relatório e contas relatório e contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "relatório e contas relatório e contas"

Transcrição

1 999

2 Capítulo 02 Mensagem do Presidente A acrescer às dificuldades e à imprevisibilidade do contexto económico que Portugal tem vivido nos últimos anos, foi um ano em que as mudanças tecnológicas, concorrenciais e regulatórias no sector de pagamentos, em criar uma plataforma de card management para a gestão de clientes emissores, empresas, consumidores, acquirers e comerciantes de qualquer solução de pagamentos com cartão (físico ou virtual), com aceitação presidente fernando adão da fonseca particular dos pagamentos a comerciantes, se fizeram sentir de uma forma especialmente intensa. No capítulo da regulação, é com alguma preocupação que temos vindo a assistir à recente tendência de alguns decisores políticos, quer a nível doméstico quer europeu, de interpretarem a prática da regulação como um exercício de gestão pela via legislativa das características, muitas vezes incluindo o próprio pricing, dos produtos e serviços oferecidos, em vez da promoção da concorrência e da inovação no mercado. Perante estes obstáculos, a Unicre tem vindo a aprofundar a sua aposta na identificação e desenvolvimento das oportunidades que estas mudanças permitem, quase sempre associadas a produtos e serviços que novos players no mercado pretendem desenvolver, mas necessitam do nosso know how e credibilidade, bem como do potencial de gestão de pagamentos com cartão que a nova infraestrutura informática da Unicre vem permitir. presencial ou não, via web ou telefone, e em operações de crédito pessoal. Um dos principais factores de diferenciação da nova infraestrutura informática, gerador de uma importante vantagem competitiva no mercado português, reside na decisão de preservar a capacidade de utilização do processador SIBS, em linha com a opção estratégica de ligação à rede de terminais MB e de maximização da integração com os sistemas de pagamento internacionais (VISA, Mastercard, JCB, Diners, AMEX e CUP). Complementarmente, manteve-se a capacidade de recurso a outros processadores, quando tal fosse exigido por provedores de serviços de valor acrescentado (tax-free, Dynamic Currency Conversion, Integração de Pagamentos no sector T&E, programas de retenção e fidelização e autenticação de pagamentos na Internet). A nova infraestrutura informática, na vertente do acquiring, concluída em finais de, entrou em pleno fun- O investimento nesta infraestrutura teve como objectivo cionamento no princípio de Seguir-se-á, até finais 1

3 Mensagem do Presidente deste ano, o pleno go-live também na vertente da emissão e crédito, permitindo o total descontinuar do velho aplicativo, baseado na arquitectura de main frame. Simultaneamente, deram-se importantes passos organizacionais que potenciam a nossa capacidade de resposta aos novos desafios do mercado, ordenando diversas funções que se encontravam dispersas na empresa em duas unidades Organização & Qualidade e Direcção de Operações constituindo um primeiro passo no sentido de se criar uma área na Unicre totalmente independente das áreas de negócios, para prestação de serviços de card management tanto a clientes internos como externos. No seu conjunto, a Unicre terminou o ano com um desempenho superior quer face ao ano anterior quer face ao orçamento. No que respeita às iniciativas comerciais das principais marcas da Unicre Redunicre e Unibanco destacam-se na área da aceitação a conquista de diversos clientes de relevo a acquirers estrangeiros, o crescimento da oferta de soluções integradoras e a disponibilização e a sensibilização junto de comerciantes, clientes e media nacionais da tecnologia Contactless. No plano da emissão e crédito, o realce vai para a optimização dos processos de cross selling e para a manutenção da política de crédito responsável. O desempenho alcançado só foi possível pela preferência com que os nossos Clientes nos continuaram a honrar e cujos requisitos sempre procuraremos satisfazer. continuou a contar também com o contributo de parceiros qualificados no desenvolvimento das suas actividades e com os quais tem procurado manter relações de lealdade no prosseguimento de objectivos comuns. Apraz-nos ainda deixar registada a forma profissional como todos os que trabalham nesta casa conseguiram superar o habitual empenho e a constante dedicação, num ano de particulares exigências. Um palavra final vai para a importância da confiança que os accionistas depositaram no Conselho de Administração, simultaneamente apoiando-nos e desafiando-nos a ir sempre mais longe no cumprimento da missão de assegurar à Unicre a liderança na oferta de soluções de pagamentos a comerciantes, apoiada na qualidade e na competitividade dos seus produtos e serviços. 2

4 Capítulo 02 Índice Mensagem do Presidente Situação Institucional Accionistas Órgãos Sociais Organograma Missão, Visão e Valores Imagem Corporativa Serviço ao Cliente Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social A economia mundial 17 A economia nacional Actividade Comercial em Acquirer Emissão Serviços de Apoio a Emissores e a Acquirers As Pessoas Ambiente social Mais Potencial Mudanças Organizativas Tecnologia Nova Plataforma Informática Actividades Áreas Comerciais Principais Eventos Síntese e Conta de Resultados Balanço

5 Capítulo 01 Principais Indicadores 4

6 Milhões de euros. Percentagem. Pontos percentuais Síntese dos principais Indicadores 2012 Variação Valor % Balanço Activo líquido 317,2 306,2 10,9 3,6% Crédito a clientes líquido 235,2 237,5 (2,3) (1,0%) Capitais próprios 79,9 73,2 6,7 9,1% Conta de Exploração Margem Financeira ajustada (1) 40,9 38,4 2,5 6,6% Produto bancário (2) 73,5 70,8 2,7 3,9% Custo de estrutura (3) 45,0 45,4 (0,4) (0,9%) Resultado operacional 28,6 25,4 3,2 12,5% Resultado antes de impostos 14,2 12,0 2,2 18,4% Resultado líquido 9,8 8,3 1,5 17,5% Rácios RENDIBILIDADE Rendibilidade dos capitais próprios médios (ROE) 12,3% 11,6% 0,7 p.p. Resultado antes de impostos / Capitais próprios médios (4) 17,9% 16,8% 1,1 p.p. Rendibilidade do activo médio (ROA) 3,2% 2,7% 0,4 p.p. Resultado antes dos impostos /Activo líquido médio (4) 4,6% 3,9% 0,6 p.p. Produto bancário (2) / Activo líquido médio (4) 23,7% 23,3% 0,5 p.p. QUALIDADE DO CRÉDITO Crédito com incumprimento (5) / Crédito total 9,2% 10,0% (0,8 p.p.) Crédito com incumprimento, líquido (6) / Crédito total líquido 3,7% 4,3% (0,6 p.p.) Cobertura do Crédito vencido há mais de 90 dias (10) 177,1% 148,2% 28,9 p.p. Crédito em risco (11) / Crédito total 9,2% 9,8% (0,6 p.p.) Crédito em risco, líquido (12) / Crédito total, líquido 3,7% 4,1% (0,4 p.p.) EFICIÊNCIA Custos de Funcionamento / Produto bancário (2) 57,6% 62,4% (4,7 p.p.) Custos de estrutura (3) / Produto bancário (2) 61,1% 64,1% (3,0 p.p.) Custos com Pessoal /Produto bancário (2) 22,2% 22,0% 0,2 p.p. SOLVABILIDADE (7) Fundos próprios totais 60,2 53,1 7,1 13,3% Requisitos de fundos próprios (7) 29,3 28,9 0,4 1,4% Rácio de adequação de Fundos próprios totais 16,4% 14,7% 1,7 p.p. Rácio de adequação de Fundos próprios da base 12,8% 11,4% 1,3 p.p. COLABORADORES Número de colaboradores activos (8) ,0 0,0% Activo líquido por colaborador (9) 1,23 1,14 0,1 8,0% Produto bancário por colaborador (9) 0,29 0,26 0,0 8,3% 1 Proveitos do produto Cash Advance em Conta considerados em Margem Financeira (Juros e Rendimentos Similares) e excluídos de Rendimentos de Serviços e Comissões 2 Margem financeira, rendimento de títulos, comissões líquidas, resultados em operações e outros resultados de exploração - Instrução nº. 23/2011 do Banco de Portugal 3 Custos com pessoal, fornecimentos e serviços de terceiros e amortizações do exercício 4 O cálculo do activo líquido médio e dos capitais próprios médios, para além dos valores daquelas rubricas nos extremos do intervalo, inclui também os valores registados em cada um dos trimestre intermédios - Instrução nº. 23/2011 do Banco de Portugal 5 Crédito vencido há mais de 90 dias + Crédito de cobrança duvidosa reclassificado como vencido para efeitos de provisionamento - Instrução nº. 23/2011 do Banco de Portugal 6 Crédito com incumprimento - (provisões para crédito vencido + provisões para crédito de cobrança duvidosa) - Instrução nº. 23/2011 do Banco de Portugal 7 Em conformidade com o framework da Instrução nº. 23/2011 do Banco de Portugal, com exclusão da retenção do Resultado Líquido 8 Em 31 de Dezembro 9 Cálculo efectuado com base no número médio de colaboradores activos 10 Inclui provisões para Riscos Gerais de Crédito 11 Crédito em risco em conformidade com a Instrução nº. 23/2011 do Banco de Portugal 12 Crédito em risco (provisões para crédito vencido + provisões para crédito de cobrança duvidosa) Instrução nº. 23/2011 do Banco de Portugal Principais Indicadores 5

7 Capítulo 02 6

8 2 a unicre A 17 de Abril é realizada a escritura de fundação da Unicre Cartão de Crédito Internacional, empresa especialista na emissão e gestão de cartões de pagamento Altera a denominação social para Unicre Instituição Financeira de Crédito S.A. alargando o seu objecto social a todas as operações, com excepção da recepção de depósitos Actuar em quatro áreas: 1. Serviços de aceitação de cartões de pagamento 2. Emissão e gestão de cartões de crédito 3. Concessão de crédito 4. Prestação de serviços de Card Management a outras entidades 7

9 2.1. Situação Institucional Accionistas Capital Social Instituição Financeira de Crédito, S.A. tem um capital social no montante de euros, representado por de acções, integralmente subscritas e realizadas. Cada acção tem o valor nominal de 5 euros. Estrutura Accionista Estrutura Accionista Percentagem Montante % (milhares de euros) Banco Comercial Português, S.A. 31, Banco Santander Totta, S.A. 21, Banco BPI, S.A. 20, Banco Espírito Santo, S.A. 17,50 1,750 Caixa Económica Montepio Geral 3, Banco Internacional do Funchal, S.A. 1, Banco Bilbao & Vizcaya Argentaria (Portugal), S.A. 0,95 95 Banco do Brasil AG Sucursal em Portugal 0,36 36 Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, C.R.L. 0,36 36 Barclays Bank, Plc 0,36 36 BPI Banco Português de Investimento, S.A. 0,36 36 Banco Popular de Portugal 0,36 36 Banco Activo Bank, S.A. 0,29 29 Capital 100, Órgãos Sociais Mesa da Assembleia-Geral António Pedro Sá Alves Sameiro (Presidente) Eugénio Fernando Jesus Quintais Lopes (Secretário) Conselho de Administração Fernando Adão da Fonseca (Presidente) Amadeu Ferreira de Paiva (Vogal) António Farinha Morais (Vogal) Isabel Ramos de Almeida (Vogal) João Baptista Leite (Vogal) i João Freixa (Vogal) Pedro de Castro e Almeida (Vogal) ii Rui Teixeira (Vogal) Comissão executiva Fernando Adão da Fonseca (Presidente) Amadeu Ferreira de Paiva (Vogal) Isabel Ramos de Almeida (Vogal) Conselho Fiscal António Luna Vaz (Presidente) iii João Sales Luís (Presidente) iv Jorge Manuel Arriaga da Cunha (Vogal) João Aníbal Torres Martins (Vogal) Eugénio Fernando Jesus Quintais Lopes (Suplente) Revisor Oficial Deloitte & Associados, SROC, S.A., representada por Paulo Alexandre de Sá Fernandes. i Desde Fevereiro de ii Até Fevereiro de iii Até Março de iv Desde Março de 8

10 2.2 Organograma O Conselho de Administração da Unicre foi eleito na Assembleia-Geral de 24 de Agosto de A gestão corrente da sociedade foi delegada por deliberação do Conselho de Administração, de 20 de Setembro de 2010 nos termos dos números 3 a 8 do artigo 407º do Código das Sociedades Comerciais e do número 2 do artigo 21º dos estatutos da sociedade, numa Comissão Executiva constituída pelo Presidente do Conselho de Administração, Fernando Adão da Fonseca, também designado Presidente da Comissão Executiva, e pelos Administradores Amadeu Ferreira de Paiva e Isabel Ramos de Almeida. Conselho de Administração Direcção de estratégia e Controlo de Gestão Gestão de Riscos e Compliance Gabinete Corporativo Organização e qualidade Auditoria e Controlo Interno Direcção Redunicre Direcção de Emissão Direcção de Serviços de Apoio Direcção de Risco de Crédito Direcção Financeira e de Meios Direcção de sistemas de Informação Direcção de Operações Marketing Marketing e CRM Desenvolvimento de Novos Produtos Acompanhamento e Modelos Financeira e Contabilística Desenvolvimento Serviço de Acquiring Vendas Retalho Comercial Avaliação e Atribuição Controlo Processamento e Facturação Exploração Serviços de Emissão e de Créditos Vendas Grandes Contas Operações com Sistemas Internacionais Serviço a Clientes Recuperação Interna de Dívida Compras e Meios Sistemas e Comunicações Gestão de Transacções Reclamadas Projectos Especiais Marketing Estratégico Planeamento e Processos Recuperação Externa de Dívida Recursos Humanos Analistas de Negócio Segurança Desenvolvimento de Novos Produtos 9

11 2.3 Missão, Visão e Valores Missão A missão da Unicre é facilitar a vida das pessoas e das empresas, oferecendo eficientes soluções de pagamento e de crédito, cómodas, fiáveis e seguras baseadas, entre outras, em cartões de pagamento, bem como serviços associados, configurando uma proposta de valor competitiva e assente em condições de sustentabilidade. Valores Relacionável Útil Inovação Fiável Profissional Solidez Tecnológica Bem-estar Afável Visão Ser reconhecida pela sociedade como a melhor referência nos pagamentos com cartão 10

12 2.4 Imagem Corporativa A imagem da Unicre é consistente com a partilha dos valores e com o alinhamento comunicacional que realça a disponibilidade, proximidade e inovação dos produtos e serviços, a par das características percepcionadas pelo mercado em geral, da elevada experiência e fiabilidade da empresa. 2.5 Serviço Ao Cliente Princípios de actuação No seu relacionamento com os clientes os serviços da Unicre regem- -se por um conjunto de princípios rigorosos: Saber ouvir os clientes Excelência no atendimento Promoção da proximidade Maximização da satisfação Clareza na comunicação Transparência na forma de agir Optimização das infra-estruturas tecnológicas Plataforma Multi canal O atendimento aos Clientes assenta numa plataforma multi canal, que engloba atendimento telefónico, personalizado, websites, portal de serviços, serviço de call to click e quatro balcões de atendimento presencial nas cidades de Lisboa, Porto, Faro e Funchal. Satisfação dos Clientes No Relatório Semestral do Banco de Portugal a Unicre apresentou, em, uma média de 12 reclamações por cada cem mil contratos, sendo a média do sistema bancário de vinte e cinco para cada cem mil. mantém-se, assim, consecutivamente, nos primeiros lugares das empresas nacionais com menor índice de reclamações. 11

13 2.6 Desenvolvimento sustentável e responsabilidade social desenvolveu em um conjunto alargado de iniciativas no domínio social, de apoio às necessidades específicas da comunidade, nas quais se assinala um maior índice de participação dos colaboradores como voluntários. Esta situação é o resultado do início do funcionamento da Bolsa de Voluntários e da implementação do projecto Unicre Solidária. As actividades desenvolvidas reforçaram a implementação dos princípios de sustentabilidade e intervenção social consistentes e coerentes com os valores e objectivos da empresa e partilhados com os colaboradores e com a comunidade Projecto U Tampitas Projecto de recolha de tampas de plástico com o objectivo de serem revertidas em apoio financeiro para a compra de material ortopédico. Na primeira iniciativa foram recolhidas e encaminhadas para a empresa de reciclagem o correspondente a 150 litros em tampas Criação da Bolsa dos Livros A Bolsa de Livrus da Unicre pretende promover a recolha, partilha e doação gratuita dos livros em uso no circuito escolar, entre os colaboradores da empresa e potenciar a sua reutilização com o consequente beneficio sobre o orçamento familiar Apoio a instituições No âmbito das actividades de proximidade e de actuação na área geográfica da sede da empresa a Unicre procedeu à doação à Congregação das Irmãs de S. José Cluny (Centro Paroquial de S. Sebastião) de caixas para distribuição de alimentos às pessoas que diariamente recorrem ao centro para receberem uma refeição, bem como às 43 famílias, residentes na freguesia, a quem está a ser prestada assistência, tendo ainda sido realizada uma dotação suplementar financeira para auxílio a pessoas carenciadas em situação de desemprego de longa duração. Para além das doações referenciadas foi prestado, através de um grupo de voluntários, apoio logístico na recolha de alimentos em entidades doadoras, e realizada entre os colaboradores uma campanha de recolha de alimentos enlatados destinados aos cabazes das famílias apoiadas pelo centro. Participaram nesta acção cinquenta e oito voluntários no total Festa de Natal da Comunidade Vida e Paz Para além do apoio financeiro trinta e quatro voluntários participaram na 25º edição da Festa de Natal com as Pessoas Sem Abrigo da Comunidade Vida e Paz. Neste evento foram proporcionadas refeições quentes, roupa, cuidados de saúde, higiene e momentos de conforto, a quem mais precisava: pessoas sem abrigo, mas também desempregados de longa duração, que se encontram sozinhas e sem apoio. Os voluntários da Unicre distribuíram-se pelas diversas tarefas. Bolsa dos Livr s 12

14 2.6.5 Projecto Aprender a Empreender No âmbito da colaboração com a Associação Junior Achivement Portugal a Unicre participou no Projecto Braço Direito, tendo recebido dois alunos do 12º. Ano da área de economia que tiveram a oportunidade de participar na vida da empresa e manteve a participação na formação de crianças e jovens através do voluntariado e do desenvolvimento de acções de formação em duas escolas da área de Lisboa. 13

15 Capítulo 03 da Actividade 14

16 3.Envolvente Macroeconómica 3.1 A economia Mundial À semelhança do que se verificou no ano anterior, em, registou- -se um abrandamento do crescimento da economia mundial, com o PIB a crescer apenas 2,9%, menos 0,3 p.p. do que no período homólogo, seguindo a tendência que se verifica desde Para este abrandamento contribuiu um ligeiro decréscimo no crescimento económico não só das economias avançadas, que se ficou por 1,2% (menos 0,3 p.p. do que em 2012), mas também das economias emergentes, onde o PIB cresceu 4,5%, uma redução de 0,4 p.p. face ao ano anterior. Dentro do grupo das economias avançadas assistiu-se a uma grande disparidade de cenários. Na Zona Euro, continuou a registar-se uma evolução negativa económica (-0,6%) apresentando, contudo, uma melhoria de 0,2 p.p. face a Nos EUA, registou-se uma redução do crescimento económico, de 2,8% em 2012 para 1,6% em. No Canadá e Japão não se verificaram alterações significativas relativamente ao PIB, tendo sido no Reino Unido que se verificou a evolução mais positiva, com um crescimento económico de 1,4% em, 1,2 p.p. acima do valor homólogo. Nas economias emergentes destacaram-se, positivamente, a Europa Central e de Leste, o Brasil e a Índia, cujo crescimento económico foi, respectivamente, 2,3%, 2,5% e 3,8%. A China manteve uma taxa de crescimento do PIB elevada, ainda que 1 p.p. abaixo do período homólogo, finalizando com 7,6%. Zona Euro Depois de seis trimestres de recessão, a Zona Euro voltou, em, a terreno positivo registando, a partir do segundo trimestre do ano, uma no entanto, para que o ano fechasse com um cenário de crescimento económico, tendo a actividade decrescido 0,6%. Ao longo do ano assistiu-se à estabilização das zonas periféricas e à recuperação das zonas centrais. Ainda assim, existem alguns sinais de preocupação relacionados sobretudo com (i) altas taxas de desemprego, (ii) baixa taxa de inflação, (iii) redução das exportações na sequência do abrandamento do crescimento económico das economias emergentes e (iv) fraca procura interna, essencialmente motivada pela incerteza em relação à economia mundial e pela continuação de políticas de consolidação fiscal. 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% -1% -2% 2011 evolução da economia área euro Países com melhor performance em Taxa de variação homóloga do PIB Média da Área Euro Letónia Lituânia Sérvia Roménia Estónia evolução positiva económica. Esta evolução não chegou, Fonte Eurostat, Relatório World Economic Outlook Out 15

17 2% 0% evolução da economia área euro Países com menor performance em Taxa de Variação Homóloga do PIB p.p. fazendo com que terminasse o ano com 27% e (iv) Espanha, em que uma subida de 1,9 p.p. levou a que a taxa de desemprego para fosse de 26,9%. Não obstante o facto de que, na Zona Euro, a maioria dos países viu a sua taxa de desemprego aumentar, alguns países conseguiram contrariar esta tendência. São exemplos a Irlanda, onde se verificou -2% uma descida de 1 p.p., situando-se nos 13,7%, e a Estónia, cuja queda foi de 1,9 p.p., apresentando uma taxa de desemprego de 8,3%. A política monetária seguida pelo Banco Central Europeu, com o -4% -6% intuito de manter a taxa de inflação baixa, manteve-se. Em verificaram-se, uma vez mais, dois períodos de descida da taxa de juro de referência. Em Maio, esta desceu para 0,50% e em Novembro -8% Média da Área Euro Espanha Portugal para 0,25%, atingindo assim um novo mínimo histórico. Esta descida foi acompanhada pela Euribor em todos os prazos. -10% Itália Eslovénia Grécia evolução das taxas de juro de referência Percentagem -12% 2,5% Fonte Eurostat, Relatório World Economic Outlook Out Seguindo a tendência dos últimos quatro anos, a taxa de desemprego voltou a subir em, terminando o ano nos 12,3% (mais 0,9 p.p. face ao ano anterior). Os países que mais contribuíram para este aumento foram (i) Chipre, onde a taxa de desemprego subiu 5,1 p.p. para os 17%, (ii) Portugal, onde a mesma foi de 17,4%, uma subida de 1,7 p.p., (iii) Grécia, onde se verificou um aumento de 2,8 0% jan 09 mai 09 set 09 jan 10 mai 10 Banco Central Europeu set 10 jan 11 mai 11 set 11 jan 12 mai 12 set 12 Reserva Federal Americana Fonte Banco Central Europeu; Reserva Federal Americana jan 13 mai 13 set 13 dez 13 16

18 3.2 A Economia Portuguesa Apesar da continuação do processo de ajustamento iniciado em 2011, que visava reequilibrar o défice orçamental e controlar a dívida soberana, obrigando a políticas fiscal e orçamental restritivas, no final de começaram a aparecer os primeiros sinais de retoma da economia portuguesa, com um aumento do dinamismo económica. Assim, o PIB português registou, no terceiro trimestre, uma queda de 1,0% face ao período homólogo, redução inferior à registada no segundo trimestre (-2,0%). Quando comparado com o trimestre anterior, verificou-se um aumento de 0,2%. Este aumento foi possível devido a um efeito menos negativo da procura interna, que beneficiou de um aumento de confiança dos consumidores. Verificou-se, ainda, uma redução menos intensa do consumo privado, de apenas 1,1% no terceiro trimestre face ao homólogo, quando no segundo trimestre se tinha verificado uma redução de 2,5%. Tanto as exportações como as importações continuaram a aumentar no terceiro trimestre (6,6% e 5,1% respectivamente, face ao homólogo). dados gerais da economia portuguesa Variação Homóloga % E 2014P PIB -1,6-3,2-1,6 0,3 Consumo Privado -4,0-5,4-2,2-1,4 Consumo Público -5,1-4,8-2,0-2,3 Formação Bruta de Capital Fixo -10,5-14,3-8,4 1,1 Exportações 6,9 3,2 5,8 5,5 Importações -5,3-6,6 2,7 3,9 Desemprego 12,7 15,7 17,4 17,7 Taxa de Poupança das famílias* 9,7 12,2 12,2 11,5 IHPC 3,6 2,8 0,4 0,8 Balança da Conta Corrente** -7,0-1,5 0,9 0,9 Défice Público** -4,3-6,4-5,9-4,0 Dívida Pública** 108,2 124,1 127,8 126,7 * Poupança Bruta/Rendimento Bruto Disponível ** Percentagem do PIB Fonte Comissão Europeia; FMI; Eurostat; Banco de Portugal 4% 2% 0% -2% -4% -6% -8% -10% índice de volume de negócio no comércio a retalho jan 2011 nov empréstimos concedidos por instituições residentes 2% 0% -2% -4% -6% -8% -10% Taxa de Variação Homóloga % Fonte Banco de Portugal. Pelo terceiro ano consecutivo, verificou-se uma tendência de queda no mercado de crédito, apesar da melhoria no primeiro semestre de no crédito ao consumo e às sociedades não. Taxa de Variação Homóloga % Consumo Outros fins Total de Particulares Habitação jan 2011 nov Fonte Banco de Portugal. 17

19 O crédito vencido total tem mantido a tendência de crescimento, contudo de forma bastante discreta, e em grande parte devido à evolução, também moderada, do crédito vencido à habitação. No final do ano, o rácio do crédito vencido total era de 4,5%, apenas 0,4 p.p. superior ao do período homólogo. Já o crédito vencido ao consumo evoluiu de forma bastante acentuada, apresentando, no final de, taxas de 13,3% e 12,9%, respectivamente. Evolução do crédito vencido a particulares Taxa de Variação Homóloga % 15% 12% 9% 6% 3% 0% jan 2011 nov Consumo Outros fins Total de Particulares Habitação Fonte Banco de Portugal Em verificou-se uma manutenção das taxas de juro de referência e dos spreads aplicados, e consequente estabilidade das taxas de financiamento a empresas. Evolução do custo de financiamento Percentagem 5,89% 5,13% 1,52% 0,31% dez 2011 out Tx referência BdP Euribor a 5 meses Fonte Banco de Portugal 18

20 Capítulo 04 A Actividade da Unicre 19

21 4.1 Actividade Comercial em Resumo da Actividade da Redunicre Em a Redunicre teve como prioridades de actuação a consolidação da oferta de produtos e serviços, a obtenção de ganhos de eficiência e a manutenção da quota de mercado. No global a captação de novos estabelecimentos foi bastante positiva, com a contratação de novos estabelecimentos comerciais. No âmbito das novas contratações destaca-se, ainda, a de 106 lojas de uma marca da grande distribuição. A facturação global, registou um ligeiro decréscimo de 1,4%, em relação ao período homólogo. No 1º semestre registou-se uma quebra de 6%. Em contrapartida, no 2º semestre, ocorreu uma evolução favorável, tendo-se registado um crescimento de 3%. Esta evolução teve origem no aumento de confiança dos consumidores portugueses, no crescimento significativo de estrangeiros em visita ao nosso país e no consequente aumento do consumo (mais 8,2% do que em 2012). No final do ano de, apesar dos esforços comerciais para contratação de novos comerciantes, o número de estabelecimentos aderentes à Redunicre, foi de 44,7 mil e o número de terminais de 74,5 mil, registando- -se, face a 2012, decréscimos de 4,3% e 1,8%, respectivamente. As compras com cartões totalizaram 14,4 milhares de milhões de euros e as transacções 344 milhões. Em a actividade comercial centrou-se no reforço da divulgação e comercialização de soluções de aceitação de pagamentos mais complexas, nas quais se destacam os Pagamentos Integrados para Hotelaria e Retalho e o Dynamic Currency Conversion (DCC). Estas soluções registaram crescimentos de 36% na facturação e de 29% no número de transacções. SOLUÇÃO PAGAMENTOS INTEGRADOS HOTELARIA E RETALHO A Solução de Pagamentos Integrados para Hotelaria foi instalada em sete unidades hoteleiras, de quatro e cinco estrelas, pertencentes a relevantes marcas do sector e maioritariamente situadas na área da grande Lisboa, uma das áreas geográficas com maior índice nacional de ocupação de alojamento. Cinquenta por cento da facturação obtida com esta solução resulta da contratação dos hotéis de 5 estrelas que anteriormente operavam com outros acquirers internacionais. No que respeita à Solução Integrada de Retalho, esta foi instalada nas Lojas Francas de Portugal (Aeroportos) e na rede de uma importante marca que comercializa produtos de beleza e perfumaria, com acentuada presença em centros comerciais de grande tráfego. Dynamic Currency conversion O esforço comercial que se realizou ao longo de explica o aumento de 6% no número de estabelecimentos que adoptaram a solução DCC e o crescimento de 42% no número de terminais. A facturação convertida correspondeu a um crescimento de 79% face ao ano anterior. A Actividade da Unicre 20

22 Redunicre E-Commerce No final de, 635 comerciantes utilizavam a plataforma Redunicre E-commerce, que registou aumentos de facturação e transacções de 11% e 16%, respectivamente. No que respeita a acções de divulgação a Redunicre esteve presente em Workshops realizados em Janeiro, Fevereiro e Dezembro de, como parceira do projecto PME Digital e no E-show, evento nacional dedicado exclusivamente ao comércio electrónico. No que diz respeito à Solução contrataram-se 56 estabelecimentos que facturaram 266 mil euros. Solução Cartão Distribuição Durante fechou-se contrato com a Inapa e concluíram-se as negociações com a Castrol. Com cartões activos, a facturação alcançou os 43,5 milhões de euros. A cadeia Cash&Carry Recheio manteve-se como principal parceiro. Solução Contactless Em Agosto de realizou-se o lançamento do piloto da Solução Contactless em alguns estabelecimentos do Grupo Ibersol, no Centro Comercial Vasco da Gama, em Lisboa. Neste evento estiveram presentes para além de inúmeros meios da Comunicação Social, os responsáveis dos Sistemas Internacionais (Visa e MasterCard), em Portugal, comerciantes em cujos estabelecimentos a solução foi implementada e clientes do centro comercial que iniciaram a experimentação da solução. Até ao final de aderiram também a esta solução o Chimarrão, o Páteo, a Jafers e o Solmar. Interacção com os Bancos Em a articulação de contratação dos bancos angariadores da Redunicre teve como principais vectores: A introdução de nova arquitectura de campanha comercial adaptada ao mercado e às oportunidades de negócio decorrentes da aceitação de cartões; A introdução de mecânicas de dinamização/premiação das acções de angariação Eficiência Operacional e Racionalização de Custos De uma forma consistente, a actividade desenvolvida em pautou-se pela melhoria sistemática dos processos e redução de custos. Foram renegociados contratos com fornecedores, revendo-se, nomeadamente, as condições de aquisição e manutenção de terminais e os custos de processamento da Monext. Foram ainda produzidos e distribuídos os novos Guias com informação sobre procedimentos para aceitação de pagamentos específicos nas áreas da Hotelaria e Rent-a-Car Resumo Actividade da Direcção de Emissão Atenta à evolução do mercado e com a preocupação constante de oferecer aos Clientes soluções convenientes e adaptadas a diferentes perfis, em, a actividade da Direcção de Emissão, centrou-se no desenvolvimento de acções orientadas para o alargamento e reforço da proposta de valor, tanto nos cartões e serviços da marca Unibanco, como nos produtos lançados em parceria com terceiras entidades. A facturação total dos cartões registou um aumento de 18% como resultado do incremento dos esforços para aumentar a satisfação dos Clientes, e comercial. A Actividade da Unicre 21

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

2012 RELATÓRIO E CONTAS

2012 RELATÓRIO E CONTAS indicadores enquadramento resultados demonstrações perspectivas eventos análise RELATÓRIO E CONTAS página 999 índice MENSAGEM DO PRESIDENTE presidente fernando adão da fonseca D ois mil e doze foi um ano

Leia mais

Linha Específica para o Sector do Turismo

Linha Específica para o Sector do Turismo Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para o Sector do Turismo Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte das

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Comprovem ser Micro e Pequenas Empresas através da certificação

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Banking. Estudos de Remuneração 2012

Banking. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Banking 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Técnico de Tesouraria pág. 4 Banking Técnico de Controlo de Crédito pág. 5 Analista de Crédito Técnico de Back-Office Técnico de Derivados

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012

SPMS, E.P.E 1º Trimestre 2012 1º Trimestre 2012 Indicadores de Gestão Interna 0 Indicadores de Gestão 1º Trimestre 2012 Enquadramento No presente documento apresentam-se os Indicadores de Gestão Interna da SPMS, EPE, relativos ao primeiro

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C.

SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. SOFINLOC, Instituição Financeira de Crédito, S. A. Sede: Rua General Firmino Miguel, N.5-14. - 1600 LISBOA NIPC 501 370 048 / C.R.C. Lisboa nº 3 053 BALANÇO EM 31.12.2006 Valores em milhares de Euros Dez-06

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI

Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI Abertas candidaturas à Linha de Crédito PME Investe VI No seguimento do quadro de apoios concedidos às empresas portuguesas no âmbito das linhas de apoio PME Investe, estão abertas a partir de 18 de Junho

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano

ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano SISTEMAS DE INCENTIVO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL Sistema de Incentivos à Inovação MODCOM Modernização do Comércio Linha de Crédito - PME INVEST III ADL - Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010 PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom 17 de Junho de 2010 Agenda Missão e História da PT Compras Centralização da Função Compras Modelo de Compras da Portugal Telecom Um Modelo

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Microcrédito Millennium bcp

Microcrédito Millennium bcp Microcrédito Millennium bcp 1 Índice 1. Rede Autónoma de Microcrédito do Millennium Bcp Intervenção na vertente social Parceiros envolvidos Evolução do Microcrédito 2. Modelo de Negócio Missão do Microcrédito

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Consulte a área Bancos Aderentes para saber em detalhe todas as informações relativas aos bancos aderentes.

Consulte a área Bancos Aderentes para saber em detalhe todas as informações relativas aos bancos aderentes. SERVIÇO MB Way O que é o MB Way? O MB Way é a primeira solução interbancária que permite fazer compras e transferências imediatas através de smartphone ou tablet. Basta aderir ao serviço num MULTIBANCO,

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário

Relatório sobre a. estrutura e Práticas. de governo societário Relatório sobre a estrutura e Práticas de governo societário 108 RELATÓRIO SOBRE A ESTRUTURA E PRÁTICAS DE GOVERNO SOCIETÁRIO (SANTANDER TOTTA SEGUROS) O presente relatório é elaborado nos termos do art.

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

Tecnologia e Meios de Pagamento - Geradores de novas formas de consumo

Tecnologia e Meios de Pagamento - Geradores de novas formas de consumo Tecnologia e Meios de Pagamento - Geradores de novas formas de consumo Fernando Adão da Fonseca Presidente da Unicre Congresso da APED 17.01.2012 2 Nos últimos 10 anos Tecnologia e Pagamentos Actualmente

Leia mais

Gestão e Cobrança de Créditos GESTÃO E COBRANÇA DE CRÉDITOS. Luís Sousa CEO Logicomer. Logicomer, gestão e recuperação de créditos, sa

Gestão e Cobrança de Créditos GESTÃO E COBRANÇA DE CRÉDITOS. Luís Sousa CEO Logicomer. Logicomer, gestão e recuperação de créditos, sa GESTÃO E COBRANÇA DE CRÉDITOS Luís Sousa CEO Logicomer Empresa - Perfil QUEM É E O QUE FAZ A LOGICOMER Empresa - Perfil Marcos Importantes Fundação em 1989 Nº 1 referência em Portugal Vários Prémios de

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais