MELHORIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO ELÉTRICA ATRAVÉS DA ANÁLISE, DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE CONTROLE DE VARIÁVEIS CRITICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MELHORIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO ELÉTRICA ATRAVÉS DA ANÁLISE, DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE CONTROLE DE VARIÁVEIS CRITICAS"

Transcrição

1 MELHORIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO ELÉTRICA ATRAVÉS DA ANÁLISE, DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE CONTROLE DE VARIÁVEIS CRITICAS (Autor ) Roberto R. Sinohara. S. Sousa 1 (Orientador) Prof. Doutor Luiz Octávio Mattos dos Reis 2 Resumo Este artigo apresenta o estudo de caso do sistema de gestão da manutenção aplicada à uma empresa do ramo de bebidas de funcionamento ininterrupto, e propõe melhorias. O sistema de gestão da manutenção aplicado nesta empresa é condizente com o que sugere a literatura e apresenta resultados satisfatórios em vários setores. No entanto, pode-se constatar algumas dificuldades e fatores negativos na gestão do sistema elétrico da empresa que funciona em três turnos continuos; sem haver disponibilidade para paradas de manutenção. As limitações impostas ao sistema de gestão da manutenção limitam suas ações que implicariam em um nivel de indisponibilidade, por energia elétrica. O objetivo principal deste trabalho é apresentar a proposta, o desenvolvimento e a implantação de uma nova ferramenta integrada ao sistema de gestão da empresa. Esta nova ferramenta incorpora o monitoramento de variáveis criticas atribuídas ao setor elétrico e foi inserida na rotina do chão de fabrica. A implantação desta nova ferramenta foi realizada com sucesso. E assim por meio desta, pretende-se atingir níveis futuros de indisponibilidade aceitáveis que garantam um aumento considerável na eficiência produtiva da empresa. Palavras-chave: Monitoramento de variáveis criticas; Gestão da manutenção; manutenção do sistema elétrico; Ferramentas de gestão. Abstract This paper presents a case study of the maintenance management system applied to a branch company of beverages that works seamlessly and proposes improvements. The maintenance management system applied in this company is consistent with what the literature suggests and provides satisfactory results in various sectors. However, we can notice some difficulties and negative factors in the management of the electrical system of the company that operates three shifts continuous, with no availability for maintenance shutdowns. The limitations imposed on the maintenance management system limit its action capability and implies a level of unavailability, for electricity, inadequate. The main objective of this paper is to present the proposition, the development and implementation of a new tool integrated to the management system of the company. 1 Eng. Roberto Rennó Sinohara da Silva Sousa - UNITAU 2 Prof. Dr. Luiz Octávio Mattos dos Reis - UNITAU

2 This new tool performs the monitoring of critical variables in the electricity sector and has been incorporated into the operational level routine. The implementation of this new tool was successfully performed and through this, it is intended to achieve future levels of acceptable downtime and ensure a considerable increase in the productive efficiency of the company. Key Words: Critical variables tracking; Maintenance management, maintenance of the electrical system; management tools. 1 INTRODUÇÃO A competitividade industrial da atualidade é, sem duvida, um grande desafio que obriga as indústrias dos mais variados ramos e portes a se modernizarem e a se inserirem no modelo de produção global. Este modelo requer que os processos produtivos atinjam altissimos níveis de eficiência. Neste contexto, fica evidente a necessidade da busca pela produção continua e ininterrupta para que as linhas e produção consigam atingir a eficiência requerida pela competitividade industrial contemporanea. Assim, a indisponibilidade de qualquer utilidade dentro de uma indústria impacta negativamente e significativamente nos seus resultados. A indisponibilidade de energia elétrica, enquanto componente significativo da indisponibilidade por utilidades, é portanto um elemento que influencia diretamente na eficiência da industria como um todo e portanto, na industria do ramo de bebidas da qual tratamos neste trabalho. Embora o sistema de gestão utilizado nesta empresa e suas ferramentas sejam bastante reconhecidos e eficientes, os indices de indisponibilidades nos indicam que ainda temos lacunas a serem preenchidas para a melhoria dos resultados e da competitividade da empresa. Na tentativa de solucionar o problema, ou ao menos minimizá-lo através de estudo detalhado, observou-se que o indice de indisponibilidade por energia elétrica só pode ser reduzido após o entendimento da(s) causa(s) fundamental(ais) dos problemas que geram a indisponibilidade. Frente a valores elevados deste indice e ao desconhecimento dos agentes causadores da indisponibilidade, faz-se necessário o desenvolvimento de uma ferramenta que viabilize o diagnóstico de suas causas fundamentais. Assim, a partir da análise do modelo teórico e do modelo implantado verificou-se a necessidade do monitoramento de variaveis, consideradas criticas para o sistema elétrico, através do sistema de informação da empresa (MES Manufacturing Execution System) visando a tomada de decisões. Neste trabalho, buscou-se definir quais eram estas variáveis e implementá-las, através da ferramenta de controle e do sistema de informação. Para tanto, foram ainda implantados novos procedimentos operacionais para medição destas grandezas.

3 A ferramenta foi impantada com sucesso e, no futuro, os resultados serão monitorados e mensurados. 2 MÉTODO O trabalho de pesquisa foi motivado pela observação e diagnóstico dos indices alarmantes de indisponibilidades apresentados. Em função desta observação, foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre os conceitos de gestão da manutenção dos sistemas de distribuição de energia elétrica. Os conceitos verficados na bibliografia serviram de base para a implementação das ferramentas descritas neste trabalho. Este artigo apresenta uma pesquisa quantitativa aplicada, de estudo de caso, de carater longitudinal e experimental. 3 O MODELO DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO - TEÓRICO A produtividade é um conceito muito difundido para medir a eficiência de uma empresa. Ela pode ser descrita como taxa de valor agregado e pode ser calculada como o quociente do valor produzido pela empresa pelo valor consumido (Falconi, Vicente, 2004). Ainda segundo Falconi, a melhoria da produtividade, desconsiderando as influencias externas, só pode ser obtida pela melhoria dos equipamentos e materiais ou pelo aporte de conhecimento ao processo (Falconi, Vicente, 2004). A melhoria dos materiais pode ser obtida através da manutenção uma vez que a manutenção está se adaptando para aumentar a disponibilidade dos equipamentos. (MOUBRAY, J, 1997). Para que se possa fazer um bom planejamento e controle da manutenção, é necessário que se sabia quais são os equipamentos a serem mantidos (Branco Filho, Gil, 2008). A indisponibilidade está diretamente relacionada às falhas em equipamentos. É necessário se conhecer minuciosamente todo o sistema para que se possa prevenir as falhas ou, em ultimo caso, reduzir ao maximo sua duração (da Costa Barbosa, Alessandra, 2009). As falhas são decorrentes do desgaste natural ou forçado de um sistema. Sendo assim, no mínimo, qualquer sistema organizado, exposto à ação do tempo, irá se deteriorar. O objetivo da manutenção é assegurar que esta deterioração não ultrapasse o limite no qual o ativo deixa de desempenhar satisfatóriamente. (Norma SAE JA, 2012) Assim, faz-se necessário identificar quais são os tipos de falhas e quantas vezes acontecem para que se possa selecionar aquelas cujo impacto for mais representativo, extratificá-las e minimizar os riscos de falha. Esta abordagem, conhecida por método de análise de Pareto, nos permite resolver um problema grande através de um numero

4 maior de problemas menores e ainda enfocar a solução nos pontos chaves que solucionam a maior parte do problema com esforço e custo reduzidos ao minimo. Este procedimento de seleção de pontos chaves se baseia no principio de Pareto e prioriza os itens do problema quantitativamente. (Falconi, Vicente, 2004). O controle estatístico de processo é uma ferramenta muito difundida na indústria por apresentar resultados satisfatórios na análise de indices de processos. Através do tratamento estatístico de dados históricos é possível se determinar a probabilidade de ocorrência de falhas. Assim, se torna viável um melhor controle de estoque, registrar as trocas de peças e estabelecer um plano de manutenção. (Ozório P., Érica C.; Hermann erdmann, Rolf, 1998) Desta forma, uma vez que se conhece minuciosamente o sistema, aplicando o controle estatístico sobre as variáveis corretas, é possível reduzir o custo da manutenção, reduzir a indisponibilidade e melhorar a eficiência produtiva do sistema. Este conhecimento sobre o qual se poderá aplicar o controle estatistico de processo será obtido à partir de um histórico das variáveis criticas coletado através da ferramenta descrita neste trabalho. 4 DESCRIÇÃO DO MODELO DE GESTÃO DA MANUTENÇÃO APLICADO NA EMPRESA A seguir, será descrito o modelo de gestão da manutenção da empresa como um todo e, posteriormente, como este modelo está aplicado para o sistema elétrico. 4.1 Visão geral O modelo de gestão aplicado atualmente na empresa utiliza-se de tagueamento para mapear os equipamentos disponíveis. O sistema de tagueamento, registrado através da ferramenta SAP (SAP Systems Applications and products in data Processing), está dividido em quatro níveis. Os planos de manutenção são estabelecidos através da ferramenta SAP e devem ser aplicados por cada unidade fabril aos locais de instalação condizentes com o plano. A ferramenta SAP sinaliza ao PCM (PCM Planejamento e controle da manutenção) as ordens de manutenção sugeridas pelo plano de manutenção. O PCM, por sua vez, atribui as ordens de acordo com a disponibilidade de HH (HH Homem Hora), libera as ordens de serviço para a realização e as entrega ao operador ou técnico que irá executar a ordem. As ordens de serviço já contêm o procedimento de manutenção, bem como o material que deverá ser utilizado nesta manutenção. Qualquer desvio do procedimento ou alteração no material deve ser registrada na ordem de manutenção. Outra ferramenta de manutenção disponível é a manutenção autonoma, executada periódicamente pelo operador de cada maquina. O tipo de manutenção que será realizado em cada equipamento depende da criticidade de cada equipamento. Os equipamentos são classificados em criticos A, B ou C.

5 As inspeções preditivas, analise de vibração, termografia, ferrografia e ultrassom, são realizadas por empresa terceira. Os levantamentos das inspeções preditivas são tratados internamente. 4.2 Aplicação deste modelo de gestão no setor elétrico Apesar de o mesmo modelo ser aplicado ao setor elétrico, devido à características intrinsecas da empresa e do setor elétrico, surgem algumas dificuldades adicionais pois, não funcionam como os sistemas de produção continua tradicionais. Uma delas advém do fato de o sistema elétrico não ser continuamente operado e, portanto, as subestações permanecem, na maior parte do tempo, trancadas e sem supervisão humana. Outro agente complicador reside na escassez de oportunidades de desligamento para que sejam realizadas manutenções preventivas, preditivas e corretivas. Além destes dois fatores principais, podemos realçar alguns outros, como a dificuldade de acesso, devido à necessidade de abertura de PTR (PTR Permissão de trabalho de risco), a priorização de atendimento técnico ao processo, por impactar diretamente nos resultados da empresa e ainda a necessidade de investimentos maiores para a realização de manutenções corretivas. Por estes motivos, percebemos que ferramentas como o sistema de identificação, por exemplo, não estão totalmente funcionais. Os registros dos equipamentos encontramse incompletos e desatualizados. As inspeções preditivas são realizadas apenas parcialmente e nem sempre as anomalias detectadas são tratadas. As manutenções preventivas do setor elétrico por vezes deixam de ser executadas por falta de paradas fabris para a sua realização. Algumas manutenções corretivas deixam de ser realizadas por questão de priorização de investimentos. E, principalmente, não há registro de informações a respeito do estado dos equipamentos instalados. 5 ANÁLISE DOS PROBLEMAS IDENTIFICADOS Dentre as falhas identificadas, a não execução das pendencias apontadas pelos relatórios das inspeções preditivas requer ações gerenciais no curto prazo. Estas ações são simples e não requerem, de modo geral, grandes investimentos. A falha nos registros dos equipamentos, assim como a não execução das pendências dos relatórios das inspeções preditivas, pode ter tratamento gerencial e sua correção depende mais de ferramentas de acompanhamento de execução de rotina do que de conhecimento técnico. No entanto, a ferramenta proposta para resolver o problema do monitoramento do estado dos equipamentos é capaz de executar simultaneamente o papel de ferramenta de acompanhamento da rotina de atualização dos registros de equipamentos. E por isso, resolvemos aproveitá-la também neste sentido. A falta de informação a respeito do estado dos equipamentos é um problema um pouco mais complexo de ser tratado por três motivos principais, que são: O estado dos equipamentos varia continuamente ao longo do tempo; O numero de equipamentos que a empresa possui em todas as suas unidades fabris é muito grande e; A determinação de qual é o estado atual do equipamento é qualitativa e se faz necessário

6 o estabelecimento de parâmetros a fim de que se definam quais equipamentos estão em condições de operação e quais não estão. 6 FERRAMENTA DE MONITORAMENTO DE VARIÁVEIS CRITICAS 6.1 A ferramenta Neste capitulo vamos propor a ferramenta que viabilizará a eliminação das duas falhas descritas anteriormente, a saber: Falha no registro dos equipamentos do setor elétrico e falta de informações a respeito das condições de operação de cada equipamento neste sistema. A ferramenta da qual estamos falando é uma ferramenta que se propõe a monitorar algumas variáveis, ditas criticas. Este controle será realizado através do sistema MES, no qual, as medições das variáveis criticas deverão ser inseridas para registro histórico da variavel com uma periodicidade pré-determinada. O sistema elétrico das plantas da referida empresa, é composto por uma subestação de entrada por unidade fabril, alimentada pela concessionária local e por diversas subestações secundárias. Dentre os equipamentos que compõe a subestação, foram destacados os que apresentavam maior criticidade, seja confiabilidade do tipo do equipamento, seja pelo impacto que a falha deste equipamento possa vir a causar em caso de falha. As variáveis criticas foram definidas por uma equipe de especialistas experientes e são focadas nestes equipamentos considerados equipamentos chave para a confiabilidade do sistema elétrico. O funcionamento da ferramenta proposta é relativamente simples. Foi estabelecida uma tabela com 13 itens. Cada item possui um código, o que deve ser medido, a faixa de valores que é aceitável, como a grandeza deve ser medida e a frequencia de medição. Os técnicos de cada unidade fabril deverão enviar uma planilha preenchida com todas as características de cada equipamento que possua variáveis criticas para que sejam atribuídos os respectivos campos para digitação no MES. Após efetuarem os cadastros de cada equipamento, os eletricistas de cada unidade fabril deverão medir e informar, de acordo com a periodicidade estabelecida, os valores de cada variável critica. Assim, com o apoio do MES, teremos o registro histórico destas 13 variaveis criticas ao longo do tempo. As periodicidades variam entre diário, semanal, mensal e bimestral. Estes 13 itens ainda foram divididos em 3 grupos, Itens de controle, Itens de controle liberatório e parametros de verificação. Na planilha, a relação entre estes itens fica bem clara. Sendo que Itens de controle e Itens de controle liberatório diferem apenas por os itens de controle liberatorio, caso saiam dos valores considerados toleráveis, implicam em multa. Ambos são itens de controle, pois influem na qualidade do produto (neste caso do produto interno energia elétrica entregue aos consumidores internos). Os parametros de controle, por sua vez, são parametros que não afetam diretamente a qualidade do produto, mas que no caso foram os limites estabelecidos, e influenciam negativamente os itens de controle. Contudo, nem todos os Parametros de

7 controle estão associados a um item de controle. O numero de variáveis que incluimos na ferramenta foi também restrito pela disponibilidade dos eletricistas da fabrica e pelas limitações intrinsecas às medições. Como exemplo, inserir a medição de temperatura dentro de um cubiculo blindado, não seria viável, pois esta medição iria requerer o desligamento do cubiculo o que, na maioria das vezes, é impossível. A frequencia de medição das variáveis também teve de ser limitada devido a uma característica da empresa. A rotina de trabalho dos eletricistas e o QLP (quador liquido de pessoal) são reduzidos. 6.2 As variáveis criticas Como mencionado anteriormente, foram definidas, por uma equipe de especialista em elétrica, 13 variáveis criticas. A seguir, elas estão relacionadas especificando a razão pela qual foi inclusa e a periodicidade com a qual deverá ser medida Fator de potencia controlado na subestação de entrada Esta variável foi inclusa como um ICL (Item de controle liberatório), pois caso seu valor esteja fora dos parametros estabelecidos, a concessionária irá multar a empresa por excesso de consumo de energia reativa. A medição desta variável deverá ser realizada diariamente. Existem registros de violação deste parametro e multa por parte da concessionária de energia devido a estas violações Fator de potencia controlado em cada uma das subestações secundárias Está variável foi inclusa, como um IC (Item de controle) para que se possa prevenir que o fator de potencia na subestação de entrada (composição de todos estes fatores de potencia) ultrapasse os seus valores limites. Além do mais, o controle do fator de potencia nas subestações secundárias permite detectar excessos de cargas, falhas na distribuição de cargas e problemas localizados em banco de capacitores. Como todos estes fatores não se alteram abruptamente, a frequencia de medição desta grandeza é semanal Variação das correntes entre as fases nos bancos de capacitores

8 Este PC (Parametro de Controle) está associado ao IC e ICL citados anteriormentes referentes a fator de potencia. O Banco de capacitores é o principal equipamento para controlar o fator de potencia da planta. A variação das correntes entre as fases dos bancos de capacitores é um indicativo de que o banco está com pelo menos uma célula capacitiva em falha, o que prejudica o seu rendimento e indica que em breve poderá vir a falhar por completo Demanda de energia elétrica na subestação de entrada Assim como o fator de potencia controlado na subestação de entrada, este item é fundamental e é um ICL, pois o não cumprimento dos limites estabelecidos para esta variável implica em multa por parte da concessionária. A frequencia de medição desta variável é diária. Novamente, existem registros que comprovam a ultrapassagem da demanda contratada implicando em ônus extras Controlador de demanda funcionando e desligando cargas Este PC está associado ao ICL demanda de energia elétrica na subestação de entrada. Com uma frequencia de medição semanal, este item permite garantir que o controlador de demandas está funcionando. Este equipamento é o responsável por desligar cargas pré-determinadas sempre que o ICL de demanda de energia elétrica sair dos valores permitidos Valor de tensão no neutro dos PGBTs Este PC não está associado a nenhum IC ou ICL. A intenção desta medição é permitir detectar a utilização de neutro como terra ou terra como neutro ou ainda fugas à terra no sistema alimentado pelo PGBT (Painel Geral de Baixa Tensão). A fuga a terra pode causar a queima de circuitos eletronicos, inclusive CLPs (Controlador Lógico Programável), aumentando o indice de indisponibilidade. Por esta razão, a frequencia de medição desta variável é Semanal Valor da maior corrente semanal de cada transformador de potencia Este PC, foi incluso por dois motivos, o primeiro, mais critico, para garantir que as correntes no transformador nunca ultrapassem os seus limites estabelecidos pelo fabricante. Caso estes limites de correntes sejam ultrapassados o transformador irá sofrer danos excessivos devido à sobrecarga com risco de perda total do equipamento. O segundo é para ter-se uma visibilidade do carregamento do transformador e assim

9 se poderem planejar as manutenções deste equipamento em função do desgate estimado em função das cargas que vem suportando. A medição é semanal Nivel de tensão maxima nos barramentos de saída das subestações de AT/MT e Nivel de tensão minima nos barramentos de saída das subestações de AT/MT Estes dois PC são complementares e foram inclusos para que tenhamos visibilidade dos níveis de tensão entregues pelas subestações. Subtensões e sobretensões são indicativos de problemas em transformador ou cabos ou ainda linhas de transmissão. Estes problemas podem ocasionar desligamentos ou queima de equipamentos Temperatura interna de trabalho dos transformadores de potência Este PC tem por finalidade montar uma base histórica da temperatura dos transformadores de potencia. A elevação desta temperatura é um indicativo de anomalia no equipamento. É de conhecimento que a temperatura destes equipamentos varia conforme a temperatura ambiente e carregamento do transformador. Contudo, através do registro histórico, a elevação da temperatura média ao longo de períodos mais extensos poderá indicar com boa antecedência que o equipamento está com algum problema. A medição desta variável é semanal Banco de baterias estacionárias utilizadas em sistemas auxiliares de alimentação e/ou nobreak, dentro do prazo de validade O banco de baterias é essencial para, na ocasião de um curto-circuito, grantir que haja energia suficiente para alimentar o sistema de proteção e sistemas auxiliares para que este possa interromper o curto-circuito. Desta forma, diminuem-se os danos causados pelo curto-circuito e minimiza-se a indisponibildiade. Este item, PC, tem frequencia de medição mensal e tem o objetivo de garantir que os bancos de baterias estejam dentro do prazo de validade. Isto já é um indicativo de que ele esteja operacional Tensão normalizada dos bancos de baterias do sistema de proteção com o retificador conectado; Tensão normalizada dos bancos de baterias do sistema de proteção sem o retificador conectado e; Tensão das UPS do sistema de proteção Estes três itens têm por finalidade garantir, em conjunto com o item anterior, que o sistema de tensão auxiliar esteja funcional. A medição da tensão dos bancos de baterias com o retificador conectado, mede se o retificador está funcionando

10 corretamente. A medição da tensão dos bancos de baterias sem o retificador conectado, mede se o banco de baterias estão matendo a tensão após a desconexão do retificador, ou seja, se o banco de baterias está realmente carregado. E a medição da tensão das UPS tem o mesmo propósito para os sistemas de tensão auxiliar que se baseiam em UPS. Estas medições são todas semanais. 7 DISCUSSÃO E CONCLUSÃO Existe uma necessidade real de monitoramento de variáveis criticas para que seja possível se determinar as condições reais dos equipamentos do sistema elétrico. A ferramenta descrita neste trabalho foi implantada no sistema de gestão da manutenção da empresa do ramo de bebidas referenciada neste trabalho. A minusciosa definição das variáveis criticas a serem mensuradas periodicamente nas subestações das unidades fabris é fundamental para que a implantação da ferramenta seja bem sucedida. A forma de cadastro dos equipamentos para o monitoramento das variáveis criticas através do sistema MES, trouxe ainda importante informação a respeito do conhecimento dos equipamentos instalados nas subestações. Assim, com a implementação desta ferramenta, obteve-se dois grandes benefícios (Melhoria nos registros dos equipamentos e criação de um histórico de variáveis criticas do sistema elétrico para identificação e prevenção de falhas) foram gerados. Estes beneficios criam bases sólidas para a redução, no futuro, dos indices de indisponibilidade e consequente aumento da eficiencia das fabricas. Como trabalho futuro, fica proposto, a realização de um estudo estatístico das variáveis monitoradas pela ferramenta implementada neste trabalho. REFERÊNCIAS Vicente Falconi (2004). TQC Controle da Qualidade Total no estilo japonês. Nova Lima MG Moubray, J (1997). Reliability-centered Maintenance. New York NY Branco Filho, Gil (2008). A organização, o Planejamento e o Controle da manutenção. Rio de Janeiro RJ Da Costa Barbosa, Alessandra (2009). Aplicação da manutenção centrada em confiabilidade na função transmissão a fim de reduzir o tempo de indisponibilidade. Rio de Janeiro RJ Norma SAE JA, (2012). Um Guia para o Padrão RCM Manutenção centrada em Confiabilidade.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

Projeto Manutenção Preditiva. Análise de vibrações. www.gatec.com.br

Projeto Manutenção Preditiva. Análise de vibrações. www.gatec.com.br Projeto Manutenção Preditiva Análise de vibrações www.gatec.com.br ANÁLISE DE VIBRAÇÃO 1 - DEFINIÇÃO TÉCNICA 2 - CONCEITUAÇÃO : 2.1 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO X ASSINATURA ESPECTRAL 2.2 MONITORAMENTO DA VIBRAÇÃO

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. INTRODUÇÃO : Nos últimos anos, têm-se discutido amplamente a gerência de manutenção preditiva. Tem-se definido uma variedade de técnicas que variam

Leia mais

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Catalogo Produto LINHA VOLT/X-POWER 600 700 1200 1400VA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br As informações contidas neste

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor 1 A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor Flávio R. Garcia(*), Tércio dos Santos e Alexandre C. Naves SADEFEM S/A Ernesto A. Mertens,

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Emprego da Termografia na inspeção preditiva

Emprego da Termografia na inspeção preditiva Emprego da Termografia na inspeção preditiva Rafaela de Carvalho Menezes Medeiros* Resumo A prática de manutenção preditiva corresponde hoje a um meio eficaz de antever uma parada do equipamento por motivo

Leia mais

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência 2 Serviços para gerenciar o ciclo de vida dos inversores de média

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA REATIVA EM TEMPO REAL LIVRE DE TRANSIENTES - ELSPEC

SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA REATIVA EM TEMPO REAL LIVRE DE TRANSIENTES - ELSPEC SISTEMA DE COMPENSAÇÃO DE ENERGIA REATIVA EM TEMPO REAL LIVRE DE TRANSIENTES - ELSPEC Submetemos a vossa apreciação informações sobre o sistema de compensação de energia reativa em tempo real, livre de

Leia mais

Sistema de Medição de Faturamento

Sistema de Medição de Faturamento Sistema de Medição de Faturamento Direitos e Deveres dos Consumidores Livres André Luiz Preite Cruz Especialista de mercado Agenda A ABRACE Atribuições da ABRACE O SMF O Mercado e o SMF Os Consumidores

Leia mais

AUTOGESTÃO EM CÉLULA DE PRODUÇÃO

AUTOGESTÃO EM CÉLULA DE PRODUÇÃO AUTOGESTÃO EM CÉLULA DE PRODUÇÃO Marcelo Rangel Almeida Pneumáticos Michelin Ltda. - Estr. da Cachamorra 5000 - Campo Grande - RJ CEP 23040-150 Marcio Arany da Cruz Martins Pneumáticos Michelin Ltda. -

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO

O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO O CICLO PDCA COMO FERRAMENTA PARA ALCANÇAR A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA GESTÃO DA MANUTENÇÃO Sérgio Ribeiro e Silva Jailson Teixeira Medeiros Regional de Transmissão do Maranhão OMA Divisão de Transmissão

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção 1 Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Ementa 1. Manutenção Corretiva: características básicas,

Leia mais

VIPMON. VIPMON Software de monitoramento. 21.15.001_VIPMON_REV 04.doc 1

VIPMON. VIPMON Software de monitoramento. 21.15.001_VIPMON_REV 04.doc 1 Software de monitoramento 21.15.001 REV 04.doc 1 Tópicos da Ajuda 01. 03 02. INSTALAÇÃO 03 03. DESINSTALAÇÃO 05 04. INICIANDO O 08 05. CONFIGURAÇÃO DO TIPO DE COMUNICAÇÃO 09 06. E-MAIL 12 07. MENSAGENS

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Audiência Pública 022/2014 Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Introdução Papel da ANEEL buscar melhoria da qualidade do serviço prestado,

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública 049/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo SRT Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública - 26/11/2008 - tarde Módulo 8 - Programação da operação eletroenergética

Leia mais

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518 Principais Conceitos Definição de manutenção : ato ou efeito de manter; cuidar de algum objeto ou bem. Conservação. Podemos entender manutenção como o conjunto de tratativas e cuidados técnicos, indispensáveis

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Soluções para Manutenção Preditiva e Identificação Industrial. Infraestrutura. Leonardo Vaz Melhado 27/10/2015

Soluções para Manutenção Preditiva e Identificação Industrial. Infraestrutura. Leonardo Vaz Melhado 27/10/2015 Soluções para Manutenção Preditiva e Identificação Industrial Infraestrutura Leonardo Vaz Melhado 27/10/2015 Agenda A importância da manutenção. Tipos de manutenção. Manutenção Preditiva. Soluções Ladder

Leia mais

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas para Gerenciamento de Energia Fundação Santo André 25/03/08 Por: Eng. André F. Obst Depto. de Eficiência Energética Objetivo Entender

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Paulo Deus de Souza Técnico do Sistema Elétrico

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA -

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - Técnica que estende a visão humana ao espectro infravermelho, sendo a aquisição e análise das informações térmicas feitas a partir de dispositivos de obtenção de

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814 ANÁLISE TERMOGRÁFICA VALINHOS Valinhos DAEV 1. OBJETIVO Apresentar ao DAEV a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Valinhos 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS

Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS Herbert De Carvalho MAXIMO EAM Sales IBM Corporation Tivoli Software +55 11 2322.6738 (phone) +55 11 9 8134.3131 (cel) herbert.carvalho@br.ibm.com Agenda Introdução

Leia mais

Perfil de Resultados Proficiência Clínica

Perfil de Resultados Proficiência Clínica Tema Elaboradora MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DE EQUIPAMENTOS Shélica Colonhezi Castro. Biomédica do Hospital São Paulo Unifesp e Pós-Graduada em Gestão em Saúde. Análise das respostas e comentários

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

Desenvolvimento de Metodologia de Manutenção Baseada em Confiabilidade para Redes de Distribuição Urbanas da ENERSUL

Desenvolvimento de Metodologia de Manutenção Baseada em Confiabilidade para Redes de Distribuição Urbanas da ENERSUL Desenvolvimento de Metodologia de Manutenção Baseada em Confiabilidade para Redes de Distribuição Urbanas da ENERSUL J.A. Doniak, M. Massuda Sob o, E. G. Pereira, ENERSUL e M.Klimkowski, S.F. Sciammarella,

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade

Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade Celso Luiz Santiago Figueiroa Filho, MSc Eng Alberto Magno Teodoro

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Carga dos alimentadores

Carga dos alimentadores 50 Análise de consumo de energia e aplicações Capítulo V Carga dos alimentadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* Em continuidade ao capítulo anterior, Locação de cargas métodos para a locação de carga

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy.

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. Monitoramento altamente confiável com valor agregado ACM avançado ACM básico Contadores

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES.

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. Atualmente no Brasil estão em operação diversos modelos de locomotivas diesel-elétricas, desde locomotivas mais antigas e de

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Nombre Carlos Guilherme Gonzales Correo cgonzale@cteep.com.br Empresa www.cteep.com.br Cargo

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema de envio automático de mensagens no celular sobre eventos no sistema de automação

Leia mais

No item 2.10 é mencionada a ferramenta de controle de acesso. Qual o nível de integração requerido e quais os métodos disponíveis nesta ferramenta?

No item 2.10 é mencionada a ferramenta de controle de acesso. Qual o nível de integração requerido e quais os métodos disponíveis nesta ferramenta? Perguntas: 1. 2. 3. Entendemos que o processo de mudança será realizado através do CMDB atual e que esta mudança deverá ser refletida na solução de DCIM. Além deste processo haverá alguma outra forma de

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA CODEN - Nova Odessa CODEN 1. OBJETIVO Apresentar ao CODEN a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Nova Odessa 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor

Leia mais

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima 6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima qualidade. Introdução Se você tem planos para comprar

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Luiz B. S. Chacon (1) 1 Murilo Armelin Toledo (2) 2 Lucas Pavan Fritoli (3) 3 Hirokazu T. B. Ito (4) 4 RESUMO A energia elétrica é um

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Renata Miranda Pires Boente

Renata Miranda Pires Boente Uso do Modelo Qualitativo de Análise de Risco (Karolak) na Gestão de Projetos de TI: Um estudo de caso na Justiça Federal de Primeiro Grau Seção Judiciária do Rio de Janeiro Renata Miranda Pires Boente

Leia mais