SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5"

Transcrição

1

2

3 RESUMO O presente estágio curricular obrigatório foi desenvolvido na unidade de recebimento e secagem de cereais da Campagro Insumos Agrícolas, unidade Boa Vista em Campo Mourão PR. O estágio teve a duração de 400 horas, com 30 horas semanais. O departamento de recebimento e secagem de cereais, conta com um gerente, dois classificadores de grãos, um balanceiro, um encarregado operacional um operador de máquinas industriais e cinco auxiliares gerais que realizam suas atividades na classificação, pesagem, descarga nas moegas, pré-limpeza, limpeza, secagem e armazenagem do produto. De acordo com as atividades realizadas pela empresa o estágio compreendeu o acompanhamento dos processos de: classificação; pesagem (descarga); pré-limpeza; secagem (temperatura, umidade, entrada e saída); pós-limpeza; armazenagem (silo a granel, produto limpo e seco); sistema de aeração; expedição (embarque e classificação). O cumprimento do estágio possibilita experiência na área de alimentos e desenvolve habilidades para enfrentar o mercado de trabalho. Desta forma, o estágio proporcionou a prática estudada em sala resultando em um bom aproveitamento por parte do aluno.

4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5 3 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO DEPARTAMENTO DE RECEBIMENTO DE CEREAIS UNIDADE BOA VISTA CAMPAGRO INSUMOS AGRICOLAS CAMPO MOURÃO (PR) Recebimento e Classificação de grãos Descarga e Pré-limpeza Secagem Pós-limpeza Armazenagem Expedição (embarque e classificação) CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 17

5 3 1 INTRODUÇÃO A secagem de produtos agrícolas é uma prática dos primórdios da civilização, quando não havia qualquer preocupação com a armazenagem, a diminuição de umidade dos grãos ocorria no próprio campo. A secagem era feita em condições naturais do ambiente, ditadas principalmente pela energia solar incidente e o movimento do ar. Mais tarde, tentou-se controlar parcialmente as condições de secagem, e esta passou a ser feita em fogões especiais ou salas aquecidas. Entre a Primeira e Segunda Guerra, diversas unidades experimentais de secagem foram construídas. Nessa época, apenas algumas unidades comerciais estavam trabalhando e destinavam-se, basicamente, à secagem de frutas, vegetais e feno, além da secagem de sementes de milho. Após a Segunda Guerra Mundial, tornaram-se comuns as grandes unidades comerciais de secagem, bem como grandes quantidades de grãos passaram a ser secos nas fazendas (AGROMUNDO, 2013). O processo de secagem com altas temperaturas baseia-se na propriedade pela qual, aumentando-se a temperatura do ar úmido, a umidade relativa diminui e consequentemente a capacidade do ar em absorver umidade aumenta. Geralmente o ar é forçado a passar através do secador por meio de um ventilador, depois de ter entrado em contato com o produto o ar deixa o secador com uma temperatura mais baixa e uma umidade relativa mais elevada. A secagem artificial com altas temperaturas é uma técnica muito utilizada em fazendas, indústrias de transformação, unidades armazenadoras-coletoras e intermediárias do mundo inteiro (DONZELLES, 2013). As impurezas como (palhas, talos, pedaços de sabugos, bajes verdes) dificultam a passagem dos grãos pelos transportadores, reduzem a capacidade das máquinas de pré-limpeza e pós-limpeza e reduzem a operação das máquinas em uma passagem satisfatória e um armazenamento seguro. Como, a limpeza é necessária ao melhoramento das características de um lote de grãos, a remoção de impurezas e materiais indesejáveis exige que a massa passe por uma ou mais máquinas, essas máquinas fazem a separação com base na diferença de alguma característica física entre os grãos e a impurezas e quando essas características são similares, a separação torna-se difícil e as máquinas de limpeza e pré-limpeza

6 4 operam, normalmente baseadas no sistema de separação pelo ar e por peneira (TEIXEIRA et al, 2003). O conjunto de características físicas, químicas, biológicas e sensoriais definem a qualidade original do material que vai ser armazenado, a condição do grão estabelecida por ocasião da colheita estando relacionada aos processos de colheita e às técnicas de limpeza. Esta condição define a capacidade de o grão resistir ao ataque de insetos e microrganismos (D ARCE, 2013). Os grãos procedentes das lavouras não apresentam condições adequadas ao imediato armazenamento. O produto, tal como recebido do campo, possui em sua maioria, elevado teor de impurezas, o que o torna inadequado para o armazenamento e fora dos padrões de comercialização (WEBER, 2005). O objetivo de armazenamento adequado de grãos é manter a sua duração, as qualidades biológicas, químicas e físicas que estes grãos possuem, imediatamente após a colheita. A operação de secagem é uma parte importante do processamento que antecede a armazenagem. A qualidade dos grãos não pode ser melhorada durante o armazenamento. Grãos colhidos inadequadamente serão de qualidade baixa, não importando como são armazenados. Dois fatores afetam de modo especial a qualidade dos grãos: alto teor de umidade e colheita inadequada (AGROMUNDO, 2013). Na cadeia produtiva de grãos, as unidades armazenadoras devem ser estruturadas, adequadamente projetadas e gerenciadas para a recepção, limpeza, secagem, armazenagem e expedição. Produtos agrícolas geralmente são matérias-primas adquiridas pelas indústrias com o objetivo de um processamento oferecendo um produto de qualidade ao consumidor. Para que o milho, soja, trigo sejam armazenados dentro dos padrões da legislação brasileira mantendo sua qualidade; quando entregue dos produtores para a indústria o primeiro passo é a retirada das impurezas em excesso para que o produto tenha um bom rendimento na secagem e eliminação da umidade. É essencial que os grãos retirados do secador estejam na umidade ideal para o armazenamento podem ficar até cinco anos em silos ou armazéns, desde que seja mantido produtos armazenados à temperatura ambiente, no interior do local de armazenamento. Para que isto ocorra os grãos devem ser armazenados inteiros, livres de impurezas, e com umidade de 13% soja, 14% milho e 13% para o trigo.

7 5 O objetivo deste estágio foi acompanhar o fluxo do produto no processo de secagem e armazenagem de produtos como soja, milho e trigo mantendo a qualidade satisfatória adequada para a comercialização. 2. DESCRIÇÃO DO LOCAL O presente estágio foi realizado na empresa Campagro Insumos Agrícolas Unidade Boa Vista de Campo Mourão localizada na BR 369 km 12, saída para Cascavel, a qual conta com uma equipe de aproximadamente 16 colaboradores diretos. O departamento operacional possui uma equipe de um encarregado um operador de máquinas e cinco auxiliares gerais que realizam suas tarefas neste ambiente para deixá-lo organizado e apto para as atividades que são realizadas no mesmo. A Unidade Boa Vista Campagro Campo Mourão, conta ainda com o departamento de armazenamento de grãos com estrutura de quatro silos com capacidade de toneladas cada um deles. Para a realização das atividades de recebimento e classificação de grãos, pré-limpeza, secagem, pós-limpeza, armazenamento e expedição (embarque e classificação) a empresa possui máquinas industriais com o objetivo de processar a matéria prima recebida dos produtores, armazenar e comercializar o produto de acordo com as normas estabelecidas pela legislação. 3. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO DEPARTAMENTO DE RECEBIMENTO DE CEREAIS UNIDADE BOA VISTA CAMPAGRO INSUMOS AGRICOLAS CAMPO MOURÃO (PR). O estágio curricular obrigatório teve início em 09/02/2012 e término em 15/05/2012, com uma carga de 30 horas semanais e um total de 400 horas durante as quais foram desenvolvidas as atividades descritas abaixo. 3.1 Recebimento e Classificação de grãos: no período de colheita dos grãos os produtores agrícolas entregam seus produtos como soja, milho e trigo para que

8 6 sejam tratados e apresentem condições satisfatórias dentro das normas da Legislação Brasileira (BRASIL, 2000b) para armazenagem e comercialização sendo que pequenos e médios produtores não possuem em suas propriedades locais de secagem e armazenagem com qualidade para seus produtos agrícolas. É de fundamental importância a realização das atividades de limpeza, secagem e armazenagem, pois a falta destes processos implica em produtos agrícolas sem condições de armazenagem por pequeno ou longo período. A primeira etapa na indústria é o recebimento e a classificação dos grãos que chegam em caminhões, vide (Figura 1 e 2). Ao chegar um caminhão, antes que a matéria-prima seja descarregada, esta deve passar por uma etapa de classificação onde são realizadas as análises de umidade, impurezas, grãos avariados e quebrados, como mostra a (Figura 3). FIGURA 1: Caminhão aguardando a retirada da amostra. FONTE: AFONSO (2013).

9 7 FIGURA 2: Colaborador retirando a amostra do caminhão. FONTE: AFONSO (2013). A análise de classificação da matéria prima é de grande importância para o produtor e para a indústria, pois a indústria repassa somente o valor referente ao produto limpo, sendo que o percentual de umidade, impurezas e grãos avariados/quebrados serão descontados do produtor de acordo com as impurezas de seu produto. Além dos resultados oferecidos para o produtor, esta análise indica o lote ou moega onde o caminhão deve ser descarregado para organizar a prélimpeza e secagem do produto.

10 8 FIGURA 3: Colaborador preparando amostra para classificação. FONTE: AFONSO (2013). Para realizar a análise de classificação dos caminhões, retiram-se amostras por meio de uma sonda coletora (calador de 1,5m), fazendo-se a coleta em pontos diferentes dependendo do tamanho do caminhão, permitindo ter uma amostra que represente toda a carga. A análise de umidade é realizada através de um equipamento chamado de Universal Moinsture Tester (Figura 4) é utilizado condutividade elétrica em outras palavras quanto mais água tiver o grão, mais corrente elétrica passará através dele, é um equipamento rápido que permite o manuseio por colaboradores sem treinamento, mas gera erros devido a possibilidade de manipulação de resultados. E para obter resultados de impurezas e grãos avariados e quebrados utiliza-se um jogo com três peneiras de diferentes meschs e fundo, através de movimentos manuais separam-se os grãos limpos das impurezas e grãos avariados/quebrados.

11 9 FIGURA 4: Medidor de umidade universal. FONTE: STASIAK (2009). 3.2 Descarga e Pré-limpeza: a descarga é realizada através de um tombador (Figura 5), móvel que pode ser movimentado entre as quatro moegas da unidade, dependendo do tipo de produto e a umidade nele contida. As moegas são estruturas empregadas para a recepção do produto a granel. No tombador o veículo carregado estaciona sobre uma superfície, que é inclinada entre 40 a 45 até o escoamento de todo o produto. FIGURA 5: Tombador basculante. FONTE: STASIAK (2009).

12 10 O produto é retirado da moega através de gravidade, cai sobre uma esteira transportadora que alimenta o elevador de canecas após ser transportado pelo elevador o produto desce por gravidade para alimentar a máquina de pré-limpeza. A máquina de pré-limpeza (Figura 6) trabalha no sentido oscilação em pequeno curso, ela é constituída por quatro jogos de peneiras sendo que as impurezas maiores são retiradas na primeira peneira, impurezas menores são retiradas nas peneiras inferiores após este processo o produto está pronto para ser encaminhado ao secador. FIGURA 6: Maquina de pré-limpeza. FONTE: STASIAK (2009).

13 Secagem: a secagem é a operação que tem por finalidade reduzir o teor de umidade do produto a um nível adequado para sua estocagem por um período prolongado. A unidade possui um secador de fluxos de ar contracorrentes (Figura 7 e 8) com alimentação de calor com forno a lenha. Os fluxos de grãos e ar de secagem ocorrem em sentidos contrários sendo que o fluxo de grãos ocorre no sentido da gravidade e o fluxo de ar em sentido ascendente. FIGURA 7: secador de grãos. FONTE: AFONSO (2013).

14 12 FIGURA 8: secador de grãos. FONTE: AFONSO (2013). Para cada tipo de produto utiliza-se uma determinada temperatura de secagem: por exemplo, a soja 80 a 85 C; milho de 10 0 a 105 C e trigo 70 a 75 C, a temperatura é acompanhada pelo operador em 4 pontos diferentes do secador através de um relógio termostático. O tempo de secagem de um determinado lote de grãos depende da umidade verificada na etapa de classificação realizada quando o caminhão chega com o produto. O produto é mantido em circulação dentro do secador empregando calor direto, a cada 30 minutos é retirada uma amostra para realizar a análise de umidade até que o produto atinja o percentual de umidade adequado para o armazenamento. 3.4 Pós-limpeza: a máquina de pós-limpeza trabalha no sentido oscilação em pequeno curso, sendo constituída por quatro jogos de peneiras se apresentando de forma semelhante à máquina de pré-limpeza, (responsável pela eliminação de interferentes leves através da ação do ar por exaustores, e impurezas grandes e pequenas através das peneiras).

15 13 A etapa de pós-limpeza é de grande importância, pois além da limpeza do produto seco são retirados todos os grãos quebrados, com o objetivo de eliminar ou minimizar o aquecimento dos grãos e a proliferação de fungos dentro do local e período de armazenamento. Portanto, o armazenamento dos grãos deve ser realizado somente com grãos inteiros para manter qualidade por longo período de armazenagem. 3.5 Armazenagem: na unidade os grãos são armazenados em silos metálicos de acordo com (Figura 9 e 10), nos quais durante o verão, o calor solar pode provocar aumento na temperatura dos grãos, os armazéns graneleiros metálicos, haverá incidência de raios solares no teto e paredes destas estruturas não é diretamente responsável pela mudança de temperatura na massa de grãos, pois estes, apresentam baixa condutividade térmica (PUZZI, 1977). FIGURA 9: Silo metálico para armazenagem de grãos. FONTE: AFONSO (2013).

16 14 FIGURA 10: silo metálico para armazenagem de grãos. FONTE: AFONSO (2013). Os grãos são microrganismos vivos e como tal, mesmo desligados biologicamente da planta desde o momento de sua maturação, eles respiram, liberam gás carbônico (CO 2 ), água (H 2 O) e calor. Em função da umidade, este processo ocorre de forma mais ou menos intensa: quanto maior a umidade dos grãos maior será a liberação de calor. A temperatura, embora tenha importância não tem, entretanto, a mesma influência sobre a aceleração do aquecimento dos grãos (WEBER, 2001). Além da umidade e da temperatura, os danos mecânicos e as impurezas também influenciam muito nas condições dos produtos armazenados. Os grãos têm a sua qualidade comprometida pelo ataque dos insetos e dos fungos, que, em uma massa com excesso de umidade e calor, encontram ambiente ideal para a proliferação e a consequente deterioração quantitativa e qualitativa da massa armazenada. Grãos secos, sem excesso de água, impedem o desenvolvimento dos fungos e os seus danos altamente nocivos (WEBER, 2001). A deterioração de uma massa de grãos, depositada na célula de um silo, tem frequentemente, seu início nas regiões de acúmulo de fragmentos e pó. Os núcleos maiores que 2,50 m de altura começam a se aquecer dentro de um período aproximado de 50 dias, esse aquecimento é propagado para outras partes da massa ensilada e, quanto maior o aumento da temperatura, maior será o desenvolvimento

17 15 de fungos. A temperatura, no centro do núcleo, pode aumentar rapidamente, atingindo 57 C e surgindo, inicialmente, odores de grãos mofados e, depois, ácidos, os grãos perdem a cor característica. Em grãos oleaginosos e, principalmente, na soja, constatam-se temperaturas acima de 93 C (PUZZ I, 1999). Grãos secos, sem excesso de água, impedem o desenvolvimento dos fungos e seus danos altamente nocivos devido a contaminantes que comprometem a segurança e qualidade de grãos. Estes contaminantes são as pragas de grãos armazenados, fungos, micotoxinas, resíduos de pesticidas e impurezas, que podem ocorrer desde a fase de produção e armazenagem, seguindo por toda a cadeia de grãos e chegando à mesa do consumidor (LORINI, 2005). A aeração é a movimentação de ar ambiente adequado, através da massa de grãos, para melhorar as condições de armazenamento. Os grãos armazenados a granel necessitam, periodicamente, de um arejamento fazendo-se passar o ar, através da massa de grãos. A aeração tem como objetivo a manutenção dos grãos armazenados, sem prejuízo da qualidade e da quantidade da massa armazenada, através de um sistema mecânico. Para que isto aconteça é indispensável o recurso da termometria, do sistema adequado da aeração (WEBER, 2001). Não existe horário para se promover a aeração no cereal, o que deve ser observado é a temperatura da massa de grãos e a temperatura e umidade relativa do ambiente, a aeração deve ser promovida sempre que estes fatores permitam. Não há tempo estipulado de aeração, variando este de região para região, de acordo com o clima; há uma média cerca de 60 horas de aeração por mês. A aeração no cereal deverá cessar somente após a expedição de todo o cereal do silo ou graneleiro. 3.6 Expedição (embarque e classificação): A expedição é a movimentação do produto dos armazéns graneleiros por correias transportadoras e elevadores até os silos de expedição, local onde é realizado o carregamento dos caminhões. Depois de carregado, o caminhão é pesado para aferição da carga. O embarque conta com um silo pulmão de aproximadamente 40 toneladas para armazenamento durante o processo de carregamento entre os caminhões, com uma entrada de produto pela gravidade através de um cano de 4 polegadas; um elevador de canecas que alimenta o cano; e uma balança rodoviária para o controle do peso da carga adicionada aos caminhões.

18 16 Para realizar a análise de classificação dos caminhões a granel, retira-se amostras por meio de uma sonda coletora (calador de 1,5m), fazendo-se a coleta em pontos diferentes dependendo do tamanho do caminhão, permitindo ter uma amostra que represente toda a carga. A umidade é realizada através de um equipamento chamado de Universal Moinsture Tester, e para obter resultados de impurezas e grãos avariados e quebrados utiliza-se um jogo com três peneiras de diferentes meschs e fundo, através de movimentos manuais separa-se os grãos limpos das impurezas e grãos avariados/quebrados. A análise de classificação realizada na expedição é garantia de que o produto está de acordo com os padrões da legislação brasileira (BRASIL, 2000a) como umidade adequada a cada tipo de produto, impurezas, grãos avariados e quebrados até 2%. Esta análise é realizada por um colaborador da empresa consumidora do produto, sendo que a carga poderá ser aprovada ou reprovada. 4. CONCLUSÃO A base teórica permitiu que durante o período de estágio fossem observadas as possibilidades de correções nos processos de limpeza, secagem e armazenagem de grãos, como: Durante a safra há um grande fluxo de produtos recebidos em pouco tempo a soja e o trigo são normalmente recebidos com baixa umidade, porém o milho é recebido com alta umidade, e a unidade não consegue fazer a secagem do produto que entra diariamente em 24 horas, ficando o produto armazenado em espaço sem ventilação perdendo a qualidade, além da falta de espaço para o dia seguinte. Há falta de exaustores para circulação de ar dentro dos túneis e poços de elevadores, assim resíduos de milho úmido nestes locais liberam gás tóxico, que se respirado pelo homem pode levar a óbito em poucos minutos. A decomposição de grãos pode gerar vapores inflamáveis se a umidade do grão for superior a 20% poderá gerar metanol, propanol, ou butanol, os gases metano e etano são tóxicos e inflamáveis e podem gerar explosões.

19 17 Observou-se também um grande desperdício de produto durante o processo através das tubulações furadas. Para a correção destes itens observados falta investimento e isto afeta diretamente a qualidade das atividades desenvolvidas nos processos de limpeza, secagem e armazenagem de grãos. As atividades desenvolvidas favoreceram o entendimento e observação da importância destas para a indústria, e que cada etapa que o produto percorre é de grande importância para a obtenção da qualidade do produto. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AFONSO, L; D; A. Secagem e Armazenagem de milho. Disponível em: < Acesso em; 02 Fev AGROMUNDO, Secagem e Armazenagem de Grãos. Disponível em <http://www.agromundo.com.br/?p=21413 >. Acesso em; 07 Fev BRASIL. Lei N 9.972, de 25 de maio de 2000(a). Ins titui a classificação de produtos vegetais, subprodutos e resíduos de valor econômico, e dá outras providências. Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos, Brasília, DF, 25 de maio de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9972.htm> Acesso em: 17 mar BRASIL. Lei N 9.973, de 29 de maio de 2000(b). Dis põe sobre o sistema de armazenagem dos produtos agropecuários. Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos, Brasília, DF, 29 de maio de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9973.htm> Acesso em: 17 mar D, ARCE. R.B.A.M. Pós Colheita e Armazenamento de Grãos. Disponível em <http://www.esalq.usp.br/departamentos/lan/pdf/armazenamentodegraos.pdf>. Acesso em: 08 Fev DONZELLES, L. M. S. Secagem e Secadores. Disponível em <http://www.agr.feis.unesp.br/defers/docentes/mauricio/pdf/zocoler/cap5.pdf>. Acesso em: Fev LORINI, I. Armazenamento do milho safrinha. X Seminário Nacional Rio Verde (Goiás), Disponível em < Acesso em: 11 Fev PUZZI, D. Abastecimento e Armazenagem de Grãos. São Paulo: Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, 1999.

20 18 PUZZI, D. Manual de armazenamento de grãos: armazéns e silos. São Paulo: Agronômica Ceres, STAZIAK, G. Implantação de uma unidade armazenadora de grãos para prestação de serviços na região de Formosa GO e entorno. Boletim Técnico UPIS (Faculdades Integradas). Planaltina (DF), Disponível em < %C3%A7%C3%A3o_unidade_armazenadora_gr%C3%A3os_presta%C3%A7%C3% A3o_servi%C3%A7os_regi%C3%A3o_Formosa_GO_entorno.pdf>. Acesso em: 25 Jan TEIXEIRA, M. M. et al. Propriedades Físicas e Aerodinâmicas Aplicadas ao Projeto de Máquinas de Limpeza para grãos de Milho. Engenharia na Agricultura, Viçosa, v.11, n.1-4, Jan./Dez., Disponível em <http://www.ufv.br/dea/reveng/arquivos/vol11/v11n1-4p52-57.pdf>. Acesso em: 10 Fev WEBER, E. A. Armazenagem Agrícola. Guaíba: Agropecuária, WEBER, E. A. Excelência em Beneficiamento e Armazenagem de Grãos. Guaíba: Agropecuária, 2005.

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

A cevada será recebida exclusivamente à granel.

A cevada será recebida exclusivamente à granel. I Instrução Interna Nr. 10/2015 DE :Diretoria PARA :Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 CEVADA CERVEJEIRA 01 - RECEPÇÃO: A cevada será recebida na seguinte unidade: L O C

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA.

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. Informe Número: 435 Data: 07/02/2014 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os valores de custos

Leia mais

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja 53 Marcos César Colacino 1 ; Carolina Maria Gaspar de Oliveira 2 RESUMO A antecipação da colheita da soja resulta em uma grande quantidade de vagens verdes

Leia mais

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA Autor: Aline Manenti Darabas Colaboraram para este projeto: Agenor Borges Arminda, Diarles Giusti Consoni, Karoline Hilzendeger Pereira, Sandro Novelli e Valdineia

Leia mais

Amostragem e análises de qualidade em grãos

Amostragem e análises de qualidade em grãos Disciplina de Armazenamento e Conservação de Grãos 2015/02 Amostragem e análises de qualidade em grãos Prof. Nathan Levien Vanier Eng. Agrônomo, Dr. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Objetivos - Compreender

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instrução Técnica Nº 027/2010 EM REVISÃO Armazenamento em Silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja O farelo integral ou semi integral obtido através do processo de extrusão vem ganhando cada vez mais espaço em

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 27/2010 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Arroz; controle de poeira; equipamento; exaustor; filtro de manga; poeira; silo

RESPOSTA TÉCNICA. Arroz; controle de poeira; equipamento; exaustor; filtro de manga; poeira; silo RESPOSTA TÉCNICA Título Controle de poeira Resumo Informações sobre o controle da poeira gerada em silos. Palavras-chave Arroz; controle de poeira; equipamento; exaustor; filtro de manga; poeira; silo

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Romenique José AVELAR 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Ricardo Resende CABRAL 1 ; João Antônio de CASTRO 1 ;

Leia mais

Critérios técnicos para ampliação de uma unidade de beneficiamento de sementes de milho 1

Critérios técnicos para ampliação de uma unidade de beneficiamento de sementes de milho 1 65 Critérios técnicos para ampliação de uma unidade de beneficiamento de sementes de milho 1 Edson Junior Seibt 2 ; Maria Laura Gomes Silva Luz 3 ; Carlos Alberto Silveira Luz 3 ; Gizele Ingrid Gadotti

Leia mais

Qualidade de grãos de milho

Qualidade de grãos de milho 55ª Reunião Técnica Anual do Milho 38ª Reunião Técnica Anual do Sorgo 19 a 21 de Julho de 2010 (Vacaria, RS) Qualidade de grãos de milho Composição do grão de milho Proteína 9% Óleo 4% Açucares 1,7% Minerais

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 429/12 Data: 26/11/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO

Leia mais

Manutenções em Unidades Armazenadoras 1. Por: Luís César da Silva

Manutenções em Unidades Armazenadoras 1. Por: Luís César da Silva 1 Manutenções em Unidades Armazenadoras 1 Por: Luís César da Silva Unidades armazenadoras de grãos devem configurar como sistemas adequadamente projetados, estruturados e gerenciados para o recebimento,

Leia mais

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 Nº 02 Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 SAFRA INVERNO Mais informações no Controle de Qualidade (42) 3234-8037 com Fernando Barreto, (42) 8816-3452 / Marcelo

Leia mais

Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso

Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso Universidade Federal de Santa Catarina www.producaoonline.inf.br ISSN 1676-1901 / Vol. 1/ Num. 1/ Outubro de 2001 Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso Silvana Aparecida Bragatto

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Soluções para Agronegócio Visão Geral Eficiência e produtividade em todas as safras? Conte com a WEG. Para nós, produtividade e eficiência

Leia mais

Analise de Viabilidade Econômica para Secagem de Milho com Gás Liquefeito de Petróleo.

Analise de Viabilidade Econômica para Secagem de Milho com Gás Liquefeito de Petróleo. Analise de Viabilidade Econômica para Secagem de Milho com Gás Liquefeito de Petróleo. Ivano Ribeiro (Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste) ivano.r@pop.com.br Rua Tiradentes Nº 2345 Ap.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 Foi instalado em 30/01/2003, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CONSEA, o qual tem caráter consultivo e assessora

Leia mais

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente 05 Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 ; Roberta Jimenez de Alameida Rigueira 2 ; Kaio Kauê

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL Porto Alegre, 21 de março de 2003. 1 - INTRODUÇÃO O carvão

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 O SISTEMA LOGÍSTICO DO MILHO EM UM ARMAZÉM GRANELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ: UM ESTUDO DE CASO Luiz

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Recursos Naturais Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO PÓS-COLHEITA DE GRÃOS FORMA/GRAU: ( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação Apresentação A amostragem de grãos constitui se, em nível de armazenagem, na primeira preocupação a ser considerada por estar relacionada à identificação ou diagnóstico dos eventuais serviços necessários

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Suelem Correia Garcia 1, Lohanne Oliveira Rodrigues 1, Rutiele Tamara Januário Rodrigues 1, Camilla

Leia mais

Manual de Operação setembro / 2010

Manual de Operação setembro / 2010 Hid atec Manual de Operação setembro / 2010 Anotações Assistência Técnica 02 Anotações Assistência Técnica Índice PARTIDA 1. Material necessário 2. Descrição das atividades 3. Ações no caso de anormalidade

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) NO AR ONE TOUCH Lavanda, Jardim e Pomar, Conforto do Lar e Amor de Mãe.

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) NO AR ONE TOUCH Lavanda, Jardim e Pomar, Conforto do Lar e Amor de Mãe. Página 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Código interno Aparelho / Refil NO AR LAVANDA (Provence) 9047 / 9051 NO AR AMOR DE MÃE (Lembranças) 9049 / 9053 NO AR JARDIM E POMAR 9046 / 9050

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO SUREG-ES. BRÍCIO ALVES DOS SANTOS JÚNIOR - Superintendente

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO SUREG-ES. BRÍCIO ALVES DOS SANTOS JÚNIOR - Superintendente CONJUNTURA CACAU NO ESPÍRITO SANTO Agosto/2015 SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO ESPÍRITO SANTO SUREG-ES BRÍCIO ALVES DOS SANTOS JÚNIOR - Superintendente KERLEY MESQUITA DE SOUZA Assistente e Técnico de Operações

Leia mais

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução O presente estudo trata da construção de um modelo de quantificação das perdas de grãos do plantio

Leia mais

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva 1 Fornalhas em secadores cascata 1 Por: Luís César da Silva Para a realização do processo de secagem artificial quase sempre é necessário aumentar o potencial de secagem do ar. Nesse caso, faz-se necessário

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes (42) 8816-3452 ou Fernando Barreto (DDR 3234-8135) Nº01

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes (42) 8816-3452 ou Fernando Barreto (DDR 3234-8135) Nº01 www.castrolanda.coop.br/circular Nº01 Nº 01 I Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda I Fevereiro, 4-2011 SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes

Leia mais

METODOLOGIA DO INDICADOR DE PREÇOS DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA

METODOLOGIA DO INDICADOR DE PREÇOS DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA METODOLOGIA DO INDICADOR DE PREÇOS DA SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA 1. OBJETIVO Descrever a Metodologia do Indicador de Preços da SOJA ESALQ/BM&FBOVESPA, produto comercializado no porto de Paranaguá nas modalidades

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW 55 - Primer Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Manta Piscina Fabricado por Lwart Química Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

Feam. e) alto forno a carvão vegetal: alto forno que utiliza o carvão vegetal como combustível e redutor no processo de produção do ferro gusa;

Feam. e) alto forno a carvão vegetal: alto forno que utiliza o carvão vegetal como combustível e redutor no processo de produção do ferro gusa; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ

WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ WOOD BRIQUETE BIOBRIQUETE BAGAÇO CANA BIOBRIQUETE CASCA CAFÉ A solução para a questão vai incluir uma mudança substancial em relação ao modelo de produção, consumo e desenvolvimento. Para isso, será necessário

Leia mais

ANEXO ÍNTEGRA DA NOVA REDAÇÃO DO ANEXO I DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 33, DE 12 DE JULHO DE 2007 ANEXO I

ANEXO ÍNTEGRA DA NOVA REDAÇÃO DO ANEXO I DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 33, DE 12 DE JULHO DE 2007 ANEXO I ANEXO ÍNTEGRA DA NOVA REDAÇÃO DO ANEXO I DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 33, DE 12 DE JULHO DE 2007 ANEXO I TÉCNICOS OBRIGATÓRIOS OU RECOMENDADOS PARA CERTIFICAÇÃO DE UNIDADES ARMAZENADORAS EM AMBIENTE NATURAL

Leia mais

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos:

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos: MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 9ª reunião do Grupo de Trabalho de Fontes Fixas Data: 29 e 30 de novembro de 2010 Processo n 02000.002780/2007-32 LIMITES

Leia mais

Transformação do trigo em farinha, com ênfase no processo de industrialização da Farinha de Trigo São Roque.

Transformação do trigo em farinha, com ênfase no processo de industrialização da Farinha de Trigo São Roque. Transformação do trigo em farinha, com ênfase no processo de industrialização da Farinha de Trigo São Roque. 1ª etapa PRODUÇÃO COMPOSIÇÃO MÉDIA(%) DO GRÃO GRÃO FARELO GERMEN ENDOSPERMA UMIDADE 11-14

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Cristalizador de vidros Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116 km

Leia mais

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Nathan José Mota Garcia (1) ; Rosiane Gonçalves dos Santos (1) ; Carlos Roberto de Sousa Costa (2)

Leia mais

MANUAL PURIFICADOR DE AR

MANUAL PURIFICADOR DE AR 1 MANUAL PURIFICADOR DE AR Parede / Portátil Ambientes Públicos *fotos meramente ilustrativas. atendimento@oxipower.com.br 1 2 MANUAL DE INSTRUÇÕES PURIFICADORES DE AR Modelos Parede e Portátil versão

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome:

4º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome: Atividade de Estudo - Ciências 4º ano Nome: 1- Imagine que o quadriculado abaixo seja uma representação da composição do ar. No total, são 100 quadradinhos. PINTE, de acordo com a legenda, a quantidade

Leia mais

ESTUDO LOGÍSTICO SOBRE A CAPACIDADE DE ESTOCAGEM DE SOJE EM QUATRO MICRORREGIÕES NO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO LOGÍSTICO SOBRE A CAPACIDADE DE ESTOCAGEM DE SOJE EM QUATRO MICRORREGIÕES NO ESTADO DO PARANÁ XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

QUIMICRYL S/A Ficha de Segurança de Produtos Químicos Página 1 de 8 BAUCRYL 5.000. Data da última revisão: 28/3/2013

QUIMICRYL S/A Ficha de Segurança de Produtos Químicos Página 1 de 8 BAUCRYL 5.000. Data da última revisão: 28/3/2013 Ficha de Segurança de Produtos Químicos Página 1 de 8 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: BAUCRYL 5.000. Usos Recomendados: SISTEMA MAI MEMBRANA DE POLÍMERO MODIFICADA COM CIMENTO Impermeabilizante

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Especializados na concepção e produção sob medida de equipamentos de secagem, resfriamento e processamento térmico para a indústria.

Especializados na concepção e produção sob medida de equipamentos de secagem, resfriamento e processamento térmico para a indústria. Especializados na concepção e produção sob medida de equipamentos de secagem, resfriamento e processamento térmico para a indústria. Thermal processing solutions Especialistas em processos térmicos A Ingetecsa

Leia mais

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 A crosta, o manto e o núcleo da Terra A estrutura do planeta A Terra é esférica e ligeiramente achatada nos polos, compacta e com um raio aproximado de 6.370 km. Os

Leia mais

Saiba mais sobre Condicionadores de AR.

Saiba mais sobre Condicionadores de AR. Saiba mais sobre Condicionadores de AR. O ar-condicionado está na vida das pessoas: em casa, no carro e no trabalho. Apesar de ser um alívio contra o calor, este equipamento pode ser um meio de disseminação

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos

Gerenciamento de Depósitos Gerenciamento de Depósitos Diferentes modelos e tipos de CD s e armazéns podem auxiliar na busca por soluções logísticas eficientes, para diferentes produtos, com características logísticas diversas. As

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

Quebras de Impureza e Umidade 1. Por: Luís César da Silva

Quebras de Impureza e Umidade 1. Por: Luís César da Silva 1 Quebras de Impureza e Umidade 1 Por: Luís César da Silva 1. Introdução O produto proveniente da área de cultivo, normalmente, apresenta teores de impureza e umidade superiores aos recomendados para comercialização,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250

MANUAL DO USUÁRIO. DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250 MANUAL DO USUÁRIO DESUMIDIFICADOR Modelo: KDP 250 INTRODUÇÃO Parabéns por adquirir o Desumidificador Air Life KOMECO, desenvolvido para oferecer maior conforto e bem-estar com muito mais economia de energia.

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: CORANTE CARAMELO CER Página: (1 of 8) ATENçÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

Caracterização dos sistemas solares térmicos instalados nas residências do programa Minha Casa Minha Vida no município de Teresina

Caracterização dos sistemas solares térmicos instalados nas residências do programa Minha Casa Minha Vida no município de Teresina Caracterização dos sistemas solares térmicos instalados nas residências do programa Minha Casa Minha Vida no município de Teresina Mateus de Melo Araujo (Aluno de ICV), Marcos Antonio Tavares Lira (Orientador,

Leia mais

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO 13º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO José Eloir Denardin Embrapa Trigo AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO DENARDIN, 2012 CONFERÊNCIA DE ABERTURA OBJETIVOS

Leia mais

Edição 38 (Março/2014)

Edição 38 (Março/2014) Edição 38 (Março/2014) Cenário Econômico: A atividade do comércio varejista registrou crescimento de 6,1% em fevereiro ante o mesmo período do ano anterior, na terceira aceleração consecutiva do resultado

Leia mais

16/09/2015. movimentação de materiais colheita manual e mecânica na quinta transporte refrigerado transporte de gado vivo transporte em tapete rolante

16/09/2015. movimentação de materiais colheita manual e mecânica na quinta transporte refrigerado transporte de gado vivo transporte em tapete rolante 1 Processos utilizados na indústria alimentar divididos em operações comuns (operações unitárias) operações unitárias incluem diversas actividades operações mais comuns movimentação de materiais limpeza

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO Profº Júlio César Arrué dos Santos Ciclo da Água Fonte: http://www.aguasdevalongo.net/veolia/infantil/default.asp O ciclo da água que está apresentado

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Armazenagem de milho em silos secadores no Alto Uruguai Gaúcho RESUMO

Armazenagem de milho em silos secadores no Alto Uruguai Gaúcho RESUMO Armazenagem de milho em silos secadores no Alto Uruguai Gaúcho 83 Murilo Correa Marcon 1, André Pellegrini 2, Carlos Alberto Angonese 1, Valdir Machado 1, Claudio Kochhan 1 ; Antonio Pandolfo 1 RESUMO

Leia mais

Volume 1 - Edição 23 - Junho de 2005

Volume 1 - Edição 23 - Junho de 2005 Volume 1 - Edição 23 - Junho de 2005 Este Informativo Técnico foi produzido pela área de Saúde Ocupacional e Segurança Ambiental da 3M e é destinado aos Profissionais de Segurança. Se desejar obter mais

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO CAFÉ. Juarez de Sousa e Silva Solenir Rufato

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO CAFÉ. Juarez de Sousa e Silva Solenir Rufato DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO CAFÉ Juarez de Sousa e Silva Solenir Rufato 1. INTRODUCÃO O conceito de conteúdo de umidade tem origem no fato de os grãos de café serem constituídos de substâncias sólidas e

Leia mais

b. Temperatura Regra Prática

b. Temperatura Regra Prática Armazenamento Etapa final do processo Cuidados ARMAZENAMENTO DE SEMENTES OBJETIVOS Manter a qualidade fisiológica - deterioração Evitar aberrações cromossômicas - mutações Regularizar o mercado Época de

Leia mais

PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH

PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH PLANTAS DE MOAGEM A SECO PARA CERÂMICA DRY-TECH Nos últimos anos, graças a um trabalho contínuo de pesquisa e desenvolvimento, as linhas de moagem a seco passaram por uma grande evolução, tanto é que hoje,

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

Lareira a lenha Tipo Gota

Lareira a lenha Tipo Gota Lareira a lenha Tipo Gota Manual de instalação, uso e manutenção. ÍNDICE APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS EQUIPAMENTO - LAREIRA A LENHA GOTA CUIDADOS INSTALAÇÃO DA LAREIRA DESENHOS TÉCNICOS SISTEMA

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

' #( $ ( ) ( *+,-.-.+, PORTUÁRIA 6% FAZENDA 15% RURAL 32% URBANA 47% OFICIAL 5% PRIVADA 74% COOPERATIVA 21%

' #( $ ( ) ( *+,-.-.+, PORTUÁRIA 6% FAZENDA 15% RURAL 32% URBANA 47% OFICIAL 5% PRIVADA 74% COOPERATIVA 21% &!"#$ %" #$ #$ ' #( 140.000 120.000 100.000 Produção (1.000 t) Capacidade Estática (1.000 t) $ ( 80.000 60.000 40.000 20.000 ) ( 0 1975 1977 1979 1981 1983 1985 1987 1989 1991 1993 1995 1997 1999 2001

Leia mais

VII - ARMAZENAMENTO. Os seguintes aspectos devem ser observados na construção de paióis:

VII - ARMAZENAMENTO. Os seguintes aspectos devem ser observados na construção de paióis: VII - ARMAZENAMENTO Renato de Alencar Fontes 1. INTRODUÇÃO o armazenamento de milho nas propriedades, à espera de melhores preços ou para o consumo gradual na entressafra é, de modo geral, realizado em

Leia mais

FISPQ A - 016 Em conformidade com a NBR 14725:2005 2 ed.

FISPQ A - 016 Em conformidade com a NBR 14725:2005 2 ed. 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Aplicação: Limpa Contatos Limpeza de contatos elétricos Fornecedor: Sprayon Química Industrial Ltda - ME - Indústria Brasileira Endereço: Rua Chile

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

Unidades de Recebimento, Secagem e Armazenamento de Produtos Agrícolas. Aspectos Estruturais e Conteúdos Armazenados

Unidades de Recebimento, Secagem e Armazenamento de Produtos Agrícolas. Aspectos Estruturais e Conteúdos Armazenados Unidades de Recebimento, Secagem e Armazenamento de Produtos Agrícolas Aspectos Estruturais e Conteúdos Armazenados Engº Civil José Marin Gerente de Engenharia e Manutenção da Coamo Conhecendo a Coamo

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL O que é? O biodiesel pode ser produzido a partir de qualquer óleo vegetal - tal como soja, girassol, canola, palma ou mamona -, assim como a partir de gordura

Leia mais

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC)

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) ÍNDICE 1. Gestão da Propriedade...03 2. Gestão Ambiental...04 3. Material Propagativo (Sementes, mudas e estacas)...05 4. Localização e Implantação de Cafezais...06

Leia mais

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA 1. Introdução a) Quantificação do vapor d água na atmosfera. b) Importância da quantificação da umidade atmosférica: - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Óleo Combustível. Informações Técnicas

Óleo Combustível. Informações Técnicas Informações Técnicas 1. Definição e composição... 3 2. Principais aplicações... 3 2.1. Sistemas de combustão de óleo combustível... 3 3. Tipos de óleos combustíveis... 4 4. Requisitos de qualidade e especificação...

Leia mais

FBV CURSOS CURSO DE ALMOXARIFADO ALUNA: WILLIANA RATSUNNE SHIRASU. A importância do Almoxarifado para as instituições públicas

FBV CURSOS CURSO DE ALMOXARIFADO ALUNA: WILLIANA RATSUNNE SHIRASU. A importância do Almoxarifado para as instituições públicas FBV CURSOS CURSO DE ALMOXARIFADO ALUNA: WILLIANA RATSUNNE SHIRASU A importância do Almoxarifado para as instituições públicas No decorrer da história humana, foram comuns as práticas de guardar alimentos

Leia mais