CAPACITAÇÃO EM ACESSIBILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPACITAÇÃO EM ACESSIBILIDADE"

Transcrição

1 CAPACITAÇÃO EM ACESSIBILIDADE OBJETIVO GERAL Fornecer metodologia com o objetivo de capacitar profissionais e agentes sociais para atuarem na fiscalização, planejamento e implantação da Acessibilidade nos Estados e Municípios Brasileiros. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Explicar e discutir os principais conceitos relacionados com o tema acessibilidade e sua aplicabilidade prática. Evidenciar as potencialidades de locais acessíveis versus as dificuldades diárias encontradas por pessoas com deficiência e mobilidade reduzida ao circularem pelos espaços urbanos e em suas edificações. Apontar as diferentes soluções para as variadas capacidades e habilidades das pessoas. 1

2 METODOLOGIA Parte I - Atividades expositivas para exemplificar soluções em acessibilidade: PAINEL 01 Acessibilidade, Panorama e Tendências. Aula 01/1 - Sensibilização sobre o tema, definições e conceitos. Aula 01/2 Arranjo Institucional - Programas e Planos Nacionais. PAINEL 02 Marco Legal. Aula 02 / 1 Introdução sobre o Marco Legal Aula 02 / 2 - Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Aula 02 / 3 Decreto Federal nº Decreto da Acessibilidade PAINEL 03 Normas Brasileiras de Acessibilidade da ABNT Aula 03 / 1 - Edificações e Meios Aula 03 / 2 Transporte com Acessibilidade Aula 03 / 3 - Acessibilidade na Comunicação e Prestação de Serviços PAINEL 04 Acessibilidade Boas Práticas Aula 04 / 1 - Acessibilidade nos Meio Físico Aula 04 / 2 - Acessibilidade nos Transportes Aula 04 / 3 - Acessibilidade na Comunicação e Prestação de Serviços Aula 04 / 4 - Acessibilidade na Informação PAINEL 05 Ajudas Técnicas Aula 05 - Ajudas técnicas Parte II Oficina de trabalho em grupo para alcance de resultados práticos com vivências e debates. Apresentação da metodologia, descrição da atividade e do trabalho final Depoimentos e Visitas Formação de grupos de trabalho; Participação de pessoas com deficiência (depoimentos e visitas) Laudo e Apresentação Final dos Trabalhos dos Grupos. Definição de Rotas a serem percorridas por cada grupo; Realização de Laudo de Acessibilidade para os espaços visitados. 2

3 CONTEÚDO PARA CAPACITAÇÃO EM ACESSIBILIDADE 3

4 SUMÁRIO 1. ACESSIBILIDADE, PANORAMA E TENDÊNCIAS. 1.1 DEFINIÇÕES E CONCEITOS Direitos Humanos Diversidade Humana - Classificação das Deficiências Acessibilidade Desenho Universal Sustentabilidade Mobilidade Urbana Barreiras Rota Acessível Ajudas Técnicas 1.2 ARRANJO INSTITUCIONAL Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência 1.3 PROGRAMAS E PLANOS NACIONAIS Programa de Aceleração do Crescimento - PAC Programa Nacional de Direitos Humanos - PNDH 3 Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência Viver sem Limite Politica Nacional de Mobilidade Urbana Programa Nacional de Mobilidade e Acessibilidade Urbana em Áreas Tombadas Programa de Acessibilidade da Justiça Eleitoral 2. MARCO LEGAL 2.1 Normas Constitucionais 2.2 Legislação Federal 2.3 Outros Instrumentos de Planejamento 3. NORMAS BRASILEIRAS DE ACESSIBILIDADE DA ABNT 3.1 Edificações e Meios 3.2 Transporte 3.3 Comunicação e Prestação de Serviços 4. ACESSIBILIDADE Boas Práticas 4.1 Acessibilidade nos Espaços Físicos 4.2 Acessibilidade nos Transportes 4.3 Acessibilidade na Comunicação e Prestação de Serviços 4.4 Acessibilidade na Informação 5. AJUDAS TÉCNICAS 4

5 1. ACESSIBILIDADE, PANORAMA E TENDÊNCIAS. 1.1 DEFINIÇÕES E CONCEITOS Direitos Humanos Os princípios históricos dos direitos humanos são orientados pela afirmação do respeito ao outro e pela busca permanente da paz. Paz que, em qualquer contexto, sempre tem seus fundamentos na justiça, na igualdade e na liberdade. 1 Toda pessoa tem direitos inerentes à sua natureza humana, sendo respeitada sua dignidade e garantida a oportunidade de desenvolver seu potencial de forma livre, autônoma e plena. Os direitos humanos também são irrevogáveis, intransferíveis e irrenunciáveis. Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. Declaração Universal dos Direitos Humanos DUDH. 2 Adotada pelas Nações Unidas em 1948, a DUDH reúne todos os direitos considerados básicos. É a mais importante e ampla de todas as declarações das Nações Unidas e uma fonte de inspiração fundamental para os esforços nacionais e internacionais destinados a promover e a proteger os direitos humanos e as liberdades fundamentais. Ela definiu a orientação para todo o trabalho subsequente no campo dos direitos humanos e proporcionou as bases filosóficas de muitos instrumentos internacionais juridicamente vinculativos que visam proteger os direitos e as liberdades por ela proclamados. 3 Conhece-se como Carta Internacional dos Direitos Humanos à união desta Declaração e dos diversos pactos internacionais de direitos humanos acordados entre diversos países. O reconhecimento e a incorporação dos Direitos Humanos no ordenamento social, político e jurídico brasileiro resultam de um processo de conquistas históricas, que se materializaram na Constituição de ¹ A Carta Constitucional de 1988 inclui entre os fundamentos do Estado brasileiro a cidadania e a dignidade da pessoa humana, estabelecendo como objetivo primordial a construção de uma sociedade livre, justa e solidária, além de comprometer-se com o desenvolvimento nacional, a erradicação da pobreza, redução das desigualdades sociais e regionais e a promoção do bem-estar de todos, sem preconceitos ou discriminação de 1 Programa Nacional de Direitos Humanos PNDH 3 (http://portal.mj.gov.br/sedh/pndh3/pndh3.pdf) 2 Declaração Universal de Direitos Humanos (http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001394/139423por.pdf) 3 Ficha Informativa Sobre Direitos Humanos n.º 2 das Nações Unidas (http://direitoshumanos.gddc.pt/pdf/ficha_informativa_2.pdf) 5

6 qualquer tipo. Ela obriga o país a reger suas relações internacionais pela prevalência dos Direitos Humanos. Os anos seguintes à promulgação da Constituição foram riquíssimos, uma bem-sucedida articulação entre sociedade civil, parlamentares e organizações internacionais resultou na aprovação de leis históricas: o Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA, o Sistema Único de Saúde - SUS, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB, entre outras. 4 As diretrizes nacionais que orientam a atuação do poder público no âmbito dos Direitos Humanos foram desenvolvidas a partir de 1996, ano de lançamento do primeiro Programa Nacional de Direitos Humanos PNDH. O Programa foi revisado e atualizado em 2002, sendo ampliado com a incorporação dos direitos econômicos, sociais e culturais. A terceira versão do Programa Nacional de Direitos Humanos PNDH-3 de 2010 representa um passo largo no processo histórico de consolidação das orientações para concretizar a promoção dos Direitos Humanos no Brasil. Entre seus avanços destaca-se, a transversalidade e interministerialidade de suas diretrizes, de seus objetivos estratégicos e de suas ações programáticas, na perspectiva da universalidade, indivisibilidade e interdependência dos direitos. 5 Diversidade Humana I - Pessoa com Deficiência É aquela que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdades de condições com as demais pessoas. II - Pessoa com Mobilidade Reduzida, É aquela que, não se enquadrando no conceito de pessoa com deficiência, tenha, por qualquer motivo, dificuldade de movimentar-se, permanente ou temporariamente, gerando redução efetiva da mobilidade, flexibilidade, coordenação motora e percepção. São pessoas com idade igual ou superior a sessenta anos, gestantes, lactantes e pessoas com criança de colo entre outras PNDH 3, Introdução, Ministro Paulo Vannuchi 6

7 Classificação das Deficiências Deficiência Física: alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções; Deficiência Auditiva: perda bilateral, parcial ou total, de 41 decibéis (db) ou mais, aferida por audiograma nas frequências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz; Deficiência Visual: cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; a baixa visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60º; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores; Deficiência Intelectual: funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos 18 anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como: comunicação; cuidado pessoal; habilidades sociais; utilização dos recursos da comunidade; saúde e segurança; habilidades acadêmicas; lazer; e trabalho. Deficiência Múltipla: associação de duas ou mais deficiências. Desenho Universal Significa a concepção de produtos, ambientes, programas e serviços a serem usados, na maior medida possível, por todas as pessoas, sem necessidade de adaptação ou projeto específico. O "Desenho Universal" não excluirá as ajudas técnicas para grupos específicos de pessoas com deficiência, quando necessárias. 19 Os princípios do Desenho Universal são: Equiparação nas possibilidades de uso o desenho é útil e comercializável para as pessoas com habilidades diferenciadas; Flexibilidade no uso o desenho atende a uma ampla gama de indivíduos, preferências e habilidades: 7

8 Uso simples e intuitivo o uso do desenho é de fácil compreensão, independentemente de experiência, nível de formação, conhecimento do idioma ou da capacidade de concentração do usuário; Captação da informação o desenho comunica eficazmente, ao usuário, as informações necessárias, independentemente de sua capacidade sensorial ou das condições ambientais; Tolerância ao erro o desenho minimiza o risco e as consequências adversas de ações involuntárias ou imprevistas; Mínimo esforço físico o desenho pode ser utilizado com um mínimo de esforço, de forma eficiente e confortável; Dimensão e espaço para uso e interação o desenho oferece espaços e dimensões apropriados para interação, alcance, manipulação e uso, independentemente de tamanho, postura ou mobilidade do usuário. Acessibilidade Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida. 6 Essas pessoas devem ter seu direito ao acesso assegurado, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas. Acessibilidade deve estar presente, no meio físico, no transporte, na informação e na comunicação, inclusive nos sistemas e tecnologias da informação e comunicação, bem como em outros serviços e instalações abertos ao público ou de uso público, tanto na zona urbana como na rural. As medidas para a implementação da acessibilidade arquitetônica e urbanística incluirão a identificação e eliminação de obstáculos e barreiras nos edifícios, rodovias, meios de transporte, inclusive nas escolas, residências, instalações médicas e locais de trabalho entre outros. Sustentabilidade Sustentabilidade pode ser definida como a capacidade do ser humano interagir com o mundo preservando o meio ambiente sem comprometer os recursos naturais das gerações futuras. O Conceito de Sustentabilidade deve integrar as questões sociais, energéticas, econômicas e ambientais. Portanto, um ambiente sustentável deverá ser acessível. 6 8

9 A doutrina que visa garantir que o projeto, a construção e a ocupação de uma área estejam em absoluto equilíbrio com todo seu contexto, incluindo as considerações ambientais, sociológicas, culturais e econômicas. O ponto central da sustentabilidade, tanto dos indivíduos como de uma comunidade, costuma ser a autossuficiência. 7 Mobilidade Urbana Condição em que se realizam os deslocamentos de pessoas e cargas no espaço urbano. Os princípios da mobilidade urbana são: Acessibilidade universal; Desenvolvimento sustentável das cidades nas dimensões socioeconômicas e ambientais; Igualdade no acesso dos cidadãos ao transporte público coletivo; Eficiência, eficácia e efetividade na prestação dos serviços de transporte urbano; Gestão democrática e controle social do planejamento e avaliação da Política Nacional de Mobilidade Urbana; Segurança nos deslocamentos das pessoas; Justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes do uso de diferentes modos e serviços; Igualdade no uso do espaço público de circulação, vias e logradouros; Eficiência, eficácia e efetividade na circulação urbana. Barreiras A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência 19 em seu preâmbulo cita a deficiência como: resultado da interação entre pessoas com deficiência e as barreiras, devido às atitudes e ao ambiente, que impedem a plena e efetiva participação dessas pessoas na sociedade, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas. Adriana de Almeida Prado escreve em seu texto sobre Ambientes Acessíveis: A maioria dos ambientes construídos ou não, apresenta barreiras visíveis e invisíveis. Constituem barreiras visíveis todos os impedimentos concretos, entendidos como a falta de acessibilidade aos espaços. As invisíveis constituem a forma como as pessoas são vistas pela sociedade, na maior parte das vezes representadas pelas suas deficiências e não pelas suas potencialidades. A eliminação de barreiras visíveis poderá vir a contribuir para a 7 Glossário -Desenho Urbano / Ed Wall, Tim Waterman; tradução técnica: Alexandre Salvaterra - Porto Alegre : Bookman,

10 diminuição das barreiras invisíveis. Para isso, arquitetos, projetistas e designers devem rever a forma de conceber os espaços, os objetos, de modo que eles possam oferecer conforto, segurança e eficácia... 8 O decreto federal nº 5.296/ define barreira como, qualquer entrave ou obstáculo que limite ou impeça o acesso, a liberdade de movimento, a circulação com segurança e a possibilidade de as pessoas se comunicarem ou terem acesso à informação, classificadas em: Barreiras urbanísticas: as existentes nas vias públicas e nos espaços de uso público; Barreiras nas edificações: as existentes no entorno e interior das edificações de uso público e coletivo e no entorno e nas áreas internas de uso comum nas edificações de uso privado multifamiliar; Barreiras nos transportes: as existentes nos serviços de transportes; Barreiras nas comunicações e informações: qualquer entrave ou obstáculo que dificulte ou impossibilite a expressão ou o recebimento de mensagens por intermédio dos dispositivos, meios ou sistemas de comunicação, sejam ou não de massa 9, bem como aqueles que dificultem ou impossibilitem o acesso à informação. Rota Acessível Trajeto contínuo, desobstruído e sinalizado, que conecta os ambientes externos ou internos de espaços e edificações, e que possa ser utilizado de forma autônoma e segura por todas as pessoas, inclusive aquelas com deficiência. A rota acessível externa pode incorporar estacionamentos, calçadas rebaixadas, faixas de travessia de pedestres, rampas, etc. A rota acessível interna pode incorporar corredores, pisos, rampas, escadas, elevadores etc. 10 Adaptação Razoável Significa as modificações e os ajustes necessários e adequados que não acarretem ônus desproporcional ou indevido, quando requeridos em cada caso, a fim de assegurar que as pessoas com deficiência possam gozar ou exercer, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, todos os direitos humanos e liberdades fundamentais. (art. 2º da Convenção) 19 8 Ambientes Acessíveis Adriana de Almeida Prado

11 Ajudas Técnicas São ajudas técnicas, os produtos, instrumentos, equipamentos ou tecnologia adaptados ou especialmente projetados para melhorar a funcionalidade da pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida, favorecendo a autonomia pessoal, total ou assistida. Também são considerados ajudas técnicas os cães-guia e os cães-guia de acompanhamento. E ainda, os elementos ou equipamentos definidos como ajudas técnicas deverão ser certificados pelos órgãos competentes, ouvidas as entidades representativas das pessoas com deficiência. Esse termo também pode ser denominado Tecnologia Assistiva. Segundo a Organização Internacional de Normalização (ISO), as Ajudas Técnicas encontram-se agrupadas da seguinte forma: I. Auxiliares de Tratamento e Treino ISO 03 II. Próteses e Órteses ISO 06 III. Ajudas para Cuidados Pessoais e Higiene ISO 09 IV. Ajudas para a Mobilidade ISO 12 V. Ajudas para Cuidados Domésticos ISO 15 VI. Mobiliário e Adaptações para Habitação e outros Locais ISO 18 VII. Ajudas para Comunicação, Informação e Sinalização ISO 21 VIII. Ajudas para Manuseamento de Produtos e Mercadorias ISO 24 IX. Ajudas e Equipamentos para Melhorar o Ambiente, Ferramentas e Máquinas ISO 27 X. Ajudas para Recreação ISO 30 11

12 1. ACESSIBILIDADE, PANORAMA E TENDÊNCIAS. 1.2 ARRANJO INSTITUCIONAL Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) 11 A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) é responsável pela articulação interministerial e intersetorial das políticas de promoção e proteção aos Direitos Humanos no Brasil. Criada em 1977 dentro do Ministério da Justiça, foi alçada ao status de ministério em As principais atribuições da SDH/PR são: Propor políticas e diretrizes que orientem a promoção dos direitos humanos, criando ou apoiando projetos, programas e ações com tal finalidade; Articular parcerias com os poderes Legislativo e Judiciário, com os estados e municípios, com a sociedade civil e com organizações internacionais para trabalho de promoção e defesa dos direitos humanos; Coordenar a Política Nacional de Direitos Humanos segundo as diretrizes do Programa Nacional de Direitos Humanos; Receber e encaminhar informações e denúncias de violações de direitos, da criança e do adolescente, da pessoa com deficiência, da população de (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis e Transexuais) e de todos os grupos sociais vulneráveis; A SDH/PR atua como Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos e é composta pelas seguintes Secretarias: Secretaria de Gestão da Política de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD/SDH/PR) Histórico sobre a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Texto do portal: 12 Texto do Relatório de Monitoramento da Convenção 12

13 Nos últimos anos, o Brasil tornou-se reconhecido mundialmente pela mudança de paradigma nas questões relativas às pessoas com deficiência, a partir do marco legal introduzido com a Constituição Federal e as leis infraconstitucionais, que ensejaram a ascensão da promoção e garantia dos direitos individuais e coletivos para efetivação da sua inclusão social, no âmbito maior dos direitos humanos. Para além das mudanças legislativas, o Estado brasileiro passou a desenvolver ações que permitem transformar o modelo assistencialista, tradicionalmente limitante, em condições que possibilitem às pessoas com deficiência exercerem a posição de protagonistas de sua emancipação e cidadania, contribuindo, assim, para o desenvolvimento do país. A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, por intermédio da Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência - SNPD, responsável pela condução das políticas públicas relativas às pessoas com deficiência, tem envidado esforços para desenhar e implantar programas capazes de propiciar a inclusão desse segmento. Além disso, trabalha no intuito de construir uma política de natureza estruturante, que modifique a lógica de intervenções pontuais e isoladas. Portanto, busca disseminar no Brasil a transversalidade do tema da deficiência, apoiada no planejamento e na execução de ações integradas com todos os órgãos federais, em pactuação com os Governos Estaduais e Municipais e recebendo a contribuição dos conselhos de direitos e da sociedade civil organizada. 13

14 1. ACESSIBILIDADE, PANORAMA E TENDÊNCIAS 1.3 PROGRAMAS E PLANOS NACIONAIS Programa Nacional de Direitos Humanos - PNDH 3 O PNDH-3 é estruturado nos seguintes eixos orientadores: Interação Democrática entre Estado e Sociedade Civil; Desenvolvimento e Direitos Humanos; Universalizar Direitos em um Contexto de Desigualdades; Segurança Pública, Acesso à Justiça e Combate à Violência; Educação e Cultura em Direitos Humanos; Direito à Memória e à Verdade. O que diz o PNDH-3 sobre o tema: Diretriz 7: Garantia dos Direitos Humanos de forma universal, indivisível e interdependente, assegurando a cidadania plena. Objetivo estratégico III: Garantia do acesso à terra e à moradia para a população de baixa renda e grupos sociais vulnerabilizados. Ações programáticas: g) Garantir que nos programas habitacionais do governo sejam priorizadas as populações de baixa renda, a população em situação de rua e grupos sociais em situação de vulnerabilidade no espaço urbano e rural, considerando os princípios da moradia digna, do desenho universal e os critérios de acessibilidade nos projetos. Diretriz 10: Garantia da igualdade na diversidade Objetivo estratégico IV Promoção e proteção dos direitos das pessoas com deficiência e garantia da acessibilidade igualitária. Ações programáticas: c) Assegurar o cumprimento do Decreto de Acessibilidade (Decreto nº 5.296/2004), que garante a acessibilidade pela adequação das vias e passeios públicos, semáforos, mobiliários, habitações, espaços de lazer, transportes, prédios públicos, inclusive instituições de ensino, e outros itens de uso individual e coletivo. e) Disseminar a utilização dos sistemas braile, tadoma, escrita de sinais e libras tátil para inclusão das pessoas com deficiência em todo o sistema de ensino. f) Instituir e implementar o ensino da Língua Brasileira de Sinais como disciplina curricular facultativa. g) Propor a regulamentação das profissões relativas à implementação da acessibilidade, tais como: instrutor de Libras, guiaintérprete, tradutor-intérprete, transcritor, revisor e ledor da escrita braile e treinadores de cães-guia. h) Elaborar relatórios sobre os municípios que possuem frota adaptada para subsidiar o processo de monitoramento do cumprimento e implementação da legislação de acessibilidade. Plano Viver sem Limite O Governo Federal lançou o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Viver sem Limite em novembro de O Viver sem Limite estabelece metas a serem implantadas até 2014 e as ações previstas serão executadas em conjunto por 15 órgãos 13 Decreto nº de Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano Viver sem Limite. 14

15 do Governo Federal, sob a coordenação da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) Esse Plano tem por objetivo de promover a cidadania e o fortalecimento da participação da pessoa com deficiência na sociedade, promovendo sua autonomia, eliminando barreiras e permitindo o acesso e o usufruto, em bases iguais, aos bens e serviços disponíveis a toda a população. São quatro (4) os eixos de atuação do Plano Viver sem Limite: I. acesso à educação - o Plano prevê ações como a disponibilização do transporte escolar acessível, que viabilizará o acesso dos alunos com deficiência às instituições de ensino; a adequação arquitetônica de escolas públicas e instituições federais de ensino superior, dotando-as de condições adequadas de acessibilidade; a implantação de novas salas de recursos multifuncionais. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva 14 - Tem como objetivo o acesso, a participação e a aprendizagem dos alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades / superdotação nas escolas regulares, orientando os sistemas de ensino para promover respostas às necessidades educacionais especiais, garantindo: a. Transversalidade da educação especial desde a educação infantil até a educação superior; b. Atendimento educacional especializado; c. Continuidade da escolarização nos níveis mais elevados do ensino; d. Formação de professores para o atendimento educacional especializado e demais profissionais da educação para a inclusão escolar; e. Participação da família e da comunidade; f. Acessibilidade urbanística, arquitetônica, nos mobiliários e equipamentos, nos transportes, na comunicação e informação; e g. Articulação intersetorial na implementação das políticas públicas. Os sistemas de ensino devem organizar as condições de acesso aos espaços, aos recursos pedagógicos e à comunicação que favoreçam a promoção da aprendizagem e a valorização das diferenças, de forma a atender as necessidades educacionais de todos os alunos. A acessibilidade deve ser assegurada mediante a eliminação de barreiras arquitetônicas, urbanísticas, na edificação incluindo instalações, equipamentos e mobiliários e nos transportes escolares, bem como as barreiras nas comunicações e informações. II. atenção à saúde o Plano prevê ampliação das ações de prevenção às deficiências, o reforço a ações clínicas e terapêuticas e o fortalecimento das ações de habilitação e reabilitação, atendimento odontológico e ampliação das redes de produção e acesso a órteses e próteses. III. inclusão social Para a promoção da inclusão social, serão implantados Centros de Referência, com a finalidade de oferecer apoio para as pessoas com deficiência em situação de risco, como extrema pobreza, abandono e isolamento social. IV. acessibilidade - o eixo da acessibilidade prevê ações conjuntas entre União, estados e municípios. O Programa Minha Casa, Minha Vida 2, por exemplo, terá 100% das unidades projetadas com possibilidade de adaptação, ou seja, as moradias que podem ser habitadas por pessoas com deficiência. Serão criados centros tecnológicos para a formação, em nível técnico, de treinadores e instrutores de cães-guias em todas as regiões do país. Além disso, ações de mobilidade urbana do Programa de Aceleração do Crescimento - PAC 2 e da Copa do Mundo de Futebol de 2014 cumprirão os requisitos de acessibilidade. 14 Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Documento elaborado pelo Grupo de Trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº 555, de 5 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de

16 Acessibilidade no Programa Minha Casa Minha Vida - O governo brasileiro vem trabalhando desde 2010 para consolidar os referenciais de acessibilidade nos projetos do Programa de Aceleração do Crescimento - PAC, em especial no que diz respeito ao programa Minha Casa Minha Vida, para que os edifícios habitacionais sejam capazes de responder à diversidade existente no conjunto da população e que estejam preparados para acomodar as diferentes necessidades que surjam ao longo da vida de cada morador. O objetivo desse trabalho foi garantir a implementação da acessibilidade com inserção do Desenho Universal como padrão para todas as unidades habitacionais do PMCMV. O resultado foi o desenvolvimento de um Padrão de Acessibilidade que provocou um conjunto de mudanças nas especificações técnicas das unidades habitacionais do Programa. Segue adiante alguns itens que garantem o Padrão de Acessibilidade no PMCMV-2 Acessibilidade nas Unidades Habitacionais 1. Portas com vão livre de 80cm e maçanetas de alavanca a 1,00m de altura; 2. Previsão de área de aproximação para abertura das portas e área de manobra para cadeira de rodas de 180º em todos os cômodos; 3. Piso com desnível máx. 15mm; 4. Banheiro: largura mínima de 1,50m; box para chuveiro com dimensões mínimas de 0,90m x 0,95m. área de transferência ao vaso sanitário e ao box com previsão para a instalação de barras de apoio e banco articulado. Definido na NBR 9050/ABNT 5. Instalações elétricas tomadas baixas a 0,40m do piso acabado; interruptores e interfones e tomadas altas a 1,00m do piso acabado; lavatório suspenso sem coluna e torneira com acabamento de alavanca ou cruzeta. Foram desenvolvidos Kits Adaptação com as ajudas técnicas necessária para atender à demanda específica das pessoas com deficiência (usuárias de cadeira de rodas, física, visual, auditiva e intelectual) e dos idosos. Eles deverão ser disponibilizados em pelo menos 3% das unidades habitacionais do PMCMV/FAR. Política Nacional de Mobilidade Urbana A Política Nacional de Mobilidade Urbana 15 é o instrumento da política de desenvolvimento urbano que objetiva a integração entre os diferentes modos de transporte e a melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas e cargas no território do Município. Concebida respeitando a competência constitucional de cada ente federativo, ou seja, União, Estados, Distrito Federal e Municípios, a Lei Nº de 3 de janeiro de 2012, que institui as diretrizes dessa política, é uma lei ordinária que está no mesmo patamar de outras leis relacionadas com o tema em questão. A Política Nacional de Mobilidade Urbana tem por objetivo contribuir para o acesso universal à cidade, o fomento e a concretização das condições que contribuam para a efetivação dos princípios, objetivos e diretrizes da política de desenvolvimento urbano, por meio do planejamento e da gestão democrática do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana Art. 2º. O Sistema Nacional de Mobilidade Urbana é o conjunto organizado e coordenado dos modos de transporte, de serviços e de infraestruturas que garante os deslocamentos de pessoas e cargas no território do Município. Art. 3º. 15 Lei nº de Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana 16

17 A Política Nacional de Mobilidade Urbana está fundamentada nos seguintes princípios: Art. 5º I - acessibilidade universal; II - desenvolvimento sustentável das cidades, nas dimensões socioeconômicas e ambientais; III - equidade no acesso dos cidadãos ao transporte público coletivo; IV - eficiência, eficácia e efetividade na prestação dos serviços de transporte urbano; V - gestão democrática e controle social do planejamento e avaliação da Política Nacional de Mobilidade Urbana; VI - segurança nos deslocamentos das pessoas; VII - justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes do uso dos diferentes modos e serviços; VIII - equidade no uso do espaço público de circulação, vias e logradouros; e IX - eficiência, eficácia e efetividade na circulação urbana. A Política Nacional de Mobilidade Urbana possui os seguintes objetivos: Art.7º I - reduzir as desigualdades e promover a inclusão social; II - promover o acesso aos serviços básicos e equipamentos sociais; III - proporcionar melhoria nas condições urbanas da população no que se refere à acessibilidade e à mobilidade; IV - promover o desenvolvimento sustentável com a mitigação dos custos ambientais e socioeconômicos dos deslocamentos de pessoas e cargas nas cidades; e V - consolidar a gestão democrática como instrumento e garantia da construção contínua do aprimoramento da mobilidade urbana Programa Nacional de Mobilidade e Acessibilidade Urbana em Áreas Tombadas Criado e desenvolvido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN. Os Planos Nacionais de Mobilidade e Acessibilidade Urbana em Áreas Tombadas devem contemplar propostas de circulação viária e formas de humanização dos espaços públicos, priorizando a permanência e acessibilidade nestes espaços, partindo do princípio cidadão e espaços multimodais, onde bicicletas, pedestres, pessoas com deficiência e mobilidade reduzida terão prioridade no ir e vir pela cidade. As propostas deverão considerar como condicionantes de projeto as relações entre mobilidade, moderação do tráfego e projetos de desenvolvimento local como a promoção turística no centro histórico. 16 Programa de Acessibilidade da Justiça Eleitoral Aprovado pela resolução nº de 19 de junho de 2012 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) 17, o Programa de Acessibilidade da Justiça Eleitoral é destinado ao eleitor com deficiência ou mobilidade reduzida Resolução TSE Institui o Programa de Acessibilidade da Justiça Eleitoral e dá outras providências. (http://apps.tre-rr.jus.br/docpub/index.php/resolu%c3%a7%c3%a3o_tse_23.381) 17

18 O Programa de Acessibilidade destina-se à implementação gradual de medidas para a remoção de barreiras físicas, arquitetônicas, de comunicação e de atitudes, a fim de promover o acesso, amplo e irrestrito, com segurança e autonomia de pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida no processo eleitoral. Objetivando a plena acessibilidade nos locais de votação, os Tribunais Regionais Eleitorais, em conjunto com as respectivas Zonas Eleitorais, elaborarão plano de ação destinado a: I - expedir, a cada eleição, instruções aos Juízes Eleitorais, para orientá-los na escolha dos locais de votação de mais fácil acesso ao eleitor com deficiência física (art. 135, 6.º, do Código Eleitoral c/c art. 1.º da Resolução-TSE n.º /2002). II - monitorar periodicamente as condições dos locais de votação em relação às condições de acessibilidade; III - providenciar, na medida do possível, a mudança dos locais de votação que não ofereçam condições de acessibilidade para outros que as possuam; IV - alocar as seções eleitorais que tenham eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida em pavimento térreo; V - determinar a liberação do acesso do eleitor com deficiência ou mobilidade reduzida aos estacionamentos dos locais de votação e/ou a reserva de vagas próximas; VI - eliminar obstáculos dentro das seções eleitorais que impeçam ou dificultem o exercício do voto pelos eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida, por exemplo, não instalando urna eletrônica em tablados em nível acima do piso, mantendo as portas dos locais abertas por completo para facilitar o acesso por cadeirantes, dentre outros; VII - celebrar acordos e convênios de cooperação técnica com entidades públicas e privadas responsáveis pela administração dos prédios onde funcionem as seções eleitorais, com vistas ao planejamento e à realização das adaptações/modificações das estruturas físicas necessárias à garantia da acessibilidade; VIII - celebrar acordos e convênios de cooperação técnica com entidades públicas e privadas representativas de pessoas com deficiência, objetivando o auxílio e acompanhamento das atividades necessárias à plena acessibilidade e aperfeiçoando as medidas para o seu atingimento. 18

19 2. MARCO LEGAL 2.1 Normas Constitucionais Constituição Federal da República Federativa do Brasil - promulgada em 05 de outubro de Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo (Decreto Legislativo 186/2008 e Decreto nº 6.949/2009): ratificados com equivalência de Emenda Constitucional Legislação Federal sobre Acessibilidade Lei nº / Dá prioridade de atendimento às pessoas com deficiência e dá outras providências. 20 Lei nº /2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida e dá outras providências. 21 Lei nº / Dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhado do cão-guia. 22 Decreto nº 3.298/1999 regulamenta a Lei 7.853/89 que dispõe sobre a política nacional para integração da pessoa com deficiência, consolida as normas de proteção e dá outras providências. 23 Decreto nº 5.296/2004 regulamenta as Leis nº /2000 e a nº /2000 que dá prioridade de atendimento às pessoas com deficiência e estabelece normas gerais e critérios básicos para promoção da acessibilidade, e dá outras providências. 6 Decreto nº 7.037/ Aprova o Programa Nacional de Direitos Humanos-PNDH-3 e dá outras providências. 24 Decreto nº 5.904/ Regulamenta a Lei nº , de 27 de junho de 2005, que dispõe sobre o direito da pessoa com deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhada de cão-guia e dá outras providências

20 Decreto nº de Aprova o Plano Geral de Metas para a Universalização do Serviço Telefônico Fixo Comutado Prestado no Regime Público - PGMU, e dá outras providências. 26 Decreto nº de Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano Viver sem Limite. 13 Portaria Interministerial MF/MCT/SEDH nº 31 de Dispõe sobre o limite de renda mensal para enquadramento como beneficiário do financiamento para a aquisição, por pessoa física, de bens e serviços de tecnologia assistiva destinados às pessoas com deficiência e sobre o rol de bens e serviços passíveis de financiamento com crédito subvencionado para tal finalidade. 27 LEI N.º DE 13 DE JULHO DE Dispõe sobre o Estatuto da criança e do adolescente e dá outras providências. Art. 53 Lei nº , de 2003 dispõe sobre o Estatuto do Idoso, destinado a regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. 28 Observar os artigos: Art. 20. O idoso tem direito a educação, cultura, esporte, lazer, diversões, espetáculos, produtos e serviços que respeitem sua peculiar condição de idade. Art. 38. Nos programas habitacionais, públicos ou subsidiados com recursos públicos, o idoso goza de prioridade na aquisição de imóvel para moradia própria, observado o seguinte: I - reserva de pelo menos 3% (três por cento) das unidades habitacionais residenciais para atendimento aos idosos; (Redação dada pela Lei nº , de 2011). II implantação de equipamentos urbanos comunitários voltados ao idoso; III eliminação de barreiras arquitetônicas e urbanísticas, para garantia de acessibilidade ao idoso; Art o Nos veículos de transporte coletivo, serão reservados 10% (dez por cento) dos assentos para os idosos, devidamente identificados com a placa de reservado preferencialmente para idosos. Art. 41. É assegurada a reserva, para os idosos, nos termos da lei local, de 5% das vagas nos estacionamentos públicos e privados, as quais deverão ser posicionadas de forma a garantir a melhor comodidade ao idoso. Art. 42. É assegurada a prioridade do idoso no embarque no sistema de transporte coletivo. Instrução Normativa nº 1 do IPHAN de 25 de novembro de Dispõe sobre a acessibilidade aos bens culturais imóveis acautelados em nível federal, e outras categorias, conforme especifica. 29 PORTARIA MS nº 1.060, de 5 junho de Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência e

Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO. Volume I

Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO. Volume I Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO Volume I Turismo ACESSÍVEL INTRODUÇÃO A UMA VIAGEM DE INCLUSÃO B R A S I L - 2 0 0 9 Brasil. Ministério do Turismo. Turismo Acessível: Introdução a

Leia mais

Estatuto da Pessoa com Deficiência

Estatuto da Pessoa com Deficiência 2013 Estatuto da Pessoa com Deficiência Sumário Estatuto da Pessoa com Deficiência 02 Relatório 36 1 LIVRO I PARTE GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º.

Leia mais

Institui o Estatuto do Portador de Deficiência e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Institui o Estatuto do Portador de Deficiência e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Institui o Estatuto do Portador de Deficiência e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: LIVRO I PARTE GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído o Estatuto da Pessoa

Leia mais

TODOS JUNTOS POR UM BRASIL MAIS ACESSÍVEL

TODOS JUNTOS POR UM BRASIL MAIS ACESSÍVEL TODOS JUNTOS POR UM BRASIL MAIS ACESSÍVEL O MP E A PESSOA COM DEFICIÊNCIA TODOS JUNTOS POR UM BRASIL MAIS ACESSÍVEL O MP E A PESSOA COM DEFICIÊNCIA Brasília 2014 CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Avanços das Políticas Públicas para as Pessoas com Deficiência

Avanços das Políticas Públicas para as Pessoas com Deficiência Avanços das Políticas Públicas para as Pessoas com Deficiência Uma análise a partir das Conferências Nacionais DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA 5ª EDIÇÃO

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA 5ª EDIÇÃO Legislação Câmara dos Deputados Legislação Brasileira sobre Pessoas Portadoras de Deficiência 5 a edição Brasília 2009 Legislação Legislação Brasileira sobre Pessoas Portadoras de Deficiência 5ª edição

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Colaboradores Ministério Público do Estado de Minas Gerais UFMG PUC Minas Sinduscon-MG

FICHA TÉCNICA. Colaboradores Ministério Público do Estado de Minas Gerais UFMG PUC Minas Sinduscon-MG Realização FICHA TÉCNICA Realização Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia Crea-MG - Comissão Permanente de Acessibilidade Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Secretaria Municipal

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência Convenção sobre os

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO AcESSO à EdUcAÇÃO INclUSÃO SOcIAl AcESSIbIlIdAdE ATENÇÃO à SAúdE

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO AcESSO à EdUcAÇÃO INclUSÃO SOcIAl AcESSIbIlIdAdE ATENÇÃO à SAúdE 1 APRESENTAÇÃO Ao lançar o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência Viver sem Limite, por meio do Decreto 7.612, de 17 de novembro de 2011, o Governo Federal ressalta o compromisso do Brasil

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Michel Temer Vice-presidente

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Presidência da República Secretaria Especial dos Direitos Humanos Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Protocolo

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Os Estados Partes da presente Convenção, Preâmbulo a. Relembrando os princípios consagrados na Carta das Nações Unidas, que reconhecem a dignidade

Leia mais

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Preâmbulo Os Estados Partes da presente Convenção, a. Relembrando os princípios consagrados na Carta das Nações Unidas, que reconhecem a dignidade

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA OPERACIONAL. Acessibilidade nos órgãos públicos federais

RELATÓRIO DE AUDITORIA OPERACIONAL. Acessibilidade nos órgãos públicos federais RELATÓRIO DE AUDITORIA OPERACIONAL Acessibilidade nos órgãos públicos federais República Federativa do Brasil Tribunal de Contas da União Ministros Benjamin Zymler, Presidente Augusto Nardes, Vice-Presidente

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 Promove a revisão do Plano Diretor do Município de Campina Grande. TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Em atendimento ao disposto no art 182, 1º, da

Leia mais

CADERNO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS. Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais

CADERNO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS. Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais CADERNO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais CADERNO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais Brasília 2013 Secretaria

Leia mais

Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica

Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária

Leia mais

Documento Orientador de apoio aos debates da 15ª Conferência Nacional de Saúde

Documento Orientador de apoio aos debates da 15ª Conferência Nacional de Saúde Documento Orientador de apoio aos debates da 15ª Conferência Nacional de Saúde APRESENTAÇÃO O Conselho Nacional de Saúde (CNS), órgão vinculado ao Ministério da Saúde 1, deliberou pela realização da 15ª

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015: ELEMENTOS ORIENTADORES DA POSIÇÃO BRASILEIRA

NEGOCIAÇÕES DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015: ELEMENTOS ORIENTADORES DA POSIÇÃO BRASILEIRA NEGOCIAÇÕES DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015: ELEMENTOS ORIENTADORES DA POSIÇÃO BRASILEIRA 09 de SETEMBRO 2014 NOTA EXPLICATIVA Este documento foi elaborado com o objetivo de orientar os negociadores

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

ORIENTAÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ORIENTAÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 Sumário 1. Introdução 2. Contexto Histórico da construção da Educação Inclusiva no Brasil 3. Mecanismos

Leia mais

DÉCADA DE AÇÃO PELA SEGURANÇA NO TRANSITO 2011-2020

DÉCADA DE AÇÃO PELA SEGURANÇA NO TRANSITO 2011-2020 DÉCADA DE AÇÃO PELA SEGURANÇA NO TRANSITO 2011-2020 Resolução ONU n 2, de 2009 1. INTRODUÇÃO O Plano Nacional de Redução de Acidentes e Segurança Viária para a Década 2011-2020, cujo texto foi produzido

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Brasília DF Julho 2007 Plano Decenal - SUAS Plano 10 2007 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate

Leia mais

A Inclusão das Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho

A Inclusão das Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho A Inclusão das Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho Brasília, 2007 Inclusão pessoas defi.indd 1 22/1/2008 16:51:58 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego

Leia mais

SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional BRASÍLIA - 2005 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE. 1 Apresentação...5. 2 Antecedentes Históricos...5

ÍNDICE. 1 Apresentação...5. 2 Antecedentes Históricos...5 ÍNDICE 1 Apresentação...5 2 Antecedentes Históricos...5 3 Situação Atual...7 Planejamento Governamental e Gestão Pública... 7 Funcionalismo... 8 Competências Organizacionais e Macroprocessos... 9 Estrutura

Leia mais

Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no. B r a s i l

Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no. B r a s i l Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no B r a s i l Brasília - 2010 Legislação e Políticas Públicas sobre Drogas no Brasil Brasília-2010 Presidência da República Vice-Presidência da República Gabinete

Leia mais

SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS. Estatuto da Cidade

SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS. Estatuto da Cidade SENADO FEDERAL SECRETARIA ESPECIAL DE EDITORAÇÃO E PUBLICAÇÕES SUBSECRETARIA DE EDIÇÕES TÉCNICAS Estatuto da Cidade BRASÍLIA - 2004 Dispositivos Constitucionais DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS TÍTULO

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos.

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Plano Nacional de Educação. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Art. 2º A partir da vigência desta Lei,

Leia mais

Realização. Parceria Coordenação Pesquisa e organização do conteúdo Referências

Realização. Parceria Coordenação Pesquisa e organização do conteúdo Referências Realização USP Universidade de São Paulo Reitor: Adolpho José Melfi Vice-reitor: Hélio Nogueira da Cruz Pró-reitor de Graduação: Sônia Teresinha de Sousa Penin Pró-reitora de Pós-graduação: Suely Vi l

Leia mais