PREPARATÓRIO PARA O BANCO DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREPARATÓRIO PARA O BANCO DO BRASIL"

Transcrição

1 PREPARATÓRIO PARA O BANCO DO BRASIL Prof. AGENOR PAULINO TRINDADE

2 CONTAS DE DEPÓSITO 1- DEPÓSITO A VISTA 2- DEPÓSITO A PRAZO 3- POUPANÇA

3 DEPÓSITO A VISTA Características: -Custo Zero para IF; -Saldo médio; -Movimentação;

4 DEPÓSITO A VISTA - QUALIFICAÇÃO: Preenchimento da Ficha Proposta; - DOCUMENTOS (BACEN) - PF: Documento de Identificação; CPF; Comprovante de Residência;

5 DEPÓSITO A VISTA - DOCUMENTOS PJ: Documentos de Constituição; Documentos que qualifiquem e autorizem os REPRESENTANTES; CNPJ

6 OBSERVAÇÕES: DEPÓSITO À VISTA EXIGÊNCIA DE DEPÓSITO INICIAL: ABREVIATURA: ANALFABETO: CASO DE MENORIDADE DEFICIENTES VISUAIS:

7 DEPÓSITO À VISTA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS: Captadoras de Depósito à Vista? Bancos múltiplos Bancos comerciais Caixa Econômica Federal Cooperativas de Crédito

8 DEPÓSITO À VISTA MODALIDADES DE CONTA CORRENTE COMUM (INDIVIDUAL OU CONJUNTA); VINCULADA; SALÁRIO Res ; CONTA INSS; ESPECIAL ou SIMPLIFICADA; INVESTIMENTO Lei 10982/2004

9 CONTAS DE DEPÓSITO CONTA-CORRENTE e POUPANÇA MODALIDADES DE CONTA CORRENTE: INDIVIDUAL - COMUM CONJUNTA SOLIDÁRIA Assina qualquer titular NÃO - SOLIDÁRIA* Assinam OBRIGATÓRIAMENTE TODOS OS TITULARES Obs.: Desde 2004 é PROIBIDO conta CONJUNTA entre Pessoas Jurídicas. Obs.: REGULARIDADE CADASTRAL OBRIGATÓRIA.

10 DEPÓSITPO À PRAZO CERTIFICADO DE DEPÓSTO BANCÁRIO. Estes certificados de depósitos bancários são títulos de RENDA FIXA títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como forma de captação de recursos.

11 PRODUTOS BANCÁRIOS RDB Recibo de Depósito Bancário Aplicação composta de títulos de renda fixa nominativos e intransferíveis, emitidos sob a forma escritural.

12 DEPÓSITPO À PRAZO - LIQUIDEZ; - FORMAS DE RESGATE; -REMUNERAÇÃO; PRAZOS MÍNIMOS DE APLICAÇÃO; -- TRIBUTAÇÃO (IOF e IR); -FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO - FGC

13 DEPÓSITPO À PRAZO Quais são as Instituições Financeiras Captadoras de Depósito à Prazo? Bancos múltiplos Bancos comerciais Caixa Econômica Federal Cooperativas de Crédito Bancos Cooperativos Bancos de Desenvolvimento Bancos de Investimento

14 POUPANÇA CADERNETA DE POUPANÇA: É a aplicação mais simples e tradicional, com LIQUIDEZ, apesar da POUCA RENTABILIDADE ou PERDA para saques fora da data de aniversário da aplicação. É O PRODUTO PRINCIPAL das SCI, das Carteiras Imobiliárias dos bancos múltiplos, das associações de poupança e empréstimos e das caixas econômicas (65%e 20%).

15 POUPANÇA POUPANÇA ESPECÍFICA Garantia Locatícia; Revendedores Lotéricos; Trabalho de Condenado; Para crédito de valores de cotas de PIS/Pasep, do FGTS, de fundos de investimento e de saldos liberados de contas de depositantes falecidos; Leiloeiros.

16 POUPANÇA Caderneta de Poupança Rural Caderneta Verde É idêntica à caderneta de poupança livre. A única diferença entre as duas é que os recursos captados são basicamente direcionados para o financiamento de operações rurais, e não para o crédito imobiliário. Segundo a Resolução 3.224, de o BB, o BNB, BASA e Bancos Cooperativos.

17 CEF: Garantido pelo Governo Federal Tarifas: Liquidez: Total liquidez, com perda de remuneração POUPANÇA Cada instituição pode utilizar até 10% dos depósitos de poupança em outro tipo de aplicação Rentabilidade: Mensal PF e PJ (sem fins lucrativos) Trimestral PJ (demais) Dias 29, 30, 31 Aniversário 1 Possui Cobertura do FGC

18 Remuneração: POUPANÇA Antiga: TR + 0,5% Nova Modalidade:. Depósitos realizados até 3 de maio de 2012: Nada muda. Depósitos a partir de 4/05/2012: Se a Selic chegar a 8,5%, a remuneração da poupança será: 70% da Selic + TR Obs1: Saques de pessoas que possuam mais de uma aplicação em cada tipo serão resgatados primeiro os novos;.obs2: Considera a data de aniversário para o cálculo;

19 DINHEIRO DE PLÁSTICO É uma expressão utilizada para conceituar a crescente utilização de cartões de débito ou de crédito, nas transações de pagamentos realizadas pelos consumidores. Os cartões são classificados de acordo com a finalidade de uso: Cartões Magnéticos; Cartões de Débito (Private Labels); Cartões de Crédito; Cartões Inteligentes; Cartão Virtual; Cartão de Afinidade; Cartão Co-Branded;

20 DINHEIRO DE PLÁSTICO Alternativa ao Papel-moeda Facilitar e incentivar o consumo (CRÉDITO) Aceitação: Opcional Crédito: Diretamente Chancelado pela Instituição

21 DINHEIRO DE PLÁSTICO Cartão Magnético: Cartão Tradicional: Pode ser utilizado no terminal 24 horas Pode ser utilizado como pagamento em locais que faça transferência automática de fundos. Utilização: Saques, extratos e saldos

22 Cartão de Crédito DINHEIRO DE PLÁSTICO Utilização: Compra de bens e serviços em estabelecimentos credenciados; Desvantagem: Demora no repasse para os lojistas Tipos: - Pessoa Física e Empresarial -Nacional ou Internacional (Dólar do dia do pagamento) Mínimo: 15%

23 DINHEIRO DE PLÁSTICO Cartões Inteligentes: Cartões dotados de processador, podem ser crédito ou débito Cartões Virtuais: Utilização internet Cartão Privat Label: Só pode ser utilizado nas lojas que em compras na loja que o emite.

24 DINHEIRO DE PLÁSTICO Cartões Afinidades: Parceria organizações nãolucrativas. Cartão Co-branded: Parceria com empresas e ampliação de utilização do privat Label. Ex. Fiat, Gol, Carrefur; Cartão Valor Armazenado: Podem ser multiuso ou específico; Podem ser cartões para uso específico ou multiusos;

25 DINHEIRO DE PLÁSTICO Taxas Cobradas Anuidade: taxa cobrada do portador para se associar ao cartão; Comissão: Paga pelo estabelecimento a instituição que o afiliou; Remuneração de garantia: Receita cobrada do portador quando as compras são financiadas; Taxa de Administração: Cobrada por algumas administradoras quando há financiamento por parte do portador

26 DINHEIRO DE PLÁSTICO Tarifas cobradas pelo banco: 1 - Anuidade: taxa cobrada do portador para se associar ao cartão; 2 Emissão de segunda via; 3 Função saque 4 Utilização do cartão para pagamento de contas 5 Pedido de Limite Emergencial de Crédito

27 DINHEIRO DE PLÁSTICO Cartão de Crédito Básico: Res. CMN: 3919/2010 Utilizado para pagamento Preço: Menor dentre os cartões oferecidos Não pode ser associado a programas de vantagens Nacional ou Internacional

28 DINHEIRO DE PLÁSTICO Cartão de Crédito BNDES: Financiamento de Micro, pequenas e médias empresas; Estar enquadrado nas atividades compatíveis do BNDES, bem como encontrar-se em dia com os órgãos restritivos e com todas as certidões legais; Compras: portal de operações do BNDES; Bancos: BB, Itaú, CEF, Bradesco, Banrisul;

29 DINHEIRO DE PLÁSTICO Cartão de Crédito BNDES: Visa ou Master Prazo: de 3 a 48 meses; Taxa pré-fixada R$ 1 milhão por Banco; até cinco cartões por empresa Não há IOF: CND S:

30 INVESTIMENTOS Financiamentos para Capital Fixo (Investimento) É a concessão pelos bancos de Desenvolvimento, Bancos de Investimento ou Sistema BNDES de linhas de crédito para investimento em infra-estrutura, máquinas e equipamentos com o objetivo de contribuir com a expansão ou a modernização do sistema produtivo do País. São efetuados com prazos superiores a 24 meses com até 20 anos para pagar, com carência entre 12 e 24 meses.

31 Crédito Direto ao Consumidor - CDC É o financiamento concedido por uma financeira para aquisição de bens e serviços por seus clientes, como também, a concessão de empréstimos em dinheiro para uso não definido. Sua utilização é maior para aquisição de veículos e eletroeletrônicos.

32 Crédito Direto ao Consumidor - CDC Crédito Direto ao Consumidor CDC pode ser classificado em: CDCI CDC com Interveniência São os empréstimos concedidos às empresas clientes especiais dos bancos, normalmente empresas comerciais, que passam a ser intervenientes ( responsáveis), para repasse aos seus clientes, nos financiamentos de compras e serviços. CD Crédito Diretíssimo O Banco assume a carteira dos lojistas e fica com os riscos da concessão do crédito.

33 Crédito Rural É a modalidade de recursos financeiros para aplicação exclusiva nas atividades agropecuárias, desenvolvidas por produtores rurais. Seus objetivos são: Estimular os investimentos rurais feitos por produtores e suas associações, tais como cooperativas; Permitir o custeio da produção, seu armazenamento e sua posterior comercialização, de forma oportuna e eficiente; Fortalecer, de um modo geral, o setor rural, aumentando a sua competitividade; Incentivar o aperfeiçoamento dos métodos de produção, aumentando a produtividade rural e melhorando o padrão de vida dos envolvidos nas atividades rurais, e o uso racional dos recursos naturais.

34 Crédito Rural Apenas os bancos, comerciais e múltiplos com carteira comercial, compulsoriamente, operam neste segmento através de recursos próprios, oriundos de 25% dos volumes médios dos depósitos à vista e outros recursos de terceiros, conforme a exigibilidade periodicamente apurada. Os bancos podem optar por terem os recursos dessa exigibilidade depositados no BC sem qualquer remuneração. As taxas praticadas no crédito rural com os recursos obrigatórios e controlados variam entre 6,75% a.a a 9,5% a.a. As taxas de recursos não controlados são livremente pactuadas entre as partes.

35 Crédito Rural As modalidades de crédito rural são: Custeio agrícola e pecuário; Investimento agrícola e pecuário; Comercialização agrícola e pecuária.

36 Custeio agrícola e pecuário Crédito Rural Tem como objetivo prover recursos para o ciclo operacional produtivo dessas atividades, tendo como prazo máximo de financiamento o período de 01 a 02 anos para o custeio agrícola e custeio pecuário. O crédito para custeio de beneficiamento ou industrialização concedido isoladamente, ou como extensão dos anteriores, tem prazo máximo de 02 anos.

37 Crédito Rural Investimento agrícola e pecuário Tem como objetivo prover recursos que se estendam por vários ciclos produtivos, seja para os investimentos semifixos e fixos com prazo máximo de financiamento de 12 anos.

38 Crédito Rural Comercialização agrícola e pecuária Tem como objetivo prover os recursos necessários à comercialização dos produtos e envolve: a pré-comercialização (prazo máximo de 240 dias); desconto de novas promissórias e/ou duplicatas rurais; Empréstimos do Governo Federal EGF; Empréstimos a cooperativas para adiantamentos a cooperados por conta do preço de produtos entregues para a venda;

39 Crédito Rural Comercialização agrícola e pecuária Os prazos e o cronograma de pagamento dos financiamentos são estabelecidos em função da capacidade de pagamento do financiado e estruturados de forma a fazer os vencimentos coincidirem com os períodos de recebimento de recursos pelo produtor rural, pela comercialização de seus produtos.

40 SEGUROS, CAPITALIZAÇÃO E PREVIDENCIA M FAZENDA M. PREVIDENCIA CNSP CNPC CRNSP CRPC SUSEP PREVIC SEGUROS PREVIDENCIA ABERTA CAPITALIZAÇÃO PREVIDÊNCIA FECHADA (FUNDO DE PENSÃO)

41 Os títulos de capitalização são um investimento com características de um jogo onde pode-se recuperar parte do valor gasto na aposta. O rendimento é inferior ao de um fundo ou de uma caderneta de poupança. Caracteriza-se como uma forma de poupança de longo prazo e o sorteio funciona como um estímulo. Características dos Títulos de Capitalização: Capital Nominal; Sorteios números da sorte; Prêmio - 50% PU e 70% PM; Reserva matemática- Provisionamento antecipado Quota de Sorteio; Quota de Carregamento (despesas de adm e lucro) Prazo TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO

42 SEGUROS FLUXOGRAMA PROPOSTA ANALISE DE RISCO FIM ACEITA APÓLICE A L T E R A Ç Ã O ENDOSSO

43 MERCADO DE SEGUROS, PREVIDÊNCIA ABERTA E TITULO DE CAPITALIZAÇÃO CORRETORAS DE SEGUROS ELEMNTOS DO CONTRATO DE SEGURO: - PRÊMIO - SINISTRO - INDENIZAÇÃO - FRANQUIA

44 MERCADO DE SEGUROS, PREVIDÊNCIA ABERTA E TITULO DE CAPITALIZAÇÃO IRB Brasil Resseguros S.A CONCEITOS: CO-SEGURO RESSEGURO* RETROCESSÃO Obs.: 40% de resseguradoras locais

45 O MERCADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA OBJETIVOS: Valorização Patrimonial e Complementação da aposentadoria; Atuam na forma de Condomínio ABERTO; São constituídas na forma de S.A; Vinculadas ao MF; Portabilidade e Carência

46 O MERCADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA TIPOS DE BENEFÍCIOS: - RENDA POR SOBREVIVÊNCIA; - RENDA POR INVALIDEZ; -PENSÃO POR MORTE; - PECÚLIO POR MORTE; - PECÚLIO POR INVALIDEZ;

47 O MERCADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA Planos de Aposentadoria e Previdência Privada Atualmente temos os seguintes planos disponíveis no mercado: Previdência Complementar Aberta Tradicional PCAT; Fundo de Aposentadoria Programada Individual-FAPI; Plano Gerador de Benefícios Livres PGBL; Valor Gerador de Benefícios Livres - VGBL; Previdência Privada Fechada.

48 O MERCADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA Previdência Complementar Aberta Tradicional PCAT É uma opção de aposentadoria complementar às expensas do interessado, oferecida por entidades abertas de previdência complementar e seguradoras. Há duas opções de acordo com o plano adquirido: Benefício Livre RENDA FUTURA DETERMINADA, Contribuição não é FIXA; Contribuição Definida BENEFÍCIO INCERTO, CONTRIBUIÇÃO FIXA OUTROS BENFÍCIOS RENDA (morte ou invalidez) ou PECÚLIO; IMPOSTO DE RENDA = 12% RB RENTABILIDADE: GARANTE TR OU IGMM + 6% A.A RISCO SEGURADORA VANTAGEM E DESVANTAGEM

49 O MERCADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA Fundo de Aposentadoria Programada Individual-FAPI A lei de 24/07/97 instituiu o FAPI como uma nova forma de investimento voltada ao planejamento programado de uma aposentadoria individual. É constituído sob a forma de um condomínio aberto e administrado por: Instituições financeira; CCTVM*; DTVM*; (*) Obs.: DEVEM ter capital acima de determinado valor e seguradoras autorizadas pela SUSEP.

50 O MERCADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA Fundo de Aposentadoria Programada Individual-FAPI PÚBLICO ALVO: São as pessoas físicas que não dispõem de fundos de pensão, tais como profissionais liberais, empresários e funcionários de pequenas e médias empresas. RENTABILIDADE: NÃO GARANTE SEM TAXA DE CARREGAMENTO RESGANTE MENOR QUE 12 MESES IOF INCIDÊNCIA DE IR = 12% RESGATE É SEMPRE TOTAL

51 Plano Gerador de Benefícios Livres PGBL Criado em 1997, através da Resolução 2.460; É considerada mais uma alternativa de complementação de aposentadoria e com o objetivo de alongamento do prazo das aplicações geradoras de crescimento da poupança interna. TIPOS: O MERCADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA Plano Soberano Aplica os recursos apenas em Títulos públicos federais; Plano Renda Fixa Aplica os recursos em títulos públicos federais e outros títulos com características de renda fixa. Plano Composto Aplica os recursos em títulos públicos federais, outros títulos com características de renda fixa e até 49% dos valores em renda variável. O CMN regulamentou aplicação das reservas técnicas dos planos de previdência instituídos por entidades abertas de previdência complementar e seguradoras;

52 PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS Plano Gerador de Benefícios Livres PGBL PORTABILIDADE = 60 DIAS CONTRIBUIÇÕES: FIXA OU VARIVÁVEL (com ou sem adicional) IMPOSTO DE RENDA = até 12% RENTABILIDADE = NÃO GARANTE* RISCO = DEPENDE DA ADMINISTRAÇÃO DA CARTEIRA (*) Obs.: rentabilidade vai depender do plano escolhido, da capacidade do administrador e das tendências da economia do país.

53 O MERCADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA Valor Gerador de Benefícios Livres VGBL O público alvo do VGBL é formado pelas pessoas isentas de Imposto de Renda ou que fazem a declaração no formulário simplificado, autônomos ou quem está na economia informal. Permite ser adicionado a seguro de vida; PORTABILIDADE= SIM CONTRIBUIÇÕES: FIXA OU VARIVÁVEL (com ou sem adicional) IMPOSTO DE RENDA = NÃO HÁ deduzidos do próprio rendimento RENTABILIDADE = NÃO GARANTE* RISCO = DEPENDE DA ADMINISTRAÇÃO DA CARTEIRA (*) Obs.: rentabilidade vai depender do plano escolhido, da capacidade do administrador e das tendências da economia do país.

54 O MERCADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA Previdência Privada Fechada (Fundo de Pensão) É uma opção de aposentadoria complementar. É oferecida pelas empresas aos empregado; A empresa constitui um fundo de pensão para o qual contribuem a própria empresa e seus funcionários. Não é aberto à participação de outras pessoas e tem características diferentes de uma empresa para outra. Tem como seu principal representante a PREVI dos funcionários do Banco do Brasil. NÃO PODEM TER FINS LUCRATIVOS

55 PRODUTOS BANCÁRIOS SERVIÇOS: FUNDO DE INVESTIMENTOS Conceitos IN 409 e 411 da CVM: é a comunhão de recursos financeiros em forma de condomínio, destinado a aplicação em títulos e valores mobiliários ou outros ativos, inclusive do mercado de capitais. - Condôminos; - Cotas: - Patrimônio Líquido; - Valor da Cota;

56 PRODUTOS BANCÁRIOS SERVIÇOS: FUNDO DE INVESTIMENTOS Conceitos: - Regulamento; - Prospecto; - Direitos e Deveres - Disclaimers; - Gestor;

57 PRODUTOS BANCÁRIOS SERVIÇOS: FUNDOS DE INVESTIMENTO: Classificação dos FI s: - Curto Prazo; - Referenciado; - Renda Fixa; - Cambial; - Multimercado; - Dívida Externa e Ações;

58 PRODUTOS BANCÁRIOS SERVIÇOS: FUNDO DE INVESTIMENTOS Conceitos: Administrador; Distribuidor; Custodiante (CBLC Distribuidoras, Corretoras e Bancos); Chinese wall (FGC) Auditor Independente;

59 PRODUTOS BANCÁRIOS SERVIÇOS: FUNDOS DE INVESTIMENTO Outros Conceitos: - Marcação a Mercado; - Taxa de Administração - Taxa de Performance; - Alavancagem;

60 PRODUTOS BANCÁRIOS SERVIÇOS: FUNDOS DE INVESTIMENTO: 1) Formas de Constituição: - Fundo de Investimentos; - - Fundo de Investimento Imobiliário; 75% - Fundo de Investimentos em Cotas de FI FIC; - Fundo de Investimento em Direitos Creditórios: - OBS: Efeitos da Diversificação

61 PRODUTOS BANCÁRIOS SERVIÇOS: FUNDOS DE INVESTIMENTO: 1) Formas de Distribuição: - Fundo Fechado ( sempre com carência); - Fundo Aberto (com ou sem carência); - Fundo Exclusivo;

62 PRODUTOS BANCÁRIOS SERVIÇOS: FUNDOS DE INVESTIMENTO: TRIBUTAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS: a) Fato Gerador: b) Alíquota; c) Compensação de perdas; d) Responsável pelo Recolhimento OBS: come cotas (Maio e Novembro ou no Aniversário)

63 PRODUTOS BANCÁRIOS TRIBUTAÇÃO PERÍODO/TAXA - IR GERAL F. C. PRAZO ,50% 22,50% % 20% ,50% 20% % 20% OBS: FUNDO DE AÇÕES E SWAPS

PRODUTOS BANCÁRIOS POUPANÇA

PRODUTOS BANCÁRIOS POUPANÇA POUPANÇA Popular: Rural ou Habitacional Juros Menor Saldo Período Rentabilidade: Mensal PF e PJ (sem fins lucrativos) Trimestral PJ (demais) Dias 29, 30, 31 Aniversário 1 Possui Cobertura do FGC CEF: Garantido

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não:

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: 1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: (A) CDC; (B) CDCi; (C) CDI; (D) crédito pessoal; (E)

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

SEGUROS PRIVADOS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

SEGUROS PRIVADOS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR. Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) SEGUROS PRIVADOS E PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) antigo Conselho de Gestão da P. Complementar é o órgão responsável

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante FenacorPrev Índice Introdução... 3 O Programa de Previdência FenacorPrev... 3 Contribuições... 4 Investimentos... 5 Benefício Fiscal... 6 Benefícios

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL Com este material, você entenderá melhor o seu plano Brasilprev Júnior. Se você contratou o plano em nome do Júnior, consulte as informações em Titular:

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL O que é o Plano Brasilprev Exclusivo? O Brasilprev Exclusivo é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

PRODUTOS BANCÁRIOS. Leasing

PRODUTOS BANCÁRIOS. Leasing Leasing É uma operação realizada mediante contrato, na qual o dono do bem (arrendador) concede a outrem (arrendatário) a utilização do mesmo, por prazo determinado. Formalização: Contratos Encargos: Taxas

Leia mais

PLANOS DE PREVIDÊNCIA PGBL E VGBL

PLANOS DE PREVIDÊNCIA PGBL E VGBL PLANOS DE PREVIDÊNCIA PGBL E VGBL Goiânia, 03 de Abril de 2014. Á CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DE GOIAS CNPJ: 01.619.022/0001-05 Ref.: Plano de Previdência Complementar Prezado(a) Senhor(a),

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

Programa de Certificação Regius (PCR-2015) Módulo II

Programa de Certificação Regius (PCR-2015) Módulo II Programa de Certificação Regius (PCR-2015) Módulo II AGENDA Previdência Complementar - Marco Regulatório Tipos de Planos de Previdência Complementar Elenco dos Benefícios e Institutos Campanha de Ingresso

Leia mais

Guia 2008 Itaú Personnalité

Guia 2008 Itaú Personnalité Guia 2008 Itaú Personnalité Guia 2008 Índice Novidades na Declaração de IR 2008 Orientações gerais Formas de entrega Multa pelo atraso na entrega Imposto a pagar ou a restituir Como declarar as aplicações

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTO

TIPOS DE INVESTIMENTO TIPOS DE INVESTIMENTO CDB O Certificado de Depósito Bancário (CDB) e o Recibo de Depósito Bancário, (RDB) são os mais antigos e utilizados títulos de captação do setor privado. São oficialmente conhecidos

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Sumário. Unidade I. cad_00.indd 15 08/12/2011 10:53:48

Sumário. Unidade I. cad_00.indd 15 08/12/2011 10:53:48 Sumário Unidade I O Sistema Financeiro Nacional: Composição, Funcionamento e Regulação Capítulo 1 Sistema Financeiro Nacional...3 1.1. Introdução...3 1.2. A Intermediação Financeira...4 1.3. Estrutura

Leia mais

Guia IR Personnalité 2012

Guia IR Personnalité 2012 Guia IR Personnalité 2012 Índice Imposto de Renda 2012... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS

CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS REGULAMENTO DO PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS Art.1º- O GBOEX Grêmio Beneficente, doravante denominado Entidade de Previdência Privada Aberta, institui

Leia mais

criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional.

criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional. criada em 1964 com o objetivo de captar os recursos das poupanças populares e direcionálos para o financiamento habitacional. conhecida popularmente por poupança Durante esses vários anos de existência

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI UVERGS PREVI A União dos Vereadores do Estado do Rio Grande do Sul visa sempre cuidar do futuro de seus associados Por conta disso, está lançando um Programa de Benefícios

Leia mais

GBOEX Grêmio Beneficente PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO

GBOEX Grêmio Beneficente PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO Fl. 1 / 16 GBOEX Grêmio Beneficente PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS Art.1º- O GBOEX Grêmio Beneficente, doravante denominado Entidade de Previdência

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda.

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda. Produtos Conta Corrente Com isenção de tarifas de manutenção, dez folhas cheques, quatro extratos mensais, emissão de extratos on-line, tarifas reduzidas, só na Credlíder. Conta Poupança A Poupança Credlider

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.2- Caderneta de Poupança

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.2- Caderneta de Poupança Conhecimentos Bancários Item 2.1.2- Caderneta de Poupança Conhecimentos Bancários Item 2.1.2- Caderneta de Poupança DAV Custo ZERO (IF) Não há remuneração Cliente Superavitário RENTABILIDADE Conhecimentos

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Financeiros

Comprovante de Rendimentos Financeiros Comprovante de Rendimentos Financeiros INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev,

Leia mais

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II AULA 03 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo II BNDES No subsistema operativo, existem instituições que não captam depósitos à vista, como o BNDES. O Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada 2ª parte

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada 2ª parte Conhecimentos Bancários Item 2.3.5- Previdência Privada 2ª parte PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA FECHADA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA São planos previdenciários que permitem

Leia mais

Prev Jovem Bradesco PGBL V 40/30 PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO CAPÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS

Prev Jovem Bradesco PGBL V 40/30 PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO CAPÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS Prev Jovem Bradesco PGBL V 40/30 PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO CAPÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS Art.1º- A BRADESCO PREVIDÊNCIA E SEGUROS S.A., doravante denominada Entidade

Leia mais

Unidade 1 O Sistema Financeiro Nacional: Composição, Funcionamento e Regulação

Unidade 1 O Sistema Financeiro Nacional: Composição, Funcionamento e Regulação Sumário Unidade 1 O Sistema Financeiro Nacional: Composição, Funcionamento e Regulação Capítulo 1 Sistema Financeiro Nacional 1.2. A Intermediação Financeira 1.3. Estrutura Atual do Sistema Financeiro

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência Março de 2013 Especial IRPF 2013 Chegou a hora de declarar o IR2013 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e FENACAT Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil S.A. e FENACAT 2 Prezadas Associadas, As informações aqui tratadas orientam sobre como obter os benefícios e utilizar os produtos e serviços descritos nesta

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011 TRIBUTAÇÃO Atualizado em 12/2011 1 Tributação dos Fundos de Investimento Instruções Normativas SRF nº 487 (30/12/04) e nº 489 (07/01/05) Lei nº 11.033/04 2 Base de Incidência de IR Base de incidência:

Leia mais

Previdência Privada Instrumento de Planejamento Pessoal

Previdência Privada Instrumento de Planejamento Pessoal PGBL PLANO GERADOR DE BENEFÍCIOS LIVRES Ideal para quem faz a declaração completa do IRPF, permite a dedução das contribuições efetuadas até o limite de 12% da renda bruta anual, reduzindo o valor a ser

Leia mais

TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO COMO É FEITA A CONTRATAÇÃO DE UM TÍTULO?

TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO COMO É FEITA A CONTRATAÇÃO DE UM TÍTULO? COMO É FEITA A CONTRATAÇÃO DE UM TÍTULO? Ela é realizada através do preenchimento e da assinatura da proposta. O envio (a entrega) da proposta devidamente assinada representa a concretização da subscrição

Leia mais

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil Guia de Declaração IR 2014 Investimentos Março de 2014 Brasil Guia de Declaração IR 2014 - Investimentos O prazo de entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 tem início no dia 6 de março e o

Leia mais

PREVIDÊNCIA RIO BRAVO

PREVIDÊNCIA RIO BRAVO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RIO BRAVO Recomendações ao investidor: As informações contidas neste material são de caráter exclusivamente informativo. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários Um novo plano, com muito mais futuro Plano 5x4 dos Funcionários Sumário 03 Um novo plano, com muito mais futuro: 5x4 04 Comparativo entre o plano 4 x 4 e 5 x 4 08 Regras de resgate 10 Como será o amanhã?

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

MÓDULO II PLANO DE AULAS

MÓDULO II PLANO DE AULAS MÓDULO II PLANO DE AULAS APOSTILA 7. PRODUTOS DE CAPTAÇÃO (OPERAÇÕES PASSIVAS) APOSTILA 8. PRODUTOS DE EMPRÉSTIMO (OPERAÇÕES ATIVAS) APOSTILA 9. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS (OPERAÇÕES ACESSÓRIAS) APOSTILA 10.

Leia mais

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil Guia Declaração Imposto de Renda 2013 Investimentos Março de 2013 Brasil Guia de Declaração IR 2013 -Investimentos 2 O dia 30/04/2013 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2013

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 228, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 228, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 228, DE 2010. Dispõe sobre os critérios de estabelecimento do capital adicional baseado no risco de crédito das sociedades

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

PROSPECTO SAFRA INDICIAL Fundo de Investimento em Ações CNPJ: 01.718.950/0001-19

PROSPECTO SAFRA INDICIAL Fundo de Investimento em Ações CNPJ: 01.718.950/0001-19 PROSPECTO SAFRA INDICIAL Fundo de Investimento em Ações CNPJ: 01.718.950/0001-19 Este Prospecto foi preparado com as informações necessárias ao atendimento das disposições do código de auto-regulação da

Leia mais

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC CMN ORGAO MAXIMO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA FAZENDA, MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, BACEN COMOC RESOLUÇÕES COPOM DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO

Leia mais

Preparatório para Certificação da ANBID CPA 10

Preparatório para Certificação da ANBID CPA 10 Preparatório para Certificação da ANBID CPA 10 Programa 2011 PROGRAMA: 1) Sistema Financeiro Nacional Funções Básicas: Função dos intermediários financeiros e definição de intermediação financeira. Estrutura

Leia mais

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos BRASIL Guia de Declaração IR 2014- Investimentos O dia 30/04/2014 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 e com o objetivo de

Leia mais

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão 0 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID SÉRIE 10-3º

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 5 - Fundos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 5 - Fundos de Investimento Pág: 1/54 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 5 - Fundos de Investimento Pág: 2/54 Módulo 5 - Fundos de Investimento Este módulo apresenta as características dos fundos de investimento, como as definições

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Preparatório para Certificação da ANBIMA CPA 10

Preparatório para Certificação da ANBIMA CPA 10 Preparatório para Certificação da ANBIMA CPA 10 Programa 2012 OBJETIVO: Habilitar os candidatos à Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 a participarem do exame reunindo os conhecimentos necessários.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 58.764.189,56 169.901.510,67 169.746.419,72 58.919.280,51 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 469.845,67 62.841.447,38 62.796.662,79 514.630,26 1.1.1.00.00-9

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

Sumário. 133 Instituições Financeiras.. 24. 135 Investidores Institucionais.. 39. L3l Órgãos de Regulação e Fiscalização...

Sumário. 133 Instituições Financeiras.. 24. 135 Investidores Institucionais.. 39. L3l Órgãos de Regulação e Fiscalização... Sumário UNIDADE I o SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL: COMPOSICAO, FUNCIONAMENTO E REGULACAO Capítulo 1 Sistema Financeiro Nacional 11 Introdução 1.2. A Intermediação Financeira. 13 Estrutura Atual do Sistema

Leia mais

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil 1 Guia Declaração Imposto de Renda 2012 Investimentos Março de 2012 Brasil Guia de Declaração IR 2012 - Investimentos 2 O dia 30/04/2012 é ultimo dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

CONCURSO. Produtos e Serviços Financeiros. José Vianna Campos Júnior. (Proibida Reprodução)

CONCURSO. Produtos e Serviços Financeiros. José Vianna Campos Júnior. (Proibida Reprodução) CONCURSO Produtos e Serviços Financeiros José Vianna Campos Júnior (Proibida Reprodução) CONTA CORRENTE CONCEITO: Conta Corrente é a conta livremente movimentada pelo cliente, sem interferência direta

Leia mais

INFORME DE RENDIMENTOS

INFORME DE RENDIMENTOS INFORME DE RENDIMENTOS Consultoria Técnica / Obrigações Acessórias Circular 06/2015 1. INTRODUÇÃO Instituído pela Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal sob nº 690 de 20/12/2006, as instituições

Leia mais

Conceitos básicos de. Previdência Complementar

Conceitos básicos de. Previdência Complementar CALVO E FRAGOAS ADVOGADOS Conceitos básicos de Previdência Complementar Advogado: José Carlos Fragoas ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO 1. Apresentação 2. Embasamento Legal 3. Princípios da Previdência Privada contidos

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

GUIA IRPF Orientações Gerais

GUIA IRPF Orientações Gerais 2013 GUIA IRPF Orientações Gerais Imposto de Renda 2013 ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 6 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

Nordeste FEVEREIRO 2015

Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste do Brasil Visão Geral Banco Múltiplo com 62 anos de atuação para o desenvolvimento da região Nordeste, norte de MG e do ES. Ativos Totais R$ 71,0 bilhões

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE

VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL ÍNDICE TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS TÍTULO II DAS DEFINIÇÕES TÍTULO III DA CONTRATAÇÃO DO PLANO

Leia mais

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD MATERIAL EXPlICatIvo Plano BAYER CD 1 Prezado Colaborador! você, que está sendo admitido agora ou ainda não aderiu ao Plano de Previdência oferecido pelo Grupo Bayer, tem a oportunidade de conhecer, nas

Leia mais

NOVOS TIPOS DE INVESTIDORES E A REGULAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

NOVOS TIPOS DE INVESTIDORES E A REGULAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO NOVOS TIPOS DE INVESTIDORES E A REGULAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Daniel Sposito Pastore Membro do Comitê de Assuntos Jurídicos da ANBIMA. I Estrutura Normativa CVM Contexto Regulatório Brasileiro Atual

Leia mais

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO O Manual

Leia mais