EMPRESAS NA ERA DA INTERNET: O PAPEL DOS PORTAIS B2E, B2C E B2B RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESAS NA ERA DA INTERNET: O PAPEL DOS PORTAIS B2E, B2C E B2B RESUMO"

Transcrição

1 EMPRESAS NA ERA DA INTERNET: O PAPEL DOS PORTAIS B2E, B2C E B2B Sônia Maria de Silva GOMES, Departamento de Contabilidade, Universidade Federal da Bahia - UFBA, Salvador, Bahia, Brasil. Gláucia Aparecida PRATES, Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas, Universidade Estadual de Ribeirão Preto, UNAERP, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. Paula de Paiva VILLASBÔAS RESUMO O desenvolvimento da Internet possibilitou o surgimento dos portais, que podem ser do tipo B2C, B2B e B2E. O portais B2E levam à diminuição dos custos e dos esforços relacionados às interações entre funcionários e à busca de informações. Os portais de internet são essenciais ao comércio eletrônico B2C e pode alavancar o faturamento das empresas. Nos negócios B2B o e-procurement integra de forma eficiente os departamentos de compras das empresas com seus fornecedores. O desenvolvimento dos portais tem sido de importância fundamental para as empresas, permitindo maiores ganhos com a reorganização dos processos produtivos. Palavras-chave: portais, comércio eletrônico, B2C, B2B, B2E. ABSTRACT The development of Internet has enabled the appearance of B2C, B2B and B2E portals. The B2E portals take to the decrease of costs and efforts related to interactions among employees and search of information. The internet portals are essential to the e-commerce B2C and they can increase the revenue of the companies. In the businesses B2B the e- procurement integrates efficiently the departments of purchases of the companies with their suppliers. The development of portals has been of fundamental importance for the companies, allowing larger earnings with the reorganization of the productive processes. Key-words: portals, e-commerce, B2C, B2B, B2E.

2 1. Introdução A partir da metade de década de 90, com o surgimento dos portais de Internet para navegação/mídia, houve uma rápida evolução com a utilização da Internet no suporte aos negócios. Desta forma, começam a surgir, no final de década de 90, os portais de Internet chamados B2C (business to consumer), que suportam o comércio eletrônico entre varejistas e consumidores da Web, e os portais corporativos B2B (business to business - extranet) e B2E (business to employee) (Figura 1). Os portais B2B suportam as transações eletrônicas entre as empresas; os participantes são parceiros comerciais e possuem uma relação de negócios pré-estabelecida. Já através do portal B2E, os funcionários obtêm informações e serviços de caráter profissional e pessoal que lhes interessam. LINHA DO TEMPO DOS PORTAIS Navegação/mídia PORTAIS DE INTERNET B2C PORTAIS DE NEGÓCIOS B2E B2B (Extranet) Figura 1 Linha do tempo dos portais. Fonte: Adaptado de The Delphi Group (2000) apud Toledo (2002) Os portais podem ser classificados quanto ao contexto de utilização como: Portais Públicos também conhecidos como Portais Web ou Portais de Internet; provêm aos usuários uma interface com a rede de servidores que compõem a Internet. Possuem a função de atrair o público em geral e funcionar como uma mídia adicional para o marketing de produtos.

3 Portais de negócios ou corporativos incorporam novas tecnologias que possibilitam a identificação, captura, armazenamento, recuperação e distribuição de grandes quantidades de informação de múltiplas fontes, internas e externas, para as pessoas e equipes de uma organização (TOLEDO, 2002). 2. Os portais B2E Os portais corporativos são essenciais ao gerenciamento B2E, ou da empresa para o funcionário, possibilitando que as empresas atendam às necessidades dos funcionários, reorganizando, ao mesmo tempo, os processos que exigem muito tempo e mão-de-obra. Um programa completo de B2E tem três componentes: processos empresariais on-line, gerenciamento de pessoal on-line e serviços on-line para a comunidade do local de trabalho. Esses componentes são disponibilizados no portal integrado da empresa, por meio de aplicativos B2E que levam à diminuição dos custos e dos esforços relacionados às interações entre funcionários e à busca de informações. O B2E leva a uma redução das barreiras organizacionais, minimizando os esforços de interação, beneficiando os processos empresariais; dando mais autonomia nos serviços aos funcionários e gerando uma personalização em massa, que afeta o gerenciamento de pessoal; e integrando a vida pessoal dos funcionários com a profissional, o que interfere no componente de serviços comunitários (HANSEN e DEIMER, 2002). Abaixo são apresentados alguns exemplos da importância dos portais corporativos para o gerenciamento B2E: 1. Melhora dos processos empresariais Os engenheiros da Delta Air Lines gastavam muito tempo com a pesquisa de informações em manuais de aeronaves e com a identificação de peças de reposição em catálogos. Por isso, a empresa disponibilizou em seu portal um sistema de catálogos e manuais de manutenção on-line, reduzindo o tempo de busca por estas informações em 50%. Isto levou à diminuição do tempo de reparos e do ciclo de manutenção dos motores, aumentando a produtividade dos funcionários. A empresa Charles Schwab possui cinco centros de chamada e mais de 400 escritórios regionais, nos quais centenas de corretores e representantes de atendimento ao consumidor interagem com os consumidores. No entanto, as consultas são tantas e tão variadas que se torna difícil responder rapidamente até para profissionais com mais experiência. Para resolver este problema, os executivos da empresa desenvolveram uma ferramenta Web chamada IWIN (I Want Information Now Quero a Informação Agora), que dispõe de um potente sistema de busca que permite aos funcionários responder às perguntas dos clientes mais rapidamente e com maior precisão. 2. Melhora do gerenciamento de pessoas O treinamento auto-gerenciado, um exemplo de auto-serviço, dá mais liberdade aos funcionários. Na Charles Schwab, os funcionários podem entrar no portal da empresa e

4 pesquisar vários cursos de treinamento, escolher aqueles que necessitam e fazer matrícula on-line. Os gerentes, por sua vez, podem procurar um relatório direto, e identificar cursos que seus subordinados já tenham feito e matricular a pessoa no nível seguinte. Na Cisco Systems, o auto-serviço possibilita aos funcionários que utilizem o portal da empresa para solicitar materiais de escritório, equipamentos e telefone celular, além de escolher e inscrever-se em planos de saúde e de benefícios. Em outras empresas essas atividades demoram usualmente uma semana, enquanto que na Cisco podem ser feitas em apenas um dia. A personalização em massa é outro elemento fundamental do B2E. A Ford incluiu em seu portal um site de assistência médica on-line chamado Optate, no qual os funcionários escolhem o plano de saúde mais adequado a suas circunstâncias pessoais, baseando-se em uma comparação personalizada de planos alternativos. Além disso, os funcionários também pesquisar informações médicas, localizar a empresa de assistência médica credenciada mais próxima e escolher profissionais e hospitais com base em classificações de qualidade. Um sistema desse tipo, com planos personalizados, permite às empresas uma redução de custos relacionados ao plano de saúde. 3. Melhora dos serviços prestados à comunidade do local de trabalho Na Coca-Cola, que possui um avançado mercado corporativo on-line, disponibiliza aos seus funcionários, através do portal da empresa, serviços personalizados como descontos em tinturarias, alimentação em restaurantes e seguros de vida, além de serviços como assistência médica para planejamento financeiro. Ao utilizar o portal da empresa para realizar atividades pessoais e profissionais no trabalho, em vez de fazê-las em casa, além de terem acesso preferencial a descontos e serviços especiais, os funcionários ficam mais satisfeitos e demonstram mais comprometimento em suas tarefas. Apesar dos grandes benefícios trazidos pelo gerenciamento B2E, a criação e o desenvolvimento de um portal empresarial são tarefas difíceis. Para criar um portal que tenha sucesso entre os funcionários é preciso em primeiro lugar torná-lo atraente aos usuários e disponibilizar os serviços e ferramentas certos. Desta forma, os funcionários serão atraídos até o portal e começarão a usá-lo regularmente. A partir do aumento do tráfego no portal, a empresa poderá agregar os aplicativos B2E que deseja que os funcionários utilizem. O custo de um portal empresarial com plena integração do local de trabalho é alto. Uma empresa de consultoria em tecnologia da informação com sede em Stanford, Connecticut, estimou que este custo em 1999 seria de US$1 milhão a US$3 milhões. Além de questões de custo, é preciso definir quem vai desenvolver o portal, de onde virão as ferramentas e os serviços a ele integrados. Em uma pesquisa recente descobriu-se que a maioria da empresas terceirizavam o desenvolvimento do portal. Apesar das vantagens do gerenciamento B2E incluírem também uma certa redução de custos associados às interações entre funcionários e a busca de informações, o benefício maior é enfatizar a produtividade e as pessoas através de uma forma digital de trabalhar (HANSEN e DEIMER, 2002).

5 3. Os portais e o comércio eletrônico O comércio eletrônico ou e-commerce é considerado a forma mais avançada de venda ao consumidor, sendo uma evolução do comércio à distância via catálogo-postal e telefone, onde não é necessária da presença física do consumidor como no comércio tradicional. Através do comércio eletrônico viabilizado pelos portais de internet podem-se abrir novos mercados, alcançar novos clientes, e facilitar e tornar mais rápido o comércio para a base de clientes existente. O conceito de comércio eletrônico varia segundo os diversos autores. Para Albertin (1999) o comércio eletrônico é a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócio num ambiente eletrônico, por meio da aplicação intensa de tecnologias de comunicação e informação, atendendo aos objetivos do negócio. Bloch, Piggneur e Seveg (1996) apud Alexandrini (2000) definem comércio eletrônico como compra e venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores para suporte a qualquer tipo de transação de negócio que utilize uma infra-estrutura digital. Os modelos básicos de comércio eletrônico são: Negócio-a-negócio (business-to-business B2B) As transações comerciais realizam-se entre empresas, geralmente em uma relação de fornecedor ou usuário de produtos, serviços e informação; Negócio-a-consumidor (business-to-consumer B2C) As transações realizam-se entre empresas e consumidores, envolvendo estratégias de pagamento aceitas pelas partes. É a versão eletrônica da venda a varejo; Governo-a-Governo (government-to-government - G2G) Iniciativas que visam a qualidade da integração entre os serviços governamentais, envolvendo ações de reestruturação e modernização de processos e rotinas. Negócio-a-governo (business-to-government B2G) As empresas se relacionam com as administrações federais, estaduais ou municipais dos governos. No Brasil existem o SIAFI (Sistema Integrado de Administração Financeira) ou SIAFEM (para os estados e municípios) e o sistema de compras do Ministério da Administração; Consumidor-a-governo (consumer-to-government C2G) O consumidor se relaciona com o Estado para obter serviços, benefícios ou informações. Como exemplos, temos o acesso a andamento de processos (tribunais), declaração do imposto de renda e consulta a multas de trânsito; Consumidor-a-consumidor (consumer-to-consumer C2C) As transações são feitas entre consumidores finais, como nos leilões virtuais que permitem aos consumidores a publicação e licitação de produtos; Consumidor-a-negócio (consumer-to-business C2B)

6 As transações são feitas entre consumidores e empresas, como por exemplo, passageiros que dão lances por passagens aéreas, cabendo às empresas aceitar ou não. Neste artigo abordaremos somente o comércio B2C e B2B. De uma maneira geral, as empresas desenvolvem portais para o comércio eletrônico B2C com os seguintes objetivos: Promover a apresentação eletrônica de bens e serviços; Aumentar a proporção de vendas dos produtos através de uma maior divulgação e marketing; Fornecer um ambiente de comércio que seja atrativo ao cliente e de fácil navegação; Oferecer formas de pagamento e transporte acessíveis ao público alvo, melhorando o tempo e a qualidade dos serviços prestados; Automatizar transações entre fornecedores e empresas de modo a minimizar custos e agilizar processos. O Quadro 1 faz uma comparação das duas formas de transação comercial, através do comércio tradicional e do comércio eletrônico: Etapas do ciclo de vendas Comércio Tradicional (múltiplos meios envolvidos) Comercio Eletrônico (único meio envolvido) Adquirir informações sobre o Revistas, folders, catálogos Páginas da Web produto Requisitar um item Formulários impressos, cartas , páginas da Web Analisar catálogos, preços Catálogos Catálogos on-line Analisar disponibilidade de itens e Telefone, fax Catálogos on-line conformidade de preço Enviar ordem (comprador), Fax, correio , EDI Receber ordem (fornecedor) Priorizar ordem - Banco de dados on-line Analisar inventário no estoque Formulário impresso, telefone, fax Banco de dados on-line, páginas da Web Agendar entrega Formulário impresso Banco de dados on-line Emitir fatura Formulário impresso Banco de dados on-line Receber produto Meio de entrega qualquer Correios, Sedex Confirmar recebimento Formulário impresso Enviar fatura (fornecedor), Correio , EDI Receber fatura (comprador) Agendar pagamento Formulário impresso EDI, banco de dados on-line Enviar pagamento (comprador), Receber pagamento (fornecedor) Correio EDI, EFT Quadro 1 Comparação das formas de transação comercial. Fonte: Pegoraro (2002) Obs.: EDI - Eletronical Data Interchange (transferência eletrônica de documentos entre computadores) EFT - Eletronic Funds Transfer (transferência eletrônica de fundos) O comércio eletrônico fez com que fossem requeridos meios de pagamentos atemporais e livres de barreiras geográficas, políticas e comerciais. Por esta razão, depende muito dos suportes físicos representados pelas moedas convencionais e especialmente pela moeda eletrônica, como o cartão de crédito. No Quadro 2 temos os principais meios de pagamento utilizados no comércio tradicional e no eletrônico.

7 Meios de pagamento Comércio tradicional Comércio eletrônico Em espécie (dinheiro) Através de moeda corrente, faz-se A transação é realizada pela Internet e um depósito bancário na conta do o pagamento é efetuado no comerciante recebimento do produto por reembolso postal ou quando for entregue em domicílio. Pode-se Boleto bancário Emitido pelas empresas de comércio ou prestadoras de serviço Cheque Amplamente utilizado, principalmente como promessa de pagamento em datas posteriores à transação comercial Transferência bancária O valor monetário é transferido da conta corrente do consumidor para a do comerciante, mediante autorização de débito do primeiro. Cartão de Crédito Conhecido como dinheiro de convencional plástico, amplamente difundido e utilizado. utilizar também o cheque. Pode ser emitido via on-line e reproduzido na impressora domiciliar. O usuário faz transferências bancárias on-line Usado em compras via Internet. O consumidor fornece dados pessoais e o número de seu cartão de crédito. Dinheiro virtual Utilizado em forma de pontuação cumulativa, permitindo converter em troca de produtos e ou serviços Conhecido como Dinheiro Eletrônico, permite que o consumidor adquira bens e serviços ofertados nos Portais Virtuais. Cartão de crédito Virtual Forma específica do Cartão de Crédito em bits para a internet Quadro 2 Meios de Pagamento. Fonte: Melo (2002) As vantagens de um comércio eletrônico bem planejado e implementado são muitas, em comparação com o comércio tradicional: As relações com os clientes são aprimoradas, devido a uma maior interação realizada através de linhas diretas (correio eletrônico, telefone) ou por meio de propaganda e marketing feitos no próprio site; O custo para conquistar a confiança de um cliente é inferior ao custo que seria gasto no comércio tradicional; Através da racionalização de processos e pessoal, o tempo que envolve todo o processo de compra, venda e entrega do produto é otimizado; As despesas com transporte, armazenamento, distribuição são reduzidas, bem como as despesas com estoque através da automação e redução dos tempos de processamento; O planejamento de um bom sistema de marketing e propaganda pode levar a empresa a expandir seus mercados e aumentar a competitividade, com requisitos mínimos de capital, estoque e pessoal; Melhora da comunicação e coordenação dentro das empresas devido ao maior uso da informação tecnológica, dos sistemas de integração e da própria rede; O contato com os fornecedores é mais direto, podendo ser feito por meio de sistemas interligados, eliminando a necessidade de representantes e inventários, e aumentando a disponibilidade de produtos para os clientes (ROSSATTO, 2002).

8 Com o aumento do número de residências com acesso à Internet, seja por linha telefônica, banda larga (DSL e cabo) ou por canais de comunicação móvel, a tendência é a expansão do comércio eletrônico voltado para o consumidor final (B2C) (HAMMOND, 2002). No Brasil, através dos portais de internet o faturamento do comércio eletrônico B2C ultrapassou em 2003 a casa de 1 bilhão de reais. A expectativa de faturamento para 2004 é que o setor cresça cerca de 30%, chegando a 1,6 bilhão. Isso se daria pela expansão da base de compradores, que atualmente é estimada em 2,5 milhões de pessoas. A receita do comércio eletrônico B2C em 2003 no Brasil resultou das vendas de automóveis, turismo e bens de consumo (CDs, fitas de vídeo, livros, DVDs e outros eletroeletrônicos) (MCT, 2004). Um estudo feito na Europa e América do Norte sobre o desenvolvimento do uso do e-commerce entre 2000 e 2010, aponta as duas barreiras mais importantes que podem causar entraves à adoção do comércio eletrônico pelo consumidor em sua residência: a preocupação com a segurança dos dados pessoais (números de cartões de crédito); a baixa velocidade de transmissão de dados para as residências. Segundo a pesquisa, outras barreiras relativamente importantes, como o alto custo on-line, deverão ser resolvidas dentro de dois anos. Barreiras relativamente pouco importantes, relacionadas à tecnologia, também deverão ser resolvidas no futuro próximo. São elas: a falta de definição de um sistema padrão de pagamento, tecnologias de segurança/criptografia insuficientemente desenvolvidas; altos custos de criação e manutenção do sistema para o setor varejista; custos altos dos aparelhos de acesso para o consumidor. As barreiras que levarão mais tempo para serem solucionadas incluem fatores relacionados com: a conveniência do consumidor, que não consegue especificar horários e locais adequados para a entrega das mercadorias; a tecnologia, como custos altos de distribuição de produtos físicos e interface para o consumidor pouco desenvolvida; preocupações com o uso não autorizado de dados pessoais como nome, endereço, hábitos de navegação etc. (HAMMOND, 2002). Por sua vez, o comércio eletrônico B2B não é uma novidade para as empresas. Há mais de 25 anos atrás as transações entre empresas já eram realizadas através do EDI, ou transferência eletrônica de dados, que permitia a transferência entre computadores de informação comercial, como encomendas, faturas, etc. Esta tecnologia apenas permitia que cada grande empresa compradora pudesse se interligar aos seus fornecedores através de redes de valor adicionado (VAN), ou que cada grande vendedor agisse de forma semelhante relativamente aos seus clientes. Atualmente, com o desenvolvimento da Internet e dos portais corporativos e o aparecimento dos marketplaces B2B, o comércio eletrônico permite a realização de transações entre vários compradores e vários vendedores, estando disponível para todo o tipo de empresas, independentemente de seu tamanho (YOSHIZAKI, 2004). As principais vantagens do uso do B2B pelas empresas são as seguintes: Ampliação dos canais de vendas;

9 Aumento da competitividade das empresas; Redução de custos em todos os processos realizados com auxílio da Internet; Disponibilidade de operação 24 horas; Rapidez na realização dos processos; Redução da incidência de erros nos processos; Agilização da integração com fornecedores; Redução de circulação física de documentos (desenhos de engenharia, por exemplo); Diminuição do ciclo de compras. Em diversas áreas, as redes de comércio B2B on-line tornam possível a formação de grupos e troca de mercadorias entre vendedores e compradores. Em vários setores os compradores e vendedores podem negociar on-line. Por exemplo, sites como o e-steel simplificam o processo de compra de aço, que geralmente é caro e demorado. Através da Internet, os compradores simplesmente listam suas necessidades e os fornecedores atendem as especificações ou pedem mais esclarecimentos. Não é necessário gastar horas negociando ao telefone ou trocando fax, e os compradores ainda podem obter um preço mais baixo. A Internet vem causando mudanças irreversíveis para as empresas, que afetam principalmente as seguintes atividades: Automação dos processos de relacionamento entre os parceiros comerciais; Compra de matérias-primas, insumos, etc.; Gerenciamento eletrônico de documentos; Gerenciamento de estoques do parceiro comercial; Gerenciamento da armazenagem do parceiro comercial; Oferecimento de pacotes integrados de serviços, como a agregação de suporte financeiro; Projeção de demanda; Atendimento direto ao cliente; e Oferecimento de serviços de pós-venda. Um dos serviços utilizados nos negócios B2B é o e-procurement, que integra de forma eficiente os departamentos de compras das empresas com seus fornecedores. Através do e-procurement o processo de seleção e aprovação das compras das empresas é automatizado na internet. Com isso o custo de cotação e compra de um produto fica muito mais barato. O trabalho de cotar com duas empresas, por exemplo é o mesmo do que se comunicar com 100 empresas. Isso resulta em uma maior possibilidade de encontrar melhores preços e prazos na obtenção de diversos produtos além de obter uma redução nos custos do processo. Acredita-se que em poucos anos quase todas as compras das empresas estarão sendo feitas através da Web, com exceção da compra de produtos específicos, para os quais não se encontram fornecedores com facilidade. Já os produtos mais padronizados, com muitos fornecedores, podem ser adquiridos pela Internet, através de portais de e-procurement, que apresentam de um lado, as empresas compradoras, e de outro, os fornecedores. Através desse sistema há uma grande pressão sobre a cadeia de suprimentos, criando-se oportunidades para a redução de custos, e ampliando-se o leque de possíveis compradores e

10 fornecedores. Dessa forma, a tendência é a diminuição da dependência em relação a determinados fornecedores. Quanto aos produtos específicos, devem continuar a ser utilizados os mecanismos tradicionais de contrato, mas com uma estratégia de integração da cadeia muito maior, através da necessidade de divulgação de dados entre os parceiros da cadeia produtiva. Desse modo, espera-se uma maior eficiência da cadeia de fornecedores (. De acordo com Capacino e Dik (2002), podemos distinguir três modelos de portais no comércio B2B: o portal público e independente, o portal setorial, e o portal privado. Seguem abaixo as características de cada um desses portais B2B: Portais independentes - portais criados com o propósito de atender a um setor específico ou a um grupo de produtos. Esses portais se propõem a fazer a prospecção de parceiros comerciais em outros países, criar um ambiente único para realizar negócios, fazer a gestão virtual dos relacionamentos e permitir a visibilidade de preços ao redor do mundo. No entanto, esse tipo de portal entrou em crise porque possuía equipes administrativas compostas por pessoas de fora do setor, sem conhecimento suficiente sobre os mercados que pretendiam atender. A sobrevivência em longo prazo dos portais independentes depende de recursos diferenciados e que atendam a nichos de mercado. Um exemplo de portal independente é o Buildnet, do setor da construção civil, que provê soluções para problemas setoriais específicos, como gestão de materiais e cronogramas de trabalho. As atividades mais favoráveis para esse tipo de portal relacionam-se com operações de baixo risco, como compra de materiais de manutenção, consertos e operações, ou em nichos funcionais, como o descarte de materiais excedentes. Portais setoriais ou verticais - são portais patrocinados por empresas de um determinado setor de atividade, que interagem com o objetivo de gerar ganhos de eficiência em seu processo produtivo. Um exemplo desse tipo de portal é o Quadrem, um mercado eletrônico para empresas do setor de mineração nos Estados Unidos, cujos 21 membros-fundadores representam cerca de dois terços do valor de mercado do setor, e mais de um quarto de seu poder de compra. O desenvolvimento de um Marketplace B2B é um processo muito mais complexo do que o desenvolvimento de um Portal B2C. Exige investimentos elevados, profundo conhecimento do mercado e um relacionamento capaz de trazer empresas para participarem do mercado. Vários portais setoriais enfrentam diversos problemas, como estabelecer um mercado que atenda às necessidades das empresas fundadoras, ajustar-se às necessidades específicas de todos os membros, e dificuldades de tomada de decisão, dado o grande número de empresas participantes. Um exemplo deste tipo de portal é o VerticalNet.com. Portais privados portais que permitem uma maior integração entre as empresas e suas parceiras comerciais. A maioria desses portais se baseia nos compradores ou nos vendedores. Um portal privado com base nos compradores visa aumentar a eficiência das funções de gestão da cadeia de fornecimento de uma empresa. Esse tipo de portal pode realizar encomendas on-line, fazer confirmações, notificações de remessa e fatura. Os mais sofisticados colaboram com os fornecedores nas previsões, planejamento de fornecimento, projetos de produtos, etc. Os portais com base nos vendedores podem lembrar ao cliente de encomendar itens adquiridos regularmente, ou permitir ao vendedor examinar o estoque do cliente e reabastecê-lo automaticamente. O cliente também pode colaborar no projeto de produtos, rastrear encomendas e unir forças com

11 o vendedor. Empresas como a Dell, Cisco, Motorola e Wal-Mart usam portais privados. Através do portal privado da Cisco, por exemplo, o cliente pode configurar, encomendar e monitorar o status de um pedido on-line. Mais de 90% dos pedidos chegam à Cisco através do portal, reduzindo o tempo do ciclo dos pedidos de oito semanas para uma (CAPACINO e DIK, 2002). 4. Conclusões O desenvolvimento de portais, tanto de internet, como corporativos tem sido de importância fundamental para as empresas. Através dos portais B2E as empresas podem gerenciar melhor o trabalho de seus funcionários, aumentando a produtividade através da minimização dos esforços de interações e facilitação da busca de informações. O desenvolvimento de portais B2C e B2B também tem possibilitado às empresas grandes avanços relacionados ao comércio eletrônico. As transações realizadas por vias eletrônicas permitem grandes ganhos potenciais de eficiência, além das oportunidades de ganhos provenientes da reorganização dos processos produtivos. Através do comércio eletrônico é possível obter reduções de custo em quase toda a malha produtiva, especialmente através do comércio B2B. Uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP) sobre Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro, revelou que em 2003, os valores movimentados pelas transações B2B e B2C nas empresas que atuam no mercado brasileiro atingiram cerca de US$16,3 bilhões. No final de 2003, 4,94% das transações B2B eram feitas pela Internet, totalizando US$11,8 bilhões. Já as transações eletrônicas B2C representavam 2,08% do mercado total, com movimento de US$4,5 bilhões. Em 2002, o volume de transações B2B foi de US$5,7 bilhões, e o de transações B2C foi US$1,9 bilhões. A pesquisa, realizada com 435 empresas de vários setores econômicos, ramos e portes, aponta que o setor que apresentou maior penetração nas transações B2B foi a indústria (5,37%), seguido pelo ramo de serviços (4,87%) e comércio (3,97%). Os meios de pagamento mais utilizados pelos consumidores on line foram o cartão de crédito, com 33% da preferência dos entrevistados, seguido pelo smart card (uma forma de dinheiro eletrônico) (10%), o e-check (9%), e o e-cash, com apenas 8% dos entrevistados. De acordo com estimativas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, OCDE, as transações entre empresas (B2B) e entre empresas e consumidores (B2C) serão responsáveis por cerca de 5% de todas as operações no atacado e no varejo em As previsões mais conservadoras indicam taxas anuais de crescimento, para o futuro próximo, acima de 45% na escala mundial. Referências ALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. 2. ed. atual. ampl., incluindo análise do comércio São Paulo: Atlas, p.

12 ALEXANDRINI, Fábio; Universidade Federal de Santa Catarina. Perfil empresarial na prática do e-commerce: comercialização eletrônica. Floranópolis, f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina. CAPACINO, W.C.; DIK, R.W. Portfólio e portais eletrônicos. HSM Management. Barueri v. 6, 34, set./out HAMMOND, Kathy. O Comércio eletrônico até HSM Management. Barueri v. 6, 31, p , maio/jun HANSEN, Morten T. e DEIMER, Michael S. Gerenciamento B2E. HSM Management. Barueri v. 6, 31, p , março-abril LUCION, E.L.R.; CORDENONSI, A.Z. Empresa eletrônica. Sistema e-procurement. Disponível em: Acesso em: fevereiro MCT. COMÉRCIO ELETRÔNICO. Disponível em: Acesso em: fevereiro 2004 MELO, Marco Antônio Machado Ferreira de. O comércio eletrônico e as novas formas de informação: do livro convencional ao livro eletrônico (E-book). Florianópolis, f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina. PEGORARO, Raquel Aparecida. Segurança no desenvolvimento de sistemas de comércio eletrônico. Florianópolis, f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina. SIMÃO, J. B2B - ou como negociar usando a Internet. Disponível em: 136/ecommerce/com136_02.htm Acesso em: fevereiro TOLEDO, Aline Maria. Portais corporativos: uma ferramenta estratégica de apoio à gestão do conhecimento Rio de Janeiro. 133 f. Monografia. Universidade Federal do Rio de Janeiro. YOSHIZAKI, Hugo T.Y.Logística B2B no Brasil e no mundo: mitos e realidades. Disponível em: Acesso em: fevereiro 2004.

13

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 05. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 05. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 05 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 Estudo de Caso Apresentação 2 Cases - Mercado de Chocolate 2 ESTUDO DE CASO Ler o CASE A HAWORTH REVISA O GERENCIAMENTO

Leia mais

Comércio eletrônico. Conceitos:

Comércio eletrônico. Conceitos: Comércio eletrônico Conceitos: O comércio eletrônico é a transação realizada por meio eletrônico de dados, normalmente internet. Situação em que a empresa vendedora cria um site, que funciona como uma

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

4. As novas tecnologias

4. As novas tecnologias 4. As novas tecnologias É evidente que estamos em uma nova fase do desenvolvimento humano, que deve ser chamada Era da Informação. Não porque nas eras anteriores a informação deixasse de desempenhar seu

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho Adm. Paulo Adriano da S. Carvalho Formado em Administração; MBA em Gestão Empresarial; Formado em Ciências da Computação;

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS Departamento de Automação e Sistemas UFSC Universidade Federal de Santa Catarina SUMÁRIO Conceitos

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

APTRA PASSPORT DA NCR. Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos

APTRA PASSPORT DA NCR. Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos APTRA PASSPORT DA NCR Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos Uma maneira melhor para os seus clientes depositarem cheques Bancos e instituições financeiras continuam a enfrentar os desafios

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce 3.1 Fundamentos do Comércio Eletrônico Introdução O comércio eletrônico é mais do que a mera compra e venda de produtos online. Em lugar disso, ele engloba o processo

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce?

Estratégia e Regras do Negócio: E-Commerce. O que é e-commerce? E-Commerce O que é e-commerce? Comércio electrónico ou e-commerce é um conceito aplicável a qualquer tipo de negócio ou transação comercial que implique a transferência de informação através da Internet.

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital

Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Empresa Digital Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 7 Desafios para a Administração Comercio eletrônico e negócios eletrônicos

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing Documentação do produto PUBLIC Sourcing Índice 1 Sourcing.... 5 2 Fundamentos... 7 2.1 Gerenciamento do relacionamento com fornecedores... 7 2.2 Automação do gerenciamento do relacionamento com fornecedores...

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre

COMÉRCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre COMÉRCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre E-COMMERCE x E-BUSINESS E-COMMERCE processos pelos quais consumidores, fornecedores e

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 04: Mecanismos Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Mercados eletrônicos Os mercados facilitam a troca de: Informações Bens Serviços Pagamentos

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Ambientes de Mercado

Ambientes de Mercado INFORMAÇÃO O sucesso ou fracasso organizacional muitas vezes pode depender de se saber de qual deles precisamos, com o qual deles contamos e o que podemos ou não fazer com cada um deles PLANO DE AÇÃO Fornecedores

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares

NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL. Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL Prof. Msc. Adolfo Colares adolfo@ceap.br twitter: @adolfocolares facebook: Adolfo Colares MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Tópicos: ü e- business ü e- commerce ü e- procurement ü e-

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET. Disciplina: NEGÓCIOS NA INTERNET

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET. Disciplina: NEGÓCIOS NA INTERNET TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina: NEGÓCIOS NA INTERNET Inovação em Modelo de Negócio Fonte: (OSTERWALDER, 2011) Modelo de negócios Descreve a lógica de criação, entrega e captura de valor

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO CAPÍTULO 8.I Sistemas de e-commerce VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O propósito deste capítulo é descrever e apresentar os componentes básicos do processo de sistemas de e-commerce, e explicar importantes tendências,

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS Capítulo 4 A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 4.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? O que é comércio eletrônico?

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet.

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Algumas pesquisa realizada recentemente, revelaram resultados surpreendentes sobre o uso da Internet nas empresas no Brasil. Neste artigo interpreta alguns dados e lhe revela as soluções que podem ajudar

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

Gestão empresarial simplificada

Gestão empresarial simplificada de Soluções SAP Soluções SAP para pequenas e médias empresas SAP Business One Objectives Gestão empresarial simplificada Gerencie e promova o crescimento de sua pequena empresa Gerencie e promova o crescimento

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO E MERCADO VIRTUAL - OPORTUNIDADE PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

COMÉRCIO ELETRÔNICO E MERCADO VIRTUAL - OPORTUNIDADE PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 1 COMÉRCIO ELETRÔNICO E MERCADO VIRTUAL - OPORTUNIDADE PARA AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS ARAÚJO, Railda, ARLINDA, Nathane, CRISTINA, Carla, LUIZ, Jorge, QUIRINO, Marcelo, SERJONE, Ludmila RESUMO

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

A Solução de Gestão de Negócios para a Pequena e a Média Empresa. SAP Business One

A Solução de Gestão de Negócios para a Pequena e a Média Empresa. SAP Business One A Solução de Gestão de Negócios para a Pequena e a Média Empresa SAP Business One SAP BUSINESS ONE PARA EMPRESAS EM CRESCIMENTO Atualmente, várias empresas de pequeno e médio portes têm dificuldade para

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

2 Business to Consumer

2 Business to Consumer 2 Business to Consumer Business to consumer (B2C) é o segmento dentro do comércio eletrônico que abrange qualquer transação em que uma companhia ou organização vende seus produtos ou serviços para as pessoas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Fonte: O Brien e Eduardo L. Pareto

Fonte: O Brien e Eduardo L. Pareto E-business NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Fonte: O Brien e Eduardo L. Pareto Transformação Internet promoveu: Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA

FACULDADE UNIÃO COMÉRCIO ELETRÔNICO PROFESSOR LUCIANO ROCHA 1 Conteúdo Evolução da Comunicação Entre Computadores... 2 Evolução do Processamento e Transferência Eletrônica de Informações... 2 INTERNET E COMÉRCIO ELETRÔNICO ASPECTOS... 3 PESQUISAS SOBRE O MERCADO

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 13 E-commerce Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons 15 de Outubro

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Comércio Eletrônico. Loja Virtual de Sucesso Profissionais de E-commerce e Marketing Digital. Ricardo Moreira

Comércio Eletrônico. Loja Virtual de Sucesso Profissionais de E-commerce e Marketing Digital. Ricardo Moreira Comércio Eletrônico Loja Virtual de Sucesso Profissionais de E-commerce e Marketing Digital Ricardo Moreira Pode Confiar! Introdução Todo mês centenas de novas lojas virtuais entram no ar! Todo mês outras

Leia mais

ebusiness: Conceitos, Implementação e Tendências

ebusiness: Conceitos, Implementação e Tendências ebusiness: Conceitos, Implementação e Tendências Samara Dantas 1, Laís Calazans 1, Merielth Andrade 1, Serlita Messeder 1, Luisiane Simões 1, Antônio Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Ádrian da Silva Barbosa Raimunda Mônica Oliveira Correia Rosiney Costa Bezerra Silvia Leticia Tavares Suelen Castillo Coelho EMPREENDEDORISMO

Ádrian da Silva Barbosa Raimunda Mônica Oliveira Correia Rosiney Costa Bezerra Silvia Leticia Tavares Suelen Castillo Coelho EMPREENDEDORISMO Ádrian da Silva Barbosa Raimunda Mônica Oliveira Correia Rosiney Costa Bezerra Silvia Leticia Tavares Suelen Castillo Coelho EMPREENDEDORISMO MACAPÁ-AP, 04/09/13 Ádrian da Silva Barbosa Raimunda Mônica

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais