AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Gerência de Meio Ambiente e Sustentabilidade. O Índice IDA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Gerência de Meio Ambiente e Sustentabilidade. O Índice IDA"

Transcrição

1 O Índice IDA

2 Aspectos regulatórios legais Constituição Art. 225 o Patrimônio ambiental Meio Ambiente Politica Nacional de Meio Ambiente e outras leis o Linha gerais do uso do Meio Ambiente Licenciamento o Qualidade do Meio Ambiente Garantias Lei de Crimes Ambientais o Garantias de reparação dos danos ambientais

3 Constituição Federal 1988 Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. 3º As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados

4 A lei n 6,938/1981 define poluição, de forma clara, objetivando não somente a proteção do Meio Ambiente, mas também dos fatores sociais, da saúde e dos econômicos. Nesse sentido, a Lei estabelece no seu artigo 3, inciso III, como poluição: poluição, a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente: a) prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população; b) criem condições adversas às atividades sociais e econômicas; c) afetem desfavoravelmente a biota; d) afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente; e) lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos;

5 Art. 2º. A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento sócio-econômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana, atendidos os seguintes princípios: I - ação governamental na manutenção do equilíbrio ecológico, considerando o meio ambiente como um patrimônio público a ser necessariamente assegurado e protegido, tendo em vista o uso coletivo; II - racionalização do uso do solo, do subsolo, da água e do ar; III - planejamento e fiscalização do uso dos recursos ambientais;

6 IV - proteção dos ecossistemas, com a preservação de áreas representativas; V - controle e zoneamento das atividades potencial ou efetivamente poluidoras; VI - incentivos ao estudo e à pesquisa de tecnologias orientadas para o uso racional e a proteção dos recursos ambientais; VII - acompanhamento do estado da qualidade ambiental; VIII - recuperação de áreas degradadas; IX - proteção de áreas ameaçadas de degradação; X - educação ambiental a todos os níveis do ensino, inclusive a educação da comunidade, objetivando capacitá-la para participação ativa na defesa do meio ambiente.

7 Art. 9º - São Instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente: I - o estabelecimento de padrões de qualidade ambiental; II - o zoneamento ambiental; III - a avaliação de impactos ambientais; IV - o licenciamento e a revisão de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras; V - os incentivos à produção e instalação de equipamentos e a criação ou absorção de tecnologia, voltados para a melhoria da qualidade ambiental;.

8 VI - a criação de espaços territoriais especialmente protegidos pelo Poder Público federal, estadual e municipal, tais como áreas de proteção ambiental, de relevante interesse ecológico e reservas extrativistas; (Redação dada pela Lei nº 7.804, de ) VII - o sistema nacional de informações sobre o meio ambiente; VIII - o Cadastro Técnico Federal de Atividades e Instrumento de Defesa Ambiental; IX - as penalidades disciplinares ou compensatórias não cumprimento das medidas necessárias à preservação ou correção da degradação ambiental

9 X - a instituição do Relatório de Qualidade do Meio Ambiente, a ser divulgado anualmente pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis - IBAMA; Inciso incluído pela Lei nº 7.804, de XI - a garantia da prestação de informações relativas ao Meio Ambiente, obrigando-se o Poder Público a produzi-las, quando inexistentes; Inciso incluído pela Lei nº 7.804, de XII - o Cadastro Técnico Federal de atividades potencialmente poluidoras e/ou utilizadoras dos recursos ambientais. Inciso incluído pela Lei nº 7.804, de

10 Sistemas da Gerência de Meio Ambiente para o acompanhamento da gestão ambiental dos portos: IDA - Índice de Desempenho Ambiental - para instalações portuárias É um número que mede o grau de atendimento às conformidades ambientais. É um fator de compreensão da dinâmica ambiental (gestão) dos ambientes portuários.

11 Oportunidades do IDA: 1.Funciona como elemento de comparação entre processos de gestão em instalações portuárias. 2.Permite também a comparação entre processos de licenciamento de instalações portuárias. 3.É uma ferramenta a ser utilizada na regulação e fiscalização da Agência.

12 Oportunidades do IDA: 4. Possibilita que o Administrador Portuário conheça os pontos ambientais fortes e fracos da sua atividade. 5. Pode ensejar obrigações e recompensas /reconhecimento para o administrador portuário. 6. Institui um fluxo de informações técnicas substancial para o conhecimento e compreensão da gestão ambiental.

13 Produtos do IDA 1. Compreensão da lógica ambiental (interdependência, relevância das conformidades e outros fatores). 2. Acompanhamento da regulação ambiental pertinente às instalações portuárias (licenciamento ). 3. Verificação da capacidade de resposta à gestão ambiental das instalações portuárias e 4. Evolução da gestão ambiental das instalações portuárias.

14 1. Compreensão da lógica ambiental (interdependência pela ascendência e complementariedade, relevância das conformidades e outros fatores). Algumas conformidades ambientais são substancialmente interdependentes, principalmente da licença ambiental, emitida pelo órgão licenciador, como os instrumentos de controle à poluição ambiental, monitoramentos e outros. O atendimento à umas e a ausência de outras num mesmo porto ou instalação portuária fere esse lógica. No IDA, essa verificação é imediata após o preenchimento do questionário. Se isso acontece, cabe questionamento ao órgão máximo do licenciamento.

15 2. Acompanhamento da regulação ambiental pertinente às instalações portuárias (licenciamento ). Algumas conformidades podem ser vistas em termos de grau de dificuldade no IDA, pela ausência de atendimento ao longo do tempo e em elevado número de instalações. Outras não atendidas remetem às Agendas Ambientais Institucionais e Locais, quando há um compromisso da organização com as suas obrigações ambientais. A não efetividade dessas agendas é vista no IDA, muitas vezes pela não participação de órgãos ambientais e outros intervenientes na gestão.

16 3. Verificação da capacidade de resposta à gestão ambiental das instalações portuárias Um dos produtos do IDA é a capacidade de resposta à gestão ambiental, calcada implantação de agendas ambientais e outros compromissos com a gestão. Investimentos nesse área ambiental também é um instrumento de medição da resposta à gestão ambiental. A eficiência e eficácia na implantação e funcionamento dos instrumentos de controle e proteção ambiental medem complementarmente essa capacidade.

17 4. Evolução da gestão ambiental das instalações portuárias. A dinâmica da gestão é vista no IDA, aplicado a cada seis meses, pelo acompanhamento por aquele indicador do avanço ou retrocesso do atendimento às conformidades ambientais e outros elementos da gestão portuária.

18 Modelo científico do Índice. O Índice é baseado em um modelo científico (análise de multicritérios 1 ) e escolhido (entre muitos) por ser o que mais se adapta à situação de verificação do atendimento às conformidades ambientais portuárias. Foi desenvolvido pelos técnicos do Centro Interdisciplinar de Estudos em Transportes CEFTRU/UNB sob a coordenação da equipe da Gerência de Meio Ambiente da ANTAQ. 1 - Processo de Análise Hierárquica (AHP - Analytic Hierarchy Process).

19 Origem do conteúdo do IDA. Origem dos Indicadores: Foi utilizada a literatura nacional e internacional, abrangendo vários aspectos ambientais que constituem preocupações para os portos e para os agentes reguladores. Os atributos foram construídos para cada indicador específico segundo escalas de atendimento

20 Forma de trabalho do IDA. O Índice foi confeccionado em uma base de cálculo (em planilha Excel), que permite: Ajuste rápido e preciso às diversas situações de avaliação e Apresentação de um resultado final imediato, dando agilidade ao processo de avalição

21 Metodologia de confecção do IDA (planilhas Excel) Sistema ponderação (afastamentos) Sistema pontuação

22 Sistema ponderação (afastamentos) 1 Esse sistema é aplicado a todos os agrupamentos do IDA como Categorias, Indicadores Globais, Indicadores Específicos e Atributos, relacionando-os com seus pares. Por meio dele, se obtém os pontos ou pesos (totais) de cada parâmetro do IDA. Sistema pontuação Consiste nas planilhas da cálculo do grau de atendimento aos indicadores específicos do IDA, dentro de cada seu indicador global e respectiva categoria, pela instalação portuária, a partir da marcação do atributo alcançado por aquela instalação para o indicador específico avaliado. Processo de Análise Hierárquica (AHP - Analytic Hierarchy Process).

23 Estrutura do IDA: (agrupamentos ou componentes) 1 - Categorias Indicadores Globais Indicadores Específicos Atributos

24 Categorias: Econômico- Operacional Sociológico- Cultural IDA Físico-Químico Biológico- Ecológico

25 Aplicação do sistema de ponderação entre agrupamentos Econômico- Operacional Peso 72 Sociológico- Cultura Físico- Químico Peso 7 Peso 16 Biológico- Ecológico Peso 5

26 Exemplo: afastamentos para um grupo de Indicadores Específicos Mais relevante Menos relevante IE 1 x IE 2 IE 1 x IE 3 IE 1 x IE 4 IE 2 x IE 3 IE 2 x IE 4 IE 3 x IE 4 Razão de dispersão: 0,10 máx.

27 Exemplo: afastamentos para um grupo de Atributos (5) Mais relevante Menos relevante AT 1 x AT 2 AT 1 x AT 3 AT 1 x AT 4 AT 1 x AT 5 AT 2 x AT 3 AT 2 x AT 4 AT 2 x AT 5 AT 3 x AT 4 AT 3 x AT 5 AT 4 x AT 5 Dispersão: 0,10 máx.

28 Peso Peso AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Categoria Peso Indicador global Indicador específico Atributo (N5) Peso x Atributo (N4) Peso Atributo (N3) Atributo (N2) Atributo (N1) Peso Peso Peso

29 Categoria: Econômico-operacional - Peso: (0,72) Indicador Geral: Governança ambiental Peso: (0,217) Indicador Específico: Prevenção de riscos - Peso: (0,108) ( ) N5 Todas as cinco opções: (X) Plano de Emergência Individual - PEI, (X) Plano de Área, (X) Plano de Controle de Emergência - PCE, (X) Plano de Ajuda Mútua - PAM e ( ) Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA. (X) N4 Atende quatro das opções do N5. ( ) N3 Atende três das opções do N5. ( ) N2 Atende duas das opções do N5. ( ) N1 Atende uma ou nenhuma das opções do N5.

30 CATEGORIA - CT PESO CT/IDA INDICADORES GLOBAIS - IG PESO IG/CT PESO IG/IDA INDICADORES ESPECÍFICOS - IE PESO IE/IG PESO IE/IDA GOVERNANÇA AMBIENTAL 0,30 0,217 Licenciamento 0,54 0,117 Quantidade e qualificação dos técnicos 0,15 0,033 Treinamento e capacitação ambiental 0,08 0,016 Auditoria ambiental 0,23 0,050 Econômico-Operacionais 0,72 SEGURANÇA 0,22 0,160 GESTÃO DAS OP. PORTUÁRIAS 0,14 0,098 GERENCIAMENTO DE ENERGIA 0,04 0,028 Base de dados ocean. e metorolog. / climato. 0,10 0,016 Prevenção de riscos 0,67 0,108 Ocorrência de acidentes ambientais 0,23 0,036 Ações de retirada de resíduos do navio 0,67 0,065 Cargas perigosas 0,33 0,033 Consumo e eficiência no uso de energia 0,70 0,019 Tipos de energia utilizados 0,21 0,006 Fornecimento de energia para embarcações 0,08 0,002 CUSTOS E BENEF. DAS AÇÕES AMB. 0,09 0,068 Internalização dos Custos Ambientais no Orç. 1,00 0,068 Comunicação das ações ambientais 0,10 0,004 AGENDA AMBIENTAL 0,05 0,039 Agenda ambiental local 0,47 0,018 Agenda ambiental institucional 0,25 0,010 Certificações Voluntárias 0,18 0,007 Papel da autoridade portuária 0,35 0,038 Licenciamento Amb. das empresas 0,23 0,026 PEI dos terminais 0,14 0,015 GESTÃO CONDOMINIAL DO PORTO 0,15 0,110 Auditoria Amb. dos terminais 0,07 0,008 PGRS dos terminais 0,10 0,011 Certificação das empresas 0,04 0,004 Programa de EA nos terminais 0,07 0,008 Sociológico-Culturais 0,07 Físico-Químicos 0,16 EDUCAÇÃO AMBIENTAL 0,67 0,050 Promoção de ações de educação ambiental 1,00 0,050 SAÚDE PÚBLICA 0,33 0,025 Ações de promoção da saúde 0,33 0,008 Planos de Contingência de Saúde 0,67 0,017 Qualidade amb. do corpo hídrico 0,64 0,025 MONITORAMENTO DA ÁGUA 0,25 0,039 Drenagem pluvial 0,10 0,004 Ações para redução e reuso da água 0,26 0,010 MONIT. DO SOLO E MATERIAL DRAGADO 0,16 0,025 Área dragada e de disposição 0,50 0,012 Passivos Ambientais 0,50 0,012 MONITORAMENTO DO AR E RUÍDO 0,09 0,015 Poluentes atmosféricos (gases e particulados) 0,75 0,011 Poluição sonora 0,25 0,004 MONITORAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS 0,51 0,080 Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1,00 0,080 Monitoramento de Fauna e Flora 0,20 0,010 Biológico-Ecológicos 0,05 BIODIVERSIDADE 1,00 0,049 Animais sinantrópicos nos Portos 0,60 0,029 Levantamento e monitoramento esp. exót. 0,20 0,010 TOTAL 1,000 1,000

31 RANKING DOS PESOS DOS IND. ESPECÍFICOS Versão 4 INDICADORES ESPECÍFICOS - IE PESO IE/IDA 1 Licenciamento 0,117 2 Prevenção de riscos 0,108 3 Gerenciamento de Resíduos Sólidos 0,080 4 Internalização dos Custos Ambientais no Orç. 0,068 5 Ações de retirada de resíduos do navio 0,065 6 Auditoria ambiental 0,050 7 Promoção de ações de educação ambiental 0,050 8 Papel da autoridade portuária 0,038 9 Ocorrência de acidentes ambientais 0, Quantidade e qualificação dos técnicos 0, Cargas perigosas 0, Animais sinantrópicos nos Portos 0, Licenciamento Amb. das empresas 0, Qualidade amb. do corpo hídrico 0, Consumo e eficiência no uso de energia 0, Agenda ambiental local 0, Planos de Contingência de Saúde 0, Treinamento e capacitação ambiental 0, Base de dados ocean. e metorolog. / climato. 0, PEI dos terminais 0, Área dragada e de disposição 0, Passivos Ambientais 0, Poluentes atmosféricos (gases e particulados) 0, PGRS dos terminais 0, Ações para redução e reuso da água 0, Agenda ambiental institucional 0, Monitoramento de Fauna e Flora 0, Levantamento e monitoramento esp. exót. 0, Ações de promoção da saúde 0, Auditoria Amb. dos terminais 0, Programa de EA nos terminais 0, Certificações Voluntárias 0, Tipos de energia utilizados 0, Certificação das empresas 0, Drenagem pluvial 0, Comunicação das ações ambientais 0, Poluição sonora 0, Fornecimento de energia para embarcações 0,002 TOTAL 1,000 Econômico-operacional Sócio-cultural Físico-químico Biológico-ecológico

32 Contribuições recebidas: Autoridades Portuárias: Licenciamento (inclusão da regularização) e Gestão condominial (conferência das conformidades dos arrendatários).

33 Fases: 1. Informatização dos Questionário agosto/ ª avaliação ANTAQ 1º Sem ª avaliação ANTAQ 2º Sem ª avaliação ANTAQ 1º Sem ª avaliação ANTAQ - 2º Sem ª avaliação ANTAQ - 1º Sem. 2014

34 Conclusões 1. O IDA preenche os requisitos para os quais foi concebido; 2. O sistema ponderado (AHP) de conformidades é que torna o IDA mais apropriado às situações existentes; 3. Todas as conformidades ambientais são direta ou indiretamente abraçadas por legislação específica; 4. As conformidades nele consideradas são aqueles que melhor controlam a gestão ambiental;

35 5. O resultado da gestão depende muito de uma conduta proativa do gestor; 6. Algumas conformidades precisam receber mais atenção; 7. Há possibilidades de parcerias a serem exploradas pelas APs; 8. As Agendas Ambientais são primordiais para uma boa gestão e

36 Recomendações 1. Utilizar o IDA na íntegra, com todo o seu referencial (indicadores); 2. Ver o IDA como um fator de aprimoramento da gestão; 3. Aprimorar a partir dele Planos e Programas de gestão ambiental; 4. Agregar parcerias à gestão e 5. Estruturar a unidade de gestão.

37 Exemplo de atributo até N5 Acidentes ambientais N5 nenhum acidente ambiental N4 de um a três acidentes ambientais dentro do limite da APO N3 acima do três acidentes ambientais dentro do limite da APO N2 de um a três acidentes ambientais além do limite da APO N1 acima de três acidentes ambientais além do limite da APO ou não há registro de acidentes.

38 Exemplo de atributo até N3 Indicador Núcleo Ambiental N3 acima do número mínimo de profissionais N2 possui o número mínimo de profissionais N1 Abaixo do número mínimo de profissionais

39 Categoria: Econômico-Operacional Avalia a implantação e funcionamento dos principais dispositivos econômicos-operacionais, que respondem pela gestão ambiental da instalação portuária, de proteção dos recursos naturais e outros Indicadores Globais: Governança ambiental; Segurança; Gestão das operações portuárias; Gerência de energia; Custos e benefícios de ações ambientais; Agendas ambientais portuárias e Gestão condominial do porto

40 Categoria: Sociológico-Cultural Mede o nível de instrução ambiental existente no corpo funcional da instalação portuária e avalia a implantação dos controles de contingência à saúde do trabalhador portuário e da comunidade portuária. Indicadores Globais: Educação Ambiental Saúde Pública

41 Categoria: Físico-Químico Avalia a qualidade dos recursos naturais (solo, água e ar) expostos à uma potencial ou efetiva poluição proveniente atividade portuária. Indicadores Globais: Monitoramento da água Monitoramento do solo e material dragado Monitoramento do ar e ruído Monitoramento de resíduos sólidos

42 Categoria: Físico-Químico Indicador Global: Monitoramento da água. Indicadores Específicos: Qualidade ambiental do corpo hídrico; Drenagem pluvial; e Ações para redução e reuso da água.

