O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014."

Transcrição

1 NOTAS EXPLICATIVAS O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de Nota 1 Conteúdo Operacional Senac, criado pelo Decreto nº de janeiro de 1946, como uma organização autônoma de direito privado, mantida e administrada pelo setor terciário da economia (comércio e serviços), instituída com o intuito de Educar para o Trabalho em Atividades do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Em 31 de agosto de 1965, por determinação da Resolução nº 470, criou-se, no Distrito Federal, a Delegacia Executiva do Senac, na cidade de Brasília, tendo iniciado o desenvolvimento das suas atividades a partir de janeiro de O Conselho Regional é o órgão deliberativo da Administração Regional, e tem suas competências estabelecidas no art. 21 da Resolução Senac nº 855/2007 e no art. 25 do Decreto nº , de 05 de dezembro de O Departamento Regional, com jurisdição em todo o Distrito Federal, é órgão executivo da Administração Regional e coordena as atividades de todas as unidades operativas e funcionais. Tem como atividade principal a educação profissional e compete ao Departamento Regional do Distrito Federal elaborar e executar cursos de Formação Inicial e Continuada, da Educação Técnica de Nível Médio, de Educação Superior, de Pós-graduação e de ações extensivas. O Senac-DF dispõe de dez unidades operativas, sendo nove centros de educação profissional e uma faculdade, conta também com uma livraria e editora, cinco restaurantes e lanchonetes-escola localizados no Setor Comercial Sul, na Controladoria Geral da União CGU, Ministério Público do Distrito Federal e Territórios MPDFT, no Ministério da Justiça MJ, no Supremo Tribunal Federal STF. contábeis Nota 2 Apresentação das demonstrações contábeis e principais práticas O Balanço Geral do Senac-DF e sua respectiva demonstração de resultado foram levantados em 31 de dezembro de 2014 sob a responsabilidade de sua Administração. As demonstrações contábeis foram elaboradas e apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o Código de Contabilidade e Orçamento Codeco, aprovado pela resolução Senac 989/14, em consonância com as portarias da Secretaria do Tesouro Nacional STN nº 184/08, 751/09 e Resolução do Conselho Federal de Contabilidade CFC nº 1.128/2008 que trata da convergência da contabilidade pública aos padrões internacionais. Observando-se também, os aspectos técnicos em conformidade com as decisões normativas do TCU, portaria 90, de 16 de abril de 2014.

2 Nota 3 Ativos 3.1 Caixa e equivalentes de caixa Compreendem os saldos de caixa, depósitos bancários à vista e aplicações financeiras. Essas aplicações possuem liquidez imediata e estão demonstrando ao custo, acrescidos dos rendimentos auferidos até a data de 31 de dezembro de DESCRIÇÃO DISPONIBILIDADES POSIÇÃO R$ R$ 31/12/ /12/2013 VARIAÇÃO R$ % Caixa 2.768, ,96 (9.751,19) -77,89% Bancos c/movimento , ,60 ( ,87) -35,34% Bancos Aplic.Merc.Aberto , , ,47 157,44% TOTAL , , ,41 120,19% Fonte: RM Saldus/SEI Houve aumento de 120,19% nas disponibilidades em relação ao ano de 2013, em função do recebimento de aporte financeiro dos Restaurantes-escola CGU, MJ e STF; do recebimento de recursos do Departamento Nacional para aquisição de mobiliário e equipamento para o CEP TTH; de incremento na remessa de parte do Pronatec Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, relacionada à Bolsa-formação Da situação financeira atual Considerando os componentes patrimoniais do ativo e do passivo, o Balanço Patrimonial em 31/12/2014 apresenta a seguinte situação financeira: Descrição Ativo Circulante R$ ,83 R$ ,33 Passivo Circulante R$ ,58 R$ ,45 Capital Financ. Liquido R$ ,25 R$ ,88 Variações 0,86 0,80 Fonte: RM Saldus/SEI O capital de giro líquido corresponde à diferença entre o ativo circulante e o passivo circulante: CGL = AC PC, que é a folga financeira a curto prazo, representando para 2014 e 2013, respectivamente, 86% e 80% do passivo circulante, o que lhe dá uma margem de segurança. 3.2 Créditos a curto prazo Grupo destinado ao registro de direitos a receber no prazo de até 12 meses, neste ato representado pelos clientes. Estão registrados, ainda, os valores referentes às provisões de crédito de liquidação duvidosa PCLD, que tem por finalidade ajustar economicamente, no 2

3 balanço ou balancete, o saldo de contas a receber em virtude da probabilidade do não recebimento de alguns créditos da organização perante terceiros (inadimplência). Como critério de constituição da PCLD, foi estabelecida a expectativa de perda em relação aos títulos vencidos há mais de 180 dias conforme Ordem de Serviço Senac-DF nº. 1482/2013A, que revoga a Ordem de Serviço Senac-DF nº. 1449/ Estoques Conta integrante do ativo circulante destinada ao registro das mercadorias adquiridas, produzidas ou em processo de elaboração pela entidade com o objetivo de venda. Em 2014, iniciou-se o processo de implementação do controle de estoque dos produtos dos restaurantes e lanchonetes-escola do Senac-DF, e da livraria. Neste grupo consta, ainda, o Almoxarifado que registra entrada e saída de material de consumo que não sofrem nenhum processo de transformação na entidade para utilização própria no curso normal das atividades. 3.4 Ativo realizável a longo prazo Os ativos devem ser classificados neste grupo quando não estiverem disponíveis para realização imediata; e tiverem a sua expectativa de realização superior a doze meses após a data das demonstrações contábeis. Neste grupo, registra-se, periodicamente, a diminuição do valor dos elementos dos ativos imobilizado e intangível nas contas de: a) depreciação, quando corresponder à perda do valor dos direitos que têm por objeto bens físicos sujeitos a desgastes ou perda de utilidade por uso, ação da natureza ou obsolescência; b) amortização, quando corresponder à perda do valor do capital aplicado na aquisição de direitos da propriedade industrial ou comercial e quaisquer outros com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado. 3

4 Nota 4 Passivos prazo 4.1 Obrigações trabalhistas, previdenciárias e assistenciais a pagar a curto Grupo destinado ao registro de créditos de salário líquido dos empregados, outros créditos que não tenham origens nos salários, as retenções e obrigações trabalhistas tanto quanto à obrigatoriedade patronal, quanto ao retido nos salários, e demais pagamentos a funcionários e prestadores de serviço Pessoa Física e Pessoa Jurídica. Também são registradas as provisões de 13º salário e férias de funcionários, bem como os encargos referentes aos mesmos. Reiteramos que essa sistemática de contabilização foi implantada a partir do exercício de 2012, tendo como princípio o que estabelece a NBC T Fornecedores e contas a pagar a curto prazo Registram-se nesse grupo as obrigações contraídas junto a fornecedores de materiais e mercadorias, bem como as obrigações com prestadores de serviço Pessoa Física e Jurídica e aqueles decorrentes de fornecimento de utilidades, tais como energia elétrica, água, telefone, aluguéis e demais contas a pagar cujo vencimento se dará até o término do exercício seguinte. 4.3 Obrigações fiscais a curto prazo Grupo integrante do passivo circulante destinada ao registro das obrigações da entidade relativas a impostos, taxas e contribuições. Nota 4.4 Provisões a curto prazo As contingências trabalhistas e ações judiciais que exijam o pagamento de autuações fiscais e reclamações indenizatórias constituem objeto de registro desse grupo. Estas são constituídas com base em estimativas pelos prováveis valores de reconhecimento para os passivos. As constituições das provisões são embasadas em parecer jurídico e atualizadas no mínimo uma vez ao ano na data do encerramento do exercício. São condições básicas para a constituição desta provisão: forte indício de que o gasto venha a ocorrer; fato gerador contábil já ter ocorrido e ser mensurável em reais. 4.5 Demais obrigações a curto prazo Integram este grupo os valores restituíveis a terceiros, os créditos resultantes de operações correntes e quotidianas entre Administrações Regionais e a Administração Nacional, os créditos recebidos de convênios, para execução de serviços prestados. Compõe ainda este grupo, Receitas a Executar que registra obrigação da prestação de serviços conforme contrato. Esta conta será reduzida pelas execuções mensais seguindo o princípio da competência, ou seja, baseado na distribuição da Carga Horária dos cursos apurados pelo Sistema Educacional. 4

5 4.6 Provisões a longo prazo Destinada a registros das obrigações de prazo ou de valores incertos, relacionada ao pagamento da cota INSS Patronal. Até 31/12/2014, registra-se o valor de R$ ,33 (vinte e oito milhões, setenta e dois mil, duzentos e cinquenta e três reais e trinta e três centavos) depositado em juízo, oriundo de ação judicial, no processo nº , no qual o Senac DF questiona a legalidade das contribuições previdenciárias patronais, contribuição para o PIS, contribuição social para o salário educação e a contribuição para o INCRA incidentes sobre as folhas de salários. NOTA 5 - Patrimônio líquido 5.1 Superávit ou déficit As contas constantes neste grupo são destinadas ao registro representativo da situação patrimonial líquida da organização, para onde convergem os resultados econômicos positivos e negativos decorrentes das operações do exercício corrente e dos exercícios anteriores (saldo acumulado), a seguir apresenta-se o Resultado Econômico. RESULTADO ECONÔMICO Superávit Acumulado até 31/12/2013 R$ ,87 ( + ) Superávit do Exercício de 2014 R$ ,65 ( - ) Ajustes de Exercícios Anteriores (R$ ,72) ( = ) Patrimônio Líquido Em 31/12/2014 R$ ,80 Em 31/12/2014, o Senac-DF apresentou um superávit de R$ ,65 (três milhões, seiscentos e oitenta e quatro mil, cento e setenta e sete reais e sessenta e cinco centavos). Apresentou também na conta de Ajustes de Exercícios Anteriores, saldo que foi absorvido no resultado. Portanto, atingiu um patrimônio líquido de R$ ,80 (sessenta e três milhões cento e noventa e nove mil quinhentos e oitenta e sete reais e oitenta centavos). NOTA 6 Contas de resultado VPA E VPD As contas de Variação Patrimonial Diminutiva (VPD) e Variação Patrimonial Aumentativa (VPA), de acordo com o MCASP, são utilizadas para os registros que se relacionam com a diminuição ou aumento, respectivamente, do patrimônio líquido. Entretanto existem VPA e VPD que não são Receitas e Despesas Orçamentárias (vide MCASP Manual de Contabilidade Aplicado ao setor público e Lei 4.320/1964). 5

6 Estas contas, ao final do exercício foram zeradas (umas contra as outras) por ocasião da apuração do resultado do exercício, evidenciando assim o superávit ou déficit. A Demonstração das Variações Patrimoniais em 31/12/2014 apresentou um resultado positivo de R$ ,65 (três milhões, seiscentos e oitenta e quatro mil, cento e setenta e sete reais e sessenta e cinco centavos). VARIAÇÕES PATRIMONIAIS Variações Patrimoniais A umentativas R$ ,37 Variações Patrimoniais Diminutivas R$ ( ,72) Res ultado Patrimonia do Período R$ ,65 Fonte: RM Saldus e SEI NOTA 7 Contas de Controle Programa Senac de Gratuidade Grupo destinado ao registro do excesso de execução do comprometimento do Senac na concessão da gratuidade, conforme legislação vigente, representando um direito. A partir de 2014, o comprometimento da quota da Receita Compulsória com o PSG Programa Senac Gratuidade foi de 66,67% totalizando o valor de R$ ,42 (quarenta e dois milhões, trezentos e cinquenta e seis mil, setecentos e vinte e seis reais e quarenta e dois centavos). Embora com saldo remanescente de 2013, foi executado no total previsto no ano de 2014 o valor de R$ ,40 (quarenta e um milhões e setecentos e sessenta e três mil, oitocentos e setenta e três reais e quarenta centavos), ficando déficit de R$ ,02 (quinhentos e noventa e dois mil, oitocentos e cinquenta e três reais e dois centavos) a ser executado em 2015, conforme quadro abaixo. EXECUÇÃO FINANCEIRA PSG Descrição Valor R$ Saldo remanescente ,41 Valor executado em ,99 Subtotal acumulado até ,40 Valor comprometido da receita compulsória ( ,42) Total a executar para 2015 ( ,02) 6

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 2. APRESENTAÇÃO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 2. APRESENTAÇÃO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 1. CONTEXTO OPERACIONAL O, criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46 publicado no Diário Oficial da União em 28/05/1946, com alterações

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 28/02/2012 Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público

Leia mais

ATIVO. ATIVO CIRCULANTE Notas 2013 2012. Caixa 100,26 389,19 Bancos Contas Movimento 170.158,22 72.838,03 Bancos Contas Aplicação 3.947,20 264.

ATIVO. ATIVO CIRCULANTE Notas 2013 2012. Caixa 100,26 389,19 Bancos Contas Movimento 170.158,22 72.838,03 Bancos Contas Aplicação 3.947,20 264. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 31 DE DEZEMBRO DE 2012 ATIVO ATIVO CIRCULANTE Notas 2013 2012 Disponibilidades Caixa 100,26 389,19 Bancos Contas Movimento 170.158,22 72.838,03 Bancos

Leia mais

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 1 ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 LEI Nº 9.979/13 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício Financeiro de 2013. PROJETO DE LEI Nº 307/13

Leia mais

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência

A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência A Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Dimensão Patrimonial e Ambiente da Convergência 1 Professor João Eudes Bezerra Filho ATIVO FINANCEIRO 305.000,00 PASSIVO FINANCEIRO 115.000,00 ATIVO FINANCEIRO

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da

Leia mais

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Por Otoni Gonçalves Guimarães Natal- RN, 18 de junho de 2015 1 DESAFIO Equilíbrio Financeiro e Atuarial Pressuposto Básico Existência de recursos (ativos) suficientes

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ENCERRADAS EM 31/12/2014 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Psicologia 7ª Região CRPRS, criado pela Lei 5.766/71, constitui uma Autarquia Federal

Leia mais

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.115 DE 20 DE ABRIL DE 2015 (publicada no DOU de 21/01/2014, Seção 1, página 1) Estima a receita e fixa a despesa da União

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12 Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento no disposto na

Leia mais

BALANÇO ASSOCIACAO DE PAIS E AMIGOS DO EXCEPCIONAL DE S.J. RIO PRETO - 2009 CNPJ: 59.997.270/0001-61 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2009

BALANÇO ASSOCIACAO DE PAIS E AMIGOS DO EXCEPCIONAL DE S.J. RIO PRETO - 2009 CNPJ: 59.997.270/0001-61 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2009 BALANÇO ASSOCIACAO DE PAIS E AMIGOS DO EXCEPCIONAL DE S.J. RIO PRETO - 2009 CNPJ: 59.997.270/0001-61 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2009 ATIVO CIRCULANTE Disponibilidades C a i x a...3.174,88 Bancos Conta

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 ATIVO 31/12/2010 31/12/2009 PASSIVO 31/12/2010 31/12/2009 CIRCULANTE 2.067.853,08 1.156.034,03 CIRCULANTE 1.444.697,99 375.899,34 DISPONIBILIDADES 1.284.699,22

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

Previdência 2011: Novos Valores do Salário de Contribuição e Salário- Família 2011 03/01/2011

Previdência 2011: Novos Valores do Salário de Contribuição e Salário- Família 2011 03/01/2011 Previdência 2011: Novos Valores do Salário de Contribuição e Salário- Família 2011 03/01/2011 A Portaria Interministerial 568 MPS-MF, de 31-12-2010, publicada no Diário Oficial de 3-1-2011, reajustou em

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EXERCÍCIOS FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2015 E 2014.

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EXERCÍCIOS FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2015 E 2014. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EXERCÍCIOS FINDOS EM 30 DE JUNHO DE 2015 E 2014. NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Goiânia e Regiões Ltda. SICOOB

Leia mais

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE LAGES - SC BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE. Valores expressos em Reais ATIVO

FUNDAÇÃO DAS ESCOLAS UNIDAS DO PLANALTO CATARINENSE LAGES - SC BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE. Valores expressos em Reais ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO CIRCULANTE Notas 6.637.617 7.393.842 Disponibilidades 1.048.777 742.707 Créditos a receber de clientes 4.1 1.832.535 2.646.556 Créditos a receber - outros

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO. Pelo presente instrumento particular,

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO. Pelo presente instrumento particular, PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA LOOK INFORMÁTICA S.A. PELA TOTVS S.A. Pelo presente instrumento particular, (A) TOTVS S.A., sociedade por ações de capital aberto, com sede na Cidade de São

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Embratel Participações S.A.

Embratel Participações S.A. Embratel Participações S.A. Laudo de avaliação de acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis para efeito de cisão Em 30 de setembro de 2014 Índice

Leia mais

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA 1/14 PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA A Unidade de da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS, em função do disposto no Parágrafo 6º do Artigo 15 do Decreto nº. 3.591, de 06/09/2000 redação que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.827. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução entende-se: I - por órgãos e entidades do setor público:

RESOLUÇÃO Nº 2.827. 1º Para efeito do disposto nesta Resolução entende-se: I - por órgãos e entidades do setor público: RESOLUÇÃO Nº 2.827 Consolida e redefine as regras para o contingenciamento do crédito ao setor público. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº. 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

LMPG Auditores e Consultores

LMPG Auditores e Consultores LAUDO DE AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA FINS DE SUPORTAR PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL GALVÃO PARTICIPAÇÕES S.A. Em 29 de maio de 2015 MAIO DE 2015 Rua México, nº 11 13º andar Rio de Janeiro RJ Brasil

Leia mais

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). LEI 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001 Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados,

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO: MÊS DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c = (a-b)

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

NOSSA ABO/DF. Por ocasião da última Assembleia Geral Extraordinária (AGE) acontecida em 02 de Dezembro de 2013 informamos o que se segue.

NOSSA ABO/DF. Por ocasião da última Assembleia Geral Extraordinária (AGE) acontecida em 02 de Dezembro de 2013 informamos o que se segue. NOSSA ABO/DF Por ocasião da última Assembleia Geral Extraordinária (AGE) acontecida em 02 de Dezembro de 2013 informamos o que se segue. Assumimos nossa primeira gestão em 01 de abril de 2010, e em reuniões

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/13 de 7 de Março O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.482, DE 31 DE MAIO DE 2007. Mensagem de veto Conversão da Mpv nº 340, de 2006 Efetua alterações na tabela do imposto de renda

Leia mais

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron

CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL 24/8/2012. Renato Tognere Ferron BALANÇO PATRIMONIAL Renato Tognere Ferron CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido da Entidade.

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

CNPJ: 30.276.570/0001-70. BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCíCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (EXPRESSO EM REAIS) ATIVO 3.2 3.

CNPJ: 30.276.570/0001-70. BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCíCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (EXPRESSO EM REAIS) ATIVO 3.2 3. CNPJ: 30.276.570/0001-70 BALANÇO PATRIMONIAL PARA OS EXERCíCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (EXPRESSO EM REAIS) ATIVO CIRCULANTE 2014 2013 DíSPONIVEL 1.399.149,86 934.204,07 CAIXA 3.1 1.501,05

Leia mais

CNPJ: 33.856.964/0001-95

CNPJ: 33.856.964/0001-95 Rio de Janeiro, 28 de fevereiro de 2014. DT-P 14-015 CONTÉM: RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO 001 Previsão orçamentária inicial da receita Estado de Santa Catarina 1 5.2.1.1.1.00.00 Previsão inicial da receita bruta 1 6.2.1.1.0.00.00 Receita a realizar 002 Previsão adicional da receita 1 5.2.1.2.1.XX.XX

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

BSPN. Balanço do Setor Público Nacional

BSPN. Balanço do Setor Público Nacional Contexto Geral BSPN Balanço do Setor Público Nacional 2010 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO DO SETOR PÚBLICO NACIONAL Exercício de 2010 Brasília 2011 Permitida a reprodução

Leia mais

SUMÁRIO. Anexo C - Despesas com cartão de crédito corporativo (conforme item I-1.8 do Anexo X da DN- TCU-85/2007... 9

SUMÁRIO. Anexo C - Despesas com cartão de crédito corporativo (conforme item I-1.8 do Anexo X da DN- TCU-85/2007... 9 SUMÁRIO 1. Identificação... 1 2. Responsabilidades institucionais... 2 2.1 PAPEL DA UNIDADE NA EXECUÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS... 2 3. Estratégia de atuação... 2 4. Gestão de programas e ações... 2 4.1

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS NO ESTADO DE GOIÁS - SECOM

SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO VAREJISTA DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS NO ESTADO DE GOIÁS - SECOM MINUTA DE REIVINDICAÇÃO SALARIAL APROVADA NA ASSEMBLEIA GERAL DA CATEGORIA PARA VIGORAR NO ANO 2013/2014, DATA BAS - 2013, OCORRIDA EM 15.03.2013. TERMO REIVINDICATÓRIO DE REAJUSTES E MELHORIAS SALARIAIS

Leia mais

ANEND AUDITORES INDEPENDENTES S/C

ANEND AUDITORES INDEPENDENTES S/C A DD. DIRETORIA DO SOLIDÁRIA - CRESOL BASER Rua Nossa Senhora da Glória, 52ª - Cango Francisco Beltão - PR CNPJ: 01.401.771/0001-53 Balanço Patrimonial e Demonstração de Sobras ou Perdas consolidadas do

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

Centro Infantil de Investigações Hematológicas Dr. Domingos A. Boldrini

Centro Infantil de Investigações Hematológicas Dr. Domingos A. Boldrini Centro Infantil de Investigações Hematológicas Dr. Domingos A. Boldrini Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL

INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL INSTITUTO RIO - PONTE PARA O INVESTIMENTO SOCIAL DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 E RELATÓRIO DE REVISÃO DOS AUDITORES INDEPENDENTES INSTITUTO RIO

Leia mais

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104:

Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Tomando como base apenas os dados acima fornecidos, responder as questões 102 a 104: Dados da Cia. Comercial Santarém: 1 Balanço Patrimonial de 19x8 e 19x9 19x8 19x9 Disponibilidades 2.000 4.000 Estoques

Leia mais

Encargos Financeiros 2016. Program a de Pó s - Gr adu ação La to Se ns u da FGV DIREIT O SP ( GV law)

Encargos Financeiros 2016. Program a de Pó s - Gr adu ação La to Se ns u da FGV DIREIT O SP ( GV law) Encargos Financeiros 2016 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) Valores dos cursos de 32 horas (para ingressantes no 1º semestre de 2016): R$ 3.045,00 (três mil e quarenta e cinco

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO A Assessoria de Controle Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre ASCOI, em cumprimento às determinações legais, apresenta o Relatório de Análise da Gestão Orçamentária,

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE GOIÁS PERÍODO:

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE GOIÁS PERÍODO: CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE GOIÁS PERÍODO: JAN/2014 a DEZ/2014 RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO 2014 Introdução Este Relatório de Gestão tem a finalidade de apresentar com toda a transparência e clareza

Leia mais

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014

Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas em 31 de dezembro de 2014 Serviço Funerário Bom Pastor Ltda ME Demonstrações contábeis findas Demonstrações financeiras em IFRS e baseadas nos Pronunciamentos Técnicos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC em

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Sociedade tem como objetivo principal a prestação de serviços de segurança e vigilância de estabelecimentos industriais, comerciais, bancários e residenciais, tecnologia de segurança,

Leia mais

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil)

CNPJ 47.902.648/0001-17. CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 1.829 Fornecedores 58.422 Contas a Receber 238.880

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

Fundação Iochpe Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2.012 e de 2.011 Cifras apresentadas em reais

Fundação Iochpe Notas explicativas da administração às demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2.012 e de 2.011 Cifras apresentadas em reais 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Iochpe foi instituída pela Companhia Iochpe e atualmente a sociedade mantenedora é a Iochpe-Maxion S/A e suas subsidiárias. A Fundação tem por finalidade cumprir a função

Leia mais

BALANCETE ORÇAMENTÁRIO AGOSTO/2012 SALDO ATUALIZADA REALIZADAS DOTAÇÃO. (a) (b) (c )=(a-b) (d) ( e ) (f) (g) (h)=(d-e)

BALANCETE ORÇAMENTÁRIO AGOSTO/2012 SALDO ATUALIZADA REALIZADAS DOTAÇÃO. (a) (b) (c )=(a-b) (d) ( e ) (f) (g) (h)=(d-e) RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL BALANCETE ORÇAMENTÁRIO AGOSTO/2012 Diretoria da Área Orçamentária e Financeira SALDO PREVISÃO RECEITAS DOTAÇÃO DESPESAS DESPESAS DESPESAS SALDO ATUALIZADA REALIZADAS

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DE FINANÇAS FERMOJU Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 1. Departamento de Gerência Executiva

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - REGRAS APLICÁVEIS PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 26/12/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALCANCE DA ITG 1000 3

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

Submetemos a apreciação de V.Sªs., as Demonstrações Contábeis do exercício findo em 31.12.2015 e suas Notas Explicativas DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Submetemos a apreciação de V.Sªs., as Demonstrações Contábeis do exercício findo em 31.12.2015 e suas Notas Explicativas DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO ADVENTISTA ESTE BRASILEIRA DE PREVENÇÃO E ASSISTÊNCIA À SAÚDE CNPJ 73.696.718/0001-38 - Entidade Filantrópica Inscrita no CNAS e de Utilidade Pública MJ-15893/94-07 de 29/Abril/1996 Submetemos

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

2.1 Apresentação e elaboração das Demonstrações Contábeis

2.1 Apresentação e elaboração das Demonstrações Contábeis NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO 1. Contexto Operacional O Conselho Regional de Contabilidade de Mato Grosso, criado pelo Decreto-Lei nº 9.295, publicado no Diário Oficial

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte.

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte. Subsistemas Orçamentário Patrimonial Custos Compensação registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao planejamento e à execução orçamentária; registra, processa e evidencia os fatos

Leia mais

Aos Conselheiros e Diretores do CENTRO DE APOIO AOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS DO PIAUÍ CEAPE/PI Teresina - PI. 1.1) Balanço Patrimonial: Pag.

Aos Conselheiros e Diretores do CENTRO DE APOIO AOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS DO PIAUÍ CEAPE/PI Teresina - PI. 1.1) Balanço Patrimonial: Pag. Aos Conselheiros e Diretores do CENTRO DE APOIO AOS PEQUENOS EMPREENDIMENTOS DO PIAUÍ CEAPE/PI Teresina - PI 1.1) Balanço Patrimonial: Pag. 1 P 1 Continuação... Pag. 2 P 2 1.2) Demonstração do Resultado

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 (Em Reais) ATIVO 31/12/08

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SANTO AMARO

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SANTO AMARO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SANTO AMARO CNPJ/MF: 57.038.952/0001-11 Demonstrações financeiras consolidadas correspondentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Conteúdo: Páginas: Relatório

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura 1 de 8 16/09/2009 18:31 Boletim Governet de Orçamento e Finanças Artigos e Pareceres» Artigos Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura MAURÍCIO CORRÊA DA SILVA

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências.

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES

ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES ADITAMENTO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARTES ACORDANTES São partes signatárias do presente Termo Aditivo ao Acordo Coletivo de Trabalho, a Empresa INFRAMÉRICA - CONCESSIONÁRIA DO AEROPORTO DE BRASILIA

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Ativo Circulante 1.149.479.180,77 989.839.743,43 Passivo Circulante 317.274.300,38 283.051.918,44 Caixa e Equiv. Caixa Moeda Nacional 800.954.874,69 676.326.925,34 Obrig.

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS LEVANTADAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A COMIGO, com base na colaboração recíproca a que se obrigam seus associados, objetiva

Leia mais

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO CETESB - COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios Findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 (valores em milhares de reais) 01 Contexto Operacional

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Depreciação / Amortização / Exaustão Luiz Eduardo Santos Depreciação / Amortização / Exaustão Roteiro Geral Depreciação Conceito Definições necessárias ao cálculo da depreciação

Leia mais

LMPG Auditores e Consultores

LMPG Auditores e Consultores LAUDO DE AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA FINS DE SUPORTAR PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL GALVÃO ENGENHARIA S.A. Em 29 de maio de 2015 MAIO DE 2015 Rua México, nº 11 13º andar Rio de Janeiro RJ Brasil

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais