Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português"

Transcrição

1 Ficha Técnica Título: Logística Operacional Autor: António Marques Editor: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. Edifício World Trade Center, Avenida do Brasil, n.º 1-2.º, LISBOA Tel: ; Fax: / Entidades Promotoras e Apoios: Coordenador: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. e Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado pelo Estado Português e pela União Europeia, através do Fundo Social Europeu. Ministério da Segurança Social e do Trabalho. Ana Pinheiro e Luís Ferreira Equipa Técnica: SBI Consulting Consultoria de Gestão, SA Avenida 5 de Outubro, n.º 10 8.º andar, , LISBOA Tel: ; Fax: sbi-consulting.com Revisão, Projecto Gráfico, Design e Paginação: e-ventos CDACE Pólo Tecnológico de Lisboa Lote 1 Edifício CID Estrada do Paço do Lumiar Lisboa Tel Fax Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda., 2004, 1.ª edição GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA Manual subsidiado pelo Fundo Social Europeu e pelo Estado Português Todas as marcas ou nomes de empresa referidos neste manual servem única e exclusivamente propósitos pedagógicos e nunca devem ser considerados infracção à propriedade intelectual de qualquer dos proprietários.

2 Índice ÍNDICE 2 ENQUADRAMENTO 4 1. CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE LOGÍSTICA Conceitos Objectivos O Enquadramento dentro de Empresa Conceitos Relacionados Filosofias Associadas Áreas de Desenvolvimento RECEPÇÃO DE MERCADORIA Agendamento de Entregas Recepção das viaturas Entrada da viatura nas instalações Recepção da viatura no cais e respectiva descarga Conferência da mercadoria Recepção administrativa da mercadoria MOVIMENTAÇÃO FÍSICA DE MERCADORIAS Arrumação física de mercadoria PREPARAÇÃO DE MERCADORIAS 41 Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 2

3 4.1 - Planeamento da operação de preparação Lançamento de ondas e obtenção da documentação de preparação Preparação da mercadoria Validação da preparação Conferência das mercadorias preparadas Carga da mercadoria na viatura Emissão dos documentos que acompanham a mercadoria Saída do Entreposto CONTROLO OPERACIONAL E QUALITATIVO DO ARMAZÉM Inventário Permanente DICIONÁRIO DE LOGÍSTICA CONTACTOS RESOLUÇÃO DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS 98 Capítulo 2.1 Agendamento de Entregas 98 Capítulo 2.2 Recepção da viatura na portaria 101 Capítulo 3.1 Arrumação física de mercadoria 103 Capítulo Planeamento da operação de preparação 105 Capítulo Preparação da mercadoria 107 Capítulo Conferência das mercadorias preparadas 110 Capítulo Saída do Entreposto 111 Capítulo Inventário Permanente BIBLIOGRAFIA BIBLIOGRAFIA ACONSELHADA 118 Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 3

4 Enquadramento ÁREA PROFISSIONAL Este manual enquadra-se na área profissional de Técnico de Logística. CURSO / SAÍDA PROFISSIONAL Todos os participantes poderão reunir competências no âmbito desta área e obter saídas profissionais a desempenhar funções de Gestão de Superfícies Comerciais, Gestão de Transportes, Gestão de Armazéns ou em departamentos relacionados com estes mercados. PRÉ-REQUISITOS Para frequentar uma acção auxiliada por este manual, deve ser colocado como pré-requisito mínimo o 12º ano de escolaridade. COMPONENTE DE FORMAÇÃO Através deste manual poderão ser leccionado cursos como: Logística Operacional; Logística e Gestão de Materiais; Logística e Gestão de Armazéns; Logística e Gestão de Transportes. Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 4

5 A Formação a decorrer, tendo este manual como auxiliar, pretende criar competências ao nível da Gestão Logística, procurando-se Fornecer um nível de serviço desejado a um custo aceitável. Isto é, obter um bom equilíbrio entre o custo da operação adoptada e o nível de serviço por ela oferecido. UNIDADES DE FORMAÇÃO Introdução à Logística Operacional (10h) A Recepção da Mercadoria no âmbito da Logística Operacional (20h) A preparação da Mercadoria no âmbito da Logística Operacional (20h) O Controlo Operacional (10h) OBJECTIVOS GLOBAIS No final da formação, o formando deve estar apto a: Mostrar quais são as funções e procedimentos que são necessários para o bom funcionamento de um armazém. Desenvolver metodologias específicas que permitam estabelecer a melhor sequência de artigos, no sentido de aumentar a produtividade interna do armazém, diminuir as quebras durante o transporte e facilitar a operação de recepção e arrumação. Desenvolver metodologias específicas para dimensionamento de armazéns, em termos de necessidades de volume, de área, de número de posições e de tipo de posições. CONTEÚDOS TEMÁTICOS Conceitos fundamentais de logística; As funções características de uma operação logística; Os procedimentos características aos vários processos da operação logística; O agendamento das ordens de compra e recepção de viaturas; Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 5

6 A recepção e conferência de mercadoria; A arrumação da mercadoria; A recepção, preparação e expedição das encomendas dos clientes; A organização do armazém: gestão do espaço, gestão de locais de preparação; O controle da operação: a realização de inventários e o controle qualitativo da operação. PLANO GERAL DE DESENVOLVIMENTO DOS TEMAS 1. CONCEITOS 1.1 O QUE É A LOGÍSTICA 1.2 EVOLUÇÃO DOS OBJECTIVOS 1.3 ENQUADRAMENTO NA EMPRESA 1.4 FORÇAS DE INTEGRAÇÃO LOGÍSTICA 1.5 TENDÊNCIAS FUTURAS 2. RECEPÇÃO DA MERCADORIA 2.1 AGENDAMENTO DE ENTREGAS 2.2 RECEPÇÃO DA VIATURA NA PORTARIA 2.3 ENTRADA DA VIATURA NAS INSTALAÇÕES 2.4 RECEPÇÃO DA VIATURA NO CAIS 2.5 CONFERÊNCIA DA MERCADORIA 2.6 RECEPÇÃO ADMINISTRATIVA 3. MOVIMENTAÇÃO FÍSICA 3.1 ARRUMAÇÃO DA MERCADORIA 4. PREPARAÇÃO DA MERCADORIA 4.1 PLANEAMENTO DA PREPARAÇÃO 4.2 LANÇAMENTO DE ONDAS 4.3 PREPARAÇÃO DA MERCADORIA 4.4 VALIDAÇÃO DA PREPARAÇÃO 4.5 CONFERÊNCIA 4.6 CARGA DA MERCADORIA NA VIATURA 4.7 EMISSÃO DOS DOCUMENTOS 4.8 SAÍDA DO ARMAZÉM Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 6

7 5. CONTROLO OPERACIONAL E QUALITATIVO 5.1 INVENTÁRIO PERMANENTE CONJUNTO DE INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Os critérios de avaliação mais significativos para esta formação são: Assiduidade e Pontualidade Assertividade Interesse demonstrado Conhecimentos Adquiridos Conhecimentos integrados no seu desempenho profissional. A avaliação poderá ser efectuada através de: Qualitativa Quantitativa Trabalhos de Grupo Jogos Didácticos Apresentações Participação Respostas (Método Interrogativo) Testes Trabalhos práticos individuais Resolução da Totalidade de Actividades / Exercícios Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 7

8 1. Conceitos Fundamentais de Logística Conceitos O termo Logística é de origem militar. Neste âmbito, está relacionado com a aquisição de todos os bens e materiais necessários para cumprir uma missão. Actualmente este termo passou para o domínio civil e está a ser utilizado por organizações com um conjunto de pontos de abastecimento geograficamente dispersos e com um âmbito nacional ou internacional. Há muitas definições de Logística. Aquela que iremos utilizar neste módulo é: A Gestão de Logística é o processo que integra, coordena e controla a Movimentação de Materiais, o Inventário Final e a Informação Relacionada ao longo de toda a cadeia de abastecimento. A Logística preocupa-se com a gestão dos fluxos físicos que começam na fonte de abastecimento e terminam no ponto de consumo. É claramente mais do que uma preocupação com os artigos finais a visão tradicional da Distribuição Física. A Logística preocupa-se tanto com a localização da unidade produtiva e do armazém, como com os níveis de inventário, com os sistemas de informação e com o transporte e armazenamento. O processo logístico, tal como foi definido acima, é tanto interno como externo a uma empresa específica. É interno no sentido em que o abastecimento e a distribuição física têm de ser geridos pela própria empresa. Externo porque os fornecedores e os clientes estão no exterior da empresa. Alguns observadores referem-se à Logística como sendo as operações internas e à Gestão da Cadeia de Abastecimento como sendo os interface externos. Contudo, outros observadores utilizam os termos Logística e Gestão da Cadeia da Abastecimento indistintamente. O que é importante reter é que ambos consideram Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 8

9 que o processo global atravessa as fronteiras da empresa. A utilização das palavras Cadeia Logística permite analogias úteis. Por exemplo, as cadeias são tão fortes como o seu elo mais fraco ou se oscilarmos uma cadeia num extremo ela salta no outro! A Logística sempre foi uma função essencial e central em toda a actividade económica, mesmo assim só mais recentemente é que se tornou um ponto de atenção da gestão de topo. Uma razão para esta negligência é que apesar das funções que estão compreendidas no conceito de Logística existirem há muito tempo de forma individual, só há pouco tempo se olhou para elas de forma integrada. Isto aconteceu nos últimos 20 anos. Este movimento representa a integração das actividades funcionais no Processo Logístico, tornando a Logística numa forma clássica de Abordagem de Sistemas Objectivos Objectivos tradicionais No início da Gestão Logística, os objectivos de cada actividade incluíam minimizar os custos próprios. Por exemplo: As compras pretendiam um fornecimento fiável a baixo custo, através de compra por junto e utilizando múltiplos fornecedores. Esta política resultava numa relação conflituosa com os fornecedores; A produção procurava o baixo custo de produção, através produção de lotes com grande dimensão; O transporte procurava o baixo custo, fazendo com que a quantidade a transportar fosse elevada; O armazenamento pretendia obter o baixo custo pela redução de inventário e aumento da fluidez de circulação dos produtos. As consequências destes vários objectivos eram desastrosas, resumidamente: As compras podiam ignorar o desenvolvimento próprio dos fornecedores, que podiam trazer formas melhores de fazerem as coisas. As compras por junto significam custos de armazenamento mais altos. A produção podia provocar o aumento dos prazos dominantes, aumentar os níveis de inventário e restringir a gama de artigos. Os transportes podiam originar entregas volumosas e pouco frequentes, ao pretenderem rentabilizar os custos de transporte. O armazenamento podia entrar em ruptura de espaço porque não estava preparado para os objectivos das outras funções. Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 9

10 Equilíbrio dos objectivos tradicionais O passo mais importante para alcançar o equilíbrio entre todas estas actividades é reconhecer que elas são interdependentes. Por isso, não podem existir objectivos parciais, só globais. Neste contexto apareceu o conceito de custo total como factor agregador dos custos das várias actividades concorrentes. O custo total não leva obrigatoriamente a uma redução dos custos, ou a um aumento da receita. O que ele introduz é o conceito de balanço entre receitas, despesas, investimento e oportunidade como forma de aferir qual é a melhor decisão ou política. Mais concretamente, o preço de um produto, a sua qualidade intrínseca, o investimento para o processar e o risco de ruptura por ele introduzido na cadeia de abastecimento contam para determinar se ele é mais vantajoso do que um seu concorrente. Numa palavra, procura-se o retorno do investimento. Objectivos actuais O conceito de retorno de investimento pode também ser encarado como um equilíbrio entre o nível de serviço oferecido e o custo associado. Assim procura-se Fornecer um nível de serviço desejado a um custo aceitável. Isto é, obter um bom equilíbrio entre o custo da operação adoptada e o nível de serviço por ela oferecido. Como consequência deste objectivo verifica-se que hoje em dia existe uma troca de inventário por informação, fazendo com que produtos se movam rapidamente na cadeia de abastecimento. Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 10

11 Abastecimento físico Distribuição física Fluxo de informação Mercado abastecimento Compras & abastecimento Fabrico & produção Inventário Transporte & armazenagem Mercado consumo Fluxo de artigos Gestão de Materiais Gestão da Distribuição Figura 1: Diagrama de caracterização da logística O Enquadramento dentro de Empresa Posição no organigrama É importante aperceber-mo-nos que a estrutura de gestão internacional é construída sobre uma integração vertical. Director Geral Estrutura vertical de gestão Compras Produção Distribuição Marketing Finanças Fluxo horizontal de artigos e informação Figura 2: Enquadramento da logística dentro da empresa Na prática, a Logística representa um fluxo horizontal de artigos e de informação. A Logística é um processo total de integração de funções individuais. Ele tem, portanto, de ser gerido como um sistema integrador, que estabelece ligações entre as fronteiras verticais. Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 11

12 Variantes A gestão e integração inter-funções são essenciais para que a Gestão Logística possa responder à procura, criando a ponte entre essa procura e a fonte de abastecimento. No entanto a integração da logística na gestão da empresa não é feita de igual forma em todas as empresas. As variações de produtos, estilo existente, sector ou ramo de actividade, dimensão da empresa, modelo de gestão e situação económica da empresa condicionam a sua colocação. Dependente do director administrativo ou financeiro A logística é encarada como um centros de custos, limita-se a reagir às necessidades. A racionalização é inexistente ou muito baixa. O conceito de contrato logístico não existe e as unidades de medida de gestão são escudos. Dependente do director de compras, aprovisionamento ou comercial A logística é encarada como uma extensão da venda ou da compra, ficando subordinada aos objectivos comerciais. Os níveis de inventário são altos, existindo uma ligação forte ao passado. O conceito de contrato logístico fica subordinado aos interesses imediatos da compra ou venda. Dependente do director de produção A logística é encarada como um complemento da produção. A maximização da produção é o objectivo da logística. Um vendedor hábil poderá conseguir vendas mais favoráveis. Dependente da administração / director geral A função logística é reconhecida dentro da empresa. A gestão é objecto de atenção dedicada e profissional. Os custos de operação diminuem. O conceito de contrato logístico para prestação de serviços aparece. Director Geral / Administração Director de Marketing Director Financeiro Director Logístico Director RH Vendas Contabilidade Compras Salários Suporte técnico... Produção Formação... Inventário... Distribuição... Figura 3: Enquadramento da logística no organigrama da empresa Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 12

13 1.4 - Conceitos Relacionados Prazo dominante Um modo útil de considerar o prazo dominante é separar o prazo dominante de abastecimento de todos os outros prazos dominantes. Isto tem o efeito de ilustrar graficamente o efeito cumulativo do inventário e o seu relacionamento com o processo logístico. O exemplo seguinte dá-nos uma ilustração simples. (em dias) =30 Inventário em dias de cobertura =45 dias Prazo Dominante Acumulado 10 Artigos Consumidor 15 Artigos Armazém 5 Matérias Produção Inventário em dias de cobertura PD Produção PD Armazém =15 Prazo Dominante Processo Prazo Dominante Processo 2 = Processamento encomendas 1 = Preparação 1 = Fabrico 1 = Embalamento e carga 2 = Trânsito 3 = Processamento encomendas 2 = Preparação 1 = Embalamento e carga 2 = Trânsito Figura 4: Diagrama de decomposição do prazo dominante Isto ilustra a construção do prazo dominante desde o fabricante até que artigo final é entregue no cliente. Os prazos dominantes de procura e de pagamento não são mostrados. Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 13

14 O inventário de matérias-primas retido dá para 5 dias, o processo produtivo demora 5 dias mais 2 dias de trânsito para o armazém. No armazém, é retido inventário de artigos finais para 15 dias, o processamento do armazém é de seis dias e são necessários 2 dias de trânsito para o cliente. O cliente possui inventário de artigos finais para 10 dias. Assim, neste simples exemplo, foi encontrado inventário para 30 dias e um prazo dominante total do processo de 15 dias. Estas análises dos gráficos indicam claramente áreas críticas da construção do prazo dominante, permitindo a sua avaliação adequada. Aprovisionamento Eficiente ou Contínuo (ER ou CRP) O Aprovisionamento Eficiente (ou Aprovisionamento Contínuo) é um método que visa uma pronta reposição dos inventários, acelerando a circulação dos artigos na rede e evitando a sua retenção, com os custos associados. Esta técnica faz parte do Efficient Consumer Response (ECR), que além dela utiliza a gestão eficiente de gamas, as promoções eficientes e a introdução eficiente de novos artigos como um conjunto de técnicas para dar uma resposta mais rápida e de melhor qualidade às necessidades dos clientes. Ideias chave As ideias chave do Aprovisionamento Eficiente são: Cooperação e visão conjunta; Empenhamento; Troca de informação; Desenvolvimento de padrões de serviço; Obtenção de massa crítica. Método A forma pela qual este método pretende atingir os seus objectivos é através de: Just in time logistics (Cross Docking); Encomendas automáticas; Produção sincronizada; Troca de dados como base para melhores decisões de planeamento. Ganhos potenciais Os ganhos tipicamente associados a um aprovisionamento eficiente são: Gerais Redução de inventário; Redução das necessidades de armazenamento; Aumento da eficiência das operações de armazém; Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 14

15 Produtor Retalhista Aumento da utilização de veículos; Redução de artigos obsoletos; Redução de rupturas; Redução das devoluções e recusas. Melhoria em 10% nos níveis de serviço; Redução em 10% dos níveis de inventário; Redução de rupturas; Fluxo contínuo de artigos; Redução dos custos administrativos. Melhoria dos níveis de serviço; Fluxo contínuo de artigo; Redução dos níveis de inventário; Melhoria das previsões; Aumento das vendas em 3%. Metodologia A metodologia para desenvolver um projecto deste género poderá ser baseada na seguinte grelha: Desenvolver o contexto do projecto; Criar uma equipa conjunta; Detalhar os objectivos; Acordar os princípios de negócio; Criar uma lista de processos e técnicas; Preparar directivas de concretização; Promover o edi. Desenvolver as mensagens edi a utilizar; Acordar as medidas comuns de desempenho; Fazer e documentar as operações piloto; Transferir experiência para outros casos; Expandir o projecto quando todos os problemas tiverem sido resolvidos. Tecnologias paralelas EDI; Codificação de artigos; Activity Based Costing (ABC); Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 15

16 Aspectos a ter em conta O EDI deve ser uma realidade; É necessário volume para o CRP ser vantajoso; O CRP requer investimento (principalmente do lado do fornecedor); O CRP exige confiança mútua entre as partes. Acompanhamento Discussão entre as duas empresas ao nível da administração; Revisão dos pontos fracos e fortes da relação; Revisão da estrutura de interface; Alterar a forma como se faz negócio Filosofias Associadas Qualidade A qualidade, quer em relação à Gestão pela Qualidade Total ou aos sistemas de qualidade tem sido recentemente reconhecida pela gestão. É uma filosofia, uma atitude de condução dos negócios e que actua como uma capa onde são feitas várias coisas que já deveriam ter sido feitas há muitos anos. O cliente é posto de forma firme como o foco de atenção e os sistemas são desenvolvidos para assegurar que os requisitos dos clientes são sempre cumpridos. A qualidade coloca um grande desafio à gestão, em muitos países ocidentais o mundo dos negócios foca-se muito no curto prazo, sacrificando as estratégias de longo prazo. A qualidade não é um projecto de curto prazo, é uma jornada requerendo dedicação, paciência e tempo. A alteração de atitudes e cultura requer muitos anos a alcançar. A qualidade leva ao desenvolvimento do serviço para além do nosso cliente, em direcção ao cliente dele. Como tal representa o ideal da Gestão da Cadeia de Abastecimento para ligar totalmente todos os fornecedores e todos os clientes. JIT Os sistemas de fabrico JIT representam um conceito único que coloca requisitos de procura sobre um negócio. O JIT difere dramaticamente dos sistemas existentes e é esperado que continue a crescer. É baseado na entrega de materiais na quantidade exacta e no momento necessário em que eles são necessários, empurrando assim os níveis de inventário para um mínimo. O JIT necessita que a forma como planeamos, desenhamos, fazemos, marcamos, guardamos e transportamos os artigos seja alterada. Os requisitos de um sistema JIT ficam-se em: Nível zero de inventário; Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 16

17 Ambiente Prazos dominantes curtos; Abastecimentos pequenos e frequentes; Alta qualidade e zero defeitos. Os assuntos ambientais cada vez ocupam mais tempo dos legisladores. A função logística tem um grande impacto sobre o ambiente. O desenho e localização dos armazéns podem contribuir para a poluição visual, especialmente se o armazém tem um pé direito elevado. Isto pode levar a problemas consideráveis com os vizinhos. Os transportes contribuem com o barulho, vibração, poluição do ar e com a poluição visual. Também causam acidentes com perdas de vidas humanas. Como consequência, não surpreende que o público não simpatize muito com os veículos. A estratégia de inventário também tem um grande impacto porque determina onde existirá retenção de inventário e, consequentemente, quão longe é que ele terá de ser transportado até o cliente final. A deslocação no sentido do JIT e da centralização só aumenta a actividade de transporte. Finalmente, deve ser notado que as embalagens também são uma forma de poluição ambiental muito sensível. Desta forma, o desperdício, a reciclagem e os tipos de materiais utilizados são de grande importância. Os perigos são evidentes e a não ser que a indústria faça qualquer coisa, os legisladores irão impor restrições que influenciarão significativamente a eficácia das operações logísticas. Nos anos recentes, houve uma pressão enorme no sentido da redução dos prazos de entrega. Esta pressão foi particularmente guiada por desenvolvimentos estratégicos. Pode muito bem ser que uma solução, do ponto de vista ambiental, seja uma redefinição dos prazos de entrega no sentido de dar maior tempo ao planeamento, originando uma melhor utilização dos veículos. É desnecessário afirmar que esta abordagem poderá ter consequências dramáticas para o negócio. Se a logística falhar na satisfação dos ambientalistas poderá esperar que aparecerão soluções impostas. Estas poderão ser a proibição de viaturas pesadas, com a consequente transferência dos artigos para viaturas ligeiras, o que por sua vez leva a maiores problemas de congestão de tráfego e aumento de custos. Como é natural, os assuntos ambientais devem ser considerados e eles deverão ser uma prioridade da atenção da gestão uma vez que eles já estão sensíveis às áreas ambientais, como por exemplo o embalamento na Alemanha, as estradas na Suiça e a proibição de camiões em Londres. Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 17

18 1.6 - Áreas de Desenvolvimento Compras e abastecimento A tendência vai no sentido do fornecedor único e das parcerias a longo prazo, à medida que as empresas se deslocam das relações baseadas em transacções para as relações baseadas em parcerias. Os contratos de longo prazo ou rolantes tornaram-se a norma, não só nas matérias-primas compradas mas também no abastecimento de artigos finais, nos transportes, no aluguer de armazéns e nos serviços de informações. Fabrico e produção A produção desloca-se no sentido de uma estrutura internacional e global, com um número limitado de localizações. Os lotes tradicionais com uma grande dimensão estão a ser substituídos por lotes pequenos e métodos flexíveis com tempo de produção mais curtos. Inventário O sentido é de redução de inventário porquê ter inventário? O processo logístico dedica mais atenção ao fluxo de materiais e de informação, à medida que fica mais integrado. Para o fluxo com retenção de inventário torna-se cada vez mais um reconhecimento de incompetência. Armazenamento As políticas de centralização de muitas empresas criam a oportunidade consolidar volumes. Associado a isto vem a sofisticação de meios de movimentação, arrumação e preparação de artigos, muitas vezes com automatização parcial ou total da operação. O armazém torna-se mais um local de ordenação de que de armazenagem. Transporte A rodovia mantém-se como o modo principal de transporte, mas o impacto da legislação ambiental e das normas de segurança irá moldar os desenvolvimentos futuros em transportes. A congestão de tráfico tenderá a ser cada vez mais grave, assegurando o crescimento das entregas nocturnas e mesmo uma reformulação radical das redes de armazéns centrais. O renascimento de pequenos armazéns de transbordo (ordenação e não retenção) já está a acontecer em alguns sectores. O renascimento do caminho-de-ferro também se prevê. Informação A aplicação de tecnologias de informação é uma força muito importante que permite desenvolvimentos noutras áreas. Todos estes desenvolvimentos necessitam de informação exacta em tempo real. Estão a ser feitos melhoramento ao modo como os dados são colhidos, comunicados e processados. Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 18

19 Serviço ao cliente Actualmente verifica-se que os níveis de serviço podem ser estabelecidos e depois desenvolvem-se estratégias que os garantam. Deixar de tentar ser tudo para todos os clientes levou ao desenvolvimento de serviços diferenciados que são oferecidos a segmentos de mercado específicos. Os maiores desenvolvimentos deram-se pelo reconhecimento de que a Logística é um elemento chave no marketing mix. De facto a Logística é o elemento com um grande potencial para desenvolver uma vantagem competitiva. Isto é verdade pela sua capacidade para responder mais rapidamente às necessidades dos clientes. Em muitos mercados ocorreram mudanças nas políticas de posse de inventário tendo como consequência uma redução dos inventários nos pontos de consumo. Para suportar essas estratégias é essencial desenvolver sistemas de informação capazes de coligir, agregar e transferir dados a uma grande velocidade e de ter meios para desenvolver artigos rápida e eficazmente. Figura 5: Fluxo de Material versus Fluxo de Informação A tendência quanto aos níveis de serviço é estreitar a diferença existente entre o cliente e o fornecedor quanto à percepção do serviço prestado. Isto envolve gerir os clientes em vez de gerir ofertas de artigos e serviços. As expectativas de serviço por parte do cliente aumentarão e terão de ser correspondidas pelo desenvolvimento de uma abordagem proactiva às necessidades dos clientes. A Gestão da Procura está a emergir como uma abordagem inter-funcional para servir clientes. Entretanto, o aumento da frequência de entrega, menores prazos dominantes e maior rigor na entrega são tendências imparáveis. Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 19

20 Figura 6: Questões fundamentais na criação e operação de uma cadeia de fornecimento Companhia Própria Formação & Consultoria, Lda. 20

21 2. Recepção de Mercadoria Agendamento de Entregas Objectivo Determinar o modo como o agendamento das entregas deverá ser feito, isto é, como será feita a marcação do dia e da hora da entrega do fornecedor e a que critérios devem obedecer. Nota prévia O agendamento das entregas é um factor importante para o bom funcionamento de um armazém e para o bom entendimento com os fornecedores. Não pode haver um bom relacionamento entre uma organização e os seus fornecedores se esta sistematicamente obriga a que as viaturas deles fiquem imobilizadas durante horas, ou, vice-versa, que eles não apareçam atempadamente e obriguem ao desperdício de horas de recursos humanos de recepção. Posto isto, é necessário pensar o agendamento de uma forma interessada e zelar pelo cumprimento quer dos critérios estipulados quer do próprio agendamento. Os critérios a cumprir passam sempre pelo equilíbrio entre os recursos dedicados à recepção e a carga que esta suporta. Como o agendamento deve ser feito com base horária, convém que este equilíbrio seja respeitado nessa mesma base. Para que isto possa acontecer é necessário definir rácios de produtividade por famílias de artigos, por forma a pudermos agendar com algum grau de rigor a hora a que a viatura será descarregada. Estes rácios e o número de recursos alocados à recepção determinam a sua capacidade, que deverá ser respeitada pela equipa de gestão de inventário ou equipa comercial aquela que tiver a responsabilidade de fazer os agendamentos. Vejamos em detalhe como o processo se pode passar. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 21

22 Processo O sistema informático tem registado as produtividades médias de recepção por família de artigos e também os recursos alocados à recepção em cada turno em cada dia: O computador, depois do gestor de inventário elaborar a encomenda ao fornecedor e mediante o seu conteúdo deverá calcular o número de horas necessário para a recepcionar; Em paralelo o gestor de inventário indica ao computador uma data e uma hora em que pretende agendar a recepção; A partir das recepções já agendadas e dos recursos disponíveis, o computador verifica se a recepção ainda poderá ser agendada na hora escolhida pelo gestor de inventário. Quanto a isso poderão ocorrer duas situações: a) Sim: o agendamento está feito; b) Não: o computador deverá indicar dois períodos mais próximos do pretendido um anterior e outro posterior em que será possível agendar a recepção; O gestor de inventário poderá aceitar uma das sugestões apresentadas pelo computador ou, em alternativa, indicar uma terceira hora. Se este último for o caso o processo de verificação capacidade de recepção repete-se, senão o agendamento fica feito para a alternativa escolhida; De seguida o gestor de inventário deverá fechar a encomenda e enviá-la para o fornecedor, esperando a confirmação da entrega. Observações Não há nada pior do que ter um armazém circundado de viaturas que chegaram adiantadas ou que está à espera para serem descarregadas. Esta situação pode levantar sérios problemas com as autoridades públicas, com a vizinhança e com os fornecedores. Áreas de desenvolvimento As áreas de desenvolvimento que têm impacto sobre o desenrolar deste procedimento são as seguintes: Sistemas de informação: permitem calcular com cada vez maior rigor o tempo necessário para as tarefas. Maturidade do mercado: sem que maioria dos fornecedores entenda a importância do agendamento, dificilmente ele será cumprido. Companhia Própria Formação & Consultoria Lda. 22

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes Laserdata, Lda. Especificidades Para além dos módulos tradicionais num sistema de gestão (Facturação, Stocks, Contas a Receber e Contas a Pagar, Gestão de Encomendas, Orçamentos, etc.), o Lasernet 2000

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem LOGÍSTICA Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem Objectivos do Capítulo Mostrar de uma maneira geral os principais tipos de sistemas de movimentação,

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço BENCHMARKING 2014 Estudo dos niveis de serviço Objetivo do estudo BENCHMARKING 2014 O objectivo deste estudo é conhecer o nível de serviço oferecido pelos fabricantes do grande consumo aos distribuidores,

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n.

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Departamento Comercial. Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8. Tânia Leão n. Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Departamento Comercial Trabalho realizado por: Filipe Cabral n.º8 Tânia Leão n.º19 Diferença de Aprovisionamento e Compra O aprovisionamento é um conjunto

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

prodj Condições Gerais de Venda On-line

prodj Condições Gerais de Venda On-line Índice 1. Contactos da prodj... 2 2. Processo de compra na loja on line da prodj... 2 2.1. Registo introdução, correcção e eliminação de dados pessoais... 2 2.2. Segurança no registo... 2 2.2. Compra...

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM As soluções de Gestão comercial GM são uma ferramenta essencial e indispensável para a correcta gestão de negócio e fomentador do crescimento sustentado das Empresas. Criado de raiz para ser usado em

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS TÉCNICO(A) DE APROVISIONAMENTO E VENDA DE PEÇAS DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE - AUTOMÓVEL OBJECTIVO GLOBAL - Planear, organizar, acompanhar e efectuar

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário.

CONDIÇÕES DE VENDA. 1. Prazo de entrega O prazo de entrega é o referido na confirmação da encomenda, salvo acordo em contrário. CONDIÇÕES DE VENDA A venda de produtos da Portucel Soporcel Fine Paper S.A. ( vendedor ) é regulada pelas condições abaixo descritas, em conformidade com as práticas em vigor na indústria e comércio de

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Empilhador de armazenagem tridireccional ETX 513/515. Capacidade de carga de 1250/1500 kg.

Empilhador de armazenagem tridireccional ETX 513/515. Capacidade de carga de 1250/1500 kg. Empilhador de armazenagem tridireccional ETX 513/515. Capacidade de carga de 1250/1500 kg. ETX 513 com garfos telescópicos (opcional) Capacidade de carga 1250 kg Elevação máxima 10 000 mm ETX 515 com garfos

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos.

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. Contabilidade Contabilidade Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. É uma ciência de natureza económica, cujo objecto é a realidade

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Solução de Auto-Venda

Solução de Auto-Venda Solução de Auto-Venda A Problemática Vendedores sem acesso a dados vitais para o seu trabalho Vendedores limitados e condicionados pelo escritório Pouca eficácia na gestão das vendas Solução Competitividade

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas PROCEDIMENTOS À CIRCULAR Nº /DESP/DTA/DNA/07 (Anexo A a que se referem os pontos 13º e 16º da circular) REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria de Moda de Dados Técnicos Codificação de Materiais; Conceito de escalas e cartazes de cores ; Fichas Técnicas; Processos de Fabrico; Fichas

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho).

3. Os stocks dos produtos em curso de fabricação, isto é, os stocks entre as diferentes fases do processo produtivo (entre postos de trabalho). GESTÃO DE STOCKS STOCKS Almofada do planeamento e programação FORNECEDOR FABRICO CLIENTE stock MP stock TC stock PA Objectivos da criação de stocks 1. Aumentar a segurança, criando defesas contra as variações

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO REMOTA DE EQUIPAMENTOS Sobre a SOL-S e SOLSUNI Fundada em 1992; Integrador de Soluções, com vasta experiência de Tecnologias de Informação, disponibiliza um completo portfolio

Leia mais

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO

COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Ficha Informativa 1 Janeiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc COMÉRCIO ELECTRÓNICO ELECTRÓNICO Compras na Internet:

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Organização de gestão desportiva Data de entrega: 10/02/2015 Diogo Santos Página 1 Escola secundária

Leia mais

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica Informática Aula 8 Estrutura e Funcionamento de Computadores Software Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Tipos de Software Software de Sistema Software Aplicacional Gestão do Sistema

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO O Microsoft Business Solutions for Supply Chain Management Navision Business Notification ajudao a gerir a sua empresa mais facilmente e eficazmente. Pode identificar qualquer problema

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano

Caso de estudo - Logística. Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Caso de estudo - Logística Verifique como um único evento Lean permitiu uma poupança de 255 Mil Euros/Ano Diagnóstico e melhoria das escolhas passadas. Avaliação da necessidade de fazer escolhas futuras.

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP O objectivo central desta sincronização é a utilização por parte dos clientes das funcionalidades gerais dos seus ERP s, tal como: gestão documental,

Leia mais

BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS

BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS PHC Imobilizado CS DESCRITIVO O módulo PHC Imobilizado CS permite processar automaticamente as amortizacões/depreciacões, as reavaliacões, as imparidades/reversões, bem como as revalorizacões dos activos

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução A Radiomóvel considera muito importante esta iniciativa da Anacom que vem no sentido de regular esta nova faceta da prestação de serviço telefónico, fruto

Leia mais

HP Hardware Support Exchange Service HP Customer Support Contractual Services

HP Hardware Support Exchange Service HP Customer Support Contractual Services HP Hardware Support Exchange Service HP Customer Support Contractual Services Um serviço fiável e rápido de substituição de hardware que é uma alternativa rentável e conveniente à reparação no local de

Leia mais

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO Vítor Cóias De actividade subsidiária do sector da construção, a reabilitação do edificado e da infra-estrutura construída, isto

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Transformando serviços automotivos: o caso de pneus

Transformando serviços automotivos: o caso de pneus Transformando serviços automotivos: o caso de pneus Alexandre Cardoso A Garra Pneus é uma revenda de pneus com prestação de serviços de alinhamento, balanceamento e desempeno de rodas. Fundada em 1994,

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

A solução de mobilidade que lhe permite aceder via Internet à gestão g comercial e facturação ç da sua empresa.

A solução de mobilidade que lhe permite aceder via Internet à gestão g comercial e facturação ç da sua empresa. Descritivo completo dnegócio 3 A solução de mobilidade que lhe permite aceder via Internet à gestão g comercial e facturação ç da sua empresa. Benefícios Consultar, alterar ou introduzir novos clientes;

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho

S1 Seiri Separar o desnecessário. Resultado esperado Um local de trabalho desimpedido. Definição Remover objectos não essenciais do local de trabalho S1 Seiri Separar o desnecessário Remover objectos não essenciais do local de trabalho 1. Tirar fotografias à área onde se inicia o projecto 5S; 2. Rever os critérios para separar os objectos desnecessários;

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

SGI. Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO

SGI. Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO SGI Serviço de Gestão de Impressão BOA GESTÃO PARA MELHOR IMPRESSÃO CONHECE OS CUSTOS DE IMPRESSÃO DA SUA ORGANIZAÇÃO? O actual contexto mundial torna central a necessidade de reequacionar gastos a todos

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado.

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. Conceitos relativos à Informação 1. Informação O que á a informação? Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. 2. Dados Em informática designa-se

Leia mais