GESTÃO DO RELACIONAMENTO EM CARTÃO DE CRÉDITO. Joel Solon Farias de Azevedo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DO RELACIONAMENTO EM CARTÃO DE CRÉDITO. Joel Solon Farias de Azevedo"

Transcrição

1 UNEB - UNIÃO EDUCACIONAL DE BRASÍLIA ICSA - INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR ESTÁGIO SUPERVISIONADO II GESTÃO DO RELACIONAMENTO EM CARTÃO DE CRÉDITO Joel Solon Farias de Azevedo BRASÍLIA DF 2003

2 UNEB - UNIÃO EDUCACIONAL DE BRASÍLIA ICSA - INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR ESTÁGIO SUPERVISIONADO II GESTÃO DO RELACIONAMENTO EM CARTÃO DE CRÉDITO Trabalho de graduação apresentado à disciplina Estágio Supervisionado II, do curso de Administração com Habilitação em Comércio Exterior, como parte dos requisitos para obtenção do título de bacharel em Administração com habilitação em Comércio Exterior, pela UNEB. Área: Marketing Ênfase: Marketing de Relacionamento Orientador: Ailton Ferreira Cavalcante BRASÍLIA - DF 2003

3 JOEL SOLON FARIAS DE AZEVEDO GESTÃO DO RELACIONAMENTO EM CARTÃO DE CRÉDITO Este trabalho foi julgado adequado para obtenção do título de bacharel em Administração com Habilitação em Comércio Exterior e aprovado em sua forma final pelo professor MSc Ailton Ferreira Cavalcante, orientador de Estágio Supervisionado do Departamento de Administração da União Educacional de Brasília UNEB.

4 AZEVEDO, Joel Solon Farias de Gestão do Relacionamento em Cartão de Crédito, Brasília, UNEB, Bacharelado em Administração com Habilitação em Comércio Exterior, p. Trabalho final: Comércio Exterior (Área: Marketing. Ênfase: Marketing de Relacionamento) Orientador: Ailton Ferreira Cavalcante 1. Marketing. 2. Relacionamento. 3. Cartão de Crédito. I. União Educacional de Brasília II. Gestão do Relacionamento em Cartão de Crédito

5 Por trás do trabalho de um homem sempre existe a presença de uma mulher. Mais do que uma pequena homenagem, este trabalho representa um pouco do resultado da presença de Daniella, minha esposa.

6 AGRADECIMENTOS A Deus, pela certeza da sua presença e de seu amor em todos os momentos da nossa vida. A Daniella, pelo seu companheirismo e incentivo e apoio constantes. Aos meus pais, pelo esforço na minha formação moral e na lição de perseverança. Ao meu filho Gabriel, pelo exemplo de determinação e seriedade. Ao mestre Ailton, pelas dicas fundamentais à realização deste trabalho. Aos colegas José Jorge de Lima e José Carlos Reis da Silva, pelo apoio e amizade. A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho.

7 Seus ativos mais importantes seus recursos humanos, sua reputação, suas marcas e seus clientes não aparecem nos livros-caixa. Theodore Levitt

8 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS BACEN BZ CAC CMP CMV CRM EUA LCVC LTV Banco Central do Brasil Clientes com LTV Negativo, ou Below Zero (abaixo de zero) Custo de Aquisição de Cliente Clientes de Maior Potencial Clientes de Maior Valor Customer Relationship Management (Gestão do Relacionamento com o Cliente) Estados Unidos da América Lucro no Ciclo de Vida do Cliente Lifetime Value (Valor do Cliente no Tempo)

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Números do mercado brasileiro de cartão de crédito Quadro 2 Estratégias de relacionamento diferenciadas por grupos de clientes, segmentados com base no LTV... 41

10 RESUMO Os varejistas de bairro são há muito reconhecidos por sua capacidade de estabelecer relacionamentos genuínos com seus clientes, laços sinceros de confiança e familiaridade que duram décadas, passando de geração para geração. Ora, eles têm a fórmula para a permanência de uma empresa no tempo: reduzir ao máximo os custos de captação de novos clientes, e aumentar ao máximo os lucros com o aumento do ciclo de vida dos clientes, e os conseguem estreitando relacionamentos, tratando os clientes pelo nome, conhecendo as suas preferências, conhecendo o seu histórico de consumo, ouvindo atentamente as suas críticas e sugestões e, principalmente, mudando e adaptando-se continuamente à demanda efetiva dos seus clientes, em última instância a razão da existência do seu negócio. O marketing de relacionamento é esta filosofia, aplicada às médias e grandes empresas, onde os contatos com os clientes ocorrem por múltiplos canais e por diferentes funcionários, a cada atendimento. Assim, o marketing de relacionamento é uma filosofia de administração empresarial baseada na aceitação tácita da orientação para o cliente e para o lucro por parte de toda a empresa, e no reconhecimento de que se deve estabelecer um relacionamento profundo e duradouro com os clientes e fornecedores, como forma de se obter vantagem competitiva sustentável, no longo prazo. É este o desafio do mercado brasileiro de cartões de crédito: oferecer soluções que atendam diferentes necessidades e expectativas para diferentes clientes, tal como fazem os varejistas de bairro.

11 ABSTRACT The retailers of quarter are very recognized for its capacity to establish genuine relationships with its customers, sincere bows of reliable and familiarity that last decades, trough each generation. However, they have the formula for the permanence of a company in the time: to reduce to the minimum the costs of captation of new customers, and to increase to the maximum the profits with the increase of the cycle of life of the customers, and obtain them intently narrowing relationships, treating the customers for the name, knowing its preferences, its description of consumption, hearing its critical ones and suggestions and, mainly, moving and adapting themselves continuously to the demand accomplish of its customers, in last instance the reason of the existence of its business. The relationship marketing is this philosophy, applied to the middle and great companies, where the contacts with the customers occur for multiple canals and different employees, in each attendance. So, the relationship marketing is a philosophy to enterprise administration based in the implied acceptance of the orientation to the customer and the profit by each the part of all the company, and in the recognition of that if it must establish a deep and lasting relationship with the customers and suppliers, as form to get sustainable competitive advantage, in the long stated period. Here it is the challenge of the Brazilian market of credit cards: to offer solutions that take care of to different necessities and expectations for different customers, such as it makes the retailers of the quarter.

12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Área de concentração do trabalho desenvolvido Caracterização do negócio Formulação do problema ou oportunidade Justificativa Objetivos Metodologia DESENVOLVIMENTO 2.1. O mercado brasileiro de cartões de crédito Referencial teórico Análise das práticas atuais do negócio no Brasil CONCLUSÃO 3.1. Práticas para melhoria da eficiência Práticas para melhoria da eficácia, que agreguem valor para os clientes Estratégias de relacionamento diferenciadas por grupos de clientes, segmentados com base no LTV BIBLIOGRAFIA GLOSSÁRIO... 44

13 1 INTRODUÇÃO 1.1 Área de concentração do trabalho desenvolvido A área de concentração do trabalho é o Marketing, focado em Marketing de Relacionamento, especificamente em gestão do relacionamento com clientes na indústria do cartão de crédito, no mercado brasileiro. 1.2 Caracterização do negócio O cartão de crédito surgiu a partir da criação de uma necessidade ainda não identificada e de uma situação inusitada. Em 1950, o empresário Frank MacNamara e seus convidados, executivos financeiros, saíram para jantar em Nova Iorque, e tudo transcorria normalmente até que chegou a hora de pagar a conta, quando Frank percebeu que esquecera de levar dinheiro e talão de cheques. Depois de alguma discussão, o dono do restaurante concordou que a conta fosse paga posteriormente, mediante a colocação da assinatura de Frank na nota de despesa, que foi honrada pessoalmente dias depois. A partir deste episódio, MacNamara concebeu a idéia do cartão de crédito. O primeiro cartão de crédito Dinner Club Card foi emitido em 28 de fevereiro de Cerca de duzentas pessoas, na maioria amigos de MacNamara, tinham o cartão, que era aceito em 27 restaurantes. Ainda em 1950 foi criado o Bank Americard, que mais tarde se transformaria na Visa Internacional. Em 1951, o número de portadores já chegava a , movimentando US$ 1 milhão através de 330 restaurantes, hotéis, boates, e diversos estabelecimentos varejistas. A partir daí expandiu-se para os demais

14 paises, chegando ao Brasil em 1954, com o nosso primeiro cartão o Dinners, sendo aceito em um seleto grupo de restaurantes. 14 O cartão de crédito vem conquistando cada vez mais a preferência dos brasileiros a outras formas de pagamento e de financiamento, consolidando sua posição como meio de pagamento e de acesso a crédito, de forma segura, rápida, e simplificada. Os principais motivos que vêm fortalecendo o cartão de crédito como sistema de pagamento emergente são o menor custo do mecanismo de pagamento e a conveniência para o cliente, em relação aos outros hábitos e meios de pagamento. Dentre as várias definições de cartão de crédito, algumas são mais conhecidas: a) Documento emitido por instituição financeira, e que autoriza o usuário a ser debitado em compras ou outros serviços prestados, de acordo com cláusulas preestabelecidas. (Dicionário Aurélio: 1986) b) Serviço de intermediação que permite ao consumidor adquirir bens e serviços em estabelecimentos comerciais previamente credenciados mediante a comprovação de sua condição de usuário. Essa comprovação é geralmente realizada, no ato da aquisição, com a apresentação de cartão ao estabelecimento comercial. O cartão é emitido pelo prestador do serviço de intermediação, chamado genericamente de administradora de cartão de crédito. (Serviço de Atendimento ao Público do BACEN). Atualmente o cartão de crédito tem as seguintes funções básicas: a) facilitar ao consumidor a aquisição de bens e serviços, permitindo-lhe consumir independentemente da disponibilidade ou não de recursos, utilizando um limite de crédito rotativo estabelecido em contrato com a instituição emissora.

15 Essa função tem papel importante no desenvolvimento comercial e na atividade econômica, pois aumenta a circulação de bens e serviços; 15 b) facilitar o acesso ao crédito de forma automática, evitando para o consumidor os transtornos típicos de preenchimento de cadastros ou fichários prévios para a obtenção de crédito; c) permite o pagamento diferido das compras sem o acréscimo de juros, até uma data mensal fixada em contrato; d) ao mesmo tempo em que facilita a vida para o consumidor, para o fornecedor constitui garantia de recebimento dos produtos e serviços vendidos, com liquidez certa mediante pagamento de uma pequena taxa de administração, descontada do valor de seu faturamento, quando do crédito em conta corrente na data prevista em contrato. Além de eliminar o departamento de crédito no estabelecimento, é também eliminado o risco de inadimplência nas vendas recebidas com o cartão, já que a administradora honrará os seus débitos independentemente da quitação por parte do consumidor; e) o meio de pagamento substitui com vantagens o dinheiro e o cheque, por conta da redução dos riscos inerentes com a perda ou roubo, que são assumidos pela administradora. Os integrantes do sistema de cartão de crédito são: a) Bandeiras: são normalmente entidades internacionais que possuem uma marca forte e reconhecida. Essa marca é licenciada ao mesmo tempo a emissores (ou administradoras) que emitem cartões com essa identificação, e a adquirentes, que são autorizados a afiliarem estabelecimentos comerciais a aceitarem os cartões com aquela marca; b) Emissores: são as empresas que emitem cartões para os seus clientes. São os responsáveis pelo pagamento das despesas realizadas com os seus cartões aos

16 estabelecimentos comerciais, através de liquidação financeira com as bandeiras e os adquirentes, independentemente do recebimento dos valores dos portadores; 16 c) Adquirentes: são as empresas que afiliam (contratam) a rede de estabelecimentos comerciais que aceitam os cartões de uma determinada bandeira. O nome adquirente deve-se à sua função básica de adquirir os comprovantes de vendas dos lojistas, assumindo ao mesmo tempo uma obrigação pelo seu pagamento, e um crédito líquido e certo junto aos emissores dos cartões utilizados. Concomitantemente, são assumidos pelo emissor um débito para com o adquirente e um crédito junto ao seu portador do cartão utilizado; d) Lojistas: são os fornecedores de bens e serviços que aceitam o cartão de crédito como meio de pagamento; e) Portadores (pessoa física ou jurídica representada): são todas as pessoas que possuem cartão e que estão aptas a realizarem gastos com o mesmo. Na operacionalização do uso do cartão de crédito, todos os integrantes do sistema (as cinco entidades acima descritas) são acionados para que a transação seja completada, em um tempo médio de 10 segundos, dessa forma: a) o portador do cartão e o lojista interagem diretamente na transação comercial, por meio do cartão; b) o lojista entra em contato com o adquirente, por meio de terminal eletrônico ou de telefone, e solicita uma autorização para aquela transação; c) o adquirente, por meio eletrônico encaminha o pedido de autorização à bandeira, que interliga adquirentes e emissores; d) a bandeira identifica o emissor pelo número do cartão, e por meio eletrônico lhe encaminha o pedido de autorização;

17 e) o emissor recebe o pedido de autorização, consulta sua base de dados, e fornece um código de autorização; 17 f) a bandeira encaminha o código de autorização ao adquirente, por meio eletrônico na mesma conexão; g) o adquirente encaminha o código de autorização ao lojista, que finaliza a transação acolhendo a assinatura do portador no comprovante de venda. O mercado mundial de cartões de crédito alcançou a marca de 1,1 bilhões de cartões no ano de 2000, transacionando um volume de US$ 2,7 trilhões. O volume de transações do mercado americano representou cerca de metade do volume mundial, naquele ano. Os portadores americanos de cartões de crédito realizaram, naquele ano, em média 8 transações por mês, quase 5 transações a mais que o portador brasileiro. O Brasil, em 2000, manteve-se como o oitavo maior emissor de cartões de crédito do mundo (atrás de EUA, Japão, Reino Unido, China, Canadá, Coréia do Sul, França, Espanha, Alemanha, Turquia, e Itália). O mercado brasileiro representou 2,6% do mercado total, superando economias européias de destaque. O volume de transações no Brasil, em 2000, representou 7,3% do consumo privado do país, demonstrando o alto potencial de crescimento do setor, já que em mercados próximos ao nosso e de características semelhantes, como o argentino, possuem uma maior participação sobre o consumo privado. Também em 2000, a relação de cartões por portador no mercado brasileiro foi de apenas 1,9, enquanto que nos EUA esta relação foi de 4,5.

18 O quadro abaixo ilustra o crescimento do mercado brasileiro de cartões de crédito: Quadro 1 Números do mercado brasileiro de cartões de crédito Ano Número de cartões (mil) Faturamento (milhões R$) Consumo privado (milhões R$) Participação no consumo privado ,7% ,4% ,3% ,1% ,8% Fonte: Credicard S.A Formulação do problema ou oportunidade O mercado brasileiro de cartões de crédito está em franca expansão, e a expectativa é de crescimento continuado para os próximos anos, em função da substituição do cheque pelo pagamento e financiamento com o cartão, o ingresso das classes de menor renda no mercado, e o aumento do uso do cartão nas transações de comércio eletrônico, principalmente pela Internet. O momento é oportuno para identificar práticas de gestão que alinhem estratégias de relacionamento com clientes no setor de cartão de crédito, com ações que possam efetivamente contribuir para a agregação de valor tanto para os clientes quanto para as empresas prestadoras, ao tempo que racionalizem custos para ambos e otimizem resultados para os operadores. 1.4 Justificativa O produto cartão de crédito confunde produto físico e serviço bancário, meio de pagamento e linha de crédito rotativo. Como todo produto financeiro brasileiro, o cartão de crédito é totalmente regulado pelo sistema financeiro nacional, para a sua operacionalização.

19 19 Da mesma forma, a padronização mundial do produto pelas Bandeiras que o processam Visa, Mastercard, American Express, e Diners, no Brasil - o torna uma commodity para o nosso mercado em concorrência, de todos os Bancos e Administradoras autorizadas a operar pelo Banco Central do Brasil. O cartão de crédito como solução de meio de pagamento facilitado, rápido, préaprovado, e totalmente desburocratizado tanto para o estabelecimento vendedor quanto para o comprador, tem apresentado no mercado brasileiro um franco crescimento, tanto quantitativo, na relação de cartões emitidos sobre a população total, quanto no índice de utilização, em relação aos meios de pagamento cheque e dinheiro. A progressiva bancarização das classes sociais de baixa renda associada ao atendimento às suas necessidades de crédito, e às vantagens comparativas da solução de pagamento em relação ao cheque e ao dinheiro, vem favorecendo o grande crescimento da utilização do meio de pagamento. A conquista destes novos clientes não familiarizados com o cartão de crédito representa, no Brasil, um custo bastante elevado desde que as administradoras passaram a oferecer o produto gratuitamente por um período de seis meses, em média, a partir do ano de O não pagamento de tarifas pelo período probatório e a inexistência de barreiras de saída, além de elevar os custos de captação, não promovem a fidelidade do cliente para com o produto, nem criam as condições necessárias ao estreitamento do relacionamento entre o cliente e a administradora do cartão. Sem a criação de vínculo mais significativo e sem a existência de compromisso de permanecer com o produto, o cliente passa a considerar todos os produtos similares como prováveis produtos substitutos, e troca de fornecedor com mais freqüência, atendendo aos apelos publicitários.

20 20 A armadilha da isenção de tarifas por um determinado período de uso agora enfrentada pelo mercado de emissores, vem estimulando os clientes antigos a abandonarem seus fornecedores e irem para o concorrente auferindo das vantagens financeiras, considerando que a pequena diferenciação entre os cartões coloca o fator custo como preponderante para o cliente, na sua decisão de compra do produto. Por outro lado, os cartões representam a chave física de acesso aos ambientes físicos e virtuais onde se realizam a maioria das transações financeiras na atualidade, e os Bancos, também emissores de cartões, têm como potenciais clientes toda a população economicamente ativa, e necessita lhes acessar para ofertar os mais diversos produtos e serviços financeiros, o que o fazem através de um cartão magnético que agregue as funções bancária e de crédito. As ações dos Bancos para incentivarem o uso dos cartões em preferência ao cheque, se justificam também pelos elevados custos de processamento, guarda e liquidação dos cheques, em relação às transações eletrônicas. 1.5 Objetivos Identificar práticas internacionais de gestão que possam ser aplicadas à realidade do mercado brasileiro de cartões de crédito. 1.6 Metodologia Na metodologia adotada no presente trabalho tomou-se como base para a pesquisa a taxionomia apresentada por Vergara (1998), que a qualifica em relação a dois aspectos: quanto aos fins e quanto aos meios: a) quanto aos fins, foram realizadas pesquisas dos tipos exploratória, descritiva, aplicada, e intervencionista:

21 1) exploratória, por não existirem publicações com conhecimento sistematizado sobre o tema abordado; 21 2) descritiva, porque descreve percepções, visões, e sugestões de diversos autores de diferentes culturas; 3) aplicada, porque motivada pela necessidade de buscar soluções de agregação de valor para a sociedade, no tema abordado; 4) intervencionista, por conter o propósito de interferir na realidade estudada por meio da publicação das percepções e soluções encontradas, e aproveitamento pela sociedade. b) quanto aos meios, foram realizadas pesquisas dos tipos bibliográfica, documental, e telematizada: 1) bibliográfica, porque para a fundamentação teórica do trabalho foram realizados estudos com base em material publicado em livros, revistas, jornais, e em redes eletrônicas; 2) documental, por ter sido apoiada no conhecimento prático sobre o tema abordado adquirido com o desenvolvimento de atividades relativas em empresa participante do mercado estudado; 3) telematizada, por ter sido apoiada em buscas realizadas na Internet.

22 22 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 O mercado brasileiro de cartões de crédito O mercado brasileiro de cartões de crédito está constituído de três grandes Bandeiras: Visa, Mastercard, e American Express; dois grandes Adquirentes: Visanet e Redecard, aceitando Visa e Mastercard, respectivamente; e vários emissores, em sua maioria bancos. As exceções são a American Express que concentra os dois lados do negócio, adquirente e emissor, e a Credicard, grande emissor e que não é banco. O mercado brasileiro no ano de 2002 faturou R$ 68 bilhões, segundo dados da Credicard disponíveis em seu site respondendo por 8,82% do consumo privado no PIB, com 41 milhões de cartões emitidos. Os principais emissores de cartões são a Credicard, e os Bancos Bradesco, do Brasil, Unibanco, Real, e Santader. Estimativas não oficiais apontam a participação de mercado entre bandeiras de 50% para a Visa, 45% para a Mastercard, e os 5% restantes para a American Express. Como peculiaridades do produto no mercado brasileiro, encontramos: a) a junção das funções débito e bancária em um único cartão de crédito, possibilitando acesso a transações bancárias no ambiente do banco emissor, e realização de compras e saques com débito direto em conta corrente, além das funcionalidades do cartão de crédito; b) a concessão de prazo para pagamento sem juros desde o lançamento da transação até a data de vencimento mensal da fatura, com o funding da operação

23 sendo bancado pelo lojista, que a recebe somente 30 dias após a data da transação; 23 c) a antecipação dos recebíveis aos lojistas, mediante operação de desconto; d) o processamento de transações parceladas com financiamento pelo lojista (portanto sem juros na conta do cartão) e parceladas pela administradora (com juros menores que os do financiamento rotativo), ambas com lançamento mensal de parcelas com valor fixo calculadas e determinadas no ato da compra, para facilitar a compreensão da operação pelo portador brasileiro, acostumado com a prática de avaliar sua capacidade de pagamento em função do valor da prestação, e resistente ao uso de crédito rotativo; 2.2 Referencial teórico A capacidade de identificar, definir e gerenciar os recursos, atividades, e esforços investidos em uma organização, com vistas a atingir seus objetivos é, na prática, a essência da administração. As atividades rotineiras de uma organização, em que os gerentes lidam com os problemas em seu ambiente de produção, configuram o gerenciamento operacional. Já as atividades que tem caráter de longo prazo e que constroem as condições para que a organização possa atingir seus objetivos no futuro são próprias da administração estratégica. As empresas bem sucedidas atribuem o seu êxito à capacidade de identificar oportunidades de mercado, e defender-se de ameaças surgidas no ambiente competitivo.

24 24 O quanto uma organização terá sucesso nestas ações, depende da conscientização de seus administradores quanto à importância do marketing na construção de diferencial competitivo e no entendimento do conjunto de necessidades dos consumidores que os seus produtos e serviços se propõem a satisfazer, e a habilidade de formular estratégias que ajudem a manter essa satisfação ao longo do tempo. De acordo com Kotler (1999, 174p), o marketing tem sido definido por vários observadores como a arte de conquistar e manter clientes, e que o marketing é a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos com eles. Também Kotler (1999, 163p), declara que as empresas precisam analisar se o custo de aquisição do cliente (CAC) será coberto pelos lucros no ciclo de vida do cliente (LCVC). Ora, sob esta ótica, as empresas devem se empenhar em reduzir os seus custos com aquisição de clientes (CAC), e elevar os lucros no ciclo de vida dos clientes (LCVC). Kotler (1999, 163p) esclarece: Para reduzir o custo de aquisição de clientes (CAC), as empresas devem aumentar sua eficiência na conversão de clientes potenciais em clientes efetivos." Kotler (1999, 163p) diz também que: Para aumentar seu LCVC, as empresas devem vender mais para cada cliente, mantê-los por maior número de anos e vender-lhes produtos que permitam lucros maiores." Hughes (2003, 63p) sustenta que, de fato, existam apenas três funções de marketing: a) adquirir clientes;

25 25 b) reter e reativar clientes; c) vender-lhes mais produtos. Neste contexto, medir o valor do cliente no tempo (LTV) é determinante para a execução destas funções, para definir o quanto, onde, e como investir os recursos da empresa em cada uma das funções, a partir da avaliação positiva ou negativa dos resultados das ações tomadas e do relativo conhecimento sobre os clientes. Hughes (2003, 64p) define o LTV como a apuração do lucro líquido que a empresa obterá com determinado cliente durante o ciclo de vida do seu relacionamento com a empresa. Para obtenção do LTV multiplica-se a margem de contribuição líquida anual da conta pela expectativa de número de anos de vida da conta, e desconta-se um fator de risco pelo custo de oportunidade dos recursos, para apurar o valor presente líquido. McKenna (1992, 45p) diz que o posicionamento começa com o consumidor. Os consumidores pensam sobre os produtos e empresas comparando-os com outros produtos e empresas. O que realmente importa é como os possíveis clientes e os já existentes vêem uma empresa em relação às concorrentes. Os consumidores definem uma hierarquia de valores, desejos e necessidades com base em dados empíricos, opiniões, referências obtidas através de propaganda boca a boca e experiências anteriores com produtos e serviços. E usam essas informações para tomar as decisões de compra." Bogman (2000, 15p) afirma que a manutenção de uma clientela fiel é tarefa essencial à sobrevivência das empresas, e vem se tornando cada vez mais complexa. Um estudo da American Management Association, indica que angariar novos clientes custa cinco vezes mais do que conservar clientes já existentes. Estudos da organização The Mony Group indicam que clientes antigos tendem a não interromper seus contratos e são mais receptivos a novos produtos oferecidos pela organização. Além disso, quanto mais antigo é o cliente, maior a probabilidade de ele recomendar a empresa a pessoas de seu relacionamento.

26 26 Bogman (2000, 47p) diz que as perdas de clientes trazem grandes prejuízos às organizações, e exigem medidas pra reduzir o índice de deserção. É importante identificar o motivo da perda de consumidores e procurar corrigir os rumos para estancar o abandono. Não há muito que fazer com os clientes que se mudaram, mas clientes que deixaram de comprar de sua empresa por motivo de insatisfação são recuperáveis, desde que se procure solucionar o problema pelo diálogo. Bogman (2000, 47p) diz também que hoje as empresas de maior destaque fazem de tudo para manter seus clientes. Muitos mercados atingiram a maturidade, e não há muitos clientes novos pra se captar. A competição é cada vez maior, e os custos para atrair novos clientes sobem cada vez mais. Nestes mercados, um marketing agressivo custa muito mais do que um marketing defensivo, pois exige um grande investimento para afastar os clientes satisfeitos dos concorrentes e ganhá-los para si. Almeida (2001, 21p) diz que praticou-se durante todo o século passado o marketing de emboscada, o marketing que objetivava unicamente atrair o cliente. Atrair já não é mais suficiente. Hoje, mais ou tão importante que atrair clientes é ter a capacidade de mantê-los na empresa, e fazer com que eles voltem sempre para fazer novos negócios. Isso é fidelização. Shapiro (1994, 170p) ressalta a importância do aprendizado com a perda de clientes, e o peso das percepções do cliente na decisão de abandonar um produto ou serviço. Para isso, as empresas devem se empenhar em informar ao máximo os atributos e benefícios de seus produtos aos seus clientes porque eles podem ir para a concorrência sem nenhuma vantagem, ou atraídos por uma promoção, ou mesmo em desvantagem em relação ao produto que vinha utilizando, por puro desconhecimento. Outra conclusão é que é necessário compreender as necessidades do cliente, e não basta apenas responder com aquilo que o cliente deseja e manifesta: é preciso antecipar as suas necessidades. Levitt (1990, 177p) fala da necessidade de explorar o ciclo de vida do produto, e coloca três perguntas para discussão:

27 a) Dado um novo produto ou serviço proposto, como e até onde a forma e a duração de cada estágio do ciclo de vida do produto podem ser previstas? 27 b) Dado um produto existente, como se pode determinar em que estágio ele está? c) Dados todos estes conhecimentos, como podem eles ser usados de forma eficaz? Esta análise se faz necessária no mercado de cartão de crédito brasileiro, na identificação do seu estágio, e na determinação de seu potencial atual e futuro. Desatnik (1995, 53p) elenca cinco segredos para a superioridade em serviços, para a garantia da existência da empresa, como conseqüência da manutenção de seus clientes: a) criar um foco no cliente em toda a organização; b) estabelecer padrões de desempenho em serviços baseados nos funcionários; c) medir o desempenho em serviços em relação a marcos de referência (benchmarks) superiores; d) reconhecer e recompensar comportamentos exemplares em serviços; e) manter entusiasmo, consistência, e previsibilidade para o cliente. As empresas são criadas para negociar, e as que têm mais êxito são as que negociam de forma mais persistente, implacável e irresistível (PEPPERS: 2000, 231p). Assim, as empresas, principalmente as prestadoras de serviços e fornecedoras de bens intangíveis devem buscar o desenvolvimento de relacionamentos com os seus clientes individuais. Devem interagir e adaptar o comportamento da empresa

André Criação e Atendimento. Edson E-commerce e Atendimento. Juciellen Web Design e Programação. Talita Planejamento e Projeto

André Criação e Atendimento. Edson E-commerce e Atendimento. Juciellen Web Design e Programação. Talita Planejamento e Projeto Integrantes André Criação e Atendimento Edson E-commerce e Atendimento Juciellen Web Design e Programação Talita Planejamento e Projeto Vanessa Criação e Conteúdo Briefing Histórico da Empresa - Características

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Audiência Pública CAE junho de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização

Leia mais

Cartões Private Label

Cartões Private Label Cartões Private Label Quando implementar? Como ativar? Por que ir além? Walter Rabello Quando Implementar Como Ativar Por que Ir além O que é Private Label? Para quem trabalha no mercado de cartões: Cartão

Leia mais

Mensagem do Administrador

Mensagem do Administrador Educação Financeira Índice 1. Mensagem do administrador... 01 2. O Cartão de crédito... 02 3. Conhecendo sua fatura... 03 4. Até quanto gastar com seu cartão... 07 5. Educação financeira... 08 6. Dicas

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009 Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento CARDS 28 de abril de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização dos Instrumentos

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Saiba tudo sobre o Cartão Tricard

Saiba tudo sobre o Cartão Tricard Saiba tudo sobre o Cartão Tricard 03 Conhecendo o Cartão Tricard Vantagens para meu cliente, vantagens para minha loja Como funciona o Cartão Tricard Kit de boas vindas do Cartão Tricard 07 15 24 25 Faça

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO TIPOS DE CARTÃO CARTÃO DE CRÉDITO Instrumento de pagamento que possibilita ao portador adquirir bens e serviços nos estabelecimentos credenciados mediante um determinado limite de crédito. O cliente poderá

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Orbitall. Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite. Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo. Universidade Presbiteriana Mackenzie

Orbitall. Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite. Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo. Universidade Presbiteriana Mackenzie Orbitall Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução O setor de cartões de crédito tem crescido a taxas

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Você sabia que... O pagamento numa loja virtual. Guia #6 Como as formas de pagamento podem interferir nas minhas vendas

Você sabia que... O pagamento numa loja virtual. Guia #6 Como as formas de pagamento podem interferir nas minhas vendas Guia #6 Como as formas de pagamento podem interferir nas minhas vendas Você sabia que... Hoje, 77% dos brasileiros já utilizam cartão de crédito, aponta estudo do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil)

Leia mais

Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1

Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1 Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1 De tempos em tempos a sociedade debate se deve ser permitida a diferenciação de preços

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Guia Americanas Itaucard International com chip

Guia Americanas Itaucard International com chip Guia Americanas Itaucard International com chip Índice Seu cartão 2 Para desbloquear seu cartão 3 Na hora de comprar 3 Na hora de pagar a fatura 4 Conheça a fatura 6 Mais conveniência para você 8 Programa

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

CIRCULAR Nº 2792. a) pagos pela utilização de cartões de crédito emitidos no País; e. II - a apresentação mensal ao Banco Central do Brasil de:

CIRCULAR Nº 2792. a) pagos pela utilização de cartões de crédito emitidos no País; e. II - a apresentação mensal ao Banco Central do Brasil de: CIRCULAR Nº 2792 Documento normativo revogado pela Circular 3280, de 09/03/2005. Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes Alteração nº 48 - Cartões de Crédito Internacionais A Diretoria Colegiada do Banco

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões Página 1 de 9 Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões A partir de 1º de julho de 2010, com a quebra da exclusividade, os Estabelecimentos

Leia mais

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Eficiência Operacional. Maximizar os relacionamentos. Foco estratégico. Novo foco estratégico

Eficiência Operacional. Maximizar os relacionamentos. Foco estratégico. Novo foco estratégico Estratégias de Relacionamento com clientes Marcelo Amorim Panorama Atual Agenda Tendências, Desafios e Globalização Sindrome da caixa de água Relacionamento com Clientes Gerenciamento de Riscos Novas tendências

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Instituto HSBC Solidariedade Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo;

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo; LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. Projeto de Lei que estabelece normas para acompanhamento fiscal do ISS, relativo as operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha Diversos fatores influenciam na percepção de valor para o cliente ou mercado, dependendo do tipo de produto. Para alguns produtos a confiabilidade

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper www.dalecarnegie.com.br Copyright 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

GUIA DE USO. Sobre o Moip

GUIA DE USO. Sobre o Moip GUIA DE USO Sobre o Moip Sobre o Moip 2 Qual o prazo de recebimento no Moip? Clientes Elo 7 possuem prazo de recebimento de 2 dias corridos, contados a partir da data de autorização da transação. Este

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Profa. Reane Franco Goulart

Profa. Reane Franco Goulart Sistemas CRM Profa. Reane Franco Goulart Tópicos Definição do CRM O CRM surgiu quando? Empresa sem foco no CRM e com foco no CRM ParaqueCRM é utilizado? CRM não é tecnologia, CRM é conceito! CRM - Customer

Leia mais

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior

Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior Este regulamento está em vigor a partir do 11/07/2007 (inclusive) substituindo e cancelando o anterior REGULAMENTO DE ACÚMULO DE PONTOS NO PROGRAMA BRADESCO COM TRANSFERÊNCIA PARA O PROGRAMA FIDELIDADE

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador 25 de Abril de 2014 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito Business Card do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão

Leia mais

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda.

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda. Produtos Conta Corrente Com isenção de tarifas de manutenção, dez folhas cheques, quatro extratos mensais, emissão de extratos on-line, tarifas reduzidas, só na Credlíder. Conta Poupança A Poupança Credlider

Leia mais

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões. Cartilha.

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões. Cartilha. Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões. Cartilha. Índice Introdução O Que é o Que Bandeira Credenciadoras Domicílio Bancário Estabelecimentos Manutenção de Domicílio Bancário Máquinas de

Leia mais

Aula Nº 9 Treinamento - Atendimento em Call Center

Aula Nº 9 Treinamento - Atendimento em Call Center Aula Nº 9 Treinamento - Atendimento em Call Center Objetivos da aula: Ao final desta aula, você poderá compreender a importância de um treinamento adequado, que possui, como ferramentas competitivas, a

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

GUIA DE SERVIÇOS E BENEFÍCIOS

GUIA DE SERVIÇOS E BENEFÍCIOS GUIA DE SERVIÇOS E BENEFÍCIOS VEJA COMO UTILIZAR O DE FORMA PRÁTICA E SEGURA. DESBLOQUEIO DO CARTÃO Sua senha foi enviada anteriormente para seu endereço. Caso não a tenha recebido, ligue para a Central

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 5: Serviços Bancários

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 5: Serviços Bancários Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 5: Serviços Bancários Objetivo Conscientizar nossos clientes sobre os serviços bancários e as funções de cada funcionário O conteúdo deste material é baseado

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N O Cartão do Servidor PREFEITURA MUNICIPAL DE LONDRINA Cartão BMG Card O BMG Card é um cartão de crédito com bandeira MasterCard, direcionado aos Servidores Públicos Estatutários do Governo de Santa Catarina,

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

POR QUE PRECISAMOS SER RACIONAIS COM O DINHEIRO?

POR QUE PRECISAMOS SER RACIONAIS COM O DINHEIRO? ORGANIZE SUA VIDA POR QUE PRECISAMOS SER RACIONAIS COM O DINHEIRO? - Para planejar melhor como gastar os nossos recursos financeiros QUAIS OS BENEFÍCIOS DE TER UM PLANEJAMENTO FINANCEIRO? - Para que possamos

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais