GRUPO DE ESTUDOS 1º CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO EMPRESARIAL OS TÍTULOS DE CRÉDITO VIRTUAIS E AS RELAÇÕES INTEREMPRESARIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO DE ESTUDOS 1º CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO EMPRESARIAL OS TÍTULOS DE CRÉDITO VIRTUAIS E AS RELAÇÕES INTEREMPRESARIAIS"

Transcrição

1 GRUPO DE ESTUDOS 1º CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO EMPRESARIAL OS TÍTULOS DE CRÉDITO VIRTUAIS E AS RELAÇÕES INTEREMPRESARIAIS

2 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP CAMPINAS/ JUNDIAÍ 2011 GRUPO DE ESTUDOS 1º CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO EMPRESARIAL OS TÍTULOS DE CRÉDITO VIRTUAIS E AS RELAÇÕES INTEREMPRESARIAIS Estudo apresentado para o 1º Congresso Brasileiro de Direito Empresarial, sob a orientação dos Professores Ms. Áurea Moscatini, Dr. Cláudio José Franzolin e Ms. Luís Renato Vedovato. 3

3 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP CAMPINAS/ JUNDIAÍ 2011 PROFESSORES ORIENTADORES: Professora Ms. Áurea Moscatini Professor Dr. Cláudio José Franzolin Professor Ms. Luiz Renato Vedovato ALUNOS PARTICIPANTES UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP CAMPUS CAMPINAS Felipe Bertem Chagas RA A João Batista Inácio Dagoberto Colman RA Kamyla Stéphani Zanré RA A Lázaro Fernandes Cândido Neto RA A1388C- 7 Lucilaine Braga Luciano Cândido Martins RA Patrícia Andréia Vidotto Goto RA A13FFI-6 Patrícia Bueno Carvalho RA UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP CAMPUS JUNDIAÍ Gabriela Crevilari RA A5681G-3 Thaís Vieira Gonçalves RA A2461H-4 Vanessa Benessuti RA Vasco Antônio Ferracini RA A POLICAMP - CAMPINAS Kléber Bárea RA

4 RESUMO: O grupo aborda neste trabalho os impactos da era virtual no âmbito dos títulos de crédito, em especial, o princípio da cartularidade. O trabalho também destaca alguns valores contemporâneos os quais interferem na interpretação e na compreensão do estudo dos títulos de crédito, em virtude dos paradigmas que ressoam na pós-modernidade. Sem contar, ainda a crescente necessidade do diálogo entre o direito interno e internacional. PALAVRAS-CHAVE: títulos de crédito, títulos virtuais, cartularidade. 5

5 SUMÁRIO Introdução Segurança jurídica e os limites da autonomia privada nas relações interempresariais Títulos de Crédito eletrônicos e a adequação aos princípios básicos Legislação brasileira e a importância dos costumes para consolidação dos títulos eletrônicos O princípio da Cartularidade e os meios eletrônicos A implementação dos títulos eletrônicos Títulos de Crédito virtuais e as relações interempresariais Tendências Jurisprudenciais...35 Conclusão...62 Bibliografia

6 Introdução: Com o advento da era digital 1, muitos setores tiveram que se reorganizar, a fim de acompanhar os avanços tecnológicos. Como não poderia deixar de ser, o mesmo acontece na seara jurídica, que vem tentando acompanhar tais avanços, a fim de regulamentar as relações interempresariais, num ambiente cada vez mais global. O novo Código Civil Brasileiro, em vigência desde 11/01/2003, dedica em seu Título VIII a disciplina Dos Títulos de Crédito, permitindo a emissão de tais títulos por meio eletrônico, utilizando caracteres criados em um computador, a fim de facilitar a circulação de riquezas neste novo ambiente digital. No entanto, não se pode ignorar a existência de legislação específica para tais títulos, que estabeleça suas características básicas, sendo uma delas a Cartularidade, que vincula a incorporação do direito creditício a um papel (ou cártula), o que torna inviável a emissão de um título eletrônico, que por sua vez é desmaterializado. Sendo assim, o presente estudo pretende discutir os impactos da era virtual diante do princípio da cartularidade, bem como estabelecer valores contemporâneos, que interferem na interpretação e na compreensão dos princípios basilares dos títulos de crédito na pós-modernidade, especialmente num ambiente cada vez mais internacional, exigindo um crescente envolvimento do ordenamento jurídico interno com os documentos internacionais. 1 Revolução tecnológica, em que informações são produzidas e consumidas em alta velocidade, resultando para o Direito em avanços como a rapidez das transações comerciais, o incremento de novos contratos, o fortalecimento de chaves públicas e privadas, sistemas biométricos, entre outros. 7

7 1. Segurança jurídica e os limites da autonomia privada nas relações interempresariais: As relações contratuais, via de regra, possuem como base o princípio da autonomia privada, em que a vontade das partes em contratar e a forma como tal ato ocorrerá são elementos fundamentais, pois tal princípio se fundamenta na ampla liberdade contratual e no poder dos contratantes de disciplinar seus interesses, mediante um acordo de vontades, sem qualquer interferência do Estado, conforme nos ensina Carlos Roberto Gonçalves 2. Ocorre que tal princípio vem sofrendo limitações em seus aspectos basilares, quais sejam: a liberdade de contratar, face às necessidades elementares do dia-a-dia do indivíduo, que o obrigam a realizar novos contratos, a todo momento (transporte, energia elétrica, telefone etc.); a liberdade de escolha do contraente, diante das limitações constitucionais, que protege os indivíduos de práticas discriminatórias; e a liberdade de determinar o conteúdo, a forma e os efeitos do contrato, diante das limitações determinadas pelas cláusulas gerais, em especial das que tratam da função social do contrato, da boa-fé objetiva e pelas exigências e supremacia da ordem pública 3. A função social do contrato, adotada pelo Código Civil de 2002, em seu artigo 421 4, serve como limitador da autonomia da vontade quando esteja em confronto com o interesse social ou a ordem pública, desafiando a antiga concepção de que os contratantes tudo podem fazer, quando do exercício de sua autonomia da vontade, proporcionando a oportunidade de terceiros que serão afetados direta ou indiretamente pelo contrato celebrado, possam nele interferir. Desta feita, a função social do contrato deve representar uma fonte de equilíbrio social. Como se pode notar, não mais persiste hoje a omissão legislativa que admita negócios completamente livres, vez que a função social do contrato exige atuação em conformidade à Carta Magna, que se assente no solidarismo da dignidade da pessoa humana. 2 GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro vol. III. 3 Idem. P A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. 8

8 Sendo assim, tal princípio não é absoluto, visto que possui limitações ante ao princípio da supremacia da ordem pública, que não pode ser alterado por convenção entre os particulares, e surgiu em face da ampla liberdade de contratar, que provocava desequilíbrios e exploração do economicamente mais fraco, ou seja, o princípio da supremacia da ordem pública constitui um limite à liberdade contratual, destinado a coibir abusos provenientes da desigualdade econômica. Destarte, observados, de forma concisa, os aspectos do princípio da autonomia da vontade, bem como sua limitação ante a função social do contrato, passemos a analisar a incidência destes e outros princípios nas relações interempresarias. Cabe assinalar, de início, quanto à autonomia do Direito Comercial em relação ao Direito Civil, conforme elucidado na obra de Fran Martins 5, apesar de ser ramo do Direito Privado, mesmo contendo normas do Direito Público, o Direito Comercial não se confunde com o Civil, mormente a partir da atual codificação civil. Pode-se dizer que os princípios aplicáveis nas relações privadas, nem sempre serão aplicados nas relações interempresarias. Aliás, nenhum princípio é absoluto, cabendo ao intérprete sopesá-los e adequá-los ao caso concreto. 6 Nesse diapasão, deve-se ter em vista que os contratos entre empresários sempre serão norteados, consoante Ulhoa, por dois dos regimes jurídico-contratuais do direito brasileiro: o cível e o da tutela dos consumidores. (...) nunca ao de direito do trabalho ou administrativo 7. O autor ainda esclarece que, não obstante diferenças significativas, cada um desses contratos têm um núcleo comum, que é a constituição das obrigações para manifestação convergente de vontades. Como outrora exposto, a administração pública limita a vontade das partes. Assim, não se pode falar em absoluta liberdade da autonomia privada, uma vez que tal liberdade encontra barreiras perante a coletividade, que é resguardada pelo ordenamento jurídico. Daí se observar a disposição do Código Civil, em seu artigo 104, inc. III, no sentido de que todo negócio jurídico deve ter forma prescrita ou não defesa em lei. Se o contrato, um negócio jurídico, for contrário a lei, estará, consequentemente, em discordância com os 5 MARTINS, Fran. Curso de Direito Comercial, 30ª edição, 2006, atualizada por Carlos Henrique Abrão. 6 Apelação nº (23/11/2010), Relator Windor Santos, 16ª Câmara de Direito Privado do Tribunalde Justiça de São Paulo. 7 COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial, 8ª edição,

9 anseios coletivos, que por ela são resguardados, ainda que nem tudo que é legal, seja legítimo. Deste modo, cumpre esclarecer que nos contratos realizados entre empresários há, hodiernamente, uma convergência doutrinária 8 no sentido de que se deve privilegiar mais autonomia privada, sem limitá-la; sugere-se, inclusive, que haja menos definição, em normas positivas, de direitos e obrigações de contratantes, devendo a ordem jurídica reconhecer as cláusulas constantes do instrumento do contrato. Oportuno ressaltar que isso é preconizado para as relações entre contratantes de iguais condições econômicas (empresário x empresário, por exemplo), não havendo se falar em sua incidência nos contratos envolvendo interesses dos vulneráveis e hipossuficientes (consumidores, por exemplo). Neste diapasão, é importante fazer referência ao princípio da segurança jurídica, que se encontra implicitamente nas vastas páginas legais, máxime na Constituição Federal. Trata-se de corolário do Estado Democrático de Direito, com o escopo de resguardar a sociedade das mais variadas situações, decorrentes das vicissitudes sociais que refletem diretamente no Direito. Sem embargo da ideia de que o Direito é a ciência do dever ser, vez que nada é peremptório, deve certas relações ser guarnecidas, de modo a não prejudicar a sociedade. Eliezer Pereira Martins elenca alguns princípios que trazem, insitamente, a roupagem do princípio da segurança jurídica, quais sejam, irretroatividade da lei, coisa julgada, respeito aos direitos adquiridos, respeito ao ato jurídico perfeito, outorga de ampla defesa e contraditório aos acusados em geral, ficção do conhecimento obrigatório da lei, prévia lei para a configuração de crimes e transgressões e cominação de penas, declarações de direitos e garantias individuais, justiça social, devido processo legal, independência do Poder Judiciário, vedação de tribunais de exceção, vedação de julgamentos parciais, etc. 9 Entretanto, tal ambição (ou revolução) ainda que se encontre no plano das idéias, é algo utópico. Isso porque, embora haja, atualmente, grandes avanços econômicos e tecnológicos, o que influi diretamente no direito, a tutela jurisdicional para os casos de relações contratuais contrários à lei, é no sentido de declará-los nulos. Assim, ainda que dois empresários acordem, em documento particular, um desejo contrário ao ordenamento jurídico, 8 COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial, 8ª edição, MARTINS, Eliezer Pereira. Segurança jurídica e certeza do direito em matéria disciplinar. Disponível em Acesso em 20/02/2011, 19:34:40. 10

10 aquele que, após a feitura do acordo discordar e procurar o judiciário poderá conseguir o desfazimento do mesmo. Frise-se que, na hipótese de inexistência de lei, os direitos e obrigações das partes são os previstos no instrumento contratual, que firmaram. Pode-se inferir que autonomia da vontade, nos contratos entre empresários, está sendo revigorada com os avanços que estão ocorrendo nas relações humanas. Ulhoa ensina que A disciplina jurídica dos contratos é direito-custo. A margem de atuação da autonomia da vontade e a intervenção do estado, calibradas pela lei, interferem no cálculo empresarial. A previsibilidade (condição de eficiência desse cálculo) depende do reconhecimento da vinculação da livre vontade dos contratantes, nas relações entre empresários iguais, e da aplicação o quanto possível objetiva do direito vigente, nas relações entre os desiguais. 10 Esse novo pensamento no sentido de se ampliar a autonomia privada nas relações interempresariais, conhecida na doutrina como modelo reliberalizante, prestigia a tutela na relação entre os economicamente mais fracos e, ao mesmo tempo, reafirma a importância da autonomia da vontade entre contratantes iguais. 11 Fábio Ulhoa Coelho afirma que tal modelo encontra-se em elaboração na doutrina brasileira, porém acredita que o modelo reliberalizante traduzirá melhor a repartição do direito privado dos contratos brasileiros, do que o modelo neoliberal. Por fim, imperioso ressaltar que todo esse pensamento deve-se nortear nos princípios gerais de direito, sem prejuízo da já referida função social do contrato. Ora, a criação de contratos entre empresários, no intuito de praticar atos ilícitos, como a dominação de mercado com a eliminação da concorrência, deve ser rechaçada de plano. Aliás, isso já é disciplinado e repelido pela existência da Lei 8.884/1984, que trata acerca dessas relações. Talvez, tais práticas, ainda comuns, inibam as legislações atuais, bem como os seus aplicadores e intérpretes, de rechaçar a autonomia da vontade privada, devendo, nessas relações, ela ter limite certo, de maneira que se possa assegurar a toda coletividade a segurança jurídica, sobretudo nas relações impactantes, como as interempresariais. 10 COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial, 8ª edição, Idem. Pág

11 2. Títulos de Crédito eletrônicos e a adequação aos princípios básicos Os títulos de crédito vêm disciplinados no novo Código Civil Brasileiro (Lei nº /2002), nos artigos 887 a 926. Com o avanço da tecnologia, as práticas comerciais, impulsionadas pela figura do crédito, na prática do princípio da liberdade de criação e amparada pelos dispositivos do 3º, do art. 889, CC, atendeu às necessidades jurídicas e econômicas para emissão de títulos criados em computador ou outro meio equivalente, amparando-se nos requisitos mínimos previstos neste artigo. Os princípios básicos dos títulos de crédito são: a cartularidade, a literalidade e a autonomia. Como adequar esses princípios básicos aos títulos eletrônicos, nos dias de hoje, tem sido o grande palco das discussões sobre o tema. De acordo com o Professor Fabio Ulhoa Coelho 12, os princípios básicos se encontram em situações bem distintas, sendo que o primeiro o da cartularidade, desaparece, não fazendo falta, o segundo, o da literalidade, deve ser ajustado e adaptado, e o terceiro, o da autonomia, continua em pleno vigor, e plenamente aplicável. Ele ainda define que sendo por meio de papel ou por meio eletrônico, a obrigação cambial circula sempre de forma independente e autônoma das anteriores. Em relação à segurança, tanto o papel como o meio eletrônico, são passíveis de serem adulterados. O papel deixa marcas que podem ser constatadas por um perito técnico. Já o meio eletrônico, com o uso de algumas tecnologias, também pode deixar pistas, a diferença nesses casos, como define também o Professor Fábio Ulhoa Coelho 13 é que as pistas de adulteração do papel são físicas e as do arquivo eletrônico são eletrônicas. 12 COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de DireitoComercial. 22ª ed., São Paulo. Saraiva COELHO, Fábio Ulhoa. Jornal Carta Forense. São Paulo, Disponível em : Acesso em : , 22:30:15 12

12 dar através de senhas. A fim de dar maior segurança às transações eletrônicas, as operações podem se O Certificado Digital 14 é um documento eletrônico e seguro que, identifica uma pessoa física ou jurídica, e permite aos seus usuários efetuarem suas transações na internet de forma mais rápida, sigilosa e segura. O requerente do Certificado Digital deve procurar uma Autoridade Certificadora, munido de seus documentos pessoais ou jurídicos e conclusão do seu cadastro 15. Através de um sistema da unidade certificadora, é gerada uma chave criptografada com senhas de acessos e, validada através de assinatura e reconhecimento presencial, que permite aos seus usuários efetuarem suas transações e assinarem digitalmente seus negócios, garantindo assim, confiabilidade e segurança ao seu portador. Essa prática é muito utilizada pelos contabilistas, no que se refere aos serviços prestados junto à Receita Federal do Brasil - RFB, economizando tempo e agilizando o tramite de documentos e acompanhamento de processos, via web, utilizando-se apenas do Certificado Digital. As próprias transações bancárias também se utilizam dessas chaves criptografadas para validar as transações efetuadas por seus clientes via internet, se tornando uma prática cada vez mais comum 16. Empresas que praticam e-commerce, via internet, apresentaram em 2010 um crescimento anual 17 de 30%, sendo que a grande maioria das transações são efetuadas 14 CERTISIGN. O que é certificação Digital. Disponível em : Acesso em : 01/03/11, 11:21:35 15 SERPRO. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Roteiro para Certificação Digital. Disponível em https://www.scdp.gov.br/manual/certificacaodigital/roteiro_certificacao_digital.htm. Acesso em : 08/03/11, 11:08:00 16 UOL, Economia. Transações bancárias via web crescem e ultrapassam 1 bilhão em alguns bancos. Disponível em: Acesso em: 25/02/11, 19:40:22 13

13 utilizando-se apenas das informações prestadas pelos usuários, dentre elas o fornecimento do número do cartão de crédito ou ainda, a opção de emissão do título para pagamento em estabelecimento bancário 18. Sendo assim, não restam dúvidas de que o comércio eletrônico vem crescendo muito rápido nos últimos anos. A assinatura digital substituiu a manuscrita em muitas situações, contudo, as transações comerciais eletrônicas, estão sendo realizadas de forma mais simples, o comprador escolhe o produto ou serviço que deseja, insere seus dados e decide a forma de pagamento mais conveniente, sendo a mais usual, o cartão de crédito ou o título bancário e, espera sua encomenda chegar. Para dirimir os conflitos, caso venham a surgir, uma legislação específica, precisa ser criada para regulamentar essas operações, a fim de que a segurança jurídica possa ser respeitada Legislação brasileira e a importância dos costumes para consolidação dos títulos eletrônicos: Os títulos de crédito são documentos representativos de obrigações pecuniárias. Não se confundem com a própria obrigação, mas se distinguem dela na exata medida em que a representam. 19 Portanto, o interesse do presente trabalho não se relaciona com a obrigação mas sim, a forma de indenização do pagamento de uma batida de carro, como exemplificou brilhantemente o próprio autor em sua obra. 17 ECOMMERCEORG. Evolução da internet e do e-commerce. Disponível em: Acesso em: 01/03/11, 11:01:23 18 OBSERVADOR, O. Conheça o perfil dos consumidores brasileiros. Disponível em: https://www.cetelem.com.br/portal/elementos/pdf/pdf_observador2009.pdf. Acesso em: 01/03/11, 09:15:00 19 COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de DireitoComercial. 22ª ed., São Paulo. Saraiva

14 O presente autor segue ao conceituar o título de crédito, elaborado por Vivante, é o seguinte: documento necessário para o exercício do direito, literal e autónomo, nele mencionado. 20 Em razão desta, os princípios são explicados e o presente profissional exemplifica a adequação destes princípios na órbita moderna, que se seguem: Ultimamente, o direito tem criado algumas exceções ao princípio da cartularidade, em vista da informalidade que caracteriza os negócios comerciais. Assim, a Lei das Duplicatas admite a execução judicial de crédito representado por este tipo de título, sem a sua apresentação pelo credor (LD, art. 15, 22), conforme se estudará oportunamente. Outro importante fato que tem interferido com a atualidade desse princípio é o desenvolvimento da informática no campo da documentação de obrigações comerciais, com a criação de títulos de crédito não-cartularizados. Outro princípio é o da literalidade. Segundo ele, não terão eficácia para as relações jurídico-cambiais aqueles atos jurídicos não-instrumentalizados pela própria cártula a que se referem. O que não se encontra expressamente consignado no título de crédito não produz consequências na disciplina das relações jurídico-cambiais. Um aval concedido em instrumento apartado da nota promissória, por exemplo, não produzirá os efeitos de aval, podendo, no máximo, gerar efeitos na órbita do direito civil,como fiança. A quitação pelo pagamento de obrigação representada por título de crédito deve constar do próprio título, sob pena de não produzir todos os seus efeitos jurídicos. Finalmente, pelo princípio da autonomia, entende-se que as obrigações representadas por um mesmo título de crédito são independentes entre si. Se uma dessas 20 Idem. P

15 obrigações for nula ou anulável, eivada de vício jurídico, tal fato não comprometerá a validade e eficácia das demais obrigações constantes do mesmo título de crédito. Se o comprador de um bem a prazo emite nota promissória em favor do vendedor e este paga uma sua dívida, perante terceiro, transferindo a este o crédito representado pela nota promissória, em sendo restituído o bem, por vício redibitório, ao vendedor, não se livrará o comprador de honrar o título no seu vencimento junto ao terceiro portador. 21 A primeira questão que evidenciamos é a conseqüência da modificação do primeiro princípio. Porque não some o princípio e sim seu meio: o papel. Nos entendimentos dos tribunais, há magistrados que solicitam a emenda da petição inicial do juízo a quem, porém os magistrados de 2º grau não tem corroborado com este entendimento, já que estes últimos reconhecem a existência da duplicata virtual. Discute-se a questão do aceite no caso dos títulos se estes são inexistentes, o que se averigua é que nos tribunais em caso de ausência, o fato da aceitação e pagamento reiterados dos boletos viabiliza tal aceitação. Em suma, há algumas questões controvertidas, entre elas trata-se da competência em julgado de duplicata virtual. Neste tema, torna-se claro, a mutação das relações com o surgimento da tecnologia. Tal modificação, não se pode deixar de citar, Ken`ichi Imai, analista organizacional que apontou as três estratégias e destas a mais avançada estão em rede. Destas afirmações, conclui-se que, o direito deve acompanhar a sociedade, já que a função essencial da norma não é ser meramente jurídica, mas sim, essencialmente social, principalmente no que se refere ao Direito Comercial. Não há que se falar no desaparecimento dos princípios, mas sim, de mutações inevitáveis na era de globalização Idem. P CASTELLS, M. A Sociedade em Rede, 4ª ed.são Paulo: Paz e Terra. P

16 2.2. O princípio da Cartularidade e os meios eletrônicos: A Cartularidade consiste na incorporação do direito ao documento celebrado entre as partes, como título de crédito. Nesse caso o documento torna-se condição necessária para exigência da obrigação, o que torna legítima a cobrança do título de crédito pelo titular ou possuidor que posteriormente o adquiriu legalmente contra quem o tenha emitido. Visando celeridade, buscamos nos aprimorar com os avanços tecnológicos e esbarramos no princípio da cartularidade em virtude desta crescente utilização dos títulos de créditos virtuais, tradicionalmente reconhecido no conceito de título de crédito de Cesare Vivante. Neste momento histórico onde se busca a otimização dos meios de produção e a dinamização das relações comerciais, torna-se inevitável a inserção do meio digital no comércio e nas relações cambiárias. Nesse sentido, o Princípio da Cartularidade deve passar por um processo rápido de transformação ou simplesmente desaparecer por completo, no que tange às relações eletrônicas. No ambiente eletrônico-virtual o registro, ao qual está incorporado o direito ao crédito, celebrado entre as partes, é de tal forma consistente, confiável e negociável que se torna necessário sua transposição ao suporte de papel apenas para compor prova ou comprovação numa lide. Entretanto, a sobrepujança do meio eletrônico se sobressai que essa transposição ao suporte de papel, materializando o título de crédito, deverá estar atualizada eletronicamente, e, se possível, sempre assim permanecer, para evitar o crédito a quem já praticou ato de endosso, com a assinatura digital. O Princípio da Cartularidade, que nos dizeres de Fábio Ulhoa é a garantia de que o sujeito que postula a satisfação do direito é mesmo o seu titular, sendo, desse modo, o postulado que evita o enriquecimento indevido de quem, tenha sido credor de um título de crédito, o negociou com terceiros (descontou num banco, por exemplo) 23. Como consequência, temos que, não há possibilidade de executar-se uma dívida contida num título de crédito acompanhado, somente, de uma cópia autenticada, afinal, com a simples 23 COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial, 8ª edição,

17 apresentação de cópia autenticada poderia o crédito, por exemplo, ter sido transferido a outra pessoa. Pontes de Miranda observara, com certa clarividência, que se existia uma forma preferencial de cartularidade, esta preferencialmente seria a do meio de suporte em papel ao formalizarem um título de crédito, mas com certeza também tal título poderia ser formalizado em outros meios de suporte, utilizando-se pergaminhos, argila, pedra, etc. O que daria validade ao título seria a existência da literalidade e em lugar devido o reconhecimento para se obrigarem cambiariamente as partes. 24 O art. 225 do Código Civil (Lei n , de 10 de janeiro de 2002) reconhece expressamente a existência, a validade e a eficácia jurídica do documento eletrônico. Eis os termos da norma destacada: "Art 225. As reproduções fotográficas, cinematográficas, os registros fonográficos e, em geral, quaisquer outras reproduções mecânicas ou eletrônicas de fatos ou de coisas fazem prova plena destes, se a parte, contra quem for exibido, não lhes impugnar a exatidão". Portanto, a representação, a guarda ou a erenização de um fato (essência da idéia de documento) pode ser juridicamente efetivada por intermédio de um arquivo eletrônico. A regra geral do art. 225 do Código Civil anuncia expressamente, no universo jurídico, a existência de uma avassaladora transformação tecnológica, particularmente a relacionada com os computadores eletrônicos e as redes por eles formadas. Por ser regra geral, o artigo 225 do Código Civil, contrasta com uma série de regras especiais que exigem a confecção e circulação de certos documentos escritos em papel. Nesse sentido, flagramos o princípio da cartularidade dos títulos de crédito, ou seja,...a necessidade do título de crédito se materializar em um documento escrito, devendo 24 MIRANDA, Pontes de. Tratado de Direito Cambiário. Atualizado por: Vilson Rodrigues Alves. Campinas: Bookseller,

18 ser algo corpóreo e palpável 25, conforme as palavras de Patrícia de Morais Patrício. Segundo a autora, aponta-se diante das regras jurídicas a necessidade de manutenção dos títulos no formato cartular. Tal conclusão seria a conseqüência necessária da aplicação do critério da especialidade, segundo o qual a norma especial prevalece sobre a norma geral. Quanto à doutrina jurídica,...ainda se encontra bastante dividida sobre a possibilidade de existência válida de títulos de crédito virtuais [...] 26, consoante notícia de Patrícia de Morais Patrício. A jurisprudência também é alvo de divergências em relação à matéria com certa tendência a aceitação, ante a análise da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, pode-se concluir que a Corte, acertadamente, na maioria de seus acórdãos, tem se posicionado de maneira avançada quanto ao princípio da cartularidade, aceitando a execução judicial quando ausente o título [...] 27. Sendo assim, o título de crédito representado em arquivo eletrônico é o antigo título de crédito (cartular) adaptado às grandes e aceleradas mudanças tecnológicas da Era da Informação. Se a lei não foi atualizada, cabe ao intérprete, com critério, prudência e segurança, adequar, atualizar o Direito (universo não restrito aos comandos legais formais). Para auxiliar nesse expediente, devemos remeter ao artigo 4º da Lei de Introdução ao Código Civil, que diz: Art. 4º - Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios gerais do direito. Com todas estas informações, podemos dizer que não se torna inconveniente considerar a extinção do princípio da cartularidade, apesar da sua contribuição histórica na formação/evolução dos títulos de crédito embora cada vez mais seu uso torna-se desnecessário. O princípio é uma idéia, um norte para os operadores do direito, que se desmonta e se reconstrói com o passar do tempo. 25 PATRÍCIO, Patrícia de Morais. Títulos de crédito: relativização dos princípios. Brasília: Fortium, Pág Idem. 27 Idem. P. 23 e

19 Assim, a cartularidade se mostra flexível aos avanços tecnológicos e insere mais um paradoxo criador dentro da ciência jurídica. Os efeitos assumem formas e idéias certas, colocando o direito ao encontro da sociedade. O real interesse é assegurar a titularidade do direito mesmo que através de meios eletrônicos. A legislação especifica sobre o assunto, que trata, entre outras coisas, dos documentos eletrônicos é a Medida Provisória de 24 de agosto de 2001, que instituiu a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira ICP- Brasil, que em seu primeiro artigo manifesta-se sobre o tema: Art. 1º Fica instituída a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira ICP-Brasil, para garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica, das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras. Como bem enfatiza o artigo primeiro, o ICP-Brasil dá garantia de validade judicial, entre outras, para os documentos processados eletronicamente através do sistema de chaves codificadas ou criptografadas. A Medida provisória acabou com todos os obstáculos impostos, quanto à utilização do documento eletrônico, também como meio de prova. Os atuais programas de criptografia são capazes de cifrar um documento eletrônico, seja ele texto (uma peça processual, um título de crédito eletrônico), som (uma audiência gravada, uma confissão) ou imagem (uma fotografia, um documento digitalizado) e marcá-lo com uma assinatura digital de tal forma que, se houver qualquer alteração no documento, a chave pública não mais o abrirá, acusando a falsificação. Desse modo conseguimos a forma mais eficiente possível de garantir a autenticidade de um documento eletrônico. O controle das chaves tornou-se a questão crucial da força probatória dos documentos eletrônicos. 20

TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS

TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS Rodrigo Almeida Magalhães Mestre e Doutor em Direito 1- Introdução Baseado no conceito de Cesare Vivante 1, o Código Civil de 2002, em seu art. 887, preceitua o título de crédito,

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL

TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL 1 TÍTULOS DE CRÉDITO: CONHECENDO A TEORIA GERAL Juliana de Oliveira Carvalho Martins Ferreira 1 RESUMO: Na busca pelo aprimoramento do conhecimento acerca dos títulos de crédito, faz-se necessária uma

Leia mais

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito

Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Operações de Créditos Atuais: o cartão de crédito como substituto dos clássicos documentos de crédito Katyúscia Kelly Pereira de Sousa Feitoza* Títulos de crédito são documentos que representam obrigações

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004.

REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. 1 REGULAMENTAÇÃO DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PELA LEI 10.931 DE 02 DE AGOSTO DE 2004. Lécio Goulart Costa * Acadêmico do curso de Direito Contabilista Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos gerais da CCB

Leia mais

Portanto seremos obrigados a adaptar ou elaborar legislações, e isso há de ser agora, pois a evolução da informática é extraordinária e não espera.

Portanto seremos obrigados a adaptar ou elaborar legislações, e isso há de ser agora, pois a evolução da informática é extraordinária e não espera. 1 Títulos de Crédito em face da Revolução Eletrônica Karine Paola Vasconcelos Costa,aluna do curso de Direito-manhã, 5º período,do Centro Universitário Newton Paiva. Diante a banalização da ciência da

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO ELETRÔNICOS

TÍTULOS DE CRÉDITO ELETRÔNICOS TÍTULOS DE CRÉDITO ELETRÔNICOS TÍTULOS DE CRÉDITO Conhecida é a definição de TÍTULO DE CRÉDITO dada por Cesare Vivante e adotada em nosso Código Civil, no sentido de que título de crédito é o documento

Leia mais

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual Novo Código Comercial Livro III Das obrigações dos empresários Cibele Frandulic Shimono Guilherme Setoguti J. Pereira Luiz Rafael de Vargas Maluf Rafael Villac Vicente de Carvalho 22 de novembro de 2011

Leia mais

A relação dos Títulos de Crédito e Documentos eletrônicos no mundo moderno

A relação dos Títulos de Crédito e Documentos eletrônicos no mundo moderno 1 A relação dos Títulos de Crédito e Documentos eletrônicos no mundo moderno Vera Lúcia Guimarães Gabrich Fonseca * Os avanços tecnológicos demonstram a necessidade do homem na busca de modernização de

Leia mais

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO

12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO 12 DUPLICATA 12.1 APRESENTAÇÃO A duplicata mercantil é um documento criado pelo legislador brasileiro. O Código Comercial, embora revogado, previa, em seu art. 219, que nas vendas por atacado, o vendedor

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO

AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO AULA 3 23/02/11 A CLASSIFICAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1 A CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ESTRUTURA JURÍDICA 1.1 AS ORDENS DE PAGAMENTO Há títulos de crédito que estão estruturados na forma de ordens de pagamento.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Levi Hülse Período/ Fase: 10ª Semestre: 1º Ano: 2015 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural. A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n.

Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural. A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n. Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural Gustavo Ribeiro Rocha A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n. 8.929/94, é um documento emitido pelo produtor rural ou por

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Incidência Tributária sobre operações comerciais envolvendo software Fabiano Pereira dos Santos I Introdução; II Conceito de software; III A questão tributária; IV - Jurisprudência;

Leia mais

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Cheque e Duplicata. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Cheque e Duplicata Crédito ETIMOLOGIA E SEMÂNTICA A palavra crédito é derivada do latim "Creditum", Credere que significa, coisa emprestada, empréstimo, dívida, depositar confiança em, confiar em, dar

Leia mais

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei.

Literalidade o título valerá pelo que nele estiver escrito. Formalismo - a forma do título de crédito é prescrita lei. Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 27 DIREITO CAMBIÁRIO Títulos de Crédito São documentos representativos de obrigações pecuniárias, deve ser escrito, assinado

Leia mais

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS Angelo Volpi Neto angelo@volpi.not.br www.volpi.not.br LEGALIDADE DOCUMENTOS DIGITAIS Cod. Civil art. 225. As reproduções fotográficas, cinematográficas,

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. PARTES CONVÊNIO PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INTERNET BANKING (CORRETORA DE CÂMBIO) O presente Convênio disciplina o uso pela CORRETORA de CÂMBIO do Sistema INTERNET BANKING ( INTERNET BANKING CORRETORA

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Código: Série: 3ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 136 CH Prática: CH Total: 136 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais da Disciplina

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.228.173 - MT (2010/0215316-5) RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO RECORRENTE : SIRIANNI E SIRIANNI LTDA ADVOGADO : MARCELO MARTINS DE OLIVEIRA RECORRIDO : ELÉTRICA SERPAL

Leia mais

A rede de dados mais confiável do país. Proposta de Parceria para. Certificado Digital

A rede de dados mais confiável do país. Proposta de Parceria para. Certificado Digital A rede de dados mais confiável do país. Proposta de Parceria para Certificado Digital 1. Objetivo Esta proposta tem por objetivo realizar a emissão e validação do Certificado Digital da Serasa Experian.

Leia mais

O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL

O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL O QUE O CIRURGIÃO DENTISTA PRECISA SABER SOBRE CERTIFICADO DIGITAL Resumo A necessidade de comprovar a autenticidade de documentos e atribuir lhes um valor legal, seja através de uma assinatura de próprio

Leia mais

DOCUMENTOS ELETRÔNICOS

DOCUMENTOS ELETRÔNICOS DOCUMENTOS ELETRÔNICOS 1 CONCEITO DE DOCUMENTO Documento = todo registro físico que permita armazenar informação de forma que impeça ou permita detectar eliminação ou alteração. Chiovenda; documento é

Leia mais

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA

APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO. Tema : DUPLICATA APOSTILA 5 DE TÍTULOS DE CRÉDITO Tema : DUPLICATA Material de apoio para a disciplina Direito Empresarial Elaborado por : Denis Domingues Hermida OBSERVAÇÃO: A redação dessa apostila é feita com base nas

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO

TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO TÍTULOS DE CRÉDITO INTRODUÇÃO O direito cambiário é o que tem por objeto o estudo dos títulos de crédito. Estes títulos são documentos representativos da obrigação de pagar uma determinada quantia em dinheiro,

Leia mais

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas;

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas; Este Termo de Uso apresenta as "Condições Gerais" aplicáveis ao uso dos serviços oferecidos por Nome Fantasia: Acordo Certo, inscrito no CNPJ sob n.º 08.702.298/0001-93, com sede a Rua Sete de Abril, 97-6º

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 10ª Semestre: 2º Ano: 2012 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Turma DIREITO Nome da Disciplina / Curso DIREITO COMERCIAL II D- 32DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/01) D- 27 DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/02)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Exigibilidade. Introdução

Exigibilidade. Introdução 1 Exigibilidade Introdução 1. Considerações: Os devedores de um título de crédito são de duas categorias: o chamado devedor principal, que, na letra de câmbio, é o aceitante, e os coobrigados, que, nesta

Leia mais

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUÇÃO Nº. 16/2009 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

PORTARIANº 032/2015-DF

PORTARIANº 032/2015-DF PORTARIANº 032/2015-DF O Doutor ARISTEU DIAS BATISTA VILELLA, Juiz de Direito e Diretor do Foro da, no uso de suas atribuições legais, com fundamento nos artigos 52, inciso XV, da Lei nº 4.964, de 26 de

Leia mais

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes

Certificados Digitais - Perguntas Frequentes Certificados Digitais - Perguntas Frequentes O que é um certificado digital? O certificado, na prática, equivale a uma carteira de identidade, ao permitir a identificação de uma pessoa, quando enviando

Leia mais

Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida

Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida Práticas e Intervenção em Qualidade de Vida Capítulo 8 Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida MARCO ANTONIO BETTINE DE

Leia mais

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS por Ana Amelia Menna Barreto ÁTOMOS E BITS A civilização está se alterando em sua concepção básica Estamos passando dos átomos para os bits, onde a

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

Gabarito 1: Gabarito 2: Gabarito 3: Gabarito 4: 87 B 90 B 65 B 65 B PARECER

Gabarito 1: Gabarito 2: Gabarito 3: Gabarito 4: 87 B 90 B 65 B 65 B PARECER Prova Objetiva Disciplina: D6 - DIREITO EMPRESARIAL Gabarito 1: Gabarito 2: Gabarito 3: Gabarito 4: 87 B 90 B 65 B 65 B PARECER Primeiramente, ressalta-se que boa parte dos recursos interpostos pelos candidatos

Leia mais

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução

www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução www.e-law.net.com.br certificação digital 1 de 5 Introdução Cada pessoa cria sua assinatura de forma totalmente livre e a utiliza com significado de expressa concordância com os conteúdos dos documentos

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Factoring Antonio César Barros de Lima Histórico As operações de Factoring têm sua origem nos séculos XIV e XV, na Europa. O factor era um agente mercantil, que vendia mercadorias

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra REVISTA DIGITALKS. ano 01. número 02 um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra #Content marketing 11 passos

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito 1) São exemplos de títulos de crédito, exceto: a) Cheque b) Testamento c) Duplicata d) Nota promissória 2) São características de títulos de crédito, exceto: a) Documentalidade b) Força executiva c) Autonomia

Leia mais

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação

A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública. Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como o da Recuperação A FAZENDA PÚBLICA X PROCESSO FALIMENTAR: Pode a Fazenda Pública requerer a falência do contribuinte empresário? Emerson Luiz Xavier Pereira 1 Resumo: Surge com a Lei nº 11.101/2005 novos institutos, como

Leia mais

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA Resumo JOÃO BATISTA DE ALVARENGA 1 O objetivo do trabalho proposto é analisar as origens das relações comerciais, sua evolução até o momento

Leia mais

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA

AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA AULA 4 02/03/11 OS ELEMENTOS CONEXOS À MATÉRIA 1 INTRODUÇÃO No estudo da matéria títulos de crédito, torna-se imprescindível a análise daqueles elementos que, não obstante não fazerem parte da essência

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Estudo das garantias nos contratos mercantis internacionais Vanessa Rugai* Por várias razões, nem sempre os compradores conseguem crédito junto aos seus fornecedores. Uma forma de

Leia mais

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 21/02/2011 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 Disciplina DIREITO DE EMPRESA Curso Graduação Período 3º PERÍODO Eixo de Formação EIXO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Turma A, B e D Código 076

Leia mais

A Informática e a Prestação Jurisdicional

A Informática e a Prestação Jurisdicional A Informática e a Prestação Jurisdicional Advogado/RS que nela crêem. e distribuição da Justiça exige a maciça utilização de recursos tecnológicos, especialmente informática. com a tecnologia hoje disponível

Leia mais

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003) Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I 393 Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Leia mais

O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS

O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS O PROTESTO CAMBIAL INDEVIDO DOS BOLETOS BANCÁRIOS Tatiana Corrêa Teixeira Acadêmica de Direito Centro Universitário Newton Paiva Resumo: O presente artigo tem a função de demonstrar os abusos cometidos

Leia mais

VENDA DIRETA EXTRAJUDICIAL ONLINE (Registro nº 15.010 VD) RIPPER ESCARIFICADOR PARA TRATOR DE ESTEIRA

VENDA DIRETA EXTRAJUDICIAL ONLINE (Registro nº 15.010 VD) RIPPER ESCARIFICADOR PARA TRATOR DE ESTEIRA VENDA DIRETA EXTRAJUDICIAL ONLINE (Registro nº 15.010 VD) RIPPER ESCARIFICADOR PARA TRATOR DE ESTEIRA ** Vendas nesta modalidade poderão ser encerradas a qualquer momento mediante confirmação de lance

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO:

DIREITO COMERCIAL II TÍTULOS DE CRÉDITO: TÍTULOS DE CRÉDITO: CRÉDITO = alargamento da troca. Venda a prazo Empréstimo Documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado.(vivante) joao@joaopereira.com.br TÍTULO

Leia mais

OS ÓBICES À EXECUÇÃO JUDICIAL FUNDADA EM BOLETO BANCÁRIO

OS ÓBICES À EXECUÇÃO JUDICIAL FUNDADA EM BOLETO BANCÁRIO OS ÓBICES À EXECUÇÃO JUDICIAL FUNDADA EM BOLETO BANCÁRIO Hernando Ricardo Furtado Fagundes O propósito do presente trabalho não consiste em esgotar a matéria a seguir tratada. Antes, se propõe a uma rápida

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Virtualização do processo judicial André Luiz Junqueira 1. INTRODUÇÃO A Associação dos Juizes Federais do Brasil (AJUFE) encaminhou um projeto de lei sobre a informatização do processo

Leia mais

Consignação Manual do Correspondente Consignação

Consignação Manual do Correspondente Consignação Manual do Correspondente Consignação Banestes S.A. - Banco do Estado do Espírito Santo GCONS - Gerência de Consignação SUMÁRIO 1. Conceito...3 2. Apresentação...3 3. Informações Gerais...3 3.1. Condições

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº200770530011010/PR RELATORA : Juíza Ana Carine Busato Daros RECORRENTE : JUAREZ FIGUEIREDO RECORRIDO : CAIXA ECONOMICA FEDERAL E NASCIMENTO & CÉSAR LTDA EPP VOTO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº Registro: 2013.0000605821 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002348-73.2011.8.26.0238, da Comarca de Ibiúna, em que é apelante ASSOCIAÇAO DOS PROPRIETARIOS DO LOTEAMENTO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vícios Da Execução Fundada Em Nota Promissória[1] Waldemir Banja[2] Sabemos todos que a nota promissória, possivelmente o mais popular e o mais utilizado dos títulos de crédito entre

Leia mais

CONTRATO DE SERVIÇO GESTOR MPE

CONTRATO DE SERVIÇO GESTOR MPE CONTRATO DE SERVIÇO GESTOR MPE Este documento tem por finalidade tornar público e dar ciência a todos os CONTRATANTES do GESTOR MPE, ofertado pela empresa META TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA (CNPJ/MF nº05.703.562/0001-15)

Leia mais

Portal Cidadão - Governo

Portal Cidadão - Governo Portal Cidadão - Governo A Certisign Manaus Recife Brasília Goiânia Belo Horizonte São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre A Certisign Pioneira no mercado Certificação na América Latina Única com foco exclusivo

Leia mais

REGULAMENTO APLICÁVEL ÀS LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO

REGULAMENTO APLICÁVEL ÀS LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO REGULAMENTO APLICÁVEL ÀS LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO BANCO CRUZEIRO DO SUL S.A., instituição financeira com sede na Cidade e Estado de São Paulo, na Rua Funchal, nº 418, 7º a 9º andares, Vila Olímpia,

Leia mais

O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil

O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil 1 O Título de Crédito Eletrônico no Código Civil Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITO 1) CONCEITOS

TÍTULOS DE CRÉDITO 1) CONCEITOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1) CONCEITOS Vivante : documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele mencionado princípios da literalidade e autonomia Sentido lato qualquer documento que

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Do papel ao meio eletrônico: a validade jurídica dos documentos eletrônicos e a assinatura Carolina Cunha dos Reis* Projeto de Monografia 1. INTRODUÇÃO No âmbito nacional, encontram-se

Leia mais

6 AGRAVO DE INSTRUMENTO E SUA ADEQUAÇÃO AO PROCESSO ELETRÔNICO Maria Clara de Almeida Coêlho e Aryoswaldo José Brito Espínola

6 AGRAVO DE INSTRUMENTO E SUA ADEQUAÇÃO AO PROCESSO ELETRÔNICO Maria Clara de Almeida Coêlho e Aryoswaldo José Brito Espínola 96 6 AGRAVO DE INSTRUMENTO E SUA ADEQUAÇÃO AO PROCESSO ELETRÔNICO Maria Clara de Almeida Coêlho e Aryoswaldo José Brito Espínola Maria Clara de Almeida Coêlho 1 Aryoswaldo José Brito Espínola 2 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico Conceitos de Segurança da Informação, Certificação Digital e suas Aplicações no TJPE 3ª Edição - Maio/2013 Elaboração Núcleo de Segurança da Informação SETIC Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom

Leia mais

contrato é uma declaração unilateral de vontade, cabendo tão somente ao administrador judicial.

contrato é uma declaração unilateral de vontade, cabendo tão somente ao administrador judicial. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Empresarial / Aula 14 Professor: Thiago Carapetcov Conteúdo: - Falência: Efeitos da sentença em relação aos contratos. Falido e bens. Sentença Positiva - Decretação

Leia mais

Vantagens que todo advogado precisa conhecer. Autoridade Certificadora da Ordem dos Advogados do Brasil

Vantagens que todo advogado precisa conhecer. Autoridade Certificadora da Ordem dos Advogados do Brasil Certificado Digital OAB Vantagens que todo advogado precisa conhecer Autoridade Certificadora da Ordem dos Advogados do Brasil A Justiça brasileira está cada vez mais digital. A rotina do advogado não

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS Prof. Mauro Fernando de Arruda Domingues 1. Regimes jurídicos e conceito: O contrato é o instrumento pelo qual as pessoas contraem obrigação umas

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. Dados Iniciais. www.smaka.adv.br -> DOCÊNCIA empresarial@smaka.adv.br FUNDAMENTOS DO DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO

Leia mais

Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário

Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário 196 Propriedade Industrial e o Papel do Poder Judiciário Luiz Alberto Carvalho Alves 1 O direito de propriedade consiste nos atributos concedidos a qualquer sujeito de direito, de usar, gozar, fruir e

Leia mais

Luiz Roberto Ayoub. Juiz de direito

Luiz Roberto Ayoub. Juiz de direito RECUPERAÇÃO JUDICIAL. TRAVA BANCÁRIA. LIBERAÇÃO. QUESTÃO TORMENTOSA QUE TRAZ REFLEXOS NO MERCADO. DECISÕES SUPERIORES QUE ANALISAM A QUESTÃO. TEMPERAMENTO DA ANÁLISE POR OCASIÃO DA DECISÃO QUE A ENFRENTA.

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO PROJETO RI

TERMO DE ADESÃO AO PROJETO RI TERMO DE ADESÃO AO PROJETO RI TERMO DE ADESÃO AO PROJETO OBJETIVO Este documento tem por objetivo informar as condições gerais estipuladas e definir os compromissos para com o programa, cabendo às partes

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 TÍTULO DO TRABALHO A possibilidade de revisão dos contratos agrários sob o argumento de descumprimento da função social do contrato 2 AUTORES Andrea Tavares

Leia mais

PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS

PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS (material preparado para reunião do Comitê Societário do CESA julho 2011) Autor: Renato Berger LIVRO I DA EMPRESA TÍTULO I

Leia mais

Entendendo a Certificação Digital

Entendendo a Certificação Digital Entendendo a Certificação Digital Novembro 2010 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. O que é certificação digital?... 3 3. Como funciona a certificação digital?... 3 6. Obtendo certificados digitais... 6 8.

Leia mais

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática Apresentação O Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas, diante dos avanços tecnológicos e das vantagens do processo eletrônico, resolveu implantar em todas

Leia mais

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO

TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO PARA AS FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO Eduardo Augusto Cordeiro Bolzan 1 As farmácias de manipulação, aqui entendidos aqueles estabelecimentos de aviamento, manipulação 2 de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2015 (do Sr. Lucas Vergílio)

PROJETO DE LEI N o, DE 2015 (do Sr. Lucas Vergílio) PROJETO DE LEI N o, DE 2015 (do Sr. Lucas Vergílio) Altera e revoga dispositivos da Lei nº 4.594, de 29 de dezembro de 1964, que Regula a profissão do corretor de seguros. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000032304 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0000527-46.2013.8.26.0664, da Comarca de Votuporanga, em que é apelante SEBASTIÃO DE PIERRE SOBRINHO, é apelado

Leia mais

Nunca foi tão fácil utilizar

Nunca foi tão fácil utilizar Nunca foi tão fácil utilizar o Conectividade Social da CAIXA O que antes era feito com a autenticação de disquetes e precisava do antigo programa CNS para o relacionamento com a CAIXA e prestação de informações

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Uso do Cheque na Compra e Venda Gilmar Roberto Duarte Ferreira* Introdução Pretende-se, nestas parcas linhas, abordar eventual prática abusiva, consoante desrespeito à norma instituída,

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII

OBRAS DO AUTOR... NOTA EXPLICATIVA... XVII ÍNDICE SISTEMÁTICO OBRAS DO AUTOR... XV NOTA EXPLICATIVA... XVII CAPÍTULO I TEORIA GERAL DOS TÍTULOS DE CRÉDITO 1. A regulamentação dos títulos de crédito pelo Código Civil e por leis especiais 2. Aplicação

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Leone Coelho Bagagi Mestrando em Administração Pública pela Universidade Federal da Bahia

Leia mais

Projetos de Novo Código Comercial

Projetos de Novo Código Comercial Projetos de Novo Código Comercial O que está em discussão? Câmara dos Deputados - Projeto de Lei nº 1.572/2011 (670 artigos) Autor: Dep. Vicente Cândido Relator: Dep. Paes Landim Idealizador: Fábio Ulhoa

Leia mais