraviColor. Sofisticação acima de tudo. Telha GraviColor Sofisticação acima de tudo. Telhas GraviColor Estilo, inovação e qualidade. As telhas GraviColor chegam ao mercado trazendo o rústico com design inovador, dando um toque de sofisticação

Leia mais

O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II pode ser adaptado à maioria das mesas cirúrgicas e acomoda pacientes de até 350 libras (160 kg) de peso.

O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II pode ser adaptado à maioria das mesas cirúrgicas e acomoda pacientes de até 350 libras (160 kg) de peso. Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II PREFÁCIO O Suporte e Posicionador para Ombro TMAX II foi projetado para proporcionar o posicionamento ideal nos procedimentos operatórios do ombro. Este dispositivo

Leia mais

JULHO 2012. www.tectubo.com.br

JULHO 2012. www.tectubo.com.br JULHO 2012 www.tectubo.com.br Coberturas que respeitam você e o meio ambiente. Telhas de PVC Coberturas com durabilidade, segurança e beleza. Dê mais modernidade a sua casa com o mais novo sistema de coberturas

Leia mais

Ralos lineares. Características do ralo linear de parede

Ralos lineares. Características do ralo linear de parede Ficha técnica Ralos lineares O ralo linear da butech é um ralo para bases de duche construídas, com saída horizontal. Caracteriza-se por um bandeja amplo em torno da grelha, o que facilita a ligação à

Leia mais

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil Enforce - Sistema Multiuso de Cimentação Adesiva, com Flúor Desde que foi lançado no Brasil, o sistema de cimentação adesiva Enforce com Flúor passou a fazer parte do dia-adia dos profissionais que realizam

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Agrifab_A4_Lawn_sweeper.book Seite 1 Freitag, 4. März 2005 5:30 17. Printed in U.S.A. Form 48882

Agrifab_A4_Lawn_sweeper.book Seite 1 Freitag, 4. März 2005 5:30 17. Printed in U.S.A. Form 48882 Agrifab_A4_Lawn_sweeper.book Seite 1 Freitag, 4. März 2005 5:30 17 GR DK Printed in U.S.A. Form 48882 Agrifab_A4_Lawn_sweeper.book Seite 23 Freitag, 4. März 2005 5:30 17 Instruções de serviço Varredora

Leia mais

ZJ20U93 Montagem e Operacional

ZJ20U93 Montagem e Operacional www.zoje.com.br ZJ20U93 Montagem e Operacional ÍNDICE 1. Aplicação...2 2. Operação segura...2 3. Cuidados antes da operação...2 4. Lubrificação...2 5. Seleção da agulha e do fio...3 6. A Inserção da agulha...3

Leia mais

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455 Martelete Rotativo HR445- HR455 MANUAL DE INSTRUÇÕES Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. Fábrica Rua Makita Brasil, 00 Bairro Alvarengas - S. B. do Campo - SP - CEP: 0985-080 PABX: (0xx) 439-4

Leia mais

Instruções de encastramento

Instruções de encastramento para aparelhos frigoríficos, BioFresh, congeladores, integrável com montagem fixa de porta P 708 45-00 IK/IKP/IKB/IG 006 a b max. 00 3 4 00 38 00 cm 560-570 550 (mm) 557 538 6 3mm 38 0 57 A (mm) B 00 cm

Leia mais

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ESPECIFICAÇÕES DE MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA E ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL,

Leia mais

EQ 7881. Manual de montagem, instalação e operação

EQ 7881. Manual de montagem, instalação e operação EQ 7881 Manual de montagem, instalação e operação 0 A Rampa para elevação e alinhamento de veículos EQ 7881 foi desenvolvida e fabricada para facilitar e auxiliar os trabalhos de alinhamento de direção,

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação Suporte para amostras de pequeno porte e engastadas modelo SB-AP ATCP Engenharia Física Rua Lêda Vassimon, n 735-A - Ribeirão Preto - SP / Brasil CEP 14026-567 Telefone:

Leia mais

Bigfer + Hettich. Por que? Por que usar InnoTech em seus projetos?

Bigfer + Hettich. Por que? Por que usar InnoTech em seus projetos? InnoTech Bigfer + Hettich A Hettich é uma empresa alemã e líder mundial em ferragens e acessórios para móveis. No Brasil seus produtos são distribuídos pelo Grupo Bigfer, o maior fabricante de acessórios

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda.

International Paper do Brasil Ltda. International Paper do Brasil Ltda. Autor do Doc.: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Técnicas de Inspeção, Montagem, uso de Rebolos ( Esmeris

Leia mais

Complementos para telhas Brasilit

Complementos para telhas Brasilit Complementos para telhas Brasilit A mais completa linha de cumeeiras, rufos, espigões, arestas, cantoneiras, terminais, pingadeiras, tampões, calços, venezianas, claraboias e placas de vedação. TECNOLOGIA

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

TÉCNICAS DE ARTESANATO Tita Mascarenhas CURSO BÁSICO DE BORDADOS BORDADO À MÃO PONTOS BÁSICOS

TÉCNICAS DE ARTESANATO Tita Mascarenhas CURSO BÁSICO DE BORDADOS BORDADO À MÃO PONTOS BÁSICOS TÉCNICAS DE ARTESANATO Tita Mascarenhas CURSO BÁSICO DE BORDADOS BORDADO À MÃO PONTOS BÁSICOS Bordado é uma forma de criar desenhos e figuras ornamentais em um tecido, utilizando para este fim diversos

Leia mais

1/5 CO-20. Corrimão duplo intermediário. Componentes. Código de listagem. Atenção. Elaboração Data 12/06/07 Página

1/5 CO-20. Corrimão duplo intermediário. Componentes. Código de listagem. Atenção. Elaboração Data 12/06/07 Página 1/5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes CORRIMÃO (galvanizado a fogo e com pintura eletrostática): --Tubo de aço carbono, tipo industrial, Ø=41,27mm (1 5/8 ), e=2,5mm. CONEXÃO INTERNA (galvanizada a fogo):

Leia mais

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência.

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Leveza e conforto aliados à eficiência. As novas telhas termoacústicas TopSteel da Brasilit são de fácil transporte

Leia mais