Estruturas Hexagonais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estruturas Hexagonais"

Transcrição

1 Estruturas Hexagonais Hexagonal Simples (HS) Estruturas Hexagonais As estruturas cristalinas hexagonais, juntamente com as estruturas cúbicas, formam os arranjos atômicos dos principais cristais elementares ou aqueles formados por um único átomo. Desses cristais, mais da metade apresenta estrutura cúbica, um terço exibe estrutura hexagonal e os cristais restantes estão distribuídos entre os outros tipos estruturais. Isto faz com que a estrutura hexagonal tenha grande importância em cristalografia, o que torna necessário o estudo da mesma. Existem dois tipos de arranjo hexagonal, quais sejam: hexagonal simples e hexagonal compacto.

2 Cálculo do volume da Célula Unitária Hexagonal V H = Área da Base x altura V H = 6 x (área do triângulo equilátero de lado = a) x c V H = 6 x (a 2 x 3/4) x c V H = 3 ( 3/2) a 2 x c V H = 3 ( 3/2) a 2 x c Cálculo da área do triângulo equilátero de lado a: A T = (b x h)/2 = (a x a sen60)/2 = (a 2 x 3/2)/2 A T = (a 2 x 3)/4 Cálculo da altura h: Sen60 = h/a h = a sen60 Hexagonal Simples (HS) A estrutura hexagonal simples é formada por átomos posicionados nos vértices de dois hexágonos sobrepostos. Outros dois átomos localizam-se no centro de cada hexágono. Esta estrutura cristalina pode ser encontrada no selênio e no telúrio. a = 2r a = c

3 Hexagonal Simples (HS) N de átomos por célula unitária: O número de átomos existentes no interior de uma célula hexagonal simples é três. Cálculo Nos vértices: 12 x 1/6 = 2 Nas faces das bases: 2 x ½ = 1 Total: = 3 átomos Hexagonal simples (HS) Volume da célula Unitária: V H = 3 ( 3/2 ) a 2 x c; Na hexagonal simples a = c, então V HS = 3 ( 3/2) a 3 Fator de Empacotamento atômico: Número de átomos da célula HS Volume da esfera Volume da célula HS FEA = 3 x (4/3)π R 3 / V HS = 4π R 3 / 3 ( 3/2) a 3 Na estrutura hexagonal simples a = 2R, então FEA = 4π R 3 / 3 ( 3/2) (2R) 3 FEA = π/3 3 = 0,60

4 São células unitárias com a forma hexagonal. As faces superior e inferior da célula unitária são compostas por seis átomos que formam hexágonos regulares e que se encontram em torno de um único átomo no centro. Um plano intermediário fornece três átomos adicionais, localizados entre os planos superior e inferior. Sejam a e c as dimensões menor e maior respectivamente da célula unitária. A razão ideal c/a deve ser de 1,633. O número de coordenação (NC) e o fator de empacotamento atômico (FEA) para a estrutura HC é o mesmo da estrutura CFC. Exemplos de metais HC: Cádmio (Cd), Cobalto (Co), Titânio! (Ti), Zinco (Zn), Magnésio (Mg)

5 Estrutura Relação entre a e r: a = 2r Número de átomos por célula unitária (NA) NA = 12 x 1/6 + 2 x 1/2 + 3 = 6 átomos FEA = 0,74 e NC = 12 Vértice Face Centro Volume da célula Unitária: V H = 3 ( 3/2 ) a 2 x c; Na hexagonal compacta a # c, então V HC = 3 ( 3/2 ) a 2 x c Fator de Empacotamento atômico: Número de átomos da célula HC Volume da esfera Volume da célula HC FEA = 6 x (4/3)π R 3 / V HC = 4π R 3 / 3 ( 3/2) a 2 x c Na estrutura hexagonal compacta a = 2R e c/a = 8/ 3, então FEA = 4π R 3 / 3 ( 3/2) (2R) 2 (2R) 8/ 3 FEA = 0,74 Razão ideal

6 Parâmetros cristalinos: a e c Átomos por célula: 6 Fator de empacotamento: 74% Direções supercompactas: 3 Planos supercompactos: 1 (plano basal) Sistemas primários de deslizamento: 3 (plano basal e direções supercompactas) Exemplos de metais que apresentam esse sistema cristalino: Ti, Zn

Ligação metálica corrente elétrica

Ligação metálica corrente elétrica Ligações Metálicas Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes perdem seus elétrons da última camada.

Leia mais

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03 CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof.

Leia mais

Ciência dos Materiais Lista de Exercícios II - Estrutura dos Sólidos Cristalinos

Ciência dos Materiais Lista de Exercícios II - Estrutura dos Sólidos Cristalinos 1. Qual a diferença entre estrutura atômica e estrutura cristalina? 2. Considere os sistemas cristalinos (a) Cúbico Simples (CS), (b) Cúbico de Faces Centradas (CFC) e (c) Cúbico de Corpo Centrado (CCC).

Leia mais

ORDEM. Periocidade. SÓLIDO CRISTALINO OU CRISTAL agregado ordenado e periódico de átomos, moléculas ou iões, formando uma estrutura cristalina regular

ORDEM. Periocidade. SÓLIDO CRISTALINO OU CRISTAL agregado ordenado e periódico de átomos, moléculas ou iões, formando uma estrutura cristalina regular Capítulo I ESTRUTURA CRISTALINA DE SÓLIDOS ORDEM curto alcance médio alcance longo alcance Periocidade unidimensional bidimensional tridimensional SÓLIDO CRISTALINO OU CRISTAL agregado ordenado e periódico

Leia mais

Introdução a Engenharia e Ciência dos Materiais

Introdução a Engenharia e Ciência dos Materiais Introdução a Engenharia e Ciência dos Materiais Estrutura Cristalina Prof. Vera L Arantes 2014 25/3/2014 ESTRUTURA CRISTALINA 2 ARRANJO ATÔMICO Por que estudar? As propriedades de alguns materiais estão

Leia mais

Fotografia de vários cristais de fluorita CaF 2 3-0

Fotografia de vários cristais de fluorita CaF 2 3-0 Arranjos Atômicos Fotografia de vários cristais de fluorita CaF 2 3-0 Conceito de Cristalinidade Cristalinidade corresponde a forma de organização da estrutura em um modelo ordenado e repetitivo de longo

Leia mais

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais ESTRUTURA DOS SÓLIDOS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 2º semestre de

Leia mais

PMT Fundamentos de Ciência e Engenharia dos Materiais 2º semestre de 2014

PMT Fundamentos de Ciência e Engenharia dos Materiais 2º semestre de 2014 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais PMT 3100 - Fundamentos de Ciência e Engenharia dos Materiais 2º semestre de 2014 ESTRUTURA DOS SÓLIDOS

Leia mais

Sólidos metálicos. Fe Hg

Sólidos metálicos. Fe Hg Sólidos metálicos Fe Hg Quais são? Metalóides Não-metais Metais Sólidos metálicos partilha de e - s por muitos átomos iguais (muitos átomos e poucos electrões). Energias de ionização baixas. Propriedades

Leia mais

COMPOSTOS IÓNICOS A-B

COMPOSTOS IÓNICOS A-B COMPOSTOS IÓNICOS AB B (baixa E i, logo baixa χ) B B A (alta E i, logo alta χ) 1s 1 Hidrogénio i Metalóides 1s 2 1s 2 Metais alcalinos Não metais 1s 2 2s 1 1s 2 2s 2 Metais alcalino terrosos Gases raros

Leia mais

TP064 - CIÊNCIA DOS MATERIAIS PARA EP. FABIANO OSCAR DROZDA

TP064 - CIÊNCIA DOS MATERIAIS PARA EP. FABIANO OSCAR DROZDA TP064 - CIÊNCIA DOS MATERIAIS PARA EP FABIANO OSCAR DROZDA fabiano.drozda@ufpr.br 1 AULA 03 ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS 2 BREVE REVISÃO AULA PASSADA LIGAÇÕES QUÍMICAS Ligações primárias ou fortes

Leia mais

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada. Profº Vitor de Almeida Silva

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada. Profº Vitor de Almeida Silva ARRANJOS ATÔMICOS Química Aplicada Profº Vitor de Almeida Silva 1. Arranjo Periódico de Átomos SÓLIDO: Constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido;

Leia mais

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03 Parte II

ESTRUTURA DOS SÓLIDOS CRISTALINOS CAP. 03 Parte II UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM ESTRUTURA DOS SÓLIDOS

Leia mais

estrutura atômica cristalino

estrutura atômica cristalino Aula 0b estrutura atômica cristalina ZEA 1038 Ciência e Tecnologia dos Materiais Prof. João Adriano Rossignolo Profa. Eliria M.J.A. Pallone estrutura atômica cristalino 1 CRISTAL ESTRUTURA CRISTALINA Muitos

Leia mais

sacarose Tipos de sólidos Quartzo Diamante Carbonato de sódio NaCl

sacarose Tipos de sólidos Quartzo Diamante Carbonato de sódio NaCl sacarose Tipos de sólidos Quartzo Diamante NaCl Carbonato de sódio Substância T fusão Dureza Solubilidade em Condutividade Condutivida fusão água térmica de elétrica Sacarose 160 o C Baixa Solúvel Baixa

Leia mais

Estrutura Cristalina

Estrutura Cristalina Estrutura Cristalina Para todos os tipos de sólidos (metálicos, iónicos, covalentes ou moleculares), a energia de ligação é máxima para uma distância de equílibrio específica r 0. Um sistema de átomos

Leia mais

Polímeros com Ligações cruzadas

Polímeros com Ligações cruzadas Polímeros com Ligações cruzadas Exemplo: poliisopreno Vulcanização da boracha: aquecimento com enxofre Ligações cruzadas C S S C entre cadeias Organização Molecular Polímero amorfo (geralmente transparentes)

Leia mais

Sólidos metálicos. Fe Hg

Sólidos metálicos. Fe Hg Sólidos metálicos Fe Hg Quais são? Metalóides Não-metais Metais Sólidos metálicos partilha de e - s por muitos átomos iguais (muitos átomos e poucos electrões). Energias de ionização baixas. Propriedades

Leia mais

Á Ç ó á ç

Á Ç ó á ç Á Ç ó á ç É í é çã ô ã â ã á ç õ é á õ é ê ã ê çã õ ê ú õ ê ó ó ó ó ã é à çã ê é ê í é ã ó ã á ç í á é ã ó é á ó ó á ó á ã ó ã ã çã ó ê ó ê á ô ô ã ã çã ô çã ô í ê ó á ó ê çõ ê é á ê á á ç ó í çã ó ã é

Leia mais

Introdução aos Materiais A Estrutura em Sólidos Cristalinos Metais DEMEC TM229 Prof. Adriano Scheid

Introdução aos Materiais A Estrutura em Sólidos Cristalinos Metais DEMEC TM229 Prof. Adriano Scheid Introdução aos Materiais A Estrutura em Sólidos Cristalinos Metais DEMEC TM229 Prof. Adriano Scheid Introdução: Diversas propriedades dos sólidos estão relacionadas à Estrutura Cristalina. Não somente

Leia mais

Teoria do Campo Cristalino

Teoria do Campo Cristalino Ligação química em compostos de coordenação Teoria do Campo Cristalino Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira, capítulo Teoria do Campo Cristalino A teoria do Campo Cristalino, pode ser útil

Leia mais

30 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 3 ESTRUTURA CRISTALINA

30 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 3 ESTRUTURA CRISTALINA IFRS - Mestrado em Tecnologia e Engenharia de Materiais DISCIPLINA: Ciência dos Materiais PROFESSOR: Juliano Toniollo ALUNO: PAULO CESAR FRITZEN 30 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 3 ESTRUTURA CRISTALINA

Leia mais

Capítulo 6 Estrutura dos materiais

Capítulo 6 Estrutura dos materiais Capítulo Estrutura dos materiais. O Molibdénio (Mo) apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC) sendo o seu raio atómico 0, nm. O peso atómico do Mo é 95,94 g/mol e a sua densidade é

Leia mais

1.1 Metais e Ligas Metálicas. Um outro olhar sobre a Tabela Periódica dos Elementos

1.1 Metais e Ligas Metálicas. Um outro olhar sobre a Tabela Periódica dos Elementos 1.1 Metais e Ligas Metálicas Um outro olhar sobre a Tabela Periódica dos Elementos Os elementos metálicos na Tabela Periódica (blocos s, p, d, f) Uma representação é o agrupamento dos elementos em blocos,

Leia mais

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker Estrutura de Sólidos Cristalinos Profa. Dra Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 3, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais,

Leia mais

ES 542 Tratamentos Térmicos. Professor: Felipe Bertelli Site :

ES 542 Tratamentos Térmicos. Professor: Felipe Bertelli   Site : ES 542 Tratamentos Térmicos Professor: Felipe Bertelli E-mail: febertelli@fem.unicamp.br Site : www.gps.dema.fem.unicamp.br Pré-requisito para a disciplina: ter cursado a disciplina ES 242 Materiais de

Leia mais

Reações de identificação dos cátions dos grupos 1 e 2

Reações de identificação dos cátions dos grupos 1 e 2 Reações de identificação dos cátions dos grupos 1 e 2 Na, K e NH 4 São os maiores cátions do período que pertencem, possuem carga pequena e estrutura de gás nobre. O íon amônio está incluído porque apresenta

Leia mais

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3.1 - CALAGEM Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina A quantidade de corretivo de acidez a ser usada varia conforme o Índice SMP determinado na análise do solo e a dose

Leia mais

Exercícios de Programação e Computação para Arquitectura

Exercícios de Programação e Computação para Arquitectura Exercícios de Programação e Computação para Arquitectura António Menezes Leitão Aula 5 1 Introdução Um Tholos é um edifício composto por uma base circular e por um conjunto de colunas dispostas de forma

Leia mais

Cones, cilindros, esferas e festividades, qual a ligação?

Cones, cilindros, esferas e festividades, qual a ligação? Cones, cilindros, esferas e festividades, qual a ligação? Helena Sousa Melo hmelo@uac.pt Professora do Departamento de Matemática da Universidade dos Açores Publicado no jornal Correio dos Açores em 5

Leia mais

Susana Sequeira Simão

Susana Sequeira Simão Susana Sequeira Simão Dissertação apresentada à Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, para a obtenção do grau de Mestre em Energia e Bioenergia Orientador: Doutor Pedro Abelha

Leia mais

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Uvas Finas de Mesa: PI-Uva. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE:

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Uvas Finas de Mesa: PI-Uva. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produção Integrada de Uvas Finas de Mesa: PI-Uva CADERNO DE CAMPO Informações da Parcela Seção 2 Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: Telefone:

Leia mais

Defeitos cristalinos. (monocristais) Ponto. Superfície

Defeitos cristalinos. (monocristais) Ponto. Superfície [7] Defeitos cristalinos 1> Ligações atômicas propriedades resistência teórica (monocristais) causa da discrepância > resistência experimental defeitos cristalinos Ponto Defeitos cristalinos Linha Superfície

Leia mais

Entrelinha 1,5. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Entrelinha 1,5. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Matemática Entrelinha 1,5 Teste Intermédio Matemática Entrelinha 1,5 (Versão única igual à Versão 1) Duração do Teste: 90 minutos 10.05.2012 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º

Leia mais

Versão 2. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Matemática Versão Teste Intermédio Matemática Versão Duração do Teste: 90 minutos 10.05.01 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/001, de 18 de janeiro Identifica claramente, na

Leia mais

EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS

EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Departamento de Ciências Básicas e Sociais - DCBS Disciplina Química Experimental QEX Prof. Sivaldo Leite Correia EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Temática: Teoria das ligações químicas e estrutura dos complexos e quelatos

Temática: Teoria das ligações químicas e estrutura dos complexos e quelatos Aula: 14 Temática: Teoria das ligações químicas e estrutura dos complexos e quelatos Teoria das ligações químicas e estrutura dos complexos e quelatos. Verifica-se que a estrutura dos complexos e quelatos

Leia mais

Aula 02 (Revisão): Ligação Química e Estruturas Cristalinas

Aula 02 (Revisão): Ligação Química e Estruturas Cristalinas Aula 02 (Revisão): Ligação Química e Estruturas Cristalinas Prof. Dr. André Luiz Molisani Curso de Engenharia de Materiais e-mail: andre.molisani@fsa.br 2017 1 MATERIAL RECOMENDADO PARA ESTUDO: Capítulo

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DOS GASES NOBRES ÁTOMOS ESTÁVEIS E ISOLADOS

CONFIGURAÇÃO DOS GASES NOBRES ÁTOMOS ESTÁVEIS E ISOLADOS CONFIGURAÇÃO DOS GASES NOBRES ÁTOMOS ESTÁVEIS E ISOLADOS CONCEITO DE LIGAÇÃO IÔNICA UNIÃO ENTRE ÁTOMOS METÁLICOS E AMETÁLICOS OXIDAÇÃO ESTABILIZAÇÃO DO METAL REDUÇÃO ESTABILIZAÇÃO DO AMETAL LIGAÇÃO IÔNICA

Leia mais

Município. 4-5 (Pré-escola) Município e Estado em colaboração. Ensino Fundamental (duração de 9 anos) Ensino Médio (duração de 3 anos)

Município. 4-5 (Pré-escola) Município e Estado em colaboração. Ensino Fundamental (duração de 9 anos) Ensino Médio (duração de 3 anos) ETAPA FAIXA ETÁRIA COMPETÊNCIA Educação Infantil 0-3 (Creche) 4-5 (Pré-escola) Município Ensino Fundamental (duração de 9 anos) 6-14 anos Município e Estado em colaboração Ensino Médio (duração de 3 anos)

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS º 2º 3º 4º 5º 6º 7º (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z ÇÃ ódigo escrição nid. ódigo escrição nid. Ç 1001.01 Ç 13 16 (1/4 5/16) Ç 1001.02 Ç 19 25 (1/2 3/4) Ç 1001.03 Ç 1/2 / Ç 1001.04 Ç Ã 1/2 / Ç Á 1002.01 Á Ç 1002.02 Á Ç 1002.03 Á Ç 1003.01 / Ê Ç 1003.02 /

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q13 Massa molar e mol

Química. Resolução das atividades complementares. Q13 Massa molar e mol Resolução das atividades complementares 1 Química Q13 Massa molar e mol p. 75 1 (Univali-SC) A urina apresenta 5% de água e 5% de substâncias orgânicas e inorgânicas dissolvidas. Em um litro de urina,

Leia mais

Introdução Moléculas se atraem líquido (atração = força) forças propriedades explicam as diferenças entre os materiais.

Introdução Moléculas se atraem líquido (atração = força) forças propriedades explicam as diferenças entre os materiais. CAPÍTULO 5 LÍQUIDOS E SÓLIDOS FORÇAS INTERMOLECULARES ESTRUTURA DE LÍQUIDOS ESTRUTURA DE SÓLIDOS IMPACTO SOBRE OS MATERIAIS :METAIS IMPACTO SOBRE OS MATERIAIS; SÓLIDOS NÃO METÁLICOS Introdução Moléculas

Leia mais

Encontro 6: Áreas e perímetros - resolução de exercícios

Encontro 6: Áreas e perímetros - resolução de exercícios Encontro 6: Áreas e perímetros - resolução de exercícios Recapitulando... Área de um triângulo retângulo Área de um paralelogramo Á. 2 Á. Todos os paralelogramos de mesma base e mesma altura possuem áreas

Leia mais

Forças intermoleculares

Forças intermoleculares Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio Forças intermoleculares Ligação de hidrogênio As ligações de hidrogênio são responsáveis pela: Flutuação do gelo

Leia mais

Ligações covalentes múltiplas

Ligações covalentes múltiplas Formação de ligações covalentes por sobreposição de orbitais atômicos Sobreposição frontal de orbitais Ligação covalente σ (sigma) Sobreposição lateral de orbitais Ligação covalente π (pi) A molécula do

Leia mais

Em quais das passagens destacadas a seguir está ocorrendo uma transformação química?

Em quais das passagens destacadas a seguir está ocorrendo uma transformação química? Atividade extra Questão 1 Adaptado de UFPE Em quais das passagens destacadas a seguir está ocorrendo uma transformação química? 1. O reflexo de luz nas águas onduladas pelos ventos lembrava-lhe os cabelos

Leia mais

INTRODUÇÃO À FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO

INTRODUÇÃO À FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO FÍSICA PARA ENGENHARIA ELÉTRICA José Fernando Fragalli Departamento de Física Udesc/Joinville INTRODUÇÃO À FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO É errado pensar que a tarefa da física é descobrir como a natureza é.

Leia mais

Física da Matéria Condensada

Física da Matéria Condensada Física da Matéria Condensada II Redes e estruturas cristalinas 1. Indique a rede subjacente aos desenhos das figuras 1 e 2. Encontre três conjuntos de vectores fundamentais primitivos para a fig. 1 e dois

Leia mais

1. ESTRUTURAS CRISTALINAS

1. ESTRUTURAS CRISTALINAS 1. ESTRUTURAS CRISTALINAS 1.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Materiais sólidos podem ser classificados de acordo com a regularidade com a qual os átomos ou íons se arranjam entre si. Um material cristalino é aquele

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais 2º semestre de Informações e instruções para a resolução da prova

Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais 2º semestre de Informações e instruções para a resolução da prova Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais 2º semestre de 2015 Informações e instruções para a resolução da prova 1. A prova deve ser realizada sem consulta; 2. A duração da prova é

Leia mais

MATEMÁTICA II LISTA DE GEOMETRIA PLANA - III

MATEMÁTICA II LISTA DE GEOMETRIA PLANA - III MATEMÁTICA II LISTA DE GEOMETRIA PLANA - III 0 Dois círculos de centros A e B são tangentes exteriormente e tangenciam interiormente um círculo de centro C. Se AB = cm, AC = 7 cm e BC = 3 cm, então o raio

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Física ª Fase Prova para alunos de 3º ano

Olimpíada Brasileira de Física ª Fase Prova para alunos de 3º ano Leia atentamente as instruções abaixo antes de iniciar a prova: 1 Esta prova destina-se exclusivamente a alunos de 3 o ano. 2 A prova contem vinte questões. 3 Cada questão contem cinco alternativas, das

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina QMF110 Química Analítica I

Programa Analítico de Disciplina QMF110 Química Analítica I 0 Programa Analítico de Disciplina Campus de Florestal - Campus de Florestal Número de créditos: 6 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 6 Períodos - oferecimento: I Carga

Leia mais

3 a Questão (teórica) Considerando o dimensionamento clássico da área de armadura, podem existir casos que necessitem de uma linha neutra β x?

3 a Questão (teórica) Considerando o dimensionamento clássico da área de armadura, podem existir casos que necessitem de uma linha neutra β x? 2 a rovadeedi-38concretoestruturali rof. Flávio Mendes Neto Outubro de 2009 Sem consulta. A interpretação das questões faz parte da prova. Justifique cientificamente suas afirmações e comente, criticamente,

Leia mais

Sulfureto (S2-) Catiões (alguns exemplos, raio dado em 10-8 cm) 1,81 1,84. 2) Semi-metais (Ar, arsénio, Bi, bismuto, Sb, antimónio) Grafite (C)

Sulfureto (S2-) Catiões (alguns exemplos, raio dado em 10-8 cm) 1,81 1,84. 2) Semi-metais (Ar, arsénio, Bi, bismuto, Sb, antimónio) Grafite (C) Classificação Aniões (alguns exemplos) A classificação dos minerais baseia-se na sua composição química, nomeadamente no anião ou grupo aniónico dominante Óxido (O2-) o mais abundante! 1,40 Sulfureto (S2-)

Leia mais

Sólidos iônicos. Classificações de solidos iônicos pela razão radial razão radial = raio do íon menor dividido pelo raio do íon maior

Sólidos iônicos. Classificações de solidos iônicos pela razão radial razão radial = raio do íon menor dividido pelo raio do íon maior Sólidos iônicos Sólidos iônicos são construídos pela atração mútua de cátions a ânions. Sólidos reticulares consistem de átomos ligados aos seus vizinhos covalentemente através da extensão do sólido. Sólidos

Leia mais

MATERIAIS CERÂMICOS E POLIMÉRICOS

MATERIAIS CERÂMICOS E POLIMÉRICOS MATERIAIS CERÂMICOS E POLIMÉRICOS Curso: Engenharia Mecânica - Terceiro Semestre Letivo Período: Primeiro Semestre 2010 Carga Horária: 60 horas Docente: Prof. Dr. Wagner M. Pachekoski MATERIAIS CERÂMICOS:

Leia mais

RESOLUÇÃO. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior Técnico. Ciência de Materiais 1º Teste (21.Abril.2012)

RESOLUÇÃO. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior Técnico. Ciência de Materiais 1º Teste (21.Abril.2012) Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Ciência de Materiais 1º Teste (21.Abril.2012) RESOLUÇÃO Pergunta Cotação 1. (a) 0,50 1. (b) 0,50 1. (c) 0,50 1. (d) 0,50 1. (e) 0,50 1. (f) 0,50

Leia mais

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE:

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produção Integrada de Manga PI-Manga CADERNO DE CAMPO Informações da Parcela Seção 2 Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: Telefone: ( ) Fax:( )

Leia mais

Exercícios de Equilíbrio Iônico II

Exercícios de Equilíbrio Iônico II Exercícios de Equilíbrio Iônico II 1. Com relação às funções inorgânicas, assinale a alternativa incorreta. a) O acetato de sódio é um sal de características básicas, pois é resultante da reação entre

Leia mais

Cálcio. Calcium sólido. Ponto de ebulição. Peso atômico 40,078. Velocidade do som. Densidade. Carbono. Carbon sólido. Número atômico 3642!

Cálcio. Calcium sólido. Ponto de ebulição. Peso atômico 40,078. Velocidade do som. Densidade. Carbono. Carbon sólido. Número atômico 3642! Alumínio Al Aluminium sólido 13 660,32 2,375 As 2519 5,22 615! 10,811 2,08 3,515 Cl Boron sólido 5 2076 3927 16.200 3810 35,453 1,5625 51,9961 6,3 Co 27 58,933195 18.350-101,5 7,75-34,04 2671 5940 1495

Leia mais

INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES

INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES Solos dos cerrados são originalmente deficientes em micronutrientes; O aumento da produtividade com > remoção de micronutrientes; A incorporação inadequada

Leia mais

Versão 1. Identifica claramente, na folha de respostas, a versão do teste (1 ou 2) a que respondes.

Versão 1. Identifica claramente, na folha de respostas, a versão do teste (1 ou 2) a que respondes. Teste Intermédio de Matemática Versão 1 Teste Intermédio Matemática Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 17.0.011 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/001, de 18 de Janeiro Identifica claramente,

Leia mais

(Unifor CE/1999/Julho) Considere caixas iguais com a forma de um prisma retangular como a representada na figura.

(Unifor CE/1999/Julho) Considere caixas iguais com a forma de um prisma retangular como a representada na figura. (UEPB PB/005) Para se fabricar uma caixa de sabão em pó com 5 cm de altura, 16 cm de largura e 5 cm comprimento serão necessários quantos cm de papelão? a) 1 10 b) 1 100 c) 605 d) 550 e) 1 500 (Unifor

Leia mais

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas PMT-2402 Metalografia e Tratamentos Térmicos dos Metais Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas André Paulo Tschiptschin Histórico Primeiro metal a ser utilizado pelo homem Facas de cobre

Leia mais

Propriedades Magnéticas dos Materiais

Propriedades Magnéticas dos Materiais . Propriedades Magnéticas dos Materiais Os materiais magnéticos são utilizados em inúmeras aplicações: motores eléctricos, geradores armazenamento de informação (quer como suporte da informação (fitas

Leia mais

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

RESUMO DE ELETROQUÍMICA.

RESUMO DE ELETROQUÍMICA. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2 anos TURMA(S):

Leia mais

Defeitos cristalográficos e deformação. Rui Vilar Professor Catedrático Instituto Superior Técnico

Defeitos cristalográficos e deformação. Rui Vilar Professor Catedrático Instituto Superior Técnico Defeitos cristalográficos e deformação Rui Vilar Professor Catedrático Instituto Superior Técnico 1 Defeitos em sólidos Não existem cristais perfeitos O que são defeitos cristalográficos? Qual a sua importância?

Leia mais

Ionização Ácido é toda substância que em solução aquosa libera íon H +

Ionização Ácido é toda substância que em solução aquosa libera íon H + Ácidos Ionização Ácido é toda substância que em solução aquosa libera íon H + Equação de Ionização de ácidos: HCl H + + Cl - H 2 SO 4 2H + + SO 4-2 H 3 PO 4 3H + + PO 4-3 Classificação a)quanto ao número

Leia mais

Telefonia Celular. Renato Machado

Telefonia Celular. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Agosto de 2011 Sumário 1 2 3 4 Idealmente, assumindo

Leia mais

AULA LAB 03 ELEMENTOS PASSIVOS (R, L E C) EM CORRENTE ALTERNADA 2 DEFASAGEM ENTRE TENSÃO E CORRENTE NOS ELEMENTOS PASSIVOS

AULA LAB 03 ELEMENTOS PASSIVOS (R, L E C) EM CORRENTE ALTERNADA 2 DEFASAGEM ENTRE TENSÃO E CORRENTE NOS ELEMENTOS PASSIVOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Retificadores (ENG - 20301) AULA LAB 03 ELEMENTOS PASSIVOS (R, L E C) EM CORRENTE ALTERNADA 1 INTRODUÇÃO Nesta aula de

Leia mais

COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO de Metais de Transição

COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO de Metais de Transição COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO de Metais de Transição 1 Metais de transição na Tabela Periódica [Ar]3d 1 4s 2 [Ar]3d 10 4s 2 Configuração electrónica e outras propriedades dos metais da 1ª série de transição

Leia mais

Coordenadas. Prof. Jorge Meléndez

Coordenadas. Prof. Jorge Meléndez Coordenadas Bibliography: Any book (or chapter) on astronomical coordinates. Slides from Prof. Roberto Boczko + myself (Elementos de Astronomia): http://www.astro.iag.usp.br/~jorge/aga205/ Prof. Jorge

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa Departamento de Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1. Estruturas dos sólidos cristalinos

Universidade Estadual de Ponta Grossa Departamento de Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1. Estruturas dos sólidos cristalinos Universidade Estadual de Ponta Grossa Departamento de Engenharia de Materiais Disciplina: Ciência dos Materiais 1 Estruturas dos sólidos cristalinos 1º semestre / 2016 Estruturas dos sólidos cristalinos

Leia mais

1.1 Conceitos em nutrição de plantas. Outros elementos químicos de interesse na nutrição vegetal.

1.1 Conceitos em nutrição de plantas. Outros elementos químicos de interesse na nutrição vegetal. 1. CONCEITOS 1.1 Conceitos em nutrição de plantas. 1.2 Conceito de nutrientes e critérios de essencialidade. 1.3 Composição relativa das plantas. Outros elementos químicos de interesse na nutrição vegetal.

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Ácido-Base Parte III

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Ácido-Base Parte III PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Ácido-Base Parte III Kw = [H + ][OH - ] = 1,0x10-14 (a 25 o C) Sólido Fórmula Kps Carbonato de Bário BaCO 3 4,9x10-9 Carbonato de Cádmio CdCO 3 2,5 x 10-14 Carbonato

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Disciplina: Série: ª - Ensino Médio Professor: Elias Atividades para Estudos Autônomos Data: 8 / 3 / 016 QUESTÃO 1 (UEMG) O desenho ao lado representa uma caixa de madeira

Leia mais

Química Acácio Ferreira Exercícios

Química Acácio Ferreira Exercícios 1 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br 01 (Idecan/CNEN/Técnico em Química/2014) No processo de desintegração do 210 Pb é formado o 210 Bi. É correto afirmar que A) envolve a radiação

Leia mais

+1 2 Nox +1 2 Carga Nox +7 8 Carga

+1 2 Nox +1 2 Carga Nox +7 8 Carga 01 Cl 2 Cl Nox = 0 Nox = 1 Cl O +1 2 Nox +1 2 Carga Cl O 4 +7 2 Nox +7 8 Carga Resposta: Respectivamente zero, 1, +1, +7. 1 02 a) NH 4 NO 3 NH 4 + cátion + NO 3 ânion N H 4 + 3 +1 Nox 3 +4 Carga N O 3

Leia mais

REVISÃO UNICAMP Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini

REVISÃO UNICAMP Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini REVISÃO UNICAMP Ensino Médio Geometria Prof. Sérgio Tambellini Aluno :... GEOMETRIA PLANA Questão 1 - (UNICAMP SP/015) A figura abaixo exibe um círculo de raio r que tangencia internamente um setor circular

Leia mais

Química Analítica Avançada. Volumetria de Complexação Parte 2

Química Analítica Avançada. Volumetria de Complexação Parte 2 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química Química Analítica Avançada Volumetria de Complexação Parte 2 Lilian Silva Juiz de Fora, 2011 Curvas de titulação

Leia mais

Caderno 1: 35 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora)

Caderno 1: 35 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora) Prova Final de Matemática 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 92/2.ª Chamada Caderno 1: 7 Páginas Duração da Prova (CADERNO 1 + CADERNO 2): 90 minutos. Tolerância:

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2003 / 2004 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO IDENTIFICAÇÃO NÚMERO DE INSCRIÇÃO: NOME COMPLETO :

CONCURSO DE ADMISSÃO 2003 / 2004 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO IDENTIFICAÇÃO NÚMERO DE INSCRIÇÃO: NOME COMPLETO : COLÉGIO MILITAR DE ELO HORIZONTE ELO HORIZONTE MG DE OUTURO DE 00 DURAÇÃO: 0 MINUTOS CONCURSO DE ADMISSÃO 00 / 00 PROVA DE MATEMÁTICA ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO IDENTIFICAÇÃO NÚMERO DE INSCRIÇÃO: NOME COMPLETO

Leia mais

Dependendo da habilidade do material em deformar plasticamente antes da fratura, dois tipos de fratura pode ocorrer: Dúctil Frágil.

Dependendo da habilidade do material em deformar plasticamente antes da fratura, dois tipos de fratura pode ocorrer: Dúctil Frágil. Fratura Separação do material devido a tensão aplicada, numa temperatura abaixo do ponto de fusão. Passos da fratura: Formação da trinca Propagação da trinca Dependendo da habilidade do material em deformar

Leia mais

REAÇÕES DE OXIDAÇÃO-REDUÇÃO. O oxigénio diminui a sua carga de zero para -2, através do ganho de 2 eletrões.

REAÇÕES DE OXIDAÇÃO-REDUÇÃO. O oxigénio diminui a sua carga de zero para -2, através do ganho de 2 eletrões. REAÇÕES DE OXIDAÇÃO-REDUÇÃO REAÇÃO DE REDUÇÃO Nesta reação há uma diminuição da carga (número de oxidação) do elemento. 1 2 O - 2-2 2 e O O oxigénio diminui a sua carga de zero para -2, através do ganho

Leia mais

Hidratação do Cimento

Hidratação do Cimento Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Hidratação do Cimento Prof. Mayara Moraes Custódio Pega x Endurecimento Pega: período de fenômenos químicos em que ocorrem desprendimento de calor

Leia mais

Estudo do átomo de carbono (Hibridização), Estrutura de Lewis, Carga formal. Aula 2

Estudo do átomo de carbono (Hibridização), Estrutura de Lewis, Carga formal. Aula 2 Universidade Federal de Ouro Preto Estudo do átomo de carbono (Hibridização), Estrutura de Lewis, Carga formal Aula 2 Flaviane Francisco Hilário 1 1 Estudo do átomo de carbono 1.1 - Configuração eletrônica

Leia mais

GEOL Soluções sólidas. Adriana Alves

GEOL Soluções sólidas. Adriana Alves GEOL 3056 Soluções sólidas Adriana Alves Variação composicional em minerals Ler Klein (2002) p.90-94 Minerais raramente são substâncias puras. A maioria exibe grande variação ccomposicional Variação se

Leia mais

QUESTÕES. 1. Complete a tabela com os Números de Oxidação das espécies químicas: Espécie Química

QUESTÕES. 1. Complete a tabela com os Números de Oxidação das espécies químicas: Espécie Química 2º EM Química B Natalia Av. Dissertativa 30/03/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Caderno 1: 35 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora)

Caderno 1: 35 minutos. Tolerância: 10 minutos. (é permitido o uso de calculadora) Prova Final de Matemática 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/01, de 5 de julho Prova 9/1.ª Chamada Caderno 1: 7 Páginas Duração da Prova (CADERNO 1 + CADERNO ): 90 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA. Uruguaiana, maio de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA. Uruguaiana, maio de 2016. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Uruguaiana, maio de 2016. 1 Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo

Leia mais

Teoria da ligação de valência

Teoria da ligação de valência Teoria da ligação de valência Prof. Leandro Zatta Prof. Leandro Zatta 1 Prof. Leandro Zatta 2 RPENV Maneira simples Lewis Quântica Orbitais atômicos TLV Prof. Leandro Zatta 3 Teoria de ligação de valência

Leia mais

SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA.

SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA. SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA. QUESTÕES Exercícios de Eletroquímica. 01) Dos fenômenos indicados a seguir, agrupe os que constituem uma oxidação e os que constituem uma redução: a) Mg

Leia mais

Matemática º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-lei 3/2008 de 7 de janeiro) 1.Introdução. 2.Objeto de avaliação. 3.Caracterização da prova

Matemática º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-lei 3/2008 de 7 de janeiro) 1.Introdução. 2.Objeto de avaliação. 3.Caracterização da prova INFORMAÇÃO PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA Matemática 017 Prova 8.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-lei /008 de 7 de janeiro) 1.Introdução O presente documento divulga informação relativa à prova final a

Leia mais

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES LIQUIDA (SOLUÇÃO DO SOLO) ÍONS INORGÂNICOS E ORGÂNICOS/MICROPOROS SÓLIDA - RESERVATORIO DE NUTRIENTES - SUPERFÍCIE QUE REGULA A CONCENTRAÇÃO DOS ELEMENTOS NA SOLUÇÃO

Leia mais

Teoria das Bandas. Energia de Coesão e Propriedades. Grau de preenchimento da banda vs. Ordem de ligação

Teoria das Bandas. Energia de Coesão e Propriedades. Grau de preenchimento da banda vs. Ordem de ligação Sumário 13 Metais 1 Teoria das Bandas. Energia de Coesão e Propriedades Hidrogénio metálico TOM/CLOA aplicada aos metais Energia de coesão vs. Energia de ligação Grau de preenchimento da banda vs. Ordem

Leia mais

Matemática - 3C12/14/15/16/26 Lista 2

Matemática - 3C12/14/15/16/26 Lista 2 Matemática - 3C12/14/15/16/26 Lista 2 Poliedros Convexos 1) Determine qual é o poliedro convexo e fechado que tem 6 vértices e 12 arestas. 2) Determine o nº de vértices de dodecaedro convexo que tem 20

Leia mais