Utilização de mundos virtuais 3D para a educação básica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilização de mundos virtuais 3D para a educação básica"

Transcrição

1 Utilização de mundos virtuais 3D para a educação básica Roderval Marcelino1, Iury Melo Amérco1, Janaina de Oliveira1, Simone Santana1 1 Universidade Federal de Santa Catarina/Campus Araranguá, Araranguá, Brasil Resumo Para utilizar um Mundo Virtual 3D é imprescindível saber seu funcionamento básico, sua instalação e sua configuração. Usando a ferramenta OpenSource OpenSim é possível criar um ambiente de aprendizado interativo para séries iniciais com suporte a ferramentas de aprendizag como o Moodle. Tal ambiente cria uma nova gama de metodologias de ensino, com interação social online, apresentações, vídeos e jogos tudo dentro de um único espaço virtual. Neste trabalho mostramos o Mundo Virtual 3D como uma nova ferramente da aprendizado para a eduação infantil, utilizando-se de ferramentas OpenSource e/ou de licença gratuita. Palavras-Chave educação infantil, mundo virtual 3D, opensim, metodologia ensino. I. INTRODUÇÃO Hoje novas ferramentas digitais estão sendo criadas e difundidas pela internet. A interação humana virtual já é algo que faz parte do cotidiano da população, e é possível utilizar ferramentas online para criar uma nova metodologia de ensino. Com isso existe a possibilidade de adequar o sista educacional a realidade brasileira. As crianças de 2 a 11 anos passam média mais de 17 horas mensais frente ao computador e representam mais de 14% dos usuários domiciliares, uma taxa elevada, que coloca o Brasil destaque, posicionando-se entre a frente de países considerados desenvolvidos, como a França [1]. Utilizar ferramentas que faz parte do cotidiano das crianças e fugindo um pouco do método mais comum nas escolas brasileiras, que é o giz e o quadro, renova o interesse dos alunos e abre novas possibilidades para o educador tendo ele um leque de aplicações que não seriam possíveis ou seriam muito difíceis s a ferramenta digital. Através do jogo as crianças aprend de forma simples e natural a resolver problas, pensar, criar e desenvolver o senso crítico, interagindo com som e imagens um ambiente desenvolvido para que ela estabeleça relações diretas entre os animais e seus sons. O mundo virtual 3D permite que tudo seja feito de modo virtual, interativo e com total controle de acesso impedindo a visualização de conteúdo inapropriado ou não desejável pelas crianças além do controle de acesso de usuários, evitando que pessoas fora do ambiente e s autorização permaneçam junto aos alunos. É uma atividade praticada dentro de limites espaciais e tporais próprios, segundo uma certa ord e certas regras. O jogo é uma ferramenta que contribui na formação corporal, afetiva e cognitiva, por ter uma característica lúdica se torna mais atrativa e eficiente seu desenvolvimento, preparando sua inteligência e caráter, tendo conhecimento de quantidade e de espaço. Por intermédio do jogo e do brincar a criança expressa suas fantasias, seus desejos e suas experiências reais de um modo simbólico, onde a imaginação e a criatividade flu por conta da ludicidade. Para Piaget a inteligência é algo dinâmico, decorrente da criação de estruturas de conhecimento que, à medida que vão sendo construídas, vão se alojando no cérebro. Ou seja, a inteligência não aumenta por acréscimo e sim por reorganização. A noção de erro é relativizada na teoria construtivista. O erro é uma importante fonte de aprendizado, pois é por meio dele que a criança constrói e questiona seus conceitos. [ 2] Em primeiro lugar, as crianças gostam do jogo porque ele é divertido, ou seja, atende à necessidade lúdica da criança de descobrir e aprender sobre o que lhe interessa. Outro motivo de preferência é a satisfação, que parece estar ligada a um processo de projeção: a criança vê-se como uma das personagens da narrativa. Assim, ela pode treinar e superar desafios, produzir algo personalizado, enviá-lo a outras pessoas pelo serviço de ou simplesmente imprimi-lo. Por fim, o jogo funciona como instrumento de socialização. [3] A implentação de um Mundo Virtual 3D necessita de pouco ou nenhum investimento, já que pode utilizar apenas o laboratório de informática que, 2011, já estava presente 81% das escolas brasileiras [4] e conexão com a internet. Os softwares são de código-fonte aberto e/ou livres, significando que não é necessário a compra de licenças. Ele permite a integração com a ferramenta de auxílio ao aprendizado MOODLE (Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment), fazendo com que se torne dinâmica para o ensino, já que uma atividade pode ser acessada, utilizada e compartilhada online pelos estudantes. Ele também apresentou uma grande aceitação sendo que para 36% dos professores que tiveram contato com o mundo virtual colocaram a aplicabilidade na educação como o fator de maior interesse. As imagens 1.1, 1.2 e 1.3 donstram as opiniões de alunos e educadores sobre o OpenSim. Page 159

2 Imag 1.1 Primeira impressão dos alunos Imag 1.2 Primeira impressão dos alunos Imag 1.3 Visão dos professores sobre o mundo virtual. Juntando então necessidade, possibilidade e interesse cria-se um motivo muito forte para sua implentação. Neste artigo veros que com pouco ou nenhum investimento o OpenSim pode ser implentado uma escola e ser integrado a uma rede maior aonde crianças e professores estariam uma única grande sala virtual. II. INTRODUÇÃO AOS MUNDOS VIRTUAIS 3D A. Mundo Virtual 3D - Opensim Um mundo virtual é uma comunidade online sob a forma de um ambiente virtual simulado por computador que permite a interação pelos usuários. O termo ficou famoso na primeira década dos anos 2000 com o Second Life, software fechado desenvolvido pela Linden Lab e lançado no dia 23 de junho de 2003 [5]. Em Janeiro de 2007 Darren Guard fundou o projeto OpenSim que era um servidor de Mundos Virtuais OpenSource e também compatível com o Second Life. O OpenSim basicamente se divide duas partes: cliente e servidor. O cliente é o programa utilizado pelo usuário para acessar o mundo, já o servidor é o serviço que hospeda todos os dados que serão pedidos pelo cliente, além de ter acesso direto à administração do mundo virtual. O servidor ainda pode ser divido dois modos de configuração, o modo StandAlone, aonde todos os serviços rodam uma única máquina, e o modo Grid aonde ele separa os serviços para tornar o mundo virtual distribuído. Cada um desses tipos será visto de forma separada nos próximos tópicos. Para conectar-se a este servidor, é utilizado um cliente. Um cliente nada mais é que um software que faz o papel da interface do mundo virtual conectando o usuário. Através dele o aluno irá controlar seu avatar, o personag 3d controlável, podendo interagir com o ambiente através de quis, visitando os locais no mundo virtual, fazendo atividades programadas, interagir com outros usuários, etc. Hoje o OpenSim possui uma grande comunidade de usuário. Grupos de discussão e criação como o simtk, opensim creations e a própria comunidade do OpenSim oferec tutoriais e resolução de problas. Com isso, mesmo sendo um projeto aberto, existe um grande suporte por parte dos próprios usuários. B. Modo StandAlone O modo StandAlone, como o próprio nome sugere, é o modo mais básico de servidor aonde somente uma máquina hospeda todos os serviços através do processo OpenSim.exe. Neste modo não é permitindo que outros mundos sejam ligados a ele como é mostrado na imag 2.1. Devido a capacidade limitada recomenda-se que instale o modo StandAlone somente como teste inicial ou caso realmente não haja a necessidade de criar-se mais que um grid. A configuração deste modo é a mais simples e não exige configuração de banco de dados. Você pode rodar quantas regiões você quiser, porém elas serão rodadas uma única máquina. C. Modo Grid No modo grid os dados não faz parte do processo do servidor da região, elas são rodadas um processo diferente chamado Robust. Isto permite que as regiões rod máquinas diferentes, criando uma rede distribuída de regiões. Para rodar no modo Grid é necessário configurar o servidor Robust e os servidores OpenSim que pod ser na mesma máquina ou máquinas diferentes. Quando um servidor é configurado desta maneira, é necessário a criação de um ou mais servidores OpenSims configurado para conectar-se a ele. Um servidor OpenSim.exe do modo Grid irá rodar somente a região, deixando todos os outros serviços necessários a cargo do Robust. D. Administração dos servidores Tanto o robust quanto a(s) ilha(s) são administrados por um terminal de comando no Linux. Page 160

3 Imag 2.1 Tela do servidor Robust Imag 2.2 Tela de administração do servidor OpenSim Al dos comandos, os terminais também fornec diagnósticos e mensagens de alerta, como por explo alguém se conectando ou saindo, ou caso um novo objeto seja criado. A administração se dá através da lista de comandos. Essa lista pode ser acessada (último acesso 18/09/2013). Quando o administrador deseja realizar uma operação deve-se olhar os parâmetros pedidos para o referido comando. Também pode-se realizar comandos através do próprio cliente do mundo virtual. Para fazer o administrador deve criar um avatar para si e dar o privilégio de Deus para esse avatar. E. Criação do Mundo e os Prims Durante a criação do mundo virtual pode-se utilizar duas técnicas. Pode-se importar ilhas, construções ou qualquer outro objeto pronto ou pode-se criar do zero por softwares de renderização 3d ou através do próprio cliente OpenSim. Um objeto é feito a partir de objetos elentares chamados de prim. Um objeto si pode ser a união de vários prims ou um único prim apenas. Depois de um objeto ser criado o dono poderá colocar vários atributos neles, incluindo: objeto público ou privado, a venda ou não, preço, possibilidade de cópia, etc. Cada objeto é único, mesmo sendo ele cópia de outros objetos, tendo sua UUID própria, que nada mais é uma sequência de caracteres que o diferencia de outros. Existe a possibilidade de colocar um sista econômico dentro do mundo, porém esse não foi o propósito do mundo virtual criado pelo RExLab. O sista de recompensas foi um alternativa mais elaborada, já que cada vez que um aluno completasse uma atividade ele receberia novas roupas, cabelos, acessórios ou um objeto qualquer. O único usuário que pode interferir nos objetos é o administrador do mundo e do banco de dados. Nenhum outro usuário pegar, editar ou deletar objetos alheios, a não ser que seja dado as devidas permissões pelo administrador ou pelo dono do objeto. A ilha que assentará os objetos si é feita através de um editor de terreno dentro do cliente. Também pode-se usar geradores de terreno 3d ou então baixar ilhas prontas de domínio público. O upload é feito pelo administrador da ilha através do terminal de comandos ou através do cliente. Ela t um espaço limitado e poderá ser colocada qualquer região que não esteja sendo utilizada. A primeira parte para a criação de uma ilha virtual é pedir ao administrador do servidor Robust uma latitude e longitude. Ela deverá ser utilizada na hora da configuração. A segunda parte e instalar e configurar de acordo com o tópico V.B. Logo após é preciso ou criar ou dar upload um terreno e nos objetos. Estando pronta a ilha já pode ser visitada. Também pode-se abrir um pequeno espaço para a criação de objetos pelos usuários. A abertura de uma área para a criação foi um pedido das crianças que utilizaram o OpenSim. Eles donstraram grande interesse criar objetos virtuais. Ao liberar o mundo para construção livre, percebeu-se que a velocidade de aprendizado na ferramenta de edição de objetos foi muito alta. Em poucos dias já haviam árvores e objetos elentares por todas as partes. Uma boa estratégia é liberar uma pequena caixa de areia aonde pode-se criar objetos logo após a realização de tarefas propostas pelo professor, ou ainda, utilizar a criação como tarefa. Depois que um objeto está pronto é possível adicionar um comportamento ou ação para ele. Isso é feito através da criação de um script. Um script é um código programável. Atualmente o OpenSim suporte três linguagens diferentes: a LSL (Linden Scripting Language), uma linguag desenvolvida pela Linden Labs para os scripts do Second Life; a OSSL e o C#, linguag de programação orientada a objetos [6]. Ao desenvolver um script para um objeto você estará criando o comportamento dele certas condições. Por explo, ao criar uma porta, você desejará que ela se abra ou se feche ao ser clicar=da com o botão esquerdo do mouse. Logo utilizando uma das três linguagens citadas, no seu código você criará o comportamento da porta girar 90 graus no eixo vertical a partir do final do objeto ao ser clicada. A lista de funções disponíveis para utilização pode ser acessada (último acesso 10/09/2013). Page 161

4 F. Clientes para Mundos Virtuais 3D O cliente é um programa utilizado para conectar-se aos mundos virtuais 3D. Por padrão, quando o servidor é instalado ele não v com um cliente sendo necessário baixar um software de terceiros para entrar no mundo virtual propriamente dito [7]. Exist alguns projetos ativos que desenvolv clientes para o OpenSim e SecondLife, a maioria deles sendo de código aberto e/ou de distribuição livre. Uma lista atualizada de clientes compatíveis com o OpenSim pode ser acessada (último acesso 19/08/2013). Imag 2.3 Tela Inicial de um cliente OpenSim Na tela inicial de um cliente encontra-se as informações necessárias para a conexão, como servidor, usuário e senha. O endereço de servidor é o IP e a porta do Robust, e os usuários e senhas são criados pelo administrador. O cliente também server como um criador de objetos e terrenos e como uma ferramenta administrativas para os deuses, que são os moderadores e administradores com permissão de modificar os elentos do servidor ou de uma ilha. Eles t acesso a mudar texturas, hora do dia, expulsar usuários, permitir que determinada região seja utilizada para fala, chat de texto, voo e/ou criação de objetos. As restrições impostas não val para os deuses, significando que se é proibido criar objetos, somente os usuários normais não terão acesso. Os deuses pod criar livrente. Imag 2.4 Visão geral de uma ilha no mundo virtual III. REXLAB E O MUNDO VIRTUAL 3D O RExLab é o acrônimo para Rote Experimentation Laboratory, ou Laboratório de Experimentação Rota tradução livre. Ele foi fundado 1997 na Universidade Federal de Santa Catarina com o objetivo atender a necessidade de apropriação social da ciência e da tecnologia, popularizando conhecimentos científicos e tecnológicos através de experimentos rotos. Em 2012 iniciou-se então o projeto dos Mundos Virtuais parceria com a Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC. Foi criado uma ilha virtual que serviu para alunos de ensino fundamental da rede estadual de ensino utilizar durante as aulas. A ilha contava com diferentes salas, dentre elas: um museu virtual, salas de exposição, planetário, sala de atividades, sala de palestras e área comum. Os alunos deveriam entrar no mundo e realizar tarefas estabelecidas pelos educadores para depois ser avaliados. As atividades incluíam desde tarefas básicas como realizar movimentos com as avatares até atividades mais complexas como importar para dentro do mundo virtual um desenho criado por eles. Durante as tarefas eles podiam se ajudar se comunicando pelo mundo virtual. As escolas ficavam diferentes localidades do estado de Santa Catarina, sendo Joinville ao norte do estado, grande Florianópolis e Brusque. O servidor ficava a mais de 200 km de distância e era administrado por pesquisadores do RExLab. Quando havia necessidade, os administradores podiam utilizar o servidor de forma rota não tendo assim a necessidade de alguém spre online, bastando uma conexão com a internet. A ilha e as construções foram criadas e/ou editadas pelo próprio cliente do mundo virtual s a utilização de nenhum outro software. Os scripts foram criados ou utilizados os modelos prontos. IV. OPENSIM NA EDUCAÇÃO BÁSICA Com o grande número de crianças na internet, existe a necessidade de utilizar esse interesse delas na rede mundial de computadores para a educação. O mundo virtual, por ser muito adaptável, pode ser utilizado como um complento na formação infantil. Artes, histórias infantis, brincadeiras, português, matática e/ou ciências pod ser ensinados diretamente nele fazendo com que os estudantes tenham acesso a objetos de aprendizados 3d. Uma aula sobre o sista solar pode ser feita uma sala planetário com os planetas suas devidas posições facilitando sua visualização. Utilizando a mesma aula, pode-se transportar os alunos para ilhas com uma simulação da atmosfera de cada um dos corpos celestes. Outra possibilidade é a integração alunos de diferentes localidades uma única aula. Essa experiência foi realizada com grande sucesso. Os estudantes fizeram desenhos, histórias e contaram um pouco de sua região e estes foram vistos por alunos de regiões distantes do estado de Santa Catarina. Os alunos dostraram muita facilidade aprender os comandos básicos e realizar as tarefas pedidas [8]. Uma das atividades desenvolvidas foi a criação de um desenho para ser exposto uma sala virtual. Alunos de outras escolas viriam os desenhos e depois também colocariam seus desenhos na mesma sala. Por envolver o envio de arquivos de imag para o servidor, essa tarefa era considerada a mais difícil, por foi realizada com grande destreza. Page 162

5 Com a incorporação do Moodle é possível criar atividades com pontuações e recompensas. O Moodle é um acrônimo de Modular Object Oriented Distance LEarning sista modular de ensino à distância orientado a objetos. Na prática, segundo TEODORO e ROCHA (2007), o MOODLE é um sista para a criação de ambientes virtuais voltados à aprendizag ou um sista para gerenciamento de cursos a distância [9]. A integração se dá através de uma ferramenta chamada Sloodle. Ele faz o link entre o Moodle e o mundo virtual, permitindo que os usuários do mundo virtual se torn alunos e façam as tarefas de um curso cadastrado no Moodle. Na figura 3.1 é possível ver a tela inicial do Moodle utilizado pela Universidade Federal de Santa Catarina com explos de cursos cadastrados. Na imag 3.2 mostra a tela de um curso aberto. Todo o servidor foi desenvolvido spre pensando na sua expansão, pois a principal ideia foi criar um mundo virtual com interação com outros mundos e outras escolas. Isso não significa que ele deve ser spre aberto e abrangente. Caso haja necessidade ele pode ser fechado a somente uma instituição. A figura 4.1 mostra a arquitetura atual do servidor, a figura 4.2 representa a arquitetura expandida e figura 4.3 representa a arquitetura fechada (a que somente uma escola tenha acesso). Imag 4.1 Arquitetura Atual Imag 3.1 Pagina inicial Moodle. Imag 3.2 Pagina inicial de um curso no Moodle Por não possuir limitações física além do servidor, é possível a criação de aulas culturais com cinas e museus virtuais. Foi criado e disponibilizado um museu virtual para a visitação dos alunos com obras do artista brasileiro Romero Britto. Junto as obras os alunos tinham acesso a um vídeo com o biografia e história do artista. Essa técnica pode ser utilizada para aumentar o interesse dos estudantes arte, podendo haver visitas periódicas ao museu s a necessidade de, muitos casos, percorrer grandes distâncias para um museu uma cidade distante. Por ser uma ferramenta aberta, de código livre e criação quase ilimitada, o mundo virtual se torna refém somente da imaginação do utilizador. Graças a isso muito dos conteúdos ensinados pod ser adaptados a uma realidade virtual. V. Imag 4.2 Arquitetura Expandida ARQUITETURA DO MUNDO VIRTUAL REXLAB Utilizando os conceitos de mundo virtual 3D, foi desenvolvido um mundo virtual no formato Grid que serviu de hospedeiro para uma ilha virtual a ser utilizada por 3 escolas. Page 163

6 Por padrão, a conexão com o servidor Robust se dá pela porta Essa é a porta utilizada também para o cliente logar-se. Quando uma escola utilizar o Mundo Virtual, deve-se spre verificar se esta porta e mais as 9000, 8000, 8001 e 8003 estão abertas. Muitos erros de conexão se dão por um firewall bloquear tais portas. VI. Imag 4.3 Arquitetura Fechada ou Isolada Nas imag 4.1 existe o servidor Robust e OpenSim se comunicando dentro de uma única máquina. Essa máquina hospeda todos os serviços necessários. Assim as escolas se conectam a essa máquina e t acesso a ilha. Na imag 4.2 é uma evolução da situação apresentada na imag 4.1. Nela além do sista visto na imag anterior, outros mundo espalhados por diferentes regiões dográficas se conectam ao robust, e todos os clientes se conectam nele também. O servidor robust então faz a ponte entre todas as ilhas e os usuários pod navegar por todas as ilhas de todos os servidores OpenSim s interligados. Na imag 4.3 tudo é feito de forma fechada. Nesse modo pode rodar tanto um servidor robust com um OpenSim ou o modo StandAlone, porém não há necessidade de usar o primeiro. O modo StandAlone seria o ideal, já que ninguém mais precisará se linkar a esse servidor. Na arquitetura expandida, todos os servidores OpenSim se conectam a um servidor robust se transformando num grande servidor distribuído. O endereço de conexão é o endereço IP do servidor Robust, sendo assim recomendado que seja um endereço fixo. Caso o servidor esteja uma rede que lhe atribui um IP externo dinâmico, ou seja, que muda a cada conexão, cada vez que que o servidor for reiniciado os usuário não conseguirão mais logar-se, sendo necessário uma atualização do endereço de servidor no cliente. SOFTWARE E HARDWARE NECESSÁRIOS A. Servidor É recomendável que à escola utilize o serviço Robust do RExLab. Ele já oferece o IP fixo e o hardware necessário para rodar o servidor OpenSim. Tendo isso, basta somente um computador de mesa normal. Pelos testes realizados, um computador Dual Core com 1.2 GHz (giga-hertz) e 2 GB (gigabyte) de mória RAM, 2 Mb (megabites) de largura de banda de internet e 1 GB (gigabyte) de espaço disco livre é suficiente para rodar, com sista operacional Windows ou Linux. Tendo isto basta baixar o OpenSim para o sista operacional correspondente (Último Acesso 09 de Agosto de 2013). Depois de baixado é só utilizar as configurações que serão vistas na parte C deste tópico. Caso seja desejável a configuração de modo fechado, é necessário configurar um servidor no modo StandAlone. As configurações acima citadas, junto a uma conexão de internet com uma banda de 2 Mb (megabits) é suficiente para um pequeno grupo de até 12 usuários simultâneos. Mais do que isso o sista começou a apresentar uma latência muito grande sendo necessário utilizar um processador de mais veloz e maior quantidade de mória RAM. Ao instalar tanto o OpenSim quanto o Robust uma máquina Linux, deve-se instalar as dependências necessárias. A lista pode ser encontrada Mac_OSX (último acesso 09 de Agosto de 2013). De acordo com o site oficial, os serviços Robust e OpenSim rodam máquinas Mac OSX, porém não foram testados neste sista operacional pelos autores. B. Cliente A instalação do cliente é um pouco diferente para cada sista operacional e para cada cliente. Durante os testes realizados foi utilizado o Imprudence Viewer. Ele rodou b sistas operacionais Windows XP, Windows 7 e Linux. O Imprudence pode ser baixado (Último acesso 09 de Agosto de 2013). Para Windows basta baixar o executável e seguir os passos da instalação. Ao finalizar será criado um ícone na área de trabalho para a execução do aplicativo. Para Linux deve-se baixar o pacote correspondente a esse sista operacional. Ele v no formato.tar.bz2 sendo necessário somente extrai-lo e executa-lo. Após executado pela primeira é preciso colocar os dados de conexão e log in. Esses dados são fornecidos Page 164

7 pelo administrador do servidor Robust. Depois de efetuar o log in o usuário já terá acesso a todas as ilhas que faz parte do continente. C. Configuração Servidor A configuração do servidor Robust é dasiadamente longa porém pode ser encontrada vários artigos pela internet. A configuração para rodar o mundo virtual utilizando um servidor robust é relativamente simples. Após baixar os pacotes necessários para o seu sista operacional basta editar o arquivo OpenSim.ini, que fica na pasta bin do diretório aonde foi instalado, e o arquivo GridCommon.ini.example, que fica na pasta bin/configinclude. No arquivo OpenSim.ini e na seção Architecture deve-se tirar o comentário da linha que contém "configinclude/grid.ini". Já no GridCommon.ini.exple deve-se primeiro renomea-lo para GridCommon.ini. Dentro dele haverá vários links parecidos com Cada link desse precisara ser alterado para o endereço do servidor Robust. Após isso basta executar o arquivo OpenSim.exe na pasta bin. No Linux, para executa-lo é necessário o comando mono, ficando mono diretório-bin-doopensim/opensim.exe. Na primeira vez que o OpenSim for rodado irá aparecer várias perguntas. Responda-as. Caso haja alguma dúvida é só deixar o valor padrão, exceto pelo local da região, que deve ser o especificado pelo administrador do servidor Robust. Após isso sua ilha estará pronta e conectada as outras nas coordenadas dada pelo administrador Robust. VII. DESAFIOS O sista educacional brasileiro teve sua última reforma meados da década de 90[10]. Desde então ele v seguindo o mesmo modo de aplicar o conhecimento. Colocar uma nova ferramenta de aprendizado é spre um grande desafio, pois mesmo cativando os alunos, ele precisa se mostrar eficiente e cativar o professor. Durante os experimentos do RExLab, os alunos apresentaram mínimas dificuldades e ganharam um domínio da ferramenta mundo virtual muito rápido. Foram os educadores que tiveram a maior dificuldade para utiliza-la. No primeiro contato havia uma barreira psicológica como foi dito pelos próprios professores. Esta barreira foi se desfazendo na medida que eles iam utilizando e também quando perceberam que crianças muito novas estavam se tornando usuários quase avançados pouco tpo. Esse foi o principal desafio, mostrar que a utilização do OpenSim e do computador si não é um bicho de sete cabeças como possa parecer no primeiro contato. Também é preciso mostrar que esse método é necessário, pois para um professor que está a vários anos utilizando spre os mesmo métodos e as mesmas aulas a mudança se torna mais complexa. Além de ser algo que eles não possuíram contato na sua formação, muitos ainda não possu contato até mesmo nos dias de hoje, o que já é uma realidade diferente das crianças. O mundo virtual é realmente muito poderoso para o trabalho educacional, porém é preciso dar especial apoio aos principais utilizadores que são os professores. Como foi dito anteriormente, muitas crianças já t um grande contato com a internet e ferramentas digitais. Já com os professores não foi assim. Foram encontrados professores que não utilizam o computador n mesmo para tarefas que para muitas pessoas é simples, como entrar na internet e abrir s. Logo o maior desafio é mostrar aos educadores que é possível utilizar uma ferramenta tão comum as crianças para a educação, e ainda mais mostrar que essa ferramenta também pode ser comum na vida deles. VIII. OPENSIM E O PROJETO UM COMPUTADOR POR ALUNO De acordo com o ministério da educação, O Programa Um Computador por Aluno - PROUCA, t como objetivo ser um projeto educacional utilizando tecnologia, inclusão digital e adensamento da cadeia produtiva comercial no Brasil e 2008 foram fornecidos mais de laptops educacionais a aproximadamente 300 escolas públicas já selecionadas nos estados e municípios. [11]. Com a participação de algumas escolas do estado de Santa Catarina, foram realizados diversos testes nos laptops do projeto UCA para a utilização do OpenSim. Dentre os testes incluiu a utilização do mundo virtual algumas condições, como servidores rede, nacionais e internacionais e com diferentes quantidade de usuários conectados. Durante a coleta de dados foi possível visualizar que a taxa de FPS (Frames por segundo) se manteve praticamente constate. Os laptops conseguiam se manter na média de 8 FPS com picos de até 15 FPS. O FPS é um termo que diz a quantidade que determinado aparelho audiovisual atualiza as imagens que irão aparecer na tela, sendo cada frame uma imag estática. [12] Uma baixa taxa de FPS faz com que a imag apareça travando. Uma taxa de 8 FPS pode parecer pouco, porém foi um resultado satisfatório levando conta as limitações de hardware. Com isso foi possível concluir que a taxa deve-se principalmente pelo hardware do laptop UCA, e não dos servidores que estavam rodando o OpenSim. IX. CONCLUSÃO Foi dito na introdução que novas ferramentas digitais estão sendo criadas e difundidas pela internet. Cabe agora saber utilizar essas ferramentas. O mundo virtual começou como uma comunidade social virtual, mas a sua liberdade de criação com o lançamento do OpenSim o transformou numa poderosíssima ferramenta educacional. Dentro todos os professores que tiveram contato com o mundo virtual, 36% acharam uma grande Page 165

8 aplicabilidade na educação o fator que mais os agradaram. Essa porcentag é alta considerando o grau de dificuldade que alguns enfrentaram, dificuldades essas que foram desaparecendo depois de alguns encontros. Com um uso continuo o mundo virtual poderá se tornar tão comum como lápis, papel e caneta. Os alunos poderão estar contato com colegas e professores mesmo fora da sala de aula, se comunicando por mensagens de texto ou até mesmo voz caso estejam com um microfone conectado. Algumas tarefas de casa pod ser feitas online e com outros alunos, criando assim uma cultura de aprendizado mutuo. Também é possível aproveitar o projeto UCA. O professor pode utilizar do mundo virtual s que tenha que se deslocar para uma sala de computadores, servindo de complento a aula tradicional. Com tudo isso a implentação do OpenSim não só é possível mas como também é uma grande oportunidade de renovar a educação brasileira e aumentar o interesse das crianças na escola. Sua implentação é simples e barata, seu manuseio é de fácil aprendizado e possui uma ampla comunidade de apoio, com diversos fóruns espalhados pela internet. O sucesso da sua implentação teste donstra que há um interesse sim do sista educacional modernizar sua metodologia. Sendo possível e ainda podendo aproveitar recursos já como o PROUCA não há motivos para deixar uma ferramenta tão versátil despercebida. REFERENCES [1] [2] [3] [4] Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. Crianças brasileiras são as que ficam mais tpo conectadas à internet. Acesso 30 de agosto PIAGET, Jean. Psicologia da inteligência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, PACHECO, Elza Dias. Jogos digitais e Internet no cotidiano infantil. Acesso 16 de junho de NOGUEIRA, F. Apenas 4% das escolas públicas têm computador classe, diz pesquisa. Acesso 30 de agosto [5] Linden Lab. History of Second Life. Acesso 30 de agosto [6] Scripting Documentation. Acesso 30 de agosto [7] Connecting. Acesso 30 de agosto [8] MARCELINO, R; MENDES, G.L.; SILVA, J.B.; OLIVEIRA, J; SANTANA, S.; AMÉRICO, I.M. Mundo Virtual 3D aplicado aos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. In: ICBL international Conference, Florianópolis-SC. ICBL Interactive Computer Aided Blended Learning. [9] NAKAMURA, R. Como criar um curso usandoa plataforma de Ensino à Distância. 789/40/1/rodolfo-nakamura_moodle_1_.pdf>. Acesso 30 de agosto [10] OEI; Ministério da Educação. Sista Educativo Nacional de Brasil. Acesso 30 de agosto [11] Ministério da Educação. Conheça o UCA. Acesso 30 de agosto [12] Microsoft Corporation. Entendendo quadros por segundo (FPS). Acesso 30 de agosto AUTHORS R. Marcelino¹, doutor da Universidade Federal de Santa Catarina (USFC), Santa Catarina, Brasil. ( I. M. Américo2, pesquisador do RexLab, bolsista da CAPES pelo programa Ciência s Fronteiras na Florida Atlantic Univeristy e acadêmico da Universidade Federal de Santa Catarina (USFC), Santa Catarina, Brasil. (ail: J. Oliveira3, pesquisadora do RexLab e acadêmica da Universidade Federal de Santa Catarina (USFC), Santa Catarina, Brasi. ( S. B. Santana6, pesquisadora do RexLab e acadêmica da Universidade Federal de Santa Catarina (USFC), Santa Catarina, Brasil. ( Page 166

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

ebook Guia Definitivo do Google Earth

ebook Guia Definitivo do Google Earth ebook Guia Definitivo do Google Earth #GoogleEarthFacts O Google Earth é um software cuja função é apresentar um modelo tridimensional do globo terrestre, construído a partir de um mosaico de imagens de

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28 Volume 1 ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM Manual Técnico 4.28 P A C O T E I N S T I T U I Ç Õ E S D E E N S I N 0 - E M P R E S A S Manual Técnico 4.28 ACRONUS SOFTWARE 08.104.732/0001-33

Leia mais

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1

Manual do Moodle para alunos. Manual do Moodle para alunos. 29/Junho/2009. (Versão 1.0) Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 Manual do Moodle para alunos (Versão 1.0) 29/Junho/2009 Manual Moodle para alunos (Versão 1.0) 1 O que é?... 3 Acesso... 4 Atualizando suas informações... 4 Enviando Mensagens... 5 Acessando os seus cursos...

Leia mais

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER V14 de BricsCAD vem com um novo sistema de licenciamento, com base na tecnologia de licenciamento de Reprise Software. Este novo sistema oferece um ambiente

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 Acessando endereços simultaneamente Parte 2 Um recurso interessante e extremamente útil é o de abrir várias janelas ao mesmo tempo. Em cada janela você poderá acessar um endereço diferente na

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO EM AMBIENTES VIRTUAIS 3D

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO EM AMBIENTES VIRTUAIS 3D CESAR DA CONCEIÇÃO RODRIGUES FILHO DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS DE APOIO AO ENSINO EM AMBIENTES VIRTUAIS 3D Projeto de Pesquisa para ingresso no programa de Iniciação Científica da Universidade Municipal

Leia mais

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual. Configuração do. Samba. Compartilhamento e Servidor Samba Linux. Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba Linux Produzido por: Sergio Graças Desenvolvedor do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração do Samba Compartilhamento e Servidor Samba

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente Nereu Agnelo Cavalheiro contato@nereujr.com Tutorial UFMG Virtual Primeiros passos do docente Este

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

O que um Servidor Samba faz?

O que um Servidor Samba faz? O que é o Samba? O Samba é um "software servidor" para Linux (e outros sistemas baseados em Unix) que permite o gerenciamento e compartilhamento de recursos em redes formadas por computadores com o Windows

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE DIGITAL CONCURSOS

MANUAL DO CLIENTE DIGITAL CONCURSOS MANUAL DO CLIENTE DIGITAL CONCURSOS Digital Concursos Neste manual você encontrará as respostas para todas suas dúvidas relacionadas ao procedimento de desbloqueio para visualização dos produtos adquiridos

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE

MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE Caro Aluno, Este Manual tem por finalidade orientá-lo na utilização do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). 1. O que é ambiente virtual de aprendizagem

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Principais Característic

Principais Característic Principais Característic Características as Software para agendamento e controle de consultas e cadastros de pacientes. Oferece ainda, geração de etiquetas, modelos de correspondência e de cartões. Quando

Leia mais

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO.

SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ. 2 DICAS PEDAGÓGICAS:. 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO. 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD. 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO. SUMÁRIO TUTORIAL DO HQ... 2 DICAS PEDAGÓGICAS:... 2 DOWNLOAD DA INSTALAÇÃO... 2 PASSO 1 FORMULÁRIO PARA DOWNLOAD... 2 PASSO 2 ESCOLHENDO A VERSÃO... 3 PASSO 3 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO... 4 CRIANDO NOVAS

Leia mais

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Este arquivo ReadMe contém as instruções para a instalação dos drivers de impressora PostScript e PCL

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Versão 4.10 PDF-SERVER-D-Rev1_PT Copyright 2011 Avigilon. Todos os direitos reservados. As informações apresentadas estão sujeitas a modificação sem aviso

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS IsmaelSouzaAraujo INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, graduado em Tecnologia em Segurança da Informação

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

Aula 02 Software e Operações Básicas. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 02 Software e Operações Básicas. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 02 Software e Operações Básicas Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Revisando Como um computador funciona: Entrada (Dados) Processamento (Análise dos Dados)

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

TCM Informática Rua Senador Ivo D'Aquino, 121 Bairro: Lagoa da Conceição 88062-050 Florianópolis, SC Brasil Fone +55 48 3334-8877 Fax +55 48

TCM Informática Rua Senador Ivo D'Aquino, 121 Bairro: Lagoa da Conceição 88062-050 Florianópolis, SC Brasil Fone +55 48 3334-8877 Fax +55 48 1.1 Roteiro para Instalação do Software 1.1.1 Servidor 1.1.1.1 Requisitos de Hardware Servidor de pequeno porte Servidor dedicado: Processador: 500Mhz Memória RAM: 256MB Hard Disk: 20 ou 40GB (7.500rpm)

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM Manual DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIRGTI 2015 Sumário 1. Introdução... 3 2. Acessando o serviço...

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Manual do Ambiente Virtual Moodle

Manual do Ambiente Virtual Moodle Manual do Ambiente Virtual Moodle versão 0.3 Prof. Cristiano Costa Argemon Vieira Prof. Hercules da Costa Sandim Outubro de 2010 Capítulo 1 Primeiros Passos 1.1 Acessando o Ambiente Acesse o Ambiente Virtual

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.0 2010 1 1. INTRODUÇÃO Administradores públicos defrontam-se diariamente com grandes dificuldades para fazer com que processos administrativos, documentos, pareceres e informações

Leia mais

Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A

Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A Índice ANTES DE VOCÊ COMEÇAR... 4 PRÉ-REQUISITOS... 4 SCREEN SHOTS... 4 A QUEM SE DESTINA ESTE MANUAL... 4 COMO UTILIZAR ESTE MANUAL... 4 Introdução... 5 INSTALANDO

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

Apresentação Prática

Apresentação Prática Apresentação Prática Este curso contém exercícios com editor de texto Word e também exemplos de acesso à Internet e deve ser utilizado para a apresentação do Método de ensino a pessoas que já tenham tido

Leia mais

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 01 -Existem vários tipos de vírus de computadores, dentre

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS Luiz Antonio Schalata Pacheco schalata@cefetsc.edu.br Sabrina Moro Villela Pacheco sabrinap@cefetsc.edu.br EDIÇÃO PRELIMINAR Sumário 1 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Versão 30/06/2014 FOR Segurança Eletrônica Rua dos Lírios, 75 - Chácara Primavera Campinas, SP (19) 3256-0768 1 de 12 Conteúdo A cópia total ou parcial

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Moodle - CEAD Manual do Estudante

Moodle - CEAD Manual do Estudante Moodle - CEAD Manual do Estudante Índice Introdução 3 Acessando o Ambiente 4 Acessando o Curso 5 Navegando no Ambiente do Curso 5 Box Participantes 5 Box Atividades 5 Box Buscar nos Fóruns 5 Box Administração

Leia mais

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo

Manual Sistema MLBC. Manual do Sistema do Módulo Administrativo Manual Sistema MLBC Manual do Sistema do Módulo Administrativo Este documento tem por objetivo descrever as principais funcionalidades do sistema administrador desenvolvido pela MLBC Comunicação Digital.

Leia mais

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS

TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS TUTORIAL AUTODESK 360 COLABORAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS Autodesk 360 é a nuvem da Autodesk, podendo ser acessada pela sua conta da Autodesk Education Community (estudantes) ou Autodesk Academic Resource

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário Mandic. Somos Especialistas em Cloud. PAINEL MANDIC CLOUD Manual do Usuário 1 BEM-VINDO AO SEU PAINEL DE CONTROLE ESTE MANUAL É DESTINADO AO USO DOS CLIENTES DA MANDIC CLOUD SOLUTIONS COM A CONTRATAÇÃO

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Configurando o IIS no Server 2003

Configurando o IIS no Server 2003 2003 Ser ver Enterprise Objetivo Ao término, você será capaz de: 1. Instalar e configurar um site usando o IIS 6.0 Configurando o IIS no Server 2003 Instalando e configurando o IIS 6.0 O IIS 6 é o aplicativo

Leia mais

ITALC - Intelligent Teaching and Learning with Computers

ITALC - Intelligent Teaching and Learning with Computers ITALC - Intelligent Teaching and Learning with Computers Italc Ensino e aprendizado inteligente em computadores Antônio Ricardo Leocádio Gomes, Prof. Centro Universitário de Belo Horizonte UNI-BH Manual

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 1 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1.Quais são as características do Programa?...4 2.Quais são os pré-requisitos para instalação do Sigep Web?...4 3.Como obter o aplicativo para instalação?...4

Leia mais

Guia de transmissão IPTV 2013 (Nova versão do IPTV)

Guia de transmissão IPTV 2013 (Nova versão do IPTV) Guia de transmissão IPTV 2013 (Nova versão do IPTV) Versão: 2.0.6 Data: 27/6/2013 Site do IPTV 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 4 3. Instalação do Flash Media Encorder... 5 4. Procedimento

Leia mais

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante:

Para uma melhor compreensão das ferramentas disponíveis no ambiente, é importante: Módulo A Introdutório - Bases legais, ao Curso políticas, e ao conceituais Ambiente Virtual e históricas da educação Apresentação Este módulo tem por objetivo promover o conhecimento do Ambiente Virtual

Leia mais

ESET CYBER SECURITY PRO para Mac Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento

ESET CYBER SECURITY PRO para Mac Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento ESET CYBER SECURITY PRO para Mac Guia de Inicialização Rápida Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento ESET Cyber Security Pro fornece proteção de última geração para seu

Leia mais

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL NETAULA PERFIL ALUNO Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A 2 Digifort Mobile - Versão 1.0 Índice Parte I Bem vindo ao Manual do Digifort Mobile 1.0 5 1 Screen... Shots 5 2 A quem... se destina este manual 5 3 Como utilizar...

Leia mais

ÍNDICE BLUELAB A UTILIZAÇÃO DO BLUELAB PELO PROFESSOR RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06

ÍNDICE BLUELAB A UTILIZAÇÃO DO BLUELAB PELO PROFESSOR RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06 ÍNDICE BLUELAB RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06 ELEMENTOS DA TELA INICIAL DO BLUELAB PROFESSOR guia Meu Espaço de Trabalho...07 A INTERFACE DO BLUELAB...07 INICIANDO

Leia mais

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Hal Zucati Microsoft Corporation Publicado em: Setembro de 2012 Atualizado em: Novembro de 2012 Aplica-se a: SharePoint

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA DISCIPLINA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO II PROFESSORA: PATRÍCIA

Leia mais

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0 Conteúdo do Manual. Introdução. Capítulo Requisitos. Capítulo Instalação 4. Capítulo Configuração 5. Capítulo 4 Cadastro de Devolução 6. Capítulo 5 Relatório 7. Capítulo 6 Backup 8. Capítulo 7 Atualização

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View www.cali.com.br - Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View - Página 1 de 29 Índice INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (FIREBIRD E

Leia mais