Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro"

Transcrição

1 Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro (versão de 27/07/09, sujeita a alterações) apoio: São Gabriel da Cachoeira (AM), agosto de 2009

2 2 Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA

3 Bacia do Rio Negro A bacia do rio Negro que ocupa uma área total de cerca de 70 milhões de hectares (incluindo o rio Branco) é a maior bacia de águas pretas do mundo. Compartilhada por quatro países (Brasil, Colômbia, Venezuela e Guiana), concentra os maiores índices pluviométricos da Amazônia e provê importantes serviços ambientais para a região e para o país. Nos cenários futuros da Amazônia sob os efeitos das mudanças climáticas, a região do rio Negro aparece como uma das mais preservadas. Situada majoritariamente em território brasileiro, no noroeste do estado do Amazonas, estende suas cabeceiras na Colômbia, Venezuela e Guiana. Apresenta grande diversidade socioambiental. Essa região é formada por um mosaico de terras indígenas e unidades de conservação, incluindo algumas das mais extensas do país. Uma visão de conjunto transfronteiriça indica que a bacia do Rio Negro concentra o maior mosaico de terras indígenas e áreas protegidas da Amazônia. As atividades desenvolvidas em parceria entre FOIRN, ISA, comunidades e associações indígenas nos rios da bacia do rio Negro passam pela conversa, convívio, troca de conhecimentos, aprendizado linguístico, pesquisa e trabalho conjuntos com as comunidades, incluindo jovens, adultos e velhos, ambos os gêneros, aprendizes e conhecedores, lideranças e todos os moradores interessados. Essa proposta de um programa de formação superior surge no contexto de ordenamento territorial da bacia do rio Negro e depois de quase vinte anos formulando e implementando programas e projetos a partir da diversidade socioambiental da região. Educação Indígena no Alto Rio Negro 1999 até hoje Objetivo geral: Reestruturação do sistema da educação escolar indígena, através da valorização das línguas e culturas dos povos da região, relacionando-as com os conhecimentos científicos e acadêmicos ocidentais, e tendo em vista a profissionalização em áreas do conhecimento que contribuam para o desenvolvimento regional indígena sustentável. Antecedentes: 1996 Grande encontro da COPIAR na cidade de São Gabriel da Cachoeira; 1997 I Conferência Municipal de Educação Escolar Indígena Programa Construindo a Educação Escolar Indígena na região do Alto Rio Negro (parceria Prefeitura, FOIRN e ISA); 1999 Projeto de Educação Indígena no Alto Rio Negro com apoio da Rainforest da Noruega (estudantes noruegueses de Ensino Médio); O projeto teve início com algumas comunidades que estavam insatisfeitas com suas escolas e que queriam continuidade escolar nos primeiros anos nos rios Içana e Tiquié Escola Utapinopona Tuyuka e Escola Pamáali Baniwa e Coripaco; 2000 Realização do I Seminário de Pesquisa do Rio Negro - que permitiu o mapeamento das pesquisas que vêm sendo feitas na região e o intercâmbio entre pesquisadores e comunidades locais, resultando em recomendações e compromissos. Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA 3

4 Escola Baniwa e Coripaco Pamáali (rio Içana) Objetivo: Formar o cidadão Baniwa e Coripaco voltado para a responsabilidade do trabalho em suas comunidades, para a criatividade, defesa dos direitos, valorização de costumes e tradições no diálogo intercultural. Espaço de decisão política da Escola: Assembléia Geral que participam pais, mães, anciãos, capitães de aldeia, agentes de saúde, alunos e professores. ACEP Associação do Conselho da Escola Pamáali. Diretoria formada por 3 pessoas que gerenciam recursos e aconselham professores e alunos. Conselho Fiscal formado por 4 pessoas que acompanham os trabalhos da diretoria. Rio Içana - Baniwa e Coripaco Vivem em 93 comunidades ao longo dos rios Içana, Xié e Negro. Somam 7 mil pessoas no lado brasileiro. Eles se subdividem em vários grupos formados por descendentes de irmãos ancestrais, mantendo relações de troca e cooperação comercial. Juntando Brasil, Colômbia e Venezuela existem mais de 12 mil pessoas. A Escola Pamáali Foi construída em um local aberto especificamente para abrigar a escola e a residência dos alunos e professores. Atende alunos de 27 comunidades baniwa e coripaco. Dia a dia dos alunos - Pesquisa e produção de conhecimentos Formação profissionalizante É voltada para a formação profissionalizante de jovens que se tornarão capazes de atuar futuramente dentro da sua própria região. Os alunos produzem uma parte dos alimentos que ali consomem e artefatos utilizados no dia a dia. 4 Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA

5 Projetos de sustentabilidade implantados na escola Os projetos de sustentabilidade são resultados da parceria FOIRN/ISA/OIBI (Organização Indígena da Bacia do Içana).A escola possui uma infra-estrutura de pesquisa e formação voltada para consolidar a proposta de Gestão Territorial para desenvolvimento sustentável das comunidades construída através de ensino-pesquisa-ação no âmbito da Rede de Escolas e Associações Baniwa e Coripaco. Projeto de Piscicultura Objetivo: - produção de peixes; - elaboração do conhecimento técnico ocidental na língua Baniwa e Coripaco. Manejo agroflorestal Objetivo: complementação da alimentação dos alunos e professores, além de servir de tema de estudo para análise das técnicas de plantio baniwa, coripaco e de outras culturas. Pesquisa da pimenta do Içana-Ayari Envolve diretamente 02 pesquisadores do ISA e 10 pesquisadores indígenas em 05 escolas Baniwa e Coripaco que trabalham de forma coordenada para responder questões consideradas importantes para a sustentabilidade da produção e comercialização das pimentas produzidas pelas mulheres. Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA 5

6 Escola Tuyuka Utapinopona (rio Tiquié) Rio Tiquié - Tuyuka Histórico: O povo Tuyuka é uma das etnias da família lingüística Tukano Oriental que habitam a região do rio Uaupés, alto rio Negro. Implantada no ano 2000 primeira etapa do ensino fundamental Sua população é de aproximadamente 500 pessoas no Brasil (rios Ensino fundamental completo funcionando a partir de 2003 Tiquié, Castanho e Inambu) e 500 pessoas na Colômbia (rios Tiquié e Ensino médio integrado indígena funcionando a partir de 2006 Inambu). (profissionalizante), formou primeira turma mas ainda não está Os Tuyuka autodenominam-se Utapinopona (Filhos da Cobra de oficializado Pedra) ou Dokapuara. No Brasil os Tuyuka são reconhecidos como o grupo que, dentre Objetivos: as várias etnias da região, mais mantém suas tradições rituais e fortalecer as comunidades e populações que permanecem em seus musicais, possuindo ativos mestres de cerimônia (baya) e suas caixas territórios de ocupação tradicional e buscam a melhoria do ensino e de adornos rituais. qualidade de vida; tomar decisões conjuntas sobre o sistema de ensino escolar que desejam. Interculturalidade Mostramos que nossos conhecimentos são tão bons quanto o dos brancos... Como? - com valorização cultural e linguística (dentro e fora das escolas) - com muita vivência da cultura e aproximação entre gerações A Escola Tuyuka organiza o ensino a partir de um currículo temático que garante melhor percepção política do que se ensina e aprende. Ensino Médio Tuyuka: o que se aprimora? Reflexão e diálogo entre conhecimentos indígenas e não indígenas A qualidade dos diagnósticos e das pesquisas sobre demandas locais em saúde, alimentação, direitos, conhecimento, educação, comercialização, gestão de projetos... Formação de gestores do conhecimento, da cultura e do território: Produção e vivência dos conhecimentos tuyuka (arte, dança, medicina, benzimentos, plantas medicinais, agricultura e alimentação); 6 Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA

7 Respeito e cuidado com território, preparo para o manejo ambiental e territorial. Diálogo de conhecimentos tuyuka com de outras culturas, de maneira saudável para todo mundo viver bem e melhor. Capacidade de compreender, usar e desenvolver os conhecimentos tecnológicos de fora, adequando-os às atividades e interesses comunitários. Capacidade de transmitir a outras pessoas os novos conhecimentos desenvolvidos. O nosso currículo temático integra: GESTÃO DO CONHECIMENTO e PROJETOS DE SUSTENTABILIDADE. Nirõmakañe: as linhas de pesquisa e trabalho Utapinopona Makarukuri bauretire - Paisagens Florestais Tuyuka descrição etnobotânica e etnoecológica das paisagens florestais existentes no Alto Tiquié; formação dos alunos para a pesquisa participativa e monitoramento ambiental de seu território Numia payare - Conhecimento das mulheres para produção de alimentos e a promoção da saúde espaços femininos de discussão; cuidados com a alimentação e saúde nas diferentes fases de vida de homens e mulheres; Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA 7

8 valorização a diversidade da alimentação local ; novos usos culinários para os recursos naturais locais; potencial de comercialização Basare e Basere - Danças cerimoniais, benzimentos, medicina e ecologia tuyuka manejo tradicional das relações com os seres espirituais, organização da vida social e espiritual da comunidade; preparo e incentivo aos jovens para aprendizado de benzimentos de proteção e cura; cantos, danças e práticas relacionadas, preparo de ornamentos rituais e no preparo das pinturas faciais e corporais; discussão de alternativas e desenvolvimento de técnicas de registro oral e áudio-visual e de arquivamento de conhecimentos cerimoniais Dutire - Estudo das leis e pensamento crítico histórias do contato e nos diálogos entre diferentes conhecimentos; como esses diferentes conhecimentos podem dialogar e serem trocados de jeito que contribua para a melhoria da vida de todos. Pade Bauane Añuro Niretire - Manejo tradicional e atividades produtivas alternativas conhecimentos e cosmologia tuyuka (benzimentos dos alimentos e dos peixes); técnicas complementares de criação e manejo, impacto de novas técnicas, desenvolvimento de tecnologias adaptadas, suporte a iniciativas familiares, melhoria da base nutricional das famílias e da merenda escolar; formação dos alunos para a pesquisa participativa e monitoramento ambiental de seu território. 8 Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA

9 Escola Indígena Khumuno Wu u (rio Uaupés) Objetivos: - formar alunos conhecedores de sua cultura: como saber benzer, cantar e dançar nos rituais tradicionais, pescar, caçar e trabalhar com artesanato; - formar alunos que ao sair da escola saibam ler e escrever em wanano e em português; - formar alunos cidadãos através de metodologias específicas que os levem ao desenvolvimento de suas criatividades; - formar alunos conscientes de seus direitos e deveres frente à sociedade wanano, às outras sociedades indígenas da região do Alto Rio Negro e frente a sociedade brasileira em geral. Atualmente os trabalhos da escola Kotiria estão centrado na valorização cultural, com isso os jovens estão tendo cada vez mais interesse pela sua cultura, gostam das danças tradicionais, todos participam das cerimônias. No entanto, os grandes bagaroa (mestres de cerimônia) estão ficando velhos e muito de seus conhecimentos podem ser perdidos. Por isso estão implementando o projeto Kotiria ya bahsa: registro das cerimônias tradicionais Wanano e o projeto de registro da língua kotiria. Projeto Manejo Pesqueiro em Iauaretê Objetivos: - desempenhar ações integradas que enfrentem e amenizem alguns dos problemas mais graves que o distrito de Iauaretê enfrenta atualmente, como a falta de peixes nos rios, a dependência exagerada de produtos industrializados, renda e a desvalorização dos conhecimentos étnicos por parte dos jovens. A gestão do projeto é feita por um Comitê que reúne representantes de diversos projetos existentes em Iauaretê com várias inserções sociais no povoado (especialistas rituais, técnicos indígenas em piscicultura, professores, líderes do movimento indígena, pesquisadores, a Coordenadoria das Organizações Indígenas de Iauaretê e a direção da Escola Estadual Indígena São Miguel). O Centro de Pesquisadores Indígenas de Iauaretê (CEPI) é a instância de registro e produção de materiais em que circulam os conhecimentos gerados no projeto. Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA 9

10 Escola Indígena Tukano Yupuri (Rio Tiquié) A Escola congrega 16 comunidades localizadas no médio rio Tiquié. Os trabalhos desta escola tiveram início no ano 2000, quando estas comunidades resolveram reestruturar suas salas de aula. O primeiro grande trabalho da Escola Yupuri foi dar início à escrita em tukano, produzindo livros de leitura para os alunos e demais habitantes destas comunidades. A escola funciona com ensino fundamental e iniciou o ensino médio neste ano. A principal pesquisa realizada nesta escola é o Nika Kumari Wasetise (calendário ecológico). Pesquisa do Calendário Astronômico e Ecológico do Médio Tiquié: conhecimento para a educação e o manejo. O Calendário Astronômico e Ecológico Tukano é um tema muito importante que está sendo pesquisado pelas comunidades do Médio Rio Tiquié, que compõem a AEITY (Associação Escola Indígena Tukano Yupuri) e a ACIMET (Associação das Comunidades Indígenas do Médio Tiquié), envolvendo a participação dos alunos de 3º e 4º ciclos da Escola Tukano Yupuri, dos AIMA (agentes indígenas de manejo ambiental), professores, velhos, mães, lideranças, conhecedores e pais. Objetivos: - identificar o ciclo de constelações dos Tukano e Desano do médio Tiquié; - conhecer as histórias de origem de cada uma das constelações; - elaborar um mapa do céu Tukano indicando o nome das constelações e sua localização; - comparar as constelações Tukano e as constelações ocidentais; - investigar que fenômenos ecológicos, sócio-econômicos e rituais que ocorrem na época de descida de cada constelação; - comparar os fenômenos ecológicos, ocorrem de um ano para o outro (ano de fartura e de menos fartura); - comparar as épocas das ocorrências dos fenômenos atuais com aquelas narradas pelos velhos, se estão ocorrendo mudanças e que mudanças são estas; - sistematizar por fim um calendário astronômico, ecológicos, sócioeconômico e ritual do médio Tiquié. 10 Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA

11 Resultados das Pesquisas nas Escolas Indígenas trabalhos publicados com a co-autoria entre pesquisadores não-indígenas e indígenas; autonomia para formular pesquisas comprometidas com as demandas locais; promove a valorização e a preservação dos saberes indígenas os jovens mantêm o interesse por sua própria cultura; gera exemplos de boas práticas educacionais que estão inspirando a Rede Pública de Ensino; constrói pontes e promove o diálogo entre as culturas tradicionais e ocidentais. Próximo passo: criação de um programa de formação superior, intercultural e multicultural no Rio Negro O processo inicial de consulta consiste na realização de 5 seminários: - Seminário de arrancada: dar início à mobilização de um conjunto de pessoas e instituições interessadas em participar de um processo de consulta para a formulação e implantação de um programa de Formação Superior Indígena no Rio Negro. Realização de três seminários temáticos: - Manejo do Mundo: conhecimentos indígenas e mudanças climáticas: esse eixo temático refere-se aos ciclos sociais e ecológicos, que inclui a experiência cotidiana das comunidades no manejo do meio ambiente, marcados pela passagem das constelações (calendário astronômico), os ciclos de vida dos peixes, animais da terra, aves, insetos, as atividades da agricultura, pesca, caça e coleta, fenologia das plantas, as doenças próprias de cada tempo. Inclui ainda o manejo ambiental como está sendo conduzido hoje pelas associações indígenas e seus parceiros, relacionados aos peixes e recursos florestais, através de encontros, discussões e acordos intercomunitários. - Narrativas de origem e territorialidade no Rio Negro: este tema pretende, portanto, reunir diversas narrativas de origem indígenas e extrair suas implicações na cultura rionegrina, através dos materiais produzidos por novas formas de registro e expressão, traduzindo os diversos significados imbuídos na toponímia indígena, reconhecendo suas histórias e suas formas de luta pelo poder de nomear e, assim, controlar o seu território. - Desenvolvimento e gestão territorial indígena: neste eixo poderá ser feita uma ampla discussão sobre assuntos referentes a economia solidária, redes comerciais e cadeias produtivas, gestão territorial e plano diretor municipal, cidade, circulação, tecnologias sustentáveis e limpas, pagamento por serviços ambientais, associativismo... e tantos outros. - Seminário final Pesquisa e formação intercultural e interdisciplinar: o Seminário Final será um amplo painel de discussão das propostas para a formação superior indígena, intercultural e interdisciplinar, visando aqueles que possam contribuir com os projetos de futuro de suas comunidades e da região do rio Negro e, ao mesmo tempo, em conexão com questões atuais, como mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável e novas tecnologias. A idéia é que no decorrer da realização dos seminários seja elaborada conjuntamente a proposta pedagógica do ensino superior indígena e que o seminário final seja a consolidação das propostas, resultado das experiências obtidas nos projetos que executamos juntos no Rio Negro em 15 anos de parceria. Esta iniciativa de pensar conjuntamente, num processo autônomo e participativo poderá criar uma proposta inovadora para o ensino superior indígena do Rio Negro. Direitos Gestão Produção de Conhecimentos Bases para o desenvolvimento sustentável no Rio Negro Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA 11

12 Nossas publicações série Narradores Indígenas do Rio Negro co-edição UNESP/ISA/NUTI 12 Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro - FOIRN/ISA

RIOS E REDES NA AMAZÔNIA INDÍGENA NEAI / UFAM / NATURA

RIOS E REDES NA AMAZÔNIA INDÍGENA NEAI / UFAM / NATURA RIOS E REDES NA AMAZÔNIA INDÍGENA NEAI / UFAM / NATURA Sumário Executivo Este projeto tem como objetivo principal o estudo de conhecimentos indígenas na Amazônia, isto é, a compreensão e análise de certos

Leia mais

/ / JEITOS DE APRENDER. Índios Yanomami, Roraima

/ / JEITOS DE APRENDER. Índios Yanomami, Roraima / / JEITOS DE APRENDER Índios Yanomami, Roraima Ao longo de toda vida as pessoas passam por muitos aprendizados. Aprende-se dos mais diferentes jeitos e em vários momentos. O que se aprende e com quem

Leia mais

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015]

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Introdução As Organizações da Aliança Global Wycliffe desejam expressar a unidade e a diversidade do Corpo

Leia mais

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht...

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... 1 de 2 02-08-2011 16:42 Diferentes especialistas pontuam como o saber indígena contribui para a sustentabilidade Muitos e diversos.

Leia mais

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas 1 OBJETIVOS DA OFICINA 1. Apresentar a Estrutura da Agenda Regionais e das Agendas Municipais 2. Apresentar o Objetivo geral do Eixo 3. Apresentar as Diretrizes

Leia mais

Almir Narayamoga Surui Labiway Esaga do Povo Paiter

Almir Narayamoga Surui Labiway Esaga do Povo Paiter Almir Narayamoga Surui Labiway Esaga do Povo Paiter -O contato ocorreu no dia 7 de setembro de 1969. -5.000 antes do contato, segundo os Paiter. -2 anos depois eram 250. -44 anos depois são 1350 pessoas

Leia mais

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Nome: Janet Strauss, Consultora do World Fisheries Trust Relatório Relativo ao Mês de: Março de 2006 Resumo Executivo Entre 6 e 26 de março de 2006,

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

B1-404 Curso de Formação Agroecológica e Cidadã para a inclusão produtiva de jovens camponeses

B1-404 Curso de Formação Agroecológica e Cidadã para a inclusão produtiva de jovens camponeses B1-404 Curso de Formação Agroecológica e Cidadã para a inclusão produtiva de jovens camponeses Barbosa-Silva, Denise 1,2 ; Starr, Carolina Rizzi 3 ; Diniz, Janaína Deane de Abreu Sá 1,4 ; Molina, Mônica

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14

Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14 Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14 1 ANDAMENTOS DOS TRABALHOS GTAI/FMASE FMASE 2005 = Coordena ações de interesse do setor sobre aspectos socioambientais geração, transmissão,

Leia mais

Combate à Insegurança Alimentar na Amazônia: a participação do PNUD

Combate à Insegurança Alimentar na Amazônia: a participação do PNUD Combate à Insegurança Alimentar na Amazônia: a participação do PNUD Lourrene de Cássia Alexandre Maffra 1 RESUMO Este paper objetiva apresentar alguns aspectos do programa conjunto entre o governo brasileiro

Leia mais

O que é? Objetivos. FREIRE, P. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1993, p. 68.

O que é? Objetivos. FREIRE, P. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1993, p. 68. O que é? Inspirado no Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos (MOVA), criado pelo educador Paulo Freire (1921 1997), o Projeto MOVA Brasil é desenvolvido pelo Instituto Paulo Freire (IPF) em parceria

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

Premiação de Boas Práticas de Gestão Ambiental

Premiação de Boas Práticas de Gestão Ambiental Premiação de Boas Práticas de Gestão Ambiental Andrea Pitanguy de Romani 20º Reunião do COGES, 9 de março Boas práticas são iniciativas bem sucedidas que: apresentam impacto tangível na melhoria da qualidade

Leia mais

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC Giovana Cadorin Votre 1, Talita Daniel Salvaro 2, Elisandro Raupp Prestes 3 1 Aluna do 2 o ano do curso

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI FUNAI - CGGAM Coordenação Geral de Gestão Ambiental Fundação Nacional do Índio Diretoria de Promoção ao Desenvolvimento

Leia mais

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Título do projeto: IAMANA Coordenador do projeto: POLLYANA CARDOSO PEREIRA Colaboradores: GOVERNO FEDERAL-FUNARTE-MINISTERIO DA

Leia mais

Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental.

Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental. Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental. Tatiana Peixoto Gonçalves Universidade Federal do ABC (UFABC) discente do Bacharelando em Ciência e Tecnologia

Leia mais

INSTITUIÇÃO RECANTO INFANTIL TIA CÉLIA CNPJ: 05.028.042/0001-54 Rua Eucalipto N 34 Jardim - Oratório - Mauá SP Fone: 4546-9704/ 9 5304-8028

INSTITUIÇÃO RECANTO INFANTIL TIA CÉLIA CNPJ: 05.028.042/0001-54 Rua Eucalipto N 34 Jardim - Oratório - Mauá SP Fone: 4546-9704/ 9 5304-8028 Instituição Recanto Infantil Tia Célia Projeto: Construindo nosso Lar. Construindo a Sede Própria do Recanto Infantil Tia Célia Mauá/2015 1 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A senhora Célia Maria da Silva,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013-2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013-2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013-2014 1º ANO DE ATIVIDADES WWW.INSTITUTOJNG.ORG.BR RIO DE JANEIRO RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013-2014 CRIAÇÃO DO INSTITUTO JNG O Instituto JNG é entidade reconhecida como OSCIP

Leia mais

Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade

Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade Priscila Facina Monnerat Engenheira Florestal Instituto Contestado de Agroecologia - ICA A devastação histórica das florestas no Paraná 1890

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES. 41 anos: cuidando das pessoas e da Terra!

RELATÓRIO DE ATIVIDADES. 41 anos: cuidando das pessoas e da Terra! RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 41 anos: cuidando das pessoas e da Terra! Avenida João Batista Medina, 358 Embu - SP - CEP 06840-000 (11) 4781.6837 - www.seaembu.org SOCIEDADE ECOLÓGICA - SEAE 41 anos cuidando

Leia mais

Carta Final do IX Encontro sobre Leitura e escrita em Sociedades Indígenas IX ELESI.

Carta Final do IX Encontro sobre Leitura e escrita em Sociedades Indígenas IX ELESI. Carta Final do IX Encontro sobre Leitura e escrita em Sociedades Indígenas IX ELESI. Nós, povos indígenas Atikum, Baniwa, Fulniô, Guarani, Guarani Mbya, Ka apor, Kaimbé, Kaiowá, Kantaruré, Karajá, Kiriri,

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

Porvir, programa do Instituto Inspirare, lança guia temático Tecnologia na Educação

Porvir, programa do Instituto Inspirare, lança guia temático Tecnologia na Educação Porvir, programa do Instituto Inspirare, lança guia temático Tecnologia na Educação ü Em cinco capítulos, o guia Tecnologia na Educação aborda a importância da tecnologia para a educação; os principais

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR E A GASTRONOMIA PEHEG

PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR E A GASTRONOMIA PEHEG PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR E A GASTRONOMIA PEHEG CUIABÁ / MT 2013 EQUIPE GESTORA: INES WALKER EHRENBRIENK - DIRETORA NELY PEREIRA DA SILVA CARNEIRO - COORDENADORA JULIANA MOURA ALVES DAS NEVES

Leia mais

Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação

Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação As oficinas do programa de Capacitação de Produtores Rurais de Ibiúna, projeto da SOS Itupararanga, chegaram ao Bairro Colégio. O objetivo é

Leia mais

UMA PARCERIA DE SUCESSO

UMA PARCERIA DE SUCESSO Relatório Final de Atividades Gerdau Barão de Cocais e : UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Relatório de Atividades... 3 Resultados Gerais... 3 Resultados do Programa Miniempresa... 6 Aprendizagem dos Conceitos

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO DEPARTAMENTO DE HUMANIDADES ÁREA DAS SÉRIES INICIAIS HORTA ESCOLAR:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO DEPARTAMENTO DE HUMANIDADES ÁREA DAS SÉRIES INICIAIS HORTA ESCOLAR: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO DEPARTAMENTO DE HUMANIDADES ÁREA DAS SÉRIES INICIAIS HORTA ESCOLAR: UMA ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA DE ECOALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Desafios para as lideranças na criação de ambientes favoráveis à leitura Lucila Martínez Cáceres Educadora, Mestre em Biblioteconomia e Informação Especialização em Desenvolvimento Sustentável Local e

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 15.020.000 15.020.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 67.755.000 67.755.000 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.784.000 3.784.000

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Palavras chaves: Literatura infanto Juvenil ; autores indígenas, leitura.

Palavras chaves: Literatura infanto Juvenil ; autores indígenas, leitura. RELATO DE EXPERIÊNCIA "NOSSAS RAÍZES INDÍGENAS" Beatriz Sales da Silva - Superintendência Regional de Ensino de Poços de Caldas MG beatriz.ss@uol.com.br RESUMO: Esta Comunicação visa apresentar o Relato

Leia mais

Eixo 3 - Abordagem territorial como estratégia de desenvolvimento rural e promoção da qualidade de vida

Eixo 3 - Abordagem territorial como estratégia de desenvolvimento rural e promoção da qualidade de vida Eixo 1: Desenvolvimento Socioeconomico e Ambiental do Brasil Rural e Fortalecimento da Agricultura Familiar e Agroecologia Eixo 2:Reforma Agrária e Democratização do Acesso e Terra e aos Recursos Naturais

Leia mais

Conferência Regional do Alto Rio Negro I CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA- CONEEI ANEXO 1

Conferência Regional do Alto Rio Negro I CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA- CONEEI ANEXO 1 Conferência Regional do Alto Rio Negro I CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA- CONEEI ANEXO 1 DOCUMENTO FINAL DA CONFERÊNCIA REGIONAL DO ALTO RIO NEGRO Apresentação A definição de uma proposta

Leia mais

Escola que faz pela paz

Escola que faz pela paz Escola que faz pela paz Mostra Local de: Curitiba Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto de Educação para Não Violência Cidade:

Leia mais

TEMAS E CONTEÚDOS ABORDADOS POR PROFESSORES INDÍGENAS EM OFICINAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA TERENA

TEMAS E CONTEÚDOS ABORDADOS POR PROFESSORES INDÍGENAS EM OFICINAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA TERENA TEMAS E CONTEÚDOS ABORDADOS POR PROFESSORES INDÍGENAS EM OFICINAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA TERENA Ingrid Joyce de Lima Patrocínio 1 ; Sandra Cristina de Souza 2 1 Estudante do Curso de Letras da

Leia mais

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Lux Vidal Apresentação Os povos indígenas do extremo Norte do Amapá, habitantes da bacia do rio Uaçá e do baixo curso do rio Oiapoque - Karipuna, Palikur,

Leia mais

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência Projeto Grêmio em Forma relato de experiência Instituto Sou da Paz Organização fundada em 1999, a partir da campanha dos estudantes pelo desarmamento. Missão: Contribuir para a efetivação, no Brasil, de

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

CASTANHA DOS QUILOMBOS. construindo um empreendimento sustentável

CASTANHA DOS QUILOMBOS. construindo um empreendimento sustentável CASTANHA DOS QUILOMBOS construindo um empreendimento sustentável Castanha dos Quilombos construindo um empreendimento sustentável ARQMO (Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município

Leia mais

CADERNO BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA

CADERNO BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA CADERNO BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA Apresentação O Caderno Boas Práticas de ATER é uma iniciativa que integra o Plano de Inovação na Agricultura Familiar, executado

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 433/2015 CAPÍTULO I DOS CONCEITOS

PROJETO DE LEI Nº 433/2015 CAPÍTULO I DOS CONCEITOS PROJETO DE LEI Nº 433/2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. CAPÍTULO I DOS CONCEITOS Art. 1º Esta Lei institui a Política Municipal de estímulo à Produção

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

Ensino Fundamental I. Relações Étnico-raciais, Diversidade e Cotidiano Escolar PRIMEIRO LUGAR

Ensino Fundamental I. Relações Étnico-raciais, Diversidade e Cotidiano Escolar PRIMEIRO LUGAR Relações Étnico-raciais, Diversidade e Cotidiano Escolar Um currículo voltado para as relações étnico-raciais e para a diversidade efetiva o direito de expressar subjetividades, de construir identidades

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Propostas Educação Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José

Leia mais

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação...

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 2324-00-EIA-RL-0001-01 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 3/4 agosto de 2009

Leia mais

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO BOM PROGRESSO- RS 2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM PROGRESSO Administração: Armindo Heinle CNPJ. 94726353/0001-17 End. Av. Castelo Branco, n 658 Centro CEP:

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

I SIMPÓSIO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 RESUMOS EXPANDIDOS 2 RESUMOS EXPANDIDOS 29 A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A DIVERSIDADE ETNOCULTURAL AMAZÔNICA Maria Isabel de Araújo, Instituto Federal do Amazonas IFAM/CMZL, miar@terra.com.br; Avania Maria

Leia mais

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PROGRAMA DE REDUÇÃO DA POBREZA E GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS DO ESTADO DO PARÁ PARÁ RURAL EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005

Leia mais

2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES

2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, desenvolvimento da comunidade e formação de jovens fazem parte da história do Instituto.

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

Núcleo Regional de Piên

Núcleo Regional de Piên Núcleo Regional de Piên Municípios participantes Lapa Mandirituba Quitandinha Tijucas do Sul Agudos do Sul Campo do Tenente Piên Rio Negro Ações prioritárias para a região Objetivo 1: Erradicar a extrema

Leia mais

QUE NOS INSPIRA! ESSE É O IDEAL. PROJETO Piracicaba Sustentável

QUE NOS INSPIRA! ESSE É O IDEAL. PROJETO Piracicaba Sustentável Promover a participação da sociedade na gestão do município, melhorando as políticas ambientais e contribuindo para a conservação dos recursos naturais ESSE É O IDEAL QUE NOS INSPIRA! Flickr.com/Wendel

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

Programa Assistência Sex, 16 de Setembro de 2011 10:32 - Última atualização Sex, 25 de Abril de 2014 10:17

Programa Assistência Sex, 16 de Setembro de 2011 10:32 - Última atualização Sex, 25 de Abril de 2014 10:17 Programa Assistência Através do Programa Assistência, o SESC tem como objetivo contribuir para a melhoria das relações e condições de vida da população, promovendo atividades sócio-culturais, de saúde

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Tubarão (Santa Catarina), Brazil

Tubarão (Santa Catarina), Brazil Tubarão (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: João Olavio Falchetti Nome do ponto focal: João Olavio Falchetti Organização:

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte

Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte Preâmbulo A Conferência Geral da UNESCO, 1. Recordando que, na Carta das Nações Unidas, os povos proclamaram sua fé nos direitos

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014.

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. OBJETIVO O presente manual se destina a orientar a diretoria da ACIBALC, quanto à administração de suas pastas, o gerenciamento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO PARA HORTICULTURA ORNAMENTAL SUSTENTÁVEL

CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO PARA HORTICULTURA ORNAMENTAL SUSTENTÁVEL CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO PARA HORTICULTURA ORNAMENTAL SUSTENTÁVEL SUMÁRIO 1. COMPONENTES... 1 2. PRINCÍPIOS... 1 3. ESBOÇOS DE CÓDIGOS DE CONDUTA VOLUNTÁRIOS... 2 3.1 Para Órgãos e Setores do Governo...

Leia mais

Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841

Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841 Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841 A Presidente, substituta, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

TRABALHANDO A EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO CONTEXTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA NA SAÚDE DA FAMÍLIA EM JOÃO PESSOA-PB

TRABALHANDO A EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO CONTEXTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA NA SAÚDE DA FAMÍLIA EM JOÃO PESSOA-PB TRABALHANDO A EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NO CONTEXTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA NA SAÚDE DA FAMÍLIA EM JOÃO PESSOA-PB Autoria: Islany Costa Alencar¹, Renata Duarte Moreira¹,

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Divisão Projeto Escola Brasil Diretoria de Desenvolvimento Sustentável. Marcos de Referência

Divisão Projeto Escola Brasil Diretoria de Desenvolvimento Sustentável. Marcos de Referência Divisão Projeto Escola Brasil Diretoria de Desenvolvimento Sustentável Marcos de Referência Se quisermos educação de qualidade para todos, precisaremos de todos pela qualidade da educação Jomtien, 1990

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 149 AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010

Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010 Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010 1º dia, Santarém - Anã café da manhã no barco saída de Santarém as 06:30, em direção a comunidade de Anã (de 3 a 4 horas de navegação) chegada

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação

Leia mais

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ RESPEITO AO MEIO AMBIENTE: Programa de Incentivo ao Plantio de Mudas e Manutenção de Vias Públicas e Escolas Municipais Para a franquia O Boticário de São Gonçalo

Leia mais

caderno de atividades

caderno de atividades caderno de atividades A sociedade brasileira Índios, nossos primeiros habitantes Página 10 Para atender à causa desses povos, existem leis que garantem o direito à terra, delimitando espaços para reservas

Leia mais

Caro(a)s voluntário(a)s. é

Caro(a)s voluntário(a)s. é Os Caro(a)s voluntário(a)s. é com satisfação que apresentamos cinco na temática do empreendedorismo que vocês poderão implementar junto aos alunos das escolas parceiras: Introdução ao Mundo dos Negócios,

Leia mais

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ Modelo Estratégica para Resultados da SEFAZ Treinamento Gestores Conhecendo nosso Modelo Maio 2015 Modelo Estratégico para Resultados Assuntos previstos para esta oficina... Aprofundar no conceito de Gestão

Leia mais

SITUAÇÃO ANTERIOR E IDENTIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS A SEREM RESOLVIDOS.

SITUAÇÃO ANTERIOR E IDENTIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS A SEREM RESOLVIDOS. Experiência: CASA FAMILIAR RURAL Escola Agrotécnica Federal de Rio do Sul/SC Responsável: Professor João José Stüpp Endereço: Estrada do Redentor, 5665 Bairro: Canta Galo Rio do Sul/SC CEP: 89160-000 E

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS

EDUCAÇÃO PARA PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS ARTIGO EDUCAÇÃO PARA PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS ANA CLAUDEISE NASCIMENTO E ELIZABETH LIMA DA GAMA RESUMO Este artigo apresenta a experiência da concepção e desenvolvimento do Programa de Educação Ambiental

Leia mais

Concurso "III Prata da Casa" Edição 2013 "Ação Inovadora" Cadastro da Prática ou Ideia

Concurso III Prata da Casa Edição 2013 Ação Inovadora Cadastro da Prática ou Ideia 26 Concurso "III Prata da Casa" Nome do Participante ABIGAIL CRISTINE CARNEIRO Cargo Assessora Jurídica Email Institucional accarneiro@mp.pr.gov.br Contatos Telefônicos (41) 3279-3089 (41) 9921-7438 (41)

Leia mais

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV Rosina Trevisan M. RIBEIRO Arquiteta, D. Sc., Professora do

Leia mais

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS Somos os guardiões das origens, somos os conhecedores das tradições

Leia mais

Só viverá o homem novo, não importa quando, um dia, se os que por ele sofremos formos capazes de ser semente e flor desse homem.

Só viverá o homem novo, não importa quando, um dia, se os que por ele sofremos formos capazes de ser semente e flor desse homem. Só viverá o homem novo, não importa quando, um dia, se os que por ele sofremos formos capazes de ser semente e flor desse homem. Thiago de Mello Alimentação saudável na escola: um direito humano IV Encontro

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais