Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.faculdadedompedrosegundo.edu.br"

Transcrição

1

2 R449 Revista Emphasis: ciências humanas e sociais aplicadas [ recurso eletrônico] / Faculdade Dom Pedro II. - Ano 1, n.1(jan/jun 2009). - dados eletrônicos. - Salvador: FDPII, Semestral. 1. Faculdade Dom Pedro II. Ficha catalográfica elaborada por: Dilália Lessa Brandão crb/5 7913

3 Editorial A Revista Emphasis nasce dentro de um contexto de grandes transformações nas instituições modernas. A Revolução Tecnológica da Informação elevou de forma exponencial os processos globais, colocando em xeque as estruturas dos Estados nacionais, as identidades culturais, os valores morais, os sistemas religiosos, as economias nacionais etc. Com isso, se faz cada vez mais necessário compreender a complexidade reinante no interior do atual sistema-mundo em mudança a partir de análises mais detalhadas e específicas dos fenômenos sociais e físicos que surgem dentro desses processos. Esta primeira Edição é dedicada às ciências sociais aplicadas administração, ciências contábeis, sistema de informação e serviços sociais, áreas de conhecimentos que estão se deparando com a necessidade de revisão dos seus respectivos paradigmas. Ou seja, os saberes pertinentes as ciências sociais aplicadas estão sendo reavaliados com o intuito de atenderem as novas demandas ocasionadas, por exemplo, pela reestruturação do sistema capitalista, pelos avanços da tecnologia da informação e da comunicação, pelos novos tipos de violências e criminalidades, ocasionando não só o surgimento de novos saberes, mas também integração e conflito dos velhos saberes. Este cenário impulsiona novos debates e pesquisas no mundo acadêmico com o fito de compreender as complexidades dos novos fenômenos, observando suas causas, relevâncias e efeitos dentro dos ambientes sociais, psíquicos, econômicos, políticos, culturais, ecológicos etc. É justamente com este propósito que os artigos científicos abaixo foram desenvolvidos, corroborando, assim, com outras pesquisas, nacional e internacional, que expõem os problemas atuais da humanidade e do seu habitat. Comissão Editorial Profª Alaíde Barbosa Profº Valmir F. Martins Profº Dequex A. Silva Jr. 3

4 SUMÁRIO VIOLÊNCIA E CRIMINALIDADE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A INSEGURANÇA SOCIAL COMO FATOR INTERVENIENTE NA ECONOMIA...4 Valmir Farias MARTINS e Bárbara Simone Silva SANTOS O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE TRANSPLANTES: UMA EXPERIÊNCIA DA FACULDADE DOM PEDRO II NA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NO SERVIÇO SOCIAL...28 Selma MOSQUERA e Liane MONTEIRO AMD ASSISTENTE MÉDICO DIGITAL...41 Cayo PABLLO e Jorge CAMPOS A ARTE DA EAD NA BAHIA Jaqueline Souza de Oliveira VALLADARES DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PIMS E MES PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES...64 Alice FONTES, Mauro SALATIEL, Giorgio SAMPAIO e Diana SANTANA UNIVERSIDADE ABERTA E A DISTÂNCIA APLICADA À REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE SALVADOR: UM CASO RELEVANTE Ana Célia Rocha MASCARENHAS, Sérgio Hage FIALHO e Gloria Maria Viana COELHO ASSOCIAÇÃO CULTURAL JOÃO BISPO SOARES E O ENFRENTAMENTO DA QUESTÃO SOCIAL: UMA EXPERIÊNCIA NO SUBÚRBIO FERROVIÁRIO DA CIDADE DE SALVADOR-BA...87 Daisy Maria Silva SOARES e Selma MOSQUERA O SUJEITO ÉTICO NA PÓS-MODERNIDADE...97 Dequex Araújo SILVA JUNIOR 4

5 VIOLÊNCIA E CRIMINALIDADE: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A INSEGURANÇA SOCIAL COMO FATOR INTERVENIENTE NA ECONOMIA Valmir Farias MARTINS * Bárbara Simone Silva SANTOS ** Resumo: O crescimento da violência e da criminalidade nos grandes centros urbanos do mundo promove prejuízos sociais para a economia. Pesquisadores elaboraram métodos de mensuração dos custos da violência que ainda carecem de maior fidedignidade, contudo, oferecem estimativas dos gastos decorrentes da questão, calculados a partir dos investimentos em segurança pública, gastos pessoais em segurança privada, despesas com vitimização, indenizações e demais perdas, além dos prejuízos imensuráveis. Os cálculos atingem em média 5% dos respectivos PIB, o que denota a gravidade do problema. No Brasil, o governo atua para minimizar os prejuízos sob a coordenação da SENASP, conjugando ações em prol do bem comum. A Bahia e a Polícia Militar já aderiram às diretrizes e ações da SENASP em busca da diminuição da criminalidade no Estado. Palavras-Chave: Violência. Criminalidade. Custos sociais. Segurança pública. 1. Introdução Há algumas décadas a sociedade mundial tem visto com espanto o crescimento acentuado da violência e da criminalidade nos grandes centros urbanos do mundo, principalmente naqueles que se encontram em países subdesenvolvidos como a América Latina, contudo, trata-se de um fenômeno generalizado. Após análises e discussões sobre o problema por parte de autoridades, pesquisadores e da própria sociedade, já existe algum consenso em torno da perspectiva de que a violência e a criminalidade emanam de problemas conjunturais decorrentes de fatores sócio-econômicos como um todo, tais como o crescimento urbano desordenado, as crises econômicas, o desemprego, a falta de escolaridade, a falta de parâmetros éticos e morais, a ausência de * Professor e Pesquisador Faculdade Dom Pedro II - Bahia / Brasil. Departamento de Modernização e Tecnologia da Polícia Militar da Bahia / Brasil. ** Aluna do curso de Administração da Faculdade Dom Pedro II - Bahia / Brasil. 5

6 políticas públicas eficazes de prevenção à segurança pública, dentre outros motivos que levam as pessoas a atos violentos quase sempre se configurando crime. Face o quadro caótico que se acentua na primeira década deste século, as discussões se acirram em torno da busca de responsáveis, de explicações e de soluções para o problema em questão, momento em que surgem as discussões que giram em torno da ação da polícia como órgão repressor. Nesse mister, vale salientar o quase constante equívoco quanto à concentração de atenções na possível ação da polícia para sanear o problema, enquanto que, na verdade, a questão perpassa uma conjuntura mais ampla que incide nas próprias políticas públicas sociais, de onde emana também a segurança pública. Nesse sentido, a primeiras ações para a manutenção da ordem pública perpassam o equilíbrio social, a educação, a economia, o desenvolvimento regional e urbano, a demografia e um sem número de segmentos que consubstanciam a própria ordem social de um povo. A partir do desequilíbrio de um ou mais desses fatores que se iniciam os problemas de insegurança social que afetam a sociedade contemporânea, momento em que a polícia, enquanto aparelho repressor do Estado, se manifesta no agir coercitivo para reprimir a ação delituosa nociva a sociedade. Portanto, a violência e a criminalidade são problemas sociais decorrentes da ineficácia do Estado, tanto na manutenção do equilíbrio social como fator de prevenção, quanto na inoperância do sistema de segurança pública na repressão. Ambas as categorias são, portanto, co-responsáveis pelo quadro atual de insegurança social, tendo o Estado como instância superior responsável em qualquer vertente dessa análise, contudo, os investimentos em segurança pública não são suficientes para resolver a questão, que carece de ações estratégicas e investimentos mais amplos e abrangentes, pois, como disse, trata-se de um problema sistêmico de amplitude social. Do ponto de vista estratégico, talvez as autoridades públicas não invistam sob essa perspectiva, pois, só no Brasil em 2007, os investimentos em segurança pública atingiram a soma de R$ 37 bilhões para se proteger da criminalidade e da violência, ou seja, entre 6% a 7% do PIB brasileiro e o equivalente à metade do PIB do Chile 6

7 (TEIXEIRA, 2008). Assim, se compararmos com os investimentos em outras áreas em São Paulo, por exemplo, os gastos em 1988 com segurança pública representam 2,7 vezes os gastos com saúde e 21,7 vezes os gastos com desenvolvimento social. Por sua vez, com a ineficácia da máquina pública, o âmbito privado se desenvolve disponibilizando à sociedade o bem segurança. Em 1999, apesar dos números negativos em outros setores da economia brasileira, o setor de segurança privada teve taxas de crescimento entre 4% a 5%, ou seja, se gasta no Brasil quase os mesmos valores em segurança privada do que se investe em segurança pública: cerca de R$ 19 bilhões em 2007 contra R$ 18 bilhões do setor público. O Brasil, enquanto República Federativa, outorga aos estados-membros a gestão primeira do sistema de segurança pública, sem prejuízo a participação conjunta e sistêmica da União e dos Municípios em prol do objetivo comum: a manutenção da ordem pública. Sendo que, só com o recente aumento da violência e da criminalidade foi criada uma Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), cabendo a mesma definir a implementação e acompanhamento da Política Nacional de Segurança Pública e dos Programas Federais de Prevenção Social e Controle da Violência e Criminalidade, com vistas a estimular e propor aos órgãos estaduais e municipais a elaboração de planos e programas integrados para a manutenção da ordem social dentro de parâmetros da normalidade (SENASP, 2008). Como a Bahia não está excluída dessa conjuntura, já temos alguns trabalhos específicos que estimam os custos da violência em nosso Estado, além das pesquisas que analisam o crescimento da violência e da criminalidade e seus respectivos custos e conseqüências socioeconômicas no âmbito da América Latina e do Brasil, com foco em três grandes capitais: Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. Dessa forma, pretendemos neste artigo analisar a questão com amplitude nacional e apresentar algumas reflexões inicias aplicadas ao Estado da Bahia, bem como, uma análise das últimas ações e investimentos no campo das políticas de segurança pública, principalmente quanto às estratégias sistêmicas de ação dos órgãos policiais, em particular, da Polícia Militar da Bahia (PMBA), para minimizar os danos sociais em questão. Tal abordagem se restringe 7

8 principalmente à última década, quando se instituiu a Polícia Cidadã nos Governos Paulo Souto e César Borges, e ao período atual de início do Governo Jacques Wagner. 2. Mensuração dos Gastos Decorrentes da Violência e da Criminalidade Apesar do crescimento da violência, poucos pesquisadores têm se dedicado à mensuração dos prejuízos socioeconômicos decorrentes desse fenômeno, que já perpassam somas significativas e investimentos tanto no âmbito público quanto no privado, o que poderia estar sendo direcionado para outros objetivos. Na sua maioria, a pesquisas existentes mensuram os custos sociais da violência utilizando a metodologia da Contagem, ou seja, contabilizam os gastos e os investimentos de setores específicos do governo e da sociedade em ações de prevenção e combate, dispêndios em segurança privada, perdas e danos por vitimização, prejuízos ao turismo e evasão de investimentos. Na verdade, alguns cálculos são feitos com maior precisão, outros por estimativa, por fim existem aquelas não mensuráveis e que, portanto, não foram incluídos. As estimativas vinculadas a vitimização, por exemplo, não tem como mensurar os prejuízos emocionais, morais e o sofrimento decorrente da dor e dar perda, contudo, se vale da mensuração dos anos de vida saudáveis perdidos calculados por estimativa com base na idade da vítima em relação a sua expectativa de vida de acordo com a média nacional de seu país. Além da expectativa de vida que é um referencial, a renda mensal da vítima também é estabelecida por estimativa, ou seja, sempre observando dados prováveis. Portanto, é uma mensuração bastante imprecisa que utiliza valores referenciais e probabilísticos para os cálculos, o que leva a maioria dos pesquisadores a afirmarem que suas conclusões numéricas ainda carecem de maior fidedignidade. Dentre os trabalhos de pesquisa desenvolvidos sobre os custos da violência e da criminalidade, citamos o estudo de Mendel (1993 apud RONDON; ANDRADE, 2002b) sobre os Estados Unidos da América; as pesquisas encomendadas pelo BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento a centros de pesquisa da América latina para estimar os custos da violência em seus respectivos países, a saber: Brasil, México, 8

9 Venezuela, Peru, El Salvador e Colômbia, sendo que, no Brasil, a pesquisa teve como base a cidade do Rio de Janeiro e foi realizada pelo ISER - Instituto de Estudos da religião (1988); os trabalhos de Kahn (1999) sobre os custos da violência em São Paulo; as pesquisas de Rondon e Andrade (2002a; 2002b; 2003) com mesmo tema focado em Belo Horizonte; a recente pesquisa de Carvalho (2007) desenvolvida na Bahia; e as informações e dados estatísticos da SENASP (2008), referente ao Brasil com foco nas cidades de Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte. A pesar da maioria utilizar a metodologia da Contagem, a forma de mensuração dos custos com a violência varia de pesquisador para pesquisador. A SENASP (2008) estabelece suas estatísticas com base na catalogação de dados oriundos de todas as pesquisas citadas e distingue os custos decorrentes da criminalidade em duas categorias: custos econômicos e custos sociais e políticos. Os Custos Econômicos podem ser diretos, quando bens e serviços públicos e privados são gastos em tratamento dos efeitos da violência e prevenção da criminalidade no sistema de segurança, na justiça criminal, no encarceramento, nos serviços médicos e sociais e na proteção das residências; ou indiretos, referentes à perda de investimentos, bens e serviços que deixam de ser captados e produzidos em função da existência da criminalidade e do envolvimento das pessoas nestas atividades (agressores e vítimas). Os Custos Sociais e Políticos podem ser mensurados na erosão de capital social, transmissão de violência entre gerações, redução da qualidade de vida, comprometimento do processo democrático. Portanto, trata-se de custos que em princípio incidem nos efeitos não econômicos da criminalidade, tais como doenças resultantes da violência, mortes resultantes de homicídios e suicídios, alcoolismo e dependência de drogas e entorpecentes, desordens depressivas. Mendel utiliza basicamente o método DALY - Disability Adjusted Life Year, como medida de tempo vida suprimida ou prejudicada em virtude da vitimização. Dessa forma, através do Cálculo de Anos de Vida Perdidos ou Prejudicados, o método DALY tem foco nos prejuízos e nas perdas oriundas da vitimização calculadas em relação ao tempo de vida da vítima que tem como base a expectativa de vida do seu país (1993 apud RONDON; ANDRADE, 2002b). 9

10 Os trabalhos coordenados pelo BID (LONDOÑO; GUERRERO, 1999) utilizaram quatro grandes componentes de análise: perdas em saúde (1); perdas materiais (2); a deteriorização do consumo e do trabalho (3); e as transferências de bens entre indivíduos (4). O ISER (1988) utiliza cinco categorias de custos, referentes à atenção ã vítima (1); perdas de produção e renda das vítimas (2); despesas legais, judiciais e investimentos em segurança pública (3); perdas materiais decorrentes da violência (4); e as intangíveis como o sofrimento físico e emocional (5). Kahn (1999) utiliza três categorias principais focadas na esfera pública, na esfera privada (indivíduo) e na sociedade como um todo. Trata-se dos gastos e investimentos públicos na prevenção e combate a criminalidade (1); gastos realizados individualmente na aquisição de segurança privada e os custos da perda de patrimônio pessoal (2); e os prejuízos decorrentes dos valores e ganhos que deixam de ser produzidos pela sociedade em função da insegurança social e as perdas intangíveis (3). As pesquisas de Rondon e Andrade (2002a; 2002b; 2003) desenvolvidas sobre a violência e criminalidade em Belo Horizonte utilizam uma tipologia dividida em duas categorias: os custos exógenos ou diretos, realizados pelos agentes públicos e privados diretamente no combate ao crime; e os custos endógenos ou indiretos, resultantes dos desdobramentos da ação criminosa e, portanto, de menor possibilidade de mensuração, tais como anos de vida perdidos ou prejudicados, bens roubados e furtados, gastos em atendimento médico e demais prejuízos indiretos e, às vezes, imensuráveis. Os pesquisadores aplicam também no estudo sobre a violência e a criminalidade em Belo Horizonte o modelo hedônico desenvolvido por Morrison (2001) para mensurar os prejuízos sobre os aluguéis e a valorização dos imóveis. A pesquisa de Carvalho (2007), realizada recentemente sobre os custos decorrentes da violência e da criminalidade na Bahia, oferece uma riqueza elevada de dados levantados pelo autor em fontes estatísticas oficiais, no orçamento do Estado, nos recursos disponibilizados para as secretarias envolvidas com a problemática, nas tabelas de seguradoras, nos relatórios governamentais do Estado e nas entrevistas com personagens do sistema. Levando-se em conta que alguns prejuízos são imensuráveis, 10

11 principalmente aqueles ligados à vida, o autor adota como metodologia a Contagem a partir de três grandes grupos compostos da seguinte forma: conjunto dos custos do Estado com a prevenção e combate ao crime (1); o custo da população com segurança privada e seguros (2); os custos do Estado com a investigação, assistência médica com os vitimados e ainda na manutenção do preso na cadeia (3). Dentro dos limites e das possibilidades de mensuração como abordagem empírica, todas as pesquisas citadas oferecem dados e ferramentas úteis para uma análise mais profunda, com categorias de análise bem distribuídas de acordo com os critérios utilizados para a mensuração dos levantamentos em voga. Ao meu ver, guardada as devidas proporções e peculiaridades de cada pesquisa e de cada região analisada, as categorias de Kahn (1999) sintetizam e agrupam os componentes e objetos da pesquisa com muita pertinência, bem como, a tipologia utilizada em Belo Horizonte distingue perfeitamente o gasto com base na sua origem, contudo, a sistemática utilizada pela SENASP (2008), além de oficial enquanto oriunda de órgão público, se vale do extrato da produção de todas as fontes citadas utilizadas no Brasil, sintetizando a produção na área mediante o foco em duas categorias principais, os Custos Econômicos e os Custos Sociais e Políticos, o que, entendo por fim, que deve ser a principal referência metodológico de estudo. 3. Violência e Criminalidade: Insegurança Social No momento em que analisamos as conseqüências do caos social proporcionado pelo aumento da violência e da criminalidade, observamos que sua incidência alcança a sociedade como um todo, ou seja, os vários segmentos da conjuntura social, inclusive a economia, tanto do ponto de vista coletivo, quanto privado. Primeiramente pelo próprio custo decorrente da violência, no que toca tanto aos investimentos públicos na sua prevenção e repressão, quanto na contratação de pessoal de segurança privada e na perda do patrimônio, da vida e da incapacidade temporária ou definitiva. 11

12 Ocorrem também os prejuízos decorrentes dos ganhos e dos investimentos que deixam de ser produzidos pela sociedade em razão do medo decorrente da falta de segurança social, ou seja, da sensação de insegurança! São diversas narrativas de pessoas que mudam de cidade, de estado ou de país, turistas que escolhem outros destinos, pessoas que deixam de sair à noite, mudam de hábitos ou se enclausuram, investimentos que são alocados fora do Brasil, indústrias que mudam de local ou de região, comércios que fecham e tantas outras conseqüências socioeconômicas que mudam a rotina do cidadão, prejudicam a sua qualidade de vida e agravam a crise atual, como podemos ver abaixo sobre a insegurança em Belo Horizonte: Sensação de Segurança ao Sair de Casa à Noite 15,70% Seguro Inseguro 84,30% Sensação de Segurança ao Ficar em Casa à Noite 44,80% Seguro 55,20% Inseguro FIGURA 1: Sensação de Segurança em Belo Horizonte FONTE: CRISP/UFMG - Belo Horizonte (2002). Além da sensação de insegurança decorrente do medo, a violência e a criminalidade também promovem a queda de produtividade, tanto pela evasão de investimentos, 12

13 quanto pelos efeitos e danos diretos ao ser humano, principal veículo da produção, ou seja, à medida que seja afetado físico, moral ou emocionalmente, o homem terá mudanças significativas no seu comportamento social e, conseqüentemente, profissional. Com isso, toda a sociedade sofrerá com as conseqüências desse ato, conforme podemos ver abaixo num comparativo entre o Rio de Janeiro e os EUA: 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 91,1 5,2 3,7 83,9 9,8 6,3 Custos Derivados da Produção Perdida Resultantes da Morte Custos Derivados da Produção Perdida Resultante de Incapacidade Fisica Custo Derivados do Atendimento Médico das Vitimas Rio de Janeiro (1995) EUA (1995) FIGURA 2: Comparativo do Efeito da Letalidade na Capacidade de Produção FONTE: ISER, No âmbito do turismo que é um dos setores que mais cresce no mundo, para o Brasil não há dúvidas de que a veiculação mundial de crimes aqui ocorridos, principalmente aqueles contra estrangeiros, amedronta os turistas levando-os a optar por outros destinos na América Latina, como Chile e Argentina. Atualmente, os EUA e países da União Européia não recomendam a seus cidadãos o turismo no Brasil devido à insegurança social, o que nos leva a perdas inestimáveis no setor. Para o pesquisador Ib Teixeira, do IBRE - Instituo Brasileiro de Economia da FGV do Rio de Janeiro, o setor turístico se atrofia no Brasil devido à criminalidade e a violência, são milhares de turistas por ano que não chegam em face da falta de segurança dos grandes centros turísticos brasileiros, o que gera o desvio para outros destinos, promovendo só com o refluxo um prejuízo de 11 bilhões de dólares no período de 1987 a 1991: Chegamos a ter dois milhões de turistas em meados dos anos 80. Esse número caiu para um milhão nos anos 90 e só agora começamos a recuperar esse volume. Vamos comparar com a Argentina. Em 1987, 13

14 quando o Brasil tinha dois milhões de turistas, nosso vizinho tinha um milhão e oitocentos mil. Quando caímos para um milhão, a Argentina já contava quatro milhões (TEIXEIRA, 2008). Não se restringem a esses cálculos os prejuízos do Brasil com as perdas geradas no setor turístico pela insegurança social, pois, como para cada turista estrangeiro estima-se um gasto médio de US$ 100 por dia, mais as compras, e como a maioria tem em média sete dias de permanência, cada um deixaria no Brasil cerca de US$ 1.000, entre diárias, refeições e outros consumos, levando em conta ainda à perda com empregos temporários e definitivos num setor que é o que mais cresce no mundo, chegaremos então a uma estimativa de em torno de US$ 10 bilhões por ano em perdas no turismo internacional. No âmbito do turismo nacional os referenciais são os mesmos, pois, cidades como Rio de Janeiro, Porto Alegre, Recife e Salvador têm associados às perdas com turismo o alto índice de homicídios e outros crimes, são milhares de brasileiros que optam por destinos alternativos ou mesmo desistem de viajar em face da expectativa e medo da violência e da insegurança social, gerando prejuízos inestimáveis ao setor. O Brasil, um país que sofre com o desemprego, dispõe de um potencial de beleza natural e histórica quase inigualável para exploração turística, como setor econômico dos mais rentáveis e com uma estimativa nacional de capacidade para receber quase 10 milhões de estrangeiros por ano, fora os oriundos do próprio turismo interno, trata-se, portanto, de uma questão emergente que demanda providências imediatas em face dos prejuízos que se multiplicam a cada ano. 4. Prejuízos Decorrentes da Violência e para a Economia Apesar da correta associação entre a violência e o subdesenvolvimento, vale salientar que em alguns casos a regra se torna exceção, pois, os percentuais de custos com a criminalidade em países subdesenvolvidos podem se igualar às estimativas referentes aos países desenvolvidos, inclusive no nosso próprio continente, como é o caso dos EUA. Conforme estudo realizado em 1992, há também naquele país o dispêndio de 14

15 pouco mais de 5% do seu PIB com gastos vinculados ao crime e a violência, perfazendo em média 425 bilhões de dólares por anos. Os gastos são decorrentes de incapacidades físicas provisórias ou definitivas, atendimento às vítimas, perdas de bens e de vidas, justiça criminal, gastos privados com segurança, e prejuízos ao desenvolvimento regional e local. Portanto, vale salientar que, a princípio, mesmo associado de alguma forma, não se inclui os investimentos diretos na prevenção e no combate ao tráfico de drogas. Assim, 5% do PIB norte-americano direciona-se custos decorrentes da criminalidade e da violência (MANDEL, 1993 apud RONDON; ANDRADE, 2002b). Já na América Latina, segundo pesquisas do Banco Interamericano de Desenvolvimento, estima-se em 168 bilhões de dólares o custo social do crime e da violência em toda a região, atingindo o percentual elevadíssimo de 15% do PIB com gastos vinculados a criminalidade e a violência, tendo como base a média geral que se acentua com os países subdesenvolvidos, promovendo impactos bastante expressivos sobre as respectivas economias (RONDON; ANDRADE, 2003). A pesquisa apresenta percentuais menores quando são observados os países da América latina em separado, ou seja, os gastos com a criminalidade representam em torno de 5% do PIB dos países latinos americanos, tais como México e Brasil. Quando a análise tem como objeto cidades brasileiras, como Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte, mantém a média entre 3 a 5 % do PIB municipal: FIGURA 3: Custos da Violência em relação ao Valor do PIB Municipal 15

16 A mensuração de gastos decorrentes da violência e da criminalidade na cidade do Rio de Janeiro não difere muito dos dados referentes ao Brasil e a América Latina, mas, quanto aos elevados níveis de violência, como a marca de 63 homicídios para cada grupo de habitantes (ISER, 1998), só vai encontrar equivalência em cidades como São Paulo e Bogotá. A insegurança social no Rio de Janeiro é considerada endêmica e se agrava no descontrole público e notório do Estado, que já perdeu o pleno controle de áreas específicas onde se constituiu um estado paralelo sob o comando do tráfico de drogas. Em que pese o Rio de Janeiro estar entre as cidades mais violentas do mundo, as conseqüências incidem tanto no bem estar dos seus moradores, quanto nos prejuízos econômicos decorrentes da violência e da criminalidade. Tal perspectiva se evidencia também no setor do turismo, como já foi exposto, e nas altas somas que são investidas em segurança pública que poderiam estar sendo aplicadas em outros setores, além dos gastos com segurança privada e outras categorias. Segundo dados do ISER (1998), os custos estimados no âmbito público são de R$ 1 bilhão e 800 milhões ano, somados aos custos com segurança privada totaliza-se R$ 3 bilhões de reais, ou seja, mais de 5% do PIB do Rio de Janeiro em Quanto aos custos decorrentes da violência e da criminalidade em São Paulo, Kahn (1999) afirma que na primeira categoria referente a gastos do poder público estima-se R$ 4 bilhões e 200 milhões em Foram deduzidos os gastos com o Corpo de Bombeiros, depois foram incluídos gastos com menores infratores, Ministério Público, Procuradoria do Estado, Guarda Municipal, seguros e indenizações públicas, pensões, gastos hospitalares e investimentos na prevenção e combate ao crime. Na categoria seguinte, referente aos gastos pessoais com a aquisição de segurança e decorrente da perda direta de patrimônio privado em função da ação delituosa, Kahn (1999) estima o gasto de R$ 4 bilhões e 757 milhões em 1997, conforme segue abaixo: 16

17 Tabela 1: Custos da Violência em São Paulo - Segurança Privada e Roubos Quanto aos valores que deixam de ser produzidos ou ganhos pela sociedade em razão da insegurança social em São Paulo, afirma-se que o montante perpassa de 83% a 91% dos custos da violência, fora às perdas intangíveis (ISER, 1988). Levando-se em conta que o PIB nominal do Estado de São Paulo foi de 292,31 bilhões de reais em 1997, segundo a Fundação Seade (apud KAHN, 1999), com base no montante total da três categorias expostas que atingem 8 bilhões e 96 milhões de reais, mantém-se a média geral de 3% a 5% por cento do PIB do Estado de São Paulo despendiados com os custos da violência. Tendo como base o ano de 2000, as pesquisas realizadas por Rondon e Andrade (2002a; 2002b; 2003) em Belo Horizonte para fins de mensuração dos gastos decorrentes da violência e da criminalidade contemplam índices percentuais em relação ao PIB um pouco menores do que os das demais capitais nacionais e da América Latina, contudo, dentro da média geral, ou seja, na faixa de 3% a 5%. Pode-se entender melhor esse percentual ao observarmos que a capital mineira não dispõe de um potencial turístico efetivo e de porte, bem como, os índices de violência são menores do que os de cidades como o Rio de Janeiro e São Paulo. Dessa forma, avaliamos que, apesar de menores, os prejuízos sócio-econômicos em Belo Horizonte são tão significativos quanto os de outras capitais brasileiras e da América Latina. 17

18 Os gastos despendiados de forma direta (exógenos) com a violência e a criminalidade, ou seja, gastos com segurança pública, segurança privada e seguros, são estimados na faixa de R$ ,00 (2,26% do PIB). Por outro lado, os gastos indiretos (endógenos) com a violência e a criminalidade, que perpassam as despesas com vitimização, perdas de renda das vítimas fatais e decorrentes de furtos e roubos, alcançam a estimativa de R$ ,00 (1,60% do PIB). Totaliza-se gastos estimados na faixa de R$ ,00 (3,9 % do PIB). Em números comparativos, os custos exógenos, que são preventivos, são maiores do que os custos endógenos, que são posteriores ao crime, ou seja, conseqüências da violência, conforme Tabela abaixo: Tabela 2: Composição dos Custos da Criminalidade Belo Horizonte FONTE: RONDON; ANDRADE, Segundo os levantamentos de Carvalho (2007), a Bahia traz o paradoxo de dispor do sexto PIB do Brasil contraposto pela vigésima posição nacional no IDH - Índice de Desenvolvimento Humano, justificado pela distribuição de renda desigual que conduz a situação de pobreza em que vive a sua população. A Região Metropolitana de Salvador (RMS), onde residem 23,12 % da população baiana, tem 44,09% da população com renda per capita de até dois salários mínimos e quase um terço da população vive na linha de pobreza, portanto, uma condição socioeconômica bem delicada e pouco distinta das demais regiões do Estado da Bahia (Carvalho, 2007). Tal situação não poderia levar a outros resultados dos que aparecem nos altos índices de violência e criminalidade em Salvador e na Bahia. 18

19 Apesar dos gastos imensuráveis, Carvalho (2007) efetuou um longo delineamento de dados referentes a custos decorrentes da violência e da criminalidade na Bahia, divididos em três grandes grupos, referentes aos custos do Estado com a prevenção e combate ao crime, aos custos da população com segurança privada e seguros, e aos custos do Estado com a investigação policial, assistência médica com as vítimas e na manutenção dos presos na cadeia. O somatório dos custos com a violência e a criminalidade na Bahia alcança um valor estimado de R$ ,39, levando-se em conta que o PIB do Estado da Bahia em 2005 foi de R$ ,00, concluise que quase 4,5% do PIB é canalizado para a prevenção, o combate e a recuperação de criminosos no nosso Estado conforme podemos ver abaixo, fora o que se deixa de ganhar com o turismo nacional e internacional conforme observamos anteriormente. Tabela 3: Custo Total do Crime na Bahia 2005 FONTE: CARVALHO,

20 Portanto, a violência e a criminalidade se constituem fatores que incidem diretamente na economia e no cotidiano humano, com prejuízos quase imensuráveis a toda a sociedade. Além de somas que atingem em média 5% do PIB, pesquisas sobre vitimização têm demonstrado que a violência retrai as pessoas quanto ao relacionamento social, ou seja, a criminalidade reduz a intensidade das relações interpessoais. Por conseguinte, há uma redução na qualidade de vida, pois, as pessoas mudam seus hábitos cotidianamente na tentativa de diminuir o risco a que estariam submetidos. Dessa forma, deixam de sair de casa a noite, de freqüentar lugares prediletos, de ir a comércios de rua, de utilizar transportes públicos, de socializar-se com vizinhos e moradores próximos, etc. Enfim, acabam se enclausurando em suas residências com saídas somente para o trabalho e outras atividades indispensáveis. 5. Investimentos em Segurança Pública: Brasil e Bahia Frente ao quadro caótico que se desdobra em todo o território nacional em face da violência e da criminalidade, o Governo Federal instituiu no âmbito do Ministério da Justiça a SENASP Secretaria Nacional de Segurança Pública (2008). No âmbito de suas ações, o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (PRONASCI) visa articular políticas de segurança entre a União, Estados e Municípios com ações sociais que priorizem a prevenção do crime, ou seja, direcionando suas ações para as causas que levam à violência. Dentre os eixos do PRONASCI, destacamos a valorização dos profissionais de segurança pública, a reestruturação do sistema penitenciário, o combate à corrupção policial e a inserção da comunidade na prevenção da violência. Através do PRONASCI, em nível de investimentos, a SENASP (2008) pretende disponibilizar cerca de R$ 6 bilhões e 707 milhões em investimentos federais até o fim de 2012, com o objetivo de otiimizar a qualificação dos profissionais de segurança pública, bem como, atuar no âmbito social de forma preventiva através de ações que contemplem jovens e reservistas que são atraídos e cooptados pelo crime, além de egressos do sistema prisional que acabam reingressando na marginalidade por falta de 20

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS Ministério da Justiça Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Formação de Pessoal em Segurança Pública DIAGNÓSTICO DA CRIMINALIDADE 24 Evolução dos

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

IMS UNIBANCO FORMAL EDUCAÇÃO QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO AMBIENTAL ACESSO A BENS CULTURAIS VOLUNTARIADO ENSINO MÉDIO REDE CEAS JOVEM APRENDIZ

IMS UNIBANCO FORMAL EDUCAÇÃO QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO AMBIENTAL ACESSO A BENS CULTURAIS VOLUNTARIADO ENSINO MÉDIO REDE CEAS JOVEM APRENDIZ Instituto Unibanco Uma visão geral Sustentabilidade UNIBANCO VOLUNTARIADO SOCIAL e HUMANO EDUCAÇÃO FORMAL ENSINO MÉDIO Triple Bottom Line IMS ACESSO A BENS CULTURAIS ECONÔMICO QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde

Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Escola de Governo em Saúde PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO EM INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE Responsável: Profª

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

Crack, é possível vencer

Crack, é possível vencer Crack, é possível vencer Prevenção Educação, Informação e Capacitação Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas

Leia mais

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO Diversos problemas levaram à situação atual O problema sempre foi tratado com uma série de OUs Natureza ou policial ou social Responsabilidade ou

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 01 de abril de 2009 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança

Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Como Bogotá conseguiu melhorar sua segurança Publicado em: http://www.comunidadesegura.org Hugo Acero* 16/11/2006 Quando se analisa o tema da segurança cidadã no âmbito da América Latina, comprova-se que

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena)

PROJETO DE LEI Nº., DE 2015. (Do Sr. Roberto de Lucena) PROJETO DE LEI Nº., DE 2015 (Do Sr. Roberto de Lucena) Altera a Lei nº 11.343 de 23 de agosto de 2006, que institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas - Sisnad; prescreve medidas para

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos

Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Educação em direitos humanos na polícia do Ceará: novas ações formativas, orientações e contéudos Autores: Glauciria Mota Brasil; Emanuel Bruno Lopes; Ana Karine Pessoa Cavalcante Miranda Paes de Carvalho

Leia mais

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA Segurança SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA A sensação de segurança é uma questão que influencia significativamente a qualidade de vida de toda a sociedade devendo ser tratada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça Programa 1127 Sistema Único de Segurança Pública - SUSP Numero de Ações 12 Ações Orçamentárias 2272 Gestão e Administração do Programa Produto: - Unidade de Medida: - Esfera: 10 Função: 06 - Segurança

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador

Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador Orientações para informação das turmas do Programa Mais Educação/Ensino Médio Inovador 1. Introdução O Programa Mais Educação e o Programa Ensino Médio Inovador são estratégias do Ministério da Educação

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

Nome da Prática inovadora: Boletim de Acidente de Trânsito On line. Caracterização da situação anterior:

Nome da Prática inovadora: Boletim de Acidente de Trânsito On line. Caracterização da situação anterior: Nome da Prática inovadora: Boletim de Acidente de Trânsito On line Caracterização da situação anterior: O registro de acidente de trânsito sem vítima atendido diariamente pela CIPTRAN através das viaturas

Leia mais

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva EDITAL MDS/PNUD De 31/08/2005 (DOU) Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS e o Programa das Nações

Leia mais

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007

Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Publicação DOU nº 98, seção 1 de 23 de maio de 2007 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 6.117, DE 22 DE MAIO DE 2007 Aprova a Política Nacional sobre o Álcool, dispõe sobre as medidas para redução do uso

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013 PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013 PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 3 a 30 de junho de 013 PROJETO BRA/04/09 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. TRILHAS Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Programas Sociais. A recente experiência paulistana

Programas Sociais. A recente experiência paulistana Programas Sociais A recente experiência paulistana Mapa da fome no Brasil na década de 1950 Fonte: Banco Central do Brasil Fonte: CASTRO, Josué. Geografia da Fome. São Paulo: Brasiliense, 1957 10.000 9.000

Leia mais

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010).

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010). FORMAÇÃO CONTINUADA NA LIDA DO POLICIAL CIVIL: estudo sobre as estratégias de formação continuada de policiais civis para o atendimento aos grupos vulneráveis Bárbara Aragão Teodoro Silva UFMG Este pôster

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RS. EDUCAÇÃO Informações da Secretaria Estadual da Educação (RS) repassadas a ZH em julho de 2013.

GOVERNO DO ESTADO DO RS. EDUCAÇÃO Informações da Secretaria Estadual da Educação (RS) repassadas a ZH em julho de 2013. GOVERNO DO ESTADO DO RS EDUCAÇÃO Informações da Secretaria Estadual da Educação (RS) repassadas a ZH em julho de 2013. Investimento geral em educação na atual gestão R$ 17.826.973.025,67 Eixos de destaque:

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack, Álcool e outras drogas. Governo Federal O QUE É? Conjunto de medidas, que pretende reorganizar o atendimento aos dependentes químicos na Rede do Sistema Único

Leia mais

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 001/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras drogas

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Eixo II - A GESTÃO DO SUAS: VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL, PROCESSOS DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Evolução da Vigilância Socioassistencial no Brasil e no Município de São Paulo Introdução

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais