PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA"

Transcrição

1 Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CASA DE DETENÇÃO DE SÃO PAULO CARANDIRU Endereço: Avenida Zaki Narchi, 1369, Carandiru, São Paulo, SP. Classificação: Aparato Repressivo. Identificação numérica: O Complexo Carandiru surge da união entre prédios/presídios: Penitenciária do Estado (inaugurada em 1920 era considerada modelo prisional em seus primeiros anos de funcionamento) e a Casa de Detenção (inaugurada em 1965 que abrigava presos a espera de julgamento). A partir de 1975 a Casa de Detenção passou a abrigar presos julgados e condenados, de modo que a população carcerária passou a crescer vertiginosamente, assim como a capacidade de abrigo da Penitenciária do Estado 1. No entorno dos presídios citados, também foram construídos a Penitenciária Feminina da Capital em 1973 e o Centro de Observação Criminológica em Juntos, todos os edifícios formavam o Complexo Carandiru que eram 1 Para maiores informações sobre o histórico do sistema prisional no estado de São Paulo, sugere-se a visita virtual ao Museu Penitenciário Paulista. Disponível no site: <http://www.sap.sp.gov.br/common/museu/museu.php>, acessado em 30/06/ Entende-se por Centro de Observação Criminológica um estabelecimento penal de regime fechado e de segurança máxima onde devem ser realizados os exames gerais e criminológicos, cujos resultados serão encaminhados às comissões técnicas de classificação, as quais indicarão o tipo de estabelecimento e o tratamento adequado para cada pessoa presa. Sobre o tema, sugere-se consulta ao site do Observatório de Segurança Púbica. Disponível em: <http://www.observatoriodeseguranca.org/dados/penitenciario/unidades>, acessado em 30/06/

2 classificados/divididos em pavilhões e pavimentos. Os pavilhões seriam os prédios que integravam o complexo, e os pavimentos, os andares por cada prédio. Embora a arquitetura externa dos pavilhões seja semelhante, suas divisões internas e a geografia humana são bem diferentes. Como vimos, quem vem da rua para a Divineia fica de frente para o pavilhão Seis, central. Da entrada para o fundo, à esquerda, vêm os pavilhões Dois, Cinco e Oito. À direita, em posição simétrica, o Quatro e depois o Sete e o Nove (VARELA, 1999, 21). Drauzio Varela, que prestou serviços de atendimento médico voluntário durante 13 anos no Complexo Carandiru (de 1989 a 2002) produziu dois livros sobre sua experiência no combate a AIDS dentro do Carandiru. O cotidiano prisional e os desafios da ressocialização dos presos compreende parte de suas análises nas obras: Estação Carandiru (1999) e Carcereiros (2012), bem como as peculiaridades de cada pavilhão do Carandiru. LUGAR POSIÇÃO GEOGRÁFICA ESPECIFICIDADES Pavilhão 2 Próximo à entrada da cadeia. Funcionava o Controle Geral, onde o detento era registrado, ficava de cueca na frente de todos, recebia uma calça caqui e cortava o cabelo. Lá era ainda registrado, fotografado e encaminhado para o pavilhão que cumpriria sua pena. Além dos setores de apoio, funcionava ainda uma alfaiataria, barbearia e a laborterapia (para cada 3 dias trabalhados, o preso ganhava 1 dia de remissão de pena). Possuía a fama de ser o mais tranquilo dos pavilhões, por sua localização na frente do presídio, e pelas disponibilidades de trabalho. Pavilhão 4 Do lado oposto, simétrico ao Pavilhão 2. Era composto majoritariamente por celas individuais. A intenção original era a de que fosse um pavilhão exclusivo do Departamento de Saúde, no entanto foi designado aos jurados de morte. No térreo ficavam os presos com tuberculose, e um setor especial chamado de Masmorra, com segurança máxima. A Masmorra ficava em frente à gaiola de entrada do pavilhão. Eram oito celas de um lado da galeria escura e seis de outro, úmidas e superlotadas. O número de habitantes do setor não era inferior a cinquenta, quatro ou cinco por xadrez, sem sol, trancados o tempo todo para escapar do grito: Vai morrer. Ambiente lúgubre, infestado de sarna, muquirana, baratas e ratos que subiam pelo esgoto. A janela era vedada por uma chapa de ferro fenestrada que impedia a entrada de luz. No segundo andar, ficavam os doentes mentais ou aqueles que fingiam sê-lo e no quinto, a enfermaria geral. Pavilhão 5 Do lado oposto ao Pavilhão 4, vizinho ao Pavilhão 2. Possuía escadas com degraus desbeiçados, fiação elétrica por fora das paredes infiltradas pelos vazamentos, água empoçada e lâmpadas queimadas nas galerias. Era o pavilhão mais abarrotado da cadeia. No primeiro andar, além da carceragem, da enfermaria e da sala de aula com uma biblioteca pobrezinha, ficava a Isolada. Um conjunto de vinte celas que guardavam os detentos pegos em contravenções no interior do 2

3 presídio (porte de arma, pinga, tráfico, desrespeito aos funcionários e planos de fuga). A janela era coberta por uma chapa perfurada igual ao da Masmorra. No segundo andar moravam os presos integrantes da Faxina (encarregados da limpeza geral, distribuição das refeições, entrega das sacolas de alimentos trazidos pelos familiares ou que trabalhavam no judiciário). O terceiro andar era majoritariamente ocupado pelos justiceiros e estupradores. No quarto, moravam os que não conseguiam lugar melhor, estupradores e travestis. No quinto andar, à direita ficava a ala da Assembleia de Deus. À esquerda ficava o assim chamado Amarelo, cujos habitantes eram os ameaçados de morte, e os que foram expulsos de seus pavilhões de origem. No geral, era considerado o pavilhão mais ralé, mas também o mais armado. O cinco era a fábrica de facas clandestinas e de Maria-louca a pinga da cadeia. Pavilhão 6 Entre o Pavilhão 2 e o Pavilhão 4. Era o único em posição central no complexo. No térreo funcionava a cozinha até No segundo andar havia um auditório (grande salão com um palco de madeira na frente) no qual se chegou a reunir mais de mil detentos em palestras sobre prevenção a AIDS. No terceiro andar funcionavam salas destinadas a Administração, Vigilância, Disciplina, Departamento de Esportes, Judiciário e Diretoria de Valorização Humana. As celas começavam no quarto andar. No quinto andar, havia um setor chamado Medida Preventiva de Segurança (destinado a abrigar presos com o mesmo perfil que o Amarelo, devido à superpopulação no pavilhão 5). Pavilhão 7 De frente ao Pavilhão 6, central, vizinho do Pavilhão 4. No térreo funcionavam os setores de manutenção e o patronato (organizava os trabalhos de encomendas de fora). No segundo andar moravam os integrantes da Faxina. No terceiro e quarto os demais detentos, já no quinto os presos que cumpriam castigos. No pátio havia uma quadra de esportes e dois campinhos de futebol. Foi ocupado em sua maioria por detentos com ocupações laboriosas na cadeia. Era popular pela prática de fazer túneis de fuga, dada sua proximidade com a muralha. Pavilhão 8 Ficava atrás, à esquerda, e formava, com o Pavilhão 9, o fundão do presídio. O pavilhão era quadrado como os outros, porém enorme, as galerias chegavam a ter quase cem metros de comprimento. No térreo além das seções burocráticas, funcionava uma capela católica, os templos da Assembleia de Deus, a Igreja Universal, a Deus é Amor e o Centro de Umbanda. No segundo andar ficavam as celas dos faxineiros, e no quinto andar havia oito celas de castigo. No pátio, uma quadra esportiva e o maior campo de futebol da cadeia. A principal característica do pavilhão 8 era o fato de ser ocupado pelos presos reincidentes no crime, réus primários eram raros naquele espaço. Pavilhão 9 Fazia par com o Pavilhão 8, no fundo. As organizações dos setores de serviços e dos xadrezes eram similares ao pavilhão 8, o que distinguia eram os habitantes. Existiam duas celas de triagem, de modo que a maioria dos presos que ocupavam o pavilhão eram réus primários. Não conhecendo as regras da prisão, os conflitos eram acontecimentos previstos em seu espaço. Tabela 01: Especificidades dos Pavilhões do Carandiru. Fonte: Estação Carandiru, Drauzio Varela,

4 Os usos do Carandiru foram apropriados para diversas finalidades. Entre o cotidiano dos presos, é possível encontrar: música, esportes (boxe, futebol, capoeira, etc.), aulas da educação básica, trabalhos e confecção de materiais para venda como (artesanato, desenhos, pinturas, tatuagens, bolas de futebol, pipas, etc.). Mas cabe destacar que eram vendidos ainda, roupas e sapatos usados, maconha e crack. No comércio interno dos presos, a moeda entre os presos são cigarros na maioria das negociações. E as dívidas de compra de droga era a principal causa de brigas e mortes entre os internos. As armas que os presos utilizavam eram confeccionadas no interior do presídio com pedaços de ferro que eram arrancados das portas, de escadas ou de outros espaços do próprio presídio. Quando descobertos portando as chamadas faca de cadeira, eram submetidos ao isolamento, com ainda mais restrições na cela. O mesmo ocorria quando os presos eram descobertos na fabricação da Maria Louca, tratava-se de uma aguardente feita com água, açúcar, arroz, fruta e fermento que era destilada e transformada em cachaça que era comercializada no interior do Carandiru. O Carandiru abrigava ainda celebrações religiosas de várias entidades, os evangélicos (Assembleia de Deus), a missa católica (corroborado pelas visitas da Pastoral Carcerária) e cultos de matriz afro-brasileira (Umbanda). As condições estruturais e de limpeza eram precárias, apesar da rotina de limpeza imposta aos detentos. A noite era o momento em que o tempo passava mais devagar no Presídio Carandiru. Segundo relatos de ex-presos, no documentário O homem da grade de ferro, o entorno é melhor observado a noite, quando ao esperar a contagem diária dos presos pelos carcereiros, ficavam a contemplar o que cercava o Carandiru. Nesse sentido, o metrô passou a ser o objeto de desejo de muitos presos, que enxergavam nele a palavra liberdade (de ir e vir). Ainda dentro do Complexo do Carandiru, alguns presos políticos cumpriram parte da pena na Penitenciária do Estado de São Paulo, cuja fundação é anterior a Casa de Detenção. O ex-preso Arthur Scavonne (2014:01: 14) afirmou que: Nós fomos depois para a Penitenciária. Foi parte do processo de dividir os presos políticos. A Penitenciaria, ela ainda existe, lá do lado onde era o Carandiru, e ela é uma cadeia, para quem nunca entrou: igual aquelas de cinema, cadeia inglesa. 4

5 Como é que ela é? Você tem por exemplo uma ala, uma porção de celas construídas em vários andares. Em cada andar você tem andaime. Tem um vão que é pra tudo poder ser visto. E como ela é uma cadeia muito antiga, cada porta da detenção, se vocês forem visitar lá, não acho que seja um bom programa, é uma madeira de lei de uns dez ou onze centímetros de largura. São pedaços de madeira de lei, montadas com ferro que fazem a porta da detenção. E na detenção, nós ficávamos cada um em uma cela, então nos ocupamos um andar inteiro, cada um ficava em uma cela, tinha também aquela privadinha turca, uma torneira acima, e banho, agente saía pra tomar banho. Eles te davam um calção de brim e uma camiseta, uma toalha de brim (um pano) para você se enxugar, e nós tínhamos uma hora de sol por dia. Assim, entende-se por Carandiru não apenas os edifícios que foram implodidos, mas todo o aglomerado carcerário que envolvia o entorno da Casa de Detenção, ou seja, a Penitenciária do Estado, e a época, a Penitenciária Feminina. OS PRESOS POLÍTICOS DA DITADURA A grande maioria dos presos políticos que estiveram presos no Carandiru já haviam passado por centros de repressão e tortura, e outros transferidos de presídios como o Tiradentes. O cotidiano e as histórias/memórias dos presos políticos no Carandiru variam de acordo com o período histórico em que lá estiveram. As memórias vistas sem uma percepção temporal podem induzir o leitor a encontrar dois cárceres e tratamentos distintos no mesmo lugar. Por isso é importante destacar que no Carandiru estiveram muitos presos políticos em diferentes anos ao longo da ditadura civil-militar que durou de 1964 a O primeiro numeroso grupo de presos políticos que deram entrada no Carandiru foram os estudantes presos no 30º Congresso da União Nacional dos Estudantes UNE em Os estudantes que eram do estado de São Paulo ficaram detidos no Presídio Tiradentes, mas logo transferidos para cumprir pena no Presídio Carandiru. Os que não eram do estado de São Paulo foram encaminhados para os respectivos órgãos de repressão de seus estados. Paulino (2006, 110), relata que por ocasião de participar do Congresso da UNE em Ibiúna ficou detido no Tiradentes, até que uma noite foi levado com outros estudantes, ainda de madrugada, para o Carandiru. Lá foram recebidos pelo diretor 5

6 do presídio, Coronel Fernão Guedes, que apresentou as regras do presídio informando que no momento contavam com mais de detentos. Para os presos políticos foi reservado um corredor que os comportaria durante o tempo em que lá estivessem. Não tiveram que raspar o cabelo, porém tomaram as vacinas e vestiram o uniforme do presídio. Suas roupas e pertences ficaram retidos na administração do Carandiru mediante recibo. Suas celas não foram trancadas de dia, o que possibilitou a interação com outros presos políticos e também presos comuns que aproveitaram os presos políticos que eram estudantes de direito para fazer consultas sobre seus processos e possíveis sentenças, uma vez que muitos não dispunham de assistência jurídica adequada/regular. Foi apenas no Carandiru que estes presos políticos tiveram direito a quebra da incomunicabilidade com seus familiares e advogados. A partir de então muitos foram encaminhados para o Deops e depois libertos. As transferências dos presos políticos para o Carandiru eram motivadas, sobretudo por desobediência as normas dos lugares onde estavam presos. Reivindicações e exigências de melhores tratamentos com greves de fome e outras formas de luta pelos direitos humanos eram punidos. As transferências também visavam separar membros de organizações de esquerda que discutiam questões políticas, ditas subversivas, no cárcere. A maioria dos transferidos passou três meses no Carandiru, em celas solitárias com vasos sanitários e luz elétrica ligada 24 horas tínhamos direito a uma hora diária de sol, exceto nos fins de semana (...) No pavilhão 8 fomos postos ao lado de presos comuns que haviam assaltado bancos e, por isso, estavam incursos na Lei de Segurança Nacional (SIPAHI, 1997, 235). O ex-preso Carlos Roberto Pitolli (1997, 115) afirma que a Lei de Segurança Nacional também enquadrava como crime político os assaltos a bancos e atentados contra radiopatrulhas. Assim muitos presos comuns possuíam crimes políticos em seus históricos, e por isso compartilhavam celas com presos políticos. Foi conquistado o direito ao banho de sol e futebol, as visitas eram diferenciadas das visitas dos presos comuns. O cigarro, moeda interna, vinha em maior quantidade para os presos políticos (...). Não existia rádio, nem TV ou Jornais. Os livros entravam e eram desmontados, de forma que cada livro fosse dividido e lido por diversas pessoas ao mesmo tempo, capítulo por capítulo. O uso de pedaços de espelho para observar o corredor, garantir a segurança, era uma constate 6

7 (...). Contra o silêncio imposto, os presos políticos aprenderam a conversar com as mãos, como se fossem surdos mudos (PITOLLI, 1997, 116). Takao Amano em entrevista ao programa Coleta Regular de Testemunhos do Memorial da Resistência afirma que esteve preso no Carandiru no ano de Em seu relato, Takao afirma que ficou preso numa cela solitária onde tinha contato apenas com os presos comuns que distribuíam comida e faziam as limpezas do corredor. Os carcereiros e policiais, segundo Takao, ficavam sempre no final do corredor, sem contato direto/constante com os presos. A única forma de comunicação com os outros presos era feita de cela em cela, ou seja, era passada a informação para o preso da cela ao lado que ia repassando a informação para a cela seguinte e assim até chegar ao destinatário final. No período em que esteve preso no Carandiru, Takao ficou no Pavilhão 9 que era destinado aos presos de alta periculosidade. Nele, uma ala inteira era ocupada por presos políticos, com um detento por cela. Não tendo direito a banho de sol, nem a visita de familiares. Em maio de 1972 muitos presos políticos do Presídio Tiradentes promovem uma greve de fome em protesto à sucessiva leva de transferências que separavam os presos. A decisão não foi unânime entre os detentos, e a decisão dos órgãos de repressão foi de transferir os presos para a Casa de Detenção. Dos que foram transferidos para o Carandiru, os presos políticos: Maurice Politi, Wanderley Caixe e os freis dominicanos Fernando, Yves e Betto após seis dias foram novamente transferidos, dessa vez para a Penitenciária Presidente Venceslau, na cidade de Presidente Prudente 3. Aí se decidiu levar todos os presos políticos para a Casa de Detenção para o Pavilhão 5. Aí prepararam o Pavilhão 5, um andar inteiro, nós íamos ocupar o andar inteiro, e nós fomos lá para o Pavilhão 5. Era ótimo, porque eram celas individuais, puseram beliches, aí ficava dois em cada cela, mas durante o dia as portas ficavam abertas e a gente ficava com o corredor livre. Ficou uma sala para fazer artesanato e tal e coisa. E levaram esse pessoal. E aí iam levar o resto do pessoal do Tiradentes para lá. E aí enrola daqui, enrola dali, o resto do pessoal da Tiradentes não vai. Daí os caras entram em greve de fome e aí francamente se aproveita pra perguntar pra eles 3 Ao total, a greve iniciada em maio de 1972 no Tiradentes, acompanhada no Carandiru e na Penitenciária Presidente Prudente durou até julho do mesmo ano. Maurice Politi em seu livro Resistência atrás das grades (Editora Garamond, 2014) descreve o cotidiano e os desafios da forma encontrada pelos presos de reivindicação no cárcere. 7

8 qual era o motivo, porque era para unir todos os presos. E aí entraram em greve de fome para que os outros que tinham ficado viessem pra lá, ou então que a gente voltasse. E aí também já começou a escorregar para o perigoso terreno da galhofa, porque afinal de contas nós estávamos em condições excelentes. Tinha chuveiro quente, o Guedes, que era o Coronel Guedes que era o diretor da detenção, ele queria os presos políticos. Ele tinha o pavilhão cinco que ficava no centro, não era os pavilhões que davam pra fora, era o oito e o dois que era na frente. O cinco era no meio, não tinha como, só tinha acesso por helicóptero, era pequeno, era onde funcionava a enfermaria, um andar daquele ficou fechado, isolado pra gente, aí ele queria receber os presos políticos. E era uma glória, porque aí pra ele, na carreira dele dentro da hierarquia, ela podia dizer: eu resolvi o problema dos presos políticos de São Paulo. E pra gente era ótimo porque a censura de livros era feita na Casa de Detenção. Então não podia entrar livro de pornografia, não podia entrar, o jornal era censurado, eles arrancavam a página do TURF, era a censura que eles faziam, a gente não podia acompanhar a corrida de cavalos. E livros, a gente formou uma biblioteca, eu acho que não teve uma biblioteca marxista melhor do que a que a gente conseguiu formar lá na Casa de Detenção. (ROIG, 2014:02:00-02:03). Arthur Scavonne, ex-preso político, em entrevista para o Programa Coleta Regular de Testemunhos (abril de 2014), relatou que para ler os livros considerados subversivos, por isso censurado, os presos políticos do Carandiru remontavam os livros. Pegavam a capa de um livro qualquer e o primeiro caderno do mesmo livro, enquanto que o resto dos cadernos era de fato capítulos do livro que se desejava ler. Scavonne descreve outras técnicas aprendidas e desenvolvidas na cadeia. Uma das mais destacadas entre os ex-presos é o artesanato, que a maioria aprendeu a desenvolver no Presídio Tiradentes, e ao serem transferidos para o Carandiru reivindicaram a continuidade da ocupação. No pavilhão 5 na Detenção, a gente primeiro conseguiu se manter junto. Nós estamos em trinta e pouco presos políticos. Nós fizemos em uma das celas, nós reivindicamos e conseguimos, fizemos de uma das celas um espaço de oficina de artesanato. Então o que é que a gente fazia, trabalhava com couro. Então fazia muita bolsa, cintos, e os cintos tinha um papel especial. Vocês não sabem a importância que um cinto tem. (...) Porque a gente fazia o cinto, você pega uma tira de couro, a gente fazia batique, um colchão de espuma, punha no couro cru, e vai passando anilina, a anilina vai assentando sob o couro e vai colorindo o couro. E você passa 8

9 a cera, com cores diferentes e vai colorindo o couro é muito bonito o trabalho. Você faz uma língua grande de couro assim, dobra, (...) e com isso você tem o cinto. Dentro do cinto, saiam nossos abaixo-assinados, saiam denuncias, saía tudo. Então os nossos familiares saíam com cinto, com bolsa, e dentro do cinto, quando chegava lá abria. Porque tinha abaixo-assinado denunciando isso, denunciando aquilo, tinha um monte de coisas. A denúncia dos torturadores, quem é que estava preso, quem não estava preso. E por aí as coisas iam caminhando. O nosso objetivo era denunciar o regime. Denunciar a situação que nós vivíamos (SCAVONNE, 2014:01:09) A oficina de trabalhos artesanais em couro, foi então montada a partir do ano de 1972, na cela 07 do Pavilhão 5, segundo Carlos Alberto Lobão Cunha (1997, 243). O material produzido pelos presos era revendido por seus familiares e o dinheiro arrecadado destinado a familiares de presos políticos que se encontravam em situação de carência. O MASSACRE DO CARANDIRU O Massacre do Carandiru é chamado por alguns de tragédia anunciada, outros o viram como uma forma de conter a violência gerada pelos próprios presos. O fato é que depois do massacre, os órgãos de direitos humanos, empenharam-se ativamente contra as atrocidades cometidas em presídios e a imprensa passou a questionar mais a manipulação de informações por parte do governo. No ano de 1992, as vésperas das eleições municipais na cidade de São Paulo uma briga entre detentos no pátio interno do Carandiru deu inicio a uma rebelião dos presos. No dia do massacre eu e meu companheiro fomos responsáveis pelo campeonato da quadra. (...) quando foi faltando alguns minutinhos, mais ou menos pras três horas, olhei pra quadra pra ver se tava tudo normal, mas não vi nenhum jogador. (...) Foi nessa hora que começou a sair os jogadores do campo, (...) falando que tinha uma treta aqui pra cima (...). Nisso já chegou os funcionários recolhendo o pessoal que estava no campo. (...). No corredor todo mundo ficou em fila e aí eu notei a gravidade da situação. Os funcionários já estavam todos no portão e na hora que eu entrei no pavilhão já tava o maior barulho (...). Não era a primeira vez que eu tava passando por isso, (...) então eu fui pro meu xadrez, eu e meu companheiro, e que seja o que Deus quiser, daqui a pouco vai acalmar a situação (...). Só que não foi isso que aconteceu. Antes do choque entrar, o comandante do choque gritou: Todo mundo dentro do xadrez, 9

10 ninguém na galeria que a gente vai subir. Conclusão, isso era mais ou menos três e vinte, três e meia, daqui a pouco começamos a escutar tiro, bomba, de repente abriu a porta do xadrez e o policial entrou eu notei pelo coturno, porque a gente não pode olhar pra cara, então nós, de cabeça pra baixo olhando pro chão ele começou a perguntar onde a gente tinha posto as armas. (...) Não aqui é o setor do de esporte, nosso negócio é esporte, a gente tamos pagando uma dívida pra Justiça, sem treta com ninguém, pode olhar debaixo da cama, que o senhor vai ver só bola, rede, essas coisas. (...) aí ele ficou olhando pra gente uns quatro, cinco segundos (...) aí desengatilhou a arma. Eles tavam em dois, um dentro da cela com a arma engatilhada e na nossa cara e o outro (...) ficou na porta com a porta meio aberta, meio fechada, e falou: Vamos ver se é isso mesmo. Depois saíram fora, entraram no xadrez vizinho (...). Tinha dois no xadrez e um não tava, os dois que estavam lá eles mataram, quer dizer, foram matando, eu jamais imaginava que a polícia ia fazer uma coisa daquelas. Aí passaram pra esse lado e subiram lá em cima, eu escutava tiro (...). Conclusão, quando foi lá pras quatro e quinze mandaram todo mundo descer pro pátio, pelado. (...) Eu desci e aí, me lembro como se fosse hoje (...) tinha uns três corpos caídos com a metade do corpo pra dentro do xadrez e a metade do corpo pra fora, e no outro xadrez mais pra frente, a mesma coisa. (...) quando chegou na curva (...) tinha aquele bolão de cara de shorts do GATE (Grupo de Ações Táticas Especiais), da ROTA (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) e eu escutei um deles falando assim os caras do GATE e da ROTA tão aí pra cima matando pra caramba, aí não sei se foi o comandante ou quem foi que falou: Não é pra matar ninguém não! Aí começaram a discutir entre eles e tava um bolo de cara em pé sem saber pra onde vai, né? Aí gritaram: É pra todo mundo ficar no chão deitado, não é pra ficar escutando as ideias! Aí caiu todo mundo um em cima do outro. E depois de dois minutos foi todo mundo pro pátio aquele corredor, os guardas com cachorro de um lado, um espacinho mínimo -, passamos tudo correndo e ficou todo mundo sentado no pátio, de fila em fila sentado com a cabeça no meio das pernas. E pra cima aquele barulhão, e deu seis horas, deu sete horas, e a situação pra cima continuava feia e quando foi lá pras nove e meia, mais os menos, silenciou, porque a polícia tava dando o couro em nóis. Aí deu pra gente olhar meio do rabo dos zóio e a gente viu que era corregedor, era todo mundo engravatado, saindo da carceragem e entrando no corredor da enfermaria. Aí que parou. Mas das três e meia até às nove horas, acho que só na guerra pra ver uma coisa daquelas. (MONARCA, 2003:153) 4. 4 Depoimento do preso Monarca sobre o massacre do Carandiru. Entrevista concedida a Sofia Bissiliat em Na época o preso tinha 51 anos e já havia cumprido 27 anos de prisão, ele considera o episódio de 92 a pior coisa que já passou dentro de um presídio. Para maiores informações, sugere-se a leitura na obra Aqui dentro páginas de uma memória: Carandiru de Maureen Bissiliat. 10

11 A rebelião só foi contida com a intervenção da Tropa de Choque da Polícia Militar que invadiu o presídio com metralhadoras, fuzis e pistolas automáticas, disparando contra os presos visando, sobretudo a cabeça e o tórax. Na operação também foram usados cachorros para atacar os detentos feridos. Ao final do confronto foram encontrados 111 detentos mortos: 103 vítimas de disparos (515 tiros ao todo), oito morreram devido a ferimentos promovidos por objetos cortantes e nenhum policial morto 5. Ao todo foram 111 mortos, número divulgado somente no dia seguinte faltando 15 min. para fecharem as urnas. Tal medida foi tomada por medo do número de mortos ser prejudicial ao candidato à prefeito Aloysio Nunes, indicado pelo governador da época Luiz Antônio Fleury Filho. O número inicial seria 4 mortos, após a saída do número oficial, familiares dos detentos ficaram desesperados sem saber se seus parentes estavam vivos ou mortos. Aglomeraramse na porta do presídio, porém, mesmo com o desespero e o empenho a lista com os nomes oficial dos mortos só foi publicada no dia 08 de outubro. 5 Para maiores informações, sugere-se a consulta: < acessado em 11/06/

12 Imagem 01: Informações sobre o julgamento do massacre do Carandiru. Fonte: UOL Notícias baseada em dados do MP de SP e do TJ de SP. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/04/03/julgamentodo-massacre-carandiru-e-vitoria-contra-impunidade-diz-dilma.htm#fotonav=18> acessado em 03/06/

13 Conforme um levantamento feito pela Comissão de Direito Humanos, o perfil mostrou que 80% das vítimas do massacre não havia sido julgada, somente 9 presos tinham recebido pena acima de 20 anos, quase metade dos mortos, 51 detentos tinha menos de 25 anos, 35 deles tinha entre 29 e 30 anos, 92,66% dos presos foram detidos por assalto, 8% por homicídio 6. A Polícia Militar afirmou que os detentos em rebelião possuíam armas. A tese de que houve confronto armado entre policias militares e detentos não é sustentada pelas provas dos autos do processo. O laudo do Instituto de Criminalística concluiu: Em todas as celas examinadas, as trajetórias dos projéteis disparados indicavam atirador(es) posicionado(s) na soleira das celas, apontando sua arma para os fundos ou laterais (...) Não se observou quaisquer vestígios que pudessem denotar disparos de armas de fogo realizados de dentro para fora das celas, indicando confronto entre as vítimas-alvo e os atiradores postados na parte anterior da cela. O relatório de criminalística termina com a afirmação de que não fora possível elaborar conclusões mais profundas porque (...) o local dava nítidas demonstrações de que fora violado, tornando-o inidôneo para a perícia 7. A DESATIVAÇÃO DO PRESÍDIO E A IMPLOSÃO DO PRÉDIO Devido a grande repercussão e pressão internacional, em 1996, criou-se no Brasil, o Programa Nacional de Direitos Humanos 8. Dentre os planos do programa estava o da desativação da Casa de Detenção: Incrementar a desativação da Casa de Detenção de São Paulo (Carandiru), e de outros estabelecimentos penitenciários que contrariem as normas mínimas penitenciárias internacionais. Em 1998, com opiniões divergentes sobre a desativação ou não, iniciou-se o processo com a transferência de detentos para outros presídios. Apenas em setembro de 2002, o processo de transferência de todos os presos foi concluído. 6 Para mais informações, sugere-se a consulta em: <http://www.dhnet.org.br> acesso em 03/01/2011. Massacre do Carandiru: Chega de Impunidade. Disponível em: <http://www.dhnet.org.br/dados/relatorios/a_pdf/r_massacre_carandiru.pdf> acessado em 16/06/2014. Disponível em: <http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/dh/volume%20i/pndhlei1904.htm>, acessado em 16/06/

14 Em sua ultima noite de trabalho, em 14 de setembro de 2002, Carlos Rita, funcionário com mais de 30 anos de trabalho na Casa de Detenção estava de acordo com a necessidade de desativar o Carandiru. Não há mais razão de existir, de forma nenhuma. Você não recupera ninguém aqui, (...) e não ia recuperar se continuasse (BISSILIAT, 2003:240). Como principais motivos, destaca: a falta de estrutura e a impossibilidade de reeducar uma população carcerária tão grande. A superlotação foi uma marca constante na história do Carandiru, com um excedente que muitas vezes chegava a 200% sob sua capacidade de detentos nos pavilhões. De presídio modelo, assim considerado quando de sua inauguração, o Carandiru passou a ser visto como o lugar do massacre e da violação aos direitos humanos, com repercussão internacional. Atrelado ao oneroso gasto público para mantê-lo na ativa com instalações precárias corroboraram para a decisão de implodir os prédios. A implosão do Carandiru ocorreu em 08/12/2002, com o uso de 250 quilos de explosivo 9. Três pavilhões foram implodidos após 46 anos de existência. No local, anos depois foi construído o Parque da Juventude e uma Biblioteca. De unidades prisionais restou apenas a Penitenciária Feminina Sant Ana. 9 Para maiores informações, sugere-se a consulta a matéria do Jornal Folha de São Paulo (Carandiru tem fim com implosão hoje às 11h), disponível em: < acessado em 16/06/

15 O PARQUE DA JUVENTUDE E OS NOVOS USOS DO ESPAÇO O Parque da Juventude foi concluído em 2007 e congrega três principais áreas: esportivo, ecológico e atividades culturais. A primeira área dispõe de quadras de esportes, pistas de cooper, espaços para skates e patins, banheiros, bebedouros e uma área de 16 mil metros quadrados de mata preservada para trilha ecológica. Imagens 02 e 03: Parte das Quadras de esporte e Pista de Skate e Patins. Foto: Ana Paula Brito/ Memorial da Resistência. Imagens 04 e 05: Área para atividades físicas e entrada do Parque. Foto: Ana Paula Brito/ Memorial da Resistência. 15

16 A segunda área reúne parque com jardins, espaços para piqueniques, trilhas, passarelas, playground, além da preservação da antiga muralha do Carandiru com 600 metros de extensão. Imagens 06 e 07: Muralha de pavilhão da Casa de Detenção e Área do Parque. Foto: Ana Paula Brito/ Memorial da Resistência. Na terceira área, pensada para atividades culturais, foram preservados os pavilhões 4 e 7. Nos mesmos, após intervenções em sua estrutura física receberam a Escola Técnica Paula Souza e a Escola Técnica das Artes respectivamente. No espaço onde funcionava o antigo pavilhão 2, foi construída a Biblioteca de São Paulo, modelo da Secretaria da Cultura, e também o Acessa São Paulo (espaço com computadores e internet gratuita), além de uma área coberta para shows que comporta até pessoas 10. Imagens 08 e 09: Escola Técnica e Biblioteca de São Paulo. Foto: Ana Paula Brito/ Memorial da Resistência. 10 Para maiores informações sobre o Parque da Juventude, seus espaços e programações, sugere-se a consulta em: <http://www.juventude.sp.gov.br/divirta-se/espacos/guia-de-politicaspublicas-espacos/parque-da-juventude/82-parque-da-juventude>, acessado em 17/06/

17 O projeto arquitetônico do Parque da Juventude ficou a cargo do escritório de Gian Carlo Gasperini, arquiteto italiano radicado no Brasil. Dentre seus projetos está a construção do Credicard Hall em São Paulo. Já o projeto paisagístico foi elaborado por Rosa Grena Klias, paulista de São Roque. Autora do livro Parques Urbanos em São Paulo, entre seus projetos está à reforma do vale do Anhangabaú em São Paulo. No entorno do Parque ainda existem unidades prisionais remanescentes do Complexo Carandiru, são elas: Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário, a Penitenciária Sant Ana (antiga Penitenciária do Estado) e a Penitenciária Feminina da Capital. Imagem 10: Vista da Penitenciária Feminina (ao fundo) de dentro do Parque. Foto: Ana Paula Brito/ Memorial da Resistência. No ano de 2013, o prédio administrativo das Freiras da Congregação do Bom Pastor, que gerenciava a Penitenciária Feminina, foi transformado pela Secretaria da Administração Penitenciária para receber o Museu Penitenciário Paulista. Para além da representação do sistema penitenciário paulista, o museu dedica uma área expositiva para a trajetória a Casa de Detenção no Complexo Carandiru. 17

18 Imagens 11, 12 e 13: Painel de um dos pavilhões da Casa de Detenção na área interna do Museu Penitenciário; Corredor da exposição sobre à Casa de Detenção e Destroços da Implosão da Casa de Detenção. Foto: Ana Paula Brito/Memorial da Resistência. ATUALMENTE E/OU ACONTECIMENTOS RECENTES Em 13 de novembro de 2001 o Departamento do Patrimônio Histórico da Prefeitura Municipal de São Paulo abriu um processo de tombamento (nº ) da Penitenciária do Estado (que integrava o complexo Carandiru), em reconhecimento a sua importância arquitetônica. O processo foi aprovado e o prédio preservado da implosão dado seu valor histórico/arquitetônico, e atualmente é ocupado por detentas na chamada Penitenciária Feminina Santana. 18

19 Uma série de manifestações foram realizadas na cidade de São Paulo alusivas as responsabilizações criminais do Massacre do Carandiru ao longo dos anos em que o processo foi julgado. Entre elas, cabe destacar: 2006 Manifestação em frente ao Palácio da Justiça, contra a absolvição do coronel Ubiratan Guimarães. Foto: Tuca Vieira. Fonte: Folha Press Familiares de vítimas, Pastoral Carcerária e ativistas dos direitos humanos que apoiavam a condenação dos processados pelo massacre do Carandiru saíram em passeata na Praça da Sé da capital paulista. Foto: Marina D Aquino. Fonte: Correio da Cidadania. Disponível em: <http://www.correiocidadania.com.br/index.p hp?option=com_content&task=view&id=769 6>, acessado em 03/06/ Estudantes de direito da USP e integrantes de organizações de Direitos Humanos colocaram 111 cruzes com nomes dos mortos no massacre do Carandiru em frente ao Largo do São Francisco. Foto: Renato S. Cerqueira. Fonte: Futura Press/Estadão Conteúdo. Disponível em:< acessado em 03/06/2014. De 07/11/2012 a 27/01/2013 foi realizada a exposição Vestígios do Carandiru do fotógrafo Ricardo Hantzschel no Serviço Social do Comércio Sesc da Consolação em São Paulo. Próximo ao lugar onde foi o Carandiru, a exposição 19

20 remontou o cotidiano de mulheres presas na antiga Casa de Detenção no aniversário de 10 anos da demolição do presídio 11. Atualmente, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça CNJ, o Brasil ocupa o terceiro lugar do ranking dos dez países com maior população prisional do mundo, considerando as prisões domiciliares, perdendo apenas para Estados Unidos da América e China 12. ENTREVISTAS RELACIONADAS AO TEMA O Memorial da Resistência possui um programa especialmente dedicado a registrar, por meio de entrevistas, os testemunhos de ex-presos e perseguidos políticos, familiares de mortos e desaparecidos e de outros cidadãos que trabalharam/frequentaram o antigo Deops/SP. O Programa Coleta Regular de Testemunhos tem a finalidade de formar um acervo cujo objetivo principal é ampliar o conhecimento sobre o Deops/SP e outros lugares de memória do estado de São Paulo, divulgando desta forma o tema da resistência e repressão política no período da ditadura civil-militar. - Produzidas pelo Programa Coleta Regular de Testemunhos do Memorial da Resistência ALMADA, Izaías do Vale. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Katia Filipini, Maurice Politi, Rodrigo Pezzonia e Vanessa do Amaral em 08/11/ Para maiores informações sobre a exposição, sugere-se a consulta ao site: <http://www.fotopositivo.com.br/#!untitled/cue8>, acessado em: 11/06/ Para maiores informações, sugere-se a consulta a pesquisa realizada pelo CNJ disponível em: <http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/28746-cnj-divulga-dados-sobre-nova-populacao-carcerariabrasileira>, acessado em 05/06/

21 CASTRO, Cloves de. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves e Marcela Boni em 12/06/2013. CARVALHO, Derly José de. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves e Marcela Boni em 18/10/2013. FILHO, Aton Fon. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves em 30/10/2013. FREIRE, Alípio Raimundo Viana. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Katia Filipini em 02/11/2008. NETTO, Manoel Cyrillo de Oliveira. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves e Marcela Boni em 26/07/2013. OLIVEIRA, Antonio M. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves e Marcela Boni em 23/10/2013. OLIVEIRA, Pedro Lobo de. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves e Marcela Boni em 16/10/2013. PIRES, Áurea Moretti. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves e Marcela Boni em 25/10/2013. ROIG, Vicente Eduardo Gomes. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves e Paula Salles em 15/04/2014. ROQUE, Adílio. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Kátia Filipini, Karina Teixeira e Marcela Boni em 17/04/

22 SCAVONE, Artur. Testemunho Público Coletivo Mesa de testemunho de expresos políticos no Memorial da Resistência de São Paulo, concedida a Ivans Seixas em 26/04/2014. SOUZA, Ismael Antonio de. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves e Paula Salles em 14/02/2014. VANNUCHI, Paulo de Tarso. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Kátia Filipini, Maurice Politi, Rodrigo Pezzonia e Vanessa Amaral em 21/12/2012. AMANO, Takao. Entrevista sobre militância, resistência e repressão durante a ditadura civil-militar. Memorial da Resistência de São Paulo, entrevista concedida a Karina Alves, Ana Paula e Paula Salles em 10/06/2014. FILMES E/OU DOCUMENTÁRIOS Filme: CARANDIRU. Direção de Hector Babenco, Sinopse: Com base no livro Estação Carandiru do médico Dráuzio Varella, o filme relata a história de um médico que realiza um trabalho de prevenção a AIDS no Presídio Carandiru. Durante o trabalho, o médico se confronta com a realidade cotidiana dos presos (violência, superlotação de celas e precariedade das instalações carcerárias), bem como as relações de luta diária pela sobrevivência e solidariedade entre os detentos. Documentário: O prisioneiro da grade de ferro. Direção de Paulo Sacramento, Sinopse: Antes do presídio ser demolido, detentos aprendem a utilizar câmeras de vídeo e documentam o cotidiano do Presídio Carandiru um ano antes da implosão. 22

23 REMISSIVA Presídio Tiradentes; Penitenciária Feminina da Capital; Presídio Presidente Venceslau, Sítio de Ibiúna, Penitenciária do Estado. REFERENCIAS BARCELLOS, Caco. Rota 66: A História da Polícia que Mata. São Paulo: Editora Globo, BETTO, Frei. Batismo de Sangue: guerrilha e morte de Carlos Marighela. 14ª ed. São Paulo: ROCCO, BISSILIAT, Maureen (org.). Aqui dentro páginas de uma memória: Carandiru. São Paulo: Imprensa Oficial, CASARIN, Doug. Carandiru ª ed. São Paulo: Editora SENAC, Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos. Dossiê Ditadura: Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil ( ). 2ª ed. São Paulo: Imprensa Oficial, CUNHA, Carlos Alberto Lobão. Desesperar jamais. Aprendemos muito nesses anos. IN: Tiradentes, um presídio da ditadura. Memórias de presos políticos. São Paulo, SP: Scipione Cultural, ONODERA, Iwi Mina, Estado e Violência. Um estudo sobre o massacre do Carandiru págs. Dissertação (Mestrado em História Social). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo. PAULINO, Leopoldo. Tempo de Resistência. 6ª ed. Ribeirão Preto, SP: Editora COC, PEDROSO, Regina Célia. Violência e Cidadania no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Ática, O Estado Autoritário e a Ideologia Policial. São Paulo: Humanitas, PAULINO, Leopoldo. Tempo de Resistência. 6ª edição. Editora COC: São Paulo,

24 POLITI, Maurice. Resistência atrás das grades. 2ª edição. Editora Garamond: Rio de Janeiro, RAMOS, Andressa M. V. A Liberdade Permitida. Contradições, Limites e Conquistas do Movimento pela Anistia: págs. Dissertação (Mestrado em História Social). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo. SIPAHI, Aytan Miranda. A cidade vista da janela. In: Tiradentes, um presídio da ditadura. Memórias de presos políticos. São Paulo, SP: Scipione Cultural, VARELLA, Drauzio. Carcereiros. São Paulo: Companhia das Letras, VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras, COMO CITAR ESTE DOCUMENTO: Programa Lugares da Memória. Casa de Detenção de São Paulo Carandiru. Memorial da Resistência de São Paulo, São Paulo,

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

MULHERES NO CÁRCERE. Palavras-chaves: Mulheres no cárcere. Detentas. Sistema carcerário feminino brasileiro.

MULHERES NO CÁRCERE. Palavras-chaves: Mulheres no cárcere. Detentas. Sistema carcerário feminino brasileiro. MULHERES NO CÁRCERE Esther Castro e Silva Resumo Se a situação da mulher em liberdade é de frequente discriminação, opressão e descaso por parte do Estado, quando o assunto é prisão feminina, ou mulheres

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

ANO XXIII 27/07/2015. Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING. Nesta edição: Clipping Geral Infância e Juventude Meio Ambiente Procon-MG

ANO XXIII 27/07/2015. Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING. Nesta edição: Clipping Geral Infância e Juventude Meio Ambiente Procon-MG ANO XXIII 153 27/07/2015 Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING Nesta edição: Clipping Geral Infância e Juventude Meio Ambiente Procon-MG o tempo - mg - p. 03 e 04-27.07.2015 2 cont... o tempo

Leia mais

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Casarões da Luciana de Abreu estão há 11 anos em disputa na Justiça Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

09/09/2004. Discurso do Presidente da República

09/09/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de recepção da delegação brasileira que participou das Olimpíadas de Atenas Palácio do Planalto, 09 de setembro de 2004 Meu caro Grael, Meu querido René Simões,

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007 Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração dos condomínios do Programa de Arrendamento Residencial em Santa Cruz Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

SR. MARREY LUIZ PERES JR. (transcrição da palestra):

SR. MARREY LUIZ PERES JR. (transcrição da palestra): SR. MARREY LUIZ PERES JR. (transcrição da palestra): Boa-tarde. Em primeiro lugar, eu gostaria de agradecer o convite que nos foi feito pelo Marcos Alves de Sousa, do Ministério da Cultura, para poder

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO USC

UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO USC UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO USC KARINA VIEIRA SOUZA ALVES SANT ANA REPORTAGEM: A VIDA NAS RUAS DE BOTUCATU BAURU 2012 A vida nas ruas de Botucatu A Praça da Igreja Sagrado Coração de Jesus, na Rua Major

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 6 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 6 I Ir Preposição para + artigo Preposição a + artigo Eu vou Para + o = para o

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, por ocasião da visita à Comunidade Linha Caravaggio Chapecó-SC, 23 de junho de 2006 Presidente: É um programa, talvez

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

36. DÚVIDAS NA ESCOLHA DE UMA NOVA RESIDÊNCIA. DECIDIR É DIFÍCIL. UMA LUTA DA CONVENIÊNCIA COM O CORAÇÃO

36. DÚVIDAS NA ESCOLHA DE UMA NOVA RESIDÊNCIA. DECIDIR É DIFÍCIL. UMA LUTA DA CONVENIÊNCIA COM O CORAÇÃO 36. DÚVIDAS NA ESCOLHA DE UMA NOVA RESIDÊNCIA. DECIDIR É DIFÍCIL. UMA LUTA DA CONVENIÊNCIA COM O CORAÇÃO AQUI TEM UM FATO INUSITADO. QUE PASSA DESPERCEBIDO PELA MAIORIA DAS PESSOAS, NÃO TREINADAS NA ARTE

Leia mais

São Paulo (SP) - Proprietário é contra tombamento e quer demolir casa de Ruy Ohtake

São Paulo (SP) - Proprietário é contra tombamento e quer demolir casa de Ruy Ohtake São Paulo (SP) - Proprietário é contra tombamento e quer demolir casa de Ruy Ohtake É uma pérola moderna! Bota ela no chão! Casa brutalista projetada por Ruy Ohtake, em Moema. Fotos: Ines Bonduki/Folhapress

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Lucimar Luisa Ferreira / Marinez Santina Nazzari Revisão Final: Elias Januário Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Revista OBSERVATORIUM (R.O): Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica até sua chegada à Universidade Federal de Uberlândia.

Revista OBSERVATORIUM (R.O): Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica até sua chegada à Universidade Federal de Uberlândia. Experiências de uma vida dedicada à Geografia e ao meio ambiente - Marlene Teresinha de Muno Colesanti Instituto de Geografia da Revista OBSERVATORIUM (R.O): Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica

Leia mais

A CURA DE UM MENINO Lição 31

A CURA DE UM MENINO Lição 31 A CURA DE UM MENINO Lição 31 1 1. Objetivos: Mostrar o poder da fé. Mostrar que Deus tem todo o poder. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.14-21; Marcos 9.14-29; Lucas 9.37-43 (Leitura bíblica para o professor)

Leia mais

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República

30/07/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com a presidente do Chile, Michelle Bachelet, após encerramento do seminário empresarial Brasil-Chile

Leia mais

Procon Uberlândia - MG

Procon Uberlândia - MG Procon Procon Uberlândia - MG Av. João Pinheiro, 1.417 - Bairro Aparecida Uberlândia - MG - CEP: 38400-712 Telefone: (34) 3291-1600 procon@uberlandia.mg.gov.br Produção: Mais Ativos Educação Financeira

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 109 Discurso na cerimónia de comemoração

Leia mais

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que As Três Amigas Em 1970, em uma cidade pequena e calma, havia três amigas muito felizes, jovens e bonitas. O povo da cidade as conhecia como um trio de meninas que não se desgrudavam, na escola só tiravam

Leia mais

Historiador e economista, deputado estadual pelo PSOL, Marcelo Freixo é reconhecido pela sua

Historiador e economista, deputado estadual pelo PSOL, Marcelo Freixo é reconhecido pela sua Marcelo Freixo O BRASIL PRECISA SUPERAR A DINÂMICA QUE EXISTE ENTRE JUSTIÇA E VINGANÇA Historiador e economista, deputado estadual pelo PSOL, Marcelo Freixo é reconhecido pela sua luta em defesa dos direitos

Leia mais

ALUNO DO IE IE em greve desde segunda. Paralisação do instituto bem produtiva, pois proporcionou a participação de vários alunos e foi bem proveitosa.

ALUNO DO IE IE em greve desde segunda. Paralisação do instituto bem produtiva, pois proporcionou a participação de vários alunos e foi bem proveitosa. ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DOS ALUNOS DA COMPUTAÇÃO MESA DA ASSEMBLEIA Expõem a proposta da assembleia e explica o funcionamento da mesma. (INFORMES) ALUNO DO IE IE em greve desde segunda. Paralisação do

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Saúde Bucal Sobral-CE, 17 de março de 2004 Meu caro governador do estado do Ceará, Lúcio Alcântara, Meu caro companheiro

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

18/11/2005. Discurso do Presidente da República

18/11/2005. Discurso do Presidente da República Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega de certificado para os primeiros participantes do programa Escolas-Irmãs Palácio do Planalto, 18 de novembro de 2005

Leia mais

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA:

MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: MEMÓRIAS GEOGRÁFICAS À TONA: Uma retomada da história do Curso de Geografia da UFU a partir de uma entrevista com a Profa. Dra. Suely Regina Del Grossi Revista OBSERVATORIUM: Qual (ais) a (s) razão (ões)

Leia mais

Ensino Religioso e Neutralidade Religiosa: conciliação sem favoritismo

Ensino Religioso e Neutralidade Religiosa: conciliação sem favoritismo Ensino Religioso e Neutralidade Religiosa: conciliação sem favoritismo Paulo Ricardo Rocha Caproni (2014) Contém nota pedagógica A identidade religiosa do povo brasileiro é multifacetada, fruto de influências

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente.

LAUDO TÉCNICO. Respostas entre asteriscos indicam que o assunto perturba o depoente. Porto Alegre, 21 de julho de 2010. LAUDO TÉCNICO No dia de hoje através de um áudio extraído da entrevista de Fernanda Gomes de Castro para o programa Mais Você de 21/07/2010, foi realizada uma analise

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega.

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Prezado Editor, Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Gostaria de compartilhar com os demais leitores desta revista, minha experiência como mãe, vivenciando

Leia mais

FICHA SOCIAL Nº 136 INFORMANTE

FICHA SOCIAL Nº 136 INFORMANTE FICHA SOCIAL Nº 136 INFORMANTE : P.C. SEXO: Masculino IDADE: 15 anos Faixa I ESCOLARIZAÇÃO: 5 a 8 anos (6ª série) LOCALIDADE: Alto da Penha (Zona Urbana) DOCUMENTADORA: Maria do Socorro Inácio TRANSCRITORA:

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS Minhas áreas de atuação são, pela ordem de número de eventos: Gestão de Projetos; Gestão de Ativos; Gestão de Segurança Industrial e Gestão Estratégica de empresas. Considero-me,

Leia mais

14 segredos que você jamais deve contar a ele

14 segredos que você jamais deve contar a ele Link da matéria : http://www.dicasdemulher.com.br/segredos-que-voce-jamais-deve-contar-aele/ DICAS DE MULHER DICAS DE COMPORTAMENTO 14 segredos que você jamais deve contar a ele Algumas lembranças e comentários

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

CLIPPING. Destaques: Nesta edição: Superintendência de Comunicação Integrada. Contribuinte banca R$ 10,6 mil por ano com transporte oficial - p.

CLIPPING. Destaques: Nesta edição: Superintendência de Comunicação Integrada. Contribuinte banca R$ 10,6 mil por ano com transporte oficial - p. XXI 204 16/09/2013 Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING Nesta edição: Clipping Geral Procon-MG Destaques: Contribuinte banca R$ 10,6 mil por ano com transporte oficial - p. 01 Incra consegue,

Leia mais

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR)

Pedro Carrano e Thiago Hoshino Brasil de Fato (Curitiba (PR) Nosso déficit não é de casas, é de cidade Raquel Rolnik defende que atualmente não há políticas para moradia, apenas políticas focadas no setor imobiliário e financeiro 22/10/2012 Pedro Carrano e Thiago

Leia mais

Material complementar para Fogueira Santa

Material complementar para Fogueira Santa Material complementar para Fogueira Santa 4 a 10 anos referência bíblica Gênesis 12.1-4; 15.1-5 alvo da lição Ensinar às crianças que quem vive na fé de Abraão é uma das estrelas que ele viu ao sair da

Leia mais

RICHTER 8.2 A FÚRIA DA NATUREZA

RICHTER 8.2 A FÚRIA DA NATUREZA JOSÉ ARAÚJO RICHTER 8.2 1 RICHTER 8.2 2 JOSÉ ARAÚJO RICHTER 8.2 FURIA DA NATUREZA 3 RICHTER 8.2 Copyright 2008 José Araújo Título: Richter 8.2 Fúria da Natureza Edição: José Araújo Revisão: José Araújo

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Itália - Família italiana descobre tesouro arqueológico durante reforma de banheiro

Itália - Família italiana descobre tesouro arqueológico durante reforma de banheiro Itália - Família italiana descobre tesouro arqueológico durante reforma de banheiro Em Lecce, aqui no sul da Itália, em qualquer lugar que você escava, pode encontrar um pedaço de história. Faggiano encontrou

Leia mais

Vamos falar de amor? Amornizando!

Vamos falar de amor? Amornizando! Vamos falar de amor? Amornizando! Personagens 1) Neide Tymus (Regente); 2) Sérgio Tymus (Marido Neide); 3) Nelida (Filha da Neide); 4) Primeiro Coralista; 5) Segundo Coralista; 6) Terceiro Coralista; 7)

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só

Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só esperando a sua boa vontade. Felipe tentou voltar a dormir,

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

Carcará composição: João do Vale/José Cândido

Carcará composição: João do Vale/José Cândido 104 A FLOR E O CARCARÁ Carcará Lá no sertão É um bicho que avoa que nem avião É um pássaro malvado Tem o bico volteado que nem gavião... trecho da canção Carcará composição: João do Vale/José Cândido Ana?

Leia mais

Ficha Técnica. Mais uma edição de nosso jornal,

Ficha Técnica. Mais uma edição de nosso jornal, Nº5 E. M. Professor Lund Fernandes Villela Mais uma edição de nosso jornal, mais notícias, imagens e fatos acontecendo na escola Lund. Essa edição conta com novos alunos do 5º ano que estão animados com

Leia mais

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV 1ª Edição (v1.4) 1 Um projeto de segurança bem feito Até pouco tempo atrás o mercado de CFTV era dividido entre fabricantes de alto custo

Leia mais

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto

Categorias Subcategorias Unidades de registo. Situação. Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Experiência de assalto Categorias Subcategorias Unidades de registo Experiência de assalto Situação Sai da escola e ia para casa da minha mãe (F1) Estava a ir para a escola (F2) Estava a sair da escola e quando cheguei à porta

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

CURSO BÁSICO DE CRIAÇÃO DE SITES MÓDULO 2 AULA 3

CURSO BÁSICO DE CRIAÇÃO DE SITES MÓDULO 2 AULA 3 ADICIONANDO UM PRODUTO CURSO BÁSICO DE CRIAÇÃO DE SITES Para que sua loja funcione você tem de ter algum produto para vender, ou algum serviço para prestar. Como sua loja está na Internet as pessoas não

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais