CONVERSOR DE TORQUE PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONVERSOR DE TORQUE PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO"

Transcrição

1 CONVERSOR DE TORQUE PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO Em matérias anteriores, conhecemos algumas noções básicas do funcionamento de uma transmissão automática, com seus componentes principais, informando ao técnico reparador automotivo seu funcionamento, bem como alguns parâmetros para a execução de um diagnóstico deste dispositivo junto ao cliente. Nesta matéria, iremos abordar detalhadamente um tema que vem levantando muitas perguntas, com a finalidade de fornecer aos técnicos reparadores, meios para compreender seu funcionamento e assim, realizar alguns testes determinando se o seu desempenho poderá afetar ou não a transmissão. Conversor de Torque Sabemos que em um veículo equipado com transmissão mecânica, quem transfere torque do motor para a transmissão é o sistema de embreagem. Ela é um componente que acopla e desacopla mecanicamente o motor da transmissão, por meio de um sistema de garfo e rolamento, agindo como uma alavanca, acionada pelo pé do motorista. Num veículo equipado com transmissão automática, quem realiza esta tarefa de transferir e ampliar o torque do motor é o conversor de torque, com um acoplamento fluido, conforme veremos. Ele é composto pelo impulsor da bomba, acionado pelo virabrequim, o impelido ou turbina, conectado ao eixo de entrada da transmissão e o estator, elemento montado entre os dois primeiros, fixado à carcaça da transmissão por uma roda livre (embreagem unidirecional), montados na carcaça do conversor. Ele é preenchido com fluido de transmissão automática, fornecido sob pressão pela bomba da transmissão, que é ejetado pelo impulsor da bomba do conversor, num fluxo muito forte que movimenta a turbina. Veja estes componentes na figura 1.

2 Construção 1. Bomba impulsora A bomba impulsora é integrada com a caixa do conversor e possui em seu interior inúmeras palhetas curvas montadas radialmente. Um anel guia é instalado nas bordas internas das palhetas, formando um caminho para que o óleo tenha um fluxo laminar. A carcaça do conversor é conectada ao virabrequim, pela placa de arrasto ou flexplate. Importante: A bomba impulsora está conectada ao virabrequim, e gira junto com ele. (fig.2)

3 2. Rotor da turbina No rotor da turbina são também instaladas muitas palhetas, como na bomba impulsora, entretanto, a direção da curvatura destas palhetas é oposta a das palhetas da bomba impulsora. O rotor da turbina é instalado no eixo de entrada da transmissão, de modo que suas palhetas se opõem às da bomba impulsora, com uma folga muito pequena entre elas. Ao receber o fluxo do fluido proveniente da bomba do conversor, giram no mesmo sentido, fazendo girar o eixo de entrada da transmissão. (fig.3)

4 Importante: O rotor da turbina está conectado ao eixo de entrada da transmissão girando com ele assim que o veículo entra em movimento, com a transmissão em "D", "3", "2", "L" ou "R". Contudo, é impedido de girar quando o veículo estiver parado com a alavanca da transmissão nas posições "D", "3", "2", "L" ou "R", porém, quando a transmissão está com a alavanca nas posições "P" ou "N", ele rodará livremente com a rotação da bomba impulsora. 3. Estator O estator está localizado entre a bomba impulsora e o rotor

5 da turbina. É fixado por um eixo estriado na carcaça da transmissão, pela roda livre (embreagem unidirecional). (fig.4) As pás do estator interferem na direção do óleo que volta da turbina para a bomba impulsora. Caso não existisse o estator, este óleo, ao retornar da turbina, incidiria em sentido contrário à rotação do motor, freando o mesmo e reduzindo o torque transmitido à transmissão. As pás do estator coletam o óleo assim que ele sai do rotor da turbina, e o redirecionam de modo que ele atinja a parte traseira das pás da bomba impulsora, fornecendo um impulso adicional a esta. A roda livre permite que nesta fase, quando o rotor da turbina está quase parado e o veículo iniciando seu movimento, o estator permaneça travado na carcaça, forçando, por meio de suas pás, o óleo na direção do giro do motor.

6 Porém, na medida em que o rotor da turbina aumenta sua velocidade, o fluido já é direcionado, por meio da força centrífuga, no sentido certo de giro (giro do motor) e nesta ocasião, a roda livre libera a rotação do estator, impedindo que seja um obstáculo ao óleo. Portanto, o estator é girado ou bloqueado, conforme a direção do fluido incidente em suas pás, embora sua pista interna esteja sempre travada na carcaça da transmissão. (fig.5) Funcionamento da embreagem unidirecional (Roda Livre) por elementos toroidais Quando a pista externa tenta girar na direção indicada pela seta A (veja na figura 6), ela empurra as extremidades superiores dos elementos toroidais que compõem a roda livre. Sendo que a distância l1 é mais curta que a distância l, o elemento gira, permitindo a rotação da pista externa.

7 Contudo, quando a pista externa tenta girar na direção oposta B, os elementos toroidais não conseguem girar porque a distância l2 é maior que a distância l. Portanto, os elementos agem como cunhas, travando a pista externa e impedindo-a de se mover. Para ajudar os elementos toroidais nessa função, é instalada uma mola de retenção que mantém os elementos sempre ligeiramente inclinados na direção de bloqueio da pista externa. Dica: Esse mesmo tipo de embreagem unidirecional é também utilizado dentro da transmissão, para controlar o movimento do conjunto de engrenagens planetárias. Redação: APTTA Brasil Associação de Profissionais Técnicos em Transmissão Automática

PERFIL DO TÉCNICO REPARADOR DE TRANSMISSÕES AUTOMÁTICAS. Competências necessárias ao técnico para o desempenho de suas funções.

PERFIL DO TÉCNICO REPARADOR DE TRANSMISSÕES AUTOMÁTICAS. Competências necessárias ao técnico para o desempenho de suas funções. PERFIL DO TÉCNICO REPARADOR DE TRANSMISSÕES AUTOMÁTICAS Competências necessárias ao técnico para o desempenho de suas funções. Primeiro grupo Introdução às transmissões automáticas. 1. Corrigir declarações

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO:

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: 1 - EMBREAGEM 2 - CÂMBIO 3 - DIFERENCIAL 4 - REDUÇÃO FINAL Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO

Leia mais

de hidráulica industrial

de hidráulica industrial A UU L AL A Noções de manutenção de hidráulica industrial João, o operador de uma retificadora cilíndrica, percebeu uma certa alteração no desempenho de sua máquina. Após fazer as verificações que conhecia

Leia mais

1 ATUADORES HIDRÁULICOS

1 ATUADORES HIDRÁULICOS 1 ATUADORES HIDRÁULICOS Danniela Rosa Sua função é aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma máquina, levando-a a realizar um determinado trabalho. Aliás, o motor elétrico também é um tipo de atuador.

Leia mais

1. As Máquinas Hidráulicas de Fluxo

1. As Máquinas Hidráulicas de Fluxo 1. As Máquinas Hidráulicas de Fluxo Máquina de Fluxo é uma máquina de fluido, em que o escoamento flui continuamente, ocorrendo transferência de quantidade de movimento de um rotor para o fluido que atravessa.

Leia mais

COMPRESSORES. Ruy Alexandre Generoso

COMPRESSORES. Ruy Alexandre Generoso COMPRESSORES Ruy Alexandre Generoso É o componente básico de qualquer sistema pneumático. O ar é comprimido em um sistema pneumático, de forma que possa ser usado para puxar, empurrar, realizar trabalho

Leia mais

Seção 12 Conjunto do motor

Seção 12 Conjunto do motor Seção 12 Conjunto do motor Página CONJUNTO DO MOTOR... 164 Instalação do virabrequim... 164 Instale o pistão e a biela... 164 Instalação do eixo de cames... 164 Instalação da bomba de óleo... 165 Instalação

Leia mais

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos.

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos. . MECA!ISMOS.0 Algumas definições Um mecanismo é um conjunto de elementos de máquinas ligados de forma a produzir um movimento específico. Podem ser subdivididos conforme suas aplicações: mecanismos com

Leia mais

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW Desmontagem e dicas da caixa VW Vamos apresentar nessa reportagem as características, dicas de manutenção, desmontagem e montagem da caixa de câmbio MQ200, que em suas várias aplicações, equipa a maioria

Leia mais

Atuadores e válvulas

Atuadores e válvulas A UU L AL A Atuadores e válvulas Você já viu nas aulas anteriores que é possível transformar energia elétrica em energia mecânica por meio de uma máquina: o motor elétrico. Na indústria atual, o motor

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Página 1 de 9 Informativo nº 9 VENTILADOR DE MESA 30cm VENTNK1200 ASSUNTO: Lançamento. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Alimentação: Cor: Potência do aparelho: Consumo de energia: Característica diferencial: Período

Leia mais

Manual de Reparação Gol 2013, Voyage 2013

Manual de Reparação Gol 2013, Voyage 2013 Serviço 3 Manual de Reparação Gol 2013, Voyage 2013 Transmissão automatizada (ASG) 0C3 de 5 vel. Edição 02.2014 Assistência Técnica. Informações técnicas 3 Serviço Quadro de Grupos de reparo relativos

Leia mais

Instruções de uso. Indicador de posição eletrônico ESR 2SX9000-1WR00 (R410134; C73451-A383-A1) 2SX9000-1MR00 (R410136; C73451-A383-A2)

Instruções de uso. Indicador de posição eletrônico ESR 2SX9000-1WR00 (R410134; C73451-A383-A1) 2SX9000-1MR00 (R410136; C73451-A383-A2) Instruções de uso Indicador de posição eletrônico ESR 2SX9000-1WR00 (R410134; C73451-A383-A1) 2SX9000-1MR00 (R410136; C73451-A383-A2) 2SX9000-1WR01 (R410145) Versão 12.12 Sujeito a alterações! Conteúdo

Leia mais

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento.

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2 Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. Aviso Importante Certifique-se de verificar o nível de óleo como é descrito a seguir: 1. Nível

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Identificação de Partes

Identificação de Partes Intificação Partes Part List-349-I Motor Vertical Indução 1. Superior 2. Porca e Arruela do Eixo do Motor 3. Inferior 4. da Tampa Superior 5. Defletor Óleo 6. Tampa Superior 7. Rolamento Contato Angular

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

3. TESTE DE MOTOR INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 TESTE DE COMPRESSÃO 3-2

3. TESTE DE MOTOR INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 TESTE DE COMPRESSÃO 3-2 3. TESTE DE MOTOR INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 TESTE DE COMPRESSÃO 3-2 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3 O teste de compressão fornece informações importantes sobre a condição mecânica

Leia mais

Compressores. www.iesa.com.br 2

Compressores. www.iesa.com.br 2 www.iesa.com.br 1 Compressores A pneumática utiliza o ar como fonte de energia para o acionamento de seus automatismos. Esse ar necessita de determinadas condições apropriadas para sua utilização. São

Leia mais

SPICER. Entendendo o Eixo Diferencial TECNOLOGIA LÍDER EM TRANSMISSÃO.

SPICER. Entendendo o Eixo Diferencial TECNOLOGIA LÍDER EM TRANSMISSÃO. www.spicer.com.br 0800 707 80 22 SPICER TECNOLOGIA LÍDER EM TRANSMISSÃO. Quando você escolhe Spicer, tem à disposição uma ampla gama de produtos de alta tecnologia e qualidade garantida. Cruzetas, Juntas

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA

BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA BOLETIM INFORMATIVO Nº 11/08 DICAS PARA O TÉCNICO REPARADOR AUDI 01J MULTITRONIC ENGATE À FRENTE DEMORADO VIBRAÇÃO NA RETOMADA OU SAÍDA RECLAMAÇÃO: Alguns veículos AUDI A4 e A6 equipados com a transmissão

Leia mais

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações.

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. A saída do chicote esta localizada na parte traseira ou inferior do. hardwarecar.com.br

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m

TS-300BR. CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m TADANO GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR TS-300BR DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 9,8 m - 31,0 m DIMENSÕES GERAIS Comprimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE ALINHAMENTO ENTRE EIXOS Manutenção Preditiva Alinhamentos. Introdução

A IMPORTÂNCIA DE ALINHAMENTO ENTRE EIXOS Manutenção Preditiva Alinhamentos. Introdução Introdução As perguntas mais freqüentes formuladas por gerentes, engenheiros, supervisores, contratantes, profissionais da área, referentes ao alinhamento (ou desalinhamento) de eixos e sua importância

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 6 Estudo de Torção, Transmissão de Potência e Torque Aula 6 Definição de Torque Torque é o momento que tende a torcer a peça em torno de seu eixo longitudinal. Seu efeito é de interesse principal

Leia mais

Vazão. 7.1 Introdução

Vazão. 7.1 Introdução Cap. 7 Medição de 7.1 Introdução Vazão Existem diversos tipos de medidores de vazão de escoamento, sendo que a escolha de um tipo dependerá das condições necessárias ao sistema, como por exemplo, a faixa

Leia mais

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre 1. Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez experimentos com o objetivo de desenhar linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados

Leia mais

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL TRANSMISSÃO MERCEDES 722.9 INFORMAÇÃO PRELIMINAR

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL TRANSMISSÃO MERCEDES 722.9 INFORMAÇÃO PRELIMINAR MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL TRANSMISSÃO MERCEDES 722.9 INFORMAÇÃO PRELIMINAR A transmissão Mercedes 722.9 já está sendo utilizada nos veículos a partir de 2004, mas apesar deste fato, ainda não existe

Leia mais

Rosqueadeiras. Manual de Instruções

Rosqueadeiras. Manual de Instruções Manual de Instruções 2 NOMAQ Roscar/Cortar/Escarear Modelos para tubos de ½ a 6 Modelo NQ-R2 NQ-R2A NQ-R4 NQ-R6 Roscas Tubos 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2, 2.1/2, 4 2.1/2, 4, 5, 6 Roscas

Leia mais

Instruções para uso do peso de bater automático

Instruções para uso do peso de bater automático Este equipamento foi desenvolvido com as finalidades de: 1) Agilizar e otimizar o tempo necessário para os testes de penetração de solo; 2) Melhorar a ergonomia do procedimento, evitando esforços físicos

Leia mais

Instruções para o Motorista

Instruções para o Motorista Eaton Fuller Heavy Duty Transmissions Instruções para o Motorista Fuller Heavy Duty Transmissions FTS- XX108LL Abril 2009 CUIDADOS Leia completamente as instruções para o motorista antes de operar a transmissão.

Leia mais

Caminhões basculantes. Design PGRT

Caminhões basculantes. Design PGRT Informações gerais sobre caminhões basculantes Informações gerais sobre caminhões basculantes Os caminhões basculantes são considerados como uma carroceria sujeita à torção. Os caminhões basculantes são

Leia mais

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador R Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA. Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br

Leia mais

Tratores Agrícolas 1

Tratores Agrícolas 1 Tratores Agrícolas 1 TRATOR AGRÍCOLA 1 DEFINIÇÃO???? Máquina autopropelida provida de meios que, além de lhe conferirem apoio estável sobre uma superfície horizontal, capacitam-no a tracionar, transportar

Leia mais

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Adaptação de Servo-motores Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

1 Introdução 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS HIDRÁULICA

1 Introdução 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS HIDRÁULICA HIDRÁULICA 1 Introdução 1.1 Histórico: Existem apenas três métodos conhecidos de transmissão de potência na esfera comercial: (1) a mecânica, (2) a elétrica e (3) a fluídica. Naturalmente, a transmissão

Leia mais

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Índice da seção Página Bielas Montagem da biela no pistão... 4 Verificação Instalação... 7 Remoção Torque... 8 Pistões Montagem do pistão na biela... 4 Verificação do desgaste

Leia mais

Bombas e Estações Elevatórias

Bombas e Estações Elevatórias Bombas e Estações Elevatórias Estações Elevatórias Escoamentos por gravidade possibilitam economia de energia, facilidade de operação, manutenção e segurança No entanto, não são possíveis sempre: Cidades

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Aparelho de Levantamento. Série B200 Manual de Montagem, Operação e Manutenção Aparelho de Levantamento Série B200 Português Índice Página 1 Aplicação e características gerais 1 Aplicação e características gerais 3 1.1 Aplicação 3 1.2 Características

Leia mais

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias

Calculando RPM. O s conjuntos formados por polias e correias A U L A Calculando RPM O problema O s conjuntos formados por polias e correias e os formados por engrenagens são responsáveis pela transmissão da velocidade do motor para a máquina. Geralmente, os motores

Leia mais

MOTOR DIESEL CHANGCHAI

MOTOR DIESEL CHANGCHAI MOTOR DIESEL Modelo 165F PERIGO A utilização imprópria do equipamento assim como a não observância das normas de segurança, pode resultar em ferimentos graves Leia atentamente este manual antes de operar

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

Sistema de Transmissão Mecânica. Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Curso Técnico em Manutenção Automotiva

Sistema de Transmissão Mecânica. Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Curso Técnico em Manutenção Automotiva Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP Curso Técnico em Manutenção Automotiva Sistema de Transmissão Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE NÍVEL DE FLUIDO E SUBSTITUIÇÃO DO FLUIDO DA TRANSMISSÃO DE ENGATES DIRETOS 02E VW/AUDI DSG.

VERIFICAÇÃO DE NÍVEL DE FLUIDO E SUBSTITUIÇÃO DO FLUIDO DA TRANSMISSÃO DE ENGATES DIRETOS 02E VW/AUDI DSG. VERIFICAÇÃO DE NÍVEL DE FLUIDO E SUBSTITUIÇÃO DO FLUIDO DA TRANSMISSÃO DE ENGATES DIRETOS 02E VW/AUDI DSG. Veículos envolvidos: JETTA, NEW BEETLE, PASSAT, AUDI SPORTSBACK de 2006 em diante. FLUIDO RECOMENDADO:

Leia mais

7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 NX-4 FALCON

7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 NX-4 FALCON NX-4 FALCON 7. CABEÇOTE/VÁLVULAS INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 7-1 DIAGNOSE DE DEFEITOS 7-3 COMPRESSÃO DO CILINDRO 7-4 REMOÇÃO DA TAMPA DO CABEÇOTE 7-5 DESMONTAGEM DA TAMPA DO 7-6 CABEÇOTE REMOÇÃO DA ÁRVORE DE

Leia mais

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2

(a) a aceleração do sistema. (b) as tensões T 1 e T 2 nos fios ligados a m 1 e m 2. Dado: momento de inércia da polia I = MR / 2 F128-Lista 11 1) Como parte de uma inspeção de manutenção, a turbina de um motor a jato é posta a girar de acordo com o gráfico mostrado na Fig. 15. Quantas revoluções esta turbina realizou durante o teste?

Leia mais

SELEÇÃO DE MOTORES DE CORRENTE CONTÍNUA 1GG e 1GH

SELEÇÃO DE MOTORES DE CORRENTE CONTÍNUA 1GG e 1GH PUBLICAÇÃO TÉCNICA SELEÇÃO DE MOTORES DE CORRENTE CONTÍNUA 1GG e 1GH Eng. Flávio Honda 30 de março de 2004 1. INTRODUÇÃO Atualmente, o desenvolvimento das técnicas de acionamentos de corrente alternada

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

DINÂMICA DO PONTO MATERIAL

DINÂMICA DO PONTO MATERIAL DINÂMICA DO PONTO MATERIAL 1.0 Conceitos Forças se comportam como vetores. Forças de Contato: Representam o resultado do contato físico entre dois corpos. Forças de Campo: Representam as forças que agem

Leia mais

Enroladores de Cabos - Contrapeso. Sistemas de Recuperação

Enroladores de Cabos - Contrapeso. Sistemas de Recuperação Enroladores de Cabos - Contrapeso Sistemas de Recuperação As figuras acima ilustram os tipos de acionamento a contrapeso. Na figura 7a temos o acionamento direto, na 7b, o acionamento direto através de

Leia mais

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455 Martelete Rotativo HR445- HR455 MANUAL DE INSTRUÇÕES Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. Fábrica Rua Makita Brasil, 00 Bairro Alvarengas - S. B. do Campo - SP - CEP: 0985-080 PABX: (0xx) 439-4

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 5

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 5 tuador elescópico UNIFEI EE610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 5 ula 5 rof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Exercício Um atuador telescópico elevará uma carga de 150 kgf ao ser alimentado por

Leia mais

aos elementos de transmissão

aos elementos de transmissão A U A UL LA Introdução aos elementos de transmissão Introdução Um motorista viajava numa estrada e não viu a luz vermelha que, de repente, apareceu no painel. Mais alguns metros, o carro parou. O motorista,

Leia mais

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS Manual do Operador COMPONENTES e ACESSÓRIOS Tampa do tanque de produtos químicos Bocal Lança Tanque de produtos químicos Vela de ignição Acionador de

Leia mais

11. Simbologia dos Componentes

11. Simbologia dos Componentes Nº Denominação Aplicação Símbolo 1.0 Geral 1.1. Símbolos Básicos 1.1.1. Linhas.1 Contínua 11. Simbologia dos Componentes.2 Interrompida Longa Linhas de fluxo..3 Interrompida Curta.4 Dupla Interligações

Leia mais

POR QUE UM PROBLEMA EM MEU MOTOR MUITAS VEZES AFETA O FUNCIONAMENTO DA MINHA TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA?

POR QUE UM PROBLEMA EM MEU MOTOR MUITAS VEZES AFETA O FUNCIONAMENTO DA MINHA TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA? POR QUE UM PROBLEMA EM MEU MOTOR MUITAS VEZES AFETA O FUNCIONAMENTO DA MINHA TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA? De repente, minha transmissão não está mais funcionando direito... E eu acabei de revisá-la estes dias!

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: GERADOR DE ENERGIA DAS CORRENTES MARÍTIMAS E FLUVIAIS

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: GERADOR DE ENERGIA DAS CORRENTES MARÍTIMAS E FLUVIAIS (11) Número de Publicação: PT 105069 A (51) Classificação Internacional: F03B 13/12 (2006.01) F03B 13/10 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2010.04.26 (30) Prioridade(s):

Leia mais

V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor.

V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor. V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor. V.7.1. Torque Quando você faz força para desrosquear uma tampa de um vidro de conservas com a mão, se está aplicando torque. O torque é

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DO ALINHADOR ALD300

MANUAL DE OPERAÇÕES DO ALINHADOR ALD300 MANUAL DE OPERAÇÕES DO ALINHADOR ALD300 1. Introdução O Alinhador ALD300 foi desenvolvido para verificação e ajuste do sistema de direção de veículos automotivos leves, através do sistema ótico. O sistema

Leia mais

MANUAL DE SERVIÇO TÉCNICO

MANUAL DE SERVIÇO TÉCNICO Cópias eletrônicas atualizadas dos Manuais Técnicos e de Manutenção (TSM) estão disponíveis no website da Viking Pump: www.vikingpump.com MANUAL DE SERVIÇO TÉCNICO SÉRIE 8124A, 8123A, 8127A TAMANHOS K,

Leia mais

UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica

UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica UNICAMP Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação EA-617 Introdução à Simulação Analógica Experiência 4: Equipamentos ECP 1 Sumário 1 Introdução 1 2 Descrição dos Sistemas 2 2.1 Emulador Industrial...............................

Leia mais

M9961-03E070 MANUAL DE SERVIÇO EQUIPAMENTO DE INJEÇÃO DE COMBUSTÍVEL

M9961-03E070 MANUAL DE SERVIÇO EQUIPAMENTO DE INJEÇÃO DE COMBUSTÍVEL M9961-03E070 MANUAL DE SERVIÇO EQUIPAMENTO DE INJEÇÃO DE COMBUSTÍVEL MODELO SÉRIE YPD-MP2/YPD-MP4 Introdução Este documento descreve os recursos, a desmontagem, remontagem e o procedimento de ajuste para

Leia mais

Dinâmica do movimento de Rotação

Dinâmica do movimento de Rotação Dinâmica do movimento de Rotação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o torque produzido por uma força;

Leia mais

Sumário. FS 6209 Manual de Serviços

Sumário. FS 6209 Manual de Serviços FS 6209 Sumário Seção A Visão geral da transmissão FS6209 Transmissão Eaton Synchromesh 9 velocidades Descrição do modelo 1 Identificação da transmissão 1 Descrição Geral 2 Características 2 O Sistema

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Bloqueio do Diferencial Central

Bloqueio do Diferencial Central Bloqueio do Diferencial Central O diferencial é um componente mecânico, composto por engrenagens, que permite a diferença de rotação entre duas rodas ou mesmo dois eixos. O diferencial tem uma característica

Leia mais

NOÇÕES SOBRE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS

NOÇÕES SOBRE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS NOÇÕES SOBRE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS Equipe de Elaboração/Revisão Elaboração e Instrutores ALDEMÁRIO SILVA DE OLIVEIRA UCCT/GPR/DT ALVAMAR ROBERTO COELHO CIRNE GFO/DT EDUARDO NOGUEIRA CUNHA UMED/GDP/DT

Leia mais

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA A BATERIA FP 818/K1. ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto.

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA A BATERIA FP 818/K1. ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA A BATERIA FP 818/K1 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Uso e cuidados

Leia mais

PROJETO DE UMA TURBINA HIDRÁULICA PORTÁTIL 1

PROJETO DE UMA TURBINA HIDRÁULICA PORTÁTIL 1 PROJETO DE UMA TURBINA HIDRÁULICA PORTÁTIL 1 Ricardo Böhm 2, Roger Schildt Hoffmann 3. 1 Trabalho de conclusão de curso do curso de Engenharia Mecânica da Universidade Regional do Noroeste do Estado do

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 10 Verificação e Ajuste da Folga Axial dos Compressores Parafuso 11/02 Tipos de compressores: OS.53 / OS.70 / OS.74 HS.53 / HS.64 / HS.74 HSKC 64 / HSKC 74 Sumário Página 1 Introdução

Leia mais

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Conceitos preliminares Introdução às máquinas CA e CC Força Magnetomotriz (FMM) de enrolamentos concentrados e de enrolamentos distribuídos

Leia mais

RETA ELETRÔNICA ZJ- 9700 MF-RS-PF

RETA ELETRÔNICA ZJ- 9700 MF-RS-PF RETA ELETRÔNICA ZJ- 9700 MF-RS-PF 02-01 1 - Enchedor De Bobina Enchedor de bobina e o tensor estão ilustrados na figura a baixo 2 - Especificações Aplicação Velocidade Máxima de Costura Comprimento Máximo

Leia mais

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON MF 86 HS Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON 2 www.massey.com.br 4 tipos de versões e o maior número de vantagens Alavanca de múltipla ação no carregador frontal Plataforma para o operador

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C )

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Turbo C deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 07.2 DEFINIÇÃO

Leia mais

TEORIA UNIDIMENSIONAL DAS

TEORIA UNIDIMENSIONAL DAS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: O conhecimento das velocidades do fluxo de

Leia mais

Aula -2 Motores de Corrente Contínua com Escovas

Aula -2 Motores de Corrente Contínua com Escovas Aula -2 Motores de Corrente Contínua com Escovas Introdução Será descrito neste tópico um tipo específico de motor que será denominado de motor de corrente contínua com escovas. Estes motores possuem dois

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho

1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho 1 ME-01 REV00 13 3 1 2 14 9 10 12 4 5 6 7 11 8 1 - AUTOMATIZADOR: Utilizado exclusivamente em portas de enrolar de aço. Existem diversas capacidades e tamanhos. Verifique sempre o peso e o tamanho da porta

Leia mais

1)OFERECER PRODUTOS E SERVIÇOS DE QUALIDADE.

1)OFERECER PRODUTOS E SERVIÇOS DE QUALIDADE. BRAZIL TRUCKS A BRAZIL TRUCKS é uma empresa que atua no mercado de movimentação de materiais há 15 anos. Fundada em 1º de junho de 1995, em São José dos Campos, Região do Vale do Paraíba no Estado de São

Leia mais

Composição de uma ferramenta elétrica

Composição de uma ferramenta elétrica ABC das Ferramentas (módulo II) Composição de uma ferramenta elétrica As ferramentas elétricas convencionais ou a bateria são compostas por 3 (três) partes básicas que são: 1. Estrutural Constituem a parte

Leia mais

INFORMATIVO DE APLICAÇÃO 410.97.54

INFORMATIVO DE APLICAÇÃO 410.97.54 Junho/2015 INFORMATIVO DE APLICAÇÃO 410.97.54 Reparo do Gancho do Regulador 7139 754G AGORA DISPONÍVEL PARA VENDA AVULSA PRODUTO: 410.97.54 PRODUTO: 410.97.54 Alteração: Além da venda no reparo 410.59.19,

Leia mais

Curso de Especialização em Engenharia Automotiva. Módulo: Transmissões

Curso de Especialização em Engenharia Automotiva. Módulo: Transmissões Curso de Especialização em Engenharia Automotiva Módulo: Realização: Parceria: CVT (Continuous Variable Transmission) Com a tecnologia CVT o torque do motor é transmitido a uma polia motriz ligada a uma

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM DA ESTRUTURA TFK

MANUAL DE MONTAGEM DA ESTRUTURA TFK MANUAL DE MONTAGEM DA ESTRUTURA TFK ESTRUTURA DOBRADA ABERTURA 1. Puxar a haste principal para cima, sendo cuidadoso, pois todo o conjunto irá se mover, com apenas uma alavanca de força para cima, conforme

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM TÉCNICO EM MECATRÔNICA. Bancada para Teste de Filtro

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM TÉCNICO EM MECATRÔNICA. Bancada para Teste de Filtro Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Etec JORGE STREET TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM TÉCNICO EM MECATRÔNICA Bancada para Teste de Filtro Arthur

Leia mais

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA

Utilizem sempre peças originais, para que possam ter garantida a performance e vida útil do seu equipamento. ALGODEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA ALGODEN INSTRUÇÕES GERAIS Antes de colocar em operação o equipamento, este deve funcionar em vazio durante algum tempo. Neste período deve se dar atenção nos diferentes pontos de lubrificação. Durante

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Embreagens são elementos que

Leia mais

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE

GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO PATRIMÔNIAL GERÊNCIA DE BENS MÓVEIS GUIA DE LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS PARA GVE G E 2007 1 2 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA

Leia mais

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Quinta-roda JSK 38C JSK 38G

Manual de Montagem, Operação e Manutenção. Quinta-roda JSK 38C JSK 38G Manual de Montagem, Operação e Manutenção Quinta-roda JSK 38C JSK 38G Índice Página 1 Aplicação e modelos 4 1.1 Aplicação 4 1.2 Dimensionamento 4 1.3 Segurança 4 Português 2 Montagem 5 2.1 Especificações

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A. 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT- A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5

Leia mais

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012

AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 AJUSTADORES AUTOMÁTICOS DE FREIO JUNHO 2012 Conheça o funcionamento, diagnóstico e reparo do ajustador de freio automático, um componente primordial para segurança, aplicado em veículos pesados. Que a

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO AGA-TEC Indústria, Comércio e Manutenção Ltda. R: Danilo Valbuza, 703 - Laranjeiras 07700-000 Caieiras / SP - Brasil Tels /Fax: (11) 4441 8353 / 8309 / 8247 / 8502 E-mail: agatecvendas@terra.com.br MANUAL

Leia mais

Galoneira Industrial série ZJ-W562

Galoneira Industrial série ZJ-W562 Galoneira Industrial série ZJ-W562 Instruções de Segurança IMPORTANTE Antes de utilizar sua máquina, leia atentamente todas as instruções desse manual. Ao utilizar a máquina, todos os procedimentos de

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral 1) Calcule o volume de ar comprimido necessário para o acionamento de 10 cilindros pneumáticos (modelo A), 4 cilindros pneumáticos com retorno por mola (modelo B) e 2 cilindros sem haste (modelo C), todos

Leia mais