43 Categoria: Físico-Químico Indicador Global: Monitoramento do solo e do material dragado Indicadores Específicos: Área dragada e de disposição e Passivos ambientais

44 Categoria: Físico-Químico Indicador Global: Monitoramento do ar e ruído Indicadores Específicos: Poluente atmosféricos e particulados e Poluição sonora

45 Categoria: Físico-Químico Indicador Global: Monitoramento de resíduos sólidos Indicador Específico: Gerenciamento de resíduos sólidos

46 Categoria: Biológico-Ecológico Indicador Global: Biodiversidade. Indicadores Específicos: Monitoramento da fauna e da flora; Animais sinantrópicos e Levantamento e monitoramento de espécies exóticas.

47 Obrigado, Marcos Maia Porto Gerente de Meio Ambiente e Sustentabilidade - GMS

Lei nº 6.938/81. Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Lei nº 6.938/81. Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos Lei nº 6.938/81 SINOPSE: a) Meio ambiente é PATRIMÔNIO PÚBLICO, devendo ser protegido, tendo em vista o uso coletivo; b) Planejar, fiscalizar e racionalizar o uso dos recursos ambientais; c) Proteger os

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza (theos@usp.br) Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano (Conferência de Estocolmo) 1972, Estocolmo, Suécia 113

Leia mais

O desastre ambiental de Mariana: análise sob a ótica do Direito Ambiental Brasileiro. Marcelo Leoni Schmid

O desastre ambiental de Mariana: análise sob a ótica do Direito Ambiental Brasileiro. Marcelo Leoni Schmid O desastre ambiental de Mariana: análise sob a ótica do Direito Ambiental Brasileiro Marcelo Leoni Schmid marcelo@indexflorestal.com.br Aula 03 Responsabilidade administrativa e penal no Direito Ambiental

Leia mais

NR 1 ( ) NR 9 ( ) NR 6 ( ) NR 3 ( ) NR 4 ( ) NR 7 ( ) NR 5 ( ) NR 10 (210.

NR 1 ( ) NR 9 ( ) NR 6 ( ) NR 3 ( ) NR 4 ( ) NR 7 ( ) NR 5 ( ) NR 10 (210. ANEXO ANEXO II da NR-28 NR 1 (101.000-0) 1.7. a 101001-8 1 S 1.7. b 101010-7 1 S 1.7. c I 101005-0 3 S 1.7. c II 101006-9 3 S 1.7. c III 101007-7 3 M 1.7. c IV 101008-5 3 S 1.7. d 101009-3 3 S 1.7. e 101011-5

Leia mais

Avaliação socioambiental de fornecedores

Avaliação socioambiental de fornecedores Avaliação socioambiental de fornecedores IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: CNPJ: Material/serviço que fornece: Responsável pelas informações: Cargo: Telefone: E-mail: Questionário Gostaríamos de conhecer

Leia mais

Proconve sendo classificadas como ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORA E UTILIZADORA DE RECURSOS AMBIENTAIS Passíveis de inscrição no CTF DEVIDO AO IMPACTO AMBIENTAL FISCALIZAÇÃO CADASTRO TÉCNICO

Leia mais

Módulo 2. Requisitos Legais Identificação da Legislação Aplicável Requisito da norma ISO Exercícios.

Módulo 2. Requisitos Legais Identificação da Legislação Aplicável Requisito da norma ISO Exercícios. Módulo 2 Requisitos Legais 2.1. Identificação da Legislação Aplicável. 2.2. Requisito 4.3.1. da norma ISO 14001. Exercícios. 2.1. Identificação da Legislação Aplicável Aspectos e Impactos Ambientais Identificação

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 481, DE 03 DE JANEIRO DE 2013.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 481, DE 03 DE JANEIRO DE 2013. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 481, DE 03 DE JANEIRO DE 2013. Altera a Lei Estadual nº 6.908, de 1º de julho de 1996, que Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos, institui o Sistema

Leia mais

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA

XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA XXII EXAME DE ORDEM DIREITO AMBIENTAL PROF.ª ERIKA BECHARA Meio ambiente na CF/88 A Constituição Federal reconhece e declara: O meio ambiente ecologicamente equilibrado é essencial à sadia qualidade de

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 09 Aspectos legais e institucionais Meio Ambiente Profª Heloise G. Knapik 1 Por quê precisamos de legislação ambiental? Controle

Leia mais

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU n o 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 Estabelece

Leia mais

Avaliação de risco e legislação ambiental

Avaliação de risco e legislação ambiental VII Seminário Internacional sobre Remediação e Revitalização de Áreas Contaminadas Avaliação de risco e legislação ambiental Ana Luiza Silva Spínola 21 de outubro de 2010 Contextualização Planejamento

Leia mais

Roteiro da Apresentação. 1. Evolução Histórica 2. Problemas de Aplicabilidade 3. Reflexões

Roteiro da Apresentação. 1. Evolução Histórica 2. Problemas de Aplicabilidade 3. Reflexões Roteiro da Apresentação 1. Evolução Histórica 2. Problemas de Aplicabilidade 3. Reflexões Evolução Histórica da Legislação Brasileira Período Colonial (século XVI a XIX) contrabando de animais (rota marítima

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA 1 POLUIÇÃO E CONTROLE AMBIENTAL a- Crise ambiental b- Ética ambiental c- Meio ambiente e saúde Saúde e qualidade

Leia mais

JusBrasil - Legislação

JusBrasil - Legislação 1 de 10 16/04/2014 09:12 JusBrasil - Legislação 16 de abril de 2014 Lei 4366/97 Lei nº 4366 de 05 de setembro de 1997 Publicado por Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim (extraído pelo JusBrasil)

Leia mais

Responsabilidade Ambiental

Responsabilidade Ambiental Responsabilidade Ambiental A Legislação Ambiental "A natureza é sábia. Sábia, abundante e paciente. (Ubiracy Araújo, Procurador Geral do IBAMA) História da Legislação Ambiental Dois momentos distintos,

Leia mais

Cadastro Técnico Federal

Cadastro Técnico Federal Cadastro Técnico Federal Bruno Buys Mariana Nakashima 2 Apresentação do Cadastro Técnico Federal 3 Cadastro Técnico Federal Lei 6.938/1981 Atividades e Instrumentos de Defesa Ambiental Atividades Potencialmente

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO PENAL III Código da Disciplina: JUR 219 Curso: Direito Semestre de oferta da disciplina: 5º Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de: 2015

Leia mais

Cadastro Técnico Federal

Cadastro Técnico Federal Cadastro Técnico Federal Bruno Buys Mariana Nakashima Apresentação do CTF CTF/AIDA; CTF/APP. Obrigações decorrentes de inscrição no CTF/APP Legislação; TCFA e entrega de relatórios. Regularização junto

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA N 09, DE 13 DE JUNHO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA N 09, DE 13 DE JUNHO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA N 09, DE 13 DE JUNHO DE 2012 Estabelece Normas gerais para o exercício da pesca amadora em todo o território nacional. O MINISTRO DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA

Leia mais

SOS OAB Direito Ambiental X Exame Aloisio Pereira Neto

SOS OAB Direito Ambiental X Exame Aloisio Pereira Neto SOS OAB Direito Ambiental X Exame Aloisio Pereira Neto VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO (Questão 35 caderno tipo branco) Sobre a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), assinale a afirmativa correta.

Leia mais

ANEXO I FILME. Nome do(a) aluno(a) Curso Semestre Data / / Título do filme. Crédito (direção, ano e produção)

ANEXO I FILME. Nome do(a) aluno(a) Curso Semestre Data / / Título do filme. Crédito (direção, ano e produção) ANEXO I FILME Curso Semestre Data / / Título do filme Crédito (direção, ano e produção) Duração do filme Resumo (aspectos históricos, políticos, econômicos); Aspectos pedagógicos (relação ensino/aprendizagem

Leia mais

Gestão de Áreas Contaminadas baseada na Lei Engº Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Áreas Contaminadas CETESB

Gestão de Áreas Contaminadas baseada na Lei Engº Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Áreas Contaminadas CETESB Gestão de Áreas Contaminadas baseada na Lei 13577 Engº Rodrigo César de Araújo Cunha, Dr. Setor de Áreas Contaminadas CETESB DISTRIBUIÇÃO POR ATIVIDADE 471 (13%) 147 (4%) 96 (3%) Outras fontes 25 (1%)

Leia mais

LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998

LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998 LEI Nº 9.605, DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998 Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEGISLAÇÕES PERTINENTES

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEGISLAÇÕES PERTINENTES LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEGISLAÇÕES PERTINENTES O MEIO AMBIENTE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 225, CF: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Gestão ambiental portuária considerando aspectos econômicos e financeiros: uma revisão da literatura e de práticas nacionais e internacionais

Gestão ambiental portuária considerando aspectos econômicos e financeiros: uma revisão da literatura e de práticas nacionais e internacionais Gestão ambiental portuária considerando aspectos econômicos e financeiros: uma revisão da literatura e de práticas nacionais e internacionais Erica Caetano Roos Francisco José Kliemann Neto PPEGP - UFRGS

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica.

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica. CÓDIGO DE ÉTICA Nestes três anos de muitas realizações, as relações da Agência de Desenvolvimento Paulista com seus parceiros, clientes, fornecedores, acionistas, entre outros, foram pautadas por valores

Leia mais

PARTE III: LEGISLAÇÃO AMBIENTAL D.Sc. Aline G. Monteiro Trigo

PARTE III: LEGISLAÇÃO AMBIENTAL D.Sc. Aline G. Monteiro Trigo PARTE III: LEGISLAÇÃO AMBIENTAL D.Sc. Aline G. Monteiro Trigo Lei n o 6938 / 81 - PNMA - Objetivos, princípios e diretrizes - Definições - Instrumentos de Gestão Ambiental (Pública) leis a cada instrumento.

Leia mais

Cadastro Técnico Federal

Cadastro Técnico Federal Cadastro Técnico Federal Fevereiro / 2017 2 Apresentação do Cadastro Técnico Federal 3 Cadastro Técnico Federal Lei 6.938/1981 Atividades e Instrumentos de Defesa Ambiental Atividades Potencialmente Poluidoras

Leia mais

COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO

COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA III COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO FIXADA A COMARCA COMPETENTE (RATIONE LOCI), QUAL SERÁ A JUSTIÇA COMPETENTE EM RAZÃO DA NATUREZA DA INFRAÇÃO OU FATOS INCRIMINADORES

Leia mais

Capítulo I TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Conceito de Constituição e supremacia constitucional... 27

Capítulo I TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Conceito de Constituição e supremacia constitucional... 27 ... 23 Capítulo I TEORIA DA CONSTITUIÇÃO... 27 1. Conceito de Constituição e supremacia constitucional... 27... 27 1.2. Constituição política... 27 1.3. Constituição jurídica... 28 1.4. Constituição culturalista...

Leia mais

PROTEÇÃO DA ORDEM ECONÔMICA E DA CONCORRÊNCIA Profª Camila Ilário

PROTEÇÃO DA ORDEM ECONÔMICA E DA CONCORRÊNCIA Profª Camila Ilário PROTEÇÃO DA ORDEM ECONÔMICA E DA CONCORRÊNCIA Profª Camila Ilário Já estudamos que nossa Carta Magna tem inspiração neoliberal no que se refere ao regime econômico. Por esta razão, estabeleceu mecanismos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD-ICMS/IPI - Escrituração do CT-e pela empresa tomadora do serviço - Amazonas

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD-ICMS/IPI - Escrituração do CT-e pela empresa tomadora do serviço - Amazonas EFD-ICMS/IPI - Escrituração do CT-e pela empresa tomadora do 30/09/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS REQUISITOS LEGAIS SOBRE AUDITORIA AMBIENTAL COMPULSÓRIA NOS ESTADOS DA REGIÃO SUL DO BRASIL

ANÁLISE COMPARATIVA DOS REQUISITOS LEGAIS SOBRE AUDITORIA AMBIENTAL COMPULSÓRIA NOS ESTADOS DA REGIÃO SUL DO BRASIL ANÁLISE COMPARATIVA DOS REQUISITOS LEGAIS SOBRE AUDITORIA AMBIENTAL COMPULSÓRIA NOS ESTADOS DA REGIÃO SUL DO BRASIL Sabrina R. Sousa 1, Cibeli Zanatta 2, Roni M. Severis 2 1 IFRS Campus Sertão 2 Universidade

Leia mais

IMPOSTO NA NOTA FISCAL - LEI /2012

IMPOSTO NA NOTA FISCAL - LEI /2012 O que é? IMPOSTO NA NOTA FISCAL - LEI 12.741/2012 A Lei nº 12.741/2012 estabelece a obrigatoriedade de informação da carga tributária sobre produtos e serviços ao consumidor, seja ele pessoa física ou

Leia mais

Relatório de Comercialização SAMMED

Relatório de Comercialização SAMMED Relatório de Comercialização SAMMED Outubro 2016 1. Regulação do mercado de medicamentos Resolução 01 de 23 de fevereiro de 2015 Estabelece os critérios de composição de fatores para o ajuste de preços

Leia mais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais Registos e Notariado Ficha Técnica Código do Notariado TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais CAPÍTULO I - Disposições gerais CAPÍTULO II - Competência funcional SECÇÃO I - Atribuições dos notários

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS. Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

POLÍTICA DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS. Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Versão 2016.1 Editada em Junho de 2016 1. OBJETIVO Esta Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários define os padrões de condutas internas exigidas

Leia mais

AGENDA 21 GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS

AGENDA 21 GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS AGENDA 21 GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS RECURSOS HÍDRICOS, ECOSSISTEMAS COSTEIROS, ENERGIA DE BIOMASSA, BIODIVERSIDADE E LICENCIAMENTO AMBIENTAL Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável Prof. Francisco

Leia mais

Papel do Município no Licenciamento Ambiental

Papel do Município no Licenciamento Ambiental Papel do Município no Licenciamento Ambiental Vivian do Carmo Bellezzia Advogada Mestranda em Direito Ambiental pela ESDHC Especialista em Direito Público pela PUC-MINAS Especialista em Filosofia pela

Leia mais

O Porto e a Cidade. Os aspectos da gestão ambiental. Antônio Tarcísio Correia de Mello Secretário de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Vitória

O Porto e a Cidade. Os aspectos da gestão ambiental. Antônio Tarcísio Correia de Mello Secretário de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Vitória O Porto e a Cidade Os aspectos da gestão ambiental e do território Antônio Tarcísio Correia de Mello Secretário de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Vitória Introdução Os desafios trazidos pelas reformas

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

LICENCIAMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: LICENCIAMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei 6938/81 (PNMA), art. 9º, inc. IV Dec. 99.274/90, art. 7, inc. I Resolução CONAMA 001/86 e 237/97 e 006/86 CF/88 art. 225 (proteção e prevenção) Art. 2º

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS POLÍTICAS PÚBLICAS AMBIENTAIS As primeiras manifestações de gestão ambiental procuraram solucionar problemas de escassez de recurso, mas só após a Revolução Industrial os problemas que concernem à poluição

Leia mais

LEI DE PENALIDADES: O PODER SANCIONADOR ULTRAPASSANDO OS OBJETIVOS EDUCATIVOS.

LEI DE PENALIDADES: O PODER SANCIONADOR ULTRAPASSANDO OS OBJETIVOS EDUCATIVOS. LEI DE PENALIDADES: O PODER SANCIONADOR ULTRAPASSANDO OS OBJETIVOS EDUCATIVOS. OBJETIVOS DA SANÇÃO ADMINISTRATIVA AS SANÇÕES SÃO UM MEIO E NÃO UMA FINALIDADE. O ADMINISTRADOR DEVE CONSIDERAR O INTERESSE

Leia mais

Art Atirar do veículo ou abandonar na via objetos ou substâncias: Infração - média; Penalidade - multa.

Art Atirar do veículo ou abandonar na via objetos ou substâncias: Infração - média; Penalidade - multa. Art. 172. Atirar do veículo ou abandonar na via objetos ou substâncias: Penalidade - multa. Art. 173. Disputar corrida por espírito de emulação: Infração - gravíssima; Penalidade - multa (três vezes),

Leia mais

Leilão Reverso - Monitor de Comercialização Proponente

Leilão Reverso - Monitor de Comercialização Proponente MT-212-00110-3 Última Atualização: 08/01/2015 Leilão Reverso - Monitor de Comercialização Proponente Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008.

RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008. PUBLICADA EM 14/03/88 SEÇÃO I PÁG.36 RESOLUÇÃO SMA-15 DE 13 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre os critérios e parâmetros para concessão de autorização para supressão de vegetação nativa considerando as áreas

Leia mais

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira

Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira Preparação para atuação profissional em meio ambiente Simone Paschoal Nogueira São Paulo, 1 de agosto de 2016 ROTEIRO Instituições e Atribuições do Estado Quem faz o que? Constituição Federal Competências

Leia mais

LEI N , DE 18 DE JUNHO DE 2014

LEI N , DE 18 DE JUNHO DE 2014 LEI N. 12.998, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre remuneração das Carreiras e dos Planos Especiais de Cargos das Agências Reguladoras, das Carreiras e do Plano Especial de Cargos do Departamento Nacional

Leia mais

Como a Constituição trata tal imposto:

Como a Constituição trata tal imposto: Como a Constituição trata tal imposto: Art. 155. Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 3, de 1993) (...) II - operações relativas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA CRONOGRAMA DE CURSOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - 2013 CUSTO LOCAL INSCRIÇÕES INFORMAÇÕES Gratuitos.

Leia mais

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Tipo de aula. Semana

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL (ENEX 60150) ETAPA: 10ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos, filmes

Leia mais

Terça-feira, 19 de Julho de 2016 Edição N 857 Caderno I

Terça-feira, 19 de Julho de 2016 Edição N 857 Caderno I 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 MUNICÍPIO DE ILHÉUS - BA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DO RESULTADO NOMINAL ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A JUNHO 2016/BIMESTRE MAIO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE TÉCNICOS EM RADIOLOGIA Serviço Público Federal. Minuta de Resolução CONTER Radiologia Industrial

CONSELHO NACIONAL DE TÉCNICOS EM RADIOLOGIA Serviço Público Federal. Minuta de Resolução CONTER Radiologia Industrial Minuta de Resolução CONTER Radiologia Industrial EMENTA: Institui e normatiza as atribuições, competências e funções dos técnicos e tecnólogos em Radiologia no setor Industrial, revoga as Resoluções CONTER

Leia mais

Estado da Bahia PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINA CNPJ: / DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012

Estado da Bahia PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINA CNPJ: / DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece medidas administrativas de racionalização, controle orçamentário e contenção de despesas no âmbito da Prefeitura Municipal e dá outras providências.

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE. Art. 1º A presente Instrução Tecnico-Administrativa tem os seguintes objetivos:

CAPÍTULO I DA FINALIDADE. Art. 1º A presente Instrução Tecnico-Administrativa tem os seguintes objetivos: MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO COMANDO LOGÍSTICO DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS (DFPC/1982) INSTRUÇÃO TÉCNICO-ADMINISTRATIVA Nº 01 DE 30 ABRIL DE 2014 Regula os procedimentos

Leia mais

LEI N o 18802, de 31 de março 2010

LEI N o 18802, de 31 de março 2010 LEI N o 18802, de 31 de março 2010 Reajusta os valores das tabelas de vencimento básico das carreiras do Poder Executivo que menciona e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, O

Leia mais

Tribunais Regionais Federais e. Juízes Federais. Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais. Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais

Tribunais Regionais Federais e. Juízes Federais. Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais. Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais S Art. 106. São órgãos da Justiça Federal: I - os Tribunais Regionais Federais; II - os. 1 2 Art. 107. Os Tribunais Regionais Federais compõemse de, no mínimo, sete juízes, recrutados, quando possível,

Leia mais

Violência contra menor

Violência contra menor Violência contra menor que providências tomar e a quem recorrer? Sabine Káteb Estatuto da Criança e do Adolescente Lei nº 8.069, de 13 de Julho de 1990 Por mais que pareça desnecessário deve ser lembrado

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Conceito: São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas,

Leia mais

SUMÁRIO 1. NOÇÕES PRELIMINARES

SUMÁRIO 1. NOÇÕES PRELIMINARES SUMÁRIO 1. NOÇÕES PRELIMINARES 1. Direitos de terceira geração 1.1 Introdução 1.2 Direitos difusos 1.3 Direitos coletivos stricto sensu 1.4 Direitos individuais homogêneos 2. Meio ambiente: definição e

Leia mais

Alteração ao regime jurídico de segurança e saúde no trabalho

Alteração ao regime jurídico de segurança e saúde no trabalho Alteração ao regime jurídico de segurança e saúde no trabalho A Lei nº. 3/2014, de 28 de janeiro, procede à segunda alteração do regime jurídico de segurança e saúde no trabalho (Lei nº.102/2009). Este

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

Encontro com Fornecedores Gestão da Ética nos Correios

Encontro com Fornecedores Gestão da Ética nos Correios Comissão de Ética Encontro com Fornecedores Gestão da Brasília, 29/06/2016 Conceitos Conceitos Fundamentos para o Código de Ética dos Correios Ética é a atribuição de valor ou importância a pessoas, condições

Leia mais

Monitoração de Prevenção à Lavagem de Dinheiro (PLD)

Monitoração de Prevenção à Lavagem de Dinheiro (PLD) Monitoração de Prevenção à Lavagem de Dinheiro (PLD) Workshop: Monitoração de Práticas Abusivas de Ofertas, de PLD e de Controles Internos de Suitability 10h45 às 11h45 23/11/2016 Confidencial Restrita

Leia mais

SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS. Ricardo Carneiro

SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS. Ricardo Carneiro SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Ricardo Carneiro APROVEITAMENTO DOS RECURSOS MINERAIS E DOS POTENCIAIS HIDRÁULICOS APROVEITAMENTO DOS RECURSOS MINERAIS E DOS POTENCIAIS

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos

Direito Ambiental Constitucional. Inclui Princípios constitucionais correlatos Direito Ambiental Constitucional Inclui Princípios constitucionais correlatos Constituição de 1988 Conceito jurídico de meio ambienteconstituição Art. 3º. Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

Leia mais

FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA

FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA FORMULÁRIO TÉCNICO DA BARRAGEM DE ACUMULAÇÃO DE ÁGUA Nome da barragem /estrutura: Endereço: Bairro/Distrito: CEP: Telefone /Fax: ( ) I. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Complemento: Município/UF: E-mail:

Leia mais

ENVIO DE MATERIAL BIOLÓGICO NÃO CONSIGNADO PARA O EXTERIOR

ENVIO DE MATERIAL BIOLÓGICO NÃO CONSIGNADO PARA O EXTERIOR ENVIO DE MATERIAL BIOLÓGICO NÃO CONSIGNADO PARA O EXTERIOR Material Biológico Consignado: organismos ou partes desses registrados em uma coleção biológica científica. Material Biológico: organismos ou

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA Superintendência de Atendimento e Controle Processual TERMO DE COMPROMISSO E TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Daniela de Souza Superintendência

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ATIVIDADES COMPLEMENTARES RESOLUÇÃO Nº117, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2015. O COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO E GEOGRAFIA da Fundação Universidade Federal de

Leia mais

CONTROLE INTERNO LEI MUNICIPAL MÍNIMA

CONTROLE INTERNO LEI MUNICIPAL MÍNIMA CONTROLE INTERNO LEI MUNICIPAL MÍNIMA Constituição Federal Art. 31. A fiscalização do Município será exercida pelo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos sistemas de controle interno

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITÁRIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITÁRIOS 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS E COMUNITÁRIOS FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO DE BENEFÍCIO SOCIOECONÔMICO DO PROGRAMA BOLSAS DE PERMANÊNCIA DA UNIPAMPA

Leia mais

SCOPINO TREINAMENTOS

SCOPINO TREINAMENTOS INSTRUTOR: SCOPINO TREINAMENTOS SELO SINDIREPA DE SUSTENTABILIDADE AULA 03 EXCELÊNCIA NESTA ÚLTIMA AULA SOBRE O SSS, VEREMOS OS DETALHES E REQUISITOS PARA COMPROVAR A EXCELÊNCIA DAS EMPRESAS REPARADORAS,

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO (COFI)

PARECER DA COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO (COFI) 1 PARECER DA COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO (COFI) O Conselho Regional de Serviço Social da 14ª Região (CRESS/RN), no uso de suas atribuições legais e regimentais, através da Comissão de Orientação

Leia mais

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES NORMA I ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1. O presente regulamento, em conformidade com

Leia mais

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Norma Estadual - Mato Grosso do Sul Publicado no DOE em 24 out 2014 Regulamenta dispositivos da Lei n. 11.959, de 29 de junho de 2009 relativo ao registro dos pescadores

Leia mais

Matemática- 2008/ Se possível, dê exemplos de: (no caso de não ser possível explique porquê)

Matemática- 2008/ Se possível, dê exemplos de: (no caso de não ser possível explique porquê) Matemática- 00/09. Se possível, dê exemplos de (no caso de não ser possível explique porquê) (a) Uma matriz do tipo ; cujos elementos principais sejam 0. (b) Uma matriz do tipo ; cujo elemento na posição

Leia mais

ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010.

ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA PORTARIA Nº 782/GC3, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010. Aprova a regulamentação da sistemática de apuração de transgressão disciplinar e da aplicação da punição disciplinar. O COMANDANTE

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AMEAÇAS AMBIENTAIS Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AMEAÇAS AMBIENTAIS Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular AMEAÇAS AMBIENTAIS Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Políticas de Segurança 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Fica criado o Fundo Municipal de Assistência Social (FMAS), instrumento de gestão orçamentária e financeira do município, que tem por

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Ergonomia Código da Disciplina: EPD 006 Curso: Engenharia de Produção Faculdade responsável: Engenharia

Leia mais

RESOLUÇÃO DIPRE Nº , DE 20 DE MAIO DE 2016.

RESOLUÇÃO DIPRE Nº , DE 20 DE MAIO DE 2016. RESOLUÇÃO DIPRE Nº 126.2016, DE 20 DE MAIO DE 2016. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL E PARA O FORNECIMENTO DE ÓLEOS LUBRIFICANTES ÀS EMBARCA- ÇÕES, NAS ÁREAS DO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO VERSÃO: 28/02/2011 2/7 MANUAL DE NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES 5 CAPÍTULO

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO A Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias da Assembleia da República solicitou ao Conselho Superior do Ministério Público a emissão de parecer relativamente à proposta de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAMPUS FLORESTAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Rodovia LMG 818, km 06, Florestal MG, 35.690-000. Tel: (31) 3536-3300 COORDENAÇÃO DO CURSO DE AGRONOMIA Regulamento das Atividades

Leia mais

L E I n.º /

L E I n.º / L E I n.º 9 1 7 / 2 0 0 5. Dispõe sobre o licenciamento ambiental no Município de Cristal e dá outras providências. Dr. Sérgio Carriconde Schmidt, Prefeito Municipal de Cristal em exercício, Estado do

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 707 DE 03 DE ABRIL DE 2014 L E I

LEI MUNICIPAL Nº 707 DE 03 DE ABRIL DE 2014 L E I LEI MUNICIPAL Nº 707 DE 03 DE ABRIL DE 2014 ALTERA A LEI 699, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2013 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Instruções para preenchimento dos Documentos 3020, 3026 e Para efeito da prestação de informações ao SCR, considera-se:

Instruções para preenchimento dos Documentos 3020, 3026 e Para efeito da prestação de informações ao SCR, considera-se: Instruções para preenchimento dos Documentos 3020, 3026 e 3030 Para fins de preenchimento dos arquivos correspondentes aos documentos referidos no inciso II do item 1 da Carta-Circular nº 3.404, de 30

Leia mais

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte Auditoria em Certificação Ambiental Organização da Aula Auditorias ambientais Aula 2 Prof. Luiz Antonio Forte Critérios para qualificação de auditores Estudo de caso Auditoria Ambiental Contextualização

Leia mais

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle.

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. Portaria No 3523, de 28 de Agosto de 1998, Ministério da Saúde; Resolução ANVISA - RE No 174 de 24 de Outubro de 2000. Resolução ANVISA - RE No 09 de 16 de

Leia mais

Grupos e Equipes de Trabalho

Grupos e Equipes de Trabalho Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 2 1 Fundamentos do comportamento de grupos Definição Um grupo é definido como dois ou mais

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 97, DE 2015 (Nº 4.692/2012, NA CASA DE ORIGEM)

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 97, DE 2015 (Nº 4.692/2012, NA CASA DE ORIGEM) SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 97, DE 2015 (Nº 4.692/2012, NA CASA DE ORIGEM) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de designer de interiores e ambientes e dá outras providências.

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 1, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 1, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 1, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015 A PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, nomeada por Decreto de 5 de maio de 2015, publicado

Leia mais

PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de Suprimento de Fundos pela Fundação de Educação Tecnológica e Cultural da Paraíba FUNETEC-PB. O SUPERINTENDENTE da Fundação de

Leia mais

Curso Técnico/a de Turismo Ambiental e Rural*

Curso Técnico/a de Turismo Ambiental e Rural* DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes (404329) Curso Técnico/a de Turismo Ambiental e Rural* COMPONENTE DE FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL I Textos

Leia mais