I - Dos Princípios Gerais e do Núcleo de Prática Jurídica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I - Dos Princípios Gerais e do Núcleo de Prática Jurídica"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE IGUAÇU CURSO DE DIREITO CAMPUS ITAPERUNA Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado - UNIG Institui as normas atinentes ao Núcleo de Prática Jurídica da Universidade Iguaçu - UNIG - Campus V, de acordo com a Resolução CNE/CES nº. 9, de 29 de setembro de I - Dos Princípios Gerais e do Núcleo de Prática Jurídica Art. 1º. O NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA do Curso de Direito da Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Aplicadas, da Universidade Iguaçu - UNIG, é responsável pelo Estágio Curricular Supervisionado, que tem por fito executar o eixo de formação prática cuja função consiste na integração entre a prática e os conteúdos teóricos desenvolvidos nos eixos de formação fundamental e de formação profissional exigidos na Resolução CNE/CES nº 9/2004. Art. 2º. O Estágio é componente curricular obrigatório da UNIG, devendo ser estruturado e operacionalizado por meio deste Regulamento para consolidação dos desempenhos profissionais desejados. Parágrafo único. A realização de atividades complementares não se confunde com as atividades de Estágio Curricular Supervisionado. Art. 3º. No NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ), seu Coordenador, o Coordenador do Escritório de Assistência Jurídica (ESAJUR) e professores orientadores são professores do corpo docente do Curso de Direito. Parágrafo Único. Cabe ao Coordenador do Curso de Direito indicar professores para orientar na Prática Jurídica Simulada ou Real. Art. 4º. O Núcleo de Prática Jurídica se subdivide em Prática Jurídica Simulada, Prática Jurídica Real e ESAJUR. Art. 5º. A Prática Jurídica Simulada é cumprida pelos bacharelandos dos 7º. e 8º. períodos, contemplando atividades extraclasse de estágio.

2 Parágrafo Único. O Estágio será cumprido onde o Núcleo de Prática Jurídica - NPJ determinar, com atividades sobre as disciplinas já cursadas, ou em Curso, e constará da análise crítica de autos findos, redação de peças profissionais (informações, pareceres, petições iniciais, dentre outras) e visitas programadas a órgãos judiciários e penitenciários e a órgãos de funções essenciais à justiça e, ainda, de outras atividades práticas a critério do orientador respectivo e/ou da Coordenação. Art. 6º. A Prática Jurídica Real é cumprida pelos bacharelandos dos 9º. e 10º. períodos, contemplando as atividades extraclasse de estágio. 1º. O estudante que exerça atividade incompatível com a advocacia está obrigado a cursar as disciplinas de Prática Jurídica. 2º. O estudante que exerça atividade incompatível com a advocacia deve realizar o estágio curricular supervisionado, sendo vedada a inscrição na OAB. 3º. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) supervisiona e fiscaliza o desenvolvimento do Estágio Curricular, de acordo com os relatórios de atividades realizadas pelo estagiário. Art. 7º. O Estágio Curricular pode ser cumprido por meio de programas de extensão e convênios com os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, com escritórios de advocacia, associações, órgãos de funções essenciais à Justiça ou com entidades públicas, empresariais, comunitárias e sindicais. 1º. O estudante que exerce atividade incompatível com a advocacia deve frequentar o Núcleo de Prática Jurídica para fins de aprendizagem e cumprimento da carga horária curricular (art. 9º, 3º da Lei 8.906/94), podendo optar por requerer a isenção das atividades externas, diante da incompatibilidade supracitada. A isenção das atividades externas ou de quaisquer disciplinas eventualmente programadas para serem ministradas no NPJ, todavia, não exime o aluno de cumprir as demais atividades para complementar as horas exigidas para o cumprimento do estágio curricular supervisionado. 2º. Os estágios extracurriculares firmados por convênio entre a UNIG e quaisquer outros órgãos, respeitadas as peculiaridades de cada impedimento ao exercício da advocacia, bem como de cada equivalência apurada caso a caso, não eximem o aluno da frequência no Escritório Modelo do Núcleo de Prática Jurídica, em cumprimento à Lei 8.906/94, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, as

3 determinações do Conselho Nacional de Educação e o Projeto Pedagógico do Curso. Art. 8º. O aproveitamento de carga horária fora do âmbito interno da UNIG, através das Instituições mencionadas no caput do art. 7º., ficará a critério da Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica, respeitando-se o disposto no quadro apresentado no art. 30 do presente Regulamento. 1º. O aproveitamento da carga horária pela UNIG depende de apresentação de relatório circunstanciado das atividades efetivadas perante a entidade em que o aluno realiza o estágio, inclusive com cópias dos trabalhos realizados pelo estagiário, devidamente autenticadas e referendadas pela pessoa que, na entidade, tenha assumido a responsabilidade pelo acompanhamento dos trabalhos do estagiário. 2º. Os documentos mencionados no 1º farão parte, obrigatoriamente, do dossiê do estagiário, ficando inteiramente a critério dos Orientadores e do Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica a atribuição de carga horária a essas atividades, aceitando ou não os relatórios e cópias dos trabalhos. Art. 9º. O Escritório de Assistência Jurídica (ESAJUR) órgão integrante do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é responsável pela indicação de advogadosorientadores para acompanhar os procedimentos judiciais que lhe são inerentes e pela fiscalização do cumprimento do estágio curricular supervisionado. Parágrafo Único. O Núcleo de Prática Jurídica e o Escritório de Assistência Jurídica são dirigidos por seus respectivos coordenadores, nomeados por indicação do Coordenador do Curso de Direito, e se submetem ao presente regulamento. Art. 10. As atividades de estágio devem proporcionar ao estudante a participação em situações reais ou simuladas de vida e trabalho, bem como a análise crítica dos mesmos. Art. 11. As atividades de estágio devem buscar, em todas as variáveis, a articulação entre ensino, pesquisa e extensão. Art. 12. O estudo da ética profissional e sua prática devem perpassar por todas as atividades vinculadas de estágio. Art. 13. O Estágio Curricular Supervisionado e a Prática Jurídica Real são realizados na forma deste Regulamento.

4 Art. 14. As atividades do Estágio Curricular Supervisionado são desenvolvidas, indispensavelmente, em duas vertentes: I - Pesquisas, seminários e trabalhos simulados das práticas profissionais processuais e não processuais dos diversos agentes jurídicos, abrangendo as várias áreas do Direito e desenvolvidas sob a supervisão prevista neste Regulamento e na legislação vigente. II - Atendimento de partes, pesquisas e elaboração de peças processuais e acompanhamento dos respectivos processos no Escritório de Assistência Jurídica - ESAJUR. Art. 15. São considerados estagiários, para fins de Estágio Curricular Supervisionado os alunos matriculados nos 7º, 8º, 9º e 10º períodos, competindolhes, principalmente: I - realizar pesquisas, seminários e trabalhos simulados e/ou reais orientados; II - cumprir seus plantões junto ao Escritório de Assistência Jurídica - ESAJUR, a partir do 9º. período, conforme art. 19 e incisos; Parágrafo Único. Excepcionalmente, por ato do Colegiado do Curso Jurídico, ouvido o Coordenador do NPJ, alunos de outros períodos poderão participar de trabalhos de estágio, como assistentes. II - Do Professor Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica Art. 16. O Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica e o Coordenador do ESAJUR são designados pelo Coordenador do Curso Jurídico, competindo ao primeiro: I - propor ao Colegiado do Curso modificações deste Regulamento. II - implementar as decisões do Colegiado do Curso de Direito referentes ao estágio; III - coordenar e supervisionar as atividades de estágio, previstas neste Regulamento e legislação vigente; IV - receber as atas de avaliações de aprendizagem do Estágio Curricular devidamente preenchidas pelo professor orientador do estágio e encaminhá-las à Coordenação do Curso de Direito.

5 V - enviar à Secretaria Geral, sempre que solicitado, informações para expedição de certidões e declarações referentes ao Estágio Curricular; VI - Aprovar os modelos de formulários necessários à funcionalidade do Núcleo de Prática Jurídica; VII - distribuir, semestralmente, entre os professores do Estágio, as diversas atividades de controle, orientação e avaliação do Estágio de Prática Jurídica, encaminhando-as ao Núcleo de Prática Jurídica; VIII - Estabelecer, juntamente com a coordenação do Curso de Direito, os critérios a serem aplicados pelos professores orientadores do Núcleo de Prática Jurídica relacionados às tarefas, cargas horárias e atividades externas. IX - Apresentar, semestralmente, ao Coordenador do Curso de Direito, relatório do Núcleo de Prática Jurídica, com quadros demonstrativos dos atendimentos em cada área, tarefas e atividades desenvolvidas, listagem com todos os estagiários por período e os resultados obtidos por cada um nas avaliações. X - propor ao Núcleo de Prática Jurídica alterações na pauta de pesquisas, seminários e trabalhos simulados; XI - encaminhar, ao Coordenador do Curso de Direito, solicitação de convênios, para remessa aos órgãos competentes da Universidade, na forma da legislação vigente; XII - autorizar atividade de prática jurídica complementar com critérios estabelecidos pelo Colegiado do Curso, na forma do art. 7º., 1º. da Resolução CNE/CES n º 9/2004; XIII - visitar os escritórios de advocacia, órgãos, entidades e empresas conveniadas, para avaliar e informar como está se desenvolvendo o estágio de prática jurídica complementar; XIV - elaborar, respeitada a legislação vigente, a escala de horário dos estagiários junto ao Núcleo de Prática Jurídica, de forma a manter uma distribuição equitativa de acadêmicos nos diversos horários de funcionamento do mesmo; XV - coordenar e supervisionar todas as atividades do estágio na forma deste Regulamento e legislação vigente; XVI - fiscalizar as cargas horárias atribuídas aos estagiários, bem como as formas de avaliação a serem implementadas;

6 XVII - Assinar as correspondências, documentos e declarações referentes às atividades dos Núcleos de Prática Jurídica; XVIII - Propor ao Coordenador do Curso de Direito projetos de trabalhos interdisciplinares a serem desenvolvidos conjuntamente com outros órgãos da Instituição com o intuito de otimizar o serviço de assistência jurídica; XIX - Dar parecer sobre a viabilidade didática e prática dos projetos alternativos das atividades de estágio, encaminhados ao Núcleos de Prática Jurídica pelo Coordenador do Curso de Direito; XX - Indicar professores orientadores para os seminários e trabalhos simulados nos Núcleos de Prática Jurídica, como também para acompanharem os trabalhos de assistência jurídica; XXI - Em razão do caráter assistencial dos Núcleos de Prática Jurídica da Universidade Iguaçu - UNIG - Campus V, os honorários de sucumbência serão revertidos para os próprios núcleos, pela entidade mantenedora, com fincas ao aprimoramento dos estágios supervisionados praticados e atendimento jurídico da comunidade; XXII - O Coordenador deve dar ciência de todos os seus atos à Coordenação do Curso de Direito. XXIII - Compete ao Coordenador do ESAJUR substituir o Coordenador do NPJ nas faltas e impedimentos. XXIV - Cumprir e fazer cumprir este Regulamento. III - Dos Orientadores de Estágio Art. 17. Os orientadores deverão ser advogados com experiência de, no mínimo dois anos, regularmente inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil - OAB, competindo-lhes, principalmente: I - Orientar, supervisionar e avaliar as pesquisas, seminários e trabalhos simulados ou reais das equipes de estagiários sob a sua responsabilidade; II - Efetuar o controle de frequência dos estagiários pertencentes às equipes pelas quais for responsável;

7 III - Encaminhar, juntamente com os estagiários, as petições aos advogados vinculados ao Escritório de Assistência Jurídica - ESAJUR para distribuição junto ao Poder Judiciário; IV - Manter uma agenda de audiências referentes aos processos ajuizados de sua área e acompanhar as publicações oficiais. Ademais, deverá manter atualizadas as anotações necessárias de cada processo dentro do sistema implantado pela UNIG; V - Promover a prévia conciliação, mediação e arbitragem entre aquele que procura o Núcleo de Prática Jurídica e seu ex adverso; VI - Comparecer, acompanhado dos estagiários responsáveis pelo processo, a todas as audiências, inclusive às de Conciliação, dos processos patrocinados pelo Núcleo de Prática Jurídica, com fins de aprendizagem, sem responsabilidade pelo patrocínio da causa; VII - Participar de mutirões para atendimento da comunidade, em outros locais autorizados pela Coordenação Geral e pelo Coordenador do Curso de Direito, ouvido o Coordenador Acadêmico; VIII - Estabelecer, mensalmente, as tarefas que deverão ser cumpridas pelos estagiários com aprovação do Coordenador Acadêmico e do Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica, tendo em vista a necessidade de uniformização dos procedimentos a serem adotados pelo Núcleo de Prática Jurídica. IX - visitar os diversos órgãos do Poder Judiciário, Procuradorias, estabelecimentos penitenciários e outras instituições que desenvolvam atividades jurídicas (Judiciárias e não Judiciárias); X - desempenhar todas as demais atividades decorrentes de sua função; XI - apresentar ao Núcleo de Prática Jurídica, para análise, proposta de projetos alternativos de estágio e de alterações de pauta de pesquisas, seminários e trabalhos simulados, que devem seguir a tramitação prevista neste Regulamento e na legislação vigente; XII - avaliar os estagiários e preencher as atas de avaliações de aprendizagem do Estágio Curricular e encaminhá-las à Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica; XIII - Cumprir e fazer cumprir este Regulamento.

8 1º. O orientador fixará os prazos para cumprimento das tarefas, sobretudo quando se tratar de atendimento que vai ensejar a propositura de Ação Judicial. 2º. Havendo necessidade de prorrogação do prazo inicialmente fixado pelo orientador, o pleito deverá ser submetido ao Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica; IV - Das Secretarias do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ Art. 18. São atribuições da Secretaria do Núcleo de Prática Jurídica: I - Manter os arquivos de toda correspondência recebida e expedida, bem como de toda documentação e legislação referentes ao Núcleo de Prática Jurídica; II - Elaborar minutas de declarações e documentos pertinentes às suas atividades, respeitadas as demais atribuições e decisões da Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica e da Coordenação do Curso de Direito; III - Manter arquivo de controle das atividades internas e externas, bem como de fichas individuais de todos os estagiários que estiverem realizando essas atividades; IV - Fazer triagem necessária da clientela para encaminhamento aos estagiários de plantão e professores orientadores para o competente atendimento; V - Manter cadastro dos clientes do núcleo, por área, atualizando-o com base nos dados fornecidos pelos estagiários a cada novo atendimento ou ato processual; VI - Manter arquivo digital de todas as petições iniciais e respectivas sentenças, para que se tenha um controle mínimo daquilo que está sendo efetivado processualmente no âmbito do Poder Judiciário; VII - Manter agenda atualizada das audiências referentes aos processos ajuizados; VIII - Manter atualizados os quadros de avisos, para orientação de todos os estagiários; IX - Exercer a guarda e a responsabilidade pelos livros, processos e demais documentos que se encontram no Núcleo de Prática Jurídica, controlando,

9 rigorosamente, a entrada e saída de qualquer documento ou material, inclusive por parte dos professores orientadores; X - Desempenhar as demais atividades referentes às suas atribuições e as que lhes forem solicitadas pelo Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica, na forma deste regulamento; XI - Receber as tarefas entregues pelos estagiários, mensalmente, dentro do dia e horário determinados pelo Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica e imediatamente efetuar a atualização do controle de carga horária nas respectivas pastas individualizadas; XII - Participar das reuniões agendadas pelo Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica; XIII - Cumprir e fazer cumprir este Regulamento. V - Do Estágio Curricular Supervisionado Art. 19. O Estágio Supervisionado, de caráter curricular, ficará sob o controle, orientação e avaliação do Núcleo de Prática Jurídica e abrangerá as seguintes atividades práticas: I - Plantões obrigatórios no Núcleo de Prática Jurídica em dias e horários previamente fixados; II - Atendimento aos clientes, objetivando a conciliação, mediação e arbitragem, a orientação jurídica ou a instauração de processo; III - Redação e elaboração de peças processuais e profissionais; IV - Acompanhamento de processos, responsabilizando-se pela atualização das informações; V - Assistência e atuação em audiências e sessões; VI - Estudo de processos findos com apresentação de relatórios orais ou escritos; VII - Visitas a órgãos do Poder Judiciário, delegacias de polícia, estabelecimentos prisionais e institutos técnicos; VIII - Atividades de estágio em delegacias policiais; IX - Assistência jurídica e atividade de estágio no Sistema Penal; X - Procedimentos, audiências e júris simulados;

10 XI - Pesquisas solicitadas pelos professores orientadores; XII - Assistir a audiências e sessões estabelecidas pelo professor orientador com apresentação de relatórios; XIII - Participação em palestras, debates, seminários e workshops, de caráter profissional e ético; XIV - Demais atividades de interesse do estágio, a critério do professor orientador. VI - Dos Estudantes inscritos no NPJ Art. 20. São considerados estagiários para os fins de estágio no Núcleo de Prática Jurídica todos os alunos que estejam regularmente matriculados no 7º., 8º., 9º. e 10º. períodos do Curso de Direito. Art. 21. Os estudantes matriculados nos 9º. e 10º. períodos do Curso de Direito estarão se habilitados para a Prática Jurídica Real e continuidade do Estágio Curricular Supervisionado, conforme dispõe a Resolução CNE/CES nº 9, de 23 de setembro de º. O estudante poderá, além de exercer a atividade prática no Núcleo de Prática Jurídica, exercer estágio profissionalizante em outras Instituições que exercem atividades jurídicas, de caráter judicial ou extrajudicial. Este fato, porém, não exime o estagiário do cumprimento dos plantões obrigatórios no Núcleo de Prática Jurídica. 2º. No caso do parágrafo anterior, o estudante poderá pleitear que as atividades jurídicas exercidas em outras instituições sejam computadas como horas curriculares no Núcleo de Prática Jurídica. Neste caso, deverá o estagiário requerer à Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica, no prazo fixado no início do semestre letivo, a isenção de algumas atividades; Art. 22. Compete aos Estagiários: I - Realizar as pesquisas, participar de seminários e trabalhos simulados orientados; II - Cumprir seus plantões obrigatórios de duas horas no Núcleo de Prática Jurídica, conforme determinado pelo calendário previamente estabelecido pela

11 Coordenação do Curso Jurídico, assinando a respectiva folha de frequência na Secretaria; III - Se porventura não houver atendimento no horário estabelecido para o Plantão do Estagiário, o orientador estabelecerá tarefas a serem realizadas pelo estagiário, portanto, em hipótese alguma, o estagiário será dispensado do cumprimento do plantão obrigatório. IV - Preencher fichas de atendimento de todos os clientes que forem atendidos no Núcleo de Prática Jurídica, encaminhando-as à Secretaria de Estágio para cadastramento e arquivo na respectiva pasta do Estagiário; V - Entregar, periodicamente, ao orientador responsável pela área relatório no qual deve descrever, detalhadamente, todas as atividades realizadas durante o período respectivo; VI - Redigir e assinar as petições - estagiário inscrito na OAB -, juntamente com o advogado, de todos os processos nos quais participe ativamente, exceto aqueles considerados impedidos e incompatíveis pela Ordem dos Advogados do Brasil ou por qualquer órgão do Poder Judiciário; VII - Acompanhar as publicações oficiais para manter atualizada a agenda de prazos e de audiências existente na Secretaria do Núcleo; VIII - Cumprir, juntamente com o advogado integrante do ESAJUR, as intimações que forem efetuadas nos processos sob sua responsabilidade, exceto os estagiários considerados impedidos e incompatíveis pela Ordem dos Advogados do Brasil ou por qualquer órgão do Poder Judiciário; IX - Agir de acordo com a ética profissional e zelar pelo bom nome do Núcleo de Prática Jurídica e da própria Instituição; X - Comparecer ao Núcleo de Prática Jurídica com trajes adequados ao exercício da atividade prática; XI - Manter cópia de todas as peças processuais, elaboradas nos processos sob sua responsabilidade. XII - Efetuar a entrega, na Secretaria do Núcleo de Prática Jurídica, cópias de todos os atos que praticar para que possa ser anexada à pasta individual do estudante, com fincas à contagem das horas curriculares; A entrega compete ao estudante, que deverá ser feita mediante recibo, pois é de responsabilidade do estagiário a entrega para que a Secretaria possa efetuar a contagem das horas;

12 XIII - Cumprir, semestralmente, no mínimo 75 (setenta e cinco) horas, executando as tarefas previstas no art. 30 deste Regulamento com zelo e dedicação profissionais. XIV - Cumprir e fazer cumprir este Regulamento; 1º. Todos os estudantes do 7º. e 8º. períodos são obrigados a cursar a Prática Jurídica Simulada e ainda realizar o estágio curricular supervisionado, inclusive os estudantes que o Estatuto da Advocacia ou de outros órgãos do Poder Judiciário considerem impedidos ou incompatíveis, e observar as normas contidas neste Regulamento. 2º. Os relatórios de todas as tarefas deverão ser entregues pelo estagiário, mediante recibo, até o dia 10 do mês subsequente no Núcleo de Prática Jurídica. Se porventura o prazo não for cumprido o estagiário deverá requerer formalmente a entrega ao Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica. 3º. Os estudantes que estiverem estagiando em escritórios de advocacia conveniados com a UNIG ou em órgãos públicos judiciais ou extrajudiciais, que exerçam atividades judiciárias, poderão apresentar petições assinadas em conjunto com os advogados ou servidor responsável pelo órgão público com a chancela de recebimento do Tribunal correspondente no Núcleo de Prática Jurídica, contudo, não estarão dispensados do plantão obrigatório no Núcleo de Prática Jurídica. 4º. O exercício de estágio em escritórios de advocacia conveniados com a UNIG ou em órgãos públicos judiciais ou extrajudiciais não exime o aluno das seguintes atividades: plantão obrigatório no Núcleo de Prática Jurídica, trabalhos práticos, visitas a presídios, delegacias, IML ou órgãos do Poder Público e palestras e conferências credenciadas pelo Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica. VII - Do Serviço de Assistência Jurídica Art. 23. A carga horária destinada ao Estágio Curricular Supervisionado é aferida mediante o atendimento de partes, pesquisa e elaboração de peças processuais, acompanhamento dos respectivos processos, análise crítica de autos findos, visitas programadas a órgãos judiciários e penitenciários e a órgãos de funções essenciais à Justiça e, ainda, de outras atividades práticas, a critério do orientador.

13 1º. O atendimento no Núcleo de Prática Jurídica abrange todas as áreas do Direito e se destina à população juridicamente beneficiária da Gratuidade de Justiça. 3º. Os estagiários devem preencher fichas de atendimento para os casos que atenderem e encaminhá-las à Secretaria do Núcleo de Prática Jurídica para o devido cadastramento. 4º. Os estagiários devem manter nas pastas do assistido cópias de todas as peças processuais produzidas nos processos encaminhados ao Poder Judiciário pelo ESAJUR. 5º. Os estagiários devem comunicar ao orientador e à Secretaria do Núcleo de Prática Jurídica as datas de realização de todos os atos processuais pertinentes aos processos sob sua responsabilidade. Art. 24. O Núcleo de Prática Jurídica funciona com horário fixado pela Coordenação do respectivo órgão de acordo com a legislação vigente, independentemente do término do semestre letivo. 1º. Nos períodos de férias haverá funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica, no horário fixado pela Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica, com o objetivo de prestar assistência de urgência e acompanhar os processos em andamento. Art. 25. Os estagiários deverão prestar, no mínimo, duas horas por semana de atendimento no Núcleo de Prática Jurídica, em horário definido pela Coordenação do Curso de Direito. Art. 26. A escala de trabalho dos orientadores no Núcleo de Prática Jurídica é determinada pelo Coordenador do Curso de Direito de acordo com o estabelecido pelo Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica. VIII - Da Avaliação Art. 27. A avaliação no Núcleo de Prática Jurídica - NPJ será diária, isto é, em processo e registrada em ficha individual, tomando como referencial: I - o conhecimento e a prática baseada em evidências; II - Relatório de atendimento no qual são avaliados a descrição dos fatos que vão subsidiar eventual litígio; utilização do fundamento legal, doutrinário e

14 jurisprudencial adequado; formulação do problema do assistido; investigação diagnóstica; comunicação, organização e registro das informações; III - Qualidade do atendimento, como relação interpessoal, atitude profissional, cuidado coletivo, gestão do trabalho; Art. 28. O critério de avaliação no Núcleo de Prática Jurídica deve observar os seguintes parâmetros: I - Realização de duas provas escritas semestrais obrigatórias (P1 e P2), que têm por fito mensurar as competências do estudante (critério somativo - competências), por meio de uma avaliação cognitiva, no período respectivo, cujas datas de realização são definidas no calendário anual da Universidade; II - Além da realização da P1 e P2 (critério somativo - competências) o estudante se submeterá a avaliações diárias pelo professor, o qual observará a conduta do aluno durante o atendimento na Prática Jurídica, possibilitando-se, assim, a verificação das habilidades (critério formativo - habilidades) desenvolvidas pelo estudante do Curso de Direito. III - Trata-se de um critério de avaliação híbrido que será feita atribuindose uma nota, expressa em grau número 0 (zero) a 10 (dez), de 5 (cinco) em 5 (cinco) décimos. A soma das notas apuradas é dividida pelo número de avaliações, donde se obtém o resultado final. Art. 29. No que concerne ao Estágio Curricular Supervisionado, o estagiário que não atingir a carga horária mínima de 75 (setenta e cinco) horas por semestre, conforme determina a legislação em vigor, não terá concluído o Estágio, portanto, não será certificado. Configura-se requisito essencial a apresentação no Núcleo de Prática Jurídica de pelo menos 75 (setenta e cinco) horas de atividades. Art. 30. A gradação das horas será feita de acordo com as seguintes rubricas: I - Plantão semanal no Núcleo de Prática Jurídica/Escritório Modelo: 01 hora por plantão; II - Elaboração de peça processual com o visto do professor orientador: 04 horas por peça; III - Relatório de Audiência, Sessão ou Tribunal do Júri: a) Audiência, relatório devidamente assinado pelo Magistrado ou conciliador (documento original): 02 horas por Audiência;

15 b) Sessão de Julgamento, relatório devidamente assinado pelo Magistrado ou conciliador (documento original): 02 horas por Audiência; c) Tribunal do Júri, devidamente assinado pelo Magistrado ou responsável legal (documento original): 05 horas por Júri. IV - Tarefas: a) Acompanhamento de processos, com discriminação do respectivo andamento, (realizado no Fórum), devidamente assinado pelo responsável legal: 02 horas por tarefa forense. b) Visitas a presídios, delegacias, Instituto Médico Legal ou órgãos do Poder Judiciário, devidamente assinado pelo responsável legal: 02 horas por visita. c) Diligências e outras tarefas de caráter jurídico a critério do Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica: 02 horas por tarefa. V - Trabalhos Práticos: a) Pesquisa e análise jurisprudencial: 02 horas b) Análise de casos concretos: 02 horas c) Análise de legislação: 02 horas VI - Palestras e Conferências credenciadas pelo Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica, com cópia do Certificado apresentado junto com o original para que seja feita autenticação: 10 horas. Art. 31. Para que o estagiário possa concluir o Estágio Curricular Supervisionado deve apresentar pelo menos 75 (setenta e cinco) horas, no entanto, o estagiário deve apresentar documentos comprobatórios de pelo menos três rubricas, isto é, o estagiário não pode completar as horas apresentando documentos comprobatórios apenas de uma ou duas rubricas. Parágrafo Único. Caso não haja cumprimento de 75 (setenta e cinco) horas no semestre, divididas em pelo menos três rubricas, o estagiário será considerado INAPTO no Estágio. Art. 32. No que tange à avaliação da Prática Jurídica, prevista no art. 28, passam a ser considerados os critérios somativo (competências) e formativo (habilidades) do estudante: I - A verificação das competências, por meio do critério somativo, far-se-á da seguinte forma:

16 a) será considerado aprovado o estudante que obtém, no mínimo, 12 pontos, decorrentes da soma das 02 (duas) avaliações bimestrais; b) as avaliações devem estimular o estudante na busca do conhecimento que poderá conter questões discursivas ou confecção de peças processuais, nas quais se possa avaliar a os aspectos jurídicos, a aplicação da legislação, doutrina e jurisprudência, bem como a qualidade da redação e expressão escrita do estudante, além dos conhecimentos de sintaxe, fluência e coerência das ideias. c) a divulgação dos resultados da avaliação cognitiva será realizada pelo professor no prazo máximo de 07 (sete) dias após sua aplicação. d) o estudante que não obtém 12 (doze) pontos na Prática Jurídica tem direito à Recuperação, que se fará no Núcleo de Prática Jurídica, mediante plantões e realização de uma terceira prova. e) Reprovado na Recuperação deve o estudante solicitar à Coordenação do Curso de Direito a inscrição na disciplina em período letivo regular em regime de dependência. II - A verificação das habilidades, por meio do critério formativo, far-se-á da seguinte forma: a) A forma como o estudante se apresenta no Núcleo de Prática Jurídica; b) A qualidade no atendimento dos assistidos; c) Relatório de atendimento, no qual o orientador deve avaliar a descrição dos fatos que vão subsidiar eventual litígio; utilização do fundamento legal, doutrinário e jurisprudencial; formulação do problema do assistido; d) Investigação diagnóstica; e) Estudo; f) Peças Processuais; g) Atitude Profissional. Art. 33. No que concerne à avaliação formativa (habilidades), serão considerados os seguintes aspectos:

17 I - Serão mensuradas as quantidades de horas apresentadas pelo estudante de acordo com a seguinte gradação: 1 - SATISFATÓRIO 2 - INSATISFATÓRIO Satisfatório: A _ mais de 96 horas B _ 86 a 95 horas C _ 75 a 85 horas Insatisfatório: D _ < 75 horas II - Sob o critério formativo, orientador deve levar em consideração ainda a ficha específica do Núcleo de Prática Jurídica, no qual o estudante é avaliado diuturnamente, de acordo com os seguintes critérios: 1 - SATISFATÓRIO 2 - INSATISFATÓRIO Satisfatório: A _ mais de 96% das vezes B _ 86% a 95% das vezes C _ 75% a 85% das vezes Insatisfatório: D _ < 75% das vezes Art. 34. O tempo de estágio realizado em Defensoria Pública da União, do Distrito Federal ou dos Estados, na forma do art. 145 da Lei Complementar nº. 80, de janeiro de 1994, será considerado para fins de carga horária do estágio curricular. 1º. A atribuição de carga horária do estágio curricular realizado nas demais Instituições compete ao Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica. 2º. Os pedidos de isenção de realização da prática das atividades externas devem ser submetidos ao crivo da Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica, cujo prazo será estabelecido pela própria Coordenação no início de cada semestre letivo. IX - Das Faltas e das Penalidades Art. 35. Os estudantes e estagiários estão sujeitos às seguintes sanções: I - Repreensão oral; II - Repreensão escrita; III - Suspensão;

18 IV - Desligamento. Art. 36. Ao estudante e estagiário que revelar impontualidade ou negligência será aplicada a sanção de repreensão oral. Parágrafo único. Em caso de reincidência, a repreensão será feita por escrito, devendo constar dos assentamentos do estagiário. Art. 37. Estará sujeito também a repreensão escrita àquela correspondente à: I - incorrer em omissão de impulso processual em causa sob sua responsabilidade; II - deixar de cumprir a tarefa que lhe for atribuída. Art. 38. Será suspenso por até 6 (seis) meses o estagiário que: I - Der causa a perda de prazo peremptório; II - Reincidir em qualquer das infrações previstas no artigo anterior; III - Não comparecer pontualmente no Núcleo de Prática Jurídica, nos dias e horários previamente fixados, de forma habitual e sem justificativa aceitável; IV - Faltar com urbanidade e respeito às partes, colegas e demais integrantes do Núcleo de Prática Jurídica, bem como magistrados, membros do Ministério Público, advogados e servidores do Poder Judiciário. Parágrafo Único. Ficará o estagiário sujeito às sanções previstas no Estatuto da OAB (Lei 8.906/94) e a incidência de responsabilidade administrativa, civil e/ou penal quanto às causas previstas no inciso I deste artigo. Art. 39. A captação de clientela por parte do estudante e estagiário ou por parte de qualquer componente do Núcleo de Prática Jurídica é considerada falta grave, bem como os atos que importem em violação de norma legal ou regulamentar, podendo acarretar o desligamento do estagiário. Parágrafo único. No caso de ser praticada a falta pelos demais componentes do Núcleo de Prática Jurídica será aplicado o regulamento da própria Instituição. Art. 40. A aplicação das sanções previstas neste Regulamento cabe ao Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica e ao Coordenador do Curso de Direito. X - Da Câmara de Conciliação, Mediação, Arbitragem e Cidadania

19 Art. 41. Antes da distribuição de qualquer demanda judicial, será composta uma Comissão de Conciliação, Mediação e Arbitragem, que têm por objetivo promover o entendimento entre as partes, utilizando os métodos previstos para mediação, conciliação e arbitragem. Art. 42. Para obtenção do objetivo salientado no artigo anterior deve ser remetida convocação ao ex adverso do assistido, convidando-o a comparecer no Núcleo de Prática Jurídica na Comissão de Conciliação, Mediação e Arbitragem. Art. 43. Em qualquer hipótese, será feito breve relatório de cada caso, para ser encaminhado ao Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica. XI - Das Disposições Gerais Art. 44. Este regulamento somente pode ser alterado pelos membros do Colegiado do Curso de Direito. Art. 45. Compete ao Colegiado do Curso dirimir eventuais dúvidas referentes à interpretação deste Regulamento, bem como suprir as lacunas, expedindo os atos complementares que se fizerem necessários, levando em conta as regras gerais contidas na Resolução CNE/CES nº. 9, de 23 de setembro de Art. 46. Os casos omissos serão decididos pela Coordenação do Núcleo de Prática Jurídica. Art. 47. Este Regulamento entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Itaperuna, 28 de abril de Carlos José de Castro Costa Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica Leandro Silva Costa Coordenador do Curso de Direito

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) UNIVERSIDADE IGUAÇU CURSO DE DIREITO CAMPUS NOVA IGUAÇU REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS E DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Art. 1º. O NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA do

Leia mais

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica

RESOLVE: Profª. MARIA CERES RODRIGUES MURAD Diretora Acadêmica RESOLUÇÃO Nº 5, DE 16 DE JULHO DE 2014 REGIMENTO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre a Prática Jurídica no âmbito da UNDB. O CONSELHO TÉCNICO- ADMINISTRATIVO, no uso das competências que lhe confere o art.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE. Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO - ACE FACULDADE DE DIREITO DE JOINVILLE Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica - NPJ Resolução n. º02/2007. Dispõe sobre as atividades relacionadas ao Estágio Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí/SP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O estágio de prática jurídica supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.1º. O presente Regulamento rege as Atividades de Estágio Supervisionado,

Leia mais

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

PORTARIA 2/2015 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA 2/2015 O Prof. Ms. Márcio Franklin Nogueira, Coordenador do Curso de Direito, tendo em conta mudança na sistemática de agendamento e cômputo de horas das atividades de prática jurídica, agora

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR ` REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR Rio Verde, Goiás 2010/2 Regimento do Núcleo de Prática Jurídica da FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES - FAR A Administração Geral da

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado de Prática Jurídica e do Núcleo de Prática Jurídica TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS Art. 1º.

Leia mais

Título I. Dos Princípios Gerais

Título I. Dos Princípios Gerais CORDENADORIA DO NPJ Criado pela Resolução 01/99 Colegiado Superior REGULAMENTO Dispõe sobre o funcionamento da Coordenadoria do Núcleo de Prática Jurídica e seus órgãos no Curso de Graduação em Direito.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Cacoal RO. CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. O presente Regulamento rege as atividades do NPJ e o Estágio Supervisionado de Prática

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 007/2008

RESOLUÇÃO N. 007/2008 RESOLUÇÃO N. 007/2008 O Colegiado de Cursos da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade FUMEC, no uso de suas atribuições e considerando a necessidade de normatizar as atividades relacionadas ao Estágio

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS /IBMEC REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) PORTO VELHO (RO) 2012 Página 1 de 18 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO 1 DA NORMATIZAÇÃO Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é o órgão

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA UNICRUZ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA UNICRUZ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE DIREITO UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA UNICRUZ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DO CURSO DE DIREITO Capítulo I Dos objetivos Art. 1º. Este Regulamento tem

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

UNICERP CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PRÁTICA REAL 2014_2 9º PERÍODO. Acadêmico(a):

UNICERP CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PRÁTICA REAL 2014_2 9º PERÍODO. Acadêmico(a): 2014 UNICERP CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV PRÁTICA REAL 2014_2 9º PERÍODO Acadêmico(a): Número de matrícula: Turno: Carteira de Identidade: CPF: Endereço: Telefone:

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO NPJ E ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento rege as atividades

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA RIO DE JANEIRO 2012 I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento rege as atividades de Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Direito. Art. 2º -

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Em cumprimento às exigências da Resolução CNE/CES nº 9, de 29 de setembro de 2004 (do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior) e ao Projeto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) CAPÍTULO I DO OBJETO, ENGENHARIA E FINALIDADE Art. 1º. O presente regulamento tem como objeto o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) do Curso de Direito da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre, tem por finalidade promover e coordenar

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Aprovado pela Resolução Consuni nº 28/06 de 12/07/06. Art. 1º O presente regulamento disciplina as atividades do Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TÍTULO I DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E JUDICIÁRIA Art. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica e Judiciária do Curso de Direito

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA Regula o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ do curso de Direito Bacharelado da Fibra. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS Centro Universitário Dinâmica das Cataratas REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º Estágio Supervisionado em Administração (ESA), é a disciplina

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés REGULAMENTO DO NUCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS Este Regulamento se aplica ao curso de Direito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés TÍTULO I DOS

Leia mais

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Manual do Estagiário ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA GRATUITA 01. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é constituído pelo Escritório Modelo de Advocacia Gratuita EMAG

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UNISANTOS Título I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Capítulo I Dos Fundamentos do Núcleo de Prática Jurídica Art. 1º Este Regulamento

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS

ANEXO I REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO I REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Este regulamento é próprio do Núcleo de Prática Jurídica do Centro Universitário Dinâmica das Cataratas - UDC, para os estagiários e será regido por essas

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA O Conselho Diretor da Faculdade de Direito (UFG), no uso de suas atribuições

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO Faculdade Internacional da Paraíba Rua Monsenhor Walfredo Leal nº 512, Tambiá

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA O Curso de Graduação em Direito da Faculdade do Sudeste Goiano (FASUG) é oferecido em conformidade com as Diretrizes do Ministério da Educação (MEC), com observância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Serviço de Assistência Judiciária da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM 1. O Estágio Profissional O Estágio Profissional de Advocacia é semelhante ao estágio em um escritório de Advocacia

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA JURÍDICA. Estabelece normas gerais atinentes à Prática Jurídica.

REGULAMENTO DA PRÁTICA JURÍDICA. Estabelece normas gerais atinentes à Prática Jurídica. REGULAMENTO DA PRÁTICA JURÍDICA Estabelece normas gerais atinentes à Prática Jurídica. A Coordenação de Prática Jurídica, no exercício de suas atribuições, regulamenta as Disciplinas de Prática Jurídica.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DIRETRIZES GERAIS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DIRETRIZES GERAIS Uniiv i ve er rs iid i ad a de p ar a ra o De es sen nvov l vi v iimen nt to do Al ll t o Va al le do d It I taj a jj aí a í PARECER Nº 72/2007 APROVADO EM 04/10/2007 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º Este regulamento normatiza a estruturação, funcionamento, atribuições e

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1º Este regulamento normatiza a estruturação, funcionamento, atribuições e REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Sociedade Educacional UNIFAS Mantenedora. Faculdade de Sinop FASIP Mantida. DIREITO Curso

Sociedade Educacional UNIFAS Mantenedora. Faculdade de Sinop FASIP Mantida. DIREITO Curso Sociedade Educacional UNIFAS Mantenedora Faculdade de Sinop FASIP Mantida DIREITO Curso ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ REGULAMENTO Sinop - MT ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011.

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011. AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011. Aprova o Regulamento do Estágio de Estudantes junto à Agência Reguladora de Águas,

Leia mais

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE)

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) APROVADO Alterações aprovadas na 27ª reunião do Conselho Superior realizada em 18/12/2013. REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) DA ESTRUTURA Art. 1º - A

Leia mais

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA

REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA REGULAMENTO DO ESCRITÓRIO DE ASSISTÊNCIA JURÍDICA NÚCLEO DE PRÁTICA JURIDICA REITOR Prof. Antonio Roberto Ezau dos Santos PRÓ-REITOR ACADÊMICO Prof. Ms. José Lazaro de Souza PRÓ-REITOR ADMINISTRATIVO E

Leia mais

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO 1 FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES - FACELI CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE DIREITO LINHARES ES 2014 2 FUNDAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO...4 SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS...4 SEÇÃO III DA COMPOSIÇÃO...4 SEÇÃO IV DA ESTRUTURA...4 CAPÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS...5 SEÇÃO I DA

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Art. 1º - O Estágio Supervisionado obrigatório tem por finalidade ministrar a prática

Leia mais

RE.NPJ.001.11.00 REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Responsável Etapas Autorização Nome Cargo Assinatura MEMBRO DO CONSUPE MEMBRO DO CONSUPE

RE.NPJ.001.11.00 REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Responsável Etapas Autorização Nome Cargo Assinatura MEMBRO DO CONSUPE MEMBRO DO CONSUPE - CÍNZIA BARRETO DO Responsável Etapas Autorização Nome Cargo Assinatura Proposição CÍNZIA BARRETO COORDENADORA DO Análise Crítica DRAUZ FILHO EDINALDO NEVES GABRIELLE GARCIA MARIA EUNICE BORJA MIDIAN

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA INTEGRADO AO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA INTEGRADO AO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA INTEGRADO AO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 Artigo 1º. O Estágio Profissional de Advocacia, previsto no artigo 9º da Lei nº 8.906/94,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR 2008 Diretora Geral: Profª. Drª. Irmã Olga de Sá Vice-Diretora: Profª. Irmã Raquel Godoi Retz Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coord. do Núcleo

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS DE GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n - Zona Rural - Cx Postal

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre normas para realização do estágio de prática jurídica, componente curricular obrigatório dos Cursos de Direito. Do Núcleo de Prática Jurídica Art.

Leia mais

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 1. APRESENTAÇÃO O manual contém informações a respeito da estrutura e do funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica, do Curso de Direito da FAPE - Faculdade de Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS ESPECÍFICOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA FACULDADE FASIPE

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS ESPECÍFICOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA FACULDADE FASIPE REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS ESPECÍFICOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA FACULDADE FASIPE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1.º O presente Regulamento dispõe sobre o Estágio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE REGIMENTO INTERNO DA CLINICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE - Capítulo I Caracterização do Serviço Clínica-Escola de Psicologia Art. 1º - O SEPsi - Serviço Escola de Psicologia

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO TÍTULO I 3 DA PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU E SEUS OBJETIVOS 3 TÍTULO II 5 DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 5 CAPÍTULO I 5 DA ESTRUTURA 5 CAPÍTULO II 6 DA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU 6 CAPÍTULO

Leia mais

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE 1 REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Núcleo de Prática Jurídica é órgão destinado a coordenar, executar

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO E GESTÃO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO E GESTÃO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO E GESTÃO A Coordenação do Curso de Direito, no uso de suas atribuições, publica edital de abertura

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA FACULDADE DAS AMÉRICAS

REGIMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA FACULDADE DAS AMÉRICAS REGIMENTO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA FACULDADE DAS AMÉRICAS 1. DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO PROFISSIONAL DE ADVOCACIA E SUAS FINALIDADES Artigo 1º - O Estágio Profissional de Advocacia, previsto nos

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado INTRODUÇÃO O Manual de Estágio Supervisionado tem como objetivo orientar o aluno do Curso de Direito da Universidade de Santo Amaro sobre a Prática do Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA (FAMES)

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA (FAMES) REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA (FAMES) SANTA MARIA RS 2014 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1. Este Regulamento rege as atividades de estágio do Curso de Graduação em Direito da FEATI, e tem por finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Institui o Regulamento de Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) do Curso de Direito da Celer Faculdades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

FACCREI FACULDADE CRISTO REI CORNÉLIO PROCÓPIO - PARANÁ

FACCREI FACULDADE CRISTO REI CORNÉLIO PROCÓPIO - PARANÁ FACCREI REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURRICULAR DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA PROFESSOR OSWALDO TREVISAN, DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA 1 FACCREI APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE MACEIÓ - SEMA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DE MACEIÓ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE MACEIÓ - SEMA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DE MACEIÓ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA SOCIEDADE EDUCACIONAL DE MACEIÓ - SEMA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DE MACEIÓ FAMA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Art. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade de Ciências

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE MATEMÁTICA CURSO DE MATEMÁTICA REGULAMENTO N 001, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos necessários à sistematização do Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO

Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO REITOR Prof. Antonio Roberto Ezaú dos Santos PRÓ-REITOR ACADÊMICO Prof.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ 1 MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ INTRODUÇÃO Destina-se o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) a organizar, coordenar e supervisionar o estágio obrigatório para os quatro últimos semestres do curso,

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA)

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) Agosto/2011 CAPÍTULO I SEÇÃO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da União das Instituições de Serviço, Ensino

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA 2010 TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES Art. 1º - A COMISSÃO DE ÉTICA PARA O USO DE ANIMAIS CEUA-UCB, órgão vinculado

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Engenharia de Automação Industrial

ESTÁGIO SUPERVISIONADO Engenharia de Automação Industrial CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG UNIDADE ARAXÁ COORDENAÇÃO DE PROGRAMA DE ESTÁGIO - 3ºGRAU ESTÁGIO SUPERVISIONADO Engenharia de Automação Industrial GUIA DO ESTAGIÁRIO CEFET-MG

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I O objetivo primordial do Escritório Modelo de Advocacia é o pedagógico, sendo um laboratório prático no qual os alunos deverão desenvolver o conteúdo

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Regulamento de Atividades Complementares Curso de Enfermagem Capítulo I- Disposições Gerais Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade regrar as Atividades Complementares para o curso de Enfermagem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011.

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. Dispõe sobre Criação de Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA/URI. O Reitor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando:

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando: RESOLUÇÃO CD 28/2009 - DEFINE O REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO CLÍNICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SERCEPS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO

Leia mais

Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas

Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade São Lucas 1 Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da Faculdade São Lucas será regido pelos princípios da: I Ética profissional;

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PPGAU NÍVEL MESTRADO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO - TITULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado em Arquitetura e Urbanismo da UFES compreende o conjunto de atividades de ensino,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA UNIDADE ACADÊMICA DE ENSINO DE DIREITO UEDI

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA UNIDADE ACADÊMICA DE ENSINO DE DIREITO UEDI REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA UNIDADE ACADÊMICA DE ENSINO DE DIREITO UEDI Sete Lagoas - 2010 REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA NPJ - DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS

Leia mais

7- Atividades Complementares (CH60)

7- Atividades Complementares (CH60) 7- Atividades Complementares (CH60) As atividades complementares no curso de Fisioterapia estão dispostas na nova matriz curricular para os ingressantes a partir do ano de 2008. Visando a garantir a flexibilidade

Leia mais

Os acadêmicos matriculados no estágio ingressarão na lide jurídica sob a orientação técnica dos professores-orientadores do NPJ/FABEL.

Os acadêmicos matriculados no estágio ingressarão na lide jurídica sob a orientação técnica dos professores-orientadores do NPJ/FABEL. ANEXO Nº 04 REGULAMENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO INTERNO DO NUCLEO DE PRATICA JURIDICA DA FACULDADE DE BELÉM FABEL (NPJ FABEL). Missão: Educação Superior priorizando a Prática Profissional,

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA UNIFEBE Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 36/14, de 10/12/14. CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO

Leia mais