ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO"

Transcrição

1 ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa faz ou pretende fazer: a empresa pretende vender sapatos, bolsas e cintos para a classe média, tendo por propósito desenvolver parcerias com as indústrias permitindo que, futuramente, venda modelos exclusivos. Baseado em quais competências/experiências/tecnologias: a empresa se utilizará da experiência de um dos proprietários, que trabalha como gerente do setor de compras em uma grande rede nacional de varejo, coordenando uma equipe formada por 25 pessoas. Ao longo de sua experiência profissional procurou conhecer a fundo o setor de calçados, atualizando-se a respeito das principais tendências do mercado. Estimulado por quais tendências de mercado: atualmente, devido a grande quantidade de materiais utilizados na fabricação de calçados, o seu preço real diminuiu, permitindo que as pessoas comprem em maior quantidade. Além disso, a moda hoje é mais volátil, o que faz muitas vezes com que o cliente deixe de usar um calçado porque está ultrapassado e não porque deixou de servir ou está estragado. Descrição do Mercado de Forma Abrangente (macro): Concorrentes: a empresa terá como concorrentes diversas lojas em toda a grande Florianópolis, sendo que muitas delas vendem somente produtos de uma marca (Franquia) e outras são multimarcas. Ao todo são 6 lojas no centro e 4 lojas em shopping centers. Clientes: a clientela é bem diversificada, pois a loja pretende vender calçados masculinos e femininos. Outro fato importante é que a loja se concentrará na venda de sapatos que correspondem ao estilo esporte-fino e social. Fornecedores: os fornecedores de produtos compreendem às diferentes empresas do ramo calçadista de todo o Brasil, cujos produtos estiverem dentro da margem de preço e estilo que a loja pretende trabalhar. Mensuração da demanda: o estudo de mercado desenvolvido estima uma venda mensal de pares de calçados. Segmento específico em que compete ou pretende competir: inicialmente, será instalada uma loja situada no centro da cidade, buscando atingir as pessoas que lá trabalham e transitam nas proximidades.

2 Comportamento do mercado em termos de: Crescimento: é um mercado que tem crescido consideravelmente, devido ao fato de que, atualmente, o calçado passou a ser considerado como um acessório de moda, tanto masculino quanto feminino. Lucratividade: a lucratividade do setor varia de acordo com o tipo de produto vendido. Para os produtos mais tradicionais, assim como para os calçados masculinos, a lucratividade alcançada é maior. Já para os produtos regidos pela moda, que se dá principalmente nos calçados femininos, a lucratividade é pequena. Características principais do mercado em termos de: Preço praticado: os preços praticados pelas lojas de calçados são muito variados. Dependendo do local em que está situada a loja e das grifes com as quais trabalha os preços têm forte variação. Formas de vendas: as lojas de calçado trabalham com vendas no varejo, nas quais o pagamento costuma ser parcelado de duas a seis vezes, sendo cobrados juros em torno de 3% (três por cento) ao mês. Distribuição: os produtos são comercializados nos pontos de venda. Assistência: as lojas de calçados não costumam oferecer qualquer garantia própria, a não ser a oferecida pelo próprio fabricante. Entretanto, essas garantias costumam ser concedidas apenas por empresas calçadistas que têm seu nome reconhecido no mercado, como as empresas franqueadoras, por exemplo. Existência de soluções tecnológicas diferenciadas: as empresas mais destacadas no segmento calçadista oferecem serviços extras, como equipamentos que permitem colocar calçados novos na fôrma, amaciando-os antes que sejam usados. Entretanto, são poucas as empresas que oferecem esse tipo de serviço. Ele costuma ser oferecido pelas grandes cadeias de lojas do setor. Estratégias de marketing: a estratégia de marketing mais utilizada é a liquidação de produtos, seguida pela panfletagem e a divulgação em jornais. Principais concorrentes: os principais concorrentes são as lojas: SASDA, DONATELLI, ARETE, ARIZZA e MrCut S. Áreas de conhecimento em que a empresa tem experiência e capacitação: o proprietário da empresa tem amplo conhecimento do setor, acompanhando sua evolução ao longo dos últimos 5 (cinco) anos. Tecnologias/habilidades dominadas pela empresa: além do conhecimento do setor de calçados, o segundo sócio da empresa tem muitos cursos e experiência na área de gestão de pessoas. Áreas de conhecimento correlatas ou complementares em que a empresa atua ou pretende atuar ou está iniciando capacitação: futuramente, a empresa pretende atuar com uma marca própria, terceirizando a fabricação de seus produtos. Também pretende produzir calçados customizados, necessários para pessoas que apresentam alguma deformação nos pés ou necessitem de um produto diferenciado para ocasiões especiais. Tecnologias/habilidades que a empresa desenvolveu, pretende desenvolver ou está desenvolvendo: a empresa enfatizará a excelência no atendimento aos clientes, além de procurar conquistar equipamentos e tecnologia que permitam customizar alguns produtos. Tendências tecnológicas, em termos de volatilidade/obsolescência da tecnologia e proliferação/padronização: como a tecnologia básica envolve

3 a produção de calçados, o comércio não tem forte influência na obsolescência tecnológica da indústria. Entretanto, o ponto comercial precisa ser periodicamente remodelado, acompanhando as tendências do setor varejista, tendo em vista apresentar sempre a sensação de modernidade, muito apreciada em negócios nesta área. Principais formas e fontes de capacitação e acesso a tecnologias que a empresa utiliza: a empresa tem como propósito a capacitação continuada na forma de atendimento, bem como adotar tecnologias que possibilitem produzir alguns produtos especialmente desenvolvidos para o cliente. ETAPA 3 MISSÃO DA EMPRESA Missão da empresa: Atender com excelência o cliente, disponibilizando calçados e acessórios completamente alinhados aos seus interesses. ETAPA 4 MERCADO CONSUMIDOR MERCADO CONSUMIDOR: Homens e mulheres pertencentes à classe média, que priorizam o uso de sapatos de estilo esporte-fino e social. ETAPA 5 MERCADO CONCORRENTE Empresas Concorrentes SASDA DONATELLI ARETE ARIZZA MrCut S Pontos Fortes Já possui uma parcela do mercado, o que torna mais fácil vender seus produtos. Devido ao fato de fazer parte de uma rede de franquias já estabelecida, a capacidade de promoção é maior. Já conquistou uma significativa parcela do mercado, o que torna mais fácil vender seus produtos. Devido ao fato de fazer parte de uma rede de franquias, apresenta um nome forte no mercado de calçados. Domina uma expressiva fatia do mercado de sapatos finos. Pontos Fracos Grande perda com estoques, o que eleva os custos da empresa. Vendedores desmotivados, o que acaba prejudicando a venda. Baixos investimentos na apresentação da loja, que aparenta antiga e sem manutenção. Preços altos e não aceitam parcelar as compras feitas em cartão de crédito. Ponto com pouca visibilidade aos clientes.

4 ETAPA 6 MERCADO FORNECEDOR PRINCIPAIS FORNECEDORES: Empresas do ramo calçadista situadas em Novo Hamburgo/RS Empresas do ramo calçadista situadas em Franca/SP Empresas do ramo calçadista situadas em São João Batista/SC PRODUTOS/SERVIÇOS FORNECIDOS: Calçados Femininos (todas as linhas) Calçados Masculinos (todas as linhas) Calçados Femininos (todas as linhas) ETAPA 7 PRINCIPAIS PRODUTOS OFERECIDOS PELA EMPRESA PRODUTOS OFERECIDOS PELA EMPRESA: Calçados e acessórios sociais ou que acompanhem o estilo esportefino, tanto para o público masculino quanto para o feminino. ETAPA 8 FLUXOGRAMA DO PROCESSO PRODUTIVO Processo de Produção: o atendimento ao cliente será personalizado, no qual cada vendedor deixará o cliente à vontade para escolher os modelos de calçados de seu interesse. Tendo explicitado o estilo desejado, o vendedor apresentará diferentes modelos, bem como as vantagens de cada uma das opções. No caso de clientes indecisos, o vendedor utilizará técnicas de venda para colher do cliente alguma idéia que lhe permita oferecer um produto alinhado aos seus interesses, sem jamais forçar o cliente a comprar. FLUXOGRAMA DE PRODUÇÃO - ETAPAS ATIVIDADE 1. Após o cliente entrar na loja, o vendedor ou gerente deverá se apresentar para ajudá-lo. 2. Mesmo que não seja atendido imediatamente, deve ser deixado à vontade, analisando os produtos da loja. 3. Dirigindo-se pelo nome, conduzir o diálogo. Mostrar alternativas, eliminar dúvidas e mostrar modelos alternativos. 4. Resumir as indicações descritas, sensibilizar para as opções que respondem às necessidades. 5. Fechar a venda, identificar forma de pagamento, garantir possíveis facilidades. 6. Receber pagamento, entregar a mercadoria,agradecer a preferência, convidar para retorno. RESPONSÁVEL Vendedor Vendedor, Gerente Vendedor, Controlador de Estoque Vendedor Vendedor Caixa

5 ETAPA 9 EQUIPAMENTOS/INSTRUMENTOS QUE INTEGRAM O PROCESSO EQUIPAMENTOS/INSTRUMENTOS QUE INTEGRAM O PROCESSO ETAPAS EQUIPAMENTOS/INSTRUMENTOS UTILIZADOS Cumprimentar o cliente - Identificar a necessidade Computador Concretizar a venda Caixa ETAPA 10 MÓVEIS E UTENSÍLIOS NECESSÁRIOS MÓVEIS E UTENSÍLIOS QUE INTEGRAM O PROCESSO ETAPAS Cumprimentar o cliente Identificar a necessidade Concretizar a venda ITENS Prateleiras, expositores, espelhos, cadeiras, bancadas de atendimento. Balcão de despacho de mercadorias. ETAPA 11 MATÉRIAS-PRIMAS, MATERIAIS SECUNDÁRIOS E EMBALAGENS MATÉRIAS-PRIMAS, MATERIAIS SECUNDÁRIOS E EMBALAGENS ETAPAS MATÉRIAS- PRIMAS MATERIAIS SECUNDÁRIOS MATERIAL DE EMBALAGEM Cumprimentar o cliente Identificar a necessidade Calçados Calçadeiras - Concretizar a venda Calçados Bloco de notas Papel, etiquetas, sacolas ETAPA 12 INVESTIMENTOS FÍSICOS QUADRO DE INVESTIMENTOS FÍSICOS (EM R$) ITEM PREÇO UNITÁRIO QUANTIDADE TOTAL Móveis e decoração ,00 Computadores 1.800, ,00 Impressoras 450, ,00 Aparelhos de ar condicionado 750, ,00 Linhas telefônicas 80, ,00 TOTAL DO INVESTIMENTO ,00

6 ETAPA 13 CÁLCULO DOS INVESTIMENTOS FINANCEIROS (capital de giro) CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE CAPITAL DE GIRO RUBRICA ES (R$) Custos fixos (30 dias) ,00 Estoque de matéria-prima (30 dias) ,00 Custos de comercialização ,00 Registros e legalização 890,00 Publicidade inicial 2.000,00 TOTAL ,00 ETAPA 14 INVESTIMENTO INICIAL INVESTIMENTO INICIAL (R$) Investimento físico ,00 Investimento financeiro ,00 TOTAL ,00 ETAPA 15 GASTOS MENSAIS COM MANUTENÇÃO, DEPRECIAÇÃO E SEGUROS ITEM TOTAL (EM R$) DEPRECIAÇÃO MANUTENÇÃO Móveis e utensílios: 10%/ano 3%/ano Móveis e decoração ,00 384,25/mês 115,28/mês Equipamentos de informática: 25%/ano 5%/ano Computadores 3.600,00 75,00/mês 15,00/mês Impressoras 450,00 9,38/mês 1,88/mês Máquinas e equipamentos: 15%/ano 5%/ano Aparelhos de ar condicionado Outros: 1.500,00 18,75/mês 6,25/mês Linhas telefônicas 240, SEGURO SEGURO GLOBAL TOTAL ,00 487,38 138,41 200,00

7 ETAPA 16 CUSTOS COM MÃO-DE-OBRA FUNÇÃO SALÁRIO QUANTIDADE MENSAL ENCARGOS (%)* Gerente 1.500, ,00 630,00 Vendedores 600, , ,00 Estoquistas 600, ,00 756,00 Caixa 600, ,00 252,00 TOTAL 6.900, ,00 * 42% sobre a folha, pois a empresa é optante do SIMPLES, mas este percentual pode variar de acordo com a empresa. ETAPA 17 CUSTOS FIXOS CUSTOS FIXOS (EM R$) ITEM MENSAL ANUAL Gerente 1.500, ,00 Vendedores 3.000, ,00 Estoquistas 1.800, ,00 Caixa 600, ,00 Encargos sociais 2.898, ,00 Aluguel e taxas 3.500, ,00 Água e luz 40,00 480,00 Manutenção 138, ,92 Depreciação 487, ,56 Seguros 200, ,00 Telefone 300, ,00 Material de escritório 200, ,00 Contador 300, ,00 Pró-labore 3.000, ,00 TOTAL , ,48

8 ETAPA 18 CÁLCULO DOS CUSTOS DE MATÉRIAS-PRIMAS E MATERIAIS DIRETOS CUSTO DO SAPATO MODELO XL / 36 (UNITÁRIO)* ITEM Valor pago pelo sapato 19,40 Frete pago 0,50 Seguro pago sobre o frete 0,10 TOTAL 20,00 (*) Um modelo que representa o valor médio ponderado entre os diferentes modelos oferecidos pela loja. ETAPA 19 CÁLCULO DO CUSTO UNITÁRIO DE VENDA ITEM Rateio de Custos Fixos (R$17.963,79 : pares) 17,96 (+) Custos Variáveis por Unidade 20,00 (=) CUSTO UNITÁRIO DE VENDA 37,96 ETAPA 20 CÁLCULO DO PREÇO DE VENDA Simples Federal para EPPs (faturamento de R$ ,00 até R$ ,00 no ano) 7,40% ICMS (média) 12,60% Soma = Custos de Comercialização 20,00% Margem de Lucro(Margem de lucro estabelecida para que o preço de venda se situe próximo ao valor médio com que o produto é vendido pela concorrência) 25,77% PVU = Custo da Mercadoria 100% - (CC% + ML%) X 100 PVU = 37, (20,0 + 25,77) X 100 PVU = R$ 70,00

9 ETAPA 21 DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DISCRIMINAÇÃO 1. RECEITA OPERACIONAL MENSAL 2. Custos variáveis 2.1 Custo da Mercadoria Vendida 2.2 Custos de comercialização MENSAL ANUAL , , , , , ,00 3. SOMA ( ) , ,00 4. MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO (1-3) , ,00 5. Custos fixos , ,48 6. LUCRO LÍQUIDO (4-5) , ,52 ETAPA 22 LUCRATIVIDADE Lucratividade = Lucro Líquido x 100 Receita Total Lucratividade: (18.036,21 : ,00) x 100 = 25,77% Com base neste índice podemos afirmar que: para cada R$ 100,00 em vendas a empresa obterá R$ 25,77 de lucro. ETAPA 23 RENTABILIDADE Rentabilidade = Lucro Líquido x 100 Investimento Total Rentabilidade: (18.036, ,00) x 100 = 16,90% Com base neste índice podemos afirmar que o capital investido retornará a uma taxa de 16,90% ao mês. Ou seja, para cada R$ 100,00 investidos a empresa terá R$ 16,90 de lucro.

10 ETAPA 24 PRAZO DE RETORNO DO INVESTIMENTO Prazo de Retorno do Investimento = Investimento Total Lucro Líquido Prazo de Retorno do Investimento: ,00 : ,21= 5,9 (6* meses) (*) como o RESULTADO não é um número inteiro, deve-se arredondá-lo para cima. Com base neste índice podemos afirmar que em um prazo de 6 meses, todo o capital investido pelo proprietário retornará na forma de lucros. ETAPA 25 PONTO DE EQUILÍBRIO PE = Custos Fixos MCU Custos variáveis unitários = R$ 20,00 + (R$ 70,00 x 20%) = R$ 34,00 Ponto de Equilíbrio = ,79 / (70,00-34,00) = 498,99 = 499 pares A empresa irá atingir seu ponto de equilíbrio quando atingir o volume de vendas de 499 pares de sapato. ETAPA 26 SUMÁRIO EXECUTIVO Atualmente, devido a grande quantidade de materiais utilizados na fabricação de calçados, o seu preço real diminuiu, permitindo que as pessoas comprem em maior quantidade. Além disso, a moda hoje é mais volátil, o que faz muitas vezes com que o cliente deixe de usar um calçado porque está ultrapassado e não porque deixou de servir ou está estragado. A empresa SAPPATARIA pretende vender sapatos, bolsas e cintos para a classe média, tendo como propósito desenvolver, futuramente, parcerias com as indústrias, possibilitando a venda de modelos exclusivos. Sua missão é atender com excelência o cliente, disponibilizando calçados e acessórios completamente alinhados aos seus interesses e estilo. A empresa tem como pontos fortes: a experiência do proprietário, que gerenciou o centro de compras de uma grande rede de varejo nacional, adquirindo conhecimento sobre negociações de compra. Também tem conhecimento dos fornecedores e uma localização estratégica, uma vez que o local onde a loja será instalada é de fácil acesso e há grande circulação de pessoas. Além disso, a empresa estará apta a atender bem e orientar seus clientes, levando em consideração as características particulares de cada um.

11 O investimento inicial é dede R$ ,00, para o qual foram estimados os seguintes indicadores de desempenho: ÍNDICE LUCRATIVIDADE 25,77 % RENTABILIDADE 16,90 % PRAZO DE RETORNO DO INVESTIMENTO PE 6 meses 499 pares Os dados expostos apontam um negócio com muito potencial de sucesso.

Plano de Negócio - Agronegócio Atividade Individual em aula 3,0 pontos

Plano de Negócio - Agronegócio Atividade Individual em aula 3,0 pontos FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE DE AGRONEGÓCIOS Professor Paulo Nunes 1

Leia mais

Pessoa para Contato: João Barbosa. Rua Ceará, 1254. Belo Horizonte MG.

Pessoa para Contato: João Barbosa. Rua Ceará, 1254. Belo Horizonte MG. PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA DO RAMO DE SERVIÇOS ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Brilhante Serviços de Limpeza Razão Social: Barbosa e Rodrigues ME Sócios: João Barbosa e Jerônimo

Leia mais

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO Caro empreendedor, para que você possa elaborar com facilidade seu plano de negócio, utilize o manual da Etapa 2 seguindo as orientações passo a passo que estão contidas

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 6 Plano de Negócios Empreendedorismo de Negócios com Informática - Plano de Negócios 1 Conteúdo Sumário Executivo Apresentação da Empresa Plano de Marketing

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE

ESTUDO DE VIABILIDADE ESTUDO DE VIABILIDADE REDE LOCAL / ARRANJO PRODUTIVO LOCAL / CADEIA PRODUTIVA NOME: SIGLA: ESTADO: 1º Parte - Viabilidade Econômica e Ambiental Esta é a dimensão mais importante do estudo de viabilidade

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Estrutura do sistema de franchising

Estrutura do sistema de franchising Estrutura do sistema de franchising Negócio Estruturado Empreendedor Estratégias de Ampliação de Mercado Comercializa o conceito do negócio Marca Tecnologia Know-how Compra o conceito de negócio já implantado

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

Endereço: Rua Tiradentes, 54. Brigadeiros, Florianópolis, SC. CEP:

Endereço: Rua Tiradentes, 54. Brigadeiros, Florianópolis, SC. CEP: PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA DO RAMO COMERCIAL ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sappataria Razão Social: Colares e Lima ME Sócios: Maurício Colares e Beatriz Barbosa Lima. Endereço:

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio

Capítulo 3. Focalizando o novo negócio O QUE É UMA EMPRESA? De acordo com Santos (1982), a empresa é comumente definida pelos economistas como uma unidade básica do sistema econômico, cuja principal função é produzir bens e serviços. Os objetivos

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40

PizzarIFSC - Pizzaria IFSC. Pizzaria IFSC. Elaborado por: Edson Watanabe. Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 PizzarIFSC - Pizzaria IFSC Pizzaria IFSC Elaborado por: Edson Watanabe Data criação: 25/04/2011 21:04 Data Modificação: 07/12/2011 11:40 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário Executivo 1.1 - Resumo

Leia mais

Plano de Negocio. O presente roteiro compreende os quatros elementos fundamentais da montagem do plano:

Plano de Negocio. O presente roteiro compreende os quatros elementos fundamentais da montagem do plano: Plano de Negocio 1 Um plano de negócios bem estruturado é fundamental para o sucesso do novo empreendimento. Muitos empreendedores fracassam por não terem feito com a devida atenção a lição de casa. O

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae

MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae Data: Nome da Empresa: Nome dos Proprietário(s): Endereço: Telefone: Email: 1 Empreendimento Proposto 1.1 Objetivo do Empreendimento: A empresatem por objetivo principal

Leia mais

PROGRAMA CREDJOVEM NOME DO EMPREENDIMENTO

PROGRAMA CREDJOVEM NOME DO EMPREENDIMENTO ANEXO I PROGRAMA CREDJOVEM PLANO DE NEGÓCIO NOME DO EMPREENDIMENTO 2014 2. Informações Gerais dos Jovens. 2.1 CREDJOVEM - Sócio 1 Nome: Endereço:, nº: Bairro: Complemento: CEP: Data de Nascimento: RG:

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39 p e r a T e x t o a l e s s a n d r a m o r i t a a l e s s a n d r a. m o r i t a @ s m. c o m. b r divulgaçãoo v t Lojas localizadas perto da casa do consumidor e que praticam preços difíceis de copiar.

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTA PARA ELABORAÇÃO DE UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE SORVETE DIET/LIGHT

8º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTA PARA ELABORAÇÃO DE UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE SORVETE DIET/LIGHT 8º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTA PARA ELABORAÇÃO DE UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE SORVETE DIET/LIGHT Autor(es) ANDRESSA JULIANA DE SOUSA GOMES Co-Autor(es) DENISE MASTELINI ROSS LILIAN OLIVEIRA

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE)

PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) Exercício 01 PONTO DE EQUILÍBRIO (PE) Dados para responder as questões sugeridas: Informações: Custos Fixos: R$ 800.000,00 Custo Variável Unitário: R$ 300,00 Receita Unitária: R$ 700,00 1) O ponto de equilíbrio

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

APP - Interatividade

APP - Interatividade APP - Interatividade "não compartilhe o seu tempo livre - viva-o" APP - Interatividade Elaborado por: Alexandre Nogueira Cunha Data criação: 24/02/2015 00:43 Data Modificação: 01/03/2015 19:13 Tipo Empresa:

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 45 GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras)! Gasto variável se associa ao produto!

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE

CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE CICLO DE PALESTRAS GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA: ASPECTOS ESTRATÉGICOS E OPERACIONAIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE Objetivo: Apresentar aos participantes os principais pontos a serem considerados no planejamento

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Professor Carpi 3. OS 4 P s DO MARKETING 3. OS 4 P s DO MARKETING 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Preço Valor que o consumidor troca para obter benefícios por ele esperado. Funções e objetivos

Leia mais

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais.

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. Entre outras vantagens, oferece importantes benefícios fiscais que visam diminuir o custo de seus clientes.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Seja um franqueado E GARANTA SUA FATIA DESTA RECEITA DE SUCESSO

Seja um franqueado E GARANTA SUA FATIA DESTA RECEITA DE SUCESSO Seja um franqueado E GARANTA SUA FATIA DESTA RECEITA DE SUCESSO A FRANQUIA O nome fantasia é China Brasil, tendo a empresa mais de 35 anos de atuação. A mesma propõe seu diferencial no sabor e modo de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO TREINAMENTO EMPRESARIAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

Procuramos empreendedores com as seguintes características:

Procuramos empreendedores com as seguintes características: SOBRE A ALPARGATAS Quem nunca usou um Bamba? Ou uma calça US Top, um tênis Rainha, uma sandália Havaianas, ou jogou com uma bola Topper? A Alpargatas e suas marcas estiveram e estarão sempre presentes

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

CIA. INDUSTRIAL VALE DO PARAÍBA S/A. UM CASO DE SUCESSO?

CIA. INDUSTRIAL VALE DO PARAÍBA S/A. UM CASO DE SUCESSO? CIA. INDUSTRIAL VALE DO PARAÍBA S/A. UM CASO DE SUCESSO? Autoria: Amadeu Nosé Junior Mestre em Administração de Empresas Universidade Presbiteriana Mackenzie A Cia. Industrial Vale do Paraíba S/A., é uma

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

Confiança do comércio paranaense volta a subir

Confiança do comércio paranaense volta a subir Pesquisa de Opinião do Empresário do www.fecomerciopr.com.br www.sebraepr.com.br COMÉRCIO Nº 25 ANO 11 MÊS JANEIRO / JUNHO 2014 Confiança do comércio paranaense volta a subir Apresentação 1º 2014 Confiança

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS DE CUSTOS INDUSTRIAIS 1) O desembolso à vista ou a prazo para obtenção de bens ou serviços, independentemente de sua destinação dentro da empresa, denomina-se : a) gasto b) investimento

Leia mais

NO QUE ACREDITAMOS GESTÃO DE RELACIONAMENTO NOSSOS DIFERENCIAIS COMO TRABALHAMOS SOLUÇÕES EXCLUSIVAS RELATÓRIOS PERSONALIZADOS

NO QUE ACREDITAMOS GESTÃO DE RELACIONAMENTO NOSSOS DIFERENCIAIS COMO TRABALHAMOS SOLUÇÕES EXCLUSIVAS RELATÓRIOS PERSONALIZADOS NO QUE ACREDITAMOS GESTÃO DE RELACIONAMENTO NOSSOS DIFERENCIAIS COMO TRABALHAMOS SOLUÇÕES EXCLUSIVAS RELATÓRIOS PERSONALIZADOS Seus imóveis devem trabalhar para você. O imóvel, seja ele fruto de herança

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc.

MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc. 1 OBJETIVOS: Conduzir

Leia mais

Revisão de Sistemas de Informação CEA462 - Sistemas de Apoio à Decisão

Revisão de Sistemas de Informação CEA462 - Sistemas de Apoio à Decisão Revisão de CEA462 - Apoio à Decisão Janniele Aparecida Contribuição Uma das principais contribuições dos sistemas de informação é a melhoria da tomada de decisão, seja para indivíduos ou grupos. Definição

Leia mais

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers

2º LISTA DE EXERCÍCIOS EM SALA ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS - Prof. Pablo Rogers OBS: Exercícios selecionados do livro de exercícios de Contabilidade de Custos dos autores Eliseu Martins e Welington Rocha publicado em 2007 pela Editora Atlas. 1. Observar as sentenças a seguir: I O

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Os 4 P s. P de PRODUTO

Os 4 P s. P de PRODUTO Os 4 P s P de PRODUTO O que é um Produto? Produto é algo que possa ser oferecido a um mercado para aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os produtos vão além de bens

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

Plano de Negócios. Por que escrever um Plano de Negócios?

Plano de Negócios. Por que escrever um Plano de Negócios? Plano de Negócios Por que escrever um Plano de Negócios? A tarefa de escrever um plano de negócios não é uma tarefa fácil. Isso se você nunca escreveu um e não tem a menor idéia de como começar. O objetivo

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Sistema de afiliados

Sistema de afiliados Sistema de afiliados O que é o Pechinchador? Parabéns você está próximo de se tornar um empreendedor e conquistar sua própria independência financeira O que é o Pechinchador? Somos o primeiro portal nacional

Leia mais

Universidade São Marcos

Universidade São Marcos FUNDAMENTOS DE FINANÇAS AS FLEX UNIDADE 4 - Aula 2 GESTÃO DE CUSTOS Margem de Contribuição e Ponto de Equilíbrio CENÁRIO ATUAL O Mercado cada vez mais competitivo. Preocupação dos empresários com seus

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA

SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA Sumário SIMULADOR COLISEUM INDÚSTRIA... 3 INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE COLCHÕES... 4 Laminação (corte) de blocos de espuma... 4 Fechamento e costura dos colchões... 5 ROTEIRO DE DECISÃO... 7

Leia mais

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do da AJES A - APRESENTAÇÃO 1. A empresa 1.1. Aspectos Gerais 1.1.1. História da empresa (da fundação a atualidade) 1.1.2. Visão, Missão e

Leia mais

soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos

soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos soluções inovadoras para desafios de negócios Manual explicativo do quadro do modelo de negócios passo a passo com exemplos O quadro do modelo de negócios O Business Model Canvas (Quadro do Modelo de Negócios)

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos

Apostila de. Finanças e Turismo. 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos Apostila de Finanças e Turismo 2º semestre de 2013 Glauber Eduardo de Oliveira Santos SUMÁRIO 1 Introdução às Finanças... 4 1.1 Avaliação de investimentos... 4 1.2 Empréstimos e juros... 5 1.3 Alternativas

Leia mais

Análise Econômica. Nívea Cordeiro

Análise Econômica. Nívea Cordeiro Análise Econômica Nívea Cordeiro 1 2011 Análise Econômica Permite levantar o montante que será gasto no empreendimento e se este dará lucro ou prejuízo. A análise econômica trabalha por competência, permitindo

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Criamos o que as pessoas amam antes que elas saibam o que querem Hoje nossos franqueados

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros

PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros PESQUISA EDUCAÇÃO FINANCEIRA Orçamento Pessoal e Conhecimentos Financeiros Janeiro 2015 1. INTRODUÇÃO Quatro em cada dez consumidores consideram-se desorganizados financeiramente, mas sete em cada dez

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

Layout Padrão Febraban 240 posições V08.4 http://www.febraban.org.br. 3.5 - Vendor

Layout Padrão Febraban 240 posições V08.4 http://www.febraban.org.br. 3.5 - Vendor 3.5 - Vendor 89 3.5.1 - Descrição do Processo Objetivo O produto Vendor tem por objetivo disponibilizar, aos clientes (Vendedores) do Banco, os meios de viabilizar o processo de financiamento de suas vendas,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO Orientador Empresarial Microempreendedor Individual-Formalização-Setor de Serviços-Crescimento SETOR DE SERVIÇOS É CAMPEÃO EM

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Análise das Demonstrações Financeiras Prof a. Thays Silva Diniz Uberlândia MG Profª Thays Silva Diniz 1 PARTE

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS 1) INTRODUÇÃO 2) DADOS CADASTRAIS PESSOA FISICA 3) DADOS CADASTRAIS PESSOA JURÍDICA

PLANO DE NEGÓCIOS 1) INTRODUÇÃO 2) DADOS CADASTRAIS PESSOA FISICA 3) DADOS CADASTRAIS PESSOA JURÍDICA PLANO DE NEGÓCIOS CÓDIGO: DATA: 1) INTRODUÇÃO O plano de negócio é um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido,

Leia mais

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 GCV GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 ABORDAGEM 1. O GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO 2. DIFICULDADE E DORES ATUAIS 3. COMO RESOLVER COM GCV 4. COMO GERIR FRANQUIA COM O GCV

Leia mais

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO Nome da Empesa: CNPJ: Contato: Telefone: Relação de Documentos para Análise Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO 1 Ficha cadastral e Autorização de Consulta de Restritivos assinada (Anexo); 2

Leia mais

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação 1 Alguns conceitos de custos... gasto, despesa ou custo? Gasto: Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou qualquer serviço 1. Investimento: Gasto ativado em função

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais