Powerlogic Agosto / 2011.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Powerlogic Agosto / 2011."

Transcrição

1 Formação de Profissionais para Desenvolvimento Java EE/Web 2.0 Orientações para capacitação de mão de obra especializada para atividades de Especificação, Arquitetura e Implementação de Aplicações Java EE para Web 2.0, com reuso Open Source integrado pelo jcompany/jaguar Powerlogic Agosto / 2011.

2 Formação de Profissionais para Desenvolvimento Java EE/Web 2.0 Orientações para capacitação de mão de obra especializada para atividades de Especificação, Arquitetura e Implementação de Aplicações Java EE para Web 2.0, com reuso Open Source integrado pelo jcompany/jaguar Qualificação como Chave do Sucesso A boa qualificação profissional é, indubitavelmente, um dos principais fatores de sucesso em projetos de desenvolvimento de aplicações corporativas. Processos e ferramentas adequados, prazos factíveis e recursos materiais disponíveis são outros fatores, mas que pouco contribuem quando operados por profissionais despreparados. Vivemos no entanto em uma era onde a formação de tecnólogos se torna mais e mais complexa a cada dia. Há exigência cada vez maior de se construir aplicações de alta sofisticação não somente em termos de regras de negócio ou problemas funcionais, mas também em aspectos não funcionais tais como integração interna e externa à organização, alta performance e disponibilidade, flexibilidade extremas (ex.: portabilidade em todos os navegadores Web, Tablets, SmartPhones, etc.), segurança, usabilidade próxima da intuitividade, escalabilidade, dentre outras. Estas demandas não funcionais cresceram de tal forma nos últimos dez anos que, para fazer frente aos desafios de sistemas de informação almejados pelas empresas, plataformas tecnológicas orientadas a objetos como o Java EE dependem fortemente de alto índice de reutilização de componentes e arquiteturas semi-completas, implementadas por frameworks. Com a disponibilidade atual do software aberto e livre (Open Source), as soluções existem e emergem quase na mesma velocidade que os problemas. O desafio atual de um Arquiteto de Software se tornou, portanto, integrar e manter quase uma centena de componentes e frameworks em uma arquitetura que pré-equacione grande parte destes problemas não funcionais e que ao final possibilite aos demais profissionais de tecnologia a se dedicarem na maior parte do tempo aos desafios funcionais do negócio, trabalhando de modo mais padronizado e eficaz. Papéis Envolvidos Embora um processo de desenvolvimento possa estabelecer dezenas de papéis com nomes distintos dos que aqui utilizamos, para o propósito deste estudo podemos agrupar uma equipe essencial de desenvolvimento de aplicações em 4 grupos: 1. Papéis voltados para entender o negócio e expressá-lo na forma de especificações implementáveis: nomeados como Analistas de Sistemas, de Requisito, de Negócio, Projetistas, Product Owner, etc.. 2. Papéis voltados para implementar soluções funcionais: Desenvolvedores, Programadores, Scrum Team, etc.. 1

3 3. Papéis voltados para apoiar no Controle de Qualidade dos trabalhos: Testadores, Ger. De Configuração, etc.. 4. E finalmente papéis voltados para implementar soluções não funcionais subjacentes: Arquiteto, Líder Técnico, etc.. Cada um destes grupos precisa ser capacitado na arquitetura de software disponível na organização, com ênfases distintas, discutidas nos próximos tópicos. Perfis Profissionais Relacionados ao jcompany/jaguar O Jaguar (ou jcompany 6) é um framework de integração que traz uma arquitetura de base pronta para reuso (em mais alto nível) e que integra mais de 70 componentes, frameworks, ferramentas e aplicativos Open Source, desde de bibliotecas Javascript/Ajax como jquery, jquery UI, jquery Theme Roller e plugins neste nível, até frameworks MVC como JSF 2.0 (Facelets, Trinidad), JPA 2.0 (Hibernate), IoC/DI com CDI (jboss Weld) e ainda ferramental IDE como Eclipse, Maven, SGBD-Rs de desenvolvimento (Derby) e App Servers como jboss e Tomcat. Programadores Assim definido, é fácil entender a relação do jcompany/jaguar com os profissionais de codificação (Desenvolvedores, Programadores). De fato, uma arquitetura de software rica, concreta (implementada), atua diretamente no aumento de produtividade destes profissionais, respeitada a qualidade necessária. Menos óbvia, mas não menos importante, é a relação do jcompany/jaguar com Arquitetos de Software e Analistas de Requisito. Arquitetos e Líder Técnico Quando definimos que a arquitetura de base pronta para reuso no jcompany/jaguar pré-equaciona grande parte destes problemas, em nenhum instante podemos inferir que ela elimina a necessidade de um Arquiteto de Software! Na prática, o perfil do Arquiteto de Software é um chave dentro de um processo típico - não somente para customizar a arquitetura de base através de mecanismos criados no jcompany/jaguar para isso, conhecidos como Camada Bridge e Jaguar Extensions, como também para servir de consultor interno aos profissionais desenvolvimento. Em suma: o Arquiteto de Software é o dono da arquitetura reutilizada e customizada do jcompany/jaguar, e deve ser formado na taxa mínima de 1 (um) arquiteto para cada 10 (dez) profissionais de desenvolvimento funcional. Outro perfil importante é o de líder técnico, capaz de atuar dentro da equipe como um especialista diferenciado na arquitetura, o que também exige uma formação mais especializada. Para se formar profissionais como o Arquiteto de Software e o Líder Técnico, há que se utilizar trabalhos de mentoria especialmente concebidos para dotar estes profissionais de fluência e exata compreensão dos mecanismos internos do jcompany/jaguar, algo que não se alcança somente com os treinamentos formais. 2

4 Analistas de Requisitos A relação do jcompany/jaguar com os Analistas de Requisitos, Projetistas ou Especificadores, precisa também ser bem compreendida. Além de pré-equacionar problemas não funcionais em uma arquitetura de base, o jcompany/jaguar também define padrões completos de solução para demandas típicas de sistemas corporativos, tais como manutenções complexas (CRUD), mecanismos de serviços (Web-Services), relatórios, etc., inclusive com padrões refinados para interfaces Web 2.0, definindo navegação, barra de botões, mensagens, etc. tudo isso formando insumos que apóiam fortemente estes profissionais, no que chamamos de especificação para o reuso. Especificações que ignoram os padrões existentes e pré-equacionados na arquitetura da organização geram retrabalho em adequações no momento da implementação em taxa impressionante, sem ganhos para a organização. Há que se ressaltar que nem todos os problemas serão cobertos pelos padrões arquiteturais, porém os Analistas devem especificar por reúso e por exceção. Ou seja, reusando sempre que possível e especificando de modo mais prolixo/artesanal naqueles casos de uso que fujam aos padrões. Analistas de Teste Os Testadores também se beneficiam do conhecimento da arquitetura sobre a qual os sistemas são desenvolvidos, pois deste modo podem selecionar melhor os cenários a serem testados (por exemplo, evitar testar itens que reaparecem em vários formulários mas são equacionados genericamente, portanto com baixa probabilidade de falha). A formação dos Analistas de Teste, porém, deve ser similar ao dos Analistas de Requisito, no extremo oposto da formação do Arquiteto de Software, mais aprofundada. Coordenadores, Gerentes, Diretores & CIO Além dos perfis técnicos mais diretamente associados à operação de desenvolvimento, a Powerlogic possui um treinamento especificamente adequado também a perfis gerenciais: Fundamentos de Arquitetura de Software Aplicada Java EE Web 2.0. Este treinamento nivela fundamentos de uma Arquitetura de Software Orientada a Objetos atual, explicando didática e brevemente questões técnicas de impacto mais relevante nos projetos de software Java EE Web 2.0. Devido à alta velocidade de atualização tecnológica ocorrida na última década, é um treinamento que, através de insights práticos, permeia conhecimentos chaves para o time de gerenciamento, valiosos para medição de riscos e oportunidades. 3

5 Carteira de Treinamentos e Mentoria Oficiais da Powerlogic Com base em sua experiência de mais de 12 anos em projetos Java, Web e Java EE Open Source, e mais de 7 anos em repasses de conhecimento em jcompany, a Powerlogic disponibiliza uma carteira oficial de treinamento e mentoria oficiais que segue o esquema a seguir: Obs.1: O esquema diz respeito ao Jaguar ou jcompany 6.0 Ramo CDI, que possuem equivalência. A estrutura é diferente para versões anteriores do jcompany. Obs.2: Os treinamentos PLC02 e PLC03 são apresentados com um nível de detalhamento de seu conteúdo e são entitulados, respecticamente: PLC02 Introdução ao Desenvolvimento Java EE Web 2.0 para Jaguar e PLC03 Introdução ao Desenvolvimento Open Source para Jaguar. 4

6 É importante notar que todos os treinamentos da Powerlogic são contextualizados para sua arquitetura, ou seja, mesmo os treinamentos de introdução e fundamentos já pressupõem a arquitetura final e se concentram em aspectos de cada tecnologia mais enfatizados nesta arquitetura. Exs.: o curso de Java EE não irá se estender em Servlets ou JDBC, uma vez que a arquitetura utiliza JSF e JPA, que são camadas de mais alto nível; o curso de Facelets e JPA já utilizará o ambiente do Jaguar e práticas recomendadas neste contexto; e assim por diante. Conclusão: Estabelecendo um Processo e Equipe de Sucesso Uma Arquitetura de Software bem definida, gerenciada e compreendida por todos é um ativo de extremo valor para qualquer grande organização que pretenda dominar a complexidade da TI nesta década mas qualquer projeto de sucesso ainda dependerá de pelo menos mais dois pilares igualmente importantes: um Processo Adequado e uma Equipe Capacitada. A Arquitetura de Base oferecida pelo Jaguar catalisa de forma significativa o tempo necessário para se equacionar uma das pontas deste tripé. Mas tão importante quanto reutilizar este ferramental é não subestimar a formação necessária de todos os papéis envolvidos, nem a necessidade de amarrar tudo isso em um processo que balanceie disciplina e agilidade, com níveis de formalismo adequado. Para permitir às organizações tirar o máximo de proveito de uma Arquitetura de Software OO a carteira de treinamento e mentoria da Powerlogic enfoca: Prover o mínimo essencial de conhecimento técnico para o corpo gerencial através de insights práticos, de modo a conhecerem riscos e ficarem sensíveis às oportunidades advindas da tecnologia e arquitetura sobre as quais seus projetos irão rodar; Dotar os analistas de requisito e negócio do conhecimento suficiente para especificarem para o reuso (em alto nível) ; bem como Analistas de Teste para testarem com foco no que é específico, e não arquitetural; E por fim, capacitar os desenvolvedores em obter o máximo de resultado com o mínimo de código, evitando o uso indiscriminado de criatividade artesanal, que deve ser aplicada de modo consciente, onde e apenas quando necessário. Para mais informações contate a Powerlogic através de ou via telefone (55) ou via comunidades ou 5

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Secretaria Geral de Informática Sin Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Versão 2.1 O(s) critério(s) de escolha pelas tecnologias para desenvolvimento

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA

INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA INTERLIMS SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISES DE ÁGUA O InterLIMS se apresenta

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Grails: o que isso quer dizer? Gilliard Cordeiro http://gilliard.eti.br

Grails: o que isso quer dizer? Gilliard Cordeiro http://gilliard.eti.br Grails: o que isso quer dizer? Gilliard Cordeiro http://gilliard.eti.br Sobre mim Formado em análise de sistemas pela UFMS Trabalho há 5 anos com desenvolvimento Web Minha principal área de atuação é P&D

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA 1. Número e Título do Projeto: OEI BRA09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB Marcelo Rodrigo da Silva Ribeiro 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil marcelo.rodrigo@live.com,

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Processo Ágil Certificado MPS.BR Nível C

Processo Ágil Certificado MPS.BR Nível C Processo Ágil Certificado MPS.BR Nível C A experiência da Powerlogic Paulo Alvim (alvim@powerlogic.com.br) Roteiro 2:00 Sobre a Powerlogic 1:00 Por que Agile? 1:00 Por que MPS.BR? 5:00 Principais Desafios

Leia mais

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile

Apresentação da Empresa. CAPO Software. your team more agile Apresentação da Empresa CAPO Software QUEM SOMOS A CAPO SOFTWARE é provedora de serviços diversificados de TI com vasta experiência em desenvolvimento de sistemas e processo de configuração que compreende

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

WebApps em Java com uso de Frameworks

WebApps em Java com uso de Frameworks WebApps em Java com uso de Frameworks Fred Lopes Índice O que são frameworks? Arquitetura em camadas Arquitetura de sistemas WEB (WebApps) Listagem resumida de frameworks Java Hibernate O que são frameworks?

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS As qualificações técnicas exigidas para os profissionais que executarão os serviços contratados deverão ser comprovados por meio dos diplomas, certificados, registros

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço

Web-Services com JAX-WS. Capítulo. Introdução aos Web-Services via JAX-WS. - Um breve histórico sobre Web-Services. - SOAP x REST. Provendo um Serviço A1Provendo e Consumindo Web-Services com JAX-WS Capítulo 22 Introdução aos Web-Services via JAX-WS - Um breve histórico sobre Web-Services Os Web-Services são uma tecnologia popular para apoiar iniciativas

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

Guia Projectlab para Métodos Agéis

Guia Projectlab para Métodos Agéis Guia Projectlab para Métodos Agéis GUIA PROJECTLAB PARA MÉTODOS ÁGEIS 2 Índice Introdução O que são métodos ágeis Breve histórico sobre métodos ágeis 03 04 04 Tipos de projetos que se beneficiam com métodos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM MARÇO / 2015 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural)

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural) Universidade Federal de Campina Grande Pb Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto em Computação I 2111185 Professora: Francilene Procópio Garcia, P.Sc Alunos: Arnaldo de Sena Santos;

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Guilherme Augusto de Assis

Guilherme Augusto de Assis Guilherme Augusto de Assis Analista de Sistemas Pleno da empresa CPqD guiassys@gmail.com Resumo Possui graduação em Sistemas de Informação pela Faculdade de Administração e Ciências Contábeis de Hortolândia

Leia mais

Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI

Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI Rogerio Jovaneli, de INFO Online Segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011-15h51 SÃO PAULO - A Cast, fornecedora de soluções e serviços em TI, revela dispor de 1,5

Leia mais

Área de Desenvolvimento de Novos Projetos

Área de Desenvolvimento de Novos Projetos DGA INFORMÁTICA Aplicação de Práticas Ágeis no Desenvolvimento do Sistema de Controle de Estoque da Unicamp Área de Desenvolvimento de Novos Projetos Flavia Facciolla Maia Gerente da Área de Novos Projetos

Leia mais

Portfólio Operacional

Portfólio Operacional Portfólio Operacional www.3layer.com.br 3layer@3layer.com.br Porto Alegre, RS Brasil 2014 Sumário PARTE 1 Introdução Histórico Premissas Foco PARTE 2 Estrutura de Operações Parceiros Serviços Produtos

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS Elaborado por: Bruno Duarte Nogueira Arquiteto de Software Data: 05/03/2012 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tecnologias... 3 2.1. Web Tier... 3 2.1.1. Facelets 1.1.14...

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Analista de Negócio Pleno

Analista de Negócio Pleno Analista de Negócio Pleno Formação: Nível Superior na área de informática ou áreas afins. Desejável Pós Graduação em Gestão de Projetos, Tecnologia de Informação ou Negócios. Atividades: Realizar atividades

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

Documento de Projeto de Software

Documento de Projeto de Software Documento de Projeto de Software Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 1.0 Responsável: Ricardo de Almeida Falbo 1. Introdução Este documento apresenta o documento de projeto (design) do sistema de

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Definições: quando usar cada um?

Definições: quando usar cada um? Framework ou CMS? Definições: quando usar cada um? Framework: Uma arquitetura desenvolvida com o objetivo de atingir a máxima reutilização, representada como um conjunto de classes abstratas e concretas,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Varejo Digital Automação Comercial para Cupom Fiscal Eletrônico

Varejo Digital Automação Comercial para Cupom Fiscal Eletrônico TechnoCorp White Paper Março 2012 Varejo Digital Automação Comercial para Cupom Fiscal Eletrônico Resumo Executivo O Varejo Digital é uma solução de automação comercial focada no uso do Cupom Fiscal Eletrônico,

Leia mais

Curso - Padrões de Projeto Módulo 5: Model-View- Controller

Curso - Padrões de Projeto Módulo 5: Model-View- Controller Curso - Padrões de Projeto Módulo 5: Model-View- Controller Vítor E. Silva Souza vitorsouza@gmail.com http://www.javablogs.com.br/page/engenho http://esjug.dev.java.net Sobre o Instrutor Formação: Java:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

De fato, o caminho mais eficiente para se construir uma solução é não construí-la, reutilizando uma existente.

De fato, o caminho mais eficiente para se construir uma solução é não construí-la, reutilizando uma existente. 6Instalando o jcompany Capítulo 2 Gerência de Configuração em Java EE Open Source - Reúso x Geração de Código A maioria dos arquitetos e desenvolvedores de software atualmente busca saltos de produtividade

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR PADRÕES MVC E DAO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR PADRÕES MVC E DAO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB PADRÕES MVC E DAO Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o conceito de Padrões de Projeto Compreender o Padrão MVC Conhecer o princípio de alguns dos

Leia mais

Java Web/UI. Maven3 Redmine CVS. Áreas de conhecimento: Web o Aplicativos Web o Portal de conteúdo o REST Services Web Site Performance

Java Web/UI. Maven3 Redmine CVS. Áreas de conhecimento: Web o Aplicativos Web o Portal de conteúdo o REST Services Web Site Performance Java Web/UI Atribuições do cargo: Desenvolvimento de um Portal/Aplicativo Web de conteúdo público utilizando HTML5+CSS3+JS de design responsivo usando a Web API do portal de transparência como provedora

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Agenda 1. Arquitetura de Software 1.1.Introdução 1.2.Vantagens da Arquitetura de Software

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Experiência em missão crítica de missão crítica

Experiência em missão crítica de missão crítica 2 / 17 Experiência em missão crítica de missão crítica Pioneira no ensino de Linux à distância Parceira de treinamento IBM Primeira com LPI no Brasil + de 30.000 alunos satisfeitos Reconhecimento internacional

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Aplicação de Técnicas e Ferramentas em Projetos de Desenvolvimento Ágil

Aplicação de Técnicas e Ferramentas em Projetos de Desenvolvimento Ágil Aplicação de Técnicas e Ferramentas em Projetos de Desenvolvimento Ágil DGA - Área de Desenvolvimento de Novos Projetos Flavia Facciolla Maia Gerente da Área de Novos Projetos Arthur Vieira de Lima Gomes

Leia mais

Anexo I Formulário para Proposta

Anexo I Formulário para Proposta PLATAFORMA CGI.br Solicitação de Propostas SP Anexo I Formulário para Proposta Data: 05/07/2013 Versão: 1.1 Plataforma CGI.br Solicitação de Propostas - SP Anexo I Formulário para Proposta 1. Estrutura

Leia mais

Professor Antonio Benedito Coimbra Sampaio Jr

Professor Antonio Benedito Coimbra Sampaio Jr Professor Antonio Benedito Coimbra Sampaio Jr 1 Apresentação do Curso Java 8 para Web 2 Por que você quer fazer este curso? Eu sou aluno da área de computação e preciso aprender (bem) Java para poder concluir

Leia mais

Proposta. ITIL V3 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ITIL V3 2011 - Fundamentos

Proposta. ITIL V3 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ITIL V3 2011 - Fundamentos ITIL V3 2011 Fundamentos Apresentação Executiva 1 O treinamento de ITIL V3 Foundations, tem como premissa capacitar o aluno a entender a aplicação da metodologia do ITIL e contato com as suas principais

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Fatos e Mitos do Java EE Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br O Que É o Java EE? É um padrão de bibliotecas e componentes (APIs) para a criação de aplicações corporativas Também é um padrão

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Partner Network. www.scriptcase.com.br

Partner Network. www.scriptcase.com.br www.scriptcase.com.br A Rede de Parceiros ScriptCase é uma comunidade que fortalece os nossos representantes em âmbito nacional, possibilitando o acesso a recursos e competências necessários à efetivação

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é um Centro de Excelência em Qualidade de Software. Nossa missão é desenvolver, aperfeiçoar e realizar serviços de testes de software inovadores que agregam valor

Leia mais

FERRAMENTA WEB DE SUPORTE A AVALIAÇÃO DE SOFTWARE COM A METODOLOGIA CERTICS

FERRAMENTA WEB DE SUPORTE A AVALIAÇÃO DE SOFTWARE COM A METODOLOGIA CERTICS FERRAMENTA WEB DE SUPORTE A AVALIAÇÃO DE SOFTWARE COM A METODOLOGIA CERTICS Acadêmico: Vinícius Ferneda de Lima vinicius.ferneda@gmail.com Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl everaldo.grahl@gmail.com

Leia mais

AUDITORIA ELETRÔNICA DE ORGÃOS PÚBLICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

AUDITORIA ELETRÔNICA DE ORGÃOS PÚBLICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO AUDITORIA ELETRÔNICA DE ORGÃOS PÚBLICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO Departamento de Tecnologia da Informação - DTI 02/08/2010 Slide nº 1 Objetivo do Sistema O projeto Auditoria Eletrônica de Órgãos Públicos

Leia mais

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC-008/2008 1 ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO 1. INFORMAÇÕES GERAIS E CARACTERÍSTICA DO ATUAL AMBIENTE CORPORATIVO

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Oportunidades em SP. Experiência no mercado financeiro / instituições bancárias / produtos de tesouraria.

Oportunidades em SP. Experiência no mercado financeiro / instituições bancárias / produtos de tesouraria. Oportunidades em SP Analista Funcional Júnior CÓDIGO: Funcional Jr. Local: Itaim Bibi/SP Experiência no mercado financeiro / instituições bancárias / produtos de tesouraria. Experiência com documentação

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

INFORMAÇÕES ADICIONAIS APRENDA SOBRE GOVERNANÇA DE TI Programa de Qualificação COBIT 5 Presencial ou EAD O COBIT 5 define as necessidades das partes interessadas da empresa como ponto de partida das atividades de governança

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos. Apresentação Executiva Treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos Apresentação Executiva 1 O treinamento Scrum Master Gerenciamento Ágil de Projetos tem como premissa preparar profissionais para darem início às

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

Um relato dos desafios encontrados e dos benefícios conseguidos com a implantação das práticas propostas pelo nível F do modelo de referência de

Um relato dos desafios encontrados e dos benefícios conseguidos com a implantação das práticas propostas pelo nível F do modelo de referência de Um relato dos desafios encontrados e dos benefícios conseguidos com a implantação das práticas propostas pelo nível F do modelo de referência de processo MPS.BR OUTUBRO 2009 FELÍCIO NASSIF / GUSTAVO NASCIMENTO

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DE ALAGOAS COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS DA UNITECH 1) No item 5.2 dos critérios de qualidade, entendemos que não será aceita declaração, desacompanhada do certificado de qualidade. É correto o nosso entendimento?

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS JSF E PRIMEFACES NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB

UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS JSF E PRIMEFACES NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS JSF E PRIMEFACES NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB Adriano Schulter Moenster 1, Tiago Piperno Bonetti 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil adrmoenster@gmail.com,

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD

Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Diretrizes Complementares para Aplicação da Análise de Pontos de Função no PAD Ricardo Gaspar (21) 2172-8078 ricardo.gaspar@bndes.gov.br 10 de Junho de 2013 Agenda Contextualização Diretrizes de Contagem

Leia mais

TOR/FNDE/DIRTE/CGDES Nº 048/2013

TOR/FNDE/DIRTE/CGDES Nº 048/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

LASAP. Visão Geral. LASAP Institucional

LASAP. Visão Geral. LASAP Institucional LASAP Visão Geral A LASAP A LASAP é formada por profissionais com ampla experiência no mercado SAP. Sua essência está baseada nos princípios da: Qualidade e Pontualidade na entrega dos projetos Inovação

Leia mais

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma:

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma: 1 Introdução A utilização de frameworks como base para a construção de aplicativos tem sido adotada pelos desenvolvedores com três objetivos básicos. Primeiramente para adotar um padrão de projeto que

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_3: OpenShift Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br OpenShift Solução livre de PaaS da RedHat Aquisição da Makara em 2010 Principais concorrentes:

Leia mais