A Guerra Eletrônica no Mundo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Guerra Eletrônica no Mundo"

Transcrição

1 O ENSINO DE GUERRA ELETRÔNICA NO CIGE Perspectivas para o futuro Pedro Eduardo de Sousa Dias, Cap Com Ch Sec Psq do CIS Flávio Oliveira da Silva Netto, Cap Com Instr CIGE A Guerra Eletrônica no Mundo Nos conflitos das últimas duas décadas, a Guerra Eletrônica tem sido um fator decisivo para a vitória. O grande investimento em pesquisa e desenvolvimento tecnológico deu às O Cap. Com. Pedro Eduardo de Sousa Dias, concluiu o Curso de Comunicações da AMAN em 1996 e exerce atualmente a função de chefe da Seção de Pesquisa do CIS CIGE. Possui os Cursos Básico de GE, Extensão de GE de Comunicações, todos no CIGE; além do Curso de Especialização em Análise de Ambiente Eletromagnético CEAAE, no ITA. O Cap. Com. Flávio Oliveira da Silva Netto, concluiu o Curso de Comunicações da AMAN em 1999 e exerce atualmente a função de instrutor do Mód GE NCom da Div Ens CIGE. Possui o Curso Básico de GE do CIGE; além do Curso de Especialização em Análise de Ambiente Eletromagnético CEAAE, no ITA. grandes potências mundiais a assimetria tecnológica. Esta é definida como uma vantagem muito grande devido ao domínio tecnológico em áreas como a GE, que podem desequilibrar o combate antes do seu início. Um modo de buscar novamente o equilíbrio no combate é através da assimetria conceitual, que consiste em formar recursos humanos com bom conhecimento técnico capazes de modificar a doutrina de emprego das Forças Armadas para tentar explorar os pontos vulneráveis da tecnologia utilizada pelo inimigo. Os países como o Brasil, em desenvolvimento, devem buscar a assimetria conceitual enquanto não conseguem atingir um nível elevado de desenvolvimento tecnológico. Conseguir obter essas duas assimetrias é muito importante no combate moderno, podendo poupar muitas vidas com a utilização armamentos com maior alcance, mais precisos e imunes a despistamentos. A Guerra Eletrônica no Exército Brasileiro No Exército Brasileiro (EB), o termo Guerra Eletrônica já é muito conhecido e facilmente associado aos sistemas de comunicações (Com). Quando alguém fala que a Companhia de Guerra Eletrônica participará de uma manobra, todos já sabem que devem utilizar Medidas de Proteção Eletrônica (MPE) para os seus sistemas de comunicações, pois a Cia GE poderá fazer uso das Medidas de Apoio à Guerra Eletrônica (MAGE) e das Medidas de Ataque Eletrônico (MAE). No entanto, a GE não se restringe aos sistemas de comunicações. Existem, ainda, os sistemas radares e os optrônicos, conhecidos como sistemas de não comunicações (NCom), que são pouco utilizados pelo EB, mas muito utilizados por outros exércitos do mundo. Dentre os sistema de NCom pouco utilizados pelo EB, mas muito necessários no combate moderno, podemos citar os seguintes: 1) Radares de Vigilância Terrestre (RVT) Esse tipo particular de radar que tem por função detectar alvos terrestres, viaturas e tropas. Os RVTs disponíveis atualmente operam na banda I (8 a 10 GHz) e J (10 a 20 GHz) e são, na sua maioria, portáteis. São empregados principalmente por tropas de Infantaria e Cavalaria. Podendo ser transportado por dois combatentes e montado em cerca de três minutos, podendo detectar um homem a cerca de 12 km, pequenas viaturas até 24 km e grandes viaturas até 36 km. O Brasil ainda não possui este tipo de radar.

2 2) Sistemas de NCom para Blindados Uma viatura blindada pode ser dotada de uma gama de recursos de GE NCom, podendo-se citar equipamentos de visão noturna, telêmetros LASER, visão termal, receptores de alerta radar (RWR), receptores de alerta LASER (LWR), bloqueadores de radar, iluminadores para munições guiadas por LASER, etc. Empregados principalmente por tropas de Cavalaria, podendo ter empregos específicos como plataformas de MAGE e MAE. Deve-se considerar que nossos blindados não possuem recursos de alerta contra mísseis e bloqueadores de radar, e que os poucos recursos existentes não são empregados de forma adequada por falta de conhecimento técnico de quem os opera. 3) Sistemas de NCom para Helicópteros As aeronaves de asas rotativas, assim como os blindados, são plataformas que embarcam diversos sistemas de GE NCom, a destacar: os sensores de alto proteção RWR e LWR, lançadores de Chaff e Flare, transponder (IFF), equipamentos de visão noturna, radares de navegação, radares meteorológicos, altímetros, telêmetros LASER, mísseis, etc. Empregados pela Aviação do Exército em proveito de todos os tipos de missão da Força, nossos helicópteros estão vulneráveis a ataques de mísseis e armamentos antiaéreos pelo simples motivo de não saber que estão sendo observados. 4) Óculos de Visão Noturna (OVN ou NVG) Empregados por tropas especializadas como os Comandos e Forças Especiais ou pelos pilotos de helicópteros, os óculos de visão noturna são um instrumento importantíssimo no combate noturno, fornecendo uma grande vantagem a quem dele se utiliza. Normalmente há a possibilidade de se usar a iluminação infravermelha atrelada aos óculos, o que pode se tornar uma ameaça ao próprio usuário se não for bem dimensionado. 5) Mísseis anti-radiação Os mísseis anti-radiação são dispositivos enquadrados como Medidas de Ataque Eletrônico (MAE) destrutivas, sendo guiados pela energia eletromagnética emitida pelo próprio alvo, que pode ser um posto rádio ou um sistema de radar. Esta tecnologia deve ser de conhecimento de todos que se utilizam de forma direta ou indireta equipamento que emitam radiação eletromagnética com o objetivo de saber como proteger seus sistemas desta ameaça. O Brasil já dispõe desta tecnologia, a empresa Mectron, situada em São José dos Campos SP está desenvolvendo um produto nacional. 6) Mísseis anti-carro e mísseis solo-ar Outra tecnologia que deve ser dominada pelos elementos de manobra é a dos mísseis anti-carro e dos mísseis solo-ar, como exemplo temos os mísseis MSS 1.2 AC e o IGLA. Estes equipamentos são de dotação de unidades de infantaria e de Artilharia Antiaérea, respectivamente. São a mais simples e eficiente arma contra Blindados e Helicópteros, os quais ficam totalmente vulneráveis a estes artefatos caso não possuam nenhum sistema de alerta. 7) Radares de Artilharia Antiaérea Os radares para defesa aérea de baixa altitude são equipamentos indispensáveis para as atividades da Artilharia Antiaérea. Estes radares são de três tipos: Vigilância, Busca e Acompanhamento (Diretor de Tiro). Eles

3 devem ser dotados das melhores tecnologias de MPE disponíveis e ter seus operadores muito bem treinados para evitar as MAE inimigas, sejam elas destrutivas (mísseis anti-radiação) ou não destrutivas (bloqueio ou despistamento) O funcionamento e o emprego de todos estes sistemas de NCom citados não devem continuar sendo de conhecimento de uma parcela pequena de militares ligados diretamente à GE. O Ensino de GE no EB atualmente Hoje, o ensino de Guerra Eletrônica no Exército Brasileiro é voltado principalmente para o campo das comunicações. É mais que natural essa tendência, uma vez que as atividades do EB utilizam muito mais equipamentos que atuam neste campo. O CIGE, por intermédio da Divisão de Ensino, ministra cursos de GE para oficiais e praças oriundos da Arma de Comunicações do EB e de outras Forças singulares, habilitando-os a desempenhar funções no Sistema Tático de Guerra Eletrônica (SITAGE) e no Sistema Estratégico de Guerra Eletrônica (SEGE). Em 2004, foi realizado o 1 o Curso de Segurança do Sinal, curso voltado a oficiais das demais armas, quadros e serviços, habilitando-os a aplicar de forma mais eficiente as MPE Com. Os cursos para oficiais ministrados no Centro Integrado de Guerra Eletrônica (CIGE) devem passar a cursos de Pós Graduação Lato Sensu a partir do próximo ano. Esta mudança tem como finalidade dar aos alunos formados um embasamento técnico melhor para que, em um futuro não muito distante, possamos obter a tal assimetria conceitual. Os cursos ministrados no CIGE são os seguintes: CURSO Básico GE Cat B Básico GE Cat C Intermediário GE Cat B Intermediário GE Cat C Planejamento GE Ap Op Manutenção de GE Segurança do Sinal PÚBLICO ALVO Oficias de Com e QEM Subtenentes e Sargentos de Com Oficias de Com Subtenentes e Sargentos de Com Oficias de Com Subtenentes e Sargentos de Mnt Com Oficiais combatentes exceto Com É fácil perceber a aplicabilidade destes cursos de GE, para aqueles que servem no CIGE, os conhecimentos de MEA, CME e MPE têm aplicação direta nas atividades do Centro, particularmente no campo das Comunicações. Os militares que realizam o Curso de Segurança do Sinal, também encontram aplicação direta para seu curso, na confecção de documentos de comunicações que garantam maior segurança na exploração. Traçando um panorama do que é GE e onde ela está presente podemos ver que a GE encontra-se em todas as Armas, Quadros e Serviços. No simples ato de utilizar um equipamento rádio podemos destacar a presença das MPE nos procedimentos utilizados pelo Rádio Operador, este é, talvez, o exemplo mais simples de se ver como a GE está presente em qualquer especialidade. Restam, então, alguns questionamentos: E os conhecimentos de NCom transmitidos nos cursos são importantes para os militares das demais armas, quadros e serviços? Qual sua aplicabilidade? Para responder estas perguntas basta observar os diversos tipos de sistema de NCom citados anteriormente que devem ser utilizados nas atividade da Força Terrestre e não são. Mudanças necessárias para o Ensino de GE no EB O Ensino de Guerra Eletrônica não deve ficar mais tão focado na formação dos militares que servirão nas unidades de GE. Devemos abrir uma nova linha de ensino com o objetivo de atender às necessidades dos militares que trabalham em unidades blindadas, de aviação e de Artilharia Antiaérea. Para que eles possam proteger melhor os seus equipamentos e plataformas para cumprir suas missões. É fundamental que o planejador ou o usuário desses equipamentos e plataformas compreendam seu funcionamento e dominem a sua operação para uma aplicação eficaz. Assim como o comunicante utiliza um equipamento rádio com propriedade, os militares de outras armas devem operar os meios eletrônicos de um blindado, de um helicóptero ou de um radar de da mesma maneira. A GE e o Exército Brasileiro precisam de profissionais mais habilitados ao desempenho de suas funções.

4 Para que consigamos ter a assimetria conceitual e operadores com melhor preparo, faz-se necessário a existência de novos instrutores com boa experiência sobre o emprego tático das unidades blindadas, de aviação e de Artilharia Antiaérea. Eles deverão interagir com os instrutores de GE e os alunos para buscar, quando necessário, modificar a forma de emprego destas unidades para se contrapor as ameaças tecnológicas da GE inimiga. Esses pontos só serão atingidos através da criação de cursos e/ou estágios para este novo público alvo. Proposta de novos cursos de GE Com base no que foi apresentado anteriormente foi formulada a proposta de criação de novos estágios e/ou cursos de GE voltados para atender as necessidades específicas dos militares que servem em unidades blindadas, de aviação e de Artilharia Antiaérea. Em linhas gerais eles seriam estruturados de forma que os instrutores que hoje estão na Divisão de Ensino do CIGE ministrariam as seguintes Unidades Didáticas: Fundamentos Técnicos (Sec Ens A), Conceitos Básicos de Sistemas de GE (Sec Ens B) com ênfase no campo das Não- Comunicações, e Organização e Emprego da GE (Sec Ens C). A última seria modificada com o acréscimo de três matérias novas, que seriam: Organização e Emprego da GE nas Unidades Blindadas, Organização e Emprego da GE na Artilharia Antiaérea, a Organização e Emprego da GE na Aviação do Exército. Estas novas matérias seriam ministradas por instrutores da arma de Infantaria ou de Cavalaria com experiência em unidades blindadas, de Artilharia com curso de e por pilotos com curso de piloto de combate, respectivamente. Inicialmente, seria criado um estágio, visando a especialização de militares no preparo e emprego de equipamentos como os RVT, NVG, RWR, IRWR, Chaff, Flare, etc. Após a conclusão do estágio, alguns deles seriam nomeados instrutores das novas matérias do(s) curso(s) em questão. Como estes militares formados e transferidos para o CIGE/Div Ens seriam iniciados os trabalhos de definição de assuntos e objetivos para estas novas disciplinas com a finalidade de definir o Plano de Disciplinas (PlaDis) deste(s) curso(s). Poderão ser criados até três novos cursos para oficiais e três novos cursos para praças. Eles poderão ser condensados em até dois cursos conforme a necessidade, sendo um para oficiais e outro para praças. O quadro abaixo resume a proposta destes cursos: Curso Fatores GE para as U Bld Cat GE para a Cat GE para a aviação Cat GE para as U Bld GE para a GE para a aviação Público alvo Instrutores novos Of de Inf ou Cav que servem em Unidades Bld curso de e que servem em U de Pilotos e gerentes de aviônica Inf ou Cav que servem em U Bld Art com curso de e que servem em U de mecânicos de aviônica Of de Inf ou Cav com EsAO e para as U Bld Cat EsAO, curso de e para a Cat Piloto com EsAO e para a aviação Cat Of de Inf ou Cav com EsAO e para as U Bld Cat EsAO, curso de e para a Cat Piloto com EsAO e para a aviação Cat - Instrução Geral de Guerra Eletrônica - Sistemas de Guerra Eletrônica - Organização e Emprego da Guerra Eletrônica A disciplina é responsável por fornecer os conhecimentos técnicos necessários ao entendimento dos Sistemas de GE apresentados pela disciplina e as disciplinas de específicas para cada curso têm a finalidade de apresentar e discutir o emprego operacional dos equipamentos e sistemas apresentados. Conclusão Disciplinas comuns Disciplinas peculiares nas U Bld na na Av Ex nas U Bld na na Av Ex A guerra moderna já não admite mais que o combatente seja apenas fisicamente preparado para grandes esforços e restrições físicas. Hoje, o militar tem de ser tecnicamente capaz de lidar com a alta tecnologia, tirando proveito dela para auferir vantagens no combate. A Guerra Eletrônica, como um elemento multiplicador do poder de combate de uma força, tem um papel muito importante em qualquer conflito e, visando sanar algumas lacunas que existem hoje no ensino de GE, é que foram propostos estes cursos. Eles têm o objetivo de abrir os horizontes da Guerra Eletrônica para campos de atuação que lhe são afetos mas que não estão recebendo a devida atenção.

5 Abrir as portas do CIGE e apresentar a GE para as outras armas representa a quebra de um grande paradigma. E como diz a célebre frase de Alexandre, O Grande Dividir para Conquistar. É dessa forma que a Guerra Eletrônica ocupará seu lugar merecido no âmbito do Exército Brasileiro e do Brasil.

Viatura Blindada Especial Lançadora de Pontes Leopard 1 BR

Viatura Blindada Especial Lançadora de Pontes Leopard 1 BR Viatura Blindada Especial Lançadora de Pontes Leopard 1 BR VBE L Pnt lançando a ponte Fonte: o autor Por Ígor Berta O Exército Brasileiro adquiriu como Carro de Combate as viaturas da família Leopard.

Leia mais

estava a 110 Km da costa

estava a 110 Km da costa Esquadrão Falcão resgata tripulante de navio que estava a 110 Km da costa Militares do Esquadrão Falcão (1º/8º GAV), operando um helicóptero H-36 Caracal (H225M), realizaram, na segunda-feira (28/12),

Leia mais

Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40)

Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40) Entrevista com o Comandante do NDM 'Bahia' (G 40) Luiz Padilha, editor do Defesa Aérea & Naval com o CMG Luis Felipe Monteiro Serrão O Capitão-de-Mar-e- Guerra Luis Felipe Monteiro Serrão, é o comandante

Leia mais

Realização Apoio Patrocínio 3 G A AAé Caxias do Sul Criação da Unidade de Artilharia Antiaérea, em 1950. Inicialmente estes alvos eram fornecidos pela FAB. Os B25 rebocavam um alvo chamado Biruta. 1972:

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Forças Armadas se preparam para combater ataques biológicos, químicos e nucleares durante os Jogos Olímpicos Rio 2016

Forças Armadas se preparam para combater ataques biológicos, químicos e nucleares durante os Jogos Olímpicos Rio 2016 Forças Armadas se preparam para combater ataques biológicos, químicos e nucleares durante os Jogos Olímpicos Rio 2016 Por Patrícia Comunello Como os melhores atletas do país, as Forças Armadas do Brasil

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

CURSOS PARA OFICIAIS CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE)

CURSOS PARA OFICIAIS CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) CURSOS PARA OFICIAIS CURSO DE PSICOPEDAGOGIA ESCOLAR (CPE) O Curso de Psicopedagogia Escolar (CPE) tem por finalidade habilitar oficiais aperfeiçoados para ocupar cargos e desempenhar funções de Chefe

Leia mais

ERA INDUSTRIAL ERA DO CONHECIMENTO

ERA INDUSTRIAL ERA DO CONHECIMENTO ERA INDUSTRIAL TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO Talvez a guerra não vos interesse, mas a -se se por vós. ERA DO CONHECIMENTO - ADAPTAÇÃO e MODERNIZAÇÃO seriam lentas e insuficientes. - Demandava-se um processo

Leia mais

*A PALAVRA OFICIAL DO EXÉRCITO* INFORMEX NR 005, DE 16 DE MARÇO DE 2016.

*A PALAVRA OFICIAL DO EXÉRCITO* INFORMEX NR 005, DE 16 DE MARÇO DE 2016. *A PALAVRA OFICIAL DO EXÉRCITO* INFORMEX NR 005, DE 6 DE MARÇO DE 206. DISTRIBUIÇÃO: DIFUSÃO: ASSUNTO: TODOS OS COMANDOS, TODAS AS CHEFIAS E DIREÇÕES DE ORGANIZAÇÕES MILITARES A CRITÉRIO DOS DESTINATÁRIOS

Leia mais

CFOR INFANTARIA COMBATE E SERVIÇO EM CAMPANHA II INSTRUÇÕES PECULIARES CARGA HORÁRIA: 75 HORAS PLANO DE DISCIPLINA

CFOR INFANTARIA COMBATE E SERVIÇO EM CAMPANHA II INSTRUÇÕES PECULIARES CARGA HORÁRIA: 75 HORAS PLANO DE DISCIPLINA CPOR / NPOR CFOR INFANTARIA ELABORADO EM 013 COMBATE E SERVIÇO EM CAMPANHA II INSTRUÇÕES PECULIARES CARGA HORÁRIA: 75 HORAS PLANO DE DISCIPLINA Aprovado pelo BI/DESMil nº 081, de 4 de outubro de 013. 1.

Leia mais

Tributo aos Combatentes Africanos

Tributo aos Combatentes Africanos Tributo aos Combatentes Africanos Foto Google Zona Leste Sector L 3 ( a zona a sul do Rio Corubal foi abandonada em 6 de Fevereiro de 1969, durante a Operação Mabecos Bravios) Após terminado o 2º ciclo

Leia mais

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil.

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil. Centro de Treinamento de Combate Sul Santa Maria / RS Brasil. OBJETIVO Apresentar aos participantes do de Demandas Logísticas da Guarnição de Santa Maria/RS o projeto do Centro de Treinamento de Combate

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

Guerra Eletrônica: Quo Vadis? Banco de Dados Corporativos Base para GE Análise Operacional Missile Approach Warning Systems.

Guerra Eletrônica: Quo Vadis? Banco de Dados Corporativos Base para GE Análise Operacional Missile Approach Warning Systems. Revista do Comando-Geral do Ar Nº 01 - Janeiro 2000 Guerra Eletrônica: Quo Vadis? Banco de Dados Corporativos Base para GE Análise Operacional Missile Approach Warning Systems MAWS Uma Nova Tendência em

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

ASSUNTO A EDUCAÇÃO ORIENTADA POR COMPETÊNCIAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO

ASSUNTO A EDUCAÇÃO ORIENTADA POR COMPETÊNCIAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO ASSUNTO A EDUCAÇÃO ORIENTADA POR COMPETÊNCIAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO OBJETIVO CONHECER A IMPLANTAÇÃO DA EDUCAÇÃO POR COMPETÊNCIAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1.INTRODUÇÃO 2.GENERALIDADES 3.EDUCAÇÃO POR COMPETÊNCIAS

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

Novos pilotos de helicóptero iniciam instrução de voo em Natal

Novos pilotos de helicóptero iniciam instrução de voo em Natal Novos pilotos de helicóptero iniciam instrução de voo em Natal O Esquadrão Gavião (1º/11º GAV) iniciou nesta segunda-feira (31/03) na Base Aérea de Natal (BANT) a instrução aérea para os 20 estagiários

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário

ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário 1. PARECER TÉCNICO CETEF Nº 04/2011, de 20/07/2011. 2. EMENTA: Obrigatoriedade de registro das empresas de Treinamento nos Conselhos Regionais de Administração. 3. RELATOR:

Leia mais

A Finep mais abrangente

A Finep mais abrangente _O MOVIMENTO Saiba mais sobre as novas propostas de atuação da Finep, na ENTREVISTA com Glauco Arbix entre outros objetivos, ele quer que a agência seja reconhecida como instituição financeira pelo Banco

Leia mais

estratégicos e de segurança na África Subsariana e no Atlântico Sul As respostas adequadas e o papel das Tropas Comandos

estratégicos e de segurança na África Subsariana e no Atlântico Sul As respostas adequadas e o papel das Tropas Comandos INTERVENÇÃO DE SEXA O GENERAL CEMGFA Por ocasião do 40º Aniversário da Associação de Comandos durante o encerramento do Seminário subordinado ao tema: Os novos desafios estratégicos e de segurança na África

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres 2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres O objetivo deste trabalho é estudar a localização dos grupamentos logísticos no Exército de Campanha. No entanto, para ocorrer o entendimento da modelagem

Leia mais

Em voo com 10 helicópteros, Esquadrão Poti forma novos líderes de esquadrão

Em voo com 10 helicópteros, Esquadrão Poti forma novos líderes de esquadrão Em voo com 10 helicópteros, Esquadrão Poti forma novos líderes de esquadrão Com a formação, os pilotos estão aptos a comandar um voo conjunto entre 8 e 16 helicópteros O Esquadrão Poti (2º/8º GAV), sediado

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

CFOR MATERIAL BÉLICO PLANO DE DISCIPLINAS. Aprovado pelo BI/DESMil nº 081, de 24 de outubro de 2013.

CFOR MATERIAL BÉLICO PLANO DE DISCIPLINAS. Aprovado pelo BI/DESMil nº 081, de 24 de outubro de 2013. CPOR / NPOR CFOR MATERIAL BÉLICO ELABORADO EM 013 ORGANIZAÇÃO E EMPREGO DO MATERIAL BÉLICO INSTRUÇÕES PECULIARES CARGA HORÁRIA: 7 HORAS PLANO DE DISCIPLINAS Aprovado pelo BI/DESMil nº 081, de 4 de outubro

Leia mais

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP.

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. VANTAGENS DAS SOLUÇÕES DE VIGILÂNCIA DIGITAL IP É verdade que o custo de aquisição das câmeras digitais IP, é maior que o custo de aquisição das câmeras

Leia mais

CAPÍTULO II DOS DIREITOS SOCIAIS

CAPÍTULO II DOS DIREITOS SOCIAIS DA LEGALIDADE DO INTERCÂMBIO CULTURAL A legislação brasileira regulamentadora dos cursos de Pós-Graduação nas modalidades de Educação Presencial e Educação a Distância (EaD), para que seja aplicada no

Leia mais

Por que os EUA ainda precisam de porta-aviões? Defendendo o emprego de porta-aviões pela US Navy

Por que os EUA ainda precisam de porta-aviões? Defendendo o emprego de porta-aviões pela US Navy Por que os EUA ainda precisam de porta-aviões? Defendendo o emprego de porta-aviões pela US Navy Este texto foi escrito pelo Vice-Almirante David H. Buss, Comandante da Força Aeronaval, Contra-Almirante

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Secretário-geral do MD participa de abertura de feira de segurança

Secretário-geral do MD participa de abertura de feira de segurança Secretário-geral do MD participa de abertura de feira de segurança Por Ascom O secretário-geral do Ministério da Defesa (MD), general Joaquim Silva e Luna, participou hoje da abertura da LAAD Security

Leia mais

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Empresas e outras organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos;

Outras concentram-se em mercados específicos, tais como de produtos agrícolas, médicos e farmacêuticos ou automotivos; Diferentes empresas de pesquisa oferecem diferentes habilidades, experiências e instalações. Por essa razão, não existe uma única empresa que seja a mais apropriada para todos os tipos de problemas de

Leia mais

Comunicação, Estratégia e Inteligência Empresarial: ferramentas básicas para uma boa unificação e imagem corporativa. 1

Comunicação, Estratégia e Inteligência Empresarial: ferramentas básicas para uma boa unificação e imagem corporativa. 1 Comunicação, Estratégia e Inteligência Empresarial: ferramentas básicas para uma boa unificação e imagem corporativa. 1 Matheus Corrêa Amaro 2 Resumo: A unificação e a imagem corporativa das empresas dependem

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

Introdução à Administração Financeira

Introdução à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Conceitos Introdutórios e Revisão de alguns elementos e conceitos essenciais à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Administração: é a ciência

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as Normas de Auditoria as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório; os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame. 2 CONCEITO

Leia mais

Boletim do Exército Nº 28/2006. Brasília - DF, 14 de julho de 2006. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO

Boletim do Exército Nº 28/2006. Brasília - DF, 14 de julho de 2006. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Nº 28/2006 Brasília - DF, 14 de julho de 2006. BOLETIM DO EXÉRCITO N º 28/2006 Brasília - DF, 14 de julho de 2006.

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

Separata ao Boletim do Exército

Separata ao Boletim do Exército Separata ao Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO SEPARATA AO BE27/2005 DEPARTAMENTO- GERAL DO PESSOAL PORTARIA Nº 086 - DGP, DE 15 DE JUNHO DE 2005.

Leia mais

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 2013.02 AUDITORIA INTERNA Prof. Esp. Ailton Nóbrega www.profailtonnobrega@gmail.com www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 01. APRESENTAÇÃO Buscando complementar as informações trabalhadas em sala de aula

Leia mais

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS AS MARCO ANTONIO DAMASCENO VIEIRA Consultor Legislativo da Área XVII Defesa Nacional, Segurança Pública Forças Armadas DEZEMBRO/2001 2 2001 Câmara dos Deputados. Todos

Leia mais

com a qualidade e características deste produto, mas recomendados que leia cuidadosamente estas instruções para tirar o melhor partido da sua compra.

com a qualidade e características deste produto, mas recomendados que leia cuidadosamente estas instruções para tirar o melhor partido da sua compra. ÍNDICE 1. Introdução 3. Instruções de segurança 4. Características do produto 5. Instruções de utilização 6. Manutenção 8. Informação de eliminação de pilhas e produto 9. Declaração de conformidade 1.

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SP CEP: 12236-660 www.unianhanguera.edu.br ADMINISTRAÇÃO Colaborativa Disciplina: DPP Prof º. Tutor Presencial Trabalho, emprego e empregabilidade Área de atuação pesquisada 1. Engenheiro Petroquímico

Leia mais

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE ARTIGOS TÉCNICOS 04/2006 Júlio Otávio Jardim Barcellos Médico Veterinário, D.Sc - Zootecnia Professor Adjunto Depto Zootecnia UFRGS julio.barcellos@ufrgs.br Guilherme Cunha Malafaia Aluno do Curso de Pós

Leia mais

MOTIVAÇÃO E MUDANÇA DE PARADIGMAS

MOTIVAÇÃO E MUDANÇA DE PARADIGMAS MOTIVAÇÃO E MUDANÇA DE PARADIGMAS Márcia Souto de Araújo 2008 Desenvolvimento do Potencial Humano Priorizamos a educação na descoberta de talentos, desenvolvimento das competências, Globalização: atendimentos

Leia mais

O JOGO COMO UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO E DE TRABALHO NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL

O JOGO COMO UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO E DE TRABALHO NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL O JOGO COMO UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO E DE TRABALHO NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL Resumo Regiane Laura Loureiro 1 - UFPR Verônica Branco 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

EXMO. SR. PRESIDENTE DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS

EXMO. SR. PRESIDENTE DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS EXMO. SR. PRESIDENTE DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS Ref. Indicação n. 107/2006 Assunto: projeto de Lei 7.404/96 Autor do Parecer: Membro da Comissão Permanente de Direito Constitucional Dra Leila

Leia mais

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e Prof. Fernando Lopes Unidade II Administração de Cargos e Salários Conforme Chiavenato (2004, p. 267), a avaliação de cargos visa a obtenção de dados que permitirão uma conclusão acerca do valor interno

Leia mais

Engenharia de Software Unidade I Visão Geral

Engenharia de Software Unidade I Visão Geral Conteúdo programático Engenharia de Software Unidade I Visão Geral Prof. Francisco Gerson A. de Meneses O que é Produtos de Software Distribuição de Software Um sistema de Software O software em um cenário

Leia mais

PERFIL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE PARA ATUAR NAS POLÍTICAS SOBRE DROGAS: REABILITAR OU REDUZIR OS DANOS?

PERFIL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE PARA ATUAR NAS POLÍTICAS SOBRE DROGAS: REABILITAR OU REDUZIR OS DANOS? 9 Opinião PERFIL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE PARA ATUAR NAS POLÍTICAS SOBRE DROGAS: REABILITAR OU REDUZIR OS DANOS? Francisca Ergovânia Batista de Brito (1) Que perfil de profissionais de saúde deve atuar

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXÉRCITO PORTUGUÊS BRIGADA MECANIZADA GRUPO DE CARROS DE COMBATE

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXÉRCITO PORTUGUÊS BRIGADA MECANIZADA GRUPO DE CARROS DE COMBATE S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXÉRCITO PORTUGUÊS BRIGADA MECANIZADA GRUPO DE CARROS DE COMBATE 1. INTRODUÇÃO a. As Forças Armadas Portuguesas têm presentemente a necessidade do acompanhamento tecnológico

Leia mais

Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas

Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas Margarida M. Krohling Kunsch Introdução No âmbito de uma sociedade cada vez mais complexa, reserva-se à comunicação um papel de crescente

Leia mais

EDUCAÇÃO FINANCEIRA 10 REVISTA RI REVIST Abril 2013

EDUCAÇÃO FINANCEIRA 10 REVISTA RI REVIST Abril 2013 10 REVISTA RI Abril 2013 FALTA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA ESTUDO APONTA QUE O BRASILEIRO DESCONHECE PRINCÍPIOS BÁSICOS DE FINANÇAS E INVESTIMENTOS Já é fato conhecido que, em relação ao mercado financeiro,

Leia mais

Como planejar e executar um treinamento

Como planejar e executar um treinamento Como planejar e executar um treinamento Treinamento: uma breve conceituação Não há possibilidade de nos desenvolvermos economicamente e, consequentemente, elevarmos o nosso nível social, sem aumentarmos

Leia mais

COMANDO OPERACIONAL DE BOMBEIROS DIVISÃO OPERACIONAL. ORDEM DE SERVIÇO NR 3026/2012 Div. Op.

COMANDO OPERACIONAL DE BOMBEIROS DIVISÃO OPERACIONAL. ORDEM DE SERVIÇO NR 3026/2012 Div. Op. COMANDO OPERACIONAL DE BOMBEIROS DIVISÃO OPERACIONAL ORDEM DE SERVIÇO NR 3026/2012 Div. Op. REGULA O TREINAMENTO BÁSICO DE COMBATE A INCÊNDIO FLORESTAL E SISTEMA DE COMANDO DE OPERAÇÕES (SCO) DO 1º AO

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Inspeção em Voo, você sabe como é feita e quem o Faz?

Inspeção em Voo, você sabe como é feita e quem o Faz? Inspeção em Voo, você sabe como é feita e quem o Faz? Para assegurar o perfeito funcionamento do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB), é necessária a execução regular da chamada Inspeção

Leia mais

Entrevista com o Chefe do DECEx

Entrevista com o Chefe do DECEx Entrevista com o Chefe do DECEx OGeneral de Exército Ueliton José Montezano Vaz é natural da Cidade do Rio de Janeiro. Foi declarado aspirante a oficial da Arma de Comunicações em 15 de dezembro de 1973

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Quadros de Lotação de Pessoal Militar (QLPM) ou em outro documento legal semelhante. X Cargos que Independem de QM são cargos que podem ser ocupados

Quadros de Lotação de Pessoal Militar (QLPM) ou em outro documento legal semelhante. X Cargos que Independem de QM são cargos que podem ser ocupados PORTARIA Nº 785, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1998 Aprova as Instruções Gerais para a Qualificação Militar das Praças (IG 10-01) O MINISTRO DE ESTADO DO EXÉRCITO, de acordo com o que dispõe o art. 8º da Lei nº

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro?

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Nos últimos anos, o planejamento governamental, tendo como

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

Entrevista com o Chefe do DECEx

Entrevista com o Chefe do DECEx Entrevista com o Chefe do DECEx OGeneral-de-Exército Rui Monarca da Silveira é natural do Rio de Janeiro, onde nasceu no dia 14 de novembro de 1947, tendo sido declarado aspirante-a-oficial da arma de

Leia mais

Exército já se prepara contra guerra química na Olimpíada

Exército já se prepara contra guerra química na Olimpíada Exército já se prepara contra guerra química na Olimpíada Por Francisco Edson Alves Equipamento monitora e identifica substâncias perigosas a quilômetros, por controle remoto Preparando-se para um desafio

Leia mais

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck Gestão de RH Prof: Roberto Huck Treinamento Roteiro da Teleaula 1. Cenário atual; 2. Conceito de Treinamento e Desenvolvimento; 3. Desenvolvimento de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional; 4. Mútuo

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS

MODELAGEM DE SISTEMAS MODELAGEM DE SISTEMAS Diagramas de Casos de Uso Profa. Rosemary Melo Diagrama de Casos de Uso Modelagem de Sistemas Apresenta uma visão externa geral das funções ou serviços que o sistema deverá oferecer

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Manutenção SGM Cia. Vale do Rio Doce CVRD

Sistema de Gerenciamento da Manutenção SGM Cia. Vale do Rio Doce CVRD Sistema de Gerenciamento da Manutenção SGM Cia. Vale do Rio Doce CVRD VISÃO DA MANUTENÇÃO DA CVRD Ser considerada referência pelos resultados da gestão de manutenção, reconhecida pela excelência de suas

Leia mais

E GE HARIA SOCIAL: UMA OVA DIME SÃO PARA A FORMAÇÃO DO E GE HEIRO. Santos, D. C.

E GE HARIA SOCIAL: UMA OVA DIME SÃO PARA A FORMAÇÃO DO E GE HEIRO. Santos, D. C. 1 E GE HARIA SOCIAL: UMA OVA DIME SÃO PARA A FORMAÇÃO DO E GE HEIRO Santos, D. C. I APRESE TAÇÃO DA DISCIPLI A E GE HARIA SOCIAL 1 Introdução Em 1997, o MEC, por intermédio da Secretaria de Educação Superior,

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA 04/2006 CRIAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

INFORMAÇÃO TÉCNICA 04/2006 CRIAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ESTUDOS E DE COOPERAÇÃO DEPARTAMENTO DE COOPERAÇÃO INFORMAÇÃO TÉCNICA 04/2006 CRIAÇÃO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Informação preparada pelos Professores Daniela

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Recursos Humanos cynaracarvalho@yahoo.com.br Conceitos A gestão

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção G Sistema de Detecção/Extinção de Faíscas Segurança para a sua produção Sistemas de Detecção e Extinção de Faíscas são capazes

Leia mais

PONTO DE VISTA SEM TÍTULO, JAZIEL DA SILVA LINS. PAPEL RECICLADO S/ EUCATEX. por Marcelo de Andrade Pinheiro FGV-EAESP

PONTO DE VISTA SEM TÍTULO, JAZIEL DA SILVA LINS. PAPEL RECICLADO S/ EUCATEX. por Marcelo de Andrade Pinheiro FGV-EAESP PONTO DE VISTA Extraindo o melhor de recursos humanos SEM TÍTULO, JAZIEL DA SILVA LINS. PAPEL RECICLADO S/ EUCATEX. O imperativo categórico de uma organização é o resultado. A mesma exigência de desempenho

Leia mais

Planejamento Financeiro Feminino

Planejamento Financeiro Feminino Planejamento Financeiro Feminino Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado.

Leia mais

Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa

Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa Por Ascom Durante a cerimônia de incorporação à Marinha do Brasil do Navio Doca Multipropósito Bahia, a presidente Dilma Rousseff

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas Apresentação 11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas Identificação do órgão: Supremo Tribunal Federal Unidade: Secretaria de Recursos Humanos / Coordenadoria de Desenvolvimento

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA- UNIR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO- CPAv

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA- UNIR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO- CPAv FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA- UNIR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO- CPAv RELATÓRIO DE ATIVIDADES: ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PRÉ-TESTE DE CURSO REALIZADA EM 2015 TODOS

Leia mais

SEMINÁRIO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: Licitar, Dispensar ou Inexigir a licitação?

SEMINÁRIO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: Licitar, Dispensar ou Inexigir a licitação? SEMINÁRIO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: Licitar, Dispensar ou Inexigir a licitação? SEMINÁRIO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: Licitar, Dispensar

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Controlos do Jogo 3 Ecra do Jogo 7 O Combate no Pais das Maravilhas 8. Habilidades 12. Maravilhas no Pais das Maravilhas 14

Controlos do Jogo 3 Ecra do Jogo 7 O Combate no Pais das Maravilhas 8. Habilidades 12. Maravilhas no Pais das Maravilhas 14 Manual Indice Controlos do Jogo 3 Ecra do Jogo 7 O Combate no Pais das Maravilhas 8 Habilidades 12 Maravilhas no Pais das Maravilhas 14 Menu Principal 1 8 Dicas e Truques Gerais 20 2 Controlos de jogo

Leia mais