Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "jardel188@yahoo.com.br, banaszewski@cpgei.ct.utfpr.edu.br, tacla@utfpr.edu.br, stadzisz@utfpr.edu.br, jeansimao@utfpr.edu.br"

Transcrição

1 AMBIENTE DE CONTROLE HOLÔNICO SOBRE O SIMULADOR ANALYTICE II E COMPARAÇÕES DE POLÍTICAS DE CONTROLE DE MANUFATURA JARDEL LUCCA, RONI F. BANASZEWSKI, CESAR A. TACLA, PAULO C. STADZISZ, JEAN M. SIMÃO Laboratório de Sistemas Inteligentes de Produção (LSIP) Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica e Informática Industrial (CPGEI) Campus Curitiba - Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Avenida Sete de Setembro, Curitiba/PR, Brasil - CEP Abstract - The production tendencies require agile Manufacturing Systems (MS) in which the resources have some integrative and collaborative intelligence and are organized by an advanced control. Thus, the agile MS demands new tools for design and test. In this sense, previous works proposed a control solution related to a MS simulator. This solution was inspired by Rules Based Systems and proposed a new inference solution based upon notification that allows creating varied types of control. However, its prototype state does not provide graphical interface to make easy the creation of these controls. In this context, this paper presents evolutions related to the control solution by the development of a friendly environment. Furthermore, based on this environment, it is carried out comparisons of different control policies on the simulator. Key-words: Manufacturing Systems, Holonic Control, Control Interface, Control Police Comparison. Resumo - As tendências de produção exigem Sistemas de Manufatureiros (SM) ágeis nos quais os recursos têm certa inteligência integrativo-colaborativa e são organizados por um controle avançado. Assim sendo, os SM ágeis exigem novas ferramentas para projetos e testes. Neste sentido, trabalhos anteriores propuseram uma solução de controle usada sobre um simulador de SM. Esta solução foi inspirada em Sistemas Baseados em Regras, originando uma nova forma de inferência baseada em notificações a qual permite criar diversos tipos de controle com características ímpares. Entretanto, o estado de protótipo desta solução não fornece facilidades de interface gráfica para criar estes controles. Neste âmbito, este artigo apresenta evoluções para com esta solução por meio da implementação de um ambiente amigável de desenvolvimento. Ademais, a partir deste ambiente é realizada a comparação de diferentes políticas de controle no simulador. Palavras-chave: Sistemas de Manufatura, Controle Holônico, Interface de Controle, Comparações de Políticas de Controles. 1. Introdução Em vários setores da produção é notória a demanda por qualidade, diversidade e agilidade na produção, o que exige capacidade de se produzir diversos tipos de produtos competitivos em curtos períodos de tempo. Este cenário é evidenciado pela tendência de personalização em massa, na qual clientes terão escolhas personalizadas com preços viáveis [1][2][3]. Decorrentemente, há a tendência de que a produção não seja mais determinada pelos industriais, mas pelos clientes via e-business [3]. Mas para isto é necessário melhorar a integração entre a informática e a automática nos Sistemas de Manufatura (SM), bem como evoluí-los para alcançar agilidade (i.e. tempo de resposta competitivo) frente à produção variada e mesmo personalizada [1][2]. Neste âmbito, surgem os paradigmas ágeis dos SM que visam superar as deficiências dos não ágeis neste novo contexto. Tais paradigmas não ágeis incluem o hierárquico (inflexível, mas controlável) e mesmo o heterárquico (flexível, mas imprevisível) [1][2]. Um paradigma ágil deve encontrar equilíbrio entre hierarquia e heterarquia, mantendo suas vantagens. Entre os paradigmas ágeis, o mais enfatizado é o paradigma holônico, que advém da teoria de sistemas adaptativos [1][2][4][5]. O SM Holônico (SMH) contém entidades inteligentes chamadas de holons, entre os quais os Resource-HLs (e.g. Equipment-HLs) que colaboram para produzir em conformidade com um dado plano de produção (variada) vigente [1][2][4][5][6]. No caso da produção personalizada, também existem os Product-HLs, que negociam com os Resource-HLs para usar seus serviços e mesmo competem por eles baseados em fatores como prioridade de produção [1][2][4]. Como é ilustrado na Figura 1, os holons estão na interface entre informática (determinação do cliente via e-business cf. descrito anteriormente) e automática (planta). Figura 1: Entidades Inteligentes (Holons) em Planta Flexível [4]. Mas muito embora possa prover certa agilidade, apenas a negociação de forma hierárquica entre Resource-HLs e mesmo Product-HLs é incoerente com o paradigma holônico, o qual visa equilíbrio entre hierarquia e heterarquia. Logo, deve existir um Controle Holônico para regular as sociedades de holons (i.e. a holarquia) por meio de regras flexíveis [2][4][5]. Para solucionar esta problemática, em esforços prévios de pesquisa, foi proposta uma solução de Controle Holônico (CH) na forma de um

2 meta-modelo [4][5]. Uma primeira vantagem deste meta-modelo é a possibilidade de conceber holarquias de Resource-HLs com ou sem participação explícita de Product-HLs [4][5][6][7]. O meta-modelo de controle foi inspirado em Sistemas Baseados em Regras (SBR) e implementado sobre um simulador de SM, chamado ANALYTICE II, que é capaz de simular Resource-HLs e mesmo Product-HLs [4]. Nessa solução de controle, relações causais (regras) de controle são tratadas por agentes Rules, compostos por subagentes, que recebem dados factuais dos Resource-HLs e deliberam sobre ações, como a coordenação deles [4][5][6][8]. A inferência das Rules ocorre em uma cadeia de notificações composta pelos seus subagentes, constituindo-se em uma solução de inferência ímpar, conforme detalhado em [4][6]. Isto permite alta reatividade, desacoplamentos, determinismo e resolução de conflitos nas instâncias de controle, dentre outras vantagens [4][5][6]. Mas este meta-modelo foi implementado na forma de um framework e conectado ao ANALYTICE II, ambos desenvolvidos em linguagem C++, de forma que o estado de protótipo desta solução de controle apresenta algumas dificuldades para realização de experimentos. Um exemplo pontual de dificuldade é a criação de regras (conhecimento causal) dos controles, via código de programação, com a instanciação de agentes Rules e seus subagentes a partir do framework. Isto dificulta a utilização da solução por usuários sem uma cultura técnica de computação suficientemente acentuada. Este artigo apresenta um ambiente de desenvolvimento na forma de interfaces amigáveis sobre o framework de controle, detalhado no relatório em [9] e sintetizado no resumo em [10], e sua aplicação na elaboração e comparação de controles. O ambiente se restringe a criação de instâncias de controle orientadas ao processo (i.e. sem participação de Product-HLs) e é validado pela comparação de controles gerados nele com os seus equivalentes elaborados diretamente a partir do framework [9]. Em suma, as Rules (e seus subagentes) que controlam os Resource-HLs são criadas a partir do ambiente de desenvolvimento, permitindo elaborar instâncias de controle em alto nível. Também é apresentado como se dá a utilização do ambiente para a elaboração de controles e quais são as vantagens decorrentes deste. Ademais, usando este ambiente, elaboram-se controles nas abordagens hierárquica, heterárquica e holônica (orientada ao processo), sobre um mesmo SM, a fim de se comparar o desempenho destas abordagens. Isto permite comprovar as vantagens da abordagem holônica em relação às demais abordagens por meio de experimento efetivo, algo que rareia na literatura dos SMH. 2. ANALYTICE II e Controle Holônico (CH) Uma recorrência nas tecnologias de SM é a necessidade de testes e comparações. Uma opção é a simulação que evita riscos e tem um custo menor em relação a sistemas reais [4][5]. Entretanto, isto implica em ter um simulador com certas características essenciais, e.g. alta qualidade, baixo preço e disponibilidade de código fonte [4][5]. Este contexto levou ao desenvolvimento do ANALYTICE II, no LSIP/CPGEI da UTFPR, sendo este uma ferramenta de projeto e simulação de SM. ANALYTICE II foi elaborado visando modularidade, o que inclui a separação de recursos e produtos simulados das entidades de controle por meio de uma rede-virtual. Tais características fazem deste simulador promissor para uma solução realística de controle de SMH, uma vez que há carência disto e de experimentações decorrentes [11]. Neste simulador, os Resource-HLs (e os Product- HLs) são implementados de forma realística, separando suas partes mecatrônica e de software via uma rede virtual (vide Figura 2), o que se constitui em um trabalho relevante e mesmo ímpar [4][5]. Visto que ANALYTICE II é capaz de simular estes holons e que há carência de solução de controle holônico, elaborou-se a supracitada solução de controle [4][5][6][7], a qual consiste em um metamodelo de controle na forma de um framework, conforme mencionado. Figura 2: Resource-HL (controláveis) em ANALYTICE II. [7]. 3. Meta-Modelo de Controle Holônico (CH) O meta-modelo de controle foi aplicado primeiramente a CH orientado ao processo (i.e. sem participação de Product-HLs). Por ser a solução inspirada em SBR, as relações causais do controle podem ser expressas em termos de regras (cf. regra na Figura 3, relativa ao SM da Figura 2) que são tratadas por entidades chamadas Rules, sendo estas também um tipo de holon (cf. Figura 4). A inferência destas Rules é feita por meio de colaborações baseadas em notificações, de forma que os Resource-HLs notificam conhecimento factual para as Rules. Cada Rule notificada delibera a respeito do momento apropriado para a execução de certa ação de controle, tal como a coordenação dos Resource-HLs.

3 Figura 3: Holons Rules [7]. Na verdade, tanto os Resource-HLs quanto as Rules são compostas por subagentes ou subholons conforme apresentado no diagrama de classes em UML na Figura 4. Cada Resource-HL tem Attributes que externam seus estados, bem como Methods que o permite realizar serviços [4][5]. Cada Rule, por sua vez, é composta por uma Condition e uma Action. Cada Condition é ainda composta por um conjunto de Premises e cada Action é ainda composta por um conjunto de Instigations. A colaboração por notificação de todos estes elementos forma uma inferência diferenciada [4][5][6][7]. Figura 4: Diagrama UML dos Holons Notificantes [6]. Em suma, cada vez que um Attribute de um Resource-HL muda de estado, ele notifica apenas as Premises pertinentes. Estas são conhecidas pelo Attribute na formação delas, cada vez que ele é referenciado por cada uma delas. Cada Premise notificada compara, por meio de um operador, o estado deste Attribute com outro valor que pode ser uma constante ou o estado de outro Attribute. Cada Premise que tiver seu estado lógico alterado, notifica sua Condition que realiza seu cálculo causal pela conjunção dos estados lógicos de cada Premise considerada. Se a Condition se considerar verdadeira, ela aprova sua Rule que por sua vez ativa sua Action. A execução da Action é essencialmente o incitar de suas Instigations que ativam Methods de Resource-HLs, os quais podem alterar os estados de seus Attributes. Assim sendo, a inferência acontece em uma cadeia de notificações de holons e subholons. Este tipo de inferência provê vantagens para o CH como a alta reatividade, o desacoplamento dos elementos e a compatibilidade/equivalência com formalismo das redes de Petri [4][5][6][7][8]. Ademais, o fato de cada Rule realizar seu próprio processo de inferência faz desta solução inovadora em relação às abordagens existentes, nas quais as entidades lógico causais são passivas (ou semipassivas) e inferidas por uma máquina de inferência monolítica [6][7]. A solução também permite a criação de mecanismos cooperativos para questões relativas ao determinismo e ao conflito [4]. Além disso, esta abordagem de controle orientada a regras permite a coerência entre a implementação e a expressão do controle, permitindo que os mecanismos de controle possam ser emergidos a partir do conhecimento causal de controle expresso por especialistas nas Rules, inclusive na forma de regras causais textuais, se existir um ambiente de suporte para tal. Havendo este ambiente, comumente denotado como Wizard, os especialistas concentram-se exclusivamente no conhecimento apropriado de controle para explorar as flexibilidades do sistema objetivando agilidade. Em suma, esta solução de CH orientada ao processo trata simultaneamente de um conjunto de questões de controle ainda sendo uma solução autocontida e também aberta para outras questões como uso de Product-HLs [4]. Na interpretação do metamodelo para o uso destes, suas interações com Resource-HLs são organizadas usando Rules aprimoradas que impedem comportamentos impróprios do SM. Essencialmente, as Rules consideram também os interesses ou estados do Product-HLs, cf. [4][7]. Esta solução de controle tem sido aplicada em um conjunto de exemplos em ANALYTICE II que têm apresentado independência da simulação, uma vez que cada sistema de controle não é consciente que os Resource-HLs e Product-HLs são simulados [8]. Entretanto, a solução ou meta-modelo de controle foi implementado na forma de um framework em C++ sob ANALYTICE II, sem um wizard efetivo para facilitar as instanciações. Desta forma, as instâncias de controle eram geradas tecnicamente via código C++ derivando e/ou instanciado a partir do framework, o que acarretava morosidade nas experimentações. 4. Ambiente de Desenvolvimento de Controle No contexto do ANALYTICE II e de seu framework de controle, objetiva-se a elaboração de um ambiente composto por interfaces amigáveis (i.e. um wizard) para facilitar o desenvolvimento de instâncias de controle. Este wizard se faz essencial para atividades de pesquisa em controle sobre ANALYTICE II, uma vez que a instanciação técnica das Rules (i.e. via código) gera morosidade e improdutividade [9].

4 O wizard foi construído e se demonstra funcional para compor Rules em alto nível. A sua interface principal é a janela apresentada na Figura 5, a qual apresenta a mesma regra considerada na Figura 3. Esta regra em questão é relativa aos Resource-HLs de equipamentos de uma célula simulada em ANALYTICE II, apresentada na Figura Comparações Entre Políticas de Controle Depois de feito o wizard sobre o framework, o próximo passo foi a realização de comparações entre políticas de controle. Para tal, foi considerado parte do SMH apresentado na Figura 7, nomeadamente: (a) o Armazém de 9 posições (Armazem.1); (b) a Mesa de 2 posições (Mesa2P.1); e (c) o Robô Puma transportador (Puma 560.1), conforme Figura 7. Figura 5: A interface do wizard usada para a criação de uma Rule. Outra interface importante que compõem o ambiente é apresentada na Figura 6, à esquerda. Todas as Rules criadas e Resource-HLs são listadas nela. Ainda, o wizard permite a monitoração de Attributes dos Resource-HLs, por meio da janela apresentada na Figura 6, à direita. Figura 7: Equipamentos envolvidos nos testes. O Armazém de nove posições comporta peças A e B. As peças tipo A são armazenadas (à priori) nas posições de 1 a 6, transportadas para a posição 1 da Mesa e a partir daí seguem para fresamento. As peças do Tipo B são armazenadas (à priori) nas posições de 7 a 9, transportadas para a posição 2 da mesa e a partir daí seguem para torneamento. Figura 6: Interfaces para listar Resource-HLs, Attributes e Rules. Monitorar os Attributes de um dado Resource-HL significa listá-los, bem como disponibilizar todos os seus valores durante uma dada execução. Na verdade, também há a possibilidade de alteração dos valores destes Attributes em tempo de execução. Este conjunto de funcionalidades provê facilidades na elaboração de controles, permitindo a decorrente realização de experimentos sem a necessidade de que o usuário tenha que determinar a instanciação das Rules e seus respectivos subagentes. Desta forma, o usuário irá concentrar-se somente na determinação das características relacionais e estruturais das Rules. O wizard ainda permite registrar o conteúdo das Rules decorrentes em arquivos, além de permitir que estas sejam excluídas, editadas ou recuperadas. Figura 8: As regras hierárquicas usadas.

5 Este cenário (chamado caso nominal) ocorre porque normalmente se produz duas vezes a quantidade de peças A em relação à quantidade de peças B, sendo o processamento de A (fresamento) duas vezes mais rápido que o de B (torneamento). Contudo, conforme as necessidades de produção, esta proporção poderia variar, sendo possível até mesmo a produção de apenas um tipo de peça. Com as características mencionadas, este sistema permite testar diferentes políticas de controle levando em consideração as permissões de utilização de posições dos Resource-HLs Armazém e Mesa. Tais permissões dependem do conhecimento das Rules, de acordo com as necessidades de produção. Assim sendo, conjuntos de Rules prescritas por políticas de controle heterárquicas, hierárquicas e holônicas foram criados e analisados. Analisou-se a eficácia do processo de produção para cada política de controle e o aproveitamento de cada Resource-HL. O controle hierárquico foi elaborado com um conjunto de regras que respeitavam estritamente a definição das posições de armazenamento para cada tipo de peça. Estas regras deste controle são mostradas na Figura 8. Enquanto a produção estava no caso nominal, houve taxas de rendimentos otimizadas. Entretanto, com uma produção mais variada, houve má utilização do Armazém uma vez que as peças tipos A e B tinham suas posições no Armazém pré-definidas e rígidas. Portanto, foi necessário realimenta-lo com uma freqüência maior do que no caso nominal. Quanto ao controle heterárquico, este é constituído por regras mais simples e livres que analisam só o necessário para sua aprovação sem considerações mais sistêmica. Por isto, este controle bane qualquer tipo de decisão organizada e se torna caótico, pois não há predição das ações das Rules decorrentes. Estas regras estão na Figura 9. A execução deste controle resultou em uma aparente melhoria na interação entre os equipamentos envolvidos uma vez que o uso do Armazém foi mais extensivo do que para o controle hierárquico. Entretanto, como não havia decisões organizadas, o número de peças produzido era imprevisível, além das peças tomarem rumos inapropriados. Por fim, o controle holônico foi elaborado com regras que respeitassem a definição dada das posições em produção nominal. Entretanto, em produção variada, permitiu-se a utilização de posições ociosas em relação à destinação original. Assim sendo, as posições do Armazém eram bem utilizadas uma vez que se diminui a freqüência de realimentação do sistema. Em suma, a diferença do controle holônico é a quantidade e a qualidade de informação considerada nas regras. Como se pode observar nas Figuras 10 e 11, tanto os conjuntos de espaços do Armazém quanto o tipo de peça a ser contida neles são verificados, o que permite variar o tipo de produto na posição. Desta forma, há o aproveitamento de espaços ociosos, mas mantendo-se a quantidade (ou proporção) desejada de peças de cada tipo. Figura 9: As regras heterárquicas usadas. Figura 10: Algumas regras holônicas usadas.

6 Finalmente, constatou-se que o controle holônico absorve as características mais vantajosas da hierarquia e da heterarquia, sendo este mais complexo e eficiente, e que em geral o número de regras necessário para representá-lo foi maior. Figura 11: Algumas regras holônicas usadas. 6. Conclusão Como premeditado, o ambiente de desenvolvimento de controle foi criado e se demonstrou funcional, de forma que possibilitou a etapa seguinte deste trabalho. Esta etapa consistiu na criação de três instâncias de controle: uma hierárquica, uma heterárquica e uma holônica. Estas instâncias foram objeto de comparação, tendo ficado evidente a preponderância da abordagem holônica perante as demais abordagens. O ambiente criado resultou em uma evolução da facilidade de composição de controles orientados ao processo, sendo uma contribuição para esta tecnologia de controle e simulação, bem como uma contribuição para potencializar as experimentações decorrentes. A comparação de controles feita é pertinente para demonstrar as afirmativas da literatura referente às vantagens da abordagem holônica em relação às abordagens precedentes. Isto porque há a afirmativa na literatura, mas não há exemplos palpáveis em abundância, sobretudo de controle holônico orientado ao processo. Por fim, dentre os trabalhos futuros, prevê-se a evolução do ambiente para comportar controle orientado ao produto (i.e. com participação explícita de Product-HLs), bem como a utilização dele para o chamado PON (Paradigma de Programação Orientado a Notificações) criado a partir do metamodelo de controle em questão [12][13]. Agradecimentos J. Lucca agradece a Fundação Araucária pela bolsa concebida para este trabalho e ao LSIP/UTFPR pelos recursos disponibilizados. Referências Bibliográficas [1] Babiceanu, R. F.; Chen F. F.: Development and Applications of Holonic Manufacturing Systems: A Survey. Journal of Intelligent Manufacturing. Vol. 17, Pp , Springer Science+Business, Inc. Manufactured in Netherlands, [2] Deen, S.M.: Agent-Based Manufacturing: Advances in the Holonic Approach. Springer, ISBN , [3] Da Silveira, G.; Borenstein, D.; Fogliatto, F.S.: Mass customization: literature review and research directions. International Journal of Production Economics, 72 (pp1-13), [4] Simão, J. M.: A Contribution to the Development of a HMS simulation tool and Proposition of a Meta- Model for Holonic Control. Ph.D. Thesis, CPGEI/UTFPR & CRAN-UHP, [5] Simão, J. M.; Stadzisz, P. C.; Morel, G.: Manufacturing Execution System for Customised Production. Journal of Material Processing Technology, Elsevier, Vol. 179, Issues 1-3, [6] Simão, J. M.; Stadzisz, P. C.: Inference Process Based on Notifications: The Kernel of a Holonic Inference Meta-Model Applied to Control Issues. IEEE Trans. on Syst. Man and Cybernetics, Part A, Syst. and Humans, Vol. 39, Issue 1, , [7] Simão, J. M.; Tacla C.A.; Stadzisz, P. C.: Holonic Control Meta-Model. IEEE Transactions on Systems, Man and Cybernetics. Part A, Systems and Humans. Accepted paper - SMCA R1, [8] Simão, J. M.; Stadzisz, P. C.; Künzle, L.A.: Rule and Agent-Oriented Architecture to Discrete Control Applied as Petri Net Players. Frontiers in Artificial Intelligence and Applications ("Advances in Logic, Artificial Intelligence and Robotics" LAPTEC 2003). Vol. 101 (pp ) IOS Press, Amsterdam - The Netherlands. ISSN: , [9] Lucca, J.: Modulo de Interface Amigável sobre Meta-modelo de Controle conectado em Ferramenta de Simulação de Sistemas de Manufatura. Relatório de Iniciação Científica. PIBIC/UTFPR, [10] Lucca, J.; Banaszewski, R. F.; Stadzisz, P. C.; Tacla, C. A; Simão, J. M: Interface sobre Metamodelo de Controle do Simulador ANALYTICE II e suas Utilizações para Comparações de Políticas de Controle de Manufatura. Resumo Est. no Seminário de Iniciação Cient. e Tecn. (SICITE) - UTFPR, [10] Deen, S. M.: Agent-Based Manufacturing: Advances in the Holonic Approach, [11] Mařík, V.: Industrial Application of the Agentbased Technology. Copyright IFAC, [12] Simão, J. M.; Stadzisz, P. C.: Paradigma Orientado a Notificações (PON) Uma Técnica de Composição e Execução de Software Orientado a Notificações. Pedido de Patente ao INPI/Brasil, Número Temporário: , [13] Banaszewski, R. F.: Paradigma Orientado a Notificações: Avanços e Comparações. Dissertação de Mestrado, CPGEI/UTFPR, 2009.

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

ARQUITETURA DE SOFTWARE DE CONTROLE ORIENTADA A REGRAS E AGENTES PARA SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE MANUFATURA

ARQUITETURA DE SOFTWARE DE CONTROLE ORIENTADA A REGRAS E AGENTES PARA SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE MANUFATURA ARQUITETURA DE SOFTWARE DE CONTROLE ORIENTADA A REGRAS E AGENTES PARA SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE MANUFATURA JEAN M. SIMÃO, PAULO R. O. DA SILVA, PAULO C. STADZISZ, LUIZ A. KÜNZLE CEFET-PR, CPGEI, LSIP Av.

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores

Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Segurança e Escalabilidade em WebLab no Domínio de Redes de Computadores Autor: Daniel Vieira de Souza 1, Orientador: Luís Fernando Faina 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS Marcos Mitsuo Ashihara 1, Nelson Tenório Jr 2, Rita Cristina Galarraga

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos Prof. Ana Cristina Trevelin Conceitos Simulação Jogos de Empresa

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1

SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1 SIMULAÇÃO APLICADA EM PROJETOS DE LINHAS DE MONTAGEM COM PALLETS RETORNÁVEIS 1 Leonardo Chwif Sinopse Simulate Tecnologia de Simulação Ltda Travessa R, n o 400, sala 19, Prédio Cietec 05508-900, São Paulo,

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS Cesar Ramos Rodrigues - cesar@ieee.org Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia,

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR Jeferson J. S. Boesing 1 ; Manassés Ribeiro 2 1.Aluno do Curso

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática para

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL RESUMO Enio Giotto Elódio Sebem Doádi Antônio Brena Universidade Federal de Santa

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos EE: Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco Universidade Federal de Pernambuco GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 201 1. 2 Sistema de Gestão de Processos de Negócio Baseado em Modelos Declarativos Proposta de Trabalho de Graduação

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES PIBIC ou PIBITI

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES PIBIC ou PIBITI Universidade Federal da Bahia Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica P IBIC UFBA RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES PIBIC ou PIBITI Nome do Bolsista

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Análise do Produto Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Tendências e requisitos do setor...3 Uma nova abordagem de programação de inspeção de CMM...4 O aplicativo na prática...5

Leia mais

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Érico Santos Rocha 1, Janaina Lemos 1, Daniel Bertoglio 1, Rafael Ávila 1, Luis Paulo Luna de Oliveira 1 1 PIPCA - Programa de

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Introdução a INGENIAS:

Introdução a INGENIAS: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA Mestrado em Ciência da Computação MCC Disciplina: Engenharia de Software Orientada a Agentes Professores:

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE F EDERAL DE P ERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA 2010.2 ANÁLISE DE UM MÉTODO PARA DETECÇÃO DE PEDESTRES EM IMAGENS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno!

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO BASEADO NO BALANCED SCORECARD PARA INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL

PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO BASEADO NO BALANCED SCORECARD PARA INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES Matheus Montanini Breve (PIBIC-Jr), Miguel Angel Chincaro Bernuy (Orientador), e-mail: migueltrabalho@gmail.com Universidade Tecnológica

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática para

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Controle de robôs industriais via Labview

Controle de robôs industriais via Labview Leonel Lopes Lima Neto Instituto Tecnológico de Aeronáutica Rua H20B, casa, nº 114, Campus do CTA São José dos Campos São Paulo 12.228-460 Bolsista PIBIC-CNPq leonel@aluno.ita.br Emilia Villani Instituto

Leia mais

AMBIENTE GRÁFICO PARA VISUALIZAÇÃO DE FLUXOS E PERDAS EM REDES ELÉTRICAS

AMBIENTE GRÁFICO PARA VISUALIZAÇÃO DE FLUXOS E PERDAS EM REDES ELÉTRICAS AMBIENTE GRÁFICO PARA VISUALIZAÇÃO DE FLUXOS E PERDAS EM REDES ELÉTRICAS Delberis A. Lima delberis@aluno.feis.unesp.br Eduardo S. Hoji shigueo@aluno.feis.unesp.br Antônio M. Cossi cossi@aluno.feis.unesp.br

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Karolyne Oliveira, Tarcísio Pereira, Emanuel Santos, Jaelson Castro Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, PE 50 740-560, Brazil

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software O que é a engenharia de software É um conjunto integrado de métodos e ferramentas utilizadas para especificar, projetar, implementar e manter um sistema. Método É uma prescrição

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas

Introdução. Aulas. ltodi.est.ips.pt/es. Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas Sumário Introdução Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Detalhes administrativos Definição de engenharia de software Contexto Relação com outras áreas e disciplinas 2

Leia mais

Introdução a Computação. A Primeira Geração. A Segunda Geração. Geração dos Computadores. Geração dos Computadores. Geração de Computadores

Introdução a Computação. A Primeira Geração. A Segunda Geração. Geração dos Computadores. Geração dos Computadores. Geração de Computadores Introdução a Computação Geração de Computadores 1ª Geração: 1950 Circuitos eletrônicos a Válvulas Operações Internas em Milissegundos Programados em Linguagem de Máquina 1 2 A Primeira Geração O UNIVAC

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Consultoria em Websites Responsivos

Consultoria em Websites Responsivos Consultoria em Websites Responsivos A seguir, uma breve descrição sobre a consultoria focada em aproveitar a maior tendência do desenvolvimento de websites responsivos. A consultoria proposta é de grande

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA Artigo apresentado no III Encontro de Professores de Engenharia da UERJ Rio de Janeiro, novembro de 1997 ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA José Paulo

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Paulo Burin 1 Orientadora: Fabiana Lorenzi 2 Resumo. Este artigo propõe a construção de uma ferramenta de software baseada na arquitetura multiagente

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e JEANE MENDES DA SILVA SANTOS Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e Plano de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO Ser reconhecido como o melhor tribunal para se trabalhar e de melhores resultados. Visão de Futuro do TRT da 8ª Região. INTRODUÇÃO Prática adotada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região que consiste

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais