Panorama Econômico - Outubro/08

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Panorama Econômico - Outubro/08"

Transcrição

1 Panorama Econômico - Outubro/08 COMÉRCIO INTERNACIONAL BALANÇA COMERCIAL MENSAL (OUTUBRO/2008) - MDIC Fato Em outubro, a Balança Comercial fechou com superavit de US$ 1,21 bilhão, resultado de exportações de US$ 18,51 bilhões e importações de US$ 17,31 bilhões. A corrente do comércio atingiu US$ 35,82 bilhões no mês, US$ 317,90 bilhões no ano e US$ 368,80 bilhões em doze meses. O superavit comercial acumulado no ano é de US$ 20,85 bilhões, 39,6% inferior ao do mesmo período no ano anterior e, em doze meses, US$ 26,51 bilhões, 38,1% inferior ao acumulado em doze meses, até outubro de Out./ Nov./ Dez./ Jan./08 Fev./08 Mar./08 Abr./08 Maio/08 Jun./08 Jul./08 Ago./08 Set./08 Out./08 Exportações Importações Saldo da BC em US$ milhões FONTE: MDIC Causa Utilizando o critério da média diária, com relação ao mesmo mês do ano anterior, as exportações apresentaram crescimento de 17,4%, e as importações cresceram 40,3%. Pelo mesmo critério, na comparação com setembro de 2008, houve queda de 7,5% nas exportações e crescimento de 0,2% nas importações. A corrente do comércio, pela média diária, registrou crescimento de 27,4% com relação ao mesmo mês do ano anterior, e recuo de 3,9% na comparação com setembro de No acumulado no ano, as exportações cresceram 27,3% sobre igual período de 20, e as importações, na mesma comparação, aumentaram 50,8%.O saldo comercial diminuiu 39,6%, e a corrente do comércio cresceu 37,3%. 1

2 Em outubro de 2008, na comparação com igual mês do ano anterior, a exportação de produtos básicos, cresceu 27,8%, de semimanufaturados, 30,4%, e manufaturados 3,5%. Em termos de países, os cinco principais compradores foram: Estados Unidos, Argentina, China, Países Baixos, e Alemanha. Pelo mesmo critério de comparação, houve crescimento de 52,6% nas importações de combustíveis e lubrificantes, 39,4% nas de bens de capital, 39,3% nas matérias-primas e intermediários e 30,2% em bens de consumo. Os cinco principais fornecedores para o Brasil foram: Estados Unidos, China, Argentina, Alemanha e Nigéria. No acumulado do ano, sobre o mesmo período de 20, o crescimento das exportações foi determinado pelos produtos básicos em 48%, semimanufaturados, 29,3% e manufaturados, 12,5%. Nessa comparação, cresceram as importações de combustíveis e lubrificantes 74,8%, bens de capital, 48,6%, matérias-primas e intermediários, 45,6% e bens de consumo, 44,8%. Conseqüências O crescimento, tanto das exportações como das importações, apontam que o grau de abertura da economia brasileira tem aumentado. Porém, como as taxas de crescimento das importações têm sido maiores do que as das exportações, em 2008, o saldo comercial será sensivelmente menor do que em 20, situando-se abaixo de US$ 25 bilhões. ATIVIDADE PRODUÇÃO INDUSTRIAL MENSAL (AGOSTO/2008) - IBGE Fato Em agosto, a produção industrial recuou 1,3% com relação ao mês anterior. Frente a agosto de 20, o crescimento foi de 2,0%. No acumulado dos últimos doze meses, a taxa foi de 6,5% e no acumulado do ano 6%. Causa Na comparação com o mês anterior, a categoria de bens de capital se manteve praticamente estável, com breve aumento de 0,1%. Os bens de consumo duráveis tiveram crescimento de 2,1%. Por outro lado, apresentaram queda os bens de consumo semi e não-duráveis 0,3%, e bens intermediários, 3%. Comparativamente a outras apurações, o crescimento de 2,0%, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, foi pequeno. Nessa comparação, o único resultado negativo foi 1,1% em bens de consumo semi e não-duráveis. O setor de bens de capital teve a taxa mais elevada, 12,1%, decorrente principalmente dos subsetores, bens de capital para transporte, para uso misto, para fins industriais e para fins agrícolas. Os bens de consumo duráveis e os intermediários registraram crescimento de 2,8% e 1,5%, respectivamente. 2

3 O indicador para o acumulado do ano confirmou o maior dinamismo na produção de bens de capital, 18,1%, novamente bem acima da média global. As outras categorias apresentaram crescimento de 11,8% para os bens de consumo duráveis, 5,0% para bens intermediários, e 1,7% nos bens de consumo semi e não-duráveis. PRODUÇÃO INDUSTRIAL BRASIL Jan. Fev. Mar. Abr. Maio Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez FONTE: IBGE - Índice de base fixa mensal sem ajuste sazonal (Base: média de 2002 = 100) Conseqüência Devido a fatores sazonais, a indústria começa a dar sinais de arrefecimento. Para 2009, os resultados da indústria devem permanecer satisfatórios, porém com menores intensidades do que em 20 e 2008, decorrente, principalmente, da crise financeira internacional. ATIVIDADE PESQUISA INDUSTRIAL - REGIONAL - BRASIL (AGOSTO/2008) - IBGE Fato Em agosto, a Produção Industrial recuou em 6 dos 14 locais pesquisados. Na comparação com agosto de 20, foi registrado crescimento em 12 locais. No acumulado do ano, todos os locais apresentaram crescimento. No Paraná, houve recuo de 4,8% frente ao mês anterior, após crescimento de 2,0% em julho. No confronto com igual mês do ano anterior, a variação foi de 1,7%, muito inferior aos 15,2% registrados no 3

4 mês anterior. No acumulado em doze meses, o crescimento foi de 8,8%, também inferior ao registrado em julho, 9,3%. E no ano, o crescimento foi de 10,4%, com dez ramos apresentando taxas positivas. PRODUÇÃO INDUSTRIAL PARANÁ Jan. Fev. Mar. Abr. Maio Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez FONTE: IBGE Índice de base fixa mensal sem ajuste sazonal (Base: média de 2002 = 100) Causa Na passagem de julho para agosto, as maiores quedas foram em: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Paraná, que representam cerca de 65% do total da indústria, enquanto os maiores aumentos ocorreram em Pernambuco, Bahia, Região Nordeste, Ceará, Pará, Espírito Santo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No confronto com agosto de 20, os destaques regionais foram: Pará, Espírito Santo, Bahia e Goiás. Por outro lado, Amazonas e Santa Catarina foram os únicos Estados que apresentaram queda. Na comparação do acumulado do ano com igual período do ano anterior, Espírito Santo, Goiás, e Paraná tiveram aumentos de dois dígitos. São Paulo, que representa o maior impacto na indústria nacional, também apresentou aumento. No Estado do Paraná, comparativamente a agosto de 20, seis dos quatorze ramos pesquisados apresentaram variações positivas, com destaque para veículos automotores, minerais não-metálicos, edição e impressão, máquinas e equipamentos. Em sentido inverso, alimentos, outros produtos químicos, refino de petróleo e produção de álcool exerceram pressão negativa. Na comparação entre os primeiros oito meses de 2008 com o mesmo período de 20, houve variação positiva em dez ramos pesquisados em que se sobressaíram positivamente: veículos automotores, edição e impressão, máquinas e equipamentos, celulose e papel. Nessa verificação, o maior destaque negativo veio de produtos químicos e alimentos. 4

5 Conseqüência De maneira semelhante ao que acontece em âmbito nacional, a produção paranaense e as das demais regiões também devem apresentar recuos nos próximos meses, e o crescimento esperado para 2009 é menor do que o dos anos anteriores. ATIVIDADE PESQUISA MENSAL DE EMPREGO (SETEMBRO/2008) - IBGE Fato Em setembro, a taxa de desocupação foi de 7,6%, permanecendo estável frente a agosto e com queda de 1,4 p.p. com relação a setembro de 20. A população ocupada apresentou elevação de 0,7% frente ao mês anterior e 3,4% no confronto com o mesmo mês no ano anterior. O rendimento médio real habitual da população ocupada aumentou 0,9% com relação ao mês anterior, e 6,4% em relação a setembro do ano passado. A massa de rendimentos recebida pela população ocupada, mês de referência agosto, foi estimada em R$ 27,9 bilhões, com crescimento de 1,6% em relação a julho e 11,0% em relação a agosto de Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro FONTE: IBGE Causa Entre os desocupados, 19% estavam em busca do primeiro trabalho e 25,8% eram os principais responsáveis pela família. Na análise dos resultados, com relação aos principais Grupamentos de Atividade, apenas comércio, reparação de veículos automotores e de objetos pessoais, domésticos e comércio a varejo de combustíveis apresentaram 3,3%, de crescimento em relação ao mês anterior. Os demais grupamentos mantiveram estabilidade. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, tiveram aumento: indústria extrativa 3,7%; serviços prestados à empresas, aluguéis, atividades imobiliárias e intermediação financeira, 5,4%; outros serviços, 5,5%. Quanto à inserção do trabalhador no mercado de trabalho, todas as categorias registraram estabilidade frente ao mês de agosto de Apenas os empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado e militares ou funcionários públicos estatutários apresentaram crescimento, 6% e 10%, respectivamente, em relação ao mesmo mês do ano anterior, 5

6 Conseqüência A taxa de desocupação deve ainda registrar queda nos próximos três meses, retornando a apresentar reduções após dezembro. Em 2009, como decorrência do desaquecimento econômico mundial, o nível de desemprego deve se situar em patamares superiores ao de ATIVIDADE PESQUISA INDUSTRIAL MENSAL DE EMPREGO E SALÁRIO - PIMES (AGOSTO/2008) - IBGE Fato A Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário do mês de agosto apresentou as seguintes informações: BRASIL AGO/2008-JUL/2008 AGO/2008-AGO/2008 ACUMULADO NO ANO ACUMULADO EM 12 MESES Pessoal Ocupado Assalariado -0,1% 2,5% 2,8% 3,0% N.º de Horas Pagas -0,6% 2,1% 2,7% 2,7% Folha de Pagamento Real -0,5% 6,4% 6,6% 6,6% Causa Na comparação com igual mês do ano passado, o indicador de Pessoal Ocupado Assalariado registrou o vigésimo sexto resultado positivo consecutivo, com crescimento em doze dos quatorze locais pesquisados, e os destaques foram São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Região Norte e Centro-Oeste. Por ramo de atividade, as principais variações positivas foram em máquinas e equipamentos, meios de transporte, máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações e produtos químicos. Por outro lado, apresentaram variações negativas: vestuário, madeira, têxteis e calçados e artigos de couro. Regionalmente, Santa Catarina e Pernambuco exerceram as únicas pressões negativas. Ainda com relação ao Pessoal Ocupado, considerando o acumulado no ano, o crescimento ocorreu em onze locais, com as mesmas regiões de destaque, a exceção do Rio Grande do Sul. Santa Catarina foi o principal impacto negativo. No total do país, os destaques positivos, por ramos industriais e os principais crescimentos foram: máquinas e equipamentos, meios de transporte, máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações e alimentos e bebidas, enquanto calçados e artigos de couro, vestuário, têxtil e madeira tiveram queda. Quanto ao Número de Horas Pagas, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, foi mantida a seqüência de vinte e sete meses taxas positivas, doze dos quatorze locais apresentaram crescimento. Os locais que assinalaram os maiores impactos positivos no resultado nacional foram: São Paulo, Minas Gerais, Região Norte e Centro Oeste. Com relação a igual período do ano anterior, o total de Horas Pagas cresceu em treze locais, sendo os maiores crescimentos em São Paulo, Minas Gerais e Paraná, onde se destacaram máquinas e 6

7 equipamentos, e alimentos e bebidas. Setorialmente, os maiores impactos positivos vieram de produtos químicos, máquinas e equipamentos e meios de transporte. Em sentido oposto, calçados e artigos de couro, foram a pressão negativa mais importante. No acumulado do ano, todos os locais tiveram variação positiva, e os maiores impactos positivos vieram de São Paulo, Minas Gerais e Paraná. Na comparação setorial, meios de transporte, máquinas e equipamentos e produtos químicos foram os maiores crescimentos, e as maiores reduções salariais foram em calçados e artigos de couro, papel e gráfica. Conseqüência Apesar de ainda apresentar variações positivas com relação ao mesmo mês do ano anterior, a expectativa é de queda nas três variáveis, pois, inevitavelmente, ainda que sejam positivas as taxas de crescimento da indústria, serão menores do que as dos períodos anteriores. ATIVIDADE SONDAGEM DA INDÚSTRIA (OUTUBRO/2008) - FGV Fato Na passagem de setembro para outubro, o Índice de Confiança da Indústria de Transformação registrou queda de 11,7%, passando de 120,2 para 100,3 pontos. Com ajuste sazonal, o índice caiu de 120,8 em julho, para 105,3 em outubro. Nessa última comparação, tanto o Índice da Situação Atual como o Índice de Expectativas tiveram recuo de 127,5 para 109,4 e 114,1 para 101,5, respectivamente. 140,0 130,0 120,0 110,0 100,0 90,0 80,0 Nov./06 Dez./06 Jan./ FeV./ Mar./ Abr./ Maio/ Jun./ Jul./ Ago./ Set./ Out./ Nov./ Dez./ Jan./08 Fev./08 Mar./08 Abr./08 Maio/08 Jun./08 Jul./08 Ago./08 Set./08 Out./08 Índice de Confiança Índice da Situação Atual Índice de Expectativas FONTE: FGV 7

8 90,0 88,0 86,0 84,0 82,0 80,0 78,0 87,0 86,7 86,3 86,6 86,3 85,7 84,4 84,5 84,7 84,7 85,1 83,9 Nov./06 Dez./06 Jan./ FeV./ Mar./ Abr./ Maio/ Jun./ Jul./ Ago./ Set./ Out./ Nov./ Dez./ Jan./08 Fev./08 Mar./08 Abr./08 Maio/08 Jun./08 Jul./08 Ago./08 Set./08 Out./08 Nível de Utilização da Capacidade Instalada - NUCI FONTE: FGV Causa Entre agosto e setembro, na retração do Índice da Situação Atual, destaca-se a percepção com relação ao nível atual da demanda. A parcela das empresas que o avaliam como forte reduziu-se de 29,1% em julho, para 16,6%, e a das que o consideram fraco aumentou de 2,7% em julho, para 11,9%, em outubro. No que tange ao Índice de Expectativas, 40,4% das empresas consultadas prevêem melhora nos próximos seis meses e 10,1% piora, sendo esse o pior resultado desde julho de 2003, quando essas parcelas foram de 35,5% e 22,9%, respectivamente. Conseqüências Para os próximos meses, a expectativa é de continuidade de queda, motivada pelas expectativas de retração nas fontes de financiamento e de crescimento menores em 2009, originadas pela crise financeira internacional. ATIVIDADE ICC -ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (OUTUBRO/2008) - FGV Fato Entre os meses de setembro e outubro, o ICC caiu 10,1%, passando de 112,7 para 101,4 pontos. Ocorreram quedas tanto no índice da situação atual, 2,3%, que passou de 119,3 para 104,2 pontos, como no índice das expectativas, 14,0%, com variação de 109,2 para 99,9 pontos. 8

9 Índice de Confiança Índice da Situação Atual Índice de Expectativas FONTE: FGV Causa Com referência à situação presente, a proporção de consumidores que avaliam a situação econômica como boa reduziu-se de 16,9% para 10,1%, e a dos que a consideram ruim elevou-se de 34,2% para 48,2%. No que tange ao futuro, houve piora de 8,2 p.p. na proporção de informantes que prevêem melhora, passando de 31,3% para 23,1%, e aumento de 17,5 p.p. na parcela dos que prevêem piora, chegando a 30,6%. Conseqüência Em outubro, o ICC espelhou as expectativas negativas com relação ao contágio da crise financeira internacional sobre o mercado real. Nos próximos períodos, ainda deve ocorre queda no índice. ATIVIDADE LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA (SETEMBRO/2008) - IBGE PREVISÃO DA SAFRA DE GRÃOS Fato Em setembro, a estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas estimou uma produção de 145,3 milhões de toneladas para 2008, 0,1% superior à previsão de agosto, e 9,1% maior do que a produção obtida em 20. Com relação à área plantada, em comparação a 20, houve aumento de 4,2%, atingindo 47,3 milhões de hectares. Causa Os destaques na produção nacional são a soja, o milho e o arroz que, juntos, ocupam 38,6 milhões de hectares e são responsáveis por 89,9% da produção nacional. Só a produção de soja ocupa 21,3 milhões de hectares. 9

10 O levantamento sistemático da produção agrícola registrou variação positiva para dezoito dos vinte e cinco produtos analisados: amendoim em casca, 1ª safra, arroz em casca, aveia em grão, batata-inglesa 1ª, 2ª e 3ª safras, cacau em amêndoa, café em grão, cana-de-açúcar, feijão em grão, 2ª e 3ª safras, laranja, mamona em baga, milho em grão, 1ª e 2ª safras, soja em grão, sorgo em grão e trigo em grão. Em sentido contrário, deverão apresentar redução na quantidade produzida: algodão herbáceo em caroço, amendoim em casca, 2ª safra, cebola, cevada em grão, feijão em grão, 1ª safra, mandioca e triticale em grão. Regionalmente, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas está assim distribuída: Sul, 60,9 milhões de toneladas, equivalente a 41,9% da produção nacional; Centro-Oeste, 50,4 milhões, 34,7% da produção nacional; Sudeste, 17,6 milhões, 12,1%; Nordeste, 12,5 milhões, 8,6% e Norte, 3,8 milhões, 2,6%. Conseqüência De acordo com prognóstico das áreas plantadas, realizado pelo IBGE em abril, a safra de grãos em 2008 deverá surpreender positivamente, superando as expectativas do início do ano. ATIVIDADE PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO (AGOSTO/2008) -IBGE Fato No mês de agosto, o volume de vendas do comércio varejista, com ajuste sazonal, cresceu 1,1% em relação a julho. Nessa análise, a receita nominal aumentou 1,2%. Nas demais comparações, sem ajustamento, as taxas para o volume de vendas foram de 9,8% sobre agosto de 20, 10,6% no acumulado do ano e 10,2% no acumulado dos últimos doze meses. A receita nominal obteve taxas de 16,5% com relação a igual mês de 20, 16,4% no acumulado do ano e 15,3% no acumulado em doze meses Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro FONTE: IBGE NOTA: Índices de volume e de receita nominal de vendas no comércio varejista por tipos de índice (2003 = 100). 10

11 Causa Em agosto, foi apresentada pequena aceleração com relação a julho. No confronto com agosto de 20, as atividades do varejo que tiveram maior contribuição na taxa global foram por ordem: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, 38%, Móveis e eletrodomésticos, 22%, Outros artigos de uso pessoal e doméstico, 13%, Combustíveis e lubrificantes, 13%. As taxas de crescimento com relação a agosto de 20 foram: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, 7,8%, Móveis e eletrodomésticos, 13,1%, Outros artigos de uso pessoal e doméstico, 14,9%, Combustíveis e lubrificantes, 11,7%, Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação, 33,7%, Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria, 8,7%. Tecidos, vestuário e calçados, 4,3%,e livros, jornais, revistas e papelaria, 5,3%. O ainda bom desempenho do Comércio Varejista é reflexo de alguns fatores que impulsionaram a economia nos oito primeiro meses do ano como, aumento da massa de salário, estabilidade de preços de produtos básicos, condições favoráveis de crédito para consumo e queda dos preços proporcionada pela concorrência dos importados. Conseqüência Para os últimos meses do ano e início de 2009, em decorrência da crise financeira mundial, que se reflete em retração de crédito, e menores taxas de crescimento do PIB, também o volume de vendas do comércio irá diminuir. INFLAÇÃO IGP-10 (OUTUBRO/2008) - FGV Fato O IGP-10 registrou variação de 0,78% em outubro, 1,20 p.p. acima do índice de setembro. O acumulado em doze meses ficou em 11,98% e no ano, 9,45%. 2,5% 2,0% 2,00% 1,5% 1,0% 1,02% 1,47% 1,59% 0,78% 0,5% 0,0% 0,09% 0,71% 0,45% -0,5% -0,42% -1,0% Out./ 06 Nov./ 06 Dez./ 06 Jan./ Fev./ Mar./ Abr./ Maio/ Jun./ Jul./ Ago./ Set./ Out./ Nov./ Dez./ Jan./ 08 Fev./ 08 Mar./ 08 Abr./ 08 Maio /08 Jun./ 08 Jul./ 08 Ago./ 08 Set./ 08 Out./ 08 FONTE: FGV 11

12 Causa No mês de outubro, os componentes do IGP apresentaram os seguintes comportamentos: o IPA acelerou-se 1,73 p.p., o IPC, 0,13 p.p. e o INCC, 0,06 p.p. No IPA, o principal aumento ocorreu nas Matérias-Primas Brutas que cresceram 5,33 p.p. em relação ao mês anterior, com destaque para a soja em grão, tomate e mandioca. Os Bens Finais, com o maior aumento no subgrupo alimentos processados, e os Bens Intermediários, com a maior contribuição de materiais e componentes para a manufatura registraram aceleração de 0,22 p.p. e 0,40 p.p., respectivamente. Os grupos Alimentação e Vestuário tiveram os principais aumentos no IPC. Os destaques nesses grupos foram: hortaliças e legumes, arroz e feijão e carnes bovinas. No INCC, o índice de Serviços recuou 0,09 p.p., enquanto de Materiais aumentou 0, p.p. e Mão-de-Obra 0,05 p.p. Conseqüência Embora a expectativa fosse de variações menos intensas, o IGP-10 voltou a apresentar forte elevação em outubro, novamente influenciada por produtos agrícolas, apesar da expectativa de queda dos preços. INFLAÇÃO IGP- M (OUTUBRO/2008) - FGV Fato O IGP- M variou 0,98%, em outubro, 0,87 p.p. acima da variação de setembro. Em doze meses o acumulado é de 12,23%, e no ano 9,53%. Causa Dos índices que compõem o IGP- M, o IPA, que representa 60% na composição do índice, avançou 1,20 p.p., saindo de 0,04% para 1,24% positivo. O crescimento foi principalmente influenciado pelas Matérias-Primas Brutas, 0,88 p.p., com destaque para: tomate, minério de ferro e mandioca. Os Bens Finais e os Bens Intermediários também apresentaram aceleração, 0,82 p.p. e 0,61 p.p., respectivamente. No caso dos Bens Finais, a maior contribuição para a aceleração veio do subgrupo alimentos processados e, nos Bens Intermediários, do subgrupo suprimentos. O IPC registrou avanço de 0,31 p.p., com a principal contribuição ascendente em Alimentação, em decorrência dos aumentos em: hortaliças e legumes, arroz e feijão, carnes bovinas e laticínios. Habitação, vestuário e transportes também tiveram aceleração em suas taxas de variação. O INCC recuou, em comparação com o mês anterior, 0,10 p.p., com retrações em Materiais e Mão-de-Obra e avanço em Serviços. 12

13 2,50 2,00 1,50 1,29 1,76 1,98 1,00 0,50 0,76 0,53 0,98 0,00-0,50 0,04-0,32 Nov./06 Dez./06 Jan./ Fev./ Mar./ Abr./ Maio/ Jun./ Jul./ Ago./ Set./ Out./ Nov./ Dez./ Jan./08 Fev./08 Mar./08 Abr./08 Maio/08 Jun./08 Jul./08 Ago./08 Set./08 Out./08 IGP-M Linear (IGP-M) FONTE: FGV Conseqüência Pelo segundo mês consecutivo, o IGP- M apresentou aceleração e, em outubro, com maior intensidade do que no mês anterior. O novo surto inflacionário, embora tenha componentes sazonais, deve apresentar recuo após a acomodação dos mercados financeiros, eliminando, assim, a componente especulativa do aquecimento dos preços. INFLAÇÃO IGP- DI (SETEMBRO/2008) - FGV Fato O Índice Geral de Preços Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou inflação de 0,36% em setembro, crescendo 0,74 p.p. ante a inflação registrada em agosto. Em doze meses, o índice acumula alta de 11,91% e, no ano, 8,33%. Causa Em setembro, a alta do índice foi estimulada pelo IPA, com variação de 0,44%, crescendo 1,24 p.p. frente ao mês anterior, motivado principalmente por Matérias-Primas Brutas, com destaque para: soja, tomate, e mandioca. O IPC recuou 0,23 p.p., com as contribuições mais relevantes para a desaceleração provenientes do grupo Habitação, motivada pela tarifa de telefone fixo residencial, tarifa de eletricidade residencial e também do grupo Alimentação, conseqüência da menor variação em frutas, laticínios e óleos gordurosos. Apenas o grupo Vestuário registrou acréscimo em sua taxa de variação. O INCC teve recuo de 0,23 p.p., com retrações em Materiais e Serviços, e crescimento em mão-de-obra. 13

14 2,5% 2,0% 1,89% 1,5% 1,39% 1,47% 1,0% 0,81% 0,5% 0,14% 0,38% 0,36% 0,0% -0,5% -0,38% FONTE: FGV Conseqüência Após a forte queda de agosto, o índice voltou a apresentar aceleração puxada, principalmente, por preços no atacado, com alta em Matérias-Primas Brutas, contrariando a expectativa de acomodação. INFLAÇÃO IPCA (SETEMBRO/2008) - IBGE Fato O IPCA variou 026% em setembro, 0,02 p.p. abaixo do registrado em agosto. No acumulado em doze meses, o índice chegou a 6,25%, 0,08 p.p. superior ao registrado nos doze meses imediatamente anteriores e, no acumulado do ano, a inflação está em 4,76%, também maior do que os 2,99% registrados no acumulado até setembro de 20. Em Curitiba, a variação foi de 0,45%, 0,67 p.p. acima da de agosto, acumulando alta de 4,86% no ano. Causa O grupo Alimentação e Bebida, que puxou a inflação em grande parte do ano, apresentou queda mais acentuada do que no mês anterior, registrando variação negativa de 0,27%, apesar da alta no item refeição fora do domicílio, 1,39%. Assim, os produtos alimentícios, apesar da queda no mês, acumulam alta de 9,29% no ano, 2,09 p.p.acima do registrado no mesmo período do ano anterior. Os produtos não alimentícios repetiram em setembro a taxa de agosto, 0,42%, com aumentos em Transporte, Saúde e Cuidados Pessoais, Despesas Pessoais e Habitação. 14

15 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 0,90 0,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 0,00 Set./06 Out./06 Nov./06 Dez./06 Jan./ Fev./ Mar./ Abr./ Maio/ Jun./ Jul./ Ago./ Set./ Out./ Nov./ Dez./ Jan./08 Fev./08 Mar./08 Abr./08 Maio/08 Jun./08 Jul./08 Ago./08 Set./08 IPCA acumulado em 12 meses IPCA variação mensal FONTE: IBG Conseqüência Apesar de ter permanecido em patamar praticamente estável com relação anterior, os índices acumulados permanecem elevados. Para os próximos períodos, a elevação do dólar pode pressionar novos aumentos. INFLAÇÃO IPCA-15 (OUTUBRO/2008) - IBGE Fato O IPCA-15 registrou variação de 0,30% em outubro, 0,04 p.p. acima do registrado em setembro. Nos últimos doze meses, o acumulado foi de 6,26% e, no ano, 5,28%. Em Curitiba, a variação foi de 0,30%, 0,29 p.p. acima do índice de setembro e, no ano, o índice acumula alta de 5,25%. Causa A maior influência para a elevação na taxa de variação veio do grupo Alimentação e Bebidas, com destaque para o arroz, feijão carioca, carnes e lanche consumido fora do domicílio. Com o resultado de outubro, o grupo dos produtos alimentícios acumulou variação de 10,57% no ano. Os produtos não alimentícios apresentaram variação 0,10 p.p. abaixo da do mês anterior, todavia tiveram aumentos: salário dos empregados domésticos, aluguel residencial, cigarro, artigos de vestuário, taxa de água e esgoto e artigos para reparos de residência. Conseqüência A exemplo de outros índices, o IPCA-15 registrou aceleração em outubro, insinuando que a inflação pode voltar a apresentar sinais de aquecimento, apesar da queda internacional no preço das comodities. 15

16 INFLAÇÃO CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL (SETEMBRO/2008) - IBGE - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Fato O Índice Nacional da Construção Civil variou 1,30% em setembro, 0,02 p.p. acima da variação de agosto, e 0,88 p.p. maior do que a de setembro de 20. Em doze meses, o acumulado é de 10,95% e, no ano, 9,11%. O custo nacional por metro quadrado passou de R$ 652,45, em agosto, para R$ 660,91 em setembro, sendo R$ 383,43 relativos aos materiais e R$ 277,48 à mão-de-obra. No Paraná, as variações foram de 1,02% no mês, 10,87% no ano e 11,75% em doze meses. O custo médio da construção no Estado foi de R$ 666, ,8 1,6 1,4 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 Jan. Fev. Mar. Abr. Maio Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez FONTE: IBGE e CAIXA Causa Na composição do índice, a parcela dos materiais variou 2,03 %, 0,20 p.p. acima do mês anterior, e a componente mão-de-obra, 0,30%, caindo 0,23 p.p. em relação a agosto. Nos últimos doze meses, os acumulados foram: 12,13% para materiais e 9,36% para mão-de-obra e, no ano, os materiais subiram, 10,27%, taxa de 6,77 p.p., superior à apontada no mesmo período do ano anterior, enquanto que a mãode-obra ficou 2,11 p.p. maior, chegando a 7,56%. No mês, as variações regionais foram: 1,38% na Região Nordeste, 1,34% na Região Norte, 1,38% no Centro-Oeste, 1,31% no Sudeste e 1,03% no Sul. Ainda na verificação regional, os acumulados em doze meses foram: Nordeste 9,93%, Norte 11,32%, Centro-Oeste 11,68%, Sudeste 11,26% e Sul 11,15%. Conseqüência Os custos da Construção Civil continuam em alta, sendo alavancados pela parcela dos materiais, conseqüência, principalmente, da forte demanda que atravessa o setor. Para os próximos meses, a expectativa é de continuidade de alta, motivada, agora, também por fatores sazonais. 16

17 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NOTA À IMPRENSA (SETEMBRO/2008) - BACEN Fato O total das operações de crédito do sistema financeiro atingiu R$ bilhões em setembro, chegando a 39,1% em relação ao PIB. A taxa média das operações de crédito referencial atingiu 40,4%, a taxa de inadimplência da carteira de crédito situou-se em 4%, e o spread bancário cresceu 0,2 p.p. no mês e 1,8 p.p. em doze meses, alcançando 26,4 p.p. Causa Os empréstimos contratados em setembro apresentaram crescimento de 3,5% no mês e 34% em doze meses. Os empréstimos contratados com recursos livres, que representam 71,9% do total, atingiram R$ 826 bilhões em setembro, crescendo 3,5% no mês e 37,1% em doze meses. Os empréstimos realizados às pessoas físicas cresceram 2,2% no mês, totalizando R$ 383,5 bilhões. No segmento de pessoas jurídicas, o crescimento foi de 4,6%, chegando a R$ 442,4 bilhões. No mês, o crédito direcionado, registrou crescimento de 3,4%, e frente a agosto de 2008, 26,6%, alcançando R$ 322,9 bilhões. O maior crescimento nesse segmento foi determinado pela expansão de 3,6%, no mês, nos financiamentos efetuados pelo BNDES. As carteiras de crédito rural e habitacional registraram expansões mensais iguais de 3,3%. As taxas médias de juros aumentaram 0,3 p.p. no mês e 4,9 p.p. em doze meses. O custo médio dos empréstimos para pessoas físicas aumentou 1 p.p. em agosto, atingindo 53,1% a.a. Para as empresas, os encargos médios permaneceram estáveis em 28,3% a.a. A taxa de inadimplência da carteira de crédito referencial registrou queda de 0,2 p.p. no mês, chegando a 4% do total da carteira de empréstimos, sendo 7,3 % para pessoas físicas e 1,6% para pessoas jurídicas. Conseqüência O desaquecimento econômico e o clima de incerteza deverão impactar negativamente o crescimento do volume de crédito, que deve perder intensidade nos próximos meses e pode apresentar retração no início de SETOR EXTERNO NOTA À IMPRENSA (SETEMBRO/2008) - BACEN Fato Em setembro, o Balanço de Pagamentos registrou superavit de US$ 473 milhões. As reservas internacionais aumentaram US$ 2,4 bilhões, totalizando US$ 2,5 bilhões, e a dívida externa somou US$ 212,9 bilhões, com aumento de US$ 7,4 bilhões frente a junho. 17

18 Causa No que tange ao Balanço de Pagamentos, o saldo da conta de transações correntes foi negativo em US$ 2,8 bilhões, acumulando nos últimos doze meses, deficit de US$ 25,2 bilhões, equivalente a 1,64% do PIB. A conta capital e financeira registrou entrada líquida de US$ 3,1 bilhões, destacando-se no mês o ingresso líquido de US$ 6,3 bilhões em investimentos estrangeiros diretos. A movimentação das reservas, durante o mês, foi conseqüência, principalmente, de compras do Banco Central no mercado doméstico de câmbio que somaram US$ 592 milhões. Nas operações externas, destaca-se a receita de US$ 586 milhões, obtida com a remuneração das reservas. A dívida externa de médio e longo prazo apresentou elevação de U$ 1,1 bilhão, totalizando US$ 165,3 bilhões, enquanto a dívida de curto prazo ampliou-se em US$ 1,5 bilhão, atingindo US$ 47,6 bilhões. Conseqüência Apesar do crescente deficit em transações correntes, a vulnerabilidade externa é mitigada pelo bom volume de reservas, e pela entrada de investimentos estrangeiros. Todavia, a crise financeira internacional, deverá trazer redução no volume de reservas, invertendo a posição do Banco Central de comprador para vendedor de divisas. POLÍTICA FISCAL NOTA À IMPRENSA (SETEMBRO/2008) - BACEN Fato Em setembro, o setor público não-financeiro registrou superavit primário de R$ 10 bilhões. No acumulado do ano, o superavit atingiu R$ 118,4 bilhões (5,59% do PIB), elevando-se 0,74 p.p. em relação ao mesmo período de 20. E, considerando o fluxo de doze meses, o superavit é de R$ 128,8 bilhões (4,6% do PIB), crescendo 0,19 p.p. no confronto com agosto. A dívida líquida do setor público alcançou R$ 1.127,2 bilhões (38,3% do PIB), caindo 2,1 p.p. em relação ao PIB, no confronto com o mês anterior. No ano, a relação dívida líquida/pib registrou redução correspondente a 4,3 p.p. do PIB. O montante dos juros apropriados atingiu R$ 6,1 bilhões, no mês, e R$ 125,5 bilhões no ano (5,92% do PIB). Causa Na composição do superavit primário, no mês, o superavit do Governo Central atingiu R$ 5,2 bilhões, o dos governos regionais, R$ 1,6 bilhões, e o das empresas estatais, R$ 3,2 bilhões. Com relação aos juros apropriados, em setembro, houve redução de R$ 6,35 bilhões em relação ao total apropriado em agosto, decorrente, principalmente, da depreciação cambial, com impactos sobre ativos 18

19 indexados ao dólar, e sobre as operações de swap cambial. A redução da Dívida Líquida do Setor Público, como percentual do PIB ocorrida no ano, foi causada, principalmente, pelo superavit primário e pelo crescimento do PIB valorizado. Conseqüência O Setor Público continua gerando superavits, e a relação dívida/pib prossegue em queda, todavia as elevações da taxa SELIC e, conseqüentemente, a maior apropriação dos juros irão impactar negativamente, continuando a impedir resultados mais favoráveis. 19

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo consecutivo, levando a uma

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Porto Alegre, Dezembro de 2015

Porto Alegre, Dezembro de 2015 Porto Alegre, Dezembro de 2015 Análise de indicadores do mês de novembro No mês, a exportação alcançou cifra de US$ 13,806 bilhões. Sobre novembro de 2014, as exportações registraram retração de 11,8%,

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em mar/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,06 trilhões em mar/15, após alta de 1,2% no mês

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

INFORMA DIEESE agosto/2008

INFORMA DIEESE agosto/2008 INFORMA DIEESE Nº. 74 AGOSTO/2008 1 INFORMA DIEESE agosto/2008 A INFLAÇÃO RECENTE E AS CAMPANHAS SALARIAIS A inflação voltou? Como ficam as campanhas salariais dos trabalhadores? Com o objetivo de discutir

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC junho 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC junho 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC junho 2014 Rio de Janeiro, 08 de julho de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Junho 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2013

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2013 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC abril 2013 Rio de Janeiro, 08 de maio de 2013 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR abril de 2013 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2016. PME Retrospectiva 2003-2015 13 anos Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento 1 (IBGE / DPE / COREN) 1 Rio de Janeiro,

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2009

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2009 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC dezembro 2009 Rio de Janeiro, 13 de janeiro de 2010 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS dezembro 2009 1. No mês 1.1 - ÍNDICE

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC julho 2012

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC julho 2012 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC julho 2012 Rio de Janeiro, 08 de agosto de 2012 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR julho de 2012 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR

Leia mais

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

para 2006 Everton Freire de Carvalho*

para 2006 Everton Freire de Carvalho* para 2006 Everton Freire de Carvalho* O ano de 2005 foi marcado por uma política econômica que alcançou bastante êxito, dentro dos objetivos traçados. Os principais índices de preços registraram altas

Leia mais

Economia Goiana no Ano de 2014

Economia Goiana no Ano de 2014 Equipe de Conjuntura - IMB * Economia Goiana no Ano de 2014 Diante de um ambiente externo e interno desafiador, o cenário macroeconômico brasileiro recente não se mostra muito favorável a grandes melhorias,

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 As exportações paranaenses, em setembro, apresentaram queda de -8,61% em relação a agosto. O valor exportado atingiu a US$ 1,293 bilhão, ficando,

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados Associação Brasileira de Supermercados Nº38 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Março de 2014 Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Evolução do Índice de

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Região Nordeste. Gráfico 2.1 Índice de Atividade Econômica Regional Nordeste (IBCR-NE) Dados dessazonalizados 2002 = 100 135

Região Nordeste. Gráfico 2.1 Índice de Atividade Econômica Regional Nordeste (IBCR-NE) Dados dessazonalizados 2002 = 100 135 Região Nordeste 2 Gráfico 2.1 Índice de Atividade Econômica Regional Nordeste (IBCR-NE) Dados dessazonalizados 2002 = 100 135 125 115 110 2006 210 190 170 150 Comércio varejista Gráfico 2.2 Comércio varejista

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente anterior, na série livre de influências

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2014 Vitória, dezembro de 2014 Cesta Básica

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Região Nordeste. Gráfico 2.1 Índice de Atividade Econômica do Banco Central Brasil e Região Nordeste. Dados dessazonalizados

Região Nordeste. Gráfico 2.1 Índice de Atividade Econômica do Banco Central Brasil e Região Nordeste. Dados dessazonalizados Região Nordeste 2 Gráfico 2.1 Índice de Atividade Econômica do Banco Central Brasil e Região Nordeste Dados dessazonalizados 2002 = 100 155 150 145 140 135 130 Gráfico 2.2 Comércio varejista Nordeste Dados

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2015 Março Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de A. A economia brasileira no primeiro trimestre de 1. O PIB cresceu 0,1% no terceiro trimestre de, em relação ao anterior, após dois

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Promessa: Controlar a Inflação

Promessa: Controlar a Inflação Promessa: Controlar a Inflação Entendimento O Conselho Monetário Nacional define uma meta de inflação anual e uma banda em torno da meta, equivalente a mais ou menos 02 pontos de percentagem. Atualmente

Leia mais

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

Investimento derrete e leva o PIB junto.

Investimento derrete e leva o PIB junto. Ibovespa 8-6-29:,54% Pontos: 53.63,39 Ibovespa 8-6-9 INTRADAY 545 54 535 53 525 52 515 Indicador Valor Var.% Data Dólar Comercial 1,936-1,63 1h45 Dólar Paralelo 2,3, 8/6 Dólar Turismo 2,9 +,97 8/6 Dólar/Euro

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 5 n. 1 jan.-mar. 2014 ISSN 2178-8367 Atividade econômica baiana cresce 2,0% no primeiro trimestre de 2014 O recente dado do Produto Interno Bruto a preços de mercado (PIBpm)

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015 Dezembro/2015 1- Desempenho da Economia de Caxias do Sul A economia de Caxias do Sul, em dezembro, apresentou indicador com leve recessão no mês (-0,3%). Foi a Indústria que puxou o índice para baixo,

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado O dinamismo do consumo privado, traduzindo a evolução favorável das condições dos mercados de trabalho e de crédito, e das expectativas dos consumidores,

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 1 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 Porto Alegre, 07 de julho de 2014. NOTA À IMPRENSA Em junho de 2014, a Cesta Básica de Porto Alegre registrou queda de 4,00%, passando

Leia mais