Caderno de campo e lista de agrotóxicos 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caderno de campo e lista de agrotóxicos 2010"

Transcrição

1 1 Cderno de cmpo e list de grotóxicos 2010 Orgnizção: UFPEL, EMBRAPA Clim Temperdo e Uv e Vinho, UFRGS e Universidde Federl do Prná Apoio: Mp, CNPq e Agropel. Mio de 2010

2 Identificção do Produtor e d Propriedde 2 Nome: Endereço : Município: Estdo: CEP e-mil: Telefone: Fx : Nº de Registro do Produtor no CNPE: Coordends Geográfics: Identificção do Responsável Técnico Nome: Endereço: Município: Estdo: CEP e-mil: Telefone: Fx: CREA nº: Crteir de cpcitção PIP: Locl/Ano Prcel Nº Cultivr/ Port-enxerto Nº de plnts Áre (h) Espçmento Ano de plntio Sistem de condução Produtividde médi (t/h)

3 APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS E FERTILIZANTES Dt Prc Reliz el ção Nº Prg/ Doenç/ Invsor Produto Comercil Nome/ Formulçã o Dosgem (g ou ml/100l ou h) Volume de cld ou Kg de dubos gstos/h Nome do plicdor Tempo gsto n plicçã o (hor) Justifictiv/ Observções

4 TRATOS CULTURAIS - MANEJO DO SOLO E DA PLANTA Prcel Roçd Dt Inverno Dt Pod Verão Dt Outono Dt Retird de Cultivo rmos com de Rleio Mnul cochonilhs cobertur e fruts mumificdos Dt Dt Dt Observções CONTROLE DE COLHEITA Prc el Cultiv Nº r Dt Quntid de (kg) Colheit Dt Quntid de (kg) Dt Quntid de (kg) Dt Quntid de (kg) Dt Quntid de (kg) Produção totl em Kg

5 MONITORAMENTO DE PRAGAS Prgs: Grfolit, mosc-ds-fruts e Cydi Tipo de rmdilh: Grfolit e Cydi tipo delt com feromônio e pr mosc ds fruts rmdilhs tipo McPhil Dt Prg Prc.: Prc.: Prcel / número d rmdilh / número de insetos cpturdos Prc.:_ Prc.: Prc.:_ Prc.:_ Prc.:_ Prc.:_ Prc.:_ Prc.:_ Prc.:_ Prc.: _ nº 1 nº 2 nº 3 nº 4 nº 5 nº 6 nº 7 nº 8 nº 9 nº 10 nº 11 nº 12 Grfolit Mosc Cydi Grfolit Mosc Cydi Grfolit Mosc Cydi Grfolit Mosc Cydi Grfolit Mosc

6 Cydi Grfolit Mosc Cydi Grfolit Mosc Cydi Grfolit Mosc Cydi CONTROLE DOS EQUIPAMENTOS DE PULVERIZAÇÃO (TRATOR-PULVERIZADOR) Trtor Núm ero Modelo Ano Dt d últim mnutenç ão gerl do trtor Pulveriz dor Núm ero Modelo Ano Dt d Volu últim me ferição do do tnq pulveriz ue (l) dor Control e Assintur Crimbo Dt Assintur Crimbo Dt

7 Auditori (Informções de uso do Orgnismo de Avlição de conformidde)observções: Assintur Crimbo Dt......

8 FUNGICIDAS Produção Integrd de Pêssego PIP Grde de grotóxicos recomenddos Nome técnico Mrc comercil Dosgem (g; ml)/100l Clsse toxicológic Crênci (dis) Modo de tução Azoxystrobin ** Amistr 500 wg Iminoctdin Bellkute I 14 Contto Cld bordles Contto Cld sulfocálcic Contto Cptn Cptn 500 PM Orthocide Cyproconzole Alto Contto e contto Diclorn Botrn Contto Dithinon Deln 125 II 21 Contto Dodin Dodex 450 SC I 7 Enxofre Cover DF Sulficmp Kumulus DF Kumulus DF-AG Contto Fluquinconzol* Plisde 30 7 Iprodion Mncozebe M n c o z e b + óxicloreto de Rovrl Rovrl SC Mnzte 800 Mncozeb Sipcm Mneb 800 Mnzte WG Persist SC Dithne NT Contto Contto Cuprozeb Contto Oxicloreto de cobre Rmexne 850 PM Contto Óxido cuproso Tebuconzole* Cobre Atr BR Contto Cobre Atr MZ Contto Folicur 200 CE Constnt Elite Tride Folpete Folpete Fersol 500 PM Contto Triforine Sprol 125 II 3

9 Procimidon Silex 500 Sumilex 500 WP II II 7 7 Restrições: * A som dos trtmentos com fungicids IBE não deve exceder seis trtmentos por sfr. ** A som dos trtmentos com fungicids com estrobirulins não deve exceder dus plicções por sfr. Trtmentos dicionis somente com utorizção d comissão técnic d PIP. - Sem restrições. Observções: Os fungicids, que não constem neste nexo e estejm registrdos no Ministério de Agricultur, Pecuári e Abstecimento - MAPA poderão ser incluídos n grde e deverão cumprir s restrições feits produtos ou grupos de pesticids já citdos. Os fungicids que constrem nest list e que eventulmente venhm ser proibidos ou retirdos d list de provdos pelo MAPA, não poderão ser utilizdos. INSETICIDAS UTILIZADOS NA PRODUÇÃO INTEGRADA DE PÊSSEGO PIP Dosgem Clsse Crênci Modo de Nome técnico Mrc comercil (g; ml)/100l toxicológic (dis) ção Abmectin Vertimec 18 CE Trnslminr Fosmete Imidn 500 WP Contto/ingestão Cyhextim Hokko Cyhextin II 17 Contto Kumulus Contto Enxofre Microsulfn 800 PM Sulficmp Novluron* Rimon 100 EC 40 7 Contto/ingestão Mltion** Mlthion 1000 CE 200 II 7 Contto/ingestão Assist 200 Adjuvnte/contto Óleo minerl Ihrol Trion Siove Thimethoxn* Actr 10 GR kg/h 45 Restrições: * Relizr no máximo dus plicções por sfr com intervlos de 20 dis. ** Admitido com restrição (usr no máximo 1 plicção de cobertur por sfr, uso em isc tóxic é liberdo). FERÔMONIOS, FITORREGULADORES E SANITIZANTES PERMITIDOS NA PRODUÇÃO INTEGRADA DE PÊSSEGO PIP Nome técnico Mrc comercil Dosgem Clsse toxicológic Crênci (dis) Modo de ção

10 (Z,E)-8- Dodecenyl cette, (E)-8- Dodecen-1-ol Álcool luríilico Biogrpholit Acetto de dodecenil Cinmid Hidrolisdo enzimático de proteín Biolit 20 sches/h Isclure Grfolit 1 rmdilh/ 2-5h 1 rmdilh/2-5 h Dormex 0,6 1,0% I Biofruit Milhocin Biotrimedilure Trimedilure biocertitis Dicloro Clor - in trizintrion Gener 65% sódic Sny-Clen Digluconto de Killbck 20% clorhexidin Neobiodine Hipoclorito de Hipoclorito de sódio sódio 10-12% Dióxido de Cloro 3% 7% Armdilh 0,6 8 g 7,7 g 3,68 11,5 g 25 ml 62,5 125 ml ppm de cloro tivo Gerdor de gás Confusão sexul Feromômio de monitormento Feromômio de monitormento Reguldor de crescimento --- Isc tóxic* Tecs Clor ppm --- Feromômio de monitormento Snente Snente Snente Snente Sem restrição. *Aplicdo for d prcel, dicionr inseticid específico. --- Não especificdo.

11 HERBICIDAS Nome técnico Dosgem (L/ Clsse Crênci Modo de Mrc comercil h) toxicológic (dis) ção Glifoste Roundup Roundup WG Glifosto Nortox Glyox Direct 0,5-6,0 0,5-3,5 1,0-6,0 1,0-6,0 0,5-3, Glufosinto de mônio Finle 2,0 7 Contto Restrições: O uso de herbicids é limitdo em dus plicções nuis, sendo últim 45 dis ntes d colheit. A plicção deve ser relizd somente n linh de plntio. FORMICIDAS Princípio tivo Nome comercil Dosgem Formulção Poliisobutileno Eton s Anel de 2 mm o redor do tronco Gel Fipronil Blitz 5 g/formigueiro ou 10 g/m 2 Isc Sulflurmid Flurmim g/formigueiro ou 6-10 g/m 2 Isc Mirex S g/formigueiro ou 6-10 g/m 2 Isc Mirex S Mx 8-10 g/formigueiro ou 8 g/m 2 Isc Mirex S Plus 8-10 g/formigueiro ou 6-8 g/m 2 Isc Dingro S 6-10 g/m 2 Isc Pikpu S 6-10 g/m 2 Isc Attmex S 6-10 g/m 2 Isc Tmnduá Bndeir-S 6-10 g/m 2 Isc Clorpirifos Lndrin g/formigueiro ou 5-10 g/m 2 Isc Pyrinex 10 g/m 2 Isc Ttu 10 g/m 2 Isc Formifos 10 g/m 2 Isc Kiisc 10 g/m 2 Isc Lkree 10 g/m 2 Isc Pikpu 10 g/m 2 Isc Urutu AG g/formigueiro ou 5-10 g/m 2 Isc

12 Clorpirifos Lkree Fogging 70 ml ml de óleo diesel Termonebulizção Fenitrothion Sumifog G g/formigueiro ou 5-10 g/m 2 Termonebulizção Deltmethrin Decis Fog 2,5 ml/m 2 diesel ou querosene Termonebulizção Deltmethrin Decis Form. 4P 50 g/formigueiro ou 15 g/m 2 Pó Chlorfenvinfós Birlne 50 Pó 30 g/m 2 Pó Obs.: g/formigueiro pr quemquém e g/m 2 de terr solt pr súv. Observções: Os inseticids, herbicids, feromônios e formicids que não constem neste nexo e estejm registrdos no Ministério de Agricultur, Pecuári e Abstecimento - MAPA, poderão ser incluídos e deverão cumprir s restrições feits produtos ou grupos de pesticids já citdos. Os inseticids, herbicids, feromônios e formicids que constrem nest list e que eventulmente venhm ser proibidos ou retirdos d list de provdos pelo MAPA, não poderão ser utilizdos.

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Produção Integrada de maçã PIM. Grade de Agroquímicos. Ciclo 2012/13

Produção Integrada de maçã PIM. Grade de Agroquímicos. Ciclo 2012/13 Produção Integrada de maçã PIM Grade de Agroquímicos Ciclo 2012/13 Fungicidas, inseticidas, acaricidas, feromônios e agroquímicos de uso geral registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Grade de Agroquímicos

Grade de Agroquímicos Produção Integrada de Manga PI Manga Grade de Agroquímicos Fungicidas, inseticidas, acaricidas e agroquímicos de uso geral registrado no MAPA para uso na cultura da Manga. Os fungicidas, inseticidas, acaricidas

Leia mais

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Rmulri reol) EM ALGODÃO ADENSADO Autores: Alfredo Riciere Dis Fundção Chpdão Rento Anstácio Guzin - UFMS Cleer Brndino Ferreir

Leia mais

GRADE DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DO MELÃO

GRADE DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DO MELÃO GRADE DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DO MELÃO Nome Técnico Marca Comercial Classe Grupo Químico Classif. Tox. Amb. g/100 l água Dosagem ml/100 l água Interv. de Enxofre Thiovit Sandoz Acaricida Inorgânico

Leia mais

Controle e Manejo de Pragas e Doenças da Maçã 2014. Mancha da Gala. Yoshinori Katsurayama José Itamar da Silva Boneti

Controle e Manejo de Pragas e Doenças da Maçã 2014. Mancha da Gala. Yoshinori Katsurayama José Itamar da Silva Boneti Controle e Manejo de Pragas e Doenças da Maçã 214 Mancha da Gala Yoshinori Katsurayama José Itamar da Silva Boneti Fito Desenvolvimento e Produção Ltda. Vacaria, 15 de agosto de 214 Previsão meteorológica

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia: Cdstro de Instlções e Sistems de Armzenmento de Derivdos de Petróleo e Outros Combustíveis 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.2. Doc. Identidde: Órgão Expedidor: UF: 1.3.

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Finalidade Pessoa Física Residencial

Finalidade Pessoa Física Residencial Gui de Contrtção Finlidde Pesso Físic Residencil Setembro/2013 O correto preenchimento e envio de documentos é ponto importnte n contrtção do Seguro Aluguel ou Finç Loctíci. Elbormos este gui pr judá-lo

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização:

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização: Ações de manejo da Helicoverpa armigera Realização: Quem é a praga? A Helicoverpa armigera é uma praga exótica, polífaga, que se alimenta de várias culturas agrícolas e plantas daninhas. Na fase de larva

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Período: Agosto de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Período: Agosto de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. SOJA» MERCADO INTERNO O preço da saca de 60 Kg de soja experimentou forte valorização em todas as praças pesquisadas durante o mês de agosto, 14,86% em média. Os preços dispararam a partir da terceira

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014 Epagri www.epagri.sc.gov.br Cristiano João Arioli Epagri Estação Experimental de São Joaquim cristianoarioli@epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

BASF Cana Crescer a cada desafio

BASF Cana Crescer a cada desafio BASF Cana Crescer a cada desafio Pag. 1 Pag. 2 Soluções integradas por todo o ciclo da cana-de-açúcar. Pag. 3 Cada dia nos desafia a crescer. Pag. 4 Buscar oportunidades para produzir mais, melhor e com

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 18, DE 28 DE MAIO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 18, DE 28 DE MAIO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 18, DE 28 DE MAIO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO E O MINISTRO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhes confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade

Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade ISSN 2176-2864 79 Níveis de desfolh tolerdos n cultur d soj sem ocorrênci de prejuízos à produtividde Nível de ção e o MIP-Soj No mnejo dequdo d cultur d soj, Glycine mx (Merrill), é crucil doção de estrtégis

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Copyright WISER. All Rights Reserved.

Copyright WISER. All Rights Reserved. Copyright WISER. All Rights Reserved. Marciano Marques Bittencourt Engenheiro Agrônomo 17 anos Atuação Fruticultura e Horticultura no SUL Sediado em São Joaquim - SC MOLECULAS DE ORIGEM NATURAL HIDRÓLISE

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE UVA PARA PROCESSAMENTO - VINHO E SUCO SÉRIE DOCUMENTOS DE ACOMPANHAMENTO VOLUME 1 GRADE DE AGROQUÍMICOS

PRODUÇÃO INTEGRADA DE UVA PARA PROCESSAMENTO - VINHO E SUCO SÉRIE DOCUMENTOS DE ACOMPANHAMENTO VOLUME 1 GRADE DE AGROQUÍMICOS PRODUÇÃO INTEGRADA DE UVA PARA PROCESSAMENTO - VINHO E SUCO SÉRIE DOCUMENTOS DE ACOMPANHAMENTO VOLUME 1 GRADE DE AGROQUÍMICOS Samar Velho da Silveira Lucas da Ressurreição Garrido Marcos Botton Alexandre

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS. Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan

Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS. Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1518-6512 Dezembro, 2004 32 Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan Foto:

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

DINÂMICA DAS INFESTAÇÕES E ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DE PRAGAS MAURO T B SILVA

DINÂMICA DAS INFESTAÇÕES E ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DE PRAGAS MAURO T B SILVA DINÂMICA DAS INFESTAÇÕES E ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DE PRAGAS MAURO T B SILVA O AMBIENTE AGRÍCOLA Fatores climáticos Plantas hospedeiras Pragas Práticas culturais MUDANÇA NAS PRÁTICAS CULTURAIS 1977 1987

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA RURAL SITUADA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA-PR

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA RURAL SITUADA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA-PR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA RURAL SITUADA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA-PR CURITIBA

Leia mais

Parte 2 CONTROLE QUÍMICO / FORMULAÇÃO

Parte 2 CONTROLE QUÍMICO / FORMULAÇÃO Parte 2 COTROLE QUÍMICO / FORMULAÇÃO Curso Integrado de Pragas JPGomes ovember 11th, 2006 Slide 1 PRAGA É todo e qualquer ser vivo, que por um curto ou longo período de tempo, apresenta um nível de proliferação

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

Efeito de acidez da água sobre produtos fitossanitários

Efeito de acidez da água sobre produtos fitossanitários Arbore/dng de triclorfom e o da água Cooperativa dos Agricultores de Plantio Direto Informativo 061 Efeito de acidez da água sobre produtos fitossanitários A qualidade da água é fator fundamental na eficácia

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Mamão PI-Mamão. Nº de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Nome do Produtor/Empresa: Município: Estado: CEP:

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Mamão PI-Mamão. Nº de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Nome do Produtor/Empresa: Município: Estado: CEP: Produção Integrada de Mamão PI-Mamão CADERNO DE CAMPO Nº de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Nome do Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: CEP: Telefone: Fax: E-mail: Home-Page: CP: Responsável

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 IDENTIFICAÇÃO DO IRRIGANTE Nome do Produtor: Nome da Propriedade: Endereço da Lavoura: CEP: Município: Estado:

Leia mais

Pesquisa, Consultoria e Treinamento Agrícola Ltda. Soluções para Manejo de Pragas, Plantas Daninhas, Biotecnologia Aplicada e Monitoramento Ambiental

Pesquisa, Consultoria e Treinamento Agrícola Ltda. Soluções para Manejo de Pragas, Plantas Daninhas, Biotecnologia Aplicada e Monitoramento Ambiental Pesquisa, Consultoria e Treinamento Agrícola Ltda. Soluções para Manejo de Pragas, Plantas Daninhas, Biotecnologia Aplicada e Monitoramento Ambiental Estações Experimentais de Pesquisa EEGJaboticabal EEGUberlândia

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer RESUMO 221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Enilton Fick Coutinho

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE Bruno Henrique Srdinh de Souz 1, Alcebídes Ribeiro Cmpos 2 1 Biólogo, emil: souzbhs@gmil.com, 2 Docente

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense

Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense Desempenho de hortaliças em sucessão de culturas, sob cultivo convencional e orgânico, no Litoral Sul Catarinense Antonio Carlos Ferreira da Silva 1, Luiz Augusto Martins Peruch 2 e Darci Antonio Althoff

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO CADEIA PRODUTIVA DA AGRICULTURA ORGÂNICA Audiência Pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária CRA Senado Federal Novembro 2008 1 Mokiti Okada CPMO

Leia mais

ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO

ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO Reprodução sujeita a autorização ESTAÇÃO DE AVISOS DE ENTRE DOURO E MINHO Circular nº 07 21. 05. 2012 VINHA Com a subida de temperatura registada nas últimas semanas, as vinhas responderam com francos

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n.º 175/COGPA/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Brasília, 2 de setembro de 2003. Referência: Ofício nº 4548/2001/SDE/GAB, de 26 de outubro de 2001. Assunto:

Leia mais

Fertilizantes PROQUIGEL. Setembro de 2014

Fertilizantes PROQUIGEL. Setembro de 2014 Fertilizantes PROQUIGEL Setembro de 2014 Visão Geral Segundo maior grupo petroquímico do Brasil Liderança em acrílicos e estirênicos na América Latina Fundada em 1966 Receita bruta de R$ 3,2 bilhões em

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA. Ana Maria H. de Avila

MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA. Ana Maria H. de Avila MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA Ana Maria H. de Avila Pelotas, Novembro de 2010 Mudança Climática Global Mudanças no meio ambiente global (incluindo modificações no clima,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE DE JULHO DE 15. ##TEX O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de sus tribuições e competêncis

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar. SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA Moacir Roberto Darolt 1 e Francisco Skora Neto 2 1 Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.br 2 Pesquisador IAPAR Ponta

Leia mais

F U N G I C I D A S 4. .CUPROXAT.MYSTIC 250 EC.MYSTIC 25 WG.NANDO 500 SC.NUFOZEBE 75 WD.NUFOZEBE 80 WP.PERCAPTA.PROPLANT.SABRE m.tidora G.

F U N G I C I D A S 4. .CUPROXAT.MYSTIC 250 EC.MYSTIC 25 WG.NANDO 500 SC.NUFOZEBE 75 WD.NUFOZEBE 80 WP.PERCAPTA.PROPLANT.SABRE m.tidora G. CATÁLOGO DE PRODUTOS 2010-2011 ÍNDICE F U N G I C I D A S 4.CALDA BORDALESA CAFFARO 20.CHAMP DP.CHAMPION FLOW.CHAMPION WG.CHAMPION WP.CIMOFARM.CIMOFARM C.COBRE FLOW CAFFARO.COSAN WDG.CUPERFORTE.CUPROCAFFARO

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP)

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Reunião do Consórcio Antiferrugem 26 de junho de 2008. Londrina, PR. Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Dulândula S. M. Wruck - Epamig Leila

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

Influência da poda do sistema aéreo e da aplicação de urina de vaca na

Influência da poda do sistema aéreo e da aplicação de urina de vaca na Influência da poda do sistema aéreo e da aplicação de urina de vaca na produtividade e comprimento da raiz de Daucus carota L. Júlio César de Oliveira SILVA 1 ; Cássio Roberto S. NORONHA 2 ; Josimar Rodrigues

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682 Página 682 AVALIAÇÃO DO SISTEMA AGCELENCE NA CULTURA DO ALGODOEIRO NO SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO NO OESTE DA BAHIA *Cleiton Antônio da Silva Barbosa 1 ; Benedito de Oliveira Santana Filho 1 ; Ricardo

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLVI N o - 28 Brsíli - DF, terç-feir, de fevereiro de 09. Sumário. PÁGINA Atos do Congresso Ncionl... 1 Presidênci d Repúblic... 1 Ministério d Agricultur, Pecuári e Abstecimento...

Leia mais

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 Eng. Agr. Sérgio Iraçu Gindri Lopes Gerente da Divisão de Pesquisa Estação Experimental

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS.

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. O QUE É IMPORTANTE VOCÊ SABER SOBRE AGROTÓXICOS, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. O que são os AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, pesticidas, produtos fitossanitários, defensivos agrícolas

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas. Pelotas - RS - Brasil, e-mail: priscoz@bol.com.br msgarcia@ufpel.tche.br 2

Universidade Federal de Pelotas. Pelotas - RS - Brasil, e-mail: priscoz@bol.com.br msgarcia@ufpel.tche.br 2 Avlição de trtivos limentres e rmdilhs pr o monitormento de Anstreph Volumen frterculus 4, Nº, Págins 7-7 IDESIA (Chile) Myo - Agosto 006 AVALIAÇÃO DE ATRATIVOS ALIMENTARES E ARMADILHAS PARA O MONITORAMENTO

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PORTARIA NORMATIVA IBAMA Nº 84, DE 15 DE OUTUBRO DE 1996 O Presidente do Instituto Brsileiro do Meio Ambiente e dos Recursos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PORTARIA NORMATIVA IBAMA Nº 84, DE 15 DE OUTUBRO DE 1996 O Presidente do Instituto Brsileiro do Meio Ambiente e dos Recursos

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO Fundção d UFPR (Desenvolvimento d Ciênci, tecnologi e d cultur) - FUNPAR Fundo Previdenciário do Município de Pulist Governo do Estdo d Príb Governo

Leia mais

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta Cultivndo o Ser 46 Crcterístics produtivs de cenour Esplnd em função do modo de plicção de composto orgânico e utilizção de coertur mort Fáio Steiner 1, Márci de Mores Echer 1 e An Crolin Cristo Leite

Leia mais

Dado Seguro. Gestão Inteligente de Backup. Manual de Criação e configuração. Criação: CS-Consoft - Documentação & CSU

Dado Seguro. Gestão Inteligente de Backup. Manual de Criação e configuração. Criação: CS-Consoft - Documentação & CSU Gestão Inteligente de Bckup Mnul de Crição e configurção Crição: CS-Consoft - Documentção & CSU Indice Introdução... 1 I. Aquisição d solução de Bckup Remoto Ddo Seguro Pro... 1 1. Downlod do plictivo...

Leia mais

PORTARIA CNP/DIFIS Nº 395, DE 29.10.1982 - DOU 4.11.1982

PORTARIA CNP/DIFIS Nº 395, DE 29.10.1982 - DOU 4.11.1982 PORTRI CNP/DIFIS Nº 395, DE 29.10.1982 - DOU 4.11.1982 Cria o Mapa de Controle de Movimento Mensal de Recipientes de GLP, cheios, e estabelece normas para o seu preenchimento. O Presidente do, no uso das

Leia mais

Tecnologias para uma agricultura de baixa emissão de carbono Contextualização do Plano e Programa ABC

Tecnologias para uma agricultura de baixa emissão de carbono Contextualização do Plano e Programa ABC Tecnologias para uma agricultura de baixa emissão de carbono Contextualização do Plano e Programa ABC Paulo Roberto Galerani Eng. Agro Pesquisador Adaptado de: Luiz Adriano Maia Cordeiro Eng.Agr., D.S.,

Leia mais

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta Monsanto 11 de junho de 2013 1 Objetivo do trabalho 2 Objetivo do presente trabalho é demonstrar a importância econômica da utilização da tecnologia no aumento

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS 0 1. O que são as Boas Práticas Agrícolas? Os consumidores estão cada vez mais preocupados em obter alimentos saudáveis,

Leia mais

controle da mancha de ramularia. De acordo com os resultados, os tratamentos Brestanid +

controle da mancha de ramularia. De acordo com os resultados, os tratamentos Brestanid + CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULARIA (Ramularia areola) DO ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DA IDADE DA PLANTA E DA SEVERIDADE DA DOENÇA SAFRA 2003/2004, NA REGIÃO DE CAMPO VERDE MT. Luiz Gonzaga Chitarra, Pesquisador

Leia mais

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos.

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. No mercado competitivo de hoje, há uma consciência crescente dos severos danos causados aos produtos agrícolas por pragas e insetos. Como resultado,

Leia mais

O Cultivo do Tomate em Ambiente Protegido

O Cultivo do Tomate em Ambiente Protegido Eng Agro - Pablo Luis Sanches Rodriguez Tec Agr - Flavio Jedneralski O Cultivo do Tomate em Ambiente Protegido Trabalho realizado pela equipe de oleicultura da Região de Ivaiporã, na implantação de unidade

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS 1. FERRUGEM 1 SINTOMAS. folhas:. sup. superior:. manchas angulares, amarelas, pequenas. sup. inferior:. pústulas arredondadas, recobertas de massa pulverulenta

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais