Sistema de Informação em Gerenciamento de Projetos SPIDER Funcionalidades Spider Desk, Spider Pro, Spider Viewer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Informação em Gerenciamento de Projetos SPIDER Funcionalidades Spider Desk, Spider Pro, Spider Viewer"

Transcrição

1 01/06/2009 Sistema de Informação em Gerenciamento de Projetos SPIDER Funcionalidades Spider Desk, Spider Pro, Spider Viewer

2 Sistema de Informação em Gerenciamento de Projetos SPIDER Funcionalidades Spider Desk, Spider Pro, Spider Viewer Conteúdo Spider Project... 3 Spider Project Professional... 3 Spider Project Viewer... 3 Spider Project Desk (Desk200, Desktop e Desktop Plus)... 4 The Spider Project Team... 4 Características (Resumo)... 5 Vantagens de sua aplicação... 5 Alguns clientes e projetos... 6 História... 7 Diferenciais... 7 Spider Project Dados... 8 Centros de Custo... 9 Uso de Volumes Normas Corporativas Receita, Produção de Materiais e consumo Recursos Múltiplos Equipes independentes Latências por Volumes Gestão de custos relacionados a atribuições Simulação de Atribuição Parcial de Recursos e Carga Variável

3 Papéis e Habilidades Fragmentos de Projeto Biblioteca de Fragnets Otimização de Cronogramas baseado em Restrições Estabilidade de Cronogramas Arquivos de Projeto, cenários e simulações Análise de Probabilidade de Sucesso Análise de Valor Agregado Análise de Tendências Registro e Medição de Performance em Projeto Relatórios Diagrama de Tempo x Caminho Tendências de Probabilidade de Sucesso Histórico (SDPM) Projetos recentes Curva de Aprendizado Recursos Tecnológicos Necessários Informações Complementares

4 Sistema de Informação em Gerenciamento de Projetos SPIDER Funcionalidades Spider Desk, Spider Pro, Spider Viewer Spider Project O Spider é um sistema de informação em Gerenciamento de Projetos, composto por diversas ferramentas integradas que permitem o controle sobre projetos, programas e portfólios através do seu planejamento e acompanhamento diário (cronogramas, estruturas analíticas de projeto, diagramas de rede, timesheets, etc.) e através da integração de informações nas áreas financeira, recursos humanos, registro de métricas corporativas, organização de documentos e normas e a modelagem computacional de projetos com a análise de riscos de projeto, valor agregado, restrições, fluxo de caixa, entre outros. Três distribuições básicas do sistema permitem acomodar suas funcionalidades às necessidades de empresas de pequeno, médio ou grande porte. Spider Project Professional Criação, manutenção e gerenciamento de projetos e portfólios. Esta versão é destinada a PMOs, Gerentes de Portfólio, Projetos e Programas e outros profissionais que sejam responsáveis por alterações específicas em planos de projeto. Pode trabalhar sozinha ou em ambiente de multiusuários, integrando inclusive informações desenvolvidas com as demais versões do sistema e pacotes terceiros (ERPs, sistemas de RH, Contabilidade, Finanças, Materiais, etc.). Spider Project Viewer Análise e coleta de dados de projetos. Esta versão atende aos profissionais da alta administração que necessitem de informações atualizadas de projetos e portfólios para a tomada de decisão, podendo gerar uma grande gama de relatórios, com controle sobre parâmetros de projeto provenientes do sistema de informação ou mesmo através de campos customizados, podendo estabelecer os mais diversos relacionamentos com sistemas externos. 3

5 Spider Project Desk (Desk200, Desktop e Desktop Plus) Com funções limitadas para o Planejamento do Projeto, esta versão tem todas as funcionalidades necessárias para o registro e coleta de dados em campo, inclusive em relação a campos customizados para a natureza de cada projeto (como números de contrato de fornecedores, registro de trabalho por volume, produtividade, horas, etc). Na maioria das empresas, apenas um número limitado de gerentes e coordenadores irão necessitar da versão Professional, cujo licenciamento por usuário. Áreas de apoio e membros da equipe irão utilizar as versões Viewer e Desk 200, que são de distribuição gratuita. The Spider Project Team A Spider Management Technologies foi fundada na Rússia, em 1990, por especialistas em otimização provenientes de setores de planejamento do Kremlin, com larga experiência no Gerenciamento de Projetos por restrições de caixa, recursos humanos, materiais e equipamentos. Vladimir Liberzon, seu fundador, também foi responsável pela abertura do primeiro Capítulo do Project Management na Rússia e é seu atual vice-presidente. Sua empresa também se tornou uma PMI R.E.P. Global e tem escritórios e parceiros em 13 países. No Brasil, a X25 Treinamento e Consultoria é parte do Spider Team, registrada junto ao PMI.. Hoje a Spider presta serviços em mais de 20 países e tem cerca de usuários de suas aplicações. A carteira de projetos que gerida com o apoio das ferramentas Spider hoje ultrapassam a casa dos USD 100 bilhões de dólares. Os projetos atendidos vão desde Tecnologia da Informação até Hidrelétricas, Petróleo e Gás, Aeroespacial, Defesa, Usinas, entre outros. 4

6 Características (Resumo) Gerenciamento de Portfólio, Programas e Projetos Desenvolvimento de Estrutura Analítica de Projeto Diagramas de Rede, Tempo x Caminho e Gantt Cálculo de Cronogramas com base a volumes e produtividades Cálculo de Cronograma baseado em restrições (Corrente Crítica) Cálculo de Cronograma baseado no uso de Habilidades Cálculo de Cronograma baseado em Fluxo de Caixa Cálculo de Cronograma baseado em fluxo de Materiais Cálculo de probabilidades com base a metas de projeto Cálculo de probabilidade da Tendência de sucesso Análise de valor Agregado Análise de Riscos & probabilidade de Sucesso com base a cenários Gerenciamento de Recursos Materiais, Humanos, Equipamentos e Centros de Custo Simulação de Rendimento e Produção, além de aplicação e consumo Análise de múltiplas versões de projeto Análise de Tarefa de recurso independente e simulação de turno de trabalho Otimização de Rede de Projeto com redução de custos e prazos mediante análise matemática de alternativas Otimização de Cronogramas levando em conta limitação financeira e suprimento Gerenciamento de Documentos de Projeto Sistema de Monitoramento de Progresso em Projetos (ordens de serviço, autorizações, time-sheet, controle de produção, etc) Biblioteca de componentes de cronograma de Projetos (Fragnets) Histograma de recursos & Histograma e gráficos de custo e material Diagrama linear com animação de Desempenho Relatórios tabulados e Gráficos Vantagens de sua aplicação O Spider Project pode ser utilizado para a construção de Modelos Computacionais de Cronogramas que podem simular processos reais e também qualquer método de gestão (CPM, CCPM, Simulação de Riscos, Gerenciamento de Programas e Portfólios, etc). 5

7 Possui um avançado algoritmo matemático para o adequado nivelamento de recursos em projetos e portfólios com centenas de recursos compartilhados. Alguns clientes e projetos Hoje é utilizado em diversos projetos e programas de grande escala, como: Preparação para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 O Programa para o desenvolvimento de regiões remotas da Rússia Desenvolvimento do Campo de Gás de Bovanenkovo Projeto Urucu-Manaus (Petrobras) Construção das highways Trans-Siberianas. Sistemas & Equipamentos militares (Ministério de Defesa Russo) 6

8 História O Spider Project é um Sistema de Informação em Gerenciamento de Projetos com um conjunto de funcionalidades sem paralelo no mercado. A primeira versão foi lançada em 1992 e desde então mantém uma longa história de desenvolvimentos e melhorias. Atualmente é o software para o gerenciamento profissional de projetos mais popular da Rússia e também está em 25 países. É utilizado: Na indústria Aeroespacial e defesa, agricultura, construção, energia, construção naval, petróleo e gás, software, telecomunicação e muitas outras áreas. O conjunto de funções são desenvolvidos para atender necessidades reais de gerenciamento de projetos da Spider Management e, portanto são colocados em prática no dia-a-dia antes de chegar aos clientes em geral. É a primeira solução a dar suporte integral ao Success Driven Project Management ou Gerenciamento de Projetos por Tendências de Probabilidade de Sucesso. Este método é totalmente compatível com os preceitos das boas práticas preconizadas pelo Project Management Institute e traz a experiência russa em lidar com a adversidade em projetos, com restrições de recursos humanos, equipamentos, materiais e fluxo de caixa e, portanto capaz de lidar com a simulação de riscos integrada ao controle de escopo, prazo e custos. Em função de sua flexibilidade (número ilimitado de atividades e projetos, número ilimitado de campos de custo, materiais, recursos e customizados pelo usuário), é uma ferramenta capaz de absorver diversos outros métodos de trabalho, desde paradigmas na área de tecnologia (Scrum, CMMI, etc) como em outras áreas (ISO, PMBOK, Método da Corrente Crítica, etc). Diferenciais Muitas das funções do Spider podem parecer similar à concorrência em uma primeira análise e de fato são excepcionais por permitirem a modelagem em tempo real de cenários de projeto. Ao lidar com volumes de trabalho, por exemplo, o Spider não apenas reconhece a existência de atividades geridas por esforço (trabalho) e não sua duração, mas é capaz de reorganizar o sequenciamento de atividades em funções de turnos de trabalho, produtividades individuais, resultados financeiros esperados, disponbilidade de materiais, etc. Em resumo, um complexo algoritimo matemático permite a constante avaliação de alternativas de projeto sem precedentes entre as ferramentas tradicionais (MSProject, Primavera, entre outros). 7

9 Spider Project Dados A estrutura do aplicativo permite a modelagem em múltiplos níveis, para projetos, programas e portfólios. Número ilimitado de atividades, recursos, dependências, calendários, etc. Número ilimitado de EAPs de projetos, programas e portfólios. Número ilimitado de níveis hierárquicos em qualquer estrutura. Número ilimitado de campos para controles de custos, materiais, recursos, centros de custos, centro de materiais, etc. Númro ilimitado de linhas de base e versões. Modelo de dados aberto, permitindo a interconexão com diversos sistemas externos. 8

10 Centros de Custo Centros de Custo são a soma de componentes de custo selecionados e calculados ao redor de grupos de recursos e materiais definidos pelo usuário. É possível utilizar a Análise de Valor Agregado não apenas para os custos em geral, mas para qualquer agrupamento de recursos, materiais, fases, estruturas hierárquicas, áreas, etc. Centros de custo podem ser utilizados para manter diversos controles paralelos de budgets de projeto, trabalhar com múltiplas moedas e câmbios e análises de valor presente a partir de diferentes critérios. Para ANÁLISE DE VALOR AGREGADO, o Spider permite um conjunto sem precedentes de relatórios, podendo agregar resultados pelos mais diversos 9

11 centros de custo, departamentos, áreas, prioridades, grupos de projetos, fases, subfases, entre outros. Uso de Volumes O uso de volumes de trabalho (quantidade de trabalho a ser realizado) e a produção de recursos em cálculos de duração podem ser utilizados. Na maioria de pacotes a duração é a informação inicial para a simulação computacional. No Spider, usuários podem utilizar o cálculo por volumes de trabalho a serem realizados com recursos avançados para turnos, cálculos de produtividade e nivelamentos que serão demonstrados com a ferramenta. 10

12 Isso permite, por exemplo, que o sistema seja utilizado para responder a cenários, buscando a melhor alternativa para o projeto. Que recursos devem ser substituídos para permitir que o projeto possa ser terminado dentro da meta de tempo pré-estabelecida? Qual é o melhor seqüenciamento entre atividades similares, com o uso dos mesmos recursos, para liberar resultados de projeto imediatos para as equipes seguintes, garantindo redução de custos e prazos? Qual é a quantidade de recursos ociosos e o seu custo para o projeto ou portfólio? Qual será o atraso de projeto em função das dificuldades de importação de insumos com uma provável alteração na data de entrega dos mesmos? Qual é o custo operacional dos eventos de risco sinalizados como possíveis caso venham ocorrer, visto que utilizam recursos compartilhados com os projetos já em andamento? Normas Corporativas Esta função permite que se utilizem normas corporativas para o gerenciamento de projetos. A maioria das normas é aplicada sobre unidades de volume de trabalho (como requerimentos de material por unidade de volume, unidade de custo), ou para aplicação com produtividade de recursos. O Spider permite o uso de livros de referência corporativos para que uma vez relacionado aos projetos possam ser utilizados no cálculo de atividades, atribuição de recursos e outros parâmetros. 11

13 Receita, Produção de Materiais e consumo O Spider não simula apenas o consumo de componentes de custos e materiais, mas também receitas, financiamentos, produção de materiais e suprimentos. Os algoritmos de nivelamento permitem criar recursos baseados em restrições de equipamentos, máquinas e pessoas, bem como finanças, fluxo de caixa, estoques, centros de custos e materiais. Na área de TI, um fluxo de trabalho entre áreas ou equipe distintas pode ser criado mediante o uso de produção e consume de materiais e recursos. Por este mecanismo, a área de Testes poderá ter seu agendamento feito em função da quantidade de Casos de Uso desenvolvidos. Se os Casos de Uso não forem produzidos durante as atividades planejadas para este fim, o sistema irá calcular os desvios em função das áreas que necessitem destes recursos, mesmo que não exista uma dependência lógica entre as atividades no diagrama de redes, facilitando a simulação de situações reais de projeto. Isso é ainda mais visível quanto a sua aplicabilidade em relação a construções, atividades de engenharias e produção. Atividades de projeto podem ser reorganizadas automaticamente para comportar um adequado fluxo de caixa ou disponibilidade de materiais a partir do registro de produção e consumo de recursos e materiais. 12

14 Recursos podem ser consumidos ou produzidos em cada atividade;isso permite a simulação de processos de mobilização de pessoal, transferência de recursos entre diferentes áreas, etc. Recursos Múltiplos Recursos múltiplos são equivalentes a equipes, agrupamentos ou composições de outros recursos, podendo reunir pessoas e equipamentos. Uma vez aplicado às atividades, diversas condições e cenários podem ser criados e a troca de parte da composição é rapidamente distribuída pelas futuras atribuições de projeto, auxiliando a análise de resultados para o pool de recursos. Equipes independentes É possível atribuir recursos, habilidades ou multirecursos a diferentes equipes de trabalho. Com esta composição, cenários podem ser construídos onde para uma mesma atividade uma ou mais equipes são atribuídas, permitindo por exemplo, a simulação de TURNOS de trabalho. Latências por Volumes Os usuários Spider Project podem aplicar latências (LAG/LEAD) baseadas tanto no habitual registro de durações (dias/horas), mas também em função de volumes (unidades de trabalho ou percentuais); 13

15 Latência por volumes permitem cronogramas mais realistas: A atividade soldar tubos só inicia quando de fato a atividade desfilar tubos tiver avançado metros (independente do tempo necessário para tal). Exemplos: A atividade de Testes começa após o desenvolvimento de X Casos de Uso. A seleção de ferramentas será feita após X propostas terem sido encaminhadas. Gestão de custos relacionados a atribuições Podem ser atribuídos não apenas os custos de materiais, recursos e atividades, mas também o custo de atribuições de recurso. Este tipo de registro é necessário para controlar os custos de utilização de recursos quando são pagos por preço fixo ou por quantidade de trabalho realizado. Isso significa que não somente podemos aplicar materiais ou recursos a uma atividade, mas também podemos atribuir materiais e custos aos recursos, com base ao tipo de atribuição que estes possuem naquela respectiva atividade. Assim, ao recurso consultor temos o custo de passagem aérea e diárias relacionados à sua participação em determinada atividade e esta informação pode ser distinta em função do tipo do trabalho a ser realizado, permitindo efetiva modelagem de cenários de uso de recursos, custos e materiais. 14

16 Simulação de Atribuição Parcial de Recursos e Carga Variável O Spider é o único pacote que simula corretamente o uso de atribuição parcial de recursos. Ele irá considerar tanto a quantidade atribuída como o percentual estimado para cada atividade. Pode-se então distinguir duas máquinas com 50% de carga de uma única máquina com 100% de carga. Na simulação, quantidades mínimas e planejadas de cada recurso podem ser aplicadas e não apenas a mensuração de cargas totais (200% de um recurso pode representar 2 unidades x 100%, ou 4 unidades x 50% e assim por diante). Ao definir quantidades mínimas e máximas de cada tipo de recurso, o Spider pode verificar qual é a melhor combinação de recursos para otimizar o resultado global do projeto; dependendo da disponibilidade (concorrência no uso de recursos), a ferramenta pode optar por levar mais tempo em uma atividade e reduzir os recursos aplicados ou aproveitar todos os recursos ociosos para o item em questão. Papéis e Habilidades Usuários podem criar conjuntos de habilidades ou papéis que podem cumprir com um mesmo tipo de atividade (mesmo que tenham produtividades e custos diferentes). O Spider então seleciona qual o recurso efetivo deve ser utilizado para cumprir com um referido papel ou habilidade de acordo com disponibilidades ou prioridades do projeto. No exemplo, é colocado o papel consultor como necessário à atividade. O sistema verifica a disponibilidade de João ou Maria e a escolha final dependerá de diversos elementos: custo, prioridade, produtividade, disponibilidade no calendário, otimização com diversos cronogramas de projetos com recursos compartilhados, entre outros. 15

17 Fragmentos de Projeto Biblioteca de Fragnets FragNets são fragmentos típicos de projetos que podem incorporar informações específicas para atender a um conjunto de pacotes de trabalho e serem reaproveitados para a criação de cronogramas mais complexos e detalhados. Ajustes podem ser feitos por elementos escalonáveis e com uma modelagem apropriada podem reduzir substancialmente o tempo de desenvolvimento de um cronograma enquanto agrega qualidade à informação resultante. Na ilustração acima, Fragnets já contendo volumes de trabalho esperado, recursos a serem utilizados, estimativas de duração e custos, etc. são reaproveitados para compor um novo projeto. Algumas Fragnets possíveis: 1) Desenvolvimento de um Caso de Uso 2) Instalações Elétricas em 1 andar de um Prédio 3) Supressão Vegetal, Desfile, Solda e Abaixamento para 1 km de tubos 4) Etc. 16

18 Otimização de Cronogramas baseado em Restrições O Resource Critical Path (Caminho Crítico de Recursos) desenvolvido na Rússia pode ser equiparado a Corrente Crítica com a ressalva de que o RCP também trata materiais e recursos financeiros como parte das restrições possíveis de recursos, sendo assim mais completo que a definição básica de Corrente Crítica. O Spider Project pode otimizar os cronogramas baseados em restrições levando em consideração materiais, recursos humanos, recursos financeiros e equipamentos. Sua programação inclui a simulação de situações complexas, como cargas variáveis de trabalho, equipes individuais, turnos, habilidades e papéis. Normalmente as soluções de nivelamento do Spider reduzem os cronogramas criados em outros pacotes de gerenciamento de projetos. Estabilidade de Cronogramas Para o caso de usuários que de fato utilizam o nivelamento de recursos com o uso do software, o maior problema da maioria dos pacotes de gerenciamento de projetos é a instabilidade dos cronogramas baseados em restrições. 17

19 Isso ocorre quando se modifica alguma informação inicial e novas simulações dão como resultado um seqüenciamento completamente diferente do primeiro. O Spider contém, entre os diversos tipos de nivelamento, um mecanismo para preservar ao máximo a seqüência anterior sempre que for necessário, mantendo integridade com as versões anteriores. Assim, a otimização é feita em determinadas situações onde o ganho é significativo para todo o projeto, mas alterações pequenas no projeto não são de fato reprogramadas para evitar a necessidade de se renegociar com todos os envolvidos as alterações de cronograma. Muitos usuários sabem que seus softwares realizam o nivelamento automático de recursos, mas preferem não utilizar o recurso, pois normalmente os resultados podem ser catastróficos, necessitando do reagendamento manual de diversas atividades. No caso do Spider, esta é sua maior especialidade e portanto os nivelamentos são cuidadosamente realizados e com base a uma dezena de opções sinalizadas pelo usuário para garantir redução de prazos e custos ao projeto mediante a adequada reorganização de seqüência de atividades, sempre respeitando o diagrama de redes e a rede de precedências obrigatórias. Em um exercício básico, diferentes softwares chegam ao mesmo resultado para o exemplo abaixo. Após o nivelamento, a duração total do projeto é de 30 dias. Na ilustração abaixo temos o MS-Project (2007) e o Spider (10.0) em uso. (O usuário deve repetir o exemplo com seu próprio software para verificar os resultados obtidos. O MS-Project - marca e software - pertence a seu respectivo proprietário) Diagrama de Rede básico Resultado MS-Project 18

20 Resultado Spider Em ambos os casos, sem Restrições por Recursos, o projeto leva 20 dias e o caminho crítico é determinado por A >> B. Corrente Crítica Ao adicionarmos os recursos JOSÉ as atividades A e C e MARIA as atividades B e D, temos então a super-alocação dos mesmos, que pode ser vista utilizando o histograma de recursos (ilustração Msproject). A solução do problema pode ser feita manualmente pelo gerente de projeto, para pequenos projetos. Para grande quantidade de atividades e recursos, é necessário se confiar na capacidade matemática do software utilizado para verificar as opções disponíveis. Nivelamento MS-Project (exemplo) Nivelamento Spider 19

21 Neste pequeno exemplo, a solução de nivelamento encontrada pelo MS-Project leva o projeto de 20 para 30 dias. O mesmo projeto nivelado em otimização pelo Spider tem como resultado 25 dias. FOLGAS no CAMINHO CRÍTICO DO PROJETO Outro ponto que requer destaque em relação ao Spider e outras ferramentas que não estão preparadas a identificar a Corrente Crítica ou Caminho Crítico do Projeto baseado em Recursos é o registro de FOLGA LIVRE e FOLGA TOTAL, bem como o registro visual (barras em vermelho) das atividades que de fato são críticas no projeto. Na ilustração abaixo, o MS-Project indica que a atividade A (João) tem 10 dias de atraso total (folga total) livre e, portanto está sinalizada em AZUL. A informação é inconsistente, pois qualquer dia de atraso na atividade do João irá refletir em atraso da atividade de Maria e conseqüentemente na data final do projeto. Outro problema é a atividade C (João), sinalizada em VERMELHO e com 0 dias de Folga Total (Margem de Atraso Total), embora de fato ela possa ser atrasada em até 5 dias sem prejuízo algum para a data final do projeto. Se o Spider for nivelado com a mesma seqüência de atividades do exemplo acima, a coloração das barras e as folgas calculadas de fato definem o Caminho Crítico do Projeto, conforme ilustração a seguir. Podemos perceber que somente a atividade C (João) não é crítica e tem então 5 dias de folga livre e 5 dias de folga total. 20

22 Arquivos de Projeto, cenários e simulações O Spider permite se armazenar uma quantidade ilimitada de versões e tem a capacidade de comparar qualquer par de versões entre elas, com um número ilimitado de linhas de base e cenários what if. Este recurso permite não apenas estimar o status de projeto, mas também verificar tendências de projeto e sua performance para qualquer período. O Spider é único em seu método de simulação para a análise de riscos. É possível criar cenários pessimistas, otimistas e mais prováveis para apoiar o cálculo das reservas necessárias dentro de uma análise de riscos. O Spider calcula datas críticas e metas de projeto, consumo de materiais, uso de recursos e custos esperados para uma probabilidade de sucesso solicitada pelo usuário. Análise de Probabilidade de Sucesso A definição de metas de projeto (requerimentos de datas, custos e materiais), usuários podem obter informação sobre a probabilidade de sucesso para as metas e as reservas necessárias para tal. Durante a execução dos projetos, as tendências de probabilidade de sucesso se tornam então a melhor ferramenta para se analisar a performance do projeto, indicando a aproximação ou distanciamento probabilístico das metas acertadas. 21

23 Análise de Valor Agregado O Spider não só calcula os parâmetros atuais de Valor Agregado, mas também mantém históricos de projeto e com isso permite a criação de estimativas futuras baseado em tendências. Os usuários podem aplicar a Análise de Valor Agregado não somente sobre o custo total do projeto, mas também para qualquer centro de custos, centro de recursos, fases, centros de materiais e demais agrupamentos de um mesmo projeto. Análise de Tendências O Spider mantém o histórico de cada medição e pode recuperar tendências de qualquer parâmetro de projeto, como custo esperado, data final esperada, etc. Relatórios de Tendência fornecem aos gerentes de projeto os dados necessários para encontrar imediatamente os problemas, antes que as tendências de resultados negativos de fato se transformem em problemas. Registro e Medição de Performance em Projeto O sistema de medição implementado pelo Spider monitora não apenas tempos e recursos, mas também volumes de trabalho, materiais consumidos, despesas e qualquer variável de projeto customizada pelo usuário. Os usuários podem ver relatórios de execução de projeto de qualquer período de projeto definido. 22

24 Medições de avanço de projeto podem ser realizadas SEM CUSTOS para a coleta de dados entre membros da equipe, fornecedores, áreas de apoio e demais envolvidos. Relatórios Diagramas Gantt de Atividades; Diagramas Gantt de Recursos; Múltiplas EAPs e EAOs (WBS/OBS); Diagrama de Redes, Histogramas de Carga de Trabalho de Recursos; Histogramas de Custos e Materiais; Curvas-S de Custos, Recursos e Materiais; Análise de Valor Agregado e Tendências; Gráficos de Tempo x Caminho (com animações) Tendências de Probabilidade de Sucesso; Tendências de qualquer parâmetro de projeto. 23

25 Diagrama de Tempo x Caminho O Diagrama de Tempo x Caminho é uma representação gráfica que permite que cronogramas complexos possam ser analisados em uma única folha de papel. O Eixo X apresenta as métricas de projeto (customizadas pelo usuário) e o Eixo Y mostra os períodos de tempo do projeto. Cada gráfico, suportado por uma animação, demonstra quando cada tipo de atividade irá acontecer em algum tempo do projeto dentro da métrica estabelecida. Tendências de Probabilidade de Sucesso Baseado em cenários de risco; Estabelece a tendência de probabilidade de sucesso (as probabilidades de se alcançar os objetivos de projeto) Apóia a tomada de decisão relacionada às ações corretivas necessárias. 24

26 O SDPM é uma metodologia de trabalho baseada na análise de probabilidade de sucesso e desenvolvida a partir da experiência soviética ainda durante a época da Guerra Fria (60 s-80 s). Com a abertura do mercado, foi inicialmente apresentada como o gerenciamento por tendências e baseada na aplicação de cronogramas probabilísticos. Em meados de 1990 é divulgada em eventos do IPMA e PMI no Leste Europeu e Oriente já batizada como SDPM Sucess Driven Project Management. 25

27 Histórico (SDPM) Alguns trabalhos apresentados VI Seminário Internacional PMI/SP, 2006 Mostra Tecnologia de Governo, edições 2006, 2007 e 2008 PMI Global 2007 México PMI Global 2008 Austrália PMI College of Scheduling 2008 Chicago PMI Global 2008 Brazil (2 trabalhos) PMI 3º Congresso Nacional, 2008 (3 trabalhos) IX Encontro Internacional PMI/DF, 2009 PMI College of Scheduling 2009 Boston Projetos recentes Na data de preparação deste documento, a Spider Brasil estava utilizando o Spider pela primeira vez para o cálculo de produção na indústria, no interior de São Paulo. Na Rússia, a Spider avança com os preparativos para os JOGOS OLÍMPICOS DE INVERNO de 2014, na Rússia. O Projeto engloba não apenas atividades 26

28 relacionadas aos preparativos olímpicos, mas toda a infra estrutura para regiões longínquas da Rússia, incluindo mais de km de rodovias, a construção de Portos, Aeroportos, sistemas de telecomunicação, entre outros. Este novo projeto praticamente duplica a carteira de projetos da Spider visto que ele sozinho é composto por 246 subprojetos e um orçamento global de USD 80 Bilhões. No Escritório da Romênia, o projeto mais recente inclui um Portfólio na área de Telecomunicações, reunindo 210 projetos relacionados a infra-estrutura (hardware) e desenvolvimento de software, com investimentos totais de USD Curva de Aprendizado O Spider Desk200 é uma versão gratuita para pequenos projetos e é instalada junto com uma plataforma completa para o auto-estudo em Gerenciamento de Projetos (InteliMedia), contendo mais de slides, referências e dicas na área. O pacote inclui tutoriais e a própria Ferramenta Spider e permite que usuários que já tenham alguma familiaridade com o MS-Project possam realizar as atividades habituais com algumas horas de estudo. Para a aplicação de funções avançadas da ferramenta, o treinamento formal recomendado no uso da ferramenta é de 16 a 32 horas, dependendo do nível em gerenciamento de projetos da equipe treinada. Usuários de apoio (time-sheet, fornecedores, áreas de logística, materiais, entre outros) normalmente fazem um mini-treinamento de 4h para familiarizar-se com a interface do programa ou utilizam tutoriais on-line para este fim. O Spider é uma ferramenta de alta produtividade, utilizada em projetos que ultrapassam linhas de planejamento e distribuídas em diversas regiões geográficas e equipes de perfis distintos. Embora tenha recursos avançados que exijam conhecimento dos conceitos em Gerenciamento de Projetos, a sua operação tem uma curva de aprendizado pequena, em especial quando comparado com ferramentas que tenham funcionalidades similares. 27

Spider Project Visão Geral

Spider Project Visão Geral Spider Project Visão Geral A linha Spider oferece avançados algoritmos para o planejamento e controle de portfólios, programas e projetos baseado em restrições de recursos (humanos, máquinas, materiais

Leia mais

Um comparativo: MSProject e Spider Project Análise de pontos sobre cada ferramenta em apoio à tomada de decisão sobre a adoção da Ferramenta Spider

Um comparativo: MSProject e Spider Project Análise de pontos sobre cada ferramenta em apoio à tomada de decisão sobre a adoção da Ferramenta Spider 05/11/2009 Um comparativo: MSProject e Spider Project Análise de pontos sobre cada ferramenta em apoio à tomada de decisão sobre a adoção da Ferramenta Spider atendimento@thespiderteam.com Um comparativo:

Leia mais

Considerações sobre hammocks & Exemplos aplicados (Peter Mello, peter.mello@x25.com.br)

Considerações sobre hammocks & Exemplos aplicados (Peter Mello, peter.mello@x25.com.br) Considerações sobre hammocks & Exemplos aplicados (Peter Mello, peter.mello@x25.com.br) No Practice Standard of Scheduling (publicação do PMI ), uma hammock é colocada como sinônimo de tarefas-sumário

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

A X25 Treinamento e Consultoria traz para o Brasil uma revolução em Gerenciamento de Projetos: SPIDER PROJECT Professional

A X25 Treinamento e Consultoria traz para o Brasil uma revolução em Gerenciamento de Projetos: SPIDER PROJECT Professional A X25 Treinamento e Consultoria traz para o Brasil uma revolução em Gerenciamento de Projetos: SPIDER PROJECT Professional Spider Management Technologies no Brasil: http://www.spiderproject.com.br info@spiderproject.com.br

Leia mais

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto.

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto. Discussão sobre Nivelamento Baseado em Fluxo de Caixa. Item aberto na lista E-Plan Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em

Leia mais

Considerações sobre a EAP & Exemplos aplicados

Considerações sobre a EAP & Exemplos aplicados Considerações sobre a EAP & Exemplos aplicados (Peter Mello, peter.mello@x25.com.br) A EAP Estrutura Analítica de Projetos (ou WBS) é um dos elementos essenciais do Gerenciamento de Projetos. A partir

Leia mais

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF 2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Osvaldo Pedra, PMP, SpP, P1-MPS.BR osvaldopedra@yahoo.com Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Objetivo da palestra

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

"Caminho Crítico é um termo criado para designar um conjunto de tarefas vinculadas a uma ou mais tarefas que não têm margem de atraso.

Caminho Crítico é um termo criado para designar um conjunto de tarefas vinculadas a uma ou mais tarefas que não têm margem de atraso. Conceituação básica: Caminho Crítico x Corrente Crítica Publicado originalmente em 08/2008 em http://www.spiderproject.com.br/exemplos/problemabasico01.htm Caminho crítico Origem: Wikipédia, a enciclopédia

Leia mais

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Índice CAPÍTULO 1 INICIAÇÃO DE PROJETOS... 4 CAPÍTULO 2 PLANEJAMENTO DE PROJETOS... 5 CAPÍTULO 3 CONTROLE DE PROJETOS...

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO

EMENTA E8 E9. PIP Trabalho Final de Planejamento Integrado (Projetos e Sub-Projetos) MIP Medição do Projeto ESTUDO DE CASO Anexo 1 - Escopo do Curso de Ferramenta de Apoio ao Gerenciamento de Projetos MSProject 2010 Abordagem PMBOK 4ª Edição E1 Elaborar Termo de Abertura do Projeto (TAP) e Registro das Especificações do Projeto

Leia mais

Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ)

Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ) Exemplos: Análise de Valor Agregado (Ex_vagregado.SPRJ) Este exemplo tem como base atividades descritas em um email distribuído na lista da E-Plan (planejamento@yahoogrupos.com.br) com o título Curva Física

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

The Spider Team Reference Library

The Spider Team Reference Library Artigo utilizado para candidatura à Seminários e Palestras do PMI em 2006. Primeira visão de SDPM realizada no BRASIL. -- Este artigo e PowerPoint foram apresentados no IV Seminário Internacional do PMI-SP

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Pontos Fortes e Fracos: CCPM e SDPM

Pontos Fortes e Fracos: CCPM e SDPM Pontos Fortes e Fracos: CCPM e SDPM (Peter Mello, peter.mello@x25.com.br, agosto/2009) O presente conteúdo nasceu em um artigo intitulado Pontos Fortes e Fracos do Método da Corrente Crítica. A partir

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE TRABALHO TREINAMENTO STATEMENT OF WORK Preparado por Nelson Azevedo Membro do Time Versão 1 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 28/11/2010 Propósito

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Diagrama Tempo x Caminho

Diagrama Tempo x Caminho Artigo: Diagrama Tempo x Caminho Por Peter Mello, PMP, PMI-SP, SpS (01/2010) Diagrama Tempo x Caminho A partir da identificação de elementos notáveis em um projeto, um diagrama de tempo x caminho pode

Leia mais

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013 Apresentação do Professor Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Formação Acadêmica: Bacharel em Sistemas de Informação Pós graduado em Didática e Metodologia para

Leia mais

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Gerenciamentode Custos PMBOK apresentaosseguintesconceitos: Gerenciamento de custos; Processos de Gerenciamento de custos: Estimar custos; Determinar

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 Microsoft Project 2003 1 [Módulo 4] Microsoft Project 2003 2 Definindo durações Inter-relacionamentorelacionamento Caminho crítico Microsoft Project 2003 3 1 Duração das Atividades Microsoft Project 2003

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros.

Unidade II. Outras ferramentas que também auxiliam o gerenciamento de projetos são: WBS, gráficos Gantt, PERT/CPM, ECD, entre outros. GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Unidade II 2 FERRAMENTAS PARA GESTÃO DE PROJETOS A gestão de projeto como já visto no capítulo anterior é uma tarefa trabalhosa que requer muito controle. Assim, para ajudar

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Apresentação Introdução/Conceitos da Gestão do Tempo para Projetos (PMBOK) Entradas, Ferramentas e Saídas Cases Técnicas de Aplicação Individual para

Apresentação Introdução/Conceitos da Gestão do Tempo para Projetos (PMBOK) Entradas, Ferramentas e Saídas Cases Técnicas de Aplicação Individual para Clemente Netto Apresentação Introdução/Conceitos da Gestão do Tempo para Projetos (PMBOK) Entradas, Ferramentas e Saídas Cases Técnicas de Aplicação Individual para Otimização do Tempo Considerações clemente.netto@gmail.com

Leia mais

Sistema de Planejamento

Sistema de Planejamento Sistema de Planejamento Copyright 2013 by Softplan Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqueTecAlfa João Paulo CEP 88030-000 Florianópolis SC Telefone: (48) 3027-8000 Homepage:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA nº 0010/2015

TERMO DE REFERÊNCIA nº 0010/2015 1 BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL TERMO DE REFERÊNCIA nº 0010/2015 PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL PARA CAPACITAÇÃO DA EQUIPE DO FUNBIO NA UTILIZAÇÃO EFICIENTE

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento.

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento. Gerenciamento de tempo do projeto FAE S. J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Tempo O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS SERENA OPEN PROJ FABIANO KEIJI TAGUCHI ESTE MATERIAL TEM UM OBJETIVO DE COMPLEMENTAR OS ASSUNTOS ABORDADOS DENTRO DE SALA DE AULA, TORNANDO-SE UM GUIA PARA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA

Leia mais

RETORNO DO INVESTIMENTO NO PROJECT MANAGEMENT OFFICE RELATÓRIO FINAL

RETORNO DO INVESTIMENTO NO PROJECT MANAGEMENT OFFICE RELATÓRIO FINAL RETORNO DO INVESTIMENTO NO PROJECT MANAGEMENT OFFICE RELATÓRIO FINAL DADOS DA EMPRESA Tipo Capital Sede TIGER SCREWS 1 Funcionários 800 Produção Mix de Produtos Faturamento (último ano) Ranking Principais

Leia mais

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos Darci Prado Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos SEÇÃO A: CONHECIMENTOS BÁSICOS SEÇÃO A-1: PLANEJAMENTO DE UM PROJETO 1. Uso do Computador em Gerenciamento de Projetos: o MS-Project........................

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas?

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? RESUMO DA SOLUÇÃO Pacote CA Clarity PPM on Demand Essentials for 50 Users qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? agility made possible Agora a CA Technologies oferece

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições;

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Aula 12 1 2 Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Vantagem: o principal benefício é a geração de um modelo com previsão

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+ Faturamento: R$ 1

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO Gerente de projeto

MANUAL DO USUÁRIO Gerente de projeto MANUAL DO USUÁRIO Gerente de projeto Conteúdos 1. O gerente de projeto... 3 2. Painel de início... 4 3. Parâmetros gerais do projeto... 5 4. Designar usuários a projetos e tarefas... 6 5. Orçamento...

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

SPEKX DATA SHEET. Visão Serviços. Release 4.5

SPEKX DATA SHEET. Visão Serviços. Release 4.5 SPEKX DATA SHEET Visão Serviços Release 4.5 Versão 2.0 ÍNDICE ANALÍTICO 1. Introdução 3 1.1. Solução Única 3 2. Visão Resumida 4 2.1 Diagrama de Etapas de Projetos / Serviços 4 2.2. Resumo Descritivo Etapas

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Definição Gerenciamento de Projetos SWEBOK Aplicação de atividades de gerenciamento (planejamento, coordenação, medição, controle e relatório) para assegurar que o desenvolvimento de software é sistemático,

Leia mais

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado

Método do Caminho Crítico PERT /CPM. Prof. Marcio Cardoso Machado Método do Caminho Crítico PERT /CPM Prof. Marcio Cardoso Machado - Conjunto de técnicas utilizado para o planejamento e o controle de empreendimentos ou projetos - Fatores: prazo, custo e qualidade - Aplicado

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4 Versão 4.6.4 Sexta-feira, 08 de fevereiro de 2008 ÍNDICE 3 4 EDITORIAL NOVAS FUNCIONALIDADES 4 12 13 14 15 16 Novo Cronograma 4 5 5 6 7 8 8 9 9 10 10 Edição Rápida do Cronograma Recurso de Arrastar e Soltar

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 [Módulo 1] Microsoft Project 2003 Apresentação do software 1 Características do Software. Principal ferramenta para o Gerenciamento de Projetos; Versátil, fácil utilização e interface prática; Uso da Internet

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

WWW.RJN.COM.BR. Av. Paulista, 1159. 8.º andar. cj 817/818. Cerqueira César. São Paulo/SP (11) 3141.0507 /. (11) 3266.7441

WWW.RJN.COM.BR. Av. Paulista, 1159. 8.º andar. cj 817/818. Cerqueira César. São Paulo/SP (11) 3141.0507 /. (11) 3266.7441 EMENTA DO TREINAMENTO Apresentar metodologia de planejamento e controle de obras específicas de construção civil, com a utilização do software Microsoft Office Project 2010. A metodologia, baseada nas

Leia mais

WWW.RJN.COM.BR. Av. Paulista, 1159. 8.º andar. cj 817/818. Cerqueira César. São Paulo/SP (11) 3141.0507 /. (11) 3266.7441

WWW.RJN.COM.BR. Av. Paulista, 1159. 8.º andar. cj 817/818. Cerqueira César. São Paulo/SP (11) 3141.0507 /. (11) 3266.7441 Introdução Com o crescimento acelerado do setor de construção e o surgimento de grandes projetos no Brasil, o mercado profissional de engenharia apresenta uma elevada demanda de profissionais, principalmente

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE Aumento de Eficiência na Construção com o uso de Cronogramas Estruturados Giovani L Castro, PgMP, PMP, RMP (ex-opm3) - AACE member - Gestão de Riscos Planta de Celulose de $ 2

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Jul/2010 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3.

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3. 02m Conteúdo Apresentação do PMBOK Brasília, 25 de Junho de 2015 Fase 01 1.PMBOK e PMI 2. Conceitos 3.Processos Fase 02 4. Áreas de Conhecimento 10m Gerenciamento de Projetos Projeto A manifestação da

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um Projetos, Programas e Portfólios Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um programa, quando se relacionam

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança.

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda Managed Office Protection É fato, tanto pequenas e médias e grandes empresas enfrentam os mesmos riscos

Leia mais

ROSALDO DE JESUS NOCÊRA PMP, PMI-SP, PMI-RMP, MCTS

ROSALDO DE JESUS NOCÊRA PMP, PMI-SP, PMI-RMP, MCTS ROSALDO DE JESUS NOCÊRA PMP, PMI-SP, PMI-RMP, MCTS Project Management Professional do PMI - Project Management Institute De acordo com a 5ª edição (2013) do PMBOK Guide GUIA DEFINITIVO 2ª edição Inclui:

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br

Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI. www.path.com.br Como implementar os processos de Gerenciamento de Demanda e Capacidade de serviços de TI AGENDA Gerenciamento da Demanda Processos de Negócio Desafios e KPIs Papel do Gerenciamento da Demanda Gerenciamento

Leia mais

TC 045 Gerenciamento de Projetos

TC 045 Gerenciamento de Projetos TC 045 Gerenciamento de Projetos Escopo Tempo Figura: D. Randa (2012) NAYARA SOARES KLEIN nayaraklein@gmail.com ANO: 2013 Escopo: s.m. Finalidade; alvo; intento; propósito. Dicionário Aurélio Escopo do

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

WWW.RJN.COM.BR/SIMULADOPMP

WWW.RJN.COM.BR/SIMULADOPMP EMENTA DO TREINAMENTO Apresentar metodologia de estudo dos fundamentos de gerenciamento de projetos, das áreas de conhecimento (integração, escopo, tempo, custo, qualidade, recursos humanos, comunicação,

Leia mais

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Departamento de Planejamento Pró-reitoria de Planejamento e Finanças Universidade Federal de Santa Catarina 1 Sumário O que é um projeto?... 4 O que é

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Gerenciamento do Tempo de Projetos. Parte 05. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento do Tempo de Projetos. Parte 05. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento do Tempo de Projetos Parte 05 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Agenda: Carlos Simões cs@synapsisbrasil.com.br carlossimoes@cos.ufrj.br

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição Project Management Institute UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição NOTA As

Leia mais