Trabalho sobre Marco Civil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho sobre Marco Civil"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA, INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CEEP/TIC MUNICÍPIO: LAURO DE FREITAS DIREC: 1B Inclusão digital Professora Milena Matos Trabalho sobre Marco Civil O Marco Civil da Internet é o nome do projeto de lei 2.126/2011 que visa ao estabelecimento de uma regulamentação sobre o uso e disponibilidade da internet no Brasil. Graças aos recentes casos de escândalos envolvendo espionagem internacional pela internet, o tema vem gerando um maior debate no Congresso Nacional e na sociedade como um todo. Após tramitar pelo congresso e pelo senado, o projeto foi sancionado pela presidenta Dilma Roussef em abril de 2014.] A Liberdade de expressão Caso o usuário conteste a retirada do conteúdo, a empresa deve avisá-lo do motivo da retirada. Essa lei vai ser bastante útil ao Google, por exemplo, que não poderá ser considerado responsável pelo conteúdo que seus usuários publicam. Todos têm liberdade para falar o que quiser, porém, precisam responder legalmente por suas palavras, principalmente nos casos em que houver calúnia, injúria, e/ou difamação, como evidencia o artigo 5º da Constituição Federal. A lei do Marco Civil da Internet, seguindo as normas da Carta Magna dos cidadãos brasileiros, também, em seu artigo 3º aduz sobre a garantia desses princípios a luz da Constituição Federal de Art. 3o A disciplina do uso da internet no Brasil tem os seguintes princípios: I - garantia da liberdade de expressão, comunicação e manifestação de pensamento, nos termos da Constituição Federal; Diante dos termos da Constituição Federal, todo cidadão tem direito de manifestar o seu pensamento, oralmente ou por escrito mediante as condições e sobre tudo dentro dos limites prescritos em lei. Sem dúvida nenhuma, essa reversa legal é para dar uma maior efetividade à garantia fundamental no âmbito da proteção de terceiros usuários de internet, evitando que essa liberdade não seja usada de forma abusiva. Neste caso será sempre aplicado o princípio da proporcionalidade e/ou princípio da ponderação. O Marco Civil também dispõe sobre retirada de conteúdos de maneira similar ao que a lei americana. Mas aqui o conceito é mais abrangente: o projeto diz que os provedores de conteúdo, serviços de hospedagem e outras empresas ligadas à internet não podem ser responsabilizados por atos praticados por seus usuários. Elas devem se esforçar para retirar do ar qualquer conteúdo que seja requisitado por ordem judicial e caso não cumpram, devem então sofrer as penas previstas em lei.

2 As exceções seriam para sites em que há o estímulo, a prática ou a incitação explícita à violação dos direitos humanos, bem como casos de pedofilia, racismos, entre outras transgressões penais. Nesses casos, a exclusão do conteúdo deverá ser imediata. A privacidade dos usuários Os artigo 10º e 11º do Marco Civil tratam de dois itens importantes relacionados à privacidade dos usuários: O primeiro diz, dentre outras coisas, que um provedor não pode violar o direito à intimidade e vida privada dos seus usuários ou seja, não pode divulgar seus dados ou ainda monitorar os dados trafegados, algo natural para qualquer empresa que quer manter seus clientes felizes. E o segundo diz que o monitoramento e armazenamento desses dados podem ser feitos desde que o provedor receba ordem judicial com esta instrução. O tempo de armazenamento dos dados foi alterado, antes era de 2 anos e agora será de no máximo um ano. Vale lembrar que os provedores só deverão guardar o chamado registro de conexão, que segundo o projeto é o conjunto de informações referentes à data e hora de início e término de uma conexão à Internet, sua duração e o endereço IP utilizado pelo terminal para o envio e recebimento de pacotes de dados. Ou seja: eles devem guardar qual foi o IP, duração e quando essa conexão ocorreu. O registro não deve conter os sites acessados ou aplicações usadas e francamente manter um log disso tudo seria problemático para qualquer provedor. Também foram adicionados três novos parágrafos ao artigo 7º. Eles dizem que, caso algum serviço web precise coletar dados pessoais, ele deve dar informações claras e completas sobre essa coleta bem como excluir todos os dados caso o usuário termine seu contrato com a empresa e ainda oferecer temos claros sobre a políticas de uso da sua rede. E isso já é feito pela grande maioria de serviços, nos seus termos de uso. A neutralidade da rede Eduardo Levy, diretor do Sindicado de empresas de Telecom, disse que as regras de neutralidade da rede deveriam ser mais flexíveis para as empresas de telecom, para que elas possam oferecer serviços diferenciados aos seus usuários uma hora dando preferência a VoIP e outra a tráfego de vídeo, por exemplo. Para exemplificar seu argumento, Levy disse que é como o Sedex dos Correios que passa na frente sem prejudicar as outras correspondências, que nada mais é do que uma linha de pensamento absurda para um serviço como a internet. O diretor, e consequentemente as empresas cujo interesses ele representa, quer que as operadoras possam oferecer planos de acessos que discriminam serviços e protocolos.

3 Mas o novo texto oferece uma flexibilidade até aceitável. No artigo 9º fica claro que as operadoras de acesso à internet (e quaisquer empresas donas de infraestrutura nesse meio) só podem dar preferência a certos tipos de dados em suas redes se e somente se decorrer de requisitos técnicos indispensáveis à fruição adequada dos serviços e aplicações e em situações de emergência. Isso quer dizer que apenas em situações especiais as empresas poderão alterar a preferência de tráfego, como por exemplo caso sua infraestrutura sofra algum ataque externo. Fora isso, apenas o Poder Executivo (no caso, uma sanção presidencial) pode determinar quando um certo tipo de tráfego pode ser priorizado ou não. O texto vai além do necessário: caso alguma dessas situações ocorra e algum tipo de tráfego seja priorizado, as empresas envolvidas devem ser transparentes. O artigo diz que elas devem explicar antes aos usuários interessados quais os motivos que as levaram a priorizar algum tráfego e a explicação deve ter também todos os mínimos detalhes técnicos, sem descrições genéricas ou resumidas, cita o relatório. Questões: 1. Qual o objetivo do Marco Civil? 2. Como o Marco Civil conduz a Liberdade de Expressão na Internet? 3. Como uma publicação pode ser retirada da web? 4. Qual a importância da Neutralidade da Rede para os usuários da Internet? 5. O que significa um provedor violar o direito a intimidade dos usuários? 6. Quais são os tipos de dados que os provedores deverão guardar dos usuários? Por que? 7. Em que casos a exclusão de conteúdo da web deve ser imediata? 8. Explique a lei Apelidada de "Lei Carolina Dieckmann": 9. O que são Crimes Virtuais?

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet O Brasil discutiu durante quatro anos o Marco Civil da Internet, considerado hoje uma lei pioneira no mundo ao estabelecer regras, direitos e deveres no

Leia mais

VOIP. Voz sobre Protocolo de Internet Transforma sinais de áudio analógicos em digitais Principal vantagem é chamadas telefônicas grátis

VOIP. Voz sobre Protocolo de Internet Transforma sinais de áudio analógicos em digitais Principal vantagem é chamadas telefônicas grátis Beatriz Vieira VOIP Voz sobre Protocolo de Internet Transforma sinais de áudio analógicos em digitais Principal vantagem é chamadas telefônicas grátis VOIP Surgiu ainda no início da década de 1990 Se tornou

Leia mais

O MARCO CIVIL COMO EXEMPLO

O MARCO CIVIL COMO EXEMPLO O MARCO CIVIL COMO EXEMPLO Após anos de debate, foi aprovado pela Câmara dos Deputados o Projeto de Lei nº 2126/11, mais conhecido como Marco Civil da Internet (ou, simplesmente, Marco Civil). Trata-se

Leia mais

III WTR PoP-BA RNP Salvador, set 2012 Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação

III WTR PoP-BA RNP Salvador, set 2012 Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação Américo T Bernardes Departamento de Infraestrutura para Inclusão Digital Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Secretaria de

Leia mais

O computador foi criado para. auxiliar o homem em tarefas

O computador foi criado para. auxiliar o homem em tarefas Introdução O computador foi criado para auxiliar o homem em tarefas repetitivas. REDES DE COMPUTADORES Slide 1 Introdução Teve início como uma máquina de calcular e mais tarde tornou-se um dos instrumentos

Leia mais

O Setor de Telecomunicações

O Setor de Telecomunicações O Setor de Telecomunicações 2ª CODE Conferência do Desenvolvimento IPEA/2011 Brasília, 25 de novembro de 2011 Eduardo Levy 83 empresas representadas 17 empresas associadas Serviços de telefonia fixa Serviços

Leia mais

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas eram feitas de madeira o fogo era um grande problema, pois se alastrava facilmente

Leia mais

Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Maputo, Moçambique 18/07/17-21/07/17

Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Maputo, Moçambique 18/07/17-21/07/17 Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Maputo, Moçambique 18/07/17-21/07/17 Curso Presencial de IPv6 Serviços Agenda Motivação Serviços Implementações DNS NTP Servidores HTTP Proxies SMB CIFS ( SAMBA

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores MPLS Multiprotocol Label Switching (MPLS) ou Comutação de etiquetas de múltiplos protocolos Quem usa Praticamente todas as operadoras de Telecom e provedores tem em operação o protocolo MPLS em sua rede.

Leia mais

ABINEETEC 2011 P&D PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INVESTIMENTOS EM P&D EM 2010 22 Milhões 2010 0 62% 38% Lei de Informática P&D P&D PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INVESTIMENTOS EM P&D EM 2011 27

Leia mais

Firewalls Reginaldo Campos 1

Firewalls Reginaldo Campos 1 Firewalls Reginaldo Campos 1 Roteiro Introdução Características do Firewall Tipo de Firewall Filtro de Pacotes Servidores Proxy Tipos avançados de Firewall Bastion Host Firewalls híbridos 2 Roteiro (cont)

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Apresentação da Disciplina Edmar José do Nascimento (Rede de Computadores - Semestre 2012.1) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE. CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CCJ. MESTRADO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE. CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CCJ. MESTRADO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE. CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CCJ. MESTRADO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS. A INSEGURANÇA DO MUNDO DIGITAL: UM OLHAR CRÍTICO ACERCA DA PEDOFILIA NA INTERNET L E D A M A R

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Agenda Motivação Serviços Implementações DNS NTP Servidores HTTP Proxies SMB CIFS ( SAMBA ) Motivação Provedor de Acesso Provedor de Conteúdo 06 de Junho de 2012 Serviços

Leia mais

Especialização em Redes Uma Análise do custo de tráfego de Spam para operadores de rede

Especialização em Redes Uma Análise do custo de tráfego de Spam para operadores de rede Especialização em Redes Uma Análise do custo de tráfego de Spam para operadores de rede Riberto A. de Matos. Marcos T. Silva. Leandro Celini. O que é SPAM? Termo usado para se referir aos e-mails não solicitados,

Leia mais

Seminário Transição do IPv4 para o IPv6: Acesso, Privacidade e Coibição de Ilícitos BRASÍLIA, 07 DE DEZEMBRO DE 2015 ALEXANDER CASTRO

Seminário Transição do IPv4 para o IPv6: Acesso, Privacidade e Coibição de Ilícitos BRASÍLIA, 07 DE DEZEMBRO DE 2015 ALEXANDER CASTRO Seminário Transição do IPv4 para o IPv6: Acesso, Privacidade e Coibição de Ilícitos BRASÍLIA, 07 DE DEZEMBRO DE 2015 ALEXANDER CASTRO Quem somos Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços

Leia mais

MANDADO DE SEGURANÇA N.º , DE CURITIBA - 10ª VARA CRIMINAL

MANDADO DE SEGURANÇA N.º , DE CURITIBA - 10ª VARA CRIMINAL MANDADO DE SEGURANÇA N.º 1.167.506-6, DE CURITIBA - 10ª VARA CRIMINAL Impetrante: GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA. Autoridade Coatora: JUIZ DE DIREITO DA 10ª VARA CRIMINAL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO

Leia mais

Arquitetura da Internet. Prof. Eduardo

Arquitetura da Internet. Prof. Eduardo Arquitetura da Internet Prof. Eduardo Introdução Ao entender o modelo OSI e funções de cada camada, é necessário verificar e entender o modelo TCP/IP, saber quais protocolos ele utiliza, e como esse modelo

Leia mais

Computação e Sociedade Internet, Governança da Internet e Novas Tecnologias PROFESSORA CINTIA CAETANO

Computação e Sociedade Internet, Governança da Internet e Novas Tecnologias PROFESSORA CINTIA CAETANO Computação e Sociedade Internet, Governança da Internet e Novas Tecnologias PROFESSORA CINTIA CAETANO ALGUNS EVENTOS E DADOS IMPORTANTES DA INTERNET NO BRASIL E NO MUNDO 2 No Mundo... Primeira conexão

Leia mais

Mercado de Trabalho e o Futuro do Setor de Serviços

Mercado de Trabalho e o Futuro do Setor de Serviços Mercado de Trabalho e o Futuro do Setor de Serviços Seminário Terceirização, Evolução e Marco Legal Brasília, 06 de dezembro de 2011 Eduardo Levy histórico do setor de telecomunicações Serviços de telefonia

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 11 DoS (Denial of Service) DDoS (Distributed Denial of Service) Prática #4 Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º

Leia mais

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res FIREWALL A conexão com a Internet traz às corporações os seguintes riscos: Relacionados a dados: confidencialidade, integridade e disponibilidade; Relacionados aos recursos e ativos da empresa; Relacionados

Leia mais

Fundamentos de Segurança da Internet. Cristine Hoepers, D.Sc. Klaus Steding-Jessen, D.Sc. 30/03/2016

Fundamentos de Segurança da Internet. Cristine Hoepers, D.Sc. Klaus Steding-Jessen, D.Sc. 30/03/2016 Fundamentos de Segurança da Internet Cristine Hoepers, D.Sc. Klaus Steding-Jessen, D.Sc. 30/03/2016 Objetivos Discutir os conceitos técnicos relacionados com segurança, privacidade e resiliência de sistemas

Leia mais

ENDEREÇAMENTO PRIVADO PROXY E NAT

ENDEREÇAMENTO PRIVADO PROXY E NAT ENDEREÇAMENTO PRIVADO PROXY E NAT MOTIVAÇÃO PARA O ENDEREÇAMENTO IP PRIVADO Crescimento do IPv4 07/2007 490 milhões de hosts 01/2008 542 milhões de hosts IPv4 permite endereçar 4 bilhões de hosts. PREVISÃO

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Redes de Telecomunicações Prof. Robson Almeida INFRA-ESTRUTURA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 3 TELECOMUNICAÇÕES NAS ORGANIZAÇÕES CONCEITOS BÁSICOS Telecomunicações Reúne toda infraestrutura

Leia mais

Computação em Grid e em Nuvem

Computação em Grid e em Nuvem Computação em Grid e em Nuvem Grids Computacionais Características Infraestrutura Produtos Exemplos Computação em Nuvem Características Modelos Infraestrutura Exemplos 1 Grids Computacionais Definição

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Capítulo 4: Introdução às Telecomunicações nas Empresas Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet James A. O'Brien Editora Saraiva The McGraw-Hill Companies, Inc., 1999 Objetivos

Leia mais

Perguntas e respostas sobre Marco Civil da Internet

Perguntas e respostas sobre Marco Civil da Internet Perguntas e respostas sobre Marco Civil da Internet O Marco Civil da Internet define regras mais claras a respeito dos direitos, deveres e princípios para o uso da internet no Brasil. Elaborado pelo Poder

Leia mais

Cadastro de Contratos Tarifador

Cadastro de Contratos Tarifador O LinQ é a solução definitiva em gestão de serviços e contratos de telefonia. Simples, preciso e rápido, funciona a partir de uma interface de navegador web. Inclui diversas funções, que permitem o acompanhamento

Leia mais

Roteamento Prof. Pedro Filho

Roteamento Prof. Pedro Filho Roteamento Prof. Pedro Filho Definição Dispositivo intermediário de rede projetado para realizar switching e roteamento de pacotes O roteador atua apenas na camada 3 (rede) Dentre as tecnologias que podem

Leia mais

Conceitos de Sistemas Distribuídos

Conceitos de Sistemas Distribuídos Conceitos de Sistemas Distribuídos Roteiro Definição de Sistemas Distribuídos (SD) Evolução Histórica Exemplos (SD) Modelos (Vantagens x Desvantagens) 2 O que é um Sistema Distribuído? Definição Coleção

Leia mais

Protocolo de rede do Cisco Unified Wireless e matriz da porta

Protocolo de rede do Cisco Unified Wireless e matriz da porta re do Cisco Unified Wireless e matriz da porta Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações Apoio Visão geral da re Informações Relacionadas Introdução Este

Leia mais

Em resultados... GOL 2008 Gabinete On-Line Automatiza o Gabinete E, mantém você sempre em Campanha. TRABALHO, ORGANIZAÇÃO, TRANSFORMA

Em resultados... GOL 2008 Gabinete On-Line Automatiza o Gabinete E, mantém você sempre em Campanha. TRABALHO, ORGANIZAÇÃO, TRANSFORMA GOL 2008 Gabinete On-Line Automatiza o Gabinete E, mantém você sempre em Campanha. TRANSFORMA TRABALHO, ORGANIZAÇÃO, VISÃO ADMINISTRATIVA Em resultados... 1 CRIE UM BANCO DE DADOS DAS PESSOAS FISÍCAS COM

Leia mais

Rede Corporativa INTRODUÇÃO. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro

Rede Corporativa INTRODUÇÃO. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa INTRODUÇÃO Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Pedro Monteiro da Silva Eleutério Marcio Pereira Machado. Novatec

Pedro Monteiro da Silva Eleutério Marcio Pereira Machado. Novatec Pedro Monteiro da Silva Eleutério Marcio Pereira Machado Novatec Copyright 2011 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta

Leia mais

SENTIDOS E DESAFIOS DE OTT PARA PROFISSIONAIS: BROADCAST TRADICIONAL E BROADCAST STREAMING. Vitor Oliveira

SENTIDOS E DESAFIOS DE OTT PARA PROFISSIONAIS: BROADCAST TRADICIONAL E BROADCAST STREAMING. Vitor Oliveira SENTIDOS E DESAFIOS DE OTT PARA PROFISSIONAIS: BROADCAST TRADICIONAL E BROADCAST STREAMING Vitor Oliveira 1 Agenda: 1. OTT SIGNIFICADOS 2. RISCO MORAL 3. DESAFIOS REGULATÓRIOS DO VoD 4. CONVERGÊNCIA E

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Faculdade de Administração e Ciências Contábeis Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação Segurança da Informação

Leia mais

Revenda Autorizada (11)

Revenda Autorizada  (11) Revenda Autorizada Tour pelo Produto Você não vai encontrar em nenhum outro lugar uma solução que inclua um conjunto completo de ferramentas para obter criatividade, controle e publicação de conteúdo,

Leia mais

Introdução à Eletrônica PSI2223

Introdução à Eletrônica PSI2223 Introdução à Eletrônica PSI2223 Aula 1 Dr. Antonio Carlos Seabra Professor Titular Dep. Engenharia de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP 2011 2 Introdução à Eletrônica PSI2223 -Esta disciplina

Leia mais

Ferramentas para Coexistência e Transição IPv4 e IPv6. Módulo 7

Ferramentas para Coexistência e Transição IPv4 e IPv6. Módulo 7 Ferramentas para Coexistência e Transição IP e IPv6 Módulo 7 ftp://ftp.registro.br/pub/stats/delegated-ipv6-nicbr-latest 250 200 150 100 50 0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Coexistência

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO - APP MONIVOX ROIP

MANUAL DO USUÁRIO - APP MONIVOX ROIP 1. INFORMAÇÕES DO PRODUTO 1.1 INTRODUÇÃO Bem vindo ao manual do usuário do app RoIP. Neste você encontrará instruções de como configurar e colocar em operação o MoniVox app RoIP. 1.2 DIREITOS AUTORAIS

Leia mais

Família de protocolos H.323

Família de protocolos H.323 Família de protocolos H.323 Carlos Gustavo A. da Rocha Histórico Grupo de trabalho ITU-T formado em maio de 1995 Objetivo: Provide a mechanism for transporting multimedia applications over LANs Versão

Leia mais

Informática Básica Eletrotécnica/Mecânica

Informática Básica Eletrotécnica/Mecânica Informática Básica Eletrotécnica/Mecânica Edilson Hipolito da Silva edilson.hipolito@ifsc.edu.br - http://www.hipolito.info Aula 05 - Informática Básica - Internet Roteiro Histórico E-mail Dicas de segurança

Leia mais

UMG MODULAR 300. Aplicações Típicas. Principais Características. Visão Geral USER MEDIA GATEWAY E1, VOIP, GSM, FXS AND FXO

UMG MODULAR 300. Aplicações Típicas. Principais Características. Visão Geral USER MEDIA GATEWAY E1, VOIP, GSM, FXS AND FXO USER MEDIA GATEWAY E1, VOIP, GSM, FXS AND FXO Principais Características Aplicações Típicas Modular, de acordo com o cenário que será utilizado 2 portas Ethernet Giga 10 contas SIP + quantidade máxima

Leia mais

MISSÃO. O portal Convergência Digital fala para quem decide, para quem consome. convergenciadigital.com.br

MISSÃO. O portal Convergência Digital fala para quem decide, para quem consome. convergenciadigital.com.br MISSÃO Ser a maior rede de informações 100% on-line das áreas de Tecnologia da Informação e Telecomunicações do País, com conteúdo diferenciado e de primeira qualidade O portal Convergência Digital fala

Leia mais

Síntese do debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Internet e Legislação. Data: 02/04/2014 versão: 1.0

Síntese do debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Internet e Legislação. Data: 02/04/2014 versão: 1.0 Síntese do debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Internet e Legislação Data: 02/04/2014 versão: 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: Fórum I São

Leia mais

Espionagem de atividade computacional por meio de sniffers e monitores de teclado

Espionagem de atividade computacional por meio de sniffers e monitores de teclado por meio de 2 de maio de 2012 Sumário 1 2 3 O que é um sniffer? Propósito principal de analisar o tráfego da rede O que é um sniffer? Propósito principal de analisar o tráfego da rede Configura a interface

Leia mais

REGULAMENTO Promoção Duo Negócios

REGULAMENTO Promoção Duo Negócios REGULAMENTO Duo TELEFÔNICA BRASIL S/A, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851, São Paulo/SP, e inscrita no CNPJ/MF sob o nº 02.558.157/0001-62, doravante denomina Telefônica ; AJATO TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Troubleshooting Esta seção fornece a informação em como pesquisar defeitos as três edições. As primeiras duas

Troubleshooting Esta seção fornece a informação em como pesquisar defeitos as três edições. As primeiras duas Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Problemas Troubleshooting Atrasado ou nenhuma sincronização entre CUC e troca Sincronização atrasada do server de câmbio a CUC Introdução

Leia mais

VI Fórum Brasileiro de IPv6

VI Fórum Brasileiro de IPv6 TIM BRASIL São Paulo, 09/12/2015 IPv6 na TIM Brasil Carlos Figueira Transport Network Engineering Classificação da Informação: Público Agenda Contexto IPv4 / IPv6 Desenvolvimento do IPv6 Desafios do IPv6

Leia mais

Arquiteturas de Protocolos. Aplicação. Redes. Aplicações cliente-servidor. Aplicações peer-to-peer

Arquiteturas de Protocolos. Aplicação. Redes. Aplicações cliente-servidor. Aplicações peer-to-peer Arquiteturas de Protocolos s Cama de Arquitetura OSI Apresentação Sessão Enlace Físico Arquitetura IEEE LLC MAC Físico Arquitetura Internet Inter-rede Sub- 1 Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br

Leia mais

INTRODUÇÃO À INTERNET E À WORLD WIDE WEB

INTRODUÇÃO À INTERNET E À WORLD WIDE WEB INTRODUÇÃO À INTERNET E À WORLD WIDE WEB CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA MODALIDADE SUBSEQÜENTE DESENVOLVIMENTO WEB I PROF. ALEXANDRO DOS SANTOS SILVA 1 1 SUMÁRIO Conceitos básicos Histórico Principais modelos

Leia mais

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico

Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Sistema de Gestão de Protocolo Eletrônico Secretaria de Estado da Administração - SEA Gestão de Pessoas Sistemas administrativos Gestão de Materiais e Serviços Gestão Patrimonial Ouvidoria Gestão de Tecnologia

Leia mais

VIVO SEXUALIDADE COM LAURA MULLER - TERMOS E CONDIÇÕES

VIVO SEXUALIDADE COM LAURA MULLER - TERMOS E CONDIÇÕES VIVO SEXUALIDADE COM LAURA MULLER - TERMOS E CONDIÇÕES Bem vindo ao Vivo Sexualidade com Laura Muller! Este documento é um acordo entre você, contratante, e a Vivo para ativar o serviço Vivo Sexualidade

Leia mais

VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16

VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16 VI Semana de Infraestrutura da Internet no Brasil São Paulo, SP 07/12/16 Serviços IPv6 Eduardo Barasal Morales Tiago Jun Nakamura Agenda Autoconfiguração de Endereços Stateless DHCPv6 Prefix Delegation

Leia mais

Prof. Ravel Silva (https://www.facebook.com/professorravelsilva) SIMULADO 01 - PERITO PF QUESTÕES

Prof. Ravel Silva (https://www.facebook.com/professorravelsilva) SIMULADO 01 - PERITO PF QUESTÕES Orientações aos alunos: 1. Este simulado visa auxiliar os alunos que estão se preparando para o cargo de Perito da Polícia Federal. 2. O Simulado contém 10 questões estilo CESPE (Certo e Errado) sobre

Leia mais

Redes de Computadores. Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva

Redes de Computadores. Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva Redes de Computadores Aula: Roteamento Professor: Jefferson Silva Perguntinhas básicas J n O que é rotear? n O que é uma rota? n Porque rotear? n Como sua requisição chega no facebook? Conceitos n Roteamento

Leia mais

III Workshop do POP-RS Serviços disponibilizados pelo PoP-RS

III Workshop do POP-RS Serviços disponibilizados pelo PoP-RS III Workshop do POP-RS Serviços disponibilizados pelo PoP-RS César Loureiro setembro/2010 III Workshop do POP-RS Agenda Serviços Internos: Backup de roteadores Registro e análise de logs Serviços Externos:

Leia mais

Por exemplo, no endereço temos:

Por exemplo, no endereço temos: O protocolo de envio de e-mail (SMTP: Simple Mail Transfer Protocol) fornece códigos que relatam todo o trâmite da mensagem. Na ocorrrência de uma situação de erro, uma mensagem de retorno é enviada ao

Leia mais

Vantagens e cenários de implementação

Vantagens e cenários de implementação TitanvoX Vantagens e cenários de implementação 1 índice A siptel Siptel 3 VANTAGENS VOIP E TITANVOX O que é VoIP 4 Quais as vantagens que voip proporciona 5 Quais as vantagens da TitanvoX 6 CENÁRIOS TITANVOX

Leia mais

Marco Civil e a Proteção de Dados Brasília, 10 de novembro de 2016

Marco Civil e a Proteção de Dados Brasília, 10 de novembro de 2016 Marco Civil e a Proteção de Dados Brasília, 10 de novembro de 2016 Carlos Bruno Ferreira da Silva Procurador da República Secretário de Cooperação Internacional Adjunto da PGR Coordenador do GT de Tecnologia

Leia mais

INTERNET. Definição. Rede internacional de computadores que permite comunicação e transferência de dados entre outros serviços.

INTERNET. Definição. Rede internacional de computadores que permite comunicação e transferência de dados entre outros serviços. INTERNET Prof. Luiz A. Nascimento Definição 2 Rede internacional de computadores que permite comunicação e transferência de dados entre outros serviços. Utiliza o protocolo TCP/IP É a rede das redes. Normalmente

Leia mais

Colocando um site na Internet

Colocando um site na Internet AULA: Colocando um site na Internet Autoria Web http://docentes.ifrn.edu.br/albalopes alba.lopes@ifrn.edu.br Servidores de Hospedagem Hospedagem de sites é um serviço que possibilita pessoas ou empresas

Leia mais

Cruzada Estudantil e Profissional para Cristo

Cruzada Estudantil e Profissional para Cristo Cruzada Estudantil e Profissional para Cristo Adesão ao Corpo de Missionários da Cruzada Estudantil Data: Tipo de Envolvimento: Nome Completo: Cidade/EST: Fone residencial: Fone celular: Escolaridade:

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudos Redes IP Conceitos Básicos IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais

Leia mais

Redes e Serviços Convergentes para o Brasil Digital

Redes e Serviços Convergentes para o Brasil Digital Redes e Serviços Convergentes para o Brasil Digital Telebrasil 2007 - Costa do Sauípe - Bahia Antônio Carlos Valente 01 de Junho de 2007 Indicadores das maiores operadoras européias Telefonia Fixa Banda

Leia mais

Este curso pretende dotar os participantes dos conhecimentos e conceitos básicos envolvidos na operação dos sistemas operativos Linux (GNU/Linux).

Este curso pretende dotar os participantes dos conhecimentos e conceitos básicos envolvidos na operação dos sistemas operativos Linux (GNU/Linux). Linux Fundamentos Tecnologias de Informação - Redes e Sistemas Localidade: Lisboa Data: 05 Jun 2017 Preço: 420 ( Os valores apresentados não incluem IVA. Oferta de IVA a particulares e estudantes. ) Horário:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Comunicação de Dados

REDES DE COMPUTADORES. Comunicação de Dados Objetivos Gerais da Cadeira Compreender a comunicação de dados entre locais remotos através de conceitos e procedimentos envolvidos na conexão de computadores, meios e dispositivos de redes. Objetivos

Leia mais

Asterisk introdução. Carlos Gustavo A. da Rocha. Implantação de Serviços de VoIP

Asterisk introdução. Carlos Gustavo A. da Rocha. Implantação de Serviços de VoIP introdução Carlos Gustavo A. da Rocha Asterisk (the future of telephony) Uma das principais soluções para a implementação de PABX em software e gateways VoIP OpenSource Linux, solaris, FreeBSD, OpenBSD

Leia mais

O maior inimigo pode ser você! DNS + SSDP + NTP Prevenção é a melhor solução! GTER40 - São Paulo SP

O maior inimigo pode ser você! DNS + SSDP + NTP Prevenção é a melhor solução! GTER40 - São Paulo SP O maior inimigo pode ser você! DNS + SSDP + NTP Prevenção é a melhor solução! GTER40 - São Paulo SP Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes Dezembro/2015 Apresentação Elizandro Pacheco ( Network

Leia mais

SISTEMA ROUTEHAIR ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS DE SOFTWARE

SISTEMA ROUTEHAIR ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS DE SOFTWARE SISTEMA ROUTEHAIR ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS DE SOFTWARE Versão do Software 1.0 Carlos Eduardo Junior Felipe Yuri EspecificacaoRequisitos 1 1 Objetivo do Documento O objetivo deste documento é esclarecer

Leia mais

O que é necessário para aceder à Internet?

O que é necessário para aceder à Internet? O que é necessário para aceder à Internet? Hardware Software Fornecedor de serviços Hardware necessário para aceder à Internet Computador Modem (interno, externo ou PCMCIA) Linha telefónica normal, RDIS

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre o IP

Trabalho de laboratório sobre o IP Trabalho de laboratório sobre o IP Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC - Tagus Park Semana de 26 a 30 de Novembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Hospital do Barreiro, em BH, passa a funcionar com 20% da

Hospital do Barreiro, em BH, passa a funcionar com 20% da 1 de 11 22/11/2016 15:24 g1 globoesporte gshow famosos & etc vídeos ASSINE JÁ CENTRAL E-MAIL ENTRAR MENU G1 Minas Gerais MENU G1 Minas Gerais 22/11/2016 14h38 - Atualizado em 22/11/2016 14h38 Hospital

Leia mais

Sistemas de Informação (SI) Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio (I)

Sistemas de Informação (SI) Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio (I) Sistemas de Informação (SI) Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio (I) Prof.ª Dr.ª Symone Gomes Soares Alcalá Universidade Federal de Goiás (UFG) Regional Goiânia (RG) Faculdade de Ciências e

Leia mais

Mudança entre redes WiFi-GSM baseada em SIP. Paulo Cesar Siécola

Mudança entre redes WiFi-GSM baseada em SIP. Paulo Cesar Siécola Mudança entre redes WiFi-GSM baseada em SIP Paulo Cesar Siécola siecola@ime.usp.br Introdução: Muitos dispositivos móveis, como telefones celulares e PDA, estão sendo equipados com outras interfaces sem

Leia mais

ERICSON M. SCORSIM DIREITO DAS COMUNICAÇOES. REGIME JURíDICO: Telecomunicações, Internet Televisão e Publicidade. B18UOTECA DO SENADO FEDERAL

ERICSON M. SCORSIM DIREITO DAS COMUNICAÇOES. REGIME JURíDICO: Telecomunicações, Internet Televisão e Publicidade. B18UOTECA DO SENADO FEDERAL [. ERICSON M. SCORSIM DIREITO DAS - COMUNICAÇOES REGIME JURíDICO: Telecomunicações, Internet Televisão e Publicidade. B18UOTECA DO SENADO FEDERAL SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DO DIREITO DAS COMUNICAÇÔES....13

Leia mais

PLC. Power Line Communications. Renan Ribeiro de Vasconcelos

PLC. Power Line Communications. Renan Ribeiro de Vasconcelos PLC Power Line Communications Renan Ribeiro de Vasconcelos Sumário Histórico Padronização Tecnologia Topologias Equipamentos Vantagens x Desvantagens Aplicações Perspectivas Considerações Finais Histórico

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Prof. M.e Helber Wagner da Silva

Introdução às Redes de Computadores. Prof. M.e Helber Wagner da Silva Introdução às Redes de Computadores Prof. M.e Helber Wagner da Silva helber.silva@ifrn.edu.br 1 O que é uma rede? Rede de computadores é a interconexão de computadores e equipamentos que usa fios ou ondas

Leia mais

Laboratório. Assunto: mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP).

Laboratório. Assunto: mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP). Laboratório Assunto: mapeamento de endereços IP em endereços físicos (ARP). Objetivo: observar o mecanismo de associação dinâmica de endereços oferecido pelo ARP. Ferramentas a serem utilizadas: ifconfig

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Desconto na mensalidade de Vivo Fibra na assinatura de Vivo Fixo

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Desconto na mensalidade de Vivo Fibra na assinatura de Vivo Fixo REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Desconto na mensalidade de Vivo Fibra na assinatura de Vivo Fixo Esta Promoção é realizada pela Vivo, nas seguintes condições: 1. DAS DEFINIÇÕES 1.1 Promoção: Desconto na mensalidade,

Leia mais

SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 2.126, DE 2011

SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 2.126, DE 2011 SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 2.126, DE 2011 1 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Daniel Moreno. Novatec

Daniel Moreno. Novatec Daniel Moreno Novatec Novatec Editora Ltda. 2016. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem prévia

Leia mais

Gerência de Redes Visão Geral

Gerência de Redes Visão Geral Gerência de Redes Visão Geral Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Gerenciamento de Redes Evolução do Gerenciamento Áreas Funcionais Elementos do Gerenciamento Plataformas

Leia mais

[1] Buzzmonitor Como aprimorar seus relatórios de Social Media

[1] Buzzmonitor Como aprimorar seus relatórios de Social Media [1] Buzzmonitor Como aprimorar seus relatórios de Social Media Sumário [3] Conte sempre novas histórias [4] Dedique-se a encontrar causalidade [5] Tenha o relatório antigo ao seu lado [6] Busque por insights

Leia mais

Detecção de Intrusão. Intrusão. Intruso. É o processo pelo qual algo tenta violar uma sistema.

Detecção de Intrusão. Intrusão. Intruso. É o processo pelo qual algo tenta violar uma sistema. Detecção de Intrusão Disciplina: Auditoria de Sistemas Prof. Luiz Antonio Curso: Segurança Patrimonial Intrusão É o processo pelo qual algo tenta violar uma sistema. A intrusão pode ser de fora ou de elementos

Leia mais

www.opiceblum.com.br O Marco Civil da Internet, Novas Aplicações, Riscos Legais e Oportunidades para o Setor Bancário Rubia Ferrão FONTES DE DIREITO CF LEIS CP, CC,CPC, CLT, CTN, CDC etc. Demais Atos Decretos,

Leia mais

Minuta de Decreto Marco Civil da Internet

Minuta de Decreto Marco Civil da Internet Minuta de Decreto Marco Civil da Internet Regulamenta a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014 para tratar das exceções à neutralidade de rede e indicar procedimentos para a guarda de dados por provedores

Leia mais

MODEM ROTEADOR ADSL2+ WIRELESS N 300 GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA

MODEM ROTEADOR ADSL2+ WIRELESS N 300 GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA MODEM ROTEADOR ADSL2+ WIRELESS N 300 GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA CONTEÚDO DA EMBALAGEM CONTEÚDO MODEM ROTEADOR ADSL2+ WIRELESS N 300 ADAPTADOR DE ENERGIA ADAPTADOR CABO ETHERNET (CAT5 UTP) CONECTE O ROTEADOR

Leia mais

Gerenciamento x Gestão de Provedores com Alta Disponibilidade

Gerenciamento x Gestão de Provedores com Alta Disponibilidade Gerenciamento x Gestão de Provedores com Alta Disponibilidade Vitor Horita - Engenheiro de Telecom, Computação e Segurança do Trabalho; - Pós Graduado em Redes e Comunicação de Dados; - Pós Graduado em

Leia mais

Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância)

Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância) Protocolos de Roteamento Dinâmico (Vetor de Distância) Profª Ana Lúcia L Rodrigues Wiggers 2009, Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Protocolo de roteamento Dinâmico

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores Objetivos Gerais da Cadeira Apresentar a camada de enlace e suas principais tecnologias de comutação em LAN, MAN, e WAN. Objetivos Específicos da Cadeira Entender os conceitos fundamentais sobre a camada

Leia mais

Disciplina ACH0012 Psicologia, Educação e Temas Contemporâneos. Ciclo Básico EACH USP 2011

Disciplina ACH0012 Psicologia, Educação e Temas Contemporâneos. Ciclo Básico EACH USP 2011 Disciplina ACH0012 Psicologia, Educação e Temas Contemporâneos Ciclo Básico EACH USP 2011 Docentes Profa. Dra. Ana Laura Godinho Lima Profa. Dra. Graziela Serroni Perosa Prof. Dr. Ivan Ramos Estevão Profa.

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 3 Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Protocolos de Comunicação Para que ocorra a transmissão de uma informação entre o transmissor

Leia mais

GIOV Divisão INTRAGOV

GIOV Divisão INTRAGOV GIOV Divisão INTRAGOV INTRAGOV Agenda Números da INTRAGOV Contrato PRO.00.6563 Informações sobre a INTRAGOV Novidades da INTRAGOV IV Próximas etapas Site INTRAGOV Números da INTRAGOV Unidades ativas =

Leia mais

SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT

SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT Estágio supervisionado em sistemas de informação - 2010/1 Acadêmico: Thiago Santos de Amorim Orientador: M. Sc. Ricardo Marx Costa Soares de Jesus Agenda Cenário

Leia mais

Sabe o que é port forwarding e qual a sua utilização?

Sabe o que é port forwarding e qual a sua utilização? Sabe o que é port forwarding e qual a sua utilização? Date : 14 de Julho de 2017 Alguma vez ouviu falar sobre port forwarding ou encaminhamento baseado em portos lógicos, aplicado em configurações para

Leia mais

Pesquisa: IPv4 e IPv6

Pesquisa: IPv4 e IPv6 IFSP PRESIDENTE EPITÁCIO/SP ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º. Termo Redes de Computadores 2 Prof. Kleber Manrique Trevisani Pesquisa: IPv4 e IPv6 BRUNO VICENTE CORREIA MARQUES pront. 1380061 PRESIDENTE

Leia mais

Telefonia IP VoIP Aplicação em Cidades Digitais. Ceará Wireless Fortaleza 23 Outubro de 2009

Telefonia IP VoIP Aplicação em Cidades Digitais. Ceará Wireless Fortaleza 23 Outubro de 2009 Telefonia IP VoIP Aplicação em Cidades Digitais Ceará Wireless Fortaleza 23 Outubro de 2009 Especialistas GTECCOM Prof Dr Carlos Alberto Malcher Bastos Prof Luiz Eduardo Fontes de Mello Palestrante: Milton

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS PARACATU TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA JOÊNIA OLIVEIRA LOPES SERVIDORES

INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS PARACATU TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA JOÊNIA OLIVEIRA LOPES SERVIDORES INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS PARACATU TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA JOÊNIA OLIVEIRA LOPES SERVIDORES PARACATU MG JUNHO 2016 1 INTRODUÇÃO... 4 2 CENÁRIO... 4 2.1 EQUIPAMENTOS...

Leia mais