Evolução e novas demandas dos softwares HMI/SCADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução e novas demandas dos softwares HMI/SCADA"

Transcrição

1 Evolução e novas demandas dos softwares HMI/SCADA Christian Vieira Engenheiro de Aplicações para América Latina da GE Fanuc. Microsoft Certified System Engineer, Microsoft Certified Professional. Microsoft Certified Database Administrator e Microsoft Certified Internet Specialist; e Márcia Campos Gerente Comercial da Aquarius Software, distribuidora de software da GE Fanuc. Figura 1 Sala de controle com HMI/SCADA. O INÍCIO Os sistemas HMI/SCADA que conhecemos hoje [Figura 1] foram, no início, uma evolução de painéis com lâmpadas e botões, anunciadores de alarmes e registradores gráficos (paper chart). Nessa época, não se imaginava o que a popularização dos PCs traria para as salas de controle ou tiraria delas. Saíram os painéis e seus pares, entraram softwares que facilitaram o dia-a-dia, primeiro da operação, depois da gerência e, por último, da diretoria das empresas. Mas antes de chegar aos usuários, vamos abordar o próprio HMI/SCADA. A EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS HMI/SCADAS Enquanto há duas décadas ainda era preciso uma equipe de analistas de sistemas e programadores para desenvolver sistemas HMI/SCADAs específicos e customizados para cada projeto, hoje há no mercado um grande leque de opções para supervisão e controle de processos industriais, desde as mais simples, até as mais completas e integradas. HMI/SCADA: do inglês, Human-Machine Interface (Interface Homem-Máquina) / Supervisory Control and Data Aquisition (Controle Supervisório e Aquisição de Dados) designa os softwares para supervisão e operação de processos industriais, do qual é parte fundamental a aquisição de dados de CLPs (Controladores Lógico Programáveis) e outros equipamentos de campo.

2 Sem dúvida, os softwares HMI/SCADA têm trilhado um longo caminho desde sua inserção no cenário de automação no início dos anos 80. Enquanto nessa época, um HMI/SCADA era simplesmente um software para realizar a supervisão e operação de processos industriais, com a mudança do cenário industrial e maior competição no mercado entre as indústrias, surgiu a necessidade de maior controle do chão de fábrica, de visibilidade global da indústria e, conseqüentemente, surgiu a necessidade de integração dos sistemas existentes, adequação a normas regulatórias de mercado e outras novas exigências da indústria. Os softwares HMI/SCADA, então, encontraram-se em um momento decisivo: apenas supervisionar o processo já não era mais suficiente, era necessário servir como facilitador de uma integração completa do ambiente industrial, transformando dados em informação. E tal transformação de dados em informação e integração de sistemas, era praticamente impossível de ser realizado com os sistemas disponíveis na década de 80 e até 90. No melhor dos casos, soluções customizadas poderiam ser criadas, porém exigiam muitas horas de engenharia e o custo se tornava inviável. Essa situação forçou que as ferramentas e aplicações HMI/SCADA tivessem apenas uma opção EVOLUIR. E essas soluções vêm evoluindo constantemente. De sistemas stand-alone a cliente-servidor e via Web; de redundância full-duplex a soluções hot-standby; de conexões seriais a redes Ethernet rápidas e duplicadas; de buzinas a mensagens faladas e envio de para informar alarmes; de telas semigráficas a recursos avançados de animação que permitem refletir cada vez melhor a situação de uma planta. Definitivamente, tivemos grandes evoluções. Antigamente, a principal preocupação durante o desenvolvimento de um sistema de supervisão era garantir performance na exibição de telas e, inevitavelmente, na comunicação com CLPs. Essa comunicação, tipicamente serial, era lenta e quando os sistemas cresciam em número de pontos e em número de estações de operação, era necessário muito empenho para manter um tempo de resposta adequado. Hoje quando se busca performance espera-se muito mais: disponibilidade do sistema, facilidade de modificações, integração com outros ambientes, operação em dispositivos móveis e sem fio (Pocket PC), segurança operacional, etc. DIVERSIDADE DE MERCADO DIVERSIDADE DE APLICAÇÕES Atualmente, os softwares HMI/SCADA são utilizados em milhares de ambientes e segmentos industriais em todo o mundo [Figura 2]. Podemos encontrar estes softwares em ambientes de pura manufatura discreta, como indústrias automobilísticas, ambientes de processo contínuo e semi-contínuo, como etanol, química e petroquímica, alimentos e bebidas, siderurgia e mineração, além de aplicações diversas como instalações em igrejas, estádios e etc.

3 Figura 2 Diversidade de segmentos industriais. Para complicar ainda mais o cenário dos softwares HMI/SCADA, além da necessidade de adicionar recursos visando transformar dados em informação, os softwares HMI/SCADA passaram a ser exigidos por compatibilidade e aderência também com especialidades ou necessidades dos segmentos verticais. Veja alguns exemplos na tabela 1. Segmento Industrial Alimentos e Bebidas Energia e Utilidades Farmacêutica Manufatura Petroquímico Siderurgia Funcionalidade Assinaturas Eletrônicas (21CFR11) e recursos de receitas Protocolos para Área Elétrica como IEC e DNP Assinaturas Eletrônicas (21CFR11), Segurança através de biometria Foco em variáveis discretas e tratamento de eventos Redundância e gerenciamento de alarmes Aquisição de dados em alta velocidade Tabela 1 Aderência a necessidades de segmentos verticais. FICOU MAIS FÁCIL DESENVOLVER UMA APLICAÇÃO DE SISTEMA HMI/SCADA? Não. Se por um lado os recursos do tipo point and click, fill-in-the-blanks e bibliotecas de símbolos facilitaram a vida dos engenheiros e empresas de integração, por outro, a exigência aumentou muito quanto à ergonomia, requisitos de segurança como FDA CFR Part 11, disponibilidade do sistema, gerenciamento de alarmes, etc. Assim, configurar um HMI/SCADA ficou muito fácil, mas projetar adequadamente uma aplicação SCADA (Supervisory Control and Data Acquisition: controle HMI/SCADA e aquisição de dados) não é tarefa trivial. Implica em definir o hardware necessário, a arquitetura de rede entre micros e entre micros/clps, o número de clientes, o esquema de segurança a ser usado, o tratamento de casos de falha, a redundância, o gerenciamento (e não só a exibição) de alarmes, os meios de integração aos sistemas corporativos e de qualidade e muito mais.

4 E PARA A OPERAÇÃO? A supervisão através de microcomputadores ofereceu imediatamente maior segurança e conforto ao operador, que, literalmente, saiu do chão-de-fábrica e de seu ambiente muitas vezes insalubre ou perigoso, e foi para salas de controle centralizadas e climatizadas. A segurança também foi reforçada pela facilidade de adicionar variáveis em telas, de exibir dados já calculados, de ter uma interface mais amigável e compreensível e ainda, pela facilidade de gerar alarmes (o que mais tarde até se transformou em problema pelo excesso, como veremos rapidamente adiante, pois isto é assunto para outro artigo). Resumindo: um bom HMI/SCADA, corretamente configurado, é para o operador uma ferramenta adequada à sua capacidade de observar, atuar e reagir. VISÃO GERENCIAL Ao longo do tempo, os HMI/SCADAs evoluíram para arquiteturas clienteservidor e foi a vez da gerência, que passou a ter em sua sala uma boa visão do processo, inicialmente área a área, depois de forma integrada. Passou a ver também relatórios de produção que, embora difíceis de configurar e modificar - e portanto caros, trouxeram informações importantes e confiáveis. Para esta visão gerencial - e também em muitos casos para supervisão de locais distantes e desassistidos, a supervisão e operação via Internet também foi fundamental. E hoje vemos até manutenção à distância, com engenheiros criando variáveis e telas e disponibilizando para operação imediata a quilômetros de distância. Para os gerentes, o HMI/SCADA é a ferramenta básica de supervisão e controle operacional de cada processo. VISÃO CORPORATIVA Em seguida, os HMI/SCADAs, apoiados em PIMS (Plant Information Management System) e MES (Manufacturing Execution System), passaram a permitir um amplo leque de relatórios e visões da planta, facilitando o planejamento centralizado de plantas distribuídas, permitindo abordagens para otimização de processo, controle de paradas, rastreabilidade, qualidade, etc. Aqui, o HMI/SCADA é a ponte entre o chão de fábrica e os sistemas corporativos, fornecendo informações seguras e confiáveis. E QUEM ESTÁ COMEÇANDO AGORA? São muitos os aspectos que devem ser observados para a escolha da melhor tecnologia em uma planta que está começando. As indústrias vêm mudando, novas demandas vão surgindo e isto exige dos usuários atenção especial na avaliação e escolha da sua solução HMI/SCADA, para que essa escolha seja não só a melhor hoje, mas que continue sendo a melhor opção no futuro, através da evolução constante e consistente nas ferramentas, recursos e tecnologias utilizados.

5 Através de estudos realizados por associações como a ARC [Ref 1] e pela experiência obtida através de contatos com clientes, listamos abaixo alguns dos recursos que atualmente são obrigatórios para aplicações HMI/SCADA e que refletem justamente a evolução destas ferramentas. E mais adiante, alguns aspectos pertinentes quando se pensa em longo prazo. ARQUITETURA CLIENTE/SERVIDOR Um bom sistema de supervisão permite empregar a mesma tecnologia tanto em uma aplicação como IHM (Interface Homem-Máquina), em um ambiente isolado, até em aplicações de grande porte, com cliente-servidor, usuários locais, via Web e sem fio (wireless). Ou seja, uma das características importantes do HMI/SCADA é a possibilidade de criar uma arquitetura que possa crescer, que seja flexível e tenha um custo de propriedade e manutenção baixo, benefícios que são alcançados através da adoção da arquitetura cliente/servidor [Figura 3]. As estações denominadas SERVER serão responsáveis pela comunicação direta do SCADA com os dispositivos de campo, como controladores ou CLPs, e também serão responsáveis por gerenciar alarmes, armazenar históricos, receitas e servir dados para as estações clientes. Em muitos casos, os Servidores funcionam também como estação de operação, mas em outros, particularmente quando os Servidores ficam fechados em painéis, podem ser cegos ou server only, ou seja, não têm interface de operação, com conseqüente redução de custo. As licenças denominadas CLIENTS, por sua vez, são licenças que constituem o lado cliente da aplicação, não possuem base de dados local e são conectadas a uma ou várias estações SERVER. Basicamente, para que as estações clientes operem, trabalhamos com o mesmo aplicativo dos servidores, sem nenhuma reengenharia, facilitando assim expansões graduais. Figura 3 Arquitetura Cliente/Servidor.

6 OPC E OUTROS PADRÕES Os padrões também mudam ao longo do tempo e exigem que os fornecedores de software e hardware atualizem constantemente seus produtos para acompanhar essa evolução. Porém, os padrões já estabelecidos para os softwares industriais, facilitam muito a integração e permitem grande liberdade de escolha aos usuários, que podem definir a melhor solução para cada parte de um processo, integrando áreas e distribuindo informação. O principal padrão refere-se à comunicação entre os CLPs e o HMI/SCADA. É o OPC (OLE for Process Control - Data Access) da OPC Fundation [Ref 2], muitas vezes referenciado somente como OPC, um protocolo para troca de dados em tempo real. Esse protocolo também é utilizado para conectar o HMI/SCADA ao PIMS. Aqui é importante observar a distinção entre OPC Server e OPC Client. Enquanto o OPC Client é usado para receber dados do chão de fábrica, o OPC Server é usado para transferir informações do HMI/SCADA para outros sistemas, principalmente PIMS e sistemas corporativos (ERPs - Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa). A OPC Fundation definiu também os padrões OPC AE, para troca de mensagens de alarmes e eventos e o OPC HDA para dados históricos. Mas outros padrões também são importantes: ODBC e OLE DB para gravação e leitura de informações em bancos de dados relacionais, TCP/IP e DCOM para comunicação. CONECTIVIDADE COM CHÃO-DE-FÁBRICA Como uma das novas exigências da indústria é promover a integração de sistemas, faz-se necessário que os softwares possam conectar-se a diversos tipos de equipamentos e protocolos de chão de fábrica [Figura 4]. As soluções de HMI/SCADA devem ter condições de falar com os mais diferentes equipamentos, desde controladores de processo (CLPs) até instrumentos, dispondo dos mais variados protocolos, como Modbus, DNP, IEC e, principalmente, possuir conectividade OPC (descrita acima), o que reduz o custo de desenvolvimento da aplicação. Figura 4 Conectividade global.

7 FACILIDADE DE USO E REDUÇÃO DO CUSTO ENGENHARIA E MANUTENÇÃO Um dos pontos mais fortes que encontramos nas tendências tecnológicas de aplicações HMI/SCADA está na facilidade e rapidez para construção de uma aplicação, porém aliando a isto robustez e performance. Contar com tecnologias de mercado, para garantir total conectividade, sendo aberto a tecnologias como OPC UA, VB, ODBC, DDE, OLE, ActiveX, dentre outras, que facilitam no desenvolvimento e integração da aplicação, será primordial e fundamental. No seu ambiente gráfico, as ferramentas deverão seguir a tendência de possuir ambientes vetoriais, o que permitirá importação de diversos tipos de figuras, como CorelDraw, bitmaps e AutoCad, não só importando o desenho, mas caso o mesmo esteja no formato vetorial, também animando o objeto. Para o desenho de telas, a existência de bibliotecas de símbolos, recursos para propagação de mudanças, facilidade de ligar equipamentos a tubulações, entre outros, podem significar redução importante no tempo de engenharia. E um ambiente único de configuração, que permita ao usuário configurar todos os elementos da aplicação em uma única ferramenta e com facilidades como arrastar/soltar, copiar/colar, de maneira muito análoga ao Windows Explorer é também uma facilidade importante para reduzir o custo de engenharia e manutenção. ORIENTAÇÃO A OBJETOS E PROPAGAÇÃO DE MUDANÇAS O software HMI/SCADA atual deve possuir conceitos de orientação a objetos em seu ambiente, onde podemos definir classes comuns como motores, válvulas, estruturas de PIDs e não só associar os tags comuns a estas estruturas, mas também vincular objetos gráficos e faceplates a eles [Figura 5]. Figura 5 Orientação a Objetos.

8 Isto simplifica muito o desenvolvimento e manutenção, já que podemos criar padrões no desenvolvimento e qualquer alteração é feita na estrutura principal (classe) e replica-se automaticamente para onde ela está sendo utilizada, caracterizando o que chamamos de propagação de mudanças. PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGENS COMPATÍVEIS COM VISUAL BASIC Embora seja um recurso para ser usado com cuidado, é parte importante para garantir que tarefas muito específicas de uma aplicação possam ser implementadas adequadamente, sem recorrer a programas externos. Isso torna o ambiente de desenvolvimento do HMI/SCADA mais flexível e aberto, permitindo que o usuário crie funções, rotinas e procedimentos customizados. O software deve permitir o uso de linguagem de programação aberta de mercado e que seja de grande aceitação, para facilitar a manutenção, reduzindo o custo de desenvolvimento. A compatibilidade com Visual Basic permite atingir este objetivo. A customização do software por parte do usuário pode facilitar a criação de rotinas diversas como, interface com sistemas ERPs específicos, interação com bancos de dados, leitores de código de barras e outras rotinas próprias de controle. O cuidado aqui, refere-se ao uso criterioso, sendo importante utilizar preferencialmente os recursos nativos do HMI/SCADA, e usar programação apenas onde isso não for possível, o que minimiza e em alguns casos elimina, sua necessidade. SEGURANÇA Com a forte de integração de sistemas e democratização das informações no ambiente industrial, nada mais necessário do que garantir que a segurança no acesso aos dados, evitando operações indevidas e que informações sigilosas caiam em mãos erradas e prejudiquem a empresa. Assim, o software HMI/SCADA deve permitir a utilização de recursos de segurança completos, como criação de usuários, grupos de usuários, senhas, uso de dispositivos biométricos para identificação, definição de comunicação entre as estações com criptografia e, principalmente, a integração da segurança do software HMI/SCADA com recursos de segurança da infraestrutura existente de TI, como domínios Windows e Active Directory. É a informação quando, onde e para quem precisa com segurança [Figura 6]. Figura 6 Segurança integrada no HMI/SCADA.

9 INTEGRAÇÃO COM WEB Falar em acesso remoto, Internet e Intranet já são coisas normais no cotidiano de quem trabalha com automação e sistemas. Isto se faz também comum e necessário em ferramentas HMI/SCADA. O software HMI/SCADA deve possuir recursos para expor suas telas na WEB, sem necessidade de criação de páginas em formatos específicos e com configurações de acesso seguro e controlado, inclusive controlando o envio de comandos, de forma integrada ou não à segurança do Windows. O usuário deve simplesmente abrir o Internet Explorer de qualquer lugar na rede com acesso ao servidor SCADA (seja Internet ou Intranet), monitorar e até comandar seu processo pela WEB. Essa monitoração remota permitirá, não só o acesso às informações de qualquer lugar, mas também intervenções remotas no processo, quando necessário, diminuindo significativamente o custo de manutenção de todo o sistema e reduzindo também o custo de propriedade [Figura 7]. QUALIDADE DO FORNECEDOR Figura 7 Acesso remoto via WEB. Embora muitas vezes não considerado como parte da avaliação durante a escolha do software, a qualidade do fornecedor pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso do projeto. A estabilidade da empresa, a disponibilidade no mercado de pessoas qualificadas e com experiência no produto e uma equipe de suporte e treinamento capacitada, estável e comprometida com o cliente é fundamental. Como avaliar? Boas referências em projetos similares e, principalmente, em aplicações de grande porte, afinal, a maioria das grandes aplicações começa pequena. DE OLHO NO FUTURO Com todas estas transformações, podemos afirmar que a única constante é a mudança, e isto também se faz verdade no âmbito das tendências tecnológicas futuras para o mercado de softwares HMI/SCADA. Portanto, devemos pensar e observar alguns aspectos que farão da escolha atual, a escolha certa também daqui a alguns anos [Figura 8].

10 CUSTO DE PROPRIEDADE Figura 8 De olho no futuro. O custo de propriedade, normalmente conhecido como TCO (do inglês, Total Cost Ownership) é um aspecto importante para qualquer compra. O mais difícil, porém, é estimá-lo ao longo do tempo. Porque o TCO não se refere somente ao custo inicial, de software, hardware e serviços. Refere-se também ao custo ao longo do tempo, não só para mantê-lo, mas também do retorno obtido. Ou seja, um software barato na aquisição e atualização, mas instável, pode ter um TCO mais alto do que aquele que é inicialmente caro mas é robusto e fácil de manter [Figura 9]. Figura 9 Redução do TCO. INTEGRAÇÃO Integração é outro aspecto a ser considerado pois potencializa o uso das informações obtidas na camada SCADA e chão de fábrica, transformando os dados do processo em valorosas informações gerenciais. Embora a "popularização" de padrões tenha facilitado a vida de todos, um bom escopo de soluções verticais do mesmo fornecedor pode facilitar ainda mais a implementação dos sistemas futuros, como PIMS e MES e reduzir o TCO, através do aproveitamento de configurações feitas em um software pelo outro. Por isso, é importante avaliar a linha completa de softwares de cada fornecedor, pois o uso de PIMS e MES costuma trazer resultados excelentes, quando bem definido e implementado, e pode ser o fator que irá levá-lo à melhor escolha no HMI/SCADA.

11 PLATAFORMA ORIENTADA A SERVIÇOS Service-oriented architecture (SOA) ou, ainda, em português, arquitetura orientada a serviços, é um estilo de arquitetura de software cujo princípio define a oferta de funcionalidades de aplicações na forma de serviços [Figura 10]. No âmbito de ferramentas HMI/SCADA, cada vez mais o mercado buscará e encontrará ferramentas que trabalharão com serviços modulares, como visualização de processos via WEB, armazenamento de licenças de software em um servidor central, redundância, envio de alarmes por /pager, propagação de mudanças e muitos outros. A arquitetura orientada a serviços não só vai ao encontro de uma estrutura ou plataforma forte de software, mas também se relaciona com políticas e conjuntos de "boas práticas", que pretendem criar um processo para facilitar a tarefa de encontrar, definir e gerenciar os serviços necessários, facilitando assim o desenvolvimento e manutenção das aplicações dos usuários. Figura 10 Acesso remoto via WEB. GERENCIAMENTO INTEGRADO DE VERSÕES Com o advento da norma ISA S99 [Ref 3] e a conseqüente preocupação com segurança da informação, muitos clientes estão buscando soluções para gerenciar seus ativos de software, versões e alterações dos programas de CLP, aplicações de supervisão e documentos relacionados [Figura 11]. Já existe uma exigência crescente de informações para auditorias, incluindo quando e quais usuários fizeram alterações em telas, scripts e bases de dados de aplicações de supervisão. Há também a necessidade de gerenciar versões, prover backup, mecanismos de recuperação de desastres, segurança de acesso e ferramentas de comparação entre versões de aplicações, pois este conjunto de funcionalidades facilita o desenvolvimento e a manutenção dos sistemas de automação. Portanto, o gerenciamento de versões é um recurso cada vez mais importante para os usuários de aplicações HMI/SCADA.

12 Figura 11 Controle de versões de aplicações SCADA. GERENCIAMENTO DE ALARMES Hoje, configurar um alarme é muito simples e barato: tipicamente, apenas um ou dois clicks do mouse. Com o passar do tempo, os sistemas passaram a ter um número excessivo de alarmes configurados, dispersando a atenção e confundindo os operadores, chegando mesmo a comprometer a segurança das plantas. O gerenciamento de alarmes visa destacar a real função dos alarmes, analisando as ocorrências indevidos e aplicando métricas para chegar a um sistema efetivo e gerenciável. Essa métrica é definida por estudos como EEMUA Engineering Equipment and Users Association No. 191 [Ref 4], que define as taxas aceitáveis para sistemas em situação normal e crítica e a norma ISA S18, que está em revisão. Enquanto a análise histórica permite identificar os alarmes mais freqüentes e o direcionamento do tratamento adequado, o sistema HMI/SCADA deve oferecer recursos que facilitem a implantação dos ajustes. Esses recursos incluem parametrização on-line de limites de alarme, temporização, supressão, adequação do nível de prioridade [Figura 12], classificação dos alarmes por área, filtragem nas listas de alarmes e indicadores de alarmes, como quantidades de alarmes reconhecidos ou não reconhecidos, por área ou prioridade. Figura 12 Exemplo de configuração de alarme.

13 CONCLUSÃO Enquanto as necessidades crescentes de desempenho e qualidade das indústrias nos últimos anos forçaram a evolução dos sistemas HMI/SCADA, trazendo mais recursos e facilidades para o usuário, esse é um ambiente em constante renovação e tendências, tecnologias e recursos surgem constantemente, exigindo atenção e cuidado nas avaliações e escolhas dos usuários. REFERÊNCIAS [Ref 1] ARC Advisory Group: [Ref 2] OPC Foundation: [Ref 3] EEMUA - Engineering Equipment & Materials Users' Association: [Ref 4] ISA The Instrumentation, Systems, and Automation Society:

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition

Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados. SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition Sistemas de Supervisão e Aquisição de Dados SCADA - Supervisory Control and Data Aquisition São sistemas que utilizam software para monitorar e supervisionar as variáveis e os dispositivos de sistemas

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Tópicos do Seminário SCADA Systems Sistemas de Informação 1º Trimestre de 2009 Noturno Prof. Nunzio Torrisi ESEQUIEL DE PAIVA FERREIRA LAURY LIERS LEWNEY FERREIRA MARIO MATIUSSO

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

BluePlant Software SCADA/HMI. altus. evolução em automação. www.altus.com.br

BluePlant Software SCADA/HMI. altus. evolução em automação. www.altus.com.br BluePlant Software SCADA/HMI altus www.altus.com.br evolução em automação Uma nova visão da sua realidade Impressionante: gráficos de alta qualidade e configuração intuitiva Superior: segurança, redundância

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia

Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia Introdução e Aplicação de Sistemas SCADA em Engenharia Eng. Fernando Guessi Plácido E-mail: fernandogplacido@hotmail.com Skype: fernando.guessi Roteiro O que é SCADA Benefícios de um sistema de supervisão;

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções em Tecnologia de Automação e Informação SOLUÇÕES INDUSTRIAIS LOGANN Soluções Especiais ESPECIALIDADES AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL Atuação em sistemas de controle, aquisição de dados e supervisão

Leia mais

OPERAÇÃO REMOTA DE PLANTAS DE MINERAÇÃO E SANEAMENTO

OPERAÇÃO REMOTA DE PLANTAS DE MINERAÇÃO E SANEAMENTO OPERAÇÃO REMOTA DE PLANTAS DE MINERAÇÃO E SANEAMENTO Carlos Eduardo Gurgel Paiola (cpaiola@aquarius.com.br), Engenheiro de Controle e Automação, M.Sc., Aquarius Software; Alexandre Roberto Granito (automacao@sanasa.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

Aplicação do Software Proficy ifix como padrão de software supervisório nos 48 Terminais da TRANSPETRO existentes em todas as regiões do Brasil

Aplicação do Software Proficy ifix como padrão de software supervisório nos 48 Terminais da TRANSPETRO existentes em todas as regiões do Brasil Testes Definidos por Software Saber Eletrônica 436 Software para testes de próteses de válvulas cardíacas Saber Eletrônica 433 Softwares de Supervisão www.mecatronicaatual.com. br/secoes/leitura/786 AutoCad

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Interfaces Homem-Máquina

Interfaces Homem-Máquina Interfaces Homem-Máquina www.altus.com.br Muito mais que IHMs Insuperável: gráficos vetoriais em hardware de alto desempenho Interativa: comunicação com diversos dispositivos de automação Intuitiva: biblioteca

Leia mais

Palavras-chave: Sistemas supervisórios orientado a objetos; Automação; CLP

Palavras-chave: Sistemas supervisórios orientado a objetos; Automação; CLP SISTEMAS SUPERVISÓRIOS Luís Augusto Jurizato Paulo Sérgio R. Pereira Resumo Atualmente, a grande quantidade de processos automatizados existentes nos mais diversos meios, motiva a utilização dos chamados

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Redes Industriais Professor Affonso Alessandro J. de Souza / Affonso Guedes Objetivos Discorrer

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Movicon CE. Tecnologia para IHMs Windows CE. Movicon CE é um sistema Scada runtime poderoso e aberto para IHMs Windows CE.

Movicon CE. Tecnologia para IHMs Windows CE. Movicon CE é um sistema Scada runtime poderoso e aberto para IHMs Windows CE. Movicon CE Tecnologia para IHMs Windows CE Movicon CE é um sistema Scada runtime poderoso e aberto para IHMs Windows CE. Especialmente indicado para aplicativos que devam rodar junto às linhas de produção

Leia mais

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial Gerenciamento de software como ativo de automação industrial INTRODUÇÃO Quando falamos em gerenciamento de ativos na área de automação industrial, fica evidente a intenção de cuidar e manter bens materiais

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características

O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características O Padrão de Comunicação OPC e Suas Características Ana Clara Ratunde, Matheus Costa Santos e Yago Oliveira Cruz Resumo As diferenças que existem entre os padrões dos protocolos de comunicação sempre impediram

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação EEMUA 201 GUIA DE DESIGN PARA INTERFACES HUMANAS OPERACIONAIS Versão adaptada do guia original publicado pela Associação de Usuários de Equipamentos e Materiais de Engenharia. Ricardo Schäffer Resumo -

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE AUTOMAÇAO DE UMA FABRICA DE CIMENTO Giancarlo Borges de Avelar - Automaton Integração de Sistemas Leopoldo José Naves Alves, AUTOMATON Marcio L Martins Neto - MULTIPLUS 19 a

Leia mais

Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado

Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado Software Industrial: Ativo a ser Gerenciado Change Management Aplicação : Ocorrências Comuns Você já teve problemas em encontrar um programa ou uma configuração quando precisava colocar uma máquina para

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

BlueWave Wide Automation System - WAS

BlueWave Wide Automation System - WAS BlueWave Wide Automation System - WAS www..com.br Simplesmente completo Convergente: recursos de vanguarda reunidos em um só produto Amigável: ambiente intuitivo e de fácil utilização Abrangente: soluções

Leia mais

Guia de Especificação. Vijeo Citect

Guia de Especificação. Vijeo Citect Guia de Especificação Vijeo Citect Guia de Especificação Vijeo Citect > Este documento destina-se à auxiliar nas especificações do software SCADA Vijeo Citect. > Descreve as licenças disponíveis e mostra

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

MES e Eficiência de Linhas de Produção

MES e Eficiência de Linhas de Produção MES e Eficiência de Linhas de Produção por Edson Donisete da Silva e Carlos Roberto Sponteado Melhora constante no processo produtivo. Aumento da qualidade do produto que é entregue ao cliente final. Redução

Leia mais

SCADA Software - Superview BROCHURE

SCADA Software - Superview BROCHURE SCADA Software - Superview BROCHURE JUNHO 2013 Solução Completa em Automação SCADA SuperView Registro e Aquisição de Dados Flexibilidade Interface amigável Vantagem competitiva Requisitos ANVISA e FDA

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Com o objetivo de atender aos diferentes tipos de Terminais e necessidades operacionais o AutoLoad é comercializado nas seguintes versões:

Com o objetivo de atender aos diferentes tipos de Terminais e necessidades operacionais o AutoLoad é comercializado nas seguintes versões: O AutoLoad é um software industrial que opera em tempo real que foi especificamente desenvolvido para Gestão de Terminais de Movimentação de Combustíveis e Produtos Químicos e Usinas de Biocombustíveis.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

OPC DataHub Coloca a Tecnologia de Tunnelling a Disposição dos Dados de Processo

OPC DataHub Coloca a Tecnologia de Tunnelling a Disposição dos Dados de Processo OPC DataHub Coloca a Tecnologia de Tunnelling a Disposição dos Dados de Processo Por Paul Benford e Robert McIlvride, Cogent Real-Time Systems Inc. & Colin Winchester, Software Toolbox, Inc. No ambiente

Leia mais

Gerenciamento de Energia e Automação Predial e Residencial

Gerenciamento de Energia e Automação Predial e Residencial Gerenciamento de Energia e Automação Predial e Residencial Soluções para Automação Predial com InduSoft Web Studio Com o aumento dos custos de energia, novos projetos de infraestrutura são realizados

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO ENTRE CLP E ESTAÇÕES DE OPERAÇÕES COM REDUNDÂNCIA FÍSICA, ROTINAS DE WATCHDOG E HOT STANDBY

OTIMIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO ENTRE CLP E ESTAÇÕES DE OPERAÇÕES COM REDUNDÂNCIA FÍSICA, ROTINAS DE WATCHDOG E HOT STANDBY OTIMIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO ENTRE CLP E ESTAÇÕES DE OPERAÇÕES COM REDUNDÂNCIA FÍSICA, ROTINAS DE WATCHDOG E HOT STANDBY Ely Alves de Paula Júnior¹, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador)² ¹Departamento

Leia mais

PlantStruxure. Sistema de Automação de Processos. Tadeu Oliveira Di Fiori Consultor Técnico em Soluções de Automação

PlantStruxure. Sistema de Automação de Processos. Tadeu Oliveira Di Fiori Consultor Técnico em Soluções de Automação PlantStruxure Sistema de Automação de Processos Tadeu Oliveira Di Fiori Consultor Técnico em Soluções de Automação Andre Luiz de Moraes Consultor de negócios filial RJ Marcas da Schneider Electric Tour

Leia mais

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com Aula 02 Conceitos básicos elipse INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com 1. Introdução O Elipse E3 trabalha totalmente orientado para a operação

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 Neste item aprenderemos a instalar o Microsoft SQL SERVER 2008 R2 e a fazer o Upgrade de versões anteriores do SQL SERVER 2008 R2. Também veremos as principais

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

Presented by Daniel Cruz / Gabriel da Mata. Copyr i ght 2015 O SIs oft, LLC.

Presented by Daniel Cruz / Gabriel da Mata. Copyr i ght 2015 O SIs oft, LLC. PI System na Mineração Usiminas Implantação, oportunidades e casos de sucesso. Provendo a mudança da gestão e cultura operacional com a disseminação de dados. Presented by Daniel Cruz / Gabriel da Mata

Leia mais

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011 O que é automação? SENAI / RJ Julho / 2011 O que é automação? Automação industrial é o uso de qualquer dispositivo mecânico ou eletro-eletrônico para controlar máquinas e processos. Entre os dispositivos

Leia mais

Controle e Automação

Controle e Automação Controle e Automação Sistemas Supervisórios rios e Comunicação OPC Prof. Carlos Conceitos Iniciais Informação Dado Modelos de Redução de Dados Sistemas Supervisórios rios Sistemas SCADA Supervisão e Controle,

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Carlos E. G. Paiola Engenheiro de Controle e Automação, M.Sc. Gerente Comercial - Aquarius Software Ricardo Caruso

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Sumário. TI Industrial Mercado Empresas Perfil do profissional Disciplinas Conclusão

Sumário. TI Industrial Mercado Empresas Perfil do profissional Disciplinas Conclusão Prof. Ricardo Lüders (DAINF/CPGEI) Prof. Flávio Neves Jr (DAELN/CPGEI) Sumário TI Industrial Mercado Empresas Perfil do profissional Disciplinas Conclusão Vídeo: STUXNET http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=dbmlkomu3au

Leia mais

Claudio Hermeling COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA

Claudio Hermeling COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL - COMPARTILHANDO INFORMAÇÕES DA AUTOMAÇÃO NA REDE CORPORATIVA Claudio Hermeling COPEL GERAÇÃO E TRANSMISSÃO SA RESUMO A interligação entre rede de automação e corporativa

Leia mais

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Toshi-ichi Tachibana Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade São Paulo

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

BUSINESS PROCESS MANAGEMENT NA INDÚSTRIA

BUSINESS PROCESS MANAGEMENT NA INDÚSTRIA GE Intelligent Platforms BUSINESS PROCESS MANAGEMENT NA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO Quando olhamos para qualquer indústria em qualquer segmento industrial, seja química, alimentos, bebidas, produtos de consumo,

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

Segurança no ifix. por Diogo Gomes. A configuração de segurança do ifix pode ser dividida em 3 partes principais:

Segurança no ifix. por Diogo Gomes. A configuração de segurança do ifix pode ser dividida em 3 partes principais: Segurança no ifix por Diogo Gomes A configuração de segurança do ifix pode ser dividida em 3 partes principais: 1. Restrição de acesso entre estações Clientes/Servidor Podemos configurar duas ou mais arquiteturas

Leia mais

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul Pablo Humeres Flores Eletrosul Brasil Diogo Vargas Marcos Eletrosul RESUMO O trabalho apresenta uma aplicação do protocolo SNMP na gerência

Leia mais

Visão geral do XProtect

Visão geral do XProtect Milestone Systems Visão geral do Software de gerenciamento de vídeo Uma solução de vigilância que se ajusta a todas suas necessidades O da Milestone é um poderoso software de gerenciamento de vídeo (VMS)

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM DIGITRACE NGC-40 O NGC-40 é um avançado sistema modular

Leia mais

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto GRUPO V ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E COMUNICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA (GPC) PROJETO CEB A INTEGRAÇÃO COMPLETA ENTRE COS, EMS, DMS, REDE CORPORATIVA, CORs, SUBESTAÇÕES E CHAVES DE POSTE Robson

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Georgio Raphaelli Labsoft Tecnologia E-mail: georgior@gmail.com Resumo: Um bom sistema de uso diário, produzido especificamente para laboratórios

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia

Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Modernização do Sistema de Controle e Monitoração da Propulsão e Auxiliares das Fragatas Classe Niterói. Uma Grande Experiência de Engenharia Autor: Leopoldo Jorge de Souza, MSEE, Capitão de Mar e Guerra

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

Título: Um Sistema Automático de Coletas de Dados Industriais. Autor:

Título: Um Sistema Automático de Coletas de Dados Industriais. Autor: Título: Um Sistema Automático de Coletas de Dados Industriais Autor: Roberto de Lima Campos Mestre em Informática pela Pontifícia Universidade Católica - RJ em 1981. Formado em Administração de Empresas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SCADA UTILIZANDO COMPUTAÇÃO NA NUVEM

DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SCADA UTILIZANDO COMPUTAÇÃO NA NUVEM 25 a 28 de agosto de 2013 Belo Horizonte MG DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS SCADA UTILIZANDO COMPUTAÇÃO NA NUVEM Clovis Simões (*) SPIN ENGENHARIA José Aurélio S. B. Porto SPIN ENGENHARIA RESUMO

Leia mais

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação Bem-vindo à geração Nextoo evolução em automação Série Nexto A nova geração de controladores A Altus apresenta a nova geração de Controladores Programáveis. A Série Nexto foi desenvolvida com o conceito

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Automação Sem Limites

Automação Sem Limites representado por: Automação Sem Limites Você espera mais do seu sistema HMI/SCADA do que uma simples ferramenta tecnológica? Você procura soluções inovadoras e seguras? Então é hora de conhecer o zenon

Leia mais

São Paulo, SP, Brazil

São Paulo, SP, Brazil Regional Seminar Series São Paulo, SP, Brazil OSIsoft PI System + SharePoint: Uma versão da verdade, de um só local Centro de Inteligência Operacional para Tratamento de Efluentes 28-Oct-2010 Giorgio Sampaio

Leia mais

SMV. Sistema de Monitoramento de Variáveis

SMV. Sistema de Monitoramento de Variáveis SMV Sistema de Monitoramento de Variáveis BASE Automação Agosto / 2010 SMV Objetivo: Ser uma solução que permita o monitoramento, análise e o controle de diversas variáveis e grandezas que estão direta

Leia mais

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE

Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE Garantindo que o código certo está no produto certo Criação e gerenciamento de trabalhos de impressão Soluções CLARiSUITE 2 As soluções CLARiSUITE ajudam a garantir que o código certo esteja no produto

Leia mais

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace

TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM IP Guia de Funcionalidades com n-iplace Tactium Tactium IP IP TACTIUM IP com Integração à plataforma n-iplace Guia de Funcionalidades 1 Independência de localização e redução de custos: o TACTIUM IP transforma em realidade a possibilidade de

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Virtualização Microsoft: Da Estação de Trabalho ao Data Center Estudo de Caso de Solução de Cliente Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Visão Geral

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Guia de Utilização da IHM Touch Screen Rockwell. Realização:

Guia de Utilização da IHM Touch Screen Rockwell. Realização: Guia de Utilização da IHM Touch Screen Rockwell Realização: Thiago de Oliveira Felipe Guilherme Stein Joinville Santa Catarina Outubro de 2010 INTRODUÇÃO Analisando os processos de manufatura e o desenvolvimento

Leia mais

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Resumo A Spin Engenharia participou da implantação do Centro de Operações Integrado (COI) da Queiroz Galvão Energias Renováveis (QGER).

Leia mais