RESOLUÇÃO Nº 014/2009-CONSUNIV-UEA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO Nº 014/2009-CONSUNIV-UEA"

Transcrição

1 RESOLUÇÃO Nº 014/2009-CONSUNIV-UEA Aprova o Regimento Interno do Programa de Iniciação Científica da Universidade do Estado do Amazonas - UEA. A REITORA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO, usando de suas atribuições estatutárias e, CONSIDERANDO a Lei nº 9.394/96, de 24 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional; CONSIDERANDO o Parágrafo Único do Artigo 46 do Estatuto da Universidade do Estado do Amazonas, aprovado pelo Decreto nº , datado de 27/06/2001; CONSIDERANDO, as normas concernentes ao PAIC/AM, PIBIC JR, IC-SAÚDE, PAIC/INDÍGENA da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas FAPEAM; CONSIDERANDO as normas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq; CONSIDERANDO o disposto na Resolução nº 010/2009, homologada ad referendum pelo CONSUNIV, datada de 29/05/2009; CONSIDERANDO, finalmente, a decisão do Conselho Universitário, em reunião desta data. R E S O L V E: Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Programa de Iniciação Científica da Universidade do Estado do Amazonas, parte integrante desta Resolução. I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 2º São objetivos do Programa de Iniciação Científica: I - Despertar vocação científica e incentivar talentos potenciais entre estudantes do ensino fundamental, médio, de educação profissional e de graduação, mediante o desenvolvimento de atividades e a execução de projetos de pesquisa científica, tecnológica ou de inovação; II - Contribuir para a formação científica de recursos humanos que se dedicarão à pesquisa, à pósgraduação e a qualquer atividade profissional;

2 III - Estimular professores/pesquisadores a engajarem estudantes do ensino fundamental, médio, de educação profissional e de graduação em atividades científica, tecnológica, profissional e artístico-cultural, otimizando a capacidade de orientação à pesquisa da Universidade do Estado do Amazonas; IV - Proporcionar ao bolsista, orientado por pesquisador qualificado, a aprendizagem de técnicas e métodos de pesquisa, bem como estimular o desenvolvimento do pensar cientificamente e da criatividade, decorrentes das condições criadas pelo confronto direto com os problemas de pesquisa. II DOS COMPROMISSOS DA INSTITUIÇÃO Art. 3º A Universidade do Estado do Amazonas assumirá perante o Programa de Iniciação Científica os compromissos de: I - Manter uma política institucional de pesquisa, indicando a inserção do Programa de Iniciação Científica; II - Responsabilizar-se, perante aos órgãos financiadores, pelo planejamento, gestão e melhoria do Programa, bem como pelo cumprimento das Normas estabelecidas; III - Nomear um Coordenador Institucional de Iniciação Científica, que deverá ser, preferencialmente, pesquisador com bolsa de Produtividade em Pesquisa do CNPq e, na ausência deste, pesquisador de perfil equivalente; IV - Nomear um Comitê Institucional constituído, em sua maioria, de pesquisadores com titulação de doutor, preferencialmente com bolsa de Produtividade em Pesquisa do CNPq, no âmbito da Pró-Reitoria de Pós- Graduação e Pesquisa; V - Nomear os Comitês Locais constituídos, preferencialmente, por pesquisadores com titulação de doutor ou mestre, na ausência de doutor, de acordo com as unidades contempladas no Programa, prevendo a participação de membro(s) externo(s) ao Programa da Instituição, no âmbito da unidade acadêmica; VI - Comunicar ao CNPq/FAPEAM, com antecedência, a data de realização do processo de seleção e de avaliação do Programa, bem como os nomes dos componentes do Comitê Externo com seus respectivos níveis de bolsas de produtividade em pesquisa;

3 VII - Reunir bolsistas e orientadores, a cada início de concessão de cota, para a divulgação das responsabilidades assumidas perante o VIII - Garantir a infra-estrutura laboratorial, financeira e de recursos humanos para a execução do Programa, incluindo apoio aos processos de seleção, avaliação, execução dos planos de trabalho dos bolsistas, realização da reunião anual para a apresentação dos resultados do plano de trabalho dos bolsistas; IX - Envidar esforços para a ampliação do Programa de Iniciação Científica com recursos próprios; X - Promover a divulgação externa, em pelo menos uma escola da rede pública do Estado, dos resultados e produtos obtidos, por meio dos planos de trabalho do XI - Viabilizar atividades acadêmicas que contribuam para o aprimoramento da formação global do aluno e a participação de bolsistas do Programa em eventos científicos para apresentação de seus trabalhos; XII - Co-responsabilizar-se pela referência obrigatória nas bases da FAPEAM/CNPq, nas publicações, nos trabalhos apresentados em eventos de qualquer natureza e em qualquer meio de divulgação à condição da FAPEAM/CNPq como órgão financiador do XIII - Criar mecanismos para o acompanhamento do exbolsista, principlamente, quanto ao seu ingresso na pósgraduação; XIV - Ser co-responsável pela administração dos recursos relativos ao auxílio-pesquisa; XV - Emitir certificados referentes à bolsa e à participação do aluno em atividades de pesquisa, onde deverá constar, obrigatoriamente, o patrocínio da FAPEAM e/ou CNPq; XVI - Indicar, quando for o caso, uma instituição interveniente responsável por: a) gerir os recursos financeiros repassados pelo órgão financiador; b) dispor de condições administrativas para gerenciar os recursos destinados ao c) pagar as bolsas de Iniciação Científica; d) assumir, como parte da contrapartida, os custos de administração dos recursos repassados pelo órgão financiador; e) administrar os recursos relativos ao Auxílio- Pesquisa, para apoio à execução das atividades do

4 f) apresentar o plano de aplicação financeira referente ao Auxílio-Pesquisa, com as devidas justificativas e rubricas; g) restituir integral e imediatamente ao órgão financiador de todos os recursos aplicados sem a observância das normas vigentes, procedida a apuração das eventuais infrações ocorridas no âmbito de sua atuação, para cobrança regressiva, quando couber; h) efetuar, nos prazos estabelecidos, a prestação de contas financeira do convênio executado, mantendo à disposição do órgão financiador, devidamente organizados, seus comprovantes. III DO COORDENADOR DO PROGRAMA Art. 4º - Ao Pró-Reitor de Pesquisa ou Coordenador Institucional, representante da instituição perante ao órgão financiador, caberão os seguintes compromissos: I - Encaminhar ao órgão financiador a documentação necessária à implementação do II - Convidar anualmente um Comitê Externo constituído de pesquisadores de outras IES, preferencialmente, com bolsa de Produtividade em Pesquisa do CNPq e experiência em Comitês de Iniciação Científica, com o objetivo de participar do processo de seleção e de avaliação do III - Apresentar prestação de contas técnica, de acordo com o calendário do IV - Encaminhar ao órgão financiador documento de nomeação dos membros do Comitê Institucional, Comitês Locais e membro(s) externo(s); V - Informar ao órgão financiador, com antecedência de até 15 (quinze) dias, todo e qualquer evento e/ou calendário de atividades referente ao VI - Encaminhar à interviniente ou ao órgão financiador, para implementação em folha de pagamento, as informações referentes aos bolsistas, orientadores e projetos; VII - Encaminhar à interviniente ou ao órgão financiador, para aquisição, as informações referentes aos materiais e serviços necessários à execução das atividades do VIII - Colaborar com o órgão financiador em assuntos de sua especialidade, sempre que solicitado;

5 IX - Tratar, de acordo com a legislação vigente e aplicável ao caso, os ganhos econômicos resultantes da criação protegida por direito de propriedade intelectual; X - Apresentar, para o PIBIC JR e IC-SAÚDE, o plano de aplicação financeira referente ao Auxílio-Pesquisa, com as devidas justificativas e rubricas; XI - Examinar e assinar o Termo de Outorga, para certifica-se de seus direitos, deveres e obrigações; XII - Administrar os recursos financeiros de acordo com as normas para Prestação de Contas; XIII - Solicitar ao órgão financiador autorização, acompanhada de justificativa, para quaisquer modificações no plano de trabalho aprovado; XIV - Devolver à FAPEAM, em valores atualizados, o auxílio pesquisa recebido, caso os compromissos e obrigações desta Resolução não sejam cumpridos; XV - Manter, permanentemente disponível, arquivo atualizado com informações administrativas e dados individuais dos bolsistas e orientadores; XVI - Efetuar, nos prazos estabelecidos, a prestação de contas financeira, de acordo com as Normas de Prestação de Contas do órgão financiador; IV - DO COMITÊ INSTITUCIONAL Art. 5º São requisitos e compromissos dos membros do Comitê Institucional: I - Responsabilizar-se, perante a Reitoria, ou a unidade equivalente, e ao órgão financiador, pelo planejamento e gerenciamento do Programa, fazendo cumprir a presente norma; II - Ter título de doutor ou mestre e, no caso de membro(s) externo(s), experiência em Comitês de Iniciação Científica; III - Estar cadastrado no Sistema de Currículo Lattes do CNPq, no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq e no Banco de Pesquisadores da FAPEAM; IV - Responsabilizar-se pelo estabelecimento de critérios para seleção e avaliação dos orientadores, bolsistas e respectivos planos de trabalho; V - Subsidiar o coordenador do programa na elaboração dos instrumentos de acompanhamento e avaliação dos relatórios parciais e finais; VI - Participar de todas as etapas do VII - Apresentar relatório final de acompanhamento do Programa.

6 Art. 6º Local: V DO COMITÊ LOCAL São requisitos e compromissos do Comitê I - Responsabilizar-se, perante à Coordenação Geral, pelo andamento do Programa na sua unidade/centro, fazendo cumprir as normas; II - Encaminhar à Coordenação Geral do Programa documento de nomeação dos membros do Comitê Local, que será composto por pelo menos 3 (três) membros, considerando os cursos ministrados em cada unidade, sendo um coordenador. Os membros permanecerão no comitê por até 2 (dois) anos consecutivos, podendo no espaço de igual tempo voltar a compor o mesmo comitê; III - Sugerir nomes de pesquisadores de outras IES, preferencialmente, com bolsa de Produtividade em Pesquisa do CNPq e experiência em Comitês de Iniciação Científica para compor o Comitê Assessor (Externo), representando as áreas contempladas no Programa em cada unidade; IV - Responsabilizar-se pela indicação do número permitido de bolsistas de iniciação científica por cada orientador; V - Deixar claro ao bolsista a sua condição de beneficiário da FAPEAM/CNPq, esclarecendo para bolsistas e orientadores as Normas do Programa, bem como seus direitos e deveres; VI - Manter, permanentemente disponível, arquivo atualizado com informações administrativas e dados individuais dos bolsistas e orientadores; VII - Encaminhar à Coordenação Geral do Programa, quando solicitado, cópia do projeto de pesquisa, do plano de trabalho, do relatório final e resumo expandido do bolsista; VIII - Manter arquivo da participação dos bolsistas e orientadores em publicações e eventos; IX - Encaminhar à Coordenação Geral do Programa, para aquisição, as informações referentes aos materiais e serviços necessários à execução das atividades do X - Analisar previamente os currículos dos orientadores propostos, histórico dos candidatos a bolsistas e dar parecer quanto ao mérito técnico científico, relevância e viabilidade dos projetos,no período da seleção. A critério do coordenador, poderão ser solicitados pareceres de consultores ad hoc externos;

7 XI - Acompanhar o desenvolvimento dos projetos/planos de atividades da sua unidade, através de reuniões periódicas; XII - Analisar e emitir parecer a respeito da substituição e cancelamento de bolsistas, orientadores e projetos quando solicitado pela Coordenação Geral do XIII - Avaliar os relatórios parciais e finais, as apresentações orais e em painéis por ocasião da Reunião Anual elaborando um parecer. Nos casos de relatórios com deficiencia ou não aprovados, os motivos devem ser plenamente justificados; XIV - Avaliar e publicar, em formato de livro ou CD os resumos dos trabalhos dos bolsistas, no período e prazo estabelecido pela Coordenação Geral do XV - Participar de todas as etapas do Programa. VI - DO COMITÊ ASSESSOR (EXTERNO) Art. 7º São requisitos e compromissos do Comitê Assessor: I - Assessorar o Comitê Local nas diversas atividades de análises de bolsistas, orientadores e projetos, apresentados por ocasião do processo de seleção e emitir parecer final junto ao Comitê Local; II - Avaliar e emitir parecer final dos relatórios finais e das apresentações orais finais e em painéis, realizadas por ocasião da Reunião Anual de Avaliação do III - Avaliar o Livro de Resumos da Iniciação Científica; IV - Avaliar e dar parecer a respeito do Programa como um todo, por ocasião do Seminário Anual e enviar à Coordenação Geral do Programa. VII - DO ORIENTADOR Art. 8º São requisitos e compromissos do orientador: I - Conhecer e cumprir integralmente as normas do II - Ser brasileiro ou naturalizado; quando estrangeiro, ter visto permanente; III - Residir no Estado do Amazonas; IV - Ter, preferencialmente, título de mestre ou doutor; no caso do IC-SAÚDE ter, no mínimo, título de especialista;

8 V - Ter experiência compatível com a função de orientador e formador de recursos humanos qualificados; VI - Estar devidamente cadastrado no Sistema de Projetos da UEA SISPROJ, Banco de Pesquisadores da FAPEAM e na plataforma Lattes de currículos no CNPq; VII - Estar adimplente com o órgão financiador no momento da apresentação da proposta; VIII - Ser do quadro permanente da UEA. Caso o docente não pertença ao quadro permanente da UEA, o professor/pesquisador poderá atuar como orientador, desde que o seu período de permanência na UEA seja igual ou superior ao da vigência da bolsa de Iniciação Científica; IX - Ser coordenador de projeto de pesquisa científica, tecnológica ou de inovação financiado por órgão de fomento ou entidade pública; X - Apresentar, quando for o caso, todas as autorizações legais para execução do projeto, (CEP, FUNAI e/ou CGEN) de que trata o item anterior; XI - Escolher e indicar, para bolsista, o aluno com perfil e desempenho acadêmico compatíveis com as atividades previstas observando princípios éticos e conflito de interesse; XII - Orientar, no PAIC, apenas 1 (um) bolsista por projeto, sendo o projeto de autoria do orientador, o qual poderá orientar no máximo 3 (três) bolsistas de Iniciação Científica. Para o PIBIC JR e IC-SAÚDE orientar até 5 (cinco) bolsistas por plano de trabalho; Para o PAIC-INDÍGENA, orientar até 2 (dois) bolsistas por projeto; XIII - Orientar o bolsista nas distintas fases do trabalho, incluindo a apresentação de frequência mensal, a elaboração do relatório parcial e final e material para apresentação dos resultados no Livro de Resumos, em Congressos, Seminários e divulgações externas; 1º É vedada ao orientador repassar a outro a orientação de seu(s) bolsista(s); 2º Em casos de impedimento eventual do orientador, o co-orientador auxiliará na execução das atividades programadas, acompanhando o bolsista até a conclusão do projeto; 3º Nos casos omissos, a bolsa retorna à Coordenação de Iniciação Científica da UEA.

9 XIV - Solicitar, com justificativa, a exclusão de um bolsista, podendo indicar novo aluno para a vaga, até o final do sexto mês de vigência da bolsa; XVI - Acompanhar a exposição do seu bolsista nos eventos de avaliação e divulgação dos resultados do plano de Iniciação Científica (Júnior); XVII - Incluir o nome do bolsista de Iniciação Científica nas publicações e nos trabalhos apresentados em congressos e seminários, cujos resultados contaram com a sua participação efetiva; XVIII - Fazer, obrigatoriamente, referência ao órgão financiador nas publicações, nos trabalhos apresentados em eventos de qualquer natureza e em qualquer meio de comunicação; XIX - Comparecer às atividades programadas pela coordenação do Programa. VIII - DO BOLSISTA Art. 9º São requisitos e compromissos do bolsista: I - Conhecer e cumprir integralmente as normas do II - Ser brasileiro ou naturalizado; quando estrangeiro, ter visto permanente; III - Estar devidamente cadastrado no Sistema de Projetos SISPROJ, no sistema de Currículo Lattes do CNPq e no Banco de Pesquisadores da FAPEAM; IV - Ser selecionado e indicado por professor da UEA, de acordo com critérios estabelecidos pelo Comitê Científico Local, apto a participar como seu orientador no programa; V - Estar regularmente matriculado em curso de graduação da UEA e, para o PIBIC JR, em curso de 5ª série do ensino fundamental até 3ª série do ensino médio ou de educação profissional em escola pública ou privada; VI - Ter cursado o primeiro período/semestre e não estar no último ano do curso de graduação; VII - Estar cursando o primeiro ano do curso de graduação, no momento de início da bolsa, para o IC- SAÚDE; VIII Apresentar perfil e desempenho acadêmico compatíveis com as atividades previstas no projeto a ser desenvolvido; IX - Ter, no caso de bolsista indígena, Registro Administrativo de Nascimento Indígena ou ter ingressado nas instituições de pesquisa e/ou ensino superior na cota de alunos indígenas;

10 X - Não possuir vínculo de parentesco com o orientador; XI - Não possuir vínculo empregatício de qualquer natureza e dedicar-se integralmente às atividades acadêmicas e de pesquisa; XII - Apresentar relatório parcial de atividades contendo resultados até então alcançados, conforme calendário do XIII - Apresentar os resultados finais da pesquisa, sob a forma de exposição oral e/ou painel, acompanhado de um relatório de pesquisa final e resumo expandido; XIV - Fazer, obrigatoriamente, referência a sua condição de bolsista da FAPEAM/CNPq nas publicações, nos trabalhos apresentados em eventos de qualquer natureza e em qualquer meio de comunicação; a) Em caso de apresentações em eventos técnico científicos, o bolsista deverá comunicar a sua participação no evento, com no mínimo 30 dias de antecedência, ao Departamento de Difusão do Conhecimento da FAPEAM. XV - Não acumular a percepção da bolsa com qualquer modalidade de auxílio ou bolsa de outro programa da FAPEAM/CNPq, ou de outra agência de fomento pública ou privada nacional e/ou internacional; a) É vedada a divisão da mensalidade de uma bolsa entre dois ou mais alunos. XVI Comunicar formal e antecipadamente à FAPEAM, com a chancela do orientador e coordenador, as razões de eventuais afastamentos e/ou desistência do curso; XVII - Devolver à FAPEAM, em valores atualizados e sem prejuízo de outras sanções, a(s) parcela(s) recebida(s), caso seus compromissos de bolsista aqui estabelecidos não sejam cumpridos. 1º A recusa ou a omissão quanto ao ressarcimento ensejará a conseqüente inscrição do débito recorrente no cadastro da dívida ativa do Estado, além de impossibilitar o contemplado de concorrer a qualquer fomento da FAPEAM/CNPq, sem prejuízo da aplicação das penalidades de natureza jurídicas cabíveis; 2º Em caso de não cumprimento dos compromissos aqui estabelecidos o bolsista terá sua bolsa suspensa. IX DA SELEÇÃO Art. 10º Para o processo de seleção a instituição deverá:

11 I - Proceder a uma ampla divulgação das normas do Programa, por meio de Edital, onde deverão constar: o período de inscrições; os critérios para seleção dos orientadores, os procedimentos para pedidos de reconsiderações, entre outras regulamentações; II - Encaminhar ao órgão financiador cópia da Ata da Reunião demonstrando os critérios de distribuição de bolsas e lista dos selecionados; 1º A competência para proceder à seleção de orientadores, projetos e bolsistas é de responsabilidade do Comitê Científico Local e Assessor, formado por professores/pesquisadores do quadro de docentes da UEA e convidados de outras instituições, de acordo com as áreas de conhecimento (classificação do CNPq). 2º A seleção de orientadores, projetos/planos de atividades e bolsistas deverá obedecer aos seguintes critérios: I - cumprimento às exigências para orientadores e bolsistas constantes no Edital de Seleção; II - mérito técnico-científico e viabilidade de execução do projeto/plano de atividades; III - pontuação do currículo Lattes do orientador. 3º Os projetos/planos de atividades aprovados serão classificados em ordem decrescente, mediante pontuação do currículo Lattes do orientador, conforme escala de valores baseados no mais recente Regulamento de Concurso Público de Provas e Títulos para provimento de empregos de Professor, da Carreira do Magistério Público Superior da Universidade do Estado do Amazonas. 4º A distribuição das bolsas por Unidade/Centro seguirá os critérios estabelecidos pela Coordenação Geral do Programa de Iniciação Científica, considerando-se a disponibilidade de bolsas concedidas pela FAPEAM/CNPq; 5º Os alunos selecionados e não classificados poderão participar do Programa como voluntários. X DO ACOMPANHAMENTO E DA AVALIAÇÃO Art. 11º Para o processo de acompanhamento e avaliação a instituição deverá: I - Desenvolver, no âmbito institucional, um sistema de avaliação e de acompanhamento do Programa, com a participação do Comitê Local e membro(s) externo(s), que possibilite verificar se os objetivos estão sendo alcançados, bem como, se os planos de trabalho

12 aprovados estão sendo efetivamente cumpridos por meio de: a) Apresentação de relatório de freqüência mensal, conforme calendário do b) Comprovação bimestralmente, para o PIBIC JR, da freqüência e rendimento escolar satisfatório (sem reprovação); c) Apresentação de relatório técnico científico parcial dos resultados alcançados, após 6 (seis) meses de vigência das bolsas, uma via impressa e uma via digital; d) Apresentação, para o PIBIC JR, do relatório técnico científico parcial até o oitavo mês de vigência da bolsa; e) Apresentação de relatório técnico científico final dos resultados alcançados, 30 (trinta) dias após o encerramento da vigência das bolsas, uma via impressa e uma via digital; f) Apresentação de cópias de artigos publicados em revistas ou anais de congressos nacionais ou estrangeiros; artigos, ainda no prelo, submetidos a revistas e outras formas de comunicação científica; g) Realização da reunião anual, na forma de seminário ou congresso, onde os bolsistas deverão apresentar sua produção científica sob a forma de pôsteres, resumos e/ou apresentações orais. O desempenho do bolsista deverá ser avaliado pelo Comitê Institucional do Programa com base nos critérios adotados pela instituição; h) Publicação dos resumos dos trabalhos dos bolsistas que serão apresentados durante o processo de avaliação, em livro, cd ou na página da instituição na Internet; i) Participação do Comitê Externo para atuar na avaliação do Programa, durante o seminário final. II - Aceitar justificativa escrita para a entrega com atraso das freqüências, dos relatórios parcial e final, dos resumos expandidos e da data para apresentação parcial e final dos projetos, ocorrendo justo motivo; 1º Constituem justo motivo, além daqueles previstos em lei: I - impedimento por falta de condições de saúde, comprovado mediante atestado fornecido por profissional legalmente habilitado; II - impedimento de consciência, em razão da guarda do dia destinado exclusivamente a exercício religioso,

13 comprovado mediante declaração do chefe da associação religiosa a que pertencer o aluno praticante; III - caso fortuito ou de força maior, comprovado de modo a não deixar dúvida quanto à sua procedência; 2º Não será considerado justo motivo a simples prestação de serviço decorrente de obrigação por vínculo de função pública ou privada. 3º A justificativa escrita deverá ser assinada somente pelo orientador do aluno e dirigida ao Coordenador Local do Programa dentro do prazo improrrogável de 48 (quarenta e oito) horas, a contar da data marcada para o compromisso. No caso da ausência justificada na apresentação final do projeto será marcada nova e última data para a apresentação. XI DO CANCELAMENTO E DA SUBSTITUIÇÃO DE BOLSISTAS Art. 12 O cancelamento e/ou substituição de bolsista se dará nas seguintes condições: I - segunda solicitação de suspensão da bolsa; II - conclusão do curso; III - insuficiência de desempenho acadêmico; IV - mudança de agência de financiamento; V - não atendimento às normas do programa; VI - falecimento. 1º A substituição do bolsista poderá ser feita até o sexto mês da vigência da cota de bolsas; 2º Será vetado, ao bolsista excluído, o retorno ao sistema na mesma condição; 3º Para o PAIC-INDÍGENA e IC-SAÚDE, em hipótese alguma será permitida a substituição de bolsista. XII DA PRESTAÇÃO DE CONTAS TÉCNICA Art.13 A prestação de contas técnica será apresentada por meio de relatórios institucionais parcial e final, que se fará de acordo com as normas e prazos da FAPEAM/CNPq. XIII DA PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRA Art.14 A prestação de contas financeira será apresentada por meio de relatório de execução financeira, que se fará de acordo com as normas e prazos da FAPEAM/CNPq, através da interviniente. XIV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

14 Art.15 Os casos omissos serão resolvidos pela Pró- Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Art. 16 Esta Resolução entra em vigor, nesta data, revogadas as disposições em contrário. SALA DE REUNIÕES DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, em Manaus, 22 de junho de Profª. Drª. Marilene Correa da Silva Freitas Presidente

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADES IC/ICJR) EDITAL n 02/2012/DIPESP/IFAM-CMC/IC-ICJR

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADES IC/ICJR) EDITAL n 02/2012/DIPESP/IFAM-CMC/IC-ICJR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS DIRETORIA GERAL DO CAMPUS MANAUS CENTRO DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE MATO GROSSO

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE MATO GROSSO Resolução Nº 04, de 21 de junho de 2006. Aprova o Regulamento das Bolsas para o Apoio à Pós-Graduação de Instituições Públicas e Privadas de Ensino (MT-PG). O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO

Leia mais

3.1. A Bolsa assegurará auxílio financeiro ao contemplado e será concedida em doze parcelas.

3.1. A Bolsa assegurará auxílio financeiro ao contemplado e será concedida em doze parcelas. EDITAL PIBIC-EM Nº 01/2015 O Reitor da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, com vistas à chamada para a seleção de bolsista de Iniciação Científica para o Ensino Médio PIBIC-EM, sob a Coordenação

Leia mais

EDITAL Nº 002 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 002 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS CONGONHAS DIRETORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO, PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PARA O ENSINO MÉDIO (PIBIC EM) EDITAL 2015-2016

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PARA O ENSINO MÉDIO (PIBIC EM) EDITAL 2015-2016 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PARA O ENSINO MÉDIO (PIBIC EM) EDITAL 2015-2016 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa (PROPEP), por intermédio do Núcleo de Pesquisa e Iniciação

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Diretoria de Pesquisa e Inovação. EDITAL N o 1 2012/2013

Universidade Federal de Itajubá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Diretoria de Pesquisa e Inovação. EDITAL N o 1 2012/2013 Universidade Federal de Itajubá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Diretoria de Pesquisa e Inovação A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal de Itajubá, responsável pela

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o presente Edital de abertura de inscrições,

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 124, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 124, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 124, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta o Programa Institucional de Bolsas de Pós-graduação

Leia mais

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA Nº. 13/2013 DETALHAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A (FUNCAP), vinculada

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DAS PARTES ENVOLVIDAS NO PROGRAMA

ATRIBUIÇÕES DAS PARTES ENVOLVIDAS NO PROGRAMA PORTARIA No- 76, DE 14 DE ABRIL DE 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, incisos II, III e IX, do Estatuto

Leia mais

EDITAL PIBITI / CNPq / UFERSA 09/2015 Seleção 2015 2016

EDITAL PIBITI / CNPq / UFERSA 09/2015 Seleção 2015 2016 EDITAL PIBITI / CNPq / UFERSA 09/2015 Seleção 2015 2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), através do Núcleo de Inovação Tecnológica NIT/UFERSA,

Leia mais

EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC/FAPEMIG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFCO E TECNOLÓGICO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO

Leia mais

Portaria Nº 52, de 26 setembro de 2002.

Portaria Nº 52, de 26 setembro de 2002. Portaria Nº 52, de 26 setembro de 2002. O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 21, incisos II e V, do Decreto nº

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Campus Campinas EDITAL N O 12, DE 23 DE ABRIL DE 2015 O Diretor Geral do Campus Campinas

Leia mais

Reabertura de Inscriçõ es

Reabertura de Inscriçõ es Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá Diretoria de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico EDITAL PIBIC/CNPq/IEPA 2015/2016 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE

Leia mais

Programa de Iniciação Científica Faculdade Integral Cantareira

Programa de Iniciação Científica Faculdade Integral Cantareira Programa de Iniciação Científica Faculdade Integral Cantareira EDITAL 2015/2016 A Diretoria e o Comitê Institucional do Programa de Iniciação Científica (CIPIC) da Faculdade Cantareira tornam público o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA(PIC/UFRPE)

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA(PIC/UFRPE) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (2012-2013) PIBIC/CNPq/UFRPE

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

EDITAL 001/2010-DAP/PROPESP/UFAM

EDITAL 001/2010-DAP/PROPESP/UFAM Universidade Federal do Amazonas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Departamento de Apoio à Pesquisa Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica Júnior - PIBICJR EDITAL 001/2010-DAP/PROPESP/UFAM

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

Edital nº 017/2015 - PRORROGADO ATÉ 12/07/2015

Edital nº 017/2015 - PRORROGADO ATÉ 12/07/2015 FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS Núcleo de Prática de Pesquisa Edital nº 017/2015 - PRORROGADO ATÉ 12/07/2015 EDITAL DE SELEÇÃO - PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICANO PARA O ENSINO

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016 PROTEC/UFAM

EDITAL Nº 01/2016 PROTEC/UFAM Poder Executivo Ministério da Educação Universidade Federal do Amazonas Pró-Reitoria de Inovação Tecnológica Programa Institucional de Bolsas de Desenvolvimento Tecnológicoe Inovação PIBITI EDITAL Nº 01/2016

Leia mais

EDITAL PROPI Nº 007/2014 - Bolsas de Doutorado e Auxílio Moradia na Modalidade do Novo Programa de Formação Doutoral Docente/CAPES (Novo Prodoutoral)

EDITAL PROPI Nº 007/2014 - Bolsas de Doutorado e Auxílio Moradia na Modalidade do Novo Programa de Formação Doutoral Docente/CAPES (Novo Prodoutoral) EDITAL PROPI Nº 007/2014 - Bolsas de Doutorado e Auxílio Moradia na Modalidade do Novo Programa de Formação Doutoral Docente/CAPES (Novo Prodoutoral) O Pró-Reitor de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1º A monitoria é uma atividade acadêmica, no âmbito da graduação, que pretende oferecer ao aluno experiência de iniciação à docência. 1º A monitoria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

CADERNO DE NORMAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO - PICDTI/PRPPG/UFPR

CADERNO DE NORMAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO - PICDTI/PRPPG/UFPR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Rua Dr. Faivre, 405Ed. D. Pedro II 1.º andar - Centro 80060-140 - Curitiba - PR Tel.: (41) 3360-5332 Fax:

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Diretoria de Pesquisa Divisão de Programas Especiais

Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Diretoria de Pesquisa Divisão de Programas Especiais Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Diretoria de Pesquisa Divisão de Programas Especiais Edital Nº 01/2016 - Convocação de Projetos de Pesquisa para Bolsas de Iniciação

Leia mais

EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT.

EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT. EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT. A PRO-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO - PR-PPGI,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI / IFAL / CNPq

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI / IFAL / CNPq SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação EDITAL RETIFICADO N o 02/2013 PRPI/IFAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA GERÊNCIA DE PROJETOS DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UPE

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA GERÊNCIA DE PROJETOS DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA GERÊNCIA DE PROJETOS DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UPE OBJETIVOS EDITAL IC PFAUPE - 2010 Promover o interesse pela pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO CNPQ MODALIDADES: PIBIC E PIBITI / 2013 2014 EDITAL Nº 65/PROPESP/IFRO, DE 22 DE JULHO DE

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Humanas e Sociais, cursos de Mestrado

Leia mais

Programa Bolsa-Sênior

Programa Bolsa-Sênior CHAMADA PÚBLICA 09/2015 Programa Bolsa-Sênior A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná divulga a presente Chamada Pública e convida as instituições de ensino

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº 32/2009, DE 21 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPPGE DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E ARTES DE LIMEIRA (Pic-FAAL) - REGULAMENTO -

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E ARTES DE LIMEIRA (Pic-FAAL) - REGULAMENTO - PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E ARTES DE LIMEIRA (Pic-FAAL) - REGULAMENTO - O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Administração e Artes de Limeira (Pic-FAAL)

Leia mais

EDITAL Nº 13/2015 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM)

EDITAL Nº 13/2015 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM) EDITAL Nº 13/2015 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM) A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação da Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO - PRPI EDITAL 03/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO - PRPI EDITAL 03/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO - PRPI EDITAL 03/2015 Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Pernambuco FACEPE convida as universidades públicas de Pernambuco, federais ou estaduais,

Leia mais

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari -

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - 1 Apresentação O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa EDITAL 2015/2016 A Pró-Reitoria de e o Comitê Institucional do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo PIC/PIBITI USP, tornam público o presente Edital de abertura de

Leia mais

EDITAL Nº. 41/2015. Programa Institucional de Iniciação Científica para o Ensino Médio - IC/EM. Bolsas de Iniciação Científica Ensino Médio

EDITAL Nº. 41/2015. Programa Institucional de Iniciação Científica para o Ensino Médio - IC/EM. Bolsas de Iniciação Científica Ensino Médio EDITAL Nº. 41/2015 Programa Institucional de Iniciação Científica para o Ensino Médio - IC/EM Bolsas de Iniciação Científica Ensino Médio A Universidade Católica de Santos, por meio da Pró-Reitoria de

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EDITAL DE INCENTIVO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA PROJETO

Leia mais

Ministério da Educação COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. PORTARIA No- 140, DE 1o- DE JULHO DE 2010

Ministério da Educação COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. PORTARIA No- 140, DE 1o- DE JULHO DE 2010 Diário Oficial Imprensa Nacional. Nº 126 DOU de 05/07/10 p. 5 seção 1 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ministério da Educação COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015

PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Francisco César de Sá Barreto, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB.

RESOLUÇÃO 04/2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º - Fixar normas para o Funcionamento do Programa de Bolsas de Monitoria na UESB. Dispõe sobre o Programa de Bolsa de Monitoria da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB, revogando as disposições em contrário, em especial as Resoluções CONSEPE/UESB 18/94 e 48/97. O Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

EDITAL N.º 001/FISA FUNEC- 2015

EDITAL N.º 001/FISA FUNEC- 2015 EDITAL N.º 001/FISA FUNEC- 2015 A Fundação Municipal de Educação e Cultura de Santa Fé do Sul FUNEC, no uso de suas atribuições legais, através da Coordenação do Núcleo de Pesquisa e Extensão NUPEx, torna

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 02/2013 PROGRAMA FAPESC DE RECURSOS HUMANOS EM CTI MESTRADO E DOUTORADO

CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 02/2013 PROGRAMA FAPESC DE RECURSOS HUMANOS EM CTI MESTRADO E DOUTORADO 1 OBJETIVO CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 02/2013 PROGRAMA FAPESC DE RECURSOS HUMANOS EM CTI MESTRADO E DOUTORADO A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina FAPESC, em parceria com

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA

EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DE TERESINA CEUT FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS, SAÚDE, EXATAS E JURÍDICAS DE TERESINA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO DE PROJETOS DE

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação EDITAL PIBIC/PIBIC-AF/CNPq/UFOP Nº 04/2016 A da torna público que estão abertas inscrições para solicitação de uma cota de bolsa, no âmbito do PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA,

Leia mais

CCT Secretaria Acadêmica

CCT Secretaria Acadêmica RESOLUÇÃO CPPGEC n o 02/2012 COMISSÃO COORDENADORA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUACÃO EM ENGENHARIA Assunto: Modificação da Resolução 02/2009: Disciplina Seminários I, II, III, IV Art. 1º - O PPGEC oferecerá

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLGIA DE RORAIMA PRO REITORIA DE EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLGIA DE RORAIMA PRO REITORIA DE EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLGIA DE RORAIMA PRO REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX Nº 004/2012 RETIFICA O EDITAL PROEX Nº 001/2012 QUE INSTITUI O PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

EDITAL PIBITI 2015/2016 (Aprovado em reunião do Comitê de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia (PITT) da UFAL em 17/03/2015)

EDITAL PIBITI 2015/2016 (Aprovado em reunião do Comitê de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia (PITT) da UFAL em 17/03/2015) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EDITAL PIBITI 2015/2016 (Aprovado em reunião

Leia mais

Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação Universidade de Brasília

Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação Universidade de Brasília (UnB) Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) Programa de Bolsas de Mestrado e Doutorado da e Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (ProMD/UnB/FAPDF/2016) BOLSAS REMANESCENTES DO EDITAL ProMD/UnB/FAPDF

Leia mais

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

A.1 Regimento Interno do PPgSC. Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação A.1 Regimento Interno do PPgSC Regimento do Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação Capítulo I: Disposições Preliminares Art 1 -Do Alcance O Programa de Pós-graduação em Sistemas e Computação

Leia mais

EDITAL Nº 001/2015 - PROCIENT

EDITAL Nº 001/2015 - PROCIENT FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE - FACDO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO NUPEX PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROCIENT FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE Rua Santa Cruz, 557. Centro - 77804-090

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Física - Campus Curitiba Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia - PPGFA Regulamento Interno do Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

EDITAL FAPES Nº 003/2010

EDITAL FAPES Nº 003/2010 EDITAL FAPES Nº 003/2010 Seleção de propostas a serem apresentadas pelos Programas de Pósgraduação stricto sensu do estado do Espírito Santo, visando à concessão de quotas de bolsas para formação de recursos

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação

Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação Pró-Reitoria de Ensino de Pós-Graduação EDITAL PROPCI-PROPG/UFBA 02/20 PRODOC-UFBA A Pró-Reitoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR I - DA PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS E SEUS OBJETIVOS ART. 1 - A Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC Edital PROPPG 01/2013 Seleção de Projetos

Leia mais

PARECER Nº 034/2013 DA COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS.

PARECER Nº 034/2013 DA COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS PARECER Nº 034/2013 DA COORDENADORIA

Leia mais

SELEÇÃO DE BOLSISTAS 2014/2015

SELEÇÃO DE BOLSISTAS 2014/2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO EDITAL Nº 03/2014/PRPGI PIBITI, PIBIC, PIBIC-EM, PIVITI, PIVIC e PIVIC-EM SELEÇÃO DE BOLSISTAS

Leia mais

Art. 10. Art. 11. EDITAL Nº 01/2015

Art. 10. Art. 11. EDITAL Nº 01/2015 Escola de Educação e Humanidades Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação PPGE SGAN 916, Módulo B, Sala A-111 Campus II Asa Norte Brasília/DF 70790-160 Tel.: (61) 3448-7123 Fax: (61) 3347-4797

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17/2015

RESOLUÇÃO Nº 17/2015 RESOLUÇÃO Nº 17/2015 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, em sessão de 29/04/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.037190/09-89, nos termos do Parecer nº 09/2015 da Comissão de Diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO. Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Mestrado Acadêmico em Engenharia de Produção e Sistemas CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Artigo 1º - O Programa de Iniciação Científica - PIC tem por finalidade despertar o interesse e incentivar vocações

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DE CULTURA CONTEMPORÂNEA UFMT TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da UFMT,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa Institucional de Iniciação Científica (Pró-Ciência) tem por objetivo geral o desenvolvimento

Leia mais

EDITAL Nº 002/2014- PARFOR/PREG, DE 24 DE MARÇO DE 2014.

EDITAL Nº 002/2014- PARFOR/PREG, DE 24 DE MARÇO DE 2014. EDITAL Nº 002/2014- PARFOR/PREG, DE 24 DE MARÇO DE 2014. RELATIVO AO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSOR FORMADOR, PROFESSOR ORIENTADOR E SUPERVISOR DE ESTÁGIO PARA O PARFOR/UESPI 2014.1. A Pró-Reitoria

Leia mais

E D I T A L N º 0 8 / 2 0 1 5 SELEÇÃO DE PESQUISADOR/PROFESSOR VISITANTE 2016/1 PROGRAMA DE PESQUISADOR/ PROFESSOR VISITANTE

E D I T A L N º 0 8 / 2 0 1 5 SELEÇÃO DE PESQUISADOR/PROFESSOR VISITANTE 2016/1 PROGRAMA DE PESQUISADOR/ PROFESSOR VISITANTE A SUB-REITORIA DE PÓS - GRADUAÇÃO E PESQUISA (SR -2) da UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UERJ torna público o Edital de abertura de inscrições e as normas para o processo seletivo do PROGRAMA DE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU RESOLUÇÃO N.º 507/2007 Publicada no D.O.E. de 08/09-12-2007, pág. 24 Altera a Resolução Nº. 634/04 CONSEPE, que aprova o Regulamento de

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: QUÍMICA DA VIDA E SAÚDE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, caracteriza-se

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Anexo III da RN-017/2006 - Bolsas por Quota no País

Anexo III da RN-017/2006 - Bolsas por Quota no País Anexo III da RN-017/2006 - Bolsas por Quota no País 3. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC - Norma Específica 3.1 - Finalidade O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

3. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC - Norma Específica

3. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC - Norma Específica Anexo III da RN-017/2006 - Bolsas por Quota no País 3. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC - Norma Específica 3.1 - Finalidade O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 190, DE 17 DE SETEMBRO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 190, DE 17 DE SETEMBRO DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 190, DE 17 DE SETEMBRO DE 2010 O PRESIDENTE SUBSTITUTO DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 190, DE 17 DE SETEMBRO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 190, DE 17 DE SETEMBRO DE 2010 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 190, DE 17 DE SETEMBRO DE 2010 O PRESIDENTE SUBSTITUTO DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual nº 7.344 de 27.05.1998 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 05/2007 REGULAMENTO

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés Regulamento do Programa de Monitoria para os cursos de Graduação A Monitoria é uma atividade Acadêmica dos cursos de Graduação que visa dar oportunidade de aprofundamento vertical de estudos em alguma

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (PIBIC-Af) EDITAL Nº 004/2015-PROPPG,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

EDITAL N o 36/2014 PROENS/IFPR NOVO PRODOUTORAL/CAPES

EDITAL N o 36/2014 PROENS/IFPR NOVO PRODOUTORAL/CAPES EDITAL N o 36/2014 PROENS/IFPR NOVO PRODOUTORAL/CAPES O PRÓ-REITOR DE ENSINO DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ (IFPR), no uso de suas atribuições regimentais, por meio da Portaria n.º 86, de 03 de fevereiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 009/2014 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 009/2014 DE 21

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação EDITAL PROPPG 05A/2015 PIBIC-EM

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação EDITAL PROPPG 05A/2015 PIBIC-EM 1 de 9 1 2 3 EDITAL OPPG 05A/2015 PIBIC-EM OGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO 4 5 6 7 8 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (OPPG), em conjunto com o Comitê Interno

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO

REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO A Direção Geral da Faculdade ESUP, torna público o presente Regulamento do NUPE Núcleo de Pesquisa e Extensão que tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

O presente Regimento Interno trata da caracterização, estrutura organizacional,

O presente Regimento Interno trata da caracterização, estrutura organizacional, REGIMENTO DOS NÚCLEOS INSTITUCIONAIS DE PESQUISA E EXTENSÃO (NIPE) DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS (IFSULDEMINAS) O presente Regimento Interno trata da caracterização,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011.

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. Dispõe sobre Criação de Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA/URI. O Reitor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